SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Diabetes
mellitus na
infância
Diabetes mellitus
 O Diabetes Mellitus (DM) é uma situação clinica que
reflete um desequilíbrio entre a produção, a ação e as
necessidades de insulina;
 Insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, nas
ilhotas pancreáticas que permite a entrada de glicose nas
células para ser transformada em energia.
 Dependendo da causa, o diabetes pode ser classificado
como :
 Diabetes mellitus tipo 1
 Diabetes mellitus tipo 2
DIABETES MELLITUS
Diabetes mellitus tipo 1
O Diabetes do tipo 1 é uma doença autoimune mais
comum na infância e adolescência, atingindo também
adultos em qualquer idade. Caracteriza-se pela destruição
das células beta pancreáticas, isso acontece por engano
porque o organismo as identifica como corpos estranhos
sendo a sua ação uma resposta auto-imune.
 Quando os linfócitos T autorreativos destroem as células
beta pancreáticas, ocorre a absoluta deficiência da
produção de insulina;
 Alguns fatores genéticos, imunológicos e possivelmente
ambientais combinados contribuam para a destruição das
células beta;
 Sua associação com alguns antígenos de
histocompatibilidade leucocitária (HLA), demonstra
claramente sua condição de doença autoimune, podendo
ter também possível associação com outras doenças de
autoagressão.
Diabetes mellitus tipo 1
Diabetes mellitus tipo 1
 Outros auto anticorpos encontrados no soro dos pacientes
são:
 antiinsulina (IAA), antiilhotas pancreática
(ICA512), antidescarboxilase do ácido glutâmico (anti-
GAD), antitirosina fosfatase (IA2) e antitransportador do
Zinco.
 A presença desses anticorpos pode ocorrer em pacientes com
diagnóstico em qualquer faixa etária, sendo mais comum na
infância e adolescência, porém, podendo se estender à faixa
etária adulta.
 Não é uma doença hereditária, mas os portadores
apresentam predisposição genética para desenvolver diabetes
do tipo 1;
 Mas, é considerada uma doença poligênica e dentre os fatores
genéticos de risco envolvidos no seu desencadeamento são
conhecidos os genes do sistema de histocompatibilidade
humano (HLA);
 Os principais são os de classe II DR3, DR4 e DQ, eles são
responsáveis por 40% do componente genético desta doença
crônica.;
Diabetes mellitus tipo 1
Diabetes mellitus tipo 1
 HLA-DQB1*0201 e HLA-DQB1*0302 são polimorfismos
frequentes na nossa população. Fatores conhecidos por
gatilhos ambientais que compõem e completam o quadro
para o inicio da doença;
 Genes não HLA já estão identificados e também formam o
quadro de predisposição à doença, identificados em pacientes
recém diagnosticados.
sINTOMAS
 Vontade de urinar diversas vezes;
 Fome freqüente;
 Sede constante;
 Perda de peso;
 Fraqueza;
 Fadiga;
 Nervosismo;
 Mudanças de humor;
 Náusea;
 Vômito.
 O Diabetes Mellitus antes dos seis meses de idade é
incomum. Em crianças pequenas para a idade
gestacional (PIG), pode desenvolver-se um DM
transitório.
 Essa DM transitória tende a regredir em semanas ou
meses, mas que necessita na sua fase descompensada
do uso de insulina.
diagnóstico clínico
Diagnóstico laboratorial
 O diabetes pode ser diagnosticado pelo exame simples da
glicemia e o diagnóstico na infância segue os mesmos critérios
da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas demais faixas
etárias :
GLICEMIA
EXAME RESULTADO
Após 8hrs de jejum Igual ou maior que 126g/dl
Após 2hrs de ingestão de
glicose
Igual ou maior que
200mg/dl
Em qualquer momento Igual ou maior que
200mg/dl com sintomas de
diabetes
 A determinação dos níveis diminuídos de peptídeo C e dos
auto anticorpos IAA, GAD, ICA512 e antitransportador do
Zinco, podem ser úteis e devem ser realizados para
confirmação da etiologia autoimune da doença;
 O exame de urina pode auxiliar no diagnóstico ao evidenciar a
presença de glicosúria e eventualmente de cetonúria.
Diagnóstico laboratorial
LOCAIS DE APLICAÇÃO
AJUSTE DA DOSE
Durante episódios de doenças agudas:
Se o estado geral estiver conservado e a glicemia capilar
estiver entre 180 e 360mg/dl e cetonúria menor que duas
cruzes, deve-se acrescentar dose extra de 2U de insulina
regular para crianças com idade inferior a 5 anos e 4U para
aquelas maiores.
diABETES MELLITUS TIPO 2
O Diabetes tipo 2 caracteriza-se por resistência periférica
a ação da insulina e usualmente apresenta uma deficiência
parcial na produção de insulina produzida pelas células β do
pâncreas. Pode predominar a resistência à insulina ou a
produção deficiente dela.
SINTOMAS
 Infecções freqüentes;
 Alteração visual (visão embaçada);
 Dificuldade na cicatrização de feridas;
 Formigamento nos pés;
 Furunculose.
Diagnóstico clínico
Na maioria dos pacientes, o diagnóstico de DM2 poderá
ser baseado na apresentação clínica e no curso da doença.
Esse diagnóstico na infância deverá ser feito levando em
consideração a idade e o sexo do paciente, presença de
obesidade e história familiar positiva para DM2, já muitas
vezes sem queixas clínicas, com história familiar positiva para
a doença, e apresentando hiperglicemia e/ou glicosúria em
exame de rotina.
Diagnóstico laboratorial
É utilizado os mesmos critérios, exames e
valores de referência do tipo 1.
GLICEMIA
EXAME RESULTADO
Após 8hrs de jejum Igual ou maior que 126g/dl
Após 2hrs de ingestão de
glicose
Igual ou maior que
200mg/dl
Em qualquer momento Igual ou maior que
200mg/dl com sintomas de
diabetes
TRATAMENTO
O tratamento inicial consiste no controle da glicose
através de:
 Exercício físico;
 Dieta .
Se estas medidas não diminuírem o nível de glicose no
sangue, pode ser necessário recorrer à administração de
medicamentos, como a metformina ou a insulina.
PREVENÇÃO
 Manter o peso normal;
 Ter uma dieta saudável, pobre em gorduras, rica em vegetais,
frutas e alimentos integrais;
 Manter o hábito de exercícios físicos regulares no mínimo 30
minutos ao dia de caminhadas ou de alguns esportes.
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
Desenvolver atividades educativas, por meio de ações
individuais e/ou coletivas;
Capacitar os auxiliares de enfermagem e supervisionar, de
forma permanente, suas atividades;
Realizar consulta de enfermagem, abordando fatores de
risco, estratificando risco cardiovascular, orientando mudanças
no estilo de vida e tratamento não medicamentoso,
verificando adesão e possíveis intercorrências ao tratamento,
encaminhando o indivíduo ao médico, quando necessário;
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
 Estabelecer, junto à equipe, estratégias que possam favorecer
a adesão (grupos de pacientes diabéticos);
 Programar, junto à equipe, estratégias para a educação do
paciente;
 Solicitar, durante a consulta de enfermagem, os exames de
rotina definidos como necessários pelo médico da equipe ou de
acordo com protocolos ou normas técnicas estabelecidas pelo
gestor municipal;
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
Orientar pacientes sobre automonitorização (glicemia
capilar) e técnica de aplicação de insulina;
Repetir a medicação de indivíduos controlados e sem
intercorrências;
Perseguir, de acordo com o plano individualizado de cuidado
estabelecido junto ao portador de diabetes, os objetivos e
metas do tratamento (estilo de vida saudável, níveis
pressóricos, hemoglobina glicada e peso);
Organizar junto ao médico, e com a participação de toda a
equipe de saúde, a distribuição das tarefas necessárias para o
cuidado integral dos pacientes portadores de diabetes.
OBRIGADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacionalDiabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
 
Controle da diabetes
Controle da diabetesControle da diabetes
Controle da diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes no Idoso
Diabetes no IdosoDiabetes no Idoso
Diabetes no Idoso
 
Cetoacidose Diabética
Cetoacidose DiabéticaCetoacidose Diabética
Cetoacidose Diabética
 
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Diabetes!
Diabetes!Diabetes!
Diabetes!
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
 
HiperDia
HiperDia HiperDia
HiperDia
 
Síndrome Metabólica
Síndrome MetabólicaSíndrome Metabólica
Síndrome Metabólica
 
Diabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãODiabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãO
 
Leucemia
LeucemiaLeucemia
Leucemia
 
Hipertensão arterial powerpoint
Hipertensão arterial   powerpoint Hipertensão arterial   powerpoint
Hipertensão arterial powerpoint
 
Esclerose múltipla
Esclerose múltiplaEsclerose múltipla
Esclerose múltipla
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptxSLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
 

Semelhante a Diabetes Melitus na Infância

Classificação de Diagnóstico do Diabete Melito
Classificação de Diagnóstico do Diabete MelitoClassificação de Diagnóstico do Diabete Melito
Classificação de Diagnóstico do Diabete MelitoCentro Universitário Ages
 
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfvChanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfvJeftacioMateus
 
DIABETES TIPO 2 Na Adolescência.pdf
DIABETES TIPO 2 Na Adolescência.pdfDIABETES TIPO 2 Na Adolescência.pdf
DIABETES TIPO 2 Na Adolescência.pdfamarcondesprint
 
E-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - DiabetesE-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - DiabetesEuSaúde
 
1118 1324 manual_enfermagem
1118 1324 manual_enfermagem1118 1324 manual_enfermagem
1118 1324 manual_enfermagemInês Cachaço
 
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagemDiabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagemMayza De Jesus Milhomem
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
DiabetesRenato
 
Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013Elaine Moura
 
13403686111118 1324 manual_enfermagem
13403686111118 1324 manual_enfermagem13403686111118 1324 manual_enfermagem
13403686111118 1324 manual_enfermagemcarol neves
 
diabetes-mellitus-151217033834.pdf
diabetes-mellitus-151217033834.pdfdiabetes-mellitus-151217033834.pdf
diabetes-mellitus-151217033834.pdfCarlaFMboa
 
Diabetes mellitus faculdade de medicina de botucatu unesp
Diabetes mellitus   faculdade de medicina de botucatu unespDiabetes mellitus   faculdade de medicina de botucatu unesp
Diabetes mellitus faculdade de medicina de botucatu unespadrianomedico
 

Semelhante a Diabetes Melitus na Infância (20)

Classificação de Diagnóstico do Diabete Melito
Classificação de Diagnóstico do Diabete MelitoClassificação de Diagnóstico do Diabete Melito
Classificação de Diagnóstico do Diabete Melito
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
[c7s] Diabetes
[c7s] Diabetes [c7s] Diabetes
[c7s] Diabetes
 
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdfHAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
 
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfvChanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
 
DIABETES TIPO 2 Na Adolescência.pdf
DIABETES TIPO 2 Na Adolescência.pdfDIABETES TIPO 2 Na Adolescência.pdf
DIABETES TIPO 2 Na Adolescência.pdf
 
diabetes.pptx
diabetes.pptxdiabetes.pptx
diabetes.pptx
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
E-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - DiabetesE-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - Diabetes
 
Seminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitusSeminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitus
 
1118 1324 manual_enfermagem
1118 1324 manual_enfermagem1118 1324 manual_enfermagem
1118 1324 manual_enfermagem
 
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagemDiabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013
 
Curso 50 ic
Curso 50 icCurso 50 ic
Curso 50 ic
 
13403686111118 1324 manual_enfermagem
13403686111118 1324 manual_enfermagem13403686111118 1324 manual_enfermagem
13403686111118 1324 manual_enfermagem
 
Controle dos diabetes
Controle dos diabetesControle dos diabetes
Controle dos diabetes
 
diabetes-mellitus-151217033834.pdf
diabetes-mellitus-151217033834.pdfdiabetes-mellitus-151217033834.pdf
diabetes-mellitus-151217033834.pdf
 
Diabetes mellitus faculdade de medicina de botucatu unesp
Diabetes mellitus   faculdade de medicina de botucatu unespDiabetes mellitus   faculdade de medicina de botucatu unesp
Diabetes mellitus faculdade de medicina de botucatu unesp
 

Mais de Karina Pereira

Hipertensão genética
Hipertensão genéticaHipertensão genética
Hipertensão genéticaKarina Pereira
 
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de CasoGravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de CasoKarina Pereira
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherKarina Pereira
 
Lesão do aparelho locomotor
Lesão do aparelho locomotorLesão do aparelho locomotor
Lesão do aparelho locomotorKarina Pereira
 
Mitos e verdades na Psiquiatria
Mitos e verdades na PsiquiatriaMitos e verdades na Psiquiatria
Mitos e verdades na PsiquiatriaKarina Pereira
 
O enfermeiro em emergência psiquiátrica
O enfermeiro em emergência psiquiátricaO enfermeiro em emergência psiquiátrica
O enfermeiro em emergência psiquiátricaKarina Pereira
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseKarina Pereira
 
Deficiência da vitamina a
 Deficiência da vitamina a Deficiência da vitamina a
Deficiência da vitamina aKarina Pereira
 
Doenças exantemáticas
 Doenças exantemáticas Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticasKarina Pereira
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Karina Pereira
 

Mais de Karina Pereira (13)

Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 
Hipertensão genética
Hipertensão genéticaHipertensão genética
Hipertensão genética
 
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de CasoGravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
 
Lesão do aparelho locomotor
Lesão do aparelho locomotorLesão do aparelho locomotor
Lesão do aparelho locomotor
 
Mitos e verdades na Psiquiatria
Mitos e verdades na PsiquiatriaMitos e verdades na Psiquiatria
Mitos e verdades na Psiquiatria
 
O enfermeiro em emergência psiquiátrica
O enfermeiro em emergência psiquiátricaO enfermeiro em emergência psiquiátrica
O enfermeiro em emergência psiquiátrica
 
Caso dia e has
 Caso dia e has Caso dia e has
Caso dia e has
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de Leishmaniose
 
Deficiência da vitamina a
 Deficiência da vitamina a Deficiência da vitamina a
Deficiência da vitamina a
 
Doenças exantemáticas
 Doenças exantemáticas Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 

Diabetes Melitus na Infância

  • 2. Diabetes mellitus  O Diabetes Mellitus (DM) é uma situação clinica que reflete um desequilíbrio entre a produção, a ação e as necessidades de insulina;  Insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, nas ilhotas pancreáticas que permite a entrada de glicose nas células para ser transformada em energia.
  • 3.  Dependendo da causa, o diabetes pode ser classificado como :  Diabetes mellitus tipo 1  Diabetes mellitus tipo 2 DIABETES MELLITUS
  • 4. Diabetes mellitus tipo 1 O Diabetes do tipo 1 é uma doença autoimune mais comum na infância e adolescência, atingindo também adultos em qualquer idade. Caracteriza-se pela destruição das células beta pancreáticas, isso acontece por engano porque o organismo as identifica como corpos estranhos sendo a sua ação uma resposta auto-imune.
  • 5.  Quando os linfócitos T autorreativos destroem as células beta pancreáticas, ocorre a absoluta deficiência da produção de insulina;  Alguns fatores genéticos, imunológicos e possivelmente ambientais combinados contribuam para a destruição das células beta;  Sua associação com alguns antígenos de histocompatibilidade leucocitária (HLA), demonstra claramente sua condição de doença autoimune, podendo ter também possível associação com outras doenças de autoagressão. Diabetes mellitus tipo 1
  • 6. Diabetes mellitus tipo 1  Outros auto anticorpos encontrados no soro dos pacientes são:  antiinsulina (IAA), antiilhotas pancreática (ICA512), antidescarboxilase do ácido glutâmico (anti- GAD), antitirosina fosfatase (IA2) e antitransportador do Zinco.  A presença desses anticorpos pode ocorrer em pacientes com diagnóstico em qualquer faixa etária, sendo mais comum na infância e adolescência, porém, podendo se estender à faixa etária adulta.
  • 7.  Não é uma doença hereditária, mas os portadores apresentam predisposição genética para desenvolver diabetes do tipo 1;  Mas, é considerada uma doença poligênica e dentre os fatores genéticos de risco envolvidos no seu desencadeamento são conhecidos os genes do sistema de histocompatibilidade humano (HLA);  Os principais são os de classe II DR3, DR4 e DQ, eles são responsáveis por 40% do componente genético desta doença crônica.; Diabetes mellitus tipo 1
  • 8. Diabetes mellitus tipo 1  HLA-DQB1*0201 e HLA-DQB1*0302 são polimorfismos frequentes na nossa população. Fatores conhecidos por gatilhos ambientais que compõem e completam o quadro para o inicio da doença;  Genes não HLA já estão identificados e também formam o quadro de predisposição à doença, identificados em pacientes recém diagnosticados.
  • 9. sINTOMAS  Vontade de urinar diversas vezes;  Fome freqüente;  Sede constante;  Perda de peso;  Fraqueza;  Fadiga;  Nervosismo;  Mudanças de humor;  Náusea;  Vômito.
  • 10.  O Diabetes Mellitus antes dos seis meses de idade é incomum. Em crianças pequenas para a idade gestacional (PIG), pode desenvolver-se um DM transitório.  Essa DM transitória tende a regredir em semanas ou meses, mas que necessita na sua fase descompensada do uso de insulina. diagnóstico clínico
  • 11. Diagnóstico laboratorial  O diabetes pode ser diagnosticado pelo exame simples da glicemia e o diagnóstico na infância segue os mesmos critérios da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas demais faixas etárias : GLICEMIA EXAME RESULTADO Após 8hrs de jejum Igual ou maior que 126g/dl Após 2hrs de ingestão de glicose Igual ou maior que 200mg/dl Em qualquer momento Igual ou maior que 200mg/dl com sintomas de diabetes
  • 12.  A determinação dos níveis diminuídos de peptídeo C e dos auto anticorpos IAA, GAD, ICA512 e antitransportador do Zinco, podem ser úteis e devem ser realizados para confirmação da etiologia autoimune da doença;  O exame de urina pode auxiliar no diagnóstico ao evidenciar a presença de glicosúria e eventualmente de cetonúria. Diagnóstico laboratorial
  • 14. AJUSTE DA DOSE Durante episódios de doenças agudas: Se o estado geral estiver conservado e a glicemia capilar estiver entre 180 e 360mg/dl e cetonúria menor que duas cruzes, deve-se acrescentar dose extra de 2U de insulina regular para crianças com idade inferior a 5 anos e 4U para aquelas maiores.
  • 15. diABETES MELLITUS TIPO 2 O Diabetes tipo 2 caracteriza-se por resistência periférica a ação da insulina e usualmente apresenta uma deficiência parcial na produção de insulina produzida pelas células β do pâncreas. Pode predominar a resistência à insulina ou a produção deficiente dela.
  • 16. SINTOMAS  Infecções freqüentes;  Alteração visual (visão embaçada);  Dificuldade na cicatrização de feridas;  Formigamento nos pés;  Furunculose.
  • 17. Diagnóstico clínico Na maioria dos pacientes, o diagnóstico de DM2 poderá ser baseado na apresentação clínica e no curso da doença. Esse diagnóstico na infância deverá ser feito levando em consideração a idade e o sexo do paciente, presença de obesidade e história familiar positiva para DM2, já muitas vezes sem queixas clínicas, com história familiar positiva para a doença, e apresentando hiperglicemia e/ou glicosúria em exame de rotina.
  • 18. Diagnóstico laboratorial É utilizado os mesmos critérios, exames e valores de referência do tipo 1. GLICEMIA EXAME RESULTADO Após 8hrs de jejum Igual ou maior que 126g/dl Após 2hrs de ingestão de glicose Igual ou maior que 200mg/dl Em qualquer momento Igual ou maior que 200mg/dl com sintomas de diabetes
  • 19. TRATAMENTO O tratamento inicial consiste no controle da glicose através de:  Exercício físico;  Dieta . Se estas medidas não diminuírem o nível de glicose no sangue, pode ser necessário recorrer à administração de medicamentos, como a metformina ou a insulina.
  • 20. PREVENÇÃO  Manter o peso normal;  Ter uma dieta saudável, pobre em gorduras, rica em vegetais, frutas e alimentos integrais;  Manter o hábito de exercícios físicos regulares no mínimo 30 minutos ao dia de caminhadas ou de alguns esportes.
  • 21. CUIDADOS DE ENFERMAGEM Desenvolver atividades educativas, por meio de ações individuais e/ou coletivas; Capacitar os auxiliares de enfermagem e supervisionar, de forma permanente, suas atividades; Realizar consulta de enfermagem, abordando fatores de risco, estratificando risco cardiovascular, orientando mudanças no estilo de vida e tratamento não medicamentoso, verificando adesão e possíveis intercorrências ao tratamento, encaminhando o indivíduo ao médico, quando necessário;
  • 22. CUIDADOS DE ENFERMAGEM  Estabelecer, junto à equipe, estratégias que possam favorecer a adesão (grupos de pacientes diabéticos);  Programar, junto à equipe, estratégias para a educação do paciente;  Solicitar, durante a consulta de enfermagem, os exames de rotina definidos como necessários pelo médico da equipe ou de acordo com protocolos ou normas técnicas estabelecidas pelo gestor municipal;
  • 23. CUIDADOS DE ENFERMAGEM Orientar pacientes sobre automonitorização (glicemia capilar) e técnica de aplicação de insulina; Repetir a medicação de indivíduos controlados e sem intercorrências; Perseguir, de acordo com o plano individualizado de cuidado estabelecido junto ao portador de diabetes, os objetivos e metas do tratamento (estilo de vida saudável, níveis pressóricos, hemoglobina glicada e peso); Organizar junto ao médico, e com a participação de toda a equipe de saúde, a distribuição das tarefas necessárias para o cuidado integral dos pacientes portadores de diabetes.
  • 24.