SlideShare uma empresa Scribd logo
Lição 04


                        QUARTO PERÍODO:
           A IDADE                          MÉDIA                CRISTÃ
                               Séculos V a XV



Fonte: História da Igreja: dos primórdios à atualidade (IBUHT)
LEITURA BÍBLICA ~ Gl 1.8-11

8 Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu
vos anuncie outro evangelho além do que já vos
tenho anunciado, seja anátema.
9 Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo
também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro
evangelho além do que já recebestes, seja anátema.
10 Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus?
ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda
agradando aos homens, não seria servo de Cristo.
11 Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que
por mim foi anunciado não é segundo os homens.
~ ESBOÇO ~
 INTRODUÇÃO
 I A IGREJA MEDIEVAL
1 A Vida da Igreja; 2 O Culto e a Religião Popular; 3 As
Riquezas da Igreja e 4 O Papado
 II O GRANDE CISMA DO ORIENTE
1. Algumas razões principais para o Grande Cisma e 2. A
Igreja Ortodoxa Hoje
 III AS CRUZADAS
 IV MOVIMENTOS DE PROTESTO
1 Os Valdenses (1170); 2 João Wycliffe ( 1328 - 1384) e 3
JOÃO HUSS (1373 - 1415)
 IV A EVOLUÇÃO DO CATOLICISMO ROMANO
 CONCLUSÃO
INTRODUÇÃO
 É o período mais longo, e trágico, da história da Igreja
Cristã, cerca de mil anos. Dez séculos de distanciamento dos
princípios, doutrinas e práticas bíblicas. Quase todas as vozes
foram silenciadas. Esse foi também um período de protestos
por uma práxis, na Igreja, que correspondesse aos ditames da
Palavra de Deus.
 A Igreja mais era uma força
política que uma extensão do
Reino de Deus na terra. O papa
tornara-se senhor absoluto da
Igreja que se estendia por todo
o território da antigo Império
Romano. Aquela que antes
dependia só de Deus, tornara-se
agora um negócio de homens.
I   A    IGREJA       MEDIEVAL
1 A Vida da Igreja
 O declínio moral e espiritual pelo
qual passava a Igreja nesse período
refletia-se em todos os seus
aspectos, em todos os lugares.
Embriagues e adultério eram os
menores vícios de um clero
apodrecido. Por toda Europa o
número de sacerdotes envolvidos em
escândalos era bem maior que os de
vida honesta. Entre eles prevalecia a
ignorância e o abandono de seus
deveres para com suas igrejas. Eram
acusados de roubo e venda de ofícios.
2 O Culto e a Religião Popular
 Era ministrado ao povo sacramentos que ocupavam a maior
parte da adoração:
a) batismo; b) confirmação; c) eucaristia; d) penitência; e)
extrema unção; f) ordem; g) matrimônio.
 Os sacerdotes ensinavam que o
simples      cumprimento       desses
sacramentos era fator determinante
para a salvação. A missa era o
elemento central do culto. Era
celebrada com muito esplendor por
meio de cerimônias, movimentos,
vestimentas caríssimas, música
solene e belíssimos templos, tudo
com objetivo de impressionar o
espírito através dos sentidos.
3 As Riquezas da Igreja
 Desde o Imperador Constantino o clero vinha isento do
pagamento de impostos. Governos posteriores dispuseram que
só fossem ordenados para o sacerdócio os de “pequena
fortuna”, de poucas posses, de pouca ou nenhuma formação.
 Assim a igreja passou a receber
não só ofertas dos fiéis mas foram-
lhe doadas muitas extensões de
terras, inúmeros edifícios para fins
religiosos. A Igreja tornou-se rica
na Europa chegando a dominar a
quarta parte dos territórios da
França, Alemanha e Inglaterra.
Rendas incalculáveis enchiam os
cofres da Igreja, isso sem falar do
dinheiro arrecadado na venda das
indulgências.
4 O Papado
a) Origem:
 Tudo começou com Constantino presidindo o 1º Concílio
das Igrejas (313). Depois foi construído a primeira basílica em
Roma.
 Em 402 Inocêncio I dizendo-se governante das Igrejas
exigiu que todas as controvérsias fossem levadas a ele.
 Em 440 Leão I aumentou sua autoridade, sendo visto por
alguns historiadores como o primeiro papa.
 Em 445 o Imperador Romano Valentiniano III reconheceu a
pretensão do papa de exercer autoridade sobre as igrejas.
 A palavra "papa" significa pai. Até o ano 500 todos os
bispos     ocidentais    foram     chamados     assim.      Aos
poucos, restringiram esse tratamento aos bispos de Roma, que
valorizados, entenderam que a Capital do império desfeito
deveria ser sede da Igreja.
b) As Tradições:
 No segundo século
surgiu uma tradição
propalada por Irineu de
que tanto Paulo como
Pedro, haviam fundado e
dirigido aquela igreja.
 Jerônimo chega a
dizer que Pedro governou
esta igreja durante 25
anos. Assim, mais e mais
foi se solidificando a
lenda de que Pedro havia
fundado a igreja em
Roma e transferido para
lá o seu pontificado.
II    O GRANDE CISMA DO ORIENTE
 Tanto a igreja católica
ocidental,     liderada     por
Roma,       como      a     ala
oriental,     liderada      por
Constantinopla, já havia
incorporado        em     suas
práticas e liturgias vários
pontos        que       seriam
questionados de forma
incisiva pela Reforma do
século XVI. Pontos estes
que deram lugar à separação
entre     o     leste   e     o    Igreja Católica Apostólica
oeste,     culminando,      em    Ortodoxa e a Igreja Católica
                                      Apostólica Romana.
1. Algumas razões principais para o Grande Cisma:

a) controvérsia iconoclástica, uma discordância contra a
utilização de imagens.

b) falta de predisposição tanto do papa, em Roma, como do
Patriarca, em Constantinopla, de se submeterem um ao outro.

c)     diferenças     culturais
existentes entre o oriente e o
ocidente. A igreja oriental foi
ficando cada vez mais
introspectiva, monástica e
mística.        A        igreja
ocidental, mais inovadora e
eclética na absorção de
2. A Igreja Ortodoxa Hoje
 É um ajuntamento de
igrejas autogovernadas.
São administrativamente
independentes e possuem
vários ramos, embora
todas reconheçam a
preeminência espiritual
do       Patriarca       de
Constantinopla.        Dão
enorme importância a
tradição. Retornaram à
prática de veneração e
adoração dos ícones. E
existe     um       intenso
ritualismo                e
formalismo,      na     sua
III AS CRUZADAS
 Objetivavam “converter”, por quaisquer meios, inclusive
a espada, povos e nações ao cristianismo.
 Eram Expedições de caráter "militar" organizadas pela
Igreja, para combaterem os inimigos do cristianismo e
libertarem a Terra Santa (Jerusalém) das mãos desses
infiéis.
 O termo Cruzadas passou a designá-lo em virtude de
seus adeptos (os chamados soldados de Cristo) serem
identificados pelo símbolo da cruz bordado em suas
vestes.
 A Igreja sempre defendia a participação dos fiéis na
Guerra Santa, prometendo a eles recompensas divinas,
como a salvação da alma e a vida eterna, através de
sucessivas pregações realizadas em toda a Europa.
IV MOVIMENTOS DE PROTESTO
 No início do século XII surgiram vários movimentos de
oposição à atitude do clero e ao estado moral da Igreja por
parte de vários homens. Vejamos alguns:
1 Os Valdenses (1170). Liderados
por Pedro Valdo, um comerciante de
Lyon, na França, distribuiu todo o
seu dinheiro entre os pobres vindo a
tornar-se um evangelista itinerante.
À     ele   juntaram-se     grandes
multidões que faziam frente à Igreja
espiritualmente        enfraquecida.
Ainda que perseguidos pela
inquisição papal continuaram
sempre ativos no ensino do
Evangelho e na distribuição de
manuscritos parciais das Escrituras.
2 João Wycliffe ( 1328 - 1384). Queria reformar a Igreja romana
através da eliminação dos clérigos imorais e pelo despojamento
de sua propriedade , que , segundo ele, era a fonte da corrupção.
As habilidades de Wycliffe influenciaram na preparação do
caminho para a reforma na Inglaterra. Ele deu aos ingleses sua
primeira Bíblia no vernáculo e criou o grupo lolardo para
proclamar ideias evangélicas entre o povo comum da Inglaterra.




3 JOÃO HUSS (1373 - 1415). Reformador religioso e patriota tcheco.
Apoiado, de início, pelas autoridades traduziu o Novo Testamento
para o tcheco e publicou vários livros: da glorificação do sangue de
Jesus Cristo, Contra a adoração das imagens, Vida e Paixão de
Cristo segundo os quatro Evangelhos. Excomungado deixou Praga
a pedido do imperador, e posteriormente foi sentenciado à
fogueira. Queimaram-no noprópriodiadacondenação.
V A EVOLUÇÃO DO CATOLICISMO ROMANO
            – Séc. V a XV
400 – Maria passa a ser considerada “mãe de Deus” e os
católicos começam a interceder pelos mortos;
431 – Instituição do culto a Maria no concílio de Éfeso;
451 – Surge a doutrina da virgindade perpétua de Maria;
503 – É criada a doutrina do purgatório;
554 – 25 de dezembro oficializado como o nascimento de
Cristo;
600 – Gregório, o Grande, torna-se o primeiro Papa.
787 – Instituição do culto às imagens e às relíquias no II
Concílio de Nicéia;
850 – Concílio de Paiva. Instituição do rosário e da coroa da
virgem Maria e da doutrina da transubstanciação;
880 – Início da canonização dos santos;
1073 – Instituída a doutrina do celibato pelo Papa Hildebrando
1094 – No Concílio de Clermont a Igreja Católica cria as
indulgências ( venda de salvação );
1100 – Institui-se o pagamento pelas missas e pelo culto aos
santos;
1184 – A “Santa Inquisição” é estabelecida no Concílio de
Verona;
1229 – A Igreja Católica proíbe aos leigos a leitura da Bíblia;
1317 – João XII ordena a reza “ Ave Maria ”;
1500 – Celebrada a primeira missa no Brasil;
CONCLUSÃO
       Vimos aqui cerca de mil anos de história, um período
de protestos por uma ortodoxia e ortopraxia, na Igreja, que
correspondesse aos ditames da Palavra de Deus, ao custo da
própria vida.
       Veremos na próxima aula, que estes protestos
resultaram na Reforma Protestante proporcionando liberdade
de acesso a Palavra de Deus e um novo tempo para os fiéis
que agora descobriam o caminho de relacionamento direto
com o Senhor.
                                                       Soli Deo gloria!



                                                 Ir. Adriano Pascoa
                            e-mail e msn: adrianoiuris@hotmail.com
                      Facebook: http://www.facebook.com/adrianoiuris

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
ESTUDANTETEOLOGIA
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
Viva a Igreja
 
Teologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosTeologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - Aspectos
Gcom digital factory
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
Daladier Lima
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
Jefferson Evangelista
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
Andre Nascimento
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
Eraldo Luciano
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Robson Rocha
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Éder Tomé
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
História do cristianismo ii - Um resumo histórico
História do cristianismo ii - Um resumo históricoHistória do cristianismo ii - Um resumo histórico
História do cristianismo ii - Um resumo histórico
Gustavo Messias
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
Respirando Deus
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
Taciano Cassimiro Cassimiro
 
Ebd lição 03 Testemunhas de Jeová
Ebd lição 03 Testemunhas de JeováEbd lição 03 Testemunhas de Jeová
Ebd lição 03 Testemunhas de Jeová
Escol Dominical
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologia
Alberto Nery
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
Ricardo Gondim
 
1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco
Jefferson Evangelista
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2
Lisanro Cronje
 

Mais procurados (20)

Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
 
Teologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosTeologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - Aspectos
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
 
Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
História do cristianismo ii - Um resumo histórico
História do cristianismo ii - Um resumo históricoHistória do cristianismo ii - Um resumo histórico
História do cristianismo ii - Um resumo histórico
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
Ebd lição 03 Testemunhas de Jeová
Ebd lição 03 Testemunhas de JeováEbd lição 03 Testemunhas de Jeová
Ebd lição 03 Testemunhas de Jeová
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologia
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
 
Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2
 

Destaque

Historia da igreja I aula 2
Historia da igreja I  aula 2Historia da igreja I  aula 2
Historia da igreja I aula 2
Moisés Sampaio
 
Idade média slide
Idade média slideIdade média slide
Idade média slide
fernando1011
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
Sérgio Miguel
 
Igreja Católica na Idade Média
Igreja Católica na Idade MédiaIgreja Católica na Idade Média
Igreja Católica na Idade Média
Fernando Cesar Gouveia
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
Fatima Freitas
 
A IDADE MÉDIA
A IDADE MÉDIAA IDADE MÉDIA
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
Gisele Finatti Baraglio
 
HISTÓRIA DA IGREJA - INTRODUÇÃO
HISTÓRIA DA IGREJA - INTRODUÇÃOHISTÓRIA DA IGREJA - INTRODUÇÃO
HISTÓRIA DA IGREJA - INTRODUÇÃO
Leonam dos Santos
 
Igreja na Idade Média
Igreja na Idade MédiaIgreja na Idade Média
Igreja na Idade Média
Glauco Gonçalves
 
Lição 4 - Não farás imagens de esculturas
Lição 4 - Não farás imagens de esculturasLição 4 - Não farás imagens de esculturas
Lição 4 - Não farás imagens de esculturas
Adriano Pascoa
 
História da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
História da Igreja I: Aula 13: Oposição ExternaHistória da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
História da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
Andre Nascimento
 
História da Igreja I: Aula 12: Tentativas de mudanças internas
História da Igreja I: Aula 12: Tentativas de mudanças internasHistória da Igreja I: Aula 12: Tentativas de mudanças internas
História da Igreja I: Aula 12: Tentativas de mudanças internas
Andre Nascimento
 
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
Andre Nascimento
 
Idade Média - A Igreja Católica
Idade Média - A Igreja CatólicaIdade Média - A Igreja Católica
Idade Média - A Igreja Católica
Paulo Alexandre
 
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja CatólicaHistória da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
Andre Nascimento
 
História da teologia
História da teologiaHistória da teologia
História da teologia
ugleybson
 
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
Andre Nascimento
 
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - IntroduçãoHistória da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
Andre Nascimento
 
A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Igreja na idade media
Igreja na idade mediaIgreja na idade media
Igreja na idade media
Marcela Marangon Ribeiro
 

Destaque (20)

Historia da igreja I aula 2
Historia da igreja I  aula 2Historia da igreja I  aula 2
Historia da igreja I aula 2
 
Idade média slide
Idade média slideIdade média slide
Idade média slide
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
 
Igreja Católica na Idade Média
Igreja Católica na Idade MédiaIgreja Católica na Idade Média
Igreja Católica na Idade Média
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
 
A IDADE MÉDIA
A IDADE MÉDIAA IDADE MÉDIA
A IDADE MÉDIA
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
HISTÓRIA DA IGREJA - INTRODUÇÃO
HISTÓRIA DA IGREJA - INTRODUÇÃOHISTÓRIA DA IGREJA - INTRODUÇÃO
HISTÓRIA DA IGREJA - INTRODUÇÃO
 
Igreja na Idade Média
Igreja na Idade MédiaIgreja na Idade Média
Igreja na Idade Média
 
Lição 4 - Não farás imagens de esculturas
Lição 4 - Não farás imagens de esculturasLição 4 - Não farás imagens de esculturas
Lição 4 - Não farás imagens de esculturas
 
História da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
História da Igreja I: Aula 13: Oposição ExternaHistória da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
História da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
 
História da Igreja I: Aula 12: Tentativas de mudanças internas
História da Igreja I: Aula 12: Tentativas de mudanças internasHistória da Igreja I: Aula 12: Tentativas de mudanças internas
História da Igreja I: Aula 12: Tentativas de mudanças internas
 
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
 
Idade Média - A Igreja Católica
Idade Média - A Igreja CatólicaIdade Média - A Igreja Católica
Idade Média - A Igreja Católica
 
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja CatólicaHistória da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
 
História da teologia
História da teologiaHistória da teologia
História da teologia
 
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
 
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - IntroduçãoHistória da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
 
A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
 
Igreja na idade media
Igreja na idade mediaIgreja na idade media
Igreja na idade media
 

Semelhante a Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã

Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
DenisAurlio2
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
cattonia
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
Nuno Faustino
 
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugalA renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
Cecília Gomes
 
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
Vítor Santos
 
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Aula  reforma e contra-reforma religiosa2Aula  reforma e contra-reforma religiosa2
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Janete Garcia de Freitas
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Péricles Penuel
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
adalbertovha
 
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºanoO tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
Zé Mário
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Nelson Faustino
 
Apresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmpApresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmp
Péricles Penuel
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosa
Grazi Oliveira
 
O Tempo Das Reformas Religiosas
O Tempo Das Reformas ReligiosasO Tempo Das Reformas Religiosas
O Tempo Das Reformas Religiosas
Ana Batista
 
19 periodo da igreja primitiva
19  periodo da igreja primitiva19  periodo da igreja primitiva
19 periodo da igreja primitiva
Pib Penha
 
Aula 1a parte hc antiguidade
Aula  1a parte  hc antiguidadeAula  1a parte  hc antiguidade
Aula 1a parte hc antiguidade
Gcom digital factory
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Adriana Gomes Messias
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 

Semelhante a Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã (20)

Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
 
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugalA renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
 
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
 
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Aula  reforma e contra-reforma religiosa2Aula  reforma e contra-reforma religiosa2
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
 
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºanoO tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Apresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmpApresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmp
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosa
 
O Tempo Das Reformas Religiosas
O Tempo Das Reformas ReligiosasO Tempo Das Reformas Religiosas
O Tempo Das Reformas Religiosas
 
19 periodo da igreja primitiva
19  periodo da igreja primitiva19  periodo da igreja primitiva
19 periodo da igreja primitiva
 
Aula 1a parte hc antiguidade
Aula  1a parte  hc antiguidadeAula  1a parte  hc antiguidade
Aula 1a parte hc antiguidade
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
 

Último

gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
MariaJooSilva58
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 

Último (20)

gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 

Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã

  • 1. Lição 04 QUARTO PERÍODO: A IDADE MÉDIA CRISTÃ Séculos V a XV Fonte: História da Igreja: dos primórdios à atualidade (IBUHT)
  • 2. LEITURA BÍBLICA ~ Gl 1.8-11 8 Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema. 9 Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema. 10 Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo. 11 Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens.
  • 3. ~ ESBOÇO ~  INTRODUÇÃO  I A IGREJA MEDIEVAL 1 A Vida da Igreja; 2 O Culto e a Religião Popular; 3 As Riquezas da Igreja e 4 O Papado  II O GRANDE CISMA DO ORIENTE 1. Algumas razões principais para o Grande Cisma e 2. A Igreja Ortodoxa Hoje  III AS CRUZADAS  IV MOVIMENTOS DE PROTESTO 1 Os Valdenses (1170); 2 João Wycliffe ( 1328 - 1384) e 3 JOÃO HUSS (1373 - 1415)  IV A EVOLUÇÃO DO CATOLICISMO ROMANO  CONCLUSÃO
  • 4. INTRODUÇÃO  É o período mais longo, e trágico, da história da Igreja Cristã, cerca de mil anos. Dez séculos de distanciamento dos princípios, doutrinas e práticas bíblicas. Quase todas as vozes foram silenciadas. Esse foi também um período de protestos por uma práxis, na Igreja, que correspondesse aos ditames da Palavra de Deus.  A Igreja mais era uma força política que uma extensão do Reino de Deus na terra. O papa tornara-se senhor absoluto da Igreja que se estendia por todo o território da antigo Império Romano. Aquela que antes dependia só de Deus, tornara-se agora um negócio de homens.
  • 5. I A IGREJA MEDIEVAL 1 A Vida da Igreja  O declínio moral e espiritual pelo qual passava a Igreja nesse período refletia-se em todos os seus aspectos, em todos os lugares. Embriagues e adultério eram os menores vícios de um clero apodrecido. Por toda Europa o número de sacerdotes envolvidos em escândalos era bem maior que os de vida honesta. Entre eles prevalecia a ignorância e o abandono de seus deveres para com suas igrejas. Eram acusados de roubo e venda de ofícios.
  • 6. 2 O Culto e a Religião Popular  Era ministrado ao povo sacramentos que ocupavam a maior parte da adoração: a) batismo; b) confirmação; c) eucaristia; d) penitência; e) extrema unção; f) ordem; g) matrimônio.  Os sacerdotes ensinavam que o simples cumprimento desses sacramentos era fator determinante para a salvação. A missa era o elemento central do culto. Era celebrada com muito esplendor por meio de cerimônias, movimentos, vestimentas caríssimas, música solene e belíssimos templos, tudo com objetivo de impressionar o espírito através dos sentidos.
  • 7. 3 As Riquezas da Igreja  Desde o Imperador Constantino o clero vinha isento do pagamento de impostos. Governos posteriores dispuseram que só fossem ordenados para o sacerdócio os de “pequena fortuna”, de poucas posses, de pouca ou nenhuma formação.  Assim a igreja passou a receber não só ofertas dos fiéis mas foram- lhe doadas muitas extensões de terras, inúmeros edifícios para fins religiosos. A Igreja tornou-se rica na Europa chegando a dominar a quarta parte dos territórios da França, Alemanha e Inglaterra. Rendas incalculáveis enchiam os cofres da Igreja, isso sem falar do dinheiro arrecadado na venda das indulgências.
  • 8. 4 O Papado a) Origem:  Tudo começou com Constantino presidindo o 1º Concílio das Igrejas (313). Depois foi construído a primeira basílica em Roma.  Em 402 Inocêncio I dizendo-se governante das Igrejas exigiu que todas as controvérsias fossem levadas a ele.  Em 440 Leão I aumentou sua autoridade, sendo visto por alguns historiadores como o primeiro papa.  Em 445 o Imperador Romano Valentiniano III reconheceu a pretensão do papa de exercer autoridade sobre as igrejas.  A palavra "papa" significa pai. Até o ano 500 todos os bispos ocidentais foram chamados assim. Aos poucos, restringiram esse tratamento aos bispos de Roma, que valorizados, entenderam que a Capital do império desfeito deveria ser sede da Igreja.
  • 9. b) As Tradições:  No segundo século surgiu uma tradição propalada por Irineu de que tanto Paulo como Pedro, haviam fundado e dirigido aquela igreja.  Jerônimo chega a dizer que Pedro governou esta igreja durante 25 anos. Assim, mais e mais foi se solidificando a lenda de que Pedro havia fundado a igreja em Roma e transferido para lá o seu pontificado.
  • 10. II O GRANDE CISMA DO ORIENTE  Tanto a igreja católica ocidental, liderada por Roma, como a ala oriental, liderada por Constantinopla, já havia incorporado em suas práticas e liturgias vários pontos que seriam questionados de forma incisiva pela Reforma do século XVI. Pontos estes que deram lugar à separação entre o leste e o Igreja Católica Apostólica oeste, culminando, em Ortodoxa e a Igreja Católica Apostólica Romana.
  • 11. 1. Algumas razões principais para o Grande Cisma: a) controvérsia iconoclástica, uma discordância contra a utilização de imagens. b) falta de predisposição tanto do papa, em Roma, como do Patriarca, em Constantinopla, de se submeterem um ao outro. c) diferenças culturais existentes entre o oriente e o ocidente. A igreja oriental foi ficando cada vez mais introspectiva, monástica e mística. A igreja ocidental, mais inovadora e eclética na absorção de
  • 12. 2. A Igreja Ortodoxa Hoje  É um ajuntamento de igrejas autogovernadas. São administrativamente independentes e possuem vários ramos, embora todas reconheçam a preeminência espiritual do Patriarca de Constantinopla. Dão enorme importância a tradição. Retornaram à prática de veneração e adoração dos ícones. E existe um intenso ritualismo e formalismo, na sua
  • 13. III AS CRUZADAS  Objetivavam “converter”, por quaisquer meios, inclusive a espada, povos e nações ao cristianismo.  Eram Expedições de caráter "militar" organizadas pela Igreja, para combaterem os inimigos do cristianismo e libertarem a Terra Santa (Jerusalém) das mãos desses infiéis.  O termo Cruzadas passou a designá-lo em virtude de seus adeptos (os chamados soldados de Cristo) serem identificados pelo símbolo da cruz bordado em suas vestes.  A Igreja sempre defendia a participação dos fiéis na Guerra Santa, prometendo a eles recompensas divinas, como a salvação da alma e a vida eterna, através de sucessivas pregações realizadas em toda a Europa.
  • 14. IV MOVIMENTOS DE PROTESTO  No início do século XII surgiram vários movimentos de oposição à atitude do clero e ao estado moral da Igreja por parte de vários homens. Vejamos alguns: 1 Os Valdenses (1170). Liderados por Pedro Valdo, um comerciante de Lyon, na França, distribuiu todo o seu dinheiro entre os pobres vindo a tornar-se um evangelista itinerante. À ele juntaram-se grandes multidões que faziam frente à Igreja espiritualmente enfraquecida. Ainda que perseguidos pela inquisição papal continuaram sempre ativos no ensino do Evangelho e na distribuição de manuscritos parciais das Escrituras.
  • 15. 2 João Wycliffe ( 1328 - 1384). Queria reformar a Igreja romana através da eliminação dos clérigos imorais e pelo despojamento de sua propriedade , que , segundo ele, era a fonte da corrupção. As habilidades de Wycliffe influenciaram na preparação do caminho para a reforma na Inglaterra. Ele deu aos ingleses sua primeira Bíblia no vernáculo e criou o grupo lolardo para proclamar ideias evangélicas entre o povo comum da Inglaterra. 3 JOÃO HUSS (1373 - 1415). Reformador religioso e patriota tcheco. Apoiado, de início, pelas autoridades traduziu o Novo Testamento para o tcheco e publicou vários livros: da glorificação do sangue de Jesus Cristo, Contra a adoração das imagens, Vida e Paixão de Cristo segundo os quatro Evangelhos. Excomungado deixou Praga a pedido do imperador, e posteriormente foi sentenciado à fogueira. Queimaram-no noprópriodiadacondenação.
  • 16. V A EVOLUÇÃO DO CATOLICISMO ROMANO – Séc. V a XV 400 – Maria passa a ser considerada “mãe de Deus” e os católicos começam a interceder pelos mortos; 431 – Instituição do culto a Maria no concílio de Éfeso; 451 – Surge a doutrina da virgindade perpétua de Maria; 503 – É criada a doutrina do purgatório; 554 – 25 de dezembro oficializado como o nascimento de Cristo; 600 – Gregório, o Grande, torna-se o primeiro Papa. 787 – Instituição do culto às imagens e às relíquias no II Concílio de Nicéia; 850 – Concílio de Paiva. Instituição do rosário e da coroa da virgem Maria e da doutrina da transubstanciação;
  • 17. 880 – Início da canonização dos santos; 1073 – Instituída a doutrina do celibato pelo Papa Hildebrando 1094 – No Concílio de Clermont a Igreja Católica cria as indulgências ( venda de salvação ); 1100 – Institui-se o pagamento pelas missas e pelo culto aos santos; 1184 – A “Santa Inquisição” é estabelecida no Concílio de Verona; 1229 – A Igreja Católica proíbe aos leigos a leitura da Bíblia; 1317 – João XII ordena a reza “ Ave Maria ”; 1500 – Celebrada a primeira missa no Brasil;
  • 18. CONCLUSÃO Vimos aqui cerca de mil anos de história, um período de protestos por uma ortodoxia e ortopraxia, na Igreja, que correspondesse aos ditames da Palavra de Deus, ao custo da própria vida. Veremos na próxima aula, que estes protestos resultaram na Reforma Protestante proporcionando liberdade de acesso a Palavra de Deus e um novo tempo para os fiéis que agora descobriam o caminho de relacionamento direto com o Senhor. Soli Deo gloria! Ir. Adriano Pascoa e-mail e msn: adrianoiuris@hotmail.com Facebook: http://www.facebook.com/adrianoiuris