SlideShare uma empresa Scribd logo
Índice
Introdução......................................................................................................................... 2
Objectivos......................................................................................................................... 3
Objectivo geral ................................................................................................................. 3
Objectivos específicos...................................................................................................... 3
Metodologia...................................................................................................................... 3
Custos ............................................................................................................................... 4
Classificação dos custos ................................................................................................... 4
Sistemas de custeio nas empresas industriais................................................................... 5
Custeio global ou total .................................................................................................. 5
Custeio Variável ........................................................................................................... 6
Custeio Racional........................................................................................................... 7
Exemplos práticos ............................................................................................................ 8
Conclusão ....................................................................................................................... 12
Referencias Bibliográficas.............................................................................................. 13
Richard Saria Zacarias Página 2
Introdução
O sistema de custeio é um tema que geralmente se encontra na literatura da
especialidade, quando se pretende abordar a temática dos custos.
Os sistemas de custeio das empresas industriais focam-se no produto. Os custos são
atribuídos directamente aos produtos pressupondo-se que cada produto consome
recursos na proporção directa do seu volume de produção.
Os sistemas das empresas industriais de apuramento de custo apresentam-se
actualmente com uma utilidade muito reduzida para os gestores. O seu contributo para o
apoio à tomada de decisão é limitado, devido à distorção provocada pelos critérios de
absorção dos custos das actividades de suporte (vulgarmente conhecidos como custos
indirectos).
Ao longo deste trabalho vai-se falar acerca de uma das ferramentas muito importantes
na Contabilidade de custos que é o sistema de custeios nas empresas industriais, onde
vai-se falar dos principais custeios que são, global, variável e racional.
Richard Saria Zacarias Página 3
Objectivos
Objectivo geral
 Dar a conhecer acerca do sistema de custeio nas empresas industriais.
Objectivos específicos
 Conhecer os tipos de sistemas de custeio usados ;
 Ter noção do sistema global, variável e racional;
 Saber diferenciar os custeios das empresas industriais
 Conhecer os principais tipos de sistemas de custeios usados nas industrias.
Metodologia
Para elaboração deste trabalho foi feito uma revisão bibliográfica. Onde foi usado o
método indutivo, que é um método responsável pela generalização, isto é, partimos de
algo particular para uma questão mais ampla, mais geral.
Para Lakatos e Marconi (2007:86), Indução é um processo mental por intermédio do
qual, partindo de dados particulares, suficientemente constatados, infere-se uma verdade
geral ou universal, não contida nas partes examinadas. Portanto, o objectivo dos
argumentos indutivos é levar a conclusões cujo conteúdo é muito mais amplo do que o
das premissas nas quais nos baseia-mos.
Richard Saria Zacarias Página 4
Custos
“Custo é gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens ou
serviços.” (MARTINS 2009)
Custo é todo e qualquer valor aplicado no momento da produção de mercadorias ou da
oferta de serviços da empresa, como mão de obra, matéria-prima, insumos, além da
quantia despendida com energia eléctrica, manutenção, depreciação de máquinas e
equipamentos, materiais de limpeza e conservação, entre outros.
Classificação dos custos
segundo (MARTINS 2009):
A classificação de Custos entre Directos e Indirectos é com relação ao produto feito ou
serviço prestado, e não à produção no sentido geral ou aos departamentos dentro da
empresa.
Directos: todo tipo de investimento que é directamente ligado à construção do produto
ou serviço oferecido pela empresa, como matéria-prima, mão de obra, insumos, entre
outros. São os mais fáceis de identificar.
Indirectos: tipos de investimentos ligados à produção dos bem ou serviços oferecidos,
porém de forma indirecta. São itens como manutenção, limpeza, almoxarifado,
logística, energia eléctrica, alimentação e todos os demais gastos de fabricação que não
incidem directamente sobre o produto em si.
Sistema de custeio
É conjunto de procedimentos que determinam a forma como é efectuado o apuramento
dos preços de transferência e consequentemente o resultado de cada actividade.
Preço de transferência
O preço de transferência é valor atribuído a um produto que é produzido numa
actividade (por exemplo, uva) e utilizado numa outra actividade (por exemplo,
vinificação).
Richard Saria Zacarias Página 5
Sistemas de custeio nas empresas industriais
Os sistemas de custeio nas empresas industriais focam-se no produto. Os custos são
atribuídos directamente aos produtos pressupondo-se que cada produto consome
recursos na proporção directa do seu volume de produção.
Desta forma, atributos de volume, como o número de horas de trabalho directo, de
utilização de máquina ou o custo das matérias-primas são os factores utilizados para a
repartição dos custos administrativos. Este facto fez com que, na maior parte das
situações, houvesse uma sobrecarga dos custos nos departamentos produtivos em
detrimento de outros departamentos auxiliares.
Os métodos usados em empresas industriais preocupam-se preferencialmente com a
valorização dos inventários e consideram unicamente os custos de fabricação.
Custeio global ou total
No Custeio Global, também conhecido por Custeio Total ou Custeio por Absorção, os
custos dos produtos são calculados com base nos custos realmente apurados pela
Contabilidade no período, sejam de natureza fixa ou variável. O custo do produto
engloba o custo real das matérias-primas e os custos de transformação reais apurados
através da soma dos custos directos.
Este tipo de sistema de custeio obriga a que as valorizações dos elementos na
contabilidade de custos sejam efectuadas pela seguinte ordem: compras, entradas e
saídas das matérias em armazém; custos de transformação (centros principais e centros
auxiliares); custos de produção; entradas e saídas de produtos acabados em armazém;
demonstração de resultados.
Na valorização dos consumos de matérias-primas é necessário apurar o custo real, logo
todos os custos inerentes à sua aquisição são necessários para determinar o custo
respectivo com base no critério valorimétrico.
De seguida, se adicionarmos aos custos directos reais das secções fabris os valores de
imputação vamos obter os custos de transformação. Os custos de produção abrangem os
custos reais das matérias-primas incorporadas bem como os custos de transformação e
por último os produtos acabados dão entrada no armazém pelo custo de produção e são
valorizados de acordo com o critério adoptado na organização.
Richard Saria Zacarias Página 6
No Custeio Total todos os custos da exploração são contabilizados e são distribuídos
pelas diferentes actividades. Neste caso todos os custos não específicos são distribuídos
pelas actividades. O custo final unitário dos produtos inclui todos os custos da
exploração. Ao vender os produtos acima do custo calculado o gestor está a garantir que
cobre todos os custos da exploração.
Chave de imputação
Chave de imputação é uma ferramenta para a distribuição de custos não específicos com
base na sensibilidade do gestor, não se baseando em dados reais observados. Chama-se
chave de imputação a todos os modos utilizados pelo gestor de distribuição de custos
não específicos pelas actividades com vista à obtenção de um custeio total.
O sistema de custeio total constitui os seguintes custos de período:
 Matérias directos;
 MOD;
 GGF variáveis;
 GGF fixos.
Neste sistema de custeio total não tem muito interesse em diferenciar os custos variáveis
e fixos dado que todos são considerados custos dos produtos.
Custeio Variável
No Custeio Variável, também conhecido por Direct Costing, só se consideram os custos
variáveis para o cálculo do custo do produto fabricado, uma vez que apenas estes custos
variam com o nível de produção. Para isso é necessário definir previamente os
correspondentes custos básicos de compras, centros de custo e fabricação.
Quanto aos custos fixos da fábrica, por estes não dependerem da variação da produção,
mas antes custos que a empresa tem de suportar para poder produzir, estes são
considerados pela Contabilidade como custos do período, sendo por isso retirados à
margem bruta dando origem à margem de contribuição.
No Custeio Variável apenas os custos variáveis são atribuídos às actividades. A
totalidade de custos fixos é tratada como sendo custos não específicos. Ao vender os
produtos acima do custo calculado o gestor garante a sustentabilidade de curto prazo das
actividades - todos os custos variáveis estão cobertos. Do mesmo modo, um resultado
Richard Saria Zacarias Página 7
de actividade positivo, neste caso, apenas garante a viabilidade da actividade a curto
prazo.
O sistema de custeio variável constitui os seguintes custos dos produtos:
 Matérias directos;
 MOD;
 GGF variáveis
Note que a parte fixa dos GGF’s não constitui custo dos produtos, mas do período.
Custeio Racional
O método de imputação racional de custos fixos é um método de cálculo dos custos de
produção que tem como objectivo isolar os efeitos de uma variação de actividade sobre
os custos, quer dos centros de custos quer dos produtos.
O princípio deste método é bastante simples, uma vez que assenta numa rectificação do
montante de custos fixos ou de estrutura que devem ser considerados no cálculo dos
custos, obtida pela aplicação de um ou mais níveis de actividades.
O coeficiente de imputação racional é obtido através do quociente entre a actividade
real e a actividade normal e aplicado aos custos de transformação fixos.
Este sistema de custeio não inclui a parte dos custos fixos ou de estrutura
correspondentes à capacidade não utilizada, os custos fixos considerados no custo de
produção inclui apenas os correspondentes à actividade real.
Embora este método de custeio seja pouco utilizado, os seus fundamentos são tidos em
conta na determinação dos custos previsionais, nomeadamente nas empresas que
trabalham por encomenda.
É o modo mais sofisticado de custeio real e envolve um modo particular de cálculo de
custos unitários de factores de produção com custos fixos.
A imputação racional é uma imputação dos custos fixos aos custos pela relação:
Richard Saria Zacarias Página 8
Exemplos práticos
Custeio total e variável
Considere dados de uma empresa industrial em setembro de 2015:
Quantidades produzidas 6.000 unidades
Custos variáveis por unidade Em contos
1. Matéria directa 2000,00
2. MOD 4.000,00
3. GGF 1.000,00
4. Custo de venda e administrativo variáveis 3.000,00
Custos fixos Em contos
1. GGF 30.000,00
2. Custo de venda e administrativo fixos 10.000,00
Pretende-se
a) Calculo do custo unitário do produto pelo custeio total;
b) Calculo do custo unitário do produto pelo custeio variável.
Richard Saria Zacarias Página 9
Resolução
a) Custo unitário do produto pelo custeio total
Descrição Valor
Mateia directa 2.000,00
MOD 4.000,00
GGF variaveis 1.000,00
Sub total 7.000,00
GGF fixos (30.000,00/6.000,00 u) 5.000,00
Custo unitario 12.000,00
b) Custo unitário do produto pelo custeio variável
Descrição Valor
Mateia directa 2.000,00
MOD 4.000,00
Sub total 6.000,00
GGF variaveis (6.000.000,00/6.000,00 u) 1.000,00
Custo unitario 7.000,00
Supondo que a empresa vendeu 5.000 unidades ao preco de 25,00 mts por unidade,
elabore a demonstração de resultados pelos dois custeios com os seguintes dados:
Custo de produção 60.000,00
Custo de venda e administração variável 15.000,00
Custo de venda e administração fixo 10.000,00
Richard Saria Zacarias Página 10
Resolução
a) Demonstração resultados pelo custeio total
Descrição Valor
Vendas (5.000 u x 25,00) 125.000,00
Custo de Produção 60.000,00
Margem de contribuição 65.000,00
Custo de venda e administração variável 15.000,00
Custo de venda e administração fixo 10.000,00
Resultado operacional 40.000,00
a) Demonstração resultados pelo custeio variável
Descrição Valor
Vendas (5.000 u x 25,00) 125.000,00
Custo de Produção 60.000,00
Margem de contribuição 65.000,00
Custo de venda e administração variável 15.000,00
Resultado operacional 50.000,00
Custeio racional
No mês de Outubro do ano passado, a actividade real de uma oficina foi de 2.000h (Hh)
e a actividade normal era de 2.500 Hh. O coeficiente de imputação racional (AR/AN) é
de 0,8. Os custos de transformação do mês tingiram:
Variavel 207.000,00
Fixos 265.000,00
472.000,00
Richard Saria Zacarias Página 11
Sendo assim os custos de transformação imputáveis aos produtos de acordo com o
método, são:
 Variáveis 207.000,00
 Fixos (265.000,00 x 0,8) 212.000,00
Total 419.000,00
472.000,00 – 419.000,00 = 53.000,00 Diferença de imputação
A diferença de imputação representa a parte de custos fixos não incorporados na
processo produtivo.
Richard Saria Zacarias Página 12
Conclusão
Depois de termos feito o trabalho concluímos que os modelos usados nas empresas
industriais de contabilidade analítica, apontando para uma certa estabilidade dos
factores e estruturas produtivas, tendem a tornar-se inadequados, devido às fraquezas e
distorções provocadas pela imputação de custos numa lógica de absorção. O
apuramento dos custos deve, pois, assentar em modelos com uma capacidade de
resposta que não é conseguida por modelos clássicos de contabilidade analítica.
Constatamos também que no Custeio Global, também conhecido por Custeio Total ou
Custeio por Absorção, os custos dos produtos são calculados com base nos custos
realmente apurados pela Contabilidade no período, sejam de natureza fixa ou variável.
Richard Saria Zacarias Página 13
Referencias Bibliográficas
Bornia, A. (2002). A Análise Gerencial de Custos – Aplicação em Empresas Modernas.
Bookman. São Paulo.
Caiado, A. (2006). Contabilidade Analítica um instrumento para a Gestão. Editora Rei
dos Livros.
Caiado, A. (2009). Contabilidade Analítica e de Gestão. 5ª Edição, Áreas Editora.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A ciência contabilística e a contabilidade de custos
A ciência contabilística e a contabilidade de custosA ciência contabilística e a contabilidade de custos
A ciência contabilística e a contabilidade de custos
Universidade Pedagogica
 
RáCios Financeiros
RáCios FinanceirosRáCios Financeiros
RáCios Financeiros
GabrielBatista
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
rene-de-jesus
 
Contabilidade de gestao
Contabilidade de gestaoContabilidade de gestao
Contabilidade de gestao
Universidade Pedagogica
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
Soraia Cardozo
 
Exerc prat iva
Exerc prat ivaExerc prat iva
Exerc prat iva
zeramento contabil
 
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilísticaContabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Universidade Pedagogica
 
Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018
Mikelina QualquerKoisa
 
Sessão 1 - acréscimos e diferimentos
Sessão 1 - acréscimos e diferimentosSessão 1 - acréscimos e diferimentos
Sessão 1 - acréscimos e diferimentos
Arentia_SA
 
39056621 encerramento-anual-de-contas
39056621 encerramento-anual-de-contas39056621 encerramento-anual-de-contas
39056621 encerramento-anual-de-contas
Jose Paulo Xisto
 
Custos básicos
Custos básicosCustos básicos
Custos básicos
Universidade Pedagogica
 
Noções de fiscalidade
Noções de fiscalidadeNoções de fiscalidade
Noções de fiscalidade
Cristiano Ribeiro
 
Análise Custo-Volume-Resultado
Análise Custo-Volume-ResultadoAnálise Custo-Volume-Resultado
Análise Custo-Volume-Resultado
Paulino Silva
 
Gestao orcamental
Gestao orcamentalGestao orcamental
Gestao orcamental
Universidade Pedagogica
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Sonia Maria Malheiros Soares
 
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
LilianaCaetano8
 
Balanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultadosBalanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultados
Universidade Pedagogica
 
Manual
ManualManual
Contabilidade Modulo 1
Contabilidade   Modulo 1Contabilidade   Modulo 1
Contabilidade Modulo 1
Hilda Pinto Gonçalves
 
Fundo de maneio completo
Fundo de maneio completoFundo de maneio completo
Fundo de maneio completo
Calculos Na Veia
 

Mais procurados (20)

A ciência contabilística e a contabilidade de custos
A ciência contabilística e a contabilidade de custosA ciência contabilística e a contabilidade de custos
A ciência contabilística e a contabilidade de custos
 
RáCios Financeiros
RáCios FinanceirosRáCios Financeiros
RáCios Financeiros
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
 
Contabilidade de gestao
Contabilidade de gestaoContabilidade de gestao
Contabilidade de gestao
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
 
Exerc prat iva
Exerc prat ivaExerc prat iva
Exerc prat iva
 
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilísticaContabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
 
Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018
 
Sessão 1 - acréscimos e diferimentos
Sessão 1 - acréscimos e diferimentosSessão 1 - acréscimos e diferimentos
Sessão 1 - acréscimos e diferimentos
 
39056621 encerramento-anual-de-contas
39056621 encerramento-anual-de-contas39056621 encerramento-anual-de-contas
39056621 encerramento-anual-de-contas
 
Custos básicos
Custos básicosCustos básicos
Custos básicos
 
Noções de fiscalidade
Noções de fiscalidadeNoções de fiscalidade
Noções de fiscalidade
 
Análise Custo-Volume-Resultado
Análise Custo-Volume-ResultadoAnálise Custo-Volume-Resultado
Análise Custo-Volume-Resultado
 
Gestao orcamental
Gestao orcamentalGestao orcamental
Gestao orcamental
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
 
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
 
Balanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultadosBalanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultados
 
Manual
ManualManual
Manual
 
Contabilidade Modulo 1
Contabilidade   Modulo 1Contabilidade   Modulo 1
Contabilidade Modulo 1
 
Fundo de maneio completo
Fundo de maneio completoFundo de maneio completo
Fundo de maneio completo
 

Semelhante a Sistemas de custeio nas empresas.Pdf

Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptxContabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
RogerLevidosSantosRo
 
Custo
CustoCusto
Classificacao dos custos
Classificacao dos custosClassificacao dos custos
Classificacao dos custos
Universidade Pedagogica
 
Apostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custosApostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custos
Mayara Maciel
 
Apuramento de custo de produto
Apuramento de custo de produtoApuramento de custo de produto
Apuramento de custo de produto
Universidade Pedagogica
 
departamentalização
 departamentalização departamentalização
departamentalização
Apolinário Holanda
 
Unidade 1 custo
Unidade 1 custoUnidade 1 custo
Unidade 1 custo
custos contabil
 
Apuramento do custo de produto (ggf)
Apuramento do custo de produto (ggf)Apuramento do custo de produto (ggf)
Apuramento do custo de produto (ggf)
Universidade Pedagogica
 
Apostila custos-ind._e_gestão_estrat._de_custos
Apostila  custos-ind._e_gestão_estrat._de_custosApostila  custos-ind._e_gestão_estrat._de_custos
Apostila custos-ind._e_gestão_estrat._de_custos
odgracio
 
Aula4
Aula4Aula4
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
Marilene Benites
 
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na ProduçãoOs Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Luiz Gustavo de Sassarrão Moraes
 
Custos diretos indiretos
Custos diretos indiretosCustos diretos indiretos
Custos diretos indiretos
simuladocontabil
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
custos contabil
 
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de CusteioAula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
MestredaContabilidade
 
Custos
CustosCustos
Contabilidade e analise de custos
Contabilidade e analise de custosContabilidade e analise de custos
Contabilidade e analise de custos
Samuel Torres de Freitas Lima
 
Introdução à contabilidade de custo
Introdução à contabilidade de custoIntrodução à contabilidade de custo
Introdução à contabilidade de custo
Geraldo Luiz Souza
 
Classifique os custos
Classifique os custosClassifique os custos
Classifique os custos
zeramento contabil
 
Gestão estratégica de custo
Gestão estratégica de custoGestão estratégica de custo
Gestão estratégica de custo
fevechi
 

Semelhante a Sistemas de custeio nas empresas.Pdf (20)

Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptxContabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
 
Custo
CustoCusto
Custo
 
Classificacao dos custos
Classificacao dos custosClassificacao dos custos
Classificacao dos custos
 
Apostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custosApostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custos
 
Apuramento de custo de produto
Apuramento de custo de produtoApuramento de custo de produto
Apuramento de custo de produto
 
departamentalização
 departamentalização departamentalização
departamentalização
 
Unidade 1 custo
Unidade 1 custoUnidade 1 custo
Unidade 1 custo
 
Apuramento do custo de produto (ggf)
Apuramento do custo de produto (ggf)Apuramento do custo de produto (ggf)
Apuramento do custo de produto (ggf)
 
Apostila custos-ind._e_gestão_estrat._de_custos
Apostila  custos-ind._e_gestão_estrat._de_custosApostila  custos-ind._e_gestão_estrat._de_custos
Apostila custos-ind._e_gestão_estrat._de_custos
 
Aula4
Aula4Aula4
Aula4
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
 
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na ProduçãoOs Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
 
Custos diretos indiretos
Custos diretos indiretosCustos diretos indiretos
Custos diretos indiretos
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
 
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de CusteioAula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
 
Custos
CustosCustos
Custos
 
Contabilidade e analise de custos
Contabilidade e analise de custosContabilidade e analise de custos
Contabilidade e analise de custos
 
Introdução à contabilidade de custo
Introdução à contabilidade de custoIntrodução à contabilidade de custo
Introdução à contabilidade de custo
 
Classifique os custos
Classifique os custosClassifique os custos
Classifique os custos
 
Gestão estratégica de custo
Gestão estratégica de custoGestão estratégica de custo
Gestão estratégica de custo
 

Último

APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Sistemas de custeio nas empresas.Pdf

  • 1. Índice Introdução......................................................................................................................... 2 Objectivos......................................................................................................................... 3 Objectivo geral ................................................................................................................. 3 Objectivos específicos...................................................................................................... 3 Metodologia...................................................................................................................... 3 Custos ............................................................................................................................... 4 Classificação dos custos ................................................................................................... 4 Sistemas de custeio nas empresas industriais................................................................... 5 Custeio global ou total .................................................................................................. 5 Custeio Variável ........................................................................................................... 6 Custeio Racional........................................................................................................... 7 Exemplos práticos ............................................................................................................ 8 Conclusão ....................................................................................................................... 12 Referencias Bibliográficas.............................................................................................. 13
  • 2. Richard Saria Zacarias Página 2 Introdução O sistema de custeio é um tema que geralmente se encontra na literatura da especialidade, quando se pretende abordar a temática dos custos. Os sistemas de custeio das empresas industriais focam-se no produto. Os custos são atribuídos directamente aos produtos pressupondo-se que cada produto consome recursos na proporção directa do seu volume de produção. Os sistemas das empresas industriais de apuramento de custo apresentam-se actualmente com uma utilidade muito reduzida para os gestores. O seu contributo para o apoio à tomada de decisão é limitado, devido à distorção provocada pelos critérios de absorção dos custos das actividades de suporte (vulgarmente conhecidos como custos indirectos). Ao longo deste trabalho vai-se falar acerca de uma das ferramentas muito importantes na Contabilidade de custos que é o sistema de custeios nas empresas industriais, onde vai-se falar dos principais custeios que são, global, variável e racional.
  • 3. Richard Saria Zacarias Página 3 Objectivos Objectivo geral  Dar a conhecer acerca do sistema de custeio nas empresas industriais. Objectivos específicos  Conhecer os tipos de sistemas de custeio usados ;  Ter noção do sistema global, variável e racional;  Saber diferenciar os custeios das empresas industriais  Conhecer os principais tipos de sistemas de custeios usados nas industrias. Metodologia Para elaboração deste trabalho foi feito uma revisão bibliográfica. Onde foi usado o método indutivo, que é um método responsável pela generalização, isto é, partimos de algo particular para uma questão mais ampla, mais geral. Para Lakatos e Marconi (2007:86), Indução é um processo mental por intermédio do qual, partindo de dados particulares, suficientemente constatados, infere-se uma verdade geral ou universal, não contida nas partes examinadas. Portanto, o objectivo dos argumentos indutivos é levar a conclusões cujo conteúdo é muito mais amplo do que o das premissas nas quais nos baseia-mos.
  • 4. Richard Saria Zacarias Página 4 Custos “Custo é gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens ou serviços.” (MARTINS 2009) Custo é todo e qualquer valor aplicado no momento da produção de mercadorias ou da oferta de serviços da empresa, como mão de obra, matéria-prima, insumos, além da quantia despendida com energia eléctrica, manutenção, depreciação de máquinas e equipamentos, materiais de limpeza e conservação, entre outros. Classificação dos custos segundo (MARTINS 2009): A classificação de Custos entre Directos e Indirectos é com relação ao produto feito ou serviço prestado, e não à produção no sentido geral ou aos departamentos dentro da empresa. Directos: todo tipo de investimento que é directamente ligado à construção do produto ou serviço oferecido pela empresa, como matéria-prima, mão de obra, insumos, entre outros. São os mais fáceis de identificar. Indirectos: tipos de investimentos ligados à produção dos bem ou serviços oferecidos, porém de forma indirecta. São itens como manutenção, limpeza, almoxarifado, logística, energia eléctrica, alimentação e todos os demais gastos de fabricação que não incidem directamente sobre o produto em si. Sistema de custeio É conjunto de procedimentos que determinam a forma como é efectuado o apuramento dos preços de transferência e consequentemente o resultado de cada actividade. Preço de transferência O preço de transferência é valor atribuído a um produto que é produzido numa actividade (por exemplo, uva) e utilizado numa outra actividade (por exemplo, vinificação).
  • 5. Richard Saria Zacarias Página 5 Sistemas de custeio nas empresas industriais Os sistemas de custeio nas empresas industriais focam-se no produto. Os custos são atribuídos directamente aos produtos pressupondo-se que cada produto consome recursos na proporção directa do seu volume de produção. Desta forma, atributos de volume, como o número de horas de trabalho directo, de utilização de máquina ou o custo das matérias-primas são os factores utilizados para a repartição dos custos administrativos. Este facto fez com que, na maior parte das situações, houvesse uma sobrecarga dos custos nos departamentos produtivos em detrimento de outros departamentos auxiliares. Os métodos usados em empresas industriais preocupam-se preferencialmente com a valorização dos inventários e consideram unicamente os custos de fabricação. Custeio global ou total No Custeio Global, também conhecido por Custeio Total ou Custeio por Absorção, os custos dos produtos são calculados com base nos custos realmente apurados pela Contabilidade no período, sejam de natureza fixa ou variável. O custo do produto engloba o custo real das matérias-primas e os custos de transformação reais apurados através da soma dos custos directos. Este tipo de sistema de custeio obriga a que as valorizações dos elementos na contabilidade de custos sejam efectuadas pela seguinte ordem: compras, entradas e saídas das matérias em armazém; custos de transformação (centros principais e centros auxiliares); custos de produção; entradas e saídas de produtos acabados em armazém; demonstração de resultados. Na valorização dos consumos de matérias-primas é necessário apurar o custo real, logo todos os custos inerentes à sua aquisição são necessários para determinar o custo respectivo com base no critério valorimétrico. De seguida, se adicionarmos aos custos directos reais das secções fabris os valores de imputação vamos obter os custos de transformação. Os custos de produção abrangem os custos reais das matérias-primas incorporadas bem como os custos de transformação e por último os produtos acabados dão entrada no armazém pelo custo de produção e são valorizados de acordo com o critério adoptado na organização.
  • 6. Richard Saria Zacarias Página 6 No Custeio Total todos os custos da exploração são contabilizados e são distribuídos pelas diferentes actividades. Neste caso todos os custos não específicos são distribuídos pelas actividades. O custo final unitário dos produtos inclui todos os custos da exploração. Ao vender os produtos acima do custo calculado o gestor está a garantir que cobre todos os custos da exploração. Chave de imputação Chave de imputação é uma ferramenta para a distribuição de custos não específicos com base na sensibilidade do gestor, não se baseando em dados reais observados. Chama-se chave de imputação a todos os modos utilizados pelo gestor de distribuição de custos não específicos pelas actividades com vista à obtenção de um custeio total. O sistema de custeio total constitui os seguintes custos de período:  Matérias directos;  MOD;  GGF variáveis;  GGF fixos. Neste sistema de custeio total não tem muito interesse em diferenciar os custos variáveis e fixos dado que todos são considerados custos dos produtos. Custeio Variável No Custeio Variável, também conhecido por Direct Costing, só se consideram os custos variáveis para o cálculo do custo do produto fabricado, uma vez que apenas estes custos variam com o nível de produção. Para isso é necessário definir previamente os correspondentes custos básicos de compras, centros de custo e fabricação. Quanto aos custos fixos da fábrica, por estes não dependerem da variação da produção, mas antes custos que a empresa tem de suportar para poder produzir, estes são considerados pela Contabilidade como custos do período, sendo por isso retirados à margem bruta dando origem à margem de contribuição. No Custeio Variável apenas os custos variáveis são atribuídos às actividades. A totalidade de custos fixos é tratada como sendo custos não específicos. Ao vender os produtos acima do custo calculado o gestor garante a sustentabilidade de curto prazo das actividades - todos os custos variáveis estão cobertos. Do mesmo modo, um resultado
  • 7. Richard Saria Zacarias Página 7 de actividade positivo, neste caso, apenas garante a viabilidade da actividade a curto prazo. O sistema de custeio variável constitui os seguintes custos dos produtos:  Matérias directos;  MOD;  GGF variáveis Note que a parte fixa dos GGF’s não constitui custo dos produtos, mas do período. Custeio Racional O método de imputação racional de custos fixos é um método de cálculo dos custos de produção que tem como objectivo isolar os efeitos de uma variação de actividade sobre os custos, quer dos centros de custos quer dos produtos. O princípio deste método é bastante simples, uma vez que assenta numa rectificação do montante de custos fixos ou de estrutura que devem ser considerados no cálculo dos custos, obtida pela aplicação de um ou mais níveis de actividades. O coeficiente de imputação racional é obtido através do quociente entre a actividade real e a actividade normal e aplicado aos custos de transformação fixos. Este sistema de custeio não inclui a parte dos custos fixos ou de estrutura correspondentes à capacidade não utilizada, os custos fixos considerados no custo de produção inclui apenas os correspondentes à actividade real. Embora este método de custeio seja pouco utilizado, os seus fundamentos são tidos em conta na determinação dos custos previsionais, nomeadamente nas empresas que trabalham por encomenda. É o modo mais sofisticado de custeio real e envolve um modo particular de cálculo de custos unitários de factores de produção com custos fixos. A imputação racional é uma imputação dos custos fixos aos custos pela relação:
  • 8. Richard Saria Zacarias Página 8 Exemplos práticos Custeio total e variável Considere dados de uma empresa industrial em setembro de 2015: Quantidades produzidas 6.000 unidades Custos variáveis por unidade Em contos 1. Matéria directa 2000,00 2. MOD 4.000,00 3. GGF 1.000,00 4. Custo de venda e administrativo variáveis 3.000,00 Custos fixos Em contos 1. GGF 30.000,00 2. Custo de venda e administrativo fixos 10.000,00 Pretende-se a) Calculo do custo unitário do produto pelo custeio total; b) Calculo do custo unitário do produto pelo custeio variável.
  • 9. Richard Saria Zacarias Página 9 Resolução a) Custo unitário do produto pelo custeio total Descrição Valor Mateia directa 2.000,00 MOD 4.000,00 GGF variaveis 1.000,00 Sub total 7.000,00 GGF fixos (30.000,00/6.000,00 u) 5.000,00 Custo unitario 12.000,00 b) Custo unitário do produto pelo custeio variável Descrição Valor Mateia directa 2.000,00 MOD 4.000,00 Sub total 6.000,00 GGF variaveis (6.000.000,00/6.000,00 u) 1.000,00 Custo unitario 7.000,00 Supondo que a empresa vendeu 5.000 unidades ao preco de 25,00 mts por unidade, elabore a demonstração de resultados pelos dois custeios com os seguintes dados: Custo de produção 60.000,00 Custo de venda e administração variável 15.000,00 Custo de venda e administração fixo 10.000,00
  • 10. Richard Saria Zacarias Página 10 Resolução a) Demonstração resultados pelo custeio total Descrição Valor Vendas (5.000 u x 25,00) 125.000,00 Custo de Produção 60.000,00 Margem de contribuição 65.000,00 Custo de venda e administração variável 15.000,00 Custo de venda e administração fixo 10.000,00 Resultado operacional 40.000,00 a) Demonstração resultados pelo custeio variável Descrição Valor Vendas (5.000 u x 25,00) 125.000,00 Custo de Produção 60.000,00 Margem de contribuição 65.000,00 Custo de venda e administração variável 15.000,00 Resultado operacional 50.000,00 Custeio racional No mês de Outubro do ano passado, a actividade real de uma oficina foi de 2.000h (Hh) e a actividade normal era de 2.500 Hh. O coeficiente de imputação racional (AR/AN) é de 0,8. Os custos de transformação do mês tingiram: Variavel 207.000,00 Fixos 265.000,00 472.000,00
  • 11. Richard Saria Zacarias Página 11 Sendo assim os custos de transformação imputáveis aos produtos de acordo com o método, são:  Variáveis 207.000,00  Fixos (265.000,00 x 0,8) 212.000,00 Total 419.000,00 472.000,00 – 419.000,00 = 53.000,00 Diferença de imputação A diferença de imputação representa a parte de custos fixos não incorporados na processo produtivo.
  • 12. Richard Saria Zacarias Página 12 Conclusão Depois de termos feito o trabalho concluímos que os modelos usados nas empresas industriais de contabilidade analítica, apontando para uma certa estabilidade dos factores e estruturas produtivas, tendem a tornar-se inadequados, devido às fraquezas e distorções provocadas pela imputação de custos numa lógica de absorção. O apuramento dos custos deve, pois, assentar em modelos com uma capacidade de resposta que não é conseguida por modelos clássicos de contabilidade analítica. Constatamos também que no Custeio Global, também conhecido por Custeio Total ou Custeio por Absorção, os custos dos produtos são calculados com base nos custos realmente apurados pela Contabilidade no período, sejam de natureza fixa ou variável.
  • 13. Richard Saria Zacarias Página 13 Referencias Bibliográficas Bornia, A. (2002). A Análise Gerencial de Custos – Aplicação em Empresas Modernas. Bookman. São Paulo. Caiado, A. (2006). Contabilidade Analítica um instrumento para a Gestão. Editora Rei dos Livros. Caiado, A. (2009). Contabilidade Analítica e de Gestão. 5ª Edição, Áreas Editora.