SlideShare uma empresa Scribd logo

Princípios para a prática terapêutica

Pressupostos que utilizo em atendimentos terapêuticos, elaborado com base em princípios de abordagens existencialistas e humanistas, somados à minha experiência profissional e conhecimentos diversos. Trata-se de uma breve apresentação sobre as concepções que escolhi como guias para realizar o processo terapêutico. Por Bruno Carrasco, psicoterapeuta existencial. www.ex-isto.com www.fb.com/existocom www.youtube.com/existo www.instagram.com/existocom 2016

1 de 22
Princípios para a
Prática Terapêutica
Bruno Carrasco
1
Apresentação
Este material é uma síntese de alguns dos pressupostos que utilizo na
prática de atendimentos terapêuticos, elaborado com base em
abordagens existencialistas e humanistas, somados a experiência
profissional e outros conhecimentos.
Trata-se de uma breve apresentação das concepções que utilizo no
processo terapêutico sobre o ser humano e a prática terapêutica.
Bruno Carrasco, fevereiro de 2017.
Valores
3
Ser Humano
● Todo ser humano é construtor de si e de sua vida;
● Existir envolve assumir diversos modos de ser;
● A escolha de como viver de cada um é pessoal e única;
● O que orienta cada ser humano é ele mesmo;
● Cada pessoa pode se desenvolver com autonomia;
● Sua orientação parte do sentimento envolvido no que faz;
● A pessoa é um todo, mais que a soma de suas partes;
● Somos responsáveis pelas escolhas que fazemos na vida.
Visão de Mundo
● O mundo não está pronto, está em construção;
● Todos fazemos parte de escolher o mundo que vivemos;
● Escolhemos como agir perante nossa vida e o mundo;
● Vivemos numa teia de sentimentos, ações e objetos;
● Nossas ações não são em vão, elas reconfiguram o mundo;
● A transformação de cada indivíduo altera o mundo;
● Cada um de nós é responsável por um mundo melhor;
● Coexistem diversas concepções do que é um mundo melhor.
Princípios
6

Recomendados

Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEndriely Teodoro
 
Abordagem humanista num caso clinico
Abordagem humanista num caso clinicoAbordagem humanista num caso clinico
Abordagem humanista num caso clinicoPatricia Ferreira
 
Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...
Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...
Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...Leandro Menezes Lopes
 
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...
A resenha que realizo sobre o livro conversa sobre terapia fala a respeito do...Rosione Rodrigues
 
Palestra meditação
Palestra meditaçãoPalestra meditação
Palestra meditaçãoLeonora Mello
 
Budismo - psicologia do autoconhecimento
Budismo - psicologia do autoconhecimentoBudismo - psicologia do autoconhecimento
Budismo - psicologia do autoconhecimentoKogen Gouveia
 
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...Lucas Coutinho
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Meditação Vipassana
Meditação VipassanaMeditação Vipassana
Meditação VipassanaDaniel Cukier
 
Apresentação volume II - DEPOIMENTOS - Pesquisa de Eficiência em TRT - Terapi...
Apresentação volume II - DEPOIMENTOS - Pesquisa de Eficiência em TRT - Terapi...Apresentação volume II - DEPOIMENTOS - Pesquisa de Eficiência em TRT - Terapi...
Apresentação volume II - DEPOIMENTOS - Pesquisa de Eficiência em TRT - Terapi...Gustavo Garcia
 
Psicoterapia de apoio
Psicoterapia de apoioPsicoterapia de apoio
Psicoterapia de apoiojoanadebarros
 
Estudo de caso psicanalise novo
Estudo de caso psicanalise novoEstudo de caso psicanalise novo
Estudo de caso psicanalise novoMarcosRibeiroSelf
 
Passo a-passo de meditação
Passo a-passo de meditaçãoPasso a-passo de meditação
Passo a-passo de meditaçãoLuiz Braga
 
10 exercicios de meditação
10 exercicios de meditação10 exercicios de meditação
10 exercicios de meditaçãocarol brandao
 
Terapia de Revivência Transpessoal - Um Modelo Emergente em Psicoterapia e su...
Terapia de Revivência Transpessoal - Um Modelo Emergente em Psicoterapia e su...Terapia de Revivência Transpessoal - Um Modelo Emergente em Psicoterapia e su...
Terapia de Revivência Transpessoal - Um Modelo Emergente em Psicoterapia e su...Gustavo Garcia
 
Meditação
Meditação Meditação
Meditação annemader
 
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONALA CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONALDIONE FRANCISCATO
 
O Impacto Da Psicanálise Sobre O Setor
O Impacto Da Psicanálise Sobre O SetorO Impacto Da Psicanálise Sobre O Setor
O Impacto Da Psicanálise Sobre O Setorr6zvomo671
 
Pps Psicoterapia[1]
Pps   Psicoterapia[1]Pps   Psicoterapia[1]
Pps Psicoterapia[1]ioseph
 
Seminário atendente fraterno e dialogador
Seminário atendente fraterno e dialogadorSeminário atendente fraterno e dialogador
Seminário atendente fraterno e dialogadorSemente de Esperança
 
Sugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologiaSugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologiaBruno Carrasco
 

Mais procurados (20)

Meditação Vipassana
Meditação VipassanaMeditação Vipassana
Meditação Vipassana
 
Curso de meditação
Curso de meditaçãoCurso de meditação
Curso de meditação
 
Apresentação volume II - DEPOIMENTOS - Pesquisa de Eficiência em TRT - Terapi...
Apresentação volume II - DEPOIMENTOS - Pesquisa de Eficiência em TRT - Terapi...Apresentação volume II - DEPOIMENTOS - Pesquisa de Eficiência em TRT - Terapi...
Apresentação volume II - DEPOIMENTOS - Pesquisa de Eficiência em TRT - Terapi...
 
Psicoterapia de apoio
Psicoterapia de apoioPsicoterapia de apoio
Psicoterapia de apoio
 
Estudo de caso psicanalise novo
Estudo de caso psicanalise novoEstudo de caso psicanalise novo
Estudo de caso psicanalise novo
 
Passo a-passo de meditação
Passo a-passo de meditaçãoPasso a-passo de meditação
Passo a-passo de meditação
 
10 exercicios de meditação
10 exercicios de meditação10 exercicios de meditação
10 exercicios de meditação
 
Terapia de Revivência Transpessoal - Um Modelo Emergente em Psicoterapia e su...
Terapia de Revivência Transpessoal - Um Modelo Emergente em Psicoterapia e su...Terapia de Revivência Transpessoal - Um Modelo Emergente em Psicoterapia e su...
Terapia de Revivência Transpessoal - Um Modelo Emergente em Psicoterapia e su...
 
Meditação
Meditação Meditação
Meditação
 
As atitudes facilitadoras
As atitudes facilitadorasAs atitudes facilitadoras
As atitudes facilitadoras
 
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONALA CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
 
Psicoterapia
PsicoterapiaPsicoterapia
Psicoterapia
 
Algumas formas de psicoterapia
Algumas formas de psicoterapiaAlgumas formas de psicoterapia
Algumas formas de psicoterapia
 
O Impacto Da Psicanálise Sobre O Setor
O Impacto Da Psicanálise Sobre O SetorO Impacto Da Psicanálise Sobre O Setor
O Impacto Da Psicanálise Sobre O Setor
 
O caminho da cura
O caminho da curaO caminho da cura
O caminho da cura
 
Psicoterapias miriam
Psicoterapias miriamPsicoterapias miriam
Psicoterapias miriam
 
Pps Psicoterapia[1]
Pps   Psicoterapia[1]Pps   Psicoterapia[1]
Pps Psicoterapia[1]
 
Seminário atendente fraterno e dialogador
Seminário atendente fraterno e dialogadorSeminário atendente fraterno e dialogador
Seminário atendente fraterno e dialogador
 
Arteterapia
ArteterapiaArteterapia
Arteterapia
 
Sugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologiaSugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologia
 

Semelhante a Princípios para a prática terapêutica

A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)Filipe Leal
 
Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?Bruno Carrasco
 
Artigos Terapia Holística
Artigos Terapia HolísticaArtigos Terapia Holística
Artigos Terapia HolísticaSimone Kobayashi
 
Pps Psicoterapia[1]
Pps   Psicoterapia[1]Pps   Psicoterapia[1]
Pps Psicoterapia[1]formacaocep
 
A clínica analítico-comportamental
A clínica analítico-comportamentalA clínica analítico-comportamental
A clínica analítico-comportamentalTaís Calheiros
 
Curso cetrata gestalt terapia 2013
Curso cetrata gestalt terapia 2013Curso cetrata gestalt terapia 2013
Curso cetrata gestalt terapia 2013Yngrid Bandeira
 
IGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporalIGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporalFlora Couto
 
Alves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacionalAlves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacionalFlora Couto
 
Autoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoalAutoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoalBruno Carrasco
 
5 Maneiras de ter Mais Saúde Emocional - Caminhos para Desenvolvimento Pessoal
5 Maneiras de ter Mais Saúde Emocional - Caminhos para Desenvolvimento Pessoal5 Maneiras de ter Mais Saúde Emocional - Caminhos para Desenvolvimento Pessoal
5 Maneiras de ter Mais Saúde Emocional - Caminhos para Desenvolvimento Pessoalaluana_santos
 
carl-rogers-psicoterapia-e-consulta-psicolc3b3gica_transcrito.pdf
carl-rogers-psicoterapia-e-consulta-psicolc3b3gica_transcrito.pdfcarl-rogers-psicoterapia-e-consulta-psicolc3b3gica_transcrito.pdf
carl-rogers-psicoterapia-e-consulta-psicolc3b3gica_transcrito.pdfLiliana Lobato
 

Semelhante a Princípios para a prática terapêutica (20)

Psic doc5 m1
Psic doc5 m1Psic doc5 m1
Psic doc5 m1
 
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?
 
Artigos Terapia Holística
Artigos Terapia HolísticaArtigos Terapia Holística
Artigos Terapia Holística
 
Pps Psicoterapia[1]
Pps   Psicoterapia[1]Pps   Psicoterapia[1]
Pps Psicoterapia[1]
 
A clínica analítico-comportamental
A clínica analítico-comportamentalA clínica analítico-comportamental
A clínica analítico-comportamental
 
Curso cetrata gestalt terapia 2013
Curso cetrata gestalt terapia 2013Curso cetrata gestalt terapia 2013
Curso cetrata gestalt terapia 2013
 
IGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporalIGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporal
 
Psicóloga em Moema
Psicóloga em MoemaPsicóloga em Moema
Psicóloga em Moema
 
Psicóloga em Moema
Psicóloga em MoemaPsicóloga em Moema
Psicóloga em Moema
 
Alves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacionalAlves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacional
 
Psicoterapia
PsicoterapiaPsicoterapia
Psicoterapia
 
Autoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoalAutoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoal
 
5 Maneiras de ter Mais Saúde Emocional - Caminhos para Desenvolvimento Pessoal
5 Maneiras de ter Mais Saúde Emocional - Caminhos para Desenvolvimento Pessoal5 Maneiras de ter Mais Saúde Emocional - Caminhos para Desenvolvimento Pessoal
5 Maneiras de ter Mais Saúde Emocional - Caminhos para Desenvolvimento Pessoal
 
carl rogers.pptx
carl rogers.pptxcarl rogers.pptx
carl rogers.pptx
 
carl-rogers-psicoterapia-e-consulta-psicolc3b3gica_transcrito.pdf
carl-rogers-psicoterapia-e-consulta-psicolc3b3gica_transcrito.pdfcarl-rogers-psicoterapia-e-consulta-psicolc3b3gica_transcrito.pdf
carl-rogers-psicoterapia-e-consulta-psicolc3b3gica_transcrito.pdf
 
psicologia pastoral
psicologia pastoralpsicologia pastoral
psicologia pastoral
 

Mais de Bruno Carrasco

Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoFundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoBruno Carrasco
 
Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1Bruno Carrasco
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoBruno Carrasco
 
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoAlienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoBruno Carrasco
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialBruno Carrasco
 
Nietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosNietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosBruno Carrasco
 
Sartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitosSartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitosBruno Carrasco
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoBruno Carrasco
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesBruno Carrasco
 
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros FilósofosPré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros FilósofosBruno Carrasco
 
Foucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraFoucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraBruno Carrasco
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirBruno Carrasco
 
Adolescência e desafios
Adolescência e desafiosAdolescência e desafios
Adolescência e desafiosBruno Carrasco
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoBruno Carrasco
 
Arteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introduçãoArteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introduçãoBruno Carrasco
 
Sartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoSartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoBruno Carrasco
 
Gabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoGabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoBruno Carrasco
 
Nietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoNietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoBruno Carrasco
 
Kierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismoKierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismoBruno Carrasco
 

Mais de Bruno Carrasco (20)

Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoFundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
 
Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
 
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoAlienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
 
Nietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosNietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitos
 
Sartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitosSartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitos
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Filósofos Sofistas
Filósofos SofistasFilósofos Sofistas
Filósofos Sofistas
 
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros FilósofosPré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
 
Foucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraFoucault e a História da Loucura
Foucault e a História da Loucura
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devir
 
Adolescência e desafios
Adolescência e desafiosAdolescência e desafios
Adolescência e desafios
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
 
Arteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introduçãoArteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introdução
 
Sartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoSartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismo
 
Gabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoGabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismo
 
Nietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoNietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismo
 
Kierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismoKierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismo
 

Último

A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...Prime Assessoria
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoMariaJoão Agualuza
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...excellenceeducaciona
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...apoioacademicoead
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...apoioacademicoead
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Prime Assessoria
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Prime Assessoria
 

Último (20)

A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
 

Princípios para a prática terapêutica

  • 1. Princípios para a Prática Terapêutica Bruno Carrasco 1
  • 2. Apresentação Este material é uma síntese de alguns dos pressupostos que utilizo na prática de atendimentos terapêuticos, elaborado com base em abordagens existencialistas e humanistas, somados a experiência profissional e outros conhecimentos. Trata-se de uma breve apresentação das concepções que utilizo no processo terapêutico sobre o ser humano e a prática terapêutica. Bruno Carrasco, fevereiro de 2017.
  • 4. Ser Humano ● Todo ser humano é construtor de si e de sua vida; ● Existir envolve assumir diversos modos de ser; ● A escolha de como viver de cada um é pessoal e única; ● O que orienta cada ser humano é ele mesmo; ● Cada pessoa pode se desenvolver com autonomia; ● Sua orientação parte do sentimento envolvido no que faz; ● A pessoa é um todo, mais que a soma de suas partes; ● Somos responsáveis pelas escolhas que fazemos na vida.
  • 5. Visão de Mundo ● O mundo não está pronto, está em construção; ● Todos fazemos parte de escolher o mundo que vivemos; ● Escolhemos como agir perante nossa vida e o mundo; ● Vivemos numa teia de sentimentos, ações e objetos; ● Nossas ações não são em vão, elas reconfiguram o mundo; ● A transformação de cada indivíduo altera o mundo; ● Cada um de nós é responsável por um mundo melhor; ● Coexistem diversas concepções do que é um mundo melhor.
  • 7. Princípios LIBERDADE Cada pessoa é livre para escolher sua vida e viver de sua maneira, inclusive para rever suas buscas e escolher novos modos de ser. Estamos em constante transformação, seja em relação com nós mesmos ou com os outros. RELATIVIDADE O que é bom para uma pessoa pode não ser para outra, não há como usar um padrão do que seja bom para todas as pessoas, pois cada pessoa é uma. Estar saudável não se trata de nos ajustar a um modo de ser, mas ir de encontro ao que para nós seja saudável. TRANSFORMAÇÃO Toda pessoa está sempre em constante transformação. O que somos hoje, podemos deixar de ser amanhã, somos livres para nos transformar em busca do que queremos, a existência é um processo.
  • 9. Terapia PESSOA ATENDIDA O foco da terapia é a pessoa atendida, que é vista como um todo, não como um sintoma ou uma queixa, mas como um ser com história e valores. Não é classificada em diagnósticos, mas compreendida do modo em que se apresenta. TERAPEUTA O papel do terapeuta não é resolver os problemas da pessoa atendida, mas facilitar para que se perceba mais profundamente e se entenda melhor, encontrando novas possibilidades para lidar com suas questões e com as dificuldades que atravessa, conhecendo mais sobre si mesma. ANDAMENTO DA TERAPIA O caminho que a terapia segue não é guiado pelo terapeuta, mas pela pessoa que busca a terapia. Depende de suas buscas, de seu interesse, de suas disposições e de seu tempo.
  • 10. Terapia SAÚDE EMOCIONAL O objetivo da terapia não é ajustar a pessoa a um modelo de saúde, mas valorizar seu modo de ser singular, expandindo suas possibilidades e buscando o que é saudável para si. A concepção de saúde parte do que seja saúde para a pessoa atendida e não de um conceito previamente estabelecido. A busca não é normalizar a pessoa, mas possibilitar que seja como se sente bem sendo, consigo mesma e com os outros. A saúde emocional é vista como encontro e criação, depende das buscas de cada pessoa. TÉRMINO A terapia termina quando a pessoa se sente à vontade com ela mesma e autônoma para seguir sua própria vida sem necessidade da terapia. Como o objetivo da terapia não é “curar” uma “doença”, e sim o autoconhecimento, pode-se fazer sempre que quiser se conhecer mais profundamente.
  • 12. Prática RELAÇÃO NÃO-HIERÁRQUICA A terapia é uma relação que acontece no diálogo, com respeito aos diferentes modos de ser de cada um. O terapeuta colabora com a pessoa atendida a lidar com seus conflitos e desenvolver sua autonomia, e não dizendo a ela o que fazer. MOMENTO PRESENTE O mais importante que acontece na terapia é o que a pessoa comenta no momento presente, a terapia procura focar a para que a pessoa se perceba melhor e mais presente. NÃO-INTERPRETAÇÃO O terapeuta não se coloca como superior, ou tenta ficar interpretando a pessoa atendida, tentando encontrar significados “ocultos” no que diz ou demonstra ser. O foco está em elucidar a percepção da pessoa sobre si mesma, partindo de como ela se mostra, e não de suposições sobre ela.
  • 13. Prática NÃO-DIRETIVIDADE O terapeuta não direciona a pessoa a um caminho que acredita ser adequado, mas ao que a pessoa quer e se sente bem consigo mesma. DIÁLOGO PERMISSIVO O diálogo terapêutico é totalmente sigiloso, para que a pessoa atendida sinta-se a vontade para expressar o que quiser, da maneira que quiser e dizer tudo o que estiver sentindo no momento. O terapeuta estimula a fala da pessoa, que por meio dela a pessoa se pronuncia e se coloca na terapia. EMOÇÃO E IMAGINAÇÃO Abertura para dar vazão às emoções e às imaginações da pessoa, escutando atentamente, buscando compreender o modo como cada uma se configura consigo mesma e como enxerga o mundo.
  • 14. Prática RESPEITO A pessoa é respeitada como um ser único e singular, com sua história, seus valores e suas experiências. A escuta é aberta, empática, disponível e sem julgamentos, estimulando a fala da pessoa, que por meio dela a pessoa se pronuncia e se revela. AÇÃO CONJUNTA A terapia é uma atividade que acontece entre a pessoa atendida e o terapeuta, um processo conjunto. Não é o terapeuta que faz o diagnóstico e diz a pessoa atendida o que fazer, mas caminha junto com a pessoa.
  • 16. Objetivos EXPLORAR DESEJOS A terapia busca valorizar o que a pessoa busca e deseja para si, o que ela se sente bem fazendo, inclusive na compreensão de como equilibra o que deseja com as condições e circunstância que vivencia. AMPLIAR PERCEPÇÃO Ampliar a percepção da pessoa atendida sobre o que está passando e sobre ela mesma, sua história, seus valores e desejos, o que faz com que se sinta bem e o que não faz com que se sinta bem consigo mesma e com os outros. COMPREENDER EMOÇÕES Possibilitar dar vazão às emoções que a pessoa sente, não ficando somente no racional de por que a pessoa fez uma escolha ou outra, mas muito mais sobre como ela se sentiu fazendo essa escolha, como ela se sente com sua vida, etc.
  • 17. Objetivos REFLETIR A PRÓPRIA VIDA O terapeuta faz perguntas à pessoa atendida para que ela se pergunte a si mesma o que muitas vezes não se questiona, levando a refletir e perceber o que não estava claro, para seu autoconhecimento, sempre respeitando suas buscas e o que deseja para si. FAZER ESCOLHAS A terapia estimula a fazer escolhas mais condizentes com o que realmente quer, se percebendo melhor, entendendo melhor seus sentimentos e pensamentos e modificando sua realidade de maneira autônoma, com liberdade para ser como quiser. COMPREENDER SIGNIFICADOS No diálogo, há uma busca em conjunto para compreender os significados da pessoa sobre o que ela diz, sempre partindo do que a pessoa comenta. O sentido do que a pessoa diz está nela mesma, e vai se revelando conforme ela se mostra.
  • 18. Citações Algumas frases do psicoterapeuta gestaltista Fritz Perls (1893-1970), que me identifico com relação à prática terapêutica: “O objetivo da terapia deve ser dar ao cliente meios para que ele possa resolver seus problemas atuais e qualquer outro que surja amanhã ou no próximo ano.” “O processo terapêutico consiste em sair da necessidade de se apoiar em outro para desenvolver a capacidade de apoiar-se em si mesmo.” “A terapia faz com que o indivíduo deixe de repetir a vida morta e chegue a um novo conflito que convida ao crescimento, à mudança, ao excitamento, à aventura de viver.”
  • 19. "A intenção da terapia é colaborar para que a pessoa se sinta bem consigo mesma, compreendendo e enfrentando os empasses que a vida apresenta e desenvolvendo sua autonomia para ser como quiser ser." Bruno Carrasco 19
  • 20. "A vida é uma possibilidade para experimentar e aprender, numa busca constante de equilibrar o que somos e o que queremos ser com as pessoas e os espaços que convivemos." Bruno Carrasco 20
  • 21. Bruno Carrasco Psicoterapeuta existencial que valoriza cada pessoa em seu modo de ser singular. Atua em favor do autoconhecimento e da realização pessoal, para a ampliação das possibilidades de ser e de escolher a própria vida. Em seu trabalho tem como foco ampliar a percepção da pessoa sobre sobre ela mesma, sobre seus sentimentos, pensamentos e valores, incentivando o encontro e a criação de novos meios de lidar com suas questões e dificuldades que atravessa.
  • 22. ex-isto Ex-isto é um projeto dedicado ao estudo e pesquisa sobre o existencialismo e suas relações com a psicologia, filosofia, psicoterapia, fenomenologia, literatura e artes, iniciado no final de 2016. Criado e mantido por Bruno Carrasco, psicoterapeuta existencial e professor. Tem como intuito oferecer conteúdos que facilitem a compreensão sobre os temas pesquisados, por meio de textos, vídeos, cursos ou livros, optando por utilizar uma linguagem acessível, de modo a promover reflexões sobre a subjetividade, a condição humana e suas possibilidades. www.ex-isto.com www.fb.com/existocom www.youtube.com/existo www.instagram.com/existocom