SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTUDO 4 –
Puro e Impuro /
Bênção e Maldição
Puro e Impuro
Dentro das leis entregues a Moisés estão
presentes conceitos religiosos que eram muito
presentes na vida do povo de Israel. Um destes
conceitos era o de pureza e impureza, os quais
estavam ligados ao culto (Lv 11:1-15:33).
Primeiramente vejamos o conceito de puro e
impuro, para em seguida considerar os demais
aspectos que envolvem estes mandamentos:
1º Conceito: Moisés explica a diferença entre o
cerimonialmente limpo e o imundo. “Limpo”
significa apto para a presença de Deus; “imundo”
significa impróprio para a presença de Deus. A
ideia básica é que Deus é vida perfeita, ao passo
que a essência da impureza é a morte.
A polaridade entre a vida e a morte coincide
com a polaridade entre o puro e o impuro, assim,
que o imundo jamais entrasse na presença de
Deus. A morte era acima de tudo uma
contaminação. A morte é o oposto da santidade;
Puro e Impuro
2º Conceito: A obediência a essas leis garantia a
pureza cerimonial, mas não tornava a pessoa
automaticamente santa em seu caráter;
3º Conceito: No linguajar religioso, limpo era
aquilo que não contaminava cerimonialmente.
Esse termo era empregado a respeito de animais
(Gn 7:2), de lugares (Lv 4:12), de objetos (Is 66:20),
ou de pessoas (1Sm 20:26; Ez 36:25);
Puro e Impuro
4º Conceito: O fato de a criatura ser “limpa”
ou “imunda” não tinha qualquer relação
com a qualidade do animal... O principal
intuito das leis sobre os alimentos era
lembrar os israelitas de que pertenciam a
Deus e tinham a obrigação de manter-se
separados de qualquer coisa que pudesse
poluí-los: “sereis santos, porque eu sou
santo” (Lv 11:45; 19:2; 20:26; 1Pe 1:16).
Puro e Impuro
Muitas explicações têm sido dada com a finalidade de
explicar a razão de estas “coisas” terem a capacidade de
tornar impuros os adoradores, entretanto, nenhuma delas
constitui-se na palavra final sobre o assunto por falta de
maiores explicações bíblicas.
Neste caso, não vamos apontar para nenhuma das
possíveis explicações, pois se Deus não deixou informações
claras a respeito deste assunto, não devemos procurar
respostas baseados em conjecturas ou inferências.
Não necessitamos fazer isto, pois o importante é
observar o que foi revelado por Deus. E o que nos foi
revelado é que os israelitas deveriam cumprir tais
regulamentações para que fossem santos como Deus.
Puro e Impuro
Ao tornar-se impuro, o israelita tinha como
reverter a situação. A forma de purificar-se era lavar-se,
e lavar a roupa. Também era oferecido sacrifício para
que ele fosse restaurado. Enquanto isto, o impuro
deveria separar-se do tabernáculo e da congregação.
Caso houvesse alguém que não estivesse disposto
a purificar-se, ou negligenciasse o ritual necessário de
purificação, não teria desculpas para tal procedimento. É
importante destacar o fato de que os rituais de
restauração foram previstos, mas quem permanecesse
impuro em atitude de arrogância era banido da
comunidade (Lv 17:16).
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Os conceitos de pureza e impureza cerimonial
também se tornaram símbolos da pureza e impureza
moral. Assim, tanto os escritores no Antigo Testamento
(Is 1:16; 35:8; 52:1; 59:3; Sl 24:4; 51:2), quanto do Novo
Testamento (Mt 5:8; At 15:8-9; 2Co 7:1; 1Tm 1:5; 3:9; 1Jo
1:7, 9; Ap 21:27) usaram esta figura de linguagem.
Dos modos de se tornarem impuros, talvez o mais
polêmico seja com relação aos animais que poderiam
servir de alimentos. Abaixo temos as regras quanto aos
animais limpos e imundos:
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Puro e Impuro
Novo Testamento
Ainda em nossos dias há muita polêmica entre os
cristãos com respeito à permissão ou não de se comer
tais alimentos que eram proibidos na lei de Moisés.
Contudo, o Novo Testamento é claro quanto ao
fato de que com a Nova Aliança veio o fim das leis
cerimoniais (Mc 7:14-23; At 15:20; Rm 14:14; Ef 2:11-
21; Tt 1:15; Cl 2:16, 17; 1Tm 4:3, 4).
O Novo Testamento fala à respeito da pureza não
de objetos ou de animais, mas da pureza de coração (At
15:9; Ef 5:26; 2Tm 2:21; Tt 2:14; Hb 9:14; 10:22; 1Pe
1:22; 1Jo 1:7, 9; 3:3; Tg 4:8).
Puro e Impuro
A Benção e a Maldição
Em (Gênesis 1:22, 27, 28) encontramos as
primeiras citações bíblicas da palavra “bênção”. E
em Gênesis 3.17 é a primeira citação da palavra
“maldição”. As listas de bênçãos e maldições
(Dt 30:15; Lv 26.3-39) lembram do contexto da
Aliança. Tais listas são bem conhecidas em outros
textos do Oriente Próximo, pelos quais incutem
nos receptores da aliança a seriedade do
compromisso assumido.
A Benção e a Maldição
A obediência resultava em grande benção, mas a
desobediência acarretava julgamento. Portanto, os
conceitos de bênção e maldição dizem respeito ao
relacionamento de Aliança com Deus. A palavra
“maldição” segundo as escrituras só podem caber dois
significados:
A Benção e a Maldição
A primeira diz respeito da maldição vinda da quebra da Lei,
pois segundo o costume da época para se fazer uma aliança
ter-se-ia que falar as bênçãos e as maldições. Deus trouxe essa
linguagem ao seu povo e deu a sua Lei chamando-a de “palavras
da Aliança” (Ex 34:28).
Quando a Bíblia diz que Deus abençoou Adão e Eva
(Gn 1:28), não está dizendo que Ele os “benzeu”, lançou-lhes um
“feitiço bom” ou deu-lhes uma “proteção”. Não! Apenas está
dizendo que Deus concedeu o bem para eles, os fez felizes e
prósperos. Quando diz que Deus abençoou os animais fez também
o mesmo (Gn 2:3; 9:1; 25:11; 27:23).
Quando a Bíblia fala “maldição”, não está se referindo a:
feitiço mau. Essa palavra nas línguas originais da Bíblia quer dizer:
“Destruição, difamação, calúnia, maldizer, condenação, desgraça
(ausência da graça)”. como “destruição” (Hb 6:8); como
“condenação” (Gl 3:10,13); como “desgraça”(Ap 22:3);
A Benção e a Maldição
A segunda acepção bíblica das palavras bênção e
maldição é o que elas querem dizer literalmente: dizer
coisas boas ou más. Tanto as palavras hebraicas e gregas
querem dizer isso. O que a Escritura nos adverte é que
não devemos amaldiçoar o nosso próximo. Isso é falado
não tanto por causa da pessoa que ouve, mas por causa
da pessoa que diz, porque quem fala coisas más é por que
o seu coração está contaminado pelo pecado de inveja,
homicídio, sujeira (Mt 5:21,22; Mc 7:20-23; Rm 12:14;
Mt 12:34; Tg 3:9, 10).
Palavra de maldição
Muitos pregadores têm espalhado por aí que nossas
palavras têm poder para abençoar e amaldiçoar literalmente as
pessoas. Será que este é o ensino da Bíblia com respeito à bênção
e maldição? Vejamos as explicações abaixo:
• As palavras humanas têm poder em si mesmas para realizar
aquilo que dizem? A resposta é não. As palavras que têm poder
em si mesmas são as palavras de Deus, escritas na Bíblia. Quanto
poder têm as palavras humanas? A palavra humana que tem
poder é aquela que é falada em nome de Deus, como no caso
dos profetas bíblicos, ou dos pregadores da Palavra escrita na
Bíblia (Is 55:11). As palavras e maldições dos profetas que não
são inspirados não tem possibilidade de se cumprir (Jr 23:28-31);
A Benção e a Maldição
• Se o homem tem realmente poder para abençoar ou
amaldiçoar, então, isto implicaria que os destinos das
pessoas estariam no poder das palavras de pecadores
inconsequentes, falíveis e imprevisíveis. Isso anularia a
própria soberania de Deus no Universo. Em (Tg 4:13-
15) o autor joga por terra essa doutrina. Ele diz que
não podemos dizer “... hoje e amanha iremos a tal
cidade... ”, mas devemos dizer “... SE DEUS QUISER... ”.
Não está nas nossas palavras o destino das coisas, mas
nas mãos de Deus;
A Benção e a Maldição
• Muitos interpretam mal o texto de (Pv 18:21). Este
versículo explica que devemos ter o cuidado de que
nossas palavras não venham a nos trazer situações
embaraçosas. Temos que saber como dizer as coisas,
pois certamente colheremos situações que são
causadas por nós mesmos. Se a “morte” neste texto é
interpretada literalmente, por que a “vida” não seria?
Uma pessoa que tem uma inteligência mínima sabe
que as palavras não dão vida a nada. Realmente a
bênção e maldição faladas pelas pessoas trazem
consequências psicológicas e de relacionamentos;
A Benção e a Maldição
• Quando os patriarcas pronunciavam uma benção, o
poder da palavra da bênção não estava em suas
palavras, mas na promessa de Deus, como diz Paulo em
(Rm 4.16-18);
• O texto de (Rm 12:14) não ensina que há poder em
nossas palavras ao amaldiçoar ou abençoar alguém.
Paulo quer simplesmente ensinar-nos a não buscar
vingança contra aqueles que nos perseguem.
A Benção e a Maldição
Maldições hereditárias
Há algum tempo aqui no Brasil se difundiu a
doutrina da maldição hereditária. Usam geralmente
como base (Ex 20:5). Esta ameaça pronunciada por Deus
se refere aos que não eram salvos, e permaneciam na
idolatria, desprezando a Deus. Não implica dizer que
apesar de convertidos, Deus persistirá em amaldiçoar
por causa dos pecados dos pais! A maldição é para os
que aborrecem ao Senhor, e não sobre os que o amam.
A Benção e a Maldição
É verdade que alguns textos nas Escrituras declaram
que o pecado dos pais tem influência sobre a vida dos seus
filhos (Lv 26:39; Jr 16:11; Dn 9:16; Am 7:17). Mas, isto deve
ser bem entendido, pois não é uma referência à maldição
hereditária, mas à persistência dos filhos de não abandonar os
pecados dos pais.
Sendo fiéis ao contexto histórico de toda a narrativa,
perceberemos que estas passagens são exortações ao
arrependimento, porque a punição teve origem nos
antepassados, mas eram pecados ainda praticados por eles
mesmos. Como esclareceu o profeta Ezequiel, cada um é
responsável pelos seus próprios pecados (Ez 18:2-4, 5-22).
Contudo, é verdade que as consequências do pecado de
alguém afetam indiretamente seus familiares e conhecidos,
pois ninguém peca para si só; as consequências atingem a
todos (Rm 3:16).
A Benção e a Maldição
Ora, o pecador já gosta de arrumar
desculpas para os seus pecados. Com esta
doutrina ele pode transferir a sua culpa
para outros.
A solução é seguir o processo bíblico
de levar o pecador a assumir pessoalmente
toda a culpa por seu comportamento
pecaminoso, iniciando assim um processo
genuíno de arrependimento e restauração.
Novo Testamento
No ensino do Novo Testamento não
encontramos maldições hereditárias no crente.
Cristo se fez maldição pôr nós e os efeitos
espirituais da rebelião foram totalmente
quebrados (Rm 8:1; Gl 3:10-14; Jo 8:32, 36;
Rm 8:33, 34; Ap 1:5). Temos libertação total, não
temos que quebrar mais nenhuma maldição.
A Benção e a Maldição
Além disto, o crente não está ao léu, vítima
de maldições proferidas pelo homem. Os crentes
são guardados em Jesus Cristo (Sl 91). Portanto,
mesmo que alguém tenha falado palavras fortes e
terríveis não significa que irão acontecer.
O próprio Davi foi amaldiçoado pelos seus
inimigos como por Golias e não se viu uma
repreensão de Davi pelas palavras de Golias e
nem houve alguma consequência por isso, mas
vitória, pois a sua vida estava nas mãos de Deus.
A Benção e a Maldição
O maldito no Novo Testamento é aquele
que não ama ao Senhor. Esse é anátema
(termo grego que corresponde a herem,
"maldição" no hebraico) - (1Co 16:22). Mas o
crente é do Senhor, e abençoado por Ele
(Ef 1:3).
A Benção e a Maldição

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Erivelton Rodrigues Nunes
 
A armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completaA armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completa
Anderson Silvério
 
Revelação Progressiva de DEUS a humanidade Prof. Capri
Revelação Progressiva de DEUS a humanidade Prof. CapriRevelação Progressiva de DEUS a humanidade Prof. Capri
Revelação Progressiva de DEUS a humanidade Prof. Capri
capriello
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
IBMemorialJC
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Éder Tomé
 
Panorama do AT - Cântico dos Cânticos
Panorama do AT - Cântico dos CânticosPanorama do AT - Cântico dos Cânticos
Panorama do AT - Cântico dos Cânticos
Respirando Deus
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
Luan Almeida
 
Manual. discipulado para adolescentes
Manual. discipulado para adolescentesManual. discipulado para adolescentes
Manual. discipulado para adolescentes
Pastor Paulo Francisco
 
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
Joel Silva
 
Namoro cristao
Namoro cristaoNamoro cristao
Namoro cristao
Bruno Ferreira
 
Obreiro aprovado
Obreiro aprovadoObreiro aprovado
Obreiro aprovado
shalonahr
 
Reconhecendo a paternidade de deus
Reconhecendo a paternidade de deusReconhecendo a paternidade de deus
Reconhecendo a paternidade de deus
Damaris Vieira
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Éder Tomé
 
O Namoro Cristão
O Namoro CristãoO Namoro Cristão
O Namoro Cristão
ALTAIR GERMANO
 
Relatório de classe escola dominical gratis
Relatório de classe escola dominical gratisRelatório de classe escola dominical gratis
Relatório de classe escola dominical gratis
Wanderson-Kássia Custódio
 
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de DeusSlide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Éder Tomé
 
55647979 casadosparasempre-100603144245-phpapp01
55647979 casadosparasempre-100603144245-phpapp0155647979 casadosparasempre-100603144245-phpapp01
55647979 casadosparasempre-100603144245-phpapp01
Autonoma
 
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
Respirando Deus
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
Suny Geentilal
 
Estudo biblico 22
Estudo biblico 22Estudo biblico 22
Estudo biblico 22
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 

Mais procurados (20)

Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
 
A armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completaA armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completa
 
Revelação Progressiva de DEUS a humanidade Prof. Capri
Revelação Progressiva de DEUS a humanidade Prof. CapriRevelação Progressiva de DEUS a humanidade Prof. Capri
Revelação Progressiva de DEUS a humanidade Prof. Capri
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
 
Panorama do AT - Cântico dos Cânticos
Panorama do AT - Cântico dos CânticosPanorama do AT - Cântico dos Cânticos
Panorama do AT - Cântico dos Cânticos
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
 
Manual. discipulado para adolescentes
Manual. discipulado para adolescentesManual. discipulado para adolescentes
Manual. discipulado para adolescentes
 
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
 
Namoro cristao
Namoro cristaoNamoro cristao
Namoro cristao
 
Obreiro aprovado
Obreiro aprovadoObreiro aprovado
Obreiro aprovado
 
Reconhecendo a paternidade de deus
Reconhecendo a paternidade de deusReconhecendo a paternidade de deus
Reconhecendo a paternidade de deus
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 
O Namoro Cristão
O Namoro CristãoO Namoro Cristão
O Namoro Cristão
 
Relatório de classe escola dominical gratis
Relatório de classe escola dominical gratisRelatório de classe escola dominical gratis
Relatório de classe escola dominical gratis
 
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de DeusSlide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
 
55647979 casadosparasempre-100603144245-phpapp01
55647979 casadosparasempre-100603144245-phpapp0155647979 casadosparasempre-100603144245-phpapp01
55647979 casadosparasempre-100603144245-phpapp01
 
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
Estudo Panorâmico do AT - Crônicas 1 e 2
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
 
Estudo biblico 22
Estudo biblico 22Estudo biblico 22
Estudo biblico 22
 

Destaque

Animais limpos e imundos
Animais limpos e imundosAnimais limpos e imundos
Animais limpos e imundos
Adão Bueno
 
Slides da-dieta-biblica-imagens1
Slides da-dieta-biblica-imagens1Slides da-dieta-biblica-imagens1
Slides da-dieta-biblica-imagens1
Sandro Junior
 
Apostila de dons espirituais
Apostila de dons espirituaisApostila de dons espirituais
Apostila de dons espirituais
Rubens Bastos
 
26. a 2ª besta do apocalipse e a união das igrejas
26. a 2ª besta do apocalipse e a união das igrejas26. a 2ª besta do apocalipse e a união das igrejas
26. a 2ª besta do apocalipse e a união das igrejas
Adão Bueno
 
Biblia+ anexos (04 - dom de línguas)
Biblia+   anexos (04 - dom de línguas)Biblia+   anexos (04 - dom de línguas)
Biblia+ anexos (04 - dom de línguas)
Adão Bueno
 
Emblemas dos desbravadores
Emblemas dos desbravadoresEmblemas dos desbravadores
Emblemas dos desbravadores
Ismael Rosa
 
Emblemas dos desbravadores
Emblemas dos desbravadoresEmblemas dos desbravadores
Emblemas dos desbravadores
Ismael Rosa
 
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
Torah
 
Slide para páscoa
Slide para páscoaSlide para páscoa
Slide para páscoa
Zacarias Gomes
 
Mensagens Slides Imagens A Verdadeira Pascoa
Mensagens Slides Imagens A Verdadeira PascoaMensagens Slides Imagens A Verdadeira Pascoa
Mensagens Slides Imagens A Verdadeira Pascoa
Andreia Alves
 
Download - Clube de Desbravadores
Download - Clube de DesbravadoresDownload - Clube de Desbravadores
Download - Clube de Desbravadores
APaC Elo 2
 
Max Lucado Ele Escolheu Você Rev
Max Lucado   Ele Escolheu Você RevMax Lucado   Ele Escolheu Você Rev
Max Lucado Ele Escolheu Você Rev
guest9b0656f
 
109513320 apostila-de-libertacao-office-2003
109513320 apostila-de-libertacao-office-2003109513320 apostila-de-libertacao-office-2003
109513320 apostila-de-libertacao-office-2003
George Átila Moreira
 
Pascoa 2013
Pascoa 2013Pascoa 2013
Pascoa 2013
Mensagens Virtuais
 
A verdadeira Páscoa
A verdadeira PáscoaA verdadeira Páscoa
A verdadeira Páscoa
Matheus Fantin
 
A verdade sobre o canto do galo no episódio da negação de pedro
A verdade sobre o canto do galo no episódio da negação de pedroA verdade sobre o canto do galo no episódio da negação de pedro
A verdade sobre o canto do galo no episódio da negação de pedro
Carlos Augusto Vailatti
 
Lição 09 o santuário terrestre
Lição 09   o santuário terrestreLição 09   o santuário terrestre
Lição 09 o santuário terrestre
Adão Bueno
 
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
CETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua FamíliaCETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua Família
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
Ednilson do Valle
 
O cuidado com a lingua
O cuidado com a linguaO cuidado com a lingua
O cuidado com a lingua
Moisés Sampaio
 
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUALIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 

Destaque (20)

Animais limpos e imundos
Animais limpos e imundosAnimais limpos e imundos
Animais limpos e imundos
 
Slides da-dieta-biblica-imagens1
Slides da-dieta-biblica-imagens1Slides da-dieta-biblica-imagens1
Slides da-dieta-biblica-imagens1
 
Apostila de dons espirituais
Apostila de dons espirituaisApostila de dons espirituais
Apostila de dons espirituais
 
26. a 2ª besta do apocalipse e a união das igrejas
26. a 2ª besta do apocalipse e a união das igrejas26. a 2ª besta do apocalipse e a união das igrejas
26. a 2ª besta do apocalipse e a união das igrejas
 
Biblia+ anexos (04 - dom de línguas)
Biblia+   anexos (04 - dom de línguas)Biblia+   anexos (04 - dom de línguas)
Biblia+ anexos (04 - dom de línguas)
 
Emblemas dos desbravadores
Emblemas dos desbravadoresEmblemas dos desbravadores
Emblemas dos desbravadores
 
Emblemas dos desbravadores
Emblemas dos desbravadoresEmblemas dos desbravadores
Emblemas dos desbravadores
 
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
 
Slide para páscoa
Slide para páscoaSlide para páscoa
Slide para páscoa
 
Mensagens Slides Imagens A Verdadeira Pascoa
Mensagens Slides Imagens A Verdadeira PascoaMensagens Slides Imagens A Verdadeira Pascoa
Mensagens Slides Imagens A Verdadeira Pascoa
 
Download - Clube de Desbravadores
Download - Clube de DesbravadoresDownload - Clube de Desbravadores
Download - Clube de Desbravadores
 
Max Lucado Ele Escolheu Você Rev
Max Lucado   Ele Escolheu Você RevMax Lucado   Ele Escolheu Você Rev
Max Lucado Ele Escolheu Você Rev
 
109513320 apostila-de-libertacao-office-2003
109513320 apostila-de-libertacao-office-2003109513320 apostila-de-libertacao-office-2003
109513320 apostila-de-libertacao-office-2003
 
Pascoa 2013
Pascoa 2013Pascoa 2013
Pascoa 2013
 
A verdadeira Páscoa
A verdadeira PáscoaA verdadeira Páscoa
A verdadeira Páscoa
 
A verdade sobre o canto do galo no episódio da negação de pedro
A verdade sobre o canto do galo no episódio da negação de pedroA verdade sobre o canto do galo no episódio da negação de pedro
A verdade sobre o canto do galo no episódio da negação de pedro
 
Lição 09 o santuário terrestre
Lição 09   o santuário terrestreLição 09   o santuário terrestre
Lição 09 o santuário terrestre
 
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
CETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua FamíliaCETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua Família
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
 
O cuidado com a lingua
O cuidado com a linguaO cuidado com a lingua
O cuidado com a lingua
 
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUALIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
 

Semelhante a Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição

O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
Pr. Andre Luiz
 
O poder e autoridade de Deus na bíblia
O poder e autoridade de Deus na bíbliaO poder e autoridade de Deus na bíblia
O poder e autoridade de Deus na bíblia
Daniel M Junior
 
Romanos 5
Romanos   5Romanos   5
Romanos 5
Joel Silva
 
Institutogamaliel.com o que-fazer_para_ver_os_sinais_de_deus
Institutogamaliel.com o que-fazer_para_ver_os_sinais_de_deusInstitutogamaliel.com o que-fazer_para_ver_os_sinais_de_deus
Institutogamaliel.com o que-fazer_para_ver_os_sinais_de_deus
Instituto Teológico Gamaliel
 
Lição 13 - A manifestação da graça da salvação
Lição 13 - A manifestação da graça da salvaçãoLição 13 - A manifestação da graça da salvação
Lição 13 - A manifestação da graça da salvação
Regio Davis
 
Os Dons do Espirito Santo
Os Dons do Espirito Santo Os Dons do Espirito Santo
Os Dons do Espirito Santo
UEPB
 
Book cristo aquele-que-cura
Book cristo aquele-que-curaBook cristo aquele-que-cura
Book cristo aquele-que-cura
tadslideshare
 
O que é o Dispensacionalismo!
O que é o Dispensacionalismo!O que é o Dispensacionalismo!
O que é o Dispensacionalismo!
Jorge Henrique R de Araujo
 
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Pr. Andre Luiz
 
U.XI - Salvação em Cristo - Parte I
U.XI - Salvação em Cristo - Parte IU.XI - Salvação em Cristo - Parte I
U.XI - Salvação em Cristo - Parte I
Ramón Zazatt
 
ASSIM DIZ O SENHOR
ASSIM DIZ O SENHORASSIM DIZ O SENHOR
ASSIM DIZ O SENHOR
ibpd
 
Lição 03 – a vida do novo convertido
Lição 03  –  a vida do novo convertidoLição 03  –  a vida do novo convertido
Lição 03 – a vida do novo convertido
estevao01
 
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
Gerson G. Ramos
 
SERMÃO-1151-097-O-REMANESCENTE-SEM-PECADO-COMO (1).pptx
SERMÃO-1151-097-O-REMANESCENTE-SEM-PECADO-COMO (1).pptxSERMÃO-1151-097-O-REMANESCENTE-SEM-PECADO-COMO (1).pptx
SERMÃO-1151-097-O-REMANESCENTE-SEM-PECADO-COMO (1).pptx
CrisAlmeidaSoares1
 
A importância de deus em nossas vidas
A importância de deus em nossas  vidasA importância de deus em nossas  vidas
A importância de deus em nossas vidas
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
SLIDES - Lição 13 - A igreja não Sobrevive sem Doutrina - 1 Tri 2024.pdf
SLIDES - Lição 13 - A igreja não Sobrevive sem Doutrina - 1 Tri 2024.pdfSLIDES - Lição 13 - A igreja não Sobrevive sem Doutrina - 1 Tri 2024.pdf
SLIDES - Lição 13 - A igreja não Sobrevive sem Doutrina - 1 Tri 2024.pdf
orlandofsilveira
 
As grandes doutrinas da bíblia raimundo de oliveira
As grandes doutrinas da bíblia   raimundo de oliveiraAs grandes doutrinas da bíblia   raimundo de oliveira
As grandes doutrinas da bíblia raimundo de oliveira
Ivaneo Silva
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
Alberto Simonton
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
KARINEVONEYVIEIRABAR
 
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
mredil
 

Semelhante a Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição (20)

O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
 
O poder e autoridade de Deus na bíblia
O poder e autoridade de Deus na bíbliaO poder e autoridade de Deus na bíblia
O poder e autoridade de Deus na bíblia
 
Romanos 5
Romanos   5Romanos   5
Romanos 5
 
Institutogamaliel.com o que-fazer_para_ver_os_sinais_de_deus
Institutogamaliel.com o que-fazer_para_ver_os_sinais_de_deusInstitutogamaliel.com o que-fazer_para_ver_os_sinais_de_deus
Institutogamaliel.com o que-fazer_para_ver_os_sinais_de_deus
 
Lição 13 - A manifestação da graça da salvação
Lição 13 - A manifestação da graça da salvaçãoLição 13 - A manifestação da graça da salvação
Lição 13 - A manifestação da graça da salvação
 
Os Dons do Espirito Santo
Os Dons do Espirito Santo Os Dons do Espirito Santo
Os Dons do Espirito Santo
 
Book cristo aquele-que-cura
Book cristo aquele-que-curaBook cristo aquele-que-cura
Book cristo aquele-que-cura
 
O que é o Dispensacionalismo!
O que é o Dispensacionalismo!O que é o Dispensacionalismo!
O que é o Dispensacionalismo!
 
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
 
U.XI - Salvação em Cristo - Parte I
U.XI - Salvação em Cristo - Parte IU.XI - Salvação em Cristo - Parte I
U.XI - Salvação em Cristo - Parte I
 
ASSIM DIZ O SENHOR
ASSIM DIZ O SENHORASSIM DIZ O SENHOR
ASSIM DIZ O SENHOR
 
Lição 03 – a vida do novo convertido
Lição 03  –  a vida do novo convertidoLição 03  –  a vida do novo convertido
Lição 03 – a vida do novo convertido
 
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
 
SERMÃO-1151-097-O-REMANESCENTE-SEM-PECADO-COMO (1).pptx
SERMÃO-1151-097-O-REMANESCENTE-SEM-PECADO-COMO (1).pptxSERMÃO-1151-097-O-REMANESCENTE-SEM-PECADO-COMO (1).pptx
SERMÃO-1151-097-O-REMANESCENTE-SEM-PECADO-COMO (1).pptx
 
A importância de deus em nossas vidas
A importância de deus em nossas  vidasA importância de deus em nossas  vidas
A importância de deus em nossas vidas
 
SLIDES - Lição 13 - A igreja não Sobrevive sem Doutrina - 1 Tri 2024.pdf
SLIDES - Lição 13 - A igreja não Sobrevive sem Doutrina - 1 Tri 2024.pdfSLIDES - Lição 13 - A igreja não Sobrevive sem Doutrina - 1 Tri 2024.pdf
SLIDES - Lição 13 - A igreja não Sobrevive sem Doutrina - 1 Tri 2024.pdf
 
As grandes doutrinas da bíblia raimundo de oliveira
As grandes doutrinas da bíblia   raimundo de oliveiraAs grandes doutrinas da bíblia   raimundo de oliveira
As grandes doutrinas da bíblia raimundo de oliveira
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
 
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
 

Mais de Alberto Simonton

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
Alberto Simonton
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
Alberto Simonton
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
Alberto Simonton
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
Alberto Simonton
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Alberto Simonton
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
Alberto Simonton
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
Alberto Simonton
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Alberto Simonton
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
Alberto Simonton
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
Alberto Simonton
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
Alberto Simonton
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
Alberto Simonton
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
Alberto Simonton
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
Alberto Simonton
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Alberto Simonton
 
II Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação MinisterialII Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação Ministerial
Alberto Simonton
 
I Curso de Capacitação Ministerial
I Curso de Capacitação MinisterialI Curso de Capacitação Ministerial
I Curso de Capacitação Ministerial
Alberto Simonton
 

Mais de Alberto Simonton (20)

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
 
II Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação MinisterialII Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação Ministerial
 
I Curso de Capacitação Ministerial
I Curso de Capacitação MinisterialI Curso de Capacitação Ministerial
I Curso de Capacitação Ministerial
 

Último

Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 

Último (18)

Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 

Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição

  • 1. ESTUDO 4 – Puro e Impuro / Bênção e Maldição
  • 2. Puro e Impuro Dentro das leis entregues a Moisés estão presentes conceitos religiosos que eram muito presentes na vida do povo de Israel. Um destes conceitos era o de pureza e impureza, os quais estavam ligados ao culto (Lv 11:1-15:33). Primeiramente vejamos o conceito de puro e impuro, para em seguida considerar os demais aspectos que envolvem estes mandamentos:
  • 3. 1º Conceito: Moisés explica a diferença entre o cerimonialmente limpo e o imundo. “Limpo” significa apto para a presença de Deus; “imundo” significa impróprio para a presença de Deus. A ideia básica é que Deus é vida perfeita, ao passo que a essência da impureza é a morte. A polaridade entre a vida e a morte coincide com a polaridade entre o puro e o impuro, assim, que o imundo jamais entrasse na presença de Deus. A morte era acima de tudo uma contaminação. A morte é o oposto da santidade; Puro e Impuro
  • 4. 2º Conceito: A obediência a essas leis garantia a pureza cerimonial, mas não tornava a pessoa automaticamente santa em seu caráter; 3º Conceito: No linguajar religioso, limpo era aquilo que não contaminava cerimonialmente. Esse termo era empregado a respeito de animais (Gn 7:2), de lugares (Lv 4:12), de objetos (Is 66:20), ou de pessoas (1Sm 20:26; Ez 36:25); Puro e Impuro
  • 5. 4º Conceito: O fato de a criatura ser “limpa” ou “imunda” não tinha qualquer relação com a qualidade do animal... O principal intuito das leis sobre os alimentos era lembrar os israelitas de que pertenciam a Deus e tinham a obrigação de manter-se separados de qualquer coisa que pudesse poluí-los: “sereis santos, porque eu sou santo” (Lv 11:45; 19:2; 20:26; 1Pe 1:16). Puro e Impuro
  • 6. Muitas explicações têm sido dada com a finalidade de explicar a razão de estas “coisas” terem a capacidade de tornar impuros os adoradores, entretanto, nenhuma delas constitui-se na palavra final sobre o assunto por falta de maiores explicações bíblicas. Neste caso, não vamos apontar para nenhuma das possíveis explicações, pois se Deus não deixou informações claras a respeito deste assunto, não devemos procurar respostas baseados em conjecturas ou inferências. Não necessitamos fazer isto, pois o importante é observar o que foi revelado por Deus. E o que nos foi revelado é que os israelitas deveriam cumprir tais regulamentações para que fossem santos como Deus. Puro e Impuro
  • 7. Ao tornar-se impuro, o israelita tinha como reverter a situação. A forma de purificar-se era lavar-se, e lavar a roupa. Também era oferecido sacrifício para que ele fosse restaurado. Enquanto isto, o impuro deveria separar-se do tabernáculo e da congregação. Caso houvesse alguém que não estivesse disposto a purificar-se, ou negligenciasse o ritual necessário de purificação, não teria desculpas para tal procedimento. É importante destacar o fato de que os rituais de restauração foram previstos, mas quem permanecesse impuro em atitude de arrogância era banido da comunidade (Lv 17:16). Puro e Impuro
  • 9. Os conceitos de pureza e impureza cerimonial também se tornaram símbolos da pureza e impureza moral. Assim, tanto os escritores no Antigo Testamento (Is 1:16; 35:8; 52:1; 59:3; Sl 24:4; 51:2), quanto do Novo Testamento (Mt 5:8; At 15:8-9; 2Co 7:1; 1Tm 1:5; 3:9; 1Jo 1:7, 9; Ap 21:27) usaram esta figura de linguagem. Dos modos de se tornarem impuros, talvez o mais polêmico seja com relação aos animais que poderiam servir de alimentos. Abaixo temos as regras quanto aos animais limpos e imundos: Puro e Impuro
  • 20. Novo Testamento Ainda em nossos dias há muita polêmica entre os cristãos com respeito à permissão ou não de se comer tais alimentos que eram proibidos na lei de Moisés. Contudo, o Novo Testamento é claro quanto ao fato de que com a Nova Aliança veio o fim das leis cerimoniais (Mc 7:14-23; At 15:20; Rm 14:14; Ef 2:11- 21; Tt 1:15; Cl 2:16, 17; 1Tm 4:3, 4). O Novo Testamento fala à respeito da pureza não de objetos ou de animais, mas da pureza de coração (At 15:9; Ef 5:26; 2Tm 2:21; Tt 2:14; Hb 9:14; 10:22; 1Pe 1:22; 1Jo 1:7, 9; 3:3; Tg 4:8). Puro e Impuro
  • 21. A Benção e a Maldição Em (Gênesis 1:22, 27, 28) encontramos as primeiras citações bíblicas da palavra “bênção”. E em Gênesis 3.17 é a primeira citação da palavra “maldição”. As listas de bênçãos e maldições (Dt 30:15; Lv 26.3-39) lembram do contexto da Aliança. Tais listas são bem conhecidas em outros textos do Oriente Próximo, pelos quais incutem nos receptores da aliança a seriedade do compromisso assumido.
  • 22. A Benção e a Maldição
  • 23. A obediência resultava em grande benção, mas a desobediência acarretava julgamento. Portanto, os conceitos de bênção e maldição dizem respeito ao relacionamento de Aliança com Deus. A palavra “maldição” segundo as escrituras só podem caber dois significados: A Benção e a Maldição
  • 24. A primeira diz respeito da maldição vinda da quebra da Lei, pois segundo o costume da época para se fazer uma aliança ter-se-ia que falar as bênçãos e as maldições. Deus trouxe essa linguagem ao seu povo e deu a sua Lei chamando-a de “palavras da Aliança” (Ex 34:28). Quando a Bíblia diz que Deus abençoou Adão e Eva (Gn 1:28), não está dizendo que Ele os “benzeu”, lançou-lhes um “feitiço bom” ou deu-lhes uma “proteção”. Não! Apenas está dizendo que Deus concedeu o bem para eles, os fez felizes e prósperos. Quando diz que Deus abençoou os animais fez também o mesmo (Gn 2:3; 9:1; 25:11; 27:23). Quando a Bíblia fala “maldição”, não está se referindo a: feitiço mau. Essa palavra nas línguas originais da Bíblia quer dizer: “Destruição, difamação, calúnia, maldizer, condenação, desgraça (ausência da graça)”. como “destruição” (Hb 6:8); como “condenação” (Gl 3:10,13); como “desgraça”(Ap 22:3); A Benção e a Maldição
  • 25. A segunda acepção bíblica das palavras bênção e maldição é o que elas querem dizer literalmente: dizer coisas boas ou más. Tanto as palavras hebraicas e gregas querem dizer isso. O que a Escritura nos adverte é que não devemos amaldiçoar o nosso próximo. Isso é falado não tanto por causa da pessoa que ouve, mas por causa da pessoa que diz, porque quem fala coisas más é por que o seu coração está contaminado pelo pecado de inveja, homicídio, sujeira (Mt 5:21,22; Mc 7:20-23; Rm 12:14; Mt 12:34; Tg 3:9, 10).
  • 26. Palavra de maldição Muitos pregadores têm espalhado por aí que nossas palavras têm poder para abençoar e amaldiçoar literalmente as pessoas. Será que este é o ensino da Bíblia com respeito à bênção e maldição? Vejamos as explicações abaixo: • As palavras humanas têm poder em si mesmas para realizar aquilo que dizem? A resposta é não. As palavras que têm poder em si mesmas são as palavras de Deus, escritas na Bíblia. Quanto poder têm as palavras humanas? A palavra humana que tem poder é aquela que é falada em nome de Deus, como no caso dos profetas bíblicos, ou dos pregadores da Palavra escrita na Bíblia (Is 55:11). As palavras e maldições dos profetas que não são inspirados não tem possibilidade de se cumprir (Jr 23:28-31); A Benção e a Maldição
  • 27. • Se o homem tem realmente poder para abençoar ou amaldiçoar, então, isto implicaria que os destinos das pessoas estariam no poder das palavras de pecadores inconsequentes, falíveis e imprevisíveis. Isso anularia a própria soberania de Deus no Universo. Em (Tg 4:13- 15) o autor joga por terra essa doutrina. Ele diz que não podemos dizer “... hoje e amanha iremos a tal cidade... ”, mas devemos dizer “... SE DEUS QUISER... ”. Não está nas nossas palavras o destino das coisas, mas nas mãos de Deus; A Benção e a Maldição
  • 28. • Muitos interpretam mal o texto de (Pv 18:21). Este versículo explica que devemos ter o cuidado de que nossas palavras não venham a nos trazer situações embaraçosas. Temos que saber como dizer as coisas, pois certamente colheremos situações que são causadas por nós mesmos. Se a “morte” neste texto é interpretada literalmente, por que a “vida” não seria? Uma pessoa que tem uma inteligência mínima sabe que as palavras não dão vida a nada. Realmente a bênção e maldição faladas pelas pessoas trazem consequências psicológicas e de relacionamentos; A Benção e a Maldição
  • 29. • Quando os patriarcas pronunciavam uma benção, o poder da palavra da bênção não estava em suas palavras, mas na promessa de Deus, como diz Paulo em (Rm 4.16-18); • O texto de (Rm 12:14) não ensina que há poder em nossas palavras ao amaldiçoar ou abençoar alguém. Paulo quer simplesmente ensinar-nos a não buscar vingança contra aqueles que nos perseguem. A Benção e a Maldição
  • 30. Maldições hereditárias Há algum tempo aqui no Brasil se difundiu a doutrina da maldição hereditária. Usam geralmente como base (Ex 20:5). Esta ameaça pronunciada por Deus se refere aos que não eram salvos, e permaneciam na idolatria, desprezando a Deus. Não implica dizer que apesar de convertidos, Deus persistirá em amaldiçoar por causa dos pecados dos pais! A maldição é para os que aborrecem ao Senhor, e não sobre os que o amam. A Benção e a Maldição
  • 31. É verdade que alguns textos nas Escrituras declaram que o pecado dos pais tem influência sobre a vida dos seus filhos (Lv 26:39; Jr 16:11; Dn 9:16; Am 7:17). Mas, isto deve ser bem entendido, pois não é uma referência à maldição hereditária, mas à persistência dos filhos de não abandonar os pecados dos pais. Sendo fiéis ao contexto histórico de toda a narrativa, perceberemos que estas passagens são exortações ao arrependimento, porque a punição teve origem nos antepassados, mas eram pecados ainda praticados por eles mesmos. Como esclareceu o profeta Ezequiel, cada um é responsável pelos seus próprios pecados (Ez 18:2-4, 5-22). Contudo, é verdade que as consequências do pecado de alguém afetam indiretamente seus familiares e conhecidos, pois ninguém peca para si só; as consequências atingem a todos (Rm 3:16). A Benção e a Maldição
  • 32. Ora, o pecador já gosta de arrumar desculpas para os seus pecados. Com esta doutrina ele pode transferir a sua culpa para outros. A solução é seguir o processo bíblico de levar o pecador a assumir pessoalmente toda a culpa por seu comportamento pecaminoso, iniciando assim um processo genuíno de arrependimento e restauração.
  • 33. Novo Testamento No ensino do Novo Testamento não encontramos maldições hereditárias no crente. Cristo se fez maldição pôr nós e os efeitos espirituais da rebelião foram totalmente quebrados (Rm 8:1; Gl 3:10-14; Jo 8:32, 36; Rm 8:33, 34; Ap 1:5). Temos libertação total, não temos que quebrar mais nenhuma maldição. A Benção e a Maldição
  • 34. Além disto, o crente não está ao léu, vítima de maldições proferidas pelo homem. Os crentes são guardados em Jesus Cristo (Sl 91). Portanto, mesmo que alguém tenha falado palavras fortes e terríveis não significa que irão acontecer. O próprio Davi foi amaldiçoado pelos seus inimigos como por Golias e não se viu uma repreensão de Davi pelas palavras de Golias e nem houve alguma consequência por isso, mas vitória, pois a sua vida estava nas mãos de Deus. A Benção e a Maldição
  • 35. O maldito no Novo Testamento é aquele que não ama ao Senhor. Esse é anátema (termo grego que corresponde a herem, "maldição" no hebraico) - (1Co 16:22). Mas o crente é do Senhor, e abençoado por Ele (Ef 1:3). A Benção e a Maldição