SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
SISTEMA
ENDÓCRINO
Todas as funções e
atividades do nosso corpo
são coordenadas e
integradas pelo sistema
nervoso e pelo sistema
endócrino (hormonal). O
sistema endócrino é
composto de várias
glândulas que se situam
em diferentes pontos do
nosso corpo.
As glândulas endócrinas principais são:
         1.  A hipófise
         2.  A tireóide
         3.  As paratireóides
         4. Pâncreas

         5. Supra-renais

         6.  Ovários e testiculos
         7.  Pineal
Além destas, o timo, o trato gastrintestinal e a
    placenta também exibem atividade endócrina.
HIPÓFISE
      A Hipófise está localizada na base
do cérebro em uma depressão óssea
chamada de sela turca do osso
esfenóide.
      A hipófise pode ser considerada a
“glândula-mestre” do nosso corpo. Ela
produz vários hormônios e muitos deles
estimulam o funcionamento de outras
glândulas, com a tireóide, as supra-
renais e as glândulas-sexuais (ovários e
testículos). Esta nobre glândula
governa também a memória, a
sabedoria, a inteligência e o
pensamento.
A HIPÓFISE PODE SER DIVIDIDA EM
ADENO-HIPÓFISE E NEURO-HIPÓFISE.
PARS DISTALIS => é a parte
distal da adeno-hipófise
responsável pela secreção de
ACTH, TSH, FSH, LH, ICSH,
GH, PRL.
NEURO-HIPÓFISE
PARS NERVOSA =>
corresponde a maior parte da
neurohipófise e é responsável
pelo armazenamento e liberação
de ADH e OCITOCINA.
HORMÔNIOS DA ADENO-HIPÓFISE
  sintetiza e secreta hormônios que regulam um amplo espectro de
  atividades corporais, do crescimento à reprodução.
 hGH(hormônio do crescimento): é o horômonio mais abundante da
  adeno-hipófise, tem função de estimular a síntese e secreção de pequenos
  hormônios protéicos chamados de IGFs, que ajudam a manter a massa
  óssea e muscular e estimulam a cicatrização de lesões e reparo dos tecidos.
 Controladores hipotalâmicos da secreção do hGH são os: GHRH estimula o
  hGH, e o GHIH suprime-a.
 TSH(hormônio estimulante da tireóide): estimula a síntese e a secreção
  de hormônios tireóideos pela glândula Tireóide. Seu controlador de
  secreção é o hormônio TRH.
 FSH e o LH(hormônio luteiniznte): nas mulheres, os ovários são os alvos
  para essas hormônios e nos homens, o FSH estimula a produção de
  espermatozóides nos testículos e o LH estimula os testículos secretarem
  testosterona. O GnRH (hormônio liberador de gonadotropina) estimula a
  liberação desses hormônios.
   PRL(prolactina): nas mulheres, juntamente com outros hormônios,
    inicia e mantém a produção de leite pelas glândulas mamárias, que por
    sua vez depende do hormônio ocitocina, que é liberado pela neuro-
    hipófise, têm-se hormônios que suprime a liberação de PRL, durante a
    maior parte do tempo, que são os PIH e durante a gestação os PRH
    juntamente com níveis autos de estrógenos.
   ACTH(hormônio adenocorticotrópico): controla a produção e
    secreção de hormônios denominados glicocorticóides pelo córtex, uma
    vez que o CRH estimula sua secreção.
   MSH(hormônio melanócito-estimulante): sua quantidade excessiva
    causa escurecimento de pele.
HORMÔNIOS DA NEURO-HIPÓFISE

  Não sintetiza hormônios, ela armazena e libera dois
  hormônios:
 Ocitocina: durante o parto, ela intensifica a contração
  das células musculares lisas da parede do útero, depois
  do parto ela estimula a ejeção láctea pelas glândulas
  mamárias.
 ADH(hormônio antidiurético): leva os rins a reter mais
  água, diminuindo assim o volume de urina.
DISFUNÇÕES DA HIPÓFISE

      As alterações das glândulas do sistema
 endócrino são geralmente o resultado tanto da
 subprodução de hormônios, quanto da
 superprodução de hormônios.
      O mau funcionamento da hipófise pode
 resultar tanto por alterações da própria glândula
 ou de dificuldades envolvendo a liberação ou
 inibição de substâncias do hipotálamo.
      Por exemplo: A insuficiência da supra-renal
 devido a falta de hormônio adrenocorticotrófico.
TIREÓIDE

           O que é tireóide?
É uma glândula localizada na parte
       anterior do pescoço,bem
    abaixo do pomo-de-adão, Tem
      a forma de uma borboleta,
     cada asa, ou lobo, da tireóide
      está presente em ambos os
          lados da traquéia.
FUNÇÃO:
     Sua função e produzir, armazenar e liberar hormônios
tireoidianos(tiroxina) na corrente sanguínea, hormônio que
controla a velocidade de metabolismo, quando há o
hipertireoidismo, isto é, funcionamento exagerado da
tireóide, todo o metabolismo fica acelerado: o coração bate
mais rápido, a temperatura do corpo se eleva e a pessoa
emagrece porque há um maior gasto de energia. Esse quadro
favorece o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, pois
o sangue passa a circular com maior pressão. Pode ocorrer o
bócio, ou seja, um “papo” causado pelo crescimento exagerado
da tireóide. Também pode aparecer a exoftalmia, isto é, os
olhos ficam “saltados”.
   Hipotireoidismo, ocorre quando a tireóide produz
    menus tiroxina, fazendo com que o metabolismo se
    torna mais lento, algumas regiões do corpo ficam
    inchadas, o coração bate mais lento, conseqüentemente
    o sangue circula devagar. Contudo o individuo gasta
    menos energia, tornando-se propenso à obesidade, as
    respostas físicas e mentais tambem tornam-se mais
    lentas. Aqui, também pode ocorre o bócio.
Na infância o hipotireoidismo ocorre por carencia
de iodo, provocando um retardamento físico e mental.
Um das possíveis causas dessa doença é a falta (ou
insuficiência) de iodo na alimentação, já que o iodo é
um elemento presente na composição da tiroxina.
PARATIREÓIDE
São pequenas glândulas localizadas na região
posterior da tireóide. Secretam o
paratormônio que estimula a
remoção de cálcio da matriz óssea
(o qual passa para o plasma
Sangüíneo).
Paratormônio -Regula a taxa de cálcio,
estimulando a remoção de cálcio da matriz óssea
(o qual passa para o plasma sangüíneo), a
absorção de cálcio dos alimentos pelo intestino e
a reabsorção de cálcio pelos túbulos renais,
aumentando a concentração de cálcio no plasma.
PÂNCREAS

O pâncreas é um órgão
achatado, localizado na
curva do duodeno, a
primeira parte do
intestino delgado.
É uma glândula
endócrina e exócrina, que
secreta os hormônios,
insulina e glucagon.
FUNÇÕES
 Endócrinas: agrupamento de células chamadas
  ilhotas pancreáticas, algumas células desta, as
  alfas, secretam o glucagon, enquanto outra,
  célula beta, secreta a insulina.
 Exócrinas: de secreção externa, que produz o
  suco pancreático, esse para a digestão do
  alimento lançado no duodeno.
HORMÕNIOS
 Glucagon: eleva o nível de
  glicose no sangue, quando o
  mesmo cai abaixo do normal.
 Insulina: Reduz o nível de
  glicose no sangue, quando
  demasiadamente elevado,
  aumenta a captação de
  aminoácidos pelas células, bem
  como a síntese de proteínas, e
  acelera a síntese de glicogênio a
  partir de glicose. 
DOENÇAS
  A doença endócrina mais comum é
   o diabete de melito (mellitu= de
   mel, adoçado com mel), causada
   por uma incapacidade para
   produzir ou utilizar a insulina.
  Diabete de melito tipo I: o nível de
   insulina é baixo porque o sistema
   linfático (imune) da pessoa destrói
   as células pancreáticas beta.
  Diabete melito tipo II: é
   caracterizado por altos níveis de
   insulina no sangue, uma condição
   na qual os receptores de insulina
   não respondem apropriadamente à
   insulina.
GLÂNDULA SUPRARRENAL OU
      ADRENAL
   Existem duas glândulas suprarrenais, possuem formato triangular, estão
    envolvida por uma cápsula fibrosa e localizadas acima de cada rim.
Cada glândula supra-renal possui regiões que
produzem hormônios diferentes: o córtex supra-renal,
externo, que compõe aproximadamente 85% da glândula
e a medula supra-renal, interna
HORMÔNIOS DO CÓRTEX
 SUPRARRENAL
  O córtex suprarrenal consiste
  em três zonas, cada uma delas
  sintetiza e secreta hormônios
  esteróides diferentes.
 Zona externa (glomerulosa)

   Libera hormônios chamados
  de mineralocorticóides
 Zona média (fasciculada)

   Libera hormônios chamados
  de glicocorticóides
 Zona interna (reticulada)

  Libera andrógenos
MINERALOCORTICÓIDES
   A aldosterona é o principal mineralocorticóide, cuja função é regular a
    homeostase de dois íons minerais, que são os íons sódio (Na+) e os íons potássio
    (K+). A aldosterona aumenta a reabsorção de Na+ da urina para o sangue e
    estimula a excreção de K+ na urina, além de auxiliar no ajuste da pressão e
    volume sanguíneos, bem como promove a excreção de H+.
    A secreção de aldosterona ocorre como parte da via renina-angiotensina-
    aldosterona.
                                                                    Complexa rede de
                                                                    interação
                                                                    hormonal
                                                                    fisiológica da
                                                                    qual participa a
                                                                    aldosterona (via
                                                                    renina-
                                                                    angiotensina-
                                                                    aldosterona ou S-
                                                                    RAA)
As condições que iniciam essa via incluem desidratação,
deficiência de Na+ ou hemorragias, que diminuem o
volume a pressão sanguíneos. A pressão sanguínea
diminuída estimula os rins a secretarem a enzima
chamada de renina, que catalisa uma reação sanguínea
para formar angiotensina I. Quando o sangue percorre os
pulmões, outra enzima, chamada de enzima conversora
da angiotensina (ECA), converte a angiotensina I inativa
em hormônio ativo angiotensina II. A angiotensina II
estimula o córtex suprarrenal a secretar aldosterona. Esse
hormônio, por sua vez, age nos rins, promovendo retorno
de Na+ e água para o sangue. Quanto mais água retornar
ao sangue (e menos ser perdida na urina), maior será o
volume sanguíneo (volemia). À medida que a volemia
aumenta, a pressão sanguínea aumenta até a normal.
GLICOCORTICÓIDES
    O glicocorticóide mais abundante é o cortisol. O cortisol e outros glicocorticóides têm as
    seguintes ações:
   Degradação de proteínas
    Os glicocorticóides aumentam a degradação protéica, principalmente nas fibras musculares, e
    desse modo aumentam a liberação de aminoácidos na corrente sanguínea.
   Formação de glicose
    São responsáveis por manter a glicemia, além disso, sob a estimulação dos glicocorticóides, as
    células hepáticas podem converter certas substâncias em glicose (gliconeogênese)
   Degradação de triglicerídeos
    Estimulam a degradação dos triglicerídeos no tecido adiposo, liberando ácidos graxos no
    sangue, ajudando na redistribuição de gordura.
   Efeitos antiinflamatórios
    Eles inibem os glóbulos brancos que participam das respostas inflamatórias, sendo usados,
    muitas vezes, nos distúrbios inflamatórios crônicos, tais como a artrite reumatóide, entretanto
    os glicocorticóides também retardam o reparo dos tecidos, dificultando sua cicatrização.
   Depressão das respostas imunes
    Altas doses de glicocorticóides deprimem as repostas imunes. Por essa razão,os glicocorticóides
    são prescritos para os receptores de transplantes de órgãos,a fim de diminuírem o risco de
    rejeição dos tecidos pelo sistema imune (linfático).
O cortisol é controlado da seguinte forma: o hipotálamo secreta um hormônio
denominado CRH (hormônio liberador de corticotropina), esse hormônio faz
com que haja mais liberação de ACTH (hormônio adenocorticotrópico). Após
liberado, o ACTH se liga ao receptor do córtex suprarrenal e este aumenta a
secreção do cortisol. Quando o cortisol aumenta, o CRH e o ACTH são
inibidos através do sistema retroalimentação negativos.
 Andrógenos
 Nos homens e nas mulheres, o córtex suprarrenal produz
  pequenas quantidades de andrógenos fracos. Após a
  puberdade, nos homens, os andrógenos são também
  liberados em muito maior quantidade pelos testículos. Assim,
  a quantidade de andrógenos secretados pelas glândulas
  suprarrenais geralmente é tão baixa que seus efeitos são
  insignificantes. Nas mulheres, entretanto, os andrógenos
  desempenham papéis importantes: contribuem para a libido
  (impulso sexual)e são convertidos em estrógenos (esteróides
  feminizantes) por outros tecidos do corpo.
 Esses andrógenos também estimulam o crescimento de pelos
  axilares e púbicos nos meninos e nas meninas, assim como
  contribuem para o pico de crescimento pré-puberal. Ainda
  que o controle da secreção dos andrógenos suprarrenais não
  esteja inteiramente compreendido, o principal hormônio que
  estimula sua secreção é o ACTH.
MEDULA SUPRARRENAL
 A crista neural está intimamente relacionada
  com o desenvolvimento do sistema nervoso, assim
  como da medula suprarrenal. Esta origem
  semelhante explica a função da medula, que
  consiste na síntese e libertação de
  neuromediadores, sobretudo a adrenalina e
  noradrenalina.
 Em situações de estresse e durante o exercício ,os
  impulsos do hipotálamo estimulam os neurônios
  pré-glanglionares simpáticos, a secretar
  adrenalina e noradrenalina. Por meio da
  frequência cardíaca e da força de contração, a
  adrenalina e noradrelina aumentam a potência
  de bombeamento cardíaco, o que aumenta a
  pressão sanguínea.
Elas também aumentam o fluxo sanguíneo
para o coração,fígado,músculos esqueléticos e o
tecido adiposo; dilatam as vias respiratórias para
os pulmões; aumentam os níveis de glicose e
ácidos graxos no sangue.
OVARIOS
     Tudo começa no hipotálamo estimula
a glândula hipófise a liberar os hormônios
gonadotróficos (FSH e LH), que atuam
sobre as gônadas, estimulando a liberação
de hormônio sexuais na corrente
sanguínea.
     Estão localizados na cavidade pélvica
e produzem estrógeno, progesterona e
inibina. Esses hormônios sexuais regulam
o ciclo menstrual, mantém a gestação e
preparam as glândulas para a lactação.
Eles também ajudam a estabelecer e
manter a forma corporal feminina.
     Gônadas são os órgãos que produzem
ovócitos e gametas nos homens.
 Estrógenos - é liberado pelos folículos
  ovarianos, e é responsável pelas características
  femininas
   desenvolvimento das glândulas mamárias,
  aumento do tecido adiposo nos quadris e nas
  coxas e pela formação inicial do endométrio
  uterino.
 Progesterona - Modificações orgânicas da
  gravidez, como preparação do útero para
  aceitação do óvulo fertilizado e das mamas para
  a lactação. Inibe as contrações uterinas,
  impedindo a expulsão do feto em
  desenvolvimento
 Inibina
 O hormônio liberador de gonadotropina
  do hipotálamo estimula a liberação de
  FSH e LH.
 A cada mês-Hormônio folículo -
  estimulante (FSH) inicia
 Hormônio luteizante (LH) desencadeia

 Após a ovulação LH secreta

 Prolactina (PRL), junto com outros
  hormônios, inicia a produção de leite
  nas glândulas mamarias. Depende do
  hormônio ocitocina, liberado pela
  neuro-hipófise.

   RU486 (mifepristona) induz a um
    aborto.
TESTICULO
   O testículo alojam-se dentro do
    escroto e produzem
    testosterona e inibina.

   Testosterona (andrógeno) –
    regula a produção de
    espermatozóide (gametas) e
    estimula desenvolvimento e a
    manutenção das características
    sexuais masculinas. E também
    promove o crescimento dos
    testículos.
   Inibina

 FSH estimula a produção
  esperma
 LH estimula secreção



         Alguns atletas usam
    esteróides anabolizantes, que
    são similares á testosterona,
    para aumentar a massa e força
    muscular.
GLÂNDULA PINEAL
LOCALIZADA
QUAL A SUA FUNÇÃO?
COMO ISSO OCORRE?
EM QUE FASE APRESENTA EM MAIOR
QUANTIDADE?

  CONCENTRAÇÃO DE MELATONINA NO SANGUE EM ng/ml


  Idade                                                       Diurno                          Noturno



      PRÉ-PUBERDADE                                              21,8                             97,2 



      ADULTA                                                     18,2                             77,2 


      SENIL                                                      16,2                             36,2 




      Concentração de melatonina no sangue nas diferentes fases da vida, em homens chineses. Observa-se 
  importante diferença entre a produção noturna e diurna e as variações de produção noturna entre o grupo da Pré-
  puberdade, da fase Adulta e da Senil. 
A MELATONINA E O SONO
REFERÊNCIAS

HISTOLOGIA BASICA
Autores: Luiz C. Junqueira e José Carneiro.
11ªEdição, Editora Guanabara Koogan, Ano 2007.
Site < saboth.sites.uol.com.br>
CORP O HUMANO, FUNDAMENTOS DE ANATOMIA E
FISIOLOGIA
Autores: Gerard J. Tortora e Sandra Reynolds Grabowski
6ªEdição, Editora Artmed , Ano 2006.
ANATOMIA HUMANA BASICA
Autor: Alexander P. Spence
2ªEdição, Editora Manole LTDA, Ano 1991.
www.portalsaofrancisco.com.br
          www.pt.wikipedia.org
          www.afh.bio.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
emanuel
 
Fisiologia do sistema digestório
Fisiologia do sistema digestórioFisiologia do sistema digestório
Fisiologia do sistema digestório
LIVROS PSI
 
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIOII - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
sandranascimento
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Herbert Santana
 

Mais procurados (20)

Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema Endócrino
Sistema EndócrinoSistema Endócrino
Sistema Endócrino
 
8 ano cap 8
8 ano cap 88 ano cap 8
8 ano cap 8
 
Aula sobre sistema endócrino
Aula sobre sistema endócrinoAula sobre sistema endócrino
Aula sobre sistema endócrino
 
Fisiologia do sistema digestório
Fisiologia do sistema digestórioFisiologia do sistema digestório
Fisiologia do sistema digestório
 
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIOII - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizadoAula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
 
Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Endocrino
Sistema EndocrinoSistema Endocrino
Sistema Endocrino
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Fisiologia do sistema digestivo
Fisiologia do sistema digestivoFisiologia do sistema digestivo
Fisiologia do sistema digestivo
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema Endocrino
Sistema EndocrinoSistema Endocrino
Sistema Endocrino
 

Destaque

Fisiologia sistema endócrino
Fisiologia sistema endócrinoFisiologia sistema endócrino
Fisiologia sistema endócrino
Raul Tomé
 
Sistema EndóCrino
Sistema EndóCrinoSistema EndóCrino
Sistema EndóCrino
profatatiana
 
Glândulas supra renal Endocrino
Glândulas supra renal EndocrinoGlândulas supra renal Endocrino
Glândulas supra renal Endocrino
Adele Janie
 
Ej fisico y sist gastrointestinal y endocrino
Ej fisico y sist gastrointestinal y endocrinoEj fisico y sist gastrointestinal y endocrino
Ej fisico y sist gastrointestinal y endocrino
M Escandell
 
Presentación Endocrino
Presentación EndocrinoPresentación Endocrino
Presentación Endocrino
profeloreto
 
SISTEMA ENDÓCRINO
SISTEMA ENDÓCRINOSISTEMA ENDÓCRINO
SISTEMA ENDÓCRINO
Marcos Lopes
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
robioprof
 
Bases biologicas
Bases  biologicasBases  biologicas
Bases biologicas
anghiell
 
El Sistema Endocrino
El Sistema EndocrinoEl Sistema Endocrino
El Sistema Endocrino
Abril Flores
 

Destaque (20)

Fisiologia sistema endócrino
Fisiologia sistema endócrinoFisiologia sistema endócrino
Fisiologia sistema endócrino
 
Sistema EndóCrino
Sistema EndóCrinoSistema EndóCrino
Sistema EndóCrino
 
Sistema endócrino slides da aula
Sistema endócrino slides da aulaSistema endócrino slides da aula
Sistema endócrino slides da aula
 
Glândulas supra renal Endocrino
Glândulas supra renal EndocrinoGlândulas supra renal Endocrino
Glândulas supra renal Endocrino
 
Ej fisico y sist gastrointestinal y endocrino
Ej fisico y sist gastrointestinal y endocrinoEj fisico y sist gastrointestinal y endocrino
Ej fisico y sist gastrointestinal y endocrino
 
Bilirrubina y metabolismo
Bilirrubina y metabolismoBilirrubina y metabolismo
Bilirrubina y metabolismo
 
Sistema endocrino
Sistema endocrino Sistema endocrino
Sistema endocrino
 
Presentación Endocrino
Presentación EndocrinoPresentación Endocrino
Presentación Endocrino
 
SISTEMA ENDÓCRINO
SISTEMA ENDÓCRINOSISTEMA ENDÓCRINO
SISTEMA ENDÓCRINO
 
TIMO
TIMO TIMO
TIMO
 
Timo
TimoTimo
Timo
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema Endocrino - Resumo
Sistema Endocrino - ResumoSistema Endocrino - Resumo
Sistema Endocrino - Resumo
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 
Bases biologicas
Bases  biologicasBases  biologicas
Bases biologicas
 
Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Fisiologia - Sistema Endócrino 1Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Fisiologia - Sistema Endócrino 1
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
 
El Sistema Endocrino
El Sistema EndocrinoEl Sistema Endocrino
El Sistema Endocrino
 

Semelhante a Sistema endócrino

Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
neydersuelly
 
Sistema Endócrino - Prof. Arlei
Sistema Endócrino - Prof. ArleiSistema Endócrino - Prof. Arlei
Sistema Endócrino - Prof. Arlei
Carmina Monteiro
 
Sistema endocrino-primeiro
Sistema endocrino-primeiroSistema endocrino-primeiro
Sistema endocrino-primeiro
Natasha Muzyka
 
Aula 10 endocrino
Aula 10   endocrinoAula 10   endocrino
Aula 10 endocrino
Adele Janie
 
Trabalho do romerio
Trabalho do romerioTrabalho do romerio
Trabalho do romerio
marytuly
 
Capítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrinoCapítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrino
Igor Brant
 

Semelhante a Sistema endócrino (20)

Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema endócrino powerpoint
Sistema endócrino powerpointSistema endócrino powerpoint
Sistema endócrino powerpoint
 
Sistema Endócrino - Prof. Arlei
Sistema Endócrino - Prof. ArleiSistema Endócrino - Prof. Arlei
Sistema Endócrino - Prof. Arlei
 
Sistema endocrino-primeiro
Sistema endocrino-primeiroSistema endocrino-primeiro
Sistema endocrino-primeiro
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
AULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANO
AULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANOAULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANO
AULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANO
 
Glândulas e hormônios
Glândulas e hormôniosGlândulas e hormônios
Glândulas e hormônios
 
Aula 10 endocrino
Aula 10   endocrinoAula 10   endocrino
Aula 10 endocrino
 
Endócrino
EndócrinoEndócrino
Endócrino
 
Sistema endócrino.pdf
Sistema endócrino.pdfSistema endócrino.pdf
Sistema endócrino.pdf
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
CONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO
CONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINOCONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO
CONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO
 
AULA SISTEMA ENDOCRINO.pptx
AULA SISTEMA ENDOCRINO.pptxAULA SISTEMA ENDOCRINO.pptx
AULA SISTEMA ENDOCRINO.pptx
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Trabalho do romerio
Trabalho do romerioTrabalho do romerio
Trabalho do romerio
 
Capítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrinoCapítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrino
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 

Último

ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 

Sistema endócrino

  • 2. Todas as funções e atividades do nosso corpo são coordenadas e integradas pelo sistema nervoso e pelo sistema endócrino (hormonal). O sistema endócrino é composto de várias glândulas que se situam em diferentes pontos do nosso corpo.
  • 3.
  • 4. As glândulas endócrinas principais são: 1. A hipófise 2. A tireóide 3. As paratireóides 4. Pâncreas 5. Supra-renais 6. Ovários e testiculos 7. Pineal Além destas, o timo, o trato gastrintestinal e a placenta também exibem atividade endócrina.
  • 5. HIPÓFISE A Hipófise está localizada na base do cérebro em uma depressão óssea chamada de sela turca do osso esfenóide. A hipófise pode ser considerada a “glândula-mestre” do nosso corpo. Ela produz vários hormônios e muitos deles estimulam o funcionamento de outras glândulas, com a tireóide, as supra- renais e as glândulas-sexuais (ovários e testículos). Esta nobre glândula governa também a memória, a sabedoria, a inteligência e o pensamento.
  • 6. A HIPÓFISE PODE SER DIVIDIDA EM ADENO-HIPÓFISE E NEURO-HIPÓFISE. PARS DISTALIS => é a parte distal da adeno-hipófise responsável pela secreção de ACTH, TSH, FSH, LH, ICSH, GH, PRL. NEURO-HIPÓFISE PARS NERVOSA => corresponde a maior parte da neurohipófise e é responsável pelo armazenamento e liberação de ADH e OCITOCINA.
  • 7. HORMÔNIOS DA ADENO-HIPÓFISE sintetiza e secreta hormônios que regulam um amplo espectro de atividades corporais, do crescimento à reprodução.  hGH(hormônio do crescimento): é o horômonio mais abundante da adeno-hipófise, tem função de estimular a síntese e secreção de pequenos hormônios protéicos chamados de IGFs, que ajudam a manter a massa óssea e muscular e estimulam a cicatrização de lesões e reparo dos tecidos. Controladores hipotalâmicos da secreção do hGH são os: GHRH estimula o hGH, e o GHIH suprime-a.  TSH(hormônio estimulante da tireóide): estimula a síntese e a secreção de hormônios tireóideos pela glândula Tireóide. Seu controlador de secreção é o hormônio TRH.  FSH e o LH(hormônio luteiniznte): nas mulheres, os ovários são os alvos para essas hormônios e nos homens, o FSH estimula a produção de espermatozóides nos testículos e o LH estimula os testículos secretarem testosterona. O GnRH (hormônio liberador de gonadotropina) estimula a liberação desses hormônios.
  • 8. PRL(prolactina): nas mulheres, juntamente com outros hormônios, inicia e mantém a produção de leite pelas glândulas mamárias, que por sua vez depende do hormônio ocitocina, que é liberado pela neuro- hipófise, têm-se hormônios que suprime a liberação de PRL, durante a maior parte do tempo, que são os PIH e durante a gestação os PRH juntamente com níveis autos de estrógenos.  ACTH(hormônio adenocorticotrópico): controla a produção e secreção de hormônios denominados glicocorticóides pelo córtex, uma vez que o CRH estimula sua secreção.  MSH(hormônio melanócito-estimulante): sua quantidade excessiva causa escurecimento de pele.
  • 9. HORMÔNIOS DA NEURO-HIPÓFISE Não sintetiza hormônios, ela armazena e libera dois hormônios:  Ocitocina: durante o parto, ela intensifica a contração das células musculares lisas da parede do útero, depois do parto ela estimula a ejeção láctea pelas glândulas mamárias.  ADH(hormônio antidiurético): leva os rins a reter mais água, diminuindo assim o volume de urina.
  • 10.
  • 11. DISFUNÇÕES DA HIPÓFISE As alterações das glândulas do sistema endócrino são geralmente o resultado tanto da subprodução de hormônios, quanto da superprodução de hormônios. O mau funcionamento da hipófise pode resultar tanto por alterações da própria glândula ou de dificuldades envolvendo a liberação ou inibição de substâncias do hipotálamo. Por exemplo: A insuficiência da supra-renal devido a falta de hormônio adrenocorticotrófico.
  • 12. TIREÓIDE O que é tireóide? É uma glândula localizada na parte anterior do pescoço,bem abaixo do pomo-de-adão, Tem a forma de uma borboleta, cada asa, ou lobo, da tireóide está presente em ambos os lados da traquéia.
  • 13. FUNÇÃO: Sua função e produzir, armazenar e liberar hormônios tireoidianos(tiroxina) na corrente sanguínea, hormônio que controla a velocidade de metabolismo, quando há o hipertireoidismo, isto é, funcionamento exagerado da tireóide, todo o metabolismo fica acelerado: o coração bate mais rápido, a temperatura do corpo se eleva e a pessoa emagrece porque há um maior gasto de energia. Esse quadro favorece o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, pois o sangue passa a circular com maior pressão. Pode ocorrer o bócio, ou seja, um “papo” causado pelo crescimento exagerado da tireóide. Também pode aparecer a exoftalmia, isto é, os olhos ficam “saltados”.
  • 14. Hipotireoidismo, ocorre quando a tireóide produz menus tiroxina, fazendo com que o metabolismo se torna mais lento, algumas regiões do corpo ficam inchadas, o coração bate mais lento, conseqüentemente o sangue circula devagar. Contudo o individuo gasta menos energia, tornando-se propenso à obesidade, as respostas físicas e mentais tambem tornam-se mais lentas. Aqui, também pode ocorre o bócio.
  • 15. Na infância o hipotireoidismo ocorre por carencia de iodo, provocando um retardamento físico e mental. Um das possíveis causas dessa doença é a falta (ou insuficiência) de iodo na alimentação, já que o iodo é um elemento presente na composição da tiroxina.
  • 16. PARATIREÓIDE São pequenas glândulas localizadas na região posterior da tireóide. Secretam o paratormônio que estimula a remoção de cálcio da matriz óssea (o qual passa para o plasma Sangüíneo). Paratormônio -Regula a taxa de cálcio, estimulando a remoção de cálcio da matriz óssea (o qual passa para o plasma sangüíneo), a absorção de cálcio dos alimentos pelo intestino e a reabsorção de cálcio pelos túbulos renais, aumentando a concentração de cálcio no plasma.
  • 17. PÂNCREAS O pâncreas é um órgão achatado, localizado na curva do duodeno, a primeira parte do intestino delgado. É uma glândula endócrina e exócrina, que secreta os hormônios, insulina e glucagon.
  • 18. FUNÇÕES  Endócrinas: agrupamento de células chamadas ilhotas pancreáticas, algumas células desta, as alfas, secretam o glucagon, enquanto outra, célula beta, secreta a insulina.  Exócrinas: de secreção externa, que produz o suco pancreático, esse para a digestão do alimento lançado no duodeno.
  • 19. HORMÕNIOS  Glucagon: eleva o nível de glicose no sangue, quando o mesmo cai abaixo do normal.  Insulina: Reduz o nível de glicose no sangue, quando demasiadamente elevado, aumenta a captação de aminoácidos pelas células, bem como a síntese de proteínas, e acelera a síntese de glicogênio a partir de glicose. 
  • 20. DOENÇAS  A doença endócrina mais comum é o diabete de melito (mellitu= de mel, adoçado com mel), causada por uma incapacidade para produzir ou utilizar a insulina.  Diabete de melito tipo I: o nível de insulina é baixo porque o sistema linfático (imune) da pessoa destrói as células pancreáticas beta.  Diabete melito tipo II: é caracterizado por altos níveis de insulina no sangue, uma condição na qual os receptores de insulina não respondem apropriadamente à insulina.
  • 21. GLÂNDULA SUPRARRENAL OU ADRENAL  Existem duas glândulas suprarrenais, possuem formato triangular, estão envolvida por uma cápsula fibrosa e localizadas acima de cada rim.
  • 22. Cada glândula supra-renal possui regiões que produzem hormônios diferentes: o córtex supra-renal, externo, que compõe aproximadamente 85% da glândula e a medula supra-renal, interna
  • 23. HORMÔNIOS DO CÓRTEX SUPRARRENAL O córtex suprarrenal consiste em três zonas, cada uma delas sintetiza e secreta hormônios esteróides diferentes.  Zona externa (glomerulosa) Libera hormônios chamados de mineralocorticóides  Zona média (fasciculada) Libera hormônios chamados de glicocorticóides  Zona interna (reticulada) Libera andrógenos
  • 24. MINERALOCORTICÓIDES  A aldosterona é o principal mineralocorticóide, cuja função é regular a homeostase de dois íons minerais, que são os íons sódio (Na+) e os íons potássio (K+). A aldosterona aumenta a reabsorção de Na+ da urina para o sangue e estimula a excreção de K+ na urina, além de auxiliar no ajuste da pressão e volume sanguíneos, bem como promove a excreção de H+. A secreção de aldosterona ocorre como parte da via renina-angiotensina- aldosterona. Complexa rede de interação hormonal fisiológica da qual participa a aldosterona (via renina- angiotensina- aldosterona ou S- RAA)
  • 25. As condições que iniciam essa via incluem desidratação, deficiência de Na+ ou hemorragias, que diminuem o volume a pressão sanguíneos. A pressão sanguínea diminuída estimula os rins a secretarem a enzima chamada de renina, que catalisa uma reação sanguínea para formar angiotensina I. Quando o sangue percorre os pulmões, outra enzima, chamada de enzima conversora da angiotensina (ECA), converte a angiotensina I inativa em hormônio ativo angiotensina II. A angiotensina II estimula o córtex suprarrenal a secretar aldosterona. Esse hormônio, por sua vez, age nos rins, promovendo retorno de Na+ e água para o sangue. Quanto mais água retornar ao sangue (e menos ser perdida na urina), maior será o volume sanguíneo (volemia). À medida que a volemia aumenta, a pressão sanguínea aumenta até a normal.
  • 26. GLICOCORTICÓIDES O glicocorticóide mais abundante é o cortisol. O cortisol e outros glicocorticóides têm as seguintes ações:  Degradação de proteínas Os glicocorticóides aumentam a degradação protéica, principalmente nas fibras musculares, e desse modo aumentam a liberação de aminoácidos na corrente sanguínea.  Formação de glicose São responsáveis por manter a glicemia, além disso, sob a estimulação dos glicocorticóides, as células hepáticas podem converter certas substâncias em glicose (gliconeogênese)  Degradação de triglicerídeos Estimulam a degradação dos triglicerídeos no tecido adiposo, liberando ácidos graxos no sangue, ajudando na redistribuição de gordura.  Efeitos antiinflamatórios Eles inibem os glóbulos brancos que participam das respostas inflamatórias, sendo usados, muitas vezes, nos distúrbios inflamatórios crônicos, tais como a artrite reumatóide, entretanto os glicocorticóides também retardam o reparo dos tecidos, dificultando sua cicatrização.  Depressão das respostas imunes Altas doses de glicocorticóides deprimem as repostas imunes. Por essa razão,os glicocorticóides são prescritos para os receptores de transplantes de órgãos,a fim de diminuírem o risco de rejeição dos tecidos pelo sistema imune (linfático).
  • 27. O cortisol é controlado da seguinte forma: o hipotálamo secreta um hormônio denominado CRH (hormônio liberador de corticotropina), esse hormônio faz com que haja mais liberação de ACTH (hormônio adenocorticotrópico). Após liberado, o ACTH se liga ao receptor do córtex suprarrenal e este aumenta a secreção do cortisol. Quando o cortisol aumenta, o CRH e o ACTH são inibidos através do sistema retroalimentação negativos.
  • 28.  Andrógenos  Nos homens e nas mulheres, o córtex suprarrenal produz pequenas quantidades de andrógenos fracos. Após a puberdade, nos homens, os andrógenos são também liberados em muito maior quantidade pelos testículos. Assim, a quantidade de andrógenos secretados pelas glândulas suprarrenais geralmente é tão baixa que seus efeitos são insignificantes. Nas mulheres, entretanto, os andrógenos desempenham papéis importantes: contribuem para a libido (impulso sexual)e são convertidos em estrógenos (esteróides feminizantes) por outros tecidos do corpo.  Esses andrógenos também estimulam o crescimento de pelos axilares e púbicos nos meninos e nas meninas, assim como contribuem para o pico de crescimento pré-puberal. Ainda que o controle da secreção dos andrógenos suprarrenais não esteja inteiramente compreendido, o principal hormônio que estimula sua secreção é o ACTH.
  • 29. MEDULA SUPRARRENAL  A crista neural está intimamente relacionada com o desenvolvimento do sistema nervoso, assim como da medula suprarrenal. Esta origem semelhante explica a função da medula, que consiste na síntese e libertação de neuromediadores, sobretudo a adrenalina e noradrenalina.  Em situações de estresse e durante o exercício ,os impulsos do hipotálamo estimulam os neurônios pré-glanglionares simpáticos, a secretar adrenalina e noradrenalina. Por meio da frequência cardíaca e da força de contração, a adrenalina e noradrelina aumentam a potência de bombeamento cardíaco, o que aumenta a pressão sanguínea.
  • 30. Elas também aumentam o fluxo sanguíneo para o coração,fígado,músculos esqueléticos e o tecido adiposo; dilatam as vias respiratórias para os pulmões; aumentam os níveis de glicose e ácidos graxos no sangue.
  • 31. OVARIOS Tudo começa no hipotálamo estimula a glândula hipófise a liberar os hormônios gonadotróficos (FSH e LH), que atuam sobre as gônadas, estimulando a liberação de hormônio sexuais na corrente sanguínea. Estão localizados na cavidade pélvica e produzem estrógeno, progesterona e inibina. Esses hormônios sexuais regulam o ciclo menstrual, mantém a gestação e preparam as glândulas para a lactação. Eles também ajudam a estabelecer e manter a forma corporal feminina. Gônadas são os órgãos que produzem ovócitos e gametas nos homens.
  • 32.  Estrógenos - é liberado pelos folículos ovarianos, e é responsável pelas características femininas desenvolvimento das glândulas mamárias, aumento do tecido adiposo nos quadris e nas coxas e pela formação inicial do endométrio uterino.  Progesterona - Modificações orgânicas da gravidez, como preparação do útero para aceitação do óvulo fertilizado e das mamas para a lactação. Inibe as contrações uterinas, impedindo a expulsão do feto em desenvolvimento
  • 33.
  • 34.  Inibina  O hormônio liberador de gonadotropina do hipotálamo estimula a liberação de FSH e LH.  A cada mês-Hormônio folículo - estimulante (FSH) inicia  Hormônio luteizante (LH) desencadeia  Após a ovulação LH secreta  Prolactina (PRL), junto com outros hormônios, inicia a produção de leite nas glândulas mamarias. Depende do hormônio ocitocina, liberado pela neuro-hipófise.  RU486 (mifepristona) induz a um aborto.
  • 35. TESTICULO  O testículo alojam-se dentro do escroto e produzem testosterona e inibina.  Testosterona (andrógeno) – regula a produção de espermatozóide (gametas) e estimula desenvolvimento e a manutenção das características sexuais masculinas. E também promove o crescimento dos testículos.
  • 36. Inibina  FSH estimula a produção esperma  LH estimula secreção Alguns atletas usam esteróides anabolizantes, que são similares á testosterona, para aumentar a massa e força muscular.
  • 39. QUAL A SUA FUNÇÃO? COMO ISSO OCORRE?
  • 40. EM QUE FASE APRESENTA EM MAIOR QUANTIDADE? CONCENTRAÇÃO DE MELATONINA NO SANGUE EM ng/ml Idade Diurno Noturno  PRÉ-PUBERDADE  21,8  97,2   ADULTA  18,2  77,2   SENIL  16,2  36,2   Concentração de melatonina no sangue nas diferentes fases da vida, em homens chineses. Observa-se  importante diferença entre a produção noturna e diurna e as variações de produção noturna entre o grupo da Pré- puberdade, da fase Adulta e da Senil. 
  • 41. A MELATONINA E O SONO
  • 42. REFERÊNCIAS HISTOLOGIA BASICA Autores: Luiz C. Junqueira e José Carneiro. 11ªEdição, Editora Guanabara Koogan, Ano 2007. Site < saboth.sites.uol.com.br> CORP O HUMANO, FUNDAMENTOS DE ANATOMIA E FISIOLOGIA Autores: Gerard J. Tortora e Sandra Reynolds Grabowski 6ªEdição, Editora Artmed , Ano 2006. ANATOMIA HUMANA BASICA Autor: Alexander P. Spence 2ªEdição, Editora Manole LTDA, Ano 1991. www.portalsaofrancisco.com.br www.pt.wikipedia.org www.afh.bio.br