ARTES O SÉCULO XX E SEUS PRINCIPAIS MOVIMEN-            TOS ARTÍSTICOS1. INTRODUÇÃO                                       ...
Natureza-morta com Peixes (1911), de Matisse, Museu de                                                                    ...
tre 1908 e 1911. Esses artistas trabalharam com pou-           amente (fig, 1.4). Levada às últimas conseqüências,cas core...
que a pintura sugere, despertando também no obser-vador as sensações táteis.5. O ABSTRACIONISMO        A principal caracte...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A arte no Século XX

807 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
807
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A arte no Século XX

  1. 1. ARTES O SÉCULO XX E SEUS PRINCIPAIS MOVIMEN- TOS ARTÍSTICOS1. INTRODUÇÃO Guernica, de Picasso. Dimensões: 349x777 cm. Museu do Prado, em Madri. O século XX inicia-se ampliando as conquistas dências artísticas, tais como o Expressionismo, otécnicas e o progresso industrial do século anterior. Fauvismo, o Cubismo, o Futurismo, o Abstracionis-Na sociedade, acentuam-se as diferenças entre a alta mo, o Dadaísmo, o Surrealismo, a Pintura Metafísi-burguesia e o proletariado. O capitalismo organizase ca, a Op-art e a Pop-art expressam, de um modo oue surgem os primeiros movimentos sindicais que pas- de outro, a perplexidade do homem contemporâneo.sam a interferir nas sociedades industrializadas. 2. EXPRESSIONISMO Nas primeiras décadas do nosso século ocor-rem também profundas conturbações políticas: a É inegável que o Expressionismo foi uma rea-Primeira Guerra Mundial, a Revolução Russa; o sur- ção ao Impressionismo, já que esse movimento segimento do fascismo na Itália e do nazismo na Ale- preocupou apenas com as sensações de luz e cor, nãomanha. Não demorou muito para que as situações se importando com os sentimentos humanos e com apolíticas criadas pela Itália e Alemanha levassem os problemática da sociedade moderna. Ao contrário, opaíses europeus e americanos a envolverem-se em Expressionismo procurou expressar as emoções hu-novo conflito mundial. Com essa última grande guer- manas e interpretar as angústias que caracterizaramra, tiveram início também as pesquisas e o uso da e- psicologicamente o homem do início do século XX.nergia nuclear, que se configura hoje como uma Na verdade, essa tendência para traduzir em li-ameaça à sobrevivência da humanidade. nhas e cores os sentimentos mais dramáticos do ho- Ocorreram ainda neste século a conquista do mem já vinha sendo realizada por Van Gogh, que nãoespaço, o uso crescente da computação e dos satéli- se preocupava mais em fixar os efeitos efêmeros dates, que colocam em comunicação imediata as mais luz solar sobre os seres. Esse artista procurava, atra-distantes partes do mundo. vés da cor e da deformação proposital da realidade, Ao lado desses avanços acentuaram-se as dis- fazer com que os seres reais nos revelassem seuparidades sociais. Hoje, existem regiões com imensas mundo interior.riquezas e outras com grande pobreza, onde as pesso-as passam fome e ignoram os fatos e os benefícios doprogresso material das regiões ricas. É nesse contexto complexo, rico em contradi-ções e muitas vezes angustiante que se desenvolve aarte do nosso tempo. Assim, os movimentos e as ten-Editora Exato 36
  2. 2. Natureza-morta com Peixes (1911), de Matisse, Museu de Arte Moderna York. O Grito (1893), de Munch. Dos pintores fauvistas, Matisse foi, sem dúvi- Além de Van Gogh, o pintor norueguês Ed- da, a maior expressão. Sua característica mais forte évard Munch (1863-1944-) também inspirou o movi- a despreocupação com o realismo, tanto em relaçãomento expressionista. Sua obra O Grito (fig. 1.2) é às formas das figuras quanto em relação às cores, Emum exemplo dos temas que sensibilizaram os artistas suas obras, as coisas representadas são menos impor-ligados a essa tendência. Nela a figura humana não tantes do que a maneira de representá-las,apresenta suas linhas reais mas contorce-se sob o e- Assim, as figuras interessam enquanto formasfeito de suas emoções. As linhas sinuosas do céu e da que constituem uma composição, É indiferente ao ar-água, e a linha diagonal da ponte, conduzem o olhar tista se elas são de pessoas ou de natureza morta, Pordo observador para a boca da figura que se abre num exemplo, em Natureza-morta com Peixes Vermelhosgrito perturbador. Essas atitudes inéditas até aqui pa- (fig.1.3), quadro pintado em 1911, podemos observarra as personagens da pintura e a ênfase para as linhas que o importante para Matisse é que as figuras - taisfortes evidenciam a emoção que o artista procura ex- como a mulher, o aquário, o vaso com flores e a pe-pressar. quena estante -, uma vez associadas, compõem um3. FAUVISMO todo orgânico. Em 1905, em Paris, durante a realização do Sa- 4. O CUBISMOlão de Outono, alguns jovens pintores foram chama- Historicamente o Cubismo originou-se na obrados pelos críticos de fauves, que em português de Cézanne, pois, para ele a pintura deveria tratar assignifica "feras", por causa da intensidade com que formas da natureza como se fossem cones, esferas eusavam as cores puras, sem misturá-las ou matizá- cilindros,las. Entretanto, os cubistas foram mais longe do Dois princípios regem esse movimento artísti- que Cézanne. Passaram a representar os objetos comco: a simplificação das formas das figuras e o empre- todas as suas partes num mesmo plano. Na verdade,go das cores puras. Por isso, as figuras fauvistas são essa atitude de decompor os objetos não tinha ne-apenas sugeridas e não representadas realisticamente nhum compromisso de fidelidade com a aparênciapelo pintor. Da mesma forma, as cores não são as da real das coisas. Significava, em suma, o abandono darealidade. Elas resultam de uma escolha arbitrária do busca da ilusão da perspectiva ou das três dimensõesartista e são usadas puras, tal como estão no tubo de dos seres, tão perseguidos pelos pintores renascentis-tinta. O pintor não as torna mais suaves nem cria gra- tas,dação de tons. Com o tempo, o Cubismo evoluiu em duas grandes tendências chamadas Cubismo analítico e Cubismo sintético, O Cubismo analítico foi desen- volvido por Picasso e Braque, aproximadamente en-Editora Exato 37
  3. 3. tre 1908 e 1911. Esses artistas trabalharam com pou- amente (fig, 1.4). Levada às últimas conseqüências,cas cores - preto, cinza e alguns tons de marrom e o- essa tendência chegou a uma fragmentação tão gran-cre -, já que o mais importante para eles era definir de dos seres, que tornou impossível o reconhecimen-um tema e apresentá-lo de todos os lados simultane- to de qualquer figura nas pinturas cubistas (fig, 1.5). Violinoe Cântaro (1910), de Braque. O Poeta (1911), de Picasso. Reagindo à excessiva fragmentação dos obje-tos e à destruição de sua estrutura, os cubistas passa-ram ao Cubismo sintético. Basicamente, essatendência procurou tornar as figuras novamente reco-nhecíveis. Mas, apesar de ter havido uma certa recu-peração da imagem real dos objetos, isso nãosignificou o retorno a um tratamento realista do tema.Foi mantido o modo característico de o Cubismo a-presentar simultaneamente as várias dimensões deum objeto, como podemos observar em Mulher comViolão, de Braque (fig. 1.6). Mulher com Violão (1908), de Braque. O Cubismo sintético foi chamado também de Colagem porque introduziu letras, palavras, números, pedaços de madeira, vidro, metal e até objetos intei- ros nas pinturas. Essa inovação pode ser explicada pela intenção do artista de criar novos efeitos plásti- cos e de ultrapassar os limites das sensações visuaisEditora Exato 38
  4. 4. que a pintura sugere, despertando também no obser-vador as sensações táteis.5. O ABSTRACIONISMO A principal característica da pintura abstrata éa ausência de relação imediata entre suas formas ecores e as formas e cores de um ser. Por isso, uma te-la abstrata não representa nada da realidade que noscerca, nem narra figurativamente alguma cena histó-rica, literária, religiosa ou mitológica. Os estudiosos de arte comumente consideramo pintor russo Wassily Kandinsky (1866-1944) o ini-ciador da moderna pintura abstrata. O começo deseus trabalhos neste sentido é marcado pela tela Bata-lha (fig. 1.7). Batalha (1910), de Kandinsky.Editora Exato 39

×