SlideShare uma empresa Scribd logo
FATORES BIÓTICOS
Intraespecíficas- entre seres da mesma espécie, como os
membros de uma colónia de térmitas;
Interespecíficas- entre seres de espécies diferentes como os
leões e as suas presas.
FATORES BIÓTICOS- RELAÇÕES INTRAESPECÍFICAS
As relações intraespecíficas podem agrupar-se em duas categorias de
interacção:
Competição –quando dois ou mais indivíduos da mesma espécie disputam entre
si o mesmo recurso ( como a luz, o território, o alimento, o parceiro para
acasalar). Todos os seres são prejudicados.
Cooperação –quando a relação intraespecífica traz benefícios aos indivíduos
envolvido. Nessa categoria incluem-se as relações de sociedade de
acasalamento e as colónias.
Sociedade –relação estabelecida por um grupo de indivíduos da mesma espécie
e organizada segundo uma hierarquia onde os indivíduos cooperam entre si.
Todos os seres são beneficiados.
Acasalamento –relação entre dois seres diferentes co o intuito de atrair o sexo
oposto e de se reproduzirem. Ambos são beneficiados.
Colónias –grupo de seres vivos da mesma espécie que vivem em conjunto,
realizando funções que contribuem para a sobrevivência da colónia
FATORES BIÓTICOS –RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS
As relações bióticas interespecíficas podem assumir diversas formas em função do benefício ou
prejuízo que trazem aos organismos envolvidos.
Competição –relação entre indivíduos de espécies diferentes que lutam por um objetivo comum.
Ambos são prejudicados (-;+).
Predação –relação entre um ser –predador –que se alimenta de outro ser vivo –presa. O predador é
beneficiado e a presa é prejudicada (+;-).

Parasitismo -relação entre um ser –parasita –que se alimenta e vive á custa do outro –hospedeiro. O
parasita é beneficiado e o hospedeiro é prejudicado (+;-).
Antibiose –relação entre um ser que produz substâncias químicas e outro que é prejudicado por
essa substâncias. O ser vivo produtos fica indiferente e o outro é prejudicado (0;-).
Comensalismo –relação entre um ser vivo que aproveita os benefícios da presença do outro, sem o
afectar. Um ser é beneficiado e o outro fica indiferente (+;-).
Mutualismo –relação temporária e facultativa entre dois seres vivos em que ambos saem
beneficiados (+;+).

Simbiose –relação permanente e obrigatória entre dois seres vivos em que ambos saem
beneficiados (+;+).
Continuação das interacções seres vivo ambientes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Interação entre os seres vivos
Interação entre os seres vivosInteração entre os seres vivos
Interação entre os seres vivos
wenea
 
Factores Bióticos....
Factores Bióticos....Factores Bióticos....
Factores Bióticos....
Gabriela Bruno
 
Relações Interespecíficas
Relações InterespecíficasRelações Interespecíficas
Relações Interespecíficas
Rúben Filipe
 
Relações interespecíficas
Relações interespecíficas Relações interespecíficas
Relações interespecíficas
Francisca78
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
Vanessa Anzolin
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
Deolinda Silva
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
Juliana Evelyn Dos Santos
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
mendel1b2010
 
Factores bióticos
Factores bióticosFactores bióticos
Factores bióticos
Carla Brites
 
Mutualismo
MutualismoMutualismo
Mutualismo
claufil
 
8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas
Maria Rocha R
 
Relações bioticas
Relações bioticasRelações bioticas
Relações bioticas
Carla Martins
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
GMarques99
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
segundomanhaluce
 
As relações entre os seres vivos
As relações entre os seres vivosAs relações entre os seres vivos
As relações entre os seres vivos
acristinasousasilva
 
Populações prof. juliana [Introdução à Engenharia Ambiental]
Populações   prof. juliana [Introdução à Engenharia Ambiental]Populações   prof. juliana [Introdução à Engenharia Ambiental]
Populações prof. juliana [Introdução à Engenharia Ambiental]
Lucas Barbosa
 
Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações Ecológicas
Rosalia Azambuja
 
Bio.eco.relações.ecológicas
Bio.eco.relações.ecológicasBio.eco.relações.ecológicas
Bio.eco.relações.ecológicas
Albano Novaes
 
8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas
Maria Rocha R
 
Resumo modulo 7
Resumo   modulo 7Resumo   modulo 7
Resumo modulo 7
LuizaCardosoMonteiro
 

Mais procurados (20)

Interação entre os seres vivos
Interação entre os seres vivosInteração entre os seres vivos
Interação entre os seres vivos
 
Factores Bióticos....
Factores Bióticos....Factores Bióticos....
Factores Bióticos....
 
Relações Interespecíficas
Relações InterespecíficasRelações Interespecíficas
Relações Interespecíficas
 
Relações interespecíficas
Relações interespecíficas Relações interespecíficas
Relações interespecíficas
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Factores bióticos
Factores bióticosFactores bióticos
Factores bióticos
 
Mutualismo
MutualismoMutualismo
Mutualismo
 
8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas
 
Relações bioticas
Relações bioticasRelações bioticas
Relações bioticas
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
As relações entre os seres vivos
As relações entre os seres vivosAs relações entre os seres vivos
As relações entre os seres vivos
 
Populações prof. juliana [Introdução à Engenharia Ambiental]
Populações   prof. juliana [Introdução à Engenharia Ambiental]Populações   prof. juliana [Introdução à Engenharia Ambiental]
Populações prof. juliana [Introdução à Engenharia Ambiental]
 
Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações Ecológicas
 
Bio.eco.relações.ecológicas
Bio.eco.relações.ecológicasBio.eco.relações.ecológicas
Bio.eco.relações.ecológicas
 
8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas
 
Resumo modulo 7
Resumo   modulo 7Resumo   modulo 7
Resumo modulo 7
 

Destaque

RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas DesarmonicasRelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
guest787ebb4
 
A arte
A arteA arte
RELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICAS
RELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICASRELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICAS
RELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICAS
KATIA CAVALCANTI
 
2 relações ecológicas
2   relações ecológicas2   relações ecológicas
2 relações ecológicas
Nataliana Cabral
 
Biofertilizantes
BiofertilizantesBiofertilizantes
Biofertilizantes
Carlos Camarillo
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2
hugocampos2
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
Gabriela de Lima
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
Silvana Sanches
 

Destaque (8)

RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas DesarmonicasRelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
 
A arte
A arteA arte
A arte
 
RELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICAS
RELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICASRELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICAS
RELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICAS
 
2 relações ecológicas
2   relações ecológicas2   relações ecológicas
2 relações ecológicas
 
Biofertilizantes
BiofertilizantesBiofertilizantes
Biofertilizantes
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 

Semelhante a Continuação das interacções seres vivo ambientes

Factores BióTicos
Factores BióTicosFactores BióTicos
Factores BióTicos
8ºC
 
Relações ecológicas entre seres vivos 2
Relações ecológicas entre seres vivos  2 Relações ecológicas entre seres vivos  2
Relações ecológicas entre seres vivos 2
Vanessa Anzolin
 
Interação entre os seres vivos
Interação entre os seres vivosInteração entre os seres vivos
Interação entre os seres vivos
vvanessa
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
Sérgio Luiz
 
Interacções entre seres vivos
Interacções entre seres vivosInteracções entre seres vivos
Interacções entre seres vivos
Raquel Fabíola Fernandes
 
Factores bióticos
Factores  bióticosFactores  bióticos
Factores bióticos
8ºC
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
Lilia Nascimento
 
Factores bioticos1
Factores bioticos1Factores bioticos1
Factores bioticos1
Hélder Raposo
 
Factores Bioticos
Factores BioticosFactores Bioticos
Factores Bioticos
guest43f37cf
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
Altair Hoepers
 
Que relações se podem estabelecer numa comunidade - trabalho de cn
Que relações se podem estabelecer numa comunidade    - trabalho de cnQue relações se podem estabelecer numa comunidade    - trabalho de cn
Que relações se podem estabelecer numa comunidade - trabalho de cn
andrepaiva7a
 
Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas
Antonio Fernandes
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
Rui Basto
 
Ecologia (1)
Ecologia (1)Ecologia (1)
Ecologia (1)
giovannimusetti
 
Ecologia (1)
Ecologia (1)Ecologia (1)
Ecologia (1)
giovannimusetti
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
Bellllafarias
 
Relações_entre_seres_vivos.pptx
Relações_entre_seres_vivos.pptxRelações_entre_seres_vivos.pptx
Relações_entre_seres_vivos.pptx
JorzanaMarques1
 
Rela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosRela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunos
Érika Cardozo
 
Factores BióTicos
Factores BióTicosFactores BióTicos
Factores BióTicos
catiacsantos
 
RELAÇÕES ECOLÓGICAS, CADEIA E TEIA (1).pdf
RELAÇÕES ECOLÓGICAS, CADEIA E TEIA  (1).pdfRELAÇÕES ECOLÓGICAS, CADEIA E TEIA  (1).pdf
RELAÇÕES ECOLÓGICAS, CADEIA E TEIA (1).pdf
larissatfestudos
 

Semelhante a Continuação das interacções seres vivo ambientes (20)

Factores BióTicos
Factores BióTicosFactores BióTicos
Factores BióTicos
 
Relações ecológicas entre seres vivos 2
Relações ecológicas entre seres vivos  2 Relações ecológicas entre seres vivos  2
Relações ecológicas entre seres vivos 2
 
Interação entre os seres vivos
Interação entre os seres vivosInteração entre os seres vivos
Interação entre os seres vivos
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
 
Interacções entre seres vivos
Interacções entre seres vivosInteracções entre seres vivos
Interacções entre seres vivos
 
Factores bióticos
Factores  bióticosFactores  bióticos
Factores bióticos
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Factores bioticos1
Factores bioticos1Factores bioticos1
Factores bioticos1
 
Factores Bioticos
Factores BioticosFactores Bioticos
Factores Bioticos
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
 
Que relações se podem estabelecer numa comunidade - trabalho de cn
Que relações se podem estabelecer numa comunidade    - trabalho de cnQue relações se podem estabelecer numa comunidade    - trabalho de cn
Que relações se podem estabelecer numa comunidade - trabalho de cn
 
Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
 
Ecologia (1)
Ecologia (1)Ecologia (1)
Ecologia (1)
 
Ecologia (1)
Ecologia (1)Ecologia (1)
Ecologia (1)
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Relações_entre_seres_vivos.pptx
Relações_entre_seres_vivos.pptxRelações_entre_seres_vivos.pptx
Relações_entre_seres_vivos.pptx
 
Rela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosRela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunos
 
Factores BióTicos
Factores BióTicosFactores BióTicos
Factores BióTicos
 
RELAÇÕES ECOLÓGICAS, CADEIA E TEIA (1).pdf
RELAÇÕES ECOLÓGICAS, CADEIA E TEIA  (1).pdfRELAÇÕES ECOLÓGICAS, CADEIA E TEIA  (1).pdf
RELAÇÕES ECOLÓGICAS, CADEIA E TEIA (1).pdf
 

Mais de Sara Catarina

25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
Sara Catarina
 
Carateres sexuais e sistemas reprodutores
Carateres sexuais e sistemas reprodutoresCarateres sexuais e sistemas reprodutores
Carateres sexuais e sistemas reprodutores
Sara Catarina
 
Energias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: ÉolicaEnergias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: Éolica
Sara Catarina
 
Sangue
SangueSangue
As lutas entre liberais e absolutistas
As lutas entre liberais e absolutistasAs lutas entre liberais e absolutistas
As lutas entre liberais e absolutistas
Sara Catarina
 
Conjunção coordenativa mim
Conjunção coordenativa mimConjunção coordenativa mim
Conjunção coordenativa mim
Sara Catarina
 
Sistema respiratório humano
Sistema respiratório humanoSistema respiratório humano
Sistema respiratório humano
Sara Catarina
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
Sara Catarina
 
História
HistóriaHistória
História
Sara Catarina
 
Gramatica de frances
Gramatica de francesGramatica de frances
Gramatica de frances
Sara Catarina
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
Sara Catarina
 
Invasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugalInvasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugal
Sara Catarina
 
Francês
FrancêsFrancês
Francês
Sara Catarina
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes
Sara Catarina
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
Sara Catarina
 

Mais de Sara Catarina (15)

25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Carateres sexuais e sistemas reprodutores
Carateres sexuais e sistemas reprodutoresCarateres sexuais e sistemas reprodutores
Carateres sexuais e sistemas reprodutores
 
Energias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: ÉolicaEnergias Renováveis: Éolica
Energias Renováveis: Éolica
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
As lutas entre liberais e absolutistas
As lutas entre liberais e absolutistasAs lutas entre liberais e absolutistas
As lutas entre liberais e absolutistas
 
Conjunção coordenativa mim
Conjunção coordenativa mimConjunção coordenativa mim
Conjunção coordenativa mim
 
Sistema respiratório humano
Sistema respiratório humanoSistema respiratório humano
Sistema respiratório humano
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
História
HistóriaHistória
História
 
Gramatica de frances
Gramatica de francesGramatica de frances
Gramatica de frances
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
 
Invasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugalInvasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugal
 
Francês
FrancêsFrancês
Francês
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

Continuação das interacções seres vivo ambientes

  • 1.
  • 2. FATORES BIÓTICOS Intraespecíficas- entre seres da mesma espécie, como os membros de uma colónia de térmitas; Interespecíficas- entre seres de espécies diferentes como os leões e as suas presas.
  • 3. FATORES BIÓTICOS- RELAÇÕES INTRAESPECÍFICAS As relações intraespecíficas podem agrupar-se em duas categorias de interacção: Competição –quando dois ou mais indivíduos da mesma espécie disputam entre si o mesmo recurso ( como a luz, o território, o alimento, o parceiro para acasalar). Todos os seres são prejudicados. Cooperação –quando a relação intraespecífica traz benefícios aos indivíduos envolvido. Nessa categoria incluem-se as relações de sociedade de acasalamento e as colónias. Sociedade –relação estabelecida por um grupo de indivíduos da mesma espécie e organizada segundo uma hierarquia onde os indivíduos cooperam entre si. Todos os seres são beneficiados. Acasalamento –relação entre dois seres diferentes co o intuito de atrair o sexo oposto e de se reproduzirem. Ambos são beneficiados. Colónias –grupo de seres vivos da mesma espécie que vivem em conjunto, realizando funções que contribuem para a sobrevivência da colónia
  • 4. FATORES BIÓTICOS –RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS As relações bióticas interespecíficas podem assumir diversas formas em função do benefício ou prejuízo que trazem aos organismos envolvidos. Competição –relação entre indivíduos de espécies diferentes que lutam por um objetivo comum. Ambos são prejudicados (-;+). Predação –relação entre um ser –predador –que se alimenta de outro ser vivo –presa. O predador é beneficiado e a presa é prejudicada (+;-). Parasitismo -relação entre um ser –parasita –que se alimenta e vive á custa do outro –hospedeiro. O parasita é beneficiado e o hospedeiro é prejudicado (+;-). Antibiose –relação entre um ser que produz substâncias químicas e outro que é prejudicado por essa substâncias. O ser vivo produtos fica indiferente e o outro é prejudicado (0;-). Comensalismo –relação entre um ser vivo que aproveita os benefícios da presença do outro, sem o afectar. Um ser é beneficiado e o outro fica indiferente (+;-). Mutualismo –relação temporária e facultativa entre dois seres vivos em que ambos saem beneficiados (+;+). Simbiose –relação permanente e obrigatória entre dois seres vivos em que ambos saem beneficiados (+;+).