SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 60
Baixar para ler offline
Conceituação Cognitiva
• Sistema de terapia cujo princípio básico é de que as cognições
(pensamentos, crenças, interpretações) de um indivíduo frente a
situações influenciam suas emoções e comportamentos. O
terapeuta atua sobre as cognições, a fim de alterar as emoções e
comportamentos que as acompanham.
• Proposta inicialmente por Aaron T. Beck (1976) que observou a
existência de três principais áreas de distorção cognitiva na
depressão (tríade cognitiva):
Visão negativa de si mesmo,
Visão negativa do ambiente de vida e
Visão negativa para o futuro.
 Beck propôs o uso de estratégias para corrigir tais distorções,
que se revelaram efetivas. Posteriormente a terapia cognitiva foi
estendida para diversos outros transtornos.
Terapia Cognitiva
• Os modelos principais de disfunção no processamento de
informações são baseados em:
Pensamentos automáticos - são cognições que
aparecem rapidamente em uma determinada situação
e não estão sujeitos à análise racional, relacionados,
geralmente, com base em uma lógica defeituosa (erros
cognitivos);
Crenças centrais (incorporadas aos esquemas) -
incluem as regras básicas para a seleção e codificação
da informação no ambiente.
– Estas construções organizacionais são desenvolvidas através
da experiência da infância e influências posteriores.
• As distorções cognitivas resultam em comportamentos
desajustados e que causam sofrimento psíquico.
• Compreender sistematicamente os processos que
mantém a condição do sofrimento emocional,
identificar as ideias, memórias, pensamentos e
comportamentos que prejudicam a pessoa, refletindo
sobre elas e, posteriormente, testando novos
paradigmas de pensamento e comportamento para
que seja possível o desenvolvimento de uma vida mais
saudável e flexível.
Objetivo
Modificar
“Os métodos para descobrir e modificar os pensamentos
automáticos desadaptativos encontram–se no cerne da
abordagem cognitivo-comportamental.”
Identificar
Redução significativa de sintomas!
A identificação e a modificação ocorrem juntas
como parte de um processo progressivo de
desenvolvimento de um estilo de pensamento
racional.
• Encorajam o reconhecimento e a identificação
de pensamentos patológicos em dois níveis de
processamento de informações relativamente
autônomos:
 pensamentos automáticos e
 crenças centrais.
• Ensinam os pacientes a utilizar técnicas para
“pensar sobre o pensamento” a fim de atingir a
meta de trazer as cognições autônomas à
atenção e ao controle consciente.
Papel do terapeuta
Primeira Fase – enfatiza-se a definição da estratégia de intervenção,
ou seja, a conceitualização cognitiva do paciente e de seus
problemas, a definição das metas terapêuticas e do planejamento
do processo de intervenção;
Segunda Fase – o terapeuta objetiva a normalização das emoções
do paciente para promover a motivação do paciente para o trabalho
terapêutico e sua vinculação ao processo.
Terceira Fase – o terapeuta enfatiza a intervenção em nível
estrutural, ou seja, o desafio das crenças e esquemas disfuncionais,
objetivando promover a reestruturação cognitiva.
Quarta Fase –onde promove-se, através de várias técnicas, a
assimilação e generalização dos ganhos terapêuticos, bem como a
prevenção de recaídas;
Fases da psicoterapia
Término:
• A terapia em seu formato semanal deve ser encerrada quando
a maioria dos sintomas tiver sua intensidade reduzida
significativamente, causando interferência mínima na rotina de
vida do paciente.
• Nessa fase, faz-se a revisão das técnicas aprendidas e orienta-
se para a prática contínua das mesmas, visando-se assim, a
manutenção da melhora clínica.
• Deve-se também atentar para a recaídas e seus potenciais
desencadeantes.
• Finalmente, as consultas podem ser espaçadas ao longo de um
período, até a alta propriamente dita.
• Depressão
• Transtornos de Ansiedade
• Transtornos Alimentares
• Abuso de Substâncias e de Álcool
• Transtornos de Personalidade
• Transtorno Psicótico (Esquizofrenia, transtorno
delirante).
• Transtorno Bipolar
• Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade
• Dor Crônica
Indicações
EVENTO
(Prepara-se para ir a
uma festa)
COMPORTAMENTO
(Dá uma desculpa e não
vai a festa)
EMOÇÃO
(Tensão e ansiedade)
AVALIAÇÃO COGNITIVA
(Sou desajustado e não
sei o que fazer...)
Modelo Cognitivo Comportamental
A conceituação cognitiva fornece a estrutura para o
entendimento de um paciente pelo terapeuta.
• Qual o diagnóstico do paciente?
• Quais seus problemas atuais?
• Como esses problemas se
desenvolveram?
• Que pensamentos e crenças
disfuncionais estão associados
ao problema?
• Quais as reações emocionais,
fisiológicas e comportamentais?
• Que aprendizagens e experiências
antigas contribuem para seus
problemas hoje?
• Quais as crenças subjacentes e
pensamentos?
• Que mecanismos cognitivos,
afetivos e comportamentais ele
desenvolveu para enfrentar essas
crenças disfuncionais?
• Que estressores contribuíram para
seus problemas psicológicos?
Hipóteses
O terapeuta
começa a
construir uma
conceituação
cognitiva durante
seu primeiro
contato com um
paciente.
Modelo Cognitivo
• A terapia cognitiva baseia-se no modelo
cognitivo, que levanta hipóteses por sua
percepção dos eventos.
• O modo como as pessoas se sentem está
associado ao modo como elas interpretam e
pensam sobre uma situação. (percepção as
situação)
• O terapeuta deve interessasse pelo nível de
pensamento que opera simultaneamente com o
nível mais óbvio e superficial do pensamento
1. Reconhecimento das mudanças de humor
“Nos estágios iniciais da TCC, os terapeutas precisam ajudar os
pacientes a entender o conceito de pensamentos automáticos e a
reconhecer algumas dessas cognições.”
“Uma boa regra é considerar qualquer mostra de
emoção como um sinal de que ocorreram pensamentos
automáticos.”
“A mudança de humor é um método especialmente útil de
descobrir pensamentos automáticos, porque normalmente gera
cognições que são emocionalmente carregadas, imediatas e de
alta relevância pessoal.”
2. Psicoeducação
“Geralmente, dedicamos algum tempo no início da terapia a
breves explicações sobre a natureza dos pensamentos
automáticos e como eles influenciam a emoção e o
comportamento.”
3. Descoberta guiada para pensamentos
automáticos
1. Faça questionamentos que estimulem a emoção. - As emoções são
sinais de que o tópico é importante para o paciente.
2. Seja específico – O Questionamento deve ser focado em uma situação
claramente definida e memorável.
3. Focalize em eventos recentes não no passado distante - O
questionamento sobre eventos recentes normalmente tem a vantagem de
dar acesso aos pensamentos automáticos que na verdade ocorreram na
situação e que podem ser mais passível de mudança.
4. Mantenha-se em uma linha de questionamento e um tópico. – Tente
evitar pular de tópico em tópico. É mais importante fazer um trabalho
completo, trazendo à tona uma série de pensamentos automáticos em uma
única situação do que explorar diversas situações.
4. Mantenha-se em uma linha de questionamento e um tópico. – Se
puderem aprender a identificar totalmente seus pensamentos automáticos
para um determinado problema , terão maior probabilidade de fazer o
mesmo em outras situações.
5. Vá fundo. – Os pacientes geralmente relatam apenas alguns
pensamentos automáticos, o terapeuta pode fazer perguntas que ajudem o
paciente a contar a história toda.
6. Utilize suas habilidades de empatia. –Coloque-se no lugar do paciente
e pense como ele pode estar pensando, assim você conseguirá desenvolver
suas habilidades para entender suas cognições que são comuns em vários
quadros clínicos, tornando-se mais ágil em perceber os pensamentos
automáticos.
7. Conte com a formulação de caso para saber que caminho tomar. – A
formulação do caso, mesmo em estágio inicial, pode dar uma ajuda
inestimável sobre quais questionamentos seguir. O conhecimento de fatores
estressores e precipitantes surgirão tópicos importante para discussão. A
avaliação dos sintomas, dos pontos fortes, das vulnerabilidades permitirão
que o terapeuta personalize as perguntas aos pacientes.
4. Registro de pensamentos
• O processo de registro chama atenção do paciente para as cognições
importantes;
• Frequentemente estimula a indagação sobre a validade dos padrões de
pensamento;
• O fato de ver os pensamentos escritos, geralmente, dá início ao
empenho espontâneo de rever ou corrigir as cognições desadaptavas.
5. Imagens mentais
• Quando os pacientes têm dificuldades para elaborar seus
pensamentos automáticos, esse exercício, geralmente, produz
resultados excelentes.
• Essa técnica ajuda os pacientes a reviver eventos importantes em sua
imaginação para entrar em contato cm os sentimentos e pensamentos
que tiveram.
• A capacidade do terapeuta de explicar e estimular a geração de
imagens mentais pode fazer uma grande diferença no modo como os
pacientes mergulham na experiência.
6. Role-play
No role-play o terapeuta faz o papel de uma pessoa na vida do paciente ou
o inverso. Está técnica é usada com menos frequência, devido as possíveis
implicações na relação terapêutica. Os seguintes questionamentos devem
ser feitos antes de aplicar essa técnica:
1. Como o role-play nessa situação com essa figura importante na vida do
paciente, afetaria a relação terapêutica? ( Ex. Pai agressivo)
2. O teste da realidade do paciente é forte suficiente para ver essa
experiência com uma dramatização e retornar o trabalho depois?
3. Esse role-play tocaria em questões relacionadas de longo tempo ou seria
focado em um evento mais restrito?
7. Inventário para pensamentos automáticos
O inventário mais extensivamente
pesquisado para pensamentos
automáticos é Questionário de
Pensamentos Automáticos (ATQ).
Embora venha sendo usado
primordialmente em pesquisas para
medir as modificações nos
pensamentos automáticos
associados ao tratamento, esse
questionário também pode ser usado
no consultório quando o paciente
tiver dificuldades de detectar suas
cognições.
• Começando na infância, as pessoas desenvolvem
determinadas crenças sobre si mesmas, outras
pessoas e seus mundos.
Crenças
• As crenças centrais são entendimentos que são tão
fundamentais e profundos que as pessoas
frequentemente não os articulam, sequer para si
mesmas. Essas, são consideradas como verdades
absolutas
• A tendência é de focalizar seletivamente informações
que confirmem a crença central, desconsiderando ou
descontando informações que são contrárias. Desse
modo, ele mantém a crença mesmo que ela seja
imprecisa e disfuncional.
Crenças
• As crenças centrais são o nível mais fundamental de
crença; elas são globais, rígidas e supergeneralizadas
• Em nossa experiência de vida, desde a infância, é
possível desenvolver ideias negativas, distorcidas
da realidade, equivocadas pela percepção que
temos sobre os eventos da vida. Tais ideias se
enraizam em nossa mente e são incorporadas
como verdades absolutas e geram sofrimento
psicológico ao longo dos anos da idade adulta.
Essas ideias são chamadas, na Terapia Cognitiva,
de crenças centrais. As crenças centrais podem
ser:
Crenças
 DESAMPARO - a pessoa tem uma certeza (irracional/inconsciente)
de que é incompetente e sempre será um fracassado.
Ex de PA: Sou inadequado, ineficiente, incompetente; Sou fraco e
descontrolado; Eu não consigo mudar; Eu não tenho atitude; Sou
uma vítima; Sou vulnerável, inferior, um fracasso, um perdedor;
Não sou igual aos outros.
 DESAMOR - a pessoa tem a certeza (irracional/inconsciente) de que
será rejeitada.
Ex de PA: Sou diferente, indesejável, feio, monótono, não tenho
nada a oferecer; Não sou amado, querido, sou negligenciado;
Sempre serei rejeitado, abandonado, sempre estarei sozinho; Sou
diferente, imperfeito, não sou bom o suficiente para ser amado.
 DESVALOR - a pessoa acredita ser inaceitável e sem importância
alguma.
Ex de PA: Sou inaceitável; Sou mau, louco, derrotado; Sou um
nada, um lixo. Sou cruel, perigoso, maligno; Não tenho valor, e
não mereço viver.
Essas crenças podem ser:
• Em relação a si mesmo: citado acima
• Em relação aos outros: Os outros são categorizados de
maneira inflexível. São vistos como desprezíveis, frios,
prejudiciais, ameaçadores e manipuladores.
 Também é possível desenvolver uma crença positiva
em relação aos outros e em detrimento a si mesmo:
as pessoas são superiores, muito eficientes, amáveis
e úteis (diferente de si mesmo)
Crenças
• Em relação ao mundo: o mundo é injusto, hostil, imprevisível,
incontrolável, perigoso.
As crenças centrais são conteúdos dos esquemas cognitivos mal
adaptativos e agem como uma lente que afeta a Percepção, isto é, a
pessoa passa a ver a situação apenas de um ponto de vista
(equivocado, distorcido, exagerado).
Com essas ideias na mente, a pessoa vai criando Estratégias
Compensatórias para lidar com o sofrimento. Tais estratégias
podem ser desadaptativas trazendo desajustes emocionais.
EXEMPLO:
• Crença central: Sou insignificante
Estratégia: É melhor eu me isolar, evitar aproximação.
• Crença central: sou vulnerável
Estratégia: Agir com firmeza, dominar, evitar qualquer
possibilidade de ser prejudicado.
Crenças
Atitudes, Regras e Suposições
Crenças
centrais
Crenças
intermediárias
(atitudes,
regras e
suposições)
Pensamentos
automáticos
• As crenças influenciam a visão de uma situação, o
que, por sua vez, influencia o que ele pensa, sente
e se comporta.
• O mais importante para o terapeuta cognitivo refere-
se as crenças disfuncionais, que podem não ser
aprendidas, e às novas crenças mais embasadas na
realidade e funcionais, que podem ser
desenvolvidas e aprendidas através da terapia.
Atitudes, Regras e Suposições
• A trajetória usual do tratamento, na terapia cognitiva, envolve
uma ênfase inicial sobre pensamentos automáticos, as
cognições mais próximas à percepção consciente.
• O terapeuta ensina o paciente a identificar, avaliar e
modificar seus pensamentos, a fim de produzir alívio de
sintomas.
• Então, as crenças disfuncionais que estão por trás dos
pensamentos disfuncionais tornam-se foco do tratamento.
• A modificação profunda de crenças mais fundamentais torna
os pacientes menos propensos a apresentar recaída no
futuro.
Atitudes, Regras e Suposições
Relacionamento do comportamento
com os pensamentos automáticos
Crença Central
Crença Intermediária
Situação Pensamento Automático Emoção
Crença Central
“Eu sou incompetente”
Crença Intermediária
“Se eu não entendo algo, então eu sou burro”
Pensamentos Automáticos
“Isso é difícil demais...
Eu jamais vou aprender...”
Situação Reações
AULA
Comportamental
Fisiológico
Emocional
TRISTEZA
DESCONFORTO
SAI DA SALA
• Crenças centrais inarticuladas influenciam a
percepção da situação.
• O terapeuta deve aprender a conceituar as
dificuldades do paciente em termos
cognitivos, afim de determinar como
proceder na terapia (metas, técnicas)
Relacionamento do comportamento
com os pensamentos automáticos
• O terapeuta deve se perguntar:
• Como esse paciente veio parar aqui?
• Que vulnerabilidades e eventos da vida
foram importantes?
• Como enfrentou essas vulnerabilidades?
• Quais são seus pensamentos
automáticos?
Relacionamento do comportamento
com os pensamentos automáticos
Crença Central
Crença Intermediária
Situação Pensamento Automático
Emoção
Comportamento
Fisiológica
Reações
Relacionamento do comportamento
com os pensamentos automáticos
• Uma conceituação cognitiva correta
auxilia em determinar quais as principais
caminhos e como percorrer.
• As hipóteses levantadas são confirmadas
e desconfirmadas à medida que novos
dados são apresentados.
Relacionamento do comportamento
com os pensamentos automáticos
• Exemplos:
Inferência Arbitrária – concluir ao contrário do que
apontam as evidências;
Abstração Seletiva (Filtro Mental) – concluir baseando-se
apenas em uma pequena parte de dados;
Magnificação ou Minimização – avaliar distorcidamente a
importância relativa dos eventos, para mais ou para menos;
Personalização – relacionar eventos externos a própria
pessoa quando não há indícios para tanto;
Pensamento Dicotômico – classificar as pessoas ou a si
mesmo em categorias rígidas e estanques;
Pensamento Catastrófico – previsão de um pior desfecho
possível, sem levar em conta as alternativas.
Distorções Cognitivas
• Inicia-se pela identificação e pelo registro de pensamentos
automáticos e crenças disfuncionais.
• Subsequentemente, é feita uma análise dos “erros de lógica”
inerentes às interpretações catastróficas. Para isso, é importante
que o paciente considere tais pensamentos como meras
hipóteses, e não como fatos.
• A forma mais usual de corrigir esses erros de lógica é o chamado
questionamento socrático. Nessa técnica, o paciente, juntamente
com o terapeuta, faz um exame das evidências que apoiam o seu
pensamento e das evidências que são contrárias, a fim de
descobrir formas alternativas de interpretar suas sensações físicas.
• Após a análise das probabilidades, elaboram-se novas alternativas,
que são chamadas de “lembretes” (por exemplo: “estou tendo
um ataque que não mata nem enlouquece”.
Restruturação cognitiva
1. Questionamento Socrático
• Processo de intervenção cognitiva para mudar os
pensamentos disfuncionais.
• Alguns benefícios são: intensificação da relação terapêutica,
estimulação da indagação, melhor entendimento de
cognições e comportamentos importantes, promoção do
engajamento ativo do paciente na terapia.
• Características chaves do Questionamento Socrático:
1. Faça perguntas que revelem oportunidades de mudança.
2. Faça perguntas que tragam resultados – Questionamentos que rompam um
padrão de pensamento desadaptativo. Se os questionamentos feitos não produzirem
resultados emocionais ou comportamentais revise a formulação do caso e reveja as
estratégias.
3. Faça perguntas que envolvam os pacientes no processo de aprendizagem.-
Um dos objetivos desta técnica é ajudar os pacientes a se especializarem em “pensar
sobre o pensamento”. Incentivá-los a olhar sobre novas perspectivas.
4. Elabore perguntas de forma que seja produtiva para o paciente. - É preciso
levar em consideração o nível cognitivo e seus sintomas, onde as perguntas sejam
um desafio para que o paciente pense mas que não faça-o se sentir pressionado ou
intimidado. Faça perguntas que você acredite que o paciente seja capaz de
responder.
5. Evite Fazer perguntas de comando. – Esse deve ser um método que viabilize o
aumento da capacidade d paciente de pensar de maneira flexível e criativa.
6. Use pergunta de múltipla escolha.
2. Registro de Mudança de Pensamento
• O automonitoramento é feito
através dos registros de
pensamentos, considerado
procedimento de alto impacto por
Beck (1979).
• O RPD (Registro de pensamentos
disfuncionais) incentiva os
pacientes a:
1. Reconhecer seus pensamentos
automáticos;
2. Aplicar métodos de mudanças de
pensamentos (identificar erros,
examinar evidencias.)
3. Observar resultados positivos em
seus esforços para modificar seus
pensamentos.
2. Registro de Mudança de Pensamento
SITUAÇÃO
PENSAMENTO
AUTOMÁTICO
EMOÇÃO
RESPOSTA
RACIONAL
RESULTADO
Descrever
evento, fluxo de
pensamentos e
sensações
fisiológicas.
Pensamento
automático e
grau de crença
Especificar a
emoção e grau
da emoção
Identificar erros
cognitivos,
escrever resposta
racional e grau de
crença.
Grau de emoções
subsequentes e
descrever as
mudanças
comportamentais
• É sugerido que paciente preencha a RPD como tarefa de casa e traga as
sessões;
• É necessário observar o grau de crença nos pensamentos automáticos pois
os mesmo fornece pistas sobre a maleabilidade ou resistência dessas
cognições.
• O terapeuta e o paciente trabalham juntos para identificar crenças
que a pessoa tem de si e utilizam técnicas que incluem:
Identificação e Registro de Pensamentos Automáticos Disfuncionais
(RPD) e Distorções Cognitivas (ABC);
Dia/hora Situação Pensamento Automático Emoção Resposta adaptativa Resultado
3. Geração de Alternativas Racionais
Pensamento Lógico
Força do pensamento
positivo
“O terapeuta deve ajudar ao paciente a enxergar as
circunstâncias de forma mais racional possível e depois trabalhar
as maneiras adaptativas de lidar com os problemas.”
Desenvolvendo os pensamentos lógicos:
1. Abra a sua mente para as possibilidades
2. Pense com pensava antes. – Tente ajudar os pacientes a entrarem em
contato com a maneira como se viam antes de ficarem deprimidos ou
ansiosos, acessando assim, os pensamentos adaptativos que foram
esquecidos.
3. Faça um branstorm.
4. Aprenda com os outros.
4. Identificação dos erros cognitivos
• Normalmente, é explicado rapidamente na sessão de terapia sobre os erros
cognitivos, devido ao tempo que pode ser tomado da sessão. Sendo necessário
instruir e incentivar o paciente a buscar informações sobre os erros cognitivos.
• Para muitos pacientes, identificar e nomear os erros cognitivos são uma das partes
mais desafiadoras no desenvolvimento das habilidades na terapia cognitiva. Esses
erros no modo de pensar foram repetidos durante muitos anos e se tornaram
automáticos no processamento de informações.
• O terapeuta precisa chamar atenção repetidas vezes para esse fenômeno.
Reconhecer qualquer erro pode ajudar a pensar de maneira mais lógica.
5. Exame das evidências
• Essa técnica consiste em elaborar uma lista de evidências a favor e contra
a validade de um pensamento automático ou outra cognição, avaliar essas
evidências e então, trabalhar na modificação dos pensamentos para que
seja consistente com as evidencias recém-descobertas
6. Descatrastofização
• Comum em pessoas depressivas e
ansiosas;
• Essas previsões são comumente
influenciadas pelas distorções
cognitivas, observadas nestes
transtornos. Porém, às vezes o
medo tem razão de ser, e deve ser
trabalhado a forma de enfrentar a
situação.
7. Reatribuição
• A atribuição são os significados que as pessoas dão a eventos em sua
vida.
1. Interno X Externo: pessoas deprimidas tendem a internalizar a culpa e
as não-deprimidas fazem uma atribuição equilibrada ou externa;
2. Geral X Específico: na depressão as atribuições são devastadoras;
3. Invariável X Variável: Pessoas deprimidas fazem atribuições invariáveis
e preveem pouca chance de mudança.
8. Ensaio Cognitivo
• Normalmente, é introduzido em uma sessão depois de o paciente já ter
feito algum trabalho com outros métodos para modificar os pensamento
automáticos, pois estas outras experiências preparam pacienta para
“lançar mão de tudo” ao orquestrar uma resposta adaptativa.
Passos para o paciente:
1. Pense na situação com antecedência;
2. Identifique possíveis pensamentos automáticos e comportamentos;
3. Modifique os pensamentos automáticos fazendo um RPD;
4. Ensaie o modo mais adaptativo de pensar e se comportar
5. Implemente a nova estratégia.
9. Cartões de enfrentamento
• O uso dos cartões pode ser uma maneira produtiva de ajudar ao
paciente a praticarem as principais intervenções aprendidas na TCC;
• Nos cartões, deve-se escrever instruções que os pacientes gostariam
de dar a si mesmos para ajudá-los a enfrentar questões ou situações
importantes.
Referência
Conceituação cognitiva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCIdentificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCSarah Karenina
 
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalNilson Dias Castelano
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasMarcelo da Rocha Carvalho
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitivaSarah Karenina
 
Exercícios de Crenças
Exercícios de CrençasExercícios de Crenças
Exercícios de Crençaspsimais
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaCassia Dias
 
Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais Sarah Karenina
 
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticosJosé Salomão
 
Psicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilPsicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilJorge Bombeiro
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEndriely Teodoro
 
Avaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamentalAvaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamentalElizabeth Barbosa
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMarcelo da Rocha Carvalho
 
Psicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaPsicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaClaudia Paola Aguilar
 
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamentalIntrodução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamentalVictor Nóbrega
 

Mais procurados (20)

TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
 
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCIdentificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
 
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Exercícios de Crenças
Exercícios de CrençasExercícios de Crenças
Exercícios de Crenças
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
 
Psicoterapias miriam
Psicoterapias miriamPsicoterapias miriam
Psicoterapias miriam
 
Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais
 
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
 
Psicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilPsicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantil
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
 
Terapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e CognitivaTerapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e Cognitiva
 
Avaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamentalAvaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamental
 
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva InfantilTerapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
 
Psicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaPsicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e Adolescência
 
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de PfisterApresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
 
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamentalIntrodução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
 

Semelhante a Conceituação cognitiva

Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfssmxmnx8gj
 
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptxJulianamarciafonseca
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaMarcelo da Rocha Carvalho
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfMarcio Amoedo
 
Aula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAna Sofia
 
Aula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAna Sofia
 
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010Lina Sue
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Marcelo da Rocha Carvalho
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromissopsicologiaestoi
 
aulas-casaisefamlias-131008162542-phpapp01.pdf
aulas-casaisefamlias-131008162542-phpapp01.pdfaulas-casaisefamlias-131008162542-phpapp01.pdf
aulas-casaisefamlias-131008162542-phpapp01.pdfAnaliceCarvalhodosSa1
 
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Casais e Famílias
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Casais e FamíliasCiulla Clínica Psiquiátrica - Casais e Famílias
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Casais e Famíliasclinicaciulla
 
A Terapia Cognitivo comportamental em CASAIS
A Terapia Cognitivo comportamental em CASAISA Terapia Cognitivo comportamental em CASAIS
A Terapia Cognitivo comportamental em CASAISAntnioMalvarMartinsN1
 
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptxAula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptxReverendo Celiomar Tiago Freitas
 

Semelhante a Conceituação cognitiva (20)

Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdf
 
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdf
 
Aula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapias
 
Aula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapias
 
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
 
Principais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivoPrincipais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivo
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
 
Terapia metacognitiva
Terapia metacognitivaTerapia metacognitiva
Terapia metacognitiva
 
Psicoterapias (1)
Psicoterapias (1)Psicoterapias (1)
Psicoterapias (1)
 
Contratransferência em Psicoterapia Cognitivo Comportamental
Contratransferência em Psicoterapia Cognitivo ComportamentalContratransferência em Psicoterapia Cognitivo Comportamental
Contratransferência em Psicoterapia Cognitivo Comportamental
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
 
Etica em Psicoterapia
Etica em PsicoterapiaEtica em Psicoterapia
Etica em Psicoterapia
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
aulas-casaisefamlias-131008162542-phpapp01.pdf
aulas-casaisefamlias-131008162542-phpapp01.pdfaulas-casaisefamlias-131008162542-phpapp01.pdf
aulas-casaisefamlias-131008162542-phpapp01.pdf
 
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Casais e Famílias
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Casais e FamíliasCiulla Clínica Psiquiátrica - Casais e Famílias
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Casais e Famílias
 
A Terapia Cognitivo comportamental em CASAIS
A Terapia Cognitivo comportamental em CASAISA Terapia Cognitivo comportamental em CASAIS
A Terapia Cognitivo comportamental em CASAIS
 
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptxAula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 

Mais de Paulopereiraunirb (8)

Morte
MorteMorte
Morte
 
Escola de milão
Escola de milãoEscola de milão
Escola de milão
 
Sistêmica
SistêmicaSistêmica
Sistêmica
 
Escolademilo 141114171953-conversion-gate01
Escolademilo 141114171953-conversion-gate01Escolademilo 141114171953-conversion-gate01
Escolademilo 141114171953-conversion-gate01
 
Sliders.escola milao
Sliders.escola milaoSliders.escola milao
Sliders.escola milao
 
TDAH
TDAH TDAH
TDAH
 
Descartes,Hume,Pascal
Descartes,Hume,PascalDescartes,Hume,Pascal
Descartes,Hume,Pascal
 
aula Freud slide
aula Freud slideaula Freud slide
aula Freud slide
 

Conceituação cognitiva

  • 2. • Sistema de terapia cujo princípio básico é de que as cognições (pensamentos, crenças, interpretações) de um indivíduo frente a situações influenciam suas emoções e comportamentos. O terapeuta atua sobre as cognições, a fim de alterar as emoções e comportamentos que as acompanham. • Proposta inicialmente por Aaron T. Beck (1976) que observou a existência de três principais áreas de distorção cognitiva na depressão (tríade cognitiva): Visão negativa de si mesmo, Visão negativa do ambiente de vida e Visão negativa para o futuro.  Beck propôs o uso de estratégias para corrigir tais distorções, que se revelaram efetivas. Posteriormente a terapia cognitiva foi estendida para diversos outros transtornos. Terapia Cognitiva
  • 3. • Os modelos principais de disfunção no processamento de informações são baseados em: Pensamentos automáticos - são cognições que aparecem rapidamente em uma determinada situação e não estão sujeitos à análise racional, relacionados, geralmente, com base em uma lógica defeituosa (erros cognitivos); Crenças centrais (incorporadas aos esquemas) - incluem as regras básicas para a seleção e codificação da informação no ambiente. – Estas construções organizacionais são desenvolvidas através da experiência da infância e influências posteriores. • As distorções cognitivas resultam em comportamentos desajustados e que causam sofrimento psíquico.
  • 4. • Compreender sistematicamente os processos que mantém a condição do sofrimento emocional, identificar as ideias, memórias, pensamentos e comportamentos que prejudicam a pessoa, refletindo sobre elas e, posteriormente, testando novos paradigmas de pensamento e comportamento para que seja possível o desenvolvimento de uma vida mais saudável e flexível. Objetivo
  • 5. Modificar “Os métodos para descobrir e modificar os pensamentos automáticos desadaptativos encontram–se no cerne da abordagem cognitivo-comportamental.” Identificar Redução significativa de sintomas!
  • 6. A identificação e a modificação ocorrem juntas como parte de um processo progressivo de desenvolvimento de um estilo de pensamento racional.
  • 7. • Encorajam o reconhecimento e a identificação de pensamentos patológicos em dois níveis de processamento de informações relativamente autônomos:  pensamentos automáticos e  crenças centrais. • Ensinam os pacientes a utilizar técnicas para “pensar sobre o pensamento” a fim de atingir a meta de trazer as cognições autônomas à atenção e ao controle consciente. Papel do terapeuta
  • 8. Primeira Fase – enfatiza-se a definição da estratégia de intervenção, ou seja, a conceitualização cognitiva do paciente e de seus problemas, a definição das metas terapêuticas e do planejamento do processo de intervenção; Segunda Fase – o terapeuta objetiva a normalização das emoções do paciente para promover a motivação do paciente para o trabalho terapêutico e sua vinculação ao processo. Terceira Fase – o terapeuta enfatiza a intervenção em nível estrutural, ou seja, o desafio das crenças e esquemas disfuncionais, objetivando promover a reestruturação cognitiva. Quarta Fase –onde promove-se, através de várias técnicas, a assimilação e generalização dos ganhos terapêuticos, bem como a prevenção de recaídas; Fases da psicoterapia
  • 9. Término: • A terapia em seu formato semanal deve ser encerrada quando a maioria dos sintomas tiver sua intensidade reduzida significativamente, causando interferência mínima na rotina de vida do paciente. • Nessa fase, faz-se a revisão das técnicas aprendidas e orienta- se para a prática contínua das mesmas, visando-se assim, a manutenção da melhora clínica. • Deve-se também atentar para a recaídas e seus potenciais desencadeantes. • Finalmente, as consultas podem ser espaçadas ao longo de um período, até a alta propriamente dita.
  • 10. • Depressão • Transtornos de Ansiedade • Transtornos Alimentares • Abuso de Substâncias e de Álcool • Transtornos de Personalidade • Transtorno Psicótico (Esquizofrenia, transtorno delirante). • Transtorno Bipolar • Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade • Dor Crônica Indicações
  • 11. EVENTO (Prepara-se para ir a uma festa) COMPORTAMENTO (Dá uma desculpa e não vai a festa) EMOÇÃO (Tensão e ansiedade) AVALIAÇÃO COGNITIVA (Sou desajustado e não sei o que fazer...) Modelo Cognitivo Comportamental
  • 12. A conceituação cognitiva fornece a estrutura para o entendimento de um paciente pelo terapeuta. • Qual o diagnóstico do paciente? • Quais seus problemas atuais? • Como esses problemas se desenvolveram? • Que pensamentos e crenças disfuncionais estão associados ao problema? • Quais as reações emocionais, fisiológicas e comportamentais? • Que aprendizagens e experiências antigas contribuem para seus problemas hoje? • Quais as crenças subjacentes e pensamentos? • Que mecanismos cognitivos, afetivos e comportamentais ele desenvolveu para enfrentar essas crenças disfuncionais? • Que estressores contribuíram para seus problemas psicológicos? Hipóteses
  • 13. O terapeuta começa a construir uma conceituação cognitiva durante seu primeiro contato com um paciente.
  • 14. Modelo Cognitivo • A terapia cognitiva baseia-se no modelo cognitivo, que levanta hipóteses por sua percepção dos eventos. • O modo como as pessoas se sentem está associado ao modo como elas interpretam e pensam sobre uma situação. (percepção as situação) • O terapeuta deve interessasse pelo nível de pensamento que opera simultaneamente com o nível mais óbvio e superficial do pensamento
  • 15.
  • 16. 1. Reconhecimento das mudanças de humor “Nos estágios iniciais da TCC, os terapeutas precisam ajudar os pacientes a entender o conceito de pensamentos automáticos e a reconhecer algumas dessas cognições.” “Uma boa regra é considerar qualquer mostra de emoção como um sinal de que ocorreram pensamentos automáticos.”
  • 17. “A mudança de humor é um método especialmente útil de descobrir pensamentos automáticos, porque normalmente gera cognições que são emocionalmente carregadas, imediatas e de alta relevância pessoal.”
  • 18. 2. Psicoeducação “Geralmente, dedicamos algum tempo no início da terapia a breves explicações sobre a natureza dos pensamentos automáticos e como eles influenciam a emoção e o comportamento.”
  • 19. 3. Descoberta guiada para pensamentos automáticos 1. Faça questionamentos que estimulem a emoção. - As emoções são sinais de que o tópico é importante para o paciente. 2. Seja específico – O Questionamento deve ser focado em uma situação claramente definida e memorável. 3. Focalize em eventos recentes não no passado distante - O questionamento sobre eventos recentes normalmente tem a vantagem de dar acesso aos pensamentos automáticos que na verdade ocorreram na situação e que podem ser mais passível de mudança. 4. Mantenha-se em uma linha de questionamento e um tópico. – Tente evitar pular de tópico em tópico. É mais importante fazer um trabalho completo, trazendo à tona uma série de pensamentos automáticos em uma única situação do que explorar diversas situações.
  • 20. 4. Mantenha-se em uma linha de questionamento e um tópico. – Se puderem aprender a identificar totalmente seus pensamentos automáticos para um determinado problema , terão maior probabilidade de fazer o mesmo em outras situações. 5. Vá fundo. – Os pacientes geralmente relatam apenas alguns pensamentos automáticos, o terapeuta pode fazer perguntas que ajudem o paciente a contar a história toda. 6. Utilize suas habilidades de empatia. –Coloque-se no lugar do paciente e pense como ele pode estar pensando, assim você conseguirá desenvolver suas habilidades para entender suas cognições que são comuns em vários quadros clínicos, tornando-se mais ágil em perceber os pensamentos automáticos.
  • 21. 7. Conte com a formulação de caso para saber que caminho tomar. – A formulação do caso, mesmo em estágio inicial, pode dar uma ajuda inestimável sobre quais questionamentos seguir. O conhecimento de fatores estressores e precipitantes surgirão tópicos importante para discussão. A avaliação dos sintomas, dos pontos fortes, das vulnerabilidades permitirão que o terapeuta personalize as perguntas aos pacientes.
  • 22. 4. Registro de pensamentos • O processo de registro chama atenção do paciente para as cognições importantes; • Frequentemente estimula a indagação sobre a validade dos padrões de pensamento; • O fato de ver os pensamentos escritos, geralmente, dá início ao empenho espontâneo de rever ou corrigir as cognições desadaptavas.
  • 23. 5. Imagens mentais • Quando os pacientes têm dificuldades para elaborar seus pensamentos automáticos, esse exercício, geralmente, produz resultados excelentes. • Essa técnica ajuda os pacientes a reviver eventos importantes em sua imaginação para entrar em contato cm os sentimentos e pensamentos que tiveram. • A capacidade do terapeuta de explicar e estimular a geração de imagens mentais pode fazer uma grande diferença no modo como os pacientes mergulham na experiência.
  • 24. 6. Role-play No role-play o terapeuta faz o papel de uma pessoa na vida do paciente ou o inverso. Está técnica é usada com menos frequência, devido as possíveis implicações na relação terapêutica. Os seguintes questionamentos devem ser feitos antes de aplicar essa técnica: 1. Como o role-play nessa situação com essa figura importante na vida do paciente, afetaria a relação terapêutica? ( Ex. Pai agressivo) 2. O teste da realidade do paciente é forte suficiente para ver essa experiência com uma dramatização e retornar o trabalho depois? 3. Esse role-play tocaria em questões relacionadas de longo tempo ou seria focado em um evento mais restrito?
  • 25. 7. Inventário para pensamentos automáticos O inventário mais extensivamente pesquisado para pensamentos automáticos é Questionário de Pensamentos Automáticos (ATQ). Embora venha sendo usado primordialmente em pesquisas para medir as modificações nos pensamentos automáticos associados ao tratamento, esse questionário também pode ser usado no consultório quando o paciente tiver dificuldades de detectar suas cognições.
  • 26. • Começando na infância, as pessoas desenvolvem determinadas crenças sobre si mesmas, outras pessoas e seus mundos. Crenças • As crenças centrais são entendimentos que são tão fundamentais e profundos que as pessoas frequentemente não os articulam, sequer para si mesmas. Essas, são consideradas como verdades absolutas
  • 27. • A tendência é de focalizar seletivamente informações que confirmem a crença central, desconsiderando ou descontando informações que são contrárias. Desse modo, ele mantém a crença mesmo que ela seja imprecisa e disfuncional. Crenças • As crenças centrais são o nível mais fundamental de crença; elas são globais, rígidas e supergeneralizadas
  • 28. • Em nossa experiência de vida, desde a infância, é possível desenvolver ideias negativas, distorcidas da realidade, equivocadas pela percepção que temos sobre os eventos da vida. Tais ideias se enraizam em nossa mente e são incorporadas como verdades absolutas e geram sofrimento psicológico ao longo dos anos da idade adulta. Essas ideias são chamadas, na Terapia Cognitiva, de crenças centrais. As crenças centrais podem ser: Crenças
  • 29.  DESAMPARO - a pessoa tem uma certeza (irracional/inconsciente) de que é incompetente e sempre será um fracassado. Ex de PA: Sou inadequado, ineficiente, incompetente; Sou fraco e descontrolado; Eu não consigo mudar; Eu não tenho atitude; Sou uma vítima; Sou vulnerável, inferior, um fracasso, um perdedor; Não sou igual aos outros.  DESAMOR - a pessoa tem a certeza (irracional/inconsciente) de que será rejeitada. Ex de PA: Sou diferente, indesejável, feio, monótono, não tenho nada a oferecer; Não sou amado, querido, sou negligenciado; Sempre serei rejeitado, abandonado, sempre estarei sozinho; Sou diferente, imperfeito, não sou bom o suficiente para ser amado.  DESVALOR - a pessoa acredita ser inaceitável e sem importância alguma. Ex de PA: Sou inaceitável; Sou mau, louco, derrotado; Sou um nada, um lixo. Sou cruel, perigoso, maligno; Não tenho valor, e não mereço viver.
  • 30. Essas crenças podem ser: • Em relação a si mesmo: citado acima • Em relação aos outros: Os outros são categorizados de maneira inflexível. São vistos como desprezíveis, frios, prejudiciais, ameaçadores e manipuladores.  Também é possível desenvolver uma crença positiva em relação aos outros e em detrimento a si mesmo: as pessoas são superiores, muito eficientes, amáveis e úteis (diferente de si mesmo) Crenças
  • 31. • Em relação ao mundo: o mundo é injusto, hostil, imprevisível, incontrolável, perigoso. As crenças centrais são conteúdos dos esquemas cognitivos mal adaptativos e agem como uma lente que afeta a Percepção, isto é, a pessoa passa a ver a situação apenas de um ponto de vista (equivocado, distorcido, exagerado). Com essas ideias na mente, a pessoa vai criando Estratégias Compensatórias para lidar com o sofrimento. Tais estratégias podem ser desadaptativas trazendo desajustes emocionais. EXEMPLO: • Crença central: Sou insignificante Estratégia: É melhor eu me isolar, evitar aproximação. • Crença central: sou vulnerável Estratégia: Agir com firmeza, dominar, evitar qualquer possibilidade de ser prejudicado. Crenças
  • 32. Atitudes, Regras e Suposições Crenças centrais Crenças intermediárias (atitudes, regras e suposições) Pensamentos automáticos
  • 33. • As crenças influenciam a visão de uma situação, o que, por sua vez, influencia o que ele pensa, sente e se comporta. • O mais importante para o terapeuta cognitivo refere- se as crenças disfuncionais, que podem não ser aprendidas, e às novas crenças mais embasadas na realidade e funcionais, que podem ser desenvolvidas e aprendidas através da terapia. Atitudes, Regras e Suposições
  • 34. • A trajetória usual do tratamento, na terapia cognitiva, envolve uma ênfase inicial sobre pensamentos automáticos, as cognições mais próximas à percepção consciente. • O terapeuta ensina o paciente a identificar, avaliar e modificar seus pensamentos, a fim de produzir alívio de sintomas. • Então, as crenças disfuncionais que estão por trás dos pensamentos disfuncionais tornam-se foco do tratamento. • A modificação profunda de crenças mais fundamentais torna os pacientes menos propensos a apresentar recaída no futuro. Atitudes, Regras e Suposições
  • 35. Relacionamento do comportamento com os pensamentos automáticos Crença Central Crença Intermediária Situação Pensamento Automático Emoção
  • 36. Crença Central “Eu sou incompetente” Crença Intermediária “Se eu não entendo algo, então eu sou burro” Pensamentos Automáticos “Isso é difícil demais... Eu jamais vou aprender...” Situação Reações AULA Comportamental Fisiológico Emocional TRISTEZA DESCONFORTO SAI DA SALA
  • 37. • Crenças centrais inarticuladas influenciam a percepção da situação. • O terapeuta deve aprender a conceituar as dificuldades do paciente em termos cognitivos, afim de determinar como proceder na terapia (metas, técnicas) Relacionamento do comportamento com os pensamentos automáticos
  • 38. • O terapeuta deve se perguntar: • Como esse paciente veio parar aqui? • Que vulnerabilidades e eventos da vida foram importantes? • Como enfrentou essas vulnerabilidades? • Quais são seus pensamentos automáticos? Relacionamento do comportamento com os pensamentos automáticos
  • 39. Crença Central Crença Intermediária Situação Pensamento Automático Emoção Comportamento Fisiológica Reações Relacionamento do comportamento com os pensamentos automáticos
  • 40. • Uma conceituação cognitiva correta auxilia em determinar quais as principais caminhos e como percorrer. • As hipóteses levantadas são confirmadas e desconfirmadas à medida que novos dados são apresentados. Relacionamento do comportamento com os pensamentos automáticos
  • 41. • Exemplos: Inferência Arbitrária – concluir ao contrário do que apontam as evidências; Abstração Seletiva (Filtro Mental) – concluir baseando-se apenas em uma pequena parte de dados; Magnificação ou Minimização – avaliar distorcidamente a importância relativa dos eventos, para mais ou para menos; Personalização – relacionar eventos externos a própria pessoa quando não há indícios para tanto; Pensamento Dicotômico – classificar as pessoas ou a si mesmo em categorias rígidas e estanques; Pensamento Catastrófico – previsão de um pior desfecho possível, sem levar em conta as alternativas. Distorções Cognitivas
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45. • Inicia-se pela identificação e pelo registro de pensamentos automáticos e crenças disfuncionais. • Subsequentemente, é feita uma análise dos “erros de lógica” inerentes às interpretações catastróficas. Para isso, é importante que o paciente considere tais pensamentos como meras hipóteses, e não como fatos. • A forma mais usual de corrigir esses erros de lógica é o chamado questionamento socrático. Nessa técnica, o paciente, juntamente com o terapeuta, faz um exame das evidências que apoiam o seu pensamento e das evidências que são contrárias, a fim de descobrir formas alternativas de interpretar suas sensações físicas. • Após a análise das probabilidades, elaboram-se novas alternativas, que são chamadas de “lembretes” (por exemplo: “estou tendo um ataque que não mata nem enlouquece”. Restruturação cognitiva
  • 46. 1. Questionamento Socrático • Processo de intervenção cognitiva para mudar os pensamentos disfuncionais. • Alguns benefícios são: intensificação da relação terapêutica, estimulação da indagação, melhor entendimento de cognições e comportamentos importantes, promoção do engajamento ativo do paciente na terapia. • Características chaves do Questionamento Socrático: 1. Faça perguntas que revelem oportunidades de mudança.
  • 47. 2. Faça perguntas que tragam resultados – Questionamentos que rompam um padrão de pensamento desadaptativo. Se os questionamentos feitos não produzirem resultados emocionais ou comportamentais revise a formulação do caso e reveja as estratégias. 3. Faça perguntas que envolvam os pacientes no processo de aprendizagem.- Um dos objetivos desta técnica é ajudar os pacientes a se especializarem em “pensar sobre o pensamento”. Incentivá-los a olhar sobre novas perspectivas. 4. Elabore perguntas de forma que seja produtiva para o paciente. - É preciso levar em consideração o nível cognitivo e seus sintomas, onde as perguntas sejam um desafio para que o paciente pense mas que não faça-o se sentir pressionado ou intimidado. Faça perguntas que você acredite que o paciente seja capaz de responder. 5. Evite Fazer perguntas de comando. – Esse deve ser um método que viabilize o aumento da capacidade d paciente de pensar de maneira flexível e criativa. 6. Use pergunta de múltipla escolha.
  • 48. 2. Registro de Mudança de Pensamento • O automonitoramento é feito através dos registros de pensamentos, considerado procedimento de alto impacto por Beck (1979). • O RPD (Registro de pensamentos disfuncionais) incentiva os pacientes a: 1. Reconhecer seus pensamentos automáticos; 2. Aplicar métodos de mudanças de pensamentos (identificar erros, examinar evidencias.) 3. Observar resultados positivos em seus esforços para modificar seus pensamentos.
  • 49. 2. Registro de Mudança de Pensamento SITUAÇÃO PENSAMENTO AUTOMÁTICO EMOÇÃO RESPOSTA RACIONAL RESULTADO Descrever evento, fluxo de pensamentos e sensações fisiológicas. Pensamento automático e grau de crença Especificar a emoção e grau da emoção Identificar erros cognitivos, escrever resposta racional e grau de crença. Grau de emoções subsequentes e descrever as mudanças comportamentais • É sugerido que paciente preencha a RPD como tarefa de casa e traga as sessões; • É necessário observar o grau de crença nos pensamentos automáticos pois os mesmo fornece pistas sobre a maleabilidade ou resistência dessas cognições.
  • 50. • O terapeuta e o paciente trabalham juntos para identificar crenças que a pessoa tem de si e utilizam técnicas que incluem: Identificação e Registro de Pensamentos Automáticos Disfuncionais (RPD) e Distorções Cognitivas (ABC); Dia/hora Situação Pensamento Automático Emoção Resposta adaptativa Resultado
  • 51. 3. Geração de Alternativas Racionais Pensamento Lógico Força do pensamento positivo “O terapeuta deve ajudar ao paciente a enxergar as circunstâncias de forma mais racional possível e depois trabalhar as maneiras adaptativas de lidar com os problemas.”
  • 52. Desenvolvendo os pensamentos lógicos: 1. Abra a sua mente para as possibilidades 2. Pense com pensava antes. – Tente ajudar os pacientes a entrarem em contato com a maneira como se viam antes de ficarem deprimidos ou ansiosos, acessando assim, os pensamentos adaptativos que foram esquecidos. 3. Faça um branstorm. 4. Aprenda com os outros.
  • 53. 4. Identificação dos erros cognitivos • Normalmente, é explicado rapidamente na sessão de terapia sobre os erros cognitivos, devido ao tempo que pode ser tomado da sessão. Sendo necessário instruir e incentivar o paciente a buscar informações sobre os erros cognitivos. • Para muitos pacientes, identificar e nomear os erros cognitivos são uma das partes mais desafiadoras no desenvolvimento das habilidades na terapia cognitiva. Esses erros no modo de pensar foram repetidos durante muitos anos e se tornaram automáticos no processamento de informações. • O terapeuta precisa chamar atenção repetidas vezes para esse fenômeno. Reconhecer qualquer erro pode ajudar a pensar de maneira mais lógica.
  • 54. 5. Exame das evidências • Essa técnica consiste em elaborar uma lista de evidências a favor e contra a validade de um pensamento automático ou outra cognição, avaliar essas evidências e então, trabalhar na modificação dos pensamentos para que seja consistente com as evidencias recém-descobertas
  • 55. 6. Descatrastofização • Comum em pessoas depressivas e ansiosas; • Essas previsões são comumente influenciadas pelas distorções cognitivas, observadas nestes transtornos. Porém, às vezes o medo tem razão de ser, e deve ser trabalhado a forma de enfrentar a situação.
  • 56. 7. Reatribuição • A atribuição são os significados que as pessoas dão a eventos em sua vida. 1. Interno X Externo: pessoas deprimidas tendem a internalizar a culpa e as não-deprimidas fazem uma atribuição equilibrada ou externa; 2. Geral X Específico: na depressão as atribuições são devastadoras; 3. Invariável X Variável: Pessoas deprimidas fazem atribuições invariáveis e preveem pouca chance de mudança.
  • 57. 8. Ensaio Cognitivo • Normalmente, é introduzido em uma sessão depois de o paciente já ter feito algum trabalho com outros métodos para modificar os pensamento automáticos, pois estas outras experiências preparam pacienta para “lançar mão de tudo” ao orquestrar uma resposta adaptativa. Passos para o paciente: 1. Pense na situação com antecedência; 2. Identifique possíveis pensamentos automáticos e comportamentos; 3. Modifique os pensamentos automáticos fazendo um RPD; 4. Ensaie o modo mais adaptativo de pensar e se comportar 5. Implemente a nova estratégia.
  • 58. 9. Cartões de enfrentamento • O uso dos cartões pode ser uma maneira produtiva de ajudar ao paciente a praticarem as principais intervenções aprendidas na TCC; • Nos cartões, deve-se escrever instruções que os pacientes gostariam de dar a si mesmos para ajudá-los a enfrentar questões ou situações importantes.