SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS

 Avaliar um argumento é verificar se cumpre
               duas condições:
                1 – Ser válido;
    2 – Ter todas as premissas realmente
                 verdadeiras.
A IMPORTÂNCIA DA VALIDADE

A validade dos argumentos é importante
porque ao argumentarmos pretendemos
justificar ou provar a verdade da conclusão.
Se um argumento é constituído por premissas
que não garantem a verdade da conclusão
então esse argumento não é bom.
Por isso, a avaliação dos argumentos começa
pela avaliação da sua validade: se não for válido
então é um mau argumento seja qual for o seu
conteúdo.
O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS
A validade é condição necessária para termos um bom
argumento
               Alguns empresários são corruptos.
              Berlusconi é empresário.
              Logo, Berlusconi é corrupto.
 Este argumento é inválido porque com base nestas
  premissas nada se pode concluir: nem que Berlusconi é
  corrupto nem que não é. Mesmo que as premissas
  fossem ambas verdadeiras, isso não nos garante a
  verdade da conclusão, ou seja, que Berlusconi é
  corrupto. A primeira premissa afirma que alguns
  empresários são corruptos, mas não todos. Por isso,
  ficamos sem saber a que classe pertence Berlusconi, se à
  dos corruptos ou dos não - corruptos.
O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS
Se um argumento é inválido temos um problema: as
premissas não justificam a verdade da conclusão, não
lhe dão o suporte necessário.
A validade tem uma vantagem importante: se as
premissas forem verdadeiras isso garante, porque
validade é sinónimo de argumento bem construído,
que a conclusão é verdadeira.
Mas e se as premissas não forem de facto verdadeiras?
Nesse caso, teremos um argumento que, podendo ser
válido, é mau. Na argumentação interessa – nos a
validade mas não nos interessa menos a verdade.
                          .
O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS
               Argumentos sólidos.
 Os argumentos defendem as nossas ideias se
  forem sólidos. Tem de haver uma preocupação
  com a verdade de facto das proposições que
  constituem os argumentos.
 Os nossos argumentos não serão convincentes
  e persuasivos se a validade não for
  acompanhada pela verdade efectiva ou
  plausível do que dizemos, isto é, das premissas
  e da conclusão.
O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS


              Argumentos sólidos.
  Têm de cumprir necessariamente duas condições:
                 1 – Serem válidos
 2 – Serem constituídos por premissas e conclusão
  de facto verdadeiras ou pelo menos plausíveis.
O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS
        ARGUMENTO SÓLIDO                            MAU ARGUMENTO
 1 - Todos os animais que ladram         2 -Todos os animais são seres que
             são cães                                 ladram
 Os Serra da Estrela são animais           Os Serra da Estrela são animais
           que ladram                       Logo, os Serra da Estrela são
Logo os Serra da Estrela são cães.               seres que ladram

                 Ambos os argumentos são válidos mas se
                 perguntarmos qual deles é o melhor a resposta
                 será que o argumento 1 é melhor do que o 2.
                 Porquê? Porque não só é logicamente correcto
                 como também é constituído por premissas e
                 conclusão de facto verdadeiras.

                 O argumento 2, apesar de válido, não é bom
                 porque tem uma proposição que é falsa: a
                 premissa Todos os animais são seres que ladram.
O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS

Um argumento inválido é obrigatoriamente um
mau argumento.
Um argumento válido não é necessariamente
um bom argumento porque podemos dizer
falsidades e disparates de forma correcta.
Não pode, contudo, haver argumentos
solidamente convincentes sem validade.
      VALIDADE + VERDADE = SOLIDEZ

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorDanilo Pires
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosIsabel Moura
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b finalj_sdias
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaRafael Cristino
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millLuis De Sousa Rodrigues
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaLuis De Sousa Rodrigues
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralJorge Lopes
 
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralRm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralIsabel Moura
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informaisIsabel Moura
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 

Mais procurados (20)

Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo Moral
 
Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
 
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralRm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Rede Concetual da Ação
Rede Concetual da AçãoRede Concetual da Ação
Rede Concetual da Ação
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
 

Destaque

Ficheiro de matematica 1 ano
Ficheiro de matematica 1 anoFicheiro de matematica 1 ano
Ficheiro de matematica 1 anobelamneves
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do JuízoPaulo Gomes
 
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (TectóNica De Pla...
ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (TectóNica De Pla...ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (TectóNica De Pla...
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (TectóNica De Pla...Nuno Correia
 
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 2)
ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 2)ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 2)
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 2)Nuno Correia
 
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 3)
ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 3)ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 3)
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 3)Nuno Correia
 
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 1)
ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 1)ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 1)
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 1)Nuno Correia
 
Princípios Básicos do Raciocínio Geológico
Princípios Básicos do Raciocínio GeológicoPrincípios Básicos do Raciocínio Geológico
Princípios Básicos do Raciocínio GeológicoTânia Reis
 
Geologia 10 raciocínio geológico
Geologia 10   raciocínio geológicoGeologia 10   raciocínio geológico
Geologia 10 raciocínio geológicoNuno Correia
 
Iniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosóficaIniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosóficaFilazambuja
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicomargaridabt
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasmluisavalente
 
BioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológicoBioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológicoRita Rainho
 

Destaque (18)

O que é discutir argumentos
O que é discutir argumentosO que é discutir argumentos
O que é discutir argumentos
 
Ficheiro de matematica 1 ano
Ficheiro de matematica 1 anoFicheiro de matematica 1 ano
Ficheiro de matematica 1 ano
 
A validade indutiva
A validade indutivaA validade indutiva
A validade indutiva
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do Juízo
 
Números 1 a 5
Números  1 a 5Números  1 a 5
Números 1 a 5
 
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (TectóNica De Pla...
ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (TectóNica De Pla...ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (TectóNica De Pla...
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (TectóNica De Pla...
 
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 2)
ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 2)ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 2)
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 2)
 
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 3)
ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 3)ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 3)
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 3)
 
Ficha ditongos nasais
Ficha ditongos nasaisFicha ditongos nasais
Ficha ditongos nasais
 
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 1)
ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 1)ApresentaçãO 1   PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 1)
ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 1)
 
Princípios Básicos do Raciocínio Geológico
Princípios Básicos do Raciocínio GeológicoPrincípios Básicos do Raciocínio Geológico
Princípios Básicos do Raciocínio Geológico
 
Geologia 10 raciocínio geológico
Geologia 10   raciocínio geológicoGeologia 10   raciocínio geológico
Geologia 10 raciocínio geológico
 
Iniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosóficaIniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosófica
 
Fichasavaliaomensalem1
Fichasavaliaomensalem1Fichasavaliaomensalem1
Fichasavaliaomensalem1
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
 
BioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológicoBioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológico
 
Argumentos
ArgumentosArgumentos
Argumentos
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 

Avaliar argumentos: validade e verdade

  • 1. O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS Avaliar um argumento é verificar se cumpre duas condições: 1 – Ser válido; 2 – Ter todas as premissas realmente verdadeiras.
  • 2. A IMPORTÂNCIA DA VALIDADE A validade dos argumentos é importante porque ao argumentarmos pretendemos justificar ou provar a verdade da conclusão. Se um argumento é constituído por premissas que não garantem a verdade da conclusão então esse argumento não é bom. Por isso, a avaliação dos argumentos começa pela avaliação da sua validade: se não for válido então é um mau argumento seja qual for o seu conteúdo.
  • 3. O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS A validade é condição necessária para termos um bom argumento Alguns empresários são corruptos. Berlusconi é empresário. Logo, Berlusconi é corrupto.  Este argumento é inválido porque com base nestas premissas nada se pode concluir: nem que Berlusconi é corrupto nem que não é. Mesmo que as premissas fossem ambas verdadeiras, isso não nos garante a verdade da conclusão, ou seja, que Berlusconi é corrupto. A primeira premissa afirma que alguns empresários são corruptos, mas não todos. Por isso, ficamos sem saber a que classe pertence Berlusconi, se à dos corruptos ou dos não - corruptos.
  • 4. O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS Se um argumento é inválido temos um problema: as premissas não justificam a verdade da conclusão, não lhe dão o suporte necessário. A validade tem uma vantagem importante: se as premissas forem verdadeiras isso garante, porque validade é sinónimo de argumento bem construído, que a conclusão é verdadeira. Mas e se as premissas não forem de facto verdadeiras? Nesse caso, teremos um argumento que, podendo ser válido, é mau. Na argumentação interessa – nos a validade mas não nos interessa menos a verdade.  .
  • 5. O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS Argumentos sólidos.  Os argumentos defendem as nossas ideias se forem sólidos. Tem de haver uma preocupação com a verdade de facto das proposições que constituem os argumentos.  Os nossos argumentos não serão convincentes e persuasivos se a validade não for acompanhada pela verdade efectiva ou plausível do que dizemos, isto é, das premissas e da conclusão.
  • 6. O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS Argumentos sólidos. Têm de cumprir necessariamente duas condições: 1 – Serem válidos  2 – Serem constituídos por premissas e conclusão de facto verdadeiras ou pelo menos plausíveis.
  • 7. O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS ARGUMENTO SÓLIDO MAU ARGUMENTO 1 - Todos os animais que ladram 2 -Todos os animais são seres que são cães ladram Os Serra da Estrela são animais Os Serra da Estrela são animais que ladram Logo, os Serra da Estrela são Logo os Serra da Estrela são cães. seres que ladram Ambos os argumentos são válidos mas se perguntarmos qual deles é o melhor a resposta será que o argumento 1 é melhor do que o 2. Porquê? Porque não só é logicamente correcto como também é constituído por premissas e conclusão de facto verdadeiras. O argumento 2, apesar de válido, não é bom porque tem uma proposição que é falsa: a premissa Todos os animais são seres que ladram.
  • 8. O QUE É AVALIAR ARGUMENTOS Um argumento inválido é obrigatoriamente um mau argumento. Um argumento válido não é necessariamente um bom argumento porque podemos dizer falsidades e disparates de forma correcta. Não pode, contudo, haver argumentos solidamente convincentes sem validade. VALIDADE + VERDADE = SOLIDEZ