SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
PARASITOLOGIA – AULA 1

Prof. Gildemar Crispim
Introdução a Parasitologia

• Parasitologia:

­ ciência que estuda o fenômeno parasitismo.

• O que parasitismo?
•

“Relação íntima e duradoura entre indivíduos de duas espécies
distintas a nível histológico. Na maioria dos casos um organismo (o
hospedeiro) passa a constituir o meio ecológico onde vive o outro
(o parasito).”

• Tipos de parasitas
•

Protozoário, Metazoário, Inseto, Ácaro

• Tipos de parasitismo
• Endo e ectoparasitismo
História da Parasitologia Humana
• Paleoparasitologia:
­ Busca de parasitos em material arqueológico ou paleontológico;
­ Originou-se da Paleopatologia;
­ Teorias de migrações humanas pré-histórica;

• Paleoparasitologia Molecular:
­ Origem,
­ Dispersão,
­ Agentes Etiológicos;

• Registros históricos de 3.000 – 5.000 aC;
História da Parasitologia Humana
Nas Américas, a Paleoparasitologia tem-se
dedicado mais ao estudo de material précolombiano:
- maioria das infecções parasitárias intestinais
já se encontrava entre as populações nativas
antes da chegada de europeus e africanos.
- Entretanto, nas populações indígenas do
passado, não se observaram as altas freqüências
encontradas na Europa.
Conceitos básicos.

• Parasito (depende de outros seres vivos)
• Parasito Acidental,
• Parasito Errático – vive fora dos eu hábitat ou hospedeiro normal,
• Parasito Estenoxênico – parasita sp de vertebrados muito próximas
• Parasito Eurixeno – parasita sp de vertebrados muito distintas
• Parasito Facultativo – pode ter hábitos de vida livre ou parasitária
• Parasito Heterogenético – apresenta alternância de gerações
• Parasito Monogenético – NÃO apresenta alternância de gerações
• Parasito Heteroxênico – hospedeiro definitivo e intermediário
• Parasito Monoxênico – apenas o hospedeiro definitivo
• Parasito Obrigatório - incapaz de viver fora do hospedeiro,
• Parasito Periódico – freqüenta o hospedeiro intervaladamente.
Conceitos básicos.

• Hospedeiro – é o organismo que alberga o parasito vivos
­ Hospedeiro Definitivo
­ É o que apresenta o parasito em fase de maturidade ou em
fase de atividade sexual (Ascaris lumbricoides no homem
ou Plasmodium sp. no mosquito)
­ Hospedeiro Intermediário
­ É aquele que apresenta o parasito em fase larvária ou
assexuada (Trypanossoma cruzi no triatomíneo ou
Plasmodium sp. no homem)
­ Hospedeiro de Transporte ou Paratênico
­ É o hospedeiro intermediário no qual o parasito não sofre
desenvolvimento, mas permanece encistado até que o
hospedeiro definitivo o ingira (Hymenolepis nana em
coleópteros)
• Vetor

Conceitos básicos.

• é o organismo capaz de transmitir agentes infecciosos. O
parasita pode ou não desenvolver-se enquanto encontra-se no
vetor
• Vetor biológico: vetor no qual se passa, obrigatoriamente, uma
fase do desenvolvimento de determinado agente etiológico;
erradicando-se o vetor biológico, desaparece a doença que ele
transmite. Os anofelíneos que transmitem a malária são exemplos
desse tipo de vetor;

• Vetor mecânico: vetor acidental que constitui somente uma das
modalidades da transmissão de um agente etiológico. Sua
erradicação retira apenas um dos componentes da transmissão da
doença. São exemplos as moscas, que podem transmitir agentes
eliminados pelas fezes, à medida que os transportam em suas
patas ou asas após pousarem em matéria fecal.
Conceitos básicos.
• Fatores do ambiente físico e social
­ As doenças infecciosas são significativamente influenciadas pelo
ambiente, seja em seus aspectos físicos, biológicos ou sociais.
­ O ambiente físico, como, por exemplo, a temperatura média e umidade
relativa do ar, influencia a eficiência do contato na transmissão pessoa a
pessoa, além de favorecer a transmissão de vários agentes veiculados por
vetores.
­ Quanto aos aspectos biológicos do ambiente, podemos citar como
exemplo o grau de adaptação de determinadas espécies em sua função de
parasitar o homem. Quanto maior essa adaptação, maior será a proporção
de casos subclínicos da doença infecciosa por ele causados.
­ Por fim, o ambiente social, em aspectos como a aglomeração, migrações,
distribuição das riquezas, está intimamente ligado aos níveis endêmicos
das doenças infecciosas.
•

Anfixenose

Conceitos básicos.

­ Doença que circula indiferentemente entre humanos e animais
•

Enzoose
­ Doença exclusivamente de animais (peste suína, o trematódeo Dioctophine
renale, parasitando rim de cão e lobo.)

•

Antroponose
­ Doença exclusivamente humana.

•

Antropozoonose
­ Doença primária de animais que pode ser transmitida aos humanos (brucelose,
o homem é um hospedeiro acidental)

•

Zooantroponose
­ Doença primária dos humanos que pode ser transmitida aos animias
(esquistossomose, o homem é o principal hospedeiro).

•

Zoonose
­ Doenças e infecções que são naturalmente transmitidas entre animais
vertebrados e o homem.
Nomenclatura e Classificação dos seres vivos.
•

Nomenclatura internacional para a designação dos seres vivos
­ 1730/40, Mark Catesby
­ 1735, Karl von Linné – “Systema Naturae” – regras para classificar e
denominar animais e plantas
­ 1758 – propôs efetivamente uma forma mais simples , em que cada organismo
seria conhecido por apenas dois nomes seguidos e inseparáveis
(nomenclatura binomial moderna)
­ I Congresso Internacional de Nomenclatura Científica, em 1898, e revistas em
1927, em Budapeste, Hungria.

•

O nome de uma espécie deve ser binomial, o de uma subespécie trinominal
• Triatoma brasiliensis melanica (Minas Gerais)
• Triatoma brasiliensis macromelanosa (Bahia)

•

Nomes científicos devem ser latinos ou latinizados (Trypanosoma cruzi)
Nomenclatura e Classificação dos seres vivos.
•

Todo nome científico deve ser escrito em itálico (diferente do corpo tipográfico
usado no texto corrido). Em trabalhos manuscritos, esses nomes devem ser
grifados

•

Cada organismo deve ser reconhecido por uma designação binominal, onde o
primeiro termo identifica o seu gênero e o segundo, sua espécie;
­ Triatoma brasiliensis

•

Desejando citar o nome do autor, este deve seguir o nome científico se nenhuma
pontuação. Outras informações sobre o autor, como o ano da publicação, devem
seguir o seu nome, após uma vírgula ou entre parênteses;
­ Triatoma brasiliensis Neiva, 1911.

•

Lei da Prioridade: Se para um mesmo organismo forem dados nomes diferentes,
por autores diversos, prevalece a primeira denominação;
Taxonomia.
•

“estudo descritivo de todas as espécies de seres vivos e sua classificação dentro
de uma verdadeira hierarquia de grupamentos”;

•

Espécie: é um grupamento de indivíduos com profundas semelhanças
morfológicas e fisiológicas entre si, mostrando grandes similaridades bioquímicas,
e no cariótipo (quadro cromossomial de células haplóides), com capacidade de se
cruzarem naturalmente, originando descendentes férteis.

•

Gênero: é o conjunto de espécies que apresentam semelhanças, embora não
sejam idênticas;

•

Família: é o conjunto de gêneros afins, isto é, muito próximos ou parecidos,
embora possuam diferenças mais significativas do que a divisão em gêneros.
Taxonomia.
• Ordem: é um grupamento de famílias que têm semelhanças.
• Classe: é a reunião de ordens que possuem fatores distintos de outras,
mas comum às ordens que a ela pertencem
• Filo (Ramo): é a reunião de classes com características em comum, mesmo
que muito distintas entre si.
• Reino: é a maior das categorias taxionômicas. Reune filos com as
características comuns a todos, mesmo que existam diferenças enormes
entre eles. Possui apenas cinco divisões: Animalia (Metazoa), Vegetalia
(Plantae), Fungi, Protistis e Monera

Espécies < Gêneros < Famílias < Ordens < Classes < Filos (Ramos) < Reinos
Classificação dos Parasitos

• Parasitos de importância médica:
• 2 Reinos
• Protista
• Animalia

• 2 Sub-reinos
• Protozoa
• Metazoa

• 9 Filos
• Sarcomastigophora – Amebas e tripanossomas
• Apicomplexa – Plasmódio, toxoplasma
• Ciliophora – Balantídio (ciliado, é o maior protozoário que parasita o homem, sendo
causador de disenteria)
• Microspora – Enterocytozoon (infecta células epiteliais do intestino)
• Platyhelminthes – Schistosoma, tênias
• Nematoda – Ascari, ancilóstomas
• Acanthocephala – Moniliformes (espécie cosmopolita que vive no intestino de ratos,
camundongos, cachorros e gatos)
• Arthropoda – Moscas, ácaros
• Mollusca - Biomphalaria
Tipos de Associações
 Harmônicas ou positivas (benefício ou ausência de prejuízo mútuo);
­ Comensalismo,
­ Mutualismo (associação obrigatória ~ Simbiose) Ex: Cupins e os
protozoários do gênero Hypermastiginia,
­ Simbiose (espécies realizam funções complementares, indispensáveis
a vida de cada uma (protozoários digerem celulose e ruminantes),
 Desarmônicas ou negativas
­ Competição,
­ Canibalismo,
­ Predatismo,
­ Parasitismo.
Comensalismo

 Hospede obtém vantagem sem prejuízo do hospedeiro. Exemplo:
Entamoeba coli (Intestino grosso humano);
 Proteção
 Transporte
 Nutrição
­ Forésia – é quando na associação uma espécie oferece, suporte, abrigo
ou transporte (peixe piloto, Echneis remora).
­ Inquilinismo – é quando uma espécie vive no interior da outra, sem
nutrir à custa desta, mas utilizando o abrigo e parte do alimento que a
outra capturou. (Peixe e Holutúrias)
­ Sinfilismo ou protocooperação – ocorre quando duas espécies se
associam para benefício mutuo, mas sem obrigatoriedade (formigas do
gênero Camponotus e as cigarras).
Ação do Parasito sobre o Hospedeiro

 Equilíbrio da relação parasito-hospedeiro:
 Espécie do parasito
 Idade
 Estado nutricional
 Condições sanitárias
 Nível de resposta imunológica do hospedeiro

 Ação patogênica dos parasitos:
 Ação traumática – quando ocorre lesão de células ou tecidos por meios
mecânicos ou químicos do parasito
 Ex.: migração de formas larvares de helmintos na pele, pulmões, lesões da mucosa do
intestino grosso pela E. histolytica.

 Ação espoliativa – quando o parasito absorve substâncias nutritivas ou sangue
do hospedeiro
 Ex.: Ascaris lumbricoides, Plasmodium

 Ação tóxica – liberação de metabólicos ou enzimas pelo parasito que lesam o
hospedeiro
 Ex.: Plasmodium, Onchocerca volvulus
Ação do Parasito sobre o Hospedeiro

 Ação patogênica dos parasitos:

 Ação Irritativa – a lesão através dos órgão de fixação do parasito
 Ex.: Giardia lamblia, Ascasris.

 Ação mecanica– quando a presença do parasito impede ou dificulta
mecanicamente a absroção de alimento ou fluxo de ductos e glândulas.
 Ex.: Ascaris lumbricoides, Giardia lamblia
Alguns números para lembrarmos.
Organismos

Estimativa de Infectados Estimativa de óbitos anuais

Ascaris lumbricoides

1 bilhão

NE

Trichuris trichiura

1 bilhão

NE

Ancilostomatídeos

700 milhões

NE

Schistosoma spp.

200 milhões

50 - 100 mil

Filarioses

130 milhões

NE

250 - 300 milhões/ano

2 - 2,5 milhões

500 milhões

100 mil

Leishmanioses

15 - 20 milhões

10 - 20 mil

Tripanosomíases

50 - 55 milhões

150 mil

Malária
Amebíase

WHO, 2003.
Aula n° 1

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
Tiago da Silva
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
nynynha
 
Aula slides micologia geral
Aula slides   micologia geralAula slides   micologia geral
Aula slides micologia geral
Simone Alvarenga
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
Ágatha Mayara
 

Mais procurados (20)

Aula bactérias
Aula bactériasAula bactérias
Aula bactérias
 
Apresentação bactérias
Apresentação bactériasApresentação bactérias
Apresentação bactérias
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
 
Oxiurose
OxiuroseOxiurose
Oxiurose
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
 
Aula slides micologia geral
Aula slides   micologia geralAula slides   micologia geral
Aula slides micologia geral
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor Feminino
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 

Destaque

Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
Juliana Lima
 
Resumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaResumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e Parasita
Nathy Oliveira
 
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
ApolloeGau SilvaeAlmeida
 

Destaque (20)

Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
 
Parasitologia l
Parasitologia lParasitologia l
Parasitologia l
 
Exame Parasitológico de Fezes - 2010
Exame Parasitológico de Fezes - 2010Exame Parasitológico de Fezes - 2010
Exame Parasitológico de Fezes - 2010
 
Atlas de Parasitologia Clínica
Atlas de Parasitologia ClínicaAtlas de Parasitologia Clínica
Atlas de Parasitologia Clínica
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 
Resumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaResumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e Parasita
 
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
 
Parasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigoParasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigo
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
 
Interacções entre seres vivos
Interacções entre seres vivosInteracções entre seres vivos
Interacções entre seres vivos
 
parasitos
parasitosparasitos
parasitos
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Fatores bióticos - Biologia
Fatores bióticos - BiologiaFatores bióticos - Biologia
Fatores bióticos - Biologia
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 

Semelhante a Aula n° 1

Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Juliana Mendes
 
Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011
Vanderson Mafra
 

Semelhante a Aula n° 1 (20)

Aula introdutória Parasito.pptx
Aula introdutória Parasito.pptxAula introdutória Parasito.pptx
Aula introdutória Parasito.pptx
 
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdfConceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologia
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
2º bim (2) classificação dos seres vivos
2º bim (2)   classificação dos seres vivos2º bim (2)   classificação dos seres vivos
2º bim (2) classificação dos seres vivos
 
8 parasitologia
8 parasitologia8 parasitologia
8 parasitologia
 
8 parasitologia
8 parasitologia8 parasitologia
8 parasitologia
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Parasito
ParasitoParasito
Parasito
 
Apostila paratologia
Apostila paratologiaApostila paratologia
Apostila paratologia
 
Fic papo
Fic papoFic papo
Fic papo
 
Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
 
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdfAULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
 
Aula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmaniaAula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmania
 
Aula 1 sistema de classificação dos seres vivos
Aula 1   sistema de classificação dos seres vivosAula 1   sistema de classificação dos seres vivos
Aula 1 sistema de classificação dos seres vivos
 
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptxIdentificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 

Mais de Gildo Crispim

Normalização de trabalhos acadêmicos treinamento aesa2
Normalização de trabalhos acadêmicos   treinamento aesa2Normalização de trabalhos acadêmicos   treinamento aesa2
Normalização de trabalhos acadêmicos treinamento aesa2
Gildo Crispim
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
Gildo Crispim
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Gildo Crispim
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]
Gildo Crispim
 
02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es
Gildo Crispim
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Gildo Crispim
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacteriano
Gildo Crispim
 
Introdução a mibrobiologia
Introdução a mibrobiologiaIntrodução a mibrobiologia
Introdução a mibrobiologia
Gildo Crispim
 
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
Gildo Crispim
 
Genetica bacteriana 1
Genetica bacteriana 1Genetica bacteriana 1
Genetica bacteriana 1
Gildo Crispim
 
Apresentação imunologia
Apresentação imunologiaApresentação imunologia
Apresentação imunologia
Gildo Crispim
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]
Gildo Crispim
 
Aula n° 7 helmintos
Aula n° 7   helmintosAula n° 7   helmintos
Aula n° 7 helmintos
Gildo Crispim
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
Gildo Crispim
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
Gildo Crispim
 

Mais de Gildo Crispim (20)

Wd0000047
Wd0000047Wd0000047
Wd0000047
 
Normalização de trabalhos acadêmicos treinamento aesa2
Normalização de trabalhos acadêmicos   treinamento aesa2Normalização de trabalhos acadêmicos   treinamento aesa2
Normalização de trabalhos acadêmicos treinamento aesa2
 
Moleculas mhc1
Moleculas mhc1Moleculas mhc1
Moleculas mhc1
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]
 
Patologia geral
Patologia geralPatologia geral
Patologia geral
 
02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilização
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacteriano
 
Introdução a mibrobiologia
Introdução a mibrobiologiaIntrodução a mibrobiologia
Introdução a mibrobiologia
 
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
 
Genetica bacteriana 1
Genetica bacteriana 1Genetica bacteriana 1
Genetica bacteriana 1
 
Apresentação imunologia
Apresentação imunologiaApresentação imunologia
Apresentação imunologia
 
Antígeno
AntígenoAntígeno
Antígeno
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Aula n° 7 helmintos
Aula n° 7   helmintosAula n° 7   helmintos
Aula n° 7 helmintos
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 

Aula n° 1

  • 1. PARASITOLOGIA – AULA 1 Prof. Gildemar Crispim
  • 2. Introdução a Parasitologia • Parasitologia: ­ ciência que estuda o fenômeno parasitismo. • O que parasitismo? • “Relação íntima e duradoura entre indivíduos de duas espécies distintas a nível histológico. Na maioria dos casos um organismo (o hospedeiro) passa a constituir o meio ecológico onde vive o outro (o parasito).” • Tipos de parasitas • Protozoário, Metazoário, Inseto, Ácaro • Tipos de parasitismo • Endo e ectoparasitismo
  • 3. História da Parasitologia Humana • Paleoparasitologia: ­ Busca de parasitos em material arqueológico ou paleontológico; ­ Originou-se da Paleopatologia; ­ Teorias de migrações humanas pré-histórica; • Paleoparasitologia Molecular: ­ Origem, ­ Dispersão, ­ Agentes Etiológicos; • Registros históricos de 3.000 – 5.000 aC;
  • 4. História da Parasitologia Humana Nas Américas, a Paleoparasitologia tem-se dedicado mais ao estudo de material précolombiano: - maioria das infecções parasitárias intestinais já se encontrava entre as populações nativas antes da chegada de europeus e africanos. - Entretanto, nas populações indígenas do passado, não se observaram as altas freqüências encontradas na Europa.
  • 5. Conceitos básicos. • Parasito (depende de outros seres vivos) • Parasito Acidental, • Parasito Errático – vive fora dos eu hábitat ou hospedeiro normal, • Parasito Estenoxênico – parasita sp de vertebrados muito próximas • Parasito Eurixeno – parasita sp de vertebrados muito distintas • Parasito Facultativo – pode ter hábitos de vida livre ou parasitária • Parasito Heterogenético – apresenta alternância de gerações • Parasito Monogenético – NÃO apresenta alternância de gerações • Parasito Heteroxênico – hospedeiro definitivo e intermediário • Parasito Monoxênico – apenas o hospedeiro definitivo • Parasito Obrigatório - incapaz de viver fora do hospedeiro, • Parasito Periódico – freqüenta o hospedeiro intervaladamente.
  • 6. Conceitos básicos. • Hospedeiro – é o organismo que alberga o parasito vivos ­ Hospedeiro Definitivo ­ É o que apresenta o parasito em fase de maturidade ou em fase de atividade sexual (Ascaris lumbricoides no homem ou Plasmodium sp. no mosquito) ­ Hospedeiro Intermediário ­ É aquele que apresenta o parasito em fase larvária ou assexuada (Trypanossoma cruzi no triatomíneo ou Plasmodium sp. no homem) ­ Hospedeiro de Transporte ou Paratênico ­ É o hospedeiro intermediário no qual o parasito não sofre desenvolvimento, mas permanece encistado até que o hospedeiro definitivo o ingira (Hymenolepis nana em coleópteros)
  • 7. • Vetor Conceitos básicos. • é o organismo capaz de transmitir agentes infecciosos. O parasita pode ou não desenvolver-se enquanto encontra-se no vetor • Vetor biológico: vetor no qual se passa, obrigatoriamente, uma fase do desenvolvimento de determinado agente etiológico; erradicando-se o vetor biológico, desaparece a doença que ele transmite. Os anofelíneos que transmitem a malária são exemplos desse tipo de vetor; • Vetor mecânico: vetor acidental que constitui somente uma das modalidades da transmissão de um agente etiológico. Sua erradicação retira apenas um dos componentes da transmissão da doença. São exemplos as moscas, que podem transmitir agentes eliminados pelas fezes, à medida que os transportam em suas patas ou asas após pousarem em matéria fecal.
  • 8. Conceitos básicos. • Fatores do ambiente físico e social ­ As doenças infecciosas são significativamente influenciadas pelo ambiente, seja em seus aspectos físicos, biológicos ou sociais. ­ O ambiente físico, como, por exemplo, a temperatura média e umidade relativa do ar, influencia a eficiência do contato na transmissão pessoa a pessoa, além de favorecer a transmissão de vários agentes veiculados por vetores. ­ Quanto aos aspectos biológicos do ambiente, podemos citar como exemplo o grau de adaptação de determinadas espécies em sua função de parasitar o homem. Quanto maior essa adaptação, maior será a proporção de casos subclínicos da doença infecciosa por ele causados. ­ Por fim, o ambiente social, em aspectos como a aglomeração, migrações, distribuição das riquezas, está intimamente ligado aos níveis endêmicos das doenças infecciosas.
  • 9. • Anfixenose Conceitos básicos. ­ Doença que circula indiferentemente entre humanos e animais • Enzoose ­ Doença exclusivamente de animais (peste suína, o trematódeo Dioctophine renale, parasitando rim de cão e lobo.) • Antroponose ­ Doença exclusivamente humana. • Antropozoonose ­ Doença primária de animais que pode ser transmitida aos humanos (brucelose, o homem é um hospedeiro acidental) • Zooantroponose ­ Doença primária dos humanos que pode ser transmitida aos animias (esquistossomose, o homem é o principal hospedeiro). • Zoonose ­ Doenças e infecções que são naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e o homem.
  • 10. Nomenclatura e Classificação dos seres vivos. • Nomenclatura internacional para a designação dos seres vivos ­ 1730/40, Mark Catesby ­ 1735, Karl von Linné – “Systema Naturae” – regras para classificar e denominar animais e plantas ­ 1758 – propôs efetivamente uma forma mais simples , em que cada organismo seria conhecido por apenas dois nomes seguidos e inseparáveis (nomenclatura binomial moderna) ­ I Congresso Internacional de Nomenclatura Científica, em 1898, e revistas em 1927, em Budapeste, Hungria. • O nome de uma espécie deve ser binomial, o de uma subespécie trinominal • Triatoma brasiliensis melanica (Minas Gerais) • Triatoma brasiliensis macromelanosa (Bahia) • Nomes científicos devem ser latinos ou latinizados (Trypanosoma cruzi)
  • 11. Nomenclatura e Classificação dos seres vivos. • Todo nome científico deve ser escrito em itálico (diferente do corpo tipográfico usado no texto corrido). Em trabalhos manuscritos, esses nomes devem ser grifados • Cada organismo deve ser reconhecido por uma designação binominal, onde o primeiro termo identifica o seu gênero e o segundo, sua espécie; ­ Triatoma brasiliensis • Desejando citar o nome do autor, este deve seguir o nome científico se nenhuma pontuação. Outras informações sobre o autor, como o ano da publicação, devem seguir o seu nome, após uma vírgula ou entre parênteses; ­ Triatoma brasiliensis Neiva, 1911. • Lei da Prioridade: Se para um mesmo organismo forem dados nomes diferentes, por autores diversos, prevalece a primeira denominação;
  • 12. Taxonomia. • “estudo descritivo de todas as espécies de seres vivos e sua classificação dentro de uma verdadeira hierarquia de grupamentos”; • Espécie: é um grupamento de indivíduos com profundas semelhanças morfológicas e fisiológicas entre si, mostrando grandes similaridades bioquímicas, e no cariótipo (quadro cromossomial de células haplóides), com capacidade de se cruzarem naturalmente, originando descendentes férteis. • Gênero: é o conjunto de espécies que apresentam semelhanças, embora não sejam idênticas; • Família: é o conjunto de gêneros afins, isto é, muito próximos ou parecidos, embora possuam diferenças mais significativas do que a divisão em gêneros.
  • 13. Taxonomia. • Ordem: é um grupamento de famílias que têm semelhanças. • Classe: é a reunião de ordens que possuem fatores distintos de outras, mas comum às ordens que a ela pertencem • Filo (Ramo): é a reunião de classes com características em comum, mesmo que muito distintas entre si. • Reino: é a maior das categorias taxionômicas. Reune filos com as características comuns a todos, mesmo que existam diferenças enormes entre eles. Possui apenas cinco divisões: Animalia (Metazoa), Vegetalia (Plantae), Fungi, Protistis e Monera Espécies < Gêneros < Famílias < Ordens < Classes < Filos (Ramos) < Reinos
  • 14. Classificação dos Parasitos • Parasitos de importância médica: • 2 Reinos • Protista • Animalia • 2 Sub-reinos • Protozoa • Metazoa • 9 Filos • Sarcomastigophora – Amebas e tripanossomas • Apicomplexa – Plasmódio, toxoplasma • Ciliophora – Balantídio (ciliado, é o maior protozoário que parasita o homem, sendo causador de disenteria) • Microspora – Enterocytozoon (infecta células epiteliais do intestino) • Platyhelminthes – Schistosoma, tênias • Nematoda – Ascari, ancilóstomas • Acanthocephala – Moniliformes (espécie cosmopolita que vive no intestino de ratos, camundongos, cachorros e gatos) • Arthropoda – Moscas, ácaros • Mollusca - Biomphalaria
  • 15. Tipos de Associações  Harmônicas ou positivas (benefício ou ausência de prejuízo mútuo); ­ Comensalismo, ­ Mutualismo (associação obrigatória ~ Simbiose) Ex: Cupins e os protozoários do gênero Hypermastiginia, ­ Simbiose (espécies realizam funções complementares, indispensáveis a vida de cada uma (protozoários digerem celulose e ruminantes),  Desarmônicas ou negativas ­ Competição, ­ Canibalismo, ­ Predatismo, ­ Parasitismo.
  • 16. Comensalismo  Hospede obtém vantagem sem prejuízo do hospedeiro. Exemplo: Entamoeba coli (Intestino grosso humano);  Proteção  Transporte  Nutrição ­ Forésia – é quando na associação uma espécie oferece, suporte, abrigo ou transporte (peixe piloto, Echneis remora). ­ Inquilinismo – é quando uma espécie vive no interior da outra, sem nutrir à custa desta, mas utilizando o abrigo e parte do alimento que a outra capturou. (Peixe e Holutúrias) ­ Sinfilismo ou protocooperação – ocorre quando duas espécies se associam para benefício mutuo, mas sem obrigatoriedade (formigas do gênero Camponotus e as cigarras).
  • 17. Ação do Parasito sobre o Hospedeiro  Equilíbrio da relação parasito-hospedeiro:  Espécie do parasito  Idade  Estado nutricional  Condições sanitárias  Nível de resposta imunológica do hospedeiro  Ação patogênica dos parasitos:  Ação traumática – quando ocorre lesão de células ou tecidos por meios mecânicos ou químicos do parasito  Ex.: migração de formas larvares de helmintos na pele, pulmões, lesões da mucosa do intestino grosso pela E. histolytica.  Ação espoliativa – quando o parasito absorve substâncias nutritivas ou sangue do hospedeiro  Ex.: Ascaris lumbricoides, Plasmodium  Ação tóxica – liberação de metabólicos ou enzimas pelo parasito que lesam o hospedeiro  Ex.: Plasmodium, Onchocerca volvulus
  • 18. Ação do Parasito sobre o Hospedeiro  Ação patogênica dos parasitos:  Ação Irritativa – a lesão através dos órgão de fixação do parasito  Ex.: Giardia lamblia, Ascasris.  Ação mecanica– quando a presença do parasito impede ou dificulta mecanicamente a absroção de alimento ou fluxo de ductos e glândulas.  Ex.: Ascaris lumbricoides, Giardia lamblia
  • 19. Alguns números para lembrarmos. Organismos Estimativa de Infectados Estimativa de óbitos anuais Ascaris lumbricoides 1 bilhão NE Trichuris trichiura 1 bilhão NE Ancilostomatídeos 700 milhões NE Schistosoma spp. 200 milhões 50 - 100 mil Filarioses 130 milhões NE 250 - 300 milhões/ano 2 - 2,5 milhões 500 milhões 100 mil Leishmanioses 15 - 20 milhões 10 - 20 mil Tripanosomíases 50 - 55 milhões 150 mil Malária Amebíase WHO, 2003.

Notas do Editor

  1. {}