SlideShare uma empresa Scribd logo
“ A Arte da simultaneidade”
Paul C é zanne  –  O monte Santa Victoria. Historicamente o Cubismo originou-se na obra de Cézanne, pois para ele a pintura deveria tratar as formas da natureza como se fossem cones, esferas e cilindros.  Para Cézanne, a pintura não podia desvincular-se da natureza, tampouco copiava a natureza; de fato, a transformava.
Outras influencias: Arte africana
Entretanto, os cubistas foram mais longe do que Cézanne. Passaram a representar os objetos com todas as suas partes num mesmo plano.  É como se eles estivessem abertos e apresentassem todos os seus lados no plano frontal em relação ao espectador.  Na verdade, essa atitude de decompor os objetos não tinha nenhum compromisso de fidelidade com a aparência real das coisas.
Considerado um divisor de águas na história da arte ocidental, o cubismo recusa a idéia de arte como imitação da natureza, afastando noções como: Perspectiva e modelagem;  Qualquer tipo de efeito ilusório Georges Braque Segundo Georges Braque, um dos expoentes desse movimento: “ Não se imita aquilo que se quer criar.”
O pintor cubista tenta representar os objetos em três dimensões, numa superfície plana, sob formas geométricas, com o predomínio de linhas retas. Não representa, mas sugere a estrutura dos corpos ou objetos. Representa-os como se movimentassem em torno deles, vendo-os sob todos os ângulos visuais, por cima e por baixo, percebendo todos os planos e volumes. Picasso. Fábrica de Horta de Ebro. 1909
O espaço do quadro - plano sobre o qual a realidade é recriada - rejeita distinções entre forma e fundo ou qualquer noção de profundidade.  Geometrização das formas e volumes; Renúncia à perspectiva; O claro-escuro perde sua função; Representação do volume colorido sobre superfícies planas; Sensação de pintura escultórica; Cores austeras, do branco ao negro passando pelo cinza, por um ocre apagado ou um castanho suave.
Cubismo Analítico  - (1909) caracterizado pela desestruturação da obra em todos os seus elementos. Decompondo a obra em partes, o artista registra todos os seus elementos em planos sucessivos e superpostos, procurando a visão total da figura, examinado-a em todos os ângulos no mesmo instante, através da fragmentação dela.  Essa fragmentação dos seres foi tão grande, que se tornou impossível o reconhecimento de qualquer figura nas pinturas cubistas.  A cor se reduz aos tons de castanho, cinza e bege.
 
 
Cubismo Sintético  - (1911) reagindo à excessiva fragmentação dos objetos e à destruição de sua estrutura. Basicamente, essa tendência procurou tornar as figuras novamente reconhecíveis. Também chamado de Colagem porque introduz letras, palavras, números, pedaços de madeira, vidro, metal e até objetos inteiros nas pinturas.  Essa inovação pode ser explicada pela intenção dos artistas em criar efeitos plásticos e de ultrapassar os limites das sensações visuais que a pintura sugere, despertando também no observador as sensações táteis.
 
Juan Gris; Fernand Léger; Robert Delaunay; Sonia Delaunay-Terk; Albert Gleizes; Jean Metzinger; Roger de la Fresnaye.
A Grande Parada, Fernand L é ger, 1954 Vista da Baía, Juan Gris, 1912, Museu Nacional de Arte Moderna, Paris A Cidade de Paris, Robert Delaunay, 1910-12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cubismo
Cubismo Cubismo
Cubismo
Sarinha Silva
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo slides
Cubismo slidesCubismo slides
Cubismo slides
Isaque Marques Pascoal
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Jubiz
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Michele Pó
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Andrea Garcia
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Jubiz
 
801 a finalizado-escher-arnaldo
801 a finalizado-escher-arnaldo801 a finalizado-escher-arnaldo
801 a finalizado-escher-arnaldo
Lab-info-cgv
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
babelisa
 
CUBISMO
CUBISMOCUBISMO
Resnascimento
ResnascimentoResnascimento
Resnascimento
Scriba Digital
 
Vanguardas 2
Vanguardas 2Vanguardas 2
Vanguardas 2
Dani Bertollo
 
Abstracionismo Geométrico
Abstracionismo GeométricoAbstracionismo Geométrico
Abstracionismo Geométrico
Raquelmlopes
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
ggmota93
 
Seminário sobre o cubismo
Seminário sobre o cubismoSeminário sobre o cubismo
Seminário sobre o cubismo
Fernanda Scaramboni
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Anacrislinda
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Jonny Peter
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Jomara Lopes
 

Mais procurados (20)

Cubismo
Cubismo Cubismo
Cubismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Cubismo slides
Cubismo slidesCubismo slides
Cubismo slides
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
801 a finalizado-escher-arnaldo
801 a finalizado-escher-arnaldo801 a finalizado-escher-arnaldo
801 a finalizado-escher-arnaldo
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
 
CUBISMO
CUBISMOCUBISMO
CUBISMO
 
Resnascimento
ResnascimentoResnascimento
Resnascimento
 
Vanguardas 2
Vanguardas 2Vanguardas 2
Vanguardas 2
 
Abstracionismo Geométrico
Abstracionismo GeométricoAbstracionismo Geométrico
Abstracionismo Geométrico
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Seminário sobre o cubismo
Seminário sobre o cubismoSeminário sobre o cubismo
Seminário sobre o cubismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 

Destaque

Cubismo 3º a
Cubismo 3º aCubismo 3º a
Cubismo 3º a
Dorinhaa
 
Tarsila do amaral 2
Tarsila do amaral 2Tarsila do amaral 2
Tarsila do amaral 2
Dayse Ferreira
 
Slide de-cubismo-1209491501610995-8
Slide de-cubismo-1209491501610995-8Slide de-cubismo-1209491501610995-8
Slide de-cubismo-1209491501610995-8
Osmar Sandoval
 
Obra de arte a gare tarsila
Obra de arte a gare tarsilaObra de arte a gare tarsila
Obra de arte a gare tarsila
profdeia
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Junior Onildo
 
Movimento neoconcreto
Movimento neoconcretoMovimento neoconcreto
Movimento neoconcreto
Junior Onildo
 
Missa de requiem
Missa de requiemMissa de requiem
Missa de requiem
Junior Onildo
 
Teatro medieval jesuita
Teatro medieval jesuitaTeatro medieval jesuita
Teatro medieval jesuita
Junior Onildo
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
Junior Onildo
 
Linguagem visual
Linguagem visualLinguagem visual
Linguagem visual
Junior Onildo
 
Tarsila do amaral slide
Tarsila do amaral slideTarsila do amaral slide
Tarsila do amaral slide
Letícia Fernandes
 
Musica barroca
Musica barrocaMusica barroca
Musica barroca
Junior Onildo
 
Teatro medieval
Teatro medievalTeatro medieval
Teatro medieval
Taís Ferreira
 
Tropicalismo
TropicalismoTropicalismo
Tropicalismo
Junior Onildo
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
guestec22a6
 
HCA grupo B
HCA   grupo BHCA   grupo B
HCA grupo B
becresforte
 
A Publicidade e o Surrealismo
A Publicidade e o SurrealismoA Publicidade e o Surrealismo
A Publicidade e o Surrealismo
Marcioveras
 
Arte surrealista
Arte surrealistaArte surrealista
Arte surrealista
ceufaias
 
Cubismo
CubismoCubismo
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
Eponina Alencar
 

Destaque (20)

Cubismo 3º a
Cubismo 3º aCubismo 3º a
Cubismo 3º a
 
Tarsila do amaral 2
Tarsila do amaral 2Tarsila do amaral 2
Tarsila do amaral 2
 
Slide de-cubismo-1209491501610995-8
Slide de-cubismo-1209491501610995-8Slide de-cubismo-1209491501610995-8
Slide de-cubismo-1209491501610995-8
 
Obra de arte a gare tarsila
Obra de arte a gare tarsilaObra de arte a gare tarsila
Obra de arte a gare tarsila
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Movimento neoconcreto
Movimento neoconcretoMovimento neoconcreto
Movimento neoconcreto
 
Missa de requiem
Missa de requiemMissa de requiem
Missa de requiem
 
Teatro medieval jesuita
Teatro medieval jesuitaTeatro medieval jesuita
Teatro medieval jesuita
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Linguagem visual
Linguagem visualLinguagem visual
Linguagem visual
 
Tarsila do amaral slide
Tarsila do amaral slideTarsila do amaral slide
Tarsila do amaral slide
 
Musica barroca
Musica barrocaMusica barroca
Musica barroca
 
Teatro medieval
Teatro medievalTeatro medieval
Teatro medieval
 
Tropicalismo
TropicalismoTropicalismo
Tropicalismo
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
HCA grupo B
HCA   grupo BHCA   grupo B
HCA grupo B
 
A Publicidade e o Surrealismo
A Publicidade e o SurrealismoA Publicidade e o Surrealismo
A Publicidade e o Surrealismo
 
Arte surrealista
Arte surrealistaArte surrealista
Arte surrealista
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
 

Semelhante a Cubismo

2C14_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C14_Cubismo_Museu Lasar Segall_20112C14_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C14_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
www.historiadasartes.com
 
Cubismo ii
Cubismo iiCubismo ii
Cubismo ii
Alaor
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
cosmepr
 
Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.pptArte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
fabricioaugusto24
 
Impressionismo e-cubismo
Impressionismo e-cubismoImpressionismo e-cubismo
Impressionismo e-cubismo
leu16
 
[HA2012] 06 - Cubismo
[HA2012] 06 - Cubismo[HA2012] 06 - Cubismo
[HA2012] 06 - Cubismo
Eduardo Novais
 
O cubismo
O cubismoO cubismo
O cubismo
Céu Barros
 
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
Roseli Gomes Martins
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
ggmota93
 
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_20112C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
www.historiadasartes.com
 
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoCubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Jorge Almeida
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XX
Miguel Duarte
 
A arte da 1ª metade do séc beatriz
A arte da 1ª metade do séc   beatrizA arte da 1ª metade do séc   beatriz
A arte da 1ª metade do séc beatriz
Bioquinha
 
A arte no Século XX
A arte no Século XXA arte no Século XX
A arte no Século XX
bia139
 
Cubismofinalg2
Cubismofinalg2Cubismofinalg2
Cubismofinalg2
carolineborba
 
História da Arte: Cubismo
História da Arte: CubismoHistória da Arte: Cubismo
História da Arte: Cubismo
Raphael Lanzillotte
 
História da Arte: Cubismo
História da Arte: CubismoHistória da Arte: Cubismo
História da Arte: Cubismo
Raphael Lanzillotte
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Andrea Dressler
 
As principais vanguardas artísticas
As principais vanguardas artísticasAs principais vanguardas artísticas
As principais vanguardas artísticas
npjorgecosta
 

Semelhante a Cubismo (20)

2C14_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C14_Cubismo_Museu Lasar Segall_20112C14_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C14_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
 
Cubismo ii
Cubismo iiCubismo ii
Cubismo ii
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.pptArte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
 
Impressionismo e-cubismo
Impressionismo e-cubismoImpressionismo e-cubismo
Impressionismo e-cubismo
 
[HA2012] 06 - Cubismo
[HA2012] 06 - Cubismo[HA2012] 06 - Cubismo
[HA2012] 06 - Cubismo
 
O cubismo
O cubismoO cubismo
O cubismo
 
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_20112C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
 
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoCubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XX
 
A arte da 1ª metade do séc beatriz
A arte da 1ª metade do séc   beatrizA arte da 1ª metade do séc   beatriz
A arte da 1ª metade do séc beatriz
 
A arte no Século XX
A arte no Século XXA arte no Século XX
A arte no Século XX
 
Cubismofinalg2
Cubismofinalg2Cubismofinalg2
Cubismofinalg2
 
História da Arte: Cubismo
História da Arte: CubismoHistória da Arte: Cubismo
História da Arte: Cubismo
 
História da Arte: Cubismo
História da Arte: CubismoHistória da Arte: Cubismo
História da Arte: Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
As principais vanguardas artísticas
As principais vanguardas artísticasAs principais vanguardas artísticas
As principais vanguardas artísticas
 

Mais de Junior Onildo

Gênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretratoGênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretrato
Junior Onildo
 
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Junior Onildo
 
Linguagem teatral
Linguagem teatralLinguagem teatral
Linguagem teatral
Junior Onildo
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
Junior Onildo
 
Expressionismo abstrato
Expressionismo  abstratoExpressionismo  abstrato
Expressionismo abstrato
Junior Onildo
 
Manifestação sócio cultural
Manifestação sócio culturalManifestação sócio cultural
Manifestação sócio cultural
Junior Onildo
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
Junior Onildo
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
Junior Onildo
 
Grafite x pichação
Grafite x pichaçãoGrafite x pichação
Grafite x pichação
Junior Onildo
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismo
Junior Onildo
 

Mais de Junior Onildo (11)

Gênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretratoGênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretrato
 
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
 
Linguagem teatral
Linguagem teatralLinguagem teatral
Linguagem teatral
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Expressionismo abstrato
Expressionismo  abstratoExpressionismo  abstrato
Expressionismo abstrato
 
Manifestação sócio cultural
Manifestação sócio culturalManifestação sócio cultural
Manifestação sócio cultural
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Grafite x pichação
Grafite x pichaçãoGrafite x pichação
Grafite x pichação
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismo
 

Último

Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 

Cubismo

  • 1. “ A Arte da simultaneidade”
  • 2. Paul C é zanne – O monte Santa Victoria. Historicamente o Cubismo originou-se na obra de Cézanne, pois para ele a pintura deveria tratar as formas da natureza como se fossem cones, esferas e cilindros. Para Cézanne, a pintura não podia desvincular-se da natureza, tampouco copiava a natureza; de fato, a transformava.
  • 4. Entretanto, os cubistas foram mais longe do que Cézanne. Passaram a representar os objetos com todas as suas partes num mesmo plano. É como se eles estivessem abertos e apresentassem todos os seus lados no plano frontal em relação ao espectador. Na verdade, essa atitude de decompor os objetos não tinha nenhum compromisso de fidelidade com a aparência real das coisas.
  • 5. Considerado um divisor de águas na história da arte ocidental, o cubismo recusa a idéia de arte como imitação da natureza, afastando noções como: Perspectiva e modelagem; Qualquer tipo de efeito ilusório Georges Braque Segundo Georges Braque, um dos expoentes desse movimento: “ Não se imita aquilo que se quer criar.”
  • 6. O pintor cubista tenta representar os objetos em três dimensões, numa superfície plana, sob formas geométricas, com o predomínio de linhas retas. Não representa, mas sugere a estrutura dos corpos ou objetos. Representa-os como se movimentassem em torno deles, vendo-os sob todos os ângulos visuais, por cima e por baixo, percebendo todos os planos e volumes. Picasso. Fábrica de Horta de Ebro. 1909
  • 7. O espaço do quadro - plano sobre o qual a realidade é recriada - rejeita distinções entre forma e fundo ou qualquer noção de profundidade. Geometrização das formas e volumes; Renúncia à perspectiva; O claro-escuro perde sua função; Representação do volume colorido sobre superfícies planas; Sensação de pintura escultórica; Cores austeras, do branco ao negro passando pelo cinza, por um ocre apagado ou um castanho suave.
  • 8. Cubismo Analítico - (1909) caracterizado pela desestruturação da obra em todos os seus elementos. Decompondo a obra em partes, o artista registra todos os seus elementos em planos sucessivos e superpostos, procurando a visão total da figura, examinado-a em todos os ângulos no mesmo instante, através da fragmentação dela. Essa fragmentação dos seres foi tão grande, que se tornou impossível o reconhecimento de qualquer figura nas pinturas cubistas. A cor se reduz aos tons de castanho, cinza e bege.
  • 9.  
  • 10.  
  • 11. Cubismo Sintético - (1911) reagindo à excessiva fragmentação dos objetos e à destruição de sua estrutura. Basicamente, essa tendência procurou tornar as figuras novamente reconhecíveis. Também chamado de Colagem porque introduz letras, palavras, números, pedaços de madeira, vidro, metal e até objetos inteiros nas pinturas. Essa inovação pode ser explicada pela intenção dos artistas em criar efeitos plásticos e de ultrapassar os limites das sensações visuais que a pintura sugere, despertando também no observador as sensações táteis.
  • 12.  
  • 13. Juan Gris; Fernand Léger; Robert Delaunay; Sonia Delaunay-Terk; Albert Gleizes; Jean Metzinger; Roger de la Fresnaye.
  • 14. A Grande Parada, Fernand L é ger, 1954 Vista da Baía, Juan Gris, 1912, Museu Nacional de Arte Moderna, Paris A Cidade de Paris, Robert Delaunay, 1910-12