SlideShare uma empresa Scribd logo
9.3.2.Ótica do rend imento
que os rendimentos
pelosagentesintervenientes atividadeeconómica
na
são
distribuídos
Já sabemos
geradosno ato da produção.
Comoacabámos ver,a óticado Produtodeterminaa origem da produção,
de
Vamosagoradar atençãoao
de
a
os
analisando forma como são produzidos bens e serviços um país.
produtivos lhesderamorigem.
que
os
segundo fatores
os
modo comosãodistribuídos rendimentos
coloca-se evidência forma como
em
a
Na óticado rendimento,
pelosdiversos
atendendo
agentes,
se distribuemos rendimentos
que o valor do
produtivos.Nestaótica, considera-se
aos fatores
Produtocorresponde total dos rendimentosgeradospelos
ao
fatores
trabalhoe capital.
as
divide-se duascomponentes: remuneÍaem
O rendimento
representando rendimentosproveos
do trabalho (Rem.),
ções
e
nientesdo fator trabalho(salários), o excedentebruto de
(EBE),
que corresponde rendimentosprovenienaos
.exploração
juros e lucros).
do fator capital(rendas,
!tes
ã
=

2'

Ótica do rendimento

!...>

Remunerações
do trabalho
- Salários

Excedente
bruto
de exploração
:...p

- Rendas
- Juros
- Lucros
Nocionol
9. A Confobilidode

Segundo óticado rendimento, RendimentoInterno (Rl)medeo total da riqueza um paísprodu-Ç
a
o
de
primáriapelosagentes
que nelaparticiparam.Ë
zida duranteum ano e distribuída repartição
na
económicos
podemos
apuraro valordo Rlde uma nação.
Assim,
somando
todosos rendimentos trabalhoe do capital,
do
$

$
Rl=Rem.+EBE=S+R+J+L

entreas váriasóticas, Rl de um paíscorreso
Poroutro lado,podemosdizerque, dada a igualdade
(Amort.)
ponde ao ProdutoInterno(Pl)dessepaís.No entanto,nãofaz sentidoconsiderar amortizaçoes
as
pelo que devemserdeduzidas.
paraapuraro valordo
paraefeitos cálculo rendimento,
Alémdisso,
de
do
(Ti)e acrescentados subsídios produção(Z),pois
os
os
à
Rltambém devemserretirados impostosindiretos
Depoisdestas
correspondente Pronão constituem
rendimentos.
operações,
obtemoso rendimento
ao
peloque podemos
que o Rlé igualao PlÇ.
concluir
duto a custode fatores,
Rl = PlBp,- Amort. -Tt +Z = PlL.r

adicionando valordo saldodos
Aindaé possível
calcular RendimentoNacional(RN) uma nação
o
de
o
(SRRM) Rl,ou seja,
do
ao
calculando PNÇ.
o
rendimentos Resto Mundo
do
RN = PlBon,' SRRM Amort. -Tt +Z = PNL.Í
+
-

somandoos
No sexto capítulo,vimos que o Rendimento Disponível dos Particularesse calculava
pelo Estado
sociais
entregues
rendimentos trabalho do capital famílias
do
e
das
com astransferências
aos
para
pagos
o
de
e
Social
à
cidadãos subtraindo montante impostos
e
diretos de contribuiçóes a Segurança
Administração
Pública.
o
Mastambém podemosdeterminaro Rendimento DisponívelBruto da Nação,ou seja, rendimento
valorcalcula-se
somando PNB'*com astransfeo
de
Este
de que a população um paísdispôeparagastar.
que sãofluxosunilaterais entradaou saída,
líquidas exterior,
do
de
como, por exemplo,
rências
correntes
que
as remessas os emigrantes
enviamparaos seuspaíses.

=
+
Correntes
Líquidos Exlerior
do
RDBN PNBp, Tronsferêncios

9.3.3. ótica da despesa
Depoisde termos visto como se obtém a riquezaque é produzida num paíse o modo como, posteriormente, distribuída
é
pelosseusagenteseconómicos,
vamosagoraver como ela é aplipermitecompreender forma como é
cada.A ótica da despesa
a
utilizado resultado produção uma economia.
o
da
de
que são distribuídos
De um modo geral,os rendimentos
pelos diversosagentespodem ser usadosem despesas
de
No
consumoou de investimento. entanto,também devemos
as
de
considerar relações troca com o Restodo Mundo, pelo
que também devem ser incluídas exportaçôes as importaas
e
ções.Assim,as componentesque constituema despesasão
o consumo total, o investimentobruto, as exportaçõese as
importações.

Ótica da despesa
Consumo
total
'ì:-

;:"'"P

- Consumo
público
- Consumo
privado

Investimento
bruto
- FBCF
-Variação
existências

;".>'

Exportações

:" .,>

lmportações
9.3. Olicos cólculo volordo produçõo
do
do

O consumototal (CT)abrange despesas consumorealizadas Estado,
pelo
as
de
denominadas
consumo
público (G), o total dasdespesas consumoefetuadas
pelas
e
que constituem
de
famílias pelas
e
empresat
o
consumoprivado (C).

Consumo = Consumo
totol
Privodo Consumo
+
Público
O investimento bruto (l) englobaa formação bruta de capital fixo (FBCF),
que corresponde,
conforme já vimos,ao investimento
que é feito com a aquisição bens de equipamento,
de
edifícios,
etc.,e a
(VE),
que determinaas alterações
variaçãode existências
ocorridas
entre o inícioe o fim do ano nos
stocks existências.
de

Investimento = FBCF Vorioçõo
bruto
+
existêncios

As exportaçõessãoas vendasao exterior,
que constituemdespesas
parao paísdevido ao facto de a
poisasempresas
suaprodução efetuada território
ser
em
nacional,
pronacionais encargos
têm
com essa
dução.Pelarazãooposta,devemosretiraro valor dos bensque compramos exterior, importações,
ao
as
uma vezque os gastos
com a produçãodestesbensficam por contadasempresas
estrangeiras.
Vamos
agoraver o processo formação Despesa
de
da
lnternade um país.
por
Começaremos apresentar
os conceitos Procura
de
Internae de Procura
Global,para,a seguir,podermosdeterminara Despesa
lnterna.A ProcuraInterna corresponde total das despesas
ao
suportadas
com a produçãode bense serpelos
viçosconsumidos
agentes
nacionais,
incluindo,
assim, consumo
o
totale o investimento
bruto.

=
Procuro
Interno Consumo
totol+ lnvestimento
bruto
OU

Procuro
lnferno= C + G + FBCF VE
+

(X),
5e adicionarmos Procura
à
Internaa Procura
Externa,
isto é, o valor das exportaçoes obteremosa
ProcuraGlobal,que corresponde total dos encargos empresas
ao
das
nacionais
com a produçãode bens
paraagentesresidentes não residentes.
e serviços
e

Procuro
Globol=Procuro
lnterno Exporloções
+
A Despesalnterna (Dl) obtém-seretirandoao valor da Procura
(M).As
Globalo valor das importaçôes
importações
não fazemparte da Dl, porque,conformefoi dito atrás,
correspondem bensque não foram
a
produzídos territórionacional,
em
tendo os custoscom a sua produçãosido suportados
por agentes
estrangeiros.

Dl= Procuro
Globol-lmporfoções
OU

Dl- Consumo + Investimenfo + Exportoçõeslmportoções
totol
bruto
OU
@

D l =C +G+F B C F+ VE+X- M
I

145
Nocionol
9. A ConlobilÌdode

à
corresponde aquisi-S
porqueo que secontabiliza
de
a
calculada preços mercado,
é
A despesa sempre
portanto,registada preço de venda.Por outro lado, por esta ótíca,asE
ao
sendo,
ção de bens e serviços,
com que a Dl sejaigualao PlBo*.
fazendo
no
tambémsãoincluídas valorda despesa,
amortizações
f
ï
Dl= PlBo-

que,por suavez,se
que corresponde PNBp.,
ao
podemos
Nacional,
a
calcular Despesa
Sedesejarmos,
do
do
dos rendimentos Resto Mundoao PlBo'.
o
obtémadicionando valordo saldo

DN=P lB p,+S RRM= P NB p ,
OU

+
DN = C + G + FBCF VE+ X-M + SRRM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
Luciano Pires
 
Classificação das necessidades
Classificação das necessidadesClassificação das necessidades
Classificação das necessidades
EconomicSintese
 
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
Jenny Fortes
 
Unidade 8 final
Unidade 8 finalUnidade 8 final
Unidade 8 final
ajorgelopes
 
Desequilíbrios regionais
Desequilíbrios regionaisDesequilíbrios regionais
Desequilíbrios regionais
Ana Helena
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Raffaella Ergün
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
David Ribeiro
 
Estrutura Activa em Portugal
Estrutura Activa em PortugalEstrutura Activa em Portugal
Estrutura Activa em Portugal
abarros
 
Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.
Susana Santos
 
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Raffaella Ergün
 
A intervenção do estado na economia portuguesa
A intervenção do estado na economia portuguesaA intervenção do estado na economia portuguesa
A intervenção do estado na economia portuguesa
Vitor Anselmo
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Raffaella Ergün
 
Planificação economia 10º ano prof
Planificação economia 10º ano profPlanificação economia 10º ano prof
Planificação economia 10º ano prof
serapossivel
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
Luciano Pires
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
Helena Fonseca
 
Cap2 2 3 4out
Cap2 2 3 4outCap2 2 3 4out
Cap2 2 3 4out
Cepade Projectos
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
Idalina Leite
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
Luciano Pires
 
Vantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalizaçãoVantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalização
Zé Stinson
 

Mais procurados (20)

Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
 
Classificação das necessidades
Classificação das necessidadesClassificação das necessidades
Classificação das necessidades
 
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
 
Unidade 8 final
Unidade 8 finalUnidade 8 final
Unidade 8 final
 
Desequilíbrios regionais
Desequilíbrios regionaisDesequilíbrios regionais
Desequilíbrios regionais
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
 
Estrutura Activa em Portugal
Estrutura Activa em PortugalEstrutura Activa em Portugal
Estrutura Activa em Portugal
 
Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.
 
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
 
A intervenção do estado na economia portuguesa
A intervenção do estado na economia portuguesaA intervenção do estado na economia portuguesa
A intervenção do estado na economia portuguesa
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
 
Planificação economia 10º ano prof
Planificação economia 10º ano profPlanificação economia 10º ano prof
Planificação economia 10º ano prof
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
 
Cap2 2 3 4out
Cap2 2 3 4outCap2 2 3 4out
Cap2 2 3 4out
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
 
Vantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalizaçãoVantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalização
 

Semelhante a Opticas do rendimento e da despesa

Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02
Vanessa Alves
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
Roberto Arruda
 
Matéria avi macroeconomia
Matéria avi  macroeconomiaMatéria avi  macroeconomia
Matéria avi macroeconomia
Alexandra Peres
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
vdsilva
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Felipe Leo
 
Macro economia
Macro economiaMacro economia
Macro economia
Edgar Miertschink
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Luciano Pires
 
Resultado primário e resultado nominal
Resultado primário e resultado nominalResultado primário e resultado nominal
Resultado primário e resultado nominal
refugiodosanjos
 
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.pptAula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
diodatojose
 
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdfAula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
25spwpksgw
 
Indicadores econômicos
Indicadores econômicosIndicadores econômicos
Indicadores econômicos
Suzana Dias
 
Fluxo circular da renda
Fluxo circular da rendaFluxo circular da renda
Fluxo circular da renda
Bianca Xavier Vasconcellos
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
Ewerton Uchôa
 
Ap2
Ap2Ap2
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
bergerbird
 
Trabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicasTrabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicas
Lowrrayny Franchesca
 
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decacSistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Rossandro Nogueira Rodrigues
 
Aula 03 e_04_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 03 e_04_teoria_contabilidade_2009_bAula 03 e_04_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 03 e_04_teoria_contabilidade_2009_b
zeramento contabil
 
2° análise de balanço
2° análise de balanço2° análise de balanço
2° análise de balanço
Jeferson Souza
 
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
Fasup
 

Semelhante a Opticas do rendimento e da despesa (20)

Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
 
Matéria avi macroeconomia
Matéria avi  macroeconomiaMatéria avi  macroeconomia
Matéria avi macroeconomia
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
 
Macro economia
Macro economiaMacro economia
Macro economia
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Resultado primário e resultado nominal
Resultado primário e resultado nominalResultado primário e resultado nominal
Resultado primário e resultado nominal
 
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.pptAula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
 
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdfAula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
 
Indicadores econômicos
Indicadores econômicosIndicadores econômicos
Indicadores econômicos
 
Fluxo circular da renda
Fluxo circular da rendaFluxo circular da renda
Fluxo circular da renda
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
 
Ap2
Ap2Ap2
Ap2
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
 
Trabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicasTrabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicas
 
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decacSistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
 
Aula 03 e_04_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 03 e_04_teoria_contabilidade_2009_bAula 03 e_04_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 03 e_04_teoria_contabilidade_2009_b
 
2° análise de balanço
2° análise de balanço2° análise de balanço
2° análise de balanço
 
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
 

Mais de duartealbuquerque

2 apontamentos poupanca_e_investimento
2 apontamentos poupanca_e_investimento2 apontamentos poupanca_e_investimento
2 apontamentos poupanca_e_investimento
duartealbuquerque
 
1 apontamentos poupanca_e_investimento
1 apontamentos poupanca_e_investimento1 apontamentos poupanca_e_investimento
1 apontamentos poupanca_e_investimento
duartealbuquerque
 
Sinteses esquematicas 11.o_ano_i
Sinteses esquematicas 11.o_ano_iSinteses esquematicas 11.o_ano_i
Sinteses esquematicas 11.o_ano_i
duartealbuquerque
 
O que é a sociologia? A. Giddens
O que é a sociologia? A. GiddensO que é a sociologia? A. Giddens
O que é a sociologia? A. Giddens
duartealbuquerque
 
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito EconómicoUnidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
duartealbuquerque
 
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade NacionalUnidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
duartealbuquerque
 
Respostas 8 os agentes económicos e o circuito económico
Respostas  8 os agentes económicos e o circuito económicoRespostas  8 os agentes económicos e o circuito económico
Respostas 8 os agentes económicos e o circuito económico
duartealbuquerque
 
8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico
duartealbuquerque
 
Unidade 8
Unidade 8Unidade 8
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxosUnidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
duartealbuquerque
 
Teste Diagnóstico
Teste DiagnósticoTeste Diagnóstico
Teste Diagnóstico
duartealbuquerque
 
Conceitos
ConceitosConceitos
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes EconómicosA Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
duartealbuquerque
 

Mais de duartealbuquerque (19)

2 apontamentos poupanca_e_investimento
2 apontamentos poupanca_e_investimento2 apontamentos poupanca_e_investimento
2 apontamentos poupanca_e_investimento
 
1 apontamentos poupanca_e_investimento
1 apontamentos poupanca_e_investimento1 apontamentos poupanca_e_investimento
1 apontamentos poupanca_e_investimento
 
Textos complementares
Textos complementaresTextos complementares
Textos complementares
 
Manual p.e unidade 10 v
Manual p.e unidade 10 vManual p.e unidade 10 v
Manual p.e unidade 10 v
 
Manual p.e unidade 10 iv
Manual p.e unidade 10 ivManual p.e unidade 10 iv
Manual p.e unidade 10 iv
 
Manual p.e unidade 10 iii
Manual p.e unidade 10 iiiManual p.e unidade 10 iii
Manual p.e unidade 10 iii
 
Manual p.e unidade 10 ii
Manual p.e unidade 10 iiManual p.e unidade 10 ii
Manual p.e unidade 10 ii
 
Manual p.e unidade 10 i
Manual p.e unidade 10 iManual p.e unidade 10 i
Manual p.e unidade 10 i
 
Sinteses esquematicas 11.o_ano_i
Sinteses esquematicas 11.o_ano_iSinteses esquematicas 11.o_ano_i
Sinteses esquematicas 11.o_ano_i
 
O que é a sociologia? A. Giddens
O que é a sociologia? A. GiddensO que é a sociologia? A. Giddens
O que é a sociologia? A. Giddens
 
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito EconómicoUnidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
 
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade NacionalUnidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
 
Respostas 8 os agentes económicos e o circuito económico
Respostas  8 os agentes económicos e o circuito económicoRespostas  8 os agentes económicos e o circuito económico
Respostas 8 os agentes económicos e o circuito económico
 
8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico
 
Unidade 8
Unidade 8Unidade 8
Unidade 8
 
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxosUnidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
 
Teste Diagnóstico
Teste DiagnósticoTeste Diagnóstico
Teste Diagnóstico
 
Conceitos
ConceitosConceitos
Conceitos
 
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes EconómicosA Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
 

Opticas do rendimento e da despesa

  • 1. 9.3.2.Ótica do rend imento que os rendimentos pelosagentesintervenientes atividadeeconómica na são distribuídos Já sabemos geradosno ato da produção. Comoacabámos ver,a óticado Produtodeterminaa origem da produção, de Vamosagoradar atençãoao de a os analisando forma como são produzidos bens e serviços um país. produtivos lhesderamorigem. que os segundo fatores os modo comosãodistribuídos rendimentos coloca-se evidência forma como em a Na óticado rendimento, pelosdiversos atendendo agentes, se distribuemos rendimentos que o valor do produtivos.Nestaótica, considera-se aos fatores Produtocorresponde total dos rendimentosgeradospelos ao fatores trabalhoe capital. as divide-se duascomponentes: remuneÍaem O rendimento representando rendimentosproveos do trabalho (Rem.), ções e nientesdo fator trabalho(salários), o excedentebruto de (EBE), que corresponde rendimentosprovenienaos .exploração juros e lucros). do fator capital(rendas, !tes ã = 2' Ótica do rendimento !...> Remunerações do trabalho - Salários Excedente bruto de exploração :...p - Rendas - Juros - Lucros
  • 2. Nocionol 9. A Confobilidode Segundo óticado rendimento, RendimentoInterno (Rl)medeo total da riqueza um paísprodu-Ç a o de primáriapelosagentes que nelaparticiparam.Ë zida duranteum ano e distribuída repartição na económicos podemos apuraro valordo Rlde uma nação. Assim, somando todosos rendimentos trabalhoe do capital, do $ $ Rl=Rem.+EBE=S+R+J+L entreas váriasóticas, Rl de um paíscorreso Poroutro lado,podemosdizerque, dada a igualdade (Amort.) ponde ao ProdutoInterno(Pl)dessepaís.No entanto,nãofaz sentidoconsiderar amortizaçoes as pelo que devemserdeduzidas. paraapuraro valordo paraefeitos cálculo rendimento, Alémdisso, de do (Ti)e acrescentados subsídios produção(Z),pois os os à Rltambém devemserretirados impostosindiretos Depoisdestas correspondente Pronão constituem rendimentos. operações, obtemoso rendimento ao peloque podemos que o Rlé igualao PlÇ. concluir duto a custode fatores, Rl = PlBp,- Amort. -Tt +Z = PlL.r adicionando valordo saldodos Aindaé possível calcular RendimentoNacional(RN) uma nação o de o (SRRM) Rl,ou seja, do ao calculando PNÇ. o rendimentos Resto Mundo do RN = PlBon,' SRRM Amort. -Tt +Z = PNL.Í + - somandoos No sexto capítulo,vimos que o Rendimento Disponível dos Particularesse calculava pelo Estado sociais entregues rendimentos trabalho do capital famílias do e das com astransferências aos para pagos o de e Social à cidadãos subtraindo montante impostos e diretos de contribuiçóes a Segurança Administração Pública. o Mastambém podemosdeterminaro Rendimento DisponívelBruto da Nação,ou seja, rendimento valorcalcula-se somando PNB'*com astransfeo de Este de que a população um paísdispôeparagastar. que sãofluxosunilaterais entradaou saída, líquidas exterior, do de como, por exemplo, rências correntes que as remessas os emigrantes enviamparaos seuspaíses. = + Correntes Líquidos Exlerior do RDBN PNBp, Tronsferêncios 9.3.3. ótica da despesa Depoisde termos visto como se obtém a riquezaque é produzida num paíse o modo como, posteriormente, distribuída é pelosseusagenteseconómicos, vamosagoraver como ela é aplipermitecompreender forma como é cada.A ótica da despesa a utilizado resultado produção uma economia. o da de que são distribuídos De um modo geral,os rendimentos pelos diversosagentespodem ser usadosem despesas de No consumoou de investimento. entanto,também devemos as de considerar relações troca com o Restodo Mundo, pelo que também devem ser incluídas exportaçôes as importaas e ções.Assim,as componentesque constituema despesasão o consumo total, o investimentobruto, as exportaçõese as importações. Ótica da despesa Consumo total 'ì:- ;:"'"P - Consumo público - Consumo privado Investimento bruto - FBCF -Variação existências ;".>' Exportações :" .,> lmportações
  • 3. 9.3. Olicos cólculo volordo produçõo do do O consumototal (CT)abrange despesas consumorealizadas Estado, pelo as de denominadas consumo público (G), o total dasdespesas consumoefetuadas pelas e que constituem de famílias pelas e empresat o consumoprivado (C). Consumo = Consumo totol Privodo Consumo + Público O investimento bruto (l) englobaa formação bruta de capital fixo (FBCF), que corresponde, conforme já vimos,ao investimento que é feito com a aquisição bens de equipamento, de edifícios, etc.,e a (VE), que determinaas alterações variaçãode existências ocorridas entre o inícioe o fim do ano nos stocks existências. de Investimento = FBCF Vorioçõo bruto + existêncios As exportaçõessãoas vendasao exterior, que constituemdespesas parao paísdevido ao facto de a poisasempresas suaprodução efetuada território ser em nacional, pronacionais encargos têm com essa dução.Pelarazãooposta,devemosretiraro valor dos bensque compramos exterior, importações, ao as uma vezque os gastos com a produçãodestesbensficam por contadasempresas estrangeiras. Vamos agoraver o processo formação Despesa de da lnternade um país. por Começaremos apresentar os conceitos Procura de Internae de Procura Global,para,a seguir,podermosdeterminara Despesa lnterna.A ProcuraInterna corresponde total das despesas ao suportadas com a produçãode bense serpelos viçosconsumidos agentes nacionais, incluindo, assim, consumo o totale o investimento bruto. = Procuro Interno Consumo totol+ lnvestimento bruto OU Procuro lnferno= C + G + FBCF VE + (X), 5e adicionarmos Procura à Internaa Procura Externa, isto é, o valor das exportaçoes obteremosa ProcuraGlobal,que corresponde total dos encargos empresas ao das nacionais com a produçãode bens paraagentesresidentes não residentes. e serviços e Procuro Globol=Procuro lnterno Exporloções + A Despesalnterna (Dl) obtém-seretirandoao valor da Procura (M).As Globalo valor das importaçôes importações não fazemparte da Dl, porque,conformefoi dito atrás, correspondem bensque não foram a produzídos territórionacional, em tendo os custoscom a sua produçãosido suportados por agentes estrangeiros. Dl= Procuro Globol-lmporfoções OU Dl- Consumo + Investimenfo + Exportoçõeslmportoções totol bruto OU @ D l =C +G+F B C F+ VE+X- M I 145
  • 4. Nocionol 9. A ConlobilÌdode à corresponde aquisi-S porqueo que secontabiliza de a calculada preços mercado, é A despesa sempre portanto,registada preço de venda.Por outro lado, por esta ótíca,asE ao sendo, ção de bens e serviços, com que a Dl sejaigualao PlBo*. fazendo no tambémsãoincluídas valorda despesa, amortizações f ï Dl= PlBo- que,por suavez,se que corresponde PNBp., ao podemos Nacional, a calcular Despesa Sedesejarmos, do do dos rendimentos Resto Mundoao PlBo'. o obtémadicionando valordo saldo DN=P lB p,+S RRM= P NB p , OU + DN = C + G + FBCF VE+ X-M + SRRM