SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS PARA
CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Instrutor: Frederico Antônio Pinheiro
E-mail: fred@concert.com.br
OBJETIVOS
Desenvolver o entendimento amplo dos processos de elaboração
de um projeto de Inovação.
Enfatizar a prática de elaboração de projetos buscando um
Aperfeiçoamento de Conhecimentos em Elaboração de Projetos
de PDI.

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
1. OBJETIVO

Financiar propostas de microempresas e empresas de
pequeno porte, sediadas no Estado de Minas Gerais, para
o desenvolvimento de produtos e/ou processos inovadores,
com risco e conteúdo tecnológico e, dessa forma,
promover o aumento das atividades de inovação e da
competitividade das empresas.
CADEIA DE INOVAÇÃO
Todo projeto deverá ser enquadrado em uma fase da cadeia da
inovação:
pesquisa básica dirigida.
pesquisa aplicada.
desenvolvimento experimental.
cabeça de série.
lote pioneiro.
inserção no mercado.
O produto principal de um P&D será caracterizado como:
Conceito ou Metodologia
Software/Sistema
Material ou substância
Componente ou dispositivo
Máquina ou equipamento
EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA

Energia
15%

Tecnologia da
Informação e
Comunicação
TIC
15%

Petróleo e Gás
10%

O presente Edital destina-se a apoiar propostas que se enquadrem
nos seguintes temas:
MineralMetalúrgico
10%

Biotecnologia
15%

Eletroeletrônico
10%

Meio Ambiente
15%

Agronegócio
10%
EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
ANEXO III
EDITAL FAPEMIG 13/2013
INDICAÇÃO DE
COORDENADOR

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
Por parte do Coordenador
Ter vínculo com a Proponente
Apresentar e ser responsável por apenas uma proposta
Apresentar currículo demonstrando ter experiência técnica com o
tema da proposta – “Arquivo eletrônico contendo currículo do
Coordenador – Currículo Lattes”.

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
ITENS FINANCIÁVEIS
Equipamentos e material permanente
Material de consumo
Serviços de terceiros necessários à execução técnica do
projeto
Consultoria (apoio técnico para o desenvolvimento ou
aprimoramento de novos produtos e/ou processos, limitada a
20% do total da proposta)
Compartilhamento de laboratórios, de equipamentos, de
instrumentos, materiais e demais instalações das
universidades e centros de pesquisas
ITENS FINANCIÁVEIS
Software
Passagens e diárias, conforme valores da FAPEMIG
Bolsas, dentre as modalidades: Gestão em Ciência e

IMPORTANTE: Os valores
relativos aos itens
“equipamentos e material
permanente”, “bolsas” e
“despesas acessórias de
importação” estão limitados no
todo a 40% do valor total da
proposta.

Tecnologia – BGCT, Desenvolvimento Tecnológico Industrial
– BDTI, Apoio Técnico – BAT
Manutenção de equipamentos
Despesas acessórias de importação

ITENS FINANCIÁVEIS
Possibilitar o fortalecimento da equipe
responsável pela execução de projeto de pesquisa,
Desenvolvimento
desenvolvimento tecnológico e industrial ou
Tecnológico e
Até 24 meses.
inovação, por meio da
Industrial – DTI
incorporação de profissional para a execução
de uma atividade específica.
O objetivo é possibilitar a ampliação do quadro de
Bolsa de Apoio
profissionais envolvidos em projetos de pesquisa
Técnico à Pesquisa – de instituições de ensino e/ou pesquisa. Exige-se
Até 24 meses.
BAT
do bolsista dedicação integral e exclusiva às
atividades do plano de trabalho.
Possibilitar o fortalecimento de equipes
institucionais, por meio da agregação temporária
Bolsa de Gestão em
de profissionais, sem vínculo empregatício,
Até 24 meses.
Ciência e Tecnologia –
necessários ao desenvolvimento de projetos de
BGCT
gestão, da inovação e transferência de tecnologia,
apoiados pela FAPEMIG.
ITENS FINANCIÁVEIS

ITENS FINANCIÁVEIS
ITENS FINANCIÁVEIS
Roteiro Detalhado de Projeto
Roteiro Detalhado de Projeto
Objetivo do Projeto:
Descrever a(s) tecnologia(s) ou produto(s) que serão desenvolvido(s) ou
empregado(s) a partir de resultados avançados de pesquisa científica e
tecnológica.
Demonstrar a relevância do problema abordado e o estado da arte
pertinente ao tema, explicitando os produtos ou processos que serão
efetivamente incorporados à empresa.
Descrever os benefícios esperados do novo produto ou processo na
estratégia da empresa.
Destacar se o projeto é de criação de produto ou processo inexistente,
melhoria de um já existente deixando claras as melhorias que o novo
produto ou processo trará para o consumidor.

Roteiro Detalhado de Projeto
Justificativa

Justificar a relevância do projeto, em especial ao tema de
aderência do projeto, de acordo com aqueles especificados no
Item 2 do edital.
Impactos no Mercado: Descrever como o problema é atendido
atualmente pelo mercado. Demonstrar a necessidade do novo
produto ou processo para o mercado. Demonstrar de que forma o
novo produto ou processo modifica o mercado em que ele se
situa.
Roteiro Detalhado de Projeto
“ A minha ideia é revolucionária, meu produto é único e não
possui concorrentes”

Sociedade:

destinado

ao

relato

das

externalidades

Realidade:
Ideias revolucionárias são raras, produtos únicos não existem e
concorrentes com certeza existirão. Leva-se a crer que o
empreendedor está sendo levado pela paixão e não pela razão.

na

Roteiro Detalhado de Projeto
Justificativa
Impactos

decorrentes do projeto na visão do empreendedor, nas quais o produto,
serviço ou tecnologia gerados no projeto trarão de retorno para a
população em geral, e em especial àquela que se destina o seu
desenvolvimento.
Impactos Ambientais: Informar também impactos ambientais decorrentes
da inovação, relacionadas a aspectos como: disposição de resíduos no
meio ambiente, redução no consumo de insumos que ofereçam riscos à
saúde de qualquer natureza, e como outras questões pertinentes: redução
de emissões de gases poluentes, pertinência do projeto frente a protocolos
internacionais de natureza social ou ambiental etc.
Roteiro Detalhado de Projeto
Arquitetura Conceitual

Decodificador IRIG-B

Módulo de Análise de
Sincronismo
Multicritério

MÓDULO
ANALÓGICO
Demodulador IRIG

Top H0

TOP DEC In

UMA VISÃO DE SMART GRID

Envoltória IRIG

Clock (1Khz)

IRIG In

Apresentar a arquitetura da solução pertinente ao tema, explicitando os

Local Bus

Interrupções

Local Bus

Interrupções

IRIG thru

produtos ou processos que serão efetivamente incorporados à empresa.

“. . . Um sistema de potência que possa
incorporar milhões de sensores
conectados por um sistema de aquisição
de dados e comunicação avançada.
Esse sistema proverá análise de tempo
real através de um sistema de
computação distribuído que possibilitará
uma resposta pro-ativa ao invés de
reativa às interrupções”. (EPRI, ênfase
nossa)

Vcc, +15V, -15V

Roteiro Detalhado de Projeto

PCI bus

Interface PCI - Local Bus
Roteiro Detalhado de Projeto

Comunicacao

Logica de Negocios

EJB Session

«delegate»

Regras Negocio

Interface1

Roteiro Detalhado de Projeto
id comp

JSPs e
Serv lets

Apresentacao

Web brow ser

Driv ers

Dados

Interface2

Concentrador

Persistencia

Entidades
Roteiro Detalhado de Projeto

Roteiro Detalhado de Projeto
Informações da Empresa
Descrever o perfil organizacional e dados gerais sobre a empresa. Neste

da

empresa,

o

ramo

de

atuação,

instalações

físicas,

item pode constar, por exemplo, uma breve descrição do histórico e dos
objetivos

infraestrutura, número de empregados, investimentos em pesquisa e
desenvolvimento, principais produtos ou processos desenvolvidos, em
desenvolvimento ou comercializados, patentes obtidas, etc.
Dica:
Descreva informações também da Instituição Parceira
Roteiro Detalhado de Projeto
Informações da Empresa
Deixar claro o compromisso da empresa em propiciar condições
adequadas de espaço, infraestrutura, pessoal de apoio técnico e
administrativo, bem como disponibilizar tempo para a equipe dedicar-se ao
projeto proposto.
Descrever as instalações e equipamentos existentes ou a serem utilizados
para a execução das atividades previstas.

Roteiro Detalhado de Projeto
Metodologia do projeto de pesquisa.
Descrever claramente a metodologia (materiais, métodos e técnicas) a
ser adotada para a execução do projeto, acompanhamento do projeto
e Transferência de Tecnologia.
Roteiro Detalhado de Projeto

Exemplo: Ciclo de Vida Cascata
Exemplo: Ciclo de Vida RUP

Exemplo: Ciclo de Vida Incremental Iterativo

Roteiro Detalhado de Projeto
Metodologia Lean Startup
A partir das ideias você constrói um produto mínimo viável (código), mede os resultados coleta
dados e aprende algumas lições. E continua a executar este laço de aprendizagem, o mais rápido
possível, fazendo ajustes até atingir o casamento do produto com mercado ou mudar algum
item do modelo de negócios fazendo o pivô e começando tudo de novo. O objetivo é conseguir
um modelo de negócio de valor, ou seja, que deixe o cliente feliz e gere lucro.
Roteiro Detalhado de Projeto
Metodologia Scrum

Roteiro Detalhado de Projeto
Cronograma de execução

1

2

3

4

5

Meses
6 7

8

9

10 11 12

Apresentar as atividades do projeto, bem como os respectivos prazos previstos para sua
execução. (Sugestão: usar um gráfico de Gantt).
Atividades
Fase 1 : Levantamento do Estado da Arte
Marco: Relatório Técnico
Fase 2 : Especificação de Requisitos
Marco: Relatório Técnico
Fase 3 : Projeto e Arquitetura do Protótipo
Marco: Relatório Técnico
Fase 4 : Modelagem da Base de Testes
Marco: Base de dados do protótipo
Fase 5: Desenvolvimento
Marco: Protótipo do Produto
Roteiro Detalhado de Projeto
Diferenciais Competitivos da Equipe
Por que a equipe executora listada no projeto é adequada à realização do
projeto pretendido.
Experiência
Formação acadêmica
Conhecimento do assunto
Projetos já desenvolvidos pela equipe que sejam pertinentes à
inovação pretendida.

Roteiro Detalhado de Projeto
Roteiro Detalhado de Projeto
Busca de Anterioridade
Apresentar uma revisão, baseada na busca de anterioridade, em
bancos de patentes de forma a assegurar o caráter inovador da
proposta.
Recomendamos buscar auxilio aos Núcleos de Inovação
Tecnológica (NITs), núcleos responsáveis por gerir a política de
propriedade intelectual e inovação das Entidades de Ciência,
Tecnologia e Inovação (ECTIs).

Fonte: http://www.fapemig.br/tecnova/

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
Contrapartida Financeira
Identificar os valor e itens que integrarão a contrapartida
financeira da proposta.
Justificar a utilização de cada recurso de contrapartida envolvido.

Valor (R$)

Contrapartida mínima para este projeto de 10% do valor solicitado
à FAPEMIG.
Natureza de Gasto
Mão-de-obra:
Técnico: Hh
Especialistas: Hh
Mestre: Hh
Doutor: Hh
Viagens/estadias (se houver):
Equipamento (relacionar, se houver):
Material (especificar, se houver):
Outros (especificar, se houver):
Total
EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA

7.2.4 Arquivo eletrônico contendo o(s) Plano(s) de Trabalho(s)
proposto(s) para o(s) bolsista(s), quando couber.
7.2.5 Arquivo eletrônico contendo documento, Termo de Parceria, se
houver, definindo a forma de cooperação estabelecida entre
Proponente e a microempresa ou a empresa de pequeno
porte ou universidades ou centros de pesquisa; conforme
modelo do Anexo II.

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
7.2.6 ... Parecer do Comitê de Ética, se for o caso.
7.2.7 Arquivo eletrônico contendo certificado de qualidade em
Biossegurança – CQB, ... utilização de técnicas de engenharia
genética na construção, cultivo, manipulação, transporte,
comercialização, consumo, liberação e descarte de Organismos
Geneticamente Modificados – OGMs.
7.2.8 Arquivo eletrônico contendo documentos comprobatórios de
permissões de caráter legal, tais como o EIA-RIMA na área
ambiental, o do INCRA, em relação a terras indígenas e outras
que forem pertinentes, se for o caso. ...
Erros mais frequentes que inviabilizam as propostas
Falta de clareza na descrição dos objetivos do projeto
Apresentação de justificativas no campo objetivo
Metas, atividades e indicadores físicos de execução descritos de forma
inadequada, quantitativamente e qualitativamente
Falta de clareza na definição do papel de empresas participantes e na
vinculação de membros da equipe executora às metas e atividades
Descrição metodológica incompleta (execução do projeto)
Solicitação de recursos para despesas não financiáveis, sem a observância do
estabelecido no Edital e no Manual da FAPEMIG
Informações insuficientes sobre a especificação e finalidade de bens e serviços
e sua vinculação às metas propostas
Valores solicitados incompatíveis com aqueles praticados no mercado
Inexistência ou valores incompatíveis de contrapartida e outros aportes,
conforme exigidos no Edital
Falta de informações que indiquem a viabilidade econômica e financeira do
projeto
Falta de documentos obrigatórios, exigidos no Edital.

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
SELEÇÃO E JULGAMENTO

• Enquadramento
• Julgamento
• Homologação
EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
Todos os critérios abaixo serão pontuados de 0 a 5.

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
9. ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO

Haverá avaliação do desenvolvimento e dos resultados do
projeto por parte da FAPEMIG.
Visita técnica na empresa.
EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
4. PROPOSTAS ELEGÍVEIS

São
consideradas
elegíveis
as
propostas
de
microempresas e empresas de pequeno porte,
individualmente ou associada a outra microempresa e
empresas de pequeno porte ou a uma universidade ou a
um centro de pesquisa, sediadas no Estado de Minas
Gerais e cadastradas junto à FAPEMIG, conforme
orientações presentes no Anexo I, que atendam aos
requisitos abaixo.
• Relação geral da documentação para o Cadastramento
• Relação específica de documentação para o Edital 13/2013
• A relação nominal e situação de cada instituição cadastrada na
FAPEMIG encontram-se disponível na home page da FAPEMIG.
www.fapemig.br/cadastro.

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
4.1 Por parte da Proponente
4.1.1 Ser microempresa ou empresa de pequeno porte
devidamente registrada na Junta Comercial ou no Registro
Civil de Pessoas Jurídicas – RCPJ de sua jurisdição até seis
meses antes do lançamento deste Edital
4.1.2 Demonstrar ter efetuado alguma atividade, patrimonial ou
financeira pelo menos três meses antes do lançamento deste
Edital
4.1.3 Ter receita bruta, no último exercício, igual ou inferior a
R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais)
4.1.4 Não ter sido contratada na SELEÇÃO PÚBLICA
MCT/FINEP/FNDCT – Subvenção Econômica à Inovação –
01/2010.
EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA

5.1

Os recursos alocados para financiamento do presente Edital
serão da ordem de R$ 15.000.000,00 (quinze milhões de
reais) sendo R$ 9.000.000,00 (nove milhões) da FINEP e R$
6.000.000,00 (seis milhões) da FAPEMIG .

5. RECURSOS FINANCEIROS

5.3

A Proponente deverá, obrigatoriamente, indicar uma Gestora
cadastrada junto à FAPEMIG, para gerenciamento dos
recursos a serem liberados para a proposta aprovada. A não
indicação da Gestora impedirá o encaminhamento da
proposta por meio eletrônico.

A LISTA DAS GESTORAS ESTÁ EM
http://www.fapemig.br/tecnova/

EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA

5.5

Cada proposta apresentada neste Edital poderá solicitar à
FAPEMIG um valor entre o mínimo de R$ 200.000,00
(duzentos mil reais) e o máximo de R$ 400.000,00
(quatrocentos mil reais).

5. RECURSOS FINANCEIROS

5.6

O valor total da proposta neste Edital será composto do valor
solicitado à FAPEMIG, acrescentado do valor da contrapartida
financeira correspondente a, no mínimo, 10% (dez por cento)
do valor solicitado à FAPEMIG.
A liberação dos recursos dar-se-á em duas parcelas. A primeira de 50%
(cinquenta por cento), por ocasião da assinatura do TO e a segunda, os
restantes 50% (cinquenta por cento) no início da segunda metade do
prazo de execução do projeto.
EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
5. RECURSOS FINANCEIROS
5.9

O valor total da contrapartida deverá ser efetivado por meio
de depósito bancário, em conta específica, para execução do
projeto em um banco oficial (Banco do Brasil ou Caixa
Econômica Federal). A liberação dos recursos, por parte da
FAPEMIG, somente será efetivada quando a Gestora enviar
os dados bancários da conta específica do projeto, com a
comprovação do depósito da contrapartida para o e-mail
dfi@fapemig.br.

OBRIGADO

Instrutor: Frederico Antônio
frederico@newsoftinovacao.com.br
(31) 3281-1148
www.fumsoft.org.br
comunica@fumsoft.org.br
www.facebook.com/fumsoft.org.br
www.twitter.com/fumsoft

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
Luiz Arnaldo Biagio
 
Digitalflow Services Portfolio 2014
Digitalflow Services Portfolio 2014Digitalflow Services Portfolio 2014
Digitalflow Services Portfolio 2014
Rui Patricio
 
Curitiba encontro eng. produção - inovação colaborativa
Curitiba   encontro eng. produção - inovação colaborativaCuritiba   encontro eng. produção - inovação colaborativa
Curitiba encontro eng. produção - inovação colaborativa
Jose Claudio Terra
 
SantoAndre-GP26-GEP-GrupoSmarTech
SantoAndre-GP26-GEP-GrupoSmarTechSantoAndre-GP26-GEP-GrupoSmarTech
SantoAndre-GP26-GEP-GrupoSmarTech
Marco Coghi
 
Gerenciamento de projetos No Desenvolvimento de Novos Produtos
Gerenciamento de projetos No Desenvolvimento de Novos ProdutosGerenciamento de projetos No Desenvolvimento de Novos Produtos
Gerenciamento de projetos No Desenvolvimento de Novos Produtos
Wilson Freitas
 
Brochura Advank
Brochura Advank Brochura Advank
Brochura Advank
Advank
 
Apresentacao roadmap tecnologico
Apresentacao roadmap tecnologicoApresentacao roadmap tecnologico
Apresentacao roadmap tecnologico
auspin
 
Open Maker Industrial Challenge - Chamada Aberta
Open Maker Industrial Challenge - Chamada AbertaOpen Maker Industrial Challenge - Chamada Aberta
Open Maker Industrial Challenge - Chamada Aberta
Startadora Startups
 
Mve8.2 elaboração do roadmap tecnológico da empresa
Mve8.2   elaboração do roadmap tecnológico da empresaMve8.2   elaboração do roadmap tecnológico da empresa
Mve8.2 elaboração do roadmap tecnológico da empresa
auspin
 
Método para integração do Roadmapping e da Gestão de Portfólio no Planejament...
Método para integração do Roadmapping e da Gestão de Portfólio no Planejament...Método para integração do Roadmapping e da Gestão de Portfólio no Planejament...
Método para integração do Roadmapping e da Gestão de Portfólio no Planejament...
Maicon Oliveira
 
IxDABH - Inovação Centrada no Usuário
IxDABH - Inovação Centrada no UsuárioIxDABH - Inovação Centrada no Usuário
IxDABH - Inovação Centrada no Usuário
IxDA Belo Horizonte
 
Desenvolvimento de Produto
Desenvolvimento de ProdutoDesenvolvimento de Produto
Desenvolvimento de Produto
Virgilio Marques dos Santos, Dr.
 
Roadmapping Tecnológico - Fundamentos da Técnica
Roadmapping Tecnológico - Fundamentos da TécnicaRoadmapping Tecnológico - Fundamentos da Técnica
Roadmapping Tecnológico - Fundamentos da Técnica
auspin
 
7 IEP Engenharia Organizacional
7 IEP Engenharia Organizacional7 IEP Engenharia Organizacional
7 IEP Engenharia Organizacional
Marcel Gois
 
Palestra inovação tic eduardo grizendi abes 26 03 2013 v 1.2 curta
Palestra  inovação tic eduardo grizendi abes  26 03 2013 v 1.2 curtaPalestra  inovação tic eduardo grizendi abes  26 03 2013 v 1.2 curta
Palestra inovação tic eduardo grizendi abes 26 03 2013 v 1.2 curta
Eduardo Grizendi
 
Trab.final
Trab.finalTrab.final
Trab.final
beto2018
 
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta GrossaBeta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
kleber.torres
 
Project model-canvas-apresentacao
Project model-canvas-apresentacaoProject model-canvas-apresentacao
Project model-canvas-apresentacao
leopaiva217101
 

Mais procurados (18)

Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
 
Digitalflow Services Portfolio 2014
Digitalflow Services Portfolio 2014Digitalflow Services Portfolio 2014
Digitalflow Services Portfolio 2014
 
Curitiba encontro eng. produção - inovação colaborativa
Curitiba   encontro eng. produção - inovação colaborativaCuritiba   encontro eng. produção - inovação colaborativa
Curitiba encontro eng. produção - inovação colaborativa
 
SantoAndre-GP26-GEP-GrupoSmarTech
SantoAndre-GP26-GEP-GrupoSmarTechSantoAndre-GP26-GEP-GrupoSmarTech
SantoAndre-GP26-GEP-GrupoSmarTech
 
Gerenciamento de projetos No Desenvolvimento de Novos Produtos
Gerenciamento de projetos No Desenvolvimento de Novos ProdutosGerenciamento de projetos No Desenvolvimento de Novos Produtos
Gerenciamento de projetos No Desenvolvimento de Novos Produtos
 
Brochura Advank
Brochura Advank Brochura Advank
Brochura Advank
 
Apresentacao roadmap tecnologico
Apresentacao roadmap tecnologicoApresentacao roadmap tecnologico
Apresentacao roadmap tecnologico
 
Open Maker Industrial Challenge - Chamada Aberta
Open Maker Industrial Challenge - Chamada AbertaOpen Maker Industrial Challenge - Chamada Aberta
Open Maker Industrial Challenge - Chamada Aberta
 
Mve8.2 elaboração do roadmap tecnológico da empresa
Mve8.2   elaboração do roadmap tecnológico da empresaMve8.2   elaboração do roadmap tecnológico da empresa
Mve8.2 elaboração do roadmap tecnológico da empresa
 
Método para integração do Roadmapping e da Gestão de Portfólio no Planejament...
Método para integração do Roadmapping e da Gestão de Portfólio no Planejament...Método para integração do Roadmapping e da Gestão de Portfólio no Planejament...
Método para integração do Roadmapping e da Gestão de Portfólio no Planejament...
 
IxDABH - Inovação Centrada no Usuário
IxDABH - Inovação Centrada no UsuárioIxDABH - Inovação Centrada no Usuário
IxDABH - Inovação Centrada no Usuário
 
Desenvolvimento de Produto
Desenvolvimento de ProdutoDesenvolvimento de Produto
Desenvolvimento de Produto
 
Roadmapping Tecnológico - Fundamentos da Técnica
Roadmapping Tecnológico - Fundamentos da TécnicaRoadmapping Tecnológico - Fundamentos da Técnica
Roadmapping Tecnológico - Fundamentos da Técnica
 
7 IEP Engenharia Organizacional
7 IEP Engenharia Organizacional7 IEP Engenharia Organizacional
7 IEP Engenharia Organizacional
 
Palestra inovação tic eduardo grizendi abes 26 03 2013 v 1.2 curta
Palestra  inovação tic eduardo grizendi abes  26 03 2013 v 1.2 curtaPalestra  inovação tic eduardo grizendi abes  26 03 2013 v 1.2 curta
Palestra inovação tic eduardo grizendi abes 26 03 2013 v 1.2 curta
 
Trab.final
Trab.finalTrab.final
Trab.final
 
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta GrossaBeta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
 
Project model-canvas-apresentacao
Project model-canvas-apresentacaoProject model-canvas-apresentacao
Project model-canvas-apresentacao
 

Destaque

Oficina de elaboração de projetos para captação de
Oficina de elaboração de projetos para captação deOficina de elaboração de projetos para captação de
Oficina de elaboração de projetos para captação de
Marcelo Area Leao
 
Grafos e Árvores
Grafos e ÁrvoresGrafos e Árvores
Grafos e Árvores
Patrick Momoli
 
Aula 08 - árvores
Aula 08 - árvoresAula 08 - árvores
Aula 08 - árvores
Cristiano Pires Martins
 
Projeto De Pesquisa Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
Projeto De Pesquisa   Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...Projeto De Pesquisa   Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
Projeto De Pesquisa Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
mondelo1944
 
O culto cristão a forma
O culto cristão   a formaO culto cristão   a forma
O culto cristão a forma
Rovanildo Vieira Soares
 
Como dirigir um culto
Como dirigir um cultoComo dirigir um culto
Como dirigir um culto
Paulo Roberto
 
A NECESSIDADE DE ORDEM NO CULTO
A NECESSIDADE DE ORDEM NO CULTOA NECESSIDADE DE ORDEM NO CULTO
A NECESSIDADE DE ORDEM NO CULTO
ibpd
 
Autoridade do fruto do espirito
Autoridade do fruto do espiritoAutoridade do fruto do espirito
Autoridade do fruto do espirito
Meire Soares Magalhães
 
Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
Princípios do culto a Deus
Princípios do culto a DeusPrincípios do culto a Deus
Princípios do culto a Deus
Meire Soares Magalhães
 
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIASLIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 

Destaque (12)

Oficina de elaboração de projetos para captação de
Oficina de elaboração de projetos para captação deOficina de elaboração de projetos para captação de
Oficina de elaboração de projetos para captação de
 
Grafos e Árvores
Grafos e ÁrvoresGrafos e Árvores
Grafos e Árvores
 
Aula 08 - árvores
Aula 08 - árvoresAula 08 - árvores
Aula 08 - árvores
 
Projeto De Pesquisa Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
Projeto De Pesquisa   Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...Projeto De Pesquisa   Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
Projeto De Pesquisa Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
 
O culto cristão a forma
O culto cristão   a formaO culto cristão   a forma
O culto cristão a forma
 
Como dirigir um culto
Como dirigir um cultoComo dirigir um culto
Como dirigir um culto
 
A NECESSIDADE DE ORDEM NO CULTO
A NECESSIDADE DE ORDEM NO CULTOA NECESSIDADE DE ORDEM NO CULTO
A NECESSIDADE DE ORDEM NO CULTO
 
Autoridade do fruto do espirito
Autoridade do fruto do espiritoAutoridade do fruto do espirito
Autoridade do fruto do espirito
 
Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
Culto e Liturgia
 
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
 
Princípios do culto a Deus
Princípios do culto a DeusPrincípios do culto a Deus
Princípios do culto a Deus
 
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIASLIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
 

Semelhante a Workshop de Inovação Tecnológica da UFTM

Elaboração de projetos inovadores - CGR
Elaboração de projetos inovadores - CGRElaboração de projetos inovadores - CGR
Elaboração de projetos inovadores - CGR
Jeovan Figueiredo
 
Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROOElaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
Jeovan Figueiredo
 
EET_CTeSP AER_IntroducaoEmpreendedorismo_Ch2.pdf
EET_CTeSP AER_IntroducaoEmpreendedorismo_Ch2.pdfEET_CTeSP AER_IntroducaoEmpreendedorismo_Ch2.pdf
EET_CTeSP AER_IntroducaoEmpreendedorismo_Ch2.pdf
Ricardo Santos
 
Gestão de Operações
Gestão de OperaçõesGestão de Operações
Gestão de Operações
Wilian Gatti Jr
 
Proposta de Inovação (1)
Proposta de Inovação (1)Proposta de Inovação (1)
Proposta de Inovação (1)
Daniel Takabayashi, MSc
 
Comite de inovação tecnológica (2)
Comite de inovação tecnológica (2)Comite de inovação tecnológica (2)
Comite de inovação tecnológica (2)
Celia Regina Azevedo Ricotta
 
Reunião Temática : Inteligência Tecnológica
Reunião Temática : Inteligência TecnológicaReunião Temática : Inteligência Tecnológica
Reunião Temática : Inteligência Tecnológica
Allagi Open Innovation Services
 
Apresentação TCC I - IES/SC 2013
Apresentação TCC I - IES/SC 2013Apresentação TCC I - IES/SC 2013
Apresentação TCC I - IES/SC 2013
William Melchior Jablonski, CTFL
 
PMO TI - Projeto de Implantação numa Agência Pública Federal - o caso Finep
PMO TI - Projeto de  Implantação numa Agência  Pública Federal - o caso FinepPMO TI - Projeto de  Implantação numa Agência  Pública Federal - o caso Finep
PMO TI - Projeto de Implantação numa Agência Pública Federal - o caso Finep
Roberto Chiacchio
 
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)
Alessandro Almeida
 
CTS
CTSCTS
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios FinanceirosProjecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Strongstep - Innovation in software quality
 
Isa Show 2009 Cr 259.09 Francisco Salvador
Isa Show 2009   Cr 259.09   Francisco SalvadorIsa Show 2009   Cr 259.09   Francisco Salvador
Isa Show 2009 Cr 259.09 Francisco Salvador
Francisco Salvador
 
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
Rogerio Sena
 
Elaboração de Projetos Inovadores
Elaboração de Projetos InovadoresElaboração de Projetos Inovadores
Elaboração de Projetos Inovadores
Portal Inovação UFMS
 
Aula 5 semana
Aula 5 semanaAula 5 semana
Aula 5 semana
Jorge Ávila Miranda
 
Estudo da viabilidade global para novos empreendimentos fontes de recursos pa...
Estudo da viabilidade global para novos empreendimentos fontes de recursos pa...Estudo da viabilidade global para novos empreendimentos fontes de recursos pa...
Estudo da viabilidade global para novos empreendimentos fontes de recursos pa...
thalitafsales
 
Slide cap 5
Slide cap 5Slide cap 5
Slide cap 5
Jefferson Segundo
 
Conceitos sobre o Índice de Maturidade Tecnológica
Conceitos sobre o Índice de Maturidade Tecnológica Conceitos sobre o Índice de Maturidade Tecnológica
Conceitos sobre o Índice de Maturidade Tecnológica
Ademir Xavier
 
Gestão de Projetos e Empreendedorismo: SIN-NA7 (22/10/2013)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo: SIN-NA7 (22/10/2013)Gestão de Projetos e Empreendedorismo: SIN-NA7 (22/10/2013)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo: SIN-NA7 (22/10/2013)
Alessandro Almeida
 

Semelhante a Workshop de Inovação Tecnológica da UFTM (20)

Elaboração de projetos inovadores - CGR
Elaboração de projetos inovadores - CGRElaboração de projetos inovadores - CGR
Elaboração de projetos inovadores - CGR
 
Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROOElaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
 
EET_CTeSP AER_IntroducaoEmpreendedorismo_Ch2.pdf
EET_CTeSP AER_IntroducaoEmpreendedorismo_Ch2.pdfEET_CTeSP AER_IntroducaoEmpreendedorismo_Ch2.pdf
EET_CTeSP AER_IntroducaoEmpreendedorismo_Ch2.pdf
 
Gestão de Operações
Gestão de OperaçõesGestão de Operações
Gestão de Operações
 
Proposta de Inovação (1)
Proposta de Inovação (1)Proposta de Inovação (1)
Proposta de Inovação (1)
 
Comite de inovação tecnológica (2)
Comite de inovação tecnológica (2)Comite de inovação tecnológica (2)
Comite de inovação tecnológica (2)
 
Reunião Temática : Inteligência Tecnológica
Reunião Temática : Inteligência TecnológicaReunião Temática : Inteligência Tecnológica
Reunião Temática : Inteligência Tecnológica
 
Apresentação TCC I - IES/SC 2013
Apresentação TCC I - IES/SC 2013Apresentação TCC I - IES/SC 2013
Apresentação TCC I - IES/SC 2013
 
PMO TI - Projeto de Implantação numa Agência Pública Federal - o caso Finep
PMO TI - Projeto de  Implantação numa Agência  Pública Federal - o caso FinepPMO TI - Projeto de  Implantação numa Agência  Pública Federal - o caso Finep
PMO TI - Projeto de Implantação numa Agência Pública Federal - o caso Finep
 
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)
 
CTS
CTSCTS
CTS
 
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios FinanceirosProjecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
 
Isa Show 2009 Cr 259.09 Francisco Salvador
Isa Show 2009   Cr 259.09   Francisco SalvadorIsa Show 2009   Cr 259.09   Francisco Salvador
Isa Show 2009 Cr 259.09 Francisco Salvador
 
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
 
Elaboração de Projetos Inovadores
Elaboração de Projetos InovadoresElaboração de Projetos Inovadores
Elaboração de Projetos Inovadores
 
Aula 5 semana
Aula 5 semanaAula 5 semana
Aula 5 semana
 
Estudo da viabilidade global para novos empreendimentos fontes de recursos pa...
Estudo da viabilidade global para novos empreendimentos fontes de recursos pa...Estudo da viabilidade global para novos empreendimentos fontes de recursos pa...
Estudo da viabilidade global para novos empreendimentos fontes de recursos pa...
 
Slide cap 5
Slide cap 5Slide cap 5
Slide cap 5
 
Conceitos sobre o Índice de Maturidade Tecnológica
Conceitos sobre o Índice de Maturidade Tecnológica Conceitos sobre o Índice de Maturidade Tecnológica
Conceitos sobre o Índice de Maturidade Tecnológica
 
Gestão de Projetos e Empreendedorismo: SIN-NA7 (22/10/2013)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo: SIN-NA7 (22/10/2013)Gestão de Projetos e Empreendedorismo: SIN-NA7 (22/10/2013)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo: SIN-NA7 (22/10/2013)
 

Último

Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 

Último (20)

Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 

Workshop de Inovação Tecnológica da UFTM

  • 1. CURSO DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS PARA CAPTAÇÃO DE RECURSOS Instrutor: Frederico Antônio Pinheiro E-mail: fred@concert.com.br
  • 2. OBJETIVOS Desenvolver o entendimento amplo dos processos de elaboração de um projeto de Inovação. Enfatizar a prática de elaboração de projetos buscando um Aperfeiçoamento de Conhecimentos em Elaboração de Projetos de PDI. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA 1. OBJETIVO Financiar propostas de microempresas e empresas de pequeno porte, sediadas no Estado de Minas Gerais, para o desenvolvimento de produtos e/ou processos inovadores, com risco e conteúdo tecnológico e, dessa forma, promover o aumento das atividades de inovação e da competitividade das empresas.
  • 3. CADEIA DE INOVAÇÃO Todo projeto deverá ser enquadrado em uma fase da cadeia da inovação: pesquisa básica dirigida. pesquisa aplicada. desenvolvimento experimental. cabeça de série. lote pioneiro. inserção no mercado. O produto principal de um P&D será caracterizado como: Conceito ou Metodologia Software/Sistema Material ou substância Componente ou dispositivo Máquina ou equipamento
  • 4.
  • 5. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA Energia 15% Tecnologia da Informação e Comunicação TIC 15% Petróleo e Gás 10% O presente Edital destina-se a apoiar propostas que se enquadrem nos seguintes temas: MineralMetalúrgico 10% Biotecnologia 15% Eletroeletrônico 10% Meio Ambiente 15% Agronegócio 10%
  • 6. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
  • 7. ANEXO III EDITAL FAPEMIG 13/2013 INDICAÇÃO DE COORDENADOR EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA Por parte do Coordenador Ter vínculo com a Proponente Apresentar e ser responsável por apenas uma proposta Apresentar currículo demonstrando ter experiência técnica com o tema da proposta – “Arquivo eletrônico contendo currículo do Coordenador – Currículo Lattes”. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
  • 8. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA
  • 10. ITENS FINANCIÁVEIS Equipamentos e material permanente Material de consumo Serviços de terceiros necessários à execução técnica do projeto Consultoria (apoio técnico para o desenvolvimento ou aprimoramento de novos produtos e/ou processos, limitada a 20% do total da proposta) Compartilhamento de laboratórios, de equipamentos, de instrumentos, materiais e demais instalações das universidades e centros de pesquisas
  • 11. ITENS FINANCIÁVEIS Software Passagens e diárias, conforme valores da FAPEMIG Bolsas, dentre as modalidades: Gestão em Ciência e IMPORTANTE: Os valores relativos aos itens “equipamentos e material permanente”, “bolsas” e “despesas acessórias de importação” estão limitados no todo a 40% do valor total da proposta. Tecnologia – BGCT, Desenvolvimento Tecnológico Industrial – BDTI, Apoio Técnico – BAT Manutenção de equipamentos Despesas acessórias de importação ITENS FINANCIÁVEIS Possibilitar o fortalecimento da equipe responsável pela execução de projeto de pesquisa, Desenvolvimento desenvolvimento tecnológico e industrial ou Tecnológico e Até 24 meses. inovação, por meio da Industrial – DTI incorporação de profissional para a execução de uma atividade específica. O objetivo é possibilitar a ampliação do quadro de Bolsa de Apoio profissionais envolvidos em projetos de pesquisa Técnico à Pesquisa – de instituições de ensino e/ou pesquisa. Exige-se Até 24 meses. BAT do bolsista dedicação integral e exclusiva às atividades do plano de trabalho. Possibilitar o fortalecimento de equipes institucionais, por meio da agregação temporária Bolsa de Gestão em de profissionais, sem vínculo empregatício, Até 24 meses. Ciência e Tecnologia – necessários ao desenvolvimento de projetos de BGCT gestão, da inovação e transferência de tecnologia, apoiados pela FAPEMIG.
  • 15. Roteiro Detalhado de Projeto Objetivo do Projeto: Descrever a(s) tecnologia(s) ou produto(s) que serão desenvolvido(s) ou empregado(s) a partir de resultados avançados de pesquisa científica e tecnológica. Demonstrar a relevância do problema abordado e o estado da arte pertinente ao tema, explicitando os produtos ou processos que serão efetivamente incorporados à empresa. Descrever os benefícios esperados do novo produto ou processo na estratégia da empresa. Destacar se o projeto é de criação de produto ou processo inexistente, melhoria de um já existente deixando claras as melhorias que o novo produto ou processo trará para o consumidor. Roteiro Detalhado de Projeto Justificativa Justificar a relevância do projeto, em especial ao tema de aderência do projeto, de acordo com aqueles especificados no Item 2 do edital. Impactos no Mercado: Descrever como o problema é atendido atualmente pelo mercado. Demonstrar a necessidade do novo produto ou processo para o mercado. Demonstrar de que forma o novo produto ou processo modifica o mercado em que ele se situa.
  • 16. Roteiro Detalhado de Projeto “ A minha ideia é revolucionária, meu produto é único e não possui concorrentes” Sociedade: destinado ao relato das externalidades Realidade: Ideias revolucionárias são raras, produtos únicos não existem e concorrentes com certeza existirão. Leva-se a crer que o empreendedor está sendo levado pela paixão e não pela razão. na Roteiro Detalhado de Projeto Justificativa Impactos decorrentes do projeto na visão do empreendedor, nas quais o produto, serviço ou tecnologia gerados no projeto trarão de retorno para a população em geral, e em especial àquela que se destina o seu desenvolvimento. Impactos Ambientais: Informar também impactos ambientais decorrentes da inovação, relacionadas a aspectos como: disposição de resíduos no meio ambiente, redução no consumo de insumos que ofereçam riscos à saúde de qualquer natureza, e como outras questões pertinentes: redução de emissões de gases poluentes, pertinência do projeto frente a protocolos internacionais de natureza social ou ambiental etc.
  • 17. Roteiro Detalhado de Projeto Arquitetura Conceitual Decodificador IRIG-B Módulo de Análise de Sincronismo Multicritério MÓDULO ANALÓGICO Demodulador IRIG Top H0 TOP DEC In UMA VISÃO DE SMART GRID Envoltória IRIG Clock (1Khz) IRIG In Apresentar a arquitetura da solução pertinente ao tema, explicitando os Local Bus Interrupções Local Bus Interrupções IRIG thru produtos ou processos que serão efetivamente incorporados à empresa. “. . . Um sistema de potência que possa incorporar milhões de sensores conectados por um sistema de aquisição de dados e comunicação avançada. Esse sistema proverá análise de tempo real através de um sistema de computação distribuído que possibilitará uma resposta pro-ativa ao invés de reativa às interrupções”. (EPRI, ênfase nossa) Vcc, +15V, -15V Roteiro Detalhado de Projeto PCI bus Interface PCI - Local Bus
  • 18. Roteiro Detalhado de Projeto Comunicacao Logica de Negocios EJB Session «delegate» Regras Negocio Interface1 Roteiro Detalhado de Projeto id comp JSPs e Serv lets Apresentacao Web brow ser Driv ers Dados Interface2 Concentrador Persistencia Entidades
  • 19. Roteiro Detalhado de Projeto Roteiro Detalhado de Projeto Informações da Empresa Descrever o perfil organizacional e dados gerais sobre a empresa. Neste da empresa, o ramo de atuação, instalações físicas, item pode constar, por exemplo, uma breve descrição do histórico e dos objetivos infraestrutura, número de empregados, investimentos em pesquisa e desenvolvimento, principais produtos ou processos desenvolvidos, em desenvolvimento ou comercializados, patentes obtidas, etc. Dica: Descreva informações também da Instituição Parceira
  • 20. Roteiro Detalhado de Projeto Informações da Empresa Deixar claro o compromisso da empresa em propiciar condições adequadas de espaço, infraestrutura, pessoal de apoio técnico e administrativo, bem como disponibilizar tempo para a equipe dedicar-se ao projeto proposto. Descrever as instalações e equipamentos existentes ou a serem utilizados para a execução das atividades previstas. Roteiro Detalhado de Projeto Metodologia do projeto de pesquisa. Descrever claramente a metodologia (materiais, métodos e técnicas) a ser adotada para a execução do projeto, acompanhamento do projeto e Transferência de Tecnologia.
  • 21. Roteiro Detalhado de Projeto Exemplo: Ciclo de Vida Cascata Exemplo: Ciclo de Vida RUP Exemplo: Ciclo de Vida Incremental Iterativo Roteiro Detalhado de Projeto Metodologia Lean Startup A partir das ideias você constrói um produto mínimo viável (código), mede os resultados coleta dados e aprende algumas lições. E continua a executar este laço de aprendizagem, o mais rápido possível, fazendo ajustes até atingir o casamento do produto com mercado ou mudar algum item do modelo de negócios fazendo o pivô e começando tudo de novo. O objetivo é conseguir um modelo de negócio de valor, ou seja, que deixe o cliente feliz e gere lucro.
  • 22. Roteiro Detalhado de Projeto Metodologia Scrum Roteiro Detalhado de Projeto Cronograma de execução 1 2 3 4 5 Meses 6 7 8 9 10 11 12 Apresentar as atividades do projeto, bem como os respectivos prazos previstos para sua execução. (Sugestão: usar um gráfico de Gantt). Atividades Fase 1 : Levantamento do Estado da Arte Marco: Relatório Técnico Fase 2 : Especificação de Requisitos Marco: Relatório Técnico Fase 3 : Projeto e Arquitetura do Protótipo Marco: Relatório Técnico Fase 4 : Modelagem da Base de Testes Marco: Base de dados do protótipo Fase 5: Desenvolvimento Marco: Protótipo do Produto
  • 23. Roteiro Detalhado de Projeto Diferenciais Competitivos da Equipe Por que a equipe executora listada no projeto é adequada à realização do projeto pretendido. Experiência Formação acadêmica Conhecimento do assunto Projetos já desenvolvidos pela equipe que sejam pertinentes à inovação pretendida. Roteiro Detalhado de Projeto
  • 24. Roteiro Detalhado de Projeto Busca de Anterioridade Apresentar uma revisão, baseada na busca de anterioridade, em bancos de patentes de forma a assegurar o caráter inovador da proposta. Recomendamos buscar auxilio aos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs), núcleos responsáveis por gerir a política de propriedade intelectual e inovação das Entidades de Ciência, Tecnologia e Inovação (ECTIs). Fonte: http://www.fapemig.br/tecnova/ EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA Contrapartida Financeira Identificar os valor e itens que integrarão a contrapartida financeira da proposta. Justificar a utilização de cada recurso de contrapartida envolvido. Valor (R$) Contrapartida mínima para este projeto de 10% do valor solicitado à FAPEMIG. Natureza de Gasto Mão-de-obra: Técnico: Hh Especialistas: Hh Mestre: Hh Doutor: Hh Viagens/estadias (se houver): Equipamento (relacionar, se houver): Material (especificar, se houver): Outros (especificar, se houver): Total
  • 25. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA 7.2.4 Arquivo eletrônico contendo o(s) Plano(s) de Trabalho(s) proposto(s) para o(s) bolsista(s), quando couber. 7.2.5 Arquivo eletrônico contendo documento, Termo de Parceria, se houver, definindo a forma de cooperação estabelecida entre Proponente e a microempresa ou a empresa de pequeno porte ou universidades ou centros de pesquisa; conforme modelo do Anexo II. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA 7.2.6 ... Parecer do Comitê de Ética, se for o caso. 7.2.7 Arquivo eletrônico contendo certificado de qualidade em Biossegurança – CQB, ... utilização de técnicas de engenharia genética na construção, cultivo, manipulação, transporte, comercialização, consumo, liberação e descarte de Organismos Geneticamente Modificados – OGMs. 7.2.8 Arquivo eletrônico contendo documentos comprobatórios de permissões de caráter legal, tais como o EIA-RIMA na área ambiental, o do INCRA, em relação a terras indígenas e outras que forem pertinentes, se for o caso. ...
  • 26. Erros mais frequentes que inviabilizam as propostas Falta de clareza na descrição dos objetivos do projeto Apresentação de justificativas no campo objetivo Metas, atividades e indicadores físicos de execução descritos de forma inadequada, quantitativamente e qualitativamente Falta de clareza na definição do papel de empresas participantes e na vinculação de membros da equipe executora às metas e atividades Descrição metodológica incompleta (execução do projeto) Solicitação de recursos para despesas não financiáveis, sem a observância do estabelecido no Edital e no Manual da FAPEMIG Informações insuficientes sobre a especificação e finalidade de bens e serviços e sua vinculação às metas propostas Valores solicitados incompatíveis com aqueles praticados no mercado Inexistência ou valores incompatíveis de contrapartida e outros aportes, conforme exigidos no Edital Falta de informações que indiquem a viabilidade econômica e financeira do projeto Falta de documentos obrigatórios, exigidos no Edital. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA SELEÇÃO E JULGAMENTO • Enquadramento • Julgamento • Homologação
  • 27. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA Todos os critérios abaixo serão pontuados de 0 a 5. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA 9. ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO Haverá avaliação do desenvolvimento e dos resultados do projeto por parte da FAPEMIG. Visita técnica na empresa.
  • 28. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA 4. PROPOSTAS ELEGÍVEIS São consideradas elegíveis as propostas de microempresas e empresas de pequeno porte, individualmente ou associada a outra microempresa e empresas de pequeno porte ou a uma universidade ou a um centro de pesquisa, sediadas no Estado de Minas Gerais e cadastradas junto à FAPEMIG, conforme orientações presentes no Anexo I, que atendam aos requisitos abaixo. • Relação geral da documentação para o Cadastramento • Relação específica de documentação para o Edital 13/2013 • A relação nominal e situação de cada instituição cadastrada na FAPEMIG encontram-se disponível na home page da FAPEMIG. www.fapemig.br/cadastro. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA 4.1 Por parte da Proponente 4.1.1 Ser microempresa ou empresa de pequeno porte devidamente registrada na Junta Comercial ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas – RCPJ de sua jurisdição até seis meses antes do lançamento deste Edital 4.1.2 Demonstrar ter efetuado alguma atividade, patrimonial ou financeira pelo menos três meses antes do lançamento deste Edital 4.1.3 Ter receita bruta, no último exercício, igual ou inferior a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) 4.1.4 Não ter sido contratada na SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT – Subvenção Econômica à Inovação – 01/2010.
  • 29. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA 5.1 Os recursos alocados para financiamento do presente Edital serão da ordem de R$ 15.000.000,00 (quinze milhões de reais) sendo R$ 9.000.000,00 (nove milhões) da FINEP e R$ 6.000.000,00 (seis milhões) da FAPEMIG . 5. RECURSOS FINANCEIROS 5.3 A Proponente deverá, obrigatoriamente, indicar uma Gestora cadastrada junto à FAPEMIG, para gerenciamento dos recursos a serem liberados para a proposta aprovada. A não indicação da Gestora impedirá o encaminhamento da proposta por meio eletrônico. A LISTA DAS GESTORAS ESTÁ EM http://www.fapemig.br/tecnova/ EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA 5.5 Cada proposta apresentada neste Edital poderá solicitar à FAPEMIG um valor entre o mínimo de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) e o máximo de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais). 5. RECURSOS FINANCEIROS 5.6 O valor total da proposta neste Edital será composto do valor solicitado à FAPEMIG, acrescentado do valor da contrapartida financeira correspondente a, no mínimo, 10% (dez por cento) do valor solicitado à FAPEMIG. A liberação dos recursos dar-se-á em duas parcelas. A primeira de 50% (cinquenta por cento), por ocasião da assinatura do TO e a segunda, os restantes 50% (cinquenta por cento) no início da segunda metade do prazo de execução do projeto.
  • 30. EDITAL FAPEMIG 13/2013 - TECNOVA 5. RECURSOS FINANCEIROS 5.9 O valor total da contrapartida deverá ser efetivado por meio de depósito bancário, em conta específica, para execução do projeto em um banco oficial (Banco do Brasil ou Caixa Econômica Federal). A liberação dos recursos, por parte da FAPEMIG, somente será efetivada quando a Gestora enviar os dados bancários da conta específica do projeto, com a comprovação do depósito da contrapartida para o e-mail dfi@fapemig.br. OBRIGADO Instrutor: Frederico Antônio frederico@newsoftinovacao.com.br (31) 3281-1148 www.fumsoft.org.br comunica@fumsoft.org.br www.facebook.com/fumsoft.org.br www.twitter.com/fumsoft