SlideShare uma empresa Scribd logo
O BARROCO
BARROCO EM PORTUGAL

•Marco inicial – Unificação da
 Península Ibérica sob o domínio
 espanhol em 1580

•Marco final – Fundação da
 Arcádia Lusitana em 1756
BARROCO EM PORTUGAL

Fatos históricos:
• Término do Ciclo das Grandes
  Navegações;
• Reforma Protestante, liderada por
  Lutero (na Alemanha) e Calvino (na
  França);
• Movimento Católico de Contra-Reforma.
BARROCO EM PORTUGAL

“Mito do Sebastianismo”:
– Crença segundo a qual Dom Sebastião
  não teria realmente morrido, em 1578,
  na Batalha de Alcácer Quibir. Ele
  estaria apenas “escondido” e voltaria
  para transformar Portugal no Quinto
  Império.
BARROCO EM PORTUGAL

O que significa a palavra Barroco?

– A palavra é provavelmente derivada de
  Barróquia, nome de uma região da Índia,
  produtora de uma pérola de superfície
  irregular e áspera com manchas escuras.
  (Segundo os clássicos, o Barroco era um estilo
  “irregular”, “defeituoso”, de “mau gosto”.
BARROCO EM PORTUGAL

As principais características do Barroco:

•   Dualismo
•   Fugacidade
•   Pessimismo
•   Feísmo
•   Tensão religiosa
BARROCO EM PORTUGAL

• Dualismo – contraste entre as grandes
  forças reguladoras da existência
  humana:
• fé x razão;
• corpo x alma;
• Deus x Diabo;
• vida x morte.
BARROCO EM PORTUGAL

• Dualismo – contraste entre as grandes
  forças reguladoras da existência
  humana:
• fé x razão;
• corpo x alma;
• Deus x Diabo;
• vida x morte.
BARROCO EM PORTUGAL

Fugacidade

– Tudo no mundo é passageiro e instável, as
  pessoas, as coisas mudam, o mundo muda. O
  autor barroco tem a consciência do caráter
  efêmero da existência.
BARROCO EM PORTUGAL

Pessimismo

– Consciência da transitoriedade da vida conduz
  frequentemente à ideia de morte, tida como a
  expressão máxima da fugacidade da vida. A
  incerteza da vida e o medo da morte fazem da
  arte barroca uma arte pessimista, marcada
  por um desencantamento com o próprio
  homem e com o mundo.
BARROCO EM PORTUGAL

Feísmo

– Atração por cenas trágicas, por aspectos
  cruéis, dolorosos e grotescos. As imagens
  frequentemente são deformadas pelo
  exagero de detalhes. Há nesse momento
  uma ruptura com a harmonia, com o
  equilíbrio e a sobriedade clássica. O barroco
  é a arte dos contrastes, do exagero.
BARROCO EM PORTUGAL

Tensão religiosa

– Intensifica-se no Barroco, aspectos que já
  vinham sendo percebidos no Humanismo e no
  Classicismo:

     Antropocentrismo x Teocentrismo
BARROCO EM PORTUGAL

O Barroco apresenta duas faces:

Cultismo – jogo de palavras, imagens visando
 ao rebuscamento da forma do texto, à
 ornamentação e à erudição vocabular.

Conceptismo – Corresponde ao jogo de ideias e
 de conceitos, pautado no raciocínio lógico,
 visando ao convencimento à argumentação.
BARROCO NO BRASIL

• Bento Teixeira

• Padre Antônio Vieira

• Gregório de Matos
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

Antônio Vieira (Lisboa, 6 de fevereiro de 1608 — Bahia,
18 de Julho de 1697)
• Escritor e orador da Companhia de Jesus
• Figura de influencia política do século XVII
• Missionário em terras brasileiras
• Defendeu os direitos humanos dos indígenas
• Contra a escravização do índio
• Defendeu os judeus contra a Inquisição
• Defendeu a abolição da escravatura do negro.
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

• Origem humilde
• Primogênito de quatro filhos
• Sua mãe era filha de uma mulata ou africana
• Seu pai serviu na Marinha Portuguesa e foi escrivão
  da Inquisição
• Mudou-se para Salvador, na Bahia em 1618
• Fez os estudos no Colégio dos Jesuítas em Salvador
• Ingressou na Companhia de Jesus como noviço em
  maio de 1623
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

1624 – Primeira Invasão holandesa ao Nordeste do
  Brasil:

• Refugia-se no interior da capitania
• Inicia a sua vocação missionária
• Faz votos de castidade, pobreza e obediência e
  abandonando o noviciado
• Estuda Teologia, Lógica, Metafísica e Matemática,
  obtém o mestrado em Artes
• Torna-se professor de Retórica em Olinda
• Ordena-se sacerdote em 1634
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

1630-1654 - Segunda Invasão holandesa ao
  Nordeste do Brasil

• Defendeu que Portugal entregasse a região aos
  holandeses.

• Disputa entre Dominicanos (membros da
  Inquisição) e Jesuítas (catequistas)
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

1640 - Restauração da Independência e volta a
  Portugal:

• Regresso a Lisboa
• Início da carreira diplomática
• Conquista a amizade e a confiança do rei João IV
• Enviado a Holanda para negociar a devolução do
  Nordeste do Brasil
• Viaja para o Brasil para defender a liberdade dos
  indígenas
• Naufrágio em Açores
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

1669 - 1675 – Roma

• Encontra-se com o Papa

• Luta contra a Inquisição

• Suspensão das atividades da Inquisição
  entre 1675 e 1681
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

Últimos anos e retorno ao Brasil:

• Volta ao Brasil, em 1681

• Morre a 18 de julho de 1697, com 89 anos
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

Obra
• Sermões
• Clavis Prophetarum (i
• nacabado)



Entre os inúmeros sermões, destacam-se: o "Sermão da Quinta
Dominga da Quaresma", o "Sermão da Sexagésima", o "Sermão
pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda", o
"Sermão do Bom Ladrão","Sermão de Santo António aos Peixes".
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

Já que falo contra os estilos modernos, quero alegar por
mim o estilo do mais antigo pregador que houve no
Mundo. E qual foi ele? – O mais antigo pregador que
houve no Mundo foi o céu. Coeli enarrant gloriam Dei et
opera manuum ejus annuntiat Firmamentum – diz
David. Suposto que o céu é pregador, deve de ter sermões
e deve de ter palavras. Sim, tem, diz o mesmo David;
tem palavras e tem sermões; e mais, muito bem ouvidos.
Non sunt loquellae, nec sermones, quorum non audiantur
voces eorum.
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

E quais são estes sermões e estas palavras do céu? – As
palavras são as estrelas, os sermões são a composição, a
ordem, a harmonia e o curso delas. Vede como diz o estilo
de pregar do céu, com o estilo que Cristo ensinou na
terra. Um e outro é semear; a terra semeada de trigo, o
céu semeado de estrelas. O pregar há-de ser como quem
semeia, e não como quem ladrilha ou azuleja.
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

Ordenado, mas como as estrelas: Stellae manentes in
ordine suo. Todas as estrelas estão por sua ordem; mas é
ordem que faz influência, não é ordem que faça lavor.
Não fez Deus o céu em xadrez de estrelas, como os
pregadores fazem o sermão em xadrez de palavras. Se de
uma parte há-de estar branco, da outra há-de estar
negro; se de uma parte dizem luz, da outra hão-de dizer
sombra; se de uma parte dizem desceu, da outra hão-de
dizer subiu.
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

Basta que não havemos de ver num sermão duas
palavras em paz? Todas hão-de estar sempre em
fronteira com o seu contrário? Aprendamos do céu o
estilo da disposição, e também o das palavras. As
estrelas são muito distintas e muito claras. Assim há-de
ser o estilo da pregação; muito distinto e muito claro.
BENTO TEIXEIRA

[Porto, 1561 (?) - Pernambuco ou Lisboa, 1618 (?)]

•Autor do marco inicial do Barroco no Brasil.

•Veio de Portugal com a família para a Bahia.

•Ao se declarar judeu, fugiu para Pernambuco.

•Assassinou a esposa, alegando adultério.

•Principal obra: Prosopopéia (1601)
PROSOPOPÉIA (1601)

• Poema épico com 94 estrofes, em oitava rima.

• Versos decassílabos.

• Influenciada pelo poema Os Lusíadas, de Camões.

• Canta os feitos de Jorge d'Albuquerque, então
  governador da Capitania de Pernambuco.
PROSOPOPÉIA (1601)

“LX
Olhai o grande gozo e doce glória
Que tereis quando, postos em descanso,
Contardes esta larga e triste história,
Junto do pátrio lar, seguro e manso.
Que vai da batalha a ter victória,
O que do Mar inchado a um remanso,
Isso então haverá de vosso estado
Aos males que tiverdes já passado.”
GREGÓRIO DE MATOS
Gregório de Matos e Guerra (Salvador, 23 de dezembro de 1636 —
Recife, 26 de novembro de 1695)

• Filho de uma família abastada.

• Nasceu na Bahia, mas foi para Portugal, onde se diplomou em
  Direito.

• De volta ao Brasil, firma-se como o primeiro poeta brasileiro.

• Suas sátiras são marcadas pela linguagem maliciosa, direta e
  muitas vezes ferina.

• Recebeu o apelido de Boca do Inferno.
GREGÓRIO DE MATOS

Existem muitas dúvidas quanto à autenticidade de
sua obra:

• Não publicou nada em vida.

• Não deixou nenhum texto autografado ou produzido
  de próprio punho.

• Sua obra permaneceu praticamente inédita até o início
  do século XX.
GREGÓRIO DE MATOS

• Dualismo

• Insatisfação

• Fugacidade

• Ousadia
GREGÓRIO DE MATOS

Dualismo:

Oscilou entre o sagrado e o profano. Ora demonstrava
aversão pelo sagrado, pelo religioso, escrevendo textos
sensuais e pornográficos, ora seus poemas apresentavam
uma profunda devoção a Deus e aos santos.
GREGÓRIO DE MATOS

Insatisfação:

Vários textos mostram sua insatisfação com a vida na
colônia e sua incapacidade de se adaptar ao ambiente
baiano, frequentemente criticado.
GREGÓRIO DE MATOS

Fugacidade:

• Deixou clara a sua consciência sobre a transitoriedade
  da vida.

• Seus textos mostram frequentemente as vaidades
  humanas como insignificantes e passageiras.
GREGÓRIO DE MATOS

Ousadia:

• Considerado um poeta inovador e irreverente.

• Foi adepto do cultismo, e também cultivou o jogo de
  idéias presente no conceptismo.
GREGÓRIO DE MATOS

Gêneros:

Poesia lírica
• Sacra
• Amorosa
• Encomiástica

Poesia satírica
GREGÓRIO DE MATOS

Poesia sacra ou religiosa:

• Marcada pelo conflito gerado entre a vida mundana e
  o a vida espiritual.
• Entre a consciência do pecado e o desejo de salvação.

“ ... Esta razão me obriga a confiar,
Que, por mais que pequei, neste conflito
Espero em vosso amor de me salvar.”
GREGÓRIO DE MATOS

  Poesia amorosa:
  Presença da dualidade barroca oscilando entre o amor
  elevado, espiritual e o sensualismo e o erotismo do amor
  carnal.
Trecho 1:                                Trecho 2:
“ Ardor em firme coração nascido;        “O Amor é finalmente
Pranto por belos olhos derramado;        um embaraço de pernas,
Incêndio em mares de água disfarçado;    uma união de barrigas,
Rio de neve em fogo convertido:          um breve tremor de artérias.
Tu, que em um peito abrasas escondido;   Uma confusão de bocas,
Tu, que em um rosto corres desatado;     Uma batalha de veias, um rebuliço de
Quando fogo, em cristais aprisionado;        ancas;
Quando cristal, em chamas derretido.”    Quem diz outra coisa, é besta.”
GREGÓRIO DE MATOS

Poesia Encomiástica:

Em suas sátiras, criticou os vários tipos humanos de sua época, os
costumes, os primeiros colonos nascidos no Brasil, conhecidos como
“caramurus” e principalmente o relaxamento moral da Bahia, numa
posição de recusa em relação à exploração da colônia.


“Que os brasileiros são bestas
E estão sempre a trabalhar
Toda a vida por manter
Maganos de Portugal”
GREGÓRIO DE MATOS

Poesia Satírica:

A sátira não é apenas um tipo de zombaria, engraçada e maldosa,
mas uma crítica feita em tom jocoso:

O governador Câmara Coutinho foi retratado assim:

“Nariz de embono
com tal sacada,
que entra na escada
duas horas primeiro
que seu dono.”
GREGÓRIO DE MATOS
Poesia Satírica:

A uma que lhe chamou “pica-flor”

Se Pica-flor me chamais
Pica-flor aceito ser
mas resta agora saber
se no nome que me dais
meteis a flor que guardais
no passarinho melhor.
Se me dais este favor
sendo só de mim o Pica
e o mais vosso, claro fica
que fico então Pica-flor.
GREGÓRIO DE MATOS
Poesia Satírica:

A uma que lhe chamou “pica-flor”

Se Pica-flor me chamais
Pica-flor aceito ser
mas resta agora saber
se no nome que me dais
meteis a flor que guardais
no passarinho melhor.
Se me dais este favor
sendo só de mim o Pica
e o mais vosso, claro fica
que fico então Pica-flor.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Barroco
BarrocoBarroco
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
Barroco
BarrocoBarroco
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Ivana Mayrink
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
Luan Victor
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
luarefletindo
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
91118538
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
Josue Jorge Cruz
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Barroco
Barroco   Barroco
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 

Mais procurados (20)

Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Gregório de matos
 
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 

Destaque

Barroco no Brasil - atividade hipermidiática - Plano de Aula
Barroco no Brasil - atividade hipermidiática - Plano de AulaBarroco no Brasil - atividade hipermidiática - Plano de Aula
Barroco no Brasil - atividade hipermidiática - Plano de Aula
Bibiana Souza
 
Barroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
Barroco | Literatura | Profª Luciana TavaresBarroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
Barroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino MédioConteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Jomari
 
Barroco nota de aula -
Barroco nota de aula    - Barroco nota de aula    -
Barroco nota de aula -
Péricles Penuel
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
IFMA
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
IFMA
 

Destaque (6)

Barroco no Brasil - atividade hipermidiática - Plano de Aula
Barroco no Brasil - atividade hipermidiática - Plano de AulaBarroco no Brasil - atividade hipermidiática - Plano de Aula
Barroco no Brasil - atividade hipermidiática - Plano de Aula
 
Barroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
Barroco | Literatura | Profª Luciana TavaresBarroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
Barroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
 
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino MédioConteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
 
Barroco nota de aula -
Barroco nota de aula    - Barroco nota de aula    -
Barroco nota de aula -
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
 

Semelhante a Aula barroco 1ano

Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
Daniele Silva
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
Camila24463
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
Marilene dos Santos
 
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptxBarroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
LucasPereira913631
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Adriana Jacob
 
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
Alecio Marcelo Vaz Vaz
 
Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
camilla1010
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
Tiago Lott
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
joelson1
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
Karla Mascarenhas
 
A ARTE BARROCA
A ARTE BARROCAA ARTE BARROCA
A ARTE BARROCA
Olivaldo Ferreira
 
Barroco e Arcadismo no Brasil
Barroco e Arcadismo no BrasilBarroco e Arcadismo no Brasil
Barroco e Arcadismo no Brasil
Carolina Matuck
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
Andréia Peixoto
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
Helena Coutinho
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Jonatas Carlos
 
11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a
Felipe18b
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco & Rococó
Barroco & Rococó Barroco & Rococó
Barroco & Rococó
carlosbidu
 
Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
Ma Hildebrand de Araujo
 

Semelhante a Aula barroco 1ano (20)

Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
 
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptxBarroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
 
Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
 
A ARTE BARROCA
A ARTE BARROCAA ARTE BARROCA
A ARTE BARROCA
 
Barroco e Arcadismo no Brasil
Barroco e Arcadismo no BrasilBarroco e Arcadismo no Brasil
Barroco e Arcadismo no Brasil
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
 
11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
Unidade ii
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco & Rococó
Barroco & Rococó Barroco & Rococó
Barroco & Rococó
 
Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
 

Aula barroco 1ano

  • 2. BARROCO EM PORTUGAL •Marco inicial – Unificação da Península Ibérica sob o domínio espanhol em 1580 •Marco final – Fundação da Arcádia Lusitana em 1756
  • 3. BARROCO EM PORTUGAL Fatos históricos: • Término do Ciclo das Grandes Navegações; • Reforma Protestante, liderada por Lutero (na Alemanha) e Calvino (na França); • Movimento Católico de Contra-Reforma.
  • 4. BARROCO EM PORTUGAL “Mito do Sebastianismo”: – Crença segundo a qual Dom Sebastião não teria realmente morrido, em 1578, na Batalha de Alcácer Quibir. Ele estaria apenas “escondido” e voltaria para transformar Portugal no Quinto Império.
  • 5. BARROCO EM PORTUGAL O que significa a palavra Barroco? – A palavra é provavelmente derivada de Barróquia, nome de uma região da Índia, produtora de uma pérola de superfície irregular e áspera com manchas escuras. (Segundo os clássicos, o Barroco era um estilo “irregular”, “defeituoso”, de “mau gosto”.
  • 6. BARROCO EM PORTUGAL As principais características do Barroco: • Dualismo • Fugacidade • Pessimismo • Feísmo • Tensão religiosa
  • 7. BARROCO EM PORTUGAL • Dualismo – contraste entre as grandes forças reguladoras da existência humana: • fé x razão; • corpo x alma; • Deus x Diabo; • vida x morte.
  • 8. BARROCO EM PORTUGAL • Dualismo – contraste entre as grandes forças reguladoras da existência humana: • fé x razão; • corpo x alma; • Deus x Diabo; • vida x morte.
  • 9. BARROCO EM PORTUGAL Fugacidade – Tudo no mundo é passageiro e instável, as pessoas, as coisas mudam, o mundo muda. O autor barroco tem a consciência do caráter efêmero da existência.
  • 10. BARROCO EM PORTUGAL Pessimismo – Consciência da transitoriedade da vida conduz frequentemente à ideia de morte, tida como a expressão máxima da fugacidade da vida. A incerteza da vida e o medo da morte fazem da arte barroca uma arte pessimista, marcada por um desencantamento com o próprio homem e com o mundo.
  • 11. BARROCO EM PORTUGAL Feísmo – Atração por cenas trágicas, por aspectos cruéis, dolorosos e grotescos. As imagens frequentemente são deformadas pelo exagero de detalhes. Há nesse momento uma ruptura com a harmonia, com o equilíbrio e a sobriedade clássica. O barroco é a arte dos contrastes, do exagero.
  • 12. BARROCO EM PORTUGAL Tensão religiosa – Intensifica-se no Barroco, aspectos que já vinham sendo percebidos no Humanismo e no Classicismo: Antropocentrismo x Teocentrismo
  • 13. BARROCO EM PORTUGAL O Barroco apresenta duas faces: Cultismo – jogo de palavras, imagens visando ao rebuscamento da forma do texto, à ornamentação e à erudição vocabular. Conceptismo – Corresponde ao jogo de ideias e de conceitos, pautado no raciocínio lógico, visando ao convencimento à argumentação.
  • 14. BARROCO NO BRASIL • Bento Teixeira • Padre Antônio Vieira • Gregório de Matos
  • 15. PADRE ANTÔNIO VIEIRA Antônio Vieira (Lisboa, 6 de fevereiro de 1608 — Bahia, 18 de Julho de 1697) • Escritor e orador da Companhia de Jesus • Figura de influencia política do século XVII • Missionário em terras brasileiras • Defendeu os direitos humanos dos indígenas • Contra a escravização do índio • Defendeu os judeus contra a Inquisição • Defendeu a abolição da escravatura do negro.
  • 16. PADRE ANTÔNIO VIEIRA • Origem humilde • Primogênito de quatro filhos • Sua mãe era filha de uma mulata ou africana • Seu pai serviu na Marinha Portuguesa e foi escrivão da Inquisição • Mudou-se para Salvador, na Bahia em 1618 • Fez os estudos no Colégio dos Jesuítas em Salvador • Ingressou na Companhia de Jesus como noviço em maio de 1623
  • 17. PADRE ANTÔNIO VIEIRA 1624 – Primeira Invasão holandesa ao Nordeste do Brasil: • Refugia-se no interior da capitania • Inicia a sua vocação missionária • Faz votos de castidade, pobreza e obediência e abandonando o noviciado • Estuda Teologia, Lógica, Metafísica e Matemática, obtém o mestrado em Artes • Torna-se professor de Retórica em Olinda • Ordena-se sacerdote em 1634
  • 18. PADRE ANTÔNIO VIEIRA 1630-1654 - Segunda Invasão holandesa ao Nordeste do Brasil • Defendeu que Portugal entregasse a região aos holandeses. • Disputa entre Dominicanos (membros da Inquisição) e Jesuítas (catequistas)
  • 19. PADRE ANTÔNIO VIEIRA 1640 - Restauração da Independência e volta a Portugal: • Regresso a Lisboa • Início da carreira diplomática • Conquista a amizade e a confiança do rei João IV • Enviado a Holanda para negociar a devolução do Nordeste do Brasil • Viaja para o Brasil para defender a liberdade dos indígenas • Naufrágio em Açores
  • 20. PADRE ANTÔNIO VIEIRA 1669 - 1675 – Roma • Encontra-se com o Papa • Luta contra a Inquisição • Suspensão das atividades da Inquisição entre 1675 e 1681
  • 21. PADRE ANTÔNIO VIEIRA Últimos anos e retorno ao Brasil: • Volta ao Brasil, em 1681 • Morre a 18 de julho de 1697, com 89 anos
  • 22. PADRE ANTÔNIO VIEIRA Obra • Sermões • Clavis Prophetarum (i • nacabado) Entre os inúmeros sermões, destacam-se: o "Sermão da Quinta Dominga da Quaresma", o "Sermão da Sexagésima", o "Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda", o "Sermão do Bom Ladrão","Sermão de Santo António aos Peixes".
  • 23. PADRE ANTÔNIO VIEIRA Já que falo contra os estilos modernos, quero alegar por mim o estilo do mais antigo pregador que houve no Mundo. E qual foi ele? – O mais antigo pregador que houve no Mundo foi o céu. Coeli enarrant gloriam Dei et opera manuum ejus annuntiat Firmamentum – diz David. Suposto que o céu é pregador, deve de ter sermões e deve de ter palavras. Sim, tem, diz o mesmo David; tem palavras e tem sermões; e mais, muito bem ouvidos. Non sunt loquellae, nec sermones, quorum non audiantur voces eorum.
  • 24. PADRE ANTÔNIO VIEIRA E quais são estes sermões e estas palavras do céu? – As palavras são as estrelas, os sermões são a composição, a ordem, a harmonia e o curso delas. Vede como diz o estilo de pregar do céu, com o estilo que Cristo ensinou na terra. Um e outro é semear; a terra semeada de trigo, o céu semeado de estrelas. O pregar há-de ser como quem semeia, e não como quem ladrilha ou azuleja.
  • 25. PADRE ANTÔNIO VIEIRA Ordenado, mas como as estrelas: Stellae manentes in ordine suo. Todas as estrelas estão por sua ordem; mas é ordem que faz influência, não é ordem que faça lavor. Não fez Deus o céu em xadrez de estrelas, como os pregadores fazem o sermão em xadrez de palavras. Se de uma parte há-de estar branco, da outra há-de estar negro; se de uma parte dizem luz, da outra hão-de dizer sombra; se de uma parte dizem desceu, da outra hão-de dizer subiu.
  • 26. PADRE ANTÔNIO VIEIRA Basta que não havemos de ver num sermão duas palavras em paz? Todas hão-de estar sempre em fronteira com o seu contrário? Aprendamos do céu o estilo da disposição, e também o das palavras. As estrelas são muito distintas e muito claras. Assim há-de ser o estilo da pregação; muito distinto e muito claro.
  • 27. BENTO TEIXEIRA [Porto, 1561 (?) - Pernambuco ou Lisboa, 1618 (?)] •Autor do marco inicial do Barroco no Brasil. •Veio de Portugal com a família para a Bahia. •Ao se declarar judeu, fugiu para Pernambuco. •Assassinou a esposa, alegando adultério. •Principal obra: Prosopopéia (1601)
  • 28. PROSOPOPÉIA (1601) • Poema épico com 94 estrofes, em oitava rima. • Versos decassílabos. • Influenciada pelo poema Os Lusíadas, de Camões. • Canta os feitos de Jorge d'Albuquerque, então governador da Capitania de Pernambuco.
  • 29. PROSOPOPÉIA (1601) “LX Olhai o grande gozo e doce glória Que tereis quando, postos em descanso, Contardes esta larga e triste história, Junto do pátrio lar, seguro e manso. Que vai da batalha a ter victória, O que do Mar inchado a um remanso, Isso então haverá de vosso estado Aos males que tiverdes já passado.”
  • 30. GREGÓRIO DE MATOS Gregório de Matos e Guerra (Salvador, 23 de dezembro de 1636 — Recife, 26 de novembro de 1695) • Filho de uma família abastada. • Nasceu na Bahia, mas foi para Portugal, onde se diplomou em Direito. • De volta ao Brasil, firma-se como o primeiro poeta brasileiro. • Suas sátiras são marcadas pela linguagem maliciosa, direta e muitas vezes ferina. • Recebeu o apelido de Boca do Inferno.
  • 31. GREGÓRIO DE MATOS Existem muitas dúvidas quanto à autenticidade de sua obra: • Não publicou nada em vida. • Não deixou nenhum texto autografado ou produzido de próprio punho. • Sua obra permaneceu praticamente inédita até o início do século XX.
  • 32. GREGÓRIO DE MATOS • Dualismo • Insatisfação • Fugacidade • Ousadia
  • 33. GREGÓRIO DE MATOS Dualismo: Oscilou entre o sagrado e o profano. Ora demonstrava aversão pelo sagrado, pelo religioso, escrevendo textos sensuais e pornográficos, ora seus poemas apresentavam uma profunda devoção a Deus e aos santos.
  • 34. GREGÓRIO DE MATOS Insatisfação: Vários textos mostram sua insatisfação com a vida na colônia e sua incapacidade de se adaptar ao ambiente baiano, frequentemente criticado.
  • 35. GREGÓRIO DE MATOS Fugacidade: • Deixou clara a sua consciência sobre a transitoriedade da vida. • Seus textos mostram frequentemente as vaidades humanas como insignificantes e passageiras.
  • 36. GREGÓRIO DE MATOS Ousadia: • Considerado um poeta inovador e irreverente. • Foi adepto do cultismo, e também cultivou o jogo de idéias presente no conceptismo.
  • 37. GREGÓRIO DE MATOS Gêneros: Poesia lírica • Sacra • Amorosa • Encomiástica Poesia satírica
  • 38. GREGÓRIO DE MATOS Poesia sacra ou religiosa: • Marcada pelo conflito gerado entre a vida mundana e o a vida espiritual. • Entre a consciência do pecado e o desejo de salvação. “ ... Esta razão me obriga a confiar, Que, por mais que pequei, neste conflito Espero em vosso amor de me salvar.”
  • 39. GREGÓRIO DE MATOS Poesia amorosa: Presença da dualidade barroca oscilando entre o amor elevado, espiritual e o sensualismo e o erotismo do amor carnal. Trecho 1: Trecho 2: “ Ardor em firme coração nascido; “O Amor é finalmente Pranto por belos olhos derramado; um embaraço de pernas, Incêndio em mares de água disfarçado; uma união de barrigas, Rio de neve em fogo convertido: um breve tremor de artérias. Tu, que em um peito abrasas escondido; Uma confusão de bocas, Tu, que em um rosto corres desatado; Uma batalha de veias, um rebuliço de Quando fogo, em cristais aprisionado; ancas; Quando cristal, em chamas derretido.” Quem diz outra coisa, é besta.”
  • 40. GREGÓRIO DE MATOS Poesia Encomiástica: Em suas sátiras, criticou os vários tipos humanos de sua época, os costumes, os primeiros colonos nascidos no Brasil, conhecidos como “caramurus” e principalmente o relaxamento moral da Bahia, numa posição de recusa em relação à exploração da colônia. “Que os brasileiros são bestas E estão sempre a trabalhar Toda a vida por manter Maganos de Portugal”
  • 41. GREGÓRIO DE MATOS Poesia Satírica: A sátira não é apenas um tipo de zombaria, engraçada e maldosa, mas uma crítica feita em tom jocoso: O governador Câmara Coutinho foi retratado assim: “Nariz de embono com tal sacada, que entra na escada duas horas primeiro que seu dono.”
  • 42. GREGÓRIO DE MATOS Poesia Satírica: A uma que lhe chamou “pica-flor” Se Pica-flor me chamais Pica-flor aceito ser mas resta agora saber se no nome que me dais meteis a flor que guardais no passarinho melhor. Se me dais este favor sendo só de mim o Pica e o mais vosso, claro fica que fico então Pica-flor.
  • 43. GREGÓRIO DE MATOS Poesia Satírica: A uma que lhe chamou “pica-flor” Se Pica-flor me chamais Pica-flor aceito ser mas resta agora saber se no nome que me dais meteis a flor que guardais no passarinho melhor. Se me dais este favor sendo só de mim o Pica e o mais vosso, claro fica que fico então Pica-flor.