SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Parasitologia
Clínica
PARASITAS
O parasitismo é uma associação entre seres vivos
com unilateralidade de benefícios, sendo o
hospedeiro um dos associados e o prejudicado na
associação, pois fornece o alimento e o abrigo ao
parasita; assim, a parasitose é o estado de infecção
cuja agressão repercute prejudicialmente sobre o
hospedeiro (Neves, 1997).
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Parasitas
abordado
AMEBA
TRICHOMONAS
GIARDIA
ENTEROBIUS VERMICULARIS
AMEBA
CLASSIFICAÇÃO:
A Entamoeba histolytica é o agente etiológico
da amebíase, importante problema de saúde
pública que leva ao óbito, anualmente cerca
de 100.000 pessoas, constituindo a segunda
causa de mortes por parasitoses. (NEVES, p.127)
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Segundo o Comitê de Sistemática da Sociedade
Internacional de Protozoologia as amebas que
vivem no intestino humano, são:
Gêneros:
Entamoeba histolytica
Iodamoeba bütschlii
Endolimax nana
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
PATOGENIA E VIRULÊNCIA
Amebíase é a infecção do homem
causada pela Entamoeba histolytica ,
com ou sem manifestações clínicas.
(NEVES, p.132)
TRANSMISSÃO:
• Ingestão de cistos maduros, com alimentos
(sólidos ou líquidos);
• Água sem tratamento, contaminada por dejetos
humanos;
• Ingestão de alimentos contaminados(verduras
cruas – alface, agrião; Frutas-morango);
• Falta de higiene domiciliar;
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
Amebicidas que atuam diretamente na luz
intestinal: Paramomicina e Eritromicina
Amebicidas tissulares: Compostos de
Cloridrato de Emetina, Cloridrato de
Diidroemetina e Cloroquina.
Amebicidas que atuam tanto na luz
intestinal como nos tecidos: Metronidazol,
Ornidazol, Nitroimidazol e derivados.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRATAMENTO NÃO–FARMACOLÓGICO
Agrilife ou Citrosept-A- Combate parasitas intestinais
e outros que infestam o organismo como um todo;
Alho - O alho concentrado tem grande efeito
fermífugo - 6 cápsulas ao dia durante 10 dias.
Aloe Vera Gel - Tem ação vermífuga e nutridora. -
Tomar 30 ml antes das refeições.
Ingerir muito líquido durante o tratamento.
Recomendado a água de coco.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRICHOMONAS
CLASSIFICAÇÃO:
O Trichomonas faz parte da família
Trichomonadidae.
As quatros espécies encontrada no homem são:
Trichomonas vaginalis;
Trichomonas tenax;
Trichomonas hominis;
Trichomonas fecalis. Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Trichomonas vaginalis
• Protozoário heterotrófico e anaeróbico
facultativo;
• Possui flagelos para a locomoção;
• Se reproduz por divisão binária longitudinal, e
possui em seu núcleo seis cromossomos.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Local da infecção:
O Trichomonas vaginalis habita e produz
infecção no trato geniturinário tanto do homem
como na mulher,
E não consegue sobreviver fora do sistema
urogenital.
É uma DST.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Transmissão :
• A transmissão do T. vaginalis e feita através
de relação sexual;
• O homem é o vetor da doença, e com a
ejaculação, os Trichomonas presentes na
mucosa da uretra são levados à vagina
pelo esperma.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Sintomas
Na mulher provoca:
Corrimento vaginal, de odor fétido;
Dor e dificuldade na relação sexual;
Dor ao urinar;
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Sintomas:
No homem, a Tricomoníase é
comumente assintomática ou
apresenta-se como uma uretrite com
fluxo leitoso ou purulento e uma leve
sensação de prurido na uretra.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Tratamento:
O Tratamento da Trichomonas vaginalis é feito
com METRONIDAZOL.
Outros fármacos também podem ser utilizados:
TINIDAZOL (Fasigyn®)
ORNIDAZOL (Tiberal®)
SECNIDAZOL (Secnidal®)
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Tratamento em gestante:
Em gestantes esses
medicamentos não
podem ser usado via
oral, somente pela
aplicação de local de
cremes, geleias e
óvulos.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Esquema Terapêutico
Medicamentos Esquemas Posológicos
Metronidazol (Flagyl)
2 g de Metronidazol via oral de 3-
7 dias, mais 500 mg aplicados
intravaginalmente todas as noite,
Tinidazol (Fasigyn) 2 g por via oral em dose única
Secnidazol (Secnidal) 2g, em dose única de dois
comprimidos de 1 g, de
preferência à noite, ao deitar.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
GIARDIA
CLASSIFICAÇÃO:
A Giardia e uma infeccão por
protozoário, que atinge principalmente a
porção superior do intestino delgado.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
SINTOMAS
A maioria das infecções são
assintomáticas e ocorre tanto em adultos
como em crianças.
A sintomática pode apresentar diarréia
acompanhadas de dor abdominal.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRANSMISSÃO:
• Pela contaminaçao das mãos;
• Ingestão de cistos existentes em dejetos
de pessoas infectadas;
• Ingestão da água ou alimento
contaminado;
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
PATOGENIA E VIRULÊNCIA
Giardíase é uma infecçao por protozoario,
causada pela Giardia lamblia , com ou sem
manifestações clínicas. (MS p.146)
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
Secnidazol - 2g via oral dose única (adultos);
30mg/kg, dose única tomada após uma
refeição(crianças)
Metronidazol – 250 mg via oral, 2 vezes ao dia,
durante 05 dias (adultos);
15mg/kg ao dia , dividida em 2 tomadas, por 05 dias
(crianças);
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRATAMENTO NÃO–FARMACOLÓGICO
Hortelã: duas colheres se sopa de sumo do
hortelã, junto com duas colheres se sopa de mel
de abelha.
Alho: O alho concentrado tem grande efeito 06
cápsulas ao dia durante 10 dias.
Ingerir muito líquido durante o tratamento.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Enterobius
vermiculares
FAMÍLIA
A família Oxyuridae ;
Agente etiológico: Enterobius vermicularis,
Nematódeo intestinal ;
Ocorre no ser humano;
O gênero enteróbios apresenta sete espécies que
são encontrados nos macacos mais não atingem
o ser humano. Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
PATOGENIA
Na maioria dos casos o parasitísmo passa
despercebido pelo paciente;
Notável quando sente ligeiro prurido anal(geralmente
a noite)e se torna mais intensa e mais freqüente;
Ou quando é eliminado nas Fezes;
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Vigilância Epidemiológica
Objetivos: Diagnosticar e tratar para evitar o baixo
rendimento escolar e a irritabilidade dos indivíduos
infectados;
Desenvolver atividades de educação em saúde,
particularmente de hábitos pessoais de higiene;
Tratamento deve ser feito em todo o grupo familiar.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
SINTOMAS
Infestações intensas podem causar vômitos,
diarréia freqüente inclusive com excesso de
gordura nas fezes, prurido anal constante, insônia.
Irritabilidade, perda de peso, chegando à
desnutrição.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
DIAGNÓSTICO
CLÍNICO
o prurido anal noturno e continuado, pode levar à
uma suspeita clínica de Enterobius;
LABORATORIAL
O exames parasitológico de fezes;
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRANSMISSÃO
Direta: do orificio retal para a cavidade oral, através dos dedos,
principalmente nas crianças, doentes mentais e adultos com
precários hábitos de higiene.
Indireta: através da poeira, alimentos e roupas contaminados
com ovos.
Retroinfestação: migração das larvas da região retal para as
regiões superiores do intestino grosso, onde se tornam adultas.
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
Pomoato de pirantel em comprimido ou liquido de
10mg/kg dose única. Eficácia 80-100% de cura.
Albendazol suspensão oral contendo40mg/ml ou
comprimido 200mg/ indicação para adultos.
Invermectina é apresentado de forma de 6mg, em dose
única para paciente com peso acima de 15kl.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
MECANISMO DE AÇÃO
Metronidazol: O mecanismo de ação consiste na
inibição da síntese de ácido desoxirribonucléico e na
degradação do DNA;
TINIDAZOL: Mecanismo de ação é através da
penetração dessa substância no interior da célula
destruindo a mesma ou impedindo sua multiplicação.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
MECANISMO DE AÇÃO
Albendazol:
A droga exerce sua atividade anti-helmíntica por
inibição da polimerização dos túbulos, com isto, o nível
de energia do helminto se torna inadequado à sua
sobrevivência.
Inicialmente imobiliza os helmintos e consequentimente
os mata.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
ABORDAGEM DA NUTRIÇÃO
Orientar sobre a importância de um tratamento adequado e
higiene pessoal e de alimentos de qualidade;
Orientar sobre o uso de camisinhas;
O cuidado especial que deve ser dado aos indivíduos que têm
algum tipo de imunodeficiência, para evitar as complicações
como: síndrome de hiperinfecção, na qual as larvas ultrapassam a
serosa intestinal, infectando diversos órgãos.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância
em Saúde. Departamento de Vigilância
Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias:
guia de bolso. 6 ed. rev. Brasília: Ministério da Saúde,
2005.
MURRAY, P. R. et. al. Microbiologia Médica.4 ed. Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
NEVES, Davi Pereira. Parasitologia Humana. 4 ed. São
Paulo: Ed. Atheneu, 2005.
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Reinos2/Oxiuri
ase.php
http://www4.anvisa.gov.br/base/visadoc/BM/BM[26518-
1-0].PDF
Estudem...
Profª Monara Bittencourt de Amorim
bioquímica-Citologista
Bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
Leonardo Souza
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
Leonardo Souza
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Renato Santos
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
Leonardo Souza
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
Safia Naser
 
Farmacologia digestório
Farmacologia digestórioFarmacologia digestório
Farmacologia digestório
Leonardo Souza
 

Mais procurados (20)

ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
 
Antimicrobianos
AntimicrobianosAntimicrobianos
Antimicrobianos
 
analgesicos
analgesicosanalgesicos
analgesicos
 
Analgésicos
AnalgésicosAnalgésicos
Analgésicos
 
8.1 antibióticos 1.1
8.1 antibióticos 1.18.1 antibióticos 1.1
8.1 antibióticos 1.1
 
Antifúngicos
Antifúngicos Antifúngicos
Antifúngicos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Penicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinasPenicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinas
 
Antibióticos
AntibióticosAntibióticos
Antibióticos
 
Farmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAMFarmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAM
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
 
Fármacos anti helmínticos e anti-protozoários
Fármacos anti helmínticos e anti-protozoáriosFármacos anti helmínticos e anti-protozoários
Fármacos anti helmínticos e anti-protozoários
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
 
Aula antimicrobianos
Aula antimicrobianosAula antimicrobianos
Aula antimicrobianos
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Farmacologia digestório
Farmacologia digestórioFarmacologia digestório
Farmacologia digestório
 

Destaque (10)

Rbmfc
RbmfcRbmfc
Rbmfc
 
Anticoagulantes
AnticoagulantesAnticoagulantes
Anticoagulantes
 
Hemostasia e trombose
Hemostasia e tromboseHemostasia e trombose
Hemostasia e trombose
 
Farmacologia Antiparasitarios
Farmacologia AntiparasitariosFarmacologia Antiparasitarios
Farmacologia Antiparasitarios
 
Penicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinasPenicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinas
 
Antiparasitarios farmacología.
Antiparasitarios farmacología.Antiparasitarios farmacología.
Antiparasitarios farmacología.
 
Fármacos Antiparasitarios
Fármacos AntiparasitariosFármacos Antiparasitarios
Fármacos Antiparasitarios
 
Antibióticos e Quimioterápicos
Antibióticos e QuimioterápicosAntibióticos e Quimioterápicos
Antibióticos e Quimioterápicos
 
Antimicoticos.
Antimicoticos.Antimicoticos.
Antimicoticos.
 
Mecanismo de ação dos antimicrobianos
Mecanismo de ação dos antimicrobianosMecanismo de ação dos antimicrobianos
Mecanismo de ação dos antimicrobianos
 

Semelhante a Antiparasitarios

Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptxSeminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
MateusGonalves85
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
Raquel Freiry
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
Ágatha Mayara
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 

Semelhante a Antiparasitarios (20)

Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530
 
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptxSeminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
 
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Enterobacteriaceae e vibrionaceae
Enterobacteriaceae e vibrionaceaeEnterobacteriaceae e vibrionaceae
Enterobacteriaceae e vibrionaceae
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Biologia: Bactérias
Biologia: BactériasBiologia: Bactérias
Biologia: Bactérias
 
Parasitoses maila
Parasitoses mailaParasitoses maila
Parasitoses maila
 
Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
 
Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 

Mais de Monara Bittencourt

Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara BittencourtOrganelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Monara Bittencourt
 
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
Monara Bittencourt
 
Membranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monaraMembranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monara
Monara Bittencourt
 
Histopatologia do tecido geniturinario
Histopatologia do tecido geniturinarioHistopatologia do tecido geniturinario
Histopatologia do tecido geniturinario
Monara Bittencourt
 

Mais de Monara Bittencourt (7)

Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara BittencourtOrganelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
 
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 
Membranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monaraMembranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monara
 
Ciclo menstrual 2013
Ciclo menstrual 2013Ciclo menstrual 2013
Ciclo menstrual 2013
 
Histopatologia do tecido geniturinario
Histopatologia do tecido geniturinarioHistopatologia do tecido geniturinario
Histopatologia do tecido geniturinario
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Parasitologia l
Parasitologia lParasitologia l
Parasitologia l
 

Antiparasitarios

  • 2. PARASITAS O parasitismo é uma associação entre seres vivos com unilateralidade de benefícios, sendo o hospedeiro um dos associados e o prejudicado na associação, pois fornece o alimento e o abrigo ao parasita; assim, a parasitose é o estado de infecção cuja agressão repercute prejudicialmente sobre o hospedeiro (Neves, 1997). Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 5. CLASSIFICAÇÃO: A Entamoeba histolytica é o agente etiológico da amebíase, importante problema de saúde pública que leva ao óbito, anualmente cerca de 100.000 pessoas, constituindo a segunda causa de mortes por parasitoses. (NEVES, p.127) Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 6. Segundo o Comitê de Sistemática da Sociedade Internacional de Protozoologia as amebas que vivem no intestino humano, são: Gêneros: Entamoeba histolytica Iodamoeba bütschlii Endolimax nana Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 7. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 8. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 9. PATOGENIA E VIRULÊNCIA Amebíase é a infecção do homem causada pela Entamoeba histolytica , com ou sem manifestações clínicas. (NEVES, p.132)
  • 10.
  • 11. TRANSMISSÃO: • Ingestão de cistos maduros, com alimentos (sólidos ou líquidos); • Água sem tratamento, contaminada por dejetos humanos; • Ingestão de alimentos contaminados(verduras cruas – alface, agrião; Frutas-morango); • Falta de higiene domiciliar; Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 12. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO Amebicidas que atuam diretamente na luz intestinal: Paramomicina e Eritromicina Amebicidas tissulares: Compostos de Cloridrato de Emetina, Cloridrato de Diidroemetina e Cloroquina. Amebicidas que atuam tanto na luz intestinal como nos tecidos: Metronidazol, Ornidazol, Nitroimidazol e derivados. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 13. TRATAMENTO NÃO–FARMACOLÓGICO Agrilife ou Citrosept-A- Combate parasitas intestinais e outros que infestam o organismo como um todo; Alho - O alho concentrado tem grande efeito fermífugo - 6 cápsulas ao dia durante 10 dias. Aloe Vera Gel - Tem ação vermífuga e nutridora. - Tomar 30 ml antes das refeições. Ingerir muito líquido durante o tratamento. Recomendado a água de coco. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 15. CLASSIFICAÇÃO: O Trichomonas faz parte da família Trichomonadidae. As quatros espécies encontrada no homem são: Trichomonas vaginalis; Trichomonas tenax; Trichomonas hominis; Trichomonas fecalis. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 16. Trichomonas vaginalis • Protozoário heterotrófico e anaeróbico facultativo; • Possui flagelos para a locomoção; • Se reproduz por divisão binária longitudinal, e possui em seu núcleo seis cromossomos. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 17. Local da infecção: O Trichomonas vaginalis habita e produz infecção no trato geniturinário tanto do homem como na mulher, E não consegue sobreviver fora do sistema urogenital. É uma DST. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 18. Transmissão : • A transmissão do T. vaginalis e feita através de relação sexual; • O homem é o vetor da doença, e com a ejaculação, os Trichomonas presentes na mucosa da uretra são levados à vagina pelo esperma. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 19. Sintomas Na mulher provoca: Corrimento vaginal, de odor fétido; Dor e dificuldade na relação sexual; Dor ao urinar; Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 20. Sintomas: No homem, a Tricomoníase é comumente assintomática ou apresenta-se como uma uretrite com fluxo leitoso ou purulento e uma leve sensação de prurido na uretra. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 21. Tratamento: O Tratamento da Trichomonas vaginalis é feito com METRONIDAZOL. Outros fármacos também podem ser utilizados: TINIDAZOL (Fasigyn®) ORNIDAZOL (Tiberal®) SECNIDAZOL (Secnidal®) Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 22. Tratamento em gestante: Em gestantes esses medicamentos não podem ser usado via oral, somente pela aplicação de local de cremes, geleias e óvulos. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 23. Esquema Terapêutico Medicamentos Esquemas Posológicos Metronidazol (Flagyl) 2 g de Metronidazol via oral de 3- 7 dias, mais 500 mg aplicados intravaginalmente todas as noite, Tinidazol (Fasigyn) 2 g por via oral em dose única Secnidazol (Secnidal) 2g, em dose única de dois comprimidos de 1 g, de preferência à noite, ao deitar. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 25.
  • 26. CLASSIFICAÇÃO: A Giardia e uma infeccão por protozoário, que atinge principalmente a porção superior do intestino delgado. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 27. SINTOMAS A maioria das infecções são assintomáticas e ocorre tanto em adultos como em crianças. A sintomática pode apresentar diarréia acompanhadas de dor abdominal. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 28. TRANSMISSÃO: • Pela contaminaçao das mãos; • Ingestão de cistos existentes em dejetos de pessoas infectadas; • Ingestão da água ou alimento contaminado; Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 29.
  • 30. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 31.
  • 32. PATOGENIA E VIRULÊNCIA Giardíase é uma infecçao por protozoario, causada pela Giardia lamblia , com ou sem manifestações clínicas. (MS p.146)
  • 33.
  • 34. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO Secnidazol - 2g via oral dose única (adultos); 30mg/kg, dose única tomada após uma refeição(crianças) Metronidazol – 250 mg via oral, 2 vezes ao dia, durante 05 dias (adultos); 15mg/kg ao dia , dividida em 2 tomadas, por 05 dias (crianças); Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 35. TRATAMENTO NÃO–FARMACOLÓGICO Hortelã: duas colheres se sopa de sumo do hortelã, junto com duas colheres se sopa de mel de abelha. Alho: O alho concentrado tem grande efeito 06 cápsulas ao dia durante 10 dias. Ingerir muito líquido durante o tratamento. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 37. FAMÍLIA A família Oxyuridae ; Agente etiológico: Enterobius vermicularis, Nematódeo intestinal ; Ocorre no ser humano; O gênero enteróbios apresenta sete espécies que são encontrados nos macacos mais não atingem o ser humano. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 38. PATOGENIA Na maioria dos casos o parasitísmo passa despercebido pelo paciente; Notável quando sente ligeiro prurido anal(geralmente a noite)e se torna mais intensa e mais freqüente; Ou quando é eliminado nas Fezes; Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 39. Vigilância Epidemiológica Objetivos: Diagnosticar e tratar para evitar o baixo rendimento escolar e a irritabilidade dos indivíduos infectados; Desenvolver atividades de educação em saúde, particularmente de hábitos pessoais de higiene; Tratamento deve ser feito em todo o grupo familiar. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 40. SINTOMAS Infestações intensas podem causar vômitos, diarréia freqüente inclusive com excesso de gordura nas fezes, prurido anal constante, insônia. Irritabilidade, perda de peso, chegando à desnutrição. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 41. DIAGNÓSTICO CLÍNICO o prurido anal noturno e continuado, pode levar à uma suspeita clínica de Enterobius; LABORATORIAL O exames parasitológico de fezes; Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 42. TRANSMISSÃO Direta: do orificio retal para a cavidade oral, através dos dedos, principalmente nas crianças, doentes mentais e adultos com precários hábitos de higiene. Indireta: através da poeira, alimentos e roupas contaminados com ovos. Retroinfestação: migração das larvas da região retal para as regiões superiores do intestino grosso, onde se tornam adultas.
  • 43. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO Pomoato de pirantel em comprimido ou liquido de 10mg/kg dose única. Eficácia 80-100% de cura. Albendazol suspensão oral contendo40mg/ml ou comprimido 200mg/ indicação para adultos. Invermectina é apresentado de forma de 6mg, em dose única para paciente com peso acima de 15kl. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 44. MECANISMO DE AÇÃO Metronidazol: O mecanismo de ação consiste na inibição da síntese de ácido desoxirribonucléico e na degradação do DNA; TINIDAZOL: Mecanismo de ação é através da penetração dessa substância no interior da célula destruindo a mesma ou impedindo sua multiplicação. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 45. MECANISMO DE AÇÃO Albendazol: A droga exerce sua atividade anti-helmíntica por inibição da polimerização dos túbulos, com isto, o nível de energia do helminto se torna inadequado à sua sobrevivência. Inicialmente imobiliza os helmintos e consequentimente os mata. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 46. ABORDAGEM DA NUTRIÇÃO Orientar sobre a importância de um tratamento adequado e higiene pessoal e de alimentos de qualidade; Orientar sobre o uso de camisinhas; O cuidado especial que deve ser dado aos indivíduos que têm algum tipo de imunodeficiência, para evitar as complicações como: síndrome de hiperinfecção, na qual as larvas ultrapassam a serosa intestinal, infectando diversos órgãos. Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 47. REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 6 ed. rev. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. MURRAY, P. R. et. al. Microbiologia Médica.4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
  • 48. NEVES, Davi Pereira. Parasitologia Humana. 4 ed. São Paulo: Ed. Atheneu, 2005. http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Reinos2/Oxiuri ase.php http://www4.anvisa.gov.br/base/visadoc/BM/BM[26518- 1-0].PDF
  • 49. Estudem... Profª Monara Bittencourt de Amorim bioquímica-Citologista Bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153