SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
ENEM
LITERATURA
Uma das características da literatura no Enem é cobrar apenas
escritores brasileiros, o que elimina parte dos conteúdos exigidos
em outros vestibulares, como é o caso da literatura portuguesa, na
figura de Camões. Professor de Português e Literatura do cursinho
Anglo, de São Paulo, Eduardo Calbucci salienta que a prova
sempre deu ênfase ao período modernista, movimento iniciado na
primeira metade do século 20 e que tem como principal marco a
realização da Semana de Arte Moderna.
Ao apontar os autores mais valorizados pelo exame, Calbucci cita
Manuel Bandeira, Graciliano Ramos, João Cabral de Melo Neto e
Carlos Drummond de Andrade, porém ele alerta que não é
necessário os estudantes lerem todas as obras e se aprofundarem
muito. “O que precisa ter é familiaridade com as características do
Modernismo, até porque não adianta conhecer a fundo os livros,
pois a prova não vai pedir alguma questão específica”, explica.
Segundo o professor, nas questões envolvendo literatura, existem
três modelos de perguntas que são mais frequentes no Enem.
O primeiro consiste em analisar um poema e compreender o texto
literário, para indicar sobre o que está tratando o exemplo. O
segundo apresenta o poema de um autor para que o aluno
analise e identifique suas principais características.
O Enem também pede para o aluno relacionar dois textos: o literário e
uma crítica feita por um especialista. “Nesse caso, podemos ter
um crítico falando sobre como Machado de Assis conversava com
o leitor, a partir daí, o aluno terá que identificar, na obra, onde isso
está indicado”, exemplifica o professor. Para Calbucci, é
fundamental rever as provas anteriores para saber como elas são,
pois assim a pessoa vai estar preparada para o Enem desse ano,
que ocorre nos dias 22 e 23 de outubro. “O exame é caracterizado
pela previsibilidade, não ocorrem grandes mudanças nas
perguntas de um ano para o outro, assim o estudante já vai para o
Enem com alguma noção”, afirma.
Fonte: Portal Terra Educação
01) O trecho a seguir é parte do poema “Mocidade e morte”, do poeta
romântico Castro Alves:
Oh! eu quero viver, beber perfumes
Na flor silvestre, que embalsama os ares;
Ver minh'alma adejar pelo infinito,
Qual branca vela n'amplidão dos mares.
No seio da mulher há tanto aroma...
Nos seus beijos de fogo há tanta vida...
–– Árabe errante, vou dormir à tarde
À sombra fresca da palmeira erguida.
Mas uma voz responde-me sombria:
Terás o sono sob a lájea fria.
(ALVES, Castro. Os melhores poemas de Castro Alves. Seleção de Lêdo
Ivo. São Paulo: Global, 1983.)
Esse poema, como o próprio título sugere, aborda o
inconformismo do poeta com a antevisão da morte
prematura, ainda na juventude. A imagem da morte
aparece na palavra:
a) embalsama.
b) infinito.
c) amplidão.
d) dormir.
e) sono.
Romantismo – Realismo
02) No trecho abaixo, o narrador, ao descrever a personagem,
critica sutilmente um outro estilo de época: o
Romantismo.
“Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos; era
talvez a mais atrevida criatura da nossa raça, e, com certeza, a mais
voluntariosa. Não digo que já lhe coubesse a primazia da beleza,
entre as mocinhas do tempo, porque isto não é romance, em que o
autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas;
mas também não digo que lhe maculasse o rosto nenhuma sarda ou
espinha, não. Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia
daquele feitiço, precário e eterno, que o indivíduo passa a outro
indivíduo, para os fins secretos da criação.”
(ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. Rio de
Janeiro: Jackson,1957.)
A frase do texto em que se percebe a crítica do narrador
ao Romantismo está transcrita na alternativa:
a) ... o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos
às sardas e espinhas ...
b) ... era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça
...
c) Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza,
cheia daquele feitiço, precário e eterno, ...
d) Naquele tempo contava apenas uns quinze ou
dezesseis anos ...
e) ... o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins
secretos da criação.
Realismo (Machado de Assis)
03) O texto abaixo foi extraído de uma crônica de Machado de
Assis e refere-se ao trabalho de um escravo.
“Um dia começou a guerra do Paraguai e durou cinco anos, João
repicava e dobrava, dobrava e repicava pelos mortos e pelas
vitórias. Quando se decretou o ventre livre dos escravos, João
é que repicou. Quando se fez a abolição completa, quem
repicou foi João. Um dia proclamou-se a República. João
repicou por ela, repicaria pelo Império, se o Império
retornasse.”
(MACHADO, Assis de. Crônica sobre a morte do escravo João ,
1897)
A leitura do texto permite afirmar que o sineiro João:
a) por ser escravo tocava os sinos, às escondidas,
quando ocorriam fatos ligados à Abolição.
b) não poderia tocar os sinos pelo retorno do
Império, visto que era escravo.
c) tocou os sinos pela República, proclamada pelos
abolicionistas que vieram libertá-lo.
d) tocava os sinos quando ocorriam fatos marcantes
porque era costume fazê-lo.
e) tocou os sinos pelo retorno do Império,
comemorando a volta da Princesa Isabel.
Realismo (Naturalismo)
Texto para questão 04.
Viam-se de cima as casas acavaladas umas pelas outras, formando ruas,
contornando praças. As chaminés principiavam a fumar; deslizavam as
carrocinhas multicores dos padeiros; as vacas de leite caminhavam com o
seu passo vagaroso, parando à porta dos fregueses, tilintando o chocalho;
os quiosques vendiam café a homens de jaqueta e chapéu desabado;
cruzavam- se na rua os libertinos retardios com os operários que se
levantavam para a obrigação; ouvia-se o ruído estalado dos carros de
água, o rodar monótono dos bondes.
(AZEVEDO, Aluísio de. Casa de Pensão. São Paulo: Martins, 1973)
04) O trecho, retirado de romance escrito em 1884, descreve o
cotidiano de uma cidade, no seguinte contexto:
a) a convivência entre elementos de uma economia agrária e os de uma
economia industrial indicam o início da industrialização no Brasil,
no século XIX.
b) desde o século XVIII, a principal atividade da economia brasileira
era industrial, como se observa no cotidiano descrito.
c) apesar de a industrialização ter-se iniciado no século XIX, ela
continuou a ser uma atividade pouco desenvolvida no Brasil.
d) apesar da industrialização, muitos operários levantavam cedo,
porque iam diariamente para o campo desenvolver
Atividades rurais.
e) a vida urbana, caracterizada pelo cotidiano apresentado no texto,
ignora a industrialização existente na época.
Modernismo – 1ª Fase (Manuel Bandeira)
Texto para questão 05.
Poética
Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e
[manifestações de apreço ao Sr. diretor.
Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o
[cunho vernáculo de um vocábulo
Abaixo os puristas
............................................................................................
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbedos
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare
— Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.
(BANDEIRA, Manuel. Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro. Aguilar,
1974)
05) Com base na leitura do poema, podemos afirmar
corretamente que o poeta:
a) critica o lirismo louco do movimento modernista.
b) critica todo e qualquer lirismo na literatura.
c) propõe o retorno ao lirismo do movimento
clássico.
d) propõe o retorno ao lirismo do movimento
romântico.
e) propõe a criação de um novo lirismo.
06) Oxímoro (ou paradoxo) é uma construção textual que agrupa significados
que se excluem mutuamente. Nas alternativas abaixo, estão transcritos
versos retirados do poema “O operário em construção”. Pode-se afirmar
que ocorre um oxímoro em:
a) "Era ele que erguia casas
Onde antes só havia chão."
b) "... a casa que ele fazia
Sendo a sua liberdade
Era a sua escravidão."
c) "Naquela casa vazia
Que ele mesmo levantara
Um mundo novo nascia
De que sequer suspeitava."
d) "... o operário faz a coisa
E a coisa faz o operário."
e) "Ele, um humilde operário
Um operário que sabia
Exercer a profissão."
(MORAES, Vinícius de. Antologia Poética. São Paulo: Companhia das Letras,
1992.)
Modernismo – 2ª Fase – Poesia (Carlos Drummond de Andrade)
A questão 07 refere-se ao poema.
A dança e a alma
A DANÇA? Não é movimento,
súbito gesto musical.
É concentração, num momento,
da humana graça natural.
No solo não, no éter pairamos,
nele amaríamos ficar.
A dança – não vento nos ramos:
seiva, força, perene estar.
Um estar entre céu e chão,
novo domínio conquistado,
onde busque nossa paixão
libertar-se por todo lado...
Onde a alma possa descrever
suas mais divinas parábolas
sem fugir à forma do ser,
por sobre o mistério das fábulas.
(Carlos Drummond de Andrade. Obra completa. Rio de Janeiro: Aguilar,
1964. p. 366.)
07) A definição de dança, em linguagem de dicionário, que mais se
aproxima do que está expresso no poema é:
a) a mais antiga das artes, servindo como elemento de comunicação e
afirmação do homem em todos os momentos
de sua existência.
b) a forma de expressão corporal que ultrapassa os limites físicos,
possibilitando ao homem a liberação de seu espírito.
c) a manifestação do ser humano, formada por uma seqüência de
gestos, passos e movimentos desconcertados.
d) o conjunto organizado de movimentos do corpo, com ritmo
determinado por instrumentos musicais, ruídos, cantos, emoções
etc.
e) o movimento diretamente ligado ao psiquismo do indivíduo e, por
conseqüência, ao seu desenvolvimento intelectual e à sua cultura.
Modernismo – 3ª Fase (Geração de 45)
08) Leia o que disse João Cabral de Melo Neto, poeta pernambucano,
sobre a função de seus textos:
“Falo somente com o que falo: a linguagem enxuta, contato
denso; falo somente do que falo: a vida seca, áspera e clara do
sertão; falo somente por quem falo: o homem sertanejo
sobrevivendo na adversidade e na míngua. Falo somente para
quem falo: para os que precisam ser alertados para a situação da
miséria no Nordeste.”
Para João Cabral de Melo Neto, no texto literário,
a) a linguagem do texto deve refletir o tema, e a fala do autor deve
denunciar o fato social para determinados leitores.
b) a linguagem do texto não deve ter relação com o tema, e o
autor deve ser imparcial para que seu texto seja lido.
c) o escritor deve saber separar a linguagem do tema e a
perspectiva pessoal da perspectiva do leitor.
d) a linguagem pode ser separada do tema, e o escritor deve ser o
delator do fato social para todos os leitores.
e) linguagem está além do tema, e o fato social deve ser a
proposta do escritor para convencer o leitor.
Literatura Contemporânea (Ferreira Gullar)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literaturafabrinnem
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Claudio Soares
 
Revisão literatura - quinhentismo - barroco - arcadismo - romantismo
Revisão   literatura - quinhentismo - barroco - arcadismo - romantismoRevisão   literatura - quinhentismo - barroco - arcadismo - romantismo
Revisão literatura - quinhentismo - barroco - arcadismo - romantismojasonrplima
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaAdemir Miranda
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASAmelia Barros
 
Poema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdfPoema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdfCaroline Assis
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literárioFábio Guimarães
 
A Poesia Visual
A  Poesia  VisualA  Poesia  Visual
A Poesia Visualtita
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideFiguras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideIvana Bastos
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blogLuciene Gomes
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporâneaBeatriz Araujo
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacVitor Morais
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoCrisBiagio
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordelGracita Fraga
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismoLuciene Gomes
 

Mais procurados (20)

Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Revisão literatura - quinhentismo - barroco - arcadismo - romantismo
Revisão   literatura - quinhentismo - barroco - arcadismo - romantismoRevisão   literatura - quinhentismo - barroco - arcadismo - romantismo
Revisão literatura - quinhentismo - barroco - arcadismo - romantismo
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Poema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdfPoema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdf
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
A Poesia Visual
A  Poesia  VisualA  Poesia  Visual
A Poesia Visual
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideFiguras de linguagem slide
Figuras de linguagem slide
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Gênero lírico
Gênero líricoGênero lírico
Gênero lírico
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 

Semelhante a Enem literatura

questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfBiancaBatista53
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraSeduc/AM
 
Simulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraSimulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraJesrayne Nascimento
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasilJonatas Carlos
 
Apostila 2º ano questões com gabarito
Apostila 2º ano questões com gabaritoApostila 2º ano questões com gabarito
Apostila 2º ano questões com gabaritoClarice Escouto Santos
 
Modernismo brasileiro – 1ª fase
Modernismo brasileiro – 1ª faseModernismo brasileiro – 1ª fase
Modernismo brasileiro – 1ª faseAires Jones
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualSeduc/AM
 
Espumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesEspumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesma.no.el.ne.ves
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augustoteresakashino
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª faseJonatas Carlos
 
Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeAline Almeida
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaotsciepalexandrecarvalho
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na TavernaKauan_ts
 

Semelhante a Enem literatura (20)

questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdf
 
Simulado lit-prise 2.1 ok
Simulado lit-prise 2.1 okSimulado lit-prise 2.1 ok
Simulado lit-prise 2.1 ok
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileira
 
Simulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraSimulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileira
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Simulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 okSimulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 ok
 
Apostila 2º ano questões com gabarito
Apostila 2º ano questões com gabaritoApostila 2º ano questões com gabarito
Apostila 2º ano questões com gabarito
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
 
Modernismo brasileiro – 1ª fase
Modernismo brasileiro – 1ª faseModernismo brasileiro – 1ª fase
Modernismo brasileiro – 1ª fase
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
 
Espumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesEspumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alves
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andrade
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
 
01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 

Mais de Valdimiro Cardoso

1ª ano -Fonética e Fonologia.pdf
1ª ano -Fonética e Fonologia.pdf1ª ano -Fonética e Fonologia.pdf
1ª ano -Fonética e Fonologia.pdfValdimiro Cardoso
 
3ª ano - As preposições e sua construção de sentidos no texto..pdf
3ª ano - As preposições e sua construção de sentidos no texto..pdf3ª ano - As preposições e sua construção de sentidos no texto..pdf
3ª ano - As preposições e sua construção de sentidos no texto..pdfValdimiro Cardoso
 
Politica-de-Diversidade_Instituto_Natura_2019.pdf
Politica-de-Diversidade_Instituto_Natura_2019.pdfPolitica-de-Diversidade_Instituto_Natura_2019.pdf
Politica-de-Diversidade_Instituto_Natura_2019.pdfValdimiro Cardoso
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.pptValdimiro Cardoso
 
Representação lexical do sujeito da oração..ppt
Representação lexical do sujeito da oração..pptRepresentação lexical do sujeito da oração..ppt
Representação lexical do sujeito da oração..pptValdimiro Cardoso
 
Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519
Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519
Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519Valdimiro Cardoso
 
Apostila de licitacoes_e_contratos_administrativos cgu (1)
Apostila de licitacoes_e_contratos_administrativos cgu (1)Apostila de licitacoes_e_contratos_administrativos cgu (1)
Apostila de licitacoes_e_contratos_administrativos cgu (1)Valdimiro Cardoso
 
D.04.14.35 edital para exame online cpa-10 e atualiza -o
D.04.14.35   edital para exame online cpa-10 e atualiza -oD.04.14.35   edital para exame online cpa-10 e atualiza -o
D.04.14.35 edital para exame online cpa-10 e atualiza -oValdimiro Cardoso
 

Mais de Valdimiro Cardoso (15)

1ª ano -Fonética e Fonologia.pdf
1ª ano -Fonética e Fonologia.pdf1ª ano -Fonética e Fonologia.pdf
1ª ano -Fonética e Fonologia.pdf
 
8-interpretacao.ppt
8-interpretacao.ppt8-interpretacao.ppt
8-interpretacao.ppt
 
3ª ano - As preposições e sua construção de sentidos no texto..pdf
3ª ano - As preposições e sua construção de sentidos no texto..pdf3ª ano - As preposições e sua construção de sentidos no texto..pdf
3ª ano - As preposições e sua construção de sentidos no texto..pdf
 
Politica-de-Diversidade_Instituto_Natura_2019.pdf
Politica-de-Diversidade_Instituto_Natura_2019.pdfPolitica-de-Diversidade_Instituto_Natura_2019.pdf
Politica-de-Diversidade_Instituto_Natura_2019.pdf
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
 
acordo-ortogrfico.ppt
acordo-ortogrfico.pptacordo-ortogrfico.ppt
acordo-ortogrfico.ppt
 
GABARITOENEM1DIA.pdf
GABARITOENEM1DIA.pdfGABARITOENEM1DIA.pdf
GABARITOENEM1DIA.pdf
 
SIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdfSIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdf
 
2ano_machado_de_assis.ppt
2ano_machado_de_assis.ppt2ano_machado_de_assis.ppt
2ano_machado_de_assis.ppt
 
Representação lexical do sujeito da oração..ppt
Representação lexical do sujeito da oração..pptRepresentação lexical do sujeito da oração..ppt
Representação lexical do sujeito da oração..ppt
 
Analisedetexto2017
Analisedetexto2017Analisedetexto2017
Analisedetexto2017
 
Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519
Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519
Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519
 
Apostila de licitacoes_e_contratos_administrativos cgu (1)
Apostila de licitacoes_e_contratos_administrativos cgu (1)Apostila de licitacoes_e_contratos_administrativos cgu (1)
Apostila de licitacoes_e_contratos_administrativos cgu (1)
 
D.04.14.35 edital para exame online cpa-10 e atualiza -o
D.04.14.35   edital para exame online cpa-10 e atualiza -oD.04.14.35   edital para exame online cpa-10 e atualiza -o
D.04.14.35 edital para exame online cpa-10 e atualiza -o
 
Cpa 10
Cpa 10Cpa 10
Cpa 10
 

Último

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 

Último (20)

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 

Enem literatura

  • 2. Uma das características da literatura no Enem é cobrar apenas escritores brasileiros, o que elimina parte dos conteúdos exigidos em outros vestibulares, como é o caso da literatura portuguesa, na figura de Camões. Professor de Português e Literatura do cursinho Anglo, de São Paulo, Eduardo Calbucci salienta que a prova sempre deu ênfase ao período modernista, movimento iniciado na primeira metade do século 20 e que tem como principal marco a realização da Semana de Arte Moderna. Ao apontar os autores mais valorizados pelo exame, Calbucci cita Manuel Bandeira, Graciliano Ramos, João Cabral de Melo Neto e Carlos Drummond de Andrade, porém ele alerta que não é necessário os estudantes lerem todas as obras e se aprofundarem muito. “O que precisa ter é familiaridade com as características do Modernismo, até porque não adianta conhecer a fundo os livros, pois a prova não vai pedir alguma questão específica”, explica. Segundo o professor, nas questões envolvendo literatura, existem três modelos de perguntas que são mais frequentes no Enem.
  • 3. O primeiro consiste em analisar um poema e compreender o texto literário, para indicar sobre o que está tratando o exemplo. O segundo apresenta o poema de um autor para que o aluno analise e identifique suas principais características. O Enem também pede para o aluno relacionar dois textos: o literário e uma crítica feita por um especialista. “Nesse caso, podemos ter um crítico falando sobre como Machado de Assis conversava com o leitor, a partir daí, o aluno terá que identificar, na obra, onde isso está indicado”, exemplifica o professor. Para Calbucci, é fundamental rever as provas anteriores para saber como elas são, pois assim a pessoa vai estar preparada para o Enem desse ano, que ocorre nos dias 22 e 23 de outubro. “O exame é caracterizado pela previsibilidade, não ocorrem grandes mudanças nas perguntas de um ano para o outro, assim o estudante já vai para o Enem com alguma noção”, afirma. Fonte: Portal Terra Educação
  • 4. 01) O trecho a seguir é parte do poema “Mocidade e morte”, do poeta romântico Castro Alves: Oh! eu quero viver, beber perfumes Na flor silvestre, que embalsama os ares; Ver minh'alma adejar pelo infinito, Qual branca vela n'amplidão dos mares. No seio da mulher há tanto aroma... Nos seus beijos de fogo há tanta vida... –– Árabe errante, vou dormir à tarde À sombra fresca da palmeira erguida. Mas uma voz responde-me sombria: Terás o sono sob a lájea fria. (ALVES, Castro. Os melhores poemas de Castro Alves. Seleção de Lêdo Ivo. São Paulo: Global, 1983.)
  • 5. Esse poema, como o próprio título sugere, aborda o inconformismo do poeta com a antevisão da morte prematura, ainda na juventude. A imagem da morte aparece na palavra: a) embalsama. b) infinito. c) amplidão. d) dormir. e) sono.
  • 6. Romantismo – Realismo 02) No trecho abaixo, o narrador, ao descrever a personagem, critica sutilmente um outro estilo de época: o Romantismo. “Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos; era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça, e, com certeza, a mais voluntariosa. Não digo que já lhe coubesse a primazia da beleza, entre as mocinhas do tempo, porque isto não é romance, em que o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas; mas também não digo que lhe maculasse o rosto nenhuma sarda ou espinha, não. Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, que o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da criação.” (ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. Rio de Janeiro: Jackson,1957.)
  • 7. A frase do texto em que se percebe a crítica do narrador ao Romantismo está transcrita na alternativa: a) ... o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas ... b) ... era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça ... c) Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, ... d) Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos ... e) ... o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da criação.
  • 8. Realismo (Machado de Assis) 03) O texto abaixo foi extraído de uma crônica de Machado de Assis e refere-se ao trabalho de um escravo. “Um dia começou a guerra do Paraguai e durou cinco anos, João repicava e dobrava, dobrava e repicava pelos mortos e pelas vitórias. Quando se decretou o ventre livre dos escravos, João é que repicou. Quando se fez a abolição completa, quem repicou foi João. Um dia proclamou-se a República. João repicou por ela, repicaria pelo Império, se o Império retornasse.” (MACHADO, Assis de. Crônica sobre a morte do escravo João , 1897)
  • 9. A leitura do texto permite afirmar que o sineiro João: a) por ser escravo tocava os sinos, às escondidas, quando ocorriam fatos ligados à Abolição. b) não poderia tocar os sinos pelo retorno do Império, visto que era escravo. c) tocou os sinos pela República, proclamada pelos abolicionistas que vieram libertá-lo. d) tocava os sinos quando ocorriam fatos marcantes porque era costume fazê-lo. e) tocou os sinos pelo retorno do Império, comemorando a volta da Princesa Isabel.
  • 10. Realismo (Naturalismo) Texto para questão 04. Viam-se de cima as casas acavaladas umas pelas outras, formando ruas, contornando praças. As chaminés principiavam a fumar; deslizavam as carrocinhas multicores dos padeiros; as vacas de leite caminhavam com o seu passo vagaroso, parando à porta dos fregueses, tilintando o chocalho; os quiosques vendiam café a homens de jaqueta e chapéu desabado; cruzavam- se na rua os libertinos retardios com os operários que se levantavam para a obrigação; ouvia-se o ruído estalado dos carros de água, o rodar monótono dos bondes. (AZEVEDO, Aluísio de. Casa de Pensão. São Paulo: Martins, 1973)
  • 11. 04) O trecho, retirado de romance escrito em 1884, descreve o cotidiano de uma cidade, no seguinte contexto: a) a convivência entre elementos de uma economia agrária e os de uma economia industrial indicam o início da industrialização no Brasil, no século XIX. b) desde o século XVIII, a principal atividade da economia brasileira era industrial, como se observa no cotidiano descrito. c) apesar de a industrialização ter-se iniciado no século XIX, ela continuou a ser uma atividade pouco desenvolvida no Brasil. d) apesar da industrialização, muitos operários levantavam cedo, porque iam diariamente para o campo desenvolver Atividades rurais. e) a vida urbana, caracterizada pelo cotidiano apresentado no texto, ignora a industrialização existente na época.
  • 12. Modernismo – 1ª Fase (Manuel Bandeira) Texto para questão 05. Poética Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e [manifestações de apreço ao Sr. diretor. Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o [cunho vernáculo de um vocábulo Abaixo os puristas ............................................................................................ Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbedos O lirismo difícil e pungente dos bêbedos O lirismo dos clowns de Shakespeare — Não quero mais saber do lirismo que não é libertação. (BANDEIRA, Manuel. Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro. Aguilar, 1974)
  • 13. 05) Com base na leitura do poema, podemos afirmar corretamente que o poeta: a) critica o lirismo louco do movimento modernista. b) critica todo e qualquer lirismo na literatura. c) propõe o retorno ao lirismo do movimento clássico. d) propõe o retorno ao lirismo do movimento romântico. e) propõe a criação de um novo lirismo.
  • 14. 06) Oxímoro (ou paradoxo) é uma construção textual que agrupa significados que se excluem mutuamente. Nas alternativas abaixo, estão transcritos versos retirados do poema “O operário em construção”. Pode-se afirmar que ocorre um oxímoro em: a) "Era ele que erguia casas Onde antes só havia chão." b) "... a casa que ele fazia Sendo a sua liberdade Era a sua escravidão." c) "Naquela casa vazia Que ele mesmo levantara Um mundo novo nascia De que sequer suspeitava." d) "... o operário faz a coisa E a coisa faz o operário." e) "Ele, um humilde operário Um operário que sabia Exercer a profissão." (MORAES, Vinícius de. Antologia Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.)
  • 15. Modernismo – 2ª Fase – Poesia (Carlos Drummond de Andrade) A questão 07 refere-se ao poema. A dança e a alma A DANÇA? Não é movimento, súbito gesto musical. É concentração, num momento, da humana graça natural. No solo não, no éter pairamos, nele amaríamos ficar. A dança – não vento nos ramos: seiva, força, perene estar. Um estar entre céu e chão, novo domínio conquistado, onde busque nossa paixão libertar-se por todo lado... Onde a alma possa descrever suas mais divinas parábolas sem fugir à forma do ser, por sobre o mistério das fábulas. (Carlos Drummond de Andrade. Obra completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1964. p. 366.)
  • 16. 07) A definição de dança, em linguagem de dicionário, que mais se aproxima do que está expresso no poema é: a) a mais antiga das artes, servindo como elemento de comunicação e afirmação do homem em todos os momentos de sua existência. b) a forma de expressão corporal que ultrapassa os limites físicos, possibilitando ao homem a liberação de seu espírito. c) a manifestação do ser humano, formada por uma seqüência de gestos, passos e movimentos desconcertados. d) o conjunto organizado de movimentos do corpo, com ritmo determinado por instrumentos musicais, ruídos, cantos, emoções etc. e) o movimento diretamente ligado ao psiquismo do indivíduo e, por conseqüência, ao seu desenvolvimento intelectual e à sua cultura.
  • 17. Modernismo – 3ª Fase (Geração de 45) 08) Leia o que disse João Cabral de Melo Neto, poeta pernambucano, sobre a função de seus textos: “Falo somente com o que falo: a linguagem enxuta, contato denso; falo somente do que falo: a vida seca, áspera e clara do sertão; falo somente por quem falo: o homem sertanejo sobrevivendo na adversidade e na míngua. Falo somente para quem falo: para os que precisam ser alertados para a situação da miséria no Nordeste.” Para João Cabral de Melo Neto, no texto literário, a) a linguagem do texto deve refletir o tema, e a fala do autor deve denunciar o fato social para determinados leitores. b) a linguagem do texto não deve ter relação com o tema, e o autor deve ser imparcial para que seu texto seja lido. c) o escritor deve saber separar a linguagem do tema e a perspectiva pessoal da perspectiva do leitor. d) a linguagem pode ser separada do tema, e o escritor deve ser o delator do fato social para todos os leitores. e) linguagem está além do tema, e o fato social deve ser a proposta do escritor para convencer o leitor. Literatura Contemporânea (Ferreira Gullar)