SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
O   B   a   r   r   o   c
Barroco ( 1587-
    1756)
• 1580 - Portugal em decadência
• Contra Reforma
• “Mau gosto”, “Feio”
• Maneirismo
• Pe. Antônio Vieira, D. Francisco Manuel de
  Melo, Padre Manuel Bernardes, Francisco
  Xavier de Oliveira, Francisco Rodrigues Lobo,
  Frei Luís de Sousa, Sóror Mariana Alcoforado,
  dentre outros.
• Contradição:Antropocentrismo X Teocentrismo
• Cultismo e Conceptismo
Barroco: Contexto sócio-
      histórico
  †Período de fortes tensões e grandes
        mudanças para Portugal.
   †Dois acontecimentos importantes.
    †Política e cultura sofrem perdas
† Desaparecimento de D. Sebastião em
  1578.
† Mito do Sebastianismo.
† Cardeal D.Henrique rege por dois
  anos.
† Tensão sobre a sucessão.
† Felipe II da Espanha assume em 1580.
† Morte de Camões também em 1580.
† Atravessa grave crise
  financeira.
† Transferência do centro
  político para Madrid.
† A cultura volta-se para si
  mesma, baixa de tom.
† A palavra vira sinônimo de
  mau gosto.
† Filosofia escolástica:
  silogismos
† Maneirismo.
† Francisco Rodrigues Lobo.
† União entre o magistério
  camoniano e o Barroco.
† Livro: Corte na Aldeia.
† Influência castelhana enfrenta
  resistência.
† Linha tradicional + prestígio
  camoniano.
† Barroco com características
  singulares.
†   Concílio de Trento (1545-1563)
†   Contra-Reforma.
†   Jesuítas.
†   Propaganda.
características
† Conciliar idéias medievais
  com clássicas.
† Dualidade.
† Teocentrismo X
  Atropocentrismo.
† Rebuscamento.
† Exagero das formas.
† Contrastes.
† Mundo dos sentimentos
  explorado em detalhes.
† Riqueza de imagens.
† Dramaticidade.
tendências
• Gongorismo(cultismo) X
  Conceptismo.
Gongorismo:
† Malabarismo verbal,
  descrição.
† Sinestesia.
† Metáforas.
† Figuras de sintaxe.
tendências
†   Conceptismo:
†   Essência.
†   Lógica, Razão.
†   Prosa.
† Combinação entre as duas tendências.
† Cultismo:poesia
† Conceptismo:prosa.
†   Artes plásticas.
†   Pintura.
†   Arquitetura.
†   Escultura.
Do maneirismo ao Barroco

     Maneirismo           Barroco
 Busca por certos       Busca pela
  princípios              completude e
                          afastamento
 medievais;              completo da mimese
                          e harmonia;
 Mescla da estética
                         O tamanho,
  renascentista com       abundancia e
  traços marcados         vivacidade são traços
  barrocos;               marcantes desse
                          estilo;
 A arte ainda está
                         A s artes plásticas
  levemente vinculada     trazem figuras
  a mimese, porém         dinâmicas e um
  representa uma          esbanjamento de
  complexidade mais       cores, apresentado
                          um contraste entre o
  subjetiva e             claro e o escuro.
  espiritualizada.
Padre Antônio
    Vieira
Sua vida
    • Nasceu em Lisboa no
      dia 6 de fevereiro de
      1608
    • Iniciou os seus estudos
      no colégio Jesuítas
    • Formou-se noviço, e
      além de teologia
      estudou lógica, física,
      metafísica, matemática
      e economia
    • E morreu aos 89 anos
•   Destacou-se como
    pregador

•   Sua obra é dividida
    em 2 partes:

1. As profecias

2. As cartas
Sua obra
.Considera-se que o melhor   • Seus temas preferidos
   de sua obra encontra-se     foram: a valorização da
   nos sermões                 vida humana, para
                               reaproximá-la de Deus, e a
                               exaltação do sofrimento
                             • O Sermão da Sexagésima,
                               pregado em 1655
Sermão da
Sexagésima são muito
         “...As estrelas
      distintas e muito claras. Assim
              há de ser o estilo da pregação;
              muito distinto e muito claro. E
                 nem por isso temais que
                 pareça o estilo baixo; as
              estrelas são muito distintas e
               muito claras, e altíssimas. O
               estilo pode ser muito claro e
                muito alto; tão claro que o
             entendam os que não sabem e
             tão alto que tenham muito que
                entender os que sabem...”
Francisco
Manuel de    D. Francisco Manuel de
              Melo (Lisboa, 23 de
Melo          Novembro de 1608 – 24 de
              Agosto de 1666)
             Historiador, pedagogo, moralista,
              autor teatral, epistológrafo e
              poeta, foi representante máximo
              da literatura barroca peninsular.
             Entre suas obras mais
              importantes, pode-se destacar o
              texto moralista da “Carta de Guia
              de Casados” ou a peça de teatro
              “Fidalgo Aprendiz”
 Em 1644, em Portugal, depois de receber a comenda da
  Ordem de Cristo, foi preso por envolvimento num caso que
  acarreta muitas dúvidas e conjecturas.
 Manteve-se na prisão até 1655, onde escreveu muitas das
  suas mais celebradas obras.
 Foi condenado ao degredo em África, conseguindo, depois,
  que a pena lhe fosse comutada para o exílio no Brasil, e viveu
  por três anos na Bahia
 Em 1658, morto D. João IV, regressou a Portugal.

 O novo rei voltou a demonstrar-lhe confiança, ao encarregá-lo
  de missões diplomáticas. Foi nomeado deputado da Junta dos
  Três Estados em 1666, ano em que morreu.
 Em 1628, publicou um
  conjunto de sonetos. É,
  contudo, nas suas “Obras
  Métricas” (Lyon,1665), que
  o autor se mostra digno
  representante do estilo
  barroco, espelhando
  igualmente a influência
  do renascimento e maneiris
  mo português.

 O tema do desconcerto do
  mundo predomina na sua
  poesia, tal como na
  generalidade da poesia e
  artebarroca.
Carta de Guia de Casados - 1651

 “André quer mulher fermosa,
 Mas que não tenha ceitil;
 Gil não quer mulher fermosa:
 Quer-la feia e bondosa.
 Isto quer o André e o Gil.”
Formosura, e Morte, advertidas
por um corpo belíssimo, junto à
           sepultura
  Armas do amor, planetas da ventura,
 Olhos, adonde sempre era alto dia,
 Perfeição, que não cabe em fantasia,
 Formosura maior que a formosura.
  Cova profunda, triste, horrenda, escura,
 Funesta alcova de morada fria,
 Confusa solidão, só companhia,
 Cujo nome melhor é sepultura:
  Quem tantas maravillhas diferentes
 Pode fazer unir, senão a morte?
 A morte foi em sem-razões mais rara.
 Tu, que vives triunfante sobre as gentes,
 Nota(pois te ameaça uma igual sorte)
 Donde pára a beleza, e no que pára.
                                     Francisco Manuel de Melo
Manuel Bernardes
 Foi um presbítero da Congregação do Oratório de S. Felipe
  Neri, em cuja tranquilidade claustral se recolheu até o fim de
  seus dias.
 (Lisboa 1644-1710)
OBRAS:
 Nova Floresta (5 vols.,1706,1708,1711,1728).
 Pão partido em Pequeninos (1694).
 Luz e Calor (1696).
 Exercícios espirituais (1707).
 Últimos Fins do homem (1726),
 Armas da Castidade (1737).
 Sermões e Práticas (2 vols.,1711)
 Estímulo prático para seguir o bem e fugir do mal (1730).
CAVALEIRO DE OLIVEIRA
Francisco Xavier de Oliveira (Lisboa, 21 de Março de 1702 - Hackney, Inglaterra, 18
de Outubro de 1783)

• Aos 14 anos admitido no tribunal de contos do rei

•Em Dezembro de 1729, com 27 anos, é feito Cavaleiro da Ordem de Cristo.

•Casou-se 3 vezes (1730, 1739,1746 )

•Teve 4 filhos dos quais três do primeiro casamento e uma do ultimo casamento.

•Com a morte do pai é nomeado secretario do embaixador de Portugal

•Em 1746 renega o catolicismo e converte-se ao protestantismo.

•Sua obra é dividida em dois períodos :
• HAIA =Mémoires de Portugal" (1741),
    "Memórias das Viagens" (1741), "Mille et
    Une Observations" (1741) e as "Cartas
    Familiares" (1741-1742).

•   As obras deste período são especialmente destinadas a esclarecer
    portugueses e estrangeiros sobre alguns valores nacionais geralmente
    menosprezados.
• Londres =
• Do segundo período temos , "Discours
  Pathétique" (1756), "Suite" (1757), "Le Chevalier
  d'Oliveyra Brulé en Effigie" (1762) "As Reflexões
  de Félix Vieyra Corvina de Arcos" (1767), e
  "Amusement Périodique" (1751), cuja versão em
  português chamou-se Recreação Periódica
  (1751)

• Estas obras caracterizam-se, sobretudo.
  pela exposição das suas ideias em
  matéria religiosa
MATIAS AIRES




•   Matias Aires Ramos da Silva (São Paulo, 27 de março de 1705 -Portugal 1763)
•   Mudou-se para Portugal aos 11 anos
•   Estudou Direito em Coimbra
•   Cursou ciências naturais, hebraico e matemática na França
•   Primeiro filósofo Brasileiro
• Principais obras:
• " Reflexões sobre a Vaidade dos
  Homens",
• ‘Carta sobre a Fortuna’
• “Sendo o termo da vida limitada, não tem limite a nossa
  vaidade; porque dura mais, do que nós mesmos e se introduz
  nos aparatos últimos da morte. Que maior prova, do que a
  fábrica de um elevado mausoléu? No silêncio de uma,
  depositam os homens as suas memórias, para com a fé dos
  mármores fazerem seus nomes imortais, querem que a
  suntuosidade do túmulo sirva de inspirar veneração, como se
  fossem relíquias as suas cinzas, e que corra por conta dos
  jaspes a continuação do respeito. Que frívolo cuidado! Esse
  triste resto daquilo que foi homem, já parece um ídolo
  colocado em um breve, mas soberbo domicílio, que a vaidade
  edificou para habitação de uma cinza fria, e desta, declara a
  inscrição o nome e a grandeza. A vaidade até se estende a
  enriquecer de adornos o mesmo pobre horror da sepultura.”
• (AIRES, 1752)
• CARTA SOBRE A FORTUNA
  [...] De que serve, pois, a fortuna humana
   de fazer a vida excessivamente amável?
   Oh, que infausto amor, e que infausta
   felicidade! Pois toda me leva e arrebata
   para um bem, que há de deixar-me; e a
   quem eu também hei deixar; não é melhor
   ser desgraçado, do que feliz, com aquela
   condição de que serve uma ventura tão
   veloz, em que nem um instante só tenho
   certeza de a ter segura; e em que quando
   a abra, apertadamente, e com mais fineza,
   ela então me desampara, deixando
   iludidos do meus braços, e enganados os
   meus olhos [...] E se vim ao mundo, para
   ser precisamente louco, seja de uma
   loucura minha, e não de todas; direi para
   mostrar-me delirante, que as ondas do
   mar nunca se movem, que posso
   esconder no seio um fogo ardente, e que
   sei suspender do amor o ardo violento.

  Matias Aires
Arte de furtar
 1ª Publicação-1652;

 Prosa satírica barroca ;

 Autor anônimo;

 Obra de grande valor crítico;

 Conteúdo literário alternativo, pois
  exclui ao uso excessivo de antíteses,
  hipérbatos, entre outros recursos
  típicos do estilo barroco.
A poesia Barroca

        A poesia barroca teve
        inicio em Portugal ,
        entre o séc. XVII e
        XVIII limitou-se a
        poesia escrita ;
        Tornou-se poesia
        para entreter, valia
        pelo caráter lúdico e
        pelo divertimento
        verbal;
        Valorizava a forma
        dos versos;
        Raras composições
Foi publicado entre 1716 e 1728

                              Matias Pereira da Silva.




Foi publicado entre 1761 e
1762

D. José Ângelo de Morais
Historiografia. A
Historiografia Alcobacense.

  Monarquia Lusitana

  Frei Bernardo de Brito

  Frei Antônio Brandão

  Frei Francisco Brandão

  Frei Rafael de Jesus
Frei Luís de Sousa
   Manuel de Sousa Coutinho

   Histórias de São Domingos

   Almeida Garrett .
EPISTOLOGRAFIA

A arte de escrever cartas
Características:
• Obras escritas em forma de carta;
• Prosa
• Experiências vivenciadas por outros;
Autores que praticaram a arte da
   EPISTOLOGRAFIA:
•   Padre Antônio Vieira
•   Sóror Mariana Alcoforado
•   D. Francisco Manuel de Melo
•   Frei Antônio das Chagas
•   Cavaleiro de Oliveira
PADRE ANTÔNIO VIEIRA

   Com seu pensamento barroco,
ele dizia que uma carta é uma
produção artística, mas sem
nenhuma arte, isso em relação
 ao seu aspecto estético,
característico desse gênero
de escritura, ao qual também
se dedicou e no qual deixou
registrada a sua eloqüência.
Sóror Mariana Alcoforado
• O livro é dividido em duas partes: A primeira é
  chamada de CARTAS DE AMOR, com 5 cartas.
  Já a segunda, CARTA DE GUIA DE CASADOS,
  apresenta 55 cartas.
Universidade de Pernambuco
          Letras IV

         Equipe:
     Andreza ,Daniele
     Douglas, Marilia
      Milena, Paula
     Suelza, Tamires

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em PortugalCarlos Vieira
 
A arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalA arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalPedro Silva
 
Poesia Trovadoresca - Contextualização
Poesia Trovadoresca - ContextualizaçãoPoesia Trovadoresca - Contextualização
Poesia Trovadoresca - ContextualizaçãoGijasilvelitz 2
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em PortugalBlog Estudo
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)Sara Guerra
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana Sara Afonso
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - BarrocoCrisBiagio
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposAline Araújo
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel TorgaGabriela
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaSamuel Neves
 
Trabalho De Literatura Renascentista
Trabalho De Literatura RenascentistaTrabalho De Literatura Renascentista
Trabalho De Literatura Renascentistaguest68d0cc
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Carlos Vieira
 

Mais procurados (20)

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
A arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalA arte barroca em portugal
A arte barroca em portugal
 
Poesia Trovadoresca - Contextualização
Poesia Trovadoresca - ContextualizaçãoPoesia Trovadoresca - Contextualização
Poesia Trovadoresca - Contextualização
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
padre antónio vieira
padre antónio vieirapadre antónio vieira
padre antónio vieira
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Musica Barroca
Musica BarrocaMusica Barroca
Musica Barroca
 
Aula barroco 1ano
Aula barroco 1anoAula barroco 1ano
Aula barroco 1ano
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Trabalho De Literatura Renascentista
Trabalho De Literatura RenascentistaTrabalho De Literatura Renascentista
Trabalho De Literatura Renascentista
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 

Semelhante a Barroco em Portugal

Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaKarla Mascarenhas
 
Barroco & Rococó
Barroco & Rococó Barroco & Rococó
Barroco & Rococó carlosbidu
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDECamilaOliveira83116
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura 91118538
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caractHelena Coutinho
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)espanhol1979a
 
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativaAlecio Marcelo Vaz Vaz
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasiljoelson1
 
11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8aFelipe18b
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASAmelia Barros
 
Eja etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Eja   etapa VII - Literatura_Barroco no BrasilEja   etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Eja etapa VII - Literatura_Barroco no BrasilHildalene Pinheiro
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativaJonatas Carlos
 

Semelhante a Barroco em Portugal (20)

Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
 
Barroco & Rococó
Barroco & Rococó Barroco & Rococó
Barroco & Rococó
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
 
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
Unidade ii
 
11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Simbolismo/Decadentismo
Simbolismo/DecadentismoSimbolismo/Decadentismo
Simbolismo/Decadentismo
 
Eja etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Eja   etapa VII - Literatura_Barroco no BrasilEja   etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Eja etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 
Revisão – literatura II
Revisão – literatura IIRevisão – literatura II
Revisão – literatura II
 
Aleijadinho
AleijadinhoAleijadinho
Aleijadinho
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
 

Último

Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 

Último (20)

Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

Barroco em Portugal

  • 1. O B a r r o c
  • 3. • 1580 - Portugal em decadência • Contra Reforma • “Mau gosto”, “Feio” • Maneirismo • Pe. Antônio Vieira, D. Francisco Manuel de Melo, Padre Manuel Bernardes, Francisco Xavier de Oliveira, Francisco Rodrigues Lobo, Frei Luís de Sousa, Sóror Mariana Alcoforado, dentre outros. • Contradição:Antropocentrismo X Teocentrismo • Cultismo e Conceptismo
  • 4. Barroco: Contexto sócio- histórico †Período de fortes tensões e grandes mudanças para Portugal. †Dois acontecimentos importantes. †Política e cultura sofrem perdas
  • 5. † Desaparecimento de D. Sebastião em 1578. † Mito do Sebastianismo. † Cardeal D.Henrique rege por dois anos. † Tensão sobre a sucessão. † Felipe II da Espanha assume em 1580. † Morte de Camões também em 1580.
  • 6. † Atravessa grave crise financeira. † Transferência do centro político para Madrid. † A cultura volta-se para si mesma, baixa de tom. † A palavra vira sinônimo de mau gosto. † Filosofia escolástica: silogismos
  • 7. † Maneirismo. † Francisco Rodrigues Lobo. † União entre o magistério camoniano e o Barroco. † Livro: Corte na Aldeia. † Influência castelhana enfrenta resistência. † Linha tradicional + prestígio camoniano. † Barroco com características singulares.
  • 8. Concílio de Trento (1545-1563) † Contra-Reforma. † Jesuítas. † Propaganda.
  • 9. características † Conciliar idéias medievais com clássicas. † Dualidade. † Teocentrismo X Atropocentrismo. † Rebuscamento. † Exagero das formas. † Contrastes. † Mundo dos sentimentos explorado em detalhes. † Riqueza de imagens. † Dramaticidade.
  • 10. tendências • Gongorismo(cultismo) X Conceptismo. Gongorismo: † Malabarismo verbal, descrição. † Sinestesia. † Metáforas. † Figuras de sintaxe.
  • 11. tendências † Conceptismo: † Essência. † Lógica, Razão. † Prosa.
  • 12. † Combinação entre as duas tendências. † Cultismo:poesia † Conceptismo:prosa.
  • 13. Artes plásticas. † Pintura. † Arquitetura. † Escultura.
  • 14.
  • 15. Do maneirismo ao Barroco Maneirismo Barroco  Busca por certos  Busca pela princípios completude e afastamento  medievais; completo da mimese e harmonia;  Mescla da estética  O tamanho, renascentista com abundancia e traços marcados vivacidade são traços barrocos; marcantes desse estilo;  A arte ainda está  A s artes plásticas levemente vinculada trazem figuras a mimese, porém dinâmicas e um representa uma esbanjamento de complexidade mais cores, apresentado um contraste entre o subjetiva e claro e o escuro. espiritualizada.
  • 16. Padre Antônio Vieira
  • 17. Sua vida • Nasceu em Lisboa no dia 6 de fevereiro de 1608 • Iniciou os seus estudos no colégio Jesuítas • Formou-se noviço, e além de teologia estudou lógica, física, metafísica, matemática e economia • E morreu aos 89 anos
  • 18. Destacou-se como pregador • Sua obra é dividida em 2 partes: 1. As profecias 2. As cartas
  • 19. Sua obra .Considera-se que o melhor • Seus temas preferidos de sua obra encontra-se foram: a valorização da nos sermões vida humana, para reaproximá-la de Deus, e a exaltação do sofrimento • O Sermão da Sexagésima, pregado em 1655
  • 20. Sermão da Sexagésima são muito “...As estrelas distintas e muito claras. Assim há de ser o estilo da pregação; muito distinto e muito claro. E nem por isso temais que pareça o estilo baixo; as estrelas são muito distintas e muito claras, e altíssimas. O estilo pode ser muito claro e muito alto; tão claro que o entendam os que não sabem e tão alto que tenham muito que entender os que sabem...”
  • 21. Francisco Manuel de  D. Francisco Manuel de Melo (Lisboa, 23 de Melo Novembro de 1608 – 24 de Agosto de 1666)  Historiador, pedagogo, moralista, autor teatral, epistológrafo e poeta, foi representante máximo da literatura barroca peninsular.  Entre suas obras mais importantes, pode-se destacar o texto moralista da “Carta de Guia de Casados” ou a peça de teatro “Fidalgo Aprendiz”
  • 22.  Em 1644, em Portugal, depois de receber a comenda da Ordem de Cristo, foi preso por envolvimento num caso que acarreta muitas dúvidas e conjecturas.  Manteve-se na prisão até 1655, onde escreveu muitas das suas mais celebradas obras.  Foi condenado ao degredo em África, conseguindo, depois, que a pena lhe fosse comutada para o exílio no Brasil, e viveu por três anos na Bahia  Em 1658, morto D. João IV, regressou a Portugal.  O novo rei voltou a demonstrar-lhe confiança, ao encarregá-lo de missões diplomáticas. Foi nomeado deputado da Junta dos Três Estados em 1666, ano em que morreu.
  • 23.  Em 1628, publicou um conjunto de sonetos. É, contudo, nas suas “Obras Métricas” (Lyon,1665), que o autor se mostra digno representante do estilo barroco, espelhando igualmente a influência do renascimento e maneiris mo português.  O tema do desconcerto do mundo predomina na sua poesia, tal como na generalidade da poesia e artebarroca.
  • 24. Carta de Guia de Casados - 1651  “André quer mulher fermosa,  Mas que não tenha ceitil;  Gil não quer mulher fermosa:  Quer-la feia e bondosa.  Isto quer o André e o Gil.”
  • 25. Formosura, e Morte, advertidas por um corpo belíssimo, junto à sepultura Armas do amor, planetas da ventura, Olhos, adonde sempre era alto dia, Perfeição, que não cabe em fantasia, Formosura maior que a formosura. Cova profunda, triste, horrenda, escura, Funesta alcova de morada fria, Confusa solidão, só companhia, Cujo nome melhor é sepultura: Quem tantas maravillhas diferentes Pode fazer unir, senão a morte? A morte foi em sem-razões mais rara. Tu, que vives triunfante sobre as gentes, Nota(pois te ameaça uma igual sorte) Donde pára a beleza, e no que pára. Francisco Manuel de Melo
  • 26. Manuel Bernardes  Foi um presbítero da Congregação do Oratório de S. Felipe Neri, em cuja tranquilidade claustral se recolheu até o fim de seus dias.  (Lisboa 1644-1710)
  • 27. OBRAS:  Nova Floresta (5 vols.,1706,1708,1711,1728).  Pão partido em Pequeninos (1694).  Luz e Calor (1696).  Exercícios espirituais (1707).  Últimos Fins do homem (1726),  Armas da Castidade (1737).  Sermões e Práticas (2 vols.,1711)  Estímulo prático para seguir o bem e fugir do mal (1730).
  • 28. CAVALEIRO DE OLIVEIRA Francisco Xavier de Oliveira (Lisboa, 21 de Março de 1702 - Hackney, Inglaterra, 18 de Outubro de 1783) • Aos 14 anos admitido no tribunal de contos do rei •Em Dezembro de 1729, com 27 anos, é feito Cavaleiro da Ordem de Cristo. •Casou-se 3 vezes (1730, 1739,1746 ) •Teve 4 filhos dos quais três do primeiro casamento e uma do ultimo casamento. •Com a morte do pai é nomeado secretario do embaixador de Portugal •Em 1746 renega o catolicismo e converte-se ao protestantismo. •Sua obra é dividida em dois períodos :
  • 29. • HAIA =Mémoires de Portugal" (1741), "Memórias das Viagens" (1741), "Mille et Une Observations" (1741) e as "Cartas Familiares" (1741-1742). • As obras deste período são especialmente destinadas a esclarecer portugueses e estrangeiros sobre alguns valores nacionais geralmente menosprezados.
  • 30. • Londres = • Do segundo período temos , "Discours Pathétique" (1756), "Suite" (1757), "Le Chevalier d'Oliveyra Brulé en Effigie" (1762) "As Reflexões de Félix Vieyra Corvina de Arcos" (1767), e "Amusement Périodique" (1751), cuja versão em português chamou-se Recreação Periódica (1751) • Estas obras caracterizam-se, sobretudo. pela exposição das suas ideias em matéria religiosa
  • 31. MATIAS AIRES • Matias Aires Ramos da Silva (São Paulo, 27 de março de 1705 -Portugal 1763) • Mudou-se para Portugal aos 11 anos • Estudou Direito em Coimbra • Cursou ciências naturais, hebraico e matemática na França • Primeiro filósofo Brasileiro
  • 32. • Principais obras: • " Reflexões sobre a Vaidade dos Homens", • ‘Carta sobre a Fortuna’
  • 33. • “Sendo o termo da vida limitada, não tem limite a nossa vaidade; porque dura mais, do que nós mesmos e se introduz nos aparatos últimos da morte. Que maior prova, do que a fábrica de um elevado mausoléu? No silêncio de uma, depositam os homens as suas memórias, para com a fé dos mármores fazerem seus nomes imortais, querem que a suntuosidade do túmulo sirva de inspirar veneração, como se fossem relíquias as suas cinzas, e que corra por conta dos jaspes a continuação do respeito. Que frívolo cuidado! Esse triste resto daquilo que foi homem, já parece um ídolo colocado em um breve, mas soberbo domicílio, que a vaidade edificou para habitação de uma cinza fria, e desta, declara a inscrição o nome e a grandeza. A vaidade até se estende a enriquecer de adornos o mesmo pobre horror da sepultura.” • (AIRES, 1752)
  • 34. • CARTA SOBRE A FORTUNA [...] De que serve, pois, a fortuna humana de fazer a vida excessivamente amável? Oh, que infausto amor, e que infausta felicidade! Pois toda me leva e arrebata para um bem, que há de deixar-me; e a quem eu também hei deixar; não é melhor ser desgraçado, do que feliz, com aquela condição de que serve uma ventura tão veloz, em que nem um instante só tenho certeza de a ter segura; e em que quando a abra, apertadamente, e com mais fineza, ela então me desampara, deixando iludidos do meus braços, e enganados os meus olhos [...] E se vim ao mundo, para ser precisamente louco, seja de uma loucura minha, e não de todas; direi para mostrar-me delirante, que as ondas do mar nunca se movem, que posso esconder no seio um fogo ardente, e que sei suspender do amor o ardo violento. Matias Aires
  • 35. Arte de furtar  1ª Publicação-1652;  Prosa satírica barroca ;  Autor anônimo;  Obra de grande valor crítico;  Conteúdo literário alternativo, pois exclui ao uso excessivo de antíteses, hipérbatos, entre outros recursos típicos do estilo barroco.
  • 36. A poesia Barroca A poesia barroca teve inicio em Portugal , entre o séc. XVII e XVIII limitou-se a poesia escrita ; Tornou-se poesia para entreter, valia pelo caráter lúdico e pelo divertimento verbal; Valorizava a forma dos versos; Raras composições
  • 37. Foi publicado entre 1716 e 1728 Matias Pereira da Silva. Foi publicado entre 1761 e 1762 D. José Ângelo de Morais
  • 38. Historiografia. A Historiografia Alcobacense. Monarquia Lusitana Frei Bernardo de Brito Frei Antônio Brandão Frei Francisco Brandão Frei Rafael de Jesus
  • 39. Frei Luís de Sousa Manuel de Sousa Coutinho Histórias de São Domingos Almeida Garrett .
  • 40. EPISTOLOGRAFIA A arte de escrever cartas
  • 41. Características: • Obras escritas em forma de carta; • Prosa • Experiências vivenciadas por outros;
  • 42. Autores que praticaram a arte da EPISTOLOGRAFIA: • Padre Antônio Vieira • Sóror Mariana Alcoforado • D. Francisco Manuel de Melo • Frei Antônio das Chagas • Cavaleiro de Oliveira
  • 43. PADRE ANTÔNIO VIEIRA Com seu pensamento barroco, ele dizia que uma carta é uma produção artística, mas sem nenhuma arte, isso em relação ao seu aspecto estético, característico desse gênero de escritura, ao qual também se dedicou e no qual deixou registrada a sua eloqüência.
  • 44.
  • 45. Sóror Mariana Alcoforado • O livro é dividido em duas partes: A primeira é chamada de CARTAS DE AMOR, com 5 cartas. Já a segunda, CARTA DE GUIA DE CASADOS, apresenta 55 cartas.
  • 46. Universidade de Pernambuco Letras IV Equipe: Andreza ,Daniele Douglas, Marilia Milena, Paula Suelza, Tamires