SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Estudo de caso 
Teoria Existencial Humanista
Caso 
• Uma paciente apresenta-se em uma clínica de atendimento particular, declarando 
ter medo de viajar de avião e buscando um tratamento psicológico que fosse mais 
rápido e solucionasse seu problema de imediato. Tem 32 anos, sexo feminino, 
separada (em processo de divórcio), e com um filho de um ano e meio, terceiro grau 
completo (pedagoga), nível socioeconômico médio-alto. É a filha mais velha de 
família com três filhos. Mantém um bom relacionamento com a família, visitando 
frequentemente pais e irmão. No trabalho, apresenta um bom desempenho, tendo 
sido promovida recentemente a gerente de recursos humanos. Não usa drogas ou 
medicamentos e bebe socialmente. Relatou que, devido à sua recente promoção, 
está tendo que realizar viagens de avião a São Paulo. Tal promoção não a deixou 
satisfeita, pois não era o que ela desejava. Diz que sente medo ao viajar de avião, se 
sente ansiosa, passa mal; uma vez chorou ao embarcar. Disse preocupar-se mais 
quando o avião balança, quando tem turbulência. O grau de ansiedade/mal-estar, na 
decolagem ou no momento de turbulência, é maior. Nota o coração bater mais forte, 
suor nas mãos, suor frio. O início dos sintomas ocorreu há mais ou menos dois anos, 
quando se separou. Suas maiores preocupações atualmente são: o seu filho e sua 
educação, deixar de aproveitar a vida, perder o controle, ter que se sujeitar aos 
outros.
Introdução a teoria 
• O prelúdio e foco principal da Psicoterapia Existencial Humanista são 
de que todos os seres humanos têm uma força motriz interna, esta é 
capaz de levar o indivíduo a uma plena realização, se não sofrer 
influência de impedimento do ambiente. A partir disto, na Teoria os 
transtornos psíquicos são provenientes deste conflito entre força 
interna e impedimentos externos. Na psicoterapia a teoria é 
aplicada visando às experiências tidas e procurando métodos de 
desenvolver a capacidade do sujeito passar pelas dificuldades. 
• Nesta concepção, que surgiu a partir do intuito de ir contra as 
correntes mais fortes da época, Psicanálise e Comportamental, a 
visão de homem pela Teoria Existencial Humanista é de um ser ativo 
no mundo, com vontade própria e capacidade de escolher. Quanto a 
sua consciência, esta ocorre pelas experiências, gerando sentidos e 
desenvolvendo o sujeito em suas potencialidades. Sendo assim, a 
subjetividade se caracteriza em um processo contínuo, não 
dependendo apenas do sujeito, mas de tudo que ocorre ao seu 
redor.
• Segundo Amatuzzi (2010), o ser 
humano é concebido como detentor 
de algum poder sobre as 
determinações que o afetam. Baseado 
nisso, foi constituídos meios 
psicológicos relacionados com a 
autonomia da pessoa e através do 
diálogo. 
• Ver o ser humano como mais do que 
mais um, é essencial considerar sua 
subjetividade. Objetiva resgatar o 
respeito e a ênfase no ser humano, 
enfatizando o ser humano, seus 
sentimentos e experiências, tendo o 
foco na relação interpessoal, 
construindo condições psicológicas 
adequadas ao desenvolvimento do 
potencial de mudança daquele que 
recorre a uma relação de ajuda.
• A essência da terapia é um encontro de duas 
pessoas, durante a relação terapeuta/cliente a fala é 
aberta e livre de preconceitos ou julgamentos. O 
cliente precisa se sentir confirmado, não apenas no 
que ele é, mas em suas potencialidades. Através do 
processo psicoterapêutico é possível mostrar a 
pessoa que ela é arquiteta de seu futuro, por suas 
escolhas e consciência. 
• Na psicoterapia é indispensável à reciprocidade, 
como uma vivência temporal que envolve 
intensamente o terapeuta e o cliente. Havendo 
assim, a necessidade de colocar-se no lugar do outro, 
respeitando os momentos e fraquezas do cliente.
Estresse e Ansiedade 
• A Ansiedade aparece em nossa vida como um sentimento de 
apreensão, uma sensação de que algo está para acontecer, ela 
representa um contínuo estado de alerta e uma constante pressa em 
terminar as coisas que ainda nem começamos. Desse jeito, nosso 
domingo têm uma apreensão de segunda-feira e a pessoa antes de 
dormir já pensa em tudo que terá de fazer quando o dia amanhecer. É 
a corrida para não deixar nada para trás, além de nossos concorrentes. 
É um estado de alarme contínuo e uma prontidão para o que der e 
vier. 
Diante de uma situação estressora, o tipo e o grau da resposta de cada 
pessoa não dependerão apenas da força, importância e frequência do 
evento de vida estressor. Dependerá sim da capacidade de cada um 
em interpretar, avaliar e enfrentar as vivências estressoras. Essa 
capacidade tem sido atribuída a determinadas características da 
personalidade da pessoa.
• Apesar de ter seu perfil básico atrelado à personalidade, a 
resposta ao estresse, chamada de capacidade de 
enfrentamento do evento estressor, acaba fazendo parte do 
arsenal cognitivo de cada um. Como se deduz esse arsenal 
cognitivo não é estático e imutável ao longo da vida, 
podendo ser dinamicamente alterado para melhor ou para 
pior.
Paciente ou Cliente? 
Paciente pode trazer a percepção de que o indivíduo é 
passivo, sendo o Psicoterapeuta ativo sobre o que 
acontece na Psicoterapia, o que não é real. Então na 
Teoria Existencial Humanista o termo cliente é usado, de 
maneira a dar margem que é alguém que está usando um 
serviço Psicológico, sendo ativo no desenvolver do 
mesmo.
Descobrir e Criar Possibilidades... 
• É fundamental descobrir e criar 
possibilidades para que se possa escolher, além de perceber o 
fenômeno tal como 
ele realmente é, permitindo que tenhamos o resgate da 
coragem e da vontade de 
viver, construindo-se a si mesmo nesta jornada. 
• Sendo assim, no caso em questão, um dos métodos usados é 
levar a cliente a refletir sobre as possibilidades de escolha e as 
consequências que estas refletirão.
Escolhas e Liberdade 
• Nesta forma de pensar, o homem é o responsável pelo 
seu destino, 
destino este que ocorre como consequência de escolhas 
na construção de si 
mesmo. 
“Estamos condenados a liberdade” Sartre
Métodos 
A Teoria Existencial Humanista tem o foco na forma de perceber o humano 
através da sua própria existência. 
Além da compreensão do problema como o cliente compreende, levar o 
mesmo através de exercícios a superar o medo, angústia e ansiedade em 
prol do objetivo que tem, ou seja, se a mulher do caso em questão quer 
continuar trabalhando, terá que aceitar o fato de andar de avião, 
construindo assim sua existência. 
Entrar na situação problema do cliente é indispensável, ver o mundo da forma 
que ele vê, dentro disto procurar levá-lo a refletir e a partir do momento em 
que este ouve suas falas, muda suas atitudes em relação à situação 
causadora de sofrimento. Sendo assim, o Psicoterapeuta leva a cliente a 
relatar sua queixa, acolhe-a diante de todo e qualquer caso é a premissa 
básica da Teoria Existencial Humanista, esmiúça o que lhe causa 
sofrimento e se dispõe totalmente para ajudar. 
Com isso, a cliente sentirá segurança no processo Psicoterapêutico e como 
consequência fará os exercícios de imaginação, entenderá que ela é 
detentora de seu destino e das causas de suas escolhas, finalmente decidirá 
aquilo que é de acordo com sua essência. 
Uma vez que não cabe ao Psicólogo escolher o que é certo ou errado para a 
outra pessoa.
Carlos Alberto Francinelli Junior 
Endriely Caroliny Teodoro Lunardi 
Waldir Irineu Rahmeier
Estudo de caso psicologia clínica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
Inaiara Bragante
 
DoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicasDoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicas
enfermagem
 

Mais procurados (20)

Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
Aula III A psicologia hospitalar e a
Aula III    A psicologia hospitalar e aAula III    A psicologia hospitalar e a
Aula III A psicologia hospitalar e a
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
DoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicasDoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicas
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 
A história da loucura
A história da loucuraA história da loucura
A história da loucura
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 

Semelhante a Estudo de caso psicologia clínica

Curso cetrata gestalt terapia 2013
Curso cetrata gestalt terapia 2013Curso cetrata gestalt terapia 2013
Curso cetrata gestalt terapia 2013
Yngrid Bandeira
 
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
Rosione Rodrigues
 

Semelhante a Estudo de caso psicologia clínica (20)

Psic doc5 m1
Psic doc5 m1Psic doc5 m1
Psic doc5 m1
 
Princípios para a prática terapêutica
Princípios para a prática terapêuticaPrincípios para a prática terapêutica
Princípios para a prática terapêutica
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Gestalt-Terapia
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Curso cetrata gestalt terapia 2013
Curso cetrata gestalt terapia 2013Curso cetrata gestalt terapia 2013
Curso cetrata gestalt terapia 2013
 
Como funciona a terapia multidimensional
Como funciona a terapia multidimensionalComo funciona a terapia multidimensional
Como funciona a terapia multidimensional
 
Texto 11 -
Texto 11 -Texto 11 -
Texto 11 -
 
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdfPsicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
 
Alves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacionalAlves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacional
 
IGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporalIGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporal
 
Psicologia positiva e o optimismo aprendido
Psicologia positiva e o optimismo aprendidoPsicologia positiva e o optimismo aprendido
Psicologia positiva e o optimismo aprendido
 
Ebook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem Progressiva
Ebook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem ProgressivaEbook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem Progressiva
Ebook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem Progressiva
 
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
 
Psicoterapia
PsicoterapiaPsicoterapia
Psicoterapia
 
A clínica analítico-comportamental
A clínica analítico-comportamentalA clínica analítico-comportamental
A clínica analítico-comportamental
 
Desenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocional
Desenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocionalDesenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocional
Desenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocional
 
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONALA CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 

Estudo de caso psicologia clínica

  • 1. Estudo de caso Teoria Existencial Humanista
  • 2. Caso • Uma paciente apresenta-se em uma clínica de atendimento particular, declarando ter medo de viajar de avião e buscando um tratamento psicológico que fosse mais rápido e solucionasse seu problema de imediato. Tem 32 anos, sexo feminino, separada (em processo de divórcio), e com um filho de um ano e meio, terceiro grau completo (pedagoga), nível socioeconômico médio-alto. É a filha mais velha de família com três filhos. Mantém um bom relacionamento com a família, visitando frequentemente pais e irmão. No trabalho, apresenta um bom desempenho, tendo sido promovida recentemente a gerente de recursos humanos. Não usa drogas ou medicamentos e bebe socialmente. Relatou que, devido à sua recente promoção, está tendo que realizar viagens de avião a São Paulo. Tal promoção não a deixou satisfeita, pois não era o que ela desejava. Diz que sente medo ao viajar de avião, se sente ansiosa, passa mal; uma vez chorou ao embarcar. Disse preocupar-se mais quando o avião balança, quando tem turbulência. O grau de ansiedade/mal-estar, na decolagem ou no momento de turbulência, é maior. Nota o coração bater mais forte, suor nas mãos, suor frio. O início dos sintomas ocorreu há mais ou menos dois anos, quando se separou. Suas maiores preocupações atualmente são: o seu filho e sua educação, deixar de aproveitar a vida, perder o controle, ter que se sujeitar aos outros.
  • 3. Introdução a teoria • O prelúdio e foco principal da Psicoterapia Existencial Humanista são de que todos os seres humanos têm uma força motriz interna, esta é capaz de levar o indivíduo a uma plena realização, se não sofrer influência de impedimento do ambiente. A partir disto, na Teoria os transtornos psíquicos são provenientes deste conflito entre força interna e impedimentos externos. Na psicoterapia a teoria é aplicada visando às experiências tidas e procurando métodos de desenvolver a capacidade do sujeito passar pelas dificuldades. • Nesta concepção, que surgiu a partir do intuito de ir contra as correntes mais fortes da época, Psicanálise e Comportamental, a visão de homem pela Teoria Existencial Humanista é de um ser ativo no mundo, com vontade própria e capacidade de escolher. Quanto a sua consciência, esta ocorre pelas experiências, gerando sentidos e desenvolvendo o sujeito em suas potencialidades. Sendo assim, a subjetividade se caracteriza em um processo contínuo, não dependendo apenas do sujeito, mas de tudo que ocorre ao seu redor.
  • 4. • Segundo Amatuzzi (2010), o ser humano é concebido como detentor de algum poder sobre as determinações que o afetam. Baseado nisso, foi constituídos meios psicológicos relacionados com a autonomia da pessoa e através do diálogo. • Ver o ser humano como mais do que mais um, é essencial considerar sua subjetividade. Objetiva resgatar o respeito e a ênfase no ser humano, enfatizando o ser humano, seus sentimentos e experiências, tendo o foco na relação interpessoal, construindo condições psicológicas adequadas ao desenvolvimento do potencial de mudança daquele que recorre a uma relação de ajuda.
  • 5. • A essência da terapia é um encontro de duas pessoas, durante a relação terapeuta/cliente a fala é aberta e livre de preconceitos ou julgamentos. O cliente precisa se sentir confirmado, não apenas no que ele é, mas em suas potencialidades. Através do processo psicoterapêutico é possível mostrar a pessoa que ela é arquiteta de seu futuro, por suas escolhas e consciência. • Na psicoterapia é indispensável à reciprocidade, como uma vivência temporal que envolve intensamente o terapeuta e o cliente. Havendo assim, a necessidade de colocar-se no lugar do outro, respeitando os momentos e fraquezas do cliente.
  • 6. Estresse e Ansiedade • A Ansiedade aparece em nossa vida como um sentimento de apreensão, uma sensação de que algo está para acontecer, ela representa um contínuo estado de alerta e uma constante pressa em terminar as coisas que ainda nem começamos. Desse jeito, nosso domingo têm uma apreensão de segunda-feira e a pessoa antes de dormir já pensa em tudo que terá de fazer quando o dia amanhecer. É a corrida para não deixar nada para trás, além de nossos concorrentes. É um estado de alarme contínuo e uma prontidão para o que der e vier. Diante de uma situação estressora, o tipo e o grau da resposta de cada pessoa não dependerão apenas da força, importância e frequência do evento de vida estressor. Dependerá sim da capacidade de cada um em interpretar, avaliar e enfrentar as vivências estressoras. Essa capacidade tem sido atribuída a determinadas características da personalidade da pessoa.
  • 7. • Apesar de ter seu perfil básico atrelado à personalidade, a resposta ao estresse, chamada de capacidade de enfrentamento do evento estressor, acaba fazendo parte do arsenal cognitivo de cada um. Como se deduz esse arsenal cognitivo não é estático e imutável ao longo da vida, podendo ser dinamicamente alterado para melhor ou para pior.
  • 8. Paciente ou Cliente? Paciente pode trazer a percepção de que o indivíduo é passivo, sendo o Psicoterapeuta ativo sobre o que acontece na Psicoterapia, o que não é real. Então na Teoria Existencial Humanista o termo cliente é usado, de maneira a dar margem que é alguém que está usando um serviço Psicológico, sendo ativo no desenvolver do mesmo.
  • 9. Descobrir e Criar Possibilidades... • É fundamental descobrir e criar possibilidades para que se possa escolher, além de perceber o fenômeno tal como ele realmente é, permitindo que tenhamos o resgate da coragem e da vontade de viver, construindo-se a si mesmo nesta jornada. • Sendo assim, no caso em questão, um dos métodos usados é levar a cliente a refletir sobre as possibilidades de escolha e as consequências que estas refletirão.
  • 10. Escolhas e Liberdade • Nesta forma de pensar, o homem é o responsável pelo seu destino, destino este que ocorre como consequência de escolhas na construção de si mesmo. “Estamos condenados a liberdade” Sartre
  • 11. Métodos A Teoria Existencial Humanista tem o foco na forma de perceber o humano através da sua própria existência. Além da compreensão do problema como o cliente compreende, levar o mesmo através de exercícios a superar o medo, angústia e ansiedade em prol do objetivo que tem, ou seja, se a mulher do caso em questão quer continuar trabalhando, terá que aceitar o fato de andar de avião, construindo assim sua existência. Entrar na situação problema do cliente é indispensável, ver o mundo da forma que ele vê, dentro disto procurar levá-lo a refletir e a partir do momento em que este ouve suas falas, muda suas atitudes em relação à situação causadora de sofrimento. Sendo assim, o Psicoterapeuta leva a cliente a relatar sua queixa, acolhe-a diante de todo e qualquer caso é a premissa básica da Teoria Existencial Humanista, esmiúça o que lhe causa sofrimento e se dispõe totalmente para ajudar. Com isso, a cliente sentirá segurança no processo Psicoterapêutico e como consequência fará os exercícios de imaginação, entenderá que ela é detentora de seu destino e das causas de suas escolhas, finalmente decidirá aquilo que é de acordo com sua essência. Uma vez que não cabe ao Psicólogo escolher o que é certo ou errado para a outra pessoa.
  • 12. Carlos Alberto Francinelli Junior Endriely Caroliny Teodoro Lunardi Waldir Irineu Rahmeier