SlideShare uma empresa Scribd logo
PROPÓSITO DAS MISSÕES
Introdução
Se você é convertido há algum tempo provavelmente já ouviu falar na obra de missões. Seja por meio de
uma conferência, ou por meio de sermões, ou por meio de palestras... É praticamente impossível alguém ser
membro em uma igreja evangélica sem ter ouvido falar de missões. Todavia, ouvir falar em missões, porém não
entender o seu propósito, é o mesmo que „deixar a obra na metade de seu andamento‟. Precisamos desenvolver
um entendimento maior do que significa missões e nos inteirar do seu propósito. A fim de compreender este
assunto é benéfico perguntar: Porque existe missões? Desde quando existe missões? Quem deve executar esta
tarefa? É realmente necessário realizar esta obra? As doutrinas das Escrituras devem ser explicadas ao crente
de acordo com o que foi revelado por Deus. Os crentes devem entender as doutrinas, e não somente conhecê-las.
Sendo assim, iniciemos com o nosso estudo de missões compreendendo o Propósito das Missões, para poder em
seguida aprender outros aspectos envolvidos na doutrina de missões.
Criação
Deus em sua Sabedoria e Poder criou todas as coisas que existem. E evidentemente, cada uma delas
possuía um propósito definido. Entre todas as coisas criadas estava o ser humano – a coroa da criação de Deus –
que devido ser o co-regente da criação, recebeu do Criador todas as orientações sobre o que fazer neste mundo.
Deus lhe entregou ordens que dizia respeito à sua vida, as quais deveria seguir perfeitamente. Estas
ordens, denominadas na teologia de “Mandatos”. Estes mandatos abarcavam três áreas de sua vida (espiritual,
social, cultural), e de acordo com estas áreas os mandatos são denominados. São eles: O Mandato Espiritual, o
Mandato Social, e o Mandato Cultural. Cada mandato destes tinha uma função diferente na vida do ser humano,
apesar de estarem todos interligados uns com os outros.
1. Mandato Espiritual: É o “relacionamento pessoal que existe da parte de Deus para com cada pessoa
individualmente.”1
Este mandato diz respeito ao relacionamento do homem com Deus. Nele o homem é
chamado a permanecer em comunhão com o Criador (Gn 2:16, 17). É a responsabilidade do homem de
obedecer a Deus.
2. Mandato Social: Tem haver com a vida em sociedade do ser humano. O homem tem o dever de
multiplicar-se e encher o planeta terra onde é regente (Gn 1:28). “O homem deveria deixar pai e mãe e
unir-se à sua esposa e, juntos, em uma só carne, eles deveriam ser frutíferos, multiplicar-se e encher a
terra.”2
3. Mandato Cultural: Este mandato vai direcionar o homem naquilo que deveria fazer na terra como
regente da Criação. O homem deveria “dominar, sujeitar” o planeta para glória do Criador (Gn 1:26, 28;
2:15). “O Mandato Cultural chama toda a humanidade a participar na ordenança e na administração da
criação, isto é, na obra da civilização e da cultura.”3
Queda
Ainda que possuindo um relacionamento de união e paz com o Criador, o homem teria que enfrentar um
teste de fidelidade e submissão quanto a este relacionamento. Como um ser moral, o homem recebeu a
possibilidade de escolher se permanecia ou não num relacionamento de comunhão com Deus. Ele poderia
obedecer ou não às ordens do Criador... Este era seu teste moral. O ser humano possuía imagem e semelhança do
Criador. Esta era sua condição natural. Contudo, se escolhesse a desobediência, perderia sua comunhão com Ele,
e distorceria esta honrosa imagem.
Como está registrado em (Gn 3:6), o homem pecou, e nele toda a raça humana. Devido a entrada do
pecado na raça humana Deus não poderia permanecer em comunhão com esta; pelo contrário, deveria executar o
castigo anteriormente pronunciado para o caso da desobediência humana (Gn 2:16, 17). O caráter Santo do
1
GRONINGEN, Harriet e Gerard Van. A Família da Aliança. São Paulo, Cultura Cristã, 2002, p 151.
2
Ibid, p 151.
3
CARRIKER, Timóteo. Missão Integral – Uma Teologia Bíblica. São Paulo, 1992, p 24.
Criador não permitia um „passar por cima‟ diante da necessidade de fazer juízo ao pecado do homem
condenando-o.
Apesar de ser este o destino justo do homem, Deus sendo infinitamente misericordioso, resolve salvar
uma multidão de pessoas a fim de formar um povo exclusivamente Seu. Para isto, faz um plano para a salvação
do homem, no qual o Seu Filho seria o Mediador e Salvador. O Filho por Sua vez, tendo Se encarnado e
cumprido todas as exigências do plano de salvação, torna concreta a salvação destas pessoas escolhidas por Deus.
Missões e o Plano de Salvação
Bem, agora que entendemos que Deus decidiu salvar pessoas tirando-as da condenação que o pecado
impõe, podemos esclarecer qual o propósito das missões. Onde as missões querem chegar? Que alvo tenta
atingir? O teólogo R. B. Kuiper, em seu livro Evangelização Teocêntrica, nos dá três razões para fazer missões:
A Salvação das Almas, o Crescimento da Igreja e a Glória de Deus. Seguiremos esta linha de raciocínio a fim de
explicar o propósito de missões.
A Salvação das Almas
Ora, como vimos, a humanidade estava perdida por causa de seus pecados. Nada merecia do Criador a
não ser a condenação. Planejando e concretizando a salvação de um incontável número de seres humanos, Deus
quis que estas pessoas, eleitas para a salvação, fossem resgatadas da condenação ao ouvirem e aceitarem a
pregação da mensagem do Evangelho (Rm 10:13-17). Esta pregação do Evangelho às pessoas perdidas é que
constituem em missões.
No início o homem cumpria os mandatos que Deus havia lhes ordenado (Mandato Espiritual, Mandato
Social, e Mandato Cultural). Com a presença do pecado na vida humana, o homem se tornou incapaz de cumprir
tais obrigações. Ele se tornou pecaminoso em suas obras. Deixou de ser adorador de Deus para ser adorador de
ídolos (Rm 1:18-25). A obra de missões visa resgatar o homem do pecado e fazer dele novamente um adorador
de Deus. As missões, portanto, é uma obra que tem como meta a conquista de adoradores para o Deus
verdadeiro:
As missões não representam o alvo fundamental da igreja, a adoração sim. As missões existem
porque não há adoração, ela sim é fundamental, pois Deus é essencial e não o homem. Quando
esta era se encerrar e os incontáveis milhões de redimidos estiverem perante o trono de Deus, não
haverá mais missões. Elas representam, no momento, uma necessidade temporária. Mas a
adoração permanece para sempre.
A adoração é, portanto, o combustível e a meta das missões. É a meta das missões
porque nelas simplesmente procuramos levar as nações ao júbilo inflamado da glória de Deus. O
alvo das missões é a alegria dos povos na grandiosidade de Deus. “Reina o Senhor. Regozije-se a
terra, alegrem-se as muitas ilhas” (Sl 97:1). “Louvem-te os povos, ó Deus; louvem-te os povos
todos. Alegrem-se e exultem as gentes” (Sl 67:3-4).
Mas a adoração é também o combustível das missões. A paixão por Deus na adoração
precede a apresentação de Deus por meio da pregação. Você não pode recomendar o que não
aprecia. Os missionários jamais exclamarão: “Alegrem-se os povos”, se não puderem dizer de
coração, “Eu me alegrarei no Senhor... Alegrar-me-ei e exultarei em ti; ao teu nome, ó Altíssimo,
eu cantarei louvores” (Sl 104:34; 9:2). As missões começam e terminam com a adoração.4
O Crescimento da Igreja
Uma segunda razão para se realizar a obra de Missões é o crescimento numérico da Igreja de Cristo.
Muitos pensam que Deus não se interessa pelo crescimento numérico de sua Igreja. Entretanto, o que vemos no
livro histórico de Atos é bem diferente. Lá encontramos por diversas vezes o autor relatando o crescimento
numérico da Igreja (At 2:41, 47; 6:1; 16:5; 4:4). Ora, se o crescimento numérico da Igreja não fosse importante,
por que Deus faria ela crescer tanto? Por que faria o crescimento a Igreja ser uma realidade?
Talvez a afirmação de que Deus não se interessa por aumento numérico seja na verdade uma boa
desculpa para a „falta de crescimento‟, ou para a „falta de interesse na evangelização‟. Deus tem o plano de
formar um povo exclusivamente Seu. E de modo algum este povo é pequeno em número (Ap 7:9;19:1, 6). Se
quisermos que as pessoas se tornem adoradoras do Deus vivo e verdadeiro, então devemos tirá-las das trevas e
4
PIPER, John. Alegrem-se os Povos. São Paulo, Cultura Cristã, 2000, p 13.
trazê-las para a luz. E quando elas encontrarem a luz de Cristo, isto certamente implicará em crescimento da
Igreja.
A Glória de Deus
Embora salvar as almas e aumentar numericamente a Igreja do Senhor sejam boas razões para a
realização de missões, nada é comparável à razão de fazer isto para a glória de Deus. Cada alma resgatada do
pecado é mais uma pessoa que glorificará a Deus em vida de santidade e adoração. Portanto, missões deve ser
realizado principalmente para glorificar ao Criador do Universo (Rm 11:36; 16:25-27). Na verdade, cada alma
que se envolve em missões, deve fazer por obediência à ordem do Senhor, e, portanto, fazendo isto, glorifica a
Deus; E quando uma alma se converte ao Senhor, a partir dali sua vida deve ser para glória de Deus. Resumindo,
quem faz a obra de missões glorifica a Deus (obedecendo a Ele), quem se converte a Ele por causa da obra de
missões também O glorifica (pois viverá para obedecer a Ele), ou seja, do início ao fim as missões glorificam ao
Senhor.
Propósitos errados em missões
É claro que em meio à nossa condição de pecadores, nós acabamos por encontrar as pessoas fazerem
missões com outros objetivos que não os objetivos corretos. É preciso tomar muito cuidado quanto a isto para
que não venhamos a nos esforçar na obra de missões, sem, contudo, agradar a Deus. Deus não somente nos diz o
que fazer, mas Ele nos diz igualmente as razões corretas. Vejamos algumas razões erradas para realizar missões:
1. Aumentar o número de dizimistas;
2. Vangloriar-se pelo número grande de membros da igreja local;
3. Ter mais uma programação eclesiástica realizada pela igreja. Missões não é um evento;
4. Fazer propaganda de si mesmo aos outros, de como você trabalha muito no Senhor;
5. Mostrar que você sabe muito evangelizar;
6. Espalhar o nome da denominação (“disputa por territórios”);
7. Crescer ministerialmente (no caso de pastores e missionários);
8. Auto-justificação ou vanglória diante de Deus;
9. Utilizar as missões como se fosse uma “moeda de troca” por bênçãos das quais necessita;
10. Promover missões para adquirir mais ofertas (ofertas missionárias) para a igreja local.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de JesusEvangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
jonasfreitasdejesus
 
Boletim Jovem Fevereiro 2012
Boletim Jovem Fevereiro 2012Boletim Jovem Fevereiro 2012
Boletim Jovem Fevereiro 2012
willams
 
O poder liberador do perdão
O poder liberador do perdãoO poder liberador do perdão
O poder liberador do perdão
Rosa Luzia Da Hora
 
Qual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igrejaQual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igreja
pbmarcelo
 
Cairbar schutel espiritismo para as crianças (infantil)
Cairbar schutel   espiritismo para as crianças (infantil)Cairbar schutel   espiritismo para as crianças (infantil)
Cairbar schutel espiritismo para as crianças (infantil)
Patricia Simoes
 
Revista fé para hoje número 39 - ano 2013
Revista fé para hoje   número 39 - ano 2013Revista fé para hoje   número 39 - ano 2013
Revista fé para hoje número 39 - ano 2013
Rosemary Targa
 
Jovens Estudo 6 - Vocação
Jovens Estudo 6 - VocaçãoJovens Estudo 6 - Vocação
Jovens Estudo 6 - Vocação
uriank
 
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos geraisIntercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Herberti Pedroso
 
Ministério realidade
Ministério realidadeMinistério realidade
Ministério realidade
Tito Berry (J.J.Aranda)
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
Natalino das Neves Neves
 
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerialManual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Ricardo819
 
Apostila edl mdulo_2
Apostila edl mdulo_2Apostila edl mdulo_2
Apostila edl mdulo_2
Agnaldo Marques Marques
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
Joel Silva
 
Palavra o centro do coração de deus
Palavra   o centro do coração de deusPalavra   o centro do coração de deus
Palavra o centro do coração de deus
Adriano Gonçalves Martins
 
Lição 12 - Dons Espirituais
Lição 12 - Dons EspirituaisLição 12 - Dons Espirituais
Lição 12 - Dons Espirituais
Márcio Pereira
 
Escola De Obreiros Tampa Fl Usa
Escola De Obreiros Tampa Fl UsaEscola De Obreiros Tampa Fl Usa
Escola De Obreiros Tampa Fl Usa
CARLOS ZACARKIM
 
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
Rosa Luzia Da Hora
 
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de SalvaçãoLição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
Éder Tomé
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
Joel Silva
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
Joel Silva
 

Mais procurados (20)

Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de JesusEvangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
 
Boletim Jovem Fevereiro 2012
Boletim Jovem Fevereiro 2012Boletim Jovem Fevereiro 2012
Boletim Jovem Fevereiro 2012
 
O poder liberador do perdão
O poder liberador do perdãoO poder liberador do perdão
O poder liberador do perdão
 
Qual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igrejaQual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igreja
 
Cairbar schutel espiritismo para as crianças (infantil)
Cairbar schutel   espiritismo para as crianças (infantil)Cairbar schutel   espiritismo para as crianças (infantil)
Cairbar schutel espiritismo para as crianças (infantil)
 
Revista fé para hoje número 39 - ano 2013
Revista fé para hoje   número 39 - ano 2013Revista fé para hoje   número 39 - ano 2013
Revista fé para hoje número 39 - ano 2013
 
Jovens Estudo 6 - Vocação
Jovens Estudo 6 - VocaçãoJovens Estudo 6 - Vocação
Jovens Estudo 6 - Vocação
 
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos geraisIntercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
 
Ministério realidade
Ministério realidadeMinistério realidade
Ministério realidade
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
 
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerialManual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
 
Apostila edl mdulo_2
Apostila edl mdulo_2Apostila edl mdulo_2
Apostila edl mdulo_2
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
 
Palavra o centro do coração de deus
Palavra   o centro do coração de deusPalavra   o centro do coração de deus
Palavra o centro do coração de deus
 
Lição 12 - Dons Espirituais
Lição 12 - Dons EspirituaisLição 12 - Dons Espirituais
Lição 12 - Dons Espirituais
 
Escola De Obreiros Tampa Fl Usa
Escola De Obreiros Tampa Fl UsaEscola De Obreiros Tampa Fl Usa
Escola De Obreiros Tampa Fl Usa
 
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
 
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de SalvaçãoLição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
 

Semelhante a Propósito das missões cristãs

Apostila de dons espirituais
Apostila de dons espirituaisApostila de dons espirituais
Apostila de dons espirituais
Rubens Bastos
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
boasnovassena
 
Descoberta final
Descoberta finalDescoberta final
Descoberta final
Antonio Silva Matias
 
Donsespirituais pg
Donsespirituais pgDonsespirituais pg
Alinhavando6[revisão]
Alinhavando6[revisão]Alinhavando6[revisão]
Alinhavando6[revisão]
José do Carmo da Silva
 
Dna a visão da igreja obpc
Dna a visão da igreja obpcDna a visão da igreja obpc
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
foldinhalf
 
Evangelismo moderno, por a. w. pink
Evangelismo moderno, por a. w. pinkEvangelismo moderno, por a. w. pink
Evangelismo moderno, por a. w. pink
Silvio Dutra
 
Missio dei x missio ecclesiae
Missio dei  x  missio ecclesiaeMissio dei  x  missio ecclesiae
Missio dei x missio ecclesiae
Romildo Fernandes Gurgel Gurgel
 
Boletim 587 - 24/06/18
Boletim 587 - 24/06/18Boletim 587 - 24/06/18
Boletim 587 - 24/06/18
stanaami
 
Evangelismo
EvangelismoEvangelismo
Portal escola dominical
Portal escola dominicalPortal escola dominical
Portal escola dominical
Railton Oliveira
 
Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)
guest9c2db2e
 
A igreja que deus deseja
A igreja que deus desejaA igreja que deus deseja
A igreja que deus deseja
Pedro Júnior
 
Missões A Prioridade de Deus.pdf
Missões A Prioridade de Deus.pdfMissões A Prioridade de Deus.pdf
Missões A Prioridade de Deus.pdf
albertomanancial
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
boasnovassena
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
KARINEVONEYVIEIRABAR
 
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
Jonas Martins Olímpio
 
Evangelismo e missões ibaderj Parte 1
Evangelismo e missões ibaderj Parte 1Evangelismo e missões ibaderj Parte 1
Evangelismo e missões ibaderj Parte 1
Dangelo Nascimento
 
Estudo sobre as Escrituras
Estudo sobre as EscriturasEstudo sobre as Escrituras
Estudo sobre as Escrituras
Alberto Simonton
 

Semelhante a Propósito das missões cristãs (20)

Apostila de dons espirituais
Apostila de dons espirituaisApostila de dons espirituais
Apostila de dons espirituais
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
 
Descoberta final
Descoberta finalDescoberta final
Descoberta final
 
Donsespirituais pg
Donsespirituais pgDonsespirituais pg
Donsespirituais pg
 
Alinhavando6[revisão]
Alinhavando6[revisão]Alinhavando6[revisão]
Alinhavando6[revisão]
 
Dna a visão da igreja obpc
Dna a visão da igreja obpcDna a visão da igreja obpc
Dna a visão da igreja obpc
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Evangelismo moderno, por a. w. pink
Evangelismo moderno, por a. w. pinkEvangelismo moderno, por a. w. pink
Evangelismo moderno, por a. w. pink
 
Missio dei x missio ecclesiae
Missio dei  x  missio ecclesiaeMissio dei  x  missio ecclesiae
Missio dei x missio ecclesiae
 
Boletim 587 - 24/06/18
Boletim 587 - 24/06/18Boletim 587 - 24/06/18
Boletim 587 - 24/06/18
 
Evangelismo
EvangelismoEvangelismo
Evangelismo
 
Portal escola dominical
Portal escola dominicalPortal escola dominical
Portal escola dominical
 
Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)
 
A igreja que deus deseja
A igreja que deus desejaA igreja que deus deseja
A igreja que deus deseja
 
Missões A Prioridade de Deus.pdf
Missões A Prioridade de Deus.pdfMissões A Prioridade de Deus.pdf
Missões A Prioridade de Deus.pdf
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
 
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
 
Evangelismo e missões ibaderj Parte 1
Evangelismo e missões ibaderj Parte 1Evangelismo e missões ibaderj Parte 1
Evangelismo e missões ibaderj Parte 1
 
Estudo sobre as Escrituras
Estudo sobre as EscriturasEstudo sobre as Escrituras
Estudo sobre as Escrituras
 

Mais de Alberto Simonton

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
Alberto Simonton
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
Alberto Simonton
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
Alberto Simonton
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
Alberto Simonton
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Alberto Simonton
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
Alberto Simonton
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
Alberto Simonton
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Alberto Simonton
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
Alberto Simonton
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
Alberto Simonton
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
Alberto Simonton
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
Alberto Simonton
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Alberto Simonton
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
Alberto Simonton
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
Alberto Simonton
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Alberto Simonton
 
II Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação MinisterialII Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação Ministerial
Alberto Simonton
 

Mais de Alberto Simonton (20)

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
 
II Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação MinisterialII Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação Ministerial
 

Último

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 

Último (10)

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 

Propósito das missões cristãs

  • 1. PROPÓSITO DAS MISSÕES Introdução Se você é convertido há algum tempo provavelmente já ouviu falar na obra de missões. Seja por meio de uma conferência, ou por meio de sermões, ou por meio de palestras... É praticamente impossível alguém ser membro em uma igreja evangélica sem ter ouvido falar de missões. Todavia, ouvir falar em missões, porém não entender o seu propósito, é o mesmo que „deixar a obra na metade de seu andamento‟. Precisamos desenvolver um entendimento maior do que significa missões e nos inteirar do seu propósito. A fim de compreender este assunto é benéfico perguntar: Porque existe missões? Desde quando existe missões? Quem deve executar esta tarefa? É realmente necessário realizar esta obra? As doutrinas das Escrituras devem ser explicadas ao crente de acordo com o que foi revelado por Deus. Os crentes devem entender as doutrinas, e não somente conhecê-las. Sendo assim, iniciemos com o nosso estudo de missões compreendendo o Propósito das Missões, para poder em seguida aprender outros aspectos envolvidos na doutrina de missões. Criação Deus em sua Sabedoria e Poder criou todas as coisas que existem. E evidentemente, cada uma delas possuía um propósito definido. Entre todas as coisas criadas estava o ser humano – a coroa da criação de Deus – que devido ser o co-regente da criação, recebeu do Criador todas as orientações sobre o que fazer neste mundo. Deus lhe entregou ordens que dizia respeito à sua vida, as quais deveria seguir perfeitamente. Estas ordens, denominadas na teologia de “Mandatos”. Estes mandatos abarcavam três áreas de sua vida (espiritual, social, cultural), e de acordo com estas áreas os mandatos são denominados. São eles: O Mandato Espiritual, o Mandato Social, e o Mandato Cultural. Cada mandato destes tinha uma função diferente na vida do ser humano, apesar de estarem todos interligados uns com os outros. 1. Mandato Espiritual: É o “relacionamento pessoal que existe da parte de Deus para com cada pessoa individualmente.”1 Este mandato diz respeito ao relacionamento do homem com Deus. Nele o homem é chamado a permanecer em comunhão com o Criador (Gn 2:16, 17). É a responsabilidade do homem de obedecer a Deus. 2. Mandato Social: Tem haver com a vida em sociedade do ser humano. O homem tem o dever de multiplicar-se e encher o planeta terra onde é regente (Gn 1:28). “O homem deveria deixar pai e mãe e unir-se à sua esposa e, juntos, em uma só carne, eles deveriam ser frutíferos, multiplicar-se e encher a terra.”2 3. Mandato Cultural: Este mandato vai direcionar o homem naquilo que deveria fazer na terra como regente da Criação. O homem deveria “dominar, sujeitar” o planeta para glória do Criador (Gn 1:26, 28; 2:15). “O Mandato Cultural chama toda a humanidade a participar na ordenança e na administração da criação, isto é, na obra da civilização e da cultura.”3 Queda Ainda que possuindo um relacionamento de união e paz com o Criador, o homem teria que enfrentar um teste de fidelidade e submissão quanto a este relacionamento. Como um ser moral, o homem recebeu a possibilidade de escolher se permanecia ou não num relacionamento de comunhão com Deus. Ele poderia obedecer ou não às ordens do Criador... Este era seu teste moral. O ser humano possuía imagem e semelhança do Criador. Esta era sua condição natural. Contudo, se escolhesse a desobediência, perderia sua comunhão com Ele, e distorceria esta honrosa imagem. Como está registrado em (Gn 3:6), o homem pecou, e nele toda a raça humana. Devido a entrada do pecado na raça humana Deus não poderia permanecer em comunhão com esta; pelo contrário, deveria executar o castigo anteriormente pronunciado para o caso da desobediência humana (Gn 2:16, 17). O caráter Santo do 1 GRONINGEN, Harriet e Gerard Van. A Família da Aliança. São Paulo, Cultura Cristã, 2002, p 151. 2 Ibid, p 151. 3 CARRIKER, Timóteo. Missão Integral – Uma Teologia Bíblica. São Paulo, 1992, p 24.
  • 2. Criador não permitia um „passar por cima‟ diante da necessidade de fazer juízo ao pecado do homem condenando-o. Apesar de ser este o destino justo do homem, Deus sendo infinitamente misericordioso, resolve salvar uma multidão de pessoas a fim de formar um povo exclusivamente Seu. Para isto, faz um plano para a salvação do homem, no qual o Seu Filho seria o Mediador e Salvador. O Filho por Sua vez, tendo Se encarnado e cumprido todas as exigências do plano de salvação, torna concreta a salvação destas pessoas escolhidas por Deus. Missões e o Plano de Salvação Bem, agora que entendemos que Deus decidiu salvar pessoas tirando-as da condenação que o pecado impõe, podemos esclarecer qual o propósito das missões. Onde as missões querem chegar? Que alvo tenta atingir? O teólogo R. B. Kuiper, em seu livro Evangelização Teocêntrica, nos dá três razões para fazer missões: A Salvação das Almas, o Crescimento da Igreja e a Glória de Deus. Seguiremos esta linha de raciocínio a fim de explicar o propósito de missões. A Salvação das Almas Ora, como vimos, a humanidade estava perdida por causa de seus pecados. Nada merecia do Criador a não ser a condenação. Planejando e concretizando a salvação de um incontável número de seres humanos, Deus quis que estas pessoas, eleitas para a salvação, fossem resgatadas da condenação ao ouvirem e aceitarem a pregação da mensagem do Evangelho (Rm 10:13-17). Esta pregação do Evangelho às pessoas perdidas é que constituem em missões. No início o homem cumpria os mandatos que Deus havia lhes ordenado (Mandato Espiritual, Mandato Social, e Mandato Cultural). Com a presença do pecado na vida humana, o homem se tornou incapaz de cumprir tais obrigações. Ele se tornou pecaminoso em suas obras. Deixou de ser adorador de Deus para ser adorador de ídolos (Rm 1:18-25). A obra de missões visa resgatar o homem do pecado e fazer dele novamente um adorador de Deus. As missões, portanto, é uma obra que tem como meta a conquista de adoradores para o Deus verdadeiro: As missões não representam o alvo fundamental da igreja, a adoração sim. As missões existem porque não há adoração, ela sim é fundamental, pois Deus é essencial e não o homem. Quando esta era se encerrar e os incontáveis milhões de redimidos estiverem perante o trono de Deus, não haverá mais missões. Elas representam, no momento, uma necessidade temporária. Mas a adoração permanece para sempre. A adoração é, portanto, o combustível e a meta das missões. É a meta das missões porque nelas simplesmente procuramos levar as nações ao júbilo inflamado da glória de Deus. O alvo das missões é a alegria dos povos na grandiosidade de Deus. “Reina o Senhor. Regozije-se a terra, alegrem-se as muitas ilhas” (Sl 97:1). “Louvem-te os povos, ó Deus; louvem-te os povos todos. Alegrem-se e exultem as gentes” (Sl 67:3-4). Mas a adoração é também o combustível das missões. A paixão por Deus na adoração precede a apresentação de Deus por meio da pregação. Você não pode recomendar o que não aprecia. Os missionários jamais exclamarão: “Alegrem-se os povos”, se não puderem dizer de coração, “Eu me alegrarei no Senhor... Alegrar-me-ei e exultarei em ti; ao teu nome, ó Altíssimo, eu cantarei louvores” (Sl 104:34; 9:2). As missões começam e terminam com a adoração.4 O Crescimento da Igreja Uma segunda razão para se realizar a obra de Missões é o crescimento numérico da Igreja de Cristo. Muitos pensam que Deus não se interessa pelo crescimento numérico de sua Igreja. Entretanto, o que vemos no livro histórico de Atos é bem diferente. Lá encontramos por diversas vezes o autor relatando o crescimento numérico da Igreja (At 2:41, 47; 6:1; 16:5; 4:4). Ora, se o crescimento numérico da Igreja não fosse importante, por que Deus faria ela crescer tanto? Por que faria o crescimento a Igreja ser uma realidade? Talvez a afirmação de que Deus não se interessa por aumento numérico seja na verdade uma boa desculpa para a „falta de crescimento‟, ou para a „falta de interesse na evangelização‟. Deus tem o plano de formar um povo exclusivamente Seu. E de modo algum este povo é pequeno em número (Ap 7:9;19:1, 6). Se quisermos que as pessoas se tornem adoradoras do Deus vivo e verdadeiro, então devemos tirá-las das trevas e 4 PIPER, John. Alegrem-se os Povos. São Paulo, Cultura Cristã, 2000, p 13.
  • 3. trazê-las para a luz. E quando elas encontrarem a luz de Cristo, isto certamente implicará em crescimento da Igreja. A Glória de Deus Embora salvar as almas e aumentar numericamente a Igreja do Senhor sejam boas razões para a realização de missões, nada é comparável à razão de fazer isto para a glória de Deus. Cada alma resgatada do pecado é mais uma pessoa que glorificará a Deus em vida de santidade e adoração. Portanto, missões deve ser realizado principalmente para glorificar ao Criador do Universo (Rm 11:36; 16:25-27). Na verdade, cada alma que se envolve em missões, deve fazer por obediência à ordem do Senhor, e, portanto, fazendo isto, glorifica a Deus; E quando uma alma se converte ao Senhor, a partir dali sua vida deve ser para glória de Deus. Resumindo, quem faz a obra de missões glorifica a Deus (obedecendo a Ele), quem se converte a Ele por causa da obra de missões também O glorifica (pois viverá para obedecer a Ele), ou seja, do início ao fim as missões glorificam ao Senhor. Propósitos errados em missões É claro que em meio à nossa condição de pecadores, nós acabamos por encontrar as pessoas fazerem missões com outros objetivos que não os objetivos corretos. É preciso tomar muito cuidado quanto a isto para que não venhamos a nos esforçar na obra de missões, sem, contudo, agradar a Deus. Deus não somente nos diz o que fazer, mas Ele nos diz igualmente as razões corretas. Vejamos algumas razões erradas para realizar missões: 1. Aumentar o número de dizimistas; 2. Vangloriar-se pelo número grande de membros da igreja local; 3. Ter mais uma programação eclesiástica realizada pela igreja. Missões não é um evento; 4. Fazer propaganda de si mesmo aos outros, de como você trabalha muito no Senhor; 5. Mostrar que você sabe muito evangelizar; 6. Espalhar o nome da denominação (“disputa por territórios”); 7. Crescer ministerialmente (no caso de pastores e missionários); 8. Auto-justificação ou vanglória diante de Deus; 9. Utilizar as missões como se fosse uma “moeda de troca” por bênçãos das quais necessita; 10. Promover missões para adquirir mais ofertas (ofertas missionárias) para a igreja local.