SlideShare uma empresa Scribd logo
ELABORAÇÃO DE PROJETOS
           INOVADORES
Nosso objetivo

• Desenvolver nos participantes as competências
  necessárias para a elaboração de projetos para a
 captação de recursos para a inovação tecnológica
 junto aos editais e linhas das agências de fomento
 nacionais.
Projeto

• Projeto é um
  esforço temporário
  empreendido para
  criar um produto,
  serviço ou
  resultado único.
                 (PMI, 2004)
Projeto

• Os projetos não são elaborados apenas para obter
  benefício de mecanismos públicos de estímulo ao
  desenvolvimento e à inovação tecnológica.

• O projeto é formulado como resultado do
  surgimento de oportunidades para a organização ou
  da necessidade de superar entraves às suas
  atividades.
Elaboração de projetos inovadores


  Concepção    Detalhamento    Implementação   Fechamento




                 Escopo
Interessados     Riscos
               Viabilidade
  Grau de      Modelo de        Fontes
 Inovação      referência     Formulários
Elaboração de projetos inovadores


  Concepção    Detalhamento    Implementação   Fechamento




                 Escopo
Interessados     Riscos
               Viabilidade
  Grau de      Modelo de        Fontes
 Inovação      referência     Formulários
Elaboração de projetos inovadores


  Concepção    Detalhamento    Implementação   Fechamento




                 Escopo
Interessados     Riscos
               Viabilidade
  Grau de      Modelo de        Fontes
 Inovação      referência     Formulários
Escopo

• Escopo do produto está relacionado ao conjunto de
  características e funções que o produto final deve
  possuir, sendo representado em documentos como:
  requisitos, especificações, desenhos, etc.

• Escopo do projeto está relacionado ao trabalho que
  deve ser realizado para que seja entregue o produto
  final do projeto com as características e funções que
  foram definidas.
Definição do Escopo

             Produto                           Projeto

       “O que” será criado         “Como” o produto será obtido

•Requisitos, traduzidos nas      •Utilização de informações do
seguintes dimensões:             escopo do produto
    o Características técnicas   •Contexto e grau de atratividade
    o Funções                    •Justificativa e razões pelos quais o
                                 projeto deve ser realizado
                                 •Objetivos
                                 •Recursos
                                 •Deliverables
                                 •Custos e prazos
Sugestões




• Deve ser claro, sucinto, e representar o objetivo do
  projeto.

• Ex. Desenvolvimento de um biocombustível...

      Implantação de uma solução tecnológica...
Sugestões



• Indica as razões pelas quais o projeto está sendo
  proposto pela empresa.
• É sugerida a visão sistêmica na redação deste item.
Sugestões


• Deve ser explicitado de forma clara:
   – qual o problema técnico a ser resolvido, a sua
     causa, a necessidade de solução e o resultado
     final do projeto, bem como a suas principais
     contribuições – benefícios (abrangência local,
     regional, etc).
   – Por que financiar o projeto? Por que financiar a
     equipe? Por que o arranjo com as Instituições ?
Sugestões


• Deve expressar e especificar as principais
  característica técnicas do resultado tecnológico
  esperado.



• Objetivos específicos: São os resultados esperados
  (metas parciais) que devem ser obtidos até o final
  do projeto.
Sugestões


• Deve mostrar quais competências a empresa possui
  e quais outras ela necessita acessar a partir da
  formação de parcerias ou redes.


• Pode demonstrar ainda o envolvimento de
  fornecedores ou sinalização de interesse de clientes.

• Parcerias com ICTs.
Sugestões


• Importante ressaltar as competências e conhecimentos
  existentes na empresa ou nos parceiros que demonstra
  capacidade para executar o projeto.
Sugestões


• Quais etapas são necessárias para que o produto final
  seja gerado?
• Inclui relatórios de estudos preliminares, projeto,
  desenho industrial, patentes e prototipagem.
• Produto final: Objeto do projeto/proposta.
Sugestões


• Indicação de quando os subprodutos e produto devem
  estar prontos.
• Dimensão temporal associada a uma dimensão física
  (resultados) da empresa.
#importante
         Resultados Esperados
• Impacto tecnológico: é a contribuição do projeto e de
  resultado em termos tecnológicos (geração de novo
  produto ou processo). Pode ter como indicador o
  numero de depósitos de patente.
• Impacto econômico: é o potencial econômico do
  resultado (substituição de importação, transferência de
  tecnologia, novo processo de produção, etc).
• Impacto cientifico: contribuição do projeto e de seu
  resultado para a ampliação da base de conhecimento
  (novo conceito, artigos, teses, etc).
#importante
         Resultados Esperados
• Impacto social: é a contribuição do resultado do projeto
  para a sociedade, quer seja na qualidade de vida da
  populações em âmbito regional ou local (potencial de
  geração de empregos, ampliar a parcela da população
  com acesso a tecnologias, redução de mortalidade, etc).

• Impacto ambiental: é a contribuição do projeto e de seu
  resultado em termos de melhoria da qualidade da água,
  ar e solos, da preservação da diversidade biológica ou
  recuperação de degradação do meio ambiente.
Elaboração de projetos inovadores


  Concepção    Detalhamento    Implementação   Fechamento




                 Escopo
Interessados     Riscos
               Viabilidade
  Grau de      Modelo de        Fontes
 Inovação      referência     Formulários
Riscos

• Aspectos característicos dos projetos de inovação:

   – seus riscos próprios (técnico, prazo, custo, mercado,
     legal, etc.);

      • complexidade da tecnologia

      • inabilidade e/ou inexperiência em PD&I

   – eventuais valores destruídos pela introdução da
     nova tecnologia em lugar da anterior.
Riscos

• Análise de Cenário: variabilidade do retorno em
  resposta às mudanças na variável principal (fluxo de
  caixa).

         Otimista     Mais provável   Pessimista




• Possibilita analisar várias possibilidades no retorno.
• Comparação de vários cenários e previsão de ações
  preventivas no projeto.
Elaboração de projetos inovadores


  Concepção    Detalhamento    Implementação   Fechamento




                 Escopo
Interessados     Riscos
               Viabilidade
  Grau de      Modelo de        Fontes
 Inovação      referência     Formulários
Viabilidade técnica

• Refere-se à análise da capacidade de se desenvolver
  o sistema proposto com base na tecnologia e pessoal
  técnico disponível e necessária.
• Variáveis utilizadas para a definição da tecnologia
  mais adequada:


       Custos        Praticidade    Disponibilidade
Orçamento do Projeto

• Permitirá prever como e quanto os recursos financeiros
  serão necessários

• Servirá com referência ao longo da execução

• Relação atividades e custo do ciclo de vida do projeto
Orçamento do Projeto

Para estimar os valores, são necessárias algumas
  informações do projeto:

• As necessidades de recursos definidos e planejados

• As estimativas de tempo de duração de cada atividade

• A memória de custos de projetos anteriores

• O sistema contábil da empresa e as avaliações de risco
Análise Econômico-financeira

• A análise da viabilidade econômico-financeira significa
  estimar e analisar as perspectivas de desempenho
  financeiro do produto resultante do projeto.

• O primeiro passo para a realização da análise econômica
  é a montagem do fluxo de caixa, isto é, a definição do
  fluxo de entradas e saídas de dinheiro durante o ciclo de
  vida planejado para o produto.
Análise Econômico-financeira

• Os três componentes principais de um fluxo de caixa
  são:
  – Investimentos no
    novo produto
  – Receitas
  – Custos e
    despesas de
    produção
Análise Econômico-financeira

A - Investimento no novo produto:
• Tipo de Projeto: Dependendo do tipo de projeto o
investimento pode ser maior ou menor.
  – Disponibilidade de Recursos para a contratação de talentos,
  aquisição de máquinas, equipamentos, veículos, utensílios,
  computadores, etc.

  – Prospecção e seleção de patentes, tecnologias e licenças.

  – Gastos com estudos, pesquisas de mercado, projetos e
  capacitação de profissionais.
Análise Econômico-financeira

B - Receitas: Corresponde a estimativa de venda de
produtos e subprodutos gerados pela produção. Para o
cálculo dessa estimativa deve-se levar em consideração
os seguintes fatores:


     Preço
                      Produto           Demanda
     Final
Análise Econômico-financeira

C - Custos e despesas de produção:
• São os valores gastos diretamente e indiretamente para
a produção e comercialização do produto.
• Os custos são os gastos com um bem ou serviços
utilizados para a produção de outros bens.
• Os principais custos são os seguintes:
  –Matérias primas, embalagens, materiais auxiliares;
  –Mão-de-obra direta;
  –Consumo de energia elétrica, de água e de combustível;
  –Manutenção, seguros, aluguéis, diversos.
Análise Econômico-financeira

• Fluxo de caixa   permite comparações e análises do
  desempenho financeiro do projeto.
• Indicadores financeiros mais utilizados em projetos de
  desenvolvimento de produtos:
   • Valor Presente Líquido (VPL)
   • Taxa Interna de Retorno (TIR)
   • Método do período de retorno do investimento
     (payback).
Valor Presente Líquido (VPL)

• Método para análise de investimentos que determina o
  valor presente de pagamentos futuros.
• A taxa de conversão utilizada neste método é a Taxa
  Mínima de Atratividade (TMA)
   – É usada como taxa de desconto para trazer o valor
     num dado ano ao seu equivalente em outro período

   – Para descontar o fluxo de caixa líquido projetado de
     modo a trazê-lo ao tempo zero ou ao momento inicial
     do projeto e, com isso, calcular o valor atual líquido.
Valor Presente Líquido (VPL)

• Método para análise de investimentos que determina o
  valor presente de pagamentos futuros.
• Se esse valor for maior que zero, significa que o projeto
  será positivo para a empresa.


               VPL = -I + ∑ FCt / (1 + k)t

I – Investimento FCt – fluxo de caixa k – Taxa mínima de atratividade t – tempo
Taxa Interna de Retorno (TIR)

• Neste método, calcula-se a taxa que, aplicada no

  fluxo de caixa, gerará um VPL igual a zero, isto é, na

  qual todas as receitas irão se igualar aos custos e

  despesas de produção e investimento.
Período de retorno do
       investimento (Payback)
• Esse método compara o período em que o
  investimento passará a gerar lucro para a empresa.
• Momento exato que a empresa começa a recuperar
  seu investimento inicial.
• Cálculo usa concepção do Ponto de Equilíbrio.
Análise Econômico-financeira

• Cada um desses métodos resulta em informações
  diferentes, que podem ser utilizados de maneira
  complementar.
• O VPL é um método que fornece uma boa noção do
  montante que será obtido com o projeto, isto é, o
  valor que será captado, porém, ele não permite uma
  comparação fácil com outros investimentos.
• Esse aspecto é a grande vantagem da informação
  obtida na TIR, que fornece um valor facilmente
  comparável.
Análise Econômico-financeira

• Mas existem projetos que retornam um bom
  montante (VPL altamente positivo) e rentáveis (TIR
  acima da taxa de atratividade) mas cujo período de
  retorno de investimento é longo, significando que a
  empresa terá que amargar um bom período de
  prejuízo até a obtenção do lucro.

• Portanto, recomenda-se o cálculo conjunto.
Elaboração de projetos inovadores


  Concepção    Detalhamento    Implementação   Fechamento




                 Escopo
Interessados     Riscos
               Viabilidade
  Grau de      Modelo de        Fontes
 Inovação      referência     Formulários
Conceito Fundamental
A distinção entre tecnologias incrementais e de ruptura

Tecnologias incrementais
  Tecnologias que melhoram a performance dos produtos nas
  mesmas dimensões historicamente valorizadas pelos clientes


Tecnologias de ruptura
  Caracterizam-se por trazer ao mercado uma nova proposição de
  valor
  Em geral apresentam, no seu nascimento, performance inferior
  à tecnologia dominante
Descobertas Fundamentais

1. Existem diferenças estratégicas importantes entre o
   gerenciamento de tecnologias incrementais e de
   ruptura

2. Decisão de investir em tecnologias de ruptura não é
   financeiramente racional
   – Mercados são pequenos
   – Grandes clientes não se mostram interessados
O Dilema revelado

• As decisões lógicas e competentes, críticas para o
  sucesso das empresas, são as mesmas que as levam
  a perder a posição de liderança!
Fatores a Serem Considerados em
 Projetos de Inovação Disruptiva
Elaboração de projetos inovadores


  Concepção    Detalhamento    Implementação   Fechamento




                 Escopo
Interessados     Riscos
               Viabilidade
  Grau de      Modelo de        Fontes
 Inovação      referência     Formulários
Modelo de Referência


  Projetos radicais      Projetos plataformas ou
  (breakthrough)            próxima geração




Projetos follow-source
                          Projetos incrementais
Projetos radicais (breakthrough)

•   Alterações significativas
•   Nova categoria ou família de produtos
•   Requer processo de manufatura inovador
•   Novas tecnologias e materiais
Projetos plataformas ou próxima
              geração

• Alterações significativas
• Estrutura comum entre
  os diversos modelos de
  uma família
• Pode utilizar novas
  tecnologias ou materiais
• Novo sistema de
  soluções para o cliente
Projetos incrementais ou derivados

• Inovações incrementais nos produtos/processos
• Pequenas modificações em relação aos existentes
Projetos follow-source

• De outras unidades do grupo, clientes ou contrato de
  tecnologia.

• Não requer alterações significativas,

• Unidade local adapta para condições locais.

• Envolve validação do processo, equipamentos,
  ferramentas, a produção do lote piloto e o início da
  produção.
Elaboração de projetos inovadores


  Concepção    Detalhamento    Implementação   Fechamento




                 Escopo
Interessados     Riscos
               Viabilidade
  Grau de      Modelo de        Fontes
 Inovação      referência     Formulários
ANPEI
Elaboração de Projetos Inovadores
Elaboração de projetos inovadores


  Concepção    Detalhamento    Implementação   Fechamento




                 Escopo
Interessados     Riscos
               Viabilidade
  Grau de      Modelo de        Fontes
 Inovação      referência     Formulários
Erros mais comuns

• Descuido / desatenção

  – Envio de documentação incompleta

  – Falta de via impressa do projeto ou de assinaturas

  – Falhas na relação de itens solicitada

  – Preenchimento incorreto ou incompleto do
    formulário
Erros mais comuns

• Descumprimento de exigências de forma

  – Envio de material impresso após a data limite

  – Falta de CD de backup (quando solicitado)

  – Inelegibilidade de membro do consórcio executor

  – Falta de aderência aos objetivos do edital
Quem?



Para que?             O quê?




Quanto?               Como?



            Quando?
Quem?



Para que?   Parcerias de “ocasião”    O quê?
                  deixam poucos
              frutos...é importante
                   mencionar os
                  resultados das
               interações de longa
Quanto?        data, caso existam.    Como?



                   Quando?
Quem?



Para que?                                 O quê?
            Deixe explícito no texto os
                 pontos onde você
               responde aos itens de
              avaliação de mérito do
                       edital.
Quanto?                                   Como?



                     Quando?
Quem?



Para que?                               O quê?
            Não ignore questões de
                  apropriação do
             resultado (propriedade
              intelectual, divisão de
                   receitas, etc).
Quanto?                                 Como?



                    Quando?
Quem?



Para que?                            O quê?

            Cronogramas genéricos
             demais vs cronogramas
               detalhados demais

Quanto?                              Como?



                   Quando?
Quem?



Para que?                           O quê?

            Orçamentos genéricos
             demais vc orçamentos
              detalhados demais

Quanto?                             Como?



                  Quando?
Quem?



Para que?                           O quê?


            Objetivos vs impactos


Quanto?                             Como?



                   Quando?
Avaliação de Mérito
Obrigado!



 Jeovan Figueiredo
www.inovacao.ufms.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
Carlos Alves
 
Inovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeInovação & Criatividade
Inovação & Criatividade
Augusto Pinto
 
Pilares da Inovação
Pilares da InovaçãoPilares da Inovação
Pilares da Inovação
Leandro Liberio
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Diego Alexandre da Silva
 
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeAula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
Gustavo Zanotto
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
Aroldo Gavioli
 
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de NegócioExercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Laisa Mariana
 
Comportamento Emocional
Comportamento EmocionalComportamento Emocional
Comportamento Emocional
Tiago Malta
 
Gestao De Projetos
Gestao De ProjetosGestao De Projetos
Criatividade e Inovaçao
Criatividade e InovaçaoCriatividade e Inovaçao
Criatividade e Inovaçao
Jairo Siqueira
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
mauricio aquino
 
Empreendedorismo aula 01
Empreendedorismo   aula 01Empreendedorismo   aula 01
Empreendedorismo aula 01
Thiago Ianatoni
 
Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?
João Lima
 
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento HumanoPsicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Bruno Carrasco
 
Gestão de processos e qualidade
Gestão de processos e qualidadeGestão de processos e qualidade
Gestão de processos e qualidade
Gerisval Pessoa
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Aroldo Gavioli
 
Tecnologia, Midias Sociais e Saude Mental
Tecnologia, Midias Sociais e Saude MentalTecnologia, Midias Sociais e Saude Mental
Tecnologia, Midias Sociais e Saude Mental
Byte Girl
 
Gestão da Inovação
Gestão da InovaçãoGestão da Inovação
Gestão da Inovação
Graziela Bernardo Mota
 
Aula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosAula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de Projetos
Fernando Dantas
 
Mercado de trabalho
Mercado de trabalho Mercado de trabalho
Mercado de trabalho
elisabatista7
 

Mais procurados (20)

Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
 
Inovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeInovação & Criatividade
Inovação & Criatividade
 
Pilares da Inovação
Pilares da InovaçãoPilares da Inovação
Pilares da Inovação
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeAula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de NegócioExercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
 
Comportamento Emocional
Comportamento EmocionalComportamento Emocional
Comportamento Emocional
 
Gestao De Projetos
Gestao De ProjetosGestao De Projetos
Gestao De Projetos
 
Criatividade e Inovaçao
Criatividade e InovaçaoCriatividade e Inovaçao
Criatividade e Inovaçao
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
 
Empreendedorismo aula 01
Empreendedorismo   aula 01Empreendedorismo   aula 01
Empreendedorismo aula 01
 
Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?
 
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento HumanoPsicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento Humano
 
Gestão de processos e qualidade
Gestão de processos e qualidadeGestão de processos e qualidade
Gestão de processos e qualidade
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
Tecnologia, Midias Sociais e Saude Mental
Tecnologia, Midias Sociais e Saude MentalTecnologia, Midias Sociais e Saude Mental
Tecnologia, Midias Sociais e Saude Mental
 
Gestão da Inovação
Gestão da InovaçãoGestão da Inovação
Gestão da Inovação
 
Aula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosAula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de Projetos
 
Mercado de trabalho
Mercado de trabalho Mercado de trabalho
Mercado de trabalho
 

Destaque

Estudo de viabilidade
Estudo de viabilidadeEstudo de viabilidade
Estudo de viabilidade
Fernando Godóy
 
Elaboração de projetos inovadores - CGR
Elaboração de projetos inovadores - CGRElaboração de projetos inovadores - CGR
Elaboração de projetos inovadores - CGR
Jeovan Figueiredo
 
Projeto tcc
Projeto tccProjeto tcc
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Consultoria - Estrategista Digital
Consultoria - Estrategista DigitalConsultoria - Estrategista Digital
Consultoria - Estrategista Digital
Nicola Liberato Miranda
 
Projeto de Produto - Vassoura Lavadora para economia de água e maior eficácia...
Projeto de Produto - Vassoura Lavadora para economia de água e maior eficácia...Projeto de Produto - Vassoura Lavadora para economia de água e maior eficácia...
Projeto de Produto - Vassoura Lavadora para economia de água e maior eficácia...
ragpl
 
(2) teoria geral administração (imagens)
(2) teoria geral administração (imagens)(2) teoria geral administração (imagens)
(2) teoria geral administração (imagens)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Apresentação: TCC: IMPLANTAÇÃO DE ROBÔ MANIPULADOR PARA MÁQUINA DE INJEÇÃO PL...
Apresentação: TCC: IMPLANTAÇÃO DE ROBÔ MANIPULADOR PARA MÁQUINA DE INJEÇÃO PL...Apresentação: TCC: IMPLANTAÇÃO DE ROBÔ MANIPULADOR PARA MÁQUINA DE INJEÇÃO PL...
Apresentação: TCC: IMPLANTAÇÃO DE ROBÔ MANIPULADOR PARA MÁQUINA DE INJEÇÃO PL...
Eduardo Alcântara F. da Silva
 
C:\Fakepath\Evte
C:\Fakepath\EvteC:\Fakepath\Evte
C:\Fakepath\Evte
guest8371f61
 
Apresentação fusão 3.0
Apresentação fusão 3.0Apresentação fusão 3.0
Projeto de importação de vidro temperado
Projeto de importação de vidro temperadoProjeto de importação de vidro temperado
Projeto de importação de vidro temperado
IBSolutions Soluções em Comércio Internacional
 
Roteiro consultoria de exportação
Roteiro consultoria de exportaçãoRoteiro consultoria de exportação
Roteiro consultoria de exportação
César William
 
Aula 8 - Projeto de Produto
Aula 8 - Projeto de ProdutoAula 8 - Projeto de Produto
Aula 8 - Projeto de Produto
Tiago Cruz
 
Diseño y Aplicación de Consultoria UNIDAD 1 Actividad 1
Diseño y Aplicación de Consultoria UNIDAD 1 Actividad 1Diseño y Aplicación de Consultoria UNIDAD 1 Actividad 1
Diseño y Aplicación de Consultoria UNIDAD 1 Actividad 1
DJHL
 
Modelo De Consultoria
Modelo De ConsultoriaModelo De Consultoria
Modelo De Consultoria
Sander Asma
 
Qué habilidades debe tener un consultor
Qué habilidades debe tener un consultorQué habilidades debe tener un consultor
Qué habilidades debe tener un consultor
tec matehuas
 
Gestión de un proyecto de consultoría
Gestión de un proyecto de consultoríaGestión de un proyecto de consultoría
Gestión de un proyecto de consultoría
guzadis
 
Funciones de un consultor
Funciones de un consultorFunciones de un consultor
Funciones de un consultor
tec matehuas
 
Consultoria de Marketing para Pequenas Empresas
Consultoria de Marketing para Pequenas EmpresasConsultoria de Marketing para Pequenas Empresas
Consultoria de Marketing para Pequenas Empresas
Alexandre Grolla
 
Aula 2 - Projeto de Produto
Aula 2  - Projeto de ProdutoAula 2  - Projeto de Produto
Aula 2 - Projeto de Produto
Tiago Cruz
 

Destaque (20)

Estudo de viabilidade
Estudo de viabilidadeEstudo de viabilidade
Estudo de viabilidade
 
Elaboração de projetos inovadores - CGR
Elaboração de projetos inovadores - CGRElaboração de projetos inovadores - CGR
Elaboração de projetos inovadores - CGR
 
Projeto tcc
Projeto tccProjeto tcc
Projeto tcc
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 
Consultoria - Estrategista Digital
Consultoria - Estrategista DigitalConsultoria - Estrategista Digital
Consultoria - Estrategista Digital
 
Projeto de Produto - Vassoura Lavadora para economia de água e maior eficácia...
Projeto de Produto - Vassoura Lavadora para economia de água e maior eficácia...Projeto de Produto - Vassoura Lavadora para economia de água e maior eficácia...
Projeto de Produto - Vassoura Lavadora para economia de água e maior eficácia...
 
(2) teoria geral administração (imagens)
(2) teoria geral administração (imagens)(2) teoria geral administração (imagens)
(2) teoria geral administração (imagens)
 
Apresentação: TCC: IMPLANTAÇÃO DE ROBÔ MANIPULADOR PARA MÁQUINA DE INJEÇÃO PL...
Apresentação: TCC: IMPLANTAÇÃO DE ROBÔ MANIPULADOR PARA MÁQUINA DE INJEÇÃO PL...Apresentação: TCC: IMPLANTAÇÃO DE ROBÔ MANIPULADOR PARA MÁQUINA DE INJEÇÃO PL...
Apresentação: TCC: IMPLANTAÇÃO DE ROBÔ MANIPULADOR PARA MÁQUINA DE INJEÇÃO PL...
 
C:\Fakepath\Evte
C:\Fakepath\EvteC:\Fakepath\Evte
C:\Fakepath\Evte
 
Apresentação fusão 3.0
Apresentação fusão 3.0Apresentação fusão 3.0
Apresentação fusão 3.0
 
Projeto de importação de vidro temperado
Projeto de importação de vidro temperadoProjeto de importação de vidro temperado
Projeto de importação de vidro temperado
 
Roteiro consultoria de exportação
Roteiro consultoria de exportaçãoRoteiro consultoria de exportação
Roteiro consultoria de exportação
 
Aula 8 - Projeto de Produto
Aula 8 - Projeto de ProdutoAula 8 - Projeto de Produto
Aula 8 - Projeto de Produto
 
Diseño y Aplicación de Consultoria UNIDAD 1 Actividad 1
Diseño y Aplicación de Consultoria UNIDAD 1 Actividad 1Diseño y Aplicación de Consultoria UNIDAD 1 Actividad 1
Diseño y Aplicación de Consultoria UNIDAD 1 Actividad 1
 
Modelo De Consultoria
Modelo De ConsultoriaModelo De Consultoria
Modelo De Consultoria
 
Qué habilidades debe tener un consultor
Qué habilidades debe tener un consultorQué habilidades debe tener un consultor
Qué habilidades debe tener un consultor
 
Gestión de un proyecto de consultoría
Gestión de un proyecto de consultoríaGestión de un proyecto de consultoría
Gestión de un proyecto de consultoría
 
Funciones de un consultor
Funciones de un consultorFunciones de un consultor
Funciones de un consultor
 
Consultoria de Marketing para Pequenas Empresas
Consultoria de Marketing para Pequenas EmpresasConsultoria de Marketing para Pequenas Empresas
Consultoria de Marketing para Pequenas Empresas
 
Aula 2 - Projeto de Produto
Aula 2  - Projeto de ProdutoAula 2  - Projeto de Produto
Aula 2 - Projeto de Produto
 

Semelhante a Elaboração de Projetos Inovadores

Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROOElaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
Jeovan Figueiredo
 
PDP FINAL.ppt
PDP  FINAL.pptPDP  FINAL.ppt
PDP FINAL.ppt
BrunoBoer3
 
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processosPp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Luciana C. L. Silva
 
PLM Summit 2019 - A05 - Matheus Terra
PLM Summit 2019 - A05 - Matheus TerraPLM Summit 2019 - A05 - Matheus Terra
PLM Summit 2019 - A05 - Matheus Terra
Evandro Gama (Prof. Dr.)
 
Proj informacional cap06
Proj informacional cap06Proj informacional cap06
Proj informacional cap06
Edmilson Lima, Me.
 
6 -capitulo_-_gest_o_desenvolvimento_produto__informacional_qfd
6  -capitulo_-_gest_o_desenvolvimento_produto__informacional_qfd6  -capitulo_-_gest_o_desenvolvimento_produto__informacional_qfd
6 -capitulo_-_gest_o_desenvolvimento_produto__informacional_qfd
Andrea Oliveira
 
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em EmpresasGestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Camilo Almendra
 
Proposta de Inovação (1)
Proposta de Inovação (1)Proposta de Inovação (1)
Proposta de Inovação (1)
Daniel Takabayashi, MSc
 
Conceitos basicos
Conceitos basicosConceitos basicos
Conceitos basicos
Wescley Sena
 
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Projetos e TI
 
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagemUm processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
Carlos Carvalho
 
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
Ricardo Wagner De Farias
 
Gestão de Operações
Gestão de OperaçõesGestão de Operações
Gestão de Operações
Wilian Gatti Jr
 
Gerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
Gerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 ediçãoGerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
Gerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
Rodrigo Lopes - Eng. - MBA - PMP - SCRUM - ITIL - COBIT
 
Conceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GPConceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GP
joao87vidal
 
Introdução a Gerência de Projetos_V0.ppt
Introdução a Gerência de Projetos_V0.pptIntrodução a Gerência de Projetos_V0.ppt
Introdução a Gerência de Projetos_V0.ppt
FrancielAmorim3
 
Workshop de Inovação Tecnológica da UFTM
Workshop de Inovação Tecnológica da UFTMWorkshop de Inovação Tecnológica da UFTM
Workshop de Inovação Tecnológica da UFTM
tiuberaba
 
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Synergia - Engenharia de Software e Sistemas
 
P.I.C. Processo de Inovação C.E.S.A.R
P.I.C. Processo de Inovação C.E.S.A.RP.I.C. Processo de Inovação C.E.S.A.R
P.I.C. Processo de Inovação C.E.S.A.R
CESAR
 
Treinamento em gestão de projetos
Treinamento em gestão de projetosTreinamento em gestão de projetos

Semelhante a Elaboração de Projetos Inovadores (20)

Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROOElaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
 
PDP FINAL.ppt
PDP  FINAL.pptPDP  FINAL.ppt
PDP FINAL.ppt
 
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processosPp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
 
PLM Summit 2019 - A05 - Matheus Terra
PLM Summit 2019 - A05 - Matheus TerraPLM Summit 2019 - A05 - Matheus Terra
PLM Summit 2019 - A05 - Matheus Terra
 
Proj informacional cap06
Proj informacional cap06Proj informacional cap06
Proj informacional cap06
 
6 -capitulo_-_gest_o_desenvolvimento_produto__informacional_qfd
6  -capitulo_-_gest_o_desenvolvimento_produto__informacional_qfd6  -capitulo_-_gest_o_desenvolvimento_produto__informacional_qfd
6 -capitulo_-_gest_o_desenvolvimento_produto__informacional_qfd
 
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em EmpresasGestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em Empresas
 
Proposta de Inovação (1)
Proposta de Inovação (1)Proposta de Inovação (1)
Proposta de Inovação (1)
 
Conceitos basicos
Conceitos basicosConceitos basicos
Conceitos basicos
 
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
 
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagemUm processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
 
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
 
Gestão de Operações
Gestão de OperaçõesGestão de Operações
Gestão de Operações
 
Gerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
Gerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 ediçãoGerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
Gerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
 
Conceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GPConceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GP
 
Introdução a Gerência de Projetos_V0.ppt
Introdução a Gerência de Projetos_V0.pptIntrodução a Gerência de Projetos_V0.ppt
Introdução a Gerência de Projetos_V0.ppt
 
Workshop de Inovação Tecnológica da UFTM
Workshop de Inovação Tecnológica da UFTMWorkshop de Inovação Tecnológica da UFTM
Workshop de Inovação Tecnológica da UFTM
 
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
 
P.I.C. Processo de Inovação C.E.S.A.R
P.I.C. Processo de Inovação C.E.S.A.RP.I.C. Processo de Inovação C.E.S.A.R
P.I.C. Processo de Inovação C.E.S.A.R
 
Treinamento em gestão de projetos
Treinamento em gestão de projetosTreinamento em gestão de projetos
Treinamento em gestão de projetos
 

Mais de Portal Inovação UFMS

Competitividade e Inovação
Competitividade e InovaçãoCompetitividade e Inovação
Competitividade e Inovação
Portal Inovação UFMS
 
Suplementa Certo
Suplementa CertoSuplementa Certo
Suplementa Certo
Portal Inovação UFMS
 
Apresentação Eco Máquinas
Apresentação Eco MáquinasApresentação Eco Máquinas
Apresentação Eco Máquinas
Portal Inovação UFMS
 
Competitividade pela Inovação
Competitividade pela InovaçãoCompetitividade pela Inovação
Competitividade pela Inovação
Portal Inovação UFMS
 
Registro Visual - Segundo Encontro de Inovação
Registro Visual - Segundo Encontro de InovaçãoRegistro Visual - Segundo Encontro de Inovação
Registro Visual - Segundo Encontro de Inovação
Portal Inovação UFMS
 
Registro Visual - Primeiro Encontro de Inovação 2013
Registro Visual - Primeiro Encontro de Inovação 2013Registro Visual - Primeiro Encontro de Inovação 2013
Registro Visual - Primeiro Encontro de Inovação 2013
Portal Inovação UFMS
 
Apresentação Encontros de Inovação
Apresentação Encontros de InovaçãoApresentação Encontros de Inovação
Apresentação Encontros de Inovação
Portal Inovação UFMS
 
Apresentação FNQ Encontro de Inovação
Apresentação FNQ Encontro de InovaçãoApresentação FNQ Encontro de Inovação
Apresentação FNQ Encontro de Inovação
Portal Inovação UFMS
 
Como transformar conhecimento em inovação
Como transformar conhecimento em inovaçãoComo transformar conhecimento em inovação
Como transformar conhecimento em inovação
Portal Inovação UFMS
 
Programa empresa junior UFMS
Programa empresa junior UFMSPrograma empresa junior UFMS
Programa empresa junior UFMS
Portal Inovação UFMS
 
INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA
INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESAINTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA
INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA
Portal Inovação UFMS
 
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação TecnológicaInteração Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
Portal Inovação UFMS
 

Mais de Portal Inovação UFMS (13)

Competitividade e Inovação
Competitividade e InovaçãoCompetitividade e Inovação
Competitividade e Inovação
 
Suplementa Certo
Suplementa CertoSuplementa Certo
Suplementa Certo
 
Apresentação Eco Máquinas
Apresentação Eco MáquinasApresentação Eco Máquinas
Apresentação Eco Máquinas
 
Competitividade pela Inovação
Competitividade pela InovaçãoCompetitividade pela Inovação
Competitividade pela Inovação
 
Registro Visual - Segundo Encontro de Inovação
Registro Visual - Segundo Encontro de InovaçãoRegistro Visual - Segundo Encontro de Inovação
Registro Visual - Segundo Encontro de Inovação
 
Registro Visual - Primeiro Encontro de Inovação 2013
Registro Visual - Primeiro Encontro de Inovação 2013Registro Visual - Primeiro Encontro de Inovação 2013
Registro Visual - Primeiro Encontro de Inovação 2013
 
Apresentação Encontros de Inovação
Apresentação Encontros de InovaçãoApresentação Encontros de Inovação
Apresentação Encontros de Inovação
 
Apresentação FNQ Encontro de Inovação
Apresentação FNQ Encontro de InovaçãoApresentação FNQ Encontro de Inovação
Apresentação FNQ Encontro de Inovação
 
Como transformar conhecimento em inovação
Como transformar conhecimento em inovaçãoComo transformar conhecimento em inovação
Como transformar conhecimento em inovação
 
Programa empresa junior UFMS
Programa empresa junior UFMSPrograma empresa junior UFMS
Programa empresa junior UFMS
 
INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA
INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESAINTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA
INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA
 
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação TecnológicaInteração Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
 
Marcas e Patentes
Marcas e PatentesMarcas e Patentes
Marcas e Patentes
 

Último

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 

Último (6)

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 

Elaboração de Projetos Inovadores

  • 2. Nosso objetivo • Desenvolver nos participantes as competências necessárias para a elaboração de projetos para a captação de recursos para a inovação tecnológica junto aos editais e linhas das agências de fomento nacionais.
  • 3. Projeto • Projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado único. (PMI, 2004)
  • 4. Projeto • Os projetos não são elaborados apenas para obter benefício de mecanismos públicos de estímulo ao desenvolvimento e à inovação tecnológica. • O projeto é formulado como resultado do surgimento de oportunidades para a organização ou da necessidade de superar entraves às suas atividades.
  • 5. Elaboração de projetos inovadores Concepção Detalhamento Implementação Fechamento Escopo Interessados Riscos Viabilidade Grau de Modelo de Fontes Inovação referência Formulários
  • 6. Elaboração de projetos inovadores Concepção Detalhamento Implementação Fechamento Escopo Interessados Riscos Viabilidade Grau de Modelo de Fontes Inovação referência Formulários
  • 7. Elaboração de projetos inovadores Concepção Detalhamento Implementação Fechamento Escopo Interessados Riscos Viabilidade Grau de Modelo de Fontes Inovação referência Formulários
  • 8. Escopo • Escopo do produto está relacionado ao conjunto de características e funções que o produto final deve possuir, sendo representado em documentos como: requisitos, especificações, desenhos, etc. • Escopo do projeto está relacionado ao trabalho que deve ser realizado para que seja entregue o produto final do projeto com as características e funções que foram definidas.
  • 9. Definição do Escopo Produto Projeto “O que” será criado “Como” o produto será obtido •Requisitos, traduzidos nas •Utilização de informações do seguintes dimensões: escopo do produto o Características técnicas •Contexto e grau de atratividade o Funções •Justificativa e razões pelos quais o projeto deve ser realizado •Objetivos •Recursos •Deliverables •Custos e prazos
  • 10. Sugestões • Deve ser claro, sucinto, e representar o objetivo do projeto. • Ex. Desenvolvimento de um biocombustível... Implantação de uma solução tecnológica...
  • 11. Sugestões • Indica as razões pelas quais o projeto está sendo proposto pela empresa. • É sugerida a visão sistêmica na redação deste item.
  • 12. Sugestões • Deve ser explicitado de forma clara: – qual o problema técnico a ser resolvido, a sua causa, a necessidade de solução e o resultado final do projeto, bem como a suas principais contribuições – benefícios (abrangência local, regional, etc). – Por que financiar o projeto? Por que financiar a equipe? Por que o arranjo com as Instituições ?
  • 13. Sugestões • Deve expressar e especificar as principais característica técnicas do resultado tecnológico esperado. • Objetivos específicos: São os resultados esperados (metas parciais) que devem ser obtidos até o final do projeto.
  • 14. Sugestões • Deve mostrar quais competências a empresa possui e quais outras ela necessita acessar a partir da formação de parcerias ou redes. • Pode demonstrar ainda o envolvimento de fornecedores ou sinalização de interesse de clientes. • Parcerias com ICTs.
  • 15. Sugestões • Importante ressaltar as competências e conhecimentos existentes na empresa ou nos parceiros que demonstra capacidade para executar o projeto.
  • 16. Sugestões • Quais etapas são necessárias para que o produto final seja gerado? • Inclui relatórios de estudos preliminares, projeto, desenho industrial, patentes e prototipagem. • Produto final: Objeto do projeto/proposta.
  • 17. Sugestões • Indicação de quando os subprodutos e produto devem estar prontos. • Dimensão temporal associada a uma dimensão física (resultados) da empresa.
  • 18. #importante Resultados Esperados • Impacto tecnológico: é a contribuição do projeto e de resultado em termos tecnológicos (geração de novo produto ou processo). Pode ter como indicador o numero de depósitos de patente. • Impacto econômico: é o potencial econômico do resultado (substituição de importação, transferência de tecnologia, novo processo de produção, etc). • Impacto cientifico: contribuição do projeto e de seu resultado para a ampliação da base de conhecimento (novo conceito, artigos, teses, etc).
  • 19. #importante Resultados Esperados • Impacto social: é a contribuição do resultado do projeto para a sociedade, quer seja na qualidade de vida da populações em âmbito regional ou local (potencial de geração de empregos, ampliar a parcela da população com acesso a tecnologias, redução de mortalidade, etc). • Impacto ambiental: é a contribuição do projeto e de seu resultado em termos de melhoria da qualidade da água, ar e solos, da preservação da diversidade biológica ou recuperação de degradação do meio ambiente.
  • 20. Elaboração de projetos inovadores Concepção Detalhamento Implementação Fechamento Escopo Interessados Riscos Viabilidade Grau de Modelo de Fontes Inovação referência Formulários
  • 21. Riscos • Aspectos característicos dos projetos de inovação: – seus riscos próprios (técnico, prazo, custo, mercado, legal, etc.); • complexidade da tecnologia • inabilidade e/ou inexperiência em PD&I – eventuais valores destruídos pela introdução da nova tecnologia em lugar da anterior.
  • 22. Riscos • Análise de Cenário: variabilidade do retorno em resposta às mudanças na variável principal (fluxo de caixa). Otimista Mais provável Pessimista • Possibilita analisar várias possibilidades no retorno. • Comparação de vários cenários e previsão de ações preventivas no projeto.
  • 23. Elaboração de projetos inovadores Concepção Detalhamento Implementação Fechamento Escopo Interessados Riscos Viabilidade Grau de Modelo de Fontes Inovação referência Formulários
  • 24. Viabilidade técnica • Refere-se à análise da capacidade de se desenvolver o sistema proposto com base na tecnologia e pessoal técnico disponível e necessária. • Variáveis utilizadas para a definição da tecnologia mais adequada: Custos Praticidade Disponibilidade
  • 25. Orçamento do Projeto • Permitirá prever como e quanto os recursos financeiros serão necessários • Servirá com referência ao longo da execução • Relação atividades e custo do ciclo de vida do projeto
  • 26. Orçamento do Projeto Para estimar os valores, são necessárias algumas informações do projeto: • As necessidades de recursos definidos e planejados • As estimativas de tempo de duração de cada atividade • A memória de custos de projetos anteriores • O sistema contábil da empresa e as avaliações de risco
  • 27. Análise Econômico-financeira • A análise da viabilidade econômico-financeira significa estimar e analisar as perspectivas de desempenho financeiro do produto resultante do projeto. • O primeiro passo para a realização da análise econômica é a montagem do fluxo de caixa, isto é, a definição do fluxo de entradas e saídas de dinheiro durante o ciclo de vida planejado para o produto.
  • 28. Análise Econômico-financeira • Os três componentes principais de um fluxo de caixa são: – Investimentos no novo produto – Receitas – Custos e despesas de produção
  • 29. Análise Econômico-financeira A - Investimento no novo produto: • Tipo de Projeto: Dependendo do tipo de projeto o investimento pode ser maior ou menor. – Disponibilidade de Recursos para a contratação de talentos, aquisição de máquinas, equipamentos, veículos, utensílios, computadores, etc. – Prospecção e seleção de patentes, tecnologias e licenças. – Gastos com estudos, pesquisas de mercado, projetos e capacitação de profissionais.
  • 30. Análise Econômico-financeira B - Receitas: Corresponde a estimativa de venda de produtos e subprodutos gerados pela produção. Para o cálculo dessa estimativa deve-se levar em consideração os seguintes fatores: Preço Produto Demanda Final
  • 31. Análise Econômico-financeira C - Custos e despesas de produção: • São os valores gastos diretamente e indiretamente para a produção e comercialização do produto. • Os custos são os gastos com um bem ou serviços utilizados para a produção de outros bens. • Os principais custos são os seguintes: –Matérias primas, embalagens, materiais auxiliares; –Mão-de-obra direta; –Consumo de energia elétrica, de água e de combustível; –Manutenção, seguros, aluguéis, diversos.
  • 32. Análise Econômico-financeira • Fluxo de caixa permite comparações e análises do desempenho financeiro do projeto. • Indicadores financeiros mais utilizados em projetos de desenvolvimento de produtos: • Valor Presente Líquido (VPL) • Taxa Interna de Retorno (TIR) • Método do período de retorno do investimento (payback).
  • 33. Valor Presente Líquido (VPL) • Método para análise de investimentos que determina o valor presente de pagamentos futuros. • A taxa de conversão utilizada neste método é a Taxa Mínima de Atratividade (TMA) – É usada como taxa de desconto para trazer o valor num dado ano ao seu equivalente em outro período – Para descontar o fluxo de caixa líquido projetado de modo a trazê-lo ao tempo zero ou ao momento inicial do projeto e, com isso, calcular o valor atual líquido.
  • 34. Valor Presente Líquido (VPL) • Método para análise de investimentos que determina o valor presente de pagamentos futuros. • Se esse valor for maior que zero, significa que o projeto será positivo para a empresa. VPL = -I + ∑ FCt / (1 + k)t I – Investimento FCt – fluxo de caixa k – Taxa mínima de atratividade t – tempo
  • 35. Taxa Interna de Retorno (TIR) • Neste método, calcula-se a taxa que, aplicada no fluxo de caixa, gerará um VPL igual a zero, isto é, na qual todas as receitas irão se igualar aos custos e despesas de produção e investimento.
  • 36. Período de retorno do investimento (Payback) • Esse método compara o período em que o investimento passará a gerar lucro para a empresa. • Momento exato que a empresa começa a recuperar seu investimento inicial. • Cálculo usa concepção do Ponto de Equilíbrio.
  • 37. Análise Econômico-financeira • Cada um desses métodos resulta em informações diferentes, que podem ser utilizados de maneira complementar. • O VPL é um método que fornece uma boa noção do montante que será obtido com o projeto, isto é, o valor que será captado, porém, ele não permite uma comparação fácil com outros investimentos. • Esse aspecto é a grande vantagem da informação obtida na TIR, que fornece um valor facilmente comparável.
  • 38. Análise Econômico-financeira • Mas existem projetos que retornam um bom montante (VPL altamente positivo) e rentáveis (TIR acima da taxa de atratividade) mas cujo período de retorno de investimento é longo, significando que a empresa terá que amargar um bom período de prejuízo até a obtenção do lucro. • Portanto, recomenda-se o cálculo conjunto.
  • 39. Elaboração de projetos inovadores Concepção Detalhamento Implementação Fechamento Escopo Interessados Riscos Viabilidade Grau de Modelo de Fontes Inovação referência Formulários
  • 40. Conceito Fundamental A distinção entre tecnologias incrementais e de ruptura Tecnologias incrementais Tecnologias que melhoram a performance dos produtos nas mesmas dimensões historicamente valorizadas pelos clientes Tecnologias de ruptura Caracterizam-se por trazer ao mercado uma nova proposição de valor Em geral apresentam, no seu nascimento, performance inferior à tecnologia dominante
  • 41. Descobertas Fundamentais 1. Existem diferenças estratégicas importantes entre o gerenciamento de tecnologias incrementais e de ruptura 2. Decisão de investir em tecnologias de ruptura não é financeiramente racional – Mercados são pequenos – Grandes clientes não se mostram interessados
  • 42. O Dilema revelado • As decisões lógicas e competentes, críticas para o sucesso das empresas, são as mesmas que as levam a perder a posição de liderança!
  • 43. Fatores a Serem Considerados em Projetos de Inovação Disruptiva
  • 44. Elaboração de projetos inovadores Concepção Detalhamento Implementação Fechamento Escopo Interessados Riscos Viabilidade Grau de Modelo de Fontes Inovação referência Formulários
  • 45. Modelo de Referência Projetos radicais Projetos plataformas ou (breakthrough) próxima geração Projetos follow-source Projetos incrementais
  • 46. Projetos radicais (breakthrough) • Alterações significativas • Nova categoria ou família de produtos • Requer processo de manufatura inovador • Novas tecnologias e materiais
  • 47. Projetos plataformas ou próxima geração • Alterações significativas • Estrutura comum entre os diversos modelos de uma família • Pode utilizar novas tecnologias ou materiais • Novo sistema de soluções para o cliente
  • 48. Projetos incrementais ou derivados • Inovações incrementais nos produtos/processos • Pequenas modificações em relação aos existentes
  • 49. Projetos follow-source • De outras unidades do grupo, clientes ou contrato de tecnologia. • Não requer alterações significativas, • Unidade local adapta para condições locais. • Envolve validação do processo, equipamentos, ferramentas, a produção do lote piloto e o início da produção.
  • 50. Elaboração de projetos inovadores Concepção Detalhamento Implementação Fechamento Escopo Interessados Riscos Viabilidade Grau de Modelo de Fontes Inovação referência Formulários
  • 51. ANPEI
  • 53. Elaboração de projetos inovadores Concepção Detalhamento Implementação Fechamento Escopo Interessados Riscos Viabilidade Grau de Modelo de Fontes Inovação referência Formulários
  • 54. Erros mais comuns • Descuido / desatenção – Envio de documentação incompleta – Falta de via impressa do projeto ou de assinaturas – Falhas na relação de itens solicitada – Preenchimento incorreto ou incompleto do formulário
  • 55. Erros mais comuns • Descumprimento de exigências de forma – Envio de material impresso após a data limite – Falta de CD de backup (quando solicitado) – Inelegibilidade de membro do consórcio executor – Falta de aderência aos objetivos do edital
  • 56. Quem? Para que? O quê? Quanto? Como? Quando?
  • 57. Quem? Para que? Parcerias de “ocasião” O quê? deixam poucos frutos...é importante mencionar os resultados das interações de longa Quanto? data, caso existam. Como? Quando?
  • 58. Quem? Para que? O quê? Deixe explícito no texto os pontos onde você responde aos itens de avaliação de mérito do edital. Quanto? Como? Quando?
  • 59. Quem? Para que? O quê? Não ignore questões de apropriação do resultado (propriedade intelectual, divisão de receitas, etc). Quanto? Como? Quando?
  • 60. Quem? Para que? O quê? Cronogramas genéricos demais vs cronogramas detalhados demais Quanto? Como? Quando?
  • 61. Quem? Para que? O quê? Orçamentos genéricos demais vc orçamentos detalhados demais Quanto? Como? Quando?
  • 62. Quem? Para que? O quê? Objetivos vs impactos Quanto? Como? Quando?