SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Grupo: Carla Maria
Eronildo Elias
Hubenício Carvalho
Jéssica Barros
Karina Pereira
Kherolley Romana
Caso clínico
R.B.P., negra, 8 anos de idade natural e procedente do Alto do Pascal foi
admitida na emergência do Hospital Universitário Osvaldo Cruz
(HUOC). Como queixa principal relatou que a 3 dias encontra-se com
diarréia e ao anoitecer não consegue enxergar bem. Na anamnese uma
das perguntas norteadora foi a respeito da sua alimentação,na
qual, informou que não costumava consumir verduras e frutas. Ao
realizar o exame físico apresentou hiperqueratose folicular e de
conjuntivas, também tinha características avançadas de desnutrição. Foi
solicitado um exame bioquímico e no seu resultado apresentou no seu
plasma um valor equivalente a 19,5 µg/dl de reserva de retinol. Ao
correlatar todos os achados foi confirmado um quadro de
hipovitaminose A.
Plasma Adulto Criança
30 a 70 µg/dl 40,1 a 49,9µg/dl 20,5 a 24,9 µg/dl
1,04 µmol/L a 2,43 µmol/L 1,39 µmol/L a 1,73 µmol/L 0,70 a 0,90 µg/dl
Tabela 1. Taxa normal de retinol
... Foi solicitado um exame bioquímico e no seu resultado apresentou no seu
plasma um valor equivalente a 19,5 µg/dl de reserva de retinol.
...Ao realizar o exame físico apresentou hiperqueratose folicular e de
conjuntivas, também tinha características avançadas de desnutrição...
Nictalopia;
Xeroftalmia ;
Frinodermia;
Desnutrição.
Sinais e sintomas
...Como queixa principal relatou que a 3 dias encontra-se com diarréia e
ao anoitecer não consegue enxergar bem...
1- O que é vitamina A?
2- Por que a vitamina A é tão importante?
3- Quais são as conseqüências da deficiência de
vitamina A?
4- Quais os alimentos que são ricos?
5- Quais são os fatores responsáveis pela deficiência
da vitamina A?
6- Como prevenir e tratar a deficiência de vitamina A
1-
A vitamina A (retinol) é nutriente essencial, necessário em pequenas
quantidades em humanos para o adequado funcionamento
O termo vitamina A refere-se a um grupo de compostos, que inclui
retinol, retinaldeído e ácido retinóico. Do ponto de vista formal, o termo
vitamina A inclui ainda os carotenóides, com atividade pró-vitamina
A, que atuam como precursores alimentares do retinol
2-
É essencial para o bom funcionamento dos olhos. A córnea, parte
transparente do olho,é protegida pela vitamina A.
-É necessária para o crescimento e o desenvolvimento de crianças, e para as
mulheres grávidas, para permitir o crescimento do feto;
-- Participa da defesa do organismo, pois ajuda a manter úmida e saudável
as mucosas. As mucosas são um tipo de pele que recobre alguns órgãos por
dentro, como o nariz, a garganta, a boca, os olhos, o estômago, e
representam uma ótima proteção contra as infecções, tais como diarréia e
infecções respiratórias, possibilitando uma recuperação mais rápida.
3-
•Xeroftalmia, queratomalácia. Infecções secundárias;
•Modelação óssea defeituosa, maior espessura óssea;
•Aumento da pressão do líquor. Hidrocefalia;
•Anormalidade de reprodução, incluindo aborto, malformações;
•Doenças de pele;
•Cálculos renais e ureterais;
•Aumento da mortalidade;
•Defeito para adaptação ao escuro – sinal mais precoce;
•Falência de crescimento;
•Imunodepressão
•Xerose e queratinização de membranas mucosas;
•Traqueobronquite necrotizante inicialmente, sucedendo-se metaplasia
escamosa.
4-
A melhor fonte de vitamina A para o lactente é o leite materno.
Outras fontes
•principais de provitamina A são as folhas de cor verde-escura (como o
caruru);
•frutos amarelo-alaranjados (como a manga e o mamão);
• as raízes de cor alaranjada (como a cenoura);
• os óleos vegetais (óleo de dendê e o de buriti, pequi e pupunha).
Tabela 2. Valores de Referência de Ingestão Dietética – Dietary Reference
Intakes (DRIs), 2001
RDA – quantidade recomendada; UL – limite máximo de ingestão
Fonte: Institute of Medicine – Dietary Reference Intake, 2001,12.
Categoria RDA UL
Lactentes
≤18 anos
19-30 anos
31-50 anos
1.200
1.300
1.300
2800
3.000
3.000
Grávidas
≤18 anos
19-30 anos
31-50 anos
750
770
770
2.800
3.000
3.000
Bebês
0-6 meses
7-12 meses
400
400
600
600
Crianças
1-3 anos
4-8 anos
300
400
600
900
5-
Fatores associados com o desenvolvimento da deficiência de vitamina A
• Ingestão inadequada dos alimentos fontes;
•Má-absorção ou ainda excreção urinária desse micronutriente;
•A deficiência de proteína interfere com o transporte da vitamina A no sangue;
•Má-absorção dos lipídeos há freqüente redução da absorção da vitamina A.
A redução dos níveis de transtiretina e RBP nesses pacientes devam-se
principalmente a insuficiência hepática. Quanto a excreção urinária de vitamina
A, esta situação freqüentemente ocorre quando há nefrite crônica, febre,
infecções de modo geral favorecendo a deficiência dessa vitamina.
Diagnóstico
•Clinico: sinais e sintomas;
•Bioquímicos: níveis séricos e hepáticos do retinol,teste de resposta
relativa(RDR);
•Citológicos: citologia de impressão conjuntival;
•Dietéticos: inquéritos qualitativos e quantitativo.
Diagnostico de Enfermagem
Tratamento
O tratamento deve incluir um;
 Amplo trabalho de educação nutricional visando a modificação dos
hábitos alimentares;
Superdosagem de vitamina A administrada oralmente;
quando associada a desnutrição deverá ser logo tratada para que
haja sucesso no tratamento da hipovitaminose A.
Profilaxia
Três estratégias são habitualmente empregadas na prevenção da
Deficiência de Vitamina A:
Incentivo ao consumo de alimentos ricos em vitamina A e pró-
vitamina A;
Administração periódica de megadoses de vitamina A;
Adição de vitamina A a um ou mais alimentos de consumo massivo
pela população.
Tabela 3. Megadose administrada profilaticamente
Idade/condição Dose Freqüência
Crianças: 6 a 11 meses 100000 UI Uma vez a cada 6 meses
Crianças: 12 a 59 meses 200000 UI Uma vez a cada 6 meses
Puerperais no pós-parto
imediato, antes da alta
hospitalar
200000 UI Uma vez
Fonte: Brasil. Ministério da Saúde, 2004.11
Hipervitaminose A
A toxicidade da vitamina A manifesta-se por:
Anorexia;
Aumento da pressão intracraniana (vômitos e cefaléia);
Lesões ósseas dolorosas;
Aceleração do crescimento ósseo,
Dermatite descamativa ;
Hepatomegalia e funcionamento do fígado anormal.
Esse efeito colateral não só é raro como também não apresenta
significado clínico e se reverte em cerca de 72 horas. Assim, a administração
universal profilática de vitamina A na forma de megadoses é considerada
segura.
Cuidados de Enfermagem
Políticas Públicas
1- PNAN
A Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN), 1999, atesta
o compromisso do Ministério da Saúde com os males relacionados à escassez
alimentar e à pobreza, sobretudo a desnutrição infantil e materna, bem assim
com o complexo quadro dos excessos já configurado no Brasil pelas altas taxas
de prevalência de sobrepeso e obesidade, na população adulta.
As diretrizes programáticas desta Política que tem como fio condutor o Direito
Humano à Alimentação e a Segurança Alimentar e Nutricional.
1. Estímulo a ações intersetoriais com vistas ao acesso universal aos
alimentos.
2. Garantia da segurança e qualidade dos alimentos.
3. Monitoramento da situação alimentar e de vida saudáveis.
4. Prevenção e controle dos distúrbios e doenças nutricionais.
5. Promoção do desenvolvimento de linhas de investigação.
6. Desenvolvimento e capacitação de recursos humanos em saúde e nutrição
Os objetivos específicos do programa são:
Garantir a eliminação da deficiência de vitamina A como um problema de
saúde pública em áreas de risco no Brasil;
 Assegurar a suplementação com doses maciças de vitamina A em crianças
de 6 a 59 meses de idade e puérperas no pós - parto imediato (antes da alta
hospitalar), residentes nas áreas de risco;
Contribuir para o conhecimento das famílias residentes em áreas de risco
sobre a deficiência de vitamina A, incentivando o aumento do consumo de
alimentos ricos em vitamina A;
Estabelecer um sistema de monitoramento que permita a avaliação do
processo e impacto da suplementação.
Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A
é um programa do Ministério da Saúde que busca reduzir e controlar a
Deficiência de vitamina A (DVA) em crianças de 6 a 59 meses de idade e
mulheres no pós-parto imediato (antes da alta hospitalar) residentes em
regiões consideradas de risco.
No Brasil, são consideradas áreas de risco a região Nordeste, o estado de Minas
Gerais (região norte, Vale do Jequitinhonha e Vale do Mucurici) e o Vale do
Ribeira, em São Paulo.
VITAMINA A MAIS
No ano de 2005, foi publicada a Portaria nº 729, de 13/5/2005, que definiu as
diretrizes do programa de suplementação e as responsabilidades dos três
níveis de governo.
Em 2004, o programa foi reestruturado com vistas a promover maior
divulgação e mobilização dos profissionais de saúde e população, com a
criação da marca publicitária: VITAMINA A MAIS.
No ano de 2001, o programa foi ampliado para atendimento às puérperas,
por meio de suplementação com cápsulas de 200.000 UI na maternidade,
no pós-parto imediato, uma vez que no Nordeste do Brasil mais de 95%
dos partos são realizados em hospitais gerais ou especializados;
Para prevenir e controlar a deficiência de vitamina A, desde 1983, o
Ministério da Saúde distribui cápsulas de 100.000 UI de vitamina A para
crianças de 6 a 11 meses de idade e de 200.000 UI para crianças de 12 a 59
meses de idade
Entre as medidas de prevenção da DVA, destacam-se:
promoção do aleitamento materno exclusivo até o sexto mês e
complementar até 2 anos de idade, pelo menos;
 garantia de suplementação periódica e regular às crianças de 6 a
59 meses de idade com doses maciças de vitamina A distribuídas pelo
Ministério da Saúde;
garantia de suplementação com megadoses de vitamina A para puérperas no
pós-parto imediato, antes da alta hospitalar;
 promoção da alimentação saudável, assegurando informações para
incentivar o consumo de alimentos ricos em vitamina A pela população.
A distribuição de megadoses de vitamina A vem sendo feita de forma
associada às campanhas de vacinação, em campanhas específicas de
suplementação (“O dia da Vitamina A”) ou na rotina das unidades básicas de
saúde.
Referências
Ministério da Saúde. POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO
2.a edição revista Série B. Textos Básicos de Saúde.EDITORA MS BRASILIA 2003
Vannucchi H. Interaction of vitamins and minerals. Arch Latinoam Nutr 1991;
41:9-18.
http://nutricao.saude.gov.br/vita.php
MCLAREN, D. S.; FRIGG, M. Manual de ver y vivir sobre los transtornos por
deficiência de vitamina A (VAD). [S.l.]: OPAS, 1999. p. 143.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
Fisioterapeuta
 
Diabetes Infantil
Diabetes InfantilDiabetes Infantil
Uso seguro de medicamentos na gravidez e lactação 2
Uso seguro de medicamentos na gravidez e lactação 2Uso seguro de medicamentos na gravidez e lactação 2
Uso seguro de medicamentos na gravidez e lactação 2
Eduardo Cordioli
 

Mais procurados (20)

Folheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescenciaFolheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescencia
 
Síndrome de Edwards
Síndrome de EdwardsSíndrome de Edwards
Síndrome de Edwards
 
Sífilis
SífilisSífilis
Sífilis
 
Sífilis Congênita
Sífilis CongênitaSífilis Congênita
Sífilis Congênita
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Anemia Falciforme
Anemia FalciformeAnemia Falciforme
Anemia Falciforme
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 
MICRONUTRIENTES VITAMINAS C e B UFSJ
MICRONUTRIENTES  VITAMINAS C e B   UFSJMICRONUTRIENTES  VITAMINAS C e B   UFSJ
MICRONUTRIENTES VITAMINAS C e B UFSJ
 
Slides saude da mulher
Slides saude da mulherSlides saude da mulher
Slides saude da mulher
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de Mama
 
Hepatites questoes
Hepatites questoesHepatites questoes
Hepatites questoes
 
Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
 
Citomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: PatologiaCitomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: Patologia
 
Diabetes Infantil
Diabetes InfantilDiabetes Infantil
Diabetes Infantil
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Anemia ferropriva
Anemia ferroprivaAnemia ferropriva
Anemia ferropriva
 
Uso seguro de medicamentos na gravidez e lactação 2
Uso seguro de medicamentos na gravidez e lactação 2Uso seguro de medicamentos na gravidez e lactação 2
Uso seguro de medicamentos na gravidez e lactação 2
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
 

Destaque

Vitaminas (apresentação 2)
Vitaminas (apresentação 2)Vitaminas (apresentação 2)
Vitaminas (apresentação 2)
Cristian Vogt
 
Vitaminas hidrossolúveis
Vitaminas hidrossolúveisVitaminas hidrossolúveis
Vitaminas hidrossolúveis
rafael
 
Vitaminas E Suas Funcoes
Vitaminas E Suas  FuncoesVitaminas E Suas  Funcoes
Vitaminas E Suas Funcoes
MaisVitamina
 
Vitaminas lipossolúveis
Vitaminas lipossolúveisVitaminas lipossolúveis
Vitaminas lipossolúveis
Camila Martins
 
Nra aula 3. micronutrientes + radicais livres
Nra   aula 3. micronutrientes + radicais livresNra   aula 3. micronutrientes + radicais livres
Nra aula 3. micronutrientes + radicais livres
Eric Liberato
 

Destaque (20)

Vitamina a, sódio e potássio
Vitamina a, sódio e potássioVitamina a, sódio e potássio
Vitamina a, sódio e potássio
 
Vitamina a e b1
Vitamina a e b1Vitamina a e b1
Vitamina a e b1
 
Vitaminas (apresentação 2)
Vitaminas (apresentação 2)Vitaminas (apresentação 2)
Vitaminas (apresentação 2)
 
Nutricao de Aves
Nutricao de AvesNutricao de Aves
Nutricao de Aves
 
Vitaminas hidrossolúveis
Vitaminas hidrossolúveisVitaminas hidrossolúveis
Vitaminas hidrossolúveis
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
 
Vitaminas E Suas Funcoes
Vitaminas E Suas  FuncoesVitaminas E Suas  Funcoes
Vitaminas E Suas Funcoes
 
Vitaminas hidrossolúveis
Vitaminas hidrossolúveisVitaminas hidrossolúveis
Vitaminas hidrossolúveis
 
Vitamina E B1 B2
Vitamina E B1 B2Vitamina E B1 B2
Vitamina E B1 B2
 
Vitamina D - Um teste em crescimento
Vitamina D - Um teste em crescimentoVitamina D - Um teste em crescimento
Vitamina D - Um teste em crescimento
 
Vitamina C
Vitamina CVitamina C
Vitamina C
 
QuíM. De Alim. I Vitaminas LipossolúVeis
QuíM. De Alim. I   Vitaminas LipossolúVeisQuíM. De Alim. I   Vitaminas LipossolúVeis
QuíM. De Alim. I Vitaminas LipossolúVeis
 
4 coenzimas (1)
 4 coenzimas (1) 4 coenzimas (1)
4 coenzimas (1)
 
Aula 11 vitamina k 2015
Aula 11   vitamina  k 2015Aula 11   vitamina  k 2015
Aula 11 vitamina k 2015
 
Vitamina b1 e b2 (complexo b)
Vitamina b1 e b2 (complexo b)Vitamina b1 e b2 (complexo b)
Vitamina b1 e b2 (complexo b)
 
Vitaminas famed 2014.2
Vitaminas famed 2014.2Vitaminas famed 2014.2
Vitaminas famed 2014.2
 
Vitaminas 2
Vitaminas 2Vitaminas 2
Vitaminas 2
 
Vitaminas lipossolúveis
Vitaminas lipossolúveisVitaminas lipossolúveis
Vitaminas lipossolúveis
 
Nra aula 3. micronutrientes + radicais livres
Nra   aula 3. micronutrientes + radicais livresNra   aula 3. micronutrientes + radicais livres
Nra aula 3. micronutrientes + radicais livres
 

Semelhante a Deficiência da vitamina a

Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
​M. J. F., uma menina de 3 anos, é trazida ao seu consultório por sua mãe com...
​M. J. F., uma menina de 3 anos, é trazida ao seu consultório por sua mãe com...​M. J. F., uma menina de 3 anos, é trazida ao seu consultório por sua mãe com...
​M. J. F., uma menina de 3 anos, é trazida ao seu consultório por sua mãe com...
azulassessoria9
 
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
laiscarlini
 
InfluêNcia De VariáVeis SocioeconôMicas E De SaúDe Materno Infantil Sobre Os ...
InfluêNcia De VariáVeis SocioeconôMicas E De SaúDe Materno Infantil Sobre Os ...InfluêNcia De VariáVeis SocioeconôMicas E De SaúDe Materno Infantil Sobre Os ...
InfluêNcia De VariáVeis SocioeconôMicas E De SaúDe Materno Infantil Sobre Os ...
Biblioteca Virtual
 
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDeImpacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
Biblioteca Virtual
 
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO AmamentadasHáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
Biblioteca Virtual
 
Micronutrientes Na GestaçãO E LactaçãO
Micronutrientes Na GestaçãO E LactaçãOMicronutrientes Na GestaçãO E LactaçãO
Micronutrientes Na GestaçãO E LactaçãO
Biblioteca Virtual
 
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a Deficiência da vitamina a (20)

Trabalho juliano
Trabalho julianoTrabalho juliano
Trabalho juliano
 
Arquivo 3 slide de saude publik definitivo
Arquivo 3 slide de saude publik definitivoArquivo 3 slide de saude publik definitivo
Arquivo 3 slide de saude publik definitivo
 
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
 
Descubra as 6 melhores vitaminas para as Crianças
Descubra as 6 melhores vitaminas para as CriançasDescubra as 6 melhores vitaminas para as Crianças
Descubra as 6 melhores vitaminas para as Crianças
 
Palestra Feileite Rosangela
Palestra Feileite RosangelaPalestra Feileite Rosangela
Palestra Feileite Rosangela
 
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
 
​M. J. F., uma menina de 3 anos, é trazida ao seu consultório por sua mãe com...
​M. J. F., uma menina de 3 anos, é trazida ao seu consultório por sua mãe com...​M. J. F., uma menina de 3 anos, é trazida ao seu consultório por sua mãe com...
​M. J. F., uma menina de 3 anos, é trazida ao seu consultório por sua mãe com...
 
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
 
InfluêNcia De VariáVeis SocioeconôMicas E De SaúDe Materno Infantil Sobre Os ...
InfluêNcia De VariáVeis SocioeconôMicas E De SaúDe Materno Infantil Sobre Os ...InfluêNcia De VariáVeis SocioeconôMicas E De SaúDe Materno Infantil Sobre Os ...
InfluêNcia De VariáVeis SocioeconôMicas E De SaúDe Materno Infantil Sobre Os ...
 
1 - Atencao Nutricional SUS.pptx
1 - Atencao Nutricional SUS.pptx1 - Atencao Nutricional SUS.pptx
1 - Atencao Nutricional SUS.pptx
 
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
 
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDeImpacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
 
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO AmamentadasHáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
 
Micronutrientes Na GestaçãO E LactaçãO
Micronutrientes Na GestaçãO E LactaçãOMicronutrientes Na GestaçãO E LactaçãO
Micronutrientes Na GestaçãO E LactaçãO
 
Alimentacao e nutricao na gravidez DGS.pdf
Alimentacao e nutricao na gravidez DGS.pdfAlimentacao e nutricao na gravidez DGS.pdf
Alimentacao e nutricao na gravidez DGS.pdf
 
AtualizeA4N5.pdf
AtualizeA4N5.pdfAtualizeA4N5.pdf
AtualizeA4N5.pdf
 
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
 
Alimentacao para-bebes-vegetarianos
Alimentacao para-bebes-vegetarianosAlimentacao para-bebes-vegetarianos
Alimentacao para-bebes-vegetarianos
 
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
 

Mais de Karina Pereira

Mais de Karina Pereira (13)

Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 
Hipertensão genética
Hipertensão genéticaHipertensão genética
Hipertensão genética
 
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de CasoGravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
 
Lesão do aparelho locomotor
Lesão do aparelho locomotorLesão do aparelho locomotor
Lesão do aparelho locomotor
 
Mitos e verdades na Psiquiatria
Mitos e verdades na PsiquiatriaMitos e verdades na Psiquiatria
Mitos e verdades na Psiquiatria
 
O enfermeiro em emergência psiquiátrica
O enfermeiro em emergência psiquiátricaO enfermeiro em emergência psiquiátrica
O enfermeiro em emergência psiquiátrica
 
Caso dia e has
 Caso dia e has Caso dia e has
Caso dia e has
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de Leishmaniose
 
Diabetes Melitus na Infância
Diabetes Melitus na InfânciaDiabetes Melitus na Infância
Diabetes Melitus na Infância
 
Doenças exantemáticas
 Doenças exantemáticas Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 

Deficiência da vitamina a

  • 1. Grupo: Carla Maria Eronildo Elias Hubenício Carvalho Jéssica Barros Karina Pereira Kherolley Romana
  • 2. Caso clínico R.B.P., negra, 8 anos de idade natural e procedente do Alto do Pascal foi admitida na emergência do Hospital Universitário Osvaldo Cruz (HUOC). Como queixa principal relatou que a 3 dias encontra-se com diarréia e ao anoitecer não consegue enxergar bem. Na anamnese uma das perguntas norteadora foi a respeito da sua alimentação,na qual, informou que não costumava consumir verduras e frutas. Ao realizar o exame físico apresentou hiperqueratose folicular e de conjuntivas, também tinha características avançadas de desnutrição. Foi solicitado um exame bioquímico e no seu resultado apresentou no seu plasma um valor equivalente a 19,5 µg/dl de reserva de retinol. Ao correlatar todos os achados foi confirmado um quadro de hipovitaminose A.
  • 3. Plasma Adulto Criança 30 a 70 µg/dl 40,1 a 49,9µg/dl 20,5 a 24,9 µg/dl 1,04 µmol/L a 2,43 µmol/L 1,39 µmol/L a 1,73 µmol/L 0,70 a 0,90 µg/dl Tabela 1. Taxa normal de retinol ... Foi solicitado um exame bioquímico e no seu resultado apresentou no seu plasma um valor equivalente a 19,5 µg/dl de reserva de retinol.
  • 4. ...Ao realizar o exame físico apresentou hiperqueratose folicular e de conjuntivas, também tinha características avançadas de desnutrição... Nictalopia; Xeroftalmia ; Frinodermia; Desnutrição. Sinais e sintomas ...Como queixa principal relatou que a 3 dias encontra-se com diarréia e ao anoitecer não consegue enxergar bem...
  • 5. 1- O que é vitamina A? 2- Por que a vitamina A é tão importante? 3- Quais são as conseqüências da deficiência de vitamina A? 4- Quais os alimentos que são ricos? 5- Quais são os fatores responsáveis pela deficiência da vitamina A? 6- Como prevenir e tratar a deficiência de vitamina A
  • 6. 1- A vitamina A (retinol) é nutriente essencial, necessário em pequenas quantidades em humanos para o adequado funcionamento O termo vitamina A refere-se a um grupo de compostos, que inclui retinol, retinaldeído e ácido retinóico. Do ponto de vista formal, o termo vitamina A inclui ainda os carotenóides, com atividade pró-vitamina A, que atuam como precursores alimentares do retinol
  • 7. 2- É essencial para o bom funcionamento dos olhos. A córnea, parte transparente do olho,é protegida pela vitamina A. -É necessária para o crescimento e o desenvolvimento de crianças, e para as mulheres grávidas, para permitir o crescimento do feto; -- Participa da defesa do organismo, pois ajuda a manter úmida e saudável as mucosas. As mucosas são um tipo de pele que recobre alguns órgãos por dentro, como o nariz, a garganta, a boca, os olhos, o estômago, e representam uma ótima proteção contra as infecções, tais como diarréia e infecções respiratórias, possibilitando uma recuperação mais rápida.
  • 8. 3- •Xeroftalmia, queratomalácia. Infecções secundárias; •Modelação óssea defeituosa, maior espessura óssea; •Aumento da pressão do líquor. Hidrocefalia; •Anormalidade de reprodução, incluindo aborto, malformações; •Doenças de pele; •Cálculos renais e ureterais; •Aumento da mortalidade; •Defeito para adaptação ao escuro – sinal mais precoce; •Falência de crescimento; •Imunodepressão •Xerose e queratinização de membranas mucosas; •Traqueobronquite necrotizante inicialmente, sucedendo-se metaplasia escamosa.
  • 9. 4- A melhor fonte de vitamina A para o lactente é o leite materno. Outras fontes •principais de provitamina A são as folhas de cor verde-escura (como o caruru); •frutos amarelo-alaranjados (como a manga e o mamão); • as raízes de cor alaranjada (como a cenoura); • os óleos vegetais (óleo de dendê e o de buriti, pequi e pupunha).
  • 10. Tabela 2. Valores de Referência de Ingestão Dietética – Dietary Reference Intakes (DRIs), 2001 RDA – quantidade recomendada; UL – limite máximo de ingestão Fonte: Institute of Medicine – Dietary Reference Intake, 2001,12. Categoria RDA UL Lactentes ≤18 anos 19-30 anos 31-50 anos 1.200 1.300 1.300 2800 3.000 3.000 Grávidas ≤18 anos 19-30 anos 31-50 anos 750 770 770 2.800 3.000 3.000 Bebês 0-6 meses 7-12 meses 400 400 600 600 Crianças 1-3 anos 4-8 anos 300 400 600 900
  • 11. 5- Fatores associados com o desenvolvimento da deficiência de vitamina A • Ingestão inadequada dos alimentos fontes; •Má-absorção ou ainda excreção urinária desse micronutriente; •A deficiência de proteína interfere com o transporte da vitamina A no sangue; •Má-absorção dos lipídeos há freqüente redução da absorção da vitamina A. A redução dos níveis de transtiretina e RBP nesses pacientes devam-se principalmente a insuficiência hepática. Quanto a excreção urinária de vitamina A, esta situação freqüentemente ocorre quando há nefrite crônica, febre, infecções de modo geral favorecendo a deficiência dessa vitamina.
  • 12. Diagnóstico •Clinico: sinais e sintomas; •Bioquímicos: níveis séricos e hepáticos do retinol,teste de resposta relativa(RDR); •Citológicos: citologia de impressão conjuntival; •Dietéticos: inquéritos qualitativos e quantitativo. Diagnostico de Enfermagem
  • 13. Tratamento O tratamento deve incluir um;  Amplo trabalho de educação nutricional visando a modificação dos hábitos alimentares; Superdosagem de vitamina A administrada oralmente; quando associada a desnutrição deverá ser logo tratada para que haja sucesso no tratamento da hipovitaminose A.
  • 14. Profilaxia Três estratégias são habitualmente empregadas na prevenção da Deficiência de Vitamina A: Incentivo ao consumo de alimentos ricos em vitamina A e pró- vitamina A; Administração periódica de megadoses de vitamina A; Adição de vitamina A a um ou mais alimentos de consumo massivo pela população.
  • 15. Tabela 3. Megadose administrada profilaticamente Idade/condição Dose Freqüência Crianças: 6 a 11 meses 100000 UI Uma vez a cada 6 meses Crianças: 12 a 59 meses 200000 UI Uma vez a cada 6 meses Puerperais no pós-parto imediato, antes da alta hospitalar 200000 UI Uma vez Fonte: Brasil. Ministério da Saúde, 2004.11
  • 16. Hipervitaminose A A toxicidade da vitamina A manifesta-se por: Anorexia; Aumento da pressão intracraniana (vômitos e cefaléia); Lesões ósseas dolorosas; Aceleração do crescimento ósseo, Dermatite descamativa ; Hepatomegalia e funcionamento do fígado anormal. Esse efeito colateral não só é raro como também não apresenta significado clínico e se reverte em cerca de 72 horas. Assim, a administração universal profilática de vitamina A na forma de megadoses é considerada segura.
  • 17.
  • 19. Políticas Públicas 1- PNAN A Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN), 1999, atesta o compromisso do Ministério da Saúde com os males relacionados à escassez alimentar e à pobreza, sobretudo a desnutrição infantil e materna, bem assim com o complexo quadro dos excessos já configurado no Brasil pelas altas taxas de prevalência de sobrepeso e obesidade, na população adulta.
  • 20. As diretrizes programáticas desta Política que tem como fio condutor o Direito Humano à Alimentação e a Segurança Alimentar e Nutricional. 1. Estímulo a ações intersetoriais com vistas ao acesso universal aos alimentos. 2. Garantia da segurança e qualidade dos alimentos. 3. Monitoramento da situação alimentar e de vida saudáveis. 4. Prevenção e controle dos distúrbios e doenças nutricionais. 5. Promoção do desenvolvimento de linhas de investigação. 6. Desenvolvimento e capacitação de recursos humanos em saúde e nutrição
  • 21. Os objetivos específicos do programa são: Garantir a eliminação da deficiência de vitamina A como um problema de saúde pública em áreas de risco no Brasil;  Assegurar a suplementação com doses maciças de vitamina A em crianças de 6 a 59 meses de idade e puérperas no pós - parto imediato (antes da alta hospitalar), residentes nas áreas de risco; Contribuir para o conhecimento das famílias residentes em áreas de risco sobre a deficiência de vitamina A, incentivando o aumento do consumo de alimentos ricos em vitamina A; Estabelecer um sistema de monitoramento que permita a avaliação do processo e impacto da suplementação.
  • 22. Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A é um programa do Ministério da Saúde que busca reduzir e controlar a Deficiência de vitamina A (DVA) em crianças de 6 a 59 meses de idade e mulheres no pós-parto imediato (antes da alta hospitalar) residentes em regiões consideradas de risco. No Brasil, são consideradas áreas de risco a região Nordeste, o estado de Minas Gerais (região norte, Vale do Jequitinhonha e Vale do Mucurici) e o Vale do Ribeira, em São Paulo. VITAMINA A MAIS
  • 23. No ano de 2005, foi publicada a Portaria nº 729, de 13/5/2005, que definiu as diretrizes do programa de suplementação e as responsabilidades dos três níveis de governo. Em 2004, o programa foi reestruturado com vistas a promover maior divulgação e mobilização dos profissionais de saúde e população, com a criação da marca publicitária: VITAMINA A MAIS. No ano de 2001, o programa foi ampliado para atendimento às puérperas, por meio de suplementação com cápsulas de 200.000 UI na maternidade, no pós-parto imediato, uma vez que no Nordeste do Brasil mais de 95% dos partos são realizados em hospitais gerais ou especializados; Para prevenir e controlar a deficiência de vitamina A, desde 1983, o Ministério da Saúde distribui cápsulas de 100.000 UI de vitamina A para crianças de 6 a 11 meses de idade e de 200.000 UI para crianças de 12 a 59 meses de idade
  • 24. Entre as medidas de prevenção da DVA, destacam-se: promoção do aleitamento materno exclusivo até o sexto mês e complementar até 2 anos de idade, pelo menos;  garantia de suplementação periódica e regular às crianças de 6 a 59 meses de idade com doses maciças de vitamina A distribuídas pelo Ministério da Saúde; garantia de suplementação com megadoses de vitamina A para puérperas no pós-parto imediato, antes da alta hospitalar;  promoção da alimentação saudável, assegurando informações para incentivar o consumo de alimentos ricos em vitamina A pela população. A distribuição de megadoses de vitamina A vem sendo feita de forma associada às campanhas de vacinação, em campanhas específicas de suplementação (“O dia da Vitamina A”) ou na rotina das unidades básicas de saúde.
  • 25. Referências Ministério da Saúde. POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO 2.a edição revista Série B. Textos Básicos de Saúde.EDITORA MS BRASILIA 2003 Vannucchi H. Interaction of vitamins and minerals. Arch Latinoam Nutr 1991; 41:9-18. http://nutricao.saude.gov.br/vita.php MCLAREN, D. S.; FRIGG, M. Manual de ver y vivir sobre los transtornos por deficiência de vitamina A (VAD). [S.l.]: OPAS, 1999. p. 143.