SlideShare uma empresa Scribd logo
Equipe 01Equipe 01
►Anny Cibelle Machado Girão►Anny Cibelle Machado Girão
►Ivanildo Moreira Lima►Ivanildo Moreira Lima
►Maria Luciene Coelho da►Maria Luciene Coelho da
SilvaSilva
TEMATEMA
InflaçãoInflação
CONCEITO DE INFLAÇÃOCONCEITO DE INFLAÇÃO
Inflação é entendida como um processo pelo qual
ocorre um aumento generalizado nos preços dos
bens e serviços, definidos como sendo uma alta
persistência e generalizada dos preços da
economia. Dentro deste conceito é importante
destacar que a inflação é um processo e não um
fato isolado envolve aumentos contínuos e não
esporádicos de preços e aumentos generalizados
de preços e não isolados. Trata-se de um
fenômeno universal, comum a praticamente todos
os países variando apenas de intensidade e de
época para época.
CONCEITO DE INFLAÇÃOCONCEITO DE INFLAÇÃO
De início, podemos dizer que a inflação representa
um conflito distributivo existente na economia, mal
administrada. Em outras palavras, a disputa dos
diversos agentes econômicos pela distribuição da
renda representa a questão básica no fenômeno
inflacionário. Dada a diversidade de agentes
econômicos existentes, o processo inflacionário
pode estar acoplado a inúmeras facetas.
Há inflação sempre que tem mais gente
querendo comprar um produto do que a
quantidade disponível no mercado.
A alta de preços deve ser persistente, pois
uma economia que apresente num determinado
semestre um crescimento, e que no semestre
seguinte apresente uma queda de preços
(desinflação) não pode ser caracterizada como
uma economia inflacionária
A alta de preços deve ser generalizada, pois todos
os produtos da economia devem sofrer
acréscimos em seus preços. Porque se apenas
alguns do bens e serviços da economia
apresentar evoluções de preços enquanto outros
apresentam redução, este fenômeno pode
decorrer simplesmente dos mercados em virtude
de alterações da demanda ou de oferta.
TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO
 Inflação de Custos;Inflação de Custos;
Gerado pela elevação dos custos de produção,
especialmente dos salários ou os preços das
exportações;
Quais são as causas mais comuns daQuais são as causas mais comuns da
inflação de custosinflação de custos??
Quais são os meios de se combater aQuais são os meios de se combater a
inflação de custosinflação de custos??
TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO
 Inflação de Oferta;Inflação de Oferta;
Gerada pela elevação persistente do nível de
preços, provocada por uma retratação da
oferta agregada (insuficiência de oferta), esta
não é necessariamente, causada pela
diminuição da produção, mais sim pelo
aumento dos preços dos bens e serviços
ofertados.
Quais são os meios de se combater a inflaçãoQuais são os meios de se combater a inflação
de oferta?de oferta?
TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO
 Inflação Hibrida;Inflação Hibrida;
Caracterizada pela elevação persistente no nível de preços
provocado pela interação dos mecanismos de inflação
de demanda e de oferta, em função da tentativa dos
agentes econômicos de recuperar rendas corroídas pela
inflação dos períodos, normalmente a inflação hibrida é
iniciada por um aumento da quantidade de moeda em
poder do publico, em relação aos bens e serviços
disponíveis.
Quais as causas mais comum da inflação hibrida?Quais as causas mais comum da inflação hibrida?
TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO
 Inflação Estrutural;Inflação Estrutural;
Baseada na hipótese de rigidez da oferta de
bens e serviços, especialmente nos setores
de produtos alimentícios e de importação,
dos países subdesenvolvidos. É a
incapacidade de expansão que é decorrente
da insuficiência de capital, de tecnologia e
de mão de obra qualificada.
TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO
 Inflação Inercial;Inflação Inercial;
Causada pelas expectativas de comportamento
dos preços ou pelo reajustamento de renda
desenvolvida pelos agentes econômicos.
Quais são os meios de se combater aQuais são os meios de se combater a
inflação inercial?inflação inercial?
TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO
 Inflação da Demanda;Inflação da Demanda;
Causada pelo processo inflacionário gerado pela
expansão dos rendimentos, além da capacidade de
expansão da economia, ou antes, que a produção
esteja em plena capacidade. Em outras palavras,
ocorre um aumento da procura por bens e serviços
que os consumidores estão aptos a adquirir ao
preço de mercado naquele determinado período
Quais são os meios de se combater a inflação daQuais são os meios de se combater a inflação da
demanda?demanda?
INDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃOINDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃO
UTILIZADOS NO BRASILUTILIZADOS NO BRASIL
ICV – índice do custo de vida, calculado pelo
DIEESE, que pesquisa famílias com renda
de 1 a 30 salários mínimos;
IPC – índice de preço ao consumidor, calculado
pela FGV, que pesquisa famílias de 1 a 33
salários mínimos;
IGP – índice geral de preços, calculado pela FGV;
INDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃOINDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃO
UTILIZADOS NO BRASILUTILIZADOS NO BRASIL
IPCA – índice de preço ao consumidor amplo,
calculado pelo IBGE, que pesquisa as
necessidades médias das famílias com
renda salarial de 1 a 40 salários mínimos,
em onze capitais brasileiras;
INCC – índice nacional da construção civil;
INPC – índice nacional de preço ao consumidor,
calculado pela FGV.
INDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃOINDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃO
UTILIZADOS NO BRASILUTILIZADOS NO BRASIL
O índice de inflação é medido comparando-se
produtos da cesta básica e fontes essenciais,
como energia elétrica, telefone e combustível, em
determinado período de tempo. O governo faz uso
de um desses índices como valor oficial.
Pode-se dizer que os resultados da inflação
não são nadas satisfatórios para a economia, de
modo que os trabalhadores são prejudicados com
perdas salariais, os capitalistas têm seus
processos de venda diminuídos, e o governo tem a
arrecadação de impostos reduzida.
OS INCOVENIENTES DA INFLAÇÃOOS INCOVENIENTES DA INFLAÇÃO
 Perda do poder aquisitivo dos salários e
outras rendas fixas;
 Desorganização do mercado de capitais e
aumento da procura por ativos reais;
 Surgimento de défice no balanço de
pagamento;
 Dificuldade para o financiamento do setor
publico;
 A indexação.
PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A
INFLAÇÃOINFLAÇÃO
 Reforma Monetária;Reforma Monetária;
Que centralizou-se basicamente na redução da
liquidez da economia, através do bloqueio de
cerca de metade dos depósitos à vista, 80%
das aplicações de overnight e fundos de
curto prazo e cerca de um terço dos
depósitos de poupança que seriam
bloqueados durante 18 meses.
PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A
INFLAÇÃOINFLAÇÃO
 Reforma Administrativa e Fiscal;Reforma Administrativa e Fiscal;
Com o objetivo de promover um ajuste fiscal da
ordem de 10% do PIB, eliminando um déficit
projetado de 8% do PIB para gerar um
superávit de 2%, além de aumentar a
eficiência da administração do setor público
e reduzir os gastos.
PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A
INFLAÇÃOINFLAÇÃO
 Congelamento de Preço e desindexaçãoCongelamento de Preço e desindexação
dos salários em relação a inflaçãodos salários em relação a inflação
passada;passada;
Definindo uma nova regra de prefixação de
preços e salários.
PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A
INFLAÇÃOINFLAÇÃO
 Regime cambial de taxa flutuante;Regime cambial de taxa flutuante;
Definidas livremente no mercado.
PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A
INFLAÇÃOINFLAÇÃO
 Abertura Comercial;Abertura Comercial;
Com redução qualitativa das tarifas de
importação.
PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A
INFLAÇÃOINFLAÇÃO
A importância de combater a inflação segundo
dados recente da Pesquisa Nacional por
Amostragem (PNAD) e do IBGE atestam a
importância do controle da inflação para a
melhoria da distribuição de renda.
INFLAÇÃO DO IPCA – Com juros
constante de 10,00%a.a.
Intervalo de probabilidade
Período Projeção
Central
2013 - 4 5,6 5,7 5,7 5,8 5,9 5,9 5,8
2014 - 1 5,1 5,3 5,4 5,6 5,8 6,0 5,5
2014 - 2 4,8 5,1 5,3 5,6 5,8 6,1 5,5
2014 - 3 4,9 5,3 5,5 5,8 6,1 6,4 5,7
2014 - 4 4,7 5,1 5,5 5,8 6,2 6,6 5,6
2015 - 1 4,6 5,1 5,5 5,8 6,2 6,7 5,7
2015 - 2 4,5 5,0 5,4 5,8 6,2 6,7 5,6
2015 - 3 4,4 4,9 5,3 5,8 6,2 6,7 5,5
2015 - 4 4,2 4,7 5,2 5,6 6,1 6,6 5,4
Obs.: inflação acumulada em 12 meses (% a.a.).
No que se refere a projeções de inflação, de
acordo com os procedimentos tradicionalmente
adotados e levando em conta o conjunto de
informações disponíveis até 6 de dezembro de
2013 (data de corte), o cenário de referência, que
pressupõe manutenção da taxa de câmbio
constante no horizonte de previsão em R$
2,35/US$ e meta para a taxa Selic em 10,00% ao
ano (a.a.), projeta inflação de 5,8% em 2013,
5,6% em 2014 e 5,4% em 2015.
O Copom ressalta que a evidência
internacional, no que é ratificada pela experiência
brasileira, indica que taxas de inflação elevadas
geram distorções que levam a aumentos dos riscos
e deprimem os investimentos.
Dessa forma, o Comitê destaca que, em
momentos como o atual, a política monetária deve
se manter especialmente vigilante, de modo a
minimizar riscos de que níveis elevados de inflação,
como o observado nos últimos doze meses,
persistam no horizonte relevante para a política
monetária.
CONCLUSÃO:CONCLUSÃO:
Um dos primeiros custos da inflação
identificados é o fato de que a moeda não
rende juros, portanto o seu poder de compra
se deprecia quando há inflação.
Além disso, a inflação é o mais injusto dos
impostos, pois nem todos têm condições de se
proteger dos seus efeitos.
“O Brasil tem uma economia tão diversificada,
segmentada e dinâmica que qualquer produto que
você inventar, vai conseguir vender.”
Ronaud Pereira.
“Para realizar grandes coisas, não devemos
apenas agir, mas também sonhar, não só
planejar, mas também acreditar.”
Jacques Anatole France.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
Luciano Pires
 
Estruturas de mercado - Macroeconomia e Microeconomia
Estruturas de mercado -  Macroeconomia e Microeconomia Estruturas de mercado -  Macroeconomia e Microeconomia
Estruturas de mercado - Macroeconomia e Microeconomia
Na Silva
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Luciano Pires
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
Luciano Pires
 
Aula de macroeconomia
Aula de macroeconomiaAula de macroeconomia
Aula de macroeconomia
Amanda Pontar
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
Helena Fonseca
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
Kelly Ariane Buás Bráz
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
Introdução à Economia
Introdução à EconomiaIntrodução à Economia
Introdução à Economia
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Rendimentos e repartição de rendimentos
Rendimentos e repartição de rendimentos Rendimentos e repartição de rendimentos
Rendimentos e repartição de rendimentos
João Alexandre Cruz
 
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
Felipe Pontes
 
Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
Mitsubishi Motors Brasil
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Luciano Pires
 
Economia Publica. Prof. Doutor Rui Teixeira Santos. (ISCAD, 2011)
Economia Publica. Prof. Doutor Rui Teixeira Santos. (ISCAD, 2011)Economia Publica. Prof. Doutor Rui Teixeira Santos. (ISCAD, 2011)
Economia Publica. Prof. Doutor Rui Teixeira Santos. (ISCAD, 2011)
A. Rui Teixeira Santos
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
Felipe Leo
 
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Na Silva
 
Mercados de concorrência perfeita e imperfeita
Mercados de concorrência perfeita e imperfeitaMercados de concorrência perfeita e imperfeita
Mercados de concorrência perfeita e imperfeita
turmainformaticadegestao
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
razonetecontabil
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
Luciano Pires
 

Mais procurados (20)

Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
 
Estruturas de mercado - Macroeconomia e Microeconomia
Estruturas de mercado -  Macroeconomia e Microeconomia Estruturas de mercado -  Macroeconomia e Microeconomia
Estruturas de mercado - Macroeconomia e Microeconomia
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
 
Aula de macroeconomia
Aula de macroeconomiaAula de macroeconomia
Aula de macroeconomia
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
Introdução à Economia
Introdução à EconomiaIntrodução à Economia
Introdução à Economia
 
Rendimentos e repartição de rendimentos
Rendimentos e repartição de rendimentos Rendimentos e repartição de rendimentos
Rendimentos e repartição de rendimentos
 
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
 
Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Economia Publica. Prof. Doutor Rui Teixeira Santos. (ISCAD, 2011)
Economia Publica. Prof. Doutor Rui Teixeira Santos. (ISCAD, 2011)Economia Publica. Prof. Doutor Rui Teixeira Santos. (ISCAD, 2011)
Economia Publica. Prof. Doutor Rui Teixeira Santos. (ISCAD, 2011)
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
 
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
 
Mercados de concorrência perfeita e imperfeita
Mercados de concorrência perfeita e imperfeitaMercados de concorrência perfeita e imperfeita
Mercados de concorrência perfeita e imperfeita
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 

Semelhante a Apresentação inflação

COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdfCOMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
Faga1939
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
Yuri Silver
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
Pedro Kangombe
 
1. A INFLAÇÃO.ppt
1.  A INFLAÇÃO.ppt1.  A INFLAÇÃO.ppt
1. A INFLAÇÃO.ppt
allantalesadriano444
 
E2 31_10
E2 31_10E2 31_10
E2 31_10
Angelo Yasui
 
Unidade 5 parte 2
Unidade 5   parte 2Unidade 5   parte 2
Unidade 5 parte 2
Daniel Suzarte
 
Economia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflaçãoEconomia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflação
Felipe Leo
 
Aula 04.pptx
Aula 04.pptxAula 04.pptx
Aula 04.pptx
JosBorges56
 
RESUMO ECONOMIA.docx
RESUMO ECONOMIA.docxRESUMO ECONOMIA.docx
RESUMO ECONOMIA.docx
VitriaPavan
 
Ec 01.06
Ec 01.06Ec 01.06
Ec 01.06
marinamolopes
 
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptxINTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
ThaynaSoares7
 
Introdução às Teorias da Inflação
Introdução às Teorias da InflaçãoIntrodução às Teorias da Inflação
Introdução às Teorias da Inflação
Webber Stelling
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
UsuarioManeiro
 
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
José Mota
 
Exercício
 Exercício Exercício
Exercício
sergiofukuda
 
fundamentos instrumentos da_macroeconomia
fundamentos instrumentos da_macroeconomiafundamentos instrumentos da_macroeconomia
fundamentos instrumentos da_macroeconomia
Diego Érika
 
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.pptAula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
EduardoGyn
 
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduação
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduaçãoModelos Macro com Metas de Inflação para graduação
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduação
Roseli Silva
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
Yuri Silver
 
Ufabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vfUfabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vf
Renan Viana
 

Semelhante a Apresentação inflação (20)

COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdfCOMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
 
1. A INFLAÇÃO.ppt
1.  A INFLAÇÃO.ppt1.  A INFLAÇÃO.ppt
1. A INFLAÇÃO.ppt
 
E2 31_10
E2 31_10E2 31_10
E2 31_10
 
Unidade 5 parte 2
Unidade 5   parte 2Unidade 5   parte 2
Unidade 5 parte 2
 
Economia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflaçãoEconomia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflação
 
Aula 04.pptx
Aula 04.pptxAula 04.pptx
Aula 04.pptx
 
RESUMO ECONOMIA.docx
RESUMO ECONOMIA.docxRESUMO ECONOMIA.docx
RESUMO ECONOMIA.docx
 
Ec 01.06
Ec 01.06Ec 01.06
Ec 01.06
 
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptxINTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx
 
Introdução às Teorias da Inflação
Introdução às Teorias da InflaçãoIntrodução às Teorias da Inflação
Introdução às Teorias da Inflação
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
 
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
 
Exercício
 Exercício Exercício
Exercício
 
fundamentos instrumentos da_macroeconomia
fundamentos instrumentos da_macroeconomiafundamentos instrumentos da_macroeconomia
fundamentos instrumentos da_macroeconomia
 
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.pptAula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
 
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduação
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduaçãoModelos Macro com Metas de Inflação para graduação
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduação
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
 
Ufabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vfUfabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vf
 

Apresentação inflação

  • 1. Equipe 01Equipe 01 ►Anny Cibelle Machado Girão►Anny Cibelle Machado Girão ►Ivanildo Moreira Lima►Ivanildo Moreira Lima ►Maria Luciene Coelho da►Maria Luciene Coelho da SilvaSilva
  • 3. CONCEITO DE INFLAÇÃOCONCEITO DE INFLAÇÃO Inflação é entendida como um processo pelo qual ocorre um aumento generalizado nos preços dos bens e serviços, definidos como sendo uma alta persistência e generalizada dos preços da economia. Dentro deste conceito é importante destacar que a inflação é um processo e não um fato isolado envolve aumentos contínuos e não esporádicos de preços e aumentos generalizados de preços e não isolados. Trata-se de um fenômeno universal, comum a praticamente todos os países variando apenas de intensidade e de época para época.
  • 4. CONCEITO DE INFLAÇÃOCONCEITO DE INFLAÇÃO De início, podemos dizer que a inflação representa um conflito distributivo existente na economia, mal administrada. Em outras palavras, a disputa dos diversos agentes econômicos pela distribuição da renda representa a questão básica no fenômeno inflacionário. Dada a diversidade de agentes econômicos existentes, o processo inflacionário pode estar acoplado a inúmeras facetas.
  • 5. Há inflação sempre que tem mais gente querendo comprar um produto do que a quantidade disponível no mercado. A alta de preços deve ser persistente, pois uma economia que apresente num determinado semestre um crescimento, e que no semestre seguinte apresente uma queda de preços (desinflação) não pode ser caracterizada como uma economia inflacionária
  • 6. A alta de preços deve ser generalizada, pois todos os produtos da economia devem sofrer acréscimos em seus preços. Porque se apenas alguns do bens e serviços da economia apresentar evoluções de preços enquanto outros apresentam redução, este fenômeno pode decorrer simplesmente dos mercados em virtude de alterações da demanda ou de oferta.
  • 7. TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO  Inflação de Custos;Inflação de Custos; Gerado pela elevação dos custos de produção, especialmente dos salários ou os preços das exportações; Quais são as causas mais comuns daQuais são as causas mais comuns da inflação de custosinflação de custos?? Quais são os meios de se combater aQuais são os meios de se combater a inflação de custosinflação de custos??
  • 8. TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO  Inflação de Oferta;Inflação de Oferta; Gerada pela elevação persistente do nível de preços, provocada por uma retratação da oferta agregada (insuficiência de oferta), esta não é necessariamente, causada pela diminuição da produção, mais sim pelo aumento dos preços dos bens e serviços ofertados. Quais são os meios de se combater a inflaçãoQuais são os meios de se combater a inflação de oferta?de oferta?
  • 9. TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO  Inflação Hibrida;Inflação Hibrida; Caracterizada pela elevação persistente no nível de preços provocado pela interação dos mecanismos de inflação de demanda e de oferta, em função da tentativa dos agentes econômicos de recuperar rendas corroídas pela inflação dos períodos, normalmente a inflação hibrida é iniciada por um aumento da quantidade de moeda em poder do publico, em relação aos bens e serviços disponíveis. Quais as causas mais comum da inflação hibrida?Quais as causas mais comum da inflação hibrida?
  • 10. TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO  Inflação Estrutural;Inflação Estrutural; Baseada na hipótese de rigidez da oferta de bens e serviços, especialmente nos setores de produtos alimentícios e de importação, dos países subdesenvolvidos. É a incapacidade de expansão que é decorrente da insuficiência de capital, de tecnologia e de mão de obra qualificada.
  • 11. TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO  Inflação Inercial;Inflação Inercial; Causada pelas expectativas de comportamento dos preços ou pelo reajustamento de renda desenvolvida pelos agentes econômicos. Quais são os meios de se combater aQuais são os meios de se combater a inflação inercial?inflação inercial?
  • 12. TIPOS DE INFLAÇÃOTIPOS DE INFLAÇÃO  Inflação da Demanda;Inflação da Demanda; Causada pelo processo inflacionário gerado pela expansão dos rendimentos, além da capacidade de expansão da economia, ou antes, que a produção esteja em plena capacidade. Em outras palavras, ocorre um aumento da procura por bens e serviços que os consumidores estão aptos a adquirir ao preço de mercado naquele determinado período Quais são os meios de se combater a inflação daQuais são os meios de se combater a inflação da demanda?demanda?
  • 13. INDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃOINDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃO UTILIZADOS NO BRASILUTILIZADOS NO BRASIL ICV – índice do custo de vida, calculado pelo DIEESE, que pesquisa famílias com renda de 1 a 30 salários mínimos; IPC – índice de preço ao consumidor, calculado pela FGV, que pesquisa famílias de 1 a 33 salários mínimos; IGP – índice geral de preços, calculado pela FGV;
  • 14. INDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃOINDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃO UTILIZADOS NO BRASILUTILIZADOS NO BRASIL IPCA – índice de preço ao consumidor amplo, calculado pelo IBGE, que pesquisa as necessidades médias das famílias com renda salarial de 1 a 40 salários mínimos, em onze capitais brasileiras; INCC – índice nacional da construção civil; INPC – índice nacional de preço ao consumidor, calculado pela FGV.
  • 15. INDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃOINDICES OFICIAIS DE INFLAÇÃO UTILIZADOS NO BRASILUTILIZADOS NO BRASIL O índice de inflação é medido comparando-se produtos da cesta básica e fontes essenciais, como energia elétrica, telefone e combustível, em determinado período de tempo. O governo faz uso de um desses índices como valor oficial. Pode-se dizer que os resultados da inflação não são nadas satisfatórios para a economia, de modo que os trabalhadores são prejudicados com perdas salariais, os capitalistas têm seus processos de venda diminuídos, e o governo tem a arrecadação de impostos reduzida.
  • 16. OS INCOVENIENTES DA INFLAÇÃOOS INCOVENIENTES DA INFLAÇÃO  Perda do poder aquisitivo dos salários e outras rendas fixas;  Desorganização do mercado de capitais e aumento da procura por ativos reais;  Surgimento de défice no balanço de pagamento;  Dificuldade para o financiamento do setor publico;  A indexação.
  • 17. PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A INFLAÇÃOINFLAÇÃO  Reforma Monetária;Reforma Monetária; Que centralizou-se basicamente na redução da liquidez da economia, através do bloqueio de cerca de metade dos depósitos à vista, 80% das aplicações de overnight e fundos de curto prazo e cerca de um terço dos depósitos de poupança que seriam bloqueados durante 18 meses.
  • 18. PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A INFLAÇÃOINFLAÇÃO  Reforma Administrativa e Fiscal;Reforma Administrativa e Fiscal; Com o objetivo de promover um ajuste fiscal da ordem de 10% do PIB, eliminando um déficit projetado de 8% do PIB para gerar um superávit de 2%, além de aumentar a eficiência da administração do setor público e reduzir os gastos.
  • 19. PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A INFLAÇÃOINFLAÇÃO  Congelamento de Preço e desindexaçãoCongelamento de Preço e desindexação dos salários em relação a inflaçãodos salários em relação a inflação passada;passada; Definindo uma nova regra de prefixação de preços e salários.
  • 20. PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A INFLAÇÃOINFLAÇÃO  Regime cambial de taxa flutuante;Regime cambial de taxa flutuante; Definidas livremente no mercado.
  • 21. PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A INFLAÇÃOINFLAÇÃO  Abertura Comercial;Abertura Comercial; Com redução qualitativa das tarifas de importação.
  • 22. PRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER APRINCIPAIS MEDIDAS PARA COMBATER A INFLAÇÃOINFLAÇÃO A importância de combater a inflação segundo dados recente da Pesquisa Nacional por Amostragem (PNAD) e do IBGE atestam a importância do controle da inflação para a melhoria da distribuição de renda.
  • 23. INFLAÇÃO DO IPCA – Com juros constante de 10,00%a.a. Intervalo de probabilidade Período Projeção Central 2013 - 4 5,6 5,7 5,7 5,8 5,9 5,9 5,8 2014 - 1 5,1 5,3 5,4 5,6 5,8 6,0 5,5 2014 - 2 4,8 5,1 5,3 5,6 5,8 6,1 5,5 2014 - 3 4,9 5,3 5,5 5,8 6,1 6,4 5,7 2014 - 4 4,7 5,1 5,5 5,8 6,2 6,6 5,6 2015 - 1 4,6 5,1 5,5 5,8 6,2 6,7 5,7 2015 - 2 4,5 5,0 5,4 5,8 6,2 6,7 5,6 2015 - 3 4,4 4,9 5,3 5,8 6,2 6,7 5,5 2015 - 4 4,2 4,7 5,2 5,6 6,1 6,6 5,4 Obs.: inflação acumulada em 12 meses (% a.a.).
  • 24. No que se refere a projeções de inflação, de acordo com os procedimentos tradicionalmente adotados e levando em conta o conjunto de informações disponíveis até 6 de dezembro de 2013 (data de corte), o cenário de referência, que pressupõe manutenção da taxa de câmbio constante no horizonte de previsão em R$ 2,35/US$ e meta para a taxa Selic em 10,00% ao ano (a.a.), projeta inflação de 5,8% em 2013, 5,6% em 2014 e 5,4% em 2015.
  • 25. O Copom ressalta que a evidência internacional, no que é ratificada pela experiência brasileira, indica que taxas de inflação elevadas geram distorções que levam a aumentos dos riscos e deprimem os investimentos. Dessa forma, o Comitê destaca que, em momentos como o atual, a política monetária deve se manter especialmente vigilante, de modo a minimizar riscos de que níveis elevados de inflação, como o observado nos últimos doze meses, persistam no horizonte relevante para a política monetária.
  • 26.
  • 27. CONCLUSÃO:CONCLUSÃO: Um dos primeiros custos da inflação identificados é o fato de que a moeda não rende juros, portanto o seu poder de compra se deprecia quando há inflação. Além disso, a inflação é o mais injusto dos impostos, pois nem todos têm condições de se proteger dos seus efeitos.
  • 28. “O Brasil tem uma economia tão diversificada, segmentada e dinâmica que qualquer produto que você inventar, vai conseguir vender.” Ronaud Pereira. “Para realizar grandes coisas, não devemos apenas agir, mas também sonhar, não só planejar, mas também acreditar.” Jacques Anatole France.