Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane

5.334 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.334
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.056
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
136
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane

  1. 1. Gêneros Textuais UNIDADE 5
  2. 2. OBJETIVOS • entender a concepção de alfabetização na perspectiva do letramento; • analisar e planejar projetos didáticos para turmas de alfabetização, integrando diferentes componentes curriculares, e atividades voltadas para o desenvolvimento da oralidade, leitura e escrita; • conhecer os recursos didáticos distribuídos pelo Ministério da Educação e planejar situações didáticas em que tais materiais sejam usados.
  3. 3. Considerações iniciais sobre os gêneros textuais • Anos 70 – estudo dos gêneros textuais ou gêneros discursivos desenvolveu-se com o auge do estruturalismo e os avanços teóricos da Gramática de Texto e da Linguística Textual; • 1997 – o estudo dos gêneros ganhou impulso com a implantação dos Parâmetros Curriculares; • O ensino de Língua Portuguesa centrou-se inicialmente na Gramática, no texto e atualmente no estudo do funcionamento enunciativodiscursivo dos gêneros
  4. 4. GÊNEROS TEXTUAIS • Os gêneros podem ser considerados, seguindo Bakhtin (1984), instrumentos culturais disponíveis nas interações sociais. São historicamente mutáveis e relativamente estáveis e se concretizam em textos que são singulares. • Trata-se de formas relativamente estáveis tomadas pelos enunciados em situações habituais, entidades culturais intermediárias que permitem estabilizar os elementos formais e rituais das práticas de linguagem. • Através do gênero os conhecimentos são partilhados e se alteram, desaparecem ou se transformam em outros gêneros como consequências das mudanças sociais. • Escola como autêntico lugar de produção e utilização de textos
  5. 5. Como os gêneros se constituem? Um gênero vai-se constituindo no uso coletivo da linguagem – oral e escrita. Os membros de uma comunidade linguística vão estabelecendo, no decorrer de sua história, modos específicos de se dirigirem a determinado público, para alcançarem determinados objetivos ou funções.
  6. 6. • “Dois conceitos bakhtinianos podem auxiliar nossa reflexão:o conceito esfera de atividade ou circulação de discursos e o conceito de gêneros discursivos (Bakhtin 1992 [ 1952-53/1979]). Na vida cotidiana, circulamos por diferentes esferas de atividades ( doméstica e familiar, do trabalho, escolar, acadêmico, jornalística, publicitária, burocrática, religiosa, artística, etc.), em diferentes posições sociais , como produtores ou receptores/consumidores de discursos, em gêneros variados, mídias diversas e em culturas também diferentes.” (Rojo, 2009 p.109)
  7. 7. Esferas ou campos de circulação de discursos na vida- LETRAMENTO Artístico cultural Cotidiana Jornalística Escolar Política Publicitária Científica Religiosa
  8. 8. Demandas de uma esfera de atividade Toda esfera de atividade humana cria necessidades de comunicação próprias das situações e dos papéis sociais  característicos dessa esfera. Numa esfera como a educacional, por exemplo, participar de uma situação de sala de aula gera demandas como a de interpelar um aluno, pedir licença ao professor, conversar com o colega, discutir um texto, pedir explicações, definir um conceito.  
  9. 9. Tipos de discurso Há muitas concepções diferentes de tipos de discurso, na literatura especializada. Entretanto, considerando que discurso é a linguagem em uso entre parceiros, definiremos os tipos de discurso como ações linguísticas, passíveis de serem designadas por verbos de dizer. Assim, relatar, narrar, opinar, argumentar, expor, anunciar etc. são tipos de discurso. Entre outras coisas, os gêneros caracterizam-se pelos tipos de discurso que mobilizam.  
  10. 10. Algumas Definições Importantes • Discurso: é a linguagem posta em ação e necessariamente entre parceiros. O discurso como toda e qualquer ação humana é um acontecimento determinado por condições de produção específicas. Todo discurso é uma ato único, de caráter histórico, impossível de se repetir • Memória discursiva: é o universo de discursos já ditos que permitem significar. Todo discurso significa em relação a discursos anteriores que estão presentes na sociedade como memória • Enunciação (ato de) Toda enunciação é um uso particular da língua. Assim como, no teatro, a encenação é o ato de produzir uma cena, a enunciação, nos domínios da linguagem, é o ato de produzir um enunciado,— oral ou escrito — com um conteúdo definido e um formato determinado pela situação de comunicação em que vai se dar.
  11. 11. • Texto: num ato de enunciação, o texto corresponde ao enunciado que se produz. Nesse sentido, um texto é o produto material — oral ou escrito — de um discurso. Portanto, todo texto é uma espécie de registro, tanto do ponto de vista das formas quanto dos sentidos, das escolhas que um  enunciador fez, considerando o que pretendia dizer a um enunciatário, nesta ou naquela  situação de comunicação  • Para entender bem a diferença entre texto e discurso, pense no enunciado: “Mas isso são horas?”. Ele poderia ser usado em várias esferas e por diferentes participantes. Na esfera cotidiana, se dito pela mulher a seu marido, pode ser uma cobrança do horário que ele chegou em casa; já na esfera jurídica, o mesmo enunciado pode querer dizer que não há mais tempo para apresentar provas no tribunal de júri, produzindo um outro efeito de sentido. • Efeito de sentido No interior de um discurso, as palavras não têm um sentido único e fechado, como nas definições de dicionário, mesmo quando empregadas numa acepção claramente determinada. Dependendo de fatores como o fato de serem faladas ou escritas, proferidas por alguém identificado ou anônimo, numa esfera pública ou privada, num conto ou numa notícia, numa situação formal ou informal, com esta ou aquela intenção etc., as palavras desse discurso produzirão efeitos próprios. É um conjunto particular de condições de produção, portanto, que determina os efeitos de sentido de um discurso.
  12. 12. Tipos de discurso • Narrativo – gêneros: conto, fábula, piada, crônica literária, romance, adivinha • Instrucional /Injuntivo – gêneros: receita, regras de jogo, textos prescritivos, publicitário • Argumentativo – gêneros: textos de opinião, carta do leitor, editorial, dissertação • Expositivo – gêneros: texto explicativo, resenha, verbete, palestra, comunicação oral • Descritivo – gêneros: curriculum vitae, crônica esportiva, relato de viagem, biografia
  13. 13. Suporte designa o meio material em que um discurso se dá. A voz ao vivo, o impresso, os muros, os ambientes digitais são exemplos de suportes para, respectivamente, o bate-papo, a bula de remédio, a pichação e o e-mail.  
  14. 14. Algumas considerações sobre gêneros textuais Aspectos que caracterizam ou delimitam um gênero textual: •Função social do texto: quais as principais finalidades ou objetivos do texto; •Tipos de situação em que o gênero se situa : pública, privada, corriqueira, solene, etc.; •Assunto/Tema: natureza da informação ou do conteúdo vinculado; •Modalidade e tipo da linguagem: formal, informal, oral, escrita, etc; •possíveis interlocutores: relação entre os participantes (conhecidos, desconhecidos, nível social, formação, etc.); •Suporte no qual o texto é veiculado; •Os aspectos gráficos utilizados.
  15. 15. Gêneros e esferas - 4 grupos – produzir uma lista de gêneros pertencentes às esferas GRUPO 1 •Artístico cultural •Escolar GRUPO 3 •Religiosa •Jornalística GRUPO 2 •Cotidiana •Política GRUPO 4 •Publicitária •Literária
  16. 16. Vídeos sobre Diversidade Textual Diversidade textual – vídeo CEEL PARTE I http://youtu.be/nGAfO44WJcs Diversidade textual - vídeo CEEL: Parte II   http://youtu.be/5D8zKC5uXDI Diversidade textual – vídeo CEEL: Parte III http://youtu.be/aug6ePKxLAw  
  17. 17. Tarefa de CasaQue gêneros estão presentes nos Livros Didáticos adotados na sua escola? E no ambiente escolar, quais gêneros textuais mais circulam? Leituras: texto das diretrizes curriculares Lingua Portuguesa páginas 98-102
  18. 18. Leitura complementar Agrupamentos de gêneros propostos pelo PNAIC, para estudos mais sistemáticos ao longo da escolaridade, por meio de diversas organizações pedagógicas projetos didáticos, sequências didáticas entre outras Fonte Caderno do PNAIC- Unidade 5 – Ano 3, p. 8 e 9 (QUADRO COM ONZE GRUPOS, VER SÍNTESE U 5)
  19. 19. 1) Textos literários ficcionais São textos voltados para a narrativa de fatos e episódios do mundo imaginário (não real). Entre estes, podemos destacar: contos, lendas, fábulas, crônicas, obras teatrais, novelas e causos.
  20. 20. 2) Textos do patrimônio oral, poemas e letras de músicas Os textos do patrimônio oral, os quais logo que são produzidos têm autoria, mas, depois, sem um registro escrito, tornam-se anônimos, passando a ser patrimônio das comunidades. São exemplos: os trava- línguas, parlendas, quadrinhas, adivinhas, provérbios. Também fazem parte do segundo agrupamento os poemas e as letras de músicas.
  21. 21. 3) Textos com a finalidade de registrar e analisar as ações humanas individuais e coletivas e contribuir para que as experiências sejam guardadas na memória das pessoas Tais textos analisam e narram situações vivenciadas pelas sociedades, tais como: biografias, testemunhos orais e escritos, obras historiográficas e noticiários.
  22. 22. 4) Textos com a finalidade de construir e fazer circular entre as pessoas o conhecimento escolar/científico São textos mais expositivos, que socializam informações, por exemplo: as notas de enciclopédia, os verbetes de dicionário, os seminários orais, os textos didáticos, os relatos de experiências científicas e os textos de divulgação científica.
  23. 23. 5) Textos com a finalidade de debater temas que suscitam pontos de vista diferentes, buscando o convencimento do outro. Com base nos textos do agrupamento 5, os sujeitos exercitam suas capacidades argumentativas. São exemplos de textos com tais finalidades: Cartas de reclamação, cartas de leitores, artigos de opinião, editoriais, debates regrados e reportagens
  24. 24. 6) Textos com a finalidade de divulgar produtos e/ou serviços - e promover campanhas educativas no setor da publicidade Também aqui a persuasão está presente, mas com a finalidade de fazer o outro adquirir produtos e/ou serviços ou mudar determinados comportamentos. São exemplos: cartazes educativos, anúncios publicitários, placas e faixas.
  25. 25. 7) Textos com a finalidade de orientar e prescrever formas de realizar atividades diversas ou formas de agir em determinados eventos Fazem parte do grupo sete os chamados textos instrucionais, tais como: receitas, manuais de uso de eletrodomésticos, instruções de jogos, instruções de montagem regulamentos.
  26. 26. 8) Textos com a finalidade de orientar a organização do tempo e do espaço nas atividades individuais e coletivas necessárias à vida em sociedade. São eles: as agendas, os cronogramas, os calendários, os quadros de horários, as folhinhas os mapas.
  27. 27. 9) Textos com a finalidade de mediar as ações institucionais. São textos que fazem parte,principalmente, dos espaços de trabalho: os requerimentos, os formulários, os ofícios, os currículos os avisos.
  28. 28. 10) Textos epistolares utilizados para as mais diversas finalidades as cartas pessoais, os bilhetes, os e-mails, os telegramas mediam as relações entre as pessoas, em diferentes tipos de situações de interação.
  29. 29. 11) Textos não verbais Os textos que não veiculam a linguagem verbal, escrita, tendo, portanto, foco na linguagem não verbal, tais como: as histórias em quadrinhos só com imagens, as charges, pinturas, esculturas e placas de trânsito compõem tal agrupamento.

×