SlideShare uma empresa Scribd logo
LÍNGUA PORTUGUESA III
FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO
FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO
 FRASE: É toda palavra ou conjunto de palavras que constitui um enunciado de
sentido completo.
 ORAÇÃO: É a frase constituída com um verbo ou uma locução verbal.
Ex: Mal posso esperar!
Os candidatos apresentam-se, hoje, na televisão.
 PERÍODO: É a frase formada por uma ou mais orações.
O período formado por uma única oração é chamado Período Simples
Ex: O avião sobrevoou a pista
O período formado por mais de uma oração é chamado Período Composto
Ex: Parece / que a colheita vai ser boa este ano!
ATENÇÃO!
Nem toda oração é uma frase. A oração precisa ter um verbo ou uma locução
verbal, mas nem sempre tem sentido completo; já a frase precisa ter
sentido completo.
Ex: O juiz decidiu que...
(oração)
Quanta contradição em sua fala!
(frase)
TERMOS DA ORAÇÃO
 SUJEITO: É o termo da oração do qual se declara alguma coisa, por meio
da ação verbal, e com o qual o verbo concorda.
Ex: Clara passeava no jardim com as crianças.
Neste caso, passeava é a ação verbal e “Clara” é o sujeito porque é ela o ser
de quem se declara alguma coisa.
CLASSIFICAÇÃO DO SUJEITO:
Sujeito simples: é quando na frase existe uma ação sendo praticada por um
núcleo no singular ou plural.
Ex: O aluno desrespeitou o professor diante da turma.
Sujeito composto: Quando o sujeito tem mais de um núcleo.
Ex: “Melancolias, mercadorias espreitaram-me.”
(Carlos Drummond de Andrade)
Sujeito indeterminado: O agente da ação verbal não está identificado, podendo
ser qualquer um.
Ex: Olhavam em silêncio o lento e triste cortejo.
Neste caso, o verbo está na 3ª pessoa do plural.
ATENÇÃO!
O sujeito indeterminado pode também ocorrer com os verbos transitivos
indiretos, intransitivos ou de ligação, na 3ª pessoa do singular acompanhados
da palavra se (índice de determinação do sujeito)
Ex: Brinca-se no carnaval de rua.
Brinca – verbo intransitivo
Se – índice de indeterminação do sujeito
Nem sempre se é justo nessa profissão.
Se – índice de indeterminação do sujeito
É – verbo de ligação
Se o verbo for transitivo direto, a palavra se funciona como pronome
apassivador e, nesse caso, o sujeito é determinado.
Ex: Vê-se a vibração da plateia.
Se – pronome apassivador
Vê – verbo transitivo direto
Vibração da plateia – sujeito simples
A vibração da plateia é vista, portanto, voz passiva.
(Voz passiva é quando o sujeito sofre a ação praticada por outro agente)
 PREDICADO: É o termo da oração que expressa algo sobre o sujeito.
Ex: “O sorriso jovial te enfeita os lábios.”
TERMOS DA ORAÇÃO RELACIONADOS AO
VERBO E AO NOME
 OBJETO DIRETO: É o termo da oração que completa o sentido de um verbo
que não pede preposição, um verbo transitivo direto.
Ex: “As casas espiam os homens.”
O termo os homens é um objeto direto, porque completa a ação do verbo
espiar, um verbo transitivo direto, que não pede preposição.
O objeto direto pode vir com uma preposição, nem sempre exigida pelo
verbo. Chama-se então objeto direto preposicionado. Veja os casos
obrigatórios do uso da preposição:
- Com pronome oblíquo tônico:
Ex: Ofendem a ti, sem razão.
(Com pronome oblíquo tônico, neste caso, ti)
Ofendem – verbo transitivo direto
A ti – obejeto direto preposicionado
- Com pronome quem
Ex: O tenista a quem aprecias venceu o campeonato.
A quem – objeto direto preposicionado
Aprecias – verbo transitivo direto
O objeto direto pode vir repetido numa oração por um pronome pessoal átono,
para realçar a ideia já expressa, recebendo o nome de objeto direto
pleonástico.
Ex: A vitória, conquistei-a após anos de luta.
A vitória – objeto direto
A – objeto direto pleonástico
Os pronomes pessoais oblíquos o, a, os e as funcionam sempre como objeto
direto.
Ex: O vento esperto da manhã refrescou-as.
Refrescou – verbo transitivo direto
As – objeto direto
O objeto direto representado por um substantivo, que pertence à mesma
família do verbo, recebe o nome de objeto direto interno.
Ex: A araponga gritou um grito longo e cortante.
Um grito – Objeto direto interno
 OBJETO INDIRETO: É o termo da oração que complementa o sentido de
um verbo que pede preposição, um verbo transitivo indireto.
Ex: Os partidos de oposição não confiavam em seu governo.
O objeto indireto pode ser repetido numa oração por um pronome oblíquo
átono, para realçar uma ideia anteriormente expressa. Chama-se objeto
indireto pleonástico.
Ex: Aos avarentos, não lhes devo nenhuma gratidão.
 ADJUNTO ADVERBIAL: Modifica o sentido dos verbos.
CLASSIFICAÇÃO DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS
(OS MAIS IMPORTANTES)
DE TEMPO (Quando?): “Os tiros da madrugada liquidaram meu leiteiro” (Drummond)
DE LUGAR (Onde?): “Há pouco leite no país” (Drummond)
DE MODO (Como?): “que ladrão se mata com tiro” (Drummond)
DE NEGAÇÃO: “não tem tempo de dizer” (Drummond)
DE AFIRMAÇÃO: “Até quando, sim, até quando te provarei...” (Drummond)
DE INTENSIDADE: “Chega mais perto e contempla as palavras” (Drummond)
DE DÚVIDA: “Talvez recuperem o seu passaporte.”
DE CAUSA (Por quê?): “Com a greve, ficamos sem transporte”
DE FINALIDADE (Para quê?): “Fiz a entrevista para o emprego.”
DE COMPANHIA (Com quem?): “Vem comigo, vai ser divertido!”
DE INSTRUMENTO (Com quê): “O rapaz feriu-se com a lâmina.”
DE ASSUNTO: “Gregório de Matos escreveu poemas sobre a Bahia.”
PRÓXIMO TEMA:
APOSTO
E
VOCATIVO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
Funções do que, se e pronome relativo
Funções do que, se e pronome relativoFunções do que, se e pronome relativo
Funções do que, se e pronome relativo
 
Oracoes Coordenadas
Oracoes CoordenadasOracoes Coordenadas
Oracoes Coordenadas
 
Predicado
PredicadoPredicado
Predicado
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVASORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Aula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominalAula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominal
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Vozes do verbo
Vozes do verboVozes do verbo
Vozes do verbo
 
Predicado
PredicadoPredicado
Predicado
 
Verbos 2
Verbos 2Verbos 2
Verbos 2
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivas
 

Destaque

Frase,oração e período 1
Frase,oração e período 1Frase,oração e período 1
Frase,oração e período 1Sergio Santos
 
Frase oracao-periodo-aula
Frase oracao-periodo-aulaFrase oracao-periodo-aula
Frase oracao-periodo-aulaemanuelee
 
Período simples e período composto
Período simples e período compostoPeríodo simples e período composto
Período simples e período compostoandreiaarruda
 
Frase, oração e período 7º ano informática
Frase, oração e período   7º ano informáticaFrase, oração e período   7º ano informática
Frase, oração e período 7º ano informáticaClenice Matheus
 
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...Angélica Manenti
 
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdo
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdoLp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdo
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdogoogle
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoJoyce de Oliveira
 
O estudo do período composto
O estudo do período compostoO estudo do período composto
O estudo do período compostorobsonbertoldo
 
Frase, período, oração
Frase, período, oraçãoFrase, período, oração
Frase, período, oraçãoCassandra Cruz
 
Período Composto
Período CompostoPeríodo Composto
Período Compostocrisveu
 
Prova frase oração período
Prova frase oração períodoProva frase oração período
Prova frase oração períodoJomari
 
Período composto
Período compostoPeríodo composto
Período compostonickulinho
 
Planejamento de aula de língua portuguesa
Planejamento de aula de língua portuguesaPlanejamento de aula de língua portuguesa
Planejamento de aula de língua portuguesaSolange Vargas
 
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simplesfelipe789
 
Frase, oração e período
Frase, oração e períodoFrase, oração e período
Frase, oração e períodoma.no.el.ne.ves
 
Análise sintática do período simples
Análise sintática do período simplesAnálise sintática do período simples
Análise sintática do período simplesPortal do Vestibulando
 

Destaque (20)

Frase,oração e período 1
Frase,oração e período 1Frase,oração e período 1
Frase,oração e período 1
 
Frase oracao-periodo-aula
Frase oracao-periodo-aulaFrase oracao-periodo-aula
Frase oracao-periodo-aula
 
Período simples e período composto
Período simples e período compostoPeríodo simples e período composto
Período simples e período composto
 
Frase, oração e período 7º ano informática
Frase, oração e período   7º ano informáticaFrase, oração e período   7º ano informática
Frase, oração e período 7º ano informática
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
 
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdo
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdoLp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdo
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdo
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
 
Período Composto
Período CompostoPeríodo Composto
Período Composto
 
O estudo do período composto
O estudo do período compostoO estudo do período composto
O estudo do período composto
 
Frase, período, oração
Frase, período, oraçãoFrase, período, oração
Frase, período, oração
 
Período Composto
Período CompostoPeríodo Composto
Período Composto
 
Sintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simplesSintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simples
 
Prova frase oração período
Prova frase oração períodoProva frase oração período
Prova frase oração período
 
Período composto
Período compostoPeríodo composto
Período composto
 
Planejamento de aula de língua portuguesa
Planejamento de aula de língua portuguesaPlanejamento de aula de língua portuguesa
Planejamento de aula de língua portuguesa
 
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples
 
Frase, oração e período
Frase, oração e períodoFrase, oração e período
Frase, oração e período
 
Análise sintática do período simples
Análise sintática do período simplesAnálise sintática do período simples
Análise sintática do período simples
 
Período Composto
Período CompostoPeríodo Composto
Período Composto
 

Semelhante a Frase, Oração e Período

Slide língua portuguesa português 8 ano.pptx
Slide língua portuguesa português 8 ano.pptxSlide língua portuguesa português 8 ano.pptx
Slide língua portuguesa português 8 ano.pptxssuserf54fa01
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSandra Paula
 
termos essenciais.pdf
termos essenciais.pdftermos essenciais.pdf
termos essenciais.pdfandreiadai1
 
MÓDULO-20-I SINTAXE DO PERÍODO SIMPLES E COMPOSTO.pptx
MÓDULO-20-I SINTAXE DO PERÍODO SIMPLES E COMPOSTO.pptxMÓDULO-20-I SINTAXE DO PERÍODO SIMPLES E COMPOSTO.pptx
MÓDULO-20-I SINTAXE DO PERÍODO SIMPLES E COMPOSTO.pptxWilmaDeMouraDaSilva
 
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxBruna Dantas
 
Verbos
VerbosVerbos
VerbosAJFG1
 
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10  Termos da OraçãoCefet/Coltec Aula 10  Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da OraçãoProfFernandaBraga
 
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°pAula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°pViviane Oliveira
 
www.aulaparticularonline.net.br - Português - Termos da Oração
www.aulaparticularonline.net.br - Português -  Termos da Oraçãowww.aulaparticularonline.net.br - Português -  Termos da Oração
www.aulaparticularonline.net.br - Português - Termos da OraçãoLucia Silveira
 
www.explicadoraescolar.com.br - Português - Termos da Oração
www.explicadoraescolar.com.br - Português -  Termos da Oraçãowww.explicadoraescolar.com.br - Português -  Termos da Oração
www.explicadoraescolar.com.br - Português - Termos da OraçãoMárcia De Bianci
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Português - Termos da Oração
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Português -  Termos da Oraçãowww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Português -  Termos da Oração
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Português - Termos da OraçãoAnna Paula
 
termos_acessorios_e_vocativo.pdf
termos_acessorios_e_vocativo.pdftermos_acessorios_e_vocativo.pdf
termos_acessorios_e_vocativo.pdfssuser6e334c1
 
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptxMarlene Cunhada
 

Semelhante a Frase, Oração e Período (20)

Slide língua portuguesa português 8 ano.pptx
Slide língua portuguesa português 8 ano.pptxSlide língua portuguesa português 8 ano.pptx
Slide língua portuguesa português 8 ano.pptx
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividades
 
termos essenciais.pdf
termos essenciais.pdftermos essenciais.pdf
termos essenciais.pdf
 
Aulas 21 22
Aulas 21 22Aulas 21 22
Aulas 21 22
 
Tipos de predicados
Tipos de predicadosTipos de predicados
Tipos de predicados
 
Tipos de predicados
Tipos de predicadosTipos de predicados
Tipos de predicados
 
Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2
 
MÓDULO-20-I SINTAXE DO PERÍODO SIMPLES E COMPOSTO.pptx
MÓDULO-20-I SINTAXE DO PERÍODO SIMPLES E COMPOSTO.pptxMÓDULO-20-I SINTAXE DO PERÍODO SIMPLES E COMPOSTO.pptx
MÓDULO-20-I SINTAXE DO PERÍODO SIMPLES E COMPOSTO.pptx
 
Gramática - módulo 1.pdf
Gramática - módulo 1.pdfGramática - módulo 1.pdf
Gramática - módulo 1.pdf
 
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10  Termos da OraçãoCefet/Coltec Aula 10  Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da Oração
 
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°pAula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
 
www.aulaparticularonline.net.br - Português - Termos da Oração
www.aulaparticularonline.net.br - Português -  Termos da Oraçãowww.aulaparticularonline.net.br - Português -  Termos da Oração
www.aulaparticularonline.net.br - Português - Termos da Oração
 
www.explicadoraescolar.com.br - Português - Termos da Oração
www.explicadoraescolar.com.br - Português -  Termos da Oraçãowww.explicadoraescolar.com.br - Português -  Termos da Oração
www.explicadoraescolar.com.br - Português - Termos da Oração
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Português - Termos da Oração
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Português -  Termos da Oraçãowww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Português -  Termos da Oração
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Português - Termos da Oração
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicado
 
termos_acessorios_e_vocativo.pdf
termos_acessorios_e_vocativo.pdftermos_acessorios_e_vocativo.pdf
termos_acessorios_e_vocativo.pdf
 
SINTAXE
SINTAXESINTAXE
SINTAXE
 
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx
 

Mais de Thiago Rodrigues

Transição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o RomantismoTransição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o RomantismoThiago Rodrigues
 
Características do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance RomânticoCaracterísticas do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance RomânticoThiago Rodrigues
 
Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922Thiago Rodrigues
 
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no ModernismoMovimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no ModernismoThiago Rodrigues
 
Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922Thiago Rodrigues
 
Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaThiago Rodrigues
 
Causas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência UrbanaCausas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência UrbanaThiago Rodrigues
 

Mais de Thiago Rodrigues (14)

Redação 1
Redação 1Redação 1
Redação 1
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Orações Subordinadas
Orações SubordinadasOrações Subordinadas
Orações Subordinadas
 
Orações Coordenadas
Orações CoordenadasOrações Coordenadas
Orações Coordenadas
 
Aposto e Vocativo
Aposto e VocativoAposto e Vocativo
Aposto e Vocativo
 
Transição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o RomantismoTransição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o Romantismo
 
Romantismo na Europa
Romantismo na EuropaRomantismo na Europa
Romantismo na Europa
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Características do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance RomânticoCaracterísticas do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance Romântico
 
Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922
 
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no ModernismoMovimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
 
Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922
 
Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
 
Causas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência UrbanaCausas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência Urbana
 

Último

Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxmairaviani
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 

Último (20)

Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

Frase, Oração e Período

  • 1. LÍNGUA PORTUGUESA III FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO
  • 2. FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO  FRASE: É toda palavra ou conjunto de palavras que constitui um enunciado de sentido completo.  ORAÇÃO: É a frase constituída com um verbo ou uma locução verbal. Ex: Mal posso esperar! Os candidatos apresentam-se, hoje, na televisão.  PERÍODO: É a frase formada por uma ou mais orações. O período formado por uma única oração é chamado Período Simples Ex: O avião sobrevoou a pista O período formado por mais de uma oração é chamado Período Composto Ex: Parece / que a colheita vai ser boa este ano!
  • 3. ATENÇÃO! Nem toda oração é uma frase. A oração precisa ter um verbo ou uma locução verbal, mas nem sempre tem sentido completo; já a frase precisa ter sentido completo. Ex: O juiz decidiu que... (oração) Quanta contradição em sua fala! (frase)
  • 4. TERMOS DA ORAÇÃO  SUJEITO: É o termo da oração do qual se declara alguma coisa, por meio da ação verbal, e com o qual o verbo concorda. Ex: Clara passeava no jardim com as crianças. Neste caso, passeava é a ação verbal e “Clara” é o sujeito porque é ela o ser de quem se declara alguma coisa. CLASSIFICAÇÃO DO SUJEITO: Sujeito simples: é quando na frase existe uma ação sendo praticada por um núcleo no singular ou plural. Ex: O aluno desrespeitou o professor diante da turma. Sujeito composto: Quando o sujeito tem mais de um núcleo. Ex: “Melancolias, mercadorias espreitaram-me.” (Carlos Drummond de Andrade)
  • 5. Sujeito indeterminado: O agente da ação verbal não está identificado, podendo ser qualquer um. Ex: Olhavam em silêncio o lento e triste cortejo. Neste caso, o verbo está na 3ª pessoa do plural. ATENÇÃO! O sujeito indeterminado pode também ocorrer com os verbos transitivos indiretos, intransitivos ou de ligação, na 3ª pessoa do singular acompanhados da palavra se (índice de determinação do sujeito) Ex: Brinca-se no carnaval de rua. Brinca – verbo intransitivo Se – índice de indeterminação do sujeito Nem sempre se é justo nessa profissão. Se – índice de indeterminação do sujeito É – verbo de ligação
  • 6. Se o verbo for transitivo direto, a palavra se funciona como pronome apassivador e, nesse caso, o sujeito é determinado. Ex: Vê-se a vibração da plateia. Se – pronome apassivador Vê – verbo transitivo direto Vibração da plateia – sujeito simples A vibração da plateia é vista, portanto, voz passiva. (Voz passiva é quando o sujeito sofre a ação praticada por outro agente)  PREDICADO: É o termo da oração que expressa algo sobre o sujeito. Ex: “O sorriso jovial te enfeita os lábios.”
  • 7. TERMOS DA ORAÇÃO RELACIONADOS AO VERBO E AO NOME  OBJETO DIRETO: É o termo da oração que completa o sentido de um verbo que não pede preposição, um verbo transitivo direto. Ex: “As casas espiam os homens.” O termo os homens é um objeto direto, porque completa a ação do verbo espiar, um verbo transitivo direto, que não pede preposição. O objeto direto pode vir com uma preposição, nem sempre exigida pelo verbo. Chama-se então objeto direto preposicionado. Veja os casos obrigatórios do uso da preposição: - Com pronome oblíquo tônico: Ex: Ofendem a ti, sem razão. (Com pronome oblíquo tônico, neste caso, ti) Ofendem – verbo transitivo direto A ti – obejeto direto preposicionado
  • 8. - Com pronome quem Ex: O tenista a quem aprecias venceu o campeonato. A quem – objeto direto preposicionado Aprecias – verbo transitivo direto O objeto direto pode vir repetido numa oração por um pronome pessoal átono, para realçar a ideia já expressa, recebendo o nome de objeto direto pleonástico. Ex: A vitória, conquistei-a após anos de luta. A vitória – objeto direto A – objeto direto pleonástico Os pronomes pessoais oblíquos o, a, os e as funcionam sempre como objeto direto. Ex: O vento esperto da manhã refrescou-as. Refrescou – verbo transitivo direto As – objeto direto
  • 9. O objeto direto representado por um substantivo, que pertence à mesma família do verbo, recebe o nome de objeto direto interno. Ex: A araponga gritou um grito longo e cortante. Um grito – Objeto direto interno  OBJETO INDIRETO: É o termo da oração que complementa o sentido de um verbo que pede preposição, um verbo transitivo indireto. Ex: Os partidos de oposição não confiavam em seu governo. O objeto indireto pode ser repetido numa oração por um pronome oblíquo átono, para realçar uma ideia anteriormente expressa. Chama-se objeto indireto pleonástico. Ex: Aos avarentos, não lhes devo nenhuma gratidão.
  • 10.  ADJUNTO ADVERBIAL: Modifica o sentido dos verbos. CLASSIFICAÇÃO DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS (OS MAIS IMPORTANTES) DE TEMPO (Quando?): “Os tiros da madrugada liquidaram meu leiteiro” (Drummond) DE LUGAR (Onde?): “Há pouco leite no país” (Drummond) DE MODO (Como?): “que ladrão se mata com tiro” (Drummond) DE NEGAÇÃO: “não tem tempo de dizer” (Drummond) DE AFIRMAÇÃO: “Até quando, sim, até quando te provarei...” (Drummond) DE INTENSIDADE: “Chega mais perto e contempla as palavras” (Drummond) DE DÚVIDA: “Talvez recuperem o seu passaporte.” DE CAUSA (Por quê?): “Com a greve, ficamos sem transporte” DE FINALIDADE (Para quê?): “Fiz a entrevista para o emprego.” DE COMPANHIA (Com quem?): “Vem comigo, vai ser divertido!” DE INSTRUMENTO (Com quê): “O rapaz feriu-se com a lâmina.” DE ASSUNTO: “Gregório de Matos escreveu poemas sobre a Bahia.”