SlideShare uma empresa Scribd logo
TEXTO ÁUREO
“Todas as coisas me são lícitas, mas nem
todas as coisas convêm; todas as coisas
me são lícitas, mas nem todas as coisas
edificam.”
(1 Co 10.23)
VERDADE PRÁTICA
As Escrituras Sagradas ensinam o que
convêm à virtude do bem-viver cristão
em sociedade.
1 Coríntios 10.1-13
1 - Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem; e
todos passaram pelo mar,
2 - E todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar,
3 - E todos comeram de uma mesma comida espiritual,
4 - E beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os
seguia; e a pedra era Cristo.
5 - Mas Deus não se agradou da maior parte deles, pelo que foram prostrados no deserto.
6 - E essas coisas foram-nos feitas em figura, para que não cobicemos as coisas más, como eles
cobiçaram.
7 - Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; conforme está escrito: O povo assentou-se
a comer e a beber e levantou-se para folgar.
8 - E não nos prostituamos, como alguns deles fizeram e caíram num dia vinte e três mil.
9 - E não tentemos a Cristo, como alguns deles também tentaram e pereceram pelas serpentes.
10 - E não murmureis, como também alguns deles murmuraram e pereceram pelo destruidor.
11 - Ora, tudo isso lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já
são chegados os fins dos séculos.
12 - Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe que não caia.
13 - Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar
acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.
• Estudar ética é muito importante para o
aperfeiçoamento dos nossos relacionamentos e
conduta na sociedade.
• Quando avaliada sob a perspectiva cristãs se
denomina “Ética Cristã”.
• Na atual época os conceitos pós-modernos
relativizam as doutrinas cristãs.
• Viver sob os fundamentos da Ética Cristã conduz
à comunhão com Deus e a um testemunho cristão
impactante (Mt 5.13,14).
INTRODUÇÃO
PONTO CENTRAL
A Ética Cristã remonta as virtudes do
Reino de Deus.
I – O CONCEITO DE ÉTICA CRISTÃ
• A palavra “ética” possui origem no vocábulo grego
ethos, que significa “costumes” ou “hábitos”.
• No latim, o termo usado se corresponde a mos
(moral), no sentido de “normas” ou “regras”.
• Devido à proximidade linguística desses termos,
muitas vezes eles são usados como sinônimos.
• Contudo, devemos defini-los separadamente.
1. Definição Geral
• Enquanto ciência, a ética pode ser entendida
como a área da filosofia que investiga os
fundamentos da moral adotada por uma
sociedade.
• A moral refere-se ao comportamento social em
relação às regras estabelecidas.
• Essas regras podem variar de uma cultura para
outra.
• Tudo dependerá da referência de autoridade que
serve de fundamento para os padrões de conduta
social.
2. Ética e Moral
HOLMES, Arthur. Ética: As decisões morais à luz da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD,
• Tem como objetivo indicar a conduta ideal para a
retidão do comportamento cristão.
• O fundamento moral da Ética Cristã são as
Escrituras Sagradas.
• Desse modo, a Ética Cristã não se desassocia da
moral e dos bons costumes derivados das
doutrinas bíblicas.
3. Ética Cristã
• O Deus Trino é santo e imutável.
• Ele se revelou nas Sagradas Escrituras.
• Nesse aspecto, os princípios ético-cristãos que
derivam das Escrituras são imutáveis e divinos.
• Esses princípios têm aplicação adequada para
todas as épocas e culturas, pois são universais.
• Os padrões ético-cristãos não podem ser
relativizados.
4. Princípios da Ética Cristã
SÍNTESE DO TÓPICO
A ética que brota das Sagradas Escrituras
é o fundamento da moral de todo
seguidor de Jesus. Por isso ela é cristã.
II – FUNDAMENTOS DA ÉTICA CRISTÃ
Neste tópico, mostraremos as principais seções
bíblicas, tanto do Antigo quanto do Novo Testamento
que norteiam o senso ético de todo cristão:
• o Decálogo,
• os Profetas,
• os Evangelhos,
• o Sermão do Monte,
• as Epístolas Paulinas e Gerais.
Introdução ao tópico
• Os Dez Mandamentos são preceitos éticos que
fazem parte da lei moral de Deus (Êx 20.1-17).
• Os quatro primeiros tratam da relação do homem
para com o Criador:
• adoração exclusiva;
• condenação à idolatria;
• alerta acerca do uso vão de seu santo nome; e
• a sacralidade do tempo (Êx 20.1-11).
1. O Decálogo
• Os seis últimos mandamentos referem-se à
relação do homem com o próximo:
• honra aos pais;
• zelo pela integridade da vida;
• repúdio ao adultério;
• proibição ao furto;
• a mentira; e
• a cobiça (Êx 20.12-17).
• Jesus ensinou que os dez mandamentos
resumem-se nestes dois: amar a Deus e amar o
próximo (Mt 22.37-39).
1. O Decálogo
• A mensagem dos profetas do Antigo Testamento
tem uma imensa influência ética para os
seguidores de Jesus, abarcando:
• esferas morais (Jr 17.1-11; Ml 1.6-14; 2.10-16);
• sociais (Is 58; Mq 2.1-5); e
• espirituais (Jr 31.31,32; Jl 2.28-32).
2. Os profetas
• Evangelho são as boas novas de Cristo (Mt 9.35).
• A mensagem registrada pelos evangelistas
contém apelo ao arrependimento, renúncia ao
pecado, oferta de perdão, esperança de salvação
e santidade de vida (Mt 3.2, Lc 1.77, 9.62).
• Os seguidores de Cristo são convocados a
viverem as doutrinas do Evangelho e a adotarem
a ética e a moral do Reino de Deus como estilo
de vida (Mc 10.42-45).
3. Os Evangelhos
• Este sermão contém princípios do mais alto ideal
moral. Aborda questões como:
• a ira, o adultério, o divórcio, o juramento, a vingança e
o amor (Mt 5.22,28,32,37,39,44);
• também aborda a esmola, a oração e os jejuns (Mt
6.1,5,16);
• passando pela questão do prejulgamento, dos falsos
profetas e dos alicerces espirituais (Mt 7.1,15, 24-27).
• O Sermão do Monte está para os cristãos como o
Decálogo está para os judeus.
• Jesus adverte priorizar o Reino de Deus e a sua
justiça (Mt 6.33).
4. O Sermão do Monte
• As Epístolas Paulinas, bem como as gerais,
trazem ensinamentos aprofundados sobre a
nossa relação com:
• Deus (Rm 12.1,2; Hb 13.7-17),
• O Estado (Rm 13.1-7; 1 Pe 2.11-17),
• O próximo (Rm 13.8-10; 14.1-12; 1 Jo 3.11-24),
• A injustiça social (Tg 2.1-13; 5.1-6),
• A questão da sexualidade cristã e do casamento (1 Co
6.12-20; 1 Co 7.10-24).
5. As Epístolas Paulinas e Gerais. As Epístolas
Paulinas
SÍNTESE DO TÓPICO
A Ética Cristã está fundamentada nas
Sagradas Escrituras, onde o Decálogo, a
Mensagem dos Profetas, os Evangelhos, o
Sermão do Monte, as Epístolas Paulinas e
Gerais merecem destaques.
III – CHAMADOS A VIVER ETICAMENTE
Os israelitas foram reprovados por não obedecerem a lei
moral outorgada por Deus no deserto.
Tal registro foi feito para a nossa advertência, pois as
Escrituras dizem acerca do perigo de não vivermos o ideal
ético do Reino (1 Co 10.5).
Introdução ao tópico
• Paulo adverte a Igreja em Corinto a não incorrer
no pecado da cobiça (1 Co 10.6).
• No deserto os israelitas cobiçaram o que lhes fora
proibido e, por isso, sentiram saudades do Egito
(Nm 11.4,5).
• Infelizmente, ainda hoje, pseudocristãos cobiçam
os prazeres do mundo.
• Assim, preferem o hedonismo e a escravidão do
pecado a cumprirem a lei moral do Pai.
1. “Não cobiceis as coisas más.”
• O apóstolo exorta acerca do perigo da idolatria (1
Co 10.7).
• Enquanto Moisés recebia as tábuas da Lei (Êx
31.18), os israelitas se corrompiam adorando um
bezerro de ouro (Êx 32.1-6).
• O ato de idolatria não consiste apenas na
adoração de uma imagem. Falsos cristãos
desprovidos da ética das Escrituras adoram o
dinheiro e os bens materiais.
• A Bíblia chama esse pecado de idolatria (Cl 3.5).
2. “Não vos torneis idólatras.”
• À luz da história dos israelitas, o apóstolo alerta
acerca da maldição provocada pela prostituição (1
Co 10.8).
• A imoralidade encabeça a lista das obras da
carne: “prostituição, impureza, lascívia” (Gl 5.19).
• Muitos, em nome da “graça barata”, justificam a
imoralidade e a sensualidade em suas vidas.
• O corpo do cristão deve ser conservado
irrepreensível (1 Co 6.18,19; 1 Ts 5.23).
3. “Não nos prostituamos.”
SÍNTESE DO TÓPICO
A Ética Cristã é um chamado para
vivermos um estilo de vida segundo as
virtudes do Reino de Deus.
Hoje aprendemos que:
1. A Bíblia Sagrada é o fundamento para o viver
ético-moral dos cristãos. A regra de fé e de
conduta à comunidade cristã(2 Tm 3.16).
2. Portanto, em tempos de ataques ideológicos
contra a cultura judaico-cristã, a Igreja não deve
furtar-se de ser o “sal da terra” e a “luz do mundo”
em pleno século XXI (Mt 5.13,14).
CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS
ANDRADE, Claudionor. As Novas Fronteiras da Ética
Cristã. Rio de Janeiro: CPAD, 2017.
ARRINGTON, French L; ARRINGTON e STRONSTAD, Roger
(Ed). Comentário Bíblico Pentecostal. 4ª ed. Rio de
Janeiro: CPAD, 2006.
BAPTISTA, Douglas.
Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Rio
de Janeiro: CPAD, 2010.
HOLMES, Arthur. Ética: as decisões morais à luz da Bíblia.
Rio de Janeiro: CPAD, XXX.
LIÇÕES BÍBLICAS DE ADULTOS. XX: XX. 2 TRI 2018. Rio
de Janeiro: CPAD, 2018.
REFERÊNCIAS
LIMA, Elinaldo Renovato. Ética Cristã: Confrontando as
Questões Morais do Nosso Tempo. Rio de Janeiro: CPAD,
XXX.
NEVES, Natalino das. Seu Reino não Terá Fim: vida e obra
de Jesus segundo o Evangelho de Mateus. Rio de Janeiro:
CPAD, 2017.
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
Facebook: www.facebook.com/natalino.neves
Contatos:
natalino6612@gmail.com
(41) 98409 8094 (TIM)
“Atenção para a tradição da Igreja de Cristo!
Além das Sagradas Escrituras, a Igreja de Cristo tem uma tradição riquíssima em decisões
de questões éticas, como aborda muito bem o pastor Claudionor de Andrade: “Se, por um
lado, não podemos escravizar-nos à tradição, por outro, não devemos desprezá-la. Sem o
legado dos que nos precederam, jamais teríamos conseguido estruturar nosso edifício
teológico, moral e ético. Logo, é-nos permitido eleger a tradição eclesiástica como o segundo
fundamento da Ética Cristã. [...] A tradição, quando bem utilizada, assessora a Igreja nos
dilemas teológicos, morais e éticos. O apóstolo Paulo reconhece-lhe a importância: ‘Nós vos
ordenamos, irmãos, em nome do Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo irmão que
ande desordenadamente e não segundo a tradição que de nós recebestes?” (2 Ts 3.6). O
que não podemos fazer é colocá-la de pé de igualdade com a Bíblia. A Didaqué é um dos
tratados mais antigos e tradicionais da Igreja Cristã. Produzida ainda nos dias apostólicos,
ajudou os primeiros cristãos a posicionarem-se espiritual e eticamente. A Doutrina dos Doze
Apóstolos, como também é conhecida, realçava-se por amorosas admoestações, conforme
podemos observar: ‘Há dois caminhos: um da vida e outro da morte. A diferença entre ambos
é grande. O caminho da vida é, pois, o seguinte: primeiro amarás a Deus que te fez: depois
teu próximo como a ti mesmo. E tudo o que não queres que seja feito a ti, não o faças a
outro’. Mais adiante, prossegue o autor anônimo, citando as práticas que conduzem o ser
humano à perdição: ‘Mortes, adultérios, paixões, fornicações, roubos, idolatrias, práticas
mágicas, rapinagens, falsos testemunhos, hipocrisias, ambiguidades, fraude, orgulho,
maldade, arrogância, cobiça, má conversa, ciúme, insolência, extravagância, jactância,
vaidade e ausência do temor de Deus’” (ANDRADE, Claudionor de. As Novas Fronteiras da
Ética Cristã. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2017, pp.17,18).
SUBSÍDIO TEOLÓGICO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
Filipe Rhuan
 
Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1
Luciana Lisboa
 
Seitas e heresias identificando e refutando
Seitas e heresias  identificando e refutandoSeitas e heresias  identificando e refutando
Seitas e heresias identificando e refutando
Edmilson Fernandes
 
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaLição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Éder Tomé
 
As Cartas de Paulo
As Cartas de PauloAs Cartas de Paulo
As Cartas de Paulo
Egmon Pereira
 
O discipulado na prática
O discipulado na práticaO discipulado na prática
O discipulado na prática
Joary Jossué Carlesso
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
RODRIGO FERREIRA
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
Junior Cesar Santiago
 
Escatologia 3
Escatologia 3Escatologia 3
Escatologia 3
Jovens Do Caminho
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Wander Sousa
 
01- DISCIPULADO
01- DISCIPULADO01- DISCIPULADO
01- DISCIPULADO
Leonam dos Santos
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
IBMemorialJC
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Estudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e OfertasEstudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e Ofertas
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
valmarques
 
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
Herisson Gonçalves
 
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipuladoBARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
Joary Jossué Carlesso
 
Planejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejasPlanejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejas
Natalino das Neves Neves
 
Estudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinaiEstudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinai
Elisa Schenk
 

Mais procurados (20)

A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
 
Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1
 
Seitas e heresias identificando e refutando
Seitas e heresias  identificando e refutandoSeitas e heresias  identificando e refutando
Seitas e heresias identificando e refutando
 
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaLição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
 
As Cartas de Paulo
As Cartas de PauloAs Cartas de Paulo
As Cartas de Paulo
 
O discipulado na prática
O discipulado na práticaO discipulado na prática
O discipulado na prática
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
 
Escatologia 3
Escatologia 3Escatologia 3
Escatologia 3
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 
01- DISCIPULADO
01- DISCIPULADO01- DISCIPULADO
01- DISCIPULADO
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
 
Estudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e OfertasEstudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e Ofertas
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
02 principio-da-evangelizacao-discipuladora
 
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipuladoBARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
 
Planejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejasPlanejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejas
 
Estudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinaiEstudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinai
 

Semelhante a LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã

ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem aos crsitãos protestantes
ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem  aos crsitãos protestantesENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem  aos crsitãos protestantes
ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem aos crsitãos protestantes
cassio franca
 
Lição 1- O que É Ética Cristã
Lição 1- O que É Ética Cristã Lição 1- O que É Ética Cristã
Lição 1- O que É Ética Cristã
Hamilton Souza
 
1 - O que é o Cristianismo.pptx
1 - O que é o Cristianismo.pptx1 - O que é o Cristianismo.pptx
1 - O que é o Cristianismo.pptx
PIB Penha - SP
 
Declaração doutrinaria da convenção batista brasileira
Declaração doutrinaria da convenção batista brasileiraDeclaração doutrinaria da convenção batista brasileira
Declaração doutrinaria da convenção batista brasileira
pibfsa
 
Declaracao doutrinaria da_convencao_batista_brasileira
Declaracao doutrinaria da_convencao_batista_brasileiraDeclaracao doutrinaria da_convencao_batista_brasileira
Declaracao doutrinaria da_convencao_batista_brasileira
Luiza Dayana
 
Declaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBBDeclaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBB
mdscs81
 
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista BrasileiraDeclaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
Igreja Batista em Camobi
 
Declaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBBDeclaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBB
mdscs81
 
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃLIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
 
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaUma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Pr. Gerson Eller
 
Lição 1 uma mensagem à igreja local e à liderança - 3º trimestre de 2015
Lição 1   uma mensagem à igreja local e à liderança - 3º trimestre de 2015Lição 1   uma mensagem à igreja local e à liderança - 3º trimestre de 2015
Lição 1 uma mensagem à igreja local e à liderança - 3º trimestre de 2015
Andrew Guimarães
 
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaLição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Tcc Final
 
O perigo e as conseqüências das inovações e modismos na liturgia do culto
O perigo e as conseqüências das inovações e modismos na liturgia do cultoO perigo e as conseqüências das inovações e modismos na liturgia do culto
O perigo e as conseqüências das inovações e modismos na liturgia do culto
Instituto Teológico Gamaliel
 
Epistola de efeso
Epistola de efesoEpistola de efeso
Epistola de efeso
Junior Miranda
 
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇAINSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
Elson Juvenal Pinto Loureiro
 
Romanos 1
Romanos 1Romanos 1
Romanos 1
Dagmar Wendt
 
Estudo: Firmando a minha fé, um estudo sobre a identidade batista.
Estudo: Firmando a minha fé, um estudo sobre a identidade batista.Estudo: Firmando a minha fé, um estudo sobre a identidade batista.
Estudo: Firmando a minha fé, um estudo sobre a identidade batista.
Givanildo Matos
 
1 objetivos do panorama do at
1  objetivos do panorama do at1  objetivos do panorama do at
1 objetivos do panorama do at
PIB Penha - SP
 
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
Natalino das Neves Neves
 
4 ética na capelania
4 ética na capelania4 ética na capelania
4 ética na capelania
faculdadeteologica
 

Semelhante a LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã (20)

ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem aos crsitãos protestantes
ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem  aos crsitãos protestantesENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem  aos crsitãos protestantes
ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem aos crsitãos protestantes
 
Lição 1- O que É Ética Cristã
Lição 1- O que É Ética Cristã Lição 1- O que É Ética Cristã
Lição 1- O que É Ética Cristã
 
1 - O que é o Cristianismo.pptx
1 - O que é o Cristianismo.pptx1 - O que é o Cristianismo.pptx
1 - O que é o Cristianismo.pptx
 
Declaração doutrinaria da convenção batista brasileira
Declaração doutrinaria da convenção batista brasileiraDeclaração doutrinaria da convenção batista brasileira
Declaração doutrinaria da convenção batista brasileira
 
Declaracao doutrinaria da_convencao_batista_brasileira
Declaracao doutrinaria da_convencao_batista_brasileiraDeclaracao doutrinaria da_convencao_batista_brasileira
Declaracao doutrinaria da_convencao_batista_brasileira
 
Declaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBBDeclaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBB
 
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista BrasileiraDeclaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
 
Declaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBBDeclaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBB
 
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃLIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
 
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaUma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderança
 
Lição 1 uma mensagem à igreja local e à liderança - 3º trimestre de 2015
Lição 1   uma mensagem à igreja local e à liderança - 3º trimestre de 2015Lição 1   uma mensagem à igreja local e à liderança - 3º trimestre de 2015
Lição 1 uma mensagem à igreja local e à liderança - 3º trimestre de 2015
 
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaLição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
 
O perigo e as conseqüências das inovações e modismos na liturgia do culto
O perigo e as conseqüências das inovações e modismos na liturgia do cultoO perigo e as conseqüências das inovações e modismos na liturgia do culto
O perigo e as conseqüências das inovações e modismos na liturgia do culto
 
Epistola de efeso
Epistola de efesoEpistola de efeso
Epistola de efeso
 
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇAINSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
 
Romanos 1
Romanos 1Romanos 1
Romanos 1
 
Estudo: Firmando a minha fé, um estudo sobre a identidade batista.
Estudo: Firmando a minha fé, um estudo sobre a identidade batista.Estudo: Firmando a minha fé, um estudo sobre a identidade batista.
Estudo: Firmando a minha fé, um estudo sobre a identidade batista.
 
1 objetivos do panorama do at
1  objetivos do panorama do at1  objetivos do panorama do at
1 objetivos do panorama do at
 
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
 
4 ética na capelania
4 ética na capelania4 ética na capelania
4 ética na capelania
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
Natalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Natalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Natalino das Neves Neves
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
Natalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 

Último

Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
eltinhorg
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 

Último (20)

Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 

LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã

  • 1.
  • 2. TEXTO ÁUREO “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam.” (1 Co 10.23)
  • 3. VERDADE PRÁTICA As Escrituras Sagradas ensinam o que convêm à virtude do bem-viver cristão em sociedade.
  • 4. 1 Coríntios 10.1-13 1 - Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem; e todos passaram pelo mar, 2 - E todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar, 3 - E todos comeram de uma mesma comida espiritual, 4 - E beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo. 5 - Mas Deus não se agradou da maior parte deles, pelo que foram prostrados no deserto. 6 - E essas coisas foram-nos feitas em figura, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram. 7 - Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; conforme está escrito: O povo assentou-se a comer e a beber e levantou-se para folgar. 8 - E não nos prostituamos, como alguns deles fizeram e caíram num dia vinte e três mil. 9 - E não tentemos a Cristo, como alguns deles também tentaram e pereceram pelas serpentes. 10 - E não murmureis, como também alguns deles murmuraram e pereceram pelo destruidor. 11 - Ora, tudo isso lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos. 12 - Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe que não caia. 13 - Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.
  • 5. • Estudar ética é muito importante para o aperfeiçoamento dos nossos relacionamentos e conduta na sociedade. • Quando avaliada sob a perspectiva cristãs se denomina “Ética Cristã”. • Na atual época os conceitos pós-modernos relativizam as doutrinas cristãs. • Viver sob os fundamentos da Ética Cristã conduz à comunhão com Deus e a um testemunho cristão impactante (Mt 5.13,14). INTRODUÇÃO
  • 6. PONTO CENTRAL A Ética Cristã remonta as virtudes do Reino de Deus.
  • 7. I – O CONCEITO DE ÉTICA CRISTÃ
  • 8. • A palavra “ética” possui origem no vocábulo grego ethos, que significa “costumes” ou “hábitos”. • No latim, o termo usado se corresponde a mos (moral), no sentido de “normas” ou “regras”. • Devido à proximidade linguística desses termos, muitas vezes eles são usados como sinônimos. • Contudo, devemos defini-los separadamente. 1. Definição Geral
  • 9. • Enquanto ciência, a ética pode ser entendida como a área da filosofia que investiga os fundamentos da moral adotada por uma sociedade. • A moral refere-se ao comportamento social em relação às regras estabelecidas. • Essas regras podem variar de uma cultura para outra. • Tudo dependerá da referência de autoridade que serve de fundamento para os padrões de conduta social. 2. Ética e Moral
  • 10. HOLMES, Arthur. Ética: As decisões morais à luz da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD,
  • 11. • Tem como objetivo indicar a conduta ideal para a retidão do comportamento cristão. • O fundamento moral da Ética Cristã são as Escrituras Sagradas. • Desse modo, a Ética Cristã não se desassocia da moral e dos bons costumes derivados das doutrinas bíblicas. 3. Ética Cristã
  • 12. • O Deus Trino é santo e imutável. • Ele se revelou nas Sagradas Escrituras. • Nesse aspecto, os princípios ético-cristãos que derivam das Escrituras são imutáveis e divinos. • Esses princípios têm aplicação adequada para todas as épocas e culturas, pois são universais. • Os padrões ético-cristãos não podem ser relativizados. 4. Princípios da Ética Cristã
  • 13. SÍNTESE DO TÓPICO A ética que brota das Sagradas Escrituras é o fundamento da moral de todo seguidor de Jesus. Por isso ela é cristã.
  • 14. II – FUNDAMENTOS DA ÉTICA CRISTÃ
  • 15. Neste tópico, mostraremos as principais seções bíblicas, tanto do Antigo quanto do Novo Testamento que norteiam o senso ético de todo cristão: • o Decálogo, • os Profetas, • os Evangelhos, • o Sermão do Monte, • as Epístolas Paulinas e Gerais. Introdução ao tópico
  • 16. • Os Dez Mandamentos são preceitos éticos que fazem parte da lei moral de Deus (Êx 20.1-17). • Os quatro primeiros tratam da relação do homem para com o Criador: • adoração exclusiva; • condenação à idolatria; • alerta acerca do uso vão de seu santo nome; e • a sacralidade do tempo (Êx 20.1-11). 1. O Decálogo
  • 17. • Os seis últimos mandamentos referem-se à relação do homem com o próximo: • honra aos pais; • zelo pela integridade da vida; • repúdio ao adultério; • proibição ao furto; • a mentira; e • a cobiça (Êx 20.12-17). • Jesus ensinou que os dez mandamentos resumem-se nestes dois: amar a Deus e amar o próximo (Mt 22.37-39). 1. O Decálogo
  • 18. • A mensagem dos profetas do Antigo Testamento tem uma imensa influência ética para os seguidores de Jesus, abarcando: • esferas morais (Jr 17.1-11; Ml 1.6-14; 2.10-16); • sociais (Is 58; Mq 2.1-5); e • espirituais (Jr 31.31,32; Jl 2.28-32). 2. Os profetas
  • 19. • Evangelho são as boas novas de Cristo (Mt 9.35). • A mensagem registrada pelos evangelistas contém apelo ao arrependimento, renúncia ao pecado, oferta de perdão, esperança de salvação e santidade de vida (Mt 3.2, Lc 1.77, 9.62). • Os seguidores de Cristo são convocados a viverem as doutrinas do Evangelho e a adotarem a ética e a moral do Reino de Deus como estilo de vida (Mc 10.42-45). 3. Os Evangelhos
  • 20. • Este sermão contém princípios do mais alto ideal moral. Aborda questões como: • a ira, o adultério, o divórcio, o juramento, a vingança e o amor (Mt 5.22,28,32,37,39,44); • também aborda a esmola, a oração e os jejuns (Mt 6.1,5,16); • passando pela questão do prejulgamento, dos falsos profetas e dos alicerces espirituais (Mt 7.1,15, 24-27). • O Sermão do Monte está para os cristãos como o Decálogo está para os judeus. • Jesus adverte priorizar o Reino de Deus e a sua justiça (Mt 6.33). 4. O Sermão do Monte
  • 21. • As Epístolas Paulinas, bem como as gerais, trazem ensinamentos aprofundados sobre a nossa relação com: • Deus (Rm 12.1,2; Hb 13.7-17), • O Estado (Rm 13.1-7; 1 Pe 2.11-17), • O próximo (Rm 13.8-10; 14.1-12; 1 Jo 3.11-24), • A injustiça social (Tg 2.1-13; 5.1-6), • A questão da sexualidade cristã e do casamento (1 Co 6.12-20; 1 Co 7.10-24). 5. As Epístolas Paulinas e Gerais. As Epístolas Paulinas
  • 22. SÍNTESE DO TÓPICO A Ética Cristã está fundamentada nas Sagradas Escrituras, onde o Decálogo, a Mensagem dos Profetas, os Evangelhos, o Sermão do Monte, as Epístolas Paulinas e Gerais merecem destaques.
  • 23. III – CHAMADOS A VIVER ETICAMENTE
  • 24. Os israelitas foram reprovados por não obedecerem a lei moral outorgada por Deus no deserto. Tal registro foi feito para a nossa advertência, pois as Escrituras dizem acerca do perigo de não vivermos o ideal ético do Reino (1 Co 10.5). Introdução ao tópico
  • 25. • Paulo adverte a Igreja em Corinto a não incorrer no pecado da cobiça (1 Co 10.6). • No deserto os israelitas cobiçaram o que lhes fora proibido e, por isso, sentiram saudades do Egito (Nm 11.4,5). • Infelizmente, ainda hoje, pseudocristãos cobiçam os prazeres do mundo. • Assim, preferem o hedonismo e a escravidão do pecado a cumprirem a lei moral do Pai. 1. “Não cobiceis as coisas más.”
  • 26. • O apóstolo exorta acerca do perigo da idolatria (1 Co 10.7). • Enquanto Moisés recebia as tábuas da Lei (Êx 31.18), os israelitas se corrompiam adorando um bezerro de ouro (Êx 32.1-6). • O ato de idolatria não consiste apenas na adoração de uma imagem. Falsos cristãos desprovidos da ética das Escrituras adoram o dinheiro e os bens materiais. • A Bíblia chama esse pecado de idolatria (Cl 3.5). 2. “Não vos torneis idólatras.”
  • 27. • À luz da história dos israelitas, o apóstolo alerta acerca da maldição provocada pela prostituição (1 Co 10.8). • A imoralidade encabeça a lista das obras da carne: “prostituição, impureza, lascívia” (Gl 5.19). • Muitos, em nome da “graça barata”, justificam a imoralidade e a sensualidade em suas vidas. • O corpo do cristão deve ser conservado irrepreensível (1 Co 6.18,19; 1 Ts 5.23). 3. “Não nos prostituamos.”
  • 28. SÍNTESE DO TÓPICO A Ética Cristã é um chamado para vivermos um estilo de vida segundo as virtudes do Reino de Deus.
  • 29. Hoje aprendemos que: 1. A Bíblia Sagrada é o fundamento para o viver ético-moral dos cristãos. A regra de fé e de conduta à comunidade cristã(2 Tm 3.16). 2. Portanto, em tempos de ataques ideológicos contra a cultura judaico-cristã, a Igreja não deve furtar-se de ser o “sal da terra” e a “luz do mundo” em pleno século XXI (Mt 5.13,14). CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 30. REFERÊNCIAS ANDRADE, Claudionor. As Novas Fronteiras da Ética Cristã. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. ARRINGTON, French L; ARRINGTON e STRONSTAD, Roger (Ed). Comentário Bíblico Pentecostal. 4ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006. BAPTISTA, Douglas. Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 2010. HOLMES, Arthur. Ética: as decisões morais à luz da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, XXX. LIÇÕES BÍBLICAS DE ADULTOS. XX: XX. 2 TRI 2018. Rio de Janeiro: CPAD, 2018.
  • 31. REFERÊNCIAS LIMA, Elinaldo Renovato. Ética Cristã: Confrontando as Questões Morais do Nosso Tempo. Rio de Janeiro: CPAD, XXX. NEVES, Natalino das. Seu Reino não Terá Fim: vida e obra de Jesus segundo o Evangelho de Mateus. Rio de Janeiro: CPAD, 2017.
  • 32. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Facebook: www.facebook.com/natalino.neves Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 98409 8094 (TIM)
  • 33. “Atenção para a tradição da Igreja de Cristo! Além das Sagradas Escrituras, a Igreja de Cristo tem uma tradição riquíssima em decisões de questões éticas, como aborda muito bem o pastor Claudionor de Andrade: “Se, por um lado, não podemos escravizar-nos à tradição, por outro, não devemos desprezá-la. Sem o legado dos que nos precederam, jamais teríamos conseguido estruturar nosso edifício teológico, moral e ético. Logo, é-nos permitido eleger a tradição eclesiástica como o segundo fundamento da Ética Cristã. [...] A tradição, quando bem utilizada, assessora a Igreja nos dilemas teológicos, morais e éticos. O apóstolo Paulo reconhece-lhe a importância: ‘Nós vos ordenamos, irmãos, em nome do Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo irmão que ande desordenadamente e não segundo a tradição que de nós recebestes?” (2 Ts 3.6). O que não podemos fazer é colocá-la de pé de igualdade com a Bíblia. A Didaqué é um dos tratados mais antigos e tradicionais da Igreja Cristã. Produzida ainda nos dias apostólicos, ajudou os primeiros cristãos a posicionarem-se espiritual e eticamente. A Doutrina dos Doze Apóstolos, como também é conhecida, realçava-se por amorosas admoestações, conforme podemos observar: ‘Há dois caminhos: um da vida e outro da morte. A diferença entre ambos é grande. O caminho da vida é, pois, o seguinte: primeiro amarás a Deus que te fez: depois teu próximo como a ti mesmo. E tudo o que não queres que seja feito a ti, não o faças a outro’. Mais adiante, prossegue o autor anônimo, citando as práticas que conduzem o ser humano à perdição: ‘Mortes, adultérios, paixões, fornicações, roubos, idolatrias, práticas mágicas, rapinagens, falsos testemunhos, hipocrisias, ambiguidades, fraude, orgulho, maldade, arrogância, cobiça, má conversa, ciúme, insolência, extravagância, jactância, vaidade e ausência do temor de Deus’” (ANDRADE, Claudionor de. As Novas Fronteiras da Ética Cristã. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2017, pp.17,18). SUBSÍDIO TEOLÓGICO