SlideShare uma empresa Scribd logo
Taxa de Frequência e Taxa de Gravidade

Professor: Daniel Moura
Disciplina: Higiene e Segurança do Trabalho
Curso: Graduação em Engenharia de Produção

1
POR QUE ESTUDAR
ESTATÍSTICA DE ACIDENTES?

A Estatística de Acidentes permite registrar e analisar os dados referentes aos acidentes
do trabalho ocorridos nas empresas, facilitando, portanto, a tomada de medidas
preventivas e/ou corretivas, visando reduzir os riscos nos locais de trabalho.

2
CONCEITOS BÁSICOS
(fornecidos pela Norma Técnica ABNT NBR 14280 – Cadastro de Acidentes)

Acidente com perda de tempo

ou lesão incapacitante: acidente que impede
o trabalhador de retornar ao trabalho no dia útil imediato ao do acidente do qual decorra
lesão que resulte em incapacidade temporária, incapacidade permanente ou morte.

Acidente sem perda de tempo (sem afastamento):
Acidente cuja lesão não impede que o trabalhador retorne ao trabalho no dia imediato ao
do acidente.

3
CONCEITOS BÁSICOS
(fornecidos pela Norma Técnica ABNT NBR 14280 – Cadastro de Acidentes)

Dias perdidos:
Dias de afastamento de cada acidentado, contados a partir do primeiro dia do afastamento
(dia seguinte ao do acidente) até o dia da alta médica (dia anterior ao do retorno).
NOTA: contam-se domingos e feriados também!

Ex.:
Data do acidente:15/08/05
Data do afastamento: 16/08 05
Alta médica: 05/09/05
Dias perdidos: 21
5
DIAS DEBITADOS:

Dias a debitar devido à morte ou incapacidade
permanente (total ou parcial).
Atribuímos os dias debitados conforme a tabela
contida na Norma NBR-14280 (Cadastro de
Acidentes).
7
Fonte: Norma NBR – 14.280 – Cadastro de Acidentes do trabalho –
Procedimentos e classificação

8
HORA-HOMEM DE EXPOSIÇÃO AO
RISCO OU HORAS-HOMEM
TRABALHADAS:
Calcular as horas totais trabalhadas pela
população de trabalhadores no período do
cálculo.
Ex:
Em uma determinada empresa temos 1.200 funcioná
rios
Trabalho Mensal: 220h cada um, já que o regime é de 8 horas
diarias
Acidentes Típicos: 10;
Acidentes de Trajeto: 09;
Dias Debitado: 50 dias;
H.H.T = 220 x 1.200 = 264.000.

9
TAXA DE FREQUÊNCIA (TF):
Calculada pela fórmula:
TF = N X 1.000.000
HHT
onde:
N = número de acidentados (com e sem afastamento)
H = horas-homem de exposição ao risco

É o numero de acidentados por milhao de horas
́
̃
de exposicao ao risco, em determinado periodo.
̧ ̃
́
10
TAXA DE GRAVIDADE (TG):

Calculada pela fórmula:
TG = T X 1.000.000
HHT
onde:
T = tempo computado (dias perdidos + dias debitados)
H = horas-homem de exposição ao risco

É o numero que exprime a combinacao da taxa de
́
̧ ̃
frequê
ncia com a taxa de gravidade, usado para
classificar o resultado da atividade de seguranca.
̧

11
EXEMPLOS:
Calcule TF (Taxa de Frequência) e TG (taxa de gravidade) para
as duas situações abaixo. Período: ano de 2004. Para ambos os
casos, H= 1.800.000
ACIDENTES COM AFASTAMENTO

DIAS PERDIDOS

luxação

20

fratura

60

perda da visão de um olho

CASO 1:

550

ACIDENTES COM AFASTAMENTO

CASO 2:

DIAS DEBITADOS

DIAS PERDIDOS

intoxicação

850

DIAS DEBITADOS
FORNECIDOS PELA
NBR – 14.280

DIAS DEBITADOS

10

perda da 1ª falange (polegar)

1800

600

13
EXERCÍCIOS:
Calcular a Taxa de Frequência e a Taxa de
Gravidade para uma empresa com os seguintes
resultados no ano de 2004:
nº de acidentes com afastamento: 5
nº de acidentes sem afastamento: 10
horas-homem de exposição ao risco: 1.450.000
dias perdidos: 65
dias debitados: não há

14
A empresa de transportes coletivos O MERCEDÃO apresentou, em 2010, os seguintes
resultados de acidentes de trabalho:

Acidentes com afastamento:
DATA

NATUREZA

DIAS PERDIDOS

25/01

entorse do pé direito

40

26/02

fratura do braço esquerdo

60

15/06

queimadura

25

19/08

perda do pé

1200

30/09

lesão corto-contusa na mão esquerda

16

Acidentes sem afastamento: 18
Dias debitados (perda do pé): 2400
Horas-homem de exposição ao risco:1.600.000

Com base nos dados acima, calcule as Taxas de Frequência e Gravidade.
15
O escritório de arquitetura IRMÃOS PAREDE LTDA possui 28 empregados efetivos. A
jornada de trabalho é de 8 horas diárias, sendo que não é usual a prática de horas
extras. Considerando o período do 1º semestre de 2005, calcule a Taxa de Frequência
e a Taxa de Gravidade da empresa, a partir dos dados de acidentes fornecidos abaixo:

NOME DO EMPREGADO

NATUREZA DA LESÃO

DIA AFASTAMENTO

DIA ALTA MÉDICA

Joaquim Silva

fratura

10/02

28/02

Márcio Gomes

intoxicação

-

Abelardo Vieira

queimadura

15/04

18/04

Mário Pereira*
* Perda da audição DD = 600

entorse

01/06

20/06

-

16
A indústria de torrefação de café BOM GOSTO tem
unidades fabris espalhadas por todo o território
nacional. Como parte do programa corporativo de
segurança, será realizado um concurso interno na
empresa para premiar a fábrica com os melhores
resultados de segurança nos últimos doze meses (Taxa
de Frequência mais baixa).
Com base nos dados abaixo, indique qual a fábrica
receberá a premiação da matriz da empresa.
FÁBRICA

HHT

ACIDENTES COM AFASTAMENTO

ACIDENTES SEM AFASTAMENTO

Recife

1.020.000

5

8

Goiana

530.000

3

2

Vitória de santo antão

317.000

1

4

Campina Grande

225.000

4

5

17
Uma empresa de confecções de vestuário infantil está
realizando uma avaliação interna para indicar quais os
departamentos estão atingindo o objetivo estabelecido pela
matriz americana: Taxa de Frequência < 30,0 para o
primeiro semestre de 2009. Todos os departamentos têm
uma jornada de 8 h diárias. Com base nesta informação e
na tabela abaixo, liste quais os departamentos que
atenderão à meta estabelecida.
DEPARTAMENTO

Nº TOTAL DE ACIDENTES
(1º SEMESTRE/2005)

Nº EMPREGADOS

Fabricação

05

120

Controle de Qualidade

02

40

Logística

01

35

Recursos Humanos

00

30

Marketing

01

28

Compras

03

15

Serviços de Apoio

04

18

18
A indústria de brinquedos PEQUENA SAPECA contratou um novo
Engenheiro de Segurança com a finalidade de avaliar os resultados
dos últimos doze meses e, assim, poder estabelecer um novo
programa de Segurança do Trabalho para implantação imediata.
Com base nos dados abaixo, calcule a Taxa de Frequência e a Taxa
de Gravidade da empresa.
DEPARTAMENTO

DATA ACIDENTE

DATA DO RETORNO AO
TRABALHO

HHT (12 MESES)

Qualidade

05/04

-

210.500

Produção

18/02
10/03
25/04

25/02
03/05

740.500

Manutenção

15/04
20/05

29/05

120.200

Recursos Humanos

17/03
11/04

28/03
-

84.500

Logística

21/02

01/03

127.800

19

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
emanueltstegeon
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
Daniel Moura
 
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPITreinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Sergio Silva
 
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
conbetcursos
 
Segurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSegurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestores
Sergio Roberto Silva
 
Aula 01 higiene ocupacional
Aula 01   higiene ocupacionalAula 01   higiene ocupacional
Aula 01 higiene ocupacional
Kelvin Silva
 
DDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de SegurançaDDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de Segurança
Tuany Caldas
 
O que é higiene ocupacional
O que é higiene ocupacionalO que é higiene ocupacional
O que é higiene ocupacional
Manoel Augusto Andrade
 
A taxa de frequência de acidente
A taxa de frequência de acidenteA taxa de frequência de acidente
A taxa de frequência de acidente
Zuilton Guimarães Silva Guimarães
 
Nr 20
Nr 20 Nr 20
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
Sergio Roberto Silva
 
Sesmt
SesmtSesmt
Manual dds
Manual ddsManual dds
Manual dds
prevencaonline
 
PGRTR (1).docx
PGRTR (1).docxPGRTR (1).docx
PGRTR (1).docx
AlvaroSArruda
 
Equipamentos de proteção individual
Equipamentos de proteção individualEquipamentos de proteção individual
Equipamentos de proteção individual
Mauricio Cesar Soares
 
treinamento ruido
treinamento ruido treinamento ruido
treinamento ruido
Ane Costa
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35
Joziane Pimentel
 
Insalubridade e Periculosidade
Insalubridade e PericulosidadeInsalubridade e Periculosidade
Insalubridade e Periculosidade
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Modelo relatório de inspeção de segurança do trabalho
Modelo   relatório de inspeção de segurança do trabalhoModelo   relatório de inspeção de segurança do trabalho
Modelo relatório de inspeção de segurança do trabalho
anairdaatosc
 
PCA - Programa de Conservação Auditiva
PCA -  Programa de Conservação AuditivaPCA -  Programa de Conservação Auditiva
PCA - Programa de Conservação Auditiva
Devania Silva
 

Mais procurados (20)

NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
 
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPITreinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
 
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
 
Segurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSegurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestores
 
Aula 01 higiene ocupacional
Aula 01   higiene ocupacionalAula 01   higiene ocupacional
Aula 01 higiene ocupacional
 
DDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de SegurançaDDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de Segurança
 
O que é higiene ocupacional
O que é higiene ocupacionalO que é higiene ocupacional
O que é higiene ocupacional
 
A taxa de frequência de acidente
A taxa de frequência de acidenteA taxa de frequência de acidente
A taxa de frequência de acidente
 
Nr 20
Nr 20 Nr 20
Nr 20
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 
Sesmt
SesmtSesmt
Sesmt
 
Manual dds
Manual ddsManual dds
Manual dds
 
PGRTR (1).docx
PGRTR (1).docxPGRTR (1).docx
PGRTR (1).docx
 
Equipamentos de proteção individual
Equipamentos de proteção individualEquipamentos de proteção individual
Equipamentos de proteção individual
 
treinamento ruido
treinamento ruido treinamento ruido
treinamento ruido
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35
 
Insalubridade e Periculosidade
Insalubridade e PericulosidadeInsalubridade e Periculosidade
Insalubridade e Periculosidade
 
Modelo relatório de inspeção de segurança do trabalho
Modelo   relatório de inspeção de segurança do trabalhoModelo   relatório de inspeção de segurança do trabalho
Modelo relatório de inspeção de segurança do trabalho
 
PCA - Programa de Conservação Auditiva
PCA -  Programa de Conservação AuditivaPCA -  Programa de Conservação Auditiva
PCA - Programa de Conservação Auditiva
 

Destaque

1. hst termos e conceitos
1. hst termos e conceitos1. hst termos e conceitos
1. hst termos e conceitos
Gilson Adao
 
Fórmulas de-taxa-de-frequência-e-gravidade-nr-4-quadro-iii
Fórmulas de-taxa-de-frequência-e-gravidade-nr-4-quadro-iiiFórmulas de-taxa-de-frequência-e-gravidade-nr-4-quadro-iii
Fórmulas de-taxa-de-frequência-e-gravidade-nr-4-quadro-iii
Laboratório de Cimentos da UFRN - LABCIM/UFRN
 
Exercicio freq e_grav1
Exercicio freq e_grav1Exercicio freq e_grav1
Exercicio freq e_grav1
Daebul University
 
Nr 4
Nr 4Nr 4
Exercício hst
Exercício  hstExercício  hst
Exercício hst
Gleyciana Garrido
 
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalhoTeste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
Ana Santos
 

Destaque (6)

1. hst termos e conceitos
1. hst termos e conceitos1. hst termos e conceitos
1. hst termos e conceitos
 
Fórmulas de-taxa-de-frequência-e-gravidade-nr-4-quadro-iii
Fórmulas de-taxa-de-frequência-e-gravidade-nr-4-quadro-iiiFórmulas de-taxa-de-frequência-e-gravidade-nr-4-quadro-iii
Fórmulas de-taxa-de-frequência-e-gravidade-nr-4-quadro-iii
 
Exercicio freq e_grav1
Exercicio freq e_grav1Exercicio freq e_grav1
Exercicio freq e_grav1
 
Nr 4
Nr 4Nr 4
Nr 4
 
Exercício hst
Exercício  hstExercício  hst
Exercício hst
 
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalhoTeste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
 

Semelhante a Taxa de frequencia (1)

Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Taxa de frequência e gravidade de acidentes..ppt
Taxa de frequência e gravidade de acidentes..pptTaxa de frequência e gravidade de acidentes..ppt
Taxa de frequência e gravidade de acidentes..ppt
andreluisantonowiski
 
PDF vamos trabalhar o que é importante para nós
PDF vamos trabalhar o que é importante para nósPDF vamos trabalhar o que é importante para nós
PDF vamos trabalhar o que é importante para nós
thiagocmatos
 
Manual Prático de Preenchimento do Quadro - NR 04
Manual Prático de Preenchimento do Quadro - NR 04Manual Prático de Preenchimento do Quadro - NR 04
Manual Prático de Preenchimento do Quadro - NR 04
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Artigo dds final
Artigo dds finalArtigo dds final
Artigo dds final
ROSIENE DIVINA
 
Enscoficba6 94
Enscoficba6 94Enscoficba6 94
Enscoficba6 94
Maria Danielle
 
Cipa p18 rev1
Cipa p18 rev1Cipa p18 rev1
Cipa p18 rev1
JORGE NETO
 
E social
E socialE social
E social
Rebeca Purcino
 
TCC Técnico Segurança Trabalho 22/11/2014 Senac 24 Maio - SP
TCC Técnico Segurança Trabalho 22/11/2014 Senac 24 Maio - SPTCC Técnico Segurança Trabalho 22/11/2014 Senac 24 Maio - SP
TCC Técnico Segurança Trabalho 22/11/2014 Senac 24 Maio - SP
Marcio Neris
 
Segurança no trabalho benefícios ao empregado e redução de
Segurança no trabalho benefícios ao empregado e redução deSegurança no trabalho benefícios ao empregado e redução de
Segurança no trabalho benefícios ao empregado e redução de
JLMeneghetti
 
A origem dos acidentes do trabalho
A origem dos acidentes do trabalhoA origem dos acidentes do trabalho
A origem dos acidentes do trabalho
Universidade Federal Fluminense
 
A origem dos acidentes do trabalho
A origem dos acidentes do trabalhoA origem dos acidentes do trabalho
A origem dos acidentes do trabalho
Universidade Federal Fluminense
 
Gestão_Estratégica_SST_Indústria da Construção_2012 ..pdf
Gestão_Estratégica_SST_Indústria da Construção_2012 ..pdfGestão_Estratégica_SST_Indústria da Construção_2012 ..pdf
Gestão_Estratégica_SST_Indústria da Construção_2012 ..pdf
Susana699254
 
Preenchimento Quadros III, IV, V, VI - NR4
Preenchimento Quadros III, IV, V, VI - NR4Preenchimento Quadros III, IV, V, VI - NR4
Preenchimento Quadros III, IV, V, VI - NR4
proftstsergioetm
 
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
anealves
 
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
vitor ozorio
 
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
vitor ozorio
 
Preenchimento Quadros III, IV,V,VI DA NR4
Preenchimento Quadros III, IV,V,VI DA NR4Preenchimento Quadros III, IV,V,VI DA NR4
Preenchimento Quadros III, IV,V,VI DA NR4
proftstsergioetm
 
Seminário FIEMG - RAT - FAP
Seminário FIEMG - RAT - FAPSeminário FIEMG - RAT - FAP
Seminário FIEMG - RAT - FAP
davidairesleste
 
Gestao riscosrespfiscal
Gestao riscosrespfiscalGestao riscosrespfiscal
Gestao riscosrespfiscal
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 

Semelhante a Taxa de frequencia (1) (20)

Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Taxa de frequência e gravidade de acidentes..ppt
Taxa de frequência e gravidade de acidentes..pptTaxa de frequência e gravidade de acidentes..ppt
Taxa de frequência e gravidade de acidentes..ppt
 
PDF vamos trabalhar o que é importante para nós
PDF vamos trabalhar o que é importante para nósPDF vamos trabalhar o que é importante para nós
PDF vamos trabalhar o que é importante para nós
 
Manual Prático de Preenchimento do Quadro - NR 04
Manual Prático de Preenchimento do Quadro - NR 04Manual Prático de Preenchimento do Quadro - NR 04
Manual Prático de Preenchimento do Quadro - NR 04
 
Artigo dds final
Artigo dds finalArtigo dds final
Artigo dds final
 
Enscoficba6 94
Enscoficba6 94Enscoficba6 94
Enscoficba6 94
 
Cipa p18 rev1
Cipa p18 rev1Cipa p18 rev1
Cipa p18 rev1
 
E social
E socialE social
E social
 
TCC Técnico Segurança Trabalho 22/11/2014 Senac 24 Maio - SP
TCC Técnico Segurança Trabalho 22/11/2014 Senac 24 Maio - SPTCC Técnico Segurança Trabalho 22/11/2014 Senac 24 Maio - SP
TCC Técnico Segurança Trabalho 22/11/2014 Senac 24 Maio - SP
 
Segurança no trabalho benefícios ao empregado e redução de
Segurança no trabalho benefícios ao empregado e redução deSegurança no trabalho benefícios ao empregado e redução de
Segurança no trabalho benefícios ao empregado e redução de
 
A origem dos acidentes do trabalho
A origem dos acidentes do trabalhoA origem dos acidentes do trabalho
A origem dos acidentes do trabalho
 
A origem dos acidentes do trabalho
A origem dos acidentes do trabalhoA origem dos acidentes do trabalho
A origem dos acidentes do trabalho
 
Gestão_Estratégica_SST_Indústria da Construção_2012 ..pdf
Gestão_Estratégica_SST_Indústria da Construção_2012 ..pdfGestão_Estratégica_SST_Indústria da Construção_2012 ..pdf
Gestão_Estratégica_SST_Indústria da Construção_2012 ..pdf
 
Preenchimento Quadros III, IV, V, VI - NR4
Preenchimento Quadros III, IV, V, VI - NR4Preenchimento Quadros III, IV, V, VI - NR4
Preenchimento Quadros III, IV, V, VI - NR4
 
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
 
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
 
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04
 
Preenchimento Quadros III, IV,V,VI DA NR4
Preenchimento Quadros III, IV,V,VI DA NR4Preenchimento Quadros III, IV,V,VI DA NR4
Preenchimento Quadros III, IV,V,VI DA NR4
 
Seminário FIEMG - RAT - FAP
Seminário FIEMG - RAT - FAPSeminário FIEMG - RAT - FAP
Seminário FIEMG - RAT - FAP
 
Gestao riscosrespfiscal
Gestao riscosrespfiscalGestao riscosrespfiscal
Gestao riscosrespfiscal
 

Mais de Daniel Moura

Edital nº 01 uaep cdsa
Edital nº 01   uaep cdsaEdital nº 01   uaep cdsa
Edital nº 01 uaep cdsa
Daniel Moura
 
Prancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPPrancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SP
Daniel Moura
 
Unidade 3 planejamento de espaços
Unidade 3   planejamento de espaçosUnidade 3   planejamento de espaços
Unidade 3 planejamento de espaços
Daniel Moura
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Daniel Moura
 
Unidade 1 níveis de instalações
Unidade 1   níveis de instalaçõesUnidade 1   níveis de instalações
Unidade 1 níveis de instalações
Daniel Moura
 
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2   planejamento estrat+®gico do layoutUnidade 2   planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
Daniel Moura
 
Plano de aula projeto de fábrica
Plano de aula   projeto de fábricaPlano de aula   projeto de fábrica
Plano de aula projeto de fábrica
Daniel Moura
 
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4   planejamento de depósitos e armazénsUnidade 4   planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
Daniel Moura
 
Plano de aula custos da produção
Plano de aula   custos da produçãoPlano de aula   custos da produção
Plano de aula custos da produção
Daniel Moura
 
Capitulo 7 abc custeio baseado em atividades
Capitulo 7   abc  custeio baseado em atividadesCapitulo 7   abc  custeio baseado em atividades
Capitulo 7 abc custeio baseado em atividades
Daniel Moura
 
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Capitulo 6   metodo de centros de custosCapitulo 6   metodo de centros de custos
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Daniel Moura
 
Capitulo 5 custo padrão
Capitulo 5   custo padrãoCapitulo 5   custo padrão
Capitulo 5 custo padrão
Daniel Moura
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Daniel Moura
 
Capitulo 3 sistemas de custos
Capitulo 3   sistemas de custosCapitulo 3   sistemas de custos
Capitulo 3 sistemas de custos
Daniel Moura
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Daniel Moura
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
Daniel Moura
 
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
Capitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uepCapitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uep
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
Daniel Moura
 
Plano de aula hst 2013.2
Plano de aula   hst 2013.2Plano de aula   hst 2013.2
Plano de aula hst 2013.2
Daniel Moura
 
Ergonomia do produto
Ergonomia do produtoErgonomia do produto
Ergonomia do produtoDaniel Moura
 
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
Unidade ii.3   estratégia de distribuiçãoUnidade ii.3   estratégia de distribuição
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
Daniel Moura
 

Mais de Daniel Moura (20)

Edital nº 01 uaep cdsa
Edital nº 01   uaep cdsaEdital nº 01   uaep cdsa
Edital nº 01 uaep cdsa
 
Prancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPPrancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SP
 
Unidade 3 planejamento de espaços
Unidade 3   planejamento de espaçosUnidade 3   planejamento de espaços
Unidade 3 planejamento de espaços
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
 
Unidade 1 níveis de instalações
Unidade 1   níveis de instalaçõesUnidade 1   níveis de instalações
Unidade 1 níveis de instalações
 
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2   planejamento estrat+®gico do layoutUnidade 2   planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
 
Plano de aula projeto de fábrica
Plano de aula   projeto de fábricaPlano de aula   projeto de fábrica
Plano de aula projeto de fábrica
 
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4   planejamento de depósitos e armazénsUnidade 4   planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
 
Plano de aula custos da produção
Plano de aula   custos da produçãoPlano de aula   custos da produção
Plano de aula custos da produção
 
Capitulo 7 abc custeio baseado em atividades
Capitulo 7   abc  custeio baseado em atividadesCapitulo 7   abc  custeio baseado em atividades
Capitulo 7 abc custeio baseado em atividades
 
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Capitulo 6   metodo de centros de custosCapitulo 6   metodo de centros de custos
Capitulo 6 metodo de centros de custos
 
Capitulo 5 custo padrão
Capitulo 5   custo padrãoCapitulo 5   custo padrão
Capitulo 5 custo padrão
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
 
Capitulo 3 sistemas de custos
Capitulo 3   sistemas de custosCapitulo 3   sistemas de custos
Capitulo 3 sistemas de custos
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
 
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
Capitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uepCapitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uep
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
 
Plano de aula hst 2013.2
Plano de aula   hst 2013.2Plano de aula   hst 2013.2
Plano de aula hst 2013.2
 
Ergonomia do produto
Ergonomia do produtoErgonomia do produto
Ergonomia do produto
 
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
Unidade ii.3   estratégia de distribuiçãoUnidade ii.3   estratégia de distribuição
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
 

Taxa de frequencia (1)

  • 1. Taxa de Frequência e Taxa de Gravidade Professor: Daniel Moura Disciplina: Higiene e Segurança do Trabalho Curso: Graduação em Engenharia de Produção 1
  • 2. POR QUE ESTUDAR ESTATÍSTICA DE ACIDENTES? A Estatística de Acidentes permite registrar e analisar os dados referentes aos acidentes do trabalho ocorridos nas empresas, facilitando, portanto, a tomada de medidas preventivas e/ou corretivas, visando reduzir os riscos nos locais de trabalho. 2
  • 3. CONCEITOS BÁSICOS (fornecidos pela Norma Técnica ABNT NBR 14280 – Cadastro de Acidentes) Acidente com perda de tempo ou lesão incapacitante: acidente que impede o trabalhador de retornar ao trabalho no dia útil imediato ao do acidente do qual decorra lesão que resulte em incapacidade temporária, incapacidade permanente ou morte. Acidente sem perda de tempo (sem afastamento): Acidente cuja lesão não impede que o trabalhador retorne ao trabalho no dia imediato ao do acidente. 3
  • 4. CONCEITOS BÁSICOS (fornecidos pela Norma Técnica ABNT NBR 14280 – Cadastro de Acidentes) Dias perdidos: Dias de afastamento de cada acidentado, contados a partir do primeiro dia do afastamento (dia seguinte ao do acidente) até o dia da alta médica (dia anterior ao do retorno). NOTA: contam-se domingos e feriados também! Ex.: Data do acidente:15/08/05 Data do afastamento: 16/08 05 Alta médica: 05/09/05 Dias perdidos: 21 5
  • 5. DIAS DEBITADOS: Dias a debitar devido à morte ou incapacidade permanente (total ou parcial). Atribuímos os dias debitados conforme a tabela contida na Norma NBR-14280 (Cadastro de Acidentes). 7
  • 6. Fonte: Norma NBR – 14.280 – Cadastro de Acidentes do trabalho – Procedimentos e classificação 8
  • 7. HORA-HOMEM DE EXPOSIÇÃO AO RISCO OU HORAS-HOMEM TRABALHADAS: Calcular as horas totais trabalhadas pela população de trabalhadores no período do cálculo. Ex: Em uma determinada empresa temos 1.200 funcioná rios Trabalho Mensal: 220h cada um, já que o regime é de 8 horas diarias Acidentes Típicos: 10; Acidentes de Trajeto: 09; Dias Debitado: 50 dias; H.H.T = 220 x 1.200 = 264.000. 9
  • 8. TAXA DE FREQUÊNCIA (TF): Calculada pela fórmula: TF = N X 1.000.000 HHT onde: N = número de acidentados (com e sem afastamento) H = horas-homem de exposição ao risco É o numero de acidentados por milhao de horas ́ ̃ de exposicao ao risco, em determinado periodo. ̧ ̃ ́ 10
  • 9. TAXA DE GRAVIDADE (TG): Calculada pela fórmula: TG = T X 1.000.000 HHT onde: T = tempo computado (dias perdidos + dias debitados) H = horas-homem de exposição ao risco É o numero que exprime a combinacao da taxa de ́ ̧ ̃ frequê ncia com a taxa de gravidade, usado para classificar o resultado da atividade de seguranca. ̧ 11
  • 10. EXEMPLOS: Calcule TF (Taxa de Frequência) e TG (taxa de gravidade) para as duas situações abaixo. Período: ano de 2004. Para ambos os casos, H= 1.800.000 ACIDENTES COM AFASTAMENTO DIAS PERDIDOS luxação 20 fratura 60 perda da visão de um olho CASO 1: 550 ACIDENTES COM AFASTAMENTO CASO 2: DIAS DEBITADOS DIAS PERDIDOS intoxicação 850 DIAS DEBITADOS FORNECIDOS PELA NBR – 14.280 DIAS DEBITADOS 10 perda da 1ª falange (polegar) 1800 600 13
  • 11. EXERCÍCIOS: Calcular a Taxa de Frequência e a Taxa de Gravidade para uma empresa com os seguintes resultados no ano de 2004: nº de acidentes com afastamento: 5 nº de acidentes sem afastamento: 10 horas-homem de exposição ao risco: 1.450.000 dias perdidos: 65 dias debitados: não há 14
  • 12. A empresa de transportes coletivos O MERCEDÃO apresentou, em 2010, os seguintes resultados de acidentes de trabalho: Acidentes com afastamento: DATA NATUREZA DIAS PERDIDOS 25/01 entorse do pé direito 40 26/02 fratura do braço esquerdo 60 15/06 queimadura 25 19/08 perda do pé 1200 30/09 lesão corto-contusa na mão esquerda 16 Acidentes sem afastamento: 18 Dias debitados (perda do pé): 2400 Horas-homem de exposição ao risco:1.600.000 Com base nos dados acima, calcule as Taxas de Frequência e Gravidade. 15
  • 13. O escritório de arquitetura IRMÃOS PAREDE LTDA possui 28 empregados efetivos. A jornada de trabalho é de 8 horas diárias, sendo que não é usual a prática de horas extras. Considerando o período do 1º semestre de 2005, calcule a Taxa de Frequência e a Taxa de Gravidade da empresa, a partir dos dados de acidentes fornecidos abaixo: NOME DO EMPREGADO NATUREZA DA LESÃO DIA AFASTAMENTO DIA ALTA MÉDICA Joaquim Silva fratura 10/02 28/02 Márcio Gomes intoxicação - Abelardo Vieira queimadura 15/04 18/04 Mário Pereira* * Perda da audição DD = 600 entorse 01/06 20/06 - 16
  • 14. A indústria de torrefação de café BOM GOSTO tem unidades fabris espalhadas por todo o território nacional. Como parte do programa corporativo de segurança, será realizado um concurso interno na empresa para premiar a fábrica com os melhores resultados de segurança nos últimos doze meses (Taxa de Frequência mais baixa). Com base nos dados abaixo, indique qual a fábrica receberá a premiação da matriz da empresa. FÁBRICA HHT ACIDENTES COM AFASTAMENTO ACIDENTES SEM AFASTAMENTO Recife 1.020.000 5 8 Goiana 530.000 3 2 Vitória de santo antão 317.000 1 4 Campina Grande 225.000 4 5 17
  • 15. Uma empresa de confecções de vestuário infantil está realizando uma avaliação interna para indicar quais os departamentos estão atingindo o objetivo estabelecido pela matriz americana: Taxa de Frequência < 30,0 para o primeiro semestre de 2009. Todos os departamentos têm uma jornada de 8 h diárias. Com base nesta informação e na tabela abaixo, liste quais os departamentos que atenderão à meta estabelecida. DEPARTAMENTO Nº TOTAL DE ACIDENTES (1º SEMESTRE/2005) Nº EMPREGADOS Fabricação 05 120 Controle de Qualidade 02 40 Logística 01 35 Recursos Humanos 00 30 Marketing 01 28 Compras 03 15 Serviços de Apoio 04 18 18
  • 16. A indústria de brinquedos PEQUENA SAPECA contratou um novo Engenheiro de Segurança com a finalidade de avaliar os resultados dos últimos doze meses e, assim, poder estabelecer um novo programa de Segurança do Trabalho para implantação imediata. Com base nos dados abaixo, calcule a Taxa de Frequência e a Taxa de Gravidade da empresa. DEPARTAMENTO DATA ACIDENTE DATA DO RETORNO AO TRABALHO HHT (12 MESES) Qualidade 05/04 - 210.500 Produção 18/02 10/03 25/04 25/02 03/05 740.500 Manutenção 15/04 20/05 29/05 120.200 Recursos Humanos 17/03 11/04 28/03 - 84.500 Logística 21/02 01/03 127.800 19