SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Biosfera
Organização da Biosfera
Organização da Biosfera
Organização da Biosfera
Organização da Biosfera
Organização da Biosfera
FACTORES ABIÓTICOS
FACTORES ABIÓTICOS  São factores físico-químicos do meio que influenciam distribuição e a quantidade de organismos num ecossistema CLIMÁTICOS  EDÁFICOS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
FACTORES ABIÓTICOS
FACTORES ABIÓTICOS  FACTOR LIMITANTE  Quando os  valores  (altos ou baixos) de um determinado factor  impedem o desenvolvimento  de um organismo ou grupo de organismos.
LUZ  O  FOTOPERÍODO  é o número de horas de luz de uma dia.
A  floração  das plantas é influenciada pela intensidade luminosa. Ex : Os crisântemos florescem no Inverno (dias mais curtos e noites mais longas). Factores abióticos - LUZ
 
O  fototropismo  é o movimento que as plantas efectuam em direcção a uma fonte de luz. Ex: O girassol movimenta-se em direcção ao Sol. FOTOTROPISMO
Factores abióticos - LUZ  INFLUÊNCIA DO FOTOPERÍODO NO COMPORTAMENTO ANIMAL ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
MIGRAÇÃO E HIBERNAÇÃO É a mudança no fotoperíodo que indica aos animais a altura de começarem a acumular reservas alimentares para viajarem ou hibernarem. Factores abióticos - LUZ
Factores abióticos - LUZ  CICLOS REPRODUTIVOS As épocas de acasalamento ou de nascimento das crias são sazonais. Ex: As trutas desovam em Novembro, altura do ano em que os dias são curtos e as noites são longas.
Factores abióticos - LUZ  FOTOTAXIA  Há animais que se movimentam em direcção de uma fonte luminosa –  fototaxia positiva . Há animais que fogem das fontes de luz –  fototaxia negativa . Animais lucífilos Animais lucífugos
 
Factores abióticos - LUZ  A cor do pêlo da raposa polar muda com a época do ano, permitindo uma melhor  camuflagem . PRODUÇÃO DE MELANINA
 
Factores abióticos - LUZ  ACTIVIDADE DIÁRIA  Animais que permanecem sempre activos. Animais que são activos durante o crepúsculo. Animais que são activos durante a noite. DIURNOS CREPUSCULARES NOCTURNOS
TEMPERATURA
POIQUILOTÉRMICOS – animais de temperatura VARIÁVEL Factores abióticos - TEMPERATURA
HOMEOTÉRMICOS – animais de temperatura CONSTANTE Factores abióticos - TEMPERATURA
Classificação dos animais de acordo com a variação da temperatura corporal Factores abióticos - TEMPERATURA  POIQUILOTÉRMICOS  ou  ECTOTÉRMICOS – animais de temperatura variável HOMEOTÉRMICOS ou ENDOTÉRMICOS  – animais de temperatura constante  A variação da temperatura ambiental provoca a variação da temperatura interna.  Mesmo quando a temperatura ambiental varia, estes animais mantêm a sua temperatura interna
Factores abióticos - TEMPERATURA  Adaptações morfológicas dos animais à temperatura ,[object Object],[object Object],[object Object],CLIMAS FRIOS CLIMAS QUENTES ,[object Object],[object Object],[object Object]
Factores abióticos - TEMPERATURA  A TEMPERATURA ÓPTIMA É possível definir para cada espécie um  intervalo de tolerância à temperatura , dentro do qual o ser vivo pode sobreviver. Actividade do organismo Temperatura (ºC)
Factores abióticos - TEMPERATURA  Classificação dos seres vivos de acordo com a  tolerância à variação da temperatura ESTENOTÉRMICOS  – seres vivos que não aguentam grandes variações térmicas. EURITÉRMICOS  – seres vivos que toleram grandes variações térmicas.
Factores abióticos - TEMPERATURA  Adaptações morfológicas das plantas à temperatura ,[object Object],[object Object],[object Object],CLIMAS FRIOS CLIMAS QUENTES ,[object Object],[object Object]
Factores abióticos - TEMPERATURA  Adaptações comportamentais dos seres vivos à temperatura HIBERNAÇÃO ESTIVAÇÃO Estado de dormência em que o animal reduz ao mínimo a sua actividade, durante a  estação fria . Estado de dormência em que o animal reduz ao mínimo a sua actividade em  períodos quentes e secos . MIGRAÇÃO Movimento sazonal  regular dos animais de um local para outro.
ÁGUA
A água atinge diferentes ambientes através: ,[object Object],[object Object],[object Object]
PLUVIOSIDADE É a quantidade de chuva que cai numa determinada região, num determinado período de tempo.
Os diferentes biomas apresentam índices de pluviosidade diferentes FLORESTA TROPICAL FLORESTA CADUCIFÓLIA Os índices de pluviosidade são elevados e permitem a existência de uma elevada biodiversidade Os índices de pluviosidade são regulares durante todo o ano, existindo uma biodiversidade apreciável.
Os diferentes biomas apresentam índices de pluviosidade diferentes SAVANA DESERTO A quantidade de chuva varia muito ao longo do ano. Nos meses de maior índice de pluviosidade, há maior quantidade de seres vivos.  A quantidade de chuva é escassa, condicionando a diversidade e quantidade de seres vivos.
HUMIDADE É  a quantidade de água que existe na atmosfera ou no solo.
Classificação dos seres vivos de acordo com as necessidades em água Organismos  hidrófilos Organismos  higrófilos Organismos  mesófilos Organismos  xerófilos Vivem permanentemente na água. Necessitam de estar próximo da água ou em locais húmidos. Necessitam de quantidade moderadas de água. Apresentam uma certa independência em relação à água, mas devem consumi-la regularmente. Vivem em meios muito secos, estando bem adaptados à escassez de água.
Classificação dos seres vivos de acordo com os  limites de tolerância relativamente às variações na disponibilidade de água ESTENO-HÍDRICOS  – seres vivos que apresentam um intervalo de tolerância estreito . EURI-HÍDRICOS  – seres vivos que apresentam um intervalo de tolerância grande.
ÁGUA  PLANTAS ANIMAIS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Adaptações morfológicas das plantas terrestres às condições humidade CLIMAS HÚMIDOS CLIMAS SECOS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Cutícula* – é uma substância que protege as folhas para evitar a perda de água.
Adaptações morfológicas dos animais às condições humidade ANIMAIS DO DESERTO ,[object Object],[object Object]
SUBSTRATO As  características do substrato  (água e solo) influenciam a sobrevivência dos seres vivos. Exemplos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Influência da salinidade num ambiente aquático ,[object Object],[object Object]
Influência da luminosidade num ambiente oceânico A  intensidade luminosa   é mais  elevada  A  intensidade luminosa  é  média A  intensidade luminosa   é  nula
Influência da luminosidade num ambiente oceânico Vivem no fundo do Oceano, onde a temperatura é de 2 graus, a luz do sol não chega e a pressão da água é muito grande, isso a 4.000 metros de profundidade. Possuem hastes luminosas (bioluminescência) sobre a região da cabeça, para tentar capturar seu alimento.
Influência da luminosidade num ambiente oceânico As algas habitam em zonas pouco profundas, onde a intensidade luminosa é mais elevada.
Constituição do solo Matéria mineral  – partículas de rochas. Matéria orgânica  – é originada pela actividade dos seres vivos que habitam no solo ou que dele dependem.  Húmus  – matéria orgânica em decomposição.
INFLUÊNCIA DO SOLO NOS SERES VIVOS PLANTAS A sobrevivência das plantas relaciona-se com a composição química dos solos. Exemplo: O castanheiro desenvolve-se facilmente em solos ricos em sílica e a faia em solos ricos em carbonato de cálcio. ANIMAIS A consistência e estrutura de um solo são determinantes para a locomoção e respectivas adaptações dos órgãos locomotores. Exemplo: Animais que se deslocam em solos pantanosos têm patas com a superfície de contacto com o solo alargadas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matériaMargarida Cardoso
 
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemasFluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemasisabelalexandrapinto
 
Estado tempo-clima e elementos - fatores climáticos 7º ano 12-13
Estado tempo-clima e elementos - fatores climáticos 7º ano  12-13Estado tempo-clima e elementos - fatores climáticos 7º ano  12-13
Estado tempo-clima e elementos - fatores climáticos 7º ano 12-13Gina Espenica
 
A importância da atmosfera
A importância da atmosferaA importância da atmosfera
A importância da atmosferaGeografias Geo
 
Condições da Terra que permitem existência de Vida
Condições da Terra que permitem existência de VidaCondições da Terra que permitem existência de Vida
Condições da Terra que permitem existência de VidaGabriela Bruno
 
Relatorio de Simulação de Erupções Vulcânicas
Relatorio de Simulação de Erupções VulcânicasRelatorio de Simulação de Erupções Vulcânicas
Relatorio de Simulação de Erupções Vulcânicaskyzinha
 
Factores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - ExercíciosFactores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - ExercíciosGabriela Bruno
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicasGabriela de Lima
 
Terra Lua e Sol.pdf
Terra Lua e Sol.pdfTerra Lua e Sol.pdf
Terra Lua e Sol.pdfnunofq
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosMINEDU
 
O clima -geografia 7º ano
O clima -geografia 7º anoO clima -geografia 7º ano
O clima -geografia 7º anoAna Rita Matos
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosProfessor
 
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemasFuncionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemasGerdian Teixeira
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terraProfessor
 

Mais procurados (20)

3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
 
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemasFluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
 
Estado tempo-clima e elementos - fatores climáticos 7º ano 12-13
Estado tempo-clima e elementos - fatores climáticos 7º ano  12-13Estado tempo-clima e elementos - fatores climáticos 7º ano  12-13
Estado tempo-clima e elementos - fatores climáticos 7º ano 12-13
 
Fatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e ventoFatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e vento
 
A importância da atmosfera
A importância da atmosferaA importância da atmosfera
A importância da atmosfera
 
Condições da Terra que permitem existência de Vida
Condições da Terra que permitem existência de VidaCondições da Terra que permitem existência de Vida
Condições da Terra que permitem existência de Vida
 
Relatorio de Simulação de Erupções Vulcânicas
Relatorio de Simulação de Erupções VulcânicasRelatorio de Simulação de Erupções Vulcânicas
Relatorio de Simulação de Erupções Vulcânicas
 
Factores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - ExercíciosFactores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - Exercícios
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
II - A TERRA COMO SISTEMA
II - A TERRA COMO SISTEMAII - A TERRA COMO SISTEMA
II - A TERRA COMO SISTEMA
 
Terra Lua e Sol.pdf
Terra Lua e Sol.pdfTerra Lua e Sol.pdf
Terra Lua e Sol.pdf
 
Microscópio Óptico
Microscópio Óptico Microscópio Óptico
Microscópio Óptico
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
 
O clima -geografia 7º ano
O clima -geografia 7º anoO clima -geografia 7º ano
O clima -geografia 7º ano
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
 
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemasFuncionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemas
 
Elementos climáticos
Elementos climáticosElementos climáticos
Elementos climáticos
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
 

Destaque

Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokAula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokluanarodriguessh
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaRita Pereira
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográficoCarminha
 
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animaisInfluência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animaisMariaJoão Agualuza
 
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos AnimaisInfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos AnimaisTânia Reis
 
Ciências [ecologia] biosfera e ecologia [henzo]
Ciências [ecologia]   biosfera e ecologia [henzo]Ciências [ecologia]   biosfera e ecologia [henzo]
Ciências [ecologia] biosfera e ecologia [henzo]henzo13
 
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosferaHugo Martins
 
Plano de aula 6 circulação
Plano de aula 6 circulaçãoPlano de aula 6 circulação
Plano de aula 6 circulaçãofamiliaestagio
 
Convensões Internacionais - Biodiversidade
Convensões Internacionais - BiodiversidadeConvensões Internacionais - Biodiversidade
Convensões Internacionais - Biodiversidadesofiaapires
 

Destaque (20)

Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokAula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
 
1o Ano Ecologia Humana
1o Ano   Ecologia Humana1o Ano   Ecologia Humana
1o Ano Ecologia Humana
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosfera
 
PP1 Biosfera
PP1 Biosfera PP1 Biosfera
PP1 Biosfera
 
Biosfera
BiosferaBiosfera
Biosfera
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
Conceitos Da Geografia
Conceitos Da GeografiaConceitos Da Geografia
Conceitos Da Geografia
 
Celula
CelulaCelula
Celula
 
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animaisInfluência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
 
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos AnimaisInfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
 
Terra um planeta com vida
Terra   um planeta com vidaTerra   um planeta com vida
Terra um planeta com vida
 
Ciências [ecologia] biosfera e ecologia [henzo]
Ciências [ecologia]   biosfera e ecologia [henzo]Ciências [ecologia]   biosfera e ecologia [henzo]
Ciências [ecologia] biosfera e ecologia [henzo]
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
 
Estrutura da Terra
Estrutura da TerraEstrutura da Terra
Estrutura da Terra
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Introdução A Geografia
Introdução A GeografiaIntrodução A Geografia
Introdução A Geografia
 
Catástrofes
CatástrofesCatástrofes
Catástrofes
 
Plano de aula 6 circulação
Plano de aula 6 circulaçãoPlano de aula 6 circulação
Plano de aula 6 circulação
 
Convensões Internacionais - Biodiversidade
Convensões Internacionais - BiodiversidadeConvensões Internacionais - Biodiversidade
Convensões Internacionais - Biodiversidade
 

Semelhante a Biosfera e factores abióticos

Fatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaFatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaJoão Rodrigues
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Sara Catarina
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasGabriela Bruno
 
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptxCarlaSilva639671
 
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa   Ecossistemas E Factores AbioticosFicha Informativa   Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores AbioticosRui Jorge
 
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioResumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioStéphanie Lima
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8anoJean Dos Santos Souza
 
04.fatores abióticos
04.fatores abióticos04.fatores abióticos
04.fatores abióticosruiricardobg
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosClara Abegão
 
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)Ana Reis
 
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039Ana Reis
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011Teresa Monteiro
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasInês Mota
 
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
Finf 1   fatores abióticos 8º 1314Finf 1   fatores abióticos 8º 1314
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314Sandra Soares
 

Semelhante a Biosfera e factores abióticos (20)

Fatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaFatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoria
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
 
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
 
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa   Ecossistemas E Factores AbioticosFicha Informativa   Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores Abioticos
 
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioResumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
 
Relacoes abioticas
Relacoes abioticasRelacoes abioticas
Relacoes abioticas
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Fatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptxFatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptx
 
04.fatores abióticos
04.fatores abióticos04.fatores abióticos
04.fatores abióticos
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
 
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
 
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
 
Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
 
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
Finf 1   fatores abióticos 8º 1314Finf 1   fatores abióticos 8º 1314
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
 
Ecologiaintroducao
EcologiaintroducaoEcologiaintroducao
Ecologiaintroducao
 

Mais de Cristina Vitória (20)

Unidade 6
Unidade 6Unidade 6
Unidade 6
 
Unidade 5
Unidade 5Unidade 5
Unidade 5
 
Mundo natural
Mundo naturalMundo natural
Mundo natural
 
Saude santilhana
Saude santilhanaSaude santilhana
Saude santilhana
 
Protecção e conservação da natureza
Protecção e conservação da naturezaProtecção e conservação da natureza
Protecção e conservação da natureza
 
Política 3 rs
Política 3 rsPolítica 3 rs
Política 3 rs
 
Recursos naturais i
Recursos naturais iRecursos naturais i
Recursos naturais i
 
Recursos naturais ii
Recursos naturais iiRecursos naturais ii
Recursos naturais ii
 
Sistemaneuro hormonal
Sistemaneuro hormonalSistemaneuro hormonal
Sistemaneuro hormonal
 
Dia de são valentim
Dia de são valentimDia de são valentim
Dia de são valentim
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria iFluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
 
Factores bióticos
Factores bióticosFactores bióticos
Factores bióticos
 
Fertilidade
FertilidadeFertilidade
Fertilidade
 
Reprodução nos seres vivos
Reprodução nos seres vivosReprodução nos seres vivos
Reprodução nos seres vivos
 
Recursos hidricos
Recursos hidricosRecursos hidricos
Recursos hidricos
 
Recursos geologicos
Recursos geologicosRecursos geologicos
Recursos geologicos
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
 
Deformações das rochas
Deformações das rochasDeformações das rochas
Deformações das rochas
 

Último

manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 

Último (20)

manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 

Biosfera e factores abióticos

  • 1.  
  • 9.
  • 11. FACTORES ABIÓTICOS FACTOR LIMITANTE Quando os valores (altos ou baixos) de um determinado factor impedem o desenvolvimento de um organismo ou grupo de organismos.
  • 12. LUZ O FOTOPERÍODO é o número de horas de luz de uma dia.
  • 13. A floração das plantas é influenciada pela intensidade luminosa. Ex : Os crisântemos florescem no Inverno (dias mais curtos e noites mais longas). Factores abióticos - LUZ
  • 14.  
  • 15. O fototropismo é o movimento que as plantas efectuam em direcção a uma fonte de luz. Ex: O girassol movimenta-se em direcção ao Sol. FOTOTROPISMO
  • 16.
  • 17. MIGRAÇÃO E HIBERNAÇÃO É a mudança no fotoperíodo que indica aos animais a altura de começarem a acumular reservas alimentares para viajarem ou hibernarem. Factores abióticos - LUZ
  • 18. Factores abióticos - LUZ CICLOS REPRODUTIVOS As épocas de acasalamento ou de nascimento das crias são sazonais. Ex: As trutas desovam em Novembro, altura do ano em que os dias são curtos e as noites são longas.
  • 19. Factores abióticos - LUZ FOTOTAXIA Há animais que se movimentam em direcção de uma fonte luminosa – fototaxia positiva . Há animais que fogem das fontes de luz – fototaxia negativa . Animais lucífilos Animais lucífugos
  • 20.  
  • 21. Factores abióticos - LUZ A cor do pêlo da raposa polar muda com a época do ano, permitindo uma melhor camuflagem . PRODUÇÃO DE MELANINA
  • 22.  
  • 23. Factores abióticos - LUZ ACTIVIDADE DIÁRIA Animais que permanecem sempre activos. Animais que são activos durante o crepúsculo. Animais que são activos durante a noite. DIURNOS CREPUSCULARES NOCTURNOS
  • 25. POIQUILOTÉRMICOS – animais de temperatura VARIÁVEL Factores abióticos - TEMPERATURA
  • 26. HOMEOTÉRMICOS – animais de temperatura CONSTANTE Factores abióticos - TEMPERATURA
  • 27. Classificação dos animais de acordo com a variação da temperatura corporal Factores abióticos - TEMPERATURA POIQUILOTÉRMICOS ou ECTOTÉRMICOS – animais de temperatura variável HOMEOTÉRMICOS ou ENDOTÉRMICOS – animais de temperatura constante A variação da temperatura ambiental provoca a variação da temperatura interna. Mesmo quando a temperatura ambiental varia, estes animais mantêm a sua temperatura interna
  • 28.
  • 29. Factores abióticos - TEMPERATURA A TEMPERATURA ÓPTIMA É possível definir para cada espécie um intervalo de tolerância à temperatura , dentro do qual o ser vivo pode sobreviver. Actividade do organismo Temperatura (ºC)
  • 30. Factores abióticos - TEMPERATURA Classificação dos seres vivos de acordo com a tolerância à variação da temperatura ESTENOTÉRMICOS – seres vivos que não aguentam grandes variações térmicas. EURITÉRMICOS – seres vivos que toleram grandes variações térmicas.
  • 31.
  • 32. Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações comportamentais dos seres vivos à temperatura HIBERNAÇÃO ESTIVAÇÃO Estado de dormência em que o animal reduz ao mínimo a sua actividade, durante a estação fria . Estado de dormência em que o animal reduz ao mínimo a sua actividade em períodos quentes e secos . MIGRAÇÃO Movimento sazonal regular dos animais de um local para outro.
  • 33. ÁGUA
  • 34.
  • 35. PLUVIOSIDADE É a quantidade de chuva que cai numa determinada região, num determinado período de tempo.
  • 36. Os diferentes biomas apresentam índices de pluviosidade diferentes FLORESTA TROPICAL FLORESTA CADUCIFÓLIA Os índices de pluviosidade são elevados e permitem a existência de uma elevada biodiversidade Os índices de pluviosidade são regulares durante todo o ano, existindo uma biodiversidade apreciável.
  • 37. Os diferentes biomas apresentam índices de pluviosidade diferentes SAVANA DESERTO A quantidade de chuva varia muito ao longo do ano. Nos meses de maior índice de pluviosidade, há maior quantidade de seres vivos. A quantidade de chuva é escassa, condicionando a diversidade e quantidade de seres vivos.
  • 38. HUMIDADE É a quantidade de água que existe na atmosfera ou no solo.
  • 39. Classificação dos seres vivos de acordo com as necessidades em água Organismos hidrófilos Organismos higrófilos Organismos mesófilos Organismos xerófilos Vivem permanentemente na água. Necessitam de estar próximo da água ou em locais húmidos. Necessitam de quantidade moderadas de água. Apresentam uma certa independência em relação à água, mas devem consumi-la regularmente. Vivem em meios muito secos, estando bem adaptados à escassez de água.
  • 40. Classificação dos seres vivos de acordo com os limites de tolerância relativamente às variações na disponibilidade de água ESTENO-HÍDRICOS – seres vivos que apresentam um intervalo de tolerância estreito . EURI-HÍDRICOS – seres vivos que apresentam um intervalo de tolerância grande.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46. Influência da luminosidade num ambiente oceânico A intensidade luminosa é mais elevada A intensidade luminosa é média A intensidade luminosa é nula
  • 47. Influência da luminosidade num ambiente oceânico Vivem no fundo do Oceano, onde a temperatura é de 2 graus, a luz do sol não chega e a pressão da água é muito grande, isso a 4.000 metros de profundidade. Possuem hastes luminosas (bioluminescência) sobre a região da cabeça, para tentar capturar seu alimento.
  • 48. Influência da luminosidade num ambiente oceânico As algas habitam em zonas pouco profundas, onde a intensidade luminosa é mais elevada.
  • 49. Constituição do solo Matéria mineral – partículas de rochas. Matéria orgânica – é originada pela actividade dos seres vivos que habitam no solo ou que dele dependem. Húmus – matéria orgânica em decomposição.
  • 50. INFLUÊNCIA DO SOLO NOS SERES VIVOS PLANTAS A sobrevivência das plantas relaciona-se com a composição química dos solos. Exemplo: O castanheiro desenvolve-se facilmente em solos ricos em sílica e a faia em solos ricos em carbonato de cálcio. ANIMAIS A consistência e estrutura de um solo são determinantes para a locomoção e respectivas adaptações dos órgãos locomotores. Exemplo: Animais que se deslocam em solos pantanosos têm patas com a superfície de contacto com o solo alargadas.