SlideShare uma empresa Scribd logo
ORGANIZAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS
A biosfera é o conjunto de todos os locais do planeta Terra onde existe
vida, integrando a superfície da crosta terrestre, a atmosfera e a hidrosfera.
A biosfera é constituída pelos diversos ecossistemas. O ecossistema é
assim a unidade básica da biosfera.
O ecossistema é formado pela comunidade biótica ou biocenose – conjunto de
populações que ocupam uma área e das relações que estabelecem entre si –
e pelo biótipo –ambiente onde vive a comunidade.
Numa comunidade estabelecem - se relações entre os seres vivos –fatores
bióticos –e entre estes e o ambiente –fatores abióticos.
Uma população é um sistema constituído pelos indivíduos da mesma espécie
que vivem numa área –habitat –e num período de tempo determinado. Cada
espécie é um conjunto de indivíduos com as mesmas características que se
reproduzem entre si originando descendentes férteis. Cada espécie tem a
função na comunidade –nicho ecológico.
OS FATORES ABIÓTICOS
Os fatores abióticos podem ser climáticos ( como por exemplo a luz, a
temperatura e a humidade) ou edáficos ( relativos ao solo).
A luz solar é essencial para as plantas realizarem fotossíntese, e
consequentemente indispensável ao seu crescimento. A luz influência a
actividade dos animais em períodos distintos do dia: uns têm maior
actividade diurna, outros possuem maios actividade nocturna.
A temperatura influencia o metabolismo celular dos organismos. Alguns
organismos toleram temperaturas que para outras espécies são letais.
A água é um elemento importante na vida de todos os seres vivos. Alguns
organismos sobrevivem com pequenas quantidades de água, como os catos
outros vivem imersos na água, como os nenúfares.
O solo fornece água e sais minerais essenciais ás plantas e deste modo
influencia o tipo de cobertura vegetal, que é a fonte de alimentos e abrigo de
muitos animais.
A TEMPERATURA
A temperatura varia em função da latitude, altitude, época do ano e período do dia. Cada espécie
apresenta um intervalo de temperatura de sobrevivência. Para além dos limites de tolerância, a
temperatura torna-se letal. Em relação à temperatura, as espécies podem classificar-se em
estenotérmicas (toleram pequenos intervalos de temperatura) ou euritérmicas (sobrevivem a
uma extensa gama de temperaturas).
As plantas apresentam várias adaptações à temperatura: • as plantas de folha persistente têm forma
de cone e/ou folhas com cutícula que lhes permite sobreviver a baixas temperaturas;
• as plantas de folha caduca diminuem a sua actividade — período de latência —, reduzem-se aos
seus caules subterrâneos, como rizomas, tubérculos e bolbos, ou produzem esporos ou
sementes, nos meses mais frios;
• as plantas de regiões muito quentes, como os catos, apresentam caules carnudos e folhas
reduzidas a espinhos.
Os animais, por sua vez, podem ser endotérmicos (mantêm a temperatura corporal constante) ou
ectotérmicos (a temperatura corporal varia com a temperatura do ambiente). A hibernação, a
estivação e a migração são comportamentos adoptados por alguns animais para resistirem às
variações de temperatura anuais. Em regra, os animais apresentam morfologias adaptadas às
temperaturas do seu habitat, como revestimento por escamas do corpo dos répteis ou espessa
camada de gordura subcutânea que os animais polares possuem.
A LUZ
A quantidade de luz varia ao longo do dia e do ano, e condiciona a actividade
dos seres vivos. O número de horas diárias de luz é designado por
fotoperíodo. As plantas têm diferentes necessidades de horas de luz por dia.
Assim, podem classificar-se em:
• plantas de dia curto, com fotoperíodo inferior a doze horas, como por exemplo
a macieira;
• plantas de dia longo, com fotoperíodo superior a doze horas, como é o caso do
centeio;
• plantas indiferentes, independentes do fotoperíodo, de que é exemplo o
amendoim. O movimento e crescimento das plantas em direcção à luz é
apelidado de fototropismo.
Em relação aos animais, a migração, a reprodução e a mudança de cor da
pelagem e plumagem são fenómenos relacionados com a luz e a duração do
fotoperíodo. São exemplos de adaptações à luz, as migrações sazonais das
aves, a reprodução de aves e mamíferos na primavera, e o aumento de
melanina na pele humana durante o verão.
A HUMIDADE
Todos os seres vivos necessitam de água, mas em quantidades diferentes.
Assim, em função das suas necessidades em água os organismos
classificam-se em:
• hidrófilos ou aquáticos, vivem permanentemente na água (exemplos: os peixes
e as algas);

• higrófilos, vivem em locais húmidos (exemplos: os anfíbios e os musgos);
• mesófilos, necessitam de alguma água que consomem regularmente
(exemplos: os humanos e o milho);
• xerófilos, vivem em locais muito secos (exemplos: os catos e os dromedários).
As plantas xerófilas apresentam raízes extensas (para maior facilidade de
absorção de água), caules carnudos (permitem armazenamento de
água), folhas reduzidas a espinhos e cutícula espessa (diminuem a perda de
água por transpiração). Por oposição, as plantas hidrófilas possuem folhas
grandes e raízes pequenas, uma vez que têm fácil acesso à água.
O SOLO
O solo é constituído por água, ar, matéria mineral e matéria orgânica. A
matéria orgânica do solo é formada pelos seres vivos, pelos produtos
da sua actividade e pelo húmus (matéria orgânica em
decomposição). Qualquer solo evolui de uma rocha-mãe, a qual, por
acção da temperatura e da água, fragmenta-se e transforma-se. Nas
fracturas desenvolvem-se plantas e outros seres vivos de pequenas
dimensões. Os seres vivos, quando morrem, entram em
decomposição, por acção de fungos e bactérias, formando o húmus.
Algumas características do solo, como a permeabilidade e a
porosidade, influenciam o número e o tipo de espécies
existentes, porque condicionam a disponibilidade em água e ar.
Continua
…

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
Catir
 
Fatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaFatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoria
João Rodrigues
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
mariacarmoteixeira
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
Gabriela Bruno
 
cn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdfcn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdf
Sónia Cardador
 
III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS II
sandranascimento
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
inessalgado
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Inês Mota
 
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
Finf 1   fatores abióticos 8º 1314Finf 1   fatores abióticos 8º 1314
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
Sandra Soares
 
8º ano 5.3
8º ano 5.38º ano 5.3
8º ano 5.3
Nuno Coelho
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
Tânia Reis
 
Fator abiótico - água e solo
Fator abiótico - água e soloFator abiótico - água e solo
Fator abiótico - água e solo
biogeopoetaalberto
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
Influência da luz e da temperatura
Influência da luz e da temperaturaInfluência da luz e da temperatura
Influência da luz e da temperatura
Cristina Couto Varela
 
Factores abióticos - luz
Factores abióticos - luzFactores abióticos - luz
Factores abióticos - luz
Catir
 
Aula 2 biodiversidade
Aula 2   biodiversidadeAula 2   biodiversidade
Aula 2 biodiversidade
Natália Michelan
 
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioResumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
Stéphanie Lima
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
Leonardo Alves
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
Nuno Correia
 
Relacoes abioticas
Relacoes abioticasRelacoes abioticas
Relacoes abioticas
Flavio Mendes
 

Mais procurados (20)

Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
 
Fatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaFatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoria
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
 
cn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdfcn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdf
 
III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS II
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
 
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
Finf 1   fatores abióticos 8º 1314Finf 1   fatores abióticos 8º 1314
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
 
8º ano 5.3
8º ano 5.38º ano 5.3
8º ano 5.3
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
 
Fator abiótico - água e solo
Fator abiótico - água e soloFator abiótico - água e solo
Fator abiótico - água e solo
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
 
Influência da luz e da temperatura
Influência da luz e da temperaturaInfluência da luz e da temperatura
Influência da luz e da temperatura
 
Factores abióticos - luz
Factores abióticos - luzFactores abióticos - luz
Factores abióticos - luz
 
Aula 2 biodiversidade
Aula 2   biodiversidadeAula 2   biodiversidade
Aula 2 biodiversidade
 
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioResumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
 
Relacoes abioticas
Relacoes abioticasRelacoes abioticas
Relacoes abioticas
 

Destaque

1.1 teste diagnóstico - interacções seres vivos - ambiente (1) - soluções
1.1   teste diagnóstico - interacções seres vivos - ambiente (1) - soluções1.1   teste diagnóstico - interacções seres vivos - ambiente (1) - soluções
1.1 teste diagnóstico - interacções seres vivos - ambiente (1) - soluções
Dark_Neox
 
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
José Alexandre Pires de Almeida
 
Fatores ecológicos 15032010
Fatores ecológicos 15032010Fatores ecológicos 15032010
Fatores ecológicos 15032010
guest900530
 
Fatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e ventoFatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e vento
Luís Filipe Marinho
 
Fisiologia respiratoria
Fisiologia respiratoriaFisiologia respiratoria
Fisiologia respiratoria
Daniel Wajnperlach
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
Renata Magalhães
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
Clara Abegão
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
Sérgio Luiz
 
Fisiologia sistema respiratório
Fisiologia sistema respiratórioFisiologia sistema respiratório
Fisiologia sistema respiratório
Raul Tomé
 

Destaque (9)

1.1 teste diagnóstico - interacções seres vivos - ambiente (1) - soluções
1.1   teste diagnóstico - interacções seres vivos - ambiente (1) - soluções1.1   teste diagnóstico - interacções seres vivos - ambiente (1) - soluções
1.1 teste diagnóstico - interacções seres vivos - ambiente (1) - soluções
 
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
 
Fatores ecológicos 15032010
Fatores ecológicos 15032010Fatores ecológicos 15032010
Fatores ecológicos 15032010
 
Fatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e ventoFatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e vento
 
Fisiologia respiratoria
Fisiologia respiratoriaFisiologia respiratoria
Fisiologia respiratoria
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
 
Fisiologia sistema respiratório
Fisiologia sistema respiratórioFisiologia sistema respiratório
Fisiologia sistema respiratório
 

Semelhante a Interacções seres vivos-ambientes

Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
CarlaSilva639671
 
Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
SESI 422 - Americana
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239
Rigo Rodrigues
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
Leonardo Alves
 
ecossistemas2.ppt
ecossistemas2.pptecossistemas2.ppt
ecossistemas2.ppt
fagnerlopes11
 
Fatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptxFatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptx
Bruno Miguel Bordalo Lourenço
 
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdf
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdfFatores abióticos.docx · versão 1.pdf
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdf
Sandra Semedo
 
1 reino das plantas
1 reino das plantas 1 reino das plantas
1 reino das plantas
Pelo Siro
 
Ecologiaintroducao
EcologiaintroducaoEcologiaintroducao
Ecologiaintroducao
Hélder Raposo
 
04.fatores abióticos
04.fatores abióticos04.fatores abióticos
04.fatores abióticos
ruiricardobg
 
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptxCiências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
ayanakarine1
 
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreirosTrindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
FURG
 
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemasFuncionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemas
Gerdian Teixeira
 
Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas
Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas
Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas
Jordana De Oliveira Silva
 
Ecologia 7
Ecologia 7Ecologia 7
Ecologia 7
Marta Alves
 
Biomas brasileiro e do mundo
Biomas brasileiro e do mundoBiomas brasileiro e do mundo
Biomas brasileiro e do mundo
Rosimeire Carlos Peixoto
 
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdfFichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
HypsaSuassuna
 
Ecologia Cida
Ecologia CidaEcologia Cida
Ecologia Cida
guest81df6e
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
MINEDU
 
6 ano Ecologia
6 ano Ecologia6 ano Ecologia
6 ano Ecologia
Sarah Lemes
 

Semelhante a Interacções seres vivos-ambientes (20)

Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
 
Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
ecossistemas2.ppt
ecossistemas2.pptecossistemas2.ppt
ecossistemas2.ppt
 
Fatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptxFatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptx
 
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdf
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdfFatores abióticos.docx · versão 1.pdf
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdf
 
1 reino das plantas
1 reino das plantas 1 reino das plantas
1 reino das plantas
 
Ecologiaintroducao
EcologiaintroducaoEcologiaintroducao
Ecologiaintroducao
 
04.fatores abióticos
04.fatores abióticos04.fatores abióticos
04.fatores abióticos
 
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptxCiências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
 
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreirosTrindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
 
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemasFuncionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemas
 
Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas
Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas
Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas
 
Ecologia 7
Ecologia 7Ecologia 7
Ecologia 7
 
Biomas brasileiro e do mundo
Biomas brasileiro e do mundoBiomas brasileiro e do mundo
Biomas brasileiro e do mundo
 
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdfFichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
 
Ecologia Cida
Ecologia CidaEcologia Cida
Ecologia Cida
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
 
6 ano Ecologia
6 ano Ecologia6 ano Ecologia
6 ano Ecologia
 

Mais de Sara Catarina

25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
Sara Catarina
 
Carateres sexuais e sistemas reprodutores
Carateres sexuais e sistemas reprodutoresCarateres sexuais e sistemas reprodutores
Carateres sexuais e sistemas reprodutores
Sara Catarina
 
Energias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: ÉolicaEnergias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: Éolica
Sara Catarina
 
Sangue
SangueSangue
As lutas entre liberais e absolutistas
As lutas entre liberais e absolutistasAs lutas entre liberais e absolutistas
As lutas entre liberais e absolutistas
Sara Catarina
 
Conjunção coordenativa mim
Conjunção coordenativa mimConjunção coordenativa mim
Conjunção coordenativa mim
Sara Catarina
 
A arte
A arteA arte
Sistema respiratório humano
Sistema respiratório humanoSistema respiratório humano
Sistema respiratório humano
Sara Catarina
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
Sara Catarina
 
História
HistóriaHistória
História
Sara Catarina
 
Gramatica de frances
Gramatica de francesGramatica de frances
Gramatica de frances
Sara Catarina
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
Sara Catarina
 
Invasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugalInvasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugal
Sara Catarina
 
Francês
FrancêsFrancês
Francês
Sara Catarina
 
Continuação das interacções seres vivo ambientes
Continuação das interacções seres vivo ambientesContinuação das interacções seres vivo ambientes
Continuação das interacções seres vivo ambientes
Sara Catarina
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
Sara Catarina
 

Mais de Sara Catarina (16)

25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Carateres sexuais e sistemas reprodutores
Carateres sexuais e sistemas reprodutoresCarateres sexuais e sistemas reprodutores
Carateres sexuais e sistemas reprodutores
 
Energias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: ÉolicaEnergias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: Éolica
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
As lutas entre liberais e absolutistas
As lutas entre liberais e absolutistasAs lutas entre liberais e absolutistas
As lutas entre liberais e absolutistas
 
Conjunção coordenativa mim
Conjunção coordenativa mimConjunção coordenativa mim
Conjunção coordenativa mim
 
A arte
A arteA arte
A arte
 
Sistema respiratório humano
Sistema respiratório humanoSistema respiratório humano
Sistema respiratório humano
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
História
HistóriaHistória
História
 
Gramatica de frances
Gramatica de francesGramatica de frances
Gramatica de frances
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
 
Invasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugalInvasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugal
 
Francês
FrancêsFrancês
Francês
 
Continuação das interacções seres vivo ambientes
Continuação das interacções seres vivo ambientesContinuação das interacções seres vivo ambientes
Continuação das interacções seres vivo ambientes
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

Interacções seres vivos-ambientes

  • 1.
  • 2.
  • 3. ORGANIZAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS A biosfera é o conjunto de todos os locais do planeta Terra onde existe vida, integrando a superfície da crosta terrestre, a atmosfera e a hidrosfera. A biosfera é constituída pelos diversos ecossistemas. O ecossistema é assim a unidade básica da biosfera. O ecossistema é formado pela comunidade biótica ou biocenose – conjunto de populações que ocupam uma área e das relações que estabelecem entre si – e pelo biótipo –ambiente onde vive a comunidade. Numa comunidade estabelecem - se relações entre os seres vivos –fatores bióticos –e entre estes e o ambiente –fatores abióticos. Uma população é um sistema constituído pelos indivíduos da mesma espécie que vivem numa área –habitat –e num período de tempo determinado. Cada espécie é um conjunto de indivíduos com as mesmas características que se reproduzem entre si originando descendentes férteis. Cada espécie tem a função na comunidade –nicho ecológico.
  • 4. OS FATORES ABIÓTICOS Os fatores abióticos podem ser climáticos ( como por exemplo a luz, a temperatura e a humidade) ou edáficos ( relativos ao solo). A luz solar é essencial para as plantas realizarem fotossíntese, e consequentemente indispensável ao seu crescimento. A luz influência a actividade dos animais em períodos distintos do dia: uns têm maior actividade diurna, outros possuem maios actividade nocturna. A temperatura influencia o metabolismo celular dos organismos. Alguns organismos toleram temperaturas que para outras espécies são letais. A água é um elemento importante na vida de todos os seres vivos. Alguns organismos sobrevivem com pequenas quantidades de água, como os catos outros vivem imersos na água, como os nenúfares. O solo fornece água e sais minerais essenciais ás plantas e deste modo influencia o tipo de cobertura vegetal, que é a fonte de alimentos e abrigo de muitos animais.
  • 5. A TEMPERATURA A temperatura varia em função da latitude, altitude, época do ano e período do dia. Cada espécie apresenta um intervalo de temperatura de sobrevivência. Para além dos limites de tolerância, a temperatura torna-se letal. Em relação à temperatura, as espécies podem classificar-se em estenotérmicas (toleram pequenos intervalos de temperatura) ou euritérmicas (sobrevivem a uma extensa gama de temperaturas). As plantas apresentam várias adaptações à temperatura: • as plantas de folha persistente têm forma de cone e/ou folhas com cutícula que lhes permite sobreviver a baixas temperaturas; • as plantas de folha caduca diminuem a sua actividade — período de latência —, reduzem-se aos seus caules subterrâneos, como rizomas, tubérculos e bolbos, ou produzem esporos ou sementes, nos meses mais frios; • as plantas de regiões muito quentes, como os catos, apresentam caules carnudos e folhas reduzidas a espinhos. Os animais, por sua vez, podem ser endotérmicos (mantêm a temperatura corporal constante) ou ectotérmicos (a temperatura corporal varia com a temperatura do ambiente). A hibernação, a estivação e a migração são comportamentos adoptados por alguns animais para resistirem às variações de temperatura anuais. Em regra, os animais apresentam morfologias adaptadas às temperaturas do seu habitat, como revestimento por escamas do corpo dos répteis ou espessa camada de gordura subcutânea que os animais polares possuem.
  • 6. A LUZ A quantidade de luz varia ao longo do dia e do ano, e condiciona a actividade dos seres vivos. O número de horas diárias de luz é designado por fotoperíodo. As plantas têm diferentes necessidades de horas de luz por dia. Assim, podem classificar-se em: • plantas de dia curto, com fotoperíodo inferior a doze horas, como por exemplo a macieira; • plantas de dia longo, com fotoperíodo superior a doze horas, como é o caso do centeio; • plantas indiferentes, independentes do fotoperíodo, de que é exemplo o amendoim. O movimento e crescimento das plantas em direcção à luz é apelidado de fototropismo. Em relação aos animais, a migração, a reprodução e a mudança de cor da pelagem e plumagem são fenómenos relacionados com a luz e a duração do fotoperíodo. São exemplos de adaptações à luz, as migrações sazonais das aves, a reprodução de aves e mamíferos na primavera, e o aumento de melanina na pele humana durante o verão.
  • 7. A HUMIDADE Todos os seres vivos necessitam de água, mas em quantidades diferentes. Assim, em função das suas necessidades em água os organismos classificam-se em: • hidrófilos ou aquáticos, vivem permanentemente na água (exemplos: os peixes e as algas); • higrófilos, vivem em locais húmidos (exemplos: os anfíbios e os musgos); • mesófilos, necessitam de alguma água que consomem regularmente (exemplos: os humanos e o milho); • xerófilos, vivem em locais muito secos (exemplos: os catos e os dromedários). As plantas xerófilas apresentam raízes extensas (para maior facilidade de absorção de água), caules carnudos (permitem armazenamento de água), folhas reduzidas a espinhos e cutícula espessa (diminuem a perda de água por transpiração). Por oposição, as plantas hidrófilas possuem folhas grandes e raízes pequenas, uma vez que têm fácil acesso à água.
  • 8. O SOLO O solo é constituído por água, ar, matéria mineral e matéria orgânica. A matéria orgânica do solo é formada pelos seres vivos, pelos produtos da sua actividade e pelo húmus (matéria orgânica em decomposição). Qualquer solo evolui de uma rocha-mãe, a qual, por acção da temperatura e da água, fragmenta-se e transforma-se. Nas fracturas desenvolvem-se plantas e outros seres vivos de pequenas dimensões. Os seres vivos, quando morrem, entram em decomposição, por acção de fungos e bactérias, formando o húmus. Algumas características do solo, como a permeabilidade e a porosidade, influenciam o número e o tipo de espécies existentes, porque condicionam a disponibilidade em água e ar.