SlideShare uma empresa Scribd logo
 
O s ecossistemas são formados pela união de dois fatores: Fatores abióticos  - o conjunto de todos os fatores físicos que podem incidir sobre as comunidades de uma certa região. Fatores bióticos  - conjunto de todos seres vivos e que interagem uma certa região e que poderão ser chamados de biocenose, comunidade ou de biota. FATORES BIÓTICOS FATORES ABIÓTICOS = = ECOSSISTEMA :   UNIDADE DE ESTUDO DA ECOLOGIA SISTEMA DE RELAÇÕES ENTRE SERES VIVOS E FATORES FÍSICOS E QUÍMICOS DO MEIO
NÍVEIS DE ESTUDO DA ECOLOGIA BIÓTOPO  -  Espaço limitado, com características ambientais determinadas, onde vive uma biocenose.  No exemplo da floresta, o biótopo é a área que contém o solo (com seus minerais e água) e a atmosfera (com seus gases, umidade, temperatura, grau de luminosidade etc.).
CO NCEITOS BÁSICOS: HABITAT  -  é o lugar específico onde uma espécie pode ser encontrada, isto é, o seu "ENDEREÇO" dentro do ecossistema. Exemplo: Uma planta pode ser o habitat de um inseto, o leão pode ser encontrado nas savanas africanas, etc. NICHO ECOLÓGICO   - é o papel que o organismo desempenha no ecossistema, isto é, a "PROFISSÃO" do organismo no ecossistema. 0 nicho informa às custas de que se alimenta, a quem serve de alimento, como se reproduz, etc.
ECÓTONO   -  É  a transição entre ecossistemas .     campo  /  floresta   -  rio  /  mar   -  montanha   /  planície BI ODIVERSIDADE  -  É a riqueza biológica de uma região, de um ecossistema ou da biosfera. Leva-se em consideração a abundancia de cada espécie e a heterogeneidade da composição da comunidade.   Ambientes  com maior  Biodiversidade do Planeta :  MANGUEZAIS RECIFES DE CORAIS   FLORESTAS TROPICAIS   Utilização da biodiversidade Energia ,  Medicamentos ,  Defensivos agrícolas naturais  Matéria prima para industria (gomas, resinas, pigmentos, fibras, etc.)  Eco-turismo ,  Banco de genes (biotecnologia).
CONTROLE BIOLÓGICO   -  As medidas naturais utilizadas para o controle de pragas e restabelecimento para de ecossistemas são chamados controles biológicos. Podemos citar como exemplo de controle biológico: peixes no controle da esquistossomose  peixes no controle de larvas de  Aedes aegypti    besouros o controle da mosca do chifre  bactérias e vírus no controle de pragas e insetos  HOMEOSTASE -  propriedade auto-reguladora de um sistema ou organismo que lhe permite manter o seu estado de equilíbrio. No estágio de equilíbrio crescerá, na existência de espaço e alimento; crescendo, reduz-se o espaço e o alimento por indivíduo, o que determina um declínio numérico que abre disponibilidade de espaço e alimento para um novo crescimento.
LIMITE DE TOLERÂNCIA:             Quanto maior o limite de tolerância (Valencia ecológica), maior a capacidade de povoar ambientes diversos (cosmopolismo). Euribiontes – seres que toleram grandes variações das condições ambientais. Estenobiontes – seres que não  toleram grandes variações das condições ambientais. FATORES ABIÓTICOS
TEMPERATURA Cada espécie possui uma temperatura ótima para a realização das suas atividades vitais.  COMPORTAMENTO - Animais  como, por exemplo, lagartixas, reduzem as suas atividades vitais para valores mínimos, ficando num estado de vida latente;  ADAPTAÇÕES-  os que vivem em regiões muito frias apresentam, geralmente, pelagem longa e uma camada de gordura sob a pele . Animais  que se podem deslocar com facilidade como, por exemplo, as andorinhas, migram .
HIBERNAÇÃO  -  é um estado letárgico pelo quais muitos animais de sangue quente passam durante o inverno, principalmente em regiões temperadas e árticas.      ESTIVAÇÃO                                                                  Para algumas espécies que vivem em clima quente e árido, os períodos de seca e calor excessivos podem ser tão terríveis quanto os invernos rigorosos. Para se defender, muitos animais entram em sono profundo ou sono estival. Este fenômeno ocorre com moluscos, artrópodes, peixes, répteis e mamíferos. Certos peixes pulmonados, como, por exemplo, a pirambóia, enterram-se na lama quando os rios em que vivem secam, abrigando-se ali até a chegada das chuvas .
ÁGUA solvente universal atua em diversas atividades celulares dispersando compostos orgânicos e inorgânicos.  limitar a distribuição geográfica dos seres vivos,  influi na transpiração  condução das seivas quando se trata de vegetais.     ADAPTAÇÕES À FALTA DE ÁGUA NOS ANIMAIS os  animais produzem urina concentrada oxidam gorduras e desenvolvem hábitos noturnos. os vertebrados terrestres possuem na pele, a queratina, uma proteína que a impermeabiliza, já os insetos apresentam um exoesqueleto quitinoso.
ADAPTAÇÕES CONTRA A PERDA DE ÁGUA  NOS VEGETAIS : a s plantas armazenam água em caules espessos . as folhas modificadas em espinhos podem ter a função de reduzir a transpiração, tal como ocorre em muitas cactáceas
QUEDA DAS FOLHAS Nas províncias do Norte, mormente no sertão, as árvores despem-se de suas folhas apenas no rigor do verão, por causa das grandes secas, que assolam a região. Assim, na Europa e regiões extra tropicais, ela se dá no fim do outono, o mesmo ocorrendo, entre-nós, nas províncias do Sul da Minas Gerais e Estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.                                                                                                                                                                           
LUZ A luz é uma manifestação de energia, cuja principal fonte é o Sol. É indispensável ao desenvolvimento das plantas. A Luz e os Comportamentos dos Seres Vivos Os animais e as plantas apresentam fotoperiodismo, isto é, capacidade de reagir à duração da luminosidade diária a que estão submetidos - fotoperíodo.  Migração
CADEIA ALIMENTAR Seqüência de organismos que se relacionam pela alimentação. Existem basicamente dois tipos de cadeia alimentar :  as que começam a partir das plantas fotossintetizantes e as originadas através da matéria orgânica animal e vegetal morta.  Ex.: PLANTA  >  HERBÍVORO  >  CARNÍVORO
Uma cadeia alimentar é uma seqüência linear de seres vivos, uns servindo de alimento a outros, e também é uma simplificação do que acontece nos ecossistemas e, portanto, artificial. NÍVEL TRÓFICO Posição do organismo numa cadeia alimentar. PLANTA          >          HERBÍVORO          >          CARNÍVORO 1º Nível Trófico               2º Nível Trófico               3º Nível Trófico
Produtores  - São sempre seres autótrofos (que produzem seu próprio alimento), produzem alimento que será usado na cadeia e são obrigatoriamente a base de qualquer cadeia alimentar. A energia transformada a partir da luz solar e do gás carbônico  (fotossíntese) será repassada a todos os outros componentes restantes da cadeia ecológica. Os principais produtores conhecidos são as plantas e algas microscópicas (fitoplâncton).  Consumidores  - São os organismos que necessitam de se alimentar de outros organismos para obter a energia, uma vez que são incapazes de produzir seu próprio alimento. Se alimentam dos seres autótrofos e de outros heterótrofos .  Como exemplo, os herbívoros e carnívoros. Decompositores  - São organismos que atuam na transformação da matéria orgânica em matéria inorgânica, fazendo com  que estes compostos retornem ao solo para serem utilizados novamente por outro produtor, gerando uma nova cadeia alimentar. Os decompositores mais importantes são bactérias e fungos. Por se alimentarem de matéria em decomposição são considerados saprófitos ou sapróvoros.
COMPONENTES DE UMA  CADEIA  ALIMENTAR   - PRODUTORES:     AUTÓTROFOS: FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE   - CONSUMIDORES:     HETERÓTROFOS : HERBÍVOROS CARNÍVOROS ONÍVOROS   -  DECOMPOSITORES:     SAPRÓFAGOS: (FUNGOS E BACTÉRIAS)
TEIA ALIMENTAR Um conjunto de cadeias alimentares. Ex.:  Uma teia alimentar pode incluir seres vivos de diversos ecossistemas, é complexa e expressa o que realmente ocorre.
FLUXO DE MATÉRIA E ENERGIA NA CADEIA ALIMENTAR A matéria se mantém num  ciclo interminável , ora passa por uma fase inorgânica, ora atravessa uma fase orgânica. A energia, entretanto, não segue um caminho cíclico. Ela é  unidirecional , pois se dispersa dos seres para o ambiente, sob a forma de calor, não mais sendo recuperável pelos organismos.
PPIRÂMIDES ECOLÓGICAS   Representações gráficas das relações alimentares de uma comunidade.  Os degraus de uma pirâmide poderão representar : -- a  quantidade de kilocalorias  (energia) presentes nos componentes de uma cadeia alimentar,  -  a  Biomassa  armazenada em cada nível trófico ou  - o   número de indivíduos  envolvidos na referida cadeia. Portanto existem:   ·         PIRÂMIDES DE ENERGIA PIRÂMIDES DE BIOMASSA         PIRÂMIDES DE NÚMEROS
PIRÂMIDES DE BIOMASSA :são representadas, em cada nível, pelo peso seco consumido numa cadeia alimentar e expressa a quantidade de matéria orgânica por área. São  invertidas  em ecossistemas aquáticos : -  onde os produtores são bem menores e consumidos em grande quantidade por consumidores cada vez maiores -  este tipo de ecossistema só pode existir devido ao alta velocidade de reprodução dos produtores representados ali geralmente pelo fitoplâncton.
      PIRÂMIDES DE NÚMEROS : mostra o número de indivíduos que existe em cada nível trófico. A largura dos níveis representam o número de representantes de cada espécie naquela cadeia alimentar; é a mais variada.
PIRÂMIDES DE ENERGIA : correspondem a energia contida na biomassa de cada nível trófico, assim cada parte da pirâmide terá indicada a energia de um nível trófico. A energia não é acumulada , a medida que vai passando de um consumidor para o outro ela vai diminuindo, e, por isto mesmo não pode ser invertida.
MAGNIFICAÇÃO TRÓFICA            Substâncias tóxicas como DDT, BHC (Agrotóxicos), mercúrio, cromo e elementos radioativos tendem a se acumular ao longo da cadeia alimentar, prejudicando principalmente os carnívoros.  MERCÚRIO Origem: Atividade de mineração (ouro). Efeito: Acumulação na cadeia alimentar (magnificação trófica). DDT E HERBICIDAS Origem: Atividade agrícola. Efeito: Acumulo nas cadeias alimentares (magnificação trófica).
FONTES: www.linguativa.com.br www.biomania.com.br www.caradebiologia.com.br www.marcobueno.net http://educar.sc.usp.br www.cursoanglo.com.br Glossário Ambiental  Dicionário de Ecologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ecossistemas engamb1 (1)
Ecossistemas  engamb1 (1)Ecossistemas  engamb1 (1)
Ecossistemas engamb1 (1)
marianax3
 
03 ecologia relacoes troficas
03 ecologia   relacoes troficas03 ecologia   relacoes troficas
03 ecologia relacoes troficas
rommel andrade
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
Renata Magalhães
 
Aula 11 cadeia alimentar
Aula 11   cadeia alimentarAula 11   cadeia alimentar
Aula 11 cadeia alimentar
Jonatas Carlos
 
Apostila ecologia
Apostila ecologiaApostila ecologia
Apostila ecologia
Robson alex santos
 
fluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemasfluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemas
lpmir
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
Jose Aldo Ramires
 
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matériaResumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Lucca
 
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
Colégio Batista de Mantena
 
Fluxo de energia
Fluxo de energiaFluxo de energia
Fluxo de energia
Facos - Cnec
 
Aula reino-monera
Aula reino-moneraAula reino-monera
Aula reino-monera
professorbevilacqua
 
Biodiversidade aquática
Biodiversidade aquáticaBiodiversidade aquática
Biodiversidade aquática
Limnos Ufsc
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Magali Feldmann
 
Cadeias, teias, piramides ecologicas
Cadeias, teias, piramides ecologicasCadeias, teias, piramides ecologicas
Cadeias, teias, piramides ecologicas
Vjezhtitza
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Ecologia Ecologia
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
Turma Olímpica
 
Apostila de ecologia 1
Apostila de ecologia 1Apostila de ecologia 1
Apostila de ecologia 1
Juh Rodrigues
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosfera
Rita Pereira
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
Gov. Estado do Paraná
 

Mais procurados (20)

Ecossistemas engamb1 (1)
Ecossistemas  engamb1 (1)Ecossistemas  engamb1 (1)
Ecossistemas engamb1 (1)
 
03 ecologia relacoes troficas
03 ecologia   relacoes troficas03 ecologia   relacoes troficas
03 ecologia relacoes troficas
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
Aula 11 cadeia alimentar
Aula 11   cadeia alimentarAula 11   cadeia alimentar
Aula 11 cadeia alimentar
 
Apostila ecologia
Apostila ecologiaApostila ecologia
Apostila ecologia
 
fluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemasfluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemas
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
 
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matériaResumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
 
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
 
Fluxo de energia
Fluxo de energiaFluxo de energia
Fluxo de energia
 
Aula reino-monera
Aula reino-moneraAula reino-monera
Aula reino-monera
 
Biodiversidade aquática
Biodiversidade aquáticaBiodiversidade aquática
Biodiversidade aquática
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Cadeias, teias, piramides ecologicas
Cadeias, teias, piramides ecologicasCadeias, teias, piramides ecologicas
Cadeias, teias, piramides ecologicas
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
 
Apostila de ecologia 1
Apostila de ecologia 1Apostila de ecologia 1
Apostila de ecologia 1
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosfera
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
 

Destaque

Ecologia
Ecologia  Ecologia
Ecologia
Vanessa Anzolin
 
Factores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos TemperaturaFactores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos Temperatura
Teresa Monteiro
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
BIOGERALDO
 
Fluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materiaFluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materia
Rita Pereira
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Factores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaFactores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - Temperatura
Catir
 
Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
Catir
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
BIOGERALDO
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
mariacarmoteixeira
 

Destaque (9)

Ecologia
Ecologia  Ecologia
Ecologia
 
Factores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos TemperaturaFactores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos Temperatura
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Fluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materiaFluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materia
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
 
Factores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaFactores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - Temperatura
 
Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
 

Semelhante a Ecologia Cida

Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
SESI 422 - Americana
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
Suely namaste
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239
Rigo Rodrigues
 
ecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptxecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptx
rafaelbrandao22
 
Ecologia socorro
Ecologia socorroEcologia socorro
Ecologia socorro
Flávia Fernandes
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Particular
 
Bases da ecologia
Bases da ecologiaBases da ecologia
Bases da ecologia
Werner Mendoza Blanco
 
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Marcelo Gomes
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Andrey Moreira
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
Jose Aldo Ramires
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
Andrea Barreto
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Cristina Vitória
 
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
Leonor Vaz Pereira
 
Relações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.pptRelações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.ppt
LarissiFial
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
3 4 intro ecologia
3 4 intro ecologia3 4 intro ecologia
3 4 intro ecologia
professorfabiovalente
 
6 ano a b -c
6 ano a   b -c6 ano a   b -c
6 ano a b -c
profluiza
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
Marcionedes De Souza
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentar Cadeia alimentar
Cadeia alimentar
Lucilo Campos
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
barucalves
 

Semelhante a Ecologia Cida (20)

Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239
 
ecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptxecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptx
 
Ecologia socorro
Ecologia socorroEcologia socorro
Ecologia socorro
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Bases da ecologia
Bases da ecologiaBases da ecologia
Bases da ecologia
 
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
 
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
 
Relações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.pptRelações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.ppt
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
 
3 4 intro ecologia
3 4 intro ecologia3 4 intro ecologia
3 4 intro ecologia
 
6 ano a b -c
6 ano a   b -c6 ano a   b -c
6 ano a b -c
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentar Cadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 

Último

ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 

Último (6)

ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 

Ecologia Cida

  • 1.  
  • 2. O s ecossistemas são formados pela união de dois fatores: Fatores abióticos - o conjunto de todos os fatores físicos que podem incidir sobre as comunidades de uma certa região. Fatores bióticos - conjunto de todos seres vivos e que interagem uma certa região e que poderão ser chamados de biocenose, comunidade ou de biota. FATORES BIÓTICOS FATORES ABIÓTICOS = = ECOSSISTEMA :   UNIDADE DE ESTUDO DA ECOLOGIA SISTEMA DE RELAÇÕES ENTRE SERES VIVOS E FATORES FÍSICOS E QUÍMICOS DO MEIO
  • 3. NÍVEIS DE ESTUDO DA ECOLOGIA BIÓTOPO - Espaço limitado, com características ambientais determinadas, onde vive uma biocenose. No exemplo da floresta, o biótopo é a área que contém o solo (com seus minerais e água) e a atmosfera (com seus gases, umidade, temperatura, grau de luminosidade etc.).
  • 4. CO NCEITOS BÁSICOS: HABITAT - é o lugar específico onde uma espécie pode ser encontrada, isto é, o seu "ENDEREÇO" dentro do ecossistema. Exemplo: Uma planta pode ser o habitat de um inseto, o leão pode ser encontrado nas savanas africanas, etc. NICHO ECOLÓGICO - é o papel que o organismo desempenha no ecossistema, isto é, a "PROFISSÃO" do organismo no ecossistema. 0 nicho informa às custas de que se alimenta, a quem serve de alimento, como se reproduz, etc.
  • 5. ECÓTONO - É a transição entre ecossistemas .    campo  /  floresta - rio  /  mar - montanha   /  planície BI ODIVERSIDADE - É a riqueza biológica de uma região, de um ecossistema ou da biosfera. Leva-se em consideração a abundancia de cada espécie e a heterogeneidade da composição da comunidade. Ambientes com maior Biodiversidade do Planeta : MANGUEZAIS RECIFES DE CORAIS   FLORESTAS TROPICAIS Utilização da biodiversidade Energia , Medicamentos , Defensivos agrícolas naturais Matéria prima para industria (gomas, resinas, pigmentos, fibras, etc.) Eco-turismo , Banco de genes (biotecnologia).
  • 6. CONTROLE BIOLÓGICO - As medidas naturais utilizadas para o controle de pragas e restabelecimento para de ecossistemas são chamados controles biológicos. Podemos citar como exemplo de controle biológico: peixes no controle da esquistossomose peixes no controle de larvas de Aedes aegypti  besouros o controle da mosca do chifre bactérias e vírus no controle de pragas e insetos HOMEOSTASE - propriedade auto-reguladora de um sistema ou organismo que lhe permite manter o seu estado de equilíbrio. No estágio de equilíbrio crescerá, na existência de espaço e alimento; crescendo, reduz-se o espaço e o alimento por indivíduo, o que determina um declínio numérico que abre disponibilidade de espaço e alimento para um novo crescimento.
  • 7. LIMITE DE TOLERÂNCIA:            Quanto maior o limite de tolerância (Valencia ecológica), maior a capacidade de povoar ambientes diversos (cosmopolismo). Euribiontes – seres que toleram grandes variações das condições ambientais. Estenobiontes – seres que não toleram grandes variações das condições ambientais. FATORES ABIÓTICOS
  • 8. TEMPERATURA Cada espécie possui uma temperatura ótima para a realização das suas atividades vitais. COMPORTAMENTO - Animais como, por exemplo, lagartixas, reduzem as suas atividades vitais para valores mínimos, ficando num estado de vida latente; ADAPTAÇÕES- os que vivem em regiões muito frias apresentam, geralmente, pelagem longa e uma camada de gordura sob a pele . Animais que se podem deslocar com facilidade como, por exemplo, as andorinhas, migram .
  • 9. HIBERNAÇÃO - é um estado letárgico pelo quais muitos animais de sangue quente passam durante o inverno, principalmente em regiões temperadas e árticas.     ESTIVAÇÃO                                                                  Para algumas espécies que vivem em clima quente e árido, os períodos de seca e calor excessivos podem ser tão terríveis quanto os invernos rigorosos. Para se defender, muitos animais entram em sono profundo ou sono estival. Este fenômeno ocorre com moluscos, artrópodes, peixes, répteis e mamíferos. Certos peixes pulmonados, como, por exemplo, a pirambóia, enterram-se na lama quando os rios em que vivem secam, abrigando-se ali até a chegada das chuvas .
  • 10. ÁGUA solvente universal atua em diversas atividades celulares dispersando compostos orgânicos e inorgânicos. limitar a distribuição geográfica dos seres vivos, influi na transpiração condução das seivas quando se trata de vegetais.     ADAPTAÇÕES À FALTA DE ÁGUA NOS ANIMAIS os animais produzem urina concentrada oxidam gorduras e desenvolvem hábitos noturnos. os vertebrados terrestres possuem na pele, a queratina, uma proteína que a impermeabiliza, já os insetos apresentam um exoesqueleto quitinoso.
  • 11. ADAPTAÇÕES CONTRA A PERDA DE ÁGUA NOS VEGETAIS : a s plantas armazenam água em caules espessos . as folhas modificadas em espinhos podem ter a função de reduzir a transpiração, tal como ocorre em muitas cactáceas
  • 12. QUEDA DAS FOLHAS Nas províncias do Norte, mormente no sertão, as árvores despem-se de suas folhas apenas no rigor do verão, por causa das grandes secas, que assolam a região. Assim, na Europa e regiões extra tropicais, ela se dá no fim do outono, o mesmo ocorrendo, entre-nós, nas províncias do Sul da Minas Gerais e Estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.                                                                                                                                                                         
  • 13. LUZ A luz é uma manifestação de energia, cuja principal fonte é o Sol. É indispensável ao desenvolvimento das plantas. A Luz e os Comportamentos dos Seres Vivos Os animais e as plantas apresentam fotoperiodismo, isto é, capacidade de reagir à duração da luminosidade diária a que estão submetidos - fotoperíodo. Migração
  • 14. CADEIA ALIMENTAR Seqüência de organismos que se relacionam pela alimentação. Existem basicamente dois tipos de cadeia alimentar : as que começam a partir das plantas fotossintetizantes e as originadas através da matéria orgânica animal e vegetal morta. Ex.: PLANTA  >  HERBÍVORO  >  CARNÍVORO
  • 15. Uma cadeia alimentar é uma seqüência linear de seres vivos, uns servindo de alimento a outros, e também é uma simplificação do que acontece nos ecossistemas e, portanto, artificial. NÍVEL TRÓFICO Posição do organismo numa cadeia alimentar. PLANTA          >          HERBÍVORO          >          CARNÍVORO 1º Nível Trófico               2º Nível Trófico               3º Nível Trófico
  • 16. Produtores - São sempre seres autótrofos (que produzem seu próprio alimento), produzem alimento que será usado na cadeia e são obrigatoriamente a base de qualquer cadeia alimentar. A energia transformada a partir da luz solar e do gás carbônico  (fotossíntese) será repassada a todos os outros componentes restantes da cadeia ecológica. Os principais produtores conhecidos são as plantas e algas microscópicas (fitoplâncton). Consumidores - São os organismos que necessitam de se alimentar de outros organismos para obter a energia, uma vez que são incapazes de produzir seu próprio alimento. Se alimentam dos seres autótrofos e de outros heterótrofos . Como exemplo, os herbívoros e carnívoros. Decompositores - São organismos que atuam na transformação da matéria orgânica em matéria inorgânica, fazendo com  que estes compostos retornem ao solo para serem utilizados novamente por outro produtor, gerando uma nova cadeia alimentar. Os decompositores mais importantes são bactérias e fungos. Por se alimentarem de matéria em decomposição são considerados saprófitos ou sapróvoros.
  • 17. COMPONENTES DE UMA CADEIA ALIMENTAR   - PRODUTORES:    AUTÓTROFOS: FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE   - CONSUMIDORES:    HETERÓTROFOS : HERBÍVOROS CARNÍVOROS ONÍVOROS   - DECOMPOSITORES:    SAPRÓFAGOS: (FUNGOS E BACTÉRIAS)
  • 18. TEIA ALIMENTAR Um conjunto de cadeias alimentares. Ex.:  Uma teia alimentar pode incluir seres vivos de diversos ecossistemas, é complexa e expressa o que realmente ocorre.
  • 19. FLUXO DE MATÉRIA E ENERGIA NA CADEIA ALIMENTAR A matéria se mantém num ciclo interminável , ora passa por uma fase inorgânica, ora atravessa uma fase orgânica. A energia, entretanto, não segue um caminho cíclico. Ela é unidirecional , pois se dispersa dos seres para o ambiente, sob a forma de calor, não mais sendo recuperável pelos organismos.
  • 20. PPIRÂMIDES ECOLÓGICAS Representações gráficas das relações alimentares de uma comunidade. Os degraus de uma pirâmide poderão representar : -- a quantidade de kilocalorias (energia) presentes nos componentes de uma cadeia alimentar, - a Biomassa armazenada em cada nível trófico ou - o número de indivíduos envolvidos na referida cadeia. Portanto existem: ·       PIRÂMIDES DE ENERGIA PIRÂMIDES DE BIOMASSA      PIRÂMIDES DE NÚMEROS
  • 21. PIRÂMIDES DE BIOMASSA :são representadas, em cada nível, pelo peso seco consumido numa cadeia alimentar e expressa a quantidade de matéria orgânica por área. São invertidas em ecossistemas aquáticos : - onde os produtores são bem menores e consumidos em grande quantidade por consumidores cada vez maiores - este tipo de ecossistema só pode existir devido ao alta velocidade de reprodução dos produtores representados ali geralmente pelo fitoplâncton.
  • 22.     PIRÂMIDES DE NÚMEROS : mostra o número de indivíduos que existe em cada nível trófico. A largura dos níveis representam o número de representantes de cada espécie naquela cadeia alimentar; é a mais variada.
  • 23. PIRÂMIDES DE ENERGIA : correspondem a energia contida na biomassa de cada nível trófico, assim cada parte da pirâmide terá indicada a energia de um nível trófico. A energia não é acumulada , a medida que vai passando de um consumidor para o outro ela vai diminuindo, e, por isto mesmo não pode ser invertida.
  • 24. MAGNIFICAÇÃO TRÓFICA           Substâncias tóxicas como DDT, BHC (Agrotóxicos), mercúrio, cromo e elementos radioativos tendem a se acumular ao longo da cadeia alimentar, prejudicando principalmente os carnívoros. MERCÚRIO Origem: Atividade de mineração (ouro). Efeito: Acumulação na cadeia alimentar (magnificação trófica). DDT E HERBICIDAS Origem: Atividade agrícola. Efeito: Acumulo nas cadeias alimentares (magnificação trófica).
  • 25. FONTES: www.linguativa.com.br www.biomania.com.br www.caradebiologia.com.br www.marcobueno.net http://educar.sc.usp.br www.cursoanglo.com.br Glossário Ambiental Dicionário de Ecologia