SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTOPATOLOGIA DO TRATO
GENITAL FEMININO E
MASCULINO
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
2
Sistema Reprodutor Feminino
o Morfologicamente dividido em:
1. Genitália externa (Vulva);
2. Genitália interna (vagina,
útero, tubas uterinas e ovários);
3. Órgãos acessórios (mamas).
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
Estrutura óssea
Estruturas tegumentares
Espaço interlabiais
Órgãos eréteis e estimulatórios
Glândulas acessórias
1. GENITÁLIA EXTERNA:
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
- Vascularização é feita pelas artérias uterina, ovariana e vaginal.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
Retocele e Enterocele
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
6
PRINCIPAIS AGENTES RESPONSÁVEIS PELOS
PROCESSOS INFECCIOSOS E QUE NECESSITAM DE
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO:
•Trichomonas vaginalis PROTOZOÁRIO
•Candida albicans FUNGO
•Gardnerella vaginalis BACTÉRIA GRAM (-)
• PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) VÍRUS
•HERPES GENITAL VÍRUS
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
7
•UM DOS MAIS COMUNS E MAIS IRRITANTES PROBLEMAS QUE AFETA A
SAÚDE DA MULHER É O CORRIMENTO VAGINAL TAMBÉM CHAMADO DE
VAGINITE .
•É UMA DAS CAUSAS MAIS FREQÜENTES DE VISITAS AS UNIDADES DE
SAÚDE.
•CARACTERIZA-SE POR UMA IRRITAÇÃO VAGINAL OU UM CORRIMENTO
ANORMAL QUE PODE OU NÃO TER CHEIRO DESAGRADÁVEL.
•PODE HAVER TAMBÉM PRURIDO OU ARDOR NA VAGINA OU VONTADE
MAIS FREQÜENTE DE URINAR.
VAGINITES OU CORRIMENTO VAGINAL
AS VAGINITES
PODEM SER
DECORRENTES DAS
•INFECÇÕES VAGINAIS
•INFECÇÕES CERVICAIS OU DO
COLO DO ÚTERO
•DOENÇAS SEXUALMENTE
TRANSMISSÍVEIS - DST
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
8
CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES A RECORDAR:
•A VAGINA POSSUI UM PH ÁCIDO, DEVIDO A PRESENÇA DOS BACILOS DE
DÖEDERLEIN QUE SE ALIMENTAM DE GLICOGÊNIO.
• ESTE AÇÚCAR É PRODUZIDO PELA CÉLULA VAGINAL PELA ESTIMULAÇÃO DOS
HORMÔNIOS.
•OS BACILOS DE DÖEDERLEIN PRODUZEM ÁCIDO LÁTICO QUE É O RESPONSÁVEL
PELO PH ÁCIDO DA VAGINA E PELA SUA DEFESA CONTRA AS BACTÉRIAS.
FONTE:www.gineco.com.br
CÉLULA SUPERFICIAL, CUJO
CITOPLASMA É AVERMELHADO ,
COM NÚCLEO PICNÓTICO,
ESTANDO ENTRE DUAS CÉLULAS
INTERMEDIÁRIAS.
GRANDE QUANTIDADE DE
BACILOS DE DÖEDERLEIN.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
MÉTODO OU TÉCNICA DE PAPANICOLAOU
9
CÉLULAS SUPERFICIAIS
(VERMELHO) E CÉLULAS
INTERMEDIÁRIAS (AZUL)
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
10
APESAR DE NÃO SER ESPECÍFICO PARA TAL PESQUISA, ESTE EXAME AVALIA
TAMBÉM A MICROFLORA VAGINAL:
MICROFLORA VAGINAL
DUAS CÉLULAS
INTERMEDIÁRIAS
CÉLULA SUPERFICIAL, CUJO
CITOPLASMA É AVERMELHADO E
CUJO NÚCLEO É PICNÓTICO
GRANDE QUANTIDADE DE
BACILOS DE DÖEDERLEIN
11
ASPECTOS MORFOLÓGICOS OBSERVADOS NA HORA
DA COLETA
COLO UTERINO NORMAL COLO UTERINO ANORMAL
FONTE:www.gineco.com.br
FONTE:www.gineco.com.br
12
13
CANAL VAGINAL
• Serve como passagem para o fluxo
menstrual e para o feto.
- Antes da puberdade e na pós-
menopausa tem aspecto liso devido
ao hipoestrogenismo.
CÉRVICE
- O orifício externo - ectocérvice -
apresenta epitélio pavimentoso
estratificado, enquanto o canal
cervical e endocérvice é formado por
epitélio cilíndrico glandular
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
15
PRINCIPAIS AGENTES INFECCIOSOS DA REGIÃO
CÉRVICO-VAGINAL E SEUS TRATAMENTOS
Trichomonas vaginalis
Candida albicans
Gardnerella vaginalis
PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
16
Trichomonas vaginalis
VULVOVAGINITE - DST
PROTOZOÁRIOS
17
•TRATA-SE DE UM CORRIMENTO ADQUIRIDO DE FORMA SEXUAL
ATRAVÉS DE RELAÇÕES OU DE CONTATOS ÍNTIMOS COM SECREÇÃO DE
UMA PESSOA CONTAMINADA.
•PORTANTO A TRICOMONÍASE É CONSIDERADA UMA DOENÇA
SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL (DST).
•O DIAGNOSTICO É CLÍNICO E ATRAVÉS DE EXAMES MICROSCÓPICOS
PELO PAPANICOLAU
•O TRATAMENTO É FEITO ATRAVÉS DE ANTIBIÓTICOS E
QUIMIOTERÁPICOS SENDO OBRIGATÓRIO O TRATAMENTO DO
PARCEIRO SEXUAL.
Trichomonas vaginalis
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
18
ALTERAÇÃO INFLAMATÓRIA EM COLO UTERINO
COLO DE ÚTERO INFLAMADO:SUGESTIVO
DE Trichomonas vaginalis
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
19
ASPECTOS DO CORRIMENTO VAGINAL E DO COLO UTERINO
Trichomonas vaginalis
•SECREÇÃO BRANCA
ACINZENTADA NA VULVA
FONTE:www.cancervic.org.au/cervical
•SECREÇÃO BRANCA, BOLHOSA
•HIPEREMIA DA MUCOSA VAGINAL
•COLPOSCOPIA EVIDENCIANDO SECREÇÃO COM
GRANDE QUANTIDADE DE BOLHAS, COM EPITÉLIO
VAGINAL HIPEREMIADO.
20
Candida albicans
FUNGO → NÃO É DST
PSEUDO-HINFAS DE FUNGOS (CANDIDA SP) NO ESFREGAÇO
CITOLÓGICO DE PACIENTE COM CORRIMENTO – MÉTODO DE
PAPANICOLAOU
FONTE: AGÊNCIA INTERNACIONAL PARA PESQUISA SOBRE O CANCER - IAPC
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
21
Candida albicans
•CANDIDÍASE OU MONILÍASE VAGINAL
•PROVOCA CORRIMENTO, EXTREMAMENTE IRRITANTE, ESPESSO ,TIPO NATA DE
LEITE E GERALMENTE É ACOMPANHADO DE INTENSO PRURIDO OU IRRITAÇÃO
INTENSA.
•É UM FUNGO: LOGO, A CANDIDÍASE É UMA MICOSE.
•A CANDIDA AFLORA QUANDO HÁ DEFICIÊNCIAS NO SISTEMA IMUNOLÓGICO DO
INDIVÍDUO OU QUANDO A RESISTÊNCIA VAGINAL ESTÁ DIMINUÍDA.
•ALGUNS FATORES SÃO CAUSADORES DESTA MICOSE:
MENSTRUAÇÃO (ALTERAÇÕES HORMONAIS/USO DE ABSORVENTES))
PERÍODO GESTACIONAL (OCORRE ALTERAÇÕES HORMONAIS)
DIABETES (BAIXA IMUNIDADE)
INFECÇÕES RECORRENTES (I.T.U)
DEFICIÊNCIA IMUNOLÓGICA (AIDS)
MEDICAMENTOS COMO ANTICONCEPCIONAIS E CORTICÓIDES
(IMUNOSUPRESSORES)
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
22
Candida albicans
ASPECTOS DO COLO UTERINO
CANDIDÍASE - COLPITE DIFUSA COM
CORRIMENTO BRANCO OU GRUMOSO,
ADERIDO AS PAREDES VAGINAIS.
CANDIDÍASE - SECREÇÃO BRANCA E GRUMOSA
EM VAGINA. EXAME AO ESPÉCULO,
EVIDENCIANDO SECREÇÃO BRANCA, EM
GRUMOS ADERENTES ÀS PAREDES DA VAGINA
E FUNDO DE SACO.
23
Candida albicans
ASPECTOS DO CORRIMENTO VAGINAL
•CORRIMENTO BRANCO, EM
PLACAS, ADERENTE, COM
ASPECTO DE LEITE
COALHADO.
• PRURIDO INTENSO.
•DETERMINANDO HIPEREMIA,
MACERAÇÃO E
ESCORIAÇÕES NA REGIÃO
VULVAR.
• LEVANDO A DISÚRIA E
DISPAURENIA.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
24
•EVENTUALMENTE O PARCEIRO SEXUAL APARECE COM PEQUENAS
MANCHAS VERMELHAS NO PÊNIS.
PORÉM, A CANDIDÍASE, NÃO É UMA DST
Candida albicans: FUNGO
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
25
Gardnerella vaginalis
BACTÉRIA GRAM (-): NÃO É DST
MÉTODO DE PAPANICOLAOU - GARDNERELLA VAGINALIS:NUMEROSAS BACTÉRIAS
PRESENTE NO ESFREGAÇO DE PACIENTE COM ODOR VAGINAL INTENSO E FÉTIDO.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
26
Gardnerella vaginalis
•VAGINOSE BACTERIANA CAUSADA POR UM DESEQUILÍBRIO DA FLORA
VAGINAL, NA QUAL, BACTÉRIAS PROTETORAS (Lactobacillus
acidophilus), SÃO SUBSTITUÍDOS PELA BACTÉRIA Gardnerella vaginalis.
•PROVOCANDO UM CORRIMENTO DE ODOR FÉTIDO (“PEIXE PODRE”)
QUE, PERCEBIDO DURANTE A RELAÇÃO SEXUAL, É MOTIVO DE GRANDE
CONSTRANGIMENTO PARA A MULHER.
•É UMA BACTÉRIA GRAM (-)
•POSSUI ODOR DESAGRADÁVEL PRINCIPALMENTE DURANTE A
MENSTRUAÇÃO E NAS RELAÇÕES SEXUAIS.
•NÃO É UMA DST.
INTRODUÇÃO
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
27
Gardnerella vaginalis
ASPECTOS DO CORRIMENTO VAGINAL
CORRIMENTO VAGINAL ABUNDANTE, ESBRANQUIÇADO
OU BRANCO-ACINZENTADO, HOMOGÊNEO,NÃO
ADERENTE E COM ODOR FÉTIDO.
VAGINOSE BACTERIANA- VOLUMOSA
SECREÇÃO HOMOGÊNEA EM INTRÓITO
VAGINAL E VULVA.
NOTAR SECREÇÃO HOMOGÊNEA EM
VULVA SEM HIPEREMIA.
FONTE: http://www.brasilescola.com/doencas/gardnella.htm
28
•TRANSMISSÃO:
•ESTA INFECÇÃO NA MULHER PODE SER PRIMÁRIA, OU SEJA AS
BACTÉRIAS JÁ SE ENCONTRAVAM NELA.
•GERALMENTE PRIMÁRIA NA MULHER. SEXUAL NO HOMEM.
COMPLICAÇÕES DO TRATAMENTO TARDIO OU DO NÃO
TRATAMENTO:
•NA MULHER: INFLAMAÇÃO DO ÚTERO E TUBAS UTERINAS (SALPINGITE)
• GESTANTES:RUPTURA PREMATURA DA PLACENTA.
•NO HOMEM: INFLAMAÇÃO DA URETRA,PORÉM, RARAMENTE FORMA
SECREÇÃO NA URETRA.
Gardnerella vaginalis
CÉLULAS GUIAS
29
30
ASPECTO DO COLO UTERINO
Gardnerella vaginalis
FONTE: http://www.medscape.com
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
31
FOI RECONHECIDO HÁ POUCO TEMPO COMO UM DOS MAIS
IMPORTANTES PATÓGENOS EXTERMINADOR DA RAÇA HUMANA.
PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV
DST
32
•O HPV É UM VÍRUS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL (DST).
•EXISTEM MAIS DE 100 TIPOS GENETICAMENTE DISTINTOS DE HPV,QUE
SÃO CAPAZES DE INFECTAR A GENITÁLIA.
•DESTES,OS DO TIPO 16 E 18 SÃO OS MAIS ENVOLVIDOS NOS CÂNCERES
INDUZIDOS POR HPV.
•OS DO TIPO 6 E 11 SÃO OS MAIS ENVOLVIDOS NOS CONDILOMAS
(VERRUGAS) BENIGNAS E NAS LESÕES PRÉ-NEOPLÁSICAS
•DO PONTO DE VISTA DAS PROPRIEDADES BIOLÓGICAS, OS HPV SÃO
DIVIDIDOS EM DOIS GRUPOS:
OS VÍRUS CUTANEOTRÓPICOS (COM AFINIDADE PELA PELE)
OS VÍRUS MUCOSOTRÓPICOS, QUE INFECTAM AS MUCOSAS GENITAIS,
ORAIS E RESPIRATÓRIAS.
PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV
INTRODUÇÃO
33
•O VÍRUS É INOCULADO NA CAMADA PROFUNDA DA MUCOSA, GRAÇAS
AOS MICROTRAUMATISMOS QUE OCORREM DURANTE O ATO SEXUAL.
•COMO TODAS AS DST, A SUA MAIOR INCIDÊNCIA OCORRE NA IDADE DE 20
A 40 ANOS, COMO UMA DOENÇA DA MATURIDADE SEXUAL.
•O HPV AINDA NÃO TEM CURA, PODENDO SER TRATADO DE VÁRIAS
MANEIRAS, INDIVIDUALIZADAS, CONFORME CADA CASO,AS MAIS COMUNS
SÃO:
APLICAÇÃO DE UM ÁCIDO DIRETAMENTE NAS LESÕES, COM CAUTERIZAÇÃO DAS
LESÕES, SENDO UMA CIRURGIA DE ALTA FREQÜÊNCIA (REMOVENDO A LESÃO).
CRIOCIRURGIA.
CONIZAÇÃO (QUE REMOVE UM FRAGMENTO DO COLO UTERINO) .
MEDICAMENTOS PARA MELHORAR A IMUNIDADE.
PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV
TRANSMISSÃO E TRATAMENTO
34
ASPECTO DO COLO UTERINO
PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV
VERRUGAS NO COLO UTERINO VISTAS
ATRAVÉS DA COLPOSCOPIA - HPV
FONTE:http://www.human_papilloma_virus
HPV- ECTOCÉRVICE INFECTADA
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
35
COLPITE (COLO INFLAMADO)
SUGESTIVO DE HPV
PRINCIPAIS EVIDÊNCIAS QUE LIGAM O HPV AO CÂNCER
 O DNA DO HPV É DETECTADO EM 85% A 90% DOS CASOS DE
CÂNCER CERVICAL E DE COLO UTERINO.
 OS TIPOS ESPECÍFICOS DE HPV:
• BAIXO RISCO: 06,11,42 E 44
• ALTO RISCO: 16,18,31 E 33
COILÓCITO
EFEITO CITOPÁTICO COMPATÍVEL COM HPV, VISTO EM UM
ESFREGAÇO CITOLÓGICO PELO MÉTODO DE
PAPANICOLAOU.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
37
PRIMEIRA VACINA CAPAZ DE PREVENIR A
INFECÇÃO PELO TIPOS MAIS
AGRESSIVOS DO HPV:
•TIPO 06 E O TIPO 11, CAUSAM AS VERRUGAS DE
PELE
•TIPO16 E O TIPO 18, CAUSAM O CÂNCER DE COLO
DO ÚTERO.
PRIMEIRA VACINA CAPAZ DE PREVENIR A INFECÇÃO
PELO TIPOS MAIS AGRESSIVOS DO HPV:
CONDILOMA ACUMINADO
HPV 16 E HPV 18
VERRUGAS NA PELE HPV 06 E HPV 11
38
LESÃO (VEGETANTES) NO
MEATO URETRAL CAUSADAS
POR HPV
CONDILOMA ACUMINADO
LESÃO CAUSADA POR HPV NA
VULVA
PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV
ASPECTOS MORFOLÓGICOS EXTERNOS OBSERVADOS NA HORA
DA COLETA FEMININA
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
39
PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV
ASPECTOS MORFOLÓGICOS EXTERNOS OBSERVADOS NA HORA DA
COLETA FEMININA E MASCULINA
CONDILOMA ACUMINADO
CONDILOMATOSO VULVA:
CONDILOMA GIGANTE NA
VULVA - HPV
CONDILOMA ACUMINADO DE
BORDA ANAL
CONDILOMA ACUMINADO COM
LESÕES VEGETANTES EM PÊNIS:
OBSERVAR QUE AS LESÕES SÃO
VERRUCOSAS,MULTIFOCAIS, COM
APARÊNCIA DE CRISTA DE GALO OU
COUVE-FLOR – HPV.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com
40
CORRIMENTOS
VAGINAIS
TRICOMONÍASE
GENITAL
CANDIDÍASE
VAGINAL
VAGINOSE
BACTERIANA
Características
clínicas
Amarelo-esverdeado,
bolhoso, fétido e
abundante
Branco-grumoso,
aderido as paredes
vaginais
Branco-acinzentado
com odor fétido
Vulvite moderado Intensa, com
possibilidade de
fissuras
leve
pH vaginal > 4.5 4.0-4.5 > 4.5
Sniff-test + - +++
Exame a fresco Parasitas móveis e
flagelados
Leucócitos +++
Esporos e hifas
Leucócitos +++
Clue-cells
Poucos leucócitos
Obrigada!
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista Oncótica
bittencourt.monara7@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicinaBacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Patricia de Rossi
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
blogped1
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
lacmuam
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
Paulo Alambert
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
blogped1
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Paulo Alambert
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
Wandenice Serra
 
HIV Aids Caso Clinico
HIV Aids Caso ClinicoHIV Aids Caso Clinico
HIV Aids Caso Clinico
Alexandre Naime Barbosa
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
Patricia Cardoso
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Inglid Fontoura
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
chirlei ferreira
 

Mais procurados (20)

Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicinaBacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
HIV Aids Caso Clinico
HIV Aids Caso ClinicoHIV Aids Caso Clinico
HIV Aids Caso Clinico
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 

Destaque

Sistema geniturinario
Sistema geniturinarioSistema geniturinario
Sistema geniturinario
Claudio Poeta
 
Trabalho colposcopia final
Trabalho colposcopia finalTrabalho colposcopia final
Corrimento vaginal -_trabalho_pet
Corrimento vaginal -_trabalho_petCorrimento vaginal -_trabalho_pet
Corrimento vaginal -_trabalho_pet
Tharles Muller
 
Seminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - CandidíaseSeminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - Candidíase
Carla Bernardo Chagas
 
Corrimentos vaginais
Corrimentos vaginaisCorrimentos vaginais
Corrimentos vaginais
Inaiara Bragante
 
Corrimento vaginal (1)[1]
Corrimento vaginal (1)[1]Corrimento vaginal (1)[1]
Corrimento vaginal (1)[1]
LASM_UIT
 
DST'S Relacionadas com corrimentos
DST'S Relacionadas com corrimentosDST'S Relacionadas com corrimentos
DST'S Relacionadas com corrimentos
Walquer Sobrinho
 
Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2
itsufpr
 
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo UterinoDiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterino
chirlei ferreira
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
WAGNER OLIVEIRA
 
IST - HPV e Cancróide. ESE-UM
IST - HPV e Cancróide. ESE-UMIST - HPV e Cancróide. ESE-UM
IST - HPV e Cancróide. ESE-UM
Marco Sousa
 
Câncer de Pênis
Câncer de PênisCâncer de Pênis
Câncer de Pênis
Jorge Luiz de Souza Neto
 
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
Tratamento-para-Candidiase
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Eduarda Gobbi
 
Aula+papanicolaou
Aula+papanicolaouAula+papanicolaou
Aula+papanicolaou
Jackeline Cristina
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
Oncoguia
 
Trabalho viviene
Trabalho vivieneTrabalho viviene
Trabalho viviene
Marilene Marymelkalil
 
Colpite+e+cervicite
Colpite+e+cerviciteColpite+e+cervicite
Condutas nas atipias escamosas e glandulares
Condutas nas atipias escamosas e glandularesCondutas nas atipias escamosas e glandulares
Condutas nas atipias escamosas e glandulares
Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro
 
Seminário leucorréias -UNIR
Seminário leucorréias -UNIRSeminário leucorréias -UNIR
Seminário leucorréias -UNIR
Gabriela Toledo
 

Destaque (20)

Sistema geniturinario
Sistema geniturinarioSistema geniturinario
Sistema geniturinario
 
Trabalho colposcopia final
Trabalho colposcopia finalTrabalho colposcopia final
Trabalho colposcopia final
 
Corrimento vaginal -_trabalho_pet
Corrimento vaginal -_trabalho_petCorrimento vaginal -_trabalho_pet
Corrimento vaginal -_trabalho_pet
 
Seminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - CandidíaseSeminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - Candidíase
 
Corrimentos vaginais
Corrimentos vaginaisCorrimentos vaginais
Corrimentos vaginais
 
Corrimento vaginal (1)[1]
Corrimento vaginal (1)[1]Corrimento vaginal (1)[1]
Corrimento vaginal (1)[1]
 
DST'S Relacionadas com corrimentos
DST'S Relacionadas com corrimentosDST'S Relacionadas com corrimentos
DST'S Relacionadas com corrimentos
 
Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2
 
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo UterinoDiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterino
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 
IST - HPV e Cancróide. ESE-UM
IST - HPV e Cancróide. ESE-UMIST - HPV e Cancróide. ESE-UM
IST - HPV e Cancróide. ESE-UM
 
Câncer de Pênis
Câncer de PênisCâncer de Pênis
Câncer de Pênis
 
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
 
Aula+papanicolaou
Aula+papanicolaouAula+papanicolaou
Aula+papanicolaou
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
 
Trabalho viviene
Trabalho vivieneTrabalho viviene
Trabalho viviene
 
Colpite+e+cervicite
Colpite+e+cerviciteColpite+e+cervicite
Colpite+e+cervicite
 
Condutas nas atipias escamosas e glandulares
Condutas nas atipias escamosas e glandularesCondutas nas atipias escamosas e glandulares
Condutas nas atipias escamosas e glandulares
 
Seminário leucorréias -UNIR
Seminário leucorréias -UNIRSeminário leucorréias -UNIR
Seminário leucorréias -UNIR
 

Semelhante a Histopatologia do tecido geniturinario

CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdfCANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
Andréa Pereira
 
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média ComplexidadeAtenção à Infertilidade na Média Complexidade
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções GenitourinariasApresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
BlackPhoenix12
 
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Caso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceralCaso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceral
Professor Robson
 
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptxEstudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
valentimamuge
 
DSTS E DIP
DSTS E DIPDSTS E DIP
DSTS E DIP
Thais Benetti
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Caroline Reis Gonçalves
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
Francielttonsantos
 
Itu de re..
Itu de re..Itu de re..
Gin 3 corrimento vaginal
Gin 3 corrimento vaginalGin 3 corrimento vaginal
Gin 3 corrimento vaginal
Gilberto Dalmaso
 
Ginecomastia.
Ginecomastia.Ginecomastia.
Ginecomastia.
Brunno Rosique
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
Marília Gomes
 
Conhecimentos básicos em enfermagem
Conhecimentos básicos em enfermagemConhecimentos básicos em enfermagem
Conhecimentos básicos em enfermagem
Virginia Scalia
 
Rotura pre termo de membranas.luisa
Rotura pre termo de membranas.luisaRotura pre termo de membranas.luisa
Rotura pre termo de membranas.luisa
Faruk Nobre
 
Enterobíase
EnterobíaseEnterobíase
Helmintíases
HelmintíasesHelmintíases
Helmintíases
letyap
 
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicaCorrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
chirlei ferreira
 
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Med. Veterinária 2011
 
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy TavaresAula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
IgrejaBblica1
 

Semelhante a Histopatologia do tecido geniturinario (20)

CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdfCANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
 
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média ComplexidadeAtenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
 
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções GenitourinariasApresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
 
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Caso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceralCaso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceral
 
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptxEstudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
 
DSTS E DIP
DSTS E DIPDSTS E DIP
DSTS E DIP
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
 
Itu de re..
Itu de re..Itu de re..
Itu de re..
 
Gin 3 corrimento vaginal
Gin 3 corrimento vaginalGin 3 corrimento vaginal
Gin 3 corrimento vaginal
 
Ginecomastia.
Ginecomastia.Ginecomastia.
Ginecomastia.
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
 
Conhecimentos básicos em enfermagem
Conhecimentos básicos em enfermagemConhecimentos básicos em enfermagem
Conhecimentos básicos em enfermagem
 
Rotura pre termo de membranas.luisa
Rotura pre termo de membranas.luisaRotura pre termo de membranas.luisa
Rotura pre termo de membranas.luisa
 
Enterobíase
EnterobíaseEnterobíase
Enterobíase
 
Helmintíases
HelmintíasesHelmintíases
Helmintíases
 
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicaCorrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
 
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
 
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy TavaresAula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
 

Mais de Monara Bittencourt

Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara BittencourtOrganelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Monara Bittencourt
 
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
Monara Bittencourt
 
Membranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monaraMembranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monara
Monara Bittencourt
 
Ciclo menstrual 2013
Ciclo menstrual 2013Ciclo menstrual 2013
Ciclo menstrual 2013
Monara Bittencourt
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Monara Bittencourt
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Antiparasitarios
AntiparasitariosAntiparasitarios
Antiparasitarios
Monara Bittencourt
 
Parasitologia l
Parasitologia lParasitologia l
Parasitologia l
Monara Bittencourt
 

Mais de Monara Bittencourt (8)

Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara BittencourtOrganelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
 
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 
Membranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monaraMembranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monara
 
Ciclo menstrual 2013
Ciclo menstrual 2013Ciclo menstrual 2013
Ciclo menstrual 2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Antiparasitarios
AntiparasitariosAntiparasitarios
Antiparasitarios
 
Parasitologia l
Parasitologia lParasitologia l
Parasitologia l
 

Histopatologia do tecido geniturinario

  • 1. HISTOPATOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO E MASCULINO Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 2. 2 Sistema Reprodutor Feminino o Morfologicamente dividido em: 1. Genitália externa (Vulva); 2. Genitália interna (vagina, útero, tubas uterinas e ovários); 3. Órgãos acessórios (mamas). Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 3. Estrutura óssea Estruturas tegumentares Espaço interlabiais Órgãos eréteis e estimulatórios Glândulas acessórias 1. GENITÁLIA EXTERNA: Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 4. - Vascularização é feita pelas artérias uterina, ovariana e vaginal. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 5. Retocele e Enterocele Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 6. 6 PRINCIPAIS AGENTES RESPONSÁVEIS PELOS PROCESSOS INFECCIOSOS E QUE NECESSITAM DE TRATAMENTO FARMACOLÓGICO: •Trichomonas vaginalis PROTOZOÁRIO •Candida albicans FUNGO •Gardnerella vaginalis BACTÉRIA GRAM (-) • PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) VÍRUS •HERPES GENITAL VÍRUS Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 7. 7 •UM DOS MAIS COMUNS E MAIS IRRITANTES PROBLEMAS QUE AFETA A SAÚDE DA MULHER É O CORRIMENTO VAGINAL TAMBÉM CHAMADO DE VAGINITE . •É UMA DAS CAUSAS MAIS FREQÜENTES DE VISITAS AS UNIDADES DE SAÚDE. •CARACTERIZA-SE POR UMA IRRITAÇÃO VAGINAL OU UM CORRIMENTO ANORMAL QUE PODE OU NÃO TER CHEIRO DESAGRADÁVEL. •PODE HAVER TAMBÉM PRURIDO OU ARDOR NA VAGINA OU VONTADE MAIS FREQÜENTE DE URINAR. VAGINITES OU CORRIMENTO VAGINAL AS VAGINITES PODEM SER DECORRENTES DAS •INFECÇÕES VAGINAIS •INFECÇÕES CERVICAIS OU DO COLO DO ÚTERO •DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DST Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 8. 8 CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES A RECORDAR: •A VAGINA POSSUI UM PH ÁCIDO, DEVIDO A PRESENÇA DOS BACILOS DE DÖEDERLEIN QUE SE ALIMENTAM DE GLICOGÊNIO. • ESTE AÇÚCAR É PRODUZIDO PELA CÉLULA VAGINAL PELA ESTIMULAÇÃO DOS HORMÔNIOS. •OS BACILOS DE DÖEDERLEIN PRODUZEM ÁCIDO LÁTICO QUE É O RESPONSÁVEL PELO PH ÁCIDO DA VAGINA E PELA SUA DEFESA CONTRA AS BACTÉRIAS. FONTE:www.gineco.com.br CÉLULA SUPERFICIAL, CUJO CITOPLASMA É AVERMELHADO , COM NÚCLEO PICNÓTICO, ESTANDO ENTRE DUAS CÉLULAS INTERMEDIÁRIAS. GRANDE QUANTIDADE DE BACILOS DE DÖEDERLEIN. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 9. MÉTODO OU TÉCNICA DE PAPANICOLAOU 9 CÉLULAS SUPERFICIAIS (VERMELHO) E CÉLULAS INTERMEDIÁRIAS (AZUL) Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 10. 10
  • 11. APESAR DE NÃO SER ESPECÍFICO PARA TAL PESQUISA, ESTE EXAME AVALIA TAMBÉM A MICROFLORA VAGINAL: MICROFLORA VAGINAL DUAS CÉLULAS INTERMEDIÁRIAS CÉLULA SUPERFICIAL, CUJO CITOPLASMA É AVERMELHADO E CUJO NÚCLEO É PICNÓTICO GRANDE QUANTIDADE DE BACILOS DE DÖEDERLEIN 11
  • 12. ASPECTOS MORFOLÓGICOS OBSERVADOS NA HORA DA COLETA COLO UTERINO NORMAL COLO UTERINO ANORMAL FONTE:www.gineco.com.br FONTE:www.gineco.com.br 12
  • 13. 13
  • 14. CANAL VAGINAL • Serve como passagem para o fluxo menstrual e para o feto. - Antes da puberdade e na pós- menopausa tem aspecto liso devido ao hipoestrogenismo. CÉRVICE - O orifício externo - ectocérvice - apresenta epitélio pavimentoso estratificado, enquanto o canal cervical e endocérvice é formado por epitélio cilíndrico glandular Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 15. 15 PRINCIPAIS AGENTES INFECCIOSOS DA REGIÃO CÉRVICO-VAGINAL E SEUS TRATAMENTOS Trichomonas vaginalis Candida albicans Gardnerella vaginalis PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 17. 17 •TRATA-SE DE UM CORRIMENTO ADQUIRIDO DE FORMA SEXUAL ATRAVÉS DE RELAÇÕES OU DE CONTATOS ÍNTIMOS COM SECREÇÃO DE UMA PESSOA CONTAMINADA. •PORTANTO A TRICOMONÍASE É CONSIDERADA UMA DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL (DST). •O DIAGNOSTICO É CLÍNICO E ATRAVÉS DE EXAMES MICROSCÓPICOS PELO PAPANICOLAU •O TRATAMENTO É FEITO ATRAVÉS DE ANTIBIÓTICOS E QUIMIOTERÁPICOS SENDO OBRIGATÓRIO O TRATAMENTO DO PARCEIRO SEXUAL. Trichomonas vaginalis Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 18. 18 ALTERAÇÃO INFLAMATÓRIA EM COLO UTERINO COLO DE ÚTERO INFLAMADO:SUGESTIVO DE Trichomonas vaginalis Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 19. 19 ASPECTOS DO CORRIMENTO VAGINAL E DO COLO UTERINO Trichomonas vaginalis •SECREÇÃO BRANCA ACINZENTADA NA VULVA FONTE:www.cancervic.org.au/cervical •SECREÇÃO BRANCA, BOLHOSA •HIPEREMIA DA MUCOSA VAGINAL •COLPOSCOPIA EVIDENCIANDO SECREÇÃO COM GRANDE QUANTIDADE DE BOLHAS, COM EPITÉLIO VAGINAL HIPEREMIADO.
  • 20. 20 Candida albicans FUNGO → NÃO É DST PSEUDO-HINFAS DE FUNGOS (CANDIDA SP) NO ESFREGAÇO CITOLÓGICO DE PACIENTE COM CORRIMENTO – MÉTODO DE PAPANICOLAOU FONTE: AGÊNCIA INTERNACIONAL PARA PESQUISA SOBRE O CANCER - IAPC Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 21. 21 Candida albicans •CANDIDÍASE OU MONILÍASE VAGINAL •PROVOCA CORRIMENTO, EXTREMAMENTE IRRITANTE, ESPESSO ,TIPO NATA DE LEITE E GERALMENTE É ACOMPANHADO DE INTENSO PRURIDO OU IRRITAÇÃO INTENSA. •É UM FUNGO: LOGO, A CANDIDÍASE É UMA MICOSE. •A CANDIDA AFLORA QUANDO HÁ DEFICIÊNCIAS NO SISTEMA IMUNOLÓGICO DO INDIVÍDUO OU QUANDO A RESISTÊNCIA VAGINAL ESTÁ DIMINUÍDA. •ALGUNS FATORES SÃO CAUSADORES DESTA MICOSE: MENSTRUAÇÃO (ALTERAÇÕES HORMONAIS/USO DE ABSORVENTES)) PERÍODO GESTACIONAL (OCORRE ALTERAÇÕES HORMONAIS) DIABETES (BAIXA IMUNIDADE) INFECÇÕES RECORRENTES (I.T.U) DEFICIÊNCIA IMUNOLÓGICA (AIDS) MEDICAMENTOS COMO ANTICONCEPCIONAIS E CORTICÓIDES (IMUNOSUPRESSORES) Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 22. 22 Candida albicans ASPECTOS DO COLO UTERINO CANDIDÍASE - COLPITE DIFUSA COM CORRIMENTO BRANCO OU GRUMOSO, ADERIDO AS PAREDES VAGINAIS. CANDIDÍASE - SECREÇÃO BRANCA E GRUMOSA EM VAGINA. EXAME AO ESPÉCULO, EVIDENCIANDO SECREÇÃO BRANCA, EM GRUMOS ADERENTES ÀS PAREDES DA VAGINA E FUNDO DE SACO.
  • 23. 23 Candida albicans ASPECTOS DO CORRIMENTO VAGINAL •CORRIMENTO BRANCO, EM PLACAS, ADERENTE, COM ASPECTO DE LEITE COALHADO. • PRURIDO INTENSO. •DETERMINANDO HIPEREMIA, MACERAÇÃO E ESCORIAÇÕES NA REGIÃO VULVAR. • LEVANDO A DISÚRIA E DISPAURENIA. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 24. 24 •EVENTUALMENTE O PARCEIRO SEXUAL APARECE COM PEQUENAS MANCHAS VERMELHAS NO PÊNIS. PORÉM, A CANDIDÍASE, NÃO É UMA DST Candida albicans: FUNGO Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 25. 25 Gardnerella vaginalis BACTÉRIA GRAM (-): NÃO É DST MÉTODO DE PAPANICOLAOU - GARDNERELLA VAGINALIS:NUMEROSAS BACTÉRIAS PRESENTE NO ESFREGAÇO DE PACIENTE COM ODOR VAGINAL INTENSO E FÉTIDO. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 26. 26 Gardnerella vaginalis •VAGINOSE BACTERIANA CAUSADA POR UM DESEQUILÍBRIO DA FLORA VAGINAL, NA QUAL, BACTÉRIAS PROTETORAS (Lactobacillus acidophilus), SÃO SUBSTITUÍDOS PELA BACTÉRIA Gardnerella vaginalis. •PROVOCANDO UM CORRIMENTO DE ODOR FÉTIDO (“PEIXE PODRE”) QUE, PERCEBIDO DURANTE A RELAÇÃO SEXUAL, É MOTIVO DE GRANDE CONSTRANGIMENTO PARA A MULHER. •É UMA BACTÉRIA GRAM (-) •POSSUI ODOR DESAGRADÁVEL PRINCIPALMENTE DURANTE A MENSTRUAÇÃO E NAS RELAÇÕES SEXUAIS. •NÃO É UMA DST. INTRODUÇÃO Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 27. 27 Gardnerella vaginalis ASPECTOS DO CORRIMENTO VAGINAL CORRIMENTO VAGINAL ABUNDANTE, ESBRANQUIÇADO OU BRANCO-ACINZENTADO, HOMOGÊNEO,NÃO ADERENTE E COM ODOR FÉTIDO. VAGINOSE BACTERIANA- VOLUMOSA SECREÇÃO HOMOGÊNEA EM INTRÓITO VAGINAL E VULVA. NOTAR SECREÇÃO HOMOGÊNEA EM VULVA SEM HIPEREMIA. FONTE: http://www.brasilescola.com/doencas/gardnella.htm
  • 28. 28 •TRANSMISSÃO: •ESTA INFECÇÃO NA MULHER PODE SER PRIMÁRIA, OU SEJA AS BACTÉRIAS JÁ SE ENCONTRAVAM NELA. •GERALMENTE PRIMÁRIA NA MULHER. SEXUAL NO HOMEM. COMPLICAÇÕES DO TRATAMENTO TARDIO OU DO NÃO TRATAMENTO: •NA MULHER: INFLAMAÇÃO DO ÚTERO E TUBAS UTERINAS (SALPINGITE) • GESTANTES:RUPTURA PREMATURA DA PLACENTA. •NO HOMEM: INFLAMAÇÃO DA URETRA,PORÉM, RARAMENTE FORMA SECREÇÃO NA URETRA. Gardnerella vaginalis CÉLULAS GUIAS
  • 29. 29
  • 30. 30 ASPECTO DO COLO UTERINO Gardnerella vaginalis FONTE: http://www.medscape.com Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 31. 31 FOI RECONHECIDO HÁ POUCO TEMPO COMO UM DOS MAIS IMPORTANTES PATÓGENOS EXTERMINADOR DA RAÇA HUMANA. PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV DST
  • 32. 32 •O HPV É UM VÍRUS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL (DST). •EXISTEM MAIS DE 100 TIPOS GENETICAMENTE DISTINTOS DE HPV,QUE SÃO CAPAZES DE INFECTAR A GENITÁLIA. •DESTES,OS DO TIPO 16 E 18 SÃO OS MAIS ENVOLVIDOS NOS CÂNCERES INDUZIDOS POR HPV. •OS DO TIPO 6 E 11 SÃO OS MAIS ENVOLVIDOS NOS CONDILOMAS (VERRUGAS) BENIGNAS E NAS LESÕES PRÉ-NEOPLÁSICAS •DO PONTO DE VISTA DAS PROPRIEDADES BIOLÓGICAS, OS HPV SÃO DIVIDIDOS EM DOIS GRUPOS: OS VÍRUS CUTANEOTRÓPICOS (COM AFINIDADE PELA PELE) OS VÍRUS MUCOSOTRÓPICOS, QUE INFECTAM AS MUCOSAS GENITAIS, ORAIS E RESPIRATÓRIAS. PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV INTRODUÇÃO
  • 33. 33 •O VÍRUS É INOCULADO NA CAMADA PROFUNDA DA MUCOSA, GRAÇAS AOS MICROTRAUMATISMOS QUE OCORREM DURANTE O ATO SEXUAL. •COMO TODAS AS DST, A SUA MAIOR INCIDÊNCIA OCORRE NA IDADE DE 20 A 40 ANOS, COMO UMA DOENÇA DA MATURIDADE SEXUAL. •O HPV AINDA NÃO TEM CURA, PODENDO SER TRATADO DE VÁRIAS MANEIRAS, INDIVIDUALIZADAS, CONFORME CADA CASO,AS MAIS COMUNS SÃO: APLICAÇÃO DE UM ÁCIDO DIRETAMENTE NAS LESÕES, COM CAUTERIZAÇÃO DAS LESÕES, SENDO UMA CIRURGIA DE ALTA FREQÜÊNCIA (REMOVENDO A LESÃO). CRIOCIRURGIA. CONIZAÇÃO (QUE REMOVE UM FRAGMENTO DO COLO UTERINO) . MEDICAMENTOS PARA MELHORAR A IMUNIDADE. PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV TRANSMISSÃO E TRATAMENTO
  • 34. 34 ASPECTO DO COLO UTERINO PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV VERRUGAS NO COLO UTERINO VISTAS ATRAVÉS DA COLPOSCOPIA - HPV FONTE:http://www.human_papilloma_virus HPV- ECTOCÉRVICE INFECTADA Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 36. PRINCIPAIS EVIDÊNCIAS QUE LIGAM O HPV AO CÂNCER  O DNA DO HPV É DETECTADO EM 85% A 90% DOS CASOS DE CÂNCER CERVICAL E DE COLO UTERINO.  OS TIPOS ESPECÍFICOS DE HPV: • BAIXO RISCO: 06,11,42 E 44 • ALTO RISCO: 16,18,31 E 33 COILÓCITO EFEITO CITOPÁTICO COMPATÍVEL COM HPV, VISTO EM UM ESFREGAÇO CITOLÓGICO PELO MÉTODO DE PAPANICOLAOU. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 37. 37 PRIMEIRA VACINA CAPAZ DE PREVENIR A INFECÇÃO PELO TIPOS MAIS AGRESSIVOS DO HPV: •TIPO 06 E O TIPO 11, CAUSAM AS VERRUGAS DE PELE •TIPO16 E O TIPO 18, CAUSAM O CÂNCER DE COLO DO ÚTERO. PRIMEIRA VACINA CAPAZ DE PREVENIR A INFECÇÃO PELO TIPOS MAIS AGRESSIVOS DO HPV: CONDILOMA ACUMINADO HPV 16 E HPV 18 VERRUGAS NA PELE HPV 06 E HPV 11
  • 38. 38 LESÃO (VEGETANTES) NO MEATO URETRAL CAUSADAS POR HPV CONDILOMA ACUMINADO LESÃO CAUSADA POR HPV NA VULVA PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV ASPECTOS MORFOLÓGICOS EXTERNOS OBSERVADOS NA HORA DA COLETA FEMININA Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 39. 39 PAPILOMA VÍRUS HUMANO - HPV ASPECTOS MORFOLÓGICOS EXTERNOS OBSERVADOS NA HORA DA COLETA FEMININA E MASCULINA CONDILOMA ACUMINADO CONDILOMATOSO VULVA: CONDILOMA GIGANTE NA VULVA - HPV CONDILOMA ACUMINADO DE BORDA ANAL CONDILOMA ACUMINADO COM LESÕES VEGETANTES EM PÊNIS: OBSERVAR QUE AS LESÕES SÃO VERRUCOSAS,MULTIFOCAIS, COM APARÊNCIA DE CRISTA DE GALO OU COUVE-FLOR – HPV. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com
  • 40. 40 CORRIMENTOS VAGINAIS TRICOMONÍASE GENITAL CANDIDÍASE VAGINAL VAGINOSE BACTERIANA Características clínicas Amarelo-esverdeado, bolhoso, fétido e abundante Branco-grumoso, aderido as paredes vaginais Branco-acinzentado com odor fétido Vulvite moderado Intensa, com possibilidade de fissuras leve pH vaginal > 4.5 4.0-4.5 > 4.5 Sniff-test + - +++ Exame a fresco Parasitas móveis e flagelados Leucócitos +++ Esporos e hifas Leucócitos +++ Clue-cells Poucos leucócitos
  • 41. Obrigada! Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista Oncótica bittencourt.monara7@gmail.com