SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
FARMACOLOGIA
ENF. ESP. ARTHUR CUSTÓDIO PEREIRA
EMAIL: ARTTHURGBA17@GMAIL.COM
APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA
1. Compreender as vias de administração dos fármacos, sua absorção,
distribuição, biotransformação e eliminação do organismo;
2. Explicar o mecanismo de ação dos fármacos e possíveis interações com
outros fármacos ou alimentos;
3. Observar os efeitos terapêuticos, colaterais e tóxicos dos fármacos e
suas indicações e contraindicações para as devidas intervenções.
CONTEÚDO PROGRAMADO
1. Introdução à Farmacologia.;
2. Vias de administração de fármacos;
3. Farmacocinética;
4. Farmacodinâmica;
5. Fatores que interferem na ação dos
fármacos e interação medicamentosa;
6. Farmacologia molecular;
7. Farmacologia do Sistema Nervoso
Autônomo.;
8. Farmacologia do sistema Nervoso Central;
9. Farmacologia do Sistema Cardiovascular;
10.Farmacologia do Sistema Respiratório;
11.Farmacologia da Inflamação;
12.Farmacologia dos Antimicrobianos;
13.Farmacologia do Sistema Endócrino;
14.Farmacologia dos Antilipêmicos;
15.Farmacologia da Coagulação;
16.Farmacologia do Sistema Digestório;
17.Antibioticoterapia;
18.Interação entre drogas e nutrientes.
METODOLOGIA
1. Aulas expositivas dialogadas;
2. Leitura de textos, debates e realização de
exercícios dinâmicos;
3. Trabalho de grupo / Seminários.
FARMACOLOGIA
A farmacologia vem do grego pharmakos, que significa droga e logos, que remete
a estudo. Portanto, é o estudo ou ciência que investiga como as substâncias
químicas interagem com os sistemas biológicos, sendo uma relação de benéfico
(medicamento), ou maléfico (tóxico).
FARMACOLOGIA
Farmacologia geral
• Farmacocinética
• Farmacodinâmica
• Toxilogia
Farmacologia específica
• Interação fármaco-organismo
Farmacologia geral
• Farmacogenética
• Farmacogenômica
• Farmacoepidemiologica
Obs: A biotecnologia, farmacognosia, síntese farmacêutica, farmacotécnica, farmacoeconomia,
farmacovigilância e tecnologia farmacêutica são exemplos de áreas de estudo das ciências
farmacêutica.
FARMACOLOGIA
Conceitos importantes para o estudo em farmacologia
Droga: substâncias que modifica a função fisiológica com ou sem intenção benéfica.
Remédio: “Aquilo que cura” Quaisquer substâncias ou recurso utilizado para curar ou aliviar doenças, sintomas, desconforto
e mal-estar. Pode ser uma substância animal, vegetal, mineral ou sintética. Remédios são utilizados para curar ou aliviar os
sintomas das doenças.
Fármaco ou princípio ativo: Estrutura química conhecida com propriedade de modificar uma função fisiológicas já
existente. E a parte ativo do medicamento, aquela que é responsável pela ação farmacológica.
Medicamento: Produto farmacêutico que contém um ou mais de um princípio ativo (fármaco), tecnicamente obtido ou
elaborado, com finalidade, profilático, curativo, paliativo ou para fins de diagnóstico.
Placebo: É um medicamento simulado que não contém qualquer princípio ativo (pode ser, alternativamente, uma simulação
de procedimento cirúrgico, dieta ou outro tipo de intervenção terapêutica), que o paciente acredite ser verdadeiro. A
“resposta placebo” tem forte efeito terapêutico, produz efeitos benéficos significativos em cerca de 1 terço dos pacientes.
FARMACOLOGIA
Conceitos importantes para o estudo em farmacologia
Nocebo: Substâncias que, não sendo nocivo ao organismo, incita sintomas de doenças(por efeito psicológico) nos pacientes
que a usam. Efeito nocebo descrever os efeitos adversos dos medicamentos inertes.
Efeito colateral: Qualquer efeito não intencional de um produto farmacêutico que ocorra em doses normalmente
utilizadas em humanos relacionados com as propriedades farmacológicas de fármacos. O efeito colateral é um tipo de
RAM (reação adversa ao medicamento) previsível.
Evento adverso ou experiência adversa: Definidos como qualquer ocorrência desfavorável possível de ocorrer
enquanto o paciente está utilizado o medicamento, masque não possui, necessariamente, relação casual com o tratamento.
Interação medicamentosa: Efeito da interação resultante entre dois fármacos, podendo como resultado final, ocorrer um
aumento, redução, atenuação do efeito farmacológico deum ou mais fármacos envolvidos. Dose: É a quantidade de
princípio ativo que administra de uma só vez.
Posologia: Determina a forma de uso do medicamento, deve incluir a dose, os intervalos de administração e o período total
durante o qual o medicamento deve ser utilizado.
FARMACOLOGIA
Conceitos importantes para o estudo em farmacologia
Janela terapêutica: Faixa de segurança de dosagem de uso medicamentoso. É o intervalo de doses entre a dose
efetiva mínima e a dose efetiva máxima, antes de ser tóxico.
Biodisponibilidade: Porcentagem de medicamento que chega ao local e ação, ou a um líquido biológico a partir da
quantidade administrada.
Bioequivalência: Dois medicamentos que possuem o mesmo princípio ativo sendo idênticos em potência ou
concentração, apresentação e via de administração com biodisponibilidades iguais.
Dose eficaz média (DE50): Dose em que 50% da população apresenta um efeito terapêutico especifico,
depende da medida de eficiência usada. Ex: Aspirina para dor de cabeça X para reumatismo.
Dose letal (DL50): Dose capaz de matar 50% da população de animais testados.
Índice terapêutico: Indica segurança: distância entre a dose eficaz e a dose tóxica DL50/DE50.
FARMACOLOGIA
Medicamento referência, genérico e similar
Medicamento referência: Quando um medicamento inovador é registrado no país, chamamos esse medicamento
de “referência”. A eficácia, segurança e qualidade desses laboratórios farmacêuticos investem anos em pesquisas para
desenvolvê-los, têm exclusividade sobre a comercialização da fórmula durante o período da patente, que pode durar de 10 a
20 anos, depois desse tempo, outros laboratórios podem usar o mesmo princípio ativo e fazer cópias do medicamento
referência. Essas cópias são os medicamentos genéricos e os similares, que são mais baratos pois os laboratórios não tiveram
que gastar tempo e dinheiro na descoberta e desenvolvimento do fármaco.
Genérico: É igual ao medicamento referência, onde se apresenta com o nome da substancia ativa. Não sendo
permitida. Dessa forma, a utilização de nome comercial. Desde 1999 todos os medicamentos genéricos precisaram
comprovar a sua eficácia, segurança e qualidade através de estudos de bioequivalência, hoje até mesmo o similar, para que
assim a intercambialidade fosse assegurada.
Similares: Além dos medicamentos de referência e os genéricos, há a categoria dos medicamentos similares. De acordo
com a definição legal, medicamentos similar é aquele que contém o mesmo ou os mesmos princípios
ativos, apresenta mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação
terapêutica, mas pode deferir em características relativa ao tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem,
rotulagem, excipientes e veículos , devendo sempre ser identificado por nome comercial ou marca.
FARMACOLOGIA
Medicamento referência, genérico e similar
FARMACOLOGIA
Vias de Administração
• As vias de administração de medicamentos correspondem as
possibilidades de aplicar a medicação nos pacientes e é de
responsabilidade da enfermagem conhecer todas essas vias para a
administração correta e segura da medicação.
•A medicação deverá ser absorvida lentamente ou rapidamente?
•Qual a quantidade de me
•Qual a indicação da via de administração a embalagem do produto me sugere?
•Uma determinada via é melhor do que a outra?
•A medicação que vou administrar só pode ser realizada por uma única via?
•Quais as propriedades da medicação? Ela é lipossolúvel, hidrossolúvel, etc?
Conhecendo as Vias de Administração de Medicamentos
Conhecendo as Vias de Administração de Medicamentos
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Via auricular
corresponde a
administração de
medicamentos
diretamente
nos canais
auditivos do paciente.
Auricular ou
Otológica
• Reduzir a infecção ou inflamação no
canal auditivo.
• Lubrificar e irrigar o canal auditivo para
facilitar a retirada de corpo estranho.
• Promover analgesia e diminuição do nível
de dor do paciente (após algum
procedimento ou cirurgia).
• Ajudar a remover o cerume ressecado.
Finalidades
• Geralmente, as medicações
para serem administradas
por essa via se apresentam
no formato de solução
otológica, ou seja, em
gotas, pomadas, ou
líquidos para irrigação.
Solução
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Administração de
medicamentos
diretamente
na mucosa nasal do
paciente.
Intranasal
• Uma das vantagens de utilizar
essa via é que o efeito da
medicação é rápido, pois evita
que ela entre em contato com o
fígado, o que diminuiria o seu
efeito. Após administrar, o
medicamento irá diretamente
para a corrente sanguínea do
paciente.
Finalidade
• Um exemplo de
medicação que pode ser
utilizada nessa via são
os descongestionantes
nasais.
Medicação
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Trata-se de
administrar
medicamentos
diretamente
na conjuntiva do
paciente.
Geralmente esses
medicamentos se
apresentam no
formato de
soluções ou
colírios. Ocular,
ou Conjuntival
• Promover analgesia e redução da dor.
• Diminuição da inflamação ou infecção local.
• Dilatação (midríase) ou retração (miose) das
pupilas.
• Promover a retirada de corpo estranho.
• Realizar a coloração da córnea para detectar
alguma ulceração ou alteração.
Finalidades
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• As medicações
por via oral
são
administradas
pela boca do
paciente,
sendo
necessária a
sua deglutiçã
o ou
mastigação d
substância
medicamentos
a. Oral
• É barata, pois não exige nenhum equipamento especial para seu uso.
• A medicação pode ser administrada pelo próprio paciente
(automedicação).
• É indolor. Apesar de que alguns fármacos possam possuir gosto
desagradável, o desconforto é passageiro.
• Existe a possibilidade de retirar o medicamento, por meio de: lavagem
gástrica ou pelo vômito do paciente, bem como neutralizar o seu efeito
por meio da administração de carvão ativado.
• Os efeitos podem ser localmente (como atuar no estômago)
ou sistematicamente (para aliviar a dor, por exemplo).
• Alguns medicamentos, como as drágeas, possuem revestimento
especial que impedem a absorção pelo estômago, e são liberadas nos
intestinos, promovendo uma boa terapêutica local.
Finalidades
• comprimidos,
drágeas, pós,
soluções, xaropes,
pastilhas, cápsulas,
etc.
Medicação
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Promover o contato
de substância
medicamentosa com
a mucosa que se
encontra abaixo da
língua
Sublingua
• Essa mucosa é ricamente
vascularizada, ou seja,
permite a absorção rápida
da medicação. Além disso,
evita-se o contato da
medicação com o fígado, o
que reduziria o seu efeito no
organismo.
Finalidade
• Um exemplo bastante
comum para o emprego
dessa via é a utilização
de medicamentos que
diminuem a pressão
arterial rapidamente, em
situações de urgência
ou emergência.
Medicação
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Compreender a
absorção de
medicamentos
na mucosa inferior
do sistema
respiratório, ou seja,
nos alvéolos dos
pulmões.
Respiratória
ou Inalatória
• A absorção do medicamento
é rápida, sendo os
efeitos locais e sistêmicos.
Finalidades
• Broncodilatadores ou
broncoconstritores,
anestésicos gerais,
antianginosos, etc.
Medicação
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Administração
direta de
medicamento
sob a pele
íntegra do
paciente
exclusivamente
por meio
de adesivos,
filmes
medicamentoso
ou
Transdermal
Transdérmica
• A concentração de medicamento na corrente
sanguínea é constante. O que traz maior
controle sobre a dosagem.
• Pode ser facilmente aplicado na pele pelo
próprio paciente.
• Facilita a adesão a terapêutica, uma vez que
o adesivo pode permanecer na pele por um
longo período de tempo.
Finalidades
• Hormônios,
medicamentos para
dor aguda relacionada
a musculatura, etc.
Medicação
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Corresponde a
aplicação de
medicamento
entre as
camadas
superficiais
da epiderme e
derme, forman
o uma pequena
pápula.
Intradérmic
• Essa via possui pouca capacidade de absorção (de 0,1 mm até
0,5 mm), uma vez que ela é lenta, além do que a quantidade
de medicamento que pode ser utilizada também é pequena.
• Essa via é comumente utilizada para prova de tuberculose, o
chamado teste PPD, testes de sensibilidade e de alergias além
de ser utilizada na administração da vacina BCG, para o
combate a tuberculose.
• Geralmente, o local de utilização para a administração de
medicamentos via intradérmica é o antebraço. Isso porque a
região é de fácil acesso, com poucos pelos e a vascularização
é baixa na região.
Finalidades
• PPD
• BCG
Medicação
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Administração de
medicamento
diretamente
na superfície da
pele.
Tópica
• A medicação tópica age
somente no local onde
foi aplicada, devido ao fato
de que a própria pele atua
como barreira de proteção.
Finalidade • Pomadas, cremes,
unguentos
ou sprays.
• Antimicóticos e
analgésicos
locais.
Medicação
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Trata-se de
administrar
medicamentos
diretamente
no tecido
subcutâneo do
paciente.
Subcutâne
• Essa aplicação geralmente
ocorrem em áreas com
camada gordurosa mais
espessa, como porção
inferior do abdômen, dorso
do braço, etc.
Finalidade
• insulinas, hormônios,
vacinas, medicações
anticoagulantes, etc.
Medicação
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Administração de
medicamento
diretamente
na superfície da
pele.
Intravenosa ou
Endovenosa
• Dentre as vias de administração de medicamentos, esta é a via
mais rápida, pois a medicação entra rapidamente na corrente
sanguínea e tem acesso direto aos órgãos ou tecidos alvo.
• Esta via de administração de medicamento é amplamente utilizada
pela enfermagem na área hospitalar. Portanto, conhecer suas
características é essencial! Ela se divide em dois tipos: Acesso
venoso periférico e acesso venoso central.
Finalidades
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Efeitos rápidos da medicação.
• É utilizada amplamente para administrar
drogas variadas e que precisam atuar
rapidamente, como nos casos de parada
cardíaca.
• Pode-se controlar a dosagem facilmente por
meio do cálculo do gotejamento.
• Também é possível administrar grandes
quantidades de medicação.
• .................................................................................
• Risco de infecção local e sistêmica, devido à
inserção do cateter ou erro na técnica de
administração.
Vantagens e
Desvantagens
• Acesso venoso periférico: utilizado para a
maioria das medicações. Geralmente são
utilizadas as veias do braço ou punho.
• Acesso venoso central: utiliza apenas veias de
grande calibre, como a jugular interna, subclávia
e femoral. É utilizado quando as vias periféricas
são inviáveis ou quando se quer um acesso de
maior calibre.
Finalidades
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Essa via de
administração de
medicamento
consiste em
introduzir a
medicação
diretamente
na massa muscular
do paciente.
Intramuscul
• Os músculos utilizados podem ser: deltoide (para
vacinas ou pequenas doses de medicamentos),.
• Vasto lateral da coxa (geralmente utilizada em recém-
nascidos ou crianças).
• Dorsoglúteo e glúteo (para quantidades um pouco
maiores de medicamentos).
Locais
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Essa via permite acesso
direto ao sistema nervoso
do paciente. Ela é epidural
quando realizada no canal
medular, e intratecal
quando realizada no
espaço subaracnoide.
Epidural ou
Intratecal
• Acesso direto ao canal medular do paciente.
• Menores complicações neurológicas.
• Redução de possíveis distúrbios na pressão
sanguínea do paciente.
• Via de ótimo acesso para administrar analgésicos
epidurais ou para coletar material para exame.
Finalidade
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• A via retal
consiste em
aplicar a
medicação ou
droga na mucosa
anal do paciente.
Retal
• Essa via é muito utilizada em casos de constipação intestinal e
para alívio de gazes e fezes ressecadas (fecalomas).
• Geralmente as medicações vem em formato de clister ou
supositórios compostos basicamente por óleos, gelatinas ou
glicerina, que facilitam a entrada da medicação no canal anal.
Também podem ser feitas irrigações ou medicações para limpeza
do canal intestinal com fins diagnósticos.
• A medicação pode ter atuação nos tecidos locais ou ter efeitos
sistêmicos. Essa via é eficaz porque a mucosa anal é ricamente
vascularizada e por isso, permite a absorção rápida da medicação.
Finalidades
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Consiste em
aplicar a droga
na uretra
intrapeniana do
paciente.
Intrapenian
• Geralmente as medicações assumem diferentes formatos, como
cremes, géis, supositórios ou pomadas. Também é possível realizar
irrigações e lavagens para reduzir e tratar infecções, inflamações
ou retirar corpo estranho do canal uretral.
• Esta via geralmente é utilizada para tratamentos de distúrbio de
disfunção erétil ou de ejaculação precoce.
Finalidades
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• Consiste em
administrar
medicamentos
na uretra do
paciente.
Intrauretr
• É útil para o combate de infecções locais, no entanto, devido ao
desconforto, prefere-se utilizar outras vias de administração de
medicamentos.
Finalidades
Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração
de Medicamentos
• A via intravaginal
consiste em
medicamentos
inseridos na
mucosa do canal
vaginal.
Intravagin
• Esta via é bastante utilizada para o combate de infecções ou
corrimentos bacterianos locais.
• As formas farmacêuticas são as mesmas da via intrapeniana, ou
seja, podem ser utilizados cremes, pomadas, geleias, etc.
Finalidades
Classificação das Vias de Administração
FARMACOLOGIA
farmacocinética
• Absorção, distribuição, metabolismo e
excreção de fármacos.
Farmacodinâmica
• Interação fármaco-receptor.
farmacocinética
ABSORÇÃO
DISTRIBUIÇÃO
BIOTRANSFORMAÇÃO/METABOLISMO
BIODISPONIBILIDADE
EXCREÇÃO
A absorção é o processo que se inicia com a
aplicação ou tomada do medicamento até a
entrada na corrente sanguínea.
A biotransformação é a etapa em que a
medicação é transformada em um composto
aquoso.
A biodisponibilidade é a porção da
medicação que chega à circulação
sanguínea.
A excreção é a forma e a velocidade com
que os resíduos da medicação são
liberados do organismo.
Todo o caminho percorrido pelo fármaco depois
que ele é absorvido e chega à corrente
sanguínea
farmacodinâmic
a
Locais de ação
Mecanismo de ação
Efeito terapêutico
São, normalmente, os receptores, locais que ligam as substâncias endógenas,
aquelas que nós mesmos produzimos, com as exógenas, produzidas pelos
medicamentos.
É o que acontece quando o fármaco entra em contato com o
organismo.
O produto ativo é liberado, gerando uma resposta terapêutica.
É o que se busca ao ingerir determinado
medicamento.
AGONISTA
• Agonista
• Agonista Inverso
ANTAGONISTA
• Parcial/Total
• Reversível/Irreversível
• Competitivo/Alostérico
Betabloqueadores, bloqueadores
musculares, antagonista
benzodiazepínicos e antagonistas
dos receptores opioides.
Fatores que alteram os efeitos de
medicamentos.
FATORES INTRÍNSECOS
CONSTITUINTES CONDICIONAIS (não estruturados
indivíduo,relacionado a fisiologia)
Variabilidade individual;
Raça;
Idade;
Peso;
Sexo;
Estados patológicos ou fisiológicos
Psicológicos;
FATORES EXTRÍNSECOS
Dependentes do fármaco
• Associados à via de administração, dose, forma farmacêutica e condições
de uso;
• Influenciados pelo meio ambiente
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO

introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptxintroduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptxBruceCosta5
 
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.pptCassianoOliveira8
 
Fundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagemFundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagemMarlene Silva
 
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geralaula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geralprofedusoares
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Rayssa Mendonça
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxMadjaLdio
 
Aula 1 curso de enfermagem
Aula 1 curso de enfermagemAula 1 curso de enfermagem
Aula 1 curso de enfermagemNito Joao Sunde
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara motaClara Mota Brum
 
0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Rose0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Roselaiscarlini
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Renato Santos
 
Aula1 farmacologia de eicosanoides
Aula1 farmacologia de eicosanoidesAula1 farmacologia de eicosanoides
Aula1 farmacologia de eicosanoidesKaren Ferreira
 
Introducao a farmacologia
Introducao a farmacologiaIntroducao a farmacologia
Introducao a farmacologiaRegia Taline
 

Semelhante a FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO (20)

Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptxintroduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
 
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
 
Fundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagemFundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagem
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geralaula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
 
Aula 1 curso de enfermagem
Aula 1 curso de enfermagemAula 1 curso de enfermagem
Aula 1 curso de enfermagem
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
 
0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Rose0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Rose
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
aula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptxaula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptx
 
prodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologiaprodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologia
 
Aula1 farmacologia de eicosanoides
Aula1 farmacologia de eicosanoidesAula1 farmacologia de eicosanoides
Aula1 farmacologia de eicosanoides
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Introducao a farmacologia
Introducao a farmacologiaIntroducao a farmacologia
Introducao a farmacologia
 

Mais de ArtthurPereira2

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificaçõesepidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificaçõesArtthurPereira2
 
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICOCUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICOArtthurPereira2
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAArtthurPereira2
 
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAAULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAArtthurPereira2
 
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇAAULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇAArtthurPereira2
 
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologicaaula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologicaArtthurPereira2
 
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptxMIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptxArtthurPereira2
 
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDECENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDEArtthurPereira2
 

Mais de ArtthurPereira2 (12)

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificaçõesepidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
 
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICOCUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAAULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇAAULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
 
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologicaaula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
 
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptxMIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
 
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDECENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
 
NEFROLOGIA.pptx
NEFROLOGIA.pptxNEFROLOGIA.pptx
NEFROLOGIA.pptx
 
Apresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptxApresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptx
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 

Último

Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdfAtenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdfJuliaFernandes234579
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxLanaMonteiro8
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...wilkaccb
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 

Último (10)

Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdfAtenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 

FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO

  • 1. FARMACOLOGIA ENF. ESP. ARTHUR CUSTÓDIO PEREIRA EMAIL: ARTTHURGBA17@GMAIL.COM
  • 2. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA 1. Compreender as vias de administração dos fármacos, sua absorção, distribuição, biotransformação e eliminação do organismo; 2. Explicar o mecanismo de ação dos fármacos e possíveis interações com outros fármacos ou alimentos; 3. Observar os efeitos terapêuticos, colaterais e tóxicos dos fármacos e suas indicações e contraindicações para as devidas intervenções.
  • 3. CONTEÚDO PROGRAMADO 1. Introdução à Farmacologia.; 2. Vias de administração de fármacos; 3. Farmacocinética; 4. Farmacodinâmica; 5. Fatores que interferem na ação dos fármacos e interação medicamentosa; 6. Farmacologia molecular; 7. Farmacologia do Sistema Nervoso Autônomo.; 8. Farmacologia do sistema Nervoso Central; 9. Farmacologia do Sistema Cardiovascular; 10.Farmacologia do Sistema Respiratório; 11.Farmacologia da Inflamação; 12.Farmacologia dos Antimicrobianos; 13.Farmacologia do Sistema Endócrino; 14.Farmacologia dos Antilipêmicos; 15.Farmacologia da Coagulação; 16.Farmacologia do Sistema Digestório; 17.Antibioticoterapia; 18.Interação entre drogas e nutrientes.
  • 4. METODOLOGIA 1. Aulas expositivas dialogadas; 2. Leitura de textos, debates e realização de exercícios dinâmicos; 3. Trabalho de grupo / Seminários.
  • 5.
  • 6. FARMACOLOGIA A farmacologia vem do grego pharmakos, que significa droga e logos, que remete a estudo. Portanto, é o estudo ou ciência que investiga como as substâncias químicas interagem com os sistemas biológicos, sendo uma relação de benéfico (medicamento), ou maléfico (tóxico).
  • 7. FARMACOLOGIA Farmacologia geral • Farmacocinética • Farmacodinâmica • Toxilogia Farmacologia específica • Interação fármaco-organismo Farmacologia geral • Farmacogenética • Farmacogenômica • Farmacoepidemiologica Obs: A biotecnologia, farmacognosia, síntese farmacêutica, farmacotécnica, farmacoeconomia, farmacovigilância e tecnologia farmacêutica são exemplos de áreas de estudo das ciências farmacêutica.
  • 8. FARMACOLOGIA Conceitos importantes para o estudo em farmacologia Droga: substâncias que modifica a função fisiológica com ou sem intenção benéfica. Remédio: “Aquilo que cura” Quaisquer substâncias ou recurso utilizado para curar ou aliviar doenças, sintomas, desconforto e mal-estar. Pode ser uma substância animal, vegetal, mineral ou sintética. Remédios são utilizados para curar ou aliviar os sintomas das doenças. Fármaco ou princípio ativo: Estrutura química conhecida com propriedade de modificar uma função fisiológicas já existente. E a parte ativo do medicamento, aquela que é responsável pela ação farmacológica. Medicamento: Produto farmacêutico que contém um ou mais de um princípio ativo (fármaco), tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade, profilático, curativo, paliativo ou para fins de diagnóstico. Placebo: É um medicamento simulado que não contém qualquer princípio ativo (pode ser, alternativamente, uma simulação de procedimento cirúrgico, dieta ou outro tipo de intervenção terapêutica), que o paciente acredite ser verdadeiro. A “resposta placebo” tem forte efeito terapêutico, produz efeitos benéficos significativos em cerca de 1 terço dos pacientes.
  • 9. FARMACOLOGIA Conceitos importantes para o estudo em farmacologia Nocebo: Substâncias que, não sendo nocivo ao organismo, incita sintomas de doenças(por efeito psicológico) nos pacientes que a usam. Efeito nocebo descrever os efeitos adversos dos medicamentos inertes. Efeito colateral: Qualquer efeito não intencional de um produto farmacêutico que ocorra em doses normalmente utilizadas em humanos relacionados com as propriedades farmacológicas de fármacos. O efeito colateral é um tipo de RAM (reação adversa ao medicamento) previsível. Evento adverso ou experiência adversa: Definidos como qualquer ocorrência desfavorável possível de ocorrer enquanto o paciente está utilizado o medicamento, masque não possui, necessariamente, relação casual com o tratamento. Interação medicamentosa: Efeito da interação resultante entre dois fármacos, podendo como resultado final, ocorrer um aumento, redução, atenuação do efeito farmacológico deum ou mais fármacos envolvidos. Dose: É a quantidade de princípio ativo que administra de uma só vez. Posologia: Determina a forma de uso do medicamento, deve incluir a dose, os intervalos de administração e o período total durante o qual o medicamento deve ser utilizado.
  • 10. FARMACOLOGIA Conceitos importantes para o estudo em farmacologia Janela terapêutica: Faixa de segurança de dosagem de uso medicamentoso. É o intervalo de doses entre a dose efetiva mínima e a dose efetiva máxima, antes de ser tóxico. Biodisponibilidade: Porcentagem de medicamento que chega ao local e ação, ou a um líquido biológico a partir da quantidade administrada. Bioequivalência: Dois medicamentos que possuem o mesmo princípio ativo sendo idênticos em potência ou concentração, apresentação e via de administração com biodisponibilidades iguais. Dose eficaz média (DE50): Dose em que 50% da população apresenta um efeito terapêutico especifico, depende da medida de eficiência usada. Ex: Aspirina para dor de cabeça X para reumatismo. Dose letal (DL50): Dose capaz de matar 50% da população de animais testados. Índice terapêutico: Indica segurança: distância entre a dose eficaz e a dose tóxica DL50/DE50.
  • 11. FARMACOLOGIA Medicamento referência, genérico e similar Medicamento referência: Quando um medicamento inovador é registrado no país, chamamos esse medicamento de “referência”. A eficácia, segurança e qualidade desses laboratórios farmacêuticos investem anos em pesquisas para desenvolvê-los, têm exclusividade sobre a comercialização da fórmula durante o período da patente, que pode durar de 10 a 20 anos, depois desse tempo, outros laboratórios podem usar o mesmo princípio ativo e fazer cópias do medicamento referência. Essas cópias são os medicamentos genéricos e os similares, que são mais baratos pois os laboratórios não tiveram que gastar tempo e dinheiro na descoberta e desenvolvimento do fármaco. Genérico: É igual ao medicamento referência, onde se apresenta com o nome da substancia ativa. Não sendo permitida. Dessa forma, a utilização de nome comercial. Desde 1999 todos os medicamentos genéricos precisaram comprovar a sua eficácia, segurança e qualidade através de estudos de bioequivalência, hoje até mesmo o similar, para que assim a intercambialidade fosse assegurada. Similares: Além dos medicamentos de referência e os genéricos, há a categoria dos medicamentos similares. De acordo com a definição legal, medicamentos similar é aquele que contém o mesmo ou os mesmos princípios ativos, apresenta mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica, mas pode deferir em características relativa ao tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipientes e veículos , devendo sempre ser identificado por nome comercial ou marca.
  • 13. FARMACOLOGIA Vias de Administração • As vias de administração de medicamentos correspondem as possibilidades de aplicar a medicação nos pacientes e é de responsabilidade da enfermagem conhecer todas essas vias para a administração correta e segura da medicação. •A medicação deverá ser absorvida lentamente ou rapidamente? •Qual a quantidade de me •Qual a indicação da via de administração a embalagem do produto me sugere? •Uma determinada via é melhor do que a outra? •A medicação que vou administrar só pode ser realizada por uma única via? •Quais as propriedades da medicação? Ela é lipossolúvel, hidrossolúvel, etc?
  • 14. Conhecendo as Vias de Administração de Medicamentos
  • 15. Conhecendo as Vias de Administração de Medicamentos
  • 16. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Via auricular corresponde a administração de medicamentos diretamente nos canais auditivos do paciente. Auricular ou Otológica • Reduzir a infecção ou inflamação no canal auditivo. • Lubrificar e irrigar o canal auditivo para facilitar a retirada de corpo estranho. • Promover analgesia e diminuição do nível de dor do paciente (após algum procedimento ou cirurgia). • Ajudar a remover o cerume ressecado. Finalidades • Geralmente, as medicações para serem administradas por essa via se apresentam no formato de solução otológica, ou seja, em gotas, pomadas, ou líquidos para irrigação. Solução
  • 17. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Administração de medicamentos diretamente na mucosa nasal do paciente. Intranasal • Uma das vantagens de utilizar essa via é que o efeito da medicação é rápido, pois evita que ela entre em contato com o fígado, o que diminuiria o seu efeito. Após administrar, o medicamento irá diretamente para a corrente sanguínea do paciente. Finalidade • Um exemplo de medicação que pode ser utilizada nessa via são os descongestionantes nasais. Medicação
  • 18. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Trata-se de administrar medicamentos diretamente na conjuntiva do paciente. Geralmente esses medicamentos se apresentam no formato de soluções ou colírios. Ocular, ou Conjuntival • Promover analgesia e redução da dor. • Diminuição da inflamação ou infecção local. • Dilatação (midríase) ou retração (miose) das pupilas. • Promover a retirada de corpo estranho. • Realizar a coloração da córnea para detectar alguma ulceração ou alteração. Finalidades
  • 19. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • As medicações por via oral são administradas pela boca do paciente, sendo necessária a sua deglutiçã o ou mastigação d substância medicamentos a. Oral • É barata, pois não exige nenhum equipamento especial para seu uso. • A medicação pode ser administrada pelo próprio paciente (automedicação). • É indolor. Apesar de que alguns fármacos possam possuir gosto desagradável, o desconforto é passageiro. • Existe a possibilidade de retirar o medicamento, por meio de: lavagem gástrica ou pelo vômito do paciente, bem como neutralizar o seu efeito por meio da administração de carvão ativado. • Os efeitos podem ser localmente (como atuar no estômago) ou sistematicamente (para aliviar a dor, por exemplo). • Alguns medicamentos, como as drágeas, possuem revestimento especial que impedem a absorção pelo estômago, e são liberadas nos intestinos, promovendo uma boa terapêutica local. Finalidades • comprimidos, drágeas, pós, soluções, xaropes, pastilhas, cápsulas, etc. Medicação
  • 20. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Promover o contato de substância medicamentosa com a mucosa que se encontra abaixo da língua Sublingua • Essa mucosa é ricamente vascularizada, ou seja, permite a absorção rápida da medicação. Além disso, evita-se o contato da medicação com o fígado, o que reduziria o seu efeito no organismo. Finalidade • Um exemplo bastante comum para o emprego dessa via é a utilização de medicamentos que diminuem a pressão arterial rapidamente, em situações de urgência ou emergência. Medicação
  • 21. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Compreender a absorção de medicamentos na mucosa inferior do sistema respiratório, ou seja, nos alvéolos dos pulmões. Respiratória ou Inalatória • A absorção do medicamento é rápida, sendo os efeitos locais e sistêmicos. Finalidades • Broncodilatadores ou broncoconstritores, anestésicos gerais, antianginosos, etc. Medicação
  • 22. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Administração direta de medicamento sob a pele íntegra do paciente exclusivamente por meio de adesivos, filmes medicamentoso ou Transdermal Transdérmica • A concentração de medicamento na corrente sanguínea é constante. O que traz maior controle sobre a dosagem. • Pode ser facilmente aplicado na pele pelo próprio paciente. • Facilita a adesão a terapêutica, uma vez que o adesivo pode permanecer na pele por um longo período de tempo. Finalidades • Hormônios, medicamentos para dor aguda relacionada a musculatura, etc. Medicação
  • 23. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Corresponde a aplicação de medicamento entre as camadas superficiais da epiderme e derme, forman o uma pequena pápula. Intradérmic • Essa via possui pouca capacidade de absorção (de 0,1 mm até 0,5 mm), uma vez que ela é lenta, além do que a quantidade de medicamento que pode ser utilizada também é pequena. • Essa via é comumente utilizada para prova de tuberculose, o chamado teste PPD, testes de sensibilidade e de alergias além de ser utilizada na administração da vacina BCG, para o combate a tuberculose. • Geralmente, o local de utilização para a administração de medicamentos via intradérmica é o antebraço. Isso porque a região é de fácil acesso, com poucos pelos e a vascularização é baixa na região. Finalidades • PPD • BCG Medicação
  • 24. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Administração de medicamento diretamente na superfície da pele. Tópica • A medicação tópica age somente no local onde foi aplicada, devido ao fato de que a própria pele atua como barreira de proteção. Finalidade • Pomadas, cremes, unguentos ou sprays. • Antimicóticos e analgésicos locais. Medicação
  • 25. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Trata-se de administrar medicamentos diretamente no tecido subcutâneo do paciente. Subcutâne • Essa aplicação geralmente ocorrem em áreas com camada gordurosa mais espessa, como porção inferior do abdômen, dorso do braço, etc. Finalidade • insulinas, hormônios, vacinas, medicações anticoagulantes, etc. Medicação
  • 26. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Administração de medicamento diretamente na superfície da pele. Intravenosa ou Endovenosa • Dentre as vias de administração de medicamentos, esta é a via mais rápida, pois a medicação entra rapidamente na corrente sanguínea e tem acesso direto aos órgãos ou tecidos alvo. • Esta via de administração de medicamento é amplamente utilizada pela enfermagem na área hospitalar. Portanto, conhecer suas características é essencial! Ela se divide em dois tipos: Acesso venoso periférico e acesso venoso central. Finalidades
  • 27. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Efeitos rápidos da medicação. • É utilizada amplamente para administrar drogas variadas e que precisam atuar rapidamente, como nos casos de parada cardíaca. • Pode-se controlar a dosagem facilmente por meio do cálculo do gotejamento. • Também é possível administrar grandes quantidades de medicação. • ................................................................................. • Risco de infecção local e sistêmica, devido à inserção do cateter ou erro na técnica de administração. Vantagens e Desvantagens • Acesso venoso periférico: utilizado para a maioria das medicações. Geralmente são utilizadas as veias do braço ou punho. • Acesso venoso central: utiliza apenas veias de grande calibre, como a jugular interna, subclávia e femoral. É utilizado quando as vias periféricas são inviáveis ou quando se quer um acesso de maior calibre. Finalidades
  • 28. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Essa via de administração de medicamento consiste em introduzir a medicação diretamente na massa muscular do paciente. Intramuscul • Os músculos utilizados podem ser: deltoide (para vacinas ou pequenas doses de medicamentos),. • Vasto lateral da coxa (geralmente utilizada em recém- nascidos ou crianças). • Dorsoglúteo e glúteo (para quantidades um pouco maiores de medicamentos). Locais
  • 29. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Essa via permite acesso direto ao sistema nervoso do paciente. Ela é epidural quando realizada no canal medular, e intratecal quando realizada no espaço subaracnoide. Epidural ou Intratecal • Acesso direto ao canal medular do paciente. • Menores complicações neurológicas. • Redução de possíveis distúrbios na pressão sanguínea do paciente. • Via de ótimo acesso para administrar analgésicos epidurais ou para coletar material para exame. Finalidade
  • 30. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • A via retal consiste em aplicar a medicação ou droga na mucosa anal do paciente. Retal • Essa via é muito utilizada em casos de constipação intestinal e para alívio de gazes e fezes ressecadas (fecalomas). • Geralmente as medicações vem em formato de clister ou supositórios compostos basicamente por óleos, gelatinas ou glicerina, que facilitam a entrada da medicação no canal anal. Também podem ser feitas irrigações ou medicações para limpeza do canal intestinal com fins diagnósticos. • A medicação pode ter atuação nos tecidos locais ou ter efeitos sistêmicos. Essa via é eficaz porque a mucosa anal é ricamente vascularizada e por isso, permite a absorção rápida da medicação. Finalidades
  • 31. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Consiste em aplicar a droga na uretra intrapeniana do paciente. Intrapenian • Geralmente as medicações assumem diferentes formatos, como cremes, géis, supositórios ou pomadas. Também é possível realizar irrigações e lavagens para reduzir e tratar infecções, inflamações ou retirar corpo estranho do canal uretral. • Esta via geralmente é utilizada para tratamentos de distúrbio de disfunção erétil ou de ejaculação precoce. Finalidades
  • 32. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • Consiste em administrar medicamentos na uretra do paciente. Intrauretr • É útil para o combate de infecções locais, no entanto, devido ao desconforto, prefere-se utilizar outras vias de administração de medicamentos. Finalidades
  • 33. Vantagens e Desvantagens das Vias de Administração de Medicamentos • A via intravaginal consiste em medicamentos inseridos na mucosa do canal vaginal. Intravagin • Esta via é bastante utilizada para o combate de infecções ou corrimentos bacterianos locais. • As formas farmacêuticas são as mesmas da via intrapeniana, ou seja, podem ser utilizados cremes, pomadas, geleias, etc. Finalidades
  • 34. Classificação das Vias de Administração
  • 35. FARMACOLOGIA farmacocinética • Absorção, distribuição, metabolismo e excreção de fármacos. Farmacodinâmica • Interação fármaco-receptor.
  • 36. farmacocinética ABSORÇÃO DISTRIBUIÇÃO BIOTRANSFORMAÇÃO/METABOLISMO BIODISPONIBILIDADE EXCREÇÃO A absorção é o processo que se inicia com a aplicação ou tomada do medicamento até a entrada na corrente sanguínea. A biotransformação é a etapa em que a medicação é transformada em um composto aquoso. A biodisponibilidade é a porção da medicação que chega à circulação sanguínea. A excreção é a forma e a velocidade com que os resíduos da medicação são liberados do organismo. Todo o caminho percorrido pelo fármaco depois que ele é absorvido e chega à corrente sanguínea
  • 37.
  • 38. farmacodinâmic a Locais de ação Mecanismo de ação Efeito terapêutico São, normalmente, os receptores, locais que ligam as substâncias endógenas, aquelas que nós mesmos produzimos, com as exógenas, produzidas pelos medicamentos. É o que acontece quando o fármaco entra em contato com o organismo. O produto ativo é liberado, gerando uma resposta terapêutica. É o que se busca ao ingerir determinado medicamento.
  • 39.
  • 40. AGONISTA • Agonista • Agonista Inverso ANTAGONISTA • Parcial/Total • Reversível/Irreversível • Competitivo/Alostérico Betabloqueadores, bloqueadores musculares, antagonista benzodiazepínicos e antagonistas dos receptores opioides.
  • 41. Fatores que alteram os efeitos de medicamentos. FATORES INTRÍNSECOS CONSTITUINTES CONDICIONAIS (não estruturados indivíduo,relacionado a fisiologia) Variabilidade individual; Raça; Idade; Peso; Sexo; Estados patológicos ou fisiológicos Psicológicos; FATORES EXTRÍNSECOS Dependentes do fármaco • Associados à via de administração, dose, forma farmacêutica e condições de uso; • Influenciados pelo meio ambiente