SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 81
Prof. Me. Fernando Bueno
Avaliação de Projetos de
Investimentos
MBA em Controladoria para
Gestão de Negócios
Breve Currículo
Prof. Me Fernando bueno
- Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente - Políticas públicas
industriais e tecnológicas; MBA Executivo em Finanças Empresariais; Habilitado
em Comércio Exterior e Graduado em Administração.
- Ênfase acadêmica e profissional em Marketing, finanças, controladoria e
economia industrial.
- Consultor empresarial e de Franchising e sócio da empresa EGD Agenciamento
de Negócios LTDA em SP. Ex Gestor do Instituto Nova Aliança nas áreas de
Planejamento e Marketing.
- Professor do ensino superior – Pós-Graduação em diversas universidades,
dentre elas: UNISA, FMU, UNIP, FATEC, FIJ, USF, UNOPAR, UNISANTANA e etc.
- Palestrante nas áreas correlatas e desenvolvedor de programas/cursos e
treinamentos corporativos
- Articulista e escritor da obra “Inovação e Competitividade Global” Editado pela
LPB – 2010 da Obra “Inovação & Cadeias Globais de Produção” pela Biblioteca
24 horas em 2014.
Programa base
Abordaremos alguns dos conceitos inerentes à
matemática financeira. Atividades financeiras. Decisões
de investimentos e financiamentos: técnicas de análise
de investimento e orçamento de capital - Metodologias
do payback, índice de lucratividade, VPL, TIR, Anuidade,
para avaliação de projetos de investimentos e análise
das fontes de financiamento para a gestão de capital de
giro. Modelos de precificação de ativos de capital e
análise de custo de capital próprio e terceiros
Avaliação
• Avaliação 1 – dia e horário a ser agendado
Sem consulta
Valor: 10 pontos
• Atividade desafio profissional em classe – 27/11
Grupo ou individual
Valor: 10 pontos
• Médias: somatória dos pontos / 2 = média final
Introdução Financeira para a Análise de
Investimentos
 AULA 1
- Atividades Financeiras e noções do ciclo operacional e
formação de capital de giro
- Fontes de financiamentos
Introdução
Classificação das Atividades
• Atividades operacionais: São refletidas no DRE atribuindo – se
lucro ou prejuízo operacional. São executadas em função do
negócio da empresa.
• Atividades de investimentos: São refletidas nas contas do BP
(ativo circulante e não circulante). Reflete os efeitos das
decisões de aplicações (temporárias/permanentes)
• Atividades de financiamentos: São conduzidas nas contas
patrimoniais do passivo circulante e não circulante e no PL
( empréstimos, emissão de debêntures, integralização de
capital social.....)
Refletem os efeitos das decisões tomadas sobre a forma de
financiamento das atividades operacionais e de investimentos
Decisões
• Tomadas de decisões de investimentos: Consiste em
destinar ou não os recursos para aplicações em ativos
correntes (circulantes) e não correntes ( RLP e
Permanentes )
• Decisões de financiamentos: Destina – se a captação
de recursos no mercado a LP ou CP para financiar
ativos correntes e não correntes considerando a
estrutura de capital.
• Lembrar do DOAR (origens e aplicações)
Revisão........
FF (origem) = Visa captar recursos financeiros de
alguma forma (CP/CT) para aplicar no ativo
circulante (fazer giro); ou no ativo
permanente - não circulante
DOAR: analisar a variação do CGL de um período
p/outro) – define comportamentos do AC e PC
basicamente, na formação do giro.
Estrutura de Capital
Introdução aos Ciclos
Impacto no capital de giro
Choque de realidade
Questões para reflexão:
1.Qual o ciclo que representa todo o conjunto cíclico da
empresa?
2. Qual o ciclo que indica de forma “específica” as aplicações de
recursos e geração e a consequente formação de direitos de
curto prazo?
3. Qual ciclo que pode representar as situações direitos e/ou
deveres de curto ou longo prazo em função das origens e
aplicações de recursos?
4. Uma inserção de capital próprio para investimentos em
infraestrutura refletirá em quais (qual) ciclo (s)?
5. Uma fonte de financiamento (empréstimo) para formação de
capital de giro apenas, refletirá em qual ciclo a priori?
Respostas
Questões para reflexão:
1. Ciclo Operacional
2. Ciclo Econômico
3. Ciclo Financeiro
4. Ciclo Econômico e Financeiro
5. Ciclo Finacneiro
Algumas conclusões
Ciclo Econômico (na empresa):
Inicia-se com a compra da MP e encerra-se com a venda do produto. Este ciclo
destaca o giro do estoque...foco no giro do negócio
Ciclo Financeiro:
Tem inicio no primeiro desembolso ref. aquisição de mercadorias e geralmente
termina com o recebimento da venda inclusive com os gastos e despesas
originados após o recebimento das vendas.
- Este é o ciclo de caixa
- O reflexo do CE se dará neste ciclo
- Se o giro do estoque for lento, a empresa tende a pagar primeiro para depois
receber (aumenta mais o GAP entre pagtos e recebimentos). Gerando
desequilíbrio de caixa- Atenção!
Quanto maior o poder de negociação da empresa com fornecedores e a
adequação das necessidade de CG, melhor para o CF
Cuidado com as factoring´s e empréstimos – custo de CT
Algumas conclusões
Ciclo Operacional:
Inicia-se com a compra de MP e encerra- se com o recebimento das vendas. O
CO é composto durante suas atividades por vários outros eventos
denominados CE e CF.
Importante:
1. Desafio: Reduzir os ciclos para aumentar o giro dos negócio, avaliar
investimentos e sua aplicações, reduzir / otimizar o uso de capital de
terceiros (fontes de financiamentos)
2. Análise dos ciclos possibilita maximizar os potenciais de investimentos
temporários e permanentes, usar recursos para as operações e definir,
fontes de financiamentos
Fontes de Financiamento e Capital de Giro
Relações e Decisões
Questões Choque de Realidade
1. Qual a relação entre CG e as Fontes de financiamentos?
2.São os financiamentos (CT ou CP) que compõem o CG? Este é o
objetivo maior? Explique
3. Os financiamentos podem vir de: Capital próprio (Sócios,
lucros, reservas) ou de terceiros (Empréstimos, fornecedores,
salários, tributos..)? Defina e explique
Fontes de Financiamento e Capital de Giro
Relações e Decisões
• Capital circulante CCL / CGL: É a diferença entre o ativo circulante e o
passivo circulante
AC - PC = CGL
Quanto melhor administramos nosso ativo circulante e, sobretudo, nosso
passivo circulante mias aumentamos o CGL
AC > e PC <.......esse é o objetivo da cobertura total do passivo e geração de
liquidez (imediata ou não).
Contudo, hoje a competição e a guerra de preços coloca a empresa numa
situação de engessamento no que tange a alterações na estrutura de
vendas, formação de preços e possíveis reduções de prazos de pagtos e
ainda tem-se que manter a qualidade como obrigação. Portanto, um olhar
de excelência nas origens dos recursos (fontes de financiamentos – CT e CP
na formação do giro / permanente) é mais do que fundamental.
Fontes de Financiamento e Capital de Giro
Relações e Decisões
• Fontes de capital de giro onerosas e que geram
encargos: empréstimos e financiamentos,
parcelamento de tributos vencidos entre outros,
desconto de duplicatas e por ai vai.....;
• Fontes que não são onerosas e são geradas
naturalmente pelas operações normais da empresa:
- Salários, pagamento de fornecedores.....cuidado
com esta fonte...há contrapartidas negativas...
AULA 2
BASES DA MATEMÁTICA FINANCEIRA
E INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS
Juros Compostos - Revisão
JC : QUANDO OS JUROS CAPITALIZADOS SOBRE O PV SÃO INCORPORADOS
AO MESMO E COBRADOS A PARTIR DOS PROXIMOS PERÍODOS SOBRE O
NOVO VALOR
TABELA PRÁTICA ONDE I= 5% A/M, PV=20.000, N= 3 MESES
FINAL DO MÊS CAPITAL JUROS FV
JAN 20.000,00 1.000,00 21.000,00
FEV 21.000,00 1.050,00 22.050,00
MAR 22.050,00 1.102,50 23.152,00
(n)
FORMULA: FV = PV ( 1 + i)
Taxas Acumuladas / Equivalentes
TAXA CONSECUTIVA: OCORRE EM PERÍODOS SEGUIDOS, SEM
CARÊNCIA. EX. 1% EM JAN, 2% EM FEV, 3% EM MAR.
TAXA ACUMULADA:RESULTA DA ACUMULAÇÃO DE VARIAS
TAXAS CONSECUTIVAS.
Iac = 1%, 2% E 3%, QUANDO ACUMULADAS, RESULTAM:
Iac = [(1+i)(1+i)(1+i)......] - 1
Iac = [( 1 + 0,01 ) ( 1 + 0,02 ) ( 1 + 0,03 )] - 1 = 6,11%
Taxas Equivalentes
FORMULA PADRÃO PARA TAXAS EQUIVALENTES:
(n)
MENOR P/ MAIOR = I = [ (1 + I ) - 1 ] x 100
1/n
MAIOR P MENOR = I = [ ( 1 + I ) - 1 ] x 100
EX: 10% a.m = 213,84% a.a
10% a.m = 0,32% a.d
Taxas Efetivas e Nominais
CUIDADO: QUEM JÁ DEPAROU, SOB O PONTO DE VISTA MATEMÁTICO, COM
SITUAÇÕES ONDE TAXAS DIÁRIAS OU MENSAIS NÃO COINCIDEM COM AS
TAXAS DO FINAL DE UM PERÍODO DE CAPITALIZAÇÃO?
EX: 60% a.a = ? % a.m (SERÁ QUE É 5% OU 3,99% A/M ??? )
10% a.m = ? % a.a (SERÁ QUE É 120% OU 213,8% a/a ?????)
“ LEMBRE - SE DA FORMULA PARA TAXAS PROPORCIONAIS /EQUIVALENTES
SEMPRE NO REGIME DE JUROS COMPOSTOS”
Taxas Efetivas e Nominais
1. TAXA EFETIVA: É A TAXA EFETIVAMENTE APLICADA A UM MONTANTE
NO REGIME JUROS COMPOSTOS, OU SEJA, A UNIDADE DE TEMPO
REFERIDA NA TAXA EFETIVA TEM QUE COINCIDIR COM O PERÍODO DE
CAPITALIZAÇÃO.
EX: 5% a.m COM CAPITALIZAÇÃO MENSAL, OU 10% a.b COM CAPITALIZAÇÃO
BIMESTRAL.....E ASSIM POR DIANTE
2. TAXA NOMINAL: MUITO USADA NO MERCADO FINANCEIRO, PORÉM, NÃO
USADA EM CÁLCULOS EFETIVOS, POIS A UNIDADE DE TEMPO DA TAXA
NÃO COINCIDE COM A UNIDADE DE TEMPO DOS PERÍODOS DE
CAPITALIZAÇÃO. ELA NÃO REPRESENTA UMA TAXA EFETIVA E APLICADA
NO FINAL DO PERÍODO.
EX; FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO...12% A.A COM CAPITALIZAÇÃO DE 1%
a.m
EXEMPLOS
EX: 6% a.a , PORÉM, CAPITALIZADOS MENSALMENTE O QUE
FORNECE AO FINAL DO ANO UMA TAXA EFETIVA > QUE 6
ASSIM SENDO:
5% a.m com capitalização diária, significa uma tx efetiva
de: 5,12% a/m.
10% A.T = ? % A.A ( 46,41% )
1% A.D = ? % A.QUINZENA ( 16.09% )
20% A.QUAD = ? % A.BIM ( 9.54% )
Avaliação de Investimentos
Temporários
• Investimentos temporários: Não fazem parte do orçamento
de capital e são classificados contabilmente como aplicação
de liquidez imediata e títulos de Curto e Longo Prazo.
• São aplicações de liquidez imediata: Podem ser resgatadas ou
vendidas imediatamente (poucos dias)
• Títulos e valores mobiliários de CP: aplicações em títulos com
prazo de resgate de até 1 ano
• Títulos e valores mobiliários de LP: São aplicações em títulos
com resgate superior a 1 ano.
• Exemplos: Títulos federais, estaduais, municipais, fundos, CDB
– Certificado de depósito bancário, ações c/ intenção de
venda, aplicações em ouro e outros de natureza
temporária...geram liquidez rapidamente.
Análise de investimentos temporários
Em linhas gerais, passa pela efetivo cálculo dos seus
rendimentos somados ao tempo determinado ou não
da aplicação; e o risco do mesmo (conservador ou
operam com taxas melhores mas com riscos também
maiores).
Fundamental nesses investimentos é saber calcular o
ganho real para determinar comparações e
escolhas.....Por isso uma revisão de alguns temas é
necessário.
Taxa de Juros Bruta e liquida
• TJB = AQUELA QUE NÃO CONSIDERA O DESCONTO DO IR EM UMA
APLICAÇÃO FINANCEIRA, OUS EJA, O VALOR DO RESGATE ESTÁ INCLUSO
O CAPITAL INCIAL + JUROS PAGOS PELA INSTITUIÇÃO.
• TJL = AQUELA QUE É PAGA APÓS O DESCONTO DO IR, OU SEJA, QUANDO
TEMOS UM RESGATE BRUTO, CONSIDERAMOS APENAS O VALOR DOS
JUROS PAGOS E DESTE DEDUZIMOS O IR DEVIDO.
• ESTE SERÁ O VALOR DOS JUROS LIQUIDOS PAGOS AO CLIENTE,
PORTANTO, TEREMOS UM NOVO VALOR EM % PAGO COMO JUROS AO
CLIENTE.
EM TESE, JÁ ESTÁ RESOLVIDO? JÁ TEMOS O RENDIMENTO REAL PARA A
ANÁLISE COMPLETA ?
Taxa de Juros Aparente e Real
• INFLAÇÃO:
PERDA DO PODER AQUISITIVO DA MOEDA EM FUNÇÃO DO AUMENTO DE
PREÇOS. EM FUNÇÃO DA INFLAÇÃO CORROER O PODER DE COMPRA DA
MOEDA, FAZ - SE NECESSÁRIO ANALISAR A RELAÇÃO ENTRE TAXA DE
JUROS E TAXAS DE INFLAÇÃO
• IMPORTANTE: EM QUALQUE APLICAÇÃO FINANCEIRA, DEVE - SE
CONSIDERAR A INFLAÇÃO PARA COMPROVAR SE HOUVE OU NÃO
GANHO, BEM COMO A TAXA REAL DO GANHO. ISSO DETERMINA
ESCOLHAS ENTRE AS MODALIDADES DE INVESTIMENTOS...
• MEDIDAS DA INFLAÇÃO: A INFLAÇÃO É MEDIDA ATRAVÉS DAS VARIAÇÕES
DE PREÇOS DE PRODUTOS E SERVIÇOS, ENTRETANTO, EXISTEM CRITÉRIOS
CONFORME O SETOR E SÃO EXPRESSADOS ATRAVÉS DE INDICADORES
COMO O:
• IGPM, IPC, IPCA, INPC, INCC, TR ENTRE OUTROS
Taxa Aparente
• TAXA APARENTE: AQUELA QUE APLICADO A UM PV RESULTA
EM UM MONTANTE FV SEM CONSIDERAR A INFLAÇÃO DO
PERÍODO (pode-se considerar a taxa liquida (após IR) obtida
nas aplicações)
EX.: Ia = 4%, PV = 1000, N = 1 MÊS, QUAL O FV?
FV = 1000 ( 1 + 0,04 ) = 1.040,00
OBS: O FV ESTÁ MOSTRANDO QUE HOUVE UMA
REMUNERAÇÃO, PORÉM, NÃO CONSIDEROU UMA POSSÍVEL
PERDA INFLACIONÁRIA.
Taxa Real
TAXA REAL:
AQUELA RESULTANTE DO PV SOMADO AO GANHO DE CAPITAL COM A
APLICAÇÃO DA TAXA APARENTE(Ia) DIVIDINDO - SE PELO PV ACRESCIDO DA
TAXA DE INFLAÇÃO (Ii).
MELHOR COMPREENDIDO PELA FÓRMULA :
Ir = [ ( 1 + Ia ) / ( 1 + Ii ) ] - 1
OBS: QUALQUER APLICAÇÃO, INVESTIMENTO, DEVE - SE LEVAR EM
CONSIDERAÇÀO O IR E A INFLAÇÃO PARA SE TER CERTEZA DO GANHO REAL
E, SOBRETUDO, DETERMINAR COMPARATIVOS PARA AS DECISÕES DE
INVESTIMENTOS, NESTE CASO, TEMPORÁRIOS.
Exemplo
• CONSIDERAR R$ 1.000,00 APLICADOS A UM PERÍODO DE 3 MESES A UMA
TAXA DE 10% CAPITALIZADA TRIMESTRALMENTE COM INFLAÇÃO
ACUMULADA NO PERÍODO DE 5%, QUAL O VALOR RESGATADO E A TAXA
REAL DA APLICAÇÃO
• Ir = ( 1 + 0,10 ) / ( 1 + 0,05 ) -1 = 0,0476 = 4,76%
• FVr = 1000,00 ( 1 + 0,0476 ) = 1.047,60
• JUROS REAIS = R$ 47,60
• Pode considerar para as análises: Tjb (-IR) = Tjl = Ia (- Ii) = Ir..............
AULA 3
ORÇAMENTO DE CAPITAL
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS
PERMANENTES
Decisões de Investimentos
- O orçamento de capital caracteriza um conjunto de métodos
e técnicas que permitem avaliar e selecionar investimentos,
geralmente de longo prazo ( permanentes ).
- Investimentos permanentes: São ativos que produzem
resultados no longo prazo, ou seja, são investimentos
aplicados para a manutenção das atividades operacionais e
com fins estratégicos como:
- Participações em empresas (fusões, aquisições, constituição)
- Imóveis, terrenos
- Gastos com P&D, máquinas, marcas....etc.
Decisões de Investimentos
Um projeto de investimento passa pelo crivo da viabilidade
econômica, ou seja, antes deste ser materializado, deve ser
analisado sob a ótica econômica / financeira devendo
apresentar um resultado favorável a engenharia econômica.
Usa-se para a determinação da viabilidade uma série de
metodologias associadas a um conjunto de informações do
projeto como custos de oportunidade, investimentos, prazos de
retornos e outros para se obter um resultado parâmetro de
avaliação.
Em suma, todos os métodos nos levam a estabelecer relações de
custo/benefício dos projetos.
Metodologias de Avaliação de Investimentos
“ Não considera o valor do dinheiro no tempo”
1) Taxa de retorno contábil (sobre investimentos) – ROI
• É uma medida simples que quantifica o retorno produzido
pelas decisões de investimentos avaliando a atratividade
econômica do projeto.
• ROI = L operacional após o IR
Investimento (ou Ativo Total)
Ex. Investimento de R$ 1.000.000,00 e Lucro após o IR de R$
200.000, teremos:
ROI = 200 / 1000 = 20% de retorno ROI
Métodologia Payback Descontado
“Considera o valor do dinheiro no tempo”
Período de PAYBACK
É o período de recuperação de um investimento considerando o
valor do dinheiro no tempo (descontar o custo de oportunidade
que é de 1% a.m)
Exemplo: (compra de um carrinho de hot dog)
Mês 0 - Investimento : R$ 1.000,00
Mês 1 – FC R$ 400,00 (400/1,01) = 396,04
Mês 2 – FC R$ 200,00 (200/1,02) = 196,05
Mês 3 – FC R$ 300,00 (300/ 1,03) = 291,18
Mês 4 – FC R$ 200,00 (200/1,04) = 192,19
Payback Descontado
• Período de PAYBACK: Investimento : (1.000,00 )
• 1 - 396,04
• 2 - 196,05
• 3 - 291,18
• 4- 192,19
Mês 4 = 192,19 / 30 dias = 6,40 por dia
• Saldo faltante : 116,73 / 6,40 = 18 dias
Resposta: recuperação em 3 meses e 18 dias.
Ou usa – se a regra de 3 = 192,19 ------ 30 dias
116,73 ------ X
X = 18 dias
Na HP – PBD
Ex. de Fluxo caixa qualquer EX. PBD a partir do FC
Metodologias de Avaliação de Investimentos
Métodos que consideram o valor do dinheiro no tempo – mais
sofisticados
1) Valor presente líquido – VPL (HP)
É medido em valores monetários, pela diferença entre o valor
presente das entradas de caixa e o valor presente das saídas de
caixa , descontada a uma determinada taxa de atratividade
(custo de oportunidade / taxa desconto).
Metodologias de Avaliação de Investimentos
Métodos que consideram o valor do dinheiro no tempo – mais
sofisticados
•Ex.: Considere o fluxo de caixa a seguir, descontado a uma taxa
de desconto de 17% aa:
Ano 0 - Investimento : R$ 1.000,00
Ano 1 – FC R$ 200,00
Ano 2 – FC R$ 500,00
Ano 3 – FC R$ 300,00
Ano 4 – FC R$ 500,00
Metodologias de Avaliação de Investimentos
Equação do VPL = [ FC1 / ( 1 + i ) + FC2 / ( 1 + i ) + FC3 / (1 + i ) + FC4 /
( 1 + i )..... ] - Inv
(2) (3) (4)
[ 200 / 1,17 + 500 / 1,17 + 300 / 1,17 + 500 / 1,17 ] - 1000
VPL = $ - 9,67
• Na HP = 1000 CHS g Cfo
200 g CFj
500 g CFj
300 g CFj
500 g CFj
17 i
f NPV
Metodologias de Avaliação de Investimentos
•Importante: Como critério de decisão, temos:
VPL < 0: Projeto inviável
VPL = 0 : Projeto viável, pois o projeto paga
os valores investidos, seu lucro é igual ao
mínimo esperado.
VPL > 0 : Projeto viável, o retorno será
maior que seu custo de capital. (> que investimento)
Metodologias de Avaliação de Investimentos
2) Taxa Interna de Retorno – TIR
É a taxa de desconto que se iguala ao valor presente das
entradas de caixa ao investimento inicial referente a um
projeto. Para o calculo da TIR deve-se descobrir a taxa de
descontos ( i ) que fornece um valor presente líquido igual a
zero; quando isso ocorre, o valor presente dos futuros fluxos
de caixa é exatamente igual ao investimento efetuado.
No plano de negócios é importante que se mostre, no mínimo,
o VPL e a TIR , pois são os primeiros índices que os
investidores observam.
Metodologias de Avaliação de Investimentos
Equação da TIR =
(2) (3)
0 = [FC1 / ( 1 + i ) + FC2 / ( 1 + i ) + FC3 / ( 1+ i ) +
(4)
FC4 / ( 1 + i ) ........ ] - Investimento.
Para determinar a TIR, é necessário a utilização de uma
calculadora financeira em razão da complexidade dos
cálculos. Portanto, temos:
Metodologias de Avaliação de Investimentos
• Considere o fluxo de caixa a seguir: Considere uma taxa de
desconto de 17% aa
• Calcule a TIR
Ano 0 - Investimento : R$ 1.000.000,00
Ano 1 – FC R$ 200.000
Ano 2 – FC R$ 500.000
Ano 3 – FC R$ 300.000
Ano 4 – FC R$ 500.000
Metodologias de Avaliação de Investimentos
• Na HP:
1000 CHS g CFo
200 g CFj
500 g CFj
300 g CFj
500 g CFj
f IRR = 16,56%
Portanto, utilizando a HP, teremos uma TIR para este projeto de
16,56% aa
Metodologias de Avaliação de Investimentos
• Interpretação:
TIR < Taxa de desconto, Custo capital do projeto = O projeto é
inviável
TIR > ou = Taxa desconto, custo capital do projeto = O projeto é
Viável
Importante: Podemos dizer que a TIR é a taxa de rentabilidade
do projeto.
Metodologias de Avaliação de Investimentos
3) Índice de lucratividade – IL
• Este método consiste em obter a relação entre os benefícios
líquidos de caixa gerados pelo projeto e o investimento inicial.
Neste caso, para se obter um índice mais próximo possível do
real, deve – se usar os fluxos de caixa descontados dos
períodos.
Formula do IL =___ ΣFC______
Investimento
Obs: Lembre-se que no ROI, usa-se o lucro / Investimento, por
isso retorno contábil....não tão preciso, aqui usamos caixas
descontados....mais preciso e efetivo.
Metodologias de Avaliação de Investimentos
Atividade:
Custo oportunidade/capital: 15%
Determine a viabilidade dos projetos a partir do IL
Projeto A Projeto B
Inv: (90.000) Inv (80.000)
FC1: 40.000 FC1: 38.000
FC2: 25.000 FC2: 26.000
FC3: 30.000 FC3: 32.000
FC4: 15.000 FC4: 14.000
Metodologias de Avaliação de Investimentos
Projeto A Projeto B
FC descontado FC Descontado
Inv: 90.000 Inv: 80.000
FC1: 34.782,60 FC1: 33.043,48
FC2: 18.903,59 FC2: 19.659,73
FC3: 19.725,48 FC3: 21.040,52
FC4: 8.576,30 FC4: 8.004,54
FCT = R$ 81.987,00 FCT = R$ 81.748,27
Metodologias de Avaliação de Investimentos
• Fórmula para o FC descontado:
(3)
FC1 corrente / (1 + i) FC3 corrente / (1+i)
(2) (4)
FC2 corrente / (1 + i) FC4 corrente / (1+i)
• Índice de lucratividade IL
___ ΣFC______
Investimento
Projeto A = 81.987,00 / 90.000,00 = 0,9109 (IL)
Projeto B = 81,748,27 / 80.000,00 = 1,021 (IL)
Metodologias de Avaliação de Investimentos
• Interpretação:
• Índice = 1: Significa que o FC zera o investimento inicial
• Índice > 1: Significa que houve recuperação de investimento e
mais um ganho adicional
• Índice < 1: Significa que o Investimento inicial não foi
recuperado
Resposta: O projeto B é o mais viável
Tarefa:
Pesquisar sobre Payback – análise sobre o retorno em “tempo”
do investimento.
Aula 4
Custos de Capital Próprio e de
Terceiros
Precificação de Ativos de capital
Decisões de Financiamento
• Capital próprio
Investimentos com prazo de retorno longo ou de alto risco
devem ser financiado com capital próprio, pois em caso de
insucesso das operações, haveria menos aperto de liquidez.
O Capital próprio é obtido por meio da integralização das ações
(pref. e ord.) e com os lucros (reservas).
No cálculo do custo do capital próprio, há que considerar o custo
das ações (cotas) e dos lucros retidos.
Decisões de Financiamentos
Custo Capital Próprio
• Ações preferenciais (ou cota do capital social)
A atribuição de dividendos fixos ou mínimos para
ações preferenciais é comum em muitos países, embora,
não seja tão comum no Brasil. Podemos entender, neste caso,
que as ações preferenciais são equivalentes a empréstimos,
porém, sem prazo determinado para o vencimento.
• Há um custo calculado sobre as ações preferenciais com
dividendos fixos anuais, cuja equação é:
Kp = Dp / Po (1 – f – d)
Decisões de Financiamentos
Custo capital próprio
• Onde,
• kp = custo das ações preferenciais
• Dp = dividendo fixo por ação
• Po = preço corrente da ação
• f = Taxa de deságio sobre o preço de lançamento das ações,
em percentual.
• d = Despesas de underwriting, em percentual.
Obs:
A função econômica underwriter é a de servir como um elo de aproximação entre a
empresa que emite publicamente os títulos e os investidores, prestando
assessoria à companhia emissora em todas as etapas do lançamento ao público de
seus valores mobiliários. EX: Ifs...espécie de comissão.
Deságio: é quando acontece o inverso do ágio; é pago um valor a menos em relação
do valor nominal.
Decisões de financiamento
Custo capital Próprio/ações Pref.
Exemplo:
Uma Cia. planeja emitir ações preferenciais com dividendo anual
prefixado de R$ 15,00. O preço unitário corrente da ação no
mercado é de R$ 95,00, mas os investidores exigem 10% de
deságio para subscrevê-las. As despesas com underwriting
são de 4%. Qual o custo das ações preferenciais ?
• Solução
kp = 15,00 / (95,00 ( 1 – 0,10 – 0,04))
kp = 18,36% a/a
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / ações ordinárias
• Ações ordinárias
No Brasil, os custos da ações preferenciais e ordinárias, podem
ser calculados da mesma forma, porém, com outras variáveis.
• Neste momento, veremos como método de análise de custos
(e retornos) de ações, as técnicas pelo :
a) Modelo de precificação com crescimento constante
(modelo de Gordon)
b) Modelo CAPM
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / ações ordinárias
Modelo Gordon
• Equação:
ks = (D1/ Po) + g
Sendo,
Ks = taxa de retorno exigida sobre a ação
D1 = Dividendo por ação esperado no ano 1
Po = Preço corrente da ação
g = Taxa anual de crescimento constante dos lucros e dividendos
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / ações ordinárias
• Equação:
ks = (D1/ Po) + g
Sendo,
Ks = taxa de retorno exigida sobre a ação
D1 = Dividendo por ação esperado no ano 1
Po = Preço corrente da ação
g = Taxa anual de crescimento constante dos lucros e dividendos
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / ações ordinárias
• A ação de uma Cia é negociada em bolsa a preço corrente de
R$ 100,00, e seu dividendo anual previsto é de R$ 15,00, com
previsão de crescimento dos lucros e dividendos a uma taxa
média anual de 2%.
Qual o custo desta ação?
Qual a taxa de retorno desta ação?
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / ações ordinárias
ks = (15,00 / R$ 100,00 ) + 0,02
ks = 17% a/a
Custo da ação = 17% a.a
Taxa de retorno = 17% a.a (Neste caso, pesam ainda os valores
de corretagem/intermediação...variante do investidor)
Se o investidor desejar recuperar o investimento (com ganhos
ou não), ele as vende no mercado secundário.
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / Lucros Retidos
• Custos dos lucros acumulados (retidos – Kr)
• Para a empresa, o custo de lucros retidos é equivalente ao
modelo de custo de emissão de ações ordinárias, sem o
deságio e o underwriting. Portanto:
kr = (D1/ Po) + g
kr = = (15,00 / R$ 100,00 ) + 0,02
kr = 17% a.a
Usando os mesmo dados do modelo anterior, para efeito de
entendimento
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / Ações Ordinárias
Modelo CAPM (considera o risco / variantes de mercado)
•No mundo real, cheio de incertezas, os investidores são avessos ao risco, isto
é, cobram um prêmio por assumir um determinado risco, ou seja, um ganho
a mais em relação a uma outra alternativa que porventura seja isenta de
risco.
•Chamamos de risco a incerteza quanto o seu retorno
•Assim, um ativo de risco é quando há uma incerteza do seu retorno; e
podemos mensurar esse risco.
Então:
Qual seria o prêmio para que um investidor ficasse indiferente em adquirir
um título de risco ou um livre de risco?
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / Ações Ordinárias
• Considerações quanto o Prêmio:
• O Investidor avalia se é atrativo ou não, pois:
• O prêmio pelo risco de uma ação a diferença entre a taxa de retorno
esperada ( ou média) de um determinado ativo de risco e a taxa de
retorno de uma ativo de menor risco ou sem risco.
• EX Compra da Ação A com R(e) de 15% ao invés da compra do título B
considerada sem risco cujo R(e) é 6%.
Prêmio: 15% - 6% = 9%, ou seja, o investidor ganhará os 6% mais os 9% de
prêmio pela troca. Ele avalia a atratividade.
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / Ações Ordinárias
• Considerações quanto o Risco (Agora Beta (b))
Relação de b, cuja formula é:
• b = (Re – Rsr) / (Rm–Rsr)
Re = retorno esperado do título (investimento)-taxa mínima de atratividade
Rsr= retorno de um título livre de risco
Rm= taxa media de retorno de mercado (Portfólio com um todo / Ibovespa)
B= Beta
Obs:
O Beta é um indicador financeiro e pode ser fornecido pelos agentes de
mercado. Você tem essa informação para análise..
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / Ações Ordinárias
• Considerações interessantes quanto o Risco (Ações x Ibovespa)
No gráfico acima temos o retorno diário da BVMF3 no eixo Y e do Ibov no Eixo X.
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / Ações Ordinárias
• Na Prática, temos:
• O período analisado reflete os últimos 3 anos. (19/12/XX até 16/12/XX)
• Cada círculo neste gráfico representa um dia, sinalizando o retorno da
BVMF3 e do Ibov.
• Foi introduzida uma linha de tendência (cinza mais escuro).
• Note que foi ressaltado a fórmula desta linha de tendência, no retângulo
em cinza.
• O número da equação 1,1557 é o próprio índice beta.
• Quer dizer que espera-se que quando o Ibovespa subir 1% em um dia a
ação BVMF3 subirá 1,1557% na teoria.
• De maneira inversa, quando o Ibovespa cair -1% em um dia espera-se que
a ação BVMF3 caia -1,1557% na teoria.
Pergunta: Esta ação BVMF3 tem características agressivas ou
defensivas?
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / Ações Ordinárias
Certamente é agressiva, pois:
Beta > 1 = Agressivo (alto)
Beta = 1 = Neutro – Mesmo risco de mercado
Beta < 1 = Defensivo (baixo)
Ex:
Beta 1,5 = 1,5 mais risco em relação ao mercado (ex Ibovespa)
Beta 0,5 = Metade do risco em relação ao mercado
Objetivo da exposição: saber interpretar um indicador Beta.
Decisões de Financiamento
Custo capital Próprio / Ações Ordinárias
• Agora que já sabemos o que representa um risco (b) e o prêmio, vamos a
ao modelo CAPM:
• Re = RSR + ( Rm – Rsr ) x Beta ( risco )
Re = Retorno esperado do título / ativo (custo de capital para a Cia)
Rsr = Retorno do título sem risco ( ou menor risco)
Rm = taxa média de retorno do mercado
B = risco (sistemático)
- Risco sistemático (não diversificável): risco a que está sujeito todas as
empresas situadas em um mesmo universo econômico, ainda que em
diferentes níveis de intensidade. EX: A inflação diminui o poder de
compra...todos os setores são afetados em linhas gerais....Risco
sistemático
- Risco não sistemático (diversificável): Afeta uma empresa, um segmento
sem que as empresas fora do segmento sejam afetadas. EX: a exploração
de escândalos políticos que envolvem uma grande corporação, ações
judiciais, resultados.....etc
Decisões de Financiamento
CAPM
• Suponha uma determinada empresa que possua em B = 1,2, qual seria o
retorno mínimo desejado por seus acionistas, caso o retorno esperado de
mercado seja de 25% e a rentabilidade de um titulo livre de risco seja de
14,25% a.a? Qual o Prêmio em relação ao risco? Quais as características
de comportamento do título?
• Resolvam???
Decisões de Financiamento
CAPM
• Resposta;
• Prêmio = 25% - 14,25 = 10,75%
• Re = Rsr + B(Rm – Rsr) = 14,25 + 1,2(25 - 14,25) = 27,15% a.a
• Agressivo, B > 1....opera em DP de 20%. Opera com 1,2 vezes mais risco
em relação ao mercado...para cima ou para baixo, na teoria.
Decisões de Financiamento
Custo de Capital de Terceiros
• Capital de terceiros
• O custo do capital de terceiros é a taxa de retorno pela qual o
investidor (emprestador) deseja ser remunerado pelo risco
que estará correndo ao ceder o capital ao tomador.
• Basicamente, o capital financeiro de terceiros pode ser obtido
por meio de: empréstimos, financiamentos e emissão de
títulos de dívida.
Decisões de Financiamento
Custo de Capital de Terceiros
• Empréstimos e Financiamentos
• Suponha-se que uma empresa tenha tomado os recursos na
modalidade de resolução 2770, que são recursos externos
internados com a finalidade de repassar no mercado interno.
As condições do empréstimo e a forma de cálculo do custo do
empréstimo são:
• Valor: US$ 10.000.000,00
• Prazo: 3 anos, com amortização no final
• Taxa de juros: 8% a.a (pré-fixada/capitalização anual), pagos semestralmente
postecipados
• IR : 15% sobre os juros
• Comissão de repasse: 2% a.a com pagamento semestral postecipado
• Despesas legais: Em R$ - equivalentes a US$ 100.000,00 pagos na data da
contratação
Decisões de Financiamento
Custo de Capital de Terceiros
• Considerações:
• O fluxo nominal do semestre 0 é o valor da entrada do empréstimo menos
a despesa legal
• Os fluxos de 1 a 5 são compostos pelos juros semestrais acrescidos do IR
de 15% mais a comissão semestral antecipada
• O fluxo 6 é composto pela parcela de amortização mais os juros / IR e
comissão.
• Qual o Custo efetivo em % do empréstimo?:
É dado pela TIR do fluxo nominal dos semestres de 0 a 6
Custo de Capital de Terceiros
• Vamos a planilha do fluxo de caixa do investimento:
Decisões de Financiamento
Custo de Capital de Terceiros
• Vamos ao calculo do custo efetivo do empréstimo:
Na HP:
9.900.000 CHS g CFo
560.000. g CFj
560.000 g CFj
560.000 g CFj
560.000 g CFj
560.000 g CFj
10.560.000 g CFj
f IRR / TIR = 5,8021% a.s ou 11,61% a.a
custo efetivo do empréstimo (capitalização anual)
Decisões de Financiamento
Custo de Capital de Terceiros
• Algumas fontes de capital de terceiros utilizadas. Todas possuem o seu fluxo de
pagamentos com suas particularidades, bem como os seus custos.
• São elas:
• Financiamentos e empréstimos (moeda local ou dólar)
• Hot Money: empréstimos de curtíssimo prazo. Um dia/uma semana. Taxa baseada
no CDI + spread bancário
• Conta garantida: Para pessoa jurídica; semelhante ao cheque especial; o banco
abre uma conta crédito para a empresa, que saca livremente o valor até o limite
estabelecido e cobre o saldo devedor a qualquer tempo, respeitando o
vencimento do contrato. O encargos financeiros (IOF) são cobrados
periodicamente.
• Factoring: operação de fomento comercial não sujeitas a regulamentação do
Bacen. Consiste em ceder os direitos creditórios sobre duplicatas a empresas de
factoring, recebendo, em contrapartida, o valor de face com deságio (juros e
spread da operação)
• Debêntures: Título emitido por S.A de capital aberto para captar recursos de
médio e longo prazos no mercado financeiro. É negociada no mercado de capitais.
• Dentre Outras....
AULA 5
ATIVIDADE:
Lista de Atividades
Desafio Profissional
Data do desafio: 27/11/2015
Horário: 19:30 às 22:00 hs
1.ENUNCIADO
A presente atividade tem como objetivo associar o conteúdo teórico ao aplicado,
buscando contribuir para o aperfeiçoamento do profissional, estimulando-o para os
desafios da gestão de Investimentos.
2. INTRODUÇÃO
Para resolver esse Desafio Profissional você deverá usar todos os recursos teóricos e
exercícios desenvolvidos em sala de aula.
3. AVALIAÇÃO
O Desafio profissional corresponderá a 50% do valor da média final, ou seja, será
pontuado de 0,0 a 10,00 da seguinte forma:
“A SORTE É O ENCONTRO DA CAPACIDADE COM A
OPORTUNIDADE”
FIM
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão FinanceiraCadernos PPT
 
Administração Financeira prof. dr. Armando Rasoto (sustentare)
Administração Financeira prof. dr. Armando Rasoto (sustentare)Administração Financeira prof. dr. Armando Rasoto (sustentare)
Administração Financeira prof. dr. Armando Rasoto (sustentare)Sustentare Escola de Negócios
 
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressao
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressaoVa analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressao
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressaoJoyce Pereira
 
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016Elvis Lima
 
Analise financeira
Analise financeira Analise financeira
Analise financeira Thelma Lopes
 
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeirosNocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeirosRicardoPassosVieira
 
Gestão Administrativa e Financeira Básica
Gestão Administrativa e Financeira BásicaGestão Administrativa e Financeira Básica
Gestão Administrativa e Financeira BásicaRicardo Pinheiro
 
Slides módulo3.3
Slides módulo3.3Slides módulo3.3
Slides módulo3.3Eva Gomes
 
Fluxo de caixa e dre
Fluxo de caixa e dreFluxo de caixa e dre
Fluxo de caixa e drealunocontabil
 
Apostila de Finanças Corporativas v 3.10
Apostila de Finanças Corporativas v 3.10Apostila de Finanças Corporativas v 3.10
Apostila de Finanças Corporativas v 3.10Cesar Ventura
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsIFMG e COLTEC
 
Atps analise de investimento
Atps analise de investimentoAtps analise de investimento
Atps analise de investimentoJoelma Ribeiro
 
Apostila Funcao financeira nas organizações
Apostila Funcao financeira nas organizaçõesApostila Funcao financeira nas organizações
Apostila Funcao financeira nas organizaçõesArnoldo Schmidt Neto
 
Gestão financeira introdução e matemática financeira - juros simples e comp...
Gestão financeira   introdução e matemática financeira - juros simples e comp...Gestão financeira   introdução e matemática financeira - juros simples e comp...
Gestão financeira introdução e matemática financeira - juros simples e comp...Ueliton da Costa Leonidio
 
Classe 5 - Capital, reservas e resultados
Classe 5 - Capital, reservas e resultadosClasse 5 - Capital, reservas e resultados
Classe 5 - Capital, reservas e resultadosAminudineCarlosAbaca
 
1. a função financeira da empresa
1. a função financeira da empresa1. a função financeira da empresa
1. a função financeira da empresavaleriolero
 

Mais procurados (20)

Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
Principais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidadePrincipais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidade
 
Administração Financeira prof. dr. Armando Rasoto (sustentare)
Administração Financeira prof. dr. Armando Rasoto (sustentare)Administração Financeira prof. dr. Armando Rasoto (sustentare)
Administração Financeira prof. dr. Armando Rasoto (sustentare)
 
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressao
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressaoVa analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressao
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressao
 
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
 
Analise financeira
Analise financeira Analise financeira
Analise financeira
 
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeirosNocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
 
Gestão Financeira de Longo Prazo
Gestão Financeira de Longo Prazo Gestão Financeira de Longo Prazo
Gestão Financeira de Longo Prazo
 
Gestão Administrativa e Financeira Básica
Gestão Administrativa e Financeira BásicaGestão Administrativa e Financeira Básica
Gestão Administrativa e Financeira Básica
 
Slides módulo3.3
Slides módulo3.3Slides módulo3.3
Slides módulo3.3
 
Fluxo de caixa e dre
Fluxo de caixa e dreFluxo de caixa e dre
Fluxo de caixa e dre
 
Apostila de Finanças Corporativas v 3.10
Apostila de Finanças Corporativas v 3.10Apostila de Finanças Corporativas v 3.10
Apostila de Finanças Corporativas v 3.10
 
RáCios Financeiros
RáCios FinanceirosRáCios Financeiros
RáCios Financeiros
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
 
Atps analise de investimento
Atps analise de investimentoAtps analise de investimento
Atps analise de investimento
 
Apostila Funcao financeira nas organizações
Apostila Funcao financeira nas organizaçõesApostila Funcao financeira nas organizações
Apostila Funcao financeira nas organizações
 
Gestão financeira introdução e matemática financeira - juros simples e comp...
Gestão financeira   introdução e matemática financeira - juros simples e comp...Gestão financeira   introdução e matemática financeira - juros simples e comp...
Gestão financeira introdução e matemática financeira - juros simples e comp...
 
Adm fin
Adm finAdm fin
Adm fin
 
Classe 5 - Capital, reservas e resultados
Classe 5 - Capital, reservas e resultadosClasse 5 - Capital, reservas e resultados
Classe 5 - Capital, reservas e resultados
 
1. a função financeira da empresa
1. a função financeira da empresa1. a função financeira da empresa
1. a função financeira da empresa
 

Destaque

Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...
Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...
Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...Delza
 
Projetos ii ponto 1
Projetos ii ponto 1Projetos ii ponto 1
Projetos ii ponto 1Delza
 
Decisao de investimento
Decisao de investimentoDecisao de investimento
Decisao de investimentoAdriele Lima
 
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...Rodrigo M. Gandra, MSc, PMP, PMI-RMP
 
DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA APOIO À DECISÃO BASEADA EM MÉTODOS DE ...
DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA APOIO À DECISÃO BASEADA EM MÉTODOS DE ...DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA APOIO À DECISÃO BASEADA EM MÉTODOS DE ...
DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA APOIO À DECISÃO BASEADA EM MÉTODOS DE ...Willian Lima
 
Estrutura do sistema financeiro nacional
Estrutura do sistema financeiro nacionalEstrutura do sistema financeiro nacional
Estrutura do sistema financeiro nacionalfranco102
 
MBA em Controladoria - Aula 1 - Introdução e Conceitos de Investimentos e Pro...
MBA em Controladoria - Aula 1 - Introdução e Conceitos de Investimentos e Pro...MBA em Controladoria - Aula 1 - Introdução e Conceitos de Investimentos e Pro...
MBA em Controladoria - Aula 1 - Introdução e Conceitos de Investimentos e Pro...Kenneth Corrêa
 
Políticas da União Europeia: Política Industrial e de Inovação | Política Emp...
Políticas da União Europeia: Política Industrial e de Inovação | Política Emp...Políticas da União Europeia: Política Industrial e de Inovação | Política Emp...
Políticas da União Europeia: Política Industrial e de Inovação | Política Emp...Carlos Ribeiro Medeiros
 
Aulas de Investimentos (VPL)
Aulas de Investimentos (VPL)Aulas de Investimentos (VPL)
Aulas de Investimentos (VPL)Adriano Bruni
 
Aulas de matematica financeira (series nao uniformes)
Aulas de matematica financeira (series nao uniformes)Aulas de matematica financeira (series nao uniformes)
Aulas de matematica financeira (series nao uniformes)Adriano Bruni
 
Projeto Lampião
Projeto LampiãoProjeto Lampião
Projeto LampiãoMarco Coghi
 
20-PRICING
20-PRICING20-PRICING
20-PRICINGlbasilio
 
Aulas de Investimentos (custo de capital)
Aulas de Investimentos (custo de capital)Aulas de Investimentos (custo de capital)
Aulas de Investimentos (custo de capital)Adriano Bruni
 
Aulas de Investimentos (selecao de investimentos
Aulas de Investimentos (selecao de investimentosAulas de Investimentos (selecao de investimentos
Aulas de Investimentos (selecao de investimentosAdriano Bruni
 
Métodos de Análise de Investimento
Métodos de Análise de InvestimentoMétodos de Análise de Investimento
Métodos de Análise de InvestimentoKenneth Corrêa
 
Aulas de Investimentos (capital de giro)
Aulas de Investimentos (capital de giro)Aulas de Investimentos (capital de giro)
Aulas de Investimentos (capital de giro)Adriano Bruni
 
Aulas de Investimentos (payback)
Aulas de Investimentos (payback)Aulas de Investimentos (payback)
Aulas de Investimentos (payback)Adriano Bruni
 
Avaliação económica de projectos
Avaliação económica de projectosAvaliação económica de projectos
Avaliação económica de projectosPedro De Almeida
 

Destaque (20)

Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...
Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...
Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...
 
Projetos ii ponto 1
Projetos ii ponto 1Projetos ii ponto 1
Projetos ii ponto 1
 
Decisao de investimento
Decisao de investimentoDecisao de investimento
Decisao de investimento
 
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
 
DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA APOIO À DECISÃO BASEADA EM MÉTODOS DE ...
DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA APOIO À DECISÃO BASEADA EM MÉTODOS DE ...DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA APOIO À DECISÃO BASEADA EM MÉTODOS DE ...
DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA APOIO À DECISÃO BASEADA EM MÉTODOS DE ...
 
Estrutura do sistema financeiro nacional
Estrutura do sistema financeiro nacionalEstrutura do sistema financeiro nacional
Estrutura do sistema financeiro nacional
 
Harry Potter
Harry PotterHarry Potter
Harry Potter
 
MBA em Controladoria - Aula 1 - Introdução e Conceitos de Investimentos e Pro...
MBA em Controladoria - Aula 1 - Introdução e Conceitos de Investimentos e Pro...MBA em Controladoria - Aula 1 - Introdução e Conceitos de Investimentos e Pro...
MBA em Controladoria - Aula 1 - Introdução e Conceitos de Investimentos e Pro...
 
Políticas da União Europeia: Política Industrial e de Inovação | Política Emp...
Políticas da União Europeia: Política Industrial e de Inovação | Política Emp...Políticas da União Europeia: Política Industrial e de Inovação | Política Emp...
Políticas da União Europeia: Política Industrial e de Inovação | Política Emp...
 
Aulas de Investimentos (VPL)
Aulas de Investimentos (VPL)Aulas de Investimentos (VPL)
Aulas de Investimentos (VPL)
 
Aulas de matematica financeira (series nao uniformes)
Aulas de matematica financeira (series nao uniformes)Aulas de matematica financeira (series nao uniformes)
Aulas de matematica financeira (series nao uniformes)
 
Projeto Lampião
Projeto LampiãoProjeto Lampião
Projeto Lampião
 
Análise e avaliação de investimentos
Análise e avaliação de investimentosAnálise e avaliação de investimentos
Análise e avaliação de investimentos
 
20-PRICING
20-PRICING20-PRICING
20-PRICING
 
Aulas de Investimentos (custo de capital)
Aulas de Investimentos (custo de capital)Aulas de Investimentos (custo de capital)
Aulas de Investimentos (custo de capital)
 
Aulas de Investimentos (selecao de investimentos
Aulas de Investimentos (selecao de investimentosAulas de Investimentos (selecao de investimentos
Aulas de Investimentos (selecao de investimentos
 
Métodos de Análise de Investimento
Métodos de Análise de InvestimentoMétodos de Análise de Investimento
Métodos de Análise de Investimento
 
Aulas de Investimentos (capital de giro)
Aulas de Investimentos (capital de giro)Aulas de Investimentos (capital de giro)
Aulas de Investimentos (capital de giro)
 
Aulas de Investimentos (payback)
Aulas de Investimentos (payback)Aulas de Investimentos (payback)
Aulas de Investimentos (payback)
 
Avaliação económica de projectos
Avaliação económica de projectosAvaliação económica de projectos
Avaliação económica de projectos
 

Semelhante a Avaliação projetos investimento_Fernando Bueno

Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoCapital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoUeliton Carvalho
 
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.ppt
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.pptFinanças Corporativas aulas 1 e 2.ppt
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.pptAlmirSilveira7
 
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptxSLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptxFranciscoGabriel60
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1joseesade
 
Resumos 2º teste.docx
Resumos 2º teste.docxResumos 2º teste.docx
Resumos 2º teste.docxDavidDionsio1
 
Prova Análise das Demonstrações - TCU 2015
Prova Análise das Demonstrações - TCU 2015Prova Análise das Demonstrações - TCU 2015
Prova Análise das Demonstrações - TCU 2015Estratégia Concursos
 
Contabilidade geral exerc 8
Contabilidade geral exerc 8Contabilidade geral exerc 8
Contabilidade geral exerc 8J M
 
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao FinanceiraApresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao FinanceiraPPS Fã
 
Exercicio contab alav e renta
Exercicio contab alav e rentaExercicio contab alav e renta
Exercicio contab alav e rentaDiana NG
 
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geralApostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geralzeramento contabil
 
Apostila vi avaliacao de projetos
Apostila vi   avaliacao de projetosApostila vi   avaliacao de projetos
Apostila vi avaliacao de projetoszeramento contabil
 
Finanças Em Marketing Aula 05
Finanças Em Marketing   Aula 05Finanças Em Marketing   Aula 05
Finanças Em Marketing Aula 05Douglas Miquelof
 

Semelhante a Avaliação projetos investimento_Fernando Bueno (20)

Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoCapital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
 
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.ppt
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.pptFinanças Corporativas aulas 1 e 2.ppt
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.ppt
 
12_Orcamento_de_Caixa.ppt
12_Orcamento_de_Caixa.ppt12_Orcamento_de_Caixa.ppt
12_Orcamento_de_Caixa.ppt
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptxSLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1
 
Resumos 2º teste.docx
Resumos 2º teste.docxResumos 2º teste.docx
Resumos 2º teste.docx
 
Projetos de avaliação de empresas
Projetos de avaliação de empresasProjetos de avaliação de empresas
Projetos de avaliação de empresas
 
Giro apresentação 2016
Giro apresentação 2016Giro apresentação 2016
Giro apresentação 2016
 
Prova Análise das Demonstrações - TCU 2015
Prova Análise das Demonstrações - TCU 2015Prova Análise das Demonstrações - TCU 2015
Prova Análise das Demonstrações - TCU 2015
 
Contab 8
Contab 8Contab 8
Contab 8
 
Contabilidade geral exerc 8
Contabilidade geral exerc 8Contabilidade geral exerc 8
Contabilidade geral exerc 8
 
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao FinanceiraApresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
 
Exercicio contab alav e renta
Exercicio contab alav e rentaExercicio contab alav e renta
Exercicio contab alav e renta
 
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
 
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geralApostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
 
Economia Empresarial - Slides - Prof. André Paes
Economia Empresarial - Slides - Prof. André PaesEconomia Empresarial - Slides - Prof. André Paes
Economia Empresarial - Slides - Prof. André Paes
 
Apostila vi avaliacao de projetos
Apostila vi   avaliacao de projetosApostila vi   avaliacao de projetos
Apostila vi avaliacao de projetos
 
Apostila financeira
Apostila financeiraApostila financeira
Apostila financeira
 
Finanças Em Marketing Aula 05
Finanças Em Marketing   Aula 05Finanças Em Marketing   Aula 05
Finanças Em Marketing Aula 05
 

Avaliação projetos investimento_Fernando Bueno

  • 1. Prof. Me. Fernando Bueno Avaliação de Projetos de Investimentos MBA em Controladoria para Gestão de Negócios
  • 2. Breve Currículo Prof. Me Fernando bueno - Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente - Políticas públicas industriais e tecnológicas; MBA Executivo em Finanças Empresariais; Habilitado em Comércio Exterior e Graduado em Administração. - Ênfase acadêmica e profissional em Marketing, finanças, controladoria e economia industrial. - Consultor empresarial e de Franchising e sócio da empresa EGD Agenciamento de Negócios LTDA em SP. Ex Gestor do Instituto Nova Aliança nas áreas de Planejamento e Marketing. - Professor do ensino superior – Pós-Graduação em diversas universidades, dentre elas: UNISA, FMU, UNIP, FATEC, FIJ, USF, UNOPAR, UNISANTANA e etc. - Palestrante nas áreas correlatas e desenvolvedor de programas/cursos e treinamentos corporativos - Articulista e escritor da obra “Inovação e Competitividade Global” Editado pela LPB – 2010 da Obra “Inovação & Cadeias Globais de Produção” pela Biblioteca 24 horas em 2014.
  • 3. Programa base Abordaremos alguns dos conceitos inerentes à matemática financeira. Atividades financeiras. Decisões de investimentos e financiamentos: técnicas de análise de investimento e orçamento de capital - Metodologias do payback, índice de lucratividade, VPL, TIR, Anuidade, para avaliação de projetos de investimentos e análise das fontes de financiamento para a gestão de capital de giro. Modelos de precificação de ativos de capital e análise de custo de capital próprio e terceiros
  • 4. Avaliação • Avaliação 1 – dia e horário a ser agendado Sem consulta Valor: 10 pontos • Atividade desafio profissional em classe – 27/11 Grupo ou individual Valor: 10 pontos • Médias: somatória dos pontos / 2 = média final
  • 5. Introdução Financeira para a Análise de Investimentos  AULA 1 - Atividades Financeiras e noções do ciclo operacional e formação de capital de giro - Fontes de financiamentos
  • 6. Introdução Classificação das Atividades • Atividades operacionais: São refletidas no DRE atribuindo – se lucro ou prejuízo operacional. São executadas em função do negócio da empresa. • Atividades de investimentos: São refletidas nas contas do BP (ativo circulante e não circulante). Reflete os efeitos das decisões de aplicações (temporárias/permanentes) • Atividades de financiamentos: São conduzidas nas contas patrimoniais do passivo circulante e não circulante e no PL ( empréstimos, emissão de debêntures, integralização de capital social.....) Refletem os efeitos das decisões tomadas sobre a forma de financiamento das atividades operacionais e de investimentos
  • 7. Decisões • Tomadas de decisões de investimentos: Consiste em destinar ou não os recursos para aplicações em ativos correntes (circulantes) e não correntes ( RLP e Permanentes ) • Decisões de financiamentos: Destina – se a captação de recursos no mercado a LP ou CP para financiar ativos correntes e não correntes considerando a estrutura de capital. • Lembrar do DOAR (origens e aplicações)
  • 8. Revisão........ FF (origem) = Visa captar recursos financeiros de alguma forma (CP/CT) para aplicar no ativo circulante (fazer giro); ou no ativo permanente - não circulante DOAR: analisar a variação do CGL de um período p/outro) – define comportamentos do AC e PC basicamente, na formação do giro.
  • 10. Introdução aos Ciclos Impacto no capital de giro
  • 11. Choque de realidade Questões para reflexão: 1.Qual o ciclo que representa todo o conjunto cíclico da empresa? 2. Qual o ciclo que indica de forma “específica” as aplicações de recursos e geração e a consequente formação de direitos de curto prazo? 3. Qual ciclo que pode representar as situações direitos e/ou deveres de curto ou longo prazo em função das origens e aplicações de recursos? 4. Uma inserção de capital próprio para investimentos em infraestrutura refletirá em quais (qual) ciclo (s)? 5. Uma fonte de financiamento (empréstimo) para formação de capital de giro apenas, refletirá em qual ciclo a priori?
  • 12. Respostas Questões para reflexão: 1. Ciclo Operacional 2. Ciclo Econômico 3. Ciclo Financeiro 4. Ciclo Econômico e Financeiro 5. Ciclo Finacneiro
  • 13. Algumas conclusões Ciclo Econômico (na empresa): Inicia-se com a compra da MP e encerra-se com a venda do produto. Este ciclo destaca o giro do estoque...foco no giro do negócio Ciclo Financeiro: Tem inicio no primeiro desembolso ref. aquisição de mercadorias e geralmente termina com o recebimento da venda inclusive com os gastos e despesas originados após o recebimento das vendas. - Este é o ciclo de caixa - O reflexo do CE se dará neste ciclo - Se o giro do estoque for lento, a empresa tende a pagar primeiro para depois receber (aumenta mais o GAP entre pagtos e recebimentos). Gerando desequilíbrio de caixa- Atenção! Quanto maior o poder de negociação da empresa com fornecedores e a adequação das necessidade de CG, melhor para o CF Cuidado com as factoring´s e empréstimos – custo de CT
  • 14. Algumas conclusões Ciclo Operacional: Inicia-se com a compra de MP e encerra- se com o recebimento das vendas. O CO é composto durante suas atividades por vários outros eventos denominados CE e CF. Importante: 1. Desafio: Reduzir os ciclos para aumentar o giro dos negócio, avaliar investimentos e sua aplicações, reduzir / otimizar o uso de capital de terceiros (fontes de financiamentos) 2. Análise dos ciclos possibilita maximizar os potenciais de investimentos temporários e permanentes, usar recursos para as operações e definir, fontes de financiamentos
  • 15. Fontes de Financiamento e Capital de Giro Relações e Decisões Questões Choque de Realidade 1. Qual a relação entre CG e as Fontes de financiamentos? 2.São os financiamentos (CT ou CP) que compõem o CG? Este é o objetivo maior? Explique 3. Os financiamentos podem vir de: Capital próprio (Sócios, lucros, reservas) ou de terceiros (Empréstimos, fornecedores, salários, tributos..)? Defina e explique
  • 16. Fontes de Financiamento e Capital de Giro Relações e Decisões • Capital circulante CCL / CGL: É a diferença entre o ativo circulante e o passivo circulante AC - PC = CGL Quanto melhor administramos nosso ativo circulante e, sobretudo, nosso passivo circulante mias aumentamos o CGL AC > e PC <.......esse é o objetivo da cobertura total do passivo e geração de liquidez (imediata ou não). Contudo, hoje a competição e a guerra de preços coloca a empresa numa situação de engessamento no que tange a alterações na estrutura de vendas, formação de preços e possíveis reduções de prazos de pagtos e ainda tem-se que manter a qualidade como obrigação. Portanto, um olhar de excelência nas origens dos recursos (fontes de financiamentos – CT e CP na formação do giro / permanente) é mais do que fundamental.
  • 17. Fontes de Financiamento e Capital de Giro Relações e Decisões • Fontes de capital de giro onerosas e que geram encargos: empréstimos e financiamentos, parcelamento de tributos vencidos entre outros, desconto de duplicatas e por ai vai.....; • Fontes que não são onerosas e são geradas naturalmente pelas operações normais da empresa: - Salários, pagamento de fornecedores.....cuidado com esta fonte...há contrapartidas negativas...
  • 18. AULA 2 BASES DA MATEMÁTICA FINANCEIRA E INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS
  • 19. Juros Compostos - Revisão JC : QUANDO OS JUROS CAPITALIZADOS SOBRE O PV SÃO INCORPORADOS AO MESMO E COBRADOS A PARTIR DOS PROXIMOS PERÍODOS SOBRE O NOVO VALOR TABELA PRÁTICA ONDE I= 5% A/M, PV=20.000, N= 3 MESES FINAL DO MÊS CAPITAL JUROS FV JAN 20.000,00 1.000,00 21.000,00 FEV 21.000,00 1.050,00 22.050,00 MAR 22.050,00 1.102,50 23.152,00 (n) FORMULA: FV = PV ( 1 + i)
  • 20. Taxas Acumuladas / Equivalentes TAXA CONSECUTIVA: OCORRE EM PERÍODOS SEGUIDOS, SEM CARÊNCIA. EX. 1% EM JAN, 2% EM FEV, 3% EM MAR. TAXA ACUMULADA:RESULTA DA ACUMULAÇÃO DE VARIAS TAXAS CONSECUTIVAS. Iac = 1%, 2% E 3%, QUANDO ACUMULADAS, RESULTAM: Iac = [(1+i)(1+i)(1+i)......] - 1 Iac = [( 1 + 0,01 ) ( 1 + 0,02 ) ( 1 + 0,03 )] - 1 = 6,11%
  • 21. Taxas Equivalentes FORMULA PADRÃO PARA TAXAS EQUIVALENTES: (n) MENOR P/ MAIOR = I = [ (1 + I ) - 1 ] x 100 1/n MAIOR P MENOR = I = [ ( 1 + I ) - 1 ] x 100 EX: 10% a.m = 213,84% a.a 10% a.m = 0,32% a.d
  • 22. Taxas Efetivas e Nominais CUIDADO: QUEM JÁ DEPAROU, SOB O PONTO DE VISTA MATEMÁTICO, COM SITUAÇÕES ONDE TAXAS DIÁRIAS OU MENSAIS NÃO COINCIDEM COM AS TAXAS DO FINAL DE UM PERÍODO DE CAPITALIZAÇÃO? EX: 60% a.a = ? % a.m (SERÁ QUE É 5% OU 3,99% A/M ??? ) 10% a.m = ? % a.a (SERÁ QUE É 120% OU 213,8% a/a ?????) “ LEMBRE - SE DA FORMULA PARA TAXAS PROPORCIONAIS /EQUIVALENTES SEMPRE NO REGIME DE JUROS COMPOSTOS”
  • 23. Taxas Efetivas e Nominais 1. TAXA EFETIVA: É A TAXA EFETIVAMENTE APLICADA A UM MONTANTE NO REGIME JUROS COMPOSTOS, OU SEJA, A UNIDADE DE TEMPO REFERIDA NA TAXA EFETIVA TEM QUE COINCIDIR COM O PERÍODO DE CAPITALIZAÇÃO. EX: 5% a.m COM CAPITALIZAÇÃO MENSAL, OU 10% a.b COM CAPITALIZAÇÃO BIMESTRAL.....E ASSIM POR DIANTE 2. TAXA NOMINAL: MUITO USADA NO MERCADO FINANCEIRO, PORÉM, NÃO USADA EM CÁLCULOS EFETIVOS, POIS A UNIDADE DE TEMPO DA TAXA NÃO COINCIDE COM A UNIDADE DE TEMPO DOS PERÍODOS DE CAPITALIZAÇÃO. ELA NÃO REPRESENTA UMA TAXA EFETIVA E APLICADA NO FINAL DO PERÍODO. EX; FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO...12% A.A COM CAPITALIZAÇÃO DE 1% a.m
  • 24. EXEMPLOS EX: 6% a.a , PORÉM, CAPITALIZADOS MENSALMENTE O QUE FORNECE AO FINAL DO ANO UMA TAXA EFETIVA > QUE 6 ASSIM SENDO: 5% a.m com capitalização diária, significa uma tx efetiva de: 5,12% a/m. 10% A.T = ? % A.A ( 46,41% ) 1% A.D = ? % A.QUINZENA ( 16.09% ) 20% A.QUAD = ? % A.BIM ( 9.54% )
  • 25. Avaliação de Investimentos Temporários • Investimentos temporários: Não fazem parte do orçamento de capital e são classificados contabilmente como aplicação de liquidez imediata e títulos de Curto e Longo Prazo. • São aplicações de liquidez imediata: Podem ser resgatadas ou vendidas imediatamente (poucos dias) • Títulos e valores mobiliários de CP: aplicações em títulos com prazo de resgate de até 1 ano • Títulos e valores mobiliários de LP: São aplicações em títulos com resgate superior a 1 ano. • Exemplos: Títulos federais, estaduais, municipais, fundos, CDB – Certificado de depósito bancário, ações c/ intenção de venda, aplicações em ouro e outros de natureza temporária...geram liquidez rapidamente.
  • 26. Análise de investimentos temporários Em linhas gerais, passa pela efetivo cálculo dos seus rendimentos somados ao tempo determinado ou não da aplicação; e o risco do mesmo (conservador ou operam com taxas melhores mas com riscos também maiores). Fundamental nesses investimentos é saber calcular o ganho real para determinar comparações e escolhas.....Por isso uma revisão de alguns temas é necessário.
  • 27. Taxa de Juros Bruta e liquida • TJB = AQUELA QUE NÃO CONSIDERA O DESCONTO DO IR EM UMA APLICAÇÃO FINANCEIRA, OUS EJA, O VALOR DO RESGATE ESTÁ INCLUSO O CAPITAL INCIAL + JUROS PAGOS PELA INSTITUIÇÃO. • TJL = AQUELA QUE É PAGA APÓS O DESCONTO DO IR, OU SEJA, QUANDO TEMOS UM RESGATE BRUTO, CONSIDERAMOS APENAS O VALOR DOS JUROS PAGOS E DESTE DEDUZIMOS O IR DEVIDO. • ESTE SERÁ O VALOR DOS JUROS LIQUIDOS PAGOS AO CLIENTE, PORTANTO, TEREMOS UM NOVO VALOR EM % PAGO COMO JUROS AO CLIENTE. EM TESE, JÁ ESTÁ RESOLVIDO? JÁ TEMOS O RENDIMENTO REAL PARA A ANÁLISE COMPLETA ?
  • 28. Taxa de Juros Aparente e Real • INFLAÇÃO: PERDA DO PODER AQUISITIVO DA MOEDA EM FUNÇÃO DO AUMENTO DE PREÇOS. EM FUNÇÃO DA INFLAÇÃO CORROER O PODER DE COMPRA DA MOEDA, FAZ - SE NECESSÁRIO ANALISAR A RELAÇÃO ENTRE TAXA DE JUROS E TAXAS DE INFLAÇÃO • IMPORTANTE: EM QUALQUE APLICAÇÃO FINANCEIRA, DEVE - SE CONSIDERAR A INFLAÇÃO PARA COMPROVAR SE HOUVE OU NÃO GANHO, BEM COMO A TAXA REAL DO GANHO. ISSO DETERMINA ESCOLHAS ENTRE AS MODALIDADES DE INVESTIMENTOS... • MEDIDAS DA INFLAÇÃO: A INFLAÇÃO É MEDIDA ATRAVÉS DAS VARIAÇÕES DE PREÇOS DE PRODUTOS E SERVIÇOS, ENTRETANTO, EXISTEM CRITÉRIOS CONFORME O SETOR E SÃO EXPRESSADOS ATRAVÉS DE INDICADORES COMO O: • IGPM, IPC, IPCA, INPC, INCC, TR ENTRE OUTROS
  • 29. Taxa Aparente • TAXA APARENTE: AQUELA QUE APLICADO A UM PV RESULTA EM UM MONTANTE FV SEM CONSIDERAR A INFLAÇÃO DO PERÍODO (pode-se considerar a taxa liquida (após IR) obtida nas aplicações) EX.: Ia = 4%, PV = 1000, N = 1 MÊS, QUAL O FV? FV = 1000 ( 1 + 0,04 ) = 1.040,00 OBS: O FV ESTÁ MOSTRANDO QUE HOUVE UMA REMUNERAÇÃO, PORÉM, NÃO CONSIDEROU UMA POSSÍVEL PERDA INFLACIONÁRIA.
  • 30. Taxa Real TAXA REAL: AQUELA RESULTANTE DO PV SOMADO AO GANHO DE CAPITAL COM A APLICAÇÃO DA TAXA APARENTE(Ia) DIVIDINDO - SE PELO PV ACRESCIDO DA TAXA DE INFLAÇÃO (Ii). MELHOR COMPREENDIDO PELA FÓRMULA : Ir = [ ( 1 + Ia ) / ( 1 + Ii ) ] - 1 OBS: QUALQUER APLICAÇÃO, INVESTIMENTO, DEVE - SE LEVAR EM CONSIDERAÇÀO O IR E A INFLAÇÃO PARA SE TER CERTEZA DO GANHO REAL E, SOBRETUDO, DETERMINAR COMPARATIVOS PARA AS DECISÕES DE INVESTIMENTOS, NESTE CASO, TEMPORÁRIOS.
  • 31. Exemplo • CONSIDERAR R$ 1.000,00 APLICADOS A UM PERÍODO DE 3 MESES A UMA TAXA DE 10% CAPITALIZADA TRIMESTRALMENTE COM INFLAÇÃO ACUMULADA NO PERÍODO DE 5%, QUAL O VALOR RESGATADO E A TAXA REAL DA APLICAÇÃO • Ir = ( 1 + 0,10 ) / ( 1 + 0,05 ) -1 = 0,0476 = 4,76% • FVr = 1000,00 ( 1 + 0,0476 ) = 1.047,60 • JUROS REAIS = R$ 47,60 • Pode considerar para as análises: Tjb (-IR) = Tjl = Ia (- Ii) = Ir..............
  • 32. AULA 3 ORÇAMENTO DE CAPITAL MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS PERMANENTES
  • 33. Decisões de Investimentos - O orçamento de capital caracteriza um conjunto de métodos e técnicas que permitem avaliar e selecionar investimentos, geralmente de longo prazo ( permanentes ). - Investimentos permanentes: São ativos que produzem resultados no longo prazo, ou seja, são investimentos aplicados para a manutenção das atividades operacionais e com fins estratégicos como: - Participações em empresas (fusões, aquisições, constituição) - Imóveis, terrenos - Gastos com P&D, máquinas, marcas....etc.
  • 34. Decisões de Investimentos Um projeto de investimento passa pelo crivo da viabilidade econômica, ou seja, antes deste ser materializado, deve ser analisado sob a ótica econômica / financeira devendo apresentar um resultado favorável a engenharia econômica. Usa-se para a determinação da viabilidade uma série de metodologias associadas a um conjunto de informações do projeto como custos de oportunidade, investimentos, prazos de retornos e outros para se obter um resultado parâmetro de avaliação. Em suma, todos os métodos nos levam a estabelecer relações de custo/benefício dos projetos.
  • 35. Metodologias de Avaliação de Investimentos “ Não considera o valor do dinheiro no tempo” 1) Taxa de retorno contábil (sobre investimentos) – ROI • É uma medida simples que quantifica o retorno produzido pelas decisões de investimentos avaliando a atratividade econômica do projeto. • ROI = L operacional após o IR Investimento (ou Ativo Total) Ex. Investimento de R$ 1.000.000,00 e Lucro após o IR de R$ 200.000, teremos: ROI = 200 / 1000 = 20% de retorno ROI
  • 36. Métodologia Payback Descontado “Considera o valor do dinheiro no tempo” Período de PAYBACK É o período de recuperação de um investimento considerando o valor do dinheiro no tempo (descontar o custo de oportunidade que é de 1% a.m) Exemplo: (compra de um carrinho de hot dog) Mês 0 - Investimento : R$ 1.000,00 Mês 1 – FC R$ 400,00 (400/1,01) = 396,04 Mês 2 – FC R$ 200,00 (200/1,02) = 196,05 Mês 3 – FC R$ 300,00 (300/ 1,03) = 291,18 Mês 4 – FC R$ 200,00 (200/1,04) = 192,19
  • 37. Payback Descontado • Período de PAYBACK: Investimento : (1.000,00 ) • 1 - 396,04 • 2 - 196,05 • 3 - 291,18 • 4- 192,19 Mês 4 = 192,19 / 30 dias = 6,40 por dia • Saldo faltante : 116,73 / 6,40 = 18 dias Resposta: recuperação em 3 meses e 18 dias. Ou usa – se a regra de 3 = 192,19 ------ 30 dias 116,73 ------ X X = 18 dias
  • 38. Na HP – PBD Ex. de Fluxo caixa qualquer EX. PBD a partir do FC
  • 39. Metodologias de Avaliação de Investimentos Métodos que consideram o valor do dinheiro no tempo – mais sofisticados 1) Valor presente líquido – VPL (HP) É medido em valores monetários, pela diferença entre o valor presente das entradas de caixa e o valor presente das saídas de caixa , descontada a uma determinada taxa de atratividade (custo de oportunidade / taxa desconto).
  • 40. Metodologias de Avaliação de Investimentos Métodos que consideram o valor do dinheiro no tempo – mais sofisticados •Ex.: Considere o fluxo de caixa a seguir, descontado a uma taxa de desconto de 17% aa: Ano 0 - Investimento : R$ 1.000,00 Ano 1 – FC R$ 200,00 Ano 2 – FC R$ 500,00 Ano 3 – FC R$ 300,00 Ano 4 – FC R$ 500,00
  • 41. Metodologias de Avaliação de Investimentos Equação do VPL = [ FC1 / ( 1 + i ) + FC2 / ( 1 + i ) + FC3 / (1 + i ) + FC4 / ( 1 + i )..... ] - Inv (2) (3) (4) [ 200 / 1,17 + 500 / 1,17 + 300 / 1,17 + 500 / 1,17 ] - 1000 VPL = $ - 9,67 • Na HP = 1000 CHS g Cfo 200 g CFj 500 g CFj 300 g CFj 500 g CFj 17 i f NPV
  • 42. Metodologias de Avaliação de Investimentos •Importante: Como critério de decisão, temos: VPL < 0: Projeto inviável VPL = 0 : Projeto viável, pois o projeto paga os valores investidos, seu lucro é igual ao mínimo esperado. VPL > 0 : Projeto viável, o retorno será maior que seu custo de capital. (> que investimento)
  • 43. Metodologias de Avaliação de Investimentos 2) Taxa Interna de Retorno – TIR É a taxa de desconto que se iguala ao valor presente das entradas de caixa ao investimento inicial referente a um projeto. Para o calculo da TIR deve-se descobrir a taxa de descontos ( i ) que fornece um valor presente líquido igual a zero; quando isso ocorre, o valor presente dos futuros fluxos de caixa é exatamente igual ao investimento efetuado. No plano de negócios é importante que se mostre, no mínimo, o VPL e a TIR , pois são os primeiros índices que os investidores observam.
  • 44. Metodologias de Avaliação de Investimentos Equação da TIR = (2) (3) 0 = [FC1 / ( 1 + i ) + FC2 / ( 1 + i ) + FC3 / ( 1+ i ) + (4) FC4 / ( 1 + i ) ........ ] - Investimento. Para determinar a TIR, é necessário a utilização de uma calculadora financeira em razão da complexidade dos cálculos. Portanto, temos:
  • 45. Metodologias de Avaliação de Investimentos • Considere o fluxo de caixa a seguir: Considere uma taxa de desconto de 17% aa • Calcule a TIR Ano 0 - Investimento : R$ 1.000.000,00 Ano 1 – FC R$ 200.000 Ano 2 – FC R$ 500.000 Ano 3 – FC R$ 300.000 Ano 4 – FC R$ 500.000
  • 46. Metodologias de Avaliação de Investimentos • Na HP: 1000 CHS g CFo 200 g CFj 500 g CFj 300 g CFj 500 g CFj f IRR = 16,56% Portanto, utilizando a HP, teremos uma TIR para este projeto de 16,56% aa
  • 47. Metodologias de Avaliação de Investimentos • Interpretação: TIR < Taxa de desconto, Custo capital do projeto = O projeto é inviável TIR > ou = Taxa desconto, custo capital do projeto = O projeto é Viável Importante: Podemos dizer que a TIR é a taxa de rentabilidade do projeto.
  • 48. Metodologias de Avaliação de Investimentos 3) Índice de lucratividade – IL • Este método consiste em obter a relação entre os benefícios líquidos de caixa gerados pelo projeto e o investimento inicial. Neste caso, para se obter um índice mais próximo possível do real, deve – se usar os fluxos de caixa descontados dos períodos. Formula do IL =___ ΣFC______ Investimento Obs: Lembre-se que no ROI, usa-se o lucro / Investimento, por isso retorno contábil....não tão preciso, aqui usamos caixas descontados....mais preciso e efetivo.
  • 49. Metodologias de Avaliação de Investimentos Atividade: Custo oportunidade/capital: 15% Determine a viabilidade dos projetos a partir do IL Projeto A Projeto B Inv: (90.000) Inv (80.000) FC1: 40.000 FC1: 38.000 FC2: 25.000 FC2: 26.000 FC3: 30.000 FC3: 32.000 FC4: 15.000 FC4: 14.000
  • 50. Metodologias de Avaliação de Investimentos Projeto A Projeto B FC descontado FC Descontado Inv: 90.000 Inv: 80.000 FC1: 34.782,60 FC1: 33.043,48 FC2: 18.903,59 FC2: 19.659,73 FC3: 19.725,48 FC3: 21.040,52 FC4: 8.576,30 FC4: 8.004,54 FCT = R$ 81.987,00 FCT = R$ 81.748,27
  • 51. Metodologias de Avaliação de Investimentos • Fórmula para o FC descontado: (3) FC1 corrente / (1 + i) FC3 corrente / (1+i) (2) (4) FC2 corrente / (1 + i) FC4 corrente / (1+i) • Índice de lucratividade IL ___ ΣFC______ Investimento Projeto A = 81.987,00 / 90.000,00 = 0,9109 (IL) Projeto B = 81,748,27 / 80.000,00 = 1,021 (IL)
  • 52. Metodologias de Avaliação de Investimentos • Interpretação: • Índice = 1: Significa que o FC zera o investimento inicial • Índice > 1: Significa que houve recuperação de investimento e mais um ganho adicional • Índice < 1: Significa que o Investimento inicial não foi recuperado Resposta: O projeto B é o mais viável Tarefa: Pesquisar sobre Payback – análise sobre o retorno em “tempo” do investimento.
  • 53. Aula 4 Custos de Capital Próprio e de Terceiros Precificação de Ativos de capital
  • 54. Decisões de Financiamento • Capital próprio Investimentos com prazo de retorno longo ou de alto risco devem ser financiado com capital próprio, pois em caso de insucesso das operações, haveria menos aperto de liquidez. O Capital próprio é obtido por meio da integralização das ações (pref. e ord.) e com os lucros (reservas). No cálculo do custo do capital próprio, há que considerar o custo das ações (cotas) e dos lucros retidos.
  • 55. Decisões de Financiamentos Custo Capital Próprio • Ações preferenciais (ou cota do capital social) A atribuição de dividendos fixos ou mínimos para ações preferenciais é comum em muitos países, embora, não seja tão comum no Brasil. Podemos entender, neste caso, que as ações preferenciais são equivalentes a empréstimos, porém, sem prazo determinado para o vencimento. • Há um custo calculado sobre as ações preferenciais com dividendos fixos anuais, cuja equação é: Kp = Dp / Po (1 – f – d)
  • 56. Decisões de Financiamentos Custo capital próprio • Onde, • kp = custo das ações preferenciais • Dp = dividendo fixo por ação • Po = preço corrente da ação • f = Taxa de deságio sobre o preço de lançamento das ações, em percentual. • d = Despesas de underwriting, em percentual. Obs: A função econômica underwriter é a de servir como um elo de aproximação entre a empresa que emite publicamente os títulos e os investidores, prestando assessoria à companhia emissora em todas as etapas do lançamento ao público de seus valores mobiliários. EX: Ifs...espécie de comissão. Deságio: é quando acontece o inverso do ágio; é pago um valor a menos em relação do valor nominal.
  • 57. Decisões de financiamento Custo capital Próprio/ações Pref. Exemplo: Uma Cia. planeja emitir ações preferenciais com dividendo anual prefixado de R$ 15,00. O preço unitário corrente da ação no mercado é de R$ 95,00, mas os investidores exigem 10% de deságio para subscrevê-las. As despesas com underwriting são de 4%. Qual o custo das ações preferenciais ? • Solução kp = 15,00 / (95,00 ( 1 – 0,10 – 0,04)) kp = 18,36% a/a
  • 58. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / ações ordinárias • Ações ordinárias No Brasil, os custos da ações preferenciais e ordinárias, podem ser calculados da mesma forma, porém, com outras variáveis. • Neste momento, veremos como método de análise de custos (e retornos) de ações, as técnicas pelo : a) Modelo de precificação com crescimento constante (modelo de Gordon) b) Modelo CAPM
  • 59. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / ações ordinárias Modelo Gordon • Equação: ks = (D1/ Po) + g Sendo, Ks = taxa de retorno exigida sobre a ação D1 = Dividendo por ação esperado no ano 1 Po = Preço corrente da ação g = Taxa anual de crescimento constante dos lucros e dividendos
  • 60. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / ações ordinárias • Equação: ks = (D1/ Po) + g Sendo, Ks = taxa de retorno exigida sobre a ação D1 = Dividendo por ação esperado no ano 1 Po = Preço corrente da ação g = Taxa anual de crescimento constante dos lucros e dividendos
  • 61. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / ações ordinárias • A ação de uma Cia é negociada em bolsa a preço corrente de R$ 100,00, e seu dividendo anual previsto é de R$ 15,00, com previsão de crescimento dos lucros e dividendos a uma taxa média anual de 2%. Qual o custo desta ação? Qual a taxa de retorno desta ação?
  • 62. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / ações ordinárias ks = (15,00 / R$ 100,00 ) + 0,02 ks = 17% a/a Custo da ação = 17% a.a Taxa de retorno = 17% a.a (Neste caso, pesam ainda os valores de corretagem/intermediação...variante do investidor) Se o investidor desejar recuperar o investimento (com ganhos ou não), ele as vende no mercado secundário.
  • 63. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / Lucros Retidos • Custos dos lucros acumulados (retidos – Kr) • Para a empresa, o custo de lucros retidos é equivalente ao modelo de custo de emissão de ações ordinárias, sem o deságio e o underwriting. Portanto: kr = (D1/ Po) + g kr = = (15,00 / R$ 100,00 ) + 0,02 kr = 17% a.a Usando os mesmo dados do modelo anterior, para efeito de entendimento
  • 64. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / Ações Ordinárias Modelo CAPM (considera o risco / variantes de mercado) •No mundo real, cheio de incertezas, os investidores são avessos ao risco, isto é, cobram um prêmio por assumir um determinado risco, ou seja, um ganho a mais em relação a uma outra alternativa que porventura seja isenta de risco. •Chamamos de risco a incerteza quanto o seu retorno •Assim, um ativo de risco é quando há uma incerteza do seu retorno; e podemos mensurar esse risco. Então: Qual seria o prêmio para que um investidor ficasse indiferente em adquirir um título de risco ou um livre de risco?
  • 65. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / Ações Ordinárias • Considerações quanto o Prêmio: • O Investidor avalia se é atrativo ou não, pois: • O prêmio pelo risco de uma ação a diferença entre a taxa de retorno esperada ( ou média) de um determinado ativo de risco e a taxa de retorno de uma ativo de menor risco ou sem risco. • EX Compra da Ação A com R(e) de 15% ao invés da compra do título B considerada sem risco cujo R(e) é 6%. Prêmio: 15% - 6% = 9%, ou seja, o investidor ganhará os 6% mais os 9% de prêmio pela troca. Ele avalia a atratividade.
  • 66. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / Ações Ordinárias • Considerações quanto o Risco (Agora Beta (b)) Relação de b, cuja formula é: • b = (Re – Rsr) / (Rm–Rsr) Re = retorno esperado do título (investimento)-taxa mínima de atratividade Rsr= retorno de um título livre de risco Rm= taxa media de retorno de mercado (Portfólio com um todo / Ibovespa) B= Beta Obs: O Beta é um indicador financeiro e pode ser fornecido pelos agentes de mercado. Você tem essa informação para análise..
  • 67. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / Ações Ordinárias • Considerações interessantes quanto o Risco (Ações x Ibovespa) No gráfico acima temos o retorno diário da BVMF3 no eixo Y e do Ibov no Eixo X.
  • 68. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / Ações Ordinárias • Na Prática, temos: • O período analisado reflete os últimos 3 anos. (19/12/XX até 16/12/XX) • Cada círculo neste gráfico representa um dia, sinalizando o retorno da BVMF3 e do Ibov. • Foi introduzida uma linha de tendência (cinza mais escuro). • Note que foi ressaltado a fórmula desta linha de tendência, no retângulo em cinza. • O número da equação 1,1557 é o próprio índice beta. • Quer dizer que espera-se que quando o Ibovespa subir 1% em um dia a ação BVMF3 subirá 1,1557% na teoria. • De maneira inversa, quando o Ibovespa cair -1% em um dia espera-se que a ação BVMF3 caia -1,1557% na teoria. Pergunta: Esta ação BVMF3 tem características agressivas ou defensivas?
  • 69. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / Ações Ordinárias Certamente é agressiva, pois: Beta > 1 = Agressivo (alto) Beta = 1 = Neutro – Mesmo risco de mercado Beta < 1 = Defensivo (baixo) Ex: Beta 1,5 = 1,5 mais risco em relação ao mercado (ex Ibovespa) Beta 0,5 = Metade do risco em relação ao mercado Objetivo da exposição: saber interpretar um indicador Beta.
  • 70. Decisões de Financiamento Custo capital Próprio / Ações Ordinárias • Agora que já sabemos o que representa um risco (b) e o prêmio, vamos a ao modelo CAPM: • Re = RSR + ( Rm – Rsr ) x Beta ( risco ) Re = Retorno esperado do título / ativo (custo de capital para a Cia) Rsr = Retorno do título sem risco ( ou menor risco) Rm = taxa média de retorno do mercado B = risco (sistemático) - Risco sistemático (não diversificável): risco a que está sujeito todas as empresas situadas em um mesmo universo econômico, ainda que em diferentes níveis de intensidade. EX: A inflação diminui o poder de compra...todos os setores são afetados em linhas gerais....Risco sistemático - Risco não sistemático (diversificável): Afeta uma empresa, um segmento sem que as empresas fora do segmento sejam afetadas. EX: a exploração de escândalos políticos que envolvem uma grande corporação, ações judiciais, resultados.....etc
  • 71. Decisões de Financiamento CAPM • Suponha uma determinada empresa que possua em B = 1,2, qual seria o retorno mínimo desejado por seus acionistas, caso o retorno esperado de mercado seja de 25% e a rentabilidade de um titulo livre de risco seja de 14,25% a.a? Qual o Prêmio em relação ao risco? Quais as características de comportamento do título? • Resolvam???
  • 72. Decisões de Financiamento CAPM • Resposta; • Prêmio = 25% - 14,25 = 10,75% • Re = Rsr + B(Rm – Rsr) = 14,25 + 1,2(25 - 14,25) = 27,15% a.a • Agressivo, B > 1....opera em DP de 20%. Opera com 1,2 vezes mais risco em relação ao mercado...para cima ou para baixo, na teoria.
  • 73. Decisões de Financiamento Custo de Capital de Terceiros • Capital de terceiros • O custo do capital de terceiros é a taxa de retorno pela qual o investidor (emprestador) deseja ser remunerado pelo risco que estará correndo ao ceder o capital ao tomador. • Basicamente, o capital financeiro de terceiros pode ser obtido por meio de: empréstimos, financiamentos e emissão de títulos de dívida.
  • 74. Decisões de Financiamento Custo de Capital de Terceiros • Empréstimos e Financiamentos • Suponha-se que uma empresa tenha tomado os recursos na modalidade de resolução 2770, que são recursos externos internados com a finalidade de repassar no mercado interno. As condições do empréstimo e a forma de cálculo do custo do empréstimo são: • Valor: US$ 10.000.000,00 • Prazo: 3 anos, com amortização no final • Taxa de juros: 8% a.a (pré-fixada/capitalização anual), pagos semestralmente postecipados • IR : 15% sobre os juros • Comissão de repasse: 2% a.a com pagamento semestral postecipado • Despesas legais: Em R$ - equivalentes a US$ 100.000,00 pagos na data da contratação
  • 75. Decisões de Financiamento Custo de Capital de Terceiros • Considerações: • O fluxo nominal do semestre 0 é o valor da entrada do empréstimo menos a despesa legal • Os fluxos de 1 a 5 são compostos pelos juros semestrais acrescidos do IR de 15% mais a comissão semestral antecipada • O fluxo 6 é composto pela parcela de amortização mais os juros / IR e comissão. • Qual o Custo efetivo em % do empréstimo?: É dado pela TIR do fluxo nominal dos semestres de 0 a 6
  • 76. Custo de Capital de Terceiros • Vamos a planilha do fluxo de caixa do investimento:
  • 77. Decisões de Financiamento Custo de Capital de Terceiros • Vamos ao calculo do custo efetivo do empréstimo: Na HP: 9.900.000 CHS g CFo 560.000. g CFj 560.000 g CFj 560.000 g CFj 560.000 g CFj 560.000 g CFj 10.560.000 g CFj f IRR / TIR = 5,8021% a.s ou 11,61% a.a custo efetivo do empréstimo (capitalização anual)
  • 78. Decisões de Financiamento Custo de Capital de Terceiros • Algumas fontes de capital de terceiros utilizadas. Todas possuem o seu fluxo de pagamentos com suas particularidades, bem como os seus custos. • São elas: • Financiamentos e empréstimos (moeda local ou dólar) • Hot Money: empréstimos de curtíssimo prazo. Um dia/uma semana. Taxa baseada no CDI + spread bancário • Conta garantida: Para pessoa jurídica; semelhante ao cheque especial; o banco abre uma conta crédito para a empresa, que saca livremente o valor até o limite estabelecido e cobre o saldo devedor a qualquer tempo, respeitando o vencimento do contrato. O encargos financeiros (IOF) são cobrados periodicamente. • Factoring: operação de fomento comercial não sujeitas a regulamentação do Bacen. Consiste em ceder os direitos creditórios sobre duplicatas a empresas de factoring, recebendo, em contrapartida, o valor de face com deságio (juros e spread da operação) • Debêntures: Título emitido por S.A de capital aberto para captar recursos de médio e longo prazos no mercado financeiro. É negociada no mercado de capitais. • Dentre Outras....
  • 80. Desafio Profissional Data do desafio: 27/11/2015 Horário: 19:30 às 22:00 hs 1.ENUNCIADO A presente atividade tem como objetivo associar o conteúdo teórico ao aplicado, buscando contribuir para o aperfeiçoamento do profissional, estimulando-o para os desafios da gestão de Investimentos. 2. INTRODUÇÃO Para resolver esse Desafio Profissional você deverá usar todos os recursos teóricos e exercícios desenvolvidos em sala de aula. 3. AVALIAÇÃO O Desafio profissional corresponderá a 50% do valor da média final, ou seja, será pontuado de 0,0 a 10,00 da seguinte forma:
  • 81. “A SORTE É O ENCONTRO DA CAPACIDADE COM A OPORTUNIDADE” FIM Obrigado!