SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
VISITE NOSSO BLOG: UNIVERSOSDARTE.BLOGSPOT.COM
A música barroca é geralmente exuberante: ritmos enérgicos, melodias com muitos ornamentos, contrastes de timbres instrumentais e sonoridades fortes com suaves. Música Vocal Orfeu,  do compositor Montiverdi (1567-1643) escrita no ano de 1607 é a primeira grande ópera. Ópera é uma peça teatral em que os papéis são cantados ao invés de falados. A ópera de Montiverdi possuía uma orquestra formada de 40 instrumentos variados, inclusive com violinos, que começavam a tomar lugar das violas.
Oratórios e Cantatas As denominações de oratório e cantata foram muitas vezes confundidas. O próprio  Bach batizou de  Oratório de   Natal  um conjunto de cantatas. Contudo, estas palavras designam dois gêneros de composição vocal, não cênica, normalmente muito diferentes.  O oratório é essencialmente narrativo e dramático: conta sem mostrar uma ação de caráter sagrado ou moralista.  A cantata é lírica: exprime sentimentos que podem ser tanto religiosos, como profanos.
A cantata italiana e a cantata francesa são profanas; a primeira é mais lírica, a segunda mais narrativa.  A  Kantate  alemã é uma composição religiosa, para solistas, coros e orquestra, sem elemento narrativo, o que em Itália, em França e em Inglaterra se chama sinfonia sacra, motet, concert spiritual ou anthem.
Música Instrumental Durante o período barroco, a música instrumental passou a ter importância igual à da música vocal. A orquestra passou a tomar forma. No início a palavra ‘orquestra’ era usada para designar um conjunto formado ao acaso, com os instrumentos disponíveis no momento. Mas no século XVII, o aperfeiçoamento dos instrumentos de cordas, principalmente os violinos, fez com que a seção de cordas se tornasse uma unidade independente. Os violinos passaram a ser o centro da orquestra, ao qual os compositores acrescentavam outros instrumentos: flautas, fagotes, trompas, trompetes e tímpanos.
 
Um traço constante nas orquestras barrocas, porém, era a presença do cravo ou órgão como contínuo, fazendo o baixo e preenchendo a harmonia. Novas formas de composição foram criadas, como a fuga, a sonata, a suíte e o concerto. A fuga E uma peça contrapontística que se fundamenta essencialmente na técnica da imitação. Geralmente é escrita em três ou quatro partes, chamadas vozes (não importando se a peça é instrumental ou vocal). Estas são referidas como soprano, alto, tenor e baixo.
 
A estrutura da fuga é um tanto complexa, mas basicamente traz a seguinte idéia:  toda a peça se desenvolve a partir de uma melodia razoavelmente curta, mas de acentuado caráter musical.  A essa melodia se dá o nome de tema (no sentido de tema de discussão). Este aparece pela primeira vez em uma só voz. Depois é imitado pelas outras vozes, cada qual de uma vez e em sua altura adequada. A palavra fuga dá idéia de vozes escapando ou se perseguindo, a cada vez que entram com o tema.  Bach escreveu magníficas fugas para órgão, para cravo e clavicórdio.
Suíte Um grupo de peças para um ou mais instrumentos. Algumas vezes a suíte poderia começar com um prelúdio (ou peça de abertura). Todas as peças da suíte possuem a mesma tonalidade e estão na forma binária: duas seções, “A” e “B”, normalmente repetindo-se.  A suíte às vezes é conhecida por outros nomes. Purcell chamava as suas de “lições”, Couperin de “ordem”, e Bach algumas vezes usou o termo “partita”.
Sonatas A palavra sonata vem do latim  sonare , que significa “soar”; por conseguinte, é uma peça para ser tocada (em oposição à  cantata , música para ser cantada). Boa parcela das sonatas barrocas foi composta para dois violinos e contínuo (um violoncelo e um cravo por exemplo). A sonata barroca poderia ser de duas espécies: a sonata de câmara, destinada a pequenas salas, e a de  chiesa  (de igreja), na qual os instrumentos contínuos provavelmente eram o órgão e, talvez, o fagote. Em geral, os movimentos tinham a forma binária. A sonata de câmara era praticamente uma suíte e, como tal, incluía danças. Já a de igreja tinha caráter mais sério, com os movimentos mais rápidos muitas vezes escritos em estilo de fuga.
Concerto Grosso
Uma das formas mais interessantes da música barroca é o concerto, palavra que tanto pode ter vindo do italiano no sentido de “consonância”, quanto do significado original latino que significa “disputa”.  As idéias de oposição e contraste acentuado levaram à concepção do concerto  grosso  barroco. Neste, os compositores opunham dois grupos instrumentais: um pequeno grupo de solistas chamado  concertino  (em geral constituídos por dois violinos e um violoncelo), contra uma orquestra de cordas conhecida por  ripieno  (pleno) ou  tutti  (todos os instrumentos juntos). O cravo ou órgão contínuo era, também, usado para enriquecer a  tessitura  do  ripieno , além de fornecer as harmonias de apoio para os instrumentos do  concertino  quando estes executavam as suas partes. Tessitura = Música Conjunto de sons que melhor convêm a uma voz ou instrumento: tessitura grave, aguda.
Concerto solo Do concerto grosso nasceu o concerto solo, no qual um único instrumento é lançado contra a massa de uma orquestra de cordas. Essa idéia de oposição, com o decorrer dos anos, fortaleceu-se ainda mais, e o compositor freqüentemente fornecia ao solista algumas passagens difíceis e expressivas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da música
História da músicaHistória da música
História da músicaMeire Falco
 
A história da música (resumo)
A história da música (resumo)A história da música (resumo)
A história da música (resumo)Musician
 
História da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aulaHistória da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aulaLeonardo Brum
 
Música renascentista
Música renascentistaMúsica renascentista
Música renascentistahelenavf1
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da MúsicaMeire Falco
 
Música Sacra e profana
Música Sacra e profanaMúsica Sacra e profana
Música Sacra e profanasousacaldas
 
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)Leonardo Brum
 
Música, Origem e História
Música, Origem e HistóriaMúsica, Origem e História
Música, Origem e Históriajosenmd
 
História da música: Romantismo
História da música: RomantismoHistória da música: Romantismo
História da música: RomantismoFelipe Pouchucq
 
Trabalho Sobre Musica
Trabalho Sobre MusicaTrabalho Sobre Musica
Trabalho Sobre Musicaguestbb1bca
 
Períodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música OcidentalPeríodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música Ocidentalcecilianoclaro
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da MúsicaBE/CRE
 
História da música clássica
História da música clássicaHistória da música clássica
História da música clássicaOracy Filho
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Músicajoohnfer
 

Mais procurados (20)

Período Clássico - Música
Período Clássico - MúsicaPeríodo Clássico - Música
Período Clássico - Música
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
 
A história da música (resumo)
A história da música (resumo)A história da música (resumo)
A história da música (resumo)
 
Romantismo musica
Romantismo musicaRomantismo musica
Romantismo musica
 
A música clássica (Classicismo)
A música clássica (Classicismo)A música clássica (Classicismo)
A música clássica (Classicismo)
 
História da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aulaHistória da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aula
 
Música renascentista
Música renascentistaMúsica renascentista
Música renascentista
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
Música Sacra e profana
Música Sacra e profanaMúsica Sacra e profana
Música Sacra e profana
 
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
 
Música, Origem e História
Música, Origem e HistóriaMúsica, Origem e História
Música, Origem e História
 
História da música: Romantismo
História da música: RomantismoHistória da música: Romantismo
História da música: Romantismo
 
Música
MúsicaMúsica
Música
 
Trabalho Sobre Musica
Trabalho Sobre MusicaTrabalho Sobre Musica
Trabalho Sobre Musica
 
História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
 
Períodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música OcidentalPeríodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música Ocidental
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
História da música clássica
História da música clássicaHistória da música clássica
História da música clássica
 
Arte e música
Arte e músicaArte e música
Arte e música
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 

Destaque (12)

Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Tropicalismo
TropicalismoTropicalismo
Tropicalismo
 
Movimento neoconcreto
Movimento neoconcretoMovimento neoconcreto
Movimento neoconcreto
 
Linguagem visual
Linguagem visualLinguagem visual
Linguagem visual
 
Missa de requiem
Missa de requiemMissa de requiem
Missa de requiem
 
Linguagem teatral
Linguagem teatralLinguagem teatral
Linguagem teatral
 
Teatro medieval jesuita
Teatro medieval jesuitaTeatro medieval jesuita
Teatro medieval jesuita
 
Teatro medieval
Teatro medievalTeatro medieval
Teatro medieval
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
Gênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretratoGênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretrato
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
 

Semelhante a Musica barroca

A Orquestra
A OrquestraA Orquestra
A OrquestraHOME
 
O Que é Uma Obra GêNeros Eruditos
O Que é Uma Obra GêNeros EruditosO Que é Uma Obra GêNeros Eruditos
O Que é Uma Obra GêNeros EruditosHOME
 
Dicionario de termos musicais
Dicionario de termos musicaisDicionario de termos musicais
Dicionario de termos musicaishome
 
Definições de orquestra
Definições de orquestraDefinições de orquestra
Definições de orquestraBJJS317
 
Musicapédia - A Orquestra Sinfónica
Musicapédia - A Orquestra SinfónicaMusicapédia - A Orquestra Sinfónica
Musicapédia - A Orquestra SinfónicaHugo Pereira
 
Orquestra introdução
Orquestra introduçãoOrquestra introdução
Orquestra introduçãoAnaí Peña
 
Powerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaPowerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaRuteFolhas
 
História da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aulaHistória da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aulaLeonardo Brum
 
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica EruditaBreve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica EruditaHOME
 
Os Concertos De Vivaldi
Os Concertos De VivaldiOs Concertos De Vivaldi
Os Concertos De VivaldiHOME
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoJofran Lirio
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Músicabe23ceb
 

Semelhante a Musica barroca (20)

A Orquestra
A OrquestraA Orquestra
A Orquestra
 
O Que é Uma Obra GêNeros Eruditos
O Que é Uma Obra GêNeros EruditosO Que é Uma Obra GêNeros Eruditos
O Que é Uma Obra GêNeros Eruditos
 
Dicionario de termos musicais
Dicionario de termos musicaisDicionario de termos musicais
Dicionario de termos musicais
 
Fuga 2
Fuga 2Fuga 2
Fuga 2
 
Definições de orquestra
Definições de orquestraDefinições de orquestra
Definições de orquestra
 
Musicapédia - A Orquestra Sinfónica
Musicapédia - A Orquestra SinfónicaMusicapédia - A Orquestra Sinfónica
Musicapédia - A Orquestra Sinfónica
 
C t v v
C t v v C t v v
C t v v
 
C t v v
C t v v C t v v
C t v v
 
C t v v
C t v v C t v v
C t v v
 
C t v v
C t v v C t v v
C t v v
 
Orquestra introdução
Orquestra introduçãoOrquestra introdução
Orquestra introdução
 
Sonata
SonataSonata
Sonata
 
Powerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaPowerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusica
 
Powerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaPowerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusica
 
História da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aulaHistória da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aula
 
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica EruditaBreve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
 
Os Concertos De Vivaldi
Os Concertos De VivaldiOs Concertos De Vivaldi
Os Concertos De Vivaldi
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
Musica classica
Musica classicaMusica classica
Musica classica
 

Mais de Junior Onildo

Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasJunior Onildo
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroJunior Onildo
 
Expressionismo abstrato
Expressionismo  abstratoExpressionismo  abstrato
Expressionismo abstratoJunior Onildo
 
Manifestação sócio cultural
Manifestação sócio culturalManifestação sócio cultural
Manifestação sócio culturalJunior Onildo
 
Grafite x pichação
Grafite x pichaçãoGrafite x pichação
Grafite x pichaçãoJunior Onildo
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismoJunior Onildo
 

Mais de Junior Onildo (10)

Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Expressionismo abstrato
Expressionismo  abstratoExpressionismo  abstrato
Expressionismo abstrato
 
Manifestação sócio cultural
Manifestação sócio culturalManifestação sócio cultural
Manifestação sócio cultural
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Grafite x pichação
Grafite x pichaçãoGrafite x pichação
Grafite x pichação
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismo
 

Último

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 

Último (20)

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 

Musica barroca

  • 1. VISITE NOSSO BLOG: UNIVERSOSDARTE.BLOGSPOT.COM
  • 2. A música barroca é geralmente exuberante: ritmos enérgicos, melodias com muitos ornamentos, contrastes de timbres instrumentais e sonoridades fortes com suaves. Música Vocal Orfeu, do compositor Montiverdi (1567-1643) escrita no ano de 1607 é a primeira grande ópera. Ópera é uma peça teatral em que os papéis são cantados ao invés de falados. A ópera de Montiverdi possuía uma orquestra formada de 40 instrumentos variados, inclusive com violinos, que começavam a tomar lugar das violas.
  • 3. Oratórios e Cantatas As denominações de oratório e cantata foram muitas vezes confundidas. O próprio Bach batizou de Oratório de Natal um conjunto de cantatas. Contudo, estas palavras designam dois gêneros de composição vocal, não cênica, normalmente muito diferentes. O oratório é essencialmente narrativo e dramático: conta sem mostrar uma ação de caráter sagrado ou moralista. A cantata é lírica: exprime sentimentos que podem ser tanto religiosos, como profanos.
  • 4. A cantata italiana e a cantata francesa são profanas; a primeira é mais lírica, a segunda mais narrativa. A Kantate alemã é uma composição religiosa, para solistas, coros e orquestra, sem elemento narrativo, o que em Itália, em França e em Inglaterra se chama sinfonia sacra, motet, concert spiritual ou anthem.
  • 5. Música Instrumental Durante o período barroco, a música instrumental passou a ter importância igual à da música vocal. A orquestra passou a tomar forma. No início a palavra ‘orquestra’ era usada para designar um conjunto formado ao acaso, com os instrumentos disponíveis no momento. Mas no século XVII, o aperfeiçoamento dos instrumentos de cordas, principalmente os violinos, fez com que a seção de cordas se tornasse uma unidade independente. Os violinos passaram a ser o centro da orquestra, ao qual os compositores acrescentavam outros instrumentos: flautas, fagotes, trompas, trompetes e tímpanos.
  • 6.  
  • 7. Um traço constante nas orquestras barrocas, porém, era a presença do cravo ou órgão como contínuo, fazendo o baixo e preenchendo a harmonia. Novas formas de composição foram criadas, como a fuga, a sonata, a suíte e o concerto. A fuga E uma peça contrapontística que se fundamenta essencialmente na técnica da imitação. Geralmente é escrita em três ou quatro partes, chamadas vozes (não importando se a peça é instrumental ou vocal). Estas são referidas como soprano, alto, tenor e baixo.
  • 8.  
  • 9. A estrutura da fuga é um tanto complexa, mas basicamente traz a seguinte idéia: toda a peça se desenvolve a partir de uma melodia razoavelmente curta, mas de acentuado caráter musical. A essa melodia se dá o nome de tema (no sentido de tema de discussão). Este aparece pela primeira vez em uma só voz. Depois é imitado pelas outras vozes, cada qual de uma vez e em sua altura adequada. A palavra fuga dá idéia de vozes escapando ou se perseguindo, a cada vez que entram com o tema. Bach escreveu magníficas fugas para órgão, para cravo e clavicórdio.
  • 10. Suíte Um grupo de peças para um ou mais instrumentos. Algumas vezes a suíte poderia começar com um prelúdio (ou peça de abertura). Todas as peças da suíte possuem a mesma tonalidade e estão na forma binária: duas seções, “A” e “B”, normalmente repetindo-se. A suíte às vezes é conhecida por outros nomes. Purcell chamava as suas de “lições”, Couperin de “ordem”, e Bach algumas vezes usou o termo “partita”.
  • 11. Sonatas A palavra sonata vem do latim sonare , que significa “soar”; por conseguinte, é uma peça para ser tocada (em oposição à cantata , música para ser cantada). Boa parcela das sonatas barrocas foi composta para dois violinos e contínuo (um violoncelo e um cravo por exemplo). A sonata barroca poderia ser de duas espécies: a sonata de câmara, destinada a pequenas salas, e a de chiesa (de igreja), na qual os instrumentos contínuos provavelmente eram o órgão e, talvez, o fagote. Em geral, os movimentos tinham a forma binária. A sonata de câmara era praticamente uma suíte e, como tal, incluía danças. Já a de igreja tinha caráter mais sério, com os movimentos mais rápidos muitas vezes escritos em estilo de fuga.
  • 13. Uma das formas mais interessantes da música barroca é o concerto, palavra que tanto pode ter vindo do italiano no sentido de “consonância”, quanto do significado original latino que significa “disputa”. As idéias de oposição e contraste acentuado levaram à concepção do concerto grosso barroco. Neste, os compositores opunham dois grupos instrumentais: um pequeno grupo de solistas chamado concertino (em geral constituídos por dois violinos e um violoncelo), contra uma orquestra de cordas conhecida por ripieno (pleno) ou tutti (todos os instrumentos juntos). O cravo ou órgão contínuo era, também, usado para enriquecer a tessitura do ripieno , além de fornecer as harmonias de apoio para os instrumentos do concertino quando estes executavam as suas partes. Tessitura = Música Conjunto de sons que melhor convêm a uma voz ou instrumento: tessitura grave, aguda.
  • 14. Concerto solo Do concerto grosso nasceu o concerto solo, no qual um único instrumento é lançado contra a massa de uma orquestra de cordas. Essa idéia de oposição, com o decorrer dos anos, fortaleceu-se ainda mais, e o compositor freqüentemente fornecia ao solista algumas passagens difíceis e expressivas.