O enfermeiro em emergência psiquiátrica

387 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
387
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O enfermeiro em emergência psiquiátrica

  1. 1.  Conceituar Crise  Descrever os tipos de crise  Discorrer sobre os diagnósticos de enfermagem da pessoa em crise  Listar e justificar as intervenções de enfermagem para a situação de crise  Descrever a importância da intervenção de enfermagem para a saúde mental
  2. 2. Refere-se à inabilidade da pessoa para resolver um problema,provocando aumento crescente da ansiedade,devendo ser considerada um evento crítico.Pode ser definida como um estado emocional de desiquilíbrio evidenciado pela inabilidade para resolver o problema perante a situação,real ou percebido,envolvendo mudança,perda ou ameaça biológica,psicológica,social,cultural,espiritual.
  3. 3.  Ocorrência em pessoas saudáveis;  Caráter agudo;  Duração limitada  Experimentada como uma reação emocional excessivamente ameaçadora;  A gravidade do evento é definida pela pessoa que o experimenta e não pela sua magnitude;  Possibilidade de ser vivenciada como uma oportunidade de crescimento;;
  4. 4.  Crise maturacional ou de desenvolvimento;  Crise situacional;  Crise acidental;
  5. 5.  Fase 1(aumento da ansiedade);  Fase 2(desorganização do funcionamento da pessoa);  Fase 3(regressão do nível do funcionamento);  Fase 4 (pânico,confusão,violência contra outros,desorganização da personalidade,suicídio);
  6. 6.  Percepção do evento desencadeante pela pessoa;  Sistema de apoio ao cliente;  Estilo de enfrentamento;  Aceitação genuína;  Experiências anteriores com eventos semelhantes;  Capacidade para aceitar a necessidade de mudança;  Habilidades cognitivas;  Controle de humor e afeto;  Habilidade pessoal para utilizar sistemas de apoio/  Traços de personalidade;
  7. 7.  Manipulação ambiental;  Suporte geral;  Abordagem geral;  Abordagem individual;
  8. 8. É uma forma de terapia breve, tendo foco no problema atual a ser resolvido, centrada na solução imediata de crise.O resultado esperado da intervenção em crise é a recuperação da pessoa em crise. Objetivos:  Segurança e a redução da ansiedade do paciente;  Retorno da pessoa ao estágio de funcionamento anterior à crise ou a um nível mais adequado.
  9. 9.  -Avaliação inicial da crise  A avaliação da pessoa e de seu problema atual é o foco da primeira fase;  O terapeuta deve estar atento ao momento atual;  Utilizar de técnicas para descrever a avaliação exata do evento que desencadeou a crise;  Determinar quando o evento ocorreu;  Avaliar as condições físicas e mentais;  Avaliar se o comportamento do cliente é um risco para si e para outros;  Tomar decisão em equipe para o tipo de internamento e local de atendimento.
  10. 10. -Diagnósticos de Enfermagem  Ansiedade,em grau elevado,relacionada a uma ameaça real ou percebida como tal à integridade biológica ou ao conceito do eu,evidenciada por respostas fisiológicas,comportamentais,cognitivas e afetivas de medo e pânico decorrentes da situação de crise,impedindo-o de identificar suas necessidades;  Isolamento social relacionado à percepção de suas limitações no momento evidenciado por incapacidade de engajar-se em relacionamentos impessoais satisfatórios;  Confusão aguda relacionada à alteração do nível de consciência em decorrência do uso de substâncias psicoativa,de processos demenciais,entre outros;
  11. 11.  Enfrentamento ineficaz individual relacionado à dificuldade de desenvolver uma avaliação adequada aos estressores;  Risco de violência direcionada a si próprio relacionado a estados emocionais,comodesesperança,desespero, ansiedade intensa,pânico,podendo haver risco de morte decorrente do aumento excessivo da ansiedade,o que inibe o insight da situação;  Angústia espiritual relacionada à perda de significado e objetivo de vida,mudanças nos padrões de vida,sentimento de culpa,solidão e desesperança;  Interações sociais e familiares prejudicadas relacionadas às dificuldades de estabelecer relacionamentos social e familiar em decorrência de prejuízos de comunicação;  Manutenção ineficaz da saúde relacionada à não aceitação da crise,de tratamentos e de cuidados básicos de saúde.
  12. 12. -Resultados Esperados  Descreve o evento crítico;  Identifica padrões ineficazes de enfrentamento para crise atual;  Utiliza estratégias eficazes de enfrentamento;  Verbaliza sensação de controle e redução de estresse;  Verbaliza necessidade de ajuda;  Procura ajuda de profissional no momento oportuno;  Relata redução de sintomas físicos de estresse;  Relata redução de sentimentos negativos;  Utiliza apoio social disponível;  Discute o seu nível de funcionamento antes da crise e suas percepções sobre a mesma.
  13. 13. -Planejamento da Intervenção em Crise  Planejar de cinco a seis sessões,considerando o tempo máximo de duração da crise de seis semanas;;  Verificar o tipo de crise,explorar quando começou e o quanto ela afetou a própria pessoa e as outras em seu ambiente;  Identificar os pontos fortes do cliente e de suas capacidades de enfrentamento bem-sucedidas em condições anteriores,semelhantes à atual,que ainda não foram utilizadas;  Identificar a pessoa que pode servir de apoio na família ou na comunidade.

×