SlideShare uma empresa Scribd logo
22 de Novembro de 2014
Prof: Filipe Marinho Turma: 8º D
Manual: 8CienTic- Porto EditoraManual: 8CienTic- Porto Editora
E5 E6
21 de Novembro de 2014
Professor : Filipe Marinho
Turma: 8º D
E5 E6 Sugestão de Sumário
Lição 29 e 30 21-11-2014
Sumário
- Influência do solo e do vento nos seres vivos.
-Adaptações dos seres vivos aos fatores abióticos em estudo.
-Resolução de exercícios.
Fatores Abióticos
1ª Parte
E5
E5
1ª Parte
• O solo é uma mistura complexa de
materiais: material rochoso alterado,
minerais, matéria orgânica, água e ar.
• É um sistema em equilíbrio dinâmico,
com constante interação entre os seres
vivos ̶ que nele e sobre ele vivem – e
os fatores abióticos.
O que é o solo?
E5
1ª Parte
• O tipo e a espessura do solo variam com o clima e o
relevo, condicionando o tipo de comunidades que
formam os ecossistemas.
• A textura e a porosidade determinam a disponibilidade
de nutrientes para plantas e animais.
Os solos são
todos iguais?
E5
1ª Parte
Adaptações dos animais – Patas largas e almofadadas, com
garras fortes ou cascos, permitem a deslocação na rocha, na
areia ou no gelo.
Animais como os coelhos, as toupeiras, os ratos, os lagartos e as
cobras escavam galerias ou procuram tocas no solo para
procriarem e protegerem as suas crias.
E5
1ª Parte
Fungos
Minhoca
Bichos-de-conta
Lesma
Caracol
BactériasProtistas
Larva
Ácaros
Página 74
Questões
E5
1ª Parte
A humidade e a temperatura do solo permitem a sobrevivência de
caracóis, lesmas, bichos-de-conta, insetos e aranhas.
As minhocas, a par de fungos e bactérias, transformam os restos
orgânicos em sais minerais, tornando o solo numa verdadeira
central de reciclagem.
E5
1ª Parte
Os restos de animais e
de plantas constituem
detritos orgânicos que,
em processo de
decomposição, originam
o húmus.
E5
1ª Parte
Adaptações das plantas – Fixas pelas raízes, as plantas estão
adaptadas às condições físicas e químicas do solo.
Disponibilidade de água
Acidez
Salinidade
E5
1ª Parte
Hortência
(Hydrangea macrophylla)
Solo ácido- Flores azuis Solo básico- Flores cor-de-rosa
E5
1ª Parte
Mapa de conceitos
Exercício
Tempo: 5 minutos
E5
1ª Parte
Mapa de conceitos
Solo
Animais Plantas
Patas largas e
almofadadas
Garras fortes Capacidades especiais
para viver no solo
Raízes adequadas
Fatores Abióticos
2ª Parte
E6
E6
2ª Parte
O vento agrava, nos seres vivos, os efeitos das baixas temperaturas
e da secura e tem um efeito limitante nas atividades e na
distribuição dos indivíduos.
E6
2ª Parte
Adaptações dos animais – As aves de rapina e as aves
marinhas exploram os ventos com grande mestria.
Devido ao seu baixo peso, insetos e aranhas podem ser
arrastados pelos ventos.
E6
2ª Parte
Adaptações das plantas – Plantas com caules flexíveis ou com
crescimento em almofada estão bem adaptadas ao vento.
Em algumas plantas, o vento transporta as sementes para longe.
E6
2ª Parte
Mapa de conceitos
Exercício
Tempo: 5 minutos
E6
1ª Parte
Mapa de conceitos
Vento
Animais Plantas
Procura de
refúgio
Aproveitamento
de correntes
Caules
Flexíveis
Revestimentos
impermeáveis
Folhas
robustas
Folhas de
tamanhos
reduzidos
Transporte de
pólen e
sementes
Exercícios
Já aprendi
E3
1. A água é essencial à _________. Nos
ambientes secos, os animais correm o perigo
de morrer por________________. Os
animais do deserto transpiram___________
e a sua urina é ______________.
Vida
Desidratação
pouco
concentrada
Já aprendi
E3
2. Com base nas características das plantas descritas, classifica-as
como higrófilas ou xerófilas.
a) O ranúnculo tem folha grandes e suaves. As suas raízes são pouco
extensas. Ocorre nas margens dos rios.
Higrófila
Xerófila
b) O chorão-das-praias tem folhas carnudas, que incham
após um curto período de chuva e mirram nos períodos
de seca. Ocorrem nas dunas
Exercícios
Já aprendi
E4
Exercícios
Já aprendi
E6
1. Com vento, a perda de água por
transpiração ___________e a temperatura
____________. Nas plantas, ter
revestimentos permeáveis _____________a
capacidade de sobrevivência, mas ter caules
flexíveis ___________ a resistência ao vento.
aumenta
aumenta
diminui
diminui
Exercícios
E5
Disponibilidade de água
Acidez
Salinidade
A produção máxima
verificada na parcela C
deve-se à presença de
ambos os elementos
minerais (azoto e
fósforo), não atuando
qualquer deles como
fator limitante.
Pág. 73- Questões
Exercícios

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS II
sandranascimento
 
Influência da Luz
Influência da LuzInfluência da Luz
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
Ana Castro
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
Sérgio Luiz
 
Fatores abióticos - humidade
  Fatores abióticos - humidade  Fatores abióticos - humidade
Fatores abióticos - humidade
Ana Castro
 
Fatores abióticos: solo
Fatores abióticos: solo Fatores abióticos: solo
Fatores abióticos: solo
Ana Castro
 
Factores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - ExercíciosFactores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - Exercícios
Gabriela Bruno
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Inês Mota
 
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantas
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantasInfluencia do fotoperiodo nos animais e plantas
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantas
JoseOliveiraPT
 
Fatores abioticos
Fatores abioticosFatores abioticos
Fatores abioticos
Patrícia Silva
 
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoFatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Luís Filipe Marinho
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
Catir
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
mariacarmoteixeira
 
8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas
Maria Rocha R
 
Fatores abióticos: temperatura
Fatores abióticos: temperaturaFatores abióticos: temperatura
Fatores abióticos: temperatura
Ana Castro
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
Ana Castro
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
Sónia Vieira
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
Franc Knap Junior
 
IV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOSIV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOS
sandranascimento
 
Resumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º AnoResumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º Ano
Ana Beatriz Gonçalves
 

Mais procurados (20)

III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS II
 
Influência da Luz
Influência da LuzInfluência da Luz
Influência da Luz
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
 
Fatores abióticos - humidade
  Fatores abióticos - humidade  Fatores abióticos - humidade
Fatores abióticos - humidade
 
Fatores abióticos: solo
Fatores abióticos: solo Fatores abióticos: solo
Fatores abióticos: solo
 
Factores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - ExercíciosFactores Abióticos - Exercícios
Factores Abióticos - Exercícios
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
 
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantas
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantasInfluencia do fotoperiodo nos animais e plantas
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantas
 
Fatores abioticos
Fatores abioticosFatores abioticos
Fatores abioticos
 
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoFatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuação
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
 
8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas
 
Fatores abióticos: temperatura
Fatores abióticos: temperaturaFatores abióticos: temperatura
Fatores abióticos: temperatura
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
 
IV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOSIV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOS
 
Resumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º AnoResumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º Ano
 

Semelhante a Fatores abióticos - solo e vento

2012 volume1 cadernodoaluno_ciencias_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
2012 volume1 cadernodoaluno_ciencias_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito2012 volume1 cadernodoaluno_ciencias_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
2012 volume1 cadernodoaluno_ciencias_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
AndersonSantosB
 
Cn5º
Cn5ºCn5º
Relatório de campo
Relatório de campoRelatório de campo
Relatório de campo
Maria Cristina Marques Mota
 
Ciencias 5ª série vol 1
Ciencias 5ª série vol 1Ciencias 5ª série vol 1
Ciencias 5ª série vol 1
nicholasfavaro
 
1. os seres vivos e o ambiente
1. os seres vivos e o ambiente1. os seres vivos e o ambiente
1. os seres vivos e o ambiente
Margarida Cardoso
 
Planejamento 152 1 t 2t 3t
Planejamento 152 1 t 2t 3tPlanejamento 152 1 t 2t 3t
Planejamento 152 1 t 2t 3t
Ivo Fonseca
 
Planejamento 152 1 t 2t 3t
Planejamento 152 1 t 2t 3tPlanejamento 152 1 t 2t 3t
Planejamento 152 1 t 2t 3t
Ivo Fonseca
 
7º dia
7º dia7º dia
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
MINEDU
 
cn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdfcn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdf
Sónia Cardador
 
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptxae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
mariagrave
 
Unidade1
Unidade1Unidade1
Unidade1
Ana Conceição
 

Semelhante a Fatores abióticos - solo e vento (12)

2012 volume1 cadernodoaluno_ciencias_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
2012 volume1 cadernodoaluno_ciencias_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito2012 volume1 cadernodoaluno_ciencias_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
2012 volume1 cadernodoaluno_ciencias_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
 
Cn5º
Cn5ºCn5º
Cn5º
 
Relatório de campo
Relatório de campoRelatório de campo
Relatório de campo
 
Ciencias 5ª série vol 1
Ciencias 5ª série vol 1Ciencias 5ª série vol 1
Ciencias 5ª série vol 1
 
1. os seres vivos e o ambiente
1. os seres vivos e o ambiente1. os seres vivos e o ambiente
1. os seres vivos e o ambiente
 
Planejamento 152 1 t 2t 3t
Planejamento 152 1 t 2t 3tPlanejamento 152 1 t 2t 3t
Planejamento 152 1 t 2t 3t
 
Planejamento 152 1 t 2t 3t
Planejamento 152 1 t 2t 3tPlanejamento 152 1 t 2t 3t
Planejamento 152 1 t 2t 3t
 
7º dia
7º dia7º dia
7º dia
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
 
cn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdfcn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdf
 
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptxae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
 
Unidade1
Unidade1Unidade1
Unidade1
 

Mais de Luís Filipe Marinho

Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficosObtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Luís Filipe Marinho
 
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Luís Filipe Marinho
 
Ingestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorçãoIngestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorção
Luís Filipe Marinho
 
Transportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambranaTransportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambrana
Luís Filipe Marinho
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
Luís Filipe Marinho
 
Ficha 1 membrana plasmasmática
Ficha 1   membrana plasmasmáticaFicha 1   membrana plasmasmática
Ficha 1 membrana plasmasmática
Luís Filipe Marinho
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
Luís Filipe Marinho
 
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentávelJ1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
Luís Filipe Marinho
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
Luís Filipe Marinho
 
I1 sucessões ecológicas
I1   sucessões ecológicasI1   sucessões ecológicas
I1 sucessões ecológicas
Luís Filipe Marinho
 
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e águaProtocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Luís Filipe Marinho
 
Ficha 5 medidas de minimização
Ficha 5   medidas de minimizaçãoFicha 5   medidas de minimização
Ficha 5 medidas de minimização
Luís Filipe Marinho
 
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevençãoAula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Luís Filipe Marinho
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
Luís Filipe Marinho
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Ficha 3 tipo de erupções
Ficha 3  tipo de erupçõesFicha 3  tipo de erupções
Ficha 3 tipo de erupções
Luís Filipe Marinho
 
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3  tipos de erupções vulcãnicasAula 3  tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Luís Filipe Marinho
 
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologiaFicha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Luís Filipe Marinho
 
introdução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismointrodução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismo
Luís Filipe Marinho
 
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos AçoresFicha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Luís Filipe Marinho
 

Mais de Luís Filipe Marinho (20)

Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficosObtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
 
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
 
Ingestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorçãoIngestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorção
 
Transportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambranaTransportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambrana
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
 
Ficha 1 membrana plasmasmática
Ficha 1   membrana plasmasmáticaFicha 1   membrana plasmasmática
Ficha 1 membrana plasmasmática
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
 
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentávelJ1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
 
I1 sucessões ecológicas
I1   sucessões ecológicasI1   sucessões ecológicas
I1 sucessões ecológicas
 
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e águaProtocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
 
Ficha 5 medidas de minimização
Ficha 5   medidas de minimizaçãoFicha 5   medidas de minimização
Ficha 5 medidas de minimização
 
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevençãoAula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Ficha 3 tipo de erupções
Ficha 3  tipo de erupçõesFicha 3  tipo de erupções
Ficha 3 tipo de erupções
 
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3  tipos de erupções vulcãnicasAula 3  tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
 
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologiaFicha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
 
introdução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismointrodução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismo
 
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos AçoresFicha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
 

Último

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 

Último (20)

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 

Fatores abióticos - solo e vento

  • 1. 22 de Novembro de 2014 Prof: Filipe Marinho Turma: 8º D Manual: 8CienTic- Porto EditoraManual: 8CienTic- Porto Editora E5 E6 21 de Novembro de 2014 Professor : Filipe Marinho Turma: 8º D
  • 2. E5 E6 Sugestão de Sumário Lição 29 e 30 21-11-2014 Sumário - Influência do solo e do vento nos seres vivos. -Adaptações dos seres vivos aos fatores abióticos em estudo. -Resolução de exercícios.
  • 4. E5 1ª Parte • O solo é uma mistura complexa de materiais: material rochoso alterado, minerais, matéria orgânica, água e ar. • É um sistema em equilíbrio dinâmico, com constante interação entre os seres vivos ̶ que nele e sobre ele vivem – e os fatores abióticos. O que é o solo?
  • 5. E5 1ª Parte • O tipo e a espessura do solo variam com o clima e o relevo, condicionando o tipo de comunidades que formam os ecossistemas. • A textura e a porosidade determinam a disponibilidade de nutrientes para plantas e animais. Os solos são todos iguais?
  • 6. E5 1ª Parte Adaptações dos animais – Patas largas e almofadadas, com garras fortes ou cascos, permitem a deslocação na rocha, na areia ou no gelo. Animais como os coelhos, as toupeiras, os ratos, os lagartos e as cobras escavam galerias ou procuram tocas no solo para procriarem e protegerem as suas crias.
  • 8. E5 1ª Parte A humidade e a temperatura do solo permitem a sobrevivência de caracóis, lesmas, bichos-de-conta, insetos e aranhas. As minhocas, a par de fungos e bactérias, transformam os restos orgânicos em sais minerais, tornando o solo numa verdadeira central de reciclagem.
  • 9. E5 1ª Parte Os restos de animais e de plantas constituem detritos orgânicos que, em processo de decomposição, originam o húmus.
  • 10. E5 1ª Parte Adaptações das plantas – Fixas pelas raízes, as plantas estão adaptadas às condições físicas e químicas do solo. Disponibilidade de água Acidez Salinidade
  • 11. E5 1ª Parte Hortência (Hydrangea macrophylla) Solo ácido- Flores azuis Solo básico- Flores cor-de-rosa
  • 12. E5 1ª Parte Mapa de conceitos Exercício Tempo: 5 minutos
  • 13. E5 1ª Parte Mapa de conceitos Solo Animais Plantas Patas largas e almofadadas Garras fortes Capacidades especiais para viver no solo Raízes adequadas
  • 15. E6 2ª Parte O vento agrava, nos seres vivos, os efeitos das baixas temperaturas e da secura e tem um efeito limitante nas atividades e na distribuição dos indivíduos.
  • 16. E6 2ª Parte Adaptações dos animais – As aves de rapina e as aves marinhas exploram os ventos com grande mestria. Devido ao seu baixo peso, insetos e aranhas podem ser arrastados pelos ventos.
  • 17. E6 2ª Parte Adaptações das plantas – Plantas com caules flexíveis ou com crescimento em almofada estão bem adaptadas ao vento. Em algumas plantas, o vento transporta as sementes para longe.
  • 18. E6 2ª Parte Mapa de conceitos Exercício Tempo: 5 minutos
  • 19. E6 1ª Parte Mapa de conceitos Vento Animais Plantas Procura de refúgio Aproveitamento de correntes Caules Flexíveis Revestimentos impermeáveis Folhas robustas Folhas de tamanhos reduzidos Transporte de pólen e sementes
  • 20. Exercícios Já aprendi E3 1. A água é essencial à _________. Nos ambientes secos, os animais correm o perigo de morrer por________________. Os animais do deserto transpiram___________ e a sua urina é ______________. Vida Desidratação pouco concentrada
  • 21. Já aprendi E3 2. Com base nas características das plantas descritas, classifica-as como higrófilas ou xerófilas. a) O ranúnculo tem folha grandes e suaves. As suas raízes são pouco extensas. Ocorre nas margens dos rios. Higrófila Xerófila b) O chorão-das-praias tem folhas carnudas, que incham após um curto período de chuva e mirram nos períodos de seca. Ocorrem nas dunas Exercícios
  • 23. Já aprendi E6 1. Com vento, a perda de água por transpiração ___________e a temperatura ____________. Nas plantas, ter revestimentos permeáveis _____________a capacidade de sobrevivência, mas ter caules flexíveis ___________ a resistência ao vento. aumenta aumenta diminui diminui Exercícios
  • 24. E5 Disponibilidade de água Acidez Salinidade A produção máxima verificada na parcela C deve-se à presença de ambos os elementos minerais (azoto e fósforo), não atuando qualquer deles como fator limitante. Pág. 73- Questões Exercícios

Notas do Editor

  1. Relativamente às características do solo, é de salientar: • quantidade de água e de ar; • textura (composição granulométrica – presença de cascalho, areias ou argila) – condiciona a porosidade e permeabilidade; • porosidade (volume dos poros) e permeabilidade (facilidade com que se deixa atravessar pela água); • composição química, que determina a salinidade e o pH.
  2. Relativamente às características do solo, é de salientar: • quantidade de água e de ar; • textura (composição granulométrica – presença de cascalho, areias ou argila) – condiciona a porosidade e permeabilidade; • porosidade (volume dos poros) e permeabilidade (facilidade com que se deixa atravessar pela água); • composição química, que determina a salinidade e o pH.
  3. Pinguim-imperador___o substrato rochoso e falta de solo adequado para a construção de ninhos condicionam o sucesso reprodutivo de algumas espécies na Antártida. Como tal, algumas espécies, como o pinguim, desenvolveram comportamentos protetores do ovo ou da cria e não fazem posturas no solo. O pinguim tem um prega de pele própria para proteger a cria. Larva da formiga-leão___ depende do substrato para subreviver pois enterra
  4. Em solo ácido a hortênsia produz flores azuis, já em solos básicos, suas flores são cor-de-rosa. A intensidade dessas cores depende do teor de acidez ou alcalinidade do solo; quanto mais ácido, mais azul-escuro ficará; e quanto mais básico, mais claro será. um fato bastante interessante é que uma hortênsia azul pode se tornar, com o tempo, rosa e vice-versa. Isso ocorre em razão do pH do solo.
  5. O vento, isto é, o deslocamento do ar, condiciona a distribuição dos seres vivos. O ar contém vapor de água, influenciando a quantidade de água existente nos ecossistemas, mas também a temperatura e as características do solo.
  6. Muitas plantas dependem do vento para a dispersão das sementes.