SlideShare uma empresa Scribd logo
1902
  A
1922
Foi um período
literário
brasileiro, que
marca a transição
entre o
Parnasianismo e
Simbolismo e o
movimento
Modernista
seguinte em
Portugal.
   O fim do século XIX marca o início da “República
    do café-com-leite”, na qual os grandes
    proprietários rurais exerciam enorme influência.




Caricatura de Osvaldo Storni sobre as eleições de 1910
 Nossa
 urbanização, ai
 nda
 incipiente, não
 produzia o
 quadro de
 tensão no qual
 vivia a
 Europa, mas já
 dava sinais de
 crescimento
 principalmente
 em São Paulo.     Rua 15 de Novembro - 1915
O ciclo da borracha desloca para o norte a riqueza do
país, acentuando os contrastes sociais: algumas regiões
prosperavam em meio ao atraso irremediável de outras.
As tensões geraram
      inúmeras
 revoltas, como a
     Revolta de
Canudos, na Bahia;
a série de conflitos
no Ceará em torno
 do religioso Padre
    Cícero; e o
cangaço, em pleno
        sertão
nordestino, que nos
apresentou a figura
    de Virgulino
     Ferreira, o
      Lampião.         O bando de cangaceiros de Lampião
A capital, Rio de Janeiro, sangrava seus problemas sociais. A
insurreição ao poder constituído foi desde a Revolta da Vacina –
 uma rebelião popular contra a vacinação obrigatória, mas que
guardava suas reivindicações sociais – até a Revolta da Chibata –
     uma rebelião de marinheiros contra os castigos físicos.




                                                         Charge
                                                         de
                                                         Leônidas
                                                         sobre a
                                                         Revolta
                                                         da
                                                         Vacina
Não se pode dizer que
o Pré-modernismo
constitui-se em uma
escola literária em si.
É, em verdade, um
conjunto de
manifestações do
espírito de uma
época, que
apresentava o
novo, rompia com o
velho, mas ainda não
possuía um rumo certo
ou uma clara intenção
estética.
Lima
                        Barreto


                                                Euclides da
Monteiro                                          Cunha
 Lobato
                     Pré-modernistas




           Augusto
             dos                       Graça Aranha
            Anjos
No nordeste do Brasil
 1- Ruptura com o
  passado;
 2- Denúncia da
  realidade brasileira;
 3- Regionalismo;
 4- Tipos humanos
  marginalizados.
Augusto dos Anjos     Monteiro Lobato         Lima Barreto




              Graça Aranha        Euclides da Cunha
   Esses novos autores
    demonstram um grande
    interesse pela realidade
    nacional, contrariando o
    universalismo dos modelos
    realista-naturalistas. O
    cotidiano brasileiro passa
    a ser exposto nas páginas
    dos livros, dando espaço a
    criação de obras de nítida
    preocupação social. Os
    tipos marginalizados, as
    lutas inglórias e as
    mazelas do povo passam a
    ser os temas da prosa pré-
    modernista.
   A aproximação com a
    realidade brasileira traz
    como consequência
    formal a busca por uma
    linguagem mais
    simples, mais
    direta, coloquial, próxima
    da população. Os textos
    apresentam linguagem
    jornalística, aproximando
    -se, por vezes, mais da
    realidade que de um
    estilo artístico
    propriamente dito.
“O sertanejo
é, antes de
tudo, um forte.
Não tem o
raquitismo
exaustivo dos
mestiços do
litoral. A sua
aparência, entr
etanto, ao
primeiro lance
de vista, revela
o contrário.”
Os sertões
“E era assim todos os
dias, há quase trinta
anos. Vivendo em casa
própria e tendo outros
rendimentos além do
seu ordenado, o Major
Quaresma podia levar
um trem de vida
superior ao seus
recursos
burocráticos, gozando,
por parte da
vizinhança, da
consideração e respeito
de homem abastado.”

 Triste Fim de Policarpo
              Quaresma
“- Upa! Cavalgo e parto.
 Por estes dias de março
       a natureza acorda
 tarde. Passa as manhãs
embrulhada num roupão
      de neblina e é com
    espreguiçamentos de
 mulher vadia que despe
os véus da cerração para
          o banho de sol.
A névoa esmaia o relevo
  da paisagem, desbota-
       lhe as cores. Tudo
    parece coado através
 dum cristal despolido.”

                 Urupês
Versos Íntimos
(...)
Toma um fósforo.
Acende teu
cigarro!
O beijo, amigo, é a
véspera
do escarro,
A mão que afaga é a
mesma
que apedreja.

Se a alguém causa
inda pena
a tua chaga,
Apedreja essa mão vil
que te
afaga,
Escarra nessa boca
que te
beija!
Abaixo você encontra um vídeo da mini-série Desejo, escrita por Glória
        Perez e produzida pela Rede Globo de Televisão em 1990. Nos papeis
     principais, Tarcísio Meira (como Euclides da Cunha), Vera Fischer (como
              Anna de Assis) e Guilherme Fontes (como Dilermando de Assis).




http://www.youtube.com/watch?v=N2m0v7DcvMA
Principal
obra:
“Os Sertões”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
Eliete Sampaio Farneda
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Faell Vasconcelos
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
Ademir Miranda
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
Faell Vasconcelos
 
Aulas Redação: Competência 4
Aulas Redação: Competência 4Aulas Redação: Competência 4
Aulas Redação: Competência 4
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 
Poesia de 30
Poesia de 30Poesia de 30
Poesia de 30
glicéria lima
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
Claudia Ribeiro
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
CrisBiagio
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
ionasilva
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 

Mais procurados (20)

1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Aulas Redação: Competência 4
Aulas Redação: Competência 4Aulas Redação: Competência 4
Aulas Redação: Competência 4
 
Poesia de 30
Poesia de 30Poesia de 30
Poesia de 30
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 

Semelhante a Pré modernismo

Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª LisandraPr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª Lisandra
Laboratório de Informática
 
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
morgananogueira2
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
Marlene Cunhada
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Walace Cestari
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Walace Cestari
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
edvaldo63
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Walace Cestari
 
Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
Miuria Goes
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Cynthia Funchal
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Ingrid Coelho
 
Poesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismoPoesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismo
claudia tc
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
Jose Arnaldo Silva
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Madeleine Marcelino
 
PRÉ-MODERNISMO.pptx
PRÉ-MODERNISMO.pptxPRÉ-MODERNISMO.pptx
PRÉ-MODERNISMO.pptx
Eldária Silva
 
PRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptxPRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptx
EspaoCriativo4
 
PRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptxPRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptx
Marlene Cunhada
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
terceirob
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
José Ricardo Lima
 

Semelhante a Pré modernismo (20)

Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª LisandraPr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª Lisandra
 
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Poesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismoPoesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismo
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
PRÉ-MODERNISMO.pptx
PRÉ-MODERNISMO.pptxPRÉ-MODERNISMO.pptx
PRÉ-MODERNISMO.pptx
 
PRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptxPRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptx
 
PRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptxPRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptx
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 

Pré modernismo

  • 1.
  • 3. Foi um período literário brasileiro, que marca a transição entre o Parnasianismo e Simbolismo e o movimento Modernista seguinte em Portugal.
  • 4. O fim do século XIX marca o início da “República do café-com-leite”, na qual os grandes proprietários rurais exerciam enorme influência. Caricatura de Osvaldo Storni sobre as eleições de 1910
  • 5.  Nossa urbanização, ai nda incipiente, não produzia o quadro de tensão no qual vivia a Europa, mas já dava sinais de crescimento principalmente em São Paulo. Rua 15 de Novembro - 1915
  • 6. O ciclo da borracha desloca para o norte a riqueza do país, acentuando os contrastes sociais: algumas regiões prosperavam em meio ao atraso irremediável de outras.
  • 7. As tensões geraram inúmeras revoltas, como a Revolta de Canudos, na Bahia; a série de conflitos no Ceará em torno do religioso Padre Cícero; e o cangaço, em pleno sertão nordestino, que nos apresentou a figura de Virgulino Ferreira, o Lampião. O bando de cangaceiros de Lampião
  • 8. A capital, Rio de Janeiro, sangrava seus problemas sociais. A insurreição ao poder constituído foi desde a Revolta da Vacina – uma rebelião popular contra a vacinação obrigatória, mas que guardava suas reivindicações sociais – até a Revolta da Chibata – uma rebelião de marinheiros contra os castigos físicos. Charge de Leônidas sobre a Revolta da Vacina
  • 9. Não se pode dizer que o Pré-modernismo constitui-se em uma escola literária em si. É, em verdade, um conjunto de manifestações do espírito de uma época, que apresentava o novo, rompia com o velho, mas ainda não possuía um rumo certo ou uma clara intenção estética.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14. Lima Barreto Euclides da Monteiro Cunha Lobato Pré-modernistas Augusto dos Graça Aranha Anjos
  • 15. No nordeste do Brasil
  • 16.  1- Ruptura com o passado;  2- Denúncia da realidade brasileira;  3- Regionalismo;  4- Tipos humanos marginalizados.
  • 17. Augusto dos Anjos Monteiro Lobato Lima Barreto Graça Aranha Euclides da Cunha
  • 18. Esses novos autores demonstram um grande interesse pela realidade nacional, contrariando o universalismo dos modelos realista-naturalistas. O cotidiano brasileiro passa a ser exposto nas páginas dos livros, dando espaço a criação de obras de nítida preocupação social. Os tipos marginalizados, as lutas inglórias e as mazelas do povo passam a ser os temas da prosa pré- modernista.
  • 19. A aproximação com a realidade brasileira traz como consequência formal a busca por uma linguagem mais simples, mais direta, coloquial, próxima da população. Os textos apresentam linguagem jornalística, aproximando -se, por vezes, mais da realidade que de um estilo artístico propriamente dito.
  • 20. “O sertanejo é, antes de tudo, um forte. Não tem o raquitismo exaustivo dos mestiços do litoral. A sua aparência, entr etanto, ao primeiro lance de vista, revela o contrário.” Os sertões
  • 21. “E era assim todos os dias, há quase trinta anos. Vivendo em casa própria e tendo outros rendimentos além do seu ordenado, o Major Quaresma podia levar um trem de vida superior ao seus recursos burocráticos, gozando, por parte da vizinhança, da consideração e respeito de homem abastado.” Triste Fim de Policarpo Quaresma
  • 22. “- Upa! Cavalgo e parto. Por estes dias de março a natureza acorda tarde. Passa as manhãs embrulhada num roupão de neblina e é com espreguiçamentos de mulher vadia que despe os véus da cerração para o banho de sol. A névoa esmaia o relevo da paisagem, desbota- lhe as cores. Tudo parece coado através dum cristal despolido.” Urupês
  • 23. Versos Íntimos (...) Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é a véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que apedreja. Se a alguém causa inda pena a tua chaga, Apedreja essa mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija!
  • 24.
  • 25. Abaixo você encontra um vídeo da mini-série Desejo, escrita por Glória Perez e produzida pela Rede Globo de Televisão em 1990. Nos papeis principais, Tarcísio Meira (como Euclides da Cunha), Vera Fischer (como Anna de Assis) e Guilherme Fontes (como Dilermando de Assis). http://www.youtube.com/watch?v=N2m0v7DcvMA