SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Faculdade Anglo Americano




        Malária
     Alexandre Merbold
        Eduardo Cruz
     Federico Melgarejo
      Katlin Fernandes
Malária
•   Etiologia
•   Formas de Transmissão
•   Morfologia
•   Ciclo Reprodutivo
•   Patogenia
•   Epidemiologia
•   Profilaxia
Malária - Histórico
•   Primeiros registros – era pré-cristã;
•   Século XIX “mau ar”
•   Charles Lavernan – 1880
•   Gehardt – 1884
•   Ross – 1897
•   Grassi, Bastianelli, Bignani – 1899
Situação atual
A malária mata 3 milhões de pessoas por
ano, uma taxa só comparável à da SIDA/AIDS, e
afeta mais de 500 milhões de pessoas todos os
anos.

Segundo a OMS, a malária mata uma criança
africana a cada 30 segundos, e muitas crianças
que sobrevivem a casos severos sofrem danos
cerebrais graves e têm dificuldades de
aprendizagem.
Zonas de Risco




Fonte: http://www.almadeviajante.com/dicas/medicina-de-viagens.php
Agente Etiológico
                  Taxonomia
•   Filo: Apicomplexa
•   Classe: Sporozoa
•   Ordem: Eucoccidiida
•   Família: Plasmodiidae
•   Gênero: Plasmodium
•   Espécie: Mais de 100 espécies
•   No homem: P. falciparum, P. vivax, P. malarie,
    P. ovale
Apicomplexa - Sporozoa




Fonte: Parasitologia Humana, NEVES: 2004; Zoologia dos Invertebrados,
BARNES e RUPPERT, 1993
Plasmodium vivax




Fonte: http://tolweb.org/Plasmodium/68071
Plasmodium falciparum




Fonte: http://tolweb.org/images/Plasmodium/68071
Plasmodium malarie




Plasmodium malarie destruindo uma célula de hemoglobina. Fonte:
http://www.jyi.org/articleimages/1183/originals/img0.jpg
Plasmodium ovale




1. Eritrócitos no parasitados; 2. Trofozoítos jovens; 3. Trofozoítos maduros; 4.Esquizontes jovens;
5. Esquizontes maduros; 6. Pre-gametócitos; 7. Microgametócitos
Vetor: Mosquito Anopheles

Sobrevive em áreas onde a
média de temperatura seja
acima de 15C.
Só os mosquitos fêmeas
picam o homem e
alimentam-se de sangue. Os
machos vivem de seivas de
plantas. As larvas se
desenvolvem em águas
paradas, e a prevalência
máxima ocorre durante as
estações com chuva
abundante
Formas de Transmissão
A transmissão natural da malária ao homem se dá quando
fêmeas de mosquitos anofelinos (gênero Anopheles),
parasitadas com esporozoítos em suas glândulas salivares,
inoculam estas formas infectantes durante o repasto sangüíneo.
As fontes de infecção humana para os mosquitos são
pessoas doentes ou mesmo indivíduos assintomáticos, que
albergam formas sexuadas do parasito. Primatas não-humanos
podem funcionar como reservatórios de P malariae. A infecção
natural do homem com espécies de plasmódios simianos
é pouco relatada.
Apesar de infreqüente, a infecção malárica pode ser

transmitida acidentalmente, como resultado de transfusão

sanguínea, compartilhamento de seringas contaminadas e

 acidentes em laboratório. A infecção congênita tem sido

  também raramente descrita. Nestes casos, o ciclo exo-
                       eritrocítico

                    não é observado.
Ciclo de Reprodutivo
EPIDEMIOLOGIA
1999   2008
Recomendações
•  Use repelente no corpo todo, camisa de mangas compridas e
  mosquiteiro, quando estiver em zonas endêmicas;
• Evite banhos em igarapés e lagoas ou expor-se a águas
  paradas ao anoitecer e ao amanhecer, horários em que os
  mosquitos mais atacam, se estiver numa região endêmica;
• Procure um serviço especializado se for viajar para regiões
  onde a transmissão da doença é alta, para tomar
  medicamentos antes, durante e depois da viagem;
• Nunca se automedique.
Tratamento


• Não existe vacina contra a malaria, uma doença auto-
  limitada, mas que pode levar à morte se não for tratada em
  determinados casos. O tratamento padronizado pelo
  Ministério da Saúde é feito por via oral e não deve ser
  interrompido para evitar o risco de recaídas.
Condições que indicam gravidade da doença e necessidade
       de hospitalização do paciente com malária


• Crianças menores de 5 anos;
 • idosos com mais de 60 anos;
 • todas as gestantes;
 • pacientes imunodeprimidos;
 • pacientes com qualquer um dos sinais de perigo para
 malária grave, citados anteriormente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Resumo Malária
Resumo MaláriaResumo Malária
Resumo Malária
 
Malaria
Malaria Malaria
Malaria
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Doenças de chagas marcio
Doenças de  chagas marcioDoenças de  chagas marcio
Doenças de chagas marcio
 
Malaria.
Malaria. Malaria.
Malaria.
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoMalária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Trichuris trichiura
Trichuris trichiuraTrichuris trichiura
Trichuris trichiura
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria
 
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
 

Semelhante a Seminário malária (20)

Resumo
 Resumo Resumo
Resumo
 
ace conteudo.pptx
ace conteudo.pptxace conteudo.pptx
ace conteudo.pptx
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
A malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. MenezesA malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. Menezes
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
Aula sobre Protozooses.pdf
Aula sobre Protozooses.pdfAula sobre Protozooses.pdf
Aula sobre Protozooses.pdf
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
PARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdfPARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdf
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Apostila 1o ano malária
Apostila 1o ano   maláriaApostila 1o ano   malária
Apostila 1o ano malária
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
 
Aula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódio
 
Portfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia ClínicaPortfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia Clínica
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 

Mais de Katlin Camila Fernandes (9)

Estatística Básica: Média, Mediana e Moda
Estatística Básica: Média, Mediana e ModaEstatística Básica: Média, Mediana e Moda
Estatística Básica: Média, Mediana e Moda
 
Evolução e ecologia de anfíbios
Evolução e ecologia de anfíbiosEvolução e ecologia de anfíbios
Evolução e ecologia de anfíbios
 
Inventários Biológicos
Inventários BiológicosInventários Biológicos
Inventários Biológicos
 
Familia hylidae
Familia hylidaeFamilia hylidae
Familia hylidae
 
Evolução dos osteichthyes
Evolução dos osteichthyesEvolução dos osteichthyes
Evolução dos osteichthyes
 
Mimetismo em anuros
Mimetismo em anurosMimetismo em anuros
Mimetismo em anuros
 
A cultura do slowdown
A cultura do slowdownA cultura do slowdown
A cultura do slowdown
 
Seminário bivalves
Seminário bivalvesSeminário bivalves
Seminário bivalves
 
Seminário platelmintos
Seminário platelmintosSeminário platelmintos
Seminário platelmintos
 

Seminário malária

  • 1. Faculdade Anglo Americano Malária Alexandre Merbold Eduardo Cruz Federico Melgarejo Katlin Fernandes
  • 2. Malária • Etiologia • Formas de Transmissão • Morfologia • Ciclo Reprodutivo • Patogenia • Epidemiologia • Profilaxia
  • 3. Malária - Histórico • Primeiros registros – era pré-cristã; • Século XIX “mau ar” • Charles Lavernan – 1880 • Gehardt – 1884 • Ross – 1897 • Grassi, Bastianelli, Bignani – 1899
  • 4. Situação atual A malária mata 3 milhões de pessoas por ano, uma taxa só comparável à da SIDA/AIDS, e afeta mais de 500 milhões de pessoas todos os anos. Segundo a OMS, a malária mata uma criança africana a cada 30 segundos, e muitas crianças que sobrevivem a casos severos sofrem danos cerebrais graves e têm dificuldades de aprendizagem.
  • 5. Zonas de Risco Fonte: http://www.almadeviajante.com/dicas/medicina-de-viagens.php
  • 6. Agente Etiológico Taxonomia • Filo: Apicomplexa • Classe: Sporozoa • Ordem: Eucoccidiida • Família: Plasmodiidae • Gênero: Plasmodium • Espécie: Mais de 100 espécies • No homem: P. falciparum, P. vivax, P. malarie, P. ovale
  • 7. Apicomplexa - Sporozoa Fonte: Parasitologia Humana, NEVES: 2004; Zoologia dos Invertebrados, BARNES e RUPPERT, 1993
  • 10. Plasmodium malarie Plasmodium malarie destruindo uma célula de hemoglobina. Fonte: http://www.jyi.org/articleimages/1183/originals/img0.jpg
  • 11. Plasmodium ovale 1. Eritrócitos no parasitados; 2. Trofozoítos jovens; 3. Trofozoítos maduros; 4.Esquizontes jovens; 5. Esquizontes maduros; 6. Pre-gametócitos; 7. Microgametócitos
  • 12. Vetor: Mosquito Anopheles Sobrevive em áreas onde a média de temperatura seja acima de 15C. Só os mosquitos fêmeas picam o homem e alimentam-se de sangue. Os machos vivem de seivas de plantas. As larvas se desenvolvem em águas paradas, e a prevalência máxima ocorre durante as estações com chuva abundante
  • 13. Formas de Transmissão A transmissão natural da malária ao homem se dá quando fêmeas de mosquitos anofelinos (gênero Anopheles), parasitadas com esporozoítos em suas glândulas salivares, inoculam estas formas infectantes durante o repasto sangüíneo. As fontes de infecção humana para os mosquitos são pessoas doentes ou mesmo indivíduos assintomáticos, que albergam formas sexuadas do parasito. Primatas não-humanos podem funcionar como reservatórios de P malariae. A infecção natural do homem com espécies de plasmódios simianos é pouco relatada.
  • 14. Apesar de infreqüente, a infecção malárica pode ser transmitida acidentalmente, como resultado de transfusão sanguínea, compartilhamento de seringas contaminadas e acidentes em laboratório. A infecção congênita tem sido também raramente descrita. Nestes casos, o ciclo exo- eritrocítico não é observado.
  • 17. 1999 2008
  • 18. Recomendações • Use repelente no corpo todo, camisa de mangas compridas e mosquiteiro, quando estiver em zonas endêmicas; • Evite banhos em igarapés e lagoas ou expor-se a águas paradas ao anoitecer e ao amanhecer, horários em que os mosquitos mais atacam, se estiver numa região endêmica; • Procure um serviço especializado se for viajar para regiões onde a transmissão da doença é alta, para tomar medicamentos antes, durante e depois da viagem; • Nunca se automedique.
  • 19. Tratamento • Não existe vacina contra a malaria, uma doença auto- limitada, mas que pode levar à morte se não for tratada em determinados casos. O tratamento padronizado pelo Ministério da Saúde é feito por via oral e não deve ser interrompido para evitar o risco de recaídas.
  • 20. Condições que indicam gravidade da doença e necessidade de hospitalização do paciente com malária • Crianças menores de 5 anos; • idosos com mais de 60 anos; • todas as gestantes; • pacientes imunodeprimidos; • pacientes com qualquer um dos sinais de perigo para malária grave, citados anteriormente.