SlideShare uma empresa Scribd logo
Capítulo 2  Revisão de Alguns Tópicos de Contabilidade Social
Aula Anterior CAPÍTULO  1 –Definição de macroeconomia e delimitação de seu campo de atuação  1.1 Definição de Macroeconomia;  1.2 O nível de abstração da macroeconomia; 1.3 Fatores que levam à evolução dos modelos macroeconômicos; 1.4 Controvérsias entre os macroeconomistas;  1.5 Indicadores de desempenho de uma economia.
Nesta Aula CAPÍTULO  2 – Revisão de alguns tópicos de Contabilidade Social 2.1 O Conceito de Produto;  2.2 Taxa de Desemprego;  2.3 Nível Geral de Preços e Taxa de Inflação;  2.4 Déficit orçamentário;  2.5 Déficit comercial;  2.6 Relação entre os agregados econômicos.
O que é Contabilidade Social? Contabilidade Social é a parte das Ciências Econômicas que se dedica à conceituação dos principais agregados econômicos e à discussão de como eles devem ser mensurados. Entre esses agregados econômicos, destacam-se: produto, emprego (e taxa de desemprego), nível geral de preço (e taxa de inflação), déficit orçamentário e déficit comercial.
Como se interagem a contabilidade social e a teoria macroeconômica? A contabilidade social define e discute maneiras de mensurar os agregados econômicos. A teoria macroeconômica estabelece maneiras de interrelacionar os agregados econômicos, criando modelos que reproduzem o funcionamento da economia.
Tópicos considerados O conceito de produto Taxa de desemprego Nível geral de preços e taxa de inflação Déficit orçamentário Déficit comercial Relação entre os agregados econômicos
Produto Nacional Bruto Produto Nacional Bruto (PNB) é o  valor monetário  de todos os  bens e serviços   finais  produzidos com fatores de produção pertencentes aos indivíduos de uma  nação  em  determinado período de tempo.
Produto Interno Bruto Produto Interno Bruto (PIB) é o  valor monetário  de todos os  bens e serviços   finais  produzidos com fatores de produção situados dentro dos  limites geográficos  de uma nação em  determinado período de tempo.
Pontos a Considerar Quatro pontos precisam ser considerados: PIB e PNB são  cifras monetárias  que mensuram a dimensão da economia. Exemplo: PIB do Brasil (a preços de 2006)   2005  R$ 2,248 Trilhão   2006  R$ 2,333 Trilhão Taxa de Crescimento =
2) Tanto PIB quanto PNB computam apenas bens e serviços finais. Pontos a Considerar Bens e  serviços Finais: se destinam ao consumo ou exportação Intermediários: se usado na produção de outro bem ou serviço
3) O PIB e o PNB avaliam o fluxo de Bens e Serviços finais produzidos na economia em  determinado período de Tempo. Pontos a Considerar Variável Fluxo: é mensurada em um  período  de tempo Estoque: é mensurada em um  momento  do tempo.
4) O  PNB  atém-se aos  proprietários  dos fatores de produção utilizados no processo de produção. O  PIB  atém-se à  localização  dos fatores de produção utilizados no processo de produção. Pontos a Considerar Fatores de Produção Terra Trabalho Capital
Relações entre PIB e PNB Considere que: REE = Renda Enviada ao Exterior RRE = Renda Recebida do Exterior PNB  dentro do país  = PIB – REE PNB  fora do país  = RRE
Relações entre PIB e PNB PNB  dentro do país  + PNB  fora do país  = PNB PNB = PIB – REE + RRE se  RLEE = Renda Líquida enviada ao Exterior    = REE – RRE PNB = PIB – RLEE
Relações entre PIB e PNB Exemplos: PIB = 100  RLEE = 10  PNB = 90 PIB = 100  RLEE = -10  PNB = 110 Se RLEE > 0  PIB > PNB (Ex. Brasil) RLEE < 0  PIB < PNB (Ex. EUA)
Modos de Calcular o PIB (Y) Como se verá a frente, o PIB é igual a renda e nos EUA usava-se a palavra  yield  para se referir à renda. Daí, o uso de Y para se referir ao PIB. Há quatro maneiras de se mensurar o PIB: Calcula-se o PIB pela soma de bens e serviços finais produzidos na economia Calcula-se o PIB pela soma de valores adicionados/agregados Calcula-se o PIB pela soma dos elementos que o absorve Calcula-se o PIB pela soma dos elementos que absorvem a renda gerada pelo PIB
Valor Adicionado (VA) Valor Adicionado (VA) é o acréscimo de valor a um bem intermediário advindo da utilização de serviços de fatores de produção visando elaborar um novo bem intermediário ou um  bem final. VA = Receita – Consumo Intermediário (CI)
VA é a soma das remunerações feitas aos fatores de produção utilizados no processo de produção. Valor Adicionado (VA) Fatores de Produção Remuneração Terra Trabalho Capital Aluguel (A) Salários (W) Juros (J) Lucros (L)
VA = W + L + J + A No Brasil usa-se ambas equações no cálculo do PIB, que é a ótica da renda gerada. Isto é, PIB:  VA = VBP – CI  VA = W + L + J + A em que VBP = Valor Bruto da Produção PIB = Renda Interna Bruta Valor Adicionado (VA)
PIB pelos elementos que o Absorvem Y + M = C + Ir + G + X M = Importações de Bens e serviços Em que: Ir = Investimento Privado Realizado C = Consumo das Famílias G = Gastos do Governo X = Exportações de Bens e Serviços Y = C + Ir + G + X - M
Balanço de Pagamentos Balança Comercial Balanço de Serviços (não- fatores) Balanço de Rendas (L, J, A e W) Transferências Unilaterais (Donativos) Saldo do Balanço de Pagamentos em transações Correntes: SBPTC (I + II + III + IV) Conta Capital e Financeira Erros e Omissões Saldo Total do Balanço de Pagamentos (V + VI + + VII)
Balanço de Pagamentos VIII) Saldo Total do Balanço de Pagamentos Variação das Reservas Internacionais X – M = I + II + III I a VIII: Contas Operacionais: Aumento  + Diminuição  - IX: Conta de Caixa: Aumento  – Diminuição  +
PIB pelos elementos que absorvem a renda gerada Y = Renda Interna = C + S + T + Rf Em que: S = Poupança do Setor privado C = Consumo das Famílias T = Tributos Rf = Remessa Líquida ao Exterior
Poupança Poupança do Setor Privado = Poupança das Famílias + Poupança das Empresas Econômica: Fluxo = Y - C - T - Rf   Financeira: Estoque = Riqueza Rf = Donativos Enviados ao Exterior –  Donativos Recebidos do Exterior =  =  -  Conta IV Poupança
Modos de Considerar o PIB nos Modelos e Análises Macroeconômicas Produto Real  Versus  Produto Nominal PIB Nominal ou PIB a preços correntes é mensurado a preços de cada ano. PIB Real é o PIB mensurado a preços de um ano Base. Ex. da economia que produz calças e arroz.
Modos de Considerar o PIB nos Modelos e Análises Macroeconômicas 2) Níveis de Produto, Nominal ou Real,  Versus  Crescimento do Produto PIB Nominal = Y PIB Real = y Taxa de Crescimento =
Modos de Considerar o PIB nos Modelos e Análises Macroeconômicas 3) PIB  Versus  PIB per capita Expressos em: R$ Correntes   R$ Deflacionados   US$ Correntes
Brasil: Evolução do PIB Fonte: Ipeadata 5.740 3,75% 2.333 2.333 2006 5.610 3,16% 2.249 2.147 2005 5.516 5,71% 2.180 1.941 2004 5.294 1,15% 2.062 1.700 2003 5.311 2,66% 2.038 1.478 2002 5.250 1,31% 1.986 1.302 2001 5.258 4,31% 1.960 1.179 2000 5.117 0,25% 1.879 1.065 1999 5.181 0,04% 1.874 979 1998 5.257 3,38% 1.874 939 1997 PIB per capita (em US$ de 2006) Taxa de Crescimento do PIB Deflacionado PIB Deflacionado em R$ bilhões de 2006 PIB Nominal (R$ bilhões) Período
Modos de Considerar o PIB nos Modelos e Análises Macroeconômicas 4) PIB Efetivo  Versus  PIB Potencial PIB Efetivo : valor monetário do total de bens e serviços finais  efetivamente produzidos  com fatores de produção situados em dados país em determinado período de tempo. PIB Potencial : valor monetário do total de bens e serviços finais que podem ser produzidos com a  alocação econômica  dos fatores de produção situados em dados país em determinado período de tempo.
Hiato do Produto Hiato do Produto = y potencial  – y Se Hiato do Produto < 0: Pressão Inflacionária Hiato do Produto > 0: Deflação
O Ciclo de Negócios Produto Tempo Produto Potencial Produto Efetivo Pico Pico Pico Fundo Fundo Recessão Recessão Crescimento Crescimento
A Taxa de Desemprego Emprego Efetivo (N) = Empregados Força de Trabalho = Empregados +  + Desempregados Taxa de Desemprego ( µ ) =
µ   = A Taxa de Desemprego Taxa de Desemprego Oculto Taxa de Desemprego Aberto
Taxa de Desemprego Total = Taxa de Desemprego Aberto + Taxa de Desemprego Oculto Taxa Natural de Desemprego  A Taxa de Desemprego
Taxa de Desemprego na RMSP Fonte: Ipeadata 0,9% 3,3% 4,2% 9,3% 13,5% dez/2007 1,5% 3,7% 5,2% 9,0% 14,2% dez/2006 1,4% 4,7% 6,1% 9,7% 15,8% dez/2005 1,6% 5,4% 7,0% 10,0% 17,0% dez/2004 2,0% 5,0% 7,0% 12,0% 19,0% dez/2003 1,9% 5,2% 7,1% 11,4% 18,5% dez/2002 1,6% 4,6% 6,2% 11,6% 17,8% dez/2001 1,8% 4,4% 6,2% 10,0% 16,2% dez/2000 Desalento Precário Subtotal Aberto Total Mês Oculto
A Lei de Okun A  lei de Okun é uma relação empírica negativa entre o crescimento do PIB e  taxa de desemprego. y      N       µ 
A Lei de Okun Relação entre taxa de crescimento do PIB e taxa de desemprego B A C 1,5 2 4 Taxa de crescimento do PIB Variações da taxa de desemprego 0 -1 Taxa de desemprego Taxa de crescimento do PIB Brasil: 1981 a 2002 Fonte: Ipeadata
Nível Geral de Preços e Taxa de Inflação Quatro Pontos a considerar: 1- Definição do nível de geral de preços 2- Definição e modo de cálculo da taxa de Inflação 3- Relação entre a taxa de desemprego e a taxa de inflação 4- Efeitos perversos da inflação na economia
Nível Geral de Preços Nível geral de preços é um índice de evolução da média ponderada de preços dos diferentes bens e serviços, sendo a base igual a 1.
Considere a Economia com N tipos de bens e serviços: N preços: P 1 , P 2 , P 3 ,  ..., P N N pesos: W 1  + W 2  + W 3  + ... + W N   = 1 Diversos Períodos: 0, 1, 2, 3, .... (indicado pelo sobrescrito) Nível Geral de Preços
Período 0: Período 1: Nível Geral de Preços
Nível Geral de Preços X 2  /X 0 X 2 2 X 1  /X 0 X 1 1 1 X 0 0 Nível de Preço Média de Preço Período
Deflacionamento Na estatística: Na macroeconomia:
Inflação A inflação é uma situação de aumentos contínuos e generalizados dos preços de bens e serviços em uma economia. A inflação é uma situação de aumento do nível geral de preços da economia.
Taxa de Inflação Taxa de Inflação: Exemplos de indicadores da taxa de inflação:  Deflator do PIB  Índice de Custo de Vida (ICV).
Deflator do PIB Deflator do PIB é o preço médio de todos os bens e serviços finais produzidos em uma economia. Ex. da economia que produz calças e arroz.
Índice de Preços ao Consumidor O índice de preços ao consumidor (IPC) é o custo em moeda corrente de uma determinada lista de bens e serviços finais ao longo do tempo. O IPC inclui bens importados, mas não os bens exportados. Deflator do PIB inclui os bens exportados.
Relação entre índice de preços e nível de preços
Brasil: Taxas de Inflação Fonte: Ipeadata n.d. 7,90% 4,46% 2007 4,72% 3,80% 3,14% 2006 7,21% 1,23% 5,69% 2005 8,04% 12,13% 7,60% 2004 13,73% 7,66% 9,30% 2003 10,55% 26,41% 12,53% 2002 8,97% 10,40% 7,67% 2001 6,18% 9,80% 5,97% 2000 8,48% 19,99% 8,94% 1999 4,24% 1,71% 1,66% 1998 Deflator do PIB IGP-DI IPCA Ano
Relação entre Inflação e Desemprego Na década de 1950 Arthur Phillips verificou relação inversa entre taxa de desemprego e taxa de variação de salários.
Curva de Phillips Foi observado posteriormente que havia relação inversa entre taxa de desemprego e taxa de inflação. Curva de Phillips modificada
Considere que o preço é fixado sobre custo direto de produção. P = (1+margem de lucro). CDU Em que: (1+margem de lucro) = m =  mark-up   CDU= Custo Direto Unitário Curva de Phillips
CDU = (W/PMeT) em que: W = Salário PMeT = Produto Médio do Trabalho. Curva de Phillips
P = m . CDU P = m (W/PMeT)   (I) Aplicando ln em (I) e derivando em relação ao tempo: Curva de Phillips
Curva de Phillips Equação da Curva de Phillips modificada
A curva de Phillips para a Economia Brasileira Fonte: Bacha e Lima (2004)
A Construção de Friedman - Phelps NAIRU:  Non-accelerating-Inflation Rate of Unemplyment. =  taxa de desemprego que não acelera a inflação .
Efeitos Perversos da Inflação Causa Redistribuição da Renda Distorce a Alocação de Recursos dentro da Economia Gera Incerteza
Déficit Orçamentário Déficit orçamentário (= déficit público) é o excesso de gastos do governo em relação a suas receitas D = G – T A questão é: qual a forma de financiar o déficit público????? Via Emissão de Meda Via Emissão de Títulos
Déficit Orçamentário Déficit orçamentário (= déficit público) é o excesso de gastos do governo em relação a suas receitas D = G – T A presença de déficit orçamentário afeta as expectativas dos agentes econômicos, alterando suas decisões sobre consumo e investimento.  Isto afeta o PIB do país.
Déficit Comercial Déficit comercial é o excesso de importação de mercadorias em relação as exportações de mercadorias. O déficit comercial é o saldo negativo da Conta I do Balanço de Pagamentos.
Déficit Comercial Espera-se que, em condições  coeteris paribus , uma redução do PIB venha acompanhada de redução do déficit comercial ou até mesmo superávit comercial. Um déficit comercial persistente implicará pressões sobre a taxa de câmbio quando a entrada de capitais externos no país diminuir.
Relação entre os Agregados Econômicos Diversas relações podem surgir entre crescimento do PIB, taxa de desemprego, taxa de inflação, déficit orçamentário, e déficit comercial segundo o choque inicial da economia e seu ajustamento. EX: Reduzir o Déficit Comercial Reduzir o Déficit Público
Próxima Aula CAPÍTULO  3 – Visão geral da evolução da macroeconomia   3.1 A macroeconomia antes da Teoria Geral; 3.2 A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda;  3.3 Da Teoria Keynesiana à Síntese Neoclássica;  3.4 Os Monetaristas;  3.5 Os Novos Clássicos e os Novos-Keynesianos;  3.6 Os Pós-Keynesianos;  3.7 A Teoria do Desequilíbrio;  3.8 A Nova Teoria do Crescimento;  3.9 Os Modelos que serão desenvolvidos.
Referências Bibliográficas BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S.  Macroeconomia : Teorias e Aplicações à Economia Brasileira. Campinas: Alínea, 2006 BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S.  A Curva de Phillips e a  Economia Brasileira.  Revista Pesquisa e Debate , v.15, n.1, p.131-162, 2004 BLANCHARD, O.  Macroeconomia : teoria e política econômica. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001.  PINHO, D.B. e VASCONCELLOS, M.A.S. (Orgs)  Manual de economia . 2 a  edição. São Paulo: Saraiva, 1992.  MANKIW, N.G.  Macroeconomia : Rio de Janeiro: LTC, 2004.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
Ivanildo Moreira
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Luciano Pires
 
Contabilidade de custos para produção editorial
Contabilidade de custos para produção editorialContabilidade de custos para produção editorial
Contabilidade de custos para produção editorial
Guilherme Carvalho
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Luciano Pires
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Luciano Pires
 
Teoria De ProduçãO
Teoria De ProduçãOTeoria De ProduçãO
Teoria De ProduçãO
ecsette
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Felipe Leo
 
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Thaís Ferreira
 
Economia – inflação e emprego
Economia – inflação e empregoEconomia – inflação e emprego
Economia – inflação e emprego
Felipe Leo
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
Ewerton Uchôa
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
Mitsubishi Motors Brasil
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
Felipe Leo
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Luciano Pires
 
Apostila introdução a economia
Apostila introdução a economiaApostila introdução a economia
Apostila introdução a economia
Marcos Souza
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
Luciano Pires
 
Aula 05 consumidores, produtores e eficiência dos mercados
Aula 05   consumidores, produtores e eficiência dos mercadosAula 05   consumidores, produtores e eficiência dos mercados
Aula 05 consumidores, produtores e eficiência dos mercados
petecoslides
 
mark up www.tc58n.wordpress.com
mark up  www.tc58n.wordpress.commark up  www.tc58n.wordpress.com
mark up www.tc58n.wordpress.com
Claudio Parra
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Luciano Pires
 

Mais procurados (20)

Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
 
Contabilidade de custos para produção editorial
Contabilidade de custos para produção editorialContabilidade de custos para produção editorial
Contabilidade de custos para produção editorial
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
 
Teoria De ProduçãO
Teoria De ProduçãOTeoria De ProduçãO
Teoria De ProduçãO
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
 
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14
 
Economia – inflação e emprego
Economia – inflação e empregoEconomia – inflação e emprego
Economia – inflação e emprego
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
 
Apostila introdução a economia
Apostila introdução a economiaApostila introdução a economia
Apostila introdução a economia
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
Aula 05 consumidores, produtores e eficiência dos mercados
Aula 05   consumidores, produtores e eficiência dos mercadosAula 05   consumidores, produtores e eficiência dos mercados
Aula 05 consumidores, produtores e eficiência dos mercados
 
mark up www.tc58n.wordpress.com
mark up  www.tc58n.wordpress.commark up  www.tc58n.wordpress.com
mark up www.tc58n.wordpress.com
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
 

Destaque

Cap1 macro
Cap1 macroCap1 macro
Cap1 macro
Roberto Arruda
 
Cap3 macro
Cap3 macroCap3 macro
Cap3 macro
Roberto Arruda
 
Cap5 macro
Cap5 macroCap5 macro
Cap5 macro
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Roberto Arruda
 
Cap8 macro
Cap8 macroCap8 macro
Cap8 macro
Roberto Arruda
 
Cap12 macro
Cap12 macroCap12 macro
Cap12 macro
Roberto Arruda
 
Cap11 macro
Cap11 macroCap11 macro
Cap11 macro
Roberto Arruda
 
Cap16 macro
Cap16 macroCap16 macro
Cap16 macro
Roberto Arruda
 
Cap15 macro
Cap15 macroCap15 macro
Cap15 macro
Roberto Arruda
 
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades CooperativasAula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Erick Cotta
 
Cap13 macro
Cap13 macroCap13 macro
Cap13 macro
Roberto Arruda
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Luciano Pires
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
Daniel Moura
 
Cap7 macro
Cap7 macroCap7 macro
Cap7 macro
Roberto Arruda
 
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 20121001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
Scarlatt Polidoro
 
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc   microeconomia - 01-2013 - introduçãoPuc   microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUC/GO
 
Eco 2
Eco 2Eco 2
Macroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RIMacroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RI
José Vinci
 
Curva de Possibilidades de Produção
Curva de Possibilidades de ProduçãoCurva de Possibilidades de Produção
Curva de Possibilidades de Produção
Yuri Silver
 
Macroeconomia ppt
Macroeconomia pptMacroeconomia ppt
Macroeconomia ppt
romina gonzalez
 

Destaque (20)

Cap1 macro
Cap1 macroCap1 macro
Cap1 macro
 
Cap3 macro
Cap3 macroCap3 macro
Cap3 macro
 
Cap5 macro
Cap5 macroCap5 macro
Cap5 macro
 
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
 
Cap8 macro
Cap8 macroCap8 macro
Cap8 macro
 
Cap12 macro
Cap12 macroCap12 macro
Cap12 macro
 
Cap11 macro
Cap11 macroCap11 macro
Cap11 macro
 
Cap16 macro
Cap16 macroCap16 macro
Cap16 macro
 
Cap15 macro
Cap15 macroCap15 macro
Cap15 macro
 
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades CooperativasAula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
 
Cap13 macro
Cap13 macroCap13 macro
Cap13 macro
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
 
Cap7 macro
Cap7 macroCap7 macro
Cap7 macro
 
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 20121001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
 
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc   microeconomia - 01-2013 - introduçãoPuc   microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
 
Eco 2
Eco 2Eco 2
Eco 2
 
Macroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RIMacroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RI
 
Curva de Possibilidades de Produção
Curva de Possibilidades de ProduçãoCurva de Possibilidades de Produção
Curva de Possibilidades de Produção
 
Macroeconomia ppt
Macroeconomia pptMacroeconomia ppt
Macroeconomia ppt
 

Semelhante a Cap2 macro

aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naciaula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
ericap22092
 
Ficha de exercicios
Ficha de exerciciosFicha de exercicios
Ficha de exercicios
Emília Reiz
 
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptxREC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
Sher Hamid
 
Ap2
Ap2Ap2
Contabilidade nacional 2011
Contabilidade nacional   2011Contabilidade nacional   2011
Contabilidade nacional 2011
Ribeiro Miguel
 
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.pptCapitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
MairaLuizaSpanholi
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
bergerbird
 
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.pptAula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
diodatojose
 
SlideBlanchardCapitulo222222222222222222
SlideBlanchardCapitulo222222222222222222SlideBlanchardCapitulo222222222222222222
SlideBlanchardCapitulo222222222222222222
Giovanna723155
 
E 2a07
E 2a07E 2a07
E 2a07
Angelo Yasui
 
Matéria avi macroeconomia
Matéria avi  macroeconomiaMatéria avi  macroeconomia
Matéria avi macroeconomia
Alexandra Peres
 
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdfAula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
25spwpksgw
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Felipe Leo
 
Opticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesaOpticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesa
duartealbuquerque
 
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominaisPib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
artelajeans
 
Aula 12 quantificando a renda nacional
Aula 12   quantificando a renda nacionalAula 12   quantificando a renda nacional
Aula 12 quantificando a renda nacional
petecoslides
 
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalResumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Raffaella Ergün
 
Macro economia
Macro economiaMacro economia
Macro economia
Edgar Miertschink
 
Macroeconomia
MacroeconomiaMacroeconomia
Macroeconomia
simuladocontabil
 
Indicadores econômicos
Indicadores econômicosIndicadores econômicos
Indicadores econômicos
Suzana Dias
 

Semelhante a Cap2 macro (20)

aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naciaula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
 
Ficha de exercicios
Ficha de exerciciosFicha de exercicios
Ficha de exercicios
 
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptxREC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
 
Ap2
Ap2Ap2
Ap2
 
Contabilidade nacional 2011
Contabilidade nacional   2011Contabilidade nacional   2011
Contabilidade nacional 2011
 
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.pptCapitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
 
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.pptAula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
 
SlideBlanchardCapitulo222222222222222222
SlideBlanchardCapitulo222222222222222222SlideBlanchardCapitulo222222222222222222
SlideBlanchardCapitulo222222222222222222
 
E 2a07
E 2a07E 2a07
E 2a07
 
Matéria avi macroeconomia
Matéria avi  macroeconomiaMatéria avi  macroeconomia
Matéria avi macroeconomia
 
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdfAula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
 
Opticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesaOpticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesa
 
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominaisPib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
 
Aula 12 quantificando a renda nacional
Aula 12   quantificando a renda nacionalAula 12   quantificando a renda nacional
Aula 12 quantificando a renda nacional
 
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalResumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
 
Macro economia
Macro economiaMacro economia
Macro economia
 
Macroeconomia
MacroeconomiaMacroeconomia
Macroeconomia
 
Indicadores econômicos
Indicadores econômicosIndicadores econômicos
Indicadores econômicos
 

Mais de Roberto Arruda

Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012
Roberto Arruda
 
Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012
Roberto Arruda
 
Artigo equina jan fev 201239
Artigo equina jan fev 201239Artigo equina jan fev 201239
Artigo equina jan fev 201239
Roberto Arruda
 

Mais de Roberto Arruda (20)

Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011
 
Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011
 
Artigo equina 36
Artigo equina 36Artigo equina 36
Artigo equina 36
 
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
 
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
 
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
 
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
 
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
 
Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011
 
Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012
 
Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012
 
Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012
 
Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011
 
Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011
 
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
 
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
 
Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012
 
Artigo equina 42
Artigo equina 42Artigo equina 42
Artigo equina 42
 
Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012
 
Artigo equina jan fev 201239
Artigo equina jan fev 201239Artigo equina jan fev 201239
Artigo equina jan fev 201239
 

Último

Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Divina Vitorino
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
barbosajucy47
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 

Último (7)

Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 

Cap2 macro

  • 1. Capítulo 2 Revisão de Alguns Tópicos de Contabilidade Social
  • 2. Aula Anterior CAPÍTULO 1 –Definição de macroeconomia e delimitação de seu campo de atuação 1.1 Definição de Macroeconomia; 1.2 O nível de abstração da macroeconomia; 1.3 Fatores que levam à evolução dos modelos macroeconômicos; 1.4 Controvérsias entre os macroeconomistas; 1.5 Indicadores de desempenho de uma economia.
  • 3. Nesta Aula CAPÍTULO 2 – Revisão de alguns tópicos de Contabilidade Social 2.1 O Conceito de Produto; 2.2 Taxa de Desemprego; 2.3 Nível Geral de Preços e Taxa de Inflação; 2.4 Déficit orçamentário; 2.5 Déficit comercial; 2.6 Relação entre os agregados econômicos.
  • 4. O que é Contabilidade Social? Contabilidade Social é a parte das Ciências Econômicas que se dedica à conceituação dos principais agregados econômicos e à discussão de como eles devem ser mensurados. Entre esses agregados econômicos, destacam-se: produto, emprego (e taxa de desemprego), nível geral de preço (e taxa de inflação), déficit orçamentário e déficit comercial.
  • 5. Como se interagem a contabilidade social e a teoria macroeconômica? A contabilidade social define e discute maneiras de mensurar os agregados econômicos. A teoria macroeconômica estabelece maneiras de interrelacionar os agregados econômicos, criando modelos que reproduzem o funcionamento da economia.
  • 6. Tópicos considerados O conceito de produto Taxa de desemprego Nível geral de preços e taxa de inflação Déficit orçamentário Déficit comercial Relação entre os agregados econômicos
  • 7. Produto Nacional Bruto Produto Nacional Bruto (PNB) é o valor monetário de todos os bens e serviços finais produzidos com fatores de produção pertencentes aos indivíduos de uma nação em determinado período de tempo.
  • 8. Produto Interno Bruto Produto Interno Bruto (PIB) é o valor monetário de todos os bens e serviços finais produzidos com fatores de produção situados dentro dos limites geográficos de uma nação em determinado período de tempo.
  • 9. Pontos a Considerar Quatro pontos precisam ser considerados: PIB e PNB são cifras monetárias que mensuram a dimensão da economia. Exemplo: PIB do Brasil (a preços de 2006) 2005 R$ 2,248 Trilhão 2006 R$ 2,333 Trilhão Taxa de Crescimento =
  • 10. 2) Tanto PIB quanto PNB computam apenas bens e serviços finais. Pontos a Considerar Bens e serviços Finais: se destinam ao consumo ou exportação Intermediários: se usado na produção de outro bem ou serviço
  • 11. 3) O PIB e o PNB avaliam o fluxo de Bens e Serviços finais produzidos na economia em determinado período de Tempo. Pontos a Considerar Variável Fluxo: é mensurada em um período de tempo Estoque: é mensurada em um momento do tempo.
  • 12. 4) O PNB atém-se aos proprietários dos fatores de produção utilizados no processo de produção. O PIB atém-se à localização dos fatores de produção utilizados no processo de produção. Pontos a Considerar Fatores de Produção Terra Trabalho Capital
  • 13. Relações entre PIB e PNB Considere que: REE = Renda Enviada ao Exterior RRE = Renda Recebida do Exterior PNB dentro do país = PIB – REE PNB fora do país = RRE
  • 14. Relações entre PIB e PNB PNB dentro do país + PNB fora do país = PNB PNB = PIB – REE + RRE se RLEE = Renda Líquida enviada ao Exterior = REE – RRE PNB = PIB – RLEE
  • 15. Relações entre PIB e PNB Exemplos: PIB = 100 RLEE = 10 PNB = 90 PIB = 100 RLEE = -10 PNB = 110 Se RLEE > 0 PIB > PNB (Ex. Brasil) RLEE < 0 PIB < PNB (Ex. EUA)
  • 16. Modos de Calcular o PIB (Y) Como se verá a frente, o PIB é igual a renda e nos EUA usava-se a palavra yield para se referir à renda. Daí, o uso de Y para se referir ao PIB. Há quatro maneiras de se mensurar o PIB: Calcula-se o PIB pela soma de bens e serviços finais produzidos na economia Calcula-se o PIB pela soma de valores adicionados/agregados Calcula-se o PIB pela soma dos elementos que o absorve Calcula-se o PIB pela soma dos elementos que absorvem a renda gerada pelo PIB
  • 17. Valor Adicionado (VA) Valor Adicionado (VA) é o acréscimo de valor a um bem intermediário advindo da utilização de serviços de fatores de produção visando elaborar um novo bem intermediário ou um bem final. VA = Receita – Consumo Intermediário (CI)
  • 18. VA é a soma das remunerações feitas aos fatores de produção utilizados no processo de produção. Valor Adicionado (VA) Fatores de Produção Remuneração Terra Trabalho Capital Aluguel (A) Salários (W) Juros (J) Lucros (L)
  • 19. VA = W + L + J + A No Brasil usa-se ambas equações no cálculo do PIB, que é a ótica da renda gerada. Isto é, PIB: VA = VBP – CI VA = W + L + J + A em que VBP = Valor Bruto da Produção PIB = Renda Interna Bruta Valor Adicionado (VA)
  • 20. PIB pelos elementos que o Absorvem Y + M = C + Ir + G + X M = Importações de Bens e serviços Em que: Ir = Investimento Privado Realizado C = Consumo das Famílias G = Gastos do Governo X = Exportações de Bens e Serviços Y = C + Ir + G + X - M
  • 21. Balanço de Pagamentos Balança Comercial Balanço de Serviços (não- fatores) Balanço de Rendas (L, J, A e W) Transferências Unilaterais (Donativos) Saldo do Balanço de Pagamentos em transações Correntes: SBPTC (I + II + III + IV) Conta Capital e Financeira Erros e Omissões Saldo Total do Balanço de Pagamentos (V + VI + + VII)
  • 22. Balanço de Pagamentos VIII) Saldo Total do Balanço de Pagamentos Variação das Reservas Internacionais X – M = I + II + III I a VIII: Contas Operacionais: Aumento + Diminuição - IX: Conta de Caixa: Aumento – Diminuição +
  • 23. PIB pelos elementos que absorvem a renda gerada Y = Renda Interna = C + S + T + Rf Em que: S = Poupança do Setor privado C = Consumo das Famílias T = Tributos Rf = Remessa Líquida ao Exterior
  • 24. Poupança Poupança do Setor Privado = Poupança das Famílias + Poupança das Empresas Econômica: Fluxo = Y - C - T - Rf Financeira: Estoque = Riqueza Rf = Donativos Enviados ao Exterior – Donativos Recebidos do Exterior = = - Conta IV Poupança
  • 25. Modos de Considerar o PIB nos Modelos e Análises Macroeconômicas Produto Real Versus Produto Nominal PIB Nominal ou PIB a preços correntes é mensurado a preços de cada ano. PIB Real é o PIB mensurado a preços de um ano Base. Ex. da economia que produz calças e arroz.
  • 26. Modos de Considerar o PIB nos Modelos e Análises Macroeconômicas 2) Níveis de Produto, Nominal ou Real, Versus Crescimento do Produto PIB Nominal = Y PIB Real = y Taxa de Crescimento =
  • 27. Modos de Considerar o PIB nos Modelos e Análises Macroeconômicas 3) PIB Versus PIB per capita Expressos em: R$ Correntes R$ Deflacionados US$ Correntes
  • 28. Brasil: Evolução do PIB Fonte: Ipeadata 5.740 3,75% 2.333 2.333 2006 5.610 3,16% 2.249 2.147 2005 5.516 5,71% 2.180 1.941 2004 5.294 1,15% 2.062 1.700 2003 5.311 2,66% 2.038 1.478 2002 5.250 1,31% 1.986 1.302 2001 5.258 4,31% 1.960 1.179 2000 5.117 0,25% 1.879 1.065 1999 5.181 0,04% 1.874 979 1998 5.257 3,38% 1.874 939 1997 PIB per capita (em US$ de 2006) Taxa de Crescimento do PIB Deflacionado PIB Deflacionado em R$ bilhões de 2006 PIB Nominal (R$ bilhões) Período
  • 29. Modos de Considerar o PIB nos Modelos e Análises Macroeconômicas 4) PIB Efetivo Versus PIB Potencial PIB Efetivo : valor monetário do total de bens e serviços finais efetivamente produzidos com fatores de produção situados em dados país em determinado período de tempo. PIB Potencial : valor monetário do total de bens e serviços finais que podem ser produzidos com a alocação econômica dos fatores de produção situados em dados país em determinado período de tempo.
  • 30. Hiato do Produto Hiato do Produto = y potencial – y Se Hiato do Produto < 0: Pressão Inflacionária Hiato do Produto > 0: Deflação
  • 31. O Ciclo de Negócios Produto Tempo Produto Potencial Produto Efetivo Pico Pico Pico Fundo Fundo Recessão Recessão Crescimento Crescimento
  • 32. A Taxa de Desemprego Emprego Efetivo (N) = Empregados Força de Trabalho = Empregados + + Desempregados Taxa de Desemprego ( µ ) =
  • 33. µ = A Taxa de Desemprego Taxa de Desemprego Oculto Taxa de Desemprego Aberto
  • 34. Taxa de Desemprego Total = Taxa de Desemprego Aberto + Taxa de Desemprego Oculto Taxa Natural de Desemprego A Taxa de Desemprego
  • 35. Taxa de Desemprego na RMSP Fonte: Ipeadata 0,9% 3,3% 4,2% 9,3% 13,5% dez/2007 1,5% 3,7% 5,2% 9,0% 14,2% dez/2006 1,4% 4,7% 6,1% 9,7% 15,8% dez/2005 1,6% 5,4% 7,0% 10,0% 17,0% dez/2004 2,0% 5,0% 7,0% 12,0% 19,0% dez/2003 1,9% 5,2% 7,1% 11,4% 18,5% dez/2002 1,6% 4,6% 6,2% 11,6% 17,8% dez/2001 1,8% 4,4% 6,2% 10,0% 16,2% dez/2000 Desalento Precário Subtotal Aberto Total Mês Oculto
  • 36. A Lei de Okun A lei de Okun é uma relação empírica negativa entre o crescimento do PIB e taxa de desemprego. y   N   µ 
  • 37. A Lei de Okun Relação entre taxa de crescimento do PIB e taxa de desemprego B A C 1,5 2 4 Taxa de crescimento do PIB Variações da taxa de desemprego 0 -1 Taxa de desemprego Taxa de crescimento do PIB Brasil: 1981 a 2002 Fonte: Ipeadata
  • 38. Nível Geral de Preços e Taxa de Inflação Quatro Pontos a considerar: 1- Definição do nível de geral de preços 2- Definição e modo de cálculo da taxa de Inflação 3- Relação entre a taxa de desemprego e a taxa de inflação 4- Efeitos perversos da inflação na economia
  • 39. Nível Geral de Preços Nível geral de preços é um índice de evolução da média ponderada de preços dos diferentes bens e serviços, sendo a base igual a 1.
  • 40. Considere a Economia com N tipos de bens e serviços: N preços: P 1 , P 2 , P 3 , ..., P N N pesos: W 1 + W 2 + W 3 + ... + W N = 1 Diversos Períodos: 0, 1, 2, 3, .... (indicado pelo sobrescrito) Nível Geral de Preços
  • 41. Período 0: Período 1: Nível Geral de Preços
  • 42. Nível Geral de Preços X 2 /X 0 X 2 2 X 1 /X 0 X 1 1 1 X 0 0 Nível de Preço Média de Preço Período
  • 43. Deflacionamento Na estatística: Na macroeconomia:
  • 44. Inflação A inflação é uma situação de aumentos contínuos e generalizados dos preços de bens e serviços em uma economia. A inflação é uma situação de aumento do nível geral de preços da economia.
  • 45. Taxa de Inflação Taxa de Inflação: Exemplos de indicadores da taxa de inflação: Deflator do PIB Índice de Custo de Vida (ICV).
  • 46. Deflator do PIB Deflator do PIB é o preço médio de todos os bens e serviços finais produzidos em uma economia. Ex. da economia que produz calças e arroz.
  • 47. Índice de Preços ao Consumidor O índice de preços ao consumidor (IPC) é o custo em moeda corrente de uma determinada lista de bens e serviços finais ao longo do tempo. O IPC inclui bens importados, mas não os bens exportados. Deflator do PIB inclui os bens exportados.
  • 48. Relação entre índice de preços e nível de preços
  • 49. Brasil: Taxas de Inflação Fonte: Ipeadata n.d. 7,90% 4,46% 2007 4,72% 3,80% 3,14% 2006 7,21% 1,23% 5,69% 2005 8,04% 12,13% 7,60% 2004 13,73% 7,66% 9,30% 2003 10,55% 26,41% 12,53% 2002 8,97% 10,40% 7,67% 2001 6,18% 9,80% 5,97% 2000 8,48% 19,99% 8,94% 1999 4,24% 1,71% 1,66% 1998 Deflator do PIB IGP-DI IPCA Ano
  • 50. Relação entre Inflação e Desemprego Na década de 1950 Arthur Phillips verificou relação inversa entre taxa de desemprego e taxa de variação de salários.
  • 51. Curva de Phillips Foi observado posteriormente que havia relação inversa entre taxa de desemprego e taxa de inflação. Curva de Phillips modificada
  • 52. Considere que o preço é fixado sobre custo direto de produção. P = (1+margem de lucro). CDU Em que: (1+margem de lucro) = m = mark-up CDU= Custo Direto Unitário Curva de Phillips
  • 53. CDU = (W/PMeT) em que: W = Salário PMeT = Produto Médio do Trabalho. Curva de Phillips
  • 54. P = m . CDU P = m (W/PMeT) (I) Aplicando ln em (I) e derivando em relação ao tempo: Curva de Phillips
  • 55. Curva de Phillips Equação da Curva de Phillips modificada
  • 56. A curva de Phillips para a Economia Brasileira Fonte: Bacha e Lima (2004)
  • 57. A Construção de Friedman - Phelps NAIRU: Non-accelerating-Inflation Rate of Unemplyment. = taxa de desemprego que não acelera a inflação .
  • 58. Efeitos Perversos da Inflação Causa Redistribuição da Renda Distorce a Alocação de Recursos dentro da Economia Gera Incerteza
  • 59. Déficit Orçamentário Déficit orçamentário (= déficit público) é o excesso de gastos do governo em relação a suas receitas D = G – T A questão é: qual a forma de financiar o déficit público????? Via Emissão de Meda Via Emissão de Títulos
  • 60. Déficit Orçamentário Déficit orçamentário (= déficit público) é o excesso de gastos do governo em relação a suas receitas D = G – T A presença de déficit orçamentário afeta as expectativas dos agentes econômicos, alterando suas decisões sobre consumo e investimento. Isto afeta o PIB do país.
  • 61. Déficit Comercial Déficit comercial é o excesso de importação de mercadorias em relação as exportações de mercadorias. O déficit comercial é o saldo negativo da Conta I do Balanço de Pagamentos.
  • 62. Déficit Comercial Espera-se que, em condições coeteris paribus , uma redução do PIB venha acompanhada de redução do déficit comercial ou até mesmo superávit comercial. Um déficit comercial persistente implicará pressões sobre a taxa de câmbio quando a entrada de capitais externos no país diminuir.
  • 63. Relação entre os Agregados Econômicos Diversas relações podem surgir entre crescimento do PIB, taxa de desemprego, taxa de inflação, déficit orçamentário, e déficit comercial segundo o choque inicial da economia e seu ajustamento. EX: Reduzir o Déficit Comercial Reduzir o Déficit Público
  • 64. Próxima Aula CAPÍTULO 3 – Visão geral da evolução da macroeconomia 3.1 A macroeconomia antes da Teoria Geral; 3.2 A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda; 3.3 Da Teoria Keynesiana à Síntese Neoclássica; 3.4 Os Monetaristas; 3.5 Os Novos Clássicos e os Novos-Keynesianos; 3.6 Os Pós-Keynesianos; 3.7 A Teoria do Desequilíbrio; 3.8 A Nova Teoria do Crescimento; 3.9 Os Modelos que serão desenvolvidos.
  • 65. Referências Bibliográficas BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia : Teorias e Aplicações à Economia Brasileira. Campinas: Alínea, 2006 BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. A Curva de Phillips e a Economia Brasileira. Revista Pesquisa e Debate , v.15, n.1, p.131-162, 2004 BLANCHARD, O. Macroeconomia : teoria e política econômica. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001. PINHO, D.B. e VASCONCELLOS, M.A.S. (Orgs) Manual de economia . 2 a edição. São Paulo: Saraiva, 1992. MANKIW, N.G. Macroeconomia : Rio de Janeiro: LTC, 2004.