SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO
Como todos nós cristãos temos conhecimento, cada denominação possui um
conjunto de doutrinas ao qual julga como bíblico e verdadeiro. E pelo qual firma sua
ética e crenças. A Igreja Presbiteriana do Brasil também possui suas doutrinas derivadas
de nossa interpretação das Escrituras. Elas se encontram sistematizadas essencialmente
em três documentos históricos denominados ―Símbolos de Westminster‖ (Confissão de
Fé de Westminster, Catecismo Maior de Westminster, e Breve Catecismo de
Westminster). Além destes documentos, a Igreja Presbiteriana do Brasil, como uma
igreja protestante conservadora, também aceita o muito conhecido Credo Apostólico
como afirmação de crenças fundamentais da fé cristã.
Em questões de decisão doutrinária a IPB adota as doutrinas sistematizadas que
se encontram nos Símbolos de Fé de Westminster, e não o Credo Apostólico. Contudo,
nesta revista estudaremos mais pormenorizadamente o Credo Apostólico, devido ao fato
de ele expressar as doutrinas fundamentais da fé cristã, e devido ao fato de que os
documentos de Westminster serem bastante longos e de muito conteúdo, difícil de se
expor por meio de uma revista teológica como esta. Sobre estes documentos damos
simplesmente uma explicação introdutória para que os estudantes possam compreender
mais a respeito deles. Porém, o estudo de seu conteúdo ficará por enquanto por conta de
cada leitor individualmente.
Mas apesar de serrem documentos diferentes, nossos estudos a respeito do
Credo estão sendo interpretados de acordo com a visão dos Símbolos de Fé de
Westminster. Ou seja, visto ―pelos olhos‖ da Confissão e dos Catecismos de
2
Westminster. Examinamos o Credo desta forma devido ao fato de que os Símbolos de
Westminster conterem muito mais explicação e definição teológica do que no Credo.
Sendo assim, eles podem explicar melhor, e mais profundamente, as afirmações gerais
que o Credo faz. O Credo é mais sintetizado e superficial quanto as afirmações
teológicas. De modo que, na Confissão de Fé e nos Catecismos de Westminster, nós
podemos encontrar um ótimo comentário das doutrinas encontradas no Credo.
Nosso desejo é que o leitor, ao ler doutrinas expostas no Credo, possam
aprender, e entender, os pontos fundamentais do cristianismo ali declarados.
Deus abençoe seus estudos!
Pr. Alberto Simonton
3
Estudos TÍTULOS páginas
Nº 1
HISTÓRIA, DIFERENÇAS E CARACTERÍSTICAS
DO CREDO APOSTÓLICO, CONFISSÃO E CATECISMOS
DE WESTMINSTER
05
Nº 2
ESTRUTURA, AUTORIDADE, IMPORTÂNCIA E
UTILIDADE
DO CREDO APOSTÓLICO, CONFISSÃO E CATECISMOS
DE WESTMINSTER
10
Nº 3
“CREIO EM DEUS PAI TODO-PODEROSO...”
(1º Seção)
19
Nº 4
“... CRIADOR DO CÉU E DA TERRA...”
(1º Seção) 23
Nº 5
“CREIO EM JESUS CRISTO, SEU ÚNICO FILHO, NOSSO
SENHOR...”
(2ª Seção)
28
Nº 6
“... O QUAL FOI CONCEBIDO POR OBRA DO ESPÍRITO
SANTO,
NASCEU DA VIRGEM MARIA...”
(2ª Seção)
32
Nº 7
“... PADECEU SOB O PODER DE PÔNCIO PILATOS, FOI
CRUCIFICADO...”
(2º Seção)
35
Nº 8
“... MORTO E SEPULTADO; DESCEU AO HADES...”
(2º Seção) 38
Nº 9
“RESSURGIU DOS MORTOS AO TERCEIRO DIA;
SUBIU AO CÉU; ESTÁ ASSENTADO À MÃO DIREITA DE
DEUS PAI TODO-PODEROSO,
DE ONDE HÁ DE VIR PARA JULGAR OS VIVOS E OS
MORTOS.”
(2º Seção)
40
Nº 10
“CREIO NO ESPÍRITO SANTO; NA SANTA IGREJA
UNIVERSAL;
NA COMUNHÃO DOS SANTOS...”
(3º Seção)
45
Nº 11
“NA REMISSÃO DOS PECADOS; NA RESSURREIÇÃO DO
CORPO; NA VIDA ETERNA. AMÉM.”
(3º Seção)
49
4
HISTÓRIA, DIFERENÇAS E CARACTERÍSTICAS
DO CREDO APOSTÓLICO, CONFISSÃO E CATECISMOS DE
WESTMINSTER
Introdução
Em meio ao caos em que se encontram as igrejas protestantes de hoje, onde
não há uma preocupação em ser fiel ao conteúdo das Escrituras, faz-se necessário
prender-nos cada vez mais às doutrinas desenvolvida pela Igreja com o passar dos anos.
Para isto, um bom caminho para nós reformados é voltar nossa atenção para o estudo do
Credo Apostólico, da Confissão de Fé e dos Catecismos de Westminster, os quais
adotamos como sendo fiéis ao ensino da Palavra de Deus.
I - A HISTÓRIA DA CONFISSÃO E DOS CATECISMOS DE WESTMINSTER
Os documentos que conhecemos hoje como Confissão de Fé de Westminster,
Catecismo Maior de Westminster, e Breve Catecismo de Westminster, foram todos
produzidos por uma assembléia convocada pelo Parlamento inglês para elaborar os
princípios de governo, doutrina e culto que deviam reger as atividades religiosas na
Inglaterra, Escócia e Irlanda. Esta Assembléia, constituída de clérigos anglicanos,
congregacionais, independentes, batistas e presbiterianos, teve suas reuniões em uma
das salas da Abadia de Westminster, na cidade de Londres na Inglaterra, no período que
de 01/07/1643 a 22/02//1649. Durante esta Assembléia houve 1163 reuniões do plenário
e centenas de reuniões de comissões e subcomissões. Nela ―trabalharam no texto da
confissão 121 teólogos e 30 leigos nomeados pelo Parlamento (20 da Casa dos Comuns
e 10 da Casa dos Lordes), 8 representantes escoceses‖.1
Foi um grande feito para as igrejas reformadas, e os documentos oriundos não
foram de forma alguma produzidos de modo ―leviano‖. Muita responsabilidade e
cuidado envolvia esta reunião:
Os teólogos mais eruditos daquele tempo tomaram parte nos
trabalhos da Assembléia. A Confissão de Fé e os Catecismos
foram discutidos ponto por ponto, aproveitando-se o que
havia de melhor nas Confissões já formuladas, e o resultado
foi a organização de um sistema de doutrina cristã baseado na
1 http://www.teuministerio.com.br/BRSPIGBSDCMCMC /vsItemDisplay.dsp&objectID =C9F2EC3B-292E-4D9E-
853183986D1DC489&method=display. Acessado em 31.07.08.
5
Escritura e notável pela sua coerência em todas as suas
partes.2
A Assembléia trabalhou muito, mas enfim, produziu vários materiais para usos
eclesiásticos. Vejamos o que esta Assembléia produziu:
Durante seus cinco anos e meio de atividade, a Assembléia de
Westminster produziu os chamados Padrões Presbiterianos...
Os Padrões Presbiterianos, na ordem em que foram
concluídos pela Assembléia, são os seguintes: (a) Diretório
do Culto Público a Deus: foi concluído em dezembro de
1644 e aprovado pelo Parlamento em janeiro de 1645.
Substituiu o Livro de Oração Comum. (b) Forma de Governo
Eclesiástico e Ordenação: foi concluída em novembro de
1644 e aprovada pelo Parlamento em 1648. Era uma forma
presbiteriana de governo e substituiu o episcopalismo na
Igreja da Inglaterra. (c) Confissão de Fé: foi concluída em
dezembro de 1646 e aprovada pelo Parlamento em março de
1648. (d) Catecismos Maior e Breve: foram concluídos no
final de 1647 e aprovados pelo Parlamento em setembro de
1648. (e) Saltério: versão métrica dos salmos para o culto;
havia várias versões concorrentes, mas a de Francis Rous,
membro do Parlamento e da Assembléia, foi finalmente
aprovada em novembro de 1645, após uma extensa revisão.
Foi aprovado pelo Parlamento no ano seguinte.3
Apesar a Igreja Presbiteriana do Brasil adotar alguns dos documentos
Assembléia de Westminster (Confissão de Fé e Catecismos), o texto que ela adota hoje
em dia não é o texto exato que foi produzido naquelas reuniões. Houve algumas
modificações e acréscimos que passaremos a observar a seguir:
No tempo em que se reuniu a Assembléia, e por muito tempo
antes, todos sustentavam a necessidade da união da Igreja e
do Estado, e originalmente havia no Capítulo que trata do
Magistrado Civil uma seção ensinando essa necessidade.
Ao formar-se a Igreja Presbiteriana nos Estados
Unidos da América do Norte, em 1788, essa seção foi
omitida, pois ali quase todos entendiam que a Igreja devia
2 J.M.K, Confissão de Fé e Catecismo Maior da Igreja Presbiteriana. Cambuci, Cultura Cristã, 1987.
3 Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 17/07/07.
6
estar livre de toda união com o Estado, sendo ambos livres e
independentes na esfera que lhes pertence.
Em 1887, ou quase cem anos mais tarde, a Igreja
geralmente chamada Igreja do Norte eliminou a última parte
da Seção IV do Capítulo XXIV, que dizia: "O viúvo não pode
desposar nenhuma parente carnal de sua mulher nos graus de
parentesco em que não possa desposar uma das suas próprias
parentes, nem a viúva poderá casar-se com um parente carnal
de seu marido nos graus de parentesco em que não possa
casar-se com um de seus próprios parentes". O Sínodo do
Brasil organizado em 1888, fez igual eliminação.
No ano 1903 a mesma Igreja do Norte dos Estados
Unidos fez outras emendas mais importantes que, por serem
de interesse geral, ficam aqui registradas. As duas Seções que
foram modificadas, rezam do modo seguinte:
CAPÍTULO XVI, SEÇÃO VII: ―As obras feitas pelos não
regenerados, embora sejam quanto à matéria. coisas que Deus
ordena e em si mesmas louváveis e úteis, e embora o
negligenciá-las seja pecaminoso e ofensivo a Deus, não
obstante, em razão, de não procederem de um coração
purificado pela fé, elas não são feitas devidamente - segundo
a Palavra - nem para um fim justo - a glória de Deus - ficam
aquém do que Deus exige e não podem preparar homem
algum para receber a graça de Deus.‖
CAPÍTULO XXV, SEÇÃO VI: “Nosso Senhor Jesus Cristo
é o único Cabeça da Igreja, e a pretensão de qualquer homem
ser vigário de Cristo e cabeça da Igreja, é contrária à
Escritura nem tem base alguma na História e é uma
usurpação que desonra a nosso Senhor Jesus Cristo.‖4
Além destas modificações, também foi realizado um acréscimo de mais dois
Capítulos à Confissão de Fé pela Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos da América (a
Igreja do Norte) em 1903: Capítulo XXXIV - DO ESPÍRITO SANTO; Capítulo XXXV
- DO AMOR DE DEUS E DAS MISSÕES.
II - A HISTÓRIA DO CREDO APOSTÓLICO
Apesar de muitos acharem que o Credo Apostólico é parte da crença e prática
exclusivamente da Igreja Apostólica Romana, isto não é verdade. As cláusulas que o
4 J.M.K, Confissão de Fé e Catecismo Maior da Igreja Presbiteriana.
7
constituem foram aceitas até mesmo pelos Reformadores. Este Credo não pertence à
igreja Católica, mas expressa doutrinas universalmente cristãs. O fato de ser chamado
de ―apostólico‖ não tem a ver com a Igreja Católica, antes, ―ele é chamado Apostólico
por incluir ensinamentos que a Igreja abraça desde os tempos apostólicos.‖5
Alguns até
mesmo chegaram a pensar que esta declaração veio realmente dos Apóstolos de Cristo.
Porém, isto não é verdade: ―... Há também quem suponha que o credo apostólico foi
escrito pelos apóstolos. Aliás, já uma lenda do quarto século afirmava isso,
acrescentando que cada um escrevera uma cláusula. O fato, porém, é que o credo não
possui doze cláusulas. Mesmo assim a lenda continuou na moda até o século 15.‖6
Na verdade este Credo tem sua origem não de um texto produzido pelos
apóstolos, mas ―segundo alguns historiadores o credo apostólico surgiu a partir de um
outro, conhecido como Antigo Credo Romano, do segundo século.‖7
Como podemos perceber, a origem do Credo Apostólico é diferente da origem
da Confissão e dos Catecismos de Westminster. Enquanto estes foram elaborados e
aprovados por uma Assembléia constituída por clérigos, ―o Credo Apostólico não foi
escrito nem aprovado por algum concílio eclesiástico num tempo específico. Antes, ele
tomou forma de modo gradual desde cerca de 200 d.C até 750 d.C.‖8
Ele ―não surgiu do
dia para a noite e nem teve data de lançamento marcada com antecedência.‖9
III - AS CARACTERÍSTICAS DIVERGENTES DO CREDO, CONFISSÃO E
CATECISMOS
A história da Igreja demonstra que sempre houve a necessidade de se
estabelecer as verdades contidas nas Escrituras contra as heresias que surgem
constantemente. Daí surgiram os Credos e Confissões. Dos credos existentes falaremos
somente do Credo dos Apóstolos. E das Confissões que foram produzidas, nós vamos
falar somente da Confissão e dos Catecismos formulados em Westminster, visto que
estes é que foram adotados pela Igreja Presbiteriana do Brasil.
Mesmo sendo útil á Igreja do Senhor, os credos, Confissões e Catecismos
possuem cada um suas características peculiares. Ou seja, tanto os Credos são diferentes
das Confissões, quanto as Confissões são diferentes dos Catecismos. Todavia, sem
prejuízo de conteúdo, ou contradições de doutrinas.
5 Declaração de Fé in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, 06.
6 Credo Apostólico – Creio na santa Igreja universal in Revista História da Igreja – Os Primeiros Séculos. São Paulo,
Cultura Cristã, p 61.
7 Credo Apostólico – Creio na santa Igreja universal in Revista História da Igreja – Os Primeiros Séculos. São Paulo,
Cultura Cristã, p 61.
8 Wayne A. Grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 489.
9 Credo Apostólico – Creio na santa Igreja universal in Revista História da Igreja – Os Primeiros Séculos. São Paulo,
Cultura Cristã, p 61.
8
Devido ao fato de nosso estudo se deter no Credo dos Apóstolos e na Confissão
de Fé de Westminster, observemos as diferenças que estes contém. ―O Credo é a
fórmula de uma fé pessoal e principia com a palavra ―Creio‖. A Confissão de Fé de
Westminster segue o plano adotado no tempo da Reforma, é mais elaborada e apresenta
um pequeno sistema de teologia.‖10
O conteúdo do Credo Apostólico é muito resumido
em seus tópicos, e desprovido de detalhes. Enquanto o texto da Confissão de Fé é bem
mais longo e elaborado, dificultando possíveis más interpretações, ou afirmações
heréticas: ―Através da História, na medida em que as heresias se tornaram mais
numerosas e complexas, as declarações confessionais da Igreja se tornaram mais
elaboradas. As declarações doutrinárias ficaram mais detalhadas para lidarem
efetivamente com as sutis artimanhas dos heréticos.‖11
Os Catecismos por sua vez são elaborados não para declarar a fé (como no caso
do Credo e da Confissão), mas foram construídos especialmente para a instrução. Neste
caso, seu texto não contém afirmações teológicas, mas sim, perguntas relacionadas às
doutrinas confessionais. Evidentemente, todas as respostas do Catecismo maior e do
Breve Catecismo concordam com as doutrinas declaradas na Confissão de Fé.
10 J.M.K, Confissão de Fé e Catecismo Maior da Igreja Presbiteriana. Cambuci, Cultura Cristã, 1987.
11 Kevin Reed, Governo Bíblico de Igreja. São Paulo, Os Puritanos, 2002, p 48.
9
ESTRUTURA, AUTORIDADE,
IMPORTÂNCIA E UTILIDADE
DO CREDO APOSTÓLICO, CONFISSÃO E CATECISMOS DE
WESTMINSTER
I - A ESTRUTURA PECULIAR DESTES DOCUMENTOS HISTÓRICOS
A Confissão de Fé de Westminster
A Confissão de Fé é estruturada de seguinte forma: Capítulos e Seções. Cada
capítulo fala de um tema específico da teologia. E cada Seção declara algum
aspecto deste tema. Todo o texto da Confissão vem na forma de afirmação, pois a
Confissão tem o propósito de afirmar as doutrinas oriundas da Bíblia:
A Confissão de Fé pode ser considerada um pequeno manual
de teologia bíblica. Seus 33 capítulos abordam os temas mais
importantes da teologia cristã, conforme segue: a doutrina da
Escritura Sagrada – cap. 1; a doutrina de Deus (ser e obras) –
caps. 2-5; a doutrina do homem e da redenção – caps. 6-9; a
doutrina da aplicação da salvação – caps. 10-15; a doutrina da
vida cristã – caps. 16-19; a doutrina do cristão na sociedade –
caps. 20-24; a doutrina da igreja – caps. 25-31; e a doutrina
das últimas coisas – caps. 32-33.12
A Confissão de Fé de Westminster tem seu conteúdo distribuído na ordem de
temas que seguem abaixo:
12 Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 17/07/07.
10
Catecismo Maior e o Breve Catecismo de Westminster
O Catecismo Maior de Westminster é estruturado de forma diferente da
Confissão de Fé. A Confissão de Fé é constituída de declarações teológicas para
afirmação de doutrinas, o Catecismo Maior é constituído de perguntas e respostas que
13 Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 17/07/07.
A Doutrina das Escrituras
Cap.1 - Da Escritura Sagrada
A Doutrina do Cristão na Sociedade
Cap.22 - Dos Juramentos Legais e dos Votos
Cap.23 - Do Magistrado Civil
Cap.24 - Do Matrimônio e do Divórcio
A Doutrina de Deus (Ser e Obras)
Cap.2 - De Deus e da Santíssima Trindade
Cap.3 - Dos Decretos Eternos de Deus
Cap.4 - Da Criação
Cap.5 - Da Providência
A Doutrina da Igreja
Cap.25 - Da Igreja
Cap.26 - Da Comunhão dos Santos
Cap.27 - Dos Sacramentos
Cap.28 - Do Batismo
Cap.29 - Da Ceia do Senhor
Cap.30 - Das Censuras Eclesiásticas
Cap.31 - Dos Sínodos e dos Concílios
A Doutrina da Salvação (Objetiva)
Cap.6 - Da Queda do Homem, do Pecado e do
seu Castigo
Cap.7 - Do Pacto de Deus com o Homem
Cap.8 - De Cristo o Mediador
Cap.9 - Do Livre Arbítrio
A Doutrina das Últimas Coisas
Cap.32 - Do Estado do Homem depois da
Morte e da Ressurreição dos Mortos
Cap.33 - Do Juízo Final
A Doutrina da Salvação (Subjetiva)
Cap.10 - Da Vocação Eficaz
Cap.11 - Da Justificação
Cap.12 - Da Adoção
Cap.13 - Da Santificação
Cap.14 - Da Fé Salvadora
Cap.15 - Do Arrependimento para a Vida
Cap.16 - Das Boas Obras
Cap.17 - Da Perseverança dos Santos
Cap.18 - Da Certeza da Graça e da Salvação
Apêndice
Cap.34 - Do Espírito Santo
Cap.35 - Do Amor de Deus13
A Doutrina da Vida Cristã
Cap.19 - Da Lei de Deus
Cap.20 - Da Liberdade Cristã
Cap.21 - Do Culto Religioso e do Domingo
11
visam o fácil aprendizado das doutrinas da Confissão de Fé. Ou seja, ele foi feito ―para
servir à instrução geral do povo de Deus, dentro do sistema de teologia apresentado pela
Confissão de Westminster.‖14
O Catecismo facilita a memorização do conteúdo da
Confissão de Fé.
Estamos certos de que muitos dos membros da Igreja Presbiteriana do Brasil
nem sequer pegaram em um dos Catecismos adotados pela nossa igreja. Por isto
estamos apresentando, de uma maneira sucinta, um esboço do conteúdo do Catecismo
Maior de Westminster a fim de facilitar o uso dele pelo cristão inexperiente:
1ª parte:
- Da finalidade do homem
- Da existência de Deus
- Da origem e veracidade das
Escrituras O que se deve crer
2ª parte
- O que o homem deve crer sobre
Deus
3ª parte
- Tendo em vista o que as
Escrituras principalmente nos
ensinam a crer a respeito de Deus,
resta-nos considerar o que elas
requerem do homem como seu
dever
O que se deve fazer
Para facilitar ainda mais o manuseio deste material, apresentamos um pequeno
esboço do conteúdo do Catecismo Maior de Westminster demonstrando alguns temas
principais relacionados às suas respectivas perguntas:
14 Marra; editor, O Catecismo Maior de Westminster, p III.
12
Número das
perguntas
1ª Parte
Finalidade do Homem 01
Existência de Deus 02
Origem e Veracidade das Escrituras 3-5
2ª Parte
O Ser de Deus 6-11
Decretos de Deus 12-20
Pecado 21-29; 152
Pactos (Pacto das Obras e Pacto da Graça) 30-35
Cristo 36-60
Igreja 61-65
Salvação 66-83/153
Estado Intermediário 84-86
Escatologia15
87-90
3ª Parte
Lei Moral 91-99; 149-151
Os Dez Mandamentos 100-152
Meios de Graça 154-160
Sacramentos 161-163; 176-
177
Batismo 165-167
Ceia do Senhor 168-177
Oração 178-196
Quanto ao Breve Catecismo de Westminster, a sua estrutura é semelhante à do
Catecismo Maior, possuindo poucas diferenças. Ele ―possui 107 perguntas e respostas,
sintetizando os pontos mais importantes dos documentos maiores. Inclui uma
abordagem detalhada dos Dez Mandamentos (perguntas 41-81)‖.16
Seu texto é mais
simplificado, e seu conteúdo é menor.
Credo Apostólico
A estrutura do Credo Apostólico segue uma divisão simples, no qual suas
seções falam de assuntos distintos. De certa forma o conteúdo de cada seção do Credo
diz respeito a uma das Pessoas da Trindade. A 1° seção fala a cerca da Pai, a 2° seção
15 Escatologia tem como conteúdo as doutrinas das últimas coisas a acontecerem segundo os propósitos e decretos divinos.
16 Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 17/07/07.
13
fala acerca do Filho, e a 3° seção acerca do Espírito Santo – se bem que a 3° seção
também fala de outras doutrinas essenciais do cristianismo. Observemos abaixo:
Seções Declarações
1° seção
Creio em Deus Pai Todo-Poderoso,
Criador do céu e da terra.
2° seção
Creio em Jesus Cristo, seu único Filho,
nosso Senhor, o qual foi concebido por
obra do Espírito Santo; nasceu da
Virgem Maria; padeceu sob o poder de
Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e
sepultado; desceu ao Hades; ressurgiu
dos mortos ao terceiro dia; subiu ao céu;
está assentado à mão direita de Deus Pai
Todo-Poderoso, de onde há de vir para
julgar os vivos e os mortos.
3° seção
Creio no Espírito Santo; na santa Igreja
universal; na comunhão dos santos; na
remissão dos pecados; na ressurreição
do corpo; na vida eterna. Amém.
II - A AUTORIDADE DESTES DOCUMENTOS TEOLÓGICOS HISTÓRICOS
Que a Confissão de Westminster, seus Catecismos e o Credo Apostólico são
úteis muitos podem até concordar. Mas até que ponto eles têm autoridade sobre os
cristãos? E se a Bíblia é nossa única regra de fé e prática, por que utilizamos a
Confissão, os Catecismos e o Credo? Bom, certamente que a bíblia é nossa única regra
de fé e prática, mas esta verdade não impede o uso destes documentos:
Pessoas há que estranham adotar a Igreja Presbiteriana uma
Confissão de Fé e Catecismo como regra de fé, quando
sustenta sempre ser a Escritura Sagrada sua única regra de
fé e de prática. A incoerência é apenas aparente. A Igreja
Presbiteriana coloca a Bíblia em primeiro lugar. É ela só
que deve obrigar a consciência.17
E quanto à questão de quanto de autoridade a Confissão de Fé e os
Catecismos Maior e Breve possuem, podemos dizer que eles possuem uma
17 Ibid.
14
autoridade indireta e subordinada. Não é uma autoridade absoluta sobre os cristãos,
mas uma autoridade baseada na Escritura. Ou seja, devido ao fato de as doutrinas
da Confissão e dos Catecismos estarem inteiramente fundamentadas na Bíblia, isto
faz deles documentos que possuem uma autoridade relativa sobre os cristãos:
Ainda outro princípio da mesma Igreja é que os concílios,
sendo compostos de homens falíveis, podem errar, e muitas
vezes têm errado. Suas decisões, portanto, não podem ser
recebidas como regra absoluta e primária de fé e prática;
servem somente para ajudar na crença ou na conduta que se
deve adotar. O supremo juiz de todas as controvérsias, em
matéria religiosa, é o Espírito Santo falando na e pela
Escritura. Por esta, pois, devem-se julgar toda e qualquer
decisão dos concílios e toda e qualquer doutrina ensinada
por homens. Admitir-se a falibilidade dos concílios não é
depreciar a autoridade da Confissão de Fé e dos Catecismos
para aqueles que de livre vontade os aceitem. Admitindo tal,
a Igreja somente declara que depende do Autor da
Escritura, e recebe a direção do seu Espírito na
interpretação da Palavra e nas fórmulas de aplicar suas
doutrinas. A Igreja Presbiteriana sustenta que a
Escritura é a suprema e infalível regra de fé e prática; e
também que a Confissão de Fé e os Catecismos contêm o
sistema de doutrina ensinado na Escritura e dela deriva
toda a sua autoridade e a ela tudo se subordina. É
justamente porque cremos que a Confissão de Fé e os
Catecismos estão em harmonia com a Escritura, nossa regra
infalível, que os aceitamos.18
Resumindo, a Confissão de Fé e os Catecismos não possuem autoridade por si
mesmos. Contudo, devido à sua fiel exposição das doutrinas bíblicas, isto faz com que o
aceitemos a eles nos submetamos; e isto, não de maneira última e irrevogável, mas
consciente que estes documentos são falhos e são fruto da interpretação falível dos
homens. Além disto, a igreja não impõe sobre os crentes as declarações de fé contidas
nestes documentos, por isto, somente quem entende ser estes documentos fiéis ao ensino
bíblico é que se submete às suas declarações. Portanto, se alguém não concorda com as
doutrinas ali inseridas, deve procurar uma confissão na qual possa aceitar com fé.
Ninguém deve contradizer sua própria consciência, mas andar de acordo com ela.
18 J.M.K., Confissão de Fé e Catecismo Maior da Igreja Presbiteriana.
15
III - A IMPORTÂNCIA E UTILIDADE DO CREDO E DAS CONFISSÕES
Como vimos anteriormente, os credos, confissões e catecismos da Igreja são
resultado de reflexão teológica que ela exercitou durante anos. Estes documentos são
importantes não por causa de sua antiguidade, servindo simplesmente aos interesses da
história da Igreja. Sua importância se deve a outras razões mais relevantes. Vejamos
alguns elementos que demonstram a importância e o valor dos credos:
1. Facilitam a confissão pública de nossa fé.
2. Oferecem de forma abreviada o resultado de um processo cumulativo da
história, reunindo as melhores contribuições de servos de Deus na
compreensão da verdade. A ciência não é privilégio de um povo ou de um
indivíduo. Todo cientista usando a figura de João de Salisbury (c. 1110-1180)
equivale a um anão nos ombros de gigantes, valendo-se das contribuições dos
predecessores, a fim de poder enxergar um pouco além deles. Podemos aplicar
essa figura à teologia e à tradição, como o fez J. I. Packer: ―A tradição nos
permite ficar sobre os ombros de muitos gigantes que pensaram sobre a Bíblia
antes de nós. Podemos concluir pelo consenso do maior e mais amplo corpo de
pensadores cristãos, desde os primeiros pais até o presente, como recurso
valioso para compreender a Bíblia com responsabilidade. Contudo, tais
interpretações (tradições) jamais serão finais; precisam sempre ser submetidas
às Escrituras para mais revisão‖.
3. São uma exigência natural da própria unidade da Igreja, que exige acordo
doutrinário (Ef 4:11-14; Fp 1:27; 1Co 1:10; Jd 3; Tt 3:10; Gl 1:8-9; 1Tm
6:3-5).
4. Visto que o cristianismo é um modo de vida fundamentado na doutrina, os
credos oferecem uma base sintetizada para o ensino das doutrinas bíblicas,
facilitando sua compreensão, a fim de que os cristãos sejam habilitados para a
obra de Deus.
5. Preservam a doutrina bíblica das heresias surgidas no decorrer da história,
revelando-se de grande utilidade, especialmente nas questões controvertidas,
dando-nos uma exposição sistemática e norteadora a respeito do assunto.
6. No que se refere à compreensão bíblica, permitem distinguir nossas igrejas
das demais.
7. Servem de elemento regulador do ensino ministrado na Igreja, bem como de
seu governo, disciplina e liturgia. James Orr (1844-1913), na obra-prima O
progresso do dogma, disse: ".... A idade da Reforma se destacou por sua
produtividade de credos. Faremos bem se não menosprezarmos o ganho que
resulta para nós destas criações do espírito do século XVI.
8. Servem de desafio para que continuemos a caminhada na preservação da
doutrina e na aplicação das verdades bíblicas aos novos desafios de nossa
geração, integrando-nos à nobre sucessão dos que amam a Deus e sua Palavra e
que buscam entendê-la e aplicá-la, em submissão ao Espírito, à vida da Igreja.
16
Uma tradição saudável tem compromisso com o passado na geração do
futuro.19
Se mesmo depois destas razões acima expostas que atestam a importância dos
credos, confissões, e catecismos, ainda surgir dúvidas na mente dos crentes, podemos
complementar com as palavras abaixo:
Para que então os credos, se temos a Bíblia? O dr. A. A.
Hodge (1823-1886) apresenta relevante observação: Todos os
que estudam a Bíblia fazem isso necessariamente no próprio
processo de compreender e coordenar seu ensino; e pela
linguagem de que os sérios estudantes da Bíblia se servem
em suas orações e outros atos de culto, e na sua ordinária
conversação religiosa, todos tornam manifesto que, de um ou
outro modo, acharam nas Escrituras um sistema de fé tão
completo como no caso de cada um deles lhe foi possível. Se
os homens recusarem o auxílio oferecido pelas exposições de
doutrinas elaboradas e definidas vagarosamente pela Igreja,
cada um terá de elaborar o próprio credo, sem auxílio e
confiando apenas na sua sabedoria. A questão real entre a
Igreja e os impugnadores de credos humanos não é, como
eles muitas vezes dizem, uma questão entre a Palavra de
Deus e os credos dos homens, mas é questão entre a fé
provada do corpo coletivo do povo de Deus e o juízo privado
e a sabedoria não auxiliada do objetor individual.20
É claro que estes documentos são de muita utilidade para os cristãos. O cristão
deve buscar uma igreja que seja totalmente bíblica em suas doutrinas. Sendo assim, os
Credos e Confissões históricas servem para demonstrar quem realmente está andando de
conformidade com as Escrituras Sagradas. Quer dizer, uma Confissão ou Credo,
demonstra como determinada denominação interpreta a Bíblia. Vejamos o que afirma
Kevin Reed em seu livro Governo Bíblico de Igreja:
Os credos são também um resultado do crescimento do
ministério de ensino da igreja. Não que um credo usurpe o
papel da Bíblia, pois esta permanece como única regra de fé e
prática. Mas como muitas seitas alegam ser as detentoras da
autoridade da Bíblia, um credo é de suma importância para
19 http://www.teuministerio.com.br/BRSPIGBSDCMCMC /vsItemDisplay.dsp&objectID =C9F2EC3B-292E-4D9E-
853183986D1DC489&method=display. Acessado em 31.07.08.
20 http://www.teuministerio.com.br/BRSPIGBSDCMCMC /vsItemDisplay.dsp&objectID =C9F2EC3B-292E-4D9E-
853183986D1DC489&method=display. Acessado em 31.07.08.
17
revelar como uma igreja em particular entende as
Escrituras.21
Ora, visto que as doutrinas só podem ser retiradas da Revelação escrita do
Senhor (a Bíblia), e visto também que muitas igrejas têm surgido a cada dia trazendo
―novas doutrinas‖ ao povo, nada melhor do que observar as Confissão ou Credo destas
igrejas a fim de verificar se estão interpretando corretamente a Bíblia ou simplesmente
―criando doutrinas‖. O valor das Confissões é incalculável. São anos de teologia
resultante da Iluminação do Espírito Santo sobre a Igreja até que fossem registradas em
umas poucas linhas.
Um aspecto importante que deve ser aprendido é que a Bíblia ensina o governo
da Igreja por presbíteros (pastores). Eles são responsáveis pela doutrina, governo e
liturgia da Igreja. Logo, as Confissões, Credos, e Catecismos elaborados por eles devem
ser seguidos.Observando-se evidentemente sua fidelidade às Escrituras.
Talvez surja em nossa mente a dúvida: Por que razão deveríamos adotar uma
Confissão de Fé destes teólogos lá da Europa? Acaso não temos nossos próprios
teólogos no Brasil, e ainda por cima, teólogos que estão vivendo hoje e não os teólogos
do século dezessete? Certamente que temos teólogos capazes de elaborar uma Confissão
para nós hoje, entretanto, a Confissão de Fé de Westminster está tão bem escrita, tão
bem elaborada, e tão suficientemente bíblica, que não tem sentido algum fazer uma
Confissão hoje com as mesmas declarações que eles fizeram. O método de interpretação
que eles usaram é o mesmo que o nosso, e, portanto, as doutrinas que eles afirmaram
continuam sendo afirmadas ainda hoje por nós.
Uma verdade que jamais devemos esquecer é que as Confissões são úteis, mas
não são a fonte primária das doutrinas. Nossa fonte primária continua sendo a Bíblia. A
Confissão de Fé e os Catecismos Maior e Breve são apenas declarações sistemáticas de
doutrinas:
A Igreja Presbiteriana do Brasil adota, como exposição das
doutrinas bíblicas, a Confissão de Fe de Westminster, o
Catecismo Maior e o Catecismo Menor ou Breve Catecismo.
Nossa única regra de fé e prática é a Bíblia Sagrada. Mas, em
virtude de a Bíblia não trazer as doutrinas já sistematizadas,
adotamos a Confissão de Fé e os Catecismos como exposição
do sistema de doutrinas ensinadas na Escritura.22
21 Ibid., p 49.
22 Ibid. p 72.
18
“CREIO EM DEUS PAI TODO-PODEROSO...”
(1º Seção)
Introdução
Ao iniciarmos nosso estudo do Credo Apostólico é preciso que tenhamos em
mente o que a palavra Credo significa. Esta palavra deriva-se do latim credo, e seu
significado é ―creio‖. 23
Como podemos ver, o Credo expressa uma declaração de fé
pessoal em pontos doutrinários. Ora, qualquer pessoa religiosa crê em alguma coisa,
pois a essência da religião pressupõe algum conteúdo de fé. As declarações contidas no
Credo Apostólico vão então expressar o conteúdo teológico básico do cristianismo, o
qual todo crente protestante deve acatar pela fé.
Todavia, precisamos esclarecer a esta altura o que é fé, com o propósito de não
termos nenhum ―mal entendido‖. Muitos têm a opinião que afirmar que seja verdade
estes pontos de doutrina encontrados no Credo já é suficiente. Contudo, não é isto que
se espera dos cristãos. As Escrituras não somente ordena a afirmação externa de
doutrinas como verdadeiras, a Bíblia ordena convicção interior acompanhada de
mudança de vida (Jo 8:30, 31). ―Até mesmo os demônios acreditam em Deus, conforme
Tiago 2:19. Porém, a diferença é que os crentes confiam em Deus e o servem, enquanto
os demônios apenas acreditam na existência de Deus.‖24
Sendo assim, podemos agora iniciar o nosso estudo compreendendo que as
afirmações do Credo, antes de ser somente meras doutrinas, são as verdades de Deus as
quais devemos crer e ser o fundamento da nossa vida.
Creio em DEUS...
Como não poderia ser diferente, a primeira afirmação do Credo é sobre Deus.
Nada mais compreensível, já que ―sem fé é impossível agradar a Deus‖(Hb 11:6). Esta
declaração inicial é um cheque-mate em dois comportamentos corruptos dos ímpios: O
Ateísmo e o Politeísmo.
O Ateísmo é a insistente negação da existência de Deus por parte do homem.
Apesar do testemunho que Deus dá de Si mesmo na natureza (Sl 19:1; At 14:17; Rm
1:19-23) e na consciência (Rm 2:14, 15), o homem procura negar a Sua existência,
tentando explicar tudo que existe e acontece através da ciência ou da filosofia.
O Politeísmo é a crença na existência de vários deuses. Há religiões que
adoram até mesmo animais. Esta prática pecaminosa já ocorreu muitas vezes no
23
G.W. Bromiley, ―Credo, Credos” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja
Cristã. Walter A. Elwell, editor. São Paulo, Vida Nova, 2009, p 365.
24
Anderson Sathler, ―Deus Pai, Todo-Poderoso” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/99, p 4.
19
passado, e ainda persiste nos dias de hoje. O Supremo ser do universo não seria um só,
porém muitos, e dos mais variados tipos.
Ao afirmar ―creio em Deus...‖ o Credo rejeita abertamente estes dois
comportamentos corruptos e degradantes da humanidade decaída. Se alguém diz ser
cristão, ele necessita crer na existência de Deus. Além disto, necessita crer também que
só existe um deus, e não muitos. Ora, crer em Deus é a base da religião cristã. Sem
Deus, não haveria religião.
Creio em Deus PAI...
A primeira afirmação que o Credo Apostólico faz acerca de Deus é sobre sua
paternidade. Deus não somente é nosso Deus, Ele nos concedeu entrar em sua família
(Ef 2:19); ser honrados a tal ponto de sermos chamados ―filhos de Deus‖ (1Jo 3:1).
Assim, quem crer verdaderiamente em Deus de coração, também aceita a verdade da
adoção dos eleitos. A Confissão de Fé de Westminster também fala acerca da doutrina
da adoção em seu Capítulo XII – DA ADOÇÃO:
Seção I – ―A todos os que são justificados, Deus se digna fazer participantes da
graça da adoção em e por seu único Filho Jesus Cristo. Por essa graça, eles são
recebidos no número e gozam a liberdade e privilégios dos filhos de Deus, têm
sobre si o nome dele, recebem o Espírito de adoção, têm acesso, com ousadia,
ao trono da graça, e são habilitados a clamar: "Abba, Pai"; são tratados com
piedade, protegidos, providos e corrigidos por ele, como por um pai; nunca,
porém, abandonados, mas selados para o dia de redenção, e recebem as
promessas como herdeiros da eterna salvação.‖
Desta doutrina da adoção podemos tirar conseqüentemente as seguintes
verdades:
1. Presença e providência
A partir do momento em que Deus se torna nosso Pai Ele está conosco
em todo o tempo. Sjea nas horas difícies ou na bonança. Seja na dor ou na
alegria. Deus é o Emanuel – ―Deus conosco‖. Além disto, Deus como um Pai
amoroso está constantemente cuidando de seus filhos. ―Deus não só está ao
nosso lado, como também cuida de nós, tomando todas as providências
necessárias para o nosso bem. Foi o que Jesus ensinou (Mt 6:25-34). Deus
cuida de todos os seres que criou, mas tem especial carinho para com os seus
filhos.‖25
25
―Deus, o Pai Onipotente” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã,
s/d, p 8.
20
2. Disciplina Paterna
Além do sustento diário e da proteção divina, Deus igualmente cuida
dos seus filhos no sentido espiritual. Seu amor é dispensado quando Ele os
corrige para crescimento em santidade. ―Deus, como Pai que está interessado
no bem-estar de seus filhos, toma todas as providências necessárias para o
bem dos que ama, inclusive as de ordem disciplinar. É isso que aprendemos
em Hb 12:4-11.‖26
A disciplina pode parecer dura e dolorosa às vezes, mais é
prova do amor e cuidado divino.
Sabemos que a adoção é um grande privilégio concedido por Deus, e que traz
consigo grandes bênçãos. Contudo, é necessário definir agora quem é alvo desta adoção.
Ou seja, quem se torna filho de Deus? Como alguém pode será dotado por deus?
As Escrituras afirmam que para alguém se tornar filho de Deus é necessário
que creia em Jesus (Jo 1:12). Como vimos no texto da Confissão de Fé acima citado: “A
todos os que são justificados, Deus se digna fazer participantes da graça da adoção em
e por seu único Filho Jesus Cristo...” Portanto, para ser participantes da adoção é
necessário que o pecador seja justificado, e para ser justificado, é preciso crer em Jesus
(Gl 2:16). Assim, quem quiser fazer parte da família de Deus, e tornar-se filho de Deus,
deve crer em Jesus.
Creio em Deus Pai TODO-PODEROSO...
Quando se analisa o Credo Apostólico percebe-se que ele faz três afirmações
acerca da 1° Pessoa da Trindade: 1ª- Que Ele é pai; 2ª- Que Ele é Todo-Poderoso; 3ª-
Que Ele é Criador. Contudo, destas afirmações, somente 1ª delas é um atributo divino.
O atributo da Onipotência. Masa o que é um atributo divino?
Ao falar em atributo divino nós estamos falando das características essenciais
do Ser de Deus. São qualidades inerentes ao Ser de Deus. Pois bem, no caso do Credo
temos afirmado que Deus é onipotente (Todo-Poderoso). Sendo assim, ―a onipotência é
um atributo de Deus e o único citado no Credo dos Apóstolos.‖27
Podemos conceituar
este atributo divino da seguinte maneira: ―A onipotência é o atributo de Deus que lhe
permite fazer tudo o que for da sua santa vontade. A palavra onipotência vem de dois
termos latinos, omni, ―todo‖, e potens, ―poderoso‖, significando portanto ―todo-
poderoso‖.28
Um esclarecimento precisa ser dado a esta altura. Muitos pensam,
erroneamente, que a Onipotência divina o faz ser capaz de fazer absolutamente tudo.
26
Ibid, p 8.
27
Anderson Sathler, ―Deus Pai, Todo-Poderoso” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/99, p 5.
28
Wayne A. Grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 159.
21
Isto não é verdade de acordo com os dados das Escrituras. Deus é ―capaz de fazer tudo
que não fosse contrário à sua natureza.‖29
Observemos a explicação que se segue:
―Há muitas coisas que Deus não pode fazer. Ele não pode mentir, pecar,
mudar, e não pode negar-se a Si próprio, Nm 23:19; 1Sm 15:29; 2Tm 2:13; Hb
6:18; Tg 1:13, 17. Não há poder absoluto nele, divorciado de Suas perfeições, e
em virtude do qual Ele pudesse fazer todo tipo de coisas inerentemente
contraditórias entre si.‖30
Evidentemente que este atributo não foi inventado pelos homens e posto no
Credo dos Apóstolos, e nem foi descoberto recentemente. Já nas Escrituras vemos
várias afirmações da Onipotência divina. ―No Antigo Testamento há vários nomes na
língua hebraica para Deus, dos quais se destaca: ―El Shadai‖, que significa ―Deus Todo-
Poderoso‖.31
(Gn 17:1; Ex 6:3; Jó 9:12; Sl 115:3; Jr 32:17; Mt 19:26; Lc 1:37; Rm
1:20; Ef 1:19; Ef 3:20; 2Co 6:18; Ap 1:8)
29
―Deus, o Pai Onipotente” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã,
s/d, p 7.
30
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 83.
31
Anderson Sathler, ―Deus Pai, Todo-Poderoso” in Revista Em que cremos?, p 4.
22
“... CRIADOR DO CÉU E DA TERRA...”
(1º Seção)
Introdução
Continuando a primeira Seção do Credo, temos agora a afirmação de que o
Deus em quem cremos além de ser Pai e Todo-Poderoso, Ele é também Criador.
Certamente que diante das muitas religiões que afirmam o contrário sobre a origem do
universo, é preciso declarar o que diz a fé cristã sobre o assunto.
Deus criou tudo que existe
Quando falamos que Deus é o Criador não abrange tudo o que a Bíblia diz a
respeito deste assunto. Alguém poderia questionar, a afirmar que há coisas as quais
Deus não criou. Por exemplo, alguns cientistas afirmam que a matéria é eterna. E assim,
poderiam afirmar que deus criou no sentido de que Ele deu forma, organizou,
construiu... e não no sentido de ter feito tudo que existe.
Ao olhar a afirmação do Credo vemos que ele diz que ―Deus é o Criador de
todas as coisas, céus e terra, termos que têm sido aceitos para denominar todo o
Universo.‖32
Portanto, esta afirmação destrói toda idéia de que exista algo não criado
pelo Senhor. A Bíblia, em suas afirmações, não deixam a entender que Deus teha
utilizado algum material preexistente. A teologia entende que quando diz que Deus
―criou‖ em (Gn 1) está afirmando que Ele criou ―do nada‖ (Sl 33:6, 9; 148:5; Hb 11:3).
Só Deus existe eternamente. Deste modo podemos crer com certeza que Deus criou
todas as coisas materiais (Gn 1:31) e todos os seres imateriais (Cl 1:16).
Apesar de fundamentada nas Escrituras, a doutrina da Criação foi desafiada
pela Teoria da Evolução, a qual contradiz as declarações bíblicas a respeito da Criação.
E além de ser contrária às verdades bíblicas, esta Teoria não pode ser aceita como
verdade por também não conter bases científicas comprovadas e verdadeiras. Vejamos
abaixo alguns fatores que destronam a Teoria da Evolução sem utilizar argumentos
bíblicos:
1. Teoria, sim, e não Lei. A mutação de uma espécie para outra nunca foi repetida
em laboratório.
2. Segundo a Bíblia, Deus criou os seres vegetais ou animais segundo a sua
espécie. Pode haver desenvolvimento ou evolução dentro de cada espécie, mas
não de uma espécie para outra.
32
“Deus, o Criador” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, s/d,
p 9.
23
3. A seleção natural exigiria um número infinito de formas intermediárias entre
duas espécies. A maioria dos fósseis, no entanto, revela apenas formas
distintas, acabadas. Falta, não o elo perdido. Faltam infinitos elos.
4. A evolução que produz desenvolvimento não é a lei universal da biologia. A
evolução observável produz deterioração ou degeneração.33
A Teoria da Evolução quis explicar a Criação por meios científicos. Todavia,
não precisamos de ciência para aceitar a doutrina da Criação, pois esta é percebida, e
aceita, pela fé (Hb 11:1-3). Este texto de Hebreus não implica dizer que entendemos de
modo científico, ou lógico a criação. ―A criação é descrita aqui como um fato que
apreendemos somente pela fé. Pela fé entendemos (percebemos, não compreendemos)
que o mundo foi estruturado ou formado pela palavra de Deus.‖34
Além da Teoria da Evolução, surgiram com o decorrer dos anos várias
interpretações a respeito da duração e do modo pelo qual foi feita a criação. Quanto ao
modo não temos como saber, pois a bíblia não descreve. Pelo contrário, ―a Bíblia não
está interessada em discutir ou indagar como isso foi feito, apenas declara que, no
começo, houve a criação, e ela foi obra de Deus.‖35
E quanto a questão da duração,
entendo que foi realizada em seis dias literais, como afirma a Confissão de Fé de
Westminster em seu Capítulo IV – DA CRIAÇÃO, na Seção I.
Por mais que os homens queiram contradizer as doutrinas bíblicas, nós
devemos nos apegar firmemente à Revelação divina. Isto com respeito a qualquer
assunto teológico. No caso do assunto da Criação que estamos estudando, nós vemos
várias filosofias humanas sendo rejeitadas de uma só vez pela narração de (Gn 1).
Vejamos no quadro abaixo:
33
Ibid, p 9, 10.
34
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 134.
35
“Deus, o Criador” in Revista O Credo Apostólico, p 9.
24
FILOSOFIAS HUMANAS CONDENADAS
PELA NARRATIVA DA CRIAÇÃO ENCONTRADA EM GÊNESIS36
Deus criou por causa de Sua vontade Soberana
Um aspecto que precisamos esclarecer sobre este assunto é quanto aos motivos
que levaram Deus a criar. Talvez você seja daqueles que pensem que Deus estava se
sentindo só. Ou pense que Deus tinha necessidade e criar. Na verdade Deus criou tão
simplesmente por causa de Sua vontade (Ap 4:11). Nada o obrigou a fazer isto. A
Confissão de Fé de Westminster em seu Capítulo IV – DA CRIAÇÃO, na Seção I,
declara o seguinte: ―No princípio aprouve a Deus o Pai, o Filho e o Espírito Santo, para
manifestação da glória de seu eterno poder, sabedoria e bondade, criar ou fazer do nada,
no espaço de seis dias, e tudo muito bom, o mundo e tudo o que nele há, visíveis ou
invisíveis.‖ (Rm 11:36; Hb 1:2; Jo 1:2-3, Rm 1:20; Sl 104:24; Jr 10: 12; Gn 1; At 17:24;
Cl 1: 16; Êx 20: 11)
E ainda no Capítulo II – DE DEUS E DA SANTÍSSIMA TRINDADE, na Seção II
diz: ―Deus tem em si mesmo, e de si mesmo, toda a vida, glória, bondade e bem-
aventurança. Ele é todo suficiente em si e para si, pois não precisa das criaturas que
trouxe à existência, não deriva delas glória alguma, mas somente manifesta a sua glória
nelas, por elas, para elas e sobre elas. Ele é a única origem de todo o ser; dele, por ele e
36
Eneziel Peixoto de Andrade, “No Princípio... A Origem de Todas as Coisas” in
Revista Da Criação à Redenção. O agir soberano de Deus na história de seu povo.
Manhumirim, Didaquê, out/2000, p 3.
Gênesis 1:1 Filosofia
condenada
Significado Ensino Bíblico
“No princípio...
Deus”
Ateísmo Não existência de
Deus
Deus existe antes
de todas as coisas
“No princípio...
Deus”
Politeísmo Existência de vários
deuses
Há um só Deus
“No princípio
criou Deus”
Fatalismo Tudo acontece por
acaso
Deus dirige o
universo
“No princípio
criou Deus”
Evolucionismo Tudo é fruto da
evolução
Deus criou todas as
coisas
“...criou Deus os
céus e a terra”
Panteísmo Deus é tudo e tudo
é Deus
Deus se distingue
das obras que criou
“No princípio
criou Deus os
céus e a terra”
Materialismo A matéria é eterna A matéria não é
preexistente
25
para ele são todas as coisas e sobre elas tem ele soberano domínio para fazer com elas,
para elas e sobre elas tudo quanto quiser...‖
Deus criou para Sua glória
Geralmente quando se diz que Deus criou, afirma-se que Ele criou ―para Sua
glória‖. Neste ponto em questão precisamos entender que isto não implica que Deus
precisa receber glória, nem implica dizer que quanto mais O glorificamos, mais glorioso
Ele fica! Não é isto que diz as Escrituras. A criação foi feita para render-lhe glória, mas
o objetivo primordial não foi este. Vejamos o seguinte comentário teológico:
[...] Além disso, não é certo que, quando Deus fez da Sua
glória declarativa o fim último da criação, teve por objetivo
principal o recebimento de alguma coisa. A suprema
finalidade que Ele teve em vista não foi a de receber, mas,
sim, a de manifestar nas obras das Suas mãos a Sua glória
inerente... ao glorificarem o Criador, as criaturas nada
acrescentam à perfeição do Seu Ser, mas apenas reconhecem
a Sua grandeza e Lhe atribuem a glória que lhe é devida.37
O Deus trino foi o executor da Criação
Um outro aspecto que é bom esclarecermos aqui neste assunto é que
geralmente se pensa que Deus – O Pai – e que o Filho e o Espírito não participaram
destra obra. Contudo, não é isto que nos informa as Escrituras. A obra da Criação é
atribuída às três Pessoas da Trindade, e por isto a teologia assim afirma esta doutrina:
A Escritura nos ensina que o trino Deus é o Autor da criação,
Gn 1:1; Is 40: 12; 44: 24; 45:12... Embora o Pai esteja em
primeira plana na Obra da criação, 1Co 8:6,esta é também
claramente reconhecida como obra do Filho e do Espírito
Santo. A participação do Filho nela é indicada em Jo 1:3;
1Co 8:6; Cl 1:15-17, e a atividade do Espírito nessa obra acha
expressão em Gn 1:2, Jó 26:13; 33:4; Sl 104:30; Is 40:12, 13.
A segunda e a terceira pessoas não são poderes dependentes
ou meros intermediários, mas, sim, Autores independentes,
juntamente com o Pai. A obra da criação não foi dividida
entre as três pessoas, mas a obra completa, embora em
diferentes aspectos, é atribuída toda a cada uma das
pessoas.38
37
Louis Berkhof, Teologia Sistemática, p 138.
38
Louis Berkhof, Teologia Sistemática, p 130.
26
Ainda que o Credo Apostólico afirme que a Criação foi realizada pelo Pai, não
significa que devemos excluir a verdade de que ela também foi realizada com a
participação ativa do Filho e do Espírito Santo.
27
“CREIO EM JESUS CRISTO,
SEU ÚNICO FILHO, NOSSO SENHOR...”
(2ª Seção)
Introdução
Existem muitas opiniões acerca de quem foi Jesus. O mundo não o reconhece
como deveria, de acordo com as Escrituras. Nós, porém, precisamos conhecer e
compreender o que diz a revelação divina sobre a Pessoa de Jesus. Durante a história da
igreja houve várias heresias a respeito de Jesus, e desta forma vemos que o Credo
Apostólico, lutando contra tais erros teológicos e salvaguardando a verdade das
Escrituras, contém em sua 2º Seção falando sobre Jesus, a maior porção de declarações.
Jesus Cristo
Antes de explicar o que o Credo fala a respeito de Jesus primeiramente quero
deixar claro o significado do nome ―Jesus‖. Nós falamos muito de Jesus, mas nos
esquecemos que para o judeu o significado do nome de uma pessoas era muito
importante para eles. Falava algo a respeito da pessoa. Então o que significava o nome
Jesus, a ponto de o anjo enviado por Deus ordenar a José que colocasse este nome no
filho que nasceria de Maria (Mt 1:19-21)? Como Jesus veio cumprir a missão de
redenção de homens que Deus designou para ele, nada mais conveniente do que este
nome:
Nossa palavra portuguesa Jesus é de fato uma palavra latina
que vem da palavra grega bastante semelhante – lesous. Esta,
por sua vez, é a forma helenizada do nome hebraico Jeshua,
forma abreviada de Jehoshua (Js 1:1; Zc 3:1). Esta última
forma significa Jeová é salvação. Na forma abreviada –
Jeshua – a ênfase recai no verbo; portanto, ele certamente
salvará.39
Sendo assim, o nome de Jesus aponta para sua obra de salvação. Mas não
somente isto, como nós bem percebemos por toda a Escritura, o nome de Jesus muitas
vezes vem acompanhado da palavra ―Cristo‖. Seria este o sobrenome de Jesus? Na
verdade esta palavra não constitui seu sobrenome, mas sim um título. Um título que
qualificava e designava a Pessoa de Jesus:
39
William Hendriksen, Comentário do Novo Testamento – Mateus. Vol 1. São Paulo,
Cultura Cristã, 2001, p 157.
28
O título e conceito de Messias (Christos = Mashiah =
ungido) é o mais importante de todos os conceitos
cristológicos, historicamente falando, se não teologicamente,
porque tornou-se no modo central de designar a compreensão
cristã da pessoa de Jesus. Isto é provado pelo fato de que
Christos, que é propriamente um título designativo de
―ungido‖, logo tornou-se um nome próprio. Jesus tornou-se
conhecido não só como Jesus, o Cristo ou Messias (At 3:20),
mas como Jesus Cristo ou Cristo Jesus.40
E também:
Jesus (de Nazaré) é o Cristo, o Messias, o enviado de Deus.
Neste primeiro aspecto, concebe-se Jesus como aquele que
era esperado para a redenção de Israel, conforme prometido
na antiga aliança. Desde o chamado ―Proto-Evangelho‖ (Gn
3:15), Deus prometeu enviar aquele que haveria de destruir a
serpente. As páginas vétero-testamentárias encontram-se
permeadas da expectativa da vinda do Messias que mudaria o
curso de toda a História.41
Como observamos, o Credo ao designar o título ―Cristo‖ a Jesus, afirma que
Ele é o Messias prometido, o Salvador dos eleitos de Deus. Evidentemente que esta
afirmação do Credo não é de modo algum desprovida de razão, visto que as Escrituras
demonstram largamente que Jesus era realmente o messias enviado por Deus. Vejamos
algumas profecias a respeito do Messias no Antigo Testamento que foram cumpridas
por Jesus: Nasceria da Semente de Mulher (Gn 3:15/Mt 1:20); Nasceria de uma
Virgem (Is 7:14/Mt 1:18, 25); Filho de Deus (Sl 2:7/Mt 3:17); Semente de Abraão
(Gn 22:18/Mt 1:1); Casa de Davi (Jr 23:5/Lc 2:23-31); Nasceria em Belém (Mq
5:2/Mt 2:1); Ele seria um Profeta (Dt 18:18/ Mt 21:11); Ele seria um Sacerdote (Sl
110:4/ Hb 3:1; Hb 5:5-6); Ele deveria ser precedido por um Mensageiro (Is 40:3/Mt
3:1-2); Seu lado seria perfurado (Zc 12:10/Jo 19:34); Crucificação (Sl 22:1, 11-18/
João 19:33; João 19:23-24).
Único Filho
O Credo agora afirma outra verdade acerca de Jesus. Ele declara que Jesus é o
―único Filho‖. Porém, como podemos afirmar que Jesus era o único Filho e ao mesmo
40
George Eldon Ladd, Teologia do Novo Testamento. São Paulo, Exodus Editora, 1997,
p 127.
41
Wilson Emerick de Souza, “Jesus Cristo: Filho e Senhor” in Revista Em Que
Cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/ 99, p 10.
29
tempo afirmar que nós somos filhos de Deus? Todas duas afirmações estão presentes na
teologia da igreja cristã, mas como conciliá-las? Ou não somos filhos de Deus, ou Jesus
não é o Filho ―único‖ de Deus! Para resolver esta aparente contradição, observemos o
que nos declara a resposta do Catecismo de Heidelberg42
à sua pergunta nº 33:
Por que Cristo é chamado “o único Filho de Deus”, se nós também somos
filhos de Deus?43
Resp. Porque só Cristo é, por natureza, o Filho eterno de
Deus(1). Nós, porém, somos filhos adotivos de Deus (2) , pela graça, por causa
de Cristo. (1) Jó 1:14,18; Jo 3:16; Rm 8:32; Hb 1:1,2; 1Jo 4:9. (2) Jo 1:12; Rm
8:15-17; Gl 4:6; Ef 1:5,6.
Nosso Senhor
A terceira afirmação a respeito de Jesus fala sobre sua autoridade e domínio
sobre tudo. A palavra ―Senhor‖ utilizada para dirigir-se a Jesus possuía um significado
variados. Contudo, havia um destes significados que expressava exatamente a posição
de Jesus diante de toda a criação, e revelava quem ele era. Vejamos a explicação abaixo
a respeito do sentido desta palavra no grego, visto que no português não possui o
mesmo significado:
Às vezes a palavra Senhor (gr.Kyrios) é empregada
simplesmente como tratamento respeitoso dispensado a um
superior (veja Mt 13: 27; 21:30; 27:63; Jo 4:11). Às vezes
pode simplesmente significar ―patrão‖ de um servo ou
escravo (Mt 6:24; 21:40). Ainda assim, a mesma palavra é
também em pregada na Septuaginta (a tradução grega do
Antigo Testamento, de uso comum na época de Cristo) como
uma tradução do hebraico yhwh, ―Javé‖, ou (conforme
traduzido com freqüência ―o SENHOR‖ ou ―Jeová‖. A
palavra kyrios é empregada para traduzir o nome do Senhor
6814 vezes no Antigo Testamento grego. Assim, qualquer
leitor grego da época do Novo Testamento que conhecesse
um pouco o Antigo Testamento grego reconheceria que, nos
contextos apropriados, a palavra ―Senhor‖ era o nome do
Criador e Mantenedor do céu e da terra, o Deus onipotente.
Ora, há muitos casos no Novo Testamento em que ―Senhor‖ é
empregado em referência a Cristo e só pode ser
compreendido nesse sentido veterotestamentário denso: ―o
42
O Catecismo de Heidelberg também expressa a teologia reformada.
43http://www.teuministerio.com.br/BRSPORNDESAGSA/vsItemDisplay.dsp&objectID=0AD6067D-A9B5-
404E-BE336AE5BF218A70&method=display Acessado em 05/07/2008.
30
Senhor‖ que é Javé ou o próprio Deus.44
(Lc 2:11; 1:43; Mt
3:3; 22:44; 1Co 8:6; 12:3; Hb 1:10-12; Ap 19:16)
Como podemos concluir, as Escrituras afirmam que Jesus era Deus, possuía a
mesma autoridade, poder, e domínio. Contudo, esta declaração a respeito da Pessoa de
Jesus não tinha validade alguma se alguém somente declarasse isto com os lábios. Era
preciso que a pessoa realmente cresse nisso. E qual era a prova de que um indivíduo
verdadeiramente cria em Jesus como Senhor? As Escrituras também revelam isto (Mt
7:21-23; Lc 6:46). O Credo certamente não estava incentivando uma afirmação de fé
desprovida de significado prático. Quando alguém cria e afirmava que Jesus era o
Senhor, isto deveria desembocar numa vida de obediência a Ele:
Crer em Jesus Cristo como Senhor significa bem mais que
uma afirmação – eu creio. Implica em entregar o comando da
vida nas mãos dele... significa obedecer aos seus
mandamentos e, de modo particular, ao seu Grande
Mandamento – Amai-vos uns aos outros. Significa culto,
adoração, glorificação do seu glorioso Nome (Fp 2:10).45
44
Wayne grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 448.
45
“Jesus Cristo, Nosso Senhor” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura
Cristã, s/d, p 13.
31
“... O QUAL FOI CONCEBIDO POR OBRA DO ESPÍRITO SANTO,
NASCEU DA VIRGEM MARIA...”
(2ª Seção)
Introdução
Continuando a estudar a 2º Seção do Credo a respeito da Pessoa e obra de
Jesus, temos agora a declaração sobre o milagre do nascimento de Jesus. Jesus era
humano como todos nós, mas Ele também era Deus, e por isto, seu nascimento não
poderia ser igual ao nosso. Ele era descendente de Davi segundo a carne, mas
igualmente Filho de Deus (Rm 1:3, 4). O nascimento virginal de Cristo faz parte das
doutrinas cristãs, e nós devemos aprender as implicações deste ensinamento.
Nascimento Virginal
As Escrituras afirmam explicitamente a doutrina do nascimento virginal (Is
7:14; Mt 1:18, 20; Lc 1:26-35). Vemos na Bíblia vários casos de mulheres que eram
estéreis e Deus a fizeram conceber. Contudo, o milagre do nascimento de Jesus foi
ímpar, pois Maria não havia tido relação sexual com homem algum. Mas será que esta
doutrina tem alguma importância para nós? Não é simplesmente mais um milagre
realizado por Deus?
Na realidade o nascimento de Cristo tinha que ter sido por meio de uma
virgem. Podemos observar a importância do nascimento virginal apontando as seguintes
razões: O nascimento virginal ―mostra que a salvação em última análise deve vir do
Senhor.46
E além disto, pode-se ainda afirmar as seguintes razões da importância desta
doutrina:
Em resposta à indagação se o nascimento virginal tem
importância doutrinária, pode-se dizer que é inconcebível que
Deus fizesse Cristo nascer desse modo tão extraordinário, se
isto não atendesse a algum propósito. Pode-se expor o seu
propósito doutrinário como segue: (1) Era mister que Cristo
se constituísse o Messias e o messiânico Filho de Deus.
Conseqüentemente, era necessário que Ele nascesse de
mulher, mas também que não fosse fruto da vontade do
homem, mas nascesse de Deus... (2) Se Cristo fosse gerado
por um homem, seria uma pessoa humana, incluída na aliança
das obras, e, como tal, partilharia da culpa comum da
humanidade. Mas, visto que o Seu sujeito, o Seu ego, a Sua
46
Wayne grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 436.
32
pessoa, não provém de Adão, Ele não está na aliança das
obras e está livre da culpa do pecado.47
Sendo assim, o nascimento virginal é importante porque garante outras
doutrinas importantes. Na teologia as doutrinas são entrelaçadas, se aceitamos uma
heresia aqui, abrimos espaço para outra heresia ali... Deste modo, não podemos abrir
mão da doutrina da concepção sobrenatural de Cristo sem trazer sérias implicações
contra a Sua Pessoa e obra!
E quanto a Maria? A Igreja Católica traz em seu arcabouço doutrinário uma
grande ênfase a Maria. Tanto é sua ênfase que acabam por minimizar Jesus. É como se
Maria fosse mais importante do que o próprio Cristo! Será que Maria era tão importante
assim? Teologicamente falando Maria não tinha mérito algum para ser mãe de Jesus. O
próprio escritor ―Lucas afirma que o anjo a chamou de agraciada ou favorecida (1:28,
30). Graça e favor não dependem de méritos.‖ 48
Ora, Jesus tinha que nascer por meio de
uma mulher, e Maria foi escolhida para ser esta mãe. Não havia nada de especial nela. O
especial era Ele.
A obra sobrenatural do Espírito Santo
Todavia, para que houvesse um nascimento virginal era necessário a ação do
Espírito Santo em Maria. Como sabemos, todo ser humano precisa de material genético
de um homem e de uma mulher para poder existir a concepção. Contudo, Jesus só
utilizou material genético de Maria. Além do mais, Maria era pecadora, como poderia
conceber um homem santo? Desta forma vemos claramente que era necessária a obra do
Espírito nela. Mas, o que o Espírito Santo fez na concepção de Jesus? Observemos
abaixo:
(1) Ele foi a causa eficiente do que foi concebido no ventre
de Maria, e assim excluiu a atividade do homem como fator
eficiente. Isso está em completa harmonia com o fato de que
a pessoa que nasceu não era uma pessoa humana, mas a
pessoa do Filho de Deus que, como tal, não estava incluída na
aliança das obras e estava livre da culpa do pecado. (2) Ele
santificou a natureza humana de Cristo logo no início, e
assim a manteve livre da corrupção do pecado.49
O nascimento sobrenatural de Jesus trouxe à realidade a existência um das
doutrinas mais misteriosas do cristianismo: a encarnação de Cristo. O Filho de Deus (a
2º Pesoa da Trindade), veio em forma de homem. E agora é o Deus-homem, divindade-
47
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 337.
48
“O Emanuel” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, s/d, p 14.
49
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 336.
33
humanidade, Criador-criatura. O nascimento virginal trouxe à existência o Filho de
Deus que era divino (Jo 1:1, 14, 18; 1Jo 5:20; Cl 1:13-23; Tt 2:13; Hb 1:3), e ao mesmo
tempo era humano (2Jo 7; Jo 1:1; Fp 2:6, 7; 1Tm 2:5; corpo humano – Jo 4:6; Lc 23:46;
Jo 19:28; mente humana – Lc 2:52; Hb 5:8; Mc 13:32; emoções humanas – Jo 12:27;
13:21; Mt 26:38; Jo 11:35; Mt 8:10), sem que houvesse fusão, mudanças, ou qualuqer
tipo de anormalidade para quelquer das duas naturezas em questão – a natureza divina e
a humana. Vejamos o que declara a Confissão de Fé de Westminster sobre as duas
naturezas de Cristo no seu Capítulo VIII - DE CRISTO O MEDIADOR, Seção II: ―O
Filho de Deus, a Segunda Pessoa da Trindade, sendo verdadeiro e eterno Deus, da
mesma substância do Pai e igual a ele, quando chegou o cumprimento do tempo, tomou
sobre si a natureza humana com todas as suas propriedades essenciais e enfermidades
comuns, contudo sem pecado, sendo concebido pelo poder do Espírito Santo no ventre
da Virgem Maria e da substância dela. As duas naturezas, inteiras, perfeitas e distintas -
a Divindade e a humanidade - foram inseparavelmente unidas em uma só pessoa, sem
conversão, composição ou confusão; essa pessoa é verdadeiro Deus e verdadeiro
homem, porém um só Cristo, o único Mediador entre Deus e o homem.‖ (Jo 1:1,14; 1Jo
5:20; Fp 2:6; Gl 4:4; Hb 2:14,17;4:15; Lc 1:27, 31, 35; Mt 16:16; Cl 2:9; Rm 9:5;1:3,4;
1 Tm 2:5)
Sem a obra do Espírito Santo Jesus teria sido comprometido em Sua obra de
Mediador da aliança da graça. O Espírito participou ativamente deste serviço e salvação
divina planejados desde a fundação do mundo.
34
“... PADECEU SOB O PODER DE PÔNCIO PILATOS,
FOI CRUCIFICADO...”
(2º Seção)
Introdução
Como vimos anteriormente a 2º Seção do Credo fala a respeito da Pessoa do
Mediador – quem Ele é, e de que modo se fez homem. Chega o momento agora de o
Credo declara a obra que o Mediador realizou. Neste sentido, estudaremos as duas
primeiras declarações que afirmam algo sobre o sofrimento e morte de Jesus.
“... padeceu sob o poder de pôncio pilatos ...”
A primeira declaração que o Credo faz da obra de Cristo é sobre o Seu
sofrimento. Diz o Credo que ele ―padeceu‖. Talvez por causa de nossa familiaridade
com as verdades do Evangelho nós deixemos de atentar para a seriedade e o significado
dos sofrimentos de Jesus. Lembremo-nos de que Ele não merecia sofrer. Tudo que Ele
sofreu foi por causa de nosso pecado! Afirmar que Jesus sofreu não é apenas lembrar o
que Ele passou aqui na terra, mas lembrar do porquê Ele veio para a terra. ―A
declaração sobre o sofrimento de cristo, afinal, não é uma formalidade vazia. Porque Ele
sofreu, nossos pecados estão pagos.‖ 50
Além do mais, há outra razão que podemos
apontar que demonstra a importância desta afirmação do Credo. É a questão da
importância histórica e factual:
A fé cristã é histórica. Isto quer dizer que a crença cristã não
é inventada, nem é produto da imaginação. Pelo contrário, a
fé cristã tem raízes profundas no solo da História. Por isto, o
Credo Apostólico diz que Jesus Cristo ―padeceu sob o poder
de Pôncio Pilatos‖.... A menção de Pilatos é importante, pois
aponta para a historicidade da fé cristã... A fé cristã não
precisa de comprovação histórica para determinação de sua
credibilidade. Mas nem por isso deixa de ser absolutamente
verdadeira e digna de confiança. Quando se convida alguém a
crer em Jesus, não está convidando a crer em mito, ou numa
lenda. 51
50
“Jesus Cristo, o Sofredor” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura
Cristã, s/d, p 17.
51
Carlos Ribeiro Caldas Filho, “O sacrifício de Jesus” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 16, 17.
35
Este Jesus em quem nós colocamos a nossa fé não é um ―Cristo produzido por
uma religião humana‖, mas o Filho de Deus real que desceu até a terra e viveu
historicamente entre os homens.
“... foi crucificado...”
O Credo também fala a respeito da crucificação de Jesus. Como o Credo é
cristão, nem podia deixar de falar sobre este assunto, visto ser ele um dos principais da
nossa fé. Todos nós cristãos afirmamos que Cristo morreu por nós, mas sabemos as
implicações desta afirmação? Vejamos abaixo alguns aspectos teológicos do sacrifício
de Jesus:
1. O sacrifício foi vicário (Is 53:4, 5; 2Co 5:21): A palavra ―vicário significa ―em
lugar de‖. Jesus morreu em nosso lugar.
2. O sacrifício tem valor permanente (Hb 9:11-15): Jesus não precisa repetir o
sacrifício que fez de Si mesmo.
3. O sacrifício foi eficaz (Hb 9:23-26): Nada se pode fazer para aumentar o poder
e a eficácia do sacrifício de cristo.
4. O sacrifício garante o livre acesso ao Pai (Mt 27:51; Hb 10:19-22): Os salvos
têm livre acesso à presença de Deus.52
5. O sacrifício foi limitado em extensão (Jo 17:9, 20; 6:37-39; 10:11, 15, 26; At
20:28; Ef 5:25-27; Mt 1:21; Rm 8:32-35)
O sacrifício de Jesus foi absolutamente necessário para nossa salvação (Mt
26:39-44; Gl 3:21; Rm 6:23). E fazer veste sacrifício demonstra o grande amor que
Deus teve por nós (Jo 3:16; Rm 5:8). Na Confissão de Fé de Westminster em seu
Capítulo VIII – De Cristo o Mediador, declara:
Seção IV - Este ofício o Senhor Jesus empreendeu mui voluntariamente. Para
que pudesse exercê-lo, ele se fez sujeito à lei, a qual ele cumpriu perfeitamente,
padeceu imediatamente em sua alma os mais cruéis tormentos, e em seu corpo
os mais penosos sofrimentos; foi crucificado e morreu; foi sepultado e ficou
sob o poder da morte, mas não viu a corrupção; ao terceiro dia ressuscitou dos
mortos com o mesmo corpo com que tinha padecido; com esse corpo subiu ao
céu, onde está sentado à destra do Pai, fazendo intercessão; de lá voltará no fim
do mundo para julgar os homens e os anjos. (Sl 40:7-8; Hb 10:5-6; Jo 4:34: Fp
52
Carlos Ribeiro Caldas Filho, “O sacrifício de Jesus” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 17.
36
2-8; Gl 4:4; Mt 3:15;5:17;26:37-38; Lc22:24; Mt 27.46; Fp2:8; At
2:24,27;13:37; 1Co15:4; Jo 20:25-27; Lc 24:50-51; 2Pe 3:22; Rm 8:34; Hb
7:25; Rm 14:10: At 1:11; Jo 5:28-29; Mt 13:40-42).
Seção V - O Senhor Jesus, pela sua perfeita obediência e pelo sacrifício de si
mesmo, sacrifício que, pelo Eterno Espírito, ele ofereceu a Deus uma só vez,
satisfez plenamente à justiça de seu Pai, e, para todos aqueles que o Pai lhe
deu, adquiriu não só a reconciliação, como também uma herança perdurável no
Reino dos Céus. (Rm 5:19; 3:25,26; Hb 10:14; Ef 1:11,14; Cl 1:20; 2Co
5:18,20; Jo 17:2; Hb 9:12,15).
Seção VI - Ainda que a obra da redenção não fora realmente realizada por
Cristo senão depois da sua encarnação; contudo a virtude, a eficácia e os
benefícios dela, em todas as épocas sucessivas desde o princípio do mundo,
foram comunicados aos eleitos por meio das promessas, tipos e sacrifícios,
pelos quais ele foi revelado e significado como a Semente da mulher que devia
esmagar a cabeça da serpente, como o cordeiro morto desde o princípio do
mundo, sendo o mesmo ontem, hoje e para sempre. (Gl 4:45; Gn 3:15; Hb 3:8).
E ainda no Capítulo XXXV – Do Amor de Deus e das Missões, na Seção I:
―Em seu amor infinito e perfeito - e tendo provido no pacto da graça, pela mediação e
sacrifício do Senhor Jesus Cristo, um caminho de vida e salvação suficiente e adaptado
a toda a raça humana decaída como está - Deus determinou que a todos os homens esta
salvação de graça seja anunciada no Evangelho.‖ (Jo 3:16; I Tm 4:10; Mc 16:15).
37
“... MORTO E SEPULTADO; DESCEU AO HADES...”
(2º Seção)
Introdução
Nas declarações anteriores o Credo fala sobre os sofrimentos de Cristo e de sua
morte vicária. Agora declara sobre o que ocorreu no momento da crucificação e depois
da sua ocorrência. O ministério do Messias não foi fácil. Ele sofreu muito e por fim
pagou um preço terrível para obter a salvação do povo escolhido de Deus. Nestas
declarações do Credo que agora analisaremos, vemos que a cruz de Jesus foi a mais
pesada de todas que já existiram.
Quando Credo declara que Jesus morreu e foi sepultado, está fazendo uma
afirmação importantíssima para nós cristãos. Jesus veio para salvar pecadores.
Pecadores que deviam a pena de morte a um Deus Justo. Portanto, morrendo na cruz
Jesus cumpriu uma pena que era nossa. Jesus não poderia simplesmente sofrer por nós...
Ele deveria morrer.
Entretanto, a questão mais séria que entra em debate nas declarações do Credo
é sobre a descida de Jesus ao inferno (hades). Apesar de a palavra Hades poder ter o
significado de ―sepultura‖, a frase ―desceu ao inferno‖ foi inserida depois da expressão
―sepultado‖, e muitos cristãos a entenderam no sentido de ―inferno‖ mesmo. Portanto,
devemos dar uma explicação do significado desta frase.
Durante a história da igreja os reformados interpretaram esta expressão de duas
formas diferentes, as quais passamos a apresentar abaixo:
1. Catecismo de Heidelberg pergunta 44: Por que se acrescenta “desceu ao
inferno”? Resp: Para que em minhas mais duras tribulações eu esteja certo de
que Cristo, o meu Senhor, redimiu-me das angústias e dos tormentos do
inferno por sua indizível angústia, dores e terrores que sofreu em sua alma,
tanto sobre a cruz como antes.‖
2. No Catecismo maior de Westminster em sua pergunta nº 50 diz: Em que
consistiu a humilhação de Cristo depois de sua morte? Resp: A humilhação de
Cristo, depois da sua morte, consistiu em ser ele sepultado, em continuar no
estado dos mortos e sob o poder da morte até ao terceiro dia, o que, aliás, tem
sido expresso nestas palavras: Ele desceu ao inferno (= Hades). (Mt 12:40;
1Co. 15:3, 4)
Certamente que não precisamos nos preocupar tanto com o significado desta
expressão a não ser pelo fato de ela estar no Credo que nós também aceitamos.
Entretanto, lembremos que em nenhum lugar nas Escrituras vai afirmar que Cristo
desceu literalmente no inferno. Concluindo podemos dizer:
38
Segundo a posição reformada (calvinista) usual, as palavras
se referem não somente aos sofrimentos de Cristo na cruz,
mas também às agonias do Getsêmani... De modo geral,
parece melhor combinar dois pensamentos: (a) que cristo
sofreu as angústias do inferno antes da Sua morte, no
Getsemâni e na cruz; e (b) que Ele adentrou a mais profunda
humilhação do estado de morte.53
Ainda que tendo em mente que Jesus não desceu ao inferno, mas que sofreu a
ira de Deus nos seus momentos finais de vida, devemos ainda compreender como se deu
este acontecimento. Como Jesus, que também era Deus, pôde receber a própria ira
contra o pecado?! É o que procuramos responder em seguida:
Ele esteve sujeito, não somente à morte física mas também à
morte eterna, se bem que sofreu esta intensiva, e não
extensivamente, quando agonizou no jardim e quando bradou
na cruz, ―Deus meu, deus meu, por que me desamparaste?‖
Num curto período de tempo, Ele suportou a ira infinita
contra o pecado até o fim, e saiu vitorioso. Isto somente Lhe
foi possível graças à Sua natureza exaltada. Neste ponto,
porém, devemos resguardar-nos contra algum entendimento
errôneo. No caso de Cristo, a morte eterna não consiste numa
abrogação da união do Logos com a natureza humana, nem
num abandono da natureza divina por parte de Deus, nem em
retirar o Pai o Seu divino amor ou o Seu beneplácito da
pessoa do Mediador. O Logos permaneceu unido à natureza
humana, mesmo quando o corpo estava no túmulo; a natureza
divina absolutamente não podia ser desamparada por Deus; e
a pessoa do Mediador foi e continuou sendo sempre objeto do
favor divino. A morte eterna revelou-se na consciência
humana do Mediador como um sentimento de desamparo de
Deus. Isto implica que a natureza humana perdeu por um
momento o consciente e fortalecedor consolo que podia
auferir da sua união com o Logos divino, bem como a
percepção do amor divino, e esteve dolorosamente cônscia da
plenitude da ira divina que pesava sobre ela. Contudo, não
houve desespero, pois, mesmo na hora mais trevosa,
enquanto exclama que está desamparado, dirige Sua oração a
Deus.54
53
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 343.
54
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 340.
39
“RESSURGIU DOS MORTOS AO TERCEIRO DIA;
SUBIU AO CÉU; ESTÁ ASSENTADO À MÃO DIREITA DE DEUS PAI
TODO-PODEROSO,
DE ONDE HÁ DE VIR PARA JULGAR OS VIVOS E OS MORTOS.”
(2º Seção)
Introdução
Após descrever verdades a respeito da obra de Cristo até a sua morte (como vítima
vicária), o Credo agora passa a referir as suas obras como Mediador vitorioso. Desta forma
temos referência à ressurreição, ascensão, posição à destra de Deus, seu retorno vitorioso e o
julgamento final. Estes aspectos completam a obra de Cristo descrita no Credo, e fazemos
bem estudá-las a fim de entender seus significados.
“Ressurgiu dos mortos ao terceiro dia...”
Ainda que tenha sido preciso Jesus morrer para pagar o preço do pecado que os
eleitos deviam a Deus, Ele não termina completamente Sua obra de salvação com ela. Ali
Ele cumpre a pena (condenação) imposta aos pecadores por seus pecados. Mas Cristo não
poderia ser derrotado por ela. Se Cristo queria conceder vida ao Seu povo, deveria vencer a
morte.
Apesar de muitos duvidarem da ressurreição de Cristo, e providenciarem as mais
diversas interpretações a fim de tentar desmentir a ressurreição, o fato é que as Escrituras
afirmam enfaticamente que Jesus ressurgiu dos mortos:
1. A Maria Madalena - Jo 20.10-18;
2. Às mulheres que voltavam do túmulo - Mt 28.9;
3. Aos dois discípulos a caminho de Emaús - Lc 24.13-35;
4. Ao apóstolo Pedro - Lc 24.34; l Co 15.4,5;
5. Aos apóstolos (e outras pessoas com eles), sem a presença de Tomé - Lc 24.33-49;
Jo 20.19-25;
6. Aos mesmos, oito dias depois, com a presença de Tomé - Jo 20.26-29;
7. Na praia do Mar de Tiberíades - Jo 21.1-14;
8. Ao discípulo Tiago - l Co 15.7;
9. Aos onze, em um monte da Galiléia - Mt 28.16-20;
10. A quinhentos irmãos - l Co 15.6;
11. Aos onze, no dia da ascensão - Lc 24.50-53; At 1.1-11.
12. Além destas, o evangelista Lucas afirma que Jesus "aos discípulos se apresentou
vivo, com muitas provas incontestáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias"
(At 1.3).
40
Um aspecto a respeito da doutrina da ressurreição que devemos notar é que ―Os
apóstolos não procuravam provar a ressurreição de Cristo; era para eles um objeto de fé, e
mais ainda, o alicerce dessa fé (Rm 4.25; l Co 15.14).‖55
Não foi preciso chamara um
médico, um cientista, um juiz... ou qualquer outro tipo de profissional para comprovar a
ressurreição de Jesus. Eles mesmos testificaram sua autenticidade, e não somente eles, mas
igualmente outras testemunhas (l Co 15.6). Sendo assim, ou nós cremos nos relatos bíblicos
inspirados por Deus, ou estaremos negando um dos pilares do cristianismo, sem o qual, torna
inútil a fé dos crentes (1Co 15).
Além de vasto testemunho no Novo Testamento, encontramos também testemunho
do Antigo Testamento acerca deste fato, pois o Antigo Testamento previu a ressurreição de
Jesus (Lc 24:44-46; At 2:25-27). Isto demonstra o peso da importância desta doutrina para a
religião cristã. Para compreendermos melhor as implicações doutrinárias decorrente do fato
da ressurreição, vejamos abaixo a explicação:
É indubitável que a ressurreição tem suportes doutrinários. Não
podemos negar a ressurreição física de Cristo sem impugnar a
veracidade dos escritores da Escritura, visto que, sem dúvida,
eles a descrevem como um fato. Quer dizer que afeta a nossa
crença na fidedignidade da Escritura. Além disso, a ressurreição
de Cristo é descrita como tendo valor de prova. É a prova
culminante de que Cristo foi um mestre enviado por Deus (o
sinal de Jonas), e de que Ele é o verdadeiro Filho de Deus, Rm
1:4. É também o supremo atestado do fato da imortalidade. Mais
importante ainda, a ressurreição entra como um elemento
constitutivo da própria essência da obra de redenção e, portanto,
do Evangelho. É uma das grandes pedras do alicerce da igreja de
Deus. Se, afinal, a obra expiatória de Cristo devia ser eficaz,
tinha que terminar, não na morte, mas na vida. Ademais, foi o
selo do Pai aplicado à obra consumada de Cristo, foi a
declaração de que Ele a aceitou. Nela, Cristo saiu de sob a lei.
Finalmente, foi Seu ingresso numa nova vida. como a ressurreta
e exaltada Cabeça da igreja e Senhor universal. Isto O habilitou a
fazer aplicação dos frutos da Sua obra redentora.56
E também:
A ressurreição de Cristo tem significação tríplice: (1) Constituiu
uma declaração do Pai de que o último inimigo tinha sido
vencido, a pena tinha sido cumprida, e tinha sido satisfeita a
55
Dionei Faria, A Exaltação de Cristo in Revista Em que Cremos? Manhumirim,
Didaquê, n°46, abr/99, p 20.
56
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 350.
41
condição em que a vida fora prometida; (2) Foi um símbolo
daquilo que estava destinado a suceder aos membros do corpo
místico de Cristo em sua justificação, em seu nascimento
espiritual e em sua bendita ressurreição futura, Rm 6.4, 5, 9;
8.11; l Co 6.14; 15.20-22; 2 Co 4.10, 11, 14; Cl 2.12; l Ts 4.14;
(3) Relacionou-se também instrumentalmente com a
justificação, a regeneração e a ressurreição final dos crentes, Rm
4.25; 5.10; Ef 1.20; Fp 3.10; l Pe 1.3.57
Como podemos perceber as Escrituras não deixam dúvida de que Jesus ressuscitou.
Porém, qual a natureza de Seu corpo após Sua ressurreição? Sobre esta questão não temos
muitíssimas informações a fim de tirarem todas as nossas curiosidades, contudo, a respeito
desta questão nós podemos afirmar primeiramente o seguinte: 1- Jesus ressuscitou com um
corpo físico, não imaterial (Mt 28:9; Lc 24:15-18, 28-29; Lc 24:30; Jo 20:15; 20:20; 20:27;
21:12-13; Lc 24:39; At 10:41); 2- Jesus não somente tornou à vida, mas reviveu com um
corpo glorificado. E como era este corpo glorificado? Ele poderia se transportar como os
anjos? Ou se desmaterializar? Vejamos o seguinte comentário a respeito da natureza do
corpo de Jesus depois da ressurreição:
Mas o que essas aparições físicas procuravam ensinar aos
discípulos, senão que o corpo ressurreto de Jesus era
definitivamente um corpo físico? Se Jesus ressurgiu dos mortos
com o mesmo corpo físico com o qual morreu, e se ele apareceu
repetidamente aos discípulos naquele corpo físico, comendo e
bebendo entre eles (At 10:41) durante quarenta dias, e se ele
subiu ao céu com aquele mesmo corpo físico (At 1:9), e se o
anjo imediatamente disse aos discípulos: ―Esse Jesus que dentre
vós foi assunto ao céu virá do mesmo modo como o vistes subir‖
(Atos 1.11), então Jesus evidentemente estava-lhes ensinando
que seu corpo ressurreto era um corpo físico. Se a "forma
habitual" do seu corpo ressurreto não fosse física, então essas
repetidas aparições físicas de Jesus seriam culpadas de enganar
os discípulos (e todos os leitores posteriores do Novo
Testamento) para que pensassem que seu corpo ressurreto
permanecia físico, embora isso não acontecesse. Se ele fosse
habitualmente não físico e iria tornar-se eternamente não físico
com a ascensão, então as palavras de Jesus seriam muito
enganadoras: "Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu
mesmo; apalpai-me e verificai, porque um espírito não tem carne
nem ossos, como vedes que eu tenho‖ (Lucas 24.39). Ele não
disse: "... carne nem ossos, como vedes que eu tenho
57
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 347.
42
temporariamente"! Teria sido muito errado ensinar aos
discípulos que ele tinha um corpo físico, se no seu modo normal
de existência ele realmente não o possuía.
Caso Jesus quisesse ensinar-lhes que podia
materializar-se e desmaterializar-se à vontade (como Harris
argumenta), ele poderia facilmente ter-se desmaterializado
diante dos seus olhos, de modo que eles pudessem registrar esse
evento com clareza. Ou poderia ter atravessado uma parede
enquanto eles estavam observando, em vez de aparecer
subitamente entre eles. Resumindo, se Jesus e os autores do
Novo Testamento tivessem desejado nos ensinar que o corpo
ressurreto era habitual e essencialmente imaterial, eles poderiam
tê-lo feito, mas em vez disso forneceram muitas indicações
claras de que era normalmente físico e material, apesar de ser um
corpo aperfeiçoado, liberto para sempre de fraqueza, doença e
morte.58
“... subiu aos céus, está sentado à mão direita de Deus Pai, Todo-Poderoso...”
A Bíblia declara não somente que Jesus ressuscitou, mas que Ele subiu aos céus.
Ou seja, fala de Sua ascensão às alturas, para a presença de Deus (Lc 24:50-53; At 1:6-11;
Mc 16:19; Jo 6:62; 14:2,12; 16:5, 10, 17, 28; 17:5; 20:17). Lá no céu, sua condição é de
exaltação. As Escrituras afirmam que Ele está sentado à direita de Deus (Mt 26:64; At 2:33-
36; 5:31; Ef 1:20-22; Hb 10:12; 1Pe 3:22; Ap 3:21; 22:1). É exatamente isto que é referido
no Credo dos Apóstolos. Mas o que significa esta posição à direita de Deus Pai? O teólogo
reformado Louis Berkhof , dá explicação acerca desta doutrina a qual citamos abaixo:
Estar assentado à destra do rei podia ser apenas um sinal de
honra, 1Rs 2:19, mas também podia denotar participação no
governo e, conseqüentemente, na honra e na glória. No caso de
Cristo, era indubitavelmente uma indicação do fato de que o
Mediador recebeu as rédeas do governo sobre a igreja e sobre o
universo e foi feito participante da glória correspondente. Não
significa que Cristo não tinha sido o Rei de Sião antes desse
tempo, mas, sim, que aí Ele foi publicamente empossado como
Deus e homem e, nesta qualidade, recebeu o governo da igreja,
do céu e da terra, e entrou solenemente na administração real e
concreta do poder a Ele confiado.59
58
Wayne Grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 512, 513.
59
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 352, 353.
43
“... de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos.”
Um pouco antes de Sua ascensão aos céus Jesus havia dito que voltaria para este
mundo. De acordo com o plano divino O Mediador deveria ficar à destra do Pai até que
todos os eleitos sejam salvos, e até chegar á data marcada para o fim desta era da
humanidade. Mas como será este retorno de Cristo? As Escrituras nos declaram algumas
características do retorno de Jesus:
1. Repentina e inesperada (Mt 24:42-44, 50; Mt 25:13; Mc 13:32,33, 34-37; Lc
12:40; 1Ts 5:2);
2. A volta do Senhor está próxima (Tg 5:7-9; 1Pe 4:7; Ap 1:3; 22:7, 12, 20);
3. Um retorno pessoal (Mt 24:44; 1Co 15:23; Fp 3:20; 1Ts 2:19; 3:13; 4:15-17) e
físico (Hb 9:28; At 1:11; 3:20, 21; Ap 1:7);
4. Um retorno visível (Mt 24:30; 26:64; Mc 13:26; Lc 21:27; Cl 3:4; Tt 2:13);
5. Virá em glória e triunfo (Hb 9:28; Mt 24:30; 25:31; Ap 19:11-16);
Em seu início da obra salvadora o Filho veio como Sofredor passar por todo tipo de
sofrimento penal para remir o Seu povo. Entretanto, depois de vencidos a morte, o pecado e
o Diabo, Jesus voltará para completar a salvação dos fiéis. Para isto Ele realizará dois
eventos: O Julgamento universal e o estabelecimento do Novo Céu e da Nova Terra.
No evento do julgamento final nós teremos Jesus como juiz (Mt 25:31, 32; 2Tm
4:1; At 10:42; 17:31; Fp 2:10; Jo 5:26-27). Aquele que veio para salvar, em Seu retorno virá
para julgar, não somente todos os seres humanos (Sl 50:4-6; Ec 12:14; Mt 12:36, 37; 25:32;
Rm 14: 10; 2Co 5:10; Ap 20:12); como igualmente os anjos (Mt 8:29; 2Pe 2:4; Jd 6). E não
nos enganemos, até os crentes serão julgados (Rm 14:10, 12; 2Co 5:10; Rm 2:6-11; Ap
20:12, 15; Mt 25 ), embora não serão condenados (Rm 8:1; Jo 5:24). ―É importante perceber
que esse julgamento dos crentes será para avaliar e conceder vários níveis de recompensa... o
dia do juízo pode ser descrito como o dia em que os crentes são premiados e os incrédulos,
punidos.‖60
(Ap 11:18)
Ora, como bem sabemos as pessoas que morrem já vão direto para o local em que
lhe está destinado para a eternidade. Ou seja, quem morre ímpio, já vai para o inferno; quem
morre salvo, já vai para o céu. Então qual o sentido de se ter um julgamento no final desta
era? Qual o propósito de Deus julgar todos os homens? O propósito divino é ―expor diante
de todas as criaturas racionais a glória declarativa de Deus num ato formal e forense que, por
um lado, engrandecerá a Sua santidade e justiça, e, por outro lado, engrandecerá a Sua graça
e misericórdia.‖61
Como nos declara a Confissão de Fé de Westminster em seu Capítulo
XXXIII - DO JUÍZO FINAL, na Seção II: “O fim que Deus tem em vista, determinando
esse dia, é manifestar a sua glória - a glória de sua misericórdia na salvação dos
eleitos, e a glória da sua justiça na condenação dos réprobos, que são perversos e
desobedientes.”
60
Wayne A. Grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 977.
61
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 737.
44
“CREIO NO ESPÍRITO SANTO; NA SANTA IGREJA UNIVERSAL; NA
COMUNHÃO DOS SANTOS...”
(3º Seção)
Introdução
Chegamos à terceira Seção do Credo apostólico onde encontramos não somente a
respeito da terceira Pessoa da trindade, mas também várias doutrinas relacionadas a igreja de
Cristo. O Credo Apostólico não fala muito a respeito da doutrina do Espírito Santo, por isto
nós nos deteremos em explicar somente alguns pontos a Seu respeito, e em seguida
passaremos a examinar as demais doutrinas sobre a Igreja.
“Creio no Espírito Santo ...”
Muitos aspectos poderiam ser abordados a respeito do Espírito Santo, porém, como
nosso objetivo não é estudar exaustivamente a terceira Pessoa da trindade, mas sim, estudar
o conteúdo da declaração do Credo Apostólico, seremos breve, explanando somente o
básico, de acordo com a simples declaração contida nele.
1. A Personalidade do Espírito Santo
 Ele possui intelecto, mente (Is 40:13, 14; Jo 14:26;15:26; At 15:28; Rm
8:27; 1Co 2:10- 12);
 Ele possui vontade (Sl 106:32, 33; Is 34:16; At 13:2; 16:7; 21:11; 1Co
12:11; 1Tm 4:1);
 Ele possui emoções (Mq 2:7; Rm 15:30; Is 63:10; Ef 4:30).
2. A Divindade do Espírito Santo
 Ele possui Onipotência (Lc 1:35; Jó 33:4; Rm 8:11);
 Ele possui Onisciência (Is 40:13, 14; 1Co 2:10);
 Ele possui Onipresença (Sl 139:7,8);
 Ele possui a mesma honra do Pai e do Filho (Mt 28:19; 2Co 13:13);
 Ele foi chamado de Deus (At 5:3,4);
 Ele participa da redenção dos homens (1Co 6:11; 12:3; Tt 3:5).
3. Deveres cristãos relacionados ao Espírito Santo
 Encher-se do Espírito Santo (Ef 5:18);
 Andar no Espírito Santo (Gl 5:16);
45
 Não entristecer o Espírito Santo (Ef 4:30);
 Não apagar o Espírito Santo (1Ts 5:19).
“Na santa igreja universal...”
O Credo Apostólico ao declarar ―creio na santa Igreja universal‖ estava falando de
dois atributos da Igreja descritos pela teologia protestante. Estes atributo são descritos como
a SANTIDADE da Igreja e a CATOLICIDADE da Igreja. Vejamos abaixo o que significa
cada um deles:
1. Santidade da Igreja:
 ―A igreja é absolutamente santa num sentido objetivo, isto é, como ela é
considerada em Jesus Cristo. Em virtude da justiça mediatária de Cristo, a
igreja é tida por santa perante Deus. Também, num sentido relativo, os
protestantes consideram a igreja como subjetivamente santa, isto é, como
realmente santa no princípio interior da sua vida, e destinada à santidade
perfeita. Daí, ela de fato pode ser denominada comunidade dos santos.‖62
 ―A santidade da igreja implica, objetivamente, que a igreja é santa em
Cristo sua cabeça e, subjetivamente, que ela é santa pela virtude do
princípio da regeneração e santificação. Por esta razão, seus membros
podem e devem ser chamados de santos em Cristo Jesus.‖63
2. Catolicidade da Igreja:
 ―Os protestantes insistem em que a igreja invisível é primordialmente a
real igreja católica, porque inclui todos os crentes da terra, de toda e
qualquer época particular, sem nenhuma exceção; porque,
conseqüentemente, ela também tem os seus membros entre todas as
nações evangelizadas do mundo... Secundariamente, eles também
atribuem o atributo de catolicidade à igreja visível.‖64
 ―A catolicidade da igreja implica que a igreja é internacional, reunida de
toda tribo, língua e nação.‖65
62
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 578.
63
Herman Hoeksema, Os Quatro Atributos da Igreja. Fonte:
http://www.monergismo.com
64
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 579.
65
Herman Hoeksema, Os Quatro Atributos da Igreja. Fonte:
http://www.monergismo.com
46
“Na comunhão dos santos...”
A afirmação de fé na comunhão dos santos nos traz à luz uma verdade que
precisa ser lembrada em meio ao caos em que se encontram as igrejas evangélicas
atuais. Há igrejas que praticamente não ―se chegam perto uma da outra‖. A comunhão é
quase que somente na teoria! Isto se deve muitas vezes por causa de um apego à própria
denominação. Os membros não precisam agir assim.
Ao referirmo-nos à comunhão dos crentes, devemos entender que tipo de
comunhão é esta. Neste caso, vejamos os dois aspectos desta comunhão cristã – a
comunhão visível e a comunhão invisível:
Entre os muitos benefícios que Cristo trouxe a todos nós,
encontra-se a comunhão existente entre os membros de seu
corpo, que é a igreja. É um dos maiores resultados do poder
do Espírito Santo na vida da comunidade cristã. Uma
comunhão que se apresenta em dois aspectos – visível e
invisível... Quando surgem desentendimentos e divisões na
igreja de Cristo e entre os seus membros, individualmente, a
comunhão visível pode ser quebrada, mas a invisível, jamais
o será.66
Como pudemos observar, a comunhão entre os cristãos independe de sua
vontade, pois a partir da hora em que ele aceita Jesus, sua vida já está ligada aos outros
crentes através do Corpo de Cristo. Quem é salvo, é do Corpo, e quem é do corpo, não
pode estar fora da comunhão invisível. ―A partir do momento em que uma pessoa é
salva e passa a fazer parte do reino de Deus, esse vínculo se estabelece entre ele e
aqueles que já fazem parte desse reino.‖67
Esse vínculo de comunhão é tal, que nunca se
arrebentará, pois nunca seremos afastados do Corpo de Cristo.
Evidentemente que numa igreja vemos muitas pessoas com opiniões e
pensamentos diferentes. Contudo, nenhum aspecto que torne um membro diferente do
outro, é capaz de finalizar a comunhão invisível que ambos têm em participar do reino
de Deus:
Uma igreja local é composta de pessoas muito diferentes
entre si. Nela há brancos e negros, ricos e pobres, doutores e
analfabetos, homens e mulheres, crianças e adultos... Mesmo
assim, existe uma comunhão entre todos, porque essa
comunhão que se estabelece é pela obra do Espírito Santo.
66
Sérgio Pereira Tavares, “A Comunhão Cristã” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 31.
67
Sérgio Pereira Tavares, “A Comunhão Cristã” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 31.
47
Essa comunhão não é apenas de caráter humano. Mesmo que
alguns quebrem a comunhão visível, a invisível permanece, a
despeito das diferenças.68
Nem mesmo quando vemos a separação visível entre os crentes por causa da
existência de várias denominações evangélicas, isto não significa ―divisões dentro do
Corpo de Cristo‖ (1Co 1:13). Os cristãos estão sempre unidos pelo Espírito ao mesmo
Cristo. Há somente uma igreja de Cristo, e não várias igrejas! Assim sendo, a verdade
da comunhão inevitável que há entre os crentes no Corpo de Cristo deveria fazer com
que estes, independente de denominação, se juntassem na obra do reino do Senhor:
As várias denominações cristãs precisam, também,
compreender o valor dessa comunhão visível. Evidentemente,
não se trata de unir todas numa só, mas unir-se nos esforços
para a proclamação do evangelho e promoção humana; no
diálogo e no respeito pelas diferenças; na valorização da vida
e nos propósitos comuns; no crescimento mútuo e
fortalecimento da fé.69
68
Sérgio Pereira Tavares, “A Comunhão Cristã” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 32.
69
Sérgio Pereira Tavares, “A Comunhão Cristã” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 33.
48
“NA REMISSÃO DOS PECADOS; NA RESSURREIÇÃO DO CORPO; NA
VIDA ETERNA. AMÉM.”
(3º Seção)
Introdução
A última parte do Credo apostólico contém três doutrinas que se interligam
necessariamente. A primeira delas fala do perdão dos pecados. Ora, a partir do momento que
nós somos remidos de nossos pecados, significa que vencemos não somente os pecados mas
igualmente a morte. Portanto, podemos crê na nossa futura ressurreição. E já que cremos na
ressurreição, devemos afirmar também que nossa vida como ressurretos tem a qualidade da
vida eterna, pois a salvação que Cristo trouxe não somente nos dá a condição de vida de
Adão, mas nos eleva a um estágio superior de vida.
“Na remissão dos pecados...”
Como vimos anteriormente, o Credo fala vários aspectos da obra salvadora de
Cristo. Agora, nestas últimas declarações, vemos três conseqüências da obra salvadora do
Senhor. A primeira referência é à ―remissão dos pecados‖. Mas o que significa esta
expressão? Vejamos a explicações abaixo:
 ―Remissão é o ato de adquirir de novo; de indenizar prejuízos; de livrar, mediante
compra, alguém do cativeiro; tornar a alcançar um direito; pagar uma dívida
própria ou de outra pessoa. O Credo Apostólico, nessa expressão, lembra a
doutrina bíblica de que os nossos pecados, que constituíam uma dívida para com
Deus, foram remidos, resgatados, pagos pelo Senhor Jesus, em nosso favor,
ficando nós, em conseqüência, livres dessa dívida, ou seja, livres da culpa do
pecado.‖70
 A palavra ‗Remir‘ ―significa readquirir mediante compra, resgatar uma dívida,
libertar de um ônus pagando a sua importância. Assim, remissão significa
libertação.‖71
Como podemos observar, ser remido, é ser resgatado dos pecados, liberto da
escravidão do pecado. Nem todo mundo entende isto. Pensam que a salvação do homem
pode ser alcançada por outros meios que não pela obra de Cristo. Isto é um equívoco total. O
Credo por sua vez, acertadamente coloca a remissão dos pecados como uma doutrina a ser
70
“A Remissão dos Pecados” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura
Cristã, s/d, p 28.
71
Sérgio Pereira Tavares, “A Remissão dos Pecados” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 34.
49
crida e confessada pelos cristãos. Esta doutrina possui em seu conteúdo as seguintes
implicações:
1. O reconhecimento da própria pecaminosidade;
2. A compreensão do grande amor de Deus.72
“Na ressurreição do corpo...”
Ao falarmos da ressurreição de Cristo nós ficamos sabendo que ela era
indispensável para nossa salvação. Quando as Escrituras falam a respeito da salvação do
homem, não está falando simplesmente da salvação da alma do homem. O homem completo
- corpo e alma – é contemplado por Deus. Esta declaração do Credo a respeito de nossa
ressurreição traz consigo algumas verdades que precisamos considerar e aprender:
1. A ressurreição do corpo tem por base a ressurreição de Cristo;
2. A ressurreição demonstra o valor que o corpo possui;
3. A ressurreição do corpo nos leva a uma condição superior de vida.73
Declarar que cremos na ressurreição não é a mesma coisa de saber como será esta
ressurreição. Pois bem, a fim de aprendermos mais sobre o assunto, passemos a considerá-lo
mais um pouco.
Devemos ter em mente que quando os crentes ressuscitarem, não serão
simplesmente vivificados. Ou tornados à vida. Como podemos ver no tópico (3º) que
expomos acima, nossa condição será diferente quando da ocorrência da ressurreição. Mas
que diferenças haverá. A Bíblia não fala muito a respeito de como seremos na eternidade,
mas o pouco que o apóstolo Paulo falou poderá nos dar um vislumbre do nosso futuro (1Co
15:42-44, 54)74
:
1. Corpo atual
Corrupção: Nossos corpos atuais, assim diz Paulo, são corpos de corrupção; a
semente da doença e da morte está neles, de modo que a morte destes corpos é
apenas uma questão de tempo.
Corpo ressurreto
Incorrupção: Toda a susceptibilidade à doença terá passado. Não estaremos mais a
caminho de uma certa morte, como estamos agora, mas desfrutaremos então de um
tipo de existência incorruptível.
72
Sérgio Pereira Tavares, “A Remissão dos Pecados” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 34, 35.
73
Eneziel Peixoto de Andrade, “A Ressurreição do corpo” in Revista Em que cremos?
Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 37-39.
74
Anthony A. Hoekema, A Bíblia e o Futuro. São Paulo, Casa Editora Presbiteriana,
1989, p 332, 333.
Estudo teológico sobre o Credo Apostólico
Estudo teológico sobre o Credo Apostólico
Estudo teológico sobre o Credo Apostólico
Estudo teológico sobre o Credo Apostólico
Estudo teológico sobre o Credo Apostólico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Éder Tomé
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
Adenísio dos Reis
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
Moisés Sampaio
 
Estudo sobre presbiterianismo aula 02
Estudo sobre presbiterianismo   aula 02Estudo sobre presbiterianismo   aula 02
Estudo sobre presbiterianismo aula 02
Joao Franca
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
Ismael Isidio
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
PASTOR CARLOS SILVA
 
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docxA função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
JoelmaLucioDoCarmo
 
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante VigilânciaLição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Éder Tomé
 
5 missão integral das igrejas
5 missão integral das igrejas5 missão integral das igrejas
5 missão integral das igrejas
faculdadeteologica
 
8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 88° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
Jefferson Evangelista
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Wander Sousa
 
Estudo sobre o livro de Atos dos apóstolos
Estudo sobre o livro de Atos dos apóstolosEstudo sobre o livro de Atos dos apóstolos
Estudo sobre o livro de Atos dos apóstolos
RODRIGO FERREIRA
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
Moisés Sampaio
 
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem SuperiorLição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Éder Tomé
 
Estudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinaiEstudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinai
Elisa Schenk
 
A importância do discipulado
A importância do discipuladoA importância do discipulado
A importância do discipulado
Ruy Naziazeno
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
faculdadeteologica
 
A igreja, corpo de cristo
A igreja, corpo de cristoA igreja, corpo de cristo
A igreja, corpo de cristo
Celio Celio
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
Márcio Martins
 
Disciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia PastoralDisciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia Pastoral
faculdadeteologica
 

Mais procurados (20)

Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
 
Estudo sobre presbiterianismo aula 02
Estudo sobre presbiterianismo   aula 02Estudo sobre presbiterianismo   aula 02
Estudo sobre presbiterianismo aula 02
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
 
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docxA função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
A função dos presbíteros e dos diáconos na igreja.docx
 
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante VigilânciaLição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
 
5 missão integral das igrejas
5 missão integral das igrejas5 missão integral das igrejas
5 missão integral das igrejas
 
8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 88° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
8° Aula Dos Evangelhos - Da aula 1 até a 8
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 
Estudo sobre o livro de Atos dos apóstolos
Estudo sobre o livro de Atos dos apóstolosEstudo sobre o livro de Atos dos apóstolos
Estudo sobre o livro de Atos dos apóstolos
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
 
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem SuperiorLição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
 
Estudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinaiEstudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinai
 
A importância do discipulado
A importância do discipuladoA importância do discipulado
A importância do discipulado
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
 
A igreja, corpo de cristo
A igreja, corpo de cristoA igreja, corpo de cristo
A igreja, corpo de cristo
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
 
Disciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia PastoralDisciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia Pastoral
 

Semelhante a Estudo teológico sobre o Credo Apostólico

Confissão de fé de Westminster
Confissão de fé de WestminsterConfissão de fé de Westminster
Confissão de fé de Westminster
Igreja_Presbiteriana_Sobral
 
Pdf 2 carta pastoral sobre a ordem presbiteral
Pdf 2   carta pastoral sobre a ordem presbiteralPdf 2   carta pastoral sobre a ordem presbiteral
Pdf 2 carta pastoral sobre a ordem presbiteral
Paulo Dias Nogueira
 
Nossos Símbolos de Fé.pdf
Nossos Símbolos de Fé.pdfNossos Símbolos de Fé.pdf
Nossos Símbolos de Fé.pdf
Anderson Cezar
 
Catecismo católico à luz da bíblia
Catecismo católico à luz da bíbliaCatecismo católico à luz da bíblia
Catecismo católico à luz da bíblia
Gilmar Marinho
 
O catolicismo por laurence a. justice
O catolicismo por laurence a. justiceO catolicismo por laurence a. justice
O catolicismo por laurence a. justice
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Catecismo da Igreja Católica
Catecismo da Igreja Católica  Catecismo da Igreja Católica
Catecismo da Igreja Católica
GRUPO DE ORAÇÃO ANJO RAFAEL
 
Catecismo da Igreja Católica
Catecismo da Igreja CatólicaCatecismo da Igreja Católica
Catecismo da Igreja Católica
Carlinhos Pregador
 
Catecismo da igreja católica melhor versão
Catecismo da igreja católica   melhor versãoCatecismo da igreja católica   melhor versão
Catecismo da igreja católica melhor versão
rey3512
 
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICACATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
José Vieira Dos Santos
 
Compendio (1)
Compendio (1)Compendio (1)
Compendio (1)
Lucilene G.O. Adonai
 
Catecismo igreja catolica 2
Catecismo igreja catolica 2Catecismo igreja catolica 2
Catecismo igreja catolica 2
ppacheco1
 
Catecismo ic
Catecismo icCatecismo ic
Catecismo ic
RONALDOTARU
 
Catecismo ic
Catecismo icCatecismo ic
Catecismo ic
RONALDOTARU
 
Doc 53 da cnbb
Doc 53 da cnbbDoc 53 da cnbb
Doc 53 da cnbb
Cassio Felipe
 
Doutrina Da Igreja Modulo 2
Doutrina Da Igreja Modulo 2Doutrina Da Igreja Modulo 2
Doutrina Da Igreja Modulo 2
fogotv
 
Testemunhos para ministros e obreiros evangélicos
Testemunhos para ministros e obreiros evangélicosTestemunhos para ministros e obreiros evangélicos
Testemunhos para ministros e obreiros evangélicos
iasdvilaveronica
 
Catecismo da-igreja-católica (1)
Catecismo da-igreja-católica (1)Catecismo da-igreja-católica (1)
Catecismo da-igreja-católica (1)
Pejota2015
 
Catecismo católico completo
Catecismo católico completoCatecismo católico completo
Catecismo católico completo
ppacheco1
 
Mudancas doutrina
Mudancas doutrinaMudancas doutrina
Mudancas doutrina
Jose Moraes
 
Apostila doutrina dos_apstolos 4
Apostila doutrina dos_apstolos 4Apostila doutrina dos_apstolos 4
Apostila doutrina dos_apstolos 4
Wilton Santos
 

Semelhante a Estudo teológico sobre o Credo Apostólico (20)

Confissão de fé de Westminster
Confissão de fé de WestminsterConfissão de fé de Westminster
Confissão de fé de Westminster
 
Pdf 2 carta pastoral sobre a ordem presbiteral
Pdf 2   carta pastoral sobre a ordem presbiteralPdf 2   carta pastoral sobre a ordem presbiteral
Pdf 2 carta pastoral sobre a ordem presbiteral
 
Nossos Símbolos de Fé.pdf
Nossos Símbolos de Fé.pdfNossos Símbolos de Fé.pdf
Nossos Símbolos de Fé.pdf
 
Catecismo católico à luz da bíblia
Catecismo católico à luz da bíbliaCatecismo católico à luz da bíblia
Catecismo católico à luz da bíblia
 
O catolicismo por laurence a. justice
O catolicismo por laurence a. justiceO catolicismo por laurence a. justice
O catolicismo por laurence a. justice
 
Catecismo da Igreja Católica
Catecismo da Igreja Católica  Catecismo da Igreja Católica
Catecismo da Igreja Católica
 
Catecismo da Igreja Católica
Catecismo da Igreja CatólicaCatecismo da Igreja Católica
Catecismo da Igreja Católica
 
Catecismo da igreja católica melhor versão
Catecismo da igreja católica   melhor versãoCatecismo da igreja católica   melhor versão
Catecismo da igreja católica melhor versão
 
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICACATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
 
Compendio (1)
Compendio (1)Compendio (1)
Compendio (1)
 
Catecismo igreja catolica 2
Catecismo igreja catolica 2Catecismo igreja catolica 2
Catecismo igreja catolica 2
 
Catecismo ic
Catecismo icCatecismo ic
Catecismo ic
 
Catecismo ic
Catecismo icCatecismo ic
Catecismo ic
 
Doc 53 da cnbb
Doc 53 da cnbbDoc 53 da cnbb
Doc 53 da cnbb
 
Doutrina Da Igreja Modulo 2
Doutrina Da Igreja Modulo 2Doutrina Da Igreja Modulo 2
Doutrina Da Igreja Modulo 2
 
Testemunhos para ministros e obreiros evangélicos
Testemunhos para ministros e obreiros evangélicosTestemunhos para ministros e obreiros evangélicos
Testemunhos para ministros e obreiros evangélicos
 
Catecismo da-igreja-católica (1)
Catecismo da-igreja-católica (1)Catecismo da-igreja-católica (1)
Catecismo da-igreja-católica (1)
 
Catecismo católico completo
Catecismo católico completoCatecismo católico completo
Catecismo católico completo
 
Mudancas doutrina
Mudancas doutrinaMudancas doutrina
Mudancas doutrina
 
Apostila doutrina dos_apstolos 4
Apostila doutrina dos_apstolos 4Apostila doutrina dos_apstolos 4
Apostila doutrina dos_apstolos 4
 

Mais de Alberto Simonton

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
Alberto Simonton
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
Alberto Simonton
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
Alberto Simonton
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
Alberto Simonton
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Alberto Simonton
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
Alberto Simonton
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
Alberto Simonton
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
Alberto Simonton
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Alberto Simonton
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
Alberto Simonton
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
Alberto Simonton
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
Alberto Simonton
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
Alberto Simonton
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Alberto Simonton
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
Alberto Simonton
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
Alberto Simonton
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Alberto Simonton
 

Mais de Alberto Simonton (20)

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
 

Último

Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
Nilson Almeida
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
JaquelineSantosBasto
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdfA Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
André Luiz Marques
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 

Último (14)

Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
 
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdfA Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 

Estudo teológico sobre o Credo Apostólico

  • 1. INTRODUÇÃO Como todos nós cristãos temos conhecimento, cada denominação possui um conjunto de doutrinas ao qual julga como bíblico e verdadeiro. E pelo qual firma sua ética e crenças. A Igreja Presbiteriana do Brasil também possui suas doutrinas derivadas de nossa interpretação das Escrituras. Elas se encontram sistematizadas essencialmente em três documentos históricos denominados ―Símbolos de Westminster‖ (Confissão de Fé de Westminster, Catecismo Maior de Westminster, e Breve Catecismo de Westminster). Além destes documentos, a Igreja Presbiteriana do Brasil, como uma igreja protestante conservadora, também aceita o muito conhecido Credo Apostólico como afirmação de crenças fundamentais da fé cristã. Em questões de decisão doutrinária a IPB adota as doutrinas sistematizadas que se encontram nos Símbolos de Fé de Westminster, e não o Credo Apostólico. Contudo, nesta revista estudaremos mais pormenorizadamente o Credo Apostólico, devido ao fato de ele expressar as doutrinas fundamentais da fé cristã, e devido ao fato de que os documentos de Westminster serem bastante longos e de muito conteúdo, difícil de se expor por meio de uma revista teológica como esta. Sobre estes documentos damos simplesmente uma explicação introdutória para que os estudantes possam compreender mais a respeito deles. Porém, o estudo de seu conteúdo ficará por enquanto por conta de cada leitor individualmente. Mas apesar de serrem documentos diferentes, nossos estudos a respeito do Credo estão sendo interpretados de acordo com a visão dos Símbolos de Fé de Westminster. Ou seja, visto ―pelos olhos‖ da Confissão e dos Catecismos de
  • 2. 2 Westminster. Examinamos o Credo desta forma devido ao fato de que os Símbolos de Westminster conterem muito mais explicação e definição teológica do que no Credo. Sendo assim, eles podem explicar melhor, e mais profundamente, as afirmações gerais que o Credo faz. O Credo é mais sintetizado e superficial quanto as afirmações teológicas. De modo que, na Confissão de Fé e nos Catecismos de Westminster, nós podemos encontrar um ótimo comentário das doutrinas encontradas no Credo. Nosso desejo é que o leitor, ao ler doutrinas expostas no Credo, possam aprender, e entender, os pontos fundamentais do cristianismo ali declarados. Deus abençoe seus estudos! Pr. Alberto Simonton
  • 3. 3 Estudos TÍTULOS páginas Nº 1 HISTÓRIA, DIFERENÇAS E CARACTERÍSTICAS DO CREDO APOSTÓLICO, CONFISSÃO E CATECISMOS DE WESTMINSTER 05 Nº 2 ESTRUTURA, AUTORIDADE, IMPORTÂNCIA E UTILIDADE DO CREDO APOSTÓLICO, CONFISSÃO E CATECISMOS DE WESTMINSTER 10 Nº 3 “CREIO EM DEUS PAI TODO-PODEROSO...” (1º Seção) 19 Nº 4 “... CRIADOR DO CÉU E DA TERRA...” (1º Seção) 23 Nº 5 “CREIO EM JESUS CRISTO, SEU ÚNICO FILHO, NOSSO SENHOR...” (2ª Seção) 28 Nº 6 “... O QUAL FOI CONCEBIDO POR OBRA DO ESPÍRITO SANTO, NASCEU DA VIRGEM MARIA...” (2ª Seção) 32 Nº 7 “... PADECEU SOB O PODER DE PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO...” (2º Seção) 35 Nº 8 “... MORTO E SEPULTADO; DESCEU AO HADES...” (2º Seção) 38 Nº 9 “RESSURGIU DOS MORTOS AO TERCEIRO DIA; SUBIU AO CÉU; ESTÁ ASSENTADO À MÃO DIREITA DE DEUS PAI TODO-PODEROSO, DE ONDE HÁ DE VIR PARA JULGAR OS VIVOS E OS MORTOS.” (2º Seção) 40 Nº 10 “CREIO NO ESPÍRITO SANTO; NA SANTA IGREJA UNIVERSAL; NA COMUNHÃO DOS SANTOS...” (3º Seção) 45 Nº 11 “NA REMISSÃO DOS PECADOS; NA RESSURREIÇÃO DO CORPO; NA VIDA ETERNA. AMÉM.” (3º Seção) 49
  • 4. 4 HISTÓRIA, DIFERENÇAS E CARACTERÍSTICAS DO CREDO APOSTÓLICO, CONFISSÃO E CATECISMOS DE WESTMINSTER Introdução Em meio ao caos em que se encontram as igrejas protestantes de hoje, onde não há uma preocupação em ser fiel ao conteúdo das Escrituras, faz-se necessário prender-nos cada vez mais às doutrinas desenvolvida pela Igreja com o passar dos anos. Para isto, um bom caminho para nós reformados é voltar nossa atenção para o estudo do Credo Apostólico, da Confissão de Fé e dos Catecismos de Westminster, os quais adotamos como sendo fiéis ao ensino da Palavra de Deus. I - A HISTÓRIA DA CONFISSÃO E DOS CATECISMOS DE WESTMINSTER Os documentos que conhecemos hoje como Confissão de Fé de Westminster, Catecismo Maior de Westminster, e Breve Catecismo de Westminster, foram todos produzidos por uma assembléia convocada pelo Parlamento inglês para elaborar os princípios de governo, doutrina e culto que deviam reger as atividades religiosas na Inglaterra, Escócia e Irlanda. Esta Assembléia, constituída de clérigos anglicanos, congregacionais, independentes, batistas e presbiterianos, teve suas reuniões em uma das salas da Abadia de Westminster, na cidade de Londres na Inglaterra, no período que de 01/07/1643 a 22/02//1649. Durante esta Assembléia houve 1163 reuniões do plenário e centenas de reuniões de comissões e subcomissões. Nela ―trabalharam no texto da confissão 121 teólogos e 30 leigos nomeados pelo Parlamento (20 da Casa dos Comuns e 10 da Casa dos Lordes), 8 representantes escoceses‖.1 Foi um grande feito para as igrejas reformadas, e os documentos oriundos não foram de forma alguma produzidos de modo ―leviano‖. Muita responsabilidade e cuidado envolvia esta reunião: Os teólogos mais eruditos daquele tempo tomaram parte nos trabalhos da Assembléia. A Confissão de Fé e os Catecismos foram discutidos ponto por ponto, aproveitando-se o que havia de melhor nas Confissões já formuladas, e o resultado foi a organização de um sistema de doutrina cristã baseado na 1 http://www.teuministerio.com.br/BRSPIGBSDCMCMC /vsItemDisplay.dsp&objectID =C9F2EC3B-292E-4D9E- 853183986D1DC489&method=display. Acessado em 31.07.08.
  • 5. 5 Escritura e notável pela sua coerência em todas as suas partes.2 A Assembléia trabalhou muito, mas enfim, produziu vários materiais para usos eclesiásticos. Vejamos o que esta Assembléia produziu: Durante seus cinco anos e meio de atividade, a Assembléia de Westminster produziu os chamados Padrões Presbiterianos... Os Padrões Presbiterianos, na ordem em que foram concluídos pela Assembléia, são os seguintes: (a) Diretório do Culto Público a Deus: foi concluído em dezembro de 1644 e aprovado pelo Parlamento em janeiro de 1645. Substituiu o Livro de Oração Comum. (b) Forma de Governo Eclesiástico e Ordenação: foi concluída em novembro de 1644 e aprovada pelo Parlamento em 1648. Era uma forma presbiteriana de governo e substituiu o episcopalismo na Igreja da Inglaterra. (c) Confissão de Fé: foi concluída em dezembro de 1646 e aprovada pelo Parlamento em março de 1648. (d) Catecismos Maior e Breve: foram concluídos no final de 1647 e aprovados pelo Parlamento em setembro de 1648. (e) Saltério: versão métrica dos salmos para o culto; havia várias versões concorrentes, mas a de Francis Rous, membro do Parlamento e da Assembléia, foi finalmente aprovada em novembro de 1645, após uma extensa revisão. Foi aprovado pelo Parlamento no ano seguinte.3 Apesar a Igreja Presbiteriana do Brasil adotar alguns dos documentos Assembléia de Westminster (Confissão de Fé e Catecismos), o texto que ela adota hoje em dia não é o texto exato que foi produzido naquelas reuniões. Houve algumas modificações e acréscimos que passaremos a observar a seguir: No tempo em que se reuniu a Assembléia, e por muito tempo antes, todos sustentavam a necessidade da união da Igreja e do Estado, e originalmente havia no Capítulo que trata do Magistrado Civil uma seção ensinando essa necessidade. Ao formar-se a Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos da América do Norte, em 1788, essa seção foi omitida, pois ali quase todos entendiam que a Igreja devia 2 J.M.K, Confissão de Fé e Catecismo Maior da Igreja Presbiteriana. Cambuci, Cultura Cristã, 1987. 3 Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 17/07/07.
  • 6. 6 estar livre de toda união com o Estado, sendo ambos livres e independentes na esfera que lhes pertence. Em 1887, ou quase cem anos mais tarde, a Igreja geralmente chamada Igreja do Norte eliminou a última parte da Seção IV do Capítulo XXIV, que dizia: "O viúvo não pode desposar nenhuma parente carnal de sua mulher nos graus de parentesco em que não possa desposar uma das suas próprias parentes, nem a viúva poderá casar-se com um parente carnal de seu marido nos graus de parentesco em que não possa casar-se com um de seus próprios parentes". O Sínodo do Brasil organizado em 1888, fez igual eliminação. No ano 1903 a mesma Igreja do Norte dos Estados Unidos fez outras emendas mais importantes que, por serem de interesse geral, ficam aqui registradas. As duas Seções que foram modificadas, rezam do modo seguinte: CAPÍTULO XVI, SEÇÃO VII: ―As obras feitas pelos não regenerados, embora sejam quanto à matéria. coisas que Deus ordena e em si mesmas louváveis e úteis, e embora o negligenciá-las seja pecaminoso e ofensivo a Deus, não obstante, em razão, de não procederem de um coração purificado pela fé, elas não são feitas devidamente - segundo a Palavra - nem para um fim justo - a glória de Deus - ficam aquém do que Deus exige e não podem preparar homem algum para receber a graça de Deus.‖ CAPÍTULO XXV, SEÇÃO VI: “Nosso Senhor Jesus Cristo é o único Cabeça da Igreja, e a pretensão de qualquer homem ser vigário de Cristo e cabeça da Igreja, é contrária à Escritura nem tem base alguma na História e é uma usurpação que desonra a nosso Senhor Jesus Cristo.‖4 Além destas modificações, também foi realizado um acréscimo de mais dois Capítulos à Confissão de Fé pela Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos da América (a Igreja do Norte) em 1903: Capítulo XXXIV - DO ESPÍRITO SANTO; Capítulo XXXV - DO AMOR DE DEUS E DAS MISSÕES. II - A HISTÓRIA DO CREDO APOSTÓLICO Apesar de muitos acharem que o Credo Apostólico é parte da crença e prática exclusivamente da Igreja Apostólica Romana, isto não é verdade. As cláusulas que o 4 J.M.K, Confissão de Fé e Catecismo Maior da Igreja Presbiteriana.
  • 7. 7 constituem foram aceitas até mesmo pelos Reformadores. Este Credo não pertence à igreja Católica, mas expressa doutrinas universalmente cristãs. O fato de ser chamado de ―apostólico‖ não tem a ver com a Igreja Católica, antes, ―ele é chamado Apostólico por incluir ensinamentos que a Igreja abraça desde os tempos apostólicos.‖5 Alguns até mesmo chegaram a pensar que esta declaração veio realmente dos Apóstolos de Cristo. Porém, isto não é verdade: ―... Há também quem suponha que o credo apostólico foi escrito pelos apóstolos. Aliás, já uma lenda do quarto século afirmava isso, acrescentando que cada um escrevera uma cláusula. O fato, porém, é que o credo não possui doze cláusulas. Mesmo assim a lenda continuou na moda até o século 15.‖6 Na verdade este Credo tem sua origem não de um texto produzido pelos apóstolos, mas ―segundo alguns historiadores o credo apostólico surgiu a partir de um outro, conhecido como Antigo Credo Romano, do segundo século.‖7 Como podemos perceber, a origem do Credo Apostólico é diferente da origem da Confissão e dos Catecismos de Westminster. Enquanto estes foram elaborados e aprovados por uma Assembléia constituída por clérigos, ―o Credo Apostólico não foi escrito nem aprovado por algum concílio eclesiástico num tempo específico. Antes, ele tomou forma de modo gradual desde cerca de 200 d.C até 750 d.C.‖8 Ele ―não surgiu do dia para a noite e nem teve data de lançamento marcada com antecedência.‖9 III - AS CARACTERÍSTICAS DIVERGENTES DO CREDO, CONFISSÃO E CATECISMOS A história da Igreja demonstra que sempre houve a necessidade de se estabelecer as verdades contidas nas Escrituras contra as heresias que surgem constantemente. Daí surgiram os Credos e Confissões. Dos credos existentes falaremos somente do Credo dos Apóstolos. E das Confissões que foram produzidas, nós vamos falar somente da Confissão e dos Catecismos formulados em Westminster, visto que estes é que foram adotados pela Igreja Presbiteriana do Brasil. Mesmo sendo útil á Igreja do Senhor, os credos, Confissões e Catecismos possuem cada um suas características peculiares. Ou seja, tanto os Credos são diferentes das Confissões, quanto as Confissões são diferentes dos Catecismos. Todavia, sem prejuízo de conteúdo, ou contradições de doutrinas. 5 Declaração de Fé in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, 06. 6 Credo Apostólico – Creio na santa Igreja universal in Revista História da Igreja – Os Primeiros Séculos. São Paulo, Cultura Cristã, p 61. 7 Credo Apostólico – Creio na santa Igreja universal in Revista História da Igreja – Os Primeiros Séculos. São Paulo, Cultura Cristã, p 61. 8 Wayne A. Grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 489. 9 Credo Apostólico – Creio na santa Igreja universal in Revista História da Igreja – Os Primeiros Séculos. São Paulo, Cultura Cristã, p 61.
  • 8. 8 Devido ao fato de nosso estudo se deter no Credo dos Apóstolos e na Confissão de Fé de Westminster, observemos as diferenças que estes contém. ―O Credo é a fórmula de uma fé pessoal e principia com a palavra ―Creio‖. A Confissão de Fé de Westminster segue o plano adotado no tempo da Reforma, é mais elaborada e apresenta um pequeno sistema de teologia.‖10 O conteúdo do Credo Apostólico é muito resumido em seus tópicos, e desprovido de detalhes. Enquanto o texto da Confissão de Fé é bem mais longo e elaborado, dificultando possíveis más interpretações, ou afirmações heréticas: ―Através da História, na medida em que as heresias se tornaram mais numerosas e complexas, as declarações confessionais da Igreja se tornaram mais elaboradas. As declarações doutrinárias ficaram mais detalhadas para lidarem efetivamente com as sutis artimanhas dos heréticos.‖11 Os Catecismos por sua vez são elaborados não para declarar a fé (como no caso do Credo e da Confissão), mas foram construídos especialmente para a instrução. Neste caso, seu texto não contém afirmações teológicas, mas sim, perguntas relacionadas às doutrinas confessionais. Evidentemente, todas as respostas do Catecismo maior e do Breve Catecismo concordam com as doutrinas declaradas na Confissão de Fé. 10 J.M.K, Confissão de Fé e Catecismo Maior da Igreja Presbiteriana. Cambuci, Cultura Cristã, 1987. 11 Kevin Reed, Governo Bíblico de Igreja. São Paulo, Os Puritanos, 2002, p 48.
  • 9. 9 ESTRUTURA, AUTORIDADE, IMPORTÂNCIA E UTILIDADE DO CREDO APOSTÓLICO, CONFISSÃO E CATECISMOS DE WESTMINSTER I - A ESTRUTURA PECULIAR DESTES DOCUMENTOS HISTÓRICOS A Confissão de Fé de Westminster A Confissão de Fé é estruturada de seguinte forma: Capítulos e Seções. Cada capítulo fala de um tema específico da teologia. E cada Seção declara algum aspecto deste tema. Todo o texto da Confissão vem na forma de afirmação, pois a Confissão tem o propósito de afirmar as doutrinas oriundas da Bíblia: A Confissão de Fé pode ser considerada um pequeno manual de teologia bíblica. Seus 33 capítulos abordam os temas mais importantes da teologia cristã, conforme segue: a doutrina da Escritura Sagrada – cap. 1; a doutrina de Deus (ser e obras) – caps. 2-5; a doutrina do homem e da redenção – caps. 6-9; a doutrina da aplicação da salvação – caps. 10-15; a doutrina da vida cristã – caps. 16-19; a doutrina do cristão na sociedade – caps. 20-24; a doutrina da igreja – caps. 25-31; e a doutrina das últimas coisas – caps. 32-33.12 A Confissão de Fé de Westminster tem seu conteúdo distribuído na ordem de temas que seguem abaixo: 12 Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 17/07/07.
  • 10. 10 Catecismo Maior e o Breve Catecismo de Westminster O Catecismo Maior de Westminster é estruturado de forma diferente da Confissão de Fé. A Confissão de Fé é constituída de declarações teológicas para afirmação de doutrinas, o Catecismo Maior é constituído de perguntas e respostas que 13 Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 17/07/07. A Doutrina das Escrituras Cap.1 - Da Escritura Sagrada A Doutrina do Cristão na Sociedade Cap.22 - Dos Juramentos Legais e dos Votos Cap.23 - Do Magistrado Civil Cap.24 - Do Matrimônio e do Divórcio A Doutrina de Deus (Ser e Obras) Cap.2 - De Deus e da Santíssima Trindade Cap.3 - Dos Decretos Eternos de Deus Cap.4 - Da Criação Cap.5 - Da Providência A Doutrina da Igreja Cap.25 - Da Igreja Cap.26 - Da Comunhão dos Santos Cap.27 - Dos Sacramentos Cap.28 - Do Batismo Cap.29 - Da Ceia do Senhor Cap.30 - Das Censuras Eclesiásticas Cap.31 - Dos Sínodos e dos Concílios A Doutrina da Salvação (Objetiva) Cap.6 - Da Queda do Homem, do Pecado e do seu Castigo Cap.7 - Do Pacto de Deus com o Homem Cap.8 - De Cristo o Mediador Cap.9 - Do Livre Arbítrio A Doutrina das Últimas Coisas Cap.32 - Do Estado do Homem depois da Morte e da Ressurreição dos Mortos Cap.33 - Do Juízo Final A Doutrina da Salvação (Subjetiva) Cap.10 - Da Vocação Eficaz Cap.11 - Da Justificação Cap.12 - Da Adoção Cap.13 - Da Santificação Cap.14 - Da Fé Salvadora Cap.15 - Do Arrependimento para a Vida Cap.16 - Das Boas Obras Cap.17 - Da Perseverança dos Santos Cap.18 - Da Certeza da Graça e da Salvação Apêndice Cap.34 - Do Espírito Santo Cap.35 - Do Amor de Deus13 A Doutrina da Vida Cristã Cap.19 - Da Lei de Deus Cap.20 - Da Liberdade Cristã Cap.21 - Do Culto Religioso e do Domingo
  • 11. 11 visam o fácil aprendizado das doutrinas da Confissão de Fé. Ou seja, ele foi feito ―para servir à instrução geral do povo de Deus, dentro do sistema de teologia apresentado pela Confissão de Westminster.‖14 O Catecismo facilita a memorização do conteúdo da Confissão de Fé. Estamos certos de que muitos dos membros da Igreja Presbiteriana do Brasil nem sequer pegaram em um dos Catecismos adotados pela nossa igreja. Por isto estamos apresentando, de uma maneira sucinta, um esboço do conteúdo do Catecismo Maior de Westminster a fim de facilitar o uso dele pelo cristão inexperiente: 1ª parte: - Da finalidade do homem - Da existência de Deus - Da origem e veracidade das Escrituras O que se deve crer 2ª parte - O que o homem deve crer sobre Deus 3ª parte - Tendo em vista o que as Escrituras principalmente nos ensinam a crer a respeito de Deus, resta-nos considerar o que elas requerem do homem como seu dever O que se deve fazer Para facilitar ainda mais o manuseio deste material, apresentamos um pequeno esboço do conteúdo do Catecismo Maior de Westminster demonstrando alguns temas principais relacionados às suas respectivas perguntas: 14 Marra; editor, O Catecismo Maior de Westminster, p III.
  • 12. 12 Número das perguntas 1ª Parte Finalidade do Homem 01 Existência de Deus 02 Origem e Veracidade das Escrituras 3-5 2ª Parte O Ser de Deus 6-11 Decretos de Deus 12-20 Pecado 21-29; 152 Pactos (Pacto das Obras e Pacto da Graça) 30-35 Cristo 36-60 Igreja 61-65 Salvação 66-83/153 Estado Intermediário 84-86 Escatologia15 87-90 3ª Parte Lei Moral 91-99; 149-151 Os Dez Mandamentos 100-152 Meios de Graça 154-160 Sacramentos 161-163; 176- 177 Batismo 165-167 Ceia do Senhor 168-177 Oração 178-196 Quanto ao Breve Catecismo de Westminster, a sua estrutura é semelhante à do Catecismo Maior, possuindo poucas diferenças. Ele ―possui 107 perguntas e respostas, sintetizando os pontos mais importantes dos documentos maiores. Inclui uma abordagem detalhada dos Dez Mandamentos (perguntas 41-81)‖.16 Seu texto é mais simplificado, e seu conteúdo é menor. Credo Apostólico A estrutura do Credo Apostólico segue uma divisão simples, no qual suas seções falam de assuntos distintos. De certa forma o conteúdo de cada seção do Credo diz respeito a uma das Pessoas da Trindade. A 1° seção fala a cerca da Pai, a 2° seção 15 Escatologia tem como conteúdo as doutrinas das últimas coisas a acontecerem segundo os propósitos e decretos divinos. 16 Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 17/07/07.
  • 13. 13 fala acerca do Filho, e a 3° seção acerca do Espírito Santo – se bem que a 3° seção também fala de outras doutrinas essenciais do cristianismo. Observemos abaixo: Seções Declarações 1° seção Creio em Deus Pai Todo-Poderoso, Criador do céu e da terra. 2° seção Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da Virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu ao Hades; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao céu; está assentado à mão direita de Deus Pai Todo-Poderoso, de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos. 3° seção Creio no Espírito Santo; na santa Igreja universal; na comunhão dos santos; na remissão dos pecados; na ressurreição do corpo; na vida eterna. Amém. II - A AUTORIDADE DESTES DOCUMENTOS TEOLÓGICOS HISTÓRICOS Que a Confissão de Westminster, seus Catecismos e o Credo Apostólico são úteis muitos podem até concordar. Mas até que ponto eles têm autoridade sobre os cristãos? E se a Bíblia é nossa única regra de fé e prática, por que utilizamos a Confissão, os Catecismos e o Credo? Bom, certamente que a bíblia é nossa única regra de fé e prática, mas esta verdade não impede o uso destes documentos: Pessoas há que estranham adotar a Igreja Presbiteriana uma Confissão de Fé e Catecismo como regra de fé, quando sustenta sempre ser a Escritura Sagrada sua única regra de fé e de prática. A incoerência é apenas aparente. A Igreja Presbiteriana coloca a Bíblia em primeiro lugar. É ela só que deve obrigar a consciência.17 E quanto à questão de quanto de autoridade a Confissão de Fé e os Catecismos Maior e Breve possuem, podemos dizer que eles possuem uma 17 Ibid.
  • 14. 14 autoridade indireta e subordinada. Não é uma autoridade absoluta sobre os cristãos, mas uma autoridade baseada na Escritura. Ou seja, devido ao fato de as doutrinas da Confissão e dos Catecismos estarem inteiramente fundamentadas na Bíblia, isto faz deles documentos que possuem uma autoridade relativa sobre os cristãos: Ainda outro princípio da mesma Igreja é que os concílios, sendo compostos de homens falíveis, podem errar, e muitas vezes têm errado. Suas decisões, portanto, não podem ser recebidas como regra absoluta e primária de fé e prática; servem somente para ajudar na crença ou na conduta que se deve adotar. O supremo juiz de todas as controvérsias, em matéria religiosa, é o Espírito Santo falando na e pela Escritura. Por esta, pois, devem-se julgar toda e qualquer decisão dos concílios e toda e qualquer doutrina ensinada por homens. Admitir-se a falibilidade dos concílios não é depreciar a autoridade da Confissão de Fé e dos Catecismos para aqueles que de livre vontade os aceitem. Admitindo tal, a Igreja somente declara que depende do Autor da Escritura, e recebe a direção do seu Espírito na interpretação da Palavra e nas fórmulas de aplicar suas doutrinas. A Igreja Presbiteriana sustenta que a Escritura é a suprema e infalível regra de fé e prática; e também que a Confissão de Fé e os Catecismos contêm o sistema de doutrina ensinado na Escritura e dela deriva toda a sua autoridade e a ela tudo se subordina. É justamente porque cremos que a Confissão de Fé e os Catecismos estão em harmonia com a Escritura, nossa regra infalível, que os aceitamos.18 Resumindo, a Confissão de Fé e os Catecismos não possuem autoridade por si mesmos. Contudo, devido à sua fiel exposição das doutrinas bíblicas, isto faz com que o aceitemos a eles nos submetamos; e isto, não de maneira última e irrevogável, mas consciente que estes documentos são falhos e são fruto da interpretação falível dos homens. Além disto, a igreja não impõe sobre os crentes as declarações de fé contidas nestes documentos, por isto, somente quem entende ser estes documentos fiéis ao ensino bíblico é que se submete às suas declarações. Portanto, se alguém não concorda com as doutrinas ali inseridas, deve procurar uma confissão na qual possa aceitar com fé. Ninguém deve contradizer sua própria consciência, mas andar de acordo com ela. 18 J.M.K., Confissão de Fé e Catecismo Maior da Igreja Presbiteriana.
  • 15. 15 III - A IMPORTÂNCIA E UTILIDADE DO CREDO E DAS CONFISSÕES Como vimos anteriormente, os credos, confissões e catecismos da Igreja são resultado de reflexão teológica que ela exercitou durante anos. Estes documentos são importantes não por causa de sua antiguidade, servindo simplesmente aos interesses da história da Igreja. Sua importância se deve a outras razões mais relevantes. Vejamos alguns elementos que demonstram a importância e o valor dos credos: 1. Facilitam a confissão pública de nossa fé. 2. Oferecem de forma abreviada o resultado de um processo cumulativo da história, reunindo as melhores contribuições de servos de Deus na compreensão da verdade. A ciência não é privilégio de um povo ou de um indivíduo. Todo cientista usando a figura de João de Salisbury (c. 1110-1180) equivale a um anão nos ombros de gigantes, valendo-se das contribuições dos predecessores, a fim de poder enxergar um pouco além deles. Podemos aplicar essa figura à teologia e à tradição, como o fez J. I. Packer: ―A tradição nos permite ficar sobre os ombros de muitos gigantes que pensaram sobre a Bíblia antes de nós. Podemos concluir pelo consenso do maior e mais amplo corpo de pensadores cristãos, desde os primeiros pais até o presente, como recurso valioso para compreender a Bíblia com responsabilidade. Contudo, tais interpretações (tradições) jamais serão finais; precisam sempre ser submetidas às Escrituras para mais revisão‖. 3. São uma exigência natural da própria unidade da Igreja, que exige acordo doutrinário (Ef 4:11-14; Fp 1:27; 1Co 1:10; Jd 3; Tt 3:10; Gl 1:8-9; 1Tm 6:3-5). 4. Visto que o cristianismo é um modo de vida fundamentado na doutrina, os credos oferecem uma base sintetizada para o ensino das doutrinas bíblicas, facilitando sua compreensão, a fim de que os cristãos sejam habilitados para a obra de Deus. 5. Preservam a doutrina bíblica das heresias surgidas no decorrer da história, revelando-se de grande utilidade, especialmente nas questões controvertidas, dando-nos uma exposição sistemática e norteadora a respeito do assunto. 6. No que se refere à compreensão bíblica, permitem distinguir nossas igrejas das demais. 7. Servem de elemento regulador do ensino ministrado na Igreja, bem como de seu governo, disciplina e liturgia. James Orr (1844-1913), na obra-prima O progresso do dogma, disse: ".... A idade da Reforma se destacou por sua produtividade de credos. Faremos bem se não menosprezarmos o ganho que resulta para nós destas criações do espírito do século XVI. 8. Servem de desafio para que continuemos a caminhada na preservação da doutrina e na aplicação das verdades bíblicas aos novos desafios de nossa geração, integrando-nos à nobre sucessão dos que amam a Deus e sua Palavra e que buscam entendê-la e aplicá-la, em submissão ao Espírito, à vida da Igreja.
  • 16. 16 Uma tradição saudável tem compromisso com o passado na geração do futuro.19 Se mesmo depois destas razões acima expostas que atestam a importância dos credos, confissões, e catecismos, ainda surgir dúvidas na mente dos crentes, podemos complementar com as palavras abaixo: Para que então os credos, se temos a Bíblia? O dr. A. A. Hodge (1823-1886) apresenta relevante observação: Todos os que estudam a Bíblia fazem isso necessariamente no próprio processo de compreender e coordenar seu ensino; e pela linguagem de que os sérios estudantes da Bíblia se servem em suas orações e outros atos de culto, e na sua ordinária conversação religiosa, todos tornam manifesto que, de um ou outro modo, acharam nas Escrituras um sistema de fé tão completo como no caso de cada um deles lhe foi possível. Se os homens recusarem o auxílio oferecido pelas exposições de doutrinas elaboradas e definidas vagarosamente pela Igreja, cada um terá de elaborar o próprio credo, sem auxílio e confiando apenas na sua sabedoria. A questão real entre a Igreja e os impugnadores de credos humanos não é, como eles muitas vezes dizem, uma questão entre a Palavra de Deus e os credos dos homens, mas é questão entre a fé provada do corpo coletivo do povo de Deus e o juízo privado e a sabedoria não auxiliada do objetor individual.20 É claro que estes documentos são de muita utilidade para os cristãos. O cristão deve buscar uma igreja que seja totalmente bíblica em suas doutrinas. Sendo assim, os Credos e Confissões históricas servem para demonstrar quem realmente está andando de conformidade com as Escrituras Sagradas. Quer dizer, uma Confissão ou Credo, demonstra como determinada denominação interpreta a Bíblia. Vejamos o que afirma Kevin Reed em seu livro Governo Bíblico de Igreja: Os credos são também um resultado do crescimento do ministério de ensino da igreja. Não que um credo usurpe o papel da Bíblia, pois esta permanece como única regra de fé e prática. Mas como muitas seitas alegam ser as detentoras da autoridade da Bíblia, um credo é de suma importância para 19 http://www.teuministerio.com.br/BRSPIGBSDCMCMC /vsItemDisplay.dsp&objectID =C9F2EC3B-292E-4D9E- 853183986D1DC489&method=display. Acessado em 31.07.08. 20 http://www.teuministerio.com.br/BRSPIGBSDCMCMC /vsItemDisplay.dsp&objectID =C9F2EC3B-292E-4D9E- 853183986D1DC489&method=display. Acessado em 31.07.08.
  • 17. 17 revelar como uma igreja em particular entende as Escrituras.21 Ora, visto que as doutrinas só podem ser retiradas da Revelação escrita do Senhor (a Bíblia), e visto também que muitas igrejas têm surgido a cada dia trazendo ―novas doutrinas‖ ao povo, nada melhor do que observar as Confissão ou Credo destas igrejas a fim de verificar se estão interpretando corretamente a Bíblia ou simplesmente ―criando doutrinas‖. O valor das Confissões é incalculável. São anos de teologia resultante da Iluminação do Espírito Santo sobre a Igreja até que fossem registradas em umas poucas linhas. Um aspecto importante que deve ser aprendido é que a Bíblia ensina o governo da Igreja por presbíteros (pastores). Eles são responsáveis pela doutrina, governo e liturgia da Igreja. Logo, as Confissões, Credos, e Catecismos elaborados por eles devem ser seguidos.Observando-se evidentemente sua fidelidade às Escrituras. Talvez surja em nossa mente a dúvida: Por que razão deveríamos adotar uma Confissão de Fé destes teólogos lá da Europa? Acaso não temos nossos próprios teólogos no Brasil, e ainda por cima, teólogos que estão vivendo hoje e não os teólogos do século dezessete? Certamente que temos teólogos capazes de elaborar uma Confissão para nós hoje, entretanto, a Confissão de Fé de Westminster está tão bem escrita, tão bem elaborada, e tão suficientemente bíblica, que não tem sentido algum fazer uma Confissão hoje com as mesmas declarações que eles fizeram. O método de interpretação que eles usaram é o mesmo que o nosso, e, portanto, as doutrinas que eles afirmaram continuam sendo afirmadas ainda hoje por nós. Uma verdade que jamais devemos esquecer é que as Confissões são úteis, mas não são a fonte primária das doutrinas. Nossa fonte primária continua sendo a Bíblia. A Confissão de Fé e os Catecismos Maior e Breve são apenas declarações sistemáticas de doutrinas: A Igreja Presbiteriana do Brasil adota, como exposição das doutrinas bíblicas, a Confissão de Fe de Westminster, o Catecismo Maior e o Catecismo Menor ou Breve Catecismo. Nossa única regra de fé e prática é a Bíblia Sagrada. Mas, em virtude de a Bíblia não trazer as doutrinas já sistematizadas, adotamos a Confissão de Fé e os Catecismos como exposição do sistema de doutrinas ensinadas na Escritura.22 21 Ibid., p 49. 22 Ibid. p 72.
  • 18. 18 “CREIO EM DEUS PAI TODO-PODEROSO...” (1º Seção) Introdução Ao iniciarmos nosso estudo do Credo Apostólico é preciso que tenhamos em mente o que a palavra Credo significa. Esta palavra deriva-se do latim credo, e seu significado é ―creio‖. 23 Como podemos ver, o Credo expressa uma declaração de fé pessoal em pontos doutrinários. Ora, qualquer pessoa religiosa crê em alguma coisa, pois a essência da religião pressupõe algum conteúdo de fé. As declarações contidas no Credo Apostólico vão então expressar o conteúdo teológico básico do cristianismo, o qual todo crente protestante deve acatar pela fé. Todavia, precisamos esclarecer a esta altura o que é fé, com o propósito de não termos nenhum ―mal entendido‖. Muitos têm a opinião que afirmar que seja verdade estes pontos de doutrina encontrados no Credo já é suficiente. Contudo, não é isto que se espera dos cristãos. As Escrituras não somente ordena a afirmação externa de doutrinas como verdadeiras, a Bíblia ordena convicção interior acompanhada de mudança de vida (Jo 8:30, 31). ―Até mesmo os demônios acreditam em Deus, conforme Tiago 2:19. Porém, a diferença é que os crentes confiam em Deus e o servem, enquanto os demônios apenas acreditam na existência de Deus.‖24 Sendo assim, podemos agora iniciar o nosso estudo compreendendo que as afirmações do Credo, antes de ser somente meras doutrinas, são as verdades de Deus as quais devemos crer e ser o fundamento da nossa vida. Creio em DEUS... Como não poderia ser diferente, a primeira afirmação do Credo é sobre Deus. Nada mais compreensível, já que ―sem fé é impossível agradar a Deus‖(Hb 11:6). Esta declaração inicial é um cheque-mate em dois comportamentos corruptos dos ímpios: O Ateísmo e o Politeísmo. O Ateísmo é a insistente negação da existência de Deus por parte do homem. Apesar do testemunho que Deus dá de Si mesmo na natureza (Sl 19:1; At 14:17; Rm 1:19-23) e na consciência (Rm 2:14, 15), o homem procura negar a Sua existência, tentando explicar tudo que existe e acontece através da ciência ou da filosofia. O Politeísmo é a crença na existência de vários deuses. Há religiões que adoram até mesmo animais. Esta prática pecaminosa já ocorreu muitas vezes no 23 G.W. Bromiley, ―Credo, Credos” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. Walter A. Elwell, editor. São Paulo, Vida Nova, 2009, p 365. 24 Anderson Sathler, ―Deus Pai, Todo-Poderoso” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/99, p 4.
  • 19. 19 passado, e ainda persiste nos dias de hoje. O Supremo ser do universo não seria um só, porém muitos, e dos mais variados tipos. Ao afirmar ―creio em Deus...‖ o Credo rejeita abertamente estes dois comportamentos corruptos e degradantes da humanidade decaída. Se alguém diz ser cristão, ele necessita crer na existência de Deus. Além disto, necessita crer também que só existe um deus, e não muitos. Ora, crer em Deus é a base da religião cristã. Sem Deus, não haveria religião. Creio em Deus PAI... A primeira afirmação que o Credo Apostólico faz acerca de Deus é sobre sua paternidade. Deus não somente é nosso Deus, Ele nos concedeu entrar em sua família (Ef 2:19); ser honrados a tal ponto de sermos chamados ―filhos de Deus‖ (1Jo 3:1). Assim, quem crer verdaderiamente em Deus de coração, também aceita a verdade da adoção dos eleitos. A Confissão de Fé de Westminster também fala acerca da doutrina da adoção em seu Capítulo XII – DA ADOÇÃO: Seção I – ―A todos os que são justificados, Deus se digna fazer participantes da graça da adoção em e por seu único Filho Jesus Cristo. Por essa graça, eles são recebidos no número e gozam a liberdade e privilégios dos filhos de Deus, têm sobre si o nome dele, recebem o Espírito de adoção, têm acesso, com ousadia, ao trono da graça, e são habilitados a clamar: "Abba, Pai"; são tratados com piedade, protegidos, providos e corrigidos por ele, como por um pai; nunca, porém, abandonados, mas selados para o dia de redenção, e recebem as promessas como herdeiros da eterna salvação.‖ Desta doutrina da adoção podemos tirar conseqüentemente as seguintes verdades: 1. Presença e providência A partir do momento em que Deus se torna nosso Pai Ele está conosco em todo o tempo. Sjea nas horas difícies ou na bonança. Seja na dor ou na alegria. Deus é o Emanuel – ―Deus conosco‖. Além disto, Deus como um Pai amoroso está constantemente cuidando de seus filhos. ―Deus não só está ao nosso lado, como também cuida de nós, tomando todas as providências necessárias para o nosso bem. Foi o que Jesus ensinou (Mt 6:25-34). Deus cuida de todos os seres que criou, mas tem especial carinho para com os seus filhos.‖25 25 ―Deus, o Pai Onipotente” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, s/d, p 8.
  • 20. 20 2. Disciplina Paterna Além do sustento diário e da proteção divina, Deus igualmente cuida dos seus filhos no sentido espiritual. Seu amor é dispensado quando Ele os corrige para crescimento em santidade. ―Deus, como Pai que está interessado no bem-estar de seus filhos, toma todas as providências necessárias para o bem dos que ama, inclusive as de ordem disciplinar. É isso que aprendemos em Hb 12:4-11.‖26 A disciplina pode parecer dura e dolorosa às vezes, mais é prova do amor e cuidado divino. Sabemos que a adoção é um grande privilégio concedido por Deus, e que traz consigo grandes bênçãos. Contudo, é necessário definir agora quem é alvo desta adoção. Ou seja, quem se torna filho de Deus? Como alguém pode será dotado por deus? As Escrituras afirmam que para alguém se tornar filho de Deus é necessário que creia em Jesus (Jo 1:12). Como vimos no texto da Confissão de Fé acima citado: “A todos os que são justificados, Deus se digna fazer participantes da graça da adoção em e por seu único Filho Jesus Cristo...” Portanto, para ser participantes da adoção é necessário que o pecador seja justificado, e para ser justificado, é preciso crer em Jesus (Gl 2:16). Assim, quem quiser fazer parte da família de Deus, e tornar-se filho de Deus, deve crer em Jesus. Creio em Deus Pai TODO-PODEROSO... Quando se analisa o Credo Apostólico percebe-se que ele faz três afirmações acerca da 1° Pessoa da Trindade: 1ª- Que Ele é pai; 2ª- Que Ele é Todo-Poderoso; 3ª- Que Ele é Criador. Contudo, destas afirmações, somente 1ª delas é um atributo divino. O atributo da Onipotência. Masa o que é um atributo divino? Ao falar em atributo divino nós estamos falando das características essenciais do Ser de Deus. São qualidades inerentes ao Ser de Deus. Pois bem, no caso do Credo temos afirmado que Deus é onipotente (Todo-Poderoso). Sendo assim, ―a onipotência é um atributo de Deus e o único citado no Credo dos Apóstolos.‖27 Podemos conceituar este atributo divino da seguinte maneira: ―A onipotência é o atributo de Deus que lhe permite fazer tudo o que for da sua santa vontade. A palavra onipotência vem de dois termos latinos, omni, ―todo‖, e potens, ―poderoso‖, significando portanto ―todo- poderoso‖.28 Um esclarecimento precisa ser dado a esta altura. Muitos pensam, erroneamente, que a Onipotência divina o faz ser capaz de fazer absolutamente tudo. 26 Ibid, p 8. 27 Anderson Sathler, ―Deus Pai, Todo-Poderoso” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/99, p 5. 28 Wayne A. Grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 159.
  • 21. 21 Isto não é verdade de acordo com os dados das Escrituras. Deus é ―capaz de fazer tudo que não fosse contrário à sua natureza.‖29 Observemos a explicação que se segue: ―Há muitas coisas que Deus não pode fazer. Ele não pode mentir, pecar, mudar, e não pode negar-se a Si próprio, Nm 23:19; 1Sm 15:29; 2Tm 2:13; Hb 6:18; Tg 1:13, 17. Não há poder absoluto nele, divorciado de Suas perfeições, e em virtude do qual Ele pudesse fazer todo tipo de coisas inerentemente contraditórias entre si.‖30 Evidentemente que este atributo não foi inventado pelos homens e posto no Credo dos Apóstolos, e nem foi descoberto recentemente. Já nas Escrituras vemos várias afirmações da Onipotência divina. ―No Antigo Testamento há vários nomes na língua hebraica para Deus, dos quais se destaca: ―El Shadai‖, que significa ―Deus Todo- Poderoso‖.31 (Gn 17:1; Ex 6:3; Jó 9:12; Sl 115:3; Jr 32:17; Mt 19:26; Lc 1:37; Rm 1:20; Ef 1:19; Ef 3:20; 2Co 6:18; Ap 1:8) 29 ―Deus, o Pai Onipotente” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, s/d, p 7. 30 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 83. 31 Anderson Sathler, ―Deus Pai, Todo-Poderoso” in Revista Em que cremos?, p 4.
  • 22. 22 “... CRIADOR DO CÉU E DA TERRA...” (1º Seção) Introdução Continuando a primeira Seção do Credo, temos agora a afirmação de que o Deus em quem cremos além de ser Pai e Todo-Poderoso, Ele é também Criador. Certamente que diante das muitas religiões que afirmam o contrário sobre a origem do universo, é preciso declarar o que diz a fé cristã sobre o assunto. Deus criou tudo que existe Quando falamos que Deus é o Criador não abrange tudo o que a Bíblia diz a respeito deste assunto. Alguém poderia questionar, a afirmar que há coisas as quais Deus não criou. Por exemplo, alguns cientistas afirmam que a matéria é eterna. E assim, poderiam afirmar que deus criou no sentido de que Ele deu forma, organizou, construiu... e não no sentido de ter feito tudo que existe. Ao olhar a afirmação do Credo vemos que ele diz que ―Deus é o Criador de todas as coisas, céus e terra, termos que têm sido aceitos para denominar todo o Universo.‖32 Portanto, esta afirmação destrói toda idéia de que exista algo não criado pelo Senhor. A Bíblia, em suas afirmações, não deixam a entender que Deus teha utilizado algum material preexistente. A teologia entende que quando diz que Deus ―criou‖ em (Gn 1) está afirmando que Ele criou ―do nada‖ (Sl 33:6, 9; 148:5; Hb 11:3). Só Deus existe eternamente. Deste modo podemos crer com certeza que Deus criou todas as coisas materiais (Gn 1:31) e todos os seres imateriais (Cl 1:16). Apesar de fundamentada nas Escrituras, a doutrina da Criação foi desafiada pela Teoria da Evolução, a qual contradiz as declarações bíblicas a respeito da Criação. E além de ser contrária às verdades bíblicas, esta Teoria não pode ser aceita como verdade por também não conter bases científicas comprovadas e verdadeiras. Vejamos abaixo alguns fatores que destronam a Teoria da Evolução sem utilizar argumentos bíblicos: 1. Teoria, sim, e não Lei. A mutação de uma espécie para outra nunca foi repetida em laboratório. 2. Segundo a Bíblia, Deus criou os seres vegetais ou animais segundo a sua espécie. Pode haver desenvolvimento ou evolução dentro de cada espécie, mas não de uma espécie para outra. 32 “Deus, o Criador” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, s/d, p 9.
  • 23. 23 3. A seleção natural exigiria um número infinito de formas intermediárias entre duas espécies. A maioria dos fósseis, no entanto, revela apenas formas distintas, acabadas. Falta, não o elo perdido. Faltam infinitos elos. 4. A evolução que produz desenvolvimento não é a lei universal da biologia. A evolução observável produz deterioração ou degeneração.33 A Teoria da Evolução quis explicar a Criação por meios científicos. Todavia, não precisamos de ciência para aceitar a doutrina da Criação, pois esta é percebida, e aceita, pela fé (Hb 11:1-3). Este texto de Hebreus não implica dizer que entendemos de modo científico, ou lógico a criação. ―A criação é descrita aqui como um fato que apreendemos somente pela fé. Pela fé entendemos (percebemos, não compreendemos) que o mundo foi estruturado ou formado pela palavra de Deus.‖34 Além da Teoria da Evolução, surgiram com o decorrer dos anos várias interpretações a respeito da duração e do modo pelo qual foi feita a criação. Quanto ao modo não temos como saber, pois a bíblia não descreve. Pelo contrário, ―a Bíblia não está interessada em discutir ou indagar como isso foi feito, apenas declara que, no começo, houve a criação, e ela foi obra de Deus.‖35 E quanto a questão da duração, entendo que foi realizada em seis dias literais, como afirma a Confissão de Fé de Westminster em seu Capítulo IV – DA CRIAÇÃO, na Seção I. Por mais que os homens queiram contradizer as doutrinas bíblicas, nós devemos nos apegar firmemente à Revelação divina. Isto com respeito a qualquer assunto teológico. No caso do assunto da Criação que estamos estudando, nós vemos várias filosofias humanas sendo rejeitadas de uma só vez pela narração de (Gn 1). Vejamos no quadro abaixo: 33 Ibid, p 9, 10. 34 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 134. 35 “Deus, o Criador” in Revista O Credo Apostólico, p 9.
  • 24. 24 FILOSOFIAS HUMANAS CONDENADAS PELA NARRATIVA DA CRIAÇÃO ENCONTRADA EM GÊNESIS36 Deus criou por causa de Sua vontade Soberana Um aspecto que precisamos esclarecer sobre este assunto é quanto aos motivos que levaram Deus a criar. Talvez você seja daqueles que pensem que Deus estava se sentindo só. Ou pense que Deus tinha necessidade e criar. Na verdade Deus criou tão simplesmente por causa de Sua vontade (Ap 4:11). Nada o obrigou a fazer isto. A Confissão de Fé de Westminster em seu Capítulo IV – DA CRIAÇÃO, na Seção I, declara o seguinte: ―No princípio aprouve a Deus o Pai, o Filho e o Espírito Santo, para manifestação da glória de seu eterno poder, sabedoria e bondade, criar ou fazer do nada, no espaço de seis dias, e tudo muito bom, o mundo e tudo o que nele há, visíveis ou invisíveis.‖ (Rm 11:36; Hb 1:2; Jo 1:2-3, Rm 1:20; Sl 104:24; Jr 10: 12; Gn 1; At 17:24; Cl 1: 16; Êx 20: 11) E ainda no Capítulo II – DE DEUS E DA SANTÍSSIMA TRINDADE, na Seção II diz: ―Deus tem em si mesmo, e de si mesmo, toda a vida, glória, bondade e bem- aventurança. Ele é todo suficiente em si e para si, pois não precisa das criaturas que trouxe à existência, não deriva delas glória alguma, mas somente manifesta a sua glória nelas, por elas, para elas e sobre elas. Ele é a única origem de todo o ser; dele, por ele e 36 Eneziel Peixoto de Andrade, “No Princípio... A Origem de Todas as Coisas” in Revista Da Criação à Redenção. O agir soberano de Deus na história de seu povo. Manhumirim, Didaquê, out/2000, p 3. Gênesis 1:1 Filosofia condenada Significado Ensino Bíblico “No princípio... Deus” Ateísmo Não existência de Deus Deus existe antes de todas as coisas “No princípio... Deus” Politeísmo Existência de vários deuses Há um só Deus “No princípio criou Deus” Fatalismo Tudo acontece por acaso Deus dirige o universo “No princípio criou Deus” Evolucionismo Tudo é fruto da evolução Deus criou todas as coisas “...criou Deus os céus e a terra” Panteísmo Deus é tudo e tudo é Deus Deus se distingue das obras que criou “No princípio criou Deus os céus e a terra” Materialismo A matéria é eterna A matéria não é preexistente
  • 25. 25 para ele são todas as coisas e sobre elas tem ele soberano domínio para fazer com elas, para elas e sobre elas tudo quanto quiser...‖ Deus criou para Sua glória Geralmente quando se diz que Deus criou, afirma-se que Ele criou ―para Sua glória‖. Neste ponto em questão precisamos entender que isto não implica que Deus precisa receber glória, nem implica dizer que quanto mais O glorificamos, mais glorioso Ele fica! Não é isto que diz as Escrituras. A criação foi feita para render-lhe glória, mas o objetivo primordial não foi este. Vejamos o seguinte comentário teológico: [...] Além disso, não é certo que, quando Deus fez da Sua glória declarativa o fim último da criação, teve por objetivo principal o recebimento de alguma coisa. A suprema finalidade que Ele teve em vista não foi a de receber, mas, sim, a de manifestar nas obras das Suas mãos a Sua glória inerente... ao glorificarem o Criador, as criaturas nada acrescentam à perfeição do Seu Ser, mas apenas reconhecem a Sua grandeza e Lhe atribuem a glória que lhe é devida.37 O Deus trino foi o executor da Criação Um outro aspecto que é bom esclarecermos aqui neste assunto é que geralmente se pensa que Deus – O Pai – e que o Filho e o Espírito não participaram destra obra. Contudo, não é isto que nos informa as Escrituras. A obra da Criação é atribuída às três Pessoas da Trindade, e por isto a teologia assim afirma esta doutrina: A Escritura nos ensina que o trino Deus é o Autor da criação, Gn 1:1; Is 40: 12; 44: 24; 45:12... Embora o Pai esteja em primeira plana na Obra da criação, 1Co 8:6,esta é também claramente reconhecida como obra do Filho e do Espírito Santo. A participação do Filho nela é indicada em Jo 1:3; 1Co 8:6; Cl 1:15-17, e a atividade do Espírito nessa obra acha expressão em Gn 1:2, Jó 26:13; 33:4; Sl 104:30; Is 40:12, 13. A segunda e a terceira pessoas não são poderes dependentes ou meros intermediários, mas, sim, Autores independentes, juntamente com o Pai. A obra da criação não foi dividida entre as três pessoas, mas a obra completa, embora em diferentes aspectos, é atribuída toda a cada uma das pessoas.38 37 Louis Berkhof, Teologia Sistemática, p 138. 38 Louis Berkhof, Teologia Sistemática, p 130.
  • 26. 26 Ainda que o Credo Apostólico afirme que a Criação foi realizada pelo Pai, não significa que devemos excluir a verdade de que ela também foi realizada com a participação ativa do Filho e do Espírito Santo.
  • 27. 27 “CREIO EM JESUS CRISTO, SEU ÚNICO FILHO, NOSSO SENHOR...” (2ª Seção) Introdução Existem muitas opiniões acerca de quem foi Jesus. O mundo não o reconhece como deveria, de acordo com as Escrituras. Nós, porém, precisamos conhecer e compreender o que diz a revelação divina sobre a Pessoa de Jesus. Durante a história da igreja houve várias heresias a respeito de Jesus, e desta forma vemos que o Credo Apostólico, lutando contra tais erros teológicos e salvaguardando a verdade das Escrituras, contém em sua 2º Seção falando sobre Jesus, a maior porção de declarações. Jesus Cristo Antes de explicar o que o Credo fala a respeito de Jesus primeiramente quero deixar claro o significado do nome ―Jesus‖. Nós falamos muito de Jesus, mas nos esquecemos que para o judeu o significado do nome de uma pessoas era muito importante para eles. Falava algo a respeito da pessoa. Então o que significava o nome Jesus, a ponto de o anjo enviado por Deus ordenar a José que colocasse este nome no filho que nasceria de Maria (Mt 1:19-21)? Como Jesus veio cumprir a missão de redenção de homens que Deus designou para ele, nada mais conveniente do que este nome: Nossa palavra portuguesa Jesus é de fato uma palavra latina que vem da palavra grega bastante semelhante – lesous. Esta, por sua vez, é a forma helenizada do nome hebraico Jeshua, forma abreviada de Jehoshua (Js 1:1; Zc 3:1). Esta última forma significa Jeová é salvação. Na forma abreviada – Jeshua – a ênfase recai no verbo; portanto, ele certamente salvará.39 Sendo assim, o nome de Jesus aponta para sua obra de salvação. Mas não somente isto, como nós bem percebemos por toda a Escritura, o nome de Jesus muitas vezes vem acompanhado da palavra ―Cristo‖. Seria este o sobrenome de Jesus? Na verdade esta palavra não constitui seu sobrenome, mas sim um título. Um título que qualificava e designava a Pessoa de Jesus: 39 William Hendriksen, Comentário do Novo Testamento – Mateus. Vol 1. São Paulo, Cultura Cristã, 2001, p 157.
  • 28. 28 O título e conceito de Messias (Christos = Mashiah = ungido) é o mais importante de todos os conceitos cristológicos, historicamente falando, se não teologicamente, porque tornou-se no modo central de designar a compreensão cristã da pessoa de Jesus. Isto é provado pelo fato de que Christos, que é propriamente um título designativo de ―ungido‖, logo tornou-se um nome próprio. Jesus tornou-se conhecido não só como Jesus, o Cristo ou Messias (At 3:20), mas como Jesus Cristo ou Cristo Jesus.40 E também: Jesus (de Nazaré) é o Cristo, o Messias, o enviado de Deus. Neste primeiro aspecto, concebe-se Jesus como aquele que era esperado para a redenção de Israel, conforme prometido na antiga aliança. Desde o chamado ―Proto-Evangelho‖ (Gn 3:15), Deus prometeu enviar aquele que haveria de destruir a serpente. As páginas vétero-testamentárias encontram-se permeadas da expectativa da vinda do Messias que mudaria o curso de toda a História.41 Como observamos, o Credo ao designar o título ―Cristo‖ a Jesus, afirma que Ele é o Messias prometido, o Salvador dos eleitos de Deus. Evidentemente que esta afirmação do Credo não é de modo algum desprovida de razão, visto que as Escrituras demonstram largamente que Jesus era realmente o messias enviado por Deus. Vejamos algumas profecias a respeito do Messias no Antigo Testamento que foram cumpridas por Jesus: Nasceria da Semente de Mulher (Gn 3:15/Mt 1:20); Nasceria de uma Virgem (Is 7:14/Mt 1:18, 25); Filho de Deus (Sl 2:7/Mt 3:17); Semente de Abraão (Gn 22:18/Mt 1:1); Casa de Davi (Jr 23:5/Lc 2:23-31); Nasceria em Belém (Mq 5:2/Mt 2:1); Ele seria um Profeta (Dt 18:18/ Mt 21:11); Ele seria um Sacerdote (Sl 110:4/ Hb 3:1; Hb 5:5-6); Ele deveria ser precedido por um Mensageiro (Is 40:3/Mt 3:1-2); Seu lado seria perfurado (Zc 12:10/Jo 19:34); Crucificação (Sl 22:1, 11-18/ João 19:33; João 19:23-24). Único Filho O Credo agora afirma outra verdade acerca de Jesus. Ele declara que Jesus é o ―único Filho‖. Porém, como podemos afirmar que Jesus era o único Filho e ao mesmo 40 George Eldon Ladd, Teologia do Novo Testamento. São Paulo, Exodus Editora, 1997, p 127. 41 Wilson Emerick de Souza, “Jesus Cristo: Filho e Senhor” in Revista Em Que Cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/ 99, p 10.
  • 29. 29 tempo afirmar que nós somos filhos de Deus? Todas duas afirmações estão presentes na teologia da igreja cristã, mas como conciliá-las? Ou não somos filhos de Deus, ou Jesus não é o Filho ―único‖ de Deus! Para resolver esta aparente contradição, observemos o que nos declara a resposta do Catecismo de Heidelberg42 à sua pergunta nº 33: Por que Cristo é chamado “o único Filho de Deus”, se nós também somos filhos de Deus?43 Resp. Porque só Cristo é, por natureza, o Filho eterno de Deus(1). Nós, porém, somos filhos adotivos de Deus (2) , pela graça, por causa de Cristo. (1) Jó 1:14,18; Jo 3:16; Rm 8:32; Hb 1:1,2; 1Jo 4:9. (2) Jo 1:12; Rm 8:15-17; Gl 4:6; Ef 1:5,6. Nosso Senhor A terceira afirmação a respeito de Jesus fala sobre sua autoridade e domínio sobre tudo. A palavra ―Senhor‖ utilizada para dirigir-se a Jesus possuía um significado variados. Contudo, havia um destes significados que expressava exatamente a posição de Jesus diante de toda a criação, e revelava quem ele era. Vejamos a explicação abaixo a respeito do sentido desta palavra no grego, visto que no português não possui o mesmo significado: Às vezes a palavra Senhor (gr.Kyrios) é empregada simplesmente como tratamento respeitoso dispensado a um superior (veja Mt 13: 27; 21:30; 27:63; Jo 4:11). Às vezes pode simplesmente significar ―patrão‖ de um servo ou escravo (Mt 6:24; 21:40). Ainda assim, a mesma palavra é também em pregada na Septuaginta (a tradução grega do Antigo Testamento, de uso comum na época de Cristo) como uma tradução do hebraico yhwh, ―Javé‖, ou (conforme traduzido com freqüência ―o SENHOR‖ ou ―Jeová‖. A palavra kyrios é empregada para traduzir o nome do Senhor 6814 vezes no Antigo Testamento grego. Assim, qualquer leitor grego da época do Novo Testamento que conhecesse um pouco o Antigo Testamento grego reconheceria que, nos contextos apropriados, a palavra ―Senhor‖ era o nome do Criador e Mantenedor do céu e da terra, o Deus onipotente. Ora, há muitos casos no Novo Testamento em que ―Senhor‖ é empregado em referência a Cristo e só pode ser compreendido nesse sentido veterotestamentário denso: ―o 42 O Catecismo de Heidelberg também expressa a teologia reformada. 43http://www.teuministerio.com.br/BRSPORNDESAGSA/vsItemDisplay.dsp&objectID=0AD6067D-A9B5- 404E-BE336AE5BF218A70&method=display Acessado em 05/07/2008.
  • 30. 30 Senhor‖ que é Javé ou o próprio Deus.44 (Lc 2:11; 1:43; Mt 3:3; 22:44; 1Co 8:6; 12:3; Hb 1:10-12; Ap 19:16) Como podemos concluir, as Escrituras afirmam que Jesus era Deus, possuía a mesma autoridade, poder, e domínio. Contudo, esta declaração a respeito da Pessoa de Jesus não tinha validade alguma se alguém somente declarasse isto com os lábios. Era preciso que a pessoa realmente cresse nisso. E qual era a prova de que um indivíduo verdadeiramente cria em Jesus como Senhor? As Escrituras também revelam isto (Mt 7:21-23; Lc 6:46). O Credo certamente não estava incentivando uma afirmação de fé desprovida de significado prático. Quando alguém cria e afirmava que Jesus era o Senhor, isto deveria desembocar numa vida de obediência a Ele: Crer em Jesus Cristo como Senhor significa bem mais que uma afirmação – eu creio. Implica em entregar o comando da vida nas mãos dele... significa obedecer aos seus mandamentos e, de modo particular, ao seu Grande Mandamento – Amai-vos uns aos outros. Significa culto, adoração, glorificação do seu glorioso Nome (Fp 2:10).45 44 Wayne grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 448. 45 “Jesus Cristo, Nosso Senhor” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, s/d, p 13.
  • 31. 31 “... O QUAL FOI CONCEBIDO POR OBRA DO ESPÍRITO SANTO, NASCEU DA VIRGEM MARIA...” (2ª Seção) Introdução Continuando a estudar a 2º Seção do Credo a respeito da Pessoa e obra de Jesus, temos agora a declaração sobre o milagre do nascimento de Jesus. Jesus era humano como todos nós, mas Ele também era Deus, e por isto, seu nascimento não poderia ser igual ao nosso. Ele era descendente de Davi segundo a carne, mas igualmente Filho de Deus (Rm 1:3, 4). O nascimento virginal de Cristo faz parte das doutrinas cristãs, e nós devemos aprender as implicações deste ensinamento. Nascimento Virginal As Escrituras afirmam explicitamente a doutrina do nascimento virginal (Is 7:14; Mt 1:18, 20; Lc 1:26-35). Vemos na Bíblia vários casos de mulheres que eram estéreis e Deus a fizeram conceber. Contudo, o milagre do nascimento de Jesus foi ímpar, pois Maria não havia tido relação sexual com homem algum. Mas será que esta doutrina tem alguma importância para nós? Não é simplesmente mais um milagre realizado por Deus? Na realidade o nascimento de Cristo tinha que ter sido por meio de uma virgem. Podemos observar a importância do nascimento virginal apontando as seguintes razões: O nascimento virginal ―mostra que a salvação em última análise deve vir do Senhor.46 E além disto, pode-se ainda afirmar as seguintes razões da importância desta doutrina: Em resposta à indagação se o nascimento virginal tem importância doutrinária, pode-se dizer que é inconcebível que Deus fizesse Cristo nascer desse modo tão extraordinário, se isto não atendesse a algum propósito. Pode-se expor o seu propósito doutrinário como segue: (1) Era mister que Cristo se constituísse o Messias e o messiânico Filho de Deus. Conseqüentemente, era necessário que Ele nascesse de mulher, mas também que não fosse fruto da vontade do homem, mas nascesse de Deus... (2) Se Cristo fosse gerado por um homem, seria uma pessoa humana, incluída na aliança das obras, e, como tal, partilharia da culpa comum da humanidade. Mas, visto que o Seu sujeito, o Seu ego, a Sua 46 Wayne grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 436.
  • 32. 32 pessoa, não provém de Adão, Ele não está na aliança das obras e está livre da culpa do pecado.47 Sendo assim, o nascimento virginal é importante porque garante outras doutrinas importantes. Na teologia as doutrinas são entrelaçadas, se aceitamos uma heresia aqui, abrimos espaço para outra heresia ali... Deste modo, não podemos abrir mão da doutrina da concepção sobrenatural de Cristo sem trazer sérias implicações contra a Sua Pessoa e obra! E quanto a Maria? A Igreja Católica traz em seu arcabouço doutrinário uma grande ênfase a Maria. Tanto é sua ênfase que acabam por minimizar Jesus. É como se Maria fosse mais importante do que o próprio Cristo! Será que Maria era tão importante assim? Teologicamente falando Maria não tinha mérito algum para ser mãe de Jesus. O próprio escritor ―Lucas afirma que o anjo a chamou de agraciada ou favorecida (1:28, 30). Graça e favor não dependem de méritos.‖ 48 Ora, Jesus tinha que nascer por meio de uma mulher, e Maria foi escolhida para ser esta mãe. Não havia nada de especial nela. O especial era Ele. A obra sobrenatural do Espírito Santo Todavia, para que houvesse um nascimento virginal era necessário a ação do Espírito Santo em Maria. Como sabemos, todo ser humano precisa de material genético de um homem e de uma mulher para poder existir a concepção. Contudo, Jesus só utilizou material genético de Maria. Além do mais, Maria era pecadora, como poderia conceber um homem santo? Desta forma vemos claramente que era necessária a obra do Espírito nela. Mas, o que o Espírito Santo fez na concepção de Jesus? Observemos abaixo: (1) Ele foi a causa eficiente do que foi concebido no ventre de Maria, e assim excluiu a atividade do homem como fator eficiente. Isso está em completa harmonia com o fato de que a pessoa que nasceu não era uma pessoa humana, mas a pessoa do Filho de Deus que, como tal, não estava incluída na aliança das obras e estava livre da culpa do pecado. (2) Ele santificou a natureza humana de Cristo logo no início, e assim a manteve livre da corrupção do pecado.49 O nascimento sobrenatural de Jesus trouxe à realidade a existência um das doutrinas mais misteriosas do cristianismo: a encarnação de Cristo. O Filho de Deus (a 2º Pesoa da Trindade), veio em forma de homem. E agora é o Deus-homem, divindade- 47 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 337. 48 “O Emanuel” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, s/d, p 14. 49 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 336.
  • 33. 33 humanidade, Criador-criatura. O nascimento virginal trouxe à existência o Filho de Deus que era divino (Jo 1:1, 14, 18; 1Jo 5:20; Cl 1:13-23; Tt 2:13; Hb 1:3), e ao mesmo tempo era humano (2Jo 7; Jo 1:1; Fp 2:6, 7; 1Tm 2:5; corpo humano – Jo 4:6; Lc 23:46; Jo 19:28; mente humana – Lc 2:52; Hb 5:8; Mc 13:32; emoções humanas – Jo 12:27; 13:21; Mt 26:38; Jo 11:35; Mt 8:10), sem que houvesse fusão, mudanças, ou qualuqer tipo de anormalidade para quelquer das duas naturezas em questão – a natureza divina e a humana. Vejamos o que declara a Confissão de Fé de Westminster sobre as duas naturezas de Cristo no seu Capítulo VIII - DE CRISTO O MEDIADOR, Seção II: ―O Filho de Deus, a Segunda Pessoa da Trindade, sendo verdadeiro e eterno Deus, da mesma substância do Pai e igual a ele, quando chegou o cumprimento do tempo, tomou sobre si a natureza humana com todas as suas propriedades essenciais e enfermidades comuns, contudo sem pecado, sendo concebido pelo poder do Espírito Santo no ventre da Virgem Maria e da substância dela. As duas naturezas, inteiras, perfeitas e distintas - a Divindade e a humanidade - foram inseparavelmente unidas em uma só pessoa, sem conversão, composição ou confusão; essa pessoa é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, porém um só Cristo, o único Mediador entre Deus e o homem.‖ (Jo 1:1,14; 1Jo 5:20; Fp 2:6; Gl 4:4; Hb 2:14,17;4:15; Lc 1:27, 31, 35; Mt 16:16; Cl 2:9; Rm 9:5;1:3,4; 1 Tm 2:5) Sem a obra do Espírito Santo Jesus teria sido comprometido em Sua obra de Mediador da aliança da graça. O Espírito participou ativamente deste serviço e salvação divina planejados desde a fundação do mundo.
  • 34. 34 “... PADECEU SOB O PODER DE PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO...” (2º Seção) Introdução Como vimos anteriormente a 2º Seção do Credo fala a respeito da Pessoa do Mediador – quem Ele é, e de que modo se fez homem. Chega o momento agora de o Credo declara a obra que o Mediador realizou. Neste sentido, estudaremos as duas primeiras declarações que afirmam algo sobre o sofrimento e morte de Jesus. “... padeceu sob o poder de pôncio pilatos ...” A primeira declaração que o Credo faz da obra de Cristo é sobre o Seu sofrimento. Diz o Credo que ele ―padeceu‖. Talvez por causa de nossa familiaridade com as verdades do Evangelho nós deixemos de atentar para a seriedade e o significado dos sofrimentos de Jesus. Lembremo-nos de que Ele não merecia sofrer. Tudo que Ele sofreu foi por causa de nosso pecado! Afirmar que Jesus sofreu não é apenas lembrar o que Ele passou aqui na terra, mas lembrar do porquê Ele veio para a terra. ―A declaração sobre o sofrimento de cristo, afinal, não é uma formalidade vazia. Porque Ele sofreu, nossos pecados estão pagos.‖ 50 Além do mais, há outra razão que podemos apontar que demonstra a importância desta afirmação do Credo. É a questão da importância histórica e factual: A fé cristã é histórica. Isto quer dizer que a crença cristã não é inventada, nem é produto da imaginação. Pelo contrário, a fé cristã tem raízes profundas no solo da História. Por isto, o Credo Apostólico diz que Jesus Cristo ―padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos‖.... A menção de Pilatos é importante, pois aponta para a historicidade da fé cristã... A fé cristã não precisa de comprovação histórica para determinação de sua credibilidade. Mas nem por isso deixa de ser absolutamente verdadeira e digna de confiança. Quando se convida alguém a crer em Jesus, não está convidando a crer em mito, ou numa lenda. 51 50 “Jesus Cristo, o Sofredor” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, s/d, p 17. 51 Carlos Ribeiro Caldas Filho, “O sacrifício de Jesus” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 16, 17.
  • 35. 35 Este Jesus em quem nós colocamos a nossa fé não é um ―Cristo produzido por uma religião humana‖, mas o Filho de Deus real que desceu até a terra e viveu historicamente entre os homens. “... foi crucificado...” O Credo também fala a respeito da crucificação de Jesus. Como o Credo é cristão, nem podia deixar de falar sobre este assunto, visto ser ele um dos principais da nossa fé. Todos nós cristãos afirmamos que Cristo morreu por nós, mas sabemos as implicações desta afirmação? Vejamos abaixo alguns aspectos teológicos do sacrifício de Jesus: 1. O sacrifício foi vicário (Is 53:4, 5; 2Co 5:21): A palavra ―vicário significa ―em lugar de‖. Jesus morreu em nosso lugar. 2. O sacrifício tem valor permanente (Hb 9:11-15): Jesus não precisa repetir o sacrifício que fez de Si mesmo. 3. O sacrifício foi eficaz (Hb 9:23-26): Nada se pode fazer para aumentar o poder e a eficácia do sacrifício de cristo. 4. O sacrifício garante o livre acesso ao Pai (Mt 27:51; Hb 10:19-22): Os salvos têm livre acesso à presença de Deus.52 5. O sacrifício foi limitado em extensão (Jo 17:9, 20; 6:37-39; 10:11, 15, 26; At 20:28; Ef 5:25-27; Mt 1:21; Rm 8:32-35) O sacrifício de Jesus foi absolutamente necessário para nossa salvação (Mt 26:39-44; Gl 3:21; Rm 6:23). E fazer veste sacrifício demonstra o grande amor que Deus teve por nós (Jo 3:16; Rm 5:8). Na Confissão de Fé de Westminster em seu Capítulo VIII – De Cristo o Mediador, declara: Seção IV - Este ofício o Senhor Jesus empreendeu mui voluntariamente. Para que pudesse exercê-lo, ele se fez sujeito à lei, a qual ele cumpriu perfeitamente, padeceu imediatamente em sua alma os mais cruéis tormentos, e em seu corpo os mais penosos sofrimentos; foi crucificado e morreu; foi sepultado e ficou sob o poder da morte, mas não viu a corrupção; ao terceiro dia ressuscitou dos mortos com o mesmo corpo com que tinha padecido; com esse corpo subiu ao céu, onde está sentado à destra do Pai, fazendo intercessão; de lá voltará no fim do mundo para julgar os homens e os anjos. (Sl 40:7-8; Hb 10:5-6; Jo 4:34: Fp 52 Carlos Ribeiro Caldas Filho, “O sacrifício de Jesus” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 17.
  • 36. 36 2-8; Gl 4:4; Mt 3:15;5:17;26:37-38; Lc22:24; Mt 27.46; Fp2:8; At 2:24,27;13:37; 1Co15:4; Jo 20:25-27; Lc 24:50-51; 2Pe 3:22; Rm 8:34; Hb 7:25; Rm 14:10: At 1:11; Jo 5:28-29; Mt 13:40-42). Seção V - O Senhor Jesus, pela sua perfeita obediência e pelo sacrifício de si mesmo, sacrifício que, pelo Eterno Espírito, ele ofereceu a Deus uma só vez, satisfez plenamente à justiça de seu Pai, e, para todos aqueles que o Pai lhe deu, adquiriu não só a reconciliação, como também uma herança perdurável no Reino dos Céus. (Rm 5:19; 3:25,26; Hb 10:14; Ef 1:11,14; Cl 1:20; 2Co 5:18,20; Jo 17:2; Hb 9:12,15). Seção VI - Ainda que a obra da redenção não fora realmente realizada por Cristo senão depois da sua encarnação; contudo a virtude, a eficácia e os benefícios dela, em todas as épocas sucessivas desde o princípio do mundo, foram comunicados aos eleitos por meio das promessas, tipos e sacrifícios, pelos quais ele foi revelado e significado como a Semente da mulher que devia esmagar a cabeça da serpente, como o cordeiro morto desde o princípio do mundo, sendo o mesmo ontem, hoje e para sempre. (Gl 4:45; Gn 3:15; Hb 3:8). E ainda no Capítulo XXXV – Do Amor de Deus e das Missões, na Seção I: ―Em seu amor infinito e perfeito - e tendo provido no pacto da graça, pela mediação e sacrifício do Senhor Jesus Cristo, um caminho de vida e salvação suficiente e adaptado a toda a raça humana decaída como está - Deus determinou que a todos os homens esta salvação de graça seja anunciada no Evangelho.‖ (Jo 3:16; I Tm 4:10; Mc 16:15).
  • 37. 37 “... MORTO E SEPULTADO; DESCEU AO HADES...” (2º Seção) Introdução Nas declarações anteriores o Credo fala sobre os sofrimentos de Cristo e de sua morte vicária. Agora declara sobre o que ocorreu no momento da crucificação e depois da sua ocorrência. O ministério do Messias não foi fácil. Ele sofreu muito e por fim pagou um preço terrível para obter a salvação do povo escolhido de Deus. Nestas declarações do Credo que agora analisaremos, vemos que a cruz de Jesus foi a mais pesada de todas que já existiram. Quando Credo declara que Jesus morreu e foi sepultado, está fazendo uma afirmação importantíssima para nós cristãos. Jesus veio para salvar pecadores. Pecadores que deviam a pena de morte a um Deus Justo. Portanto, morrendo na cruz Jesus cumpriu uma pena que era nossa. Jesus não poderia simplesmente sofrer por nós... Ele deveria morrer. Entretanto, a questão mais séria que entra em debate nas declarações do Credo é sobre a descida de Jesus ao inferno (hades). Apesar de a palavra Hades poder ter o significado de ―sepultura‖, a frase ―desceu ao inferno‖ foi inserida depois da expressão ―sepultado‖, e muitos cristãos a entenderam no sentido de ―inferno‖ mesmo. Portanto, devemos dar uma explicação do significado desta frase. Durante a história da igreja os reformados interpretaram esta expressão de duas formas diferentes, as quais passamos a apresentar abaixo: 1. Catecismo de Heidelberg pergunta 44: Por que se acrescenta “desceu ao inferno”? Resp: Para que em minhas mais duras tribulações eu esteja certo de que Cristo, o meu Senhor, redimiu-me das angústias e dos tormentos do inferno por sua indizível angústia, dores e terrores que sofreu em sua alma, tanto sobre a cruz como antes.‖ 2. No Catecismo maior de Westminster em sua pergunta nº 50 diz: Em que consistiu a humilhação de Cristo depois de sua morte? Resp: A humilhação de Cristo, depois da sua morte, consistiu em ser ele sepultado, em continuar no estado dos mortos e sob o poder da morte até ao terceiro dia, o que, aliás, tem sido expresso nestas palavras: Ele desceu ao inferno (= Hades). (Mt 12:40; 1Co. 15:3, 4) Certamente que não precisamos nos preocupar tanto com o significado desta expressão a não ser pelo fato de ela estar no Credo que nós também aceitamos. Entretanto, lembremos que em nenhum lugar nas Escrituras vai afirmar que Cristo desceu literalmente no inferno. Concluindo podemos dizer:
  • 38. 38 Segundo a posição reformada (calvinista) usual, as palavras se referem não somente aos sofrimentos de Cristo na cruz, mas também às agonias do Getsêmani... De modo geral, parece melhor combinar dois pensamentos: (a) que cristo sofreu as angústias do inferno antes da Sua morte, no Getsemâni e na cruz; e (b) que Ele adentrou a mais profunda humilhação do estado de morte.53 Ainda que tendo em mente que Jesus não desceu ao inferno, mas que sofreu a ira de Deus nos seus momentos finais de vida, devemos ainda compreender como se deu este acontecimento. Como Jesus, que também era Deus, pôde receber a própria ira contra o pecado?! É o que procuramos responder em seguida: Ele esteve sujeito, não somente à morte física mas também à morte eterna, se bem que sofreu esta intensiva, e não extensivamente, quando agonizou no jardim e quando bradou na cruz, ―Deus meu, deus meu, por que me desamparaste?‖ Num curto período de tempo, Ele suportou a ira infinita contra o pecado até o fim, e saiu vitorioso. Isto somente Lhe foi possível graças à Sua natureza exaltada. Neste ponto, porém, devemos resguardar-nos contra algum entendimento errôneo. No caso de Cristo, a morte eterna não consiste numa abrogação da união do Logos com a natureza humana, nem num abandono da natureza divina por parte de Deus, nem em retirar o Pai o Seu divino amor ou o Seu beneplácito da pessoa do Mediador. O Logos permaneceu unido à natureza humana, mesmo quando o corpo estava no túmulo; a natureza divina absolutamente não podia ser desamparada por Deus; e a pessoa do Mediador foi e continuou sendo sempre objeto do favor divino. A morte eterna revelou-se na consciência humana do Mediador como um sentimento de desamparo de Deus. Isto implica que a natureza humana perdeu por um momento o consciente e fortalecedor consolo que podia auferir da sua união com o Logos divino, bem como a percepção do amor divino, e esteve dolorosamente cônscia da plenitude da ira divina que pesava sobre ela. Contudo, não houve desespero, pois, mesmo na hora mais trevosa, enquanto exclama que está desamparado, dirige Sua oração a Deus.54 53 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 343. 54 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 340.
  • 39. 39 “RESSURGIU DOS MORTOS AO TERCEIRO DIA; SUBIU AO CÉU; ESTÁ ASSENTADO À MÃO DIREITA DE DEUS PAI TODO-PODEROSO, DE ONDE HÁ DE VIR PARA JULGAR OS VIVOS E OS MORTOS.” (2º Seção) Introdução Após descrever verdades a respeito da obra de Cristo até a sua morte (como vítima vicária), o Credo agora passa a referir as suas obras como Mediador vitorioso. Desta forma temos referência à ressurreição, ascensão, posição à destra de Deus, seu retorno vitorioso e o julgamento final. Estes aspectos completam a obra de Cristo descrita no Credo, e fazemos bem estudá-las a fim de entender seus significados. “Ressurgiu dos mortos ao terceiro dia...” Ainda que tenha sido preciso Jesus morrer para pagar o preço do pecado que os eleitos deviam a Deus, Ele não termina completamente Sua obra de salvação com ela. Ali Ele cumpre a pena (condenação) imposta aos pecadores por seus pecados. Mas Cristo não poderia ser derrotado por ela. Se Cristo queria conceder vida ao Seu povo, deveria vencer a morte. Apesar de muitos duvidarem da ressurreição de Cristo, e providenciarem as mais diversas interpretações a fim de tentar desmentir a ressurreição, o fato é que as Escrituras afirmam enfaticamente que Jesus ressurgiu dos mortos: 1. A Maria Madalena - Jo 20.10-18; 2. Às mulheres que voltavam do túmulo - Mt 28.9; 3. Aos dois discípulos a caminho de Emaús - Lc 24.13-35; 4. Ao apóstolo Pedro - Lc 24.34; l Co 15.4,5; 5. Aos apóstolos (e outras pessoas com eles), sem a presença de Tomé - Lc 24.33-49; Jo 20.19-25; 6. Aos mesmos, oito dias depois, com a presença de Tomé - Jo 20.26-29; 7. Na praia do Mar de Tiberíades - Jo 21.1-14; 8. Ao discípulo Tiago - l Co 15.7; 9. Aos onze, em um monte da Galiléia - Mt 28.16-20; 10. A quinhentos irmãos - l Co 15.6; 11. Aos onze, no dia da ascensão - Lc 24.50-53; At 1.1-11. 12. Além destas, o evangelista Lucas afirma que Jesus "aos discípulos se apresentou vivo, com muitas provas incontestáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias" (At 1.3).
  • 40. 40 Um aspecto a respeito da doutrina da ressurreição que devemos notar é que ―Os apóstolos não procuravam provar a ressurreição de Cristo; era para eles um objeto de fé, e mais ainda, o alicerce dessa fé (Rm 4.25; l Co 15.14).‖55 Não foi preciso chamara um médico, um cientista, um juiz... ou qualquer outro tipo de profissional para comprovar a ressurreição de Jesus. Eles mesmos testificaram sua autenticidade, e não somente eles, mas igualmente outras testemunhas (l Co 15.6). Sendo assim, ou nós cremos nos relatos bíblicos inspirados por Deus, ou estaremos negando um dos pilares do cristianismo, sem o qual, torna inútil a fé dos crentes (1Co 15). Além de vasto testemunho no Novo Testamento, encontramos também testemunho do Antigo Testamento acerca deste fato, pois o Antigo Testamento previu a ressurreição de Jesus (Lc 24:44-46; At 2:25-27). Isto demonstra o peso da importância desta doutrina para a religião cristã. Para compreendermos melhor as implicações doutrinárias decorrente do fato da ressurreição, vejamos abaixo a explicação: É indubitável que a ressurreição tem suportes doutrinários. Não podemos negar a ressurreição física de Cristo sem impugnar a veracidade dos escritores da Escritura, visto que, sem dúvida, eles a descrevem como um fato. Quer dizer que afeta a nossa crença na fidedignidade da Escritura. Além disso, a ressurreição de Cristo é descrita como tendo valor de prova. É a prova culminante de que Cristo foi um mestre enviado por Deus (o sinal de Jonas), e de que Ele é o verdadeiro Filho de Deus, Rm 1:4. É também o supremo atestado do fato da imortalidade. Mais importante ainda, a ressurreição entra como um elemento constitutivo da própria essência da obra de redenção e, portanto, do Evangelho. É uma das grandes pedras do alicerce da igreja de Deus. Se, afinal, a obra expiatória de Cristo devia ser eficaz, tinha que terminar, não na morte, mas na vida. Ademais, foi o selo do Pai aplicado à obra consumada de Cristo, foi a declaração de que Ele a aceitou. Nela, Cristo saiu de sob a lei. Finalmente, foi Seu ingresso numa nova vida. como a ressurreta e exaltada Cabeça da igreja e Senhor universal. Isto O habilitou a fazer aplicação dos frutos da Sua obra redentora.56 E também: A ressurreição de Cristo tem significação tríplice: (1) Constituiu uma declaração do Pai de que o último inimigo tinha sido vencido, a pena tinha sido cumprida, e tinha sido satisfeita a 55 Dionei Faria, A Exaltação de Cristo in Revista Em que Cremos? Manhumirim, Didaquê, n°46, abr/99, p 20. 56 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 350.
  • 41. 41 condição em que a vida fora prometida; (2) Foi um símbolo daquilo que estava destinado a suceder aos membros do corpo místico de Cristo em sua justificação, em seu nascimento espiritual e em sua bendita ressurreição futura, Rm 6.4, 5, 9; 8.11; l Co 6.14; 15.20-22; 2 Co 4.10, 11, 14; Cl 2.12; l Ts 4.14; (3) Relacionou-se também instrumentalmente com a justificação, a regeneração e a ressurreição final dos crentes, Rm 4.25; 5.10; Ef 1.20; Fp 3.10; l Pe 1.3.57 Como podemos perceber as Escrituras não deixam dúvida de que Jesus ressuscitou. Porém, qual a natureza de Seu corpo após Sua ressurreição? Sobre esta questão não temos muitíssimas informações a fim de tirarem todas as nossas curiosidades, contudo, a respeito desta questão nós podemos afirmar primeiramente o seguinte: 1- Jesus ressuscitou com um corpo físico, não imaterial (Mt 28:9; Lc 24:15-18, 28-29; Lc 24:30; Jo 20:15; 20:20; 20:27; 21:12-13; Lc 24:39; At 10:41); 2- Jesus não somente tornou à vida, mas reviveu com um corpo glorificado. E como era este corpo glorificado? Ele poderia se transportar como os anjos? Ou se desmaterializar? Vejamos o seguinte comentário a respeito da natureza do corpo de Jesus depois da ressurreição: Mas o que essas aparições físicas procuravam ensinar aos discípulos, senão que o corpo ressurreto de Jesus era definitivamente um corpo físico? Se Jesus ressurgiu dos mortos com o mesmo corpo físico com o qual morreu, e se ele apareceu repetidamente aos discípulos naquele corpo físico, comendo e bebendo entre eles (At 10:41) durante quarenta dias, e se ele subiu ao céu com aquele mesmo corpo físico (At 1:9), e se o anjo imediatamente disse aos discípulos: ―Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do mesmo modo como o vistes subir‖ (Atos 1.11), então Jesus evidentemente estava-lhes ensinando que seu corpo ressurreto era um corpo físico. Se a "forma habitual" do seu corpo ressurreto não fosse física, então essas repetidas aparições físicas de Jesus seriam culpadas de enganar os discípulos (e todos os leitores posteriores do Novo Testamento) para que pensassem que seu corpo ressurreto permanecia físico, embora isso não acontecesse. Se ele fosse habitualmente não físico e iria tornar-se eternamente não físico com a ascensão, então as palavras de Jesus seriam muito enganadoras: "Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e verificai, porque um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho‖ (Lucas 24.39). Ele não disse: "... carne nem ossos, como vedes que eu tenho 57 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 347.
  • 42. 42 temporariamente"! Teria sido muito errado ensinar aos discípulos que ele tinha um corpo físico, se no seu modo normal de existência ele realmente não o possuía. Caso Jesus quisesse ensinar-lhes que podia materializar-se e desmaterializar-se à vontade (como Harris argumenta), ele poderia facilmente ter-se desmaterializado diante dos seus olhos, de modo que eles pudessem registrar esse evento com clareza. Ou poderia ter atravessado uma parede enquanto eles estavam observando, em vez de aparecer subitamente entre eles. Resumindo, se Jesus e os autores do Novo Testamento tivessem desejado nos ensinar que o corpo ressurreto era habitual e essencialmente imaterial, eles poderiam tê-lo feito, mas em vez disso forneceram muitas indicações claras de que era normalmente físico e material, apesar de ser um corpo aperfeiçoado, liberto para sempre de fraqueza, doença e morte.58 “... subiu aos céus, está sentado à mão direita de Deus Pai, Todo-Poderoso...” A Bíblia declara não somente que Jesus ressuscitou, mas que Ele subiu aos céus. Ou seja, fala de Sua ascensão às alturas, para a presença de Deus (Lc 24:50-53; At 1:6-11; Mc 16:19; Jo 6:62; 14:2,12; 16:5, 10, 17, 28; 17:5; 20:17). Lá no céu, sua condição é de exaltação. As Escrituras afirmam que Ele está sentado à direita de Deus (Mt 26:64; At 2:33- 36; 5:31; Ef 1:20-22; Hb 10:12; 1Pe 3:22; Ap 3:21; 22:1). É exatamente isto que é referido no Credo dos Apóstolos. Mas o que significa esta posição à direita de Deus Pai? O teólogo reformado Louis Berkhof , dá explicação acerca desta doutrina a qual citamos abaixo: Estar assentado à destra do rei podia ser apenas um sinal de honra, 1Rs 2:19, mas também podia denotar participação no governo e, conseqüentemente, na honra e na glória. No caso de Cristo, era indubitavelmente uma indicação do fato de que o Mediador recebeu as rédeas do governo sobre a igreja e sobre o universo e foi feito participante da glória correspondente. Não significa que Cristo não tinha sido o Rei de Sião antes desse tempo, mas, sim, que aí Ele foi publicamente empossado como Deus e homem e, nesta qualidade, recebeu o governo da igreja, do céu e da terra, e entrou solenemente na administração real e concreta do poder a Ele confiado.59 58 Wayne Grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 512, 513. 59 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 352, 353.
  • 43. 43 “... de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos.” Um pouco antes de Sua ascensão aos céus Jesus havia dito que voltaria para este mundo. De acordo com o plano divino O Mediador deveria ficar à destra do Pai até que todos os eleitos sejam salvos, e até chegar á data marcada para o fim desta era da humanidade. Mas como será este retorno de Cristo? As Escrituras nos declaram algumas características do retorno de Jesus: 1. Repentina e inesperada (Mt 24:42-44, 50; Mt 25:13; Mc 13:32,33, 34-37; Lc 12:40; 1Ts 5:2); 2. A volta do Senhor está próxima (Tg 5:7-9; 1Pe 4:7; Ap 1:3; 22:7, 12, 20); 3. Um retorno pessoal (Mt 24:44; 1Co 15:23; Fp 3:20; 1Ts 2:19; 3:13; 4:15-17) e físico (Hb 9:28; At 1:11; 3:20, 21; Ap 1:7); 4. Um retorno visível (Mt 24:30; 26:64; Mc 13:26; Lc 21:27; Cl 3:4; Tt 2:13); 5. Virá em glória e triunfo (Hb 9:28; Mt 24:30; 25:31; Ap 19:11-16); Em seu início da obra salvadora o Filho veio como Sofredor passar por todo tipo de sofrimento penal para remir o Seu povo. Entretanto, depois de vencidos a morte, o pecado e o Diabo, Jesus voltará para completar a salvação dos fiéis. Para isto Ele realizará dois eventos: O Julgamento universal e o estabelecimento do Novo Céu e da Nova Terra. No evento do julgamento final nós teremos Jesus como juiz (Mt 25:31, 32; 2Tm 4:1; At 10:42; 17:31; Fp 2:10; Jo 5:26-27). Aquele que veio para salvar, em Seu retorno virá para julgar, não somente todos os seres humanos (Sl 50:4-6; Ec 12:14; Mt 12:36, 37; 25:32; Rm 14: 10; 2Co 5:10; Ap 20:12); como igualmente os anjos (Mt 8:29; 2Pe 2:4; Jd 6). E não nos enganemos, até os crentes serão julgados (Rm 14:10, 12; 2Co 5:10; Rm 2:6-11; Ap 20:12, 15; Mt 25 ), embora não serão condenados (Rm 8:1; Jo 5:24). ―É importante perceber que esse julgamento dos crentes será para avaliar e conceder vários níveis de recompensa... o dia do juízo pode ser descrito como o dia em que os crentes são premiados e os incrédulos, punidos.‖60 (Ap 11:18) Ora, como bem sabemos as pessoas que morrem já vão direto para o local em que lhe está destinado para a eternidade. Ou seja, quem morre ímpio, já vai para o inferno; quem morre salvo, já vai para o céu. Então qual o sentido de se ter um julgamento no final desta era? Qual o propósito de Deus julgar todos os homens? O propósito divino é ―expor diante de todas as criaturas racionais a glória declarativa de Deus num ato formal e forense que, por um lado, engrandecerá a Sua santidade e justiça, e, por outro lado, engrandecerá a Sua graça e misericórdia.‖61 Como nos declara a Confissão de Fé de Westminster em seu Capítulo XXXIII - DO JUÍZO FINAL, na Seção II: “O fim que Deus tem em vista, determinando esse dia, é manifestar a sua glória - a glória de sua misericórdia na salvação dos eleitos, e a glória da sua justiça na condenação dos réprobos, que são perversos e desobedientes.” 60 Wayne A. Grudem, Teologia Sistemática. São Paulo, Vida Nova, 1999, p 977. 61 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 737.
  • 44. 44 “CREIO NO ESPÍRITO SANTO; NA SANTA IGREJA UNIVERSAL; NA COMUNHÃO DOS SANTOS...” (3º Seção) Introdução Chegamos à terceira Seção do Credo apostólico onde encontramos não somente a respeito da terceira Pessoa da trindade, mas também várias doutrinas relacionadas a igreja de Cristo. O Credo Apostólico não fala muito a respeito da doutrina do Espírito Santo, por isto nós nos deteremos em explicar somente alguns pontos a Seu respeito, e em seguida passaremos a examinar as demais doutrinas sobre a Igreja. “Creio no Espírito Santo ...” Muitos aspectos poderiam ser abordados a respeito do Espírito Santo, porém, como nosso objetivo não é estudar exaustivamente a terceira Pessoa da trindade, mas sim, estudar o conteúdo da declaração do Credo Apostólico, seremos breve, explanando somente o básico, de acordo com a simples declaração contida nele. 1. A Personalidade do Espírito Santo  Ele possui intelecto, mente (Is 40:13, 14; Jo 14:26;15:26; At 15:28; Rm 8:27; 1Co 2:10- 12);  Ele possui vontade (Sl 106:32, 33; Is 34:16; At 13:2; 16:7; 21:11; 1Co 12:11; 1Tm 4:1);  Ele possui emoções (Mq 2:7; Rm 15:30; Is 63:10; Ef 4:30). 2. A Divindade do Espírito Santo  Ele possui Onipotência (Lc 1:35; Jó 33:4; Rm 8:11);  Ele possui Onisciência (Is 40:13, 14; 1Co 2:10);  Ele possui Onipresença (Sl 139:7,8);  Ele possui a mesma honra do Pai e do Filho (Mt 28:19; 2Co 13:13);  Ele foi chamado de Deus (At 5:3,4);  Ele participa da redenção dos homens (1Co 6:11; 12:3; Tt 3:5). 3. Deveres cristãos relacionados ao Espírito Santo  Encher-se do Espírito Santo (Ef 5:18);  Andar no Espírito Santo (Gl 5:16);
  • 45. 45  Não entristecer o Espírito Santo (Ef 4:30);  Não apagar o Espírito Santo (1Ts 5:19). “Na santa igreja universal...” O Credo Apostólico ao declarar ―creio na santa Igreja universal‖ estava falando de dois atributos da Igreja descritos pela teologia protestante. Estes atributo são descritos como a SANTIDADE da Igreja e a CATOLICIDADE da Igreja. Vejamos abaixo o que significa cada um deles: 1. Santidade da Igreja:  ―A igreja é absolutamente santa num sentido objetivo, isto é, como ela é considerada em Jesus Cristo. Em virtude da justiça mediatária de Cristo, a igreja é tida por santa perante Deus. Também, num sentido relativo, os protestantes consideram a igreja como subjetivamente santa, isto é, como realmente santa no princípio interior da sua vida, e destinada à santidade perfeita. Daí, ela de fato pode ser denominada comunidade dos santos.‖62  ―A santidade da igreja implica, objetivamente, que a igreja é santa em Cristo sua cabeça e, subjetivamente, que ela é santa pela virtude do princípio da regeneração e santificação. Por esta razão, seus membros podem e devem ser chamados de santos em Cristo Jesus.‖63 2. Catolicidade da Igreja:  ―Os protestantes insistem em que a igreja invisível é primordialmente a real igreja católica, porque inclui todos os crentes da terra, de toda e qualquer época particular, sem nenhuma exceção; porque, conseqüentemente, ela também tem os seus membros entre todas as nações evangelizadas do mundo... Secundariamente, eles também atribuem o atributo de catolicidade à igreja visível.‖64  ―A catolicidade da igreja implica que a igreja é internacional, reunida de toda tribo, língua e nação.‖65 62 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 578. 63 Herman Hoeksema, Os Quatro Atributos da Igreja. Fonte: http://www.monergismo.com 64 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, LPC, 1998, p 579. 65 Herman Hoeksema, Os Quatro Atributos da Igreja. Fonte: http://www.monergismo.com
  • 46. 46 “Na comunhão dos santos...” A afirmação de fé na comunhão dos santos nos traz à luz uma verdade que precisa ser lembrada em meio ao caos em que se encontram as igrejas evangélicas atuais. Há igrejas que praticamente não ―se chegam perto uma da outra‖. A comunhão é quase que somente na teoria! Isto se deve muitas vezes por causa de um apego à própria denominação. Os membros não precisam agir assim. Ao referirmo-nos à comunhão dos crentes, devemos entender que tipo de comunhão é esta. Neste caso, vejamos os dois aspectos desta comunhão cristã – a comunhão visível e a comunhão invisível: Entre os muitos benefícios que Cristo trouxe a todos nós, encontra-se a comunhão existente entre os membros de seu corpo, que é a igreja. É um dos maiores resultados do poder do Espírito Santo na vida da comunidade cristã. Uma comunhão que se apresenta em dois aspectos – visível e invisível... Quando surgem desentendimentos e divisões na igreja de Cristo e entre os seus membros, individualmente, a comunhão visível pode ser quebrada, mas a invisível, jamais o será.66 Como pudemos observar, a comunhão entre os cristãos independe de sua vontade, pois a partir da hora em que ele aceita Jesus, sua vida já está ligada aos outros crentes através do Corpo de Cristo. Quem é salvo, é do Corpo, e quem é do corpo, não pode estar fora da comunhão invisível. ―A partir do momento em que uma pessoa é salva e passa a fazer parte do reino de Deus, esse vínculo se estabelece entre ele e aqueles que já fazem parte desse reino.‖67 Esse vínculo de comunhão é tal, que nunca se arrebentará, pois nunca seremos afastados do Corpo de Cristo. Evidentemente que numa igreja vemos muitas pessoas com opiniões e pensamentos diferentes. Contudo, nenhum aspecto que torne um membro diferente do outro, é capaz de finalizar a comunhão invisível que ambos têm em participar do reino de Deus: Uma igreja local é composta de pessoas muito diferentes entre si. Nela há brancos e negros, ricos e pobres, doutores e analfabetos, homens e mulheres, crianças e adultos... Mesmo assim, existe uma comunhão entre todos, porque essa comunhão que se estabelece é pela obra do Espírito Santo. 66 Sérgio Pereira Tavares, “A Comunhão Cristã” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 31. 67 Sérgio Pereira Tavares, “A Comunhão Cristã” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 31.
  • 47. 47 Essa comunhão não é apenas de caráter humano. Mesmo que alguns quebrem a comunhão visível, a invisível permanece, a despeito das diferenças.68 Nem mesmo quando vemos a separação visível entre os crentes por causa da existência de várias denominações evangélicas, isto não significa ―divisões dentro do Corpo de Cristo‖ (1Co 1:13). Os cristãos estão sempre unidos pelo Espírito ao mesmo Cristo. Há somente uma igreja de Cristo, e não várias igrejas! Assim sendo, a verdade da comunhão inevitável que há entre os crentes no Corpo de Cristo deveria fazer com que estes, independente de denominação, se juntassem na obra do reino do Senhor: As várias denominações cristãs precisam, também, compreender o valor dessa comunhão visível. Evidentemente, não se trata de unir todas numa só, mas unir-se nos esforços para a proclamação do evangelho e promoção humana; no diálogo e no respeito pelas diferenças; na valorização da vida e nos propósitos comuns; no crescimento mútuo e fortalecimento da fé.69 68 Sérgio Pereira Tavares, “A Comunhão Cristã” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 32. 69 Sérgio Pereira Tavares, “A Comunhão Cristã” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 33.
  • 48. 48 “NA REMISSÃO DOS PECADOS; NA RESSURREIÇÃO DO CORPO; NA VIDA ETERNA. AMÉM.” (3º Seção) Introdução A última parte do Credo apostólico contém três doutrinas que se interligam necessariamente. A primeira delas fala do perdão dos pecados. Ora, a partir do momento que nós somos remidos de nossos pecados, significa que vencemos não somente os pecados mas igualmente a morte. Portanto, podemos crê na nossa futura ressurreição. E já que cremos na ressurreição, devemos afirmar também que nossa vida como ressurretos tem a qualidade da vida eterna, pois a salvação que Cristo trouxe não somente nos dá a condição de vida de Adão, mas nos eleva a um estágio superior de vida. “Na remissão dos pecados...” Como vimos anteriormente, o Credo fala vários aspectos da obra salvadora de Cristo. Agora, nestas últimas declarações, vemos três conseqüências da obra salvadora do Senhor. A primeira referência é à ―remissão dos pecados‖. Mas o que significa esta expressão? Vejamos a explicações abaixo:  ―Remissão é o ato de adquirir de novo; de indenizar prejuízos; de livrar, mediante compra, alguém do cativeiro; tornar a alcançar um direito; pagar uma dívida própria ou de outra pessoa. O Credo Apostólico, nessa expressão, lembra a doutrina bíblica de que os nossos pecados, que constituíam uma dívida para com Deus, foram remidos, resgatados, pagos pelo Senhor Jesus, em nosso favor, ficando nós, em conseqüência, livres dessa dívida, ou seja, livres da culpa do pecado.‖70  A palavra ‗Remir‘ ―significa readquirir mediante compra, resgatar uma dívida, libertar de um ônus pagando a sua importância. Assim, remissão significa libertação.‖71 Como podemos observar, ser remido, é ser resgatado dos pecados, liberto da escravidão do pecado. Nem todo mundo entende isto. Pensam que a salvação do homem pode ser alcançada por outros meios que não pela obra de Cristo. Isto é um equívoco total. O Credo por sua vez, acertadamente coloca a remissão dos pecados como uma doutrina a ser 70 “A Remissão dos Pecados” in Revista O Credo Apostólico. São Paulo, Cultura Cristã, s/d, p 28. 71 Sérgio Pereira Tavares, “A Remissão dos Pecados” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 34.
  • 49. 49 crida e confessada pelos cristãos. Esta doutrina possui em seu conteúdo as seguintes implicações: 1. O reconhecimento da própria pecaminosidade; 2. A compreensão do grande amor de Deus.72 “Na ressurreição do corpo...” Ao falarmos da ressurreição de Cristo nós ficamos sabendo que ela era indispensável para nossa salvação. Quando as Escrituras falam a respeito da salvação do homem, não está falando simplesmente da salvação da alma do homem. O homem completo - corpo e alma – é contemplado por Deus. Esta declaração do Credo a respeito de nossa ressurreição traz consigo algumas verdades que precisamos considerar e aprender: 1. A ressurreição do corpo tem por base a ressurreição de Cristo; 2. A ressurreição demonstra o valor que o corpo possui; 3. A ressurreição do corpo nos leva a uma condição superior de vida.73 Declarar que cremos na ressurreição não é a mesma coisa de saber como será esta ressurreição. Pois bem, a fim de aprendermos mais sobre o assunto, passemos a considerá-lo mais um pouco. Devemos ter em mente que quando os crentes ressuscitarem, não serão simplesmente vivificados. Ou tornados à vida. Como podemos ver no tópico (3º) que expomos acima, nossa condição será diferente quando da ocorrência da ressurreição. Mas que diferenças haverá. A Bíblia não fala muito a respeito de como seremos na eternidade, mas o pouco que o apóstolo Paulo falou poderá nos dar um vislumbre do nosso futuro (1Co 15:42-44, 54)74 : 1. Corpo atual Corrupção: Nossos corpos atuais, assim diz Paulo, são corpos de corrupção; a semente da doença e da morte está neles, de modo que a morte destes corpos é apenas uma questão de tempo. Corpo ressurreto Incorrupção: Toda a susceptibilidade à doença terá passado. Não estaremos mais a caminho de uma certa morte, como estamos agora, mas desfrutaremos então de um tipo de existência incorruptível. 72 Sérgio Pereira Tavares, “A Remissão dos Pecados” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 34, 35. 73 Eneziel Peixoto de Andrade, “A Ressurreição do corpo” in Revista Em que cremos? Manhumirim, Didaquê, abr/1999, p 37-39. 74 Anthony A. Hoekema, A Bíblia e o Futuro. São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, 1989, p 332, 333.