SlideShare uma empresa Scribd logo
© L. A. Burden 2005
PRESCRIÇÃO MÉDICA
HOSPITALAR
Dr Francismar Prestes Leal (CRM/PR 18829)
Médico Hematologista (UFSM/UNIFESP)
Professor Uningá/Maringá/PR
Setembro/2013
CONCEITOS
“Primum non nocere”
(Primeiro, não cause mal)
Hipócrates
CONCEITOS
• No meio hospitalar, o cuidar é multidisciplinar
• A boa comunicação, assim, é fundamental
• No cotidiano, essa comunicação se faz sob diversas
formas, destacando-se a escrita
• O prontuário do paciente é o fiel depositário das
informações sobre o mesmo (detalhes da vida, das
doenças, exames, evolução, intervenções diversas),
constituindo fonte de comunicação ímpar
CONCEITOS
• Parte importante do prontuário é o receituário, com
prescrições de medicamentos e cuidados
• A prescrição é talvez o mais forte “elo” entre
médicos, farmacêuticos, enfermeiros, fisioterapeutas,
nutricionistas e demais colegas de trabalho
• Deve conter elementos mínimos, para conferir
eficiência ao processo de assistência, garantindo que
a orientação médica seja rigorosamente transmitida,
favorecendo a obtenção de bons resultados
CONCEITOS
• Em 2000, o Institute of Medicine dos EUA, publicou o
estudo “To Err is Human”, sobre erros no processo
de assistência à saúde:
– 44.000 a 98.000 pessoas morriam por ano nos
EUA, em decorrência de erros na área da saúde
– 7.000 mortes/ano podiam ser atribuídas a erros
de medicação (número maior que o de pessoas
que morriam com câncer de mama, AIDS ou
acidentes de veículos)
CONCEITOS
• Outro estudo demonstrou que a ocorrência de um
evento adverso:
– Incrementa em 2 vezes o risco de morte
– Resulta em um aumento médio de 8,5 dias no
tempo de permanência do paciente no hospital
– Aumenta o custo em cerca de 4700 dólares por
admissão
BATES, D. W.
Using Information technology to reduce rates of medication errors in hospitals.
BMJ, v. 320, p. 788-91, 2000
CONCEITOS
• Eventos adversos relacionados a medicamentos
são a principal causa de iatrogenia
• Ocorrem frequentemente em hospitais, sendo
classificados como “preveníveis”, podendo ou não
resultar em danos aos pacientes
• O potencial iatrogênico da prescrição “per si” decorre
de erros na dose, na via de administração, na
frequência ou na interação dos fármacos
BATES, D. W. et al.
Incidence of adverse drug events and potential adverse drug events: implications for prevention.
JAMA, v. 274, n. 1, p. 29-34, Jul. 1995 (b).
CONCEITOS
• Superar falhas requer o reconhecimento de que a
assistência à saúde possui pontos frágeis que
podem comprometer a segurança do paciente
• A chave para reduzir o risco é criar um ambiente que
substitua a cultura da culpa/punição por uma cultura
de vigilância/cooperação, expondo dessa forma os
pontos fracos que podem causar erros
• A adoção de práticas baseadas em protocolos e
evidências clínicas é outra “base” para evitar erros
CONCEITOS
• Principais características da boa prescrição:
– Completa
– Legível
– Sem rasuras
PRESCRIÇÃO
BASE LEGAL
• Decreto n°20931 de 11/01/32
– art.15, inciso b: é dever do médico “escrever a
prescrição por extenso, de forma legível, em
vernáculo (idioma próprio do país), nela indicando o
uso interno ou externo dos medicamentos e o
nome do doente”
– art. 16, inciso b: “é vetado ao médico receitar sob
forma secreta, com uso de códigos” (símbolos)
PRESCRIÇÃO
BASE LEGAL
• Lei n° 5991 de 17/12/79, VI, art. 35: “a prescrição
deverá utilizar a nomenclatura e o sistema de pesos e
medidas oficiais, modo de usar os medicamentos,
data, assinatura do prescritor e número de inscrição
no conselho profissional”
• Resolução CFM n° 1246/88: “receitar ou atestar de
forma secreta ou ilegível...”; “dar consulta, diagnóstico
ou prescrição por intermédio de qualquer veículo de
comunicação de massa”
PRESCRIÇÃO
BASE LEGAL
• RDC n° 10/01 acresce ao processo de elaboração de
uma prescrição, a obrigatoriedade, caso o
medicamento seja prescrito em instituição pública, da
utilização da Denominação Comum Brasileira - DCB
ou em sua ausência, da Denominação Comum
Internacional – DCI
• Código de ética médica, CFM, 2002, capítulo II, art.
39: é vetado ao médico receitar sob forma secreta,
com uso de códigos (símbolos)
PRESCRIÇÃO
TIPOS BÁSICOS
• Quanto à origem:
– Ambulatorial: atendimento em ambulatório
– Hospitalar: realizada para paciente internado
• Quanto ao tipo de medicação:
– Manipulada (magistral/galênica): o médico escolhe
substância/dose e o farmacêutico prepara a droga
– Oficinal (especializada): droga produzida pela
indústria farmacêutica e que deve ser administrada
na forma fornecida, sem alteração farmacêutica
PRESCRIÇÃO
TIPOS BÁSICOS
• Quanto ao tipo de prescrição:
– De urgência: início imediato do tratamento e
geralmente contém dose única
– PRN (do latim “pro re nata”: “se necessário”):
tratamento prescrito deve ser administrado de
acordo com a necessidade do paciente,
considerando seu estado e respeitando o tempo
mínimo entre as administrações
PRESCRIÇÃO
TIPOS BÁSICOS
• Quanto ao tipo de prescrição:
– Baseada em protocolo: critérios preestabelecidos
para iniciar tratamento, seu decurso e conclusão
– Padrão: mais comum, inicia um tratamento que
continuará, até que o próprio médico o interrompa
– Padrão com data de fechamento: indica o início e
o fim do tratamento
– Verbal: reservada para situações de urgência, face
à elevada probabilidade de erros envolvidos
PRESCRIÇÃO
ELEMENTOS BÁSICOS
• CABEÇALHO: Nome e endereço da instituição
• SUPERINSCRIÇÃO:
– Dados do paciente: nome, endereço (andar,
enfermaria, serviço, leito e número do prontuário),
idade, peso, altura, alergias e símbolo “Rx”(receba);
• INSCRIÇÃO:
– Nome do medicamento (Denominação Comum
Brasileira/Internacional: DCB/DCI), concentração
(sistema métrico nacional), forma farmacêutica
PRESCRIÇÃO
ELEMENTOS BÁSICOS
• SUBINSCRIÇÃO:
– Dose (sistema métrico nacional), diluente (tipo e
volume; para administrações parenterais),
posologia, quantidade total a ser dispensada e
administrada, velocidade de infusão (soluções
intravenosas) e duração da terapia
• TRANSCRIÇÃO:
– Orientações para o farmacêutico e o enfermeiro
PRESCRIÇÃO
ELEMENTOS BÁSICOS
• LOCAL E DATA
• IDENTIFICAÇÃO DO PRESCRITOR:
– Carimbo com número do registro no Conselho
Regional de Medicina/Odontologia/Outro
– Assinatura
Prescrição Médica Hospitalar
PRESCRIÇÃO
ESTRUTURA MÍNIMA
• Medicamento de uso oral:
– Nome da droga + Concentração + Forma
farmacêutica + Dose + Posologia + Via +
Orientações de uso
• Exemplo:
– Captopril 25mg, comprimido. Administrar 50mg de
8/8h por via oral, 1h antes ou 2h depois de
alimentos
PRESCRIÇÃO
ESTRUTURA MÍNIMA
• Medicamento de uso tópico:
– Nome da droga + Concentração + Forma
farmacêutica + Posologia + Via + Orientações
• Exemplo:
– Permanganato de potássio 1:60.000, solução,
aplicar compressas em membro inferior direito
3x/dia, após o banho
PRESCRIÇÃO
ESTRUTURA MÍNIMA
• Medicamento de uso endovenoso:
– Nome da droga + Concentração + Forma
farmacêutica + Dose + Diluente + Volume + Via +
Velocidade de infusão + Posologia + Orientações
para administração e uso
– Anfotericina B 50mg, Frasco-ampola, reconstituir
50mg em 10ml de água destilada e rediluir p/ 500ml
de Soro Glicosado 5%, Endovenoso. Correr em 5
horas, 35 gotas/min., 1x/dia
PRESCRIÇÃO
ESTRUTURA MÍNIMA
• Medicamento de uso parenteral (outro):
– Nome do medicamento + Concentração + Forma
farmacêutica + Dose + Diluente + Volume + Via +
Posologia + Orientações de administração e uso
– IM (com diluição): Ceftriaxona 1g, frasco-ampola.
Diluir 1g em 3,5ml de lidocaína 1%. Fazer a
solução obtida via intramuscular profunda (região
glútea) de 12/12h
PRESCRIÇÃO
ESTRUTURA MÍNIMA
• Medicamento de uso parenteral (outro):
– IM (sem diluição): Vitamina K (fitomenadiona)
10mg/ml, ampola. Fazer 1 ampola (1ml), via
intramuscular profunda (região glútea), 1x/dia
– IT (com diluição): Citarabina 100mg, frasco-ampola.
Diluir 1 frasco-ampola em 5ml de solução
fisiológica 0,9%. Fazer 1,5ml intratecal, 1x/dia.
Preparar a solução imediatamente antes da
aplicação e desprezar o restante
PRESCRIÇÃO
ESTRUTURA MÍNIMA
• Medicamento de uso parenteral (outro):
– SC (sem diluição): Heparina sódica 5000 unidades
internacionais/0,25ml, ampola. Fazer 1 ampola
(0,25ml) subcutânea de 12/12h
– Inalatório: Bromidrato de Fenoterol 5mg/ml, solução
para inalação. Fazer aerosol com 0,25ml (5 gotas)
em 3ml de solução fisiológica 0,9% de 6/6h.
Nebulizar e inalar até esgotar toda a solução
PRESCRIÇÃO
ESTRUTURA MÍNIMA
• Medicamentos de uso parenteral que serão
abordados noutro momento:
– Nutrição parenteral
– Hemoderivados
– Hemocomponentes
– Quimioterápicos antineoplásicos
– Outros
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• Prescrição ilegível:
– Fluconazol “interpretada” como Fluimucil®
• Para evitar:
– Escreva com letras maiúsculas ou digite
– Caso haja uma segunda via carbonada, sempre
veja se a mesma está legível
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• Prescrição ilegível:
– Mantidan® “interpretada” como Marevan®
• Para evitar:
– Escreva com letras maiúsculas ou digite
– Caso haja uma segunda via carbonada, sempre
veja se a mesma está legível
– Não use nomes comerciais
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• Prescrição confusa/ambígua
• Para evitar:
– Quando mudar de opinião, suspenda o item e
prescreva novamente, da forma desejada
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• Prescrição confusa/ambígua
• Para evitar:
– Prescreva a concentração da medicação (relação
peso/volume) e use unidade métrica para
expressar a dose desejada (1ml + 18ml, 2ml + 18ml
etc.)
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• Prescrição de medicações com princípios ativos
iguais, usando-se nomes comerciais
– O Paracetamol em ambas as drogas aumenta a
chance de toxicidade (dose máxima/dia)
• Para evitar:
– Denominação Comum Brasileira ou Internacional
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• Prescrição acima da dose máxima preconizada
• Não há como “fracionar” a droga em questão
• Melhor:
– Prescrever o comprimido em dias alternados
– Usar a solução oral ou elixir
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• Item com baixa legibilidade e muito incompleto
• “Tramal® 01 FA EV 8/8”
– Qual a dose desejada? 50 ou 100mg?
– Qual a diluição?
– Qual a velocidade de infusão?
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• A utilização de U como abreviatura de unidade,
muito próxima a dose, associada a redação
manuscrita, pode levar a um erro de aumentar 10
vezes a dose do paciente (no caso)
• Como evitar:
– Prescrevendo a dose, espaço e a palavra “unidade”
– Escrevendo “ui” (minúsculo), também mantendo o
espaço após a dose
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• O medicamento Captopril tem sua absorção reduzida
pela presença de alimentos em mais de 40%, portanto
a prescrição deve conter a orientação de
administrar Captopril 1 hora antes ou 2 horas
depois de alimentos
• Ou seja, não omita informações relevantes
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• O medicamento Cetoprofeno existe disponível em
ampola e frasco-ampola de 100mg cada, um para
administração intramuscular (ampola) e outro para
administração endovenosa (frasco-ampola).
• A omissão da forma farmacêutica e da via de
administração põem em risco o paciente, pois
facilita a administração da apresentação
intramuscular por via endovenosa
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• Omitir a velocidade de infusão da Vancomicina é
cooperar para a ocorrência da “síndrome do homem
vermelho”* e outros eventos adversos
*Reação adversa esperada e ocorre com a infusão
rápida do medicamento (< 60 minutos)
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• Evite:
– Usar unidades de medida imprecisas como “colher
de sopa”, “colher de chá” etc.
– Omitir a diluição e o diluente adequados:
• Omeprazol injetável: com diluente próprio;
• Anfotericina B: precipita e perde potência quando
diluída com solução fisiológica;
• Piperacilina+tazobactama: não é compatível com
ringer lactato
PRESCRIÇÃO
ERROS: EVITE!
• Evitar:
– Usar pontos ou vírgulas desnecessários
• Pode ocorrer um erro de leitura e o paciente
tomar 50mg
– Usar abreviaturas quaisquer:
• Fk 506, Mtx, HCTZ, NAC; SOS, ACM, SNF
DICAS PARA AUMENTAR A
SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO
• Conheça a terapia instituída para o seu paciente
• Identifique alergias e interações medicamentosas
• Use letra legível ou opte pela prescrição digitada
• Caso use prescrição digitada, não use formulário
pautado para impressão (as linhas poderão gerar
dúvidas quando os itens não estiverem perfeitamente
impressos sobre as mesmas)
• Use denominações “genéricas” (DCB ou DCI)
DICAS PARA AUMENTAR A
SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO
• Evite uso de abreviaturas (caso as mesmas sejam
imprescindíveis, elabore uma relação das mesmas
com seus significados e disponibilize para a equipe de
Enfermagem, de Farmácia, de Nutrição e de
Fisioterapia do hospital)
• Caso haja padronização de abreviaturas, prefira
“EV” ao invés de “IV” (quando manuscrita pode
parecer “IM”, gerando erro)
DICAS PARA AUMENTAR A
SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO
• Jamais use abreviaturas nos nomes das drogas
• Não use fórmulas químicas (ex: kMnO4, Fe2SO4 etc.)
• Fique atento e alerte as equipes quando prescrever
drogas com sons ou escrita semelhantes
• Confira as doses prescritas em fontes atualizadas
e baseadas em evidências
• Use o sistema métrico para as doses desejadas
(ml, mg, g, mcg etc.)
DICAS PARA AUMENTAR A
SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO
• Não use medidas imprecisas como “colher de sopa”,
“colher de chá”, dentre outras, pois tais unidades de
medida acarretam variação de volume e de dose
• Arredonde as doses para o número inteiro mais
próximo (cuidado com as prescrições pediátricas)
• Não use “vírgula e zero” depois da dose/quantidade,
evitando que a prescrição de “5,0” se transforme, em
uma leitura rápida, em “50”, ou “0,5” se transforme em
“5”, gerando um erro de 10 vezes a dose desejada
DICAS PARA AUMENTAR A
SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO
• Verifique se todos os elementos necessários ao
adequado cumprimento da prescrição foram escritos
(ver estrutura mínima para prescrição)
• Não suprima nenhuma informação de
identificação do paciente: nome completo, número
do prontuário, serviço, setor, andar, ala, enfermaria,
apartamento, quarto, leito etc.
DICAS PARA AUMENTAR A
SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO
• Registre na prescrição: idade, peso, altura,
superfície corporal (quimioterapia), alergias e
intolerâncias (dados fundamentais para conferência
da dose; o peso deve estar sempre atualizado)
• Prescreva as diluições necessárias, velocidade e
tempo de infusão: não transfira a responsabilidade
• Prescreva orientações complementares para cada
droga, se preciso (em jejum, antes de dormir etc.)
DICAS PARA AUMENTAR A
SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO
• Não prescreva “usar como costume”, “como
habitual” ou outras expressões vagas
• Faça dupla checagem de todos os cálculos das doses
• Date, assine de forma legível, coloque o número de
registro profissional ou carimbe a prescrição (valide!)
• Ao final, releia a prescrição, observando se não
existem itens duplicados, se todas as orientações
foram escritas, se estão claras e se o paciente foi
devidamente identificado
DICAS PARA AUMENTAR A
SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO
• Restrinja as orientações verbais às urgências
• Reavalie diariamente a necessidade das drogas
• Quanto mais clara e completa estiver a prescrição,
mais segura ela será
• Caso suspeite de uma reação adversa, notifique
• Mantenha uma boa comunicação com as equipes de
Farmácia, Enfermagem, Nutrição, Fisioterapia etc.,
para facilitar as trocas de informações que
aumentam a segurança para o paciente
Fontes
• www.who.int/medicines
• www.anvisa.org.br
• www.opas.org.br
• www.iom.edu
• www.ismp.org
• www.jcaho.org
• www.npsf.org
• www.leapfroggroup.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraDor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
emaildocavalcante
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Fabricio Marques Moreira
 
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APS
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APSO MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APS
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
Gilson Betta Sevilha
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
tuttitutti1
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Adm med via intramuscular
Adm med via intramuscularAdm med via intramuscular
Adm med via intramuscular
Viviane da Silva
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
Claudio Luis Venturini
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
Andréa Dantas
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
universitária
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 

Mais procurados (20)

Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraDor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
 
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APS
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APSO MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APS
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APS
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Adm med via intramuscular
Adm med via intramuscularAdm med via intramuscular
Adm med via intramuscular
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
Prontuário
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 

Destaque

Manual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição MédicaManual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição Médica
Flávia Salame
 
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
Farmacêutico Digital
 
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Farmacêutico Digital
 
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoPlano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Selma Silva
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Viviane da Silva
 
Prescrições de medicamentos
Prescrições de medicamentosPrescrições de medicamentos
Prescrições de medicamentos
Rosangela Barros Silva
 
Receituários de acordo com a port 344 98
Receituários de acordo com a port 344 98Receituários de acordo com a port 344 98
Receituários de acordo com a port 344 98
Farmacêutico Digital
 
Erros de Medicação - Marcelo Polacow
Erros de Medicação - Marcelo PolacowErros de Medicação - Marcelo Polacow
Erros de Medicação - Marcelo Polacow
Marcelo Polacow Bisson
 
Administração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagemAdministração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagem
Marcio Pinto da Silva
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Yasmin Casini
 
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
farmaefarma
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
José Carlos Nascimento
 
Prescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêutica
farmaefarma
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
ISCISA
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicação
Andréa Dantas
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
3 Hemocromatose Hereditária
3  Hemocromatose Hereditária3  Hemocromatose Hereditária
3 Hemocromatose Hereditária
Francismar Prestes Leal
 
Material dispensação de produtos controlados- versão 2
Material dispensação de produtos controlados- versão 2Material dispensação de produtos controlados- versão 2
Material dispensação de produtos controlados- versão 2
marinezesper
 
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA)
Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA)Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA)
Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA)
Francismar Prestes Leal
 

Destaque (20)

Manual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição MédicaManual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição Médica
 
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
 
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
 
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoPlano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
 
Prescrições de medicamentos
Prescrições de medicamentosPrescrições de medicamentos
Prescrições de medicamentos
 
Receituários de acordo com a port 344 98
Receituários de acordo com a port 344 98Receituários de acordo com a port 344 98
Receituários de acordo com a port 344 98
 
Erros de Medicação - Marcelo Polacow
Erros de Medicação - Marcelo PolacowErros de Medicação - Marcelo Polacow
Erros de Medicação - Marcelo Polacow
 
Administração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagemAdministração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagem
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
 
Prescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêutica
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicação
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
3 Hemocromatose Hereditária
3  Hemocromatose Hereditária3  Hemocromatose Hereditária
3 Hemocromatose Hereditária
 
Material dispensação de produtos controlados- versão 2
Material dispensação de produtos controlados- versão 2Material dispensação de produtos controlados- versão 2
Material dispensação de produtos controlados- versão 2
 
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 
Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA)
Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA)Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA)
Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA)
 

Semelhante a Prescrição Médica Hospitalar

Slide já .pdf jejdjhfjfjkwkwusndksosidj
Slide já .pdf jejdjhfjfjkwkwusndksosidjSlide já .pdf jejdjhfjfjkwkwusndksosidj
Slide já .pdf jejdjhfjfjkwkwusndksosidj
goncalvesdras15
 
Estudos de utilização de medicamentos
Estudos de utilização de medicamentosEstudos de utilização de medicamentos
Estudos de utilização de medicamentos
Sandra Brassica
 
Avaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da FarmacoterapiaAvaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da Farmacoterapia
Cassyano Correr
 
Enfermagem ADM e Drogas
Enfermagem ADM e DrogasEnfermagem ADM e Drogas
Enfermagem ADM e Drogas
Viviane Campos
 
AULA DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS. PDF1
AULA DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS. PDF1AULA DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS. PDF1
AULA DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS. PDF1
DiegoFernandes857616
 
vias de adm aula 3.ppt
vias de adm aula 3.pptvias de adm aula 3.ppt
vias de adm aula 3.ppt
DonlvaroCostaVanessa
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
Cassyano Correr
 
Protocolo de prescrição de Medicamentos
Protocolo de  prescrição de MedicamentosProtocolo de  prescrição de Medicamentos
Protocolo de prescrição de Medicamentos
Socorro Carneiro
 
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfpraticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
MarcioCruz62
 
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptxPraticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Nayara921526
 
Fundamentos de terapêutica veterinária
Fundamentos de terapêutica veterináriaFundamentos de terapêutica veterinária
Fundamentos de terapêutica veterinária
argeropulos1
 
4ª EVOLUÇÃO DO FARMACEUTICO EM PRONTUARIO.ppt
4ª EVOLUÇÃO DO FARMACEUTICO EM PRONTUARIO.ppt4ª EVOLUÇÃO DO FARMACEUTICO EM PRONTUARIO.ppt
4ª EVOLUÇÃO DO FARMACEUTICO EM PRONTUARIO.ppt
LciaPaulaSchelbauerB
 
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
JesusCo1908
 
Apostila de farmaco
Apostila de farmacoApostila de farmaco
Apostila de farmaco
AnaCristina583
 
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdfLivro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
Denise Bacelar Soares
 
Protocolo meta de controle de dados autonomos.
Protocolo meta de controle de dados autonomos.Protocolo meta de controle de dados autonomos.
Protocolo meta de controle de dados autonomos.
JosuBarbosaJr
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico Clínico
Marcelo Polacow Bisson
 
Administração de-medicamentos
Administração de-medicamentosAdministração de-medicamentos
Administração de-medicamentos
Madja Figueiredo
 
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagem
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagemAdministração-de-medicamentos.pptx enffermagem
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagem
LuanMiguelCosta
 
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdfFarmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
MarciaRodrigues615662
 

Semelhante a Prescrição Médica Hospitalar (20)

Slide já .pdf jejdjhfjfjkwkwusndksosidj
Slide já .pdf jejdjhfjfjkwkwusndksosidjSlide já .pdf jejdjhfjfjkwkwusndksosidj
Slide já .pdf jejdjhfjfjkwkwusndksosidj
 
Estudos de utilização de medicamentos
Estudos de utilização de medicamentosEstudos de utilização de medicamentos
Estudos de utilização de medicamentos
 
Avaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da FarmacoterapiaAvaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da Farmacoterapia
 
Enfermagem ADM e Drogas
Enfermagem ADM e DrogasEnfermagem ADM e Drogas
Enfermagem ADM e Drogas
 
AULA DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS. PDF1
AULA DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS. PDF1AULA DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS. PDF1
AULA DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS. PDF1
 
vias de adm aula 3.ppt
vias de adm aula 3.pptvias de adm aula 3.ppt
vias de adm aula 3.ppt
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
 
Protocolo de prescrição de Medicamentos
Protocolo de  prescrição de MedicamentosProtocolo de  prescrição de Medicamentos
Protocolo de prescrição de Medicamentos
 
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfpraticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
 
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptxPraticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
 
Fundamentos de terapêutica veterinária
Fundamentos de terapêutica veterináriaFundamentos de terapêutica veterinária
Fundamentos de terapêutica veterinária
 
4ª EVOLUÇÃO DO FARMACEUTICO EM PRONTUARIO.ppt
4ª EVOLUÇÃO DO FARMACEUTICO EM PRONTUARIO.ppt4ª EVOLUÇÃO DO FARMACEUTICO EM PRONTUARIO.ppt
4ª EVOLUÇÃO DO FARMACEUTICO EM PRONTUARIO.ppt
 
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
9 fundamentos-de-terapeutica-veterinaria
 
Apostila de farmaco
Apostila de farmacoApostila de farmaco
Apostila de farmaco
 
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdfLivro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
 
Protocolo meta de controle de dados autonomos.
Protocolo meta de controle de dados autonomos.Protocolo meta de controle de dados autonomos.
Protocolo meta de controle de dados autonomos.
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico Clínico
 
Administração de-medicamentos
Administração de-medicamentosAdministração de-medicamentos
Administração de-medicamentos
 
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagem
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagemAdministração-de-medicamentos.pptx enffermagem
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagem
 
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdfFarmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
 

Mais de Francismar Prestes Leal

RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
Francismar Prestes Leal
 
Síndrome de Chédiak-Higashi
Síndrome de Chédiak-HigashiSíndrome de Chédiak-Higashi
Síndrome de Chédiak-Higashi
Francismar Prestes Leal
 
Trombofilia
TrombofiliaTrombofilia
Sangue
SangueSangue
Trombocitopenias
TrombocitopeniasTrombocitopenias
Trombocitopenias
Francismar Prestes Leal
 
Anemias Hemolíticas Visão Geral
Anemias Hemolíticas Visão GeralAnemias Hemolíticas Visão Geral
Anemias Hemolíticas Visão Geral
Francismar Prestes Leal
 
3 Anemias Carenciais Ferropenia
3  Anemias Carenciais Ferropenia3  Anemias Carenciais Ferropenia
3 Anemias Carenciais Ferropenia
Francismar Prestes Leal
 
3 Anemias Carenciais Megaloblásticas
3  Anemias Carenciais Megaloblásticas3  Anemias Carenciais Megaloblásticas
3 Anemias Carenciais Megaloblásticas
Francismar Prestes Leal
 
3 Anemias Carenciais
3  Anemias Carenciais3  Anemias Carenciais
3 Anemias Carenciais
Francismar Prestes Leal
 
2 Anemias - Visão Geral
2  Anemias - Visão Geral2  Anemias - Visão Geral
2 Anemias - Visão Geral
Francismar Prestes Leal
 
2 anemias - visão geral
2  anemias - visão geral2  anemias - visão geral
2 anemias - visão geral
Francismar Prestes Leal
 
1 História da Hematologia - Aula Medicina Uningá Dr Francismar Leal
1  História da Hematologia - Aula Medicina Uningá Dr Francismar Leal1  História da Hematologia - Aula Medicina Uningá Dr Francismar Leal
1 História da Hematologia - Aula Medicina Uningá Dr Francismar Leal
Francismar Prestes Leal
 
1 história hematologia
1  história hematologia1  história hematologia
1 história hematologia
Francismar Prestes Leal
 

Mais de Francismar Prestes Leal (13)

RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
 
Síndrome de Chédiak-Higashi
Síndrome de Chédiak-HigashiSíndrome de Chédiak-Higashi
Síndrome de Chédiak-Higashi
 
Trombofilia
TrombofiliaTrombofilia
Trombofilia
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
Trombocitopenias
TrombocitopeniasTrombocitopenias
Trombocitopenias
 
Anemias Hemolíticas Visão Geral
Anemias Hemolíticas Visão GeralAnemias Hemolíticas Visão Geral
Anemias Hemolíticas Visão Geral
 
3 Anemias Carenciais Ferropenia
3  Anemias Carenciais Ferropenia3  Anemias Carenciais Ferropenia
3 Anemias Carenciais Ferropenia
 
3 Anemias Carenciais Megaloblásticas
3  Anemias Carenciais Megaloblásticas3  Anemias Carenciais Megaloblásticas
3 Anemias Carenciais Megaloblásticas
 
3 Anemias Carenciais
3  Anemias Carenciais3  Anemias Carenciais
3 Anemias Carenciais
 
2 Anemias - Visão Geral
2  Anemias - Visão Geral2  Anemias - Visão Geral
2 Anemias - Visão Geral
 
2 anemias - visão geral
2  anemias - visão geral2  anemias - visão geral
2 anemias - visão geral
 
1 História da Hematologia - Aula Medicina Uningá Dr Francismar Leal
1  História da Hematologia - Aula Medicina Uningá Dr Francismar Leal1  História da Hematologia - Aula Medicina Uningá Dr Francismar Leal
1 História da Hematologia - Aula Medicina Uningá Dr Francismar Leal
 
1 história hematologia
1  história hematologia1  história hematologia
1 história hematologia
 

Prescrição Médica Hospitalar

  • 1. © L. A. Burden 2005 PRESCRIÇÃO MÉDICA HOSPITALAR Dr Francismar Prestes Leal (CRM/PR 18829) Médico Hematologista (UFSM/UNIFESP) Professor Uningá/Maringá/PR Setembro/2013
  • 2. CONCEITOS “Primum non nocere” (Primeiro, não cause mal) Hipócrates
  • 3. CONCEITOS • No meio hospitalar, o cuidar é multidisciplinar • A boa comunicação, assim, é fundamental • No cotidiano, essa comunicação se faz sob diversas formas, destacando-se a escrita • O prontuário do paciente é o fiel depositário das informações sobre o mesmo (detalhes da vida, das doenças, exames, evolução, intervenções diversas), constituindo fonte de comunicação ímpar
  • 4. CONCEITOS • Parte importante do prontuário é o receituário, com prescrições de medicamentos e cuidados • A prescrição é talvez o mais forte “elo” entre médicos, farmacêuticos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas e demais colegas de trabalho • Deve conter elementos mínimos, para conferir eficiência ao processo de assistência, garantindo que a orientação médica seja rigorosamente transmitida, favorecendo a obtenção de bons resultados
  • 5. CONCEITOS • Em 2000, o Institute of Medicine dos EUA, publicou o estudo “To Err is Human”, sobre erros no processo de assistência à saúde: – 44.000 a 98.000 pessoas morriam por ano nos EUA, em decorrência de erros na área da saúde – 7.000 mortes/ano podiam ser atribuídas a erros de medicação (número maior que o de pessoas que morriam com câncer de mama, AIDS ou acidentes de veículos)
  • 6. CONCEITOS • Outro estudo demonstrou que a ocorrência de um evento adverso: – Incrementa em 2 vezes o risco de morte – Resulta em um aumento médio de 8,5 dias no tempo de permanência do paciente no hospital – Aumenta o custo em cerca de 4700 dólares por admissão BATES, D. W. Using Information technology to reduce rates of medication errors in hospitals. BMJ, v. 320, p. 788-91, 2000
  • 7. CONCEITOS • Eventos adversos relacionados a medicamentos são a principal causa de iatrogenia • Ocorrem frequentemente em hospitais, sendo classificados como “preveníveis”, podendo ou não resultar em danos aos pacientes • O potencial iatrogênico da prescrição “per si” decorre de erros na dose, na via de administração, na frequência ou na interação dos fármacos BATES, D. W. et al. Incidence of adverse drug events and potential adverse drug events: implications for prevention. JAMA, v. 274, n. 1, p. 29-34, Jul. 1995 (b).
  • 8. CONCEITOS • Superar falhas requer o reconhecimento de que a assistência à saúde possui pontos frágeis que podem comprometer a segurança do paciente • A chave para reduzir o risco é criar um ambiente que substitua a cultura da culpa/punição por uma cultura de vigilância/cooperação, expondo dessa forma os pontos fracos que podem causar erros • A adoção de práticas baseadas em protocolos e evidências clínicas é outra “base” para evitar erros
  • 9. CONCEITOS • Principais características da boa prescrição: – Completa – Legível – Sem rasuras
  • 10. PRESCRIÇÃO BASE LEGAL • Decreto n°20931 de 11/01/32 – art.15, inciso b: é dever do médico “escrever a prescrição por extenso, de forma legível, em vernáculo (idioma próprio do país), nela indicando o uso interno ou externo dos medicamentos e o nome do doente” – art. 16, inciso b: “é vetado ao médico receitar sob forma secreta, com uso de códigos” (símbolos)
  • 11. PRESCRIÇÃO BASE LEGAL • Lei n° 5991 de 17/12/79, VI, art. 35: “a prescrição deverá utilizar a nomenclatura e o sistema de pesos e medidas oficiais, modo de usar os medicamentos, data, assinatura do prescritor e número de inscrição no conselho profissional” • Resolução CFM n° 1246/88: “receitar ou atestar de forma secreta ou ilegível...”; “dar consulta, diagnóstico ou prescrição por intermédio de qualquer veículo de comunicação de massa”
  • 12. PRESCRIÇÃO BASE LEGAL • RDC n° 10/01 acresce ao processo de elaboração de uma prescrição, a obrigatoriedade, caso o medicamento seja prescrito em instituição pública, da utilização da Denominação Comum Brasileira - DCB ou em sua ausência, da Denominação Comum Internacional – DCI • Código de ética médica, CFM, 2002, capítulo II, art. 39: é vetado ao médico receitar sob forma secreta, com uso de códigos (símbolos)
  • 13. PRESCRIÇÃO TIPOS BÁSICOS • Quanto à origem: – Ambulatorial: atendimento em ambulatório – Hospitalar: realizada para paciente internado • Quanto ao tipo de medicação: – Manipulada (magistral/galênica): o médico escolhe substância/dose e o farmacêutico prepara a droga – Oficinal (especializada): droga produzida pela indústria farmacêutica e que deve ser administrada na forma fornecida, sem alteração farmacêutica
  • 14. PRESCRIÇÃO TIPOS BÁSICOS • Quanto ao tipo de prescrição: – De urgência: início imediato do tratamento e geralmente contém dose única – PRN (do latim “pro re nata”: “se necessário”): tratamento prescrito deve ser administrado de acordo com a necessidade do paciente, considerando seu estado e respeitando o tempo mínimo entre as administrações
  • 15. PRESCRIÇÃO TIPOS BÁSICOS • Quanto ao tipo de prescrição: – Baseada em protocolo: critérios preestabelecidos para iniciar tratamento, seu decurso e conclusão – Padrão: mais comum, inicia um tratamento que continuará, até que o próprio médico o interrompa – Padrão com data de fechamento: indica o início e o fim do tratamento – Verbal: reservada para situações de urgência, face à elevada probabilidade de erros envolvidos
  • 16. PRESCRIÇÃO ELEMENTOS BÁSICOS • CABEÇALHO: Nome e endereço da instituição • SUPERINSCRIÇÃO: – Dados do paciente: nome, endereço (andar, enfermaria, serviço, leito e número do prontuário), idade, peso, altura, alergias e símbolo “Rx”(receba); • INSCRIÇÃO: – Nome do medicamento (Denominação Comum Brasileira/Internacional: DCB/DCI), concentração (sistema métrico nacional), forma farmacêutica
  • 17. PRESCRIÇÃO ELEMENTOS BÁSICOS • SUBINSCRIÇÃO: – Dose (sistema métrico nacional), diluente (tipo e volume; para administrações parenterais), posologia, quantidade total a ser dispensada e administrada, velocidade de infusão (soluções intravenosas) e duração da terapia • TRANSCRIÇÃO: – Orientações para o farmacêutico e o enfermeiro
  • 18. PRESCRIÇÃO ELEMENTOS BÁSICOS • LOCAL E DATA • IDENTIFICAÇÃO DO PRESCRITOR: – Carimbo com número do registro no Conselho Regional de Medicina/Odontologia/Outro – Assinatura
  • 20. PRESCRIÇÃO ESTRUTURA MÍNIMA • Medicamento de uso oral: – Nome da droga + Concentração + Forma farmacêutica + Dose + Posologia + Via + Orientações de uso • Exemplo: – Captopril 25mg, comprimido. Administrar 50mg de 8/8h por via oral, 1h antes ou 2h depois de alimentos
  • 21. PRESCRIÇÃO ESTRUTURA MÍNIMA • Medicamento de uso tópico: – Nome da droga + Concentração + Forma farmacêutica + Posologia + Via + Orientações • Exemplo: – Permanganato de potássio 1:60.000, solução, aplicar compressas em membro inferior direito 3x/dia, após o banho
  • 22. PRESCRIÇÃO ESTRUTURA MÍNIMA • Medicamento de uso endovenoso: – Nome da droga + Concentração + Forma farmacêutica + Dose + Diluente + Volume + Via + Velocidade de infusão + Posologia + Orientações para administração e uso – Anfotericina B 50mg, Frasco-ampola, reconstituir 50mg em 10ml de água destilada e rediluir p/ 500ml de Soro Glicosado 5%, Endovenoso. Correr em 5 horas, 35 gotas/min., 1x/dia
  • 23. PRESCRIÇÃO ESTRUTURA MÍNIMA • Medicamento de uso parenteral (outro): – Nome do medicamento + Concentração + Forma farmacêutica + Dose + Diluente + Volume + Via + Posologia + Orientações de administração e uso – IM (com diluição): Ceftriaxona 1g, frasco-ampola. Diluir 1g em 3,5ml de lidocaína 1%. Fazer a solução obtida via intramuscular profunda (região glútea) de 12/12h
  • 24. PRESCRIÇÃO ESTRUTURA MÍNIMA • Medicamento de uso parenteral (outro): – IM (sem diluição): Vitamina K (fitomenadiona) 10mg/ml, ampola. Fazer 1 ampola (1ml), via intramuscular profunda (região glútea), 1x/dia – IT (com diluição): Citarabina 100mg, frasco-ampola. Diluir 1 frasco-ampola em 5ml de solução fisiológica 0,9%. Fazer 1,5ml intratecal, 1x/dia. Preparar a solução imediatamente antes da aplicação e desprezar o restante
  • 25. PRESCRIÇÃO ESTRUTURA MÍNIMA • Medicamento de uso parenteral (outro): – SC (sem diluição): Heparina sódica 5000 unidades internacionais/0,25ml, ampola. Fazer 1 ampola (0,25ml) subcutânea de 12/12h – Inalatório: Bromidrato de Fenoterol 5mg/ml, solução para inalação. Fazer aerosol com 0,25ml (5 gotas) em 3ml de solução fisiológica 0,9% de 6/6h. Nebulizar e inalar até esgotar toda a solução
  • 26. PRESCRIÇÃO ESTRUTURA MÍNIMA • Medicamentos de uso parenteral que serão abordados noutro momento: – Nutrição parenteral – Hemoderivados – Hemocomponentes – Quimioterápicos antineoplásicos – Outros
  • 27. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • Prescrição ilegível: – Fluconazol “interpretada” como Fluimucil® • Para evitar: – Escreva com letras maiúsculas ou digite – Caso haja uma segunda via carbonada, sempre veja se a mesma está legível
  • 28. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • Prescrição ilegível: – Mantidan® “interpretada” como Marevan® • Para evitar: – Escreva com letras maiúsculas ou digite – Caso haja uma segunda via carbonada, sempre veja se a mesma está legível – Não use nomes comerciais
  • 29. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • Prescrição confusa/ambígua • Para evitar: – Quando mudar de opinião, suspenda o item e prescreva novamente, da forma desejada
  • 30. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • Prescrição confusa/ambígua • Para evitar: – Prescreva a concentração da medicação (relação peso/volume) e use unidade métrica para expressar a dose desejada (1ml + 18ml, 2ml + 18ml etc.)
  • 31. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • Prescrição de medicações com princípios ativos iguais, usando-se nomes comerciais – O Paracetamol em ambas as drogas aumenta a chance de toxicidade (dose máxima/dia) • Para evitar: – Denominação Comum Brasileira ou Internacional
  • 32. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • Prescrição acima da dose máxima preconizada • Não há como “fracionar” a droga em questão • Melhor: – Prescrever o comprimido em dias alternados – Usar a solução oral ou elixir
  • 33. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • Item com baixa legibilidade e muito incompleto • “Tramal® 01 FA EV 8/8” – Qual a dose desejada? 50 ou 100mg? – Qual a diluição? – Qual a velocidade de infusão?
  • 34. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • A utilização de U como abreviatura de unidade, muito próxima a dose, associada a redação manuscrita, pode levar a um erro de aumentar 10 vezes a dose do paciente (no caso) • Como evitar: – Prescrevendo a dose, espaço e a palavra “unidade” – Escrevendo “ui” (minúsculo), também mantendo o espaço após a dose
  • 35. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • O medicamento Captopril tem sua absorção reduzida pela presença de alimentos em mais de 40%, portanto a prescrição deve conter a orientação de administrar Captopril 1 hora antes ou 2 horas depois de alimentos • Ou seja, não omita informações relevantes
  • 36. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • O medicamento Cetoprofeno existe disponível em ampola e frasco-ampola de 100mg cada, um para administração intramuscular (ampola) e outro para administração endovenosa (frasco-ampola). • A omissão da forma farmacêutica e da via de administração põem em risco o paciente, pois facilita a administração da apresentação intramuscular por via endovenosa
  • 37. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • Omitir a velocidade de infusão da Vancomicina é cooperar para a ocorrência da “síndrome do homem vermelho”* e outros eventos adversos *Reação adversa esperada e ocorre com a infusão rápida do medicamento (< 60 minutos)
  • 38. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • Evite: – Usar unidades de medida imprecisas como “colher de sopa”, “colher de chá” etc. – Omitir a diluição e o diluente adequados: • Omeprazol injetável: com diluente próprio; • Anfotericina B: precipita e perde potência quando diluída com solução fisiológica; • Piperacilina+tazobactama: não é compatível com ringer lactato
  • 39. PRESCRIÇÃO ERROS: EVITE! • Evitar: – Usar pontos ou vírgulas desnecessários • Pode ocorrer um erro de leitura e o paciente tomar 50mg – Usar abreviaturas quaisquer: • Fk 506, Mtx, HCTZ, NAC; SOS, ACM, SNF
  • 40. DICAS PARA AUMENTAR A SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO • Conheça a terapia instituída para o seu paciente • Identifique alergias e interações medicamentosas • Use letra legível ou opte pela prescrição digitada • Caso use prescrição digitada, não use formulário pautado para impressão (as linhas poderão gerar dúvidas quando os itens não estiverem perfeitamente impressos sobre as mesmas) • Use denominações “genéricas” (DCB ou DCI)
  • 41. DICAS PARA AUMENTAR A SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO • Evite uso de abreviaturas (caso as mesmas sejam imprescindíveis, elabore uma relação das mesmas com seus significados e disponibilize para a equipe de Enfermagem, de Farmácia, de Nutrição e de Fisioterapia do hospital) • Caso haja padronização de abreviaturas, prefira “EV” ao invés de “IV” (quando manuscrita pode parecer “IM”, gerando erro)
  • 42. DICAS PARA AUMENTAR A SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO • Jamais use abreviaturas nos nomes das drogas • Não use fórmulas químicas (ex: kMnO4, Fe2SO4 etc.) • Fique atento e alerte as equipes quando prescrever drogas com sons ou escrita semelhantes • Confira as doses prescritas em fontes atualizadas e baseadas em evidências • Use o sistema métrico para as doses desejadas (ml, mg, g, mcg etc.)
  • 43. DICAS PARA AUMENTAR A SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO • Não use medidas imprecisas como “colher de sopa”, “colher de chá”, dentre outras, pois tais unidades de medida acarretam variação de volume e de dose • Arredonde as doses para o número inteiro mais próximo (cuidado com as prescrições pediátricas) • Não use “vírgula e zero” depois da dose/quantidade, evitando que a prescrição de “5,0” se transforme, em uma leitura rápida, em “50”, ou “0,5” se transforme em “5”, gerando um erro de 10 vezes a dose desejada
  • 44. DICAS PARA AUMENTAR A SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO • Verifique se todos os elementos necessários ao adequado cumprimento da prescrição foram escritos (ver estrutura mínima para prescrição) • Não suprima nenhuma informação de identificação do paciente: nome completo, número do prontuário, serviço, setor, andar, ala, enfermaria, apartamento, quarto, leito etc.
  • 45. DICAS PARA AUMENTAR A SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO • Registre na prescrição: idade, peso, altura, superfície corporal (quimioterapia), alergias e intolerâncias (dados fundamentais para conferência da dose; o peso deve estar sempre atualizado) • Prescreva as diluições necessárias, velocidade e tempo de infusão: não transfira a responsabilidade • Prescreva orientações complementares para cada droga, se preciso (em jejum, antes de dormir etc.)
  • 46. DICAS PARA AUMENTAR A SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO • Não prescreva “usar como costume”, “como habitual” ou outras expressões vagas • Faça dupla checagem de todos os cálculos das doses • Date, assine de forma legível, coloque o número de registro profissional ou carimbe a prescrição (valide!) • Ao final, releia a prescrição, observando se não existem itens duplicados, se todas as orientações foram escritas, se estão claras e se o paciente foi devidamente identificado
  • 47. DICAS PARA AUMENTAR A SEGURANÇA DA PRESCRIÇÃO • Restrinja as orientações verbais às urgências • Reavalie diariamente a necessidade das drogas • Quanto mais clara e completa estiver a prescrição, mais segura ela será • Caso suspeite de uma reação adversa, notifique • Mantenha uma boa comunicação com as equipes de Farmácia, Enfermagem, Nutrição, Fisioterapia etc., para facilitar as trocas de informações que aumentam a segurança para o paciente
  • 48. Fontes • www.who.int/medicines • www.anvisa.org.br • www.opas.org.br • www.iom.edu • www.ismp.org • www.jcaho.org • www.npsf.org • www.leapfroggroup.com