SlideShare uma empresa Scribd logo
PERSONAS
NA PRÁTICA
Um estudo de caso (re)pensado




                    ALAN VASCONCELOS
PERSONAS NA PRÁTICA

•Definição
•Como era feito antes
•Estudo de caso
•Nem tudo são flores
•Perguntas
DEFINIÇÃO
•É uma técnica de análise de contexto de uso que utiliza pessoas fictícias para representar
usuários de um produto.

•A técnica é considerada barata, fácil e divertida para a equipe de desenvolvimento.

•A persona é como uma ficha de personagem de RPG do usuário-modelo do sistema, criada
a partir de dados reais. Contém, entre outros, o nome, gostos, hábitos, e habilidades dos
usuários.
DEFINIÇÃO
Personas são também um meio muito eficaz de comunicação interna da equipe. Quando
uma descoberta importante é feita sobre o projeto, é muito mais fácil comunicar a equipe
toda.

Por exemplo, utilizar "o Adalberto não está conseguindo usar nossa ferramenta de busca" é
melhor do que "uma quantidade representativa dos participantes dos de testes de
usabilidade tiveram problemas com a ferramenta de busca".
DEFINIÇÃO
As vantagens dessa técnica são:

•Engaja e conscientiza a equipe de projeto;
•Chega-se a um consenso dos interesses do usuário;
•Mantém o foco no usuário durante todo o projeto;
•Agiliza a tomada de decisões, porque não é preciso consultar usuários reais a cada etapa
do projeto.
DEFINIÇÃO
Pode ser usada tanto pelo Marketing, Design de produto e Design de interface

Exemplo:
           •QUAL DESTES “PARADIGMAS DE USO” É O SEU PREFERIDO?
           •POR QUAIS RAZÕES?
COMO ERA FEITO ANTES?
COMO ERA FEITO ANTES
COMO ERA FEITO ANTES?

  •Análise de contexto
     •Produz resultados de estudos ambientais e comportamentais
     •Observa as tarefas
     •Observa os objetivos do negócio
  •ERUSw – Especificação de requisitos de usabilidade de software
  •DDISw – Descrição do desenho da interação de software.
     •Criação de “cenários” e “Modelos mentais”
  •Prototipação
      •Avaliação heurística e teste com usuários
  •Implementação
      •Avaliação heurística e teste com usuários
  •Testes automáticos e manuais
ESTUDO DE CASO
ESTUDO DE CASO


    Notícia boa x notícia ruim
ESTUDO DE CASO – Notícia boa

   •Com as Personas, a criação dos cenários e do
   Modelo mental ficaram mais realistas.

   •As soluções adotadas na fase de prototipação
   são voltadas para a persona específica daquele
   caso de uso.

   •Os check-lists de testes são melhor
   direcionados.
ESTUDO DE CASO – Por onde começamos

   Definição das variáveis

      Objetivo de uso do produto:
      O que as pessoas querem fazer
      Atitudes:
      Como eles percebem a própria experiência
      Comportamento:
      como eles fazem isso.
      Motivações e
      Frustrações
ESTUDO DE CASO – Por onde começamos

   Definição das variáveis
   No nosso caso, o público era muito bem definido, o que facilitou a pesquisa.
   Não precisamos coletar alguns dados como gosto musical, preferência de
   programa de TV, pois o objetivo do usuário ao usar o sistema a ser
   construído é exclusivamente a execução das suas atividades profissionais.
ESTUDO DE CASO – Por onde começamos

   Definição dos dados a serem levantados pela pesquisa
   Com base na definição das variáveis, a equipe se reúne para decidir o que
   exatamente deverá ser descoberto pela pesquisa.
   Por exemplo, cheguem a um consenso se a idade é mesmo relevante, ou os
   hábitos culturais, etc...

   Elaboração do questionário
   É o produto da etapa anterior
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!

Agora vem a notícia ruim...
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!

   Segmentação dos usuários
   •Esse processo é colaborativo: É necessário o envolvimento de toda a
   equipe. (marketing, designers, gerentes de produto...)
   •Testando os seguimentos:
        1. Os Segmentos explicam as diferenças chaves que você tem
            observado? Conversando com seus usuários você nota diferença
            entre indivíduos? O que eles fazem, como eles fazem isso, o que
            eles pensam e/ou quem eles são. A abordagem de segmentação
            utilizada mostra essas diferenças chaves?
        2. Os segmentos são suficientemente diferentes dos outros? Se a
            única diferença entre dois segmentos é a idade dos usuários, então
            eles são o mesmo segmento.
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!

   Segmentação dos usuários
   •Testando os seguimentos:
        3. Os segmentos representam as pessoas reais? Idealmente, cada
           segmento seu deve imediatamente lembrar você de uma ou mais
           pessoas que entrevistou.
        4. A segmentação pode ser descrita rapidamente? É melhor encontrar
           um, dois ou três fatores que melhor define cada segmento,
           descrever bem esses fatores e simplificar ligeiramente visando
           aumentar a compreensão.
        5. Os segmentos cobrem todos os usuários?
           Deve estar claro que todo usuário que entrevistou ou
           que sabe sobre ele, se ajuste a um dos segmentos
           que está explorando. Você não precisa criar personas
           para todos os segmentos, mas deve considerá-los
           no processo.
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!

   Segmentação dos usuários
   •Testando os seguimentos:
        6. Está claro como esses segmentos afetam a tomada de decisões?
           Pergunte a você mesmo como você usaria as personas
           se você estivesse com essas opções de segmentação.
        7. Questão Fundamental: Você pode contar histórias com esses
           segmentos? Se você pode transformar esses segmentos em
           histórias (cenários) sobre pessoas reais em situações
           reais que a sua equipe pode utilizar quando forem
           tomar decisões, então você está no caminho certo.
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!

    Segmentação dos usuários
Segmentação qualitativa:
   Segundo Cooper, o recomendado para o designer de interação é
   levantar as variáveis comportamentais:
   Atividades, atitudes, habilidades, motivações e
   objetivos do usuário ao usar o produto.
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!

    Segmentação dos usuários
Segmentação por objetivos:
   Os objetivos podem ser mapeados por meio de entrevista.
   Discretamente, faça perguntas a fim de responder
   as seguintes questões:
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!
  Exemplo:
  Suponha que você interrompeu o seu usuário enquanto ele estava
  acessando o site e fez as seguintes perguntas as quais ele respondeu:

  •Você: O que você está tentando fazer nesse exato momento?
  •Usuário: Eu estou tentando descobrir como navegar nesse site.

  •Você: Porque você está tentando fazer isso?
  •Usuário: Porque estou tentando aprender como o processo de
  encontrar uma casa funciona.

  •Você: porque você está fazendo isso?
  •Usuário: Porque quero comprar uma casa.

  •Você: Porque?
  •Usuário: Porque quero ser mais independente.

  •Você: Porque?
  •Usuário: Porque quero ser Feliz.
TÁ... EU SEI QUE PARECE IDIOTA,
MAS...
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!


  Com essas perguntas e respostas foi possível construir
  uma árvore de objetivos:

  1.   Ser feliz (é a motivação suprema)
  2.   Ser independente (motivação)
  3.   Comprar uma casa (objetivo)
  4.   Entender o processo (necessidade)
  5.   Descobrir como navegar no site (tarefa)
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!


            Ser Feliz


                             Ser
                        independente

                                       Comprar
                                       uma casa

                                                  Entender o
                                                   processo

                                                         Aprender o
                                                            site
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!


  No topo da árvore, está a motivação suprema, que
  poderá ser útil para diversos segmentos.

  É possível concluir que diferentes objetivos resultem
  em diferentes personas.



   Ser Feliz


                    Ser
               independente

                              Comprar
                              uma casa

                                         Entender o
                                          processo

                                                Aprender o
                                                   site
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!

    Segmentação dos usuários
Segmentação por ciclo de vida:
   Quando a segmentação por objetivos não fizer sentido.
   Por exemplo, uma pessoa (ou persona) que quer comprar
   outra casa 5 anos depois de ter comprado a primeira
   por meio do site.

   Só isso já configura uma outra persona.
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!

    Segmentação dos usuários
Segmentação por comportamento e atitude:
Personas na prática - Um estudo de caso (re)pensado
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!
Análise dos resultados
Análise Cross Tabs ou análise estatística
Cross Tabs ( a que nós usamos):
    É valiosa para ver as diferenças chaves nas respostas de usuários
    que confirmem ou não a segmentação. Entretanto, ela não
    necessariamente mostra se as diferenças que você está vendo são
    estatisticamente reais, ou seja, não mostram quão significantes as
    diferenças são.
    Porém é mais fácil de usar, não requer conhecimento em
    estatística e pode ser utilizada por meio de um assistente do Excel.

Análise estatística para validar as diferenças:
    É uma complementação à análise Cross-tab. Utiliza-se do cálculo
    da variância para mostrar quão significantes as diferenças
    encontradas nas respostas de usuários são.
ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil!
Análise dos resultados
Análise Cross Tabs

Agora com todos os dados separados, pode-se começar a avaliar se a
opção de segmentação escolhida é útil para o trabalho que irá realizar.

a) No exemplo utilizado aqui, os segmentos parecem ter uma clara
   diferença entre eles.
b) Os usuários que procuram apartamento são jovens (26 anos em
   média), sabem pouco do domínio, não usam sites competidores,
   exceto o NetImóveis e tendem a ser solteiros.
c) Os usuários que vendem casa, por outro lado, sabem um pouco
   mais sobre o domínio, são bem mais velhos (48 anos em média),
   são passíveis de utilizar múltiplos sites competidores e
   provavelmente são casados ou divorciados.
MAS TOME CUIDADO...
MAS TOME CUIDADO...
Nem tudo são flores...
a) Considere os problemas com a tecnologia usada. (Frameworks,
   linguagens, etc...)
b) Pelo amor de Deus!!! Faça os questionários durante o levantamento
   de requisitos! (Usuários odeiam responder questionários. Ainda
   mais se tiverem de fazê-lo por duas vezes!)
c) Quanto mais variáveis usar para fazer a segmentação, mais difícil
   fica entender o gráfico montado e lembrar as histórias que se
   constroem com as personas.
d) Não há uma maneira certa de fazer segmentação.
   Trata-se de uma “arte” - Mesmo com análise e
   pesquisa quantitativa, segmentação não é uma ciência.
HEIN?!?!?

            ?
VALEU!




ALAN VASCONCELOS – www.alanvasconcelos.com
BIBLIOGRAFIA
The user is Always Right: A practical Guide to Creating and Using Personas for the Web.

The Persona Lifecicle: Keeping People in mind Throughout Product Desing

NIELSEN, Jakob; LORANGER, Hoa.; FURMANKIEWICZ, Edson. Usabilidade na Web: projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro,
RJ: Elsevier, Campus, 2007.

PAULA FILHO, Wilson de Pádua. Engenharia de software: fundamentos, métodos e padrões. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003.

PUPO, Deise Talarico; MELO, Amanda Meincke; PÉREZ FERRÉS, Sofia. Acessibilidade: discurso e prática no cotidiano das bibliotecas.
Campinas: UNICAMP/Biblioteca Central Cesar Lattes, 2006.

PRATES, Raquel Oliveira. Introdução à Interação Humano- Computador. Qualidade de Interação. 2006. Disponível em
<http://homepages.dcc.ufmg.br/~rprates/ihc/aula3_qualidade_de_uso.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2009.

PREECE, Jennifer; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen. Design de interação: além da interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman,
2005. 548p.

PAULA FILHO, Wilson de Pádua. Engenharia de software: fundamentos, métodos e padrões. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003.
TORRES, Elisabeth Fátima; MAZZONI, Alberto Angel; ALVES, João Bosco da Mota. A acessibilidade à informação no espaço digital.
Ciência da Informação, Brasília , v.31, n.3 , p.83-91, set./dez. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ci/v31n3/a09v31n3.pdf>.
Acesso em: 10 jun. 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula gestão da inovação
Aula gestão da inovaçãoAula gestão da inovação
Aula gestão da inovação
Lara Rocha Garcia
 
Criatividade e Processos Criativos - Aula 01 de 04
Criatividade e Processos Criativos - Aula 01 de 04Criatividade e Processos Criativos - Aula 01 de 04
Criatividade e Processos Criativos - Aula 01 de 04
Luiz Oliveira Junior
 
Dinâmica de grupo 2
Dinâmica de grupo   2Dinâmica de grupo   2
Dinâmica de grupo 2
Clara Medeiros
 
Como controlar o medo de falar em público
Como controlar o medo de falar em públicoComo controlar o medo de falar em público
Como controlar o medo de falar em público
Gilson Barbosa
 
Lideranca e Motivacao da Equipe de Vendas
Lideranca e Motivacao da Equipe de VendasLideranca e Motivacao da Equipe de Vendas
Lideranca e Motivacao da Equipe de Vendas
Charles Bicalho
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Diego Allan Oliveira
 
Desenvolvimento de pessoas
Desenvolvimento de pessoasDesenvolvimento de pessoas
Desenvolvimento de pessoas
Yanara Valente
 
Você está satisfeito com seu trabalho motivação.
Você está satisfeito com seu trabalho  motivação.Você está satisfeito com seu trabalho  motivação.
Você está satisfeito com seu trabalho motivação.
Jamyle Braga
 
A gestão das e pelas competências
A gestão das e pelas competênciasA gestão das e pelas competências
A gestão das e pelas competências
comunidades@ina
 
O SUCESSO É TREINÁVEL
O SUCESSO É TREINÁVELO SUCESSO É TREINÁVEL
O SUCESSO É TREINÁVEL
Joel Moraes
 
Gestão da inovação
Gestão da inovaçãoGestão da inovação
Gestão da inovação
Alexandre Spengler
 
Curso Gestão de Processos, Projetos e TI p/ APPGG-SP
Curso Gestão de Processos, Projetos e TI p/ APPGG-SPCurso Gestão de Processos, Projetos e TI p/ APPGG-SP
Curso Gestão de Processos, Projetos e TI p/ APPGG-SP
Estratégia Concursos
 
Palestra: ATITUDE é o que precisamos!
Palestra: ATITUDE é o que precisamos!Palestra: ATITUDE é o que precisamos!
Palestra: ATITUDE é o que precisamos!
Fabrício Ottoni
 
Apresentação pesquisa de mercado
Apresentação pesquisa de mercadoApresentação pesquisa de mercado
Apresentação pesquisa de mercado
Anderson Alberto Ramos
 
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competência
Laura Marcht
 
Negócios Digitais - Startups e Cases
Negócios Digitais - Startups e CasesNegócios Digitais - Startups e Cases
Negócios Digitais - Startups e Cases
Nei Grando
 
Trabalho com propósito
Trabalho com propósitoTrabalho com propósito
Trabalho com propósito
Anna Kowalska Guimarães
 
Negociação aula 3 mini ba de gestão estrategica de rh
Negociação aula 3 mini ba de gestão estrategica de rhNegociação aula 3 mini ba de gestão estrategica de rh
Negociação aula 3 mini ba de gestão estrategica de rh
Daniel de Carvalho Luz
 
Atitude como um diferencial profissional e pessoal
Atitude como um diferencial profissional e pessoalAtitude como um diferencial profissional e pessoal
Atitude como um diferencial profissional e pessoal
Fabrício Ottoni
 
O Líder de Alta Performance
O Líder de Alta PerformanceO Líder de Alta Performance
O Líder de Alta Performance
Lia Flávia Savaris Prokisch
 

Mais procurados (20)

Aula gestão da inovação
Aula gestão da inovaçãoAula gestão da inovação
Aula gestão da inovação
 
Criatividade e Processos Criativos - Aula 01 de 04
Criatividade e Processos Criativos - Aula 01 de 04Criatividade e Processos Criativos - Aula 01 de 04
Criatividade e Processos Criativos - Aula 01 de 04
 
Dinâmica de grupo 2
Dinâmica de grupo   2Dinâmica de grupo   2
Dinâmica de grupo 2
 
Como controlar o medo de falar em público
Como controlar o medo de falar em públicoComo controlar o medo de falar em público
Como controlar o medo de falar em público
 
Lideranca e Motivacao da Equipe de Vendas
Lideranca e Motivacao da Equipe de VendasLideranca e Motivacao da Equipe de Vendas
Lideranca e Motivacao da Equipe de Vendas
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Desenvolvimento de pessoas
Desenvolvimento de pessoasDesenvolvimento de pessoas
Desenvolvimento de pessoas
 
Você está satisfeito com seu trabalho motivação.
Você está satisfeito com seu trabalho  motivação.Você está satisfeito com seu trabalho  motivação.
Você está satisfeito com seu trabalho motivação.
 
A gestão das e pelas competências
A gestão das e pelas competênciasA gestão das e pelas competências
A gestão das e pelas competências
 
O SUCESSO É TREINÁVEL
O SUCESSO É TREINÁVELO SUCESSO É TREINÁVEL
O SUCESSO É TREINÁVEL
 
Gestão da inovação
Gestão da inovaçãoGestão da inovação
Gestão da inovação
 
Curso Gestão de Processos, Projetos e TI p/ APPGG-SP
Curso Gestão de Processos, Projetos e TI p/ APPGG-SPCurso Gestão de Processos, Projetos e TI p/ APPGG-SP
Curso Gestão de Processos, Projetos e TI p/ APPGG-SP
 
Palestra: ATITUDE é o que precisamos!
Palestra: ATITUDE é o que precisamos!Palestra: ATITUDE é o que precisamos!
Palestra: ATITUDE é o que precisamos!
 
Apresentação pesquisa de mercado
Apresentação pesquisa de mercadoApresentação pesquisa de mercado
Apresentação pesquisa de mercado
 
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competência
 
Negócios Digitais - Startups e Cases
Negócios Digitais - Startups e CasesNegócios Digitais - Startups e Cases
Negócios Digitais - Startups e Cases
 
Trabalho com propósito
Trabalho com propósitoTrabalho com propósito
Trabalho com propósito
 
Negociação aula 3 mini ba de gestão estrategica de rh
Negociação aula 3 mini ba de gestão estrategica de rhNegociação aula 3 mini ba de gestão estrategica de rh
Negociação aula 3 mini ba de gestão estrategica de rh
 
Atitude como um diferencial profissional e pessoal
Atitude como um diferencial profissional e pessoalAtitude como um diferencial profissional e pessoal
Atitude como um diferencial profissional e pessoal
 
O Líder de Alta Performance
O Líder de Alta PerformanceO Líder de Alta Performance
O Líder de Alta Performance
 

Destaque

DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA  E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA  E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
Marcus Bizareli
 
O CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTES DIABÉTICOS: UM ENFOQUE NA NEUROPATIA PER...
O CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTES DIABÉTICOS: UM ENFOQUE NA NEUROPATIA PER...O CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTES DIABÉTICOS: UM ENFOQUE NA NEUROPATIA PER...
O CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTES DIABÉTICOS: UM ENFOQUE NA NEUROPATIA PER...
Carla Regina de Lima Goés
 
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete BragaMetodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Francinete Santos
 
Estudo de Caso
Estudo de CasoEstudo de Caso
Estudo de Caso
Felipe Silva
 
Estudo de caso planejamento e método
Estudo de caso  planejamento e métodoEstudo de caso  planejamento e método
Estudo de caso planejamento e método
Rosane Domingues
 
Yin estudo de caso
Yin estudo de casoYin estudo de caso
Yin estudo de caso
Victor Castro
 
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativosMetodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
Leticia Strehl
 
Estudo de caso
Estudo de caso Estudo de caso
Estudo de caso
cefaprodematupa
 
01 técnica qualitativa - estudo de caso
01   técnica qualitativa - estudo de caso01   técnica qualitativa - estudo de caso
01 técnica qualitativa - estudo de caso
Fabio Lima
 
Suas 13 estudos de caso para debate
Suas  13 estudos de caso para debateSuas  13 estudos de caso para debate
Suas 13 estudos de caso para debate
Rosane Domingues
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
vamcris
 
Pesquisa De Campo
Pesquisa De CampoPesquisa De Campo
Pesquisa De Campo
Prof. Francesco Torres
 
O Estudo De Caso
O Estudo De CasoO Estudo De Caso
O Estudo De Caso
calaisgarcia
 
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de CasoMétodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
João Uchôa
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Letícia Gonzaga
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Yasmin Casini
 

Destaque (16)

DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA  E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA  E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
 
O CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTES DIABÉTICOS: UM ENFOQUE NA NEUROPATIA PER...
O CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTES DIABÉTICOS: UM ENFOQUE NA NEUROPATIA PER...O CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTES DIABÉTICOS: UM ENFOQUE NA NEUROPATIA PER...
O CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTES DIABÉTICOS: UM ENFOQUE NA NEUROPATIA PER...
 
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete BragaMetodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
 
Estudo de Caso
Estudo de CasoEstudo de Caso
Estudo de Caso
 
Estudo de caso planejamento e método
Estudo de caso  planejamento e métodoEstudo de caso  planejamento e método
Estudo de caso planejamento e método
 
Yin estudo de caso
Yin estudo de casoYin estudo de caso
Yin estudo de caso
 
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativosMetodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
 
Estudo de caso
Estudo de caso Estudo de caso
Estudo de caso
 
01 técnica qualitativa - estudo de caso
01   técnica qualitativa - estudo de caso01   técnica qualitativa - estudo de caso
01 técnica qualitativa - estudo de caso
 
Suas 13 estudos de caso para debate
Suas  13 estudos de caso para debateSuas  13 estudos de caso para debate
Suas 13 estudos de caso para debate
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Pesquisa De Campo
Pesquisa De CampoPesquisa De Campo
Pesquisa De Campo
 
O Estudo De Caso
O Estudo De CasoO Estudo De Caso
O Estudo De Caso
 
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de CasoMétodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 

Semelhante a Personas na prática - Um estudo de caso (re)pensado

Usabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: PersonasUsabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: Personas
Alan Vasconcelos
 
InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012
rcmello13
 
CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08CRP-5215-0420-2014-08
Workshop - Personas
Workshop - PersonasWorkshop - Personas
Workshop - Personas
Voël
 
Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9
Lu Terceiro
 
Cap. 7 selecionando participantes
Cap. 7   selecionando participantesCap. 7   selecionando participantes
Cap. 7 selecionando participantes
Luiz Agner
 
Cesar.Edu Turma S2I
Cesar.Edu Turma S2ICesar.Edu Turma S2I
Cesar.Edu Turma S2I
Victor Ximenes
 
Projetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuárioProjetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuário
talkitbr
 
Transformational Design Thinking - Aula 6
Transformational Design Thinking - Aula 6Transformational Design Thinking - Aula 6
Transformational Design Thinking - Aula 6
Lu Terceiro
 
Design thinking
Design thinkingDesign thinking
Oficina protótipos dia 1
Oficina protótipos   dia 1Oficina protótipos   dia 1
Oficina protótipos dia 1
Franco Gomes dos Santos
 
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design SprintEmpreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
Ana Paula Batista
 
Hack2B - Design Sprint Workshop
Hack2B - Design Sprint WorkshopHack2B - Design Sprint Workshop
Hack2B - Design Sprint Workshop
Ana Paula Batista
 
Modelagem de usuários
Modelagem de usuáriosModelagem de usuários
Modelagem de usuários
Luciana Nunes
 
Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5
Lu Terceiro
 
Transformational Design Thinking - Aula 10
Transformational Design Thinking - Aula 10Transformational Design Thinking - Aula 10
Transformational Design Thinking - Aula 10
Lu Terceiro
 
Processo criativo
Processo criativoProcesso criativo
Processo criativo
Marcio Duarte
 
Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07Cd - aulas 06 e 07
Framework de Design Thinking
Framework de Design ThinkingFramework de Design Thinking
Oficina teste de usabilidade
Oficina teste de usabilidadeOficina teste de usabilidade
Oficina teste de usabilidade
Erico Fileno
 

Semelhante a Personas na prática - Um estudo de caso (re)pensado (20)

Usabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: PersonasUsabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: Personas
 
InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012
 
CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08
 
Workshop - Personas
Workshop - PersonasWorkshop - Personas
Workshop - Personas
 
Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9
 
Cap. 7 selecionando participantes
Cap. 7   selecionando participantesCap. 7   selecionando participantes
Cap. 7 selecionando participantes
 
Cesar.Edu Turma S2I
Cesar.Edu Turma S2ICesar.Edu Turma S2I
Cesar.Edu Turma S2I
 
Projetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuárioProjetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuário
 
Transformational Design Thinking - Aula 6
Transformational Design Thinking - Aula 6Transformational Design Thinking - Aula 6
Transformational Design Thinking - Aula 6
 
Design thinking
Design thinkingDesign thinking
Design thinking
 
Oficina protótipos dia 1
Oficina protótipos   dia 1Oficina protótipos   dia 1
Oficina protótipos dia 1
 
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design SprintEmpreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
 
Hack2B - Design Sprint Workshop
Hack2B - Design Sprint WorkshopHack2B - Design Sprint Workshop
Hack2B - Design Sprint Workshop
 
Modelagem de usuários
Modelagem de usuáriosModelagem de usuários
Modelagem de usuários
 
Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5
 
Transformational Design Thinking - Aula 10
Transformational Design Thinking - Aula 10Transformational Design Thinking - Aula 10
Transformational Design Thinking - Aula 10
 
Processo criativo
Processo criativoProcesso criativo
Processo criativo
 
Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07
 
Framework de Design Thinking
Framework de Design ThinkingFramework de Design Thinking
Framework de Design Thinking
 
Oficina teste de usabilidade
Oficina teste de usabilidadeOficina teste de usabilidade
Oficina teste de usabilidade
 

Mais de Alan Vasconcelos

Design Universal - Os 7 Principios
Design Universal - Os 7 PrincipiosDesign Universal - Os 7 Principios
Design Universal - Os 7 Principios
Alan Vasconcelos
 
Design Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostilDesign Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostil
Alan Vasconcelos
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
Alan Vasconcelos
 
MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - UsabilidadeMPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
Alan Vasconcelos
 
Ergo2 aula-14 Avaliação Heurística
Ergo2 aula-14 Avaliação HeurísticaErgo2 aula-14 Avaliação Heurística
Ergo2 aula-14 Avaliação Heurística
Alan Vasconcelos
 
Mta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design UniversalMta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design Universal
Alan Vasconcelos
 
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaMta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Alan Vasconcelos
 
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDEMta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
Alan Vasconcelos
 
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. AcessibilidadeMTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
Alan Vasconcelos
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. Introdução
Alan Vasconcelos
 
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User StoriesUsabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Alan Vasconcelos
 
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicasUsabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Alan Vasconcelos
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Alan Vasconcelos
 
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípiosUsabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
Alan Vasconcelos
 
Usabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 IntroduçãoUsabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 Introdução
Alan Vasconcelos
 
Aula 10--revisao
Aula 10--revisaoAula 10--revisao
Aula 10--revisao
Alan Vasconcelos
 
Aula 07 - Web
Aula 07 - WebAula 07 - Web
Aula 07 - Web
Alan Vasconcelos
 
Aula 04 - Prototipação
Aula 04 - PrototipaçãoAula 04 - Prototipação
Aula 04 - Prototipação
Alan Vasconcelos
 
Aula 06 - variabilidade
Aula 06 - variabilidadeAula 06 - variabilidade
Aula 06 - variabilidade
Alan Vasconcelos
 
Aula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicosAula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicos
Alan Vasconcelos
 

Mais de Alan Vasconcelos (20)

Design Universal - Os 7 Principios
Design Universal - Os 7 PrincipiosDesign Universal - Os 7 Principios
Design Universal - Os 7 Principios
 
Design Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostilDesign Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostil
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
 
MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - UsabilidadeMPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
 
Ergo2 aula-14 Avaliação Heurística
Ergo2 aula-14 Avaliação HeurísticaErgo2 aula-14 Avaliação Heurística
Ergo2 aula-14 Avaliação Heurística
 
Mta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design UniversalMta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design Universal
 
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaMta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
 
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDEMta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
 
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. AcessibilidadeMTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. Introdução
 
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User StoriesUsabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
 
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicasUsabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
 
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípiosUsabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
 
Usabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 IntroduçãoUsabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 Introdução
 
Aula 10--revisao
Aula 10--revisaoAula 10--revisao
Aula 10--revisao
 
Aula 07 - Web
Aula 07 - WebAula 07 - Web
Aula 07 - Web
 
Aula 04 - Prototipação
Aula 04 - PrototipaçãoAula 04 - Prototipação
Aula 04 - Prototipação
 
Aula 06 - variabilidade
Aula 06 - variabilidadeAula 06 - variabilidade
Aula 06 - variabilidade
 
Aula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicosAula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicos
 

Personas na prática - Um estudo de caso (re)pensado

  • 1. PERSONAS NA PRÁTICA Um estudo de caso (re)pensado ALAN VASCONCELOS
  • 2. PERSONAS NA PRÁTICA •Definição •Como era feito antes •Estudo de caso •Nem tudo são flores •Perguntas
  • 3. DEFINIÇÃO •É uma técnica de análise de contexto de uso que utiliza pessoas fictícias para representar usuários de um produto. •A técnica é considerada barata, fácil e divertida para a equipe de desenvolvimento. •A persona é como uma ficha de personagem de RPG do usuário-modelo do sistema, criada a partir de dados reais. Contém, entre outros, o nome, gostos, hábitos, e habilidades dos usuários.
  • 4. DEFINIÇÃO Personas são também um meio muito eficaz de comunicação interna da equipe. Quando uma descoberta importante é feita sobre o projeto, é muito mais fácil comunicar a equipe toda. Por exemplo, utilizar "o Adalberto não está conseguindo usar nossa ferramenta de busca" é melhor do que "uma quantidade representativa dos participantes dos de testes de usabilidade tiveram problemas com a ferramenta de busca".
  • 5. DEFINIÇÃO As vantagens dessa técnica são: •Engaja e conscientiza a equipe de projeto; •Chega-se a um consenso dos interesses do usuário; •Mantém o foco no usuário durante todo o projeto; •Agiliza a tomada de decisões, porque não é preciso consultar usuários reais a cada etapa do projeto.
  • 6. DEFINIÇÃO Pode ser usada tanto pelo Marketing, Design de produto e Design de interface Exemplo: •QUAL DESTES “PARADIGMAS DE USO” É O SEU PREFERIDO? •POR QUAIS RAZÕES?
  • 7. COMO ERA FEITO ANTES?
  • 9. COMO ERA FEITO ANTES? •Análise de contexto •Produz resultados de estudos ambientais e comportamentais •Observa as tarefas •Observa os objetivos do negócio •ERUSw – Especificação de requisitos de usabilidade de software •DDISw – Descrição do desenho da interação de software. •Criação de “cenários” e “Modelos mentais” •Prototipação •Avaliação heurística e teste com usuários •Implementação •Avaliação heurística e teste com usuários •Testes automáticos e manuais
  • 11. ESTUDO DE CASO Notícia boa x notícia ruim
  • 12. ESTUDO DE CASO – Notícia boa •Com as Personas, a criação dos cenários e do Modelo mental ficaram mais realistas. •As soluções adotadas na fase de prototipação são voltadas para a persona específica daquele caso de uso. •Os check-lists de testes são melhor direcionados.
  • 13. ESTUDO DE CASO – Por onde começamos Definição das variáveis Objetivo de uso do produto: O que as pessoas querem fazer Atitudes: Como eles percebem a própria experiência Comportamento: como eles fazem isso. Motivações e Frustrações
  • 14. ESTUDO DE CASO – Por onde começamos Definição das variáveis No nosso caso, o público era muito bem definido, o que facilitou a pesquisa. Não precisamos coletar alguns dados como gosto musical, preferência de programa de TV, pois o objetivo do usuário ao usar o sistema a ser construído é exclusivamente a execução das suas atividades profissionais.
  • 15. ESTUDO DE CASO – Por onde começamos Definição dos dados a serem levantados pela pesquisa Com base na definição das variáveis, a equipe se reúne para decidir o que exatamente deverá ser descoberto pela pesquisa. Por exemplo, cheguem a um consenso se a idade é mesmo relevante, ou os hábitos culturais, etc... Elaboração do questionário É o produto da etapa anterior
  • 16. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Agora vem a notícia ruim...
  • 17. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Segmentação dos usuários •Esse processo é colaborativo: É necessário o envolvimento de toda a equipe. (marketing, designers, gerentes de produto...) •Testando os seguimentos: 1. Os Segmentos explicam as diferenças chaves que você tem observado? Conversando com seus usuários você nota diferença entre indivíduos? O que eles fazem, como eles fazem isso, o que eles pensam e/ou quem eles são. A abordagem de segmentação utilizada mostra essas diferenças chaves? 2. Os segmentos são suficientemente diferentes dos outros? Se a única diferença entre dois segmentos é a idade dos usuários, então eles são o mesmo segmento.
  • 18. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Segmentação dos usuários •Testando os seguimentos: 3. Os segmentos representam as pessoas reais? Idealmente, cada segmento seu deve imediatamente lembrar você de uma ou mais pessoas que entrevistou. 4. A segmentação pode ser descrita rapidamente? É melhor encontrar um, dois ou três fatores que melhor define cada segmento, descrever bem esses fatores e simplificar ligeiramente visando aumentar a compreensão. 5. Os segmentos cobrem todos os usuários? Deve estar claro que todo usuário que entrevistou ou que sabe sobre ele, se ajuste a um dos segmentos que está explorando. Você não precisa criar personas para todos os segmentos, mas deve considerá-los no processo.
  • 19. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Segmentação dos usuários •Testando os seguimentos: 6. Está claro como esses segmentos afetam a tomada de decisões? Pergunte a você mesmo como você usaria as personas se você estivesse com essas opções de segmentação. 7. Questão Fundamental: Você pode contar histórias com esses segmentos? Se você pode transformar esses segmentos em histórias (cenários) sobre pessoas reais em situações reais que a sua equipe pode utilizar quando forem tomar decisões, então você está no caminho certo.
  • 20. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Segmentação dos usuários Segmentação qualitativa: Segundo Cooper, o recomendado para o designer de interação é levantar as variáveis comportamentais: Atividades, atitudes, habilidades, motivações e objetivos do usuário ao usar o produto.
  • 21. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Segmentação dos usuários Segmentação por objetivos: Os objetivos podem ser mapeados por meio de entrevista. Discretamente, faça perguntas a fim de responder as seguintes questões:
  • 22. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Exemplo: Suponha que você interrompeu o seu usuário enquanto ele estava acessando o site e fez as seguintes perguntas as quais ele respondeu: •Você: O que você está tentando fazer nesse exato momento? •Usuário: Eu estou tentando descobrir como navegar nesse site. •Você: Porque você está tentando fazer isso? •Usuário: Porque estou tentando aprender como o processo de encontrar uma casa funciona. •Você: porque você está fazendo isso? •Usuário: Porque quero comprar uma casa. •Você: Porque? •Usuário: Porque quero ser mais independente. •Você: Porque? •Usuário: Porque quero ser Feliz.
  • 23. TÁ... EU SEI QUE PARECE IDIOTA, MAS...
  • 24. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Com essas perguntas e respostas foi possível construir uma árvore de objetivos: 1. Ser feliz (é a motivação suprema) 2. Ser independente (motivação) 3. Comprar uma casa (objetivo) 4. Entender o processo (necessidade) 5. Descobrir como navegar no site (tarefa)
  • 25. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Ser Feliz Ser independente Comprar uma casa Entender o processo Aprender o site
  • 26. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! No topo da árvore, está a motivação suprema, que poderá ser útil para diversos segmentos. É possível concluir que diferentes objetivos resultem em diferentes personas. Ser Feliz Ser independente Comprar uma casa Entender o processo Aprender o site
  • 27. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Segmentação dos usuários Segmentação por ciclo de vida: Quando a segmentação por objetivos não fizer sentido. Por exemplo, uma pessoa (ou persona) que quer comprar outra casa 5 anos depois de ter comprado a primeira por meio do site. Só isso já configura uma outra persona.
  • 28. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Segmentação dos usuários Segmentação por comportamento e atitude:
  • 30. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Análise dos resultados Análise Cross Tabs ou análise estatística Cross Tabs ( a que nós usamos): É valiosa para ver as diferenças chaves nas respostas de usuários que confirmem ou não a segmentação. Entretanto, ela não necessariamente mostra se as diferenças que você está vendo são estatisticamente reais, ou seja, não mostram quão significantes as diferenças são. Porém é mais fácil de usar, não requer conhecimento em estatística e pode ser utilizada por meio de um assistente do Excel. Análise estatística para validar as diferenças: É uma complementação à análise Cross-tab. Utiliza-se do cálculo da variância para mostrar quão significantes as diferenças encontradas nas respostas de usuários são.
  • 31. ESTUDO DE CASO – A etapa mais fod... difícil! Análise dos resultados Análise Cross Tabs Agora com todos os dados separados, pode-se começar a avaliar se a opção de segmentação escolhida é útil para o trabalho que irá realizar. a) No exemplo utilizado aqui, os segmentos parecem ter uma clara diferença entre eles. b) Os usuários que procuram apartamento são jovens (26 anos em média), sabem pouco do domínio, não usam sites competidores, exceto o NetImóveis e tendem a ser solteiros. c) Os usuários que vendem casa, por outro lado, sabem um pouco mais sobre o domínio, são bem mais velhos (48 anos em média), são passíveis de utilizar múltiplos sites competidores e provavelmente são casados ou divorciados.
  • 33. MAS TOME CUIDADO... Nem tudo são flores... a) Considere os problemas com a tecnologia usada. (Frameworks, linguagens, etc...) b) Pelo amor de Deus!!! Faça os questionários durante o levantamento de requisitos! (Usuários odeiam responder questionários. Ainda mais se tiverem de fazê-lo por duas vezes!) c) Quanto mais variáveis usar para fazer a segmentação, mais difícil fica entender o gráfico montado e lembrar as histórias que se constroem com as personas. d) Não há uma maneira certa de fazer segmentação. Trata-se de uma “arte” - Mesmo com análise e pesquisa quantitativa, segmentação não é uma ciência.
  • 35. VALEU! ALAN VASCONCELOS – www.alanvasconcelos.com
  • 36. BIBLIOGRAFIA The user is Always Right: A practical Guide to Creating and Using Personas for the Web. The Persona Lifecicle: Keeping People in mind Throughout Product Desing NIELSEN, Jakob; LORANGER, Hoa.; FURMANKIEWICZ, Edson. Usabilidade na Web: projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, Campus, 2007. PAULA FILHO, Wilson de Pádua. Engenharia de software: fundamentos, métodos e padrões. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003. PUPO, Deise Talarico; MELO, Amanda Meincke; PÉREZ FERRÉS, Sofia. Acessibilidade: discurso e prática no cotidiano das bibliotecas. Campinas: UNICAMP/Biblioteca Central Cesar Lattes, 2006. PRATES, Raquel Oliveira. Introdução à Interação Humano- Computador. Qualidade de Interação. 2006. Disponível em <http://homepages.dcc.ufmg.br/~rprates/ihc/aula3_qualidade_de_uso.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2009. PREECE, Jennifer; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen. Design de interação: além da interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005. 548p. PAULA FILHO, Wilson de Pádua. Engenharia de software: fundamentos, métodos e padrões. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003. TORRES, Elisabeth Fátima; MAZZONI, Alberto Angel; ALVES, João Bosco da Mota. A acessibilidade à informação no espaço digital. Ciência da Informação, Brasília , v.31, n.3 , p.83-91, set./dez. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ci/v31n3/a09v31n3.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2009.