SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCLARECIMENTO DE DÚVIDAS SOBRE MISSÕES
1- Uma mulher evangélica casada com um marido ímpio nunca deve pregar o evangelho para ele (1Pe 3:1-
2)?
Se o apóstolo Pedro tivesse dito isto ele teria sido contra o próprio Cristo, o qual mandou que se
evangelizasse toda criatura (Mc 16:15). O que Pedro diz é que as esposas crentes devem prezar mais pelo
testemunho cristão, do que pelo discurso proclamador evangelístico. Contudo, havendo oportunidade de
falar do evangelho, ela poderia aproveitá-la.
2- Se ninguém nunca se converteu por meio de minha proclamação evangelística quer dizer que não estou
sendo usado por Deus? Ou que não tenho o dom de evangelismo?
Precisamos ser cuidadosos nessas afirmações. Uma coisa é dizer que Deus não quis converter ninguém
utilizando a sua proclamação evangelística, e outra é afirmar que você não está sendo usado por Ele! O
problema aqui é com o conceito do que significa “ser usado por Deus”. Se você diz que ser usado por Deus
é sinônimo de converter muita gente, esta idéia está equivocada, pois a Bíblia não diz que somos usados
por Deus ao realizar grandes obras, ou ser um canal utilizado para converter pecadores! O ensino da
Bíblia é que somos usados por Deus quando fazemos a vontade de Deus, independente do tamanho da obra
realizada. Se você é fiel proclamando o evangelho, não importa se haverá milhares de conversões, ou se
ninguém se converterá.
Quanto à questão de ter ou não o dom de evangelismo, o dom não é comprovado pelos seus
resultados, mas pela sua capacitação, sua habilidade. Por exemplo, se um pastor prega a Palavra numa
igreja, mas a congregação não muda de vida, quer dizer que este não tem o dom de pastor? Devemos ver a
habilidade com que se executa o dom e não o resultado que ele traz consigo. O exercício do dom é
responsabilidade nossa, o resultado é obra divina.
3- Quem não gosta de evangelizar é porque não é verdadeiramente salvo?
O fato de alguém ainda não ter sido alvo da Iluminação do Espírito Santo para entender que é dever dele
evangelizar, ou se alguém ainda tem o coração duro e rebelde a ponto de não ter prazer neste trabalho,
não significa necessariamente que não é um cristão autêntico. Isto é uma questão de maturidade cristã, e
não de salvação.
4- Uma igreja que não tem condições de investir em missões transculturais está em pecado?
Afirmar que uma igreja sem condições de investir em missões transculturais está em pecado é um tanto
precipitado, dependendo do que entendemos pela expressão “investir em missões transculturais”. Por
exemplo, se com esta expressão queremos dizer sustentar um trabalho transcultural, ou sustentar um
obreiro transcultural, então esta afirmação está falha visto que nem toda igreja local tem condições para
tal. Contudo, se a expressão “investir em missões transculturais” quer dizer “não pode contribuir com
nada neste sentido”, então pode haver falha de pensamento. A igreja está equivocada com respeito a
investir em missões. A igreja deve investir na obra missionária, mas a Bíblia não diz que deve ser muito ou
pouco. O pouco que uma igreja local investir em missões transculturais, é aceito por Deus tanto quanto um
grande investimento de uma igreja local mais abastada. Deus não olha o tamanho do investimento, mas o
coração da igreja ou ofertante. Ainda outra questão a se considerar é que uma igreja local pode estar
investindo em missões em sua própria cultura, por isto não significa que deve investir também,
simultaneamente, em missões transculturais. Nem toda igreja é capaz de investir em mais de um projeto
missionário.
5- É errado colocar um obreiro em um trabalho missionário sem que ele tenha preparação doutrinária
formal (acadêmica)?
Dizer que é errado, é chamar de pecado o que Deus não chamou. Porém, se temos condições e
oportunidades de se colocar alguém com capacitação, então porque colocar um obreiro que não maneja
bem a Palavra (2Tm 2:15)? Isto sim seria no mínimo negligente ou irresponsável! Se Paulo prezava para
que os líderes tivessem conhecimento da Bíblia para exercerem o ministério pastoral (1Tm 3:2; Tt 1:9),
então não podemos desejar aquém disto para os missionários! Devemos procurar fazer o melhor para a
igreja. Assim, o ideal é que os obreiros tenham preparação acadêmica, mas não havendo, isto não significa
automaticamente pecado, visto que não existia formação acadêmica durante muitos anos na Igreja, e nem
por isto deixou de haver missionários para fazer a obra. Contudo, não tendo condições, ou oportunidades,
para se colocar alguém com preparação doutrinária formal, é dever dos líderes dar continuidade ao
trabalho missionário mesmo com a ausência daqueles.
6- Por que oro há tantos anos e não vi ainda a conversão da pessoa por quem peço conversão?
Esta é uma situação presente em várias famílias cristãs pelo mundo afora. O cristão precisa entender que o
fato de ele orar pela conversão de alguém não significa que esta pessoa seja uma eleita de Deus e se
converterá. A nossa oração não muda os planos de eleição e salvação que Deus já fez desde a eternidade.
É dever nosso orar, mas não é dever de Deus converter quem nós desejamos que se converta.
7- Preciso “evangelizar” meus filhos, visto que são eles já são nascidos em lar cristão?
Com toda certeza deve-se ensinar o evangelho da salvação aos filhos. O fato de serem nascidos em lar
cristão não os faz automaticamente convertidos. Como disse Jesus: “[...] o que é nascido da carne é carne”
e “[...] é necessário nascer de novo”(Jo 3:3-7). Portanto, assim como um incrédulo precisa ouvir o
evangelho para ser salvo, assim também acontece com aqueles que são filhos de pais crentes.
8- O que devo fazer, pois quando vou evangelizar “dá um branco na mente” e não consigo pensar em nada
para falar?!
Isto pode acontecer por duas razões: A falta de conhecimento bíblico, e o nervosismo na hora de falar o
evangelho. Neste caso, você deve tomar duas atitudes: A primeira é se familiarizar mais com a Bíblia a fim
de saber o conteúdo do evangelho de forma fácil e clara; e a segunda atitude é fazer do evangelismo um
exercício prático. Muitos não sabem o que dizer porque na verdade não tem o costume de evangelizar. Se
quisermos a perfeição, devemos praticar. Quanto mais evangelizarmos, mais prática teremos em fazê-lo, e
o faremos cada vez de forma melhor.
9- Por que um missionário não pode batizar e celebrar a Ceia do Senhor no seu campo de trabalho?
Na teologia reformada se entende que a Ceia do Senhor e o batismo só devem ser ministrados por ministros
do evangelho devidamente ordenados. Os sacramentos estão intimamente ligados à Palavra, e, portanto, os
pastores que são responsáveis pela pregação oficial da Palavra na igreja, é que devem ministrar os
sacramentos.
10- Até quando devo continuar evangelizando uma pessoa que não quer saber do evangelho?
Esta é uma pergunta interessante, pois os crentes acham que devem sempre pregar e insistir com
aqueles que não aceitam a mensagem do evangelho. Porém, não é bem assim que as Escrituras ensinam.
Existem aquelas pessoas que desprezam e escarnecem tanto o evangelho, que devemos ser cautelosos a fim
de não valorizar mais as pessoas do que a mensagem pregada. Vejamos o ensinamento de Jesus em (Mt
7:6):
Portanto, os "cães" e "porcos" com os quais estamos proibidos de partilhar as pérolas do
Evangelho não são simplesmente os incrédulos. Devem ser, antes, aqueles que tiveram
ampla oportunidade de ouvir e aceitar as boas novas, mas que determinadamente (e até
mesmo provocadoramente) as rejeitaram. "É preciso entender", escreveu Calvino com
sabedoria, "que cães e porcos são nomes que foram dados, não a toda espécie de homens
debochados, ou àqueles que são destituídos do temor de Deus e da verdadeira piedade, mas
àqueles que, através de evidências claras, manifestaram um desrespeito obstinado para com
Deus, de modo que sua condição parece ser incurável"... O fato é que persistir em oferecer o
Evangelho a essas pessoas, além de um determinado ponto, é provocar sua rejeição com
desprezo e até mesmo com blasfêmias... “Nosso testemunho cristão e pregação evangelística
não devem, portanto, ser totalmente indiscriminados. Se as pessoas tiveram muita
oportunidade de ouvir a verdade mas não a aceitaram, se elas obstinadamente voltam
suas costas a Cristo, se (em outras palavras) elas se colocam na categoria de "cães" e
"porcos”, não devemos continuar pregando-lhes indefinidamente, pois assim estaremos
amesquinhando o evangelho de Deus e permitindo que ele seja espezinhado. Pode
alguma coisa ser mais depravada do que confundir a preciosa pérola de Deus com
uma coisa sem valor e praticamente pisoteá-la na lama? Ao mesmo tempo, desistir das
pessoas é um passo muito sério. Eu me lembro de apenas uma ou duas ocasiões em minha
experiência quando senti que devia fazê-lo. Este ensinamento de Jesus é apenas para
situações excepcionais; nosso dever cristão normal é ser paciente e perseverar com as
pessoas, como Deus pacientemente perseverou conosco.1
E ainda:
[...] os discípulos de cristo não devem continuar sempre levando a mensagem do evangelho
aos que dela escarnecem. Certamente que deve-se exercer a paciência, porém deve haver
limite. Chega-se o momento quando a resistência constante ao convite da graça deve ser
punida com a retirada dos mensageiros das boas novas.2
11- Como evangelizar se nunca tenho oportunidades para fazê-lo?
Afirmar que não temos oportunidades para evangelizar é típico de dois tipos de pessoas: Aquelas que não
querem evangelizar e dão esta desculpa, e aquelas que não sabem aproveitar as oportunidades. Por que
uma coisa é certa: “Oportunidades nós temos muitas”! Nós temos que compreender que quanto mais nos
damos à obra de evangelização, mais observaremos claramente as oportunidades da fazer esta obra.
Todavia, se não somos acostumados, não teremos o costume e o discernimento para aproveitar tais
oportunidades. Aliás, deveríamos criar oportunidades, e não somente esperá-las.
12- Quem quer se preparar melhor para a obra missionária precisa fazer seminário?
O indivíduo não precisa necessariamente ingressar num Seminário. Existem hoje vários cursos médios em
teologia ou missões, os quais ajudarão os que desejam se preparar melhor. Isto digo aos que desejam
“viver do evangelho”3
sendo missionários formais. Aos demais, pode-se estudar informalmente, ou fazer
cursos mais simples em conteúdo.
13- O novo convertido pode fazer missões?
Não há nas Escrituras nenhuma ordem ou orientação quanto a isto. Entretanto, antes que o novo
convertido venha a se envolver em tal obra, é interessante que aprenda mais sobre a mensagem do
1
STOTT, John R. W. A Mensagem do Sermão do Monte. São Paulo, ABU, 1985, p 191, 192.
2
HENDRIKSEN, William. Mateus. Vol I. São Paulo, Cultura Cristã, 2001, p 507.
3
Ou seja, ser missionário contratado por uma igreja ou por uma agência missionária.
evangelho para que não encontre maiores dificuldades no momento de explicar a alguém a mensagem de
salvação. O indivíduo que ouve o evangelho poderá fazer perguntas que o novo convertido não saberá
responder; e assim, o ouvinte não irá dar muita atenção a alguém que nem mesmo sabe explicar o que está
proclamando. Preparar-se mais não é uma questão de mandamento bíblico, mas de sabedoria com relação
a pratica da evangelização. Há muitos crentes já antigos na igreja os quais poderão dar exemplo aos novos
convertidos sem que estes precisem se envolver em obra tão importante sem o mínimo de preparo.
14- Se não houver conversões, implica que a obra de evangelização foi falha em algum aspecto?
É verdade que se a mensagem de evangelização não for a correta, ou seja, realizada de acordo com o
conteúdo bíblico, não haverá conversões. Contudo, ainda que a mensagem de evangelização seja fiel às
Escrituras, não implica que haverá conversões indubitavelmente.
15- Como evangelizar se não sei como fazer?
Nesta situação a pessoa deve procurar aprender com crentes mais experientes e/ou com o pastor da igreja.
Ninguém nasce sabendo de tudo. Basta praticar constantemente, observando como os outros crentes fazem,
a fim de aprender o que devem e o que não devem fazer. Com o tempo, evangelizar se tornará algo fácil de
executar. Além disto, o Espírito Santo certamente lhe auxiliará neste trabalho, pois a obra missionária é
primeiramente um desejo de Deus.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
  kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus   kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
antonio ferreira
 
O impacto da maçonaria na igreja - Varios Artículos
O impacto da maçonaria na igreja - Varios ArtículosO impacto da maçonaria na igreja - Varios Artículos
O impacto da maçonaria na igreja - Varios Artículos
Helio Colombe
 
Visão Celular
Visão CelularVisão Celular
Visão Celular
André rug
 
23 01 2011
23 01 201123 01 2011
23 01 2011
Israel serique
 
Os desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digitalOs desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digital
Aline Amaro da Silva
 
Lição 9 - A evangelização das crianças
Lição 9 - A evangelização das criançasLição 9 - A evangelização das crianças
Lição 9 - A evangelização das crianças
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
Boletim julho 2010
Boletim julho 2010Boletim julho 2010
Boletim julho 2010
willams
 
A apresentação do evangelho
A apresentação do evangelhoA apresentação do evangelho
A apresentação do evangelho
Marcos Lino
 
Vivendo de maneira santa
Vivendo de maneira santaVivendo de maneira santa
Vivendo de maneira santa
Antonio Rodrigues
 
A ceifa e os ceifeiros_Lição_original com textos_1212014
A ceifa e os ceifeiros_Lição_original com textos_1212014A ceifa e os ceifeiros_Lição_original com textos_1212014
A ceifa e os ceifeiros_Lição_original com textos_1212014
Gerson G. Ramos
 
EBD 2015 - Curriculo da EBD - Ano 2015
EBD 2015 - Curriculo da EBD - Ano 2015EBD 2015 - Curriculo da EBD - Ano 2015
EBD 2015 - Curriculo da EBD - Ano 2015
Sergio Silva
 
apostila-manual-discipulado
apostila-manual-discipuladoapostila-manual-discipulado
apostila-manual-discipulado
Bruno Borges
 
Priorizando o discipulado
Priorizando o discipuladoPriorizando o discipulado
Priorizando o discipulado
Antonio Rodrigues
 
Os benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casaOs benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casa
Joary Jossué Carlesso
 
Apostila bem vindos à betlehem
Apostila bem vindos à betlehemApostila bem vindos à betlehem
Apostila bem vindos à betlehem
Paulo De Tarso Fernandes
 
Orientações práticas de como pregar a palavra de deus blog conecteca-da-vida
Orientações práticas de como pregar a palavra de deus   blog conecteca-da-vidaOrientações práticas de como pregar a palavra de deus   blog conecteca-da-vida
Orientações práticas de como pregar a palavra de deus blog conecteca-da-vida
Ilton Marcos Soares Freitas
 
1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas
Otoniel Ferreira
 
Discipulado ciclo básico ieadp aula 01 - caruaru- 2014
Discipulado ciclo básico ieadp   aula 01 - caruaru- 2014Discipulado ciclo básico ieadp   aula 01 - caruaru- 2014
Discipulado ciclo básico ieadp aula 01 - caruaru- 2014
Arthur Luna
 
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (charles spurgeon)
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (charles spurgeon)A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (charles spurgeon)
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (charles spurgeon)
Deusdete Soares
 

Mais procurados (19)

kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
  kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus   kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
 
O impacto da maçonaria na igreja - Varios Artículos
O impacto da maçonaria na igreja - Varios ArtículosO impacto da maçonaria na igreja - Varios Artículos
O impacto da maçonaria na igreja - Varios Artículos
 
Visão Celular
Visão CelularVisão Celular
Visão Celular
 
23 01 2011
23 01 201123 01 2011
23 01 2011
 
Os desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digitalOs desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digital
 
Lição 9 - A evangelização das crianças
Lição 9 - A evangelização das criançasLição 9 - A evangelização das crianças
Lição 9 - A evangelização das crianças
 
Boletim julho 2010
Boletim julho 2010Boletim julho 2010
Boletim julho 2010
 
A apresentação do evangelho
A apresentação do evangelhoA apresentação do evangelho
A apresentação do evangelho
 
Vivendo de maneira santa
Vivendo de maneira santaVivendo de maneira santa
Vivendo de maneira santa
 
A ceifa e os ceifeiros_Lição_original com textos_1212014
A ceifa e os ceifeiros_Lição_original com textos_1212014A ceifa e os ceifeiros_Lição_original com textos_1212014
A ceifa e os ceifeiros_Lição_original com textos_1212014
 
EBD 2015 - Curriculo da EBD - Ano 2015
EBD 2015 - Curriculo da EBD - Ano 2015EBD 2015 - Curriculo da EBD - Ano 2015
EBD 2015 - Curriculo da EBD - Ano 2015
 
apostila-manual-discipulado
apostila-manual-discipuladoapostila-manual-discipulado
apostila-manual-discipulado
 
Priorizando o discipulado
Priorizando o discipuladoPriorizando o discipulado
Priorizando o discipulado
 
Os benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casaOs benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casa
 
Apostila bem vindos à betlehem
Apostila bem vindos à betlehemApostila bem vindos à betlehem
Apostila bem vindos à betlehem
 
Orientações práticas de como pregar a palavra de deus blog conecteca-da-vida
Orientações práticas de como pregar a palavra de deus   blog conecteca-da-vidaOrientações práticas de como pregar a palavra de deus   blog conecteca-da-vida
Orientações práticas de como pregar a palavra de deus blog conecteca-da-vida
 
1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas
 
Discipulado ciclo básico ieadp aula 01 - caruaru- 2014
Discipulado ciclo básico ieadp   aula 01 - caruaru- 2014Discipulado ciclo básico ieadp   aula 01 - caruaru- 2014
Discipulado ciclo básico ieadp aula 01 - caruaru- 2014
 
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (charles spurgeon)
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (charles spurgeon)A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (charles spurgeon)
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (charles spurgeon)
 

Semelhante a Tirando dúvidas a respeito de missões

Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16
aldeirdb
 
Amadurecimento cristão
Amadurecimento cristãoAmadurecimento cristão
Amadurecimento cristão
Instituto Teológico Gamaliel
 
Dez passos para o cristão evangelizar
Dez passos para o cristão evangelizarDez passos para o cristão evangelizar
Dez passos para o cristão evangelizar
alcileiaAnchietaCarv
 
Estratégias missionárias cristãs
Estratégias missionárias cristãsEstratégias missionárias cristãs
Estratégias missionárias cristãs
Alberto Simonton
 
PESCADORES_DE_CRIANCAS.pdf como trabalhar com crianças no ministerio infantil
PESCADORES_DE_CRIANCAS.pdf como trabalhar com crianças no ministerio infantilPESCADORES_DE_CRIANCAS.pdf como trabalhar com crianças no ministerio infantil
PESCADORES_DE_CRIANCAS.pdf como trabalhar com crianças no ministerio infantil
celinaffs22
 
eu_barnabe _Abe Huber.pdf
eu_barnabe _Abe Huber.pdfeu_barnabe _Abe Huber.pdf
eu_barnabe _Abe Huber.pdf
KellyPerim2
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Rodrigo Ribeiro
 
9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel
Edma Simão
 
9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel
Claudinei Dias
 
Dez passos para o cristão evangelizar
Dez passos para o cristão evangelizarDez passos para o cristão evangelizar
Dez passos para o cristão evangelizar
Manoel Moreira
 
Dezpassosparaocristoevangelizar 141024113746-conversion-gate01
Dezpassosparaocristoevangelizar 141024113746-conversion-gate01Dezpassosparaocristoevangelizar 141024113746-conversion-gate01
Dezpassosparaocristoevangelizar 141024113746-conversion-gate01
guilhermino ribas
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Apostila Para O Ministério Infantil na Igreja
Apostila Para O Ministério Infantil na IgrejaApostila Para O Ministério Infantil na Igreja
Apostila Para O Ministério Infantil na Igreja
Alexandre Santos
 
Apostilaparaoministerioinfantilnaigreja 090822173516-phpapp01
Apostilaparaoministerioinfantilnaigreja 090822173516-phpapp01Apostilaparaoministerioinfantilnaigreja 090822173516-phpapp01
Apostilaparaoministerioinfantilnaigreja 090822173516-phpapp01
Denilson Cunha
 
Evangelizar, o que significa?
Evangelizar, o que significa?Evangelizar, o que significa?
Evangelizar, o que significa?
cenpah
 
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de SalvaçãoLição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
Éder Tomé
 
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdfCAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
tintcha62
 
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
Pr. Andre Luiz
 
Ev efetivo 002
Ev efetivo 002Ev efetivo 002
Ev efetivo 002
Vinicio Pacifico
 
Boletim IPC LIMEIRA 300717
Boletim IPC LIMEIRA 300717Boletim IPC LIMEIRA 300717
Boletim IPC LIMEIRA 300717
Adelson R. Dos Santos
 

Semelhante a Tirando dúvidas a respeito de missões (20)

Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16
 
Amadurecimento cristão
Amadurecimento cristãoAmadurecimento cristão
Amadurecimento cristão
 
Dez passos para o cristão evangelizar
Dez passos para o cristão evangelizarDez passos para o cristão evangelizar
Dez passos para o cristão evangelizar
 
Estratégias missionárias cristãs
Estratégias missionárias cristãsEstratégias missionárias cristãs
Estratégias missionárias cristãs
 
PESCADORES_DE_CRIANCAS.pdf como trabalhar com crianças no ministerio infantil
PESCADORES_DE_CRIANCAS.pdf como trabalhar com crianças no ministerio infantilPESCADORES_DE_CRIANCAS.pdf como trabalhar com crianças no ministerio infantil
PESCADORES_DE_CRIANCAS.pdf como trabalhar com crianças no ministerio infantil
 
eu_barnabe _Abe Huber.pdf
eu_barnabe _Abe Huber.pdfeu_barnabe _Abe Huber.pdf
eu_barnabe _Abe Huber.pdf
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
 
9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel
 
9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel
 
Dez passos para o cristão evangelizar
Dez passos para o cristão evangelizarDez passos para o cristão evangelizar
Dez passos para o cristão evangelizar
 
Dezpassosparaocristoevangelizar 141024113746-conversion-gate01
Dezpassosparaocristoevangelizar 141024113746-conversion-gate01Dezpassosparaocristoevangelizar 141024113746-conversion-gate01
Dezpassosparaocristoevangelizar 141024113746-conversion-gate01
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Apostila Para O Ministério Infantil na Igreja
Apostila Para O Ministério Infantil na IgrejaApostila Para O Ministério Infantil na Igreja
Apostila Para O Ministério Infantil na Igreja
 
Apostilaparaoministerioinfantilnaigreja 090822173516-phpapp01
Apostilaparaoministerioinfantilnaigreja 090822173516-phpapp01Apostilaparaoministerioinfantilnaigreja 090822173516-phpapp01
Apostilaparaoministerioinfantilnaigreja 090822173516-phpapp01
 
Evangelizar, o que significa?
Evangelizar, o que significa?Evangelizar, o que significa?
Evangelizar, o que significa?
 
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de SalvaçãoLição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
Lição 2 - O comunicador e a mensagem de Salvação
 
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdfCAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
 
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
 
Ev efetivo 002
Ev efetivo 002Ev efetivo 002
Ev efetivo 002
 
Boletim IPC LIMEIRA 300717
Boletim IPC LIMEIRA 300717Boletim IPC LIMEIRA 300717
Boletim IPC LIMEIRA 300717
 

Mais de Alberto Simonton

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
Alberto Simonton
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
Alberto Simonton
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
Alberto Simonton
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
Alberto Simonton
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Alberto Simonton
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
Alberto Simonton
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
Alberto Simonton
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
Alberto Simonton
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Alberto Simonton
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
Alberto Simonton
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
Alberto Simonton
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
Alberto Simonton
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Alberto Simonton
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
Alberto Simonton
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
Alberto Simonton
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Alberto Simonton
 
II Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação MinisterialII Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação Ministerial
Alberto Simonton
 

Mais de Alberto Simonton (20)

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
 
II Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação MinisterialII Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação Ministerial
 

Último

Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 

Último (12)

Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Tirando dúvidas a respeito de missões

  • 1. ESCLARECIMENTO DE DÚVIDAS SOBRE MISSÕES 1- Uma mulher evangélica casada com um marido ímpio nunca deve pregar o evangelho para ele (1Pe 3:1- 2)? Se o apóstolo Pedro tivesse dito isto ele teria sido contra o próprio Cristo, o qual mandou que se evangelizasse toda criatura (Mc 16:15). O que Pedro diz é que as esposas crentes devem prezar mais pelo testemunho cristão, do que pelo discurso proclamador evangelístico. Contudo, havendo oportunidade de falar do evangelho, ela poderia aproveitá-la. 2- Se ninguém nunca se converteu por meio de minha proclamação evangelística quer dizer que não estou sendo usado por Deus? Ou que não tenho o dom de evangelismo? Precisamos ser cuidadosos nessas afirmações. Uma coisa é dizer que Deus não quis converter ninguém utilizando a sua proclamação evangelística, e outra é afirmar que você não está sendo usado por Ele! O problema aqui é com o conceito do que significa “ser usado por Deus”. Se você diz que ser usado por Deus é sinônimo de converter muita gente, esta idéia está equivocada, pois a Bíblia não diz que somos usados por Deus ao realizar grandes obras, ou ser um canal utilizado para converter pecadores! O ensino da Bíblia é que somos usados por Deus quando fazemos a vontade de Deus, independente do tamanho da obra realizada. Se você é fiel proclamando o evangelho, não importa se haverá milhares de conversões, ou se ninguém se converterá. Quanto à questão de ter ou não o dom de evangelismo, o dom não é comprovado pelos seus resultados, mas pela sua capacitação, sua habilidade. Por exemplo, se um pastor prega a Palavra numa igreja, mas a congregação não muda de vida, quer dizer que este não tem o dom de pastor? Devemos ver a habilidade com que se executa o dom e não o resultado que ele traz consigo. O exercício do dom é responsabilidade nossa, o resultado é obra divina. 3- Quem não gosta de evangelizar é porque não é verdadeiramente salvo? O fato de alguém ainda não ter sido alvo da Iluminação do Espírito Santo para entender que é dever dele evangelizar, ou se alguém ainda tem o coração duro e rebelde a ponto de não ter prazer neste trabalho, não significa necessariamente que não é um cristão autêntico. Isto é uma questão de maturidade cristã, e não de salvação. 4- Uma igreja que não tem condições de investir em missões transculturais está em pecado? Afirmar que uma igreja sem condições de investir em missões transculturais está em pecado é um tanto precipitado, dependendo do que entendemos pela expressão “investir em missões transculturais”. Por exemplo, se com esta expressão queremos dizer sustentar um trabalho transcultural, ou sustentar um obreiro transcultural, então esta afirmação está falha visto que nem toda igreja local tem condições para tal. Contudo, se a expressão “investir em missões transculturais” quer dizer “não pode contribuir com nada neste sentido”, então pode haver falha de pensamento. A igreja está equivocada com respeito a investir em missões. A igreja deve investir na obra missionária, mas a Bíblia não diz que deve ser muito ou pouco. O pouco que uma igreja local investir em missões transculturais, é aceito por Deus tanto quanto um grande investimento de uma igreja local mais abastada. Deus não olha o tamanho do investimento, mas o coração da igreja ou ofertante. Ainda outra questão a se considerar é que uma igreja local pode estar investindo em missões em sua própria cultura, por isto não significa que deve investir também, simultaneamente, em missões transculturais. Nem toda igreja é capaz de investir em mais de um projeto missionário.
  • 2. 5- É errado colocar um obreiro em um trabalho missionário sem que ele tenha preparação doutrinária formal (acadêmica)? Dizer que é errado, é chamar de pecado o que Deus não chamou. Porém, se temos condições e oportunidades de se colocar alguém com capacitação, então porque colocar um obreiro que não maneja bem a Palavra (2Tm 2:15)? Isto sim seria no mínimo negligente ou irresponsável! Se Paulo prezava para que os líderes tivessem conhecimento da Bíblia para exercerem o ministério pastoral (1Tm 3:2; Tt 1:9), então não podemos desejar aquém disto para os missionários! Devemos procurar fazer o melhor para a igreja. Assim, o ideal é que os obreiros tenham preparação acadêmica, mas não havendo, isto não significa automaticamente pecado, visto que não existia formação acadêmica durante muitos anos na Igreja, e nem por isto deixou de haver missionários para fazer a obra. Contudo, não tendo condições, ou oportunidades, para se colocar alguém com preparação doutrinária formal, é dever dos líderes dar continuidade ao trabalho missionário mesmo com a ausência daqueles. 6- Por que oro há tantos anos e não vi ainda a conversão da pessoa por quem peço conversão? Esta é uma situação presente em várias famílias cristãs pelo mundo afora. O cristão precisa entender que o fato de ele orar pela conversão de alguém não significa que esta pessoa seja uma eleita de Deus e se converterá. A nossa oração não muda os planos de eleição e salvação que Deus já fez desde a eternidade. É dever nosso orar, mas não é dever de Deus converter quem nós desejamos que se converta. 7- Preciso “evangelizar” meus filhos, visto que são eles já são nascidos em lar cristão? Com toda certeza deve-se ensinar o evangelho da salvação aos filhos. O fato de serem nascidos em lar cristão não os faz automaticamente convertidos. Como disse Jesus: “[...] o que é nascido da carne é carne” e “[...] é necessário nascer de novo”(Jo 3:3-7). Portanto, assim como um incrédulo precisa ouvir o evangelho para ser salvo, assim também acontece com aqueles que são filhos de pais crentes. 8- O que devo fazer, pois quando vou evangelizar “dá um branco na mente” e não consigo pensar em nada para falar?! Isto pode acontecer por duas razões: A falta de conhecimento bíblico, e o nervosismo na hora de falar o evangelho. Neste caso, você deve tomar duas atitudes: A primeira é se familiarizar mais com a Bíblia a fim de saber o conteúdo do evangelho de forma fácil e clara; e a segunda atitude é fazer do evangelismo um exercício prático. Muitos não sabem o que dizer porque na verdade não tem o costume de evangelizar. Se quisermos a perfeição, devemos praticar. Quanto mais evangelizarmos, mais prática teremos em fazê-lo, e o faremos cada vez de forma melhor. 9- Por que um missionário não pode batizar e celebrar a Ceia do Senhor no seu campo de trabalho? Na teologia reformada se entende que a Ceia do Senhor e o batismo só devem ser ministrados por ministros do evangelho devidamente ordenados. Os sacramentos estão intimamente ligados à Palavra, e, portanto, os pastores que são responsáveis pela pregação oficial da Palavra na igreja, é que devem ministrar os sacramentos. 10- Até quando devo continuar evangelizando uma pessoa que não quer saber do evangelho? Esta é uma pergunta interessante, pois os crentes acham que devem sempre pregar e insistir com aqueles que não aceitam a mensagem do evangelho. Porém, não é bem assim que as Escrituras ensinam. Existem aquelas pessoas que desprezam e escarnecem tanto o evangelho, que devemos ser cautelosos a fim de não valorizar mais as pessoas do que a mensagem pregada. Vejamos o ensinamento de Jesus em (Mt 7:6):
  • 3. Portanto, os "cães" e "porcos" com os quais estamos proibidos de partilhar as pérolas do Evangelho não são simplesmente os incrédulos. Devem ser, antes, aqueles que tiveram ampla oportunidade de ouvir e aceitar as boas novas, mas que determinadamente (e até mesmo provocadoramente) as rejeitaram. "É preciso entender", escreveu Calvino com sabedoria, "que cães e porcos são nomes que foram dados, não a toda espécie de homens debochados, ou àqueles que são destituídos do temor de Deus e da verdadeira piedade, mas àqueles que, através de evidências claras, manifestaram um desrespeito obstinado para com Deus, de modo que sua condição parece ser incurável"... O fato é que persistir em oferecer o Evangelho a essas pessoas, além de um determinado ponto, é provocar sua rejeição com desprezo e até mesmo com blasfêmias... “Nosso testemunho cristão e pregação evangelística não devem, portanto, ser totalmente indiscriminados. Se as pessoas tiveram muita oportunidade de ouvir a verdade mas não a aceitaram, se elas obstinadamente voltam suas costas a Cristo, se (em outras palavras) elas se colocam na categoria de "cães" e "porcos”, não devemos continuar pregando-lhes indefinidamente, pois assim estaremos amesquinhando o evangelho de Deus e permitindo que ele seja espezinhado. Pode alguma coisa ser mais depravada do que confundir a preciosa pérola de Deus com uma coisa sem valor e praticamente pisoteá-la na lama? Ao mesmo tempo, desistir das pessoas é um passo muito sério. Eu me lembro de apenas uma ou duas ocasiões em minha experiência quando senti que devia fazê-lo. Este ensinamento de Jesus é apenas para situações excepcionais; nosso dever cristão normal é ser paciente e perseverar com as pessoas, como Deus pacientemente perseverou conosco.1 E ainda: [...] os discípulos de cristo não devem continuar sempre levando a mensagem do evangelho aos que dela escarnecem. Certamente que deve-se exercer a paciência, porém deve haver limite. Chega-se o momento quando a resistência constante ao convite da graça deve ser punida com a retirada dos mensageiros das boas novas.2 11- Como evangelizar se nunca tenho oportunidades para fazê-lo? Afirmar que não temos oportunidades para evangelizar é típico de dois tipos de pessoas: Aquelas que não querem evangelizar e dão esta desculpa, e aquelas que não sabem aproveitar as oportunidades. Por que uma coisa é certa: “Oportunidades nós temos muitas”! Nós temos que compreender que quanto mais nos damos à obra de evangelização, mais observaremos claramente as oportunidades da fazer esta obra. Todavia, se não somos acostumados, não teremos o costume e o discernimento para aproveitar tais oportunidades. Aliás, deveríamos criar oportunidades, e não somente esperá-las. 12- Quem quer se preparar melhor para a obra missionária precisa fazer seminário? O indivíduo não precisa necessariamente ingressar num Seminário. Existem hoje vários cursos médios em teologia ou missões, os quais ajudarão os que desejam se preparar melhor. Isto digo aos que desejam “viver do evangelho”3 sendo missionários formais. Aos demais, pode-se estudar informalmente, ou fazer cursos mais simples em conteúdo. 13- O novo convertido pode fazer missões? Não há nas Escrituras nenhuma ordem ou orientação quanto a isto. Entretanto, antes que o novo convertido venha a se envolver em tal obra, é interessante que aprenda mais sobre a mensagem do 1 STOTT, John R. W. A Mensagem do Sermão do Monte. São Paulo, ABU, 1985, p 191, 192. 2 HENDRIKSEN, William. Mateus. Vol I. São Paulo, Cultura Cristã, 2001, p 507. 3 Ou seja, ser missionário contratado por uma igreja ou por uma agência missionária.
  • 4. evangelho para que não encontre maiores dificuldades no momento de explicar a alguém a mensagem de salvação. O indivíduo que ouve o evangelho poderá fazer perguntas que o novo convertido não saberá responder; e assim, o ouvinte não irá dar muita atenção a alguém que nem mesmo sabe explicar o que está proclamando. Preparar-se mais não é uma questão de mandamento bíblico, mas de sabedoria com relação a pratica da evangelização. Há muitos crentes já antigos na igreja os quais poderão dar exemplo aos novos convertidos sem que estes precisem se envolver em obra tão importante sem o mínimo de preparo. 14- Se não houver conversões, implica que a obra de evangelização foi falha em algum aspecto? É verdade que se a mensagem de evangelização não for a correta, ou seja, realizada de acordo com o conteúdo bíblico, não haverá conversões. Contudo, ainda que a mensagem de evangelização seja fiel às Escrituras, não implica que haverá conversões indubitavelmente. 15- Como evangelizar se não sei como fazer? Nesta situação a pessoa deve procurar aprender com crentes mais experientes e/ou com o pastor da igreja. Ninguém nasce sabendo de tudo. Basta praticar constantemente, observando como os outros crentes fazem, a fim de aprender o que devem e o que não devem fazer. Com o tempo, evangelizar se tornará algo fácil de executar. Além disto, o Espírito Santo certamente lhe auxiliará neste trabalho, pois a obra missionária é primeiramente um desejo de Deus.