SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 05 – LITERATURA
PROFª Edna Prado
BARROCO EM PORTUGAL E LITERATURA
INFORMATIVA
1 - Barroco em Portugal
Em Portugal, o Barroco ou também chamado Seiscentismo (por
ter sido estilo que teve início no final do século XVI), tem como marco
inicial a Unificação da Península Ibérica sob o domínio espanhol em
1580 e se estenderá até por volta da primeira metade do século XVIII,
quando ocorre a Fundação da Arcádia Lusitana, em 1756 e tem início o
Arcadismo.
O Barroco corresponde a um período de grande turbulência
político-econômica, social, e principalmente religiosa. A incerteza e a
crise tomam conta da vida portuguesa. Fatos importantes como: o
término do Ciclo das Grandes Navegações, a Reforma Protestante,
liderada por Lutero (na Alemanha) e Calvino (na França) e o Movimento
Católico de Contra-Reforma,marcam o contexto histórico do período e
colaboram com a criação do “Mito do Sebastianismo”, crença segundo a
qual D.Sebastião, rei de Portugal (aquele a quem Camões dedicou Os
Lusíadas), não havia morrido, em 1578, na Batalha de Alcácer Quibir,
mas que estava apenas “encoberto” e que voltaria para transformar
Portugal no Quinto Império de que falam as Escrituras Sagradas). D.
João é visto como o novo messias, o novo salvador.
Mas o que vem a ser a palavra Barroco? Não há um consenso
quanto à sua origem. A mais aceita diz que o termo deriva da palavra
Barróquia, nome de uma região da Índia, grande produtora de uma
pérola de superfície irregular e áspera com manchas escuras, conhecida
pelos portugueses como barroco. Aproximando-se assim do estilo, que
segundo os clássicos era um estilo “irregular”, “defeituoso”, de “mau
gosto”. Lembre-se de que a tradição clássica era marcada pela busca da
perfeição e do equilíbrio.
Vejamos quais são as principais características barrocas:
Dualismo = O Barroco é a arte do conflito, do contraste. Reflete a
intensificação do bifrontismo (o homem dividido entre a herança
religiosa e mística medieval e o espírito humanista, racionalista do
Renascimento). É a expressão do contraste entre as grandes forças
reguladoras da existência humana: fé x razão; corpo x alma; Deus x
Diabo; vida x morte, etc. Esse contraste será visível em toda a produção
barroca, é freqüente o jogo, o contraste de imagens, de palavras e de
conceitos. Mas o artista barroco não deseja apenas expor os contrários,
ele quer conciliá-los, integrá-los. Daí ser freqüente o uso de figuras de
linguagem que buscam essa unidade, essa fusão.
Fugacidade = De acordo com a concepção barroca, no mundo
tudo é passageiro e instável, as pessoas, as coisas mudam, o mundo
muda. O autor barroco tem a consciência do caráter efêmero da
existência.
Pessimismo = Essa consciência da transitoriedade da vida
conduz freqüentemente à idéia de morte, tida como a expressão
máxima da fugacidade da vida. A incerteza da vida e o medo da morte
fazem da arte barroca uma arte pessimista, marcada por um
desencantamento com o próprio homem e com o mundo.
Feísmo = No Barroco encontramos uma atração por cenas
trágicas, por aspectos cruéis, dolorosos e grotescos. As imagens
freqüentemente são deformadas pelo exagero de detalhes. Há nesse
momento uma ruptura com a harmonia, com o equilíbrio e a sobriedade
clássica. O barroco é a arte dos contrastes, do exagero.
Tensão religiosa = Intensifica-se no Barroco, aspectos que já vinham
sendo percebidos no Humanismo e no Classicismo:
ANTROPOCENTRISMO
X
TEOCENTRISMO
TENSÃO
A igreja católica, através da Contra-Reforma, tenta recuperar o
teocentrismo medieval (Deus como centro de todas as coisas) e o
homem barroco não deseja perder a visão antropocêntrica renascentista
(O homem como o centro de todas as coisas), assim o Barroco tenta
atingir a síntese desses valores, ou seja, tenta conciliar razão e fé, corpo
e alma, espiritualismo e materialismo. Poderíamos dizer que seria, em
outras palavras, a racionalização da fé, a busca da salvação através da
lógica.
O Barroco apresenta duas faces. Vejamos quais são:
Cultismo
BARROCO
Conceptismo
CULTISMO = Corresponde ao jogo de palavras e imagens
visando ao rebuscamento da forma do texto, à ornamentação e à
erudição vocabular. Nessa vertente barroca é comum o uso exagerado
das figuras de linguagem, como metáforas, antíteses, hipérboles,
hipérbatos, entre outras. O cultismo também é chamado de
Gongorismo, por ter sido muito influenciado pelo poeta espanhol Luís
de Gôngora.
CONCEPTISMO = Corresponde ao jogo de idéias e de conceitos,
pautado no raciocínio lógico, visando ao convencimento à
a r g u m e n t a ç ã o. O conceptismo também é chamado de
Quevedismo, por ter sido muito influenciado pelo também espanhol,
Francisco Quevedo.
O jogo não só de idéias, mas também de palavras pode ser
compreendido sob dois aspectos: um primeiro e mais visível relaciona-
se ao próprio espírito de contradição do Barroco e um segundo e mais
sutil, relaciona-se à necessidade que os poetas tinham de escapar da
rígida censura da Inquisição, daí o uso exagerado das metáforas (figura
de linguagem usada para sugerir idéias de maneira sutil).
Padre Antônio Vieira é sem dúvida o grande nome do Barroco
em Portugal. Por ter passado boa parte de sua vida no Brasil, alguns
estudiosos costumam dizer que ele, juntamente com Gregório de
Matos, é representante do Barroco brasileiro. Entretanto, como
mostram outros autores, não podemos esquecer que mesmo escrevendo
no e sobre o Brasil, o seu ponto de vista era sempre o do defensor dos
interesses do intelectual europeu.
O Sermão da Sexagésima é uma de suas principais obras. Nela,
Padre Antônio Vieira faz uma série de reflexões a respeito da arte de
pregar, constituindo-se assim uma obra metalingüística, ou seja, utiliza-
se do próprio sermão para ensinar como fazê-lo, sempre condenando os
exageros do cultismo. Vieira era contrário aos que se preocupavam
apenas com as palavras, esquecendo-se da Palavra de Deus, com letra
maiúscula.
E no Brasil, o que havia nesse período?
2 - Literatura Informativa
A Primeira Missa, Vítor Meireles (1832-1903).
Quando chegaram aqui os portugueses encontraram uma grande
população indígena:
A Dança dos Tapuias, Albert Eckhout (1610-1655)
No Brasil, a população de alfabetizados era pequena e a vida
urbana era ainda muito precária. Não se costuma falar de Literatura
brasileira propriamente dita neste período. A produção escrita do século
XVI limitava-se a um conjunto de relatos escritos registrando as
características físicas, étnicas e culturais da nova terra, relaciona-se
mais às crônicas históricas que ao gênero literário. A esses relatos dá-se
o nome de Literatura de Informação ou Literatura de Viagens.
Ao lado dessa produção começaram a surgir, pelas mãos dos
jesuítas, as primeiras ocorrências de prosa, poesia e teatro em solo
brasileiro, mas ainda, a partir da visão do europeu.
3 – EXERCÍCIOS
1- (FUVEST-SP) “Entre os semeadores do Evangelho há uns que
saem a semear, há outros que semeiam sem sair. Os que saem a
semear são os que vão pregar à Índia, à China, ao Japão; os que
semeiam sem sair são os que contentam com pregar na pátria.
Todos terão sua razão, mas tudo tem sua conta. Aos que têm a
seara em casa, pagar-lhes-ão a semeadura: aos que vão buscar a
seara tão longe, hão-lhes de medir a semeadura, e hão-lhes de
contar os passos. Ah! dia do juízo! Ah! pregadores! Os de cá, achar-
vos-ei com mais paço; os de lá, com mais passos...”
A passagem acima é representativa de uma das tendências
estéticas típicas da prosa seiscentista, a saber:
a) o Sebastianismo, isto é, a celebração do mito da volta de D.
Sebastião, rei de Portugal, morto na batalha de Alcácer-Quibir.
b) a busca do exotismo e da aventura ultramarina, presentes nas
crônicas e narrativas de viagem.
c) a exaltação do heróico e do épico, por meio das metáforas
grandiloqüentes da epopéia.
d) o lirismo trovadoresco, caracterizado por figuras de estilo
passionais e místicas.
e) o Conceptismo, caracterizado pela utilização constante de
recursos da dialética.
R: e
2- (UNISA) – A “literatura jesuítica”, nos primórdios de nossa história:
a) Tem grande valor informativo;
b) Marca nossa maturação clássica;
c) Visa à catequese do índio, à instrução do colono e sua
assistência religiosa e moral;
d) Está a serviço do poder real;
e) Tem fortes doses nacionalistas.
R: c
3- (UNIV. FED. DE SANTA MARIA) – Sobre a literatura produzida no
primeiro século da vida colonial brasileira, é correto afirmar que:
a) É formada principalmente de poemas narrativos e textos
dramáticos que visam a catequese.
b) Inicia em Prosopopéia, de Bento Teixeira.
c) É constituída por documentos que informam acerca da terra
brasileira e pela literatura jesuítica.
d) Os textos que a constituem apresentam evidente preocupação
artística e pedagógica.
e) Descreve com fidelidade e sem idealizações a terra e o mundo
homem, ao relatar as condições encontradas no Novo Mundo.
R: C
4- (FUVEST-SP) A respeito do Padre Antônio Vieira, pode-se afirmar:
a) Embora vivesse no Brasil, por sua formação lusitana não se
preocupou com problemas locais.
b) Procurava adequar os textos bíblicos às realidades de que
tratava.
c) Dada sua espiritualidade, demonstrava desinteresse por
assuntos mundanos.
d) Em função de seu zelo para com Deus, utilizava-O para
justificar todos os acontecimentos políticos e sociais.
e) Mostrou-se tímido diante dos interesses dos poderosos.
R: b

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
camilla1010
 
Características do Barroco
 Características do Barroco Características do Barroco
Características do Barroco
Paloma Santos
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
Francisco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Fabio Melo
 
Barroco e Arcadismo no Brasil
Barroco e Arcadismo no BrasilBarroco e Arcadismo no Brasil
Barroco e Arcadismo no Brasil
Carolina Matuck
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
Francisco
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Ivana Mayrink
 
Barroco - CILP
Barroco - CILPBarroco - CILP
Barroco - CILP
jasonrplima
 
Barroco
BarrocoBarroco
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Trovadorismo português-linha do Tempo
Trovadorismo português-linha do TempoTrovadorismo português-linha do Tempo
Trovadorismo português-linha do Tempo
Profª Pettine
 
Escolas literárias[1] (1)
Escolas literárias[1] (1)Escolas literárias[1] (1)
Escolas literárias[1] (1)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
A ARTE BARROCA
A ARTE BARROCAA ARTE BARROCA
A ARTE BARROCA
Olivaldo Ferreira
 
Lírica camoniana contextualização histórico-literária
Lírica camoniana   contextualização histórico-literáriaLírica camoniana   contextualização histórico-literária
Lírica camoniana contextualização histórico-literária
Joaquim Port. gonçalves
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
Kátia Silva da Costa
 
Quinhentismo e barroco 2011
Quinhentismo e barroco 2011Quinhentismo e barroco 2011
Quinhentismo e barroco 2011
BriefCase
 
Sermão da sexagésima (slides)
Sermão da sexagésima (slides)Sermão da sexagésima (slides)
Sermão da sexagésima (slides)
Ana Paula
 
Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0
José Ricardo Lima
 
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Pedro Andrade
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Wallinhas Souza
 

Mais procurados (20)

Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
Apresentação barroco em portugal 1º ano c 2013
 
Características do Barroco
 Características do Barroco Características do Barroco
Características do Barroco
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco e Arcadismo no Brasil
Barroco e Arcadismo no BrasilBarroco e Arcadismo no Brasil
Barroco e Arcadismo no Brasil
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Barroco - CILP
Barroco - CILPBarroco - CILP
Barroco - CILP
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo 1
 
Trovadorismo português-linha do Tempo
Trovadorismo português-linha do TempoTrovadorismo português-linha do Tempo
Trovadorismo português-linha do Tempo
 
Escolas literárias[1] (1)
Escolas literárias[1] (1)Escolas literárias[1] (1)
Escolas literárias[1] (1)
 
A ARTE BARROCA
A ARTE BARROCAA ARTE BARROCA
A ARTE BARROCA
 
Lírica camoniana contextualização histórico-literária
Lírica camoniana   contextualização histórico-literáriaLírica camoniana   contextualização histórico-literária
Lírica camoniana contextualização histórico-literária
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
 
Quinhentismo e barroco 2011
Quinhentismo e barroco 2011Quinhentismo e barroco 2011
Quinhentismo e barroco 2011
 
Sermão da sexagésima (slides)
Sermão da sexagésima (slides)Sermão da sexagésima (slides)
Sermão da sexagésima (slides)
 
Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0
 
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 

Semelhante a Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa

Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
Ma Hildebrand de Araujo
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
peterloco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
0009222
 
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptxBarroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
LucasPereira913631
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
joelson1
 
Literatura barroca
Literatura barrocaLiteratura barroca
Literatura barroca
daniel ferreira
 
Ppt barroco
Ppt barrocoPpt barroco
Ppt barroco
miovi
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
camilla1010
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
Helena Coutinho
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
Andréia Peixoto
 
Características do barroco
Características do barrocoCaracterísticas do barroco
Características do barroco
Wesley Henrique
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
Tiago Lott
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
Marilene dos Santos
 
Barroco & Rococó
Barroco & Rococó Barroco & Rococó
Barroco & Rococó
carlosbidu
 
Aula 06 barroco no brasil
Aula 06   barroco no brasilAula 06   barroco no brasil
Aula 06 barroco no brasil
Jonatas Carlos
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii

Semelhante a Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa (20)

Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptxBarroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
Literatura barroca
Literatura barrocaLiteratura barroca
Literatura barroca
 
Ppt barroco
Ppt barrocoPpt barroco
Ppt barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Características do barroco
Características do barrocoCaracterísticas do barroco
Características do barroco
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
 
Barroco & Rococó
Barroco & Rococó Barroco & Rococó
Barroco & Rococó
 
Aula 06 barroco no brasil
Aula 06   barroco no brasilAula 06   barroco no brasil
Aula 06 barroco no brasil
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
Unidade ii
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
Jonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 

Último (20)

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 

Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa

  • 1. AULA 05 – LITERATURA PROFª Edna Prado BARROCO EM PORTUGAL E LITERATURA INFORMATIVA 1 - Barroco em Portugal Em Portugal, o Barroco ou também chamado Seiscentismo (por ter sido estilo que teve início no final do século XVI), tem como marco inicial a Unificação da Península Ibérica sob o domínio espanhol em 1580 e se estenderá até por volta da primeira metade do século XVIII, quando ocorre a Fundação da Arcádia Lusitana, em 1756 e tem início o Arcadismo. O Barroco corresponde a um período de grande turbulência político-econômica, social, e principalmente religiosa. A incerteza e a crise tomam conta da vida portuguesa. Fatos importantes como: o término do Ciclo das Grandes Navegações, a Reforma Protestante, liderada por Lutero (na Alemanha) e Calvino (na França) e o Movimento Católico de Contra-Reforma,marcam o contexto histórico do período e colaboram com a criação do “Mito do Sebastianismo”, crença segundo a qual D.Sebastião, rei de Portugal (aquele a quem Camões dedicou Os Lusíadas), não havia morrido, em 1578, na Batalha de Alcácer Quibir, mas que estava apenas “encoberto” e que voltaria para transformar Portugal no Quinto Império de que falam as Escrituras Sagradas). D. João é visto como o novo messias, o novo salvador. Mas o que vem a ser a palavra Barroco? Não há um consenso quanto à sua origem. A mais aceita diz que o termo deriva da palavra Barróquia, nome de uma região da Índia, grande produtora de uma pérola de superfície irregular e áspera com manchas escuras, conhecida pelos portugueses como barroco. Aproximando-se assim do estilo, que segundo os clássicos era um estilo “irregular”, “defeituoso”, de “mau gosto”. Lembre-se de que a tradição clássica era marcada pela busca da perfeição e do equilíbrio. Vejamos quais são as principais características barrocas:
  • 2. Dualismo = O Barroco é a arte do conflito, do contraste. Reflete a intensificação do bifrontismo (o homem dividido entre a herança religiosa e mística medieval e o espírito humanista, racionalista do Renascimento). É a expressão do contraste entre as grandes forças reguladoras da existência humana: fé x razão; corpo x alma; Deus x Diabo; vida x morte, etc. Esse contraste será visível em toda a produção barroca, é freqüente o jogo, o contraste de imagens, de palavras e de conceitos. Mas o artista barroco não deseja apenas expor os contrários, ele quer conciliá-los, integrá-los. Daí ser freqüente o uso de figuras de linguagem que buscam essa unidade, essa fusão. Fugacidade = De acordo com a concepção barroca, no mundo tudo é passageiro e instável, as pessoas, as coisas mudam, o mundo muda. O autor barroco tem a consciência do caráter efêmero da existência. Pessimismo = Essa consciência da transitoriedade da vida conduz freqüentemente à idéia de morte, tida como a expressão máxima da fugacidade da vida. A incerteza da vida e o medo da morte fazem da arte barroca uma arte pessimista, marcada por um desencantamento com o próprio homem e com o mundo. Feísmo = No Barroco encontramos uma atração por cenas trágicas, por aspectos cruéis, dolorosos e grotescos. As imagens freqüentemente são deformadas pelo exagero de detalhes. Há nesse momento uma ruptura com a harmonia, com o equilíbrio e a sobriedade clássica. O barroco é a arte dos contrastes, do exagero. Tensão religiosa = Intensifica-se no Barroco, aspectos que já vinham sendo percebidos no Humanismo e no Classicismo: ANTROPOCENTRISMO X TEOCENTRISMO TENSÃO
  • 3. A igreja católica, através da Contra-Reforma, tenta recuperar o teocentrismo medieval (Deus como centro de todas as coisas) e o homem barroco não deseja perder a visão antropocêntrica renascentista (O homem como o centro de todas as coisas), assim o Barroco tenta atingir a síntese desses valores, ou seja, tenta conciliar razão e fé, corpo e alma, espiritualismo e materialismo. Poderíamos dizer que seria, em outras palavras, a racionalização da fé, a busca da salvação através da lógica. O Barroco apresenta duas faces. Vejamos quais são: Cultismo BARROCO Conceptismo CULTISMO = Corresponde ao jogo de palavras e imagens visando ao rebuscamento da forma do texto, à ornamentação e à erudição vocabular. Nessa vertente barroca é comum o uso exagerado das figuras de linguagem, como metáforas, antíteses, hipérboles, hipérbatos, entre outras. O cultismo também é chamado de Gongorismo, por ter sido muito influenciado pelo poeta espanhol Luís de Gôngora. CONCEPTISMO = Corresponde ao jogo de idéias e de conceitos, pautado no raciocínio lógico, visando ao convencimento à a r g u m e n t a ç ã o. O conceptismo também é chamado de Quevedismo, por ter sido muito influenciado pelo também espanhol, Francisco Quevedo. O jogo não só de idéias, mas também de palavras pode ser compreendido sob dois aspectos: um primeiro e mais visível relaciona- se ao próprio espírito de contradição do Barroco e um segundo e mais sutil, relaciona-se à necessidade que os poetas tinham de escapar da rígida censura da Inquisição, daí o uso exagerado das metáforas (figura de linguagem usada para sugerir idéias de maneira sutil).
  • 4. Padre Antônio Vieira é sem dúvida o grande nome do Barroco em Portugal. Por ter passado boa parte de sua vida no Brasil, alguns estudiosos costumam dizer que ele, juntamente com Gregório de Matos, é representante do Barroco brasileiro. Entretanto, como mostram outros autores, não podemos esquecer que mesmo escrevendo no e sobre o Brasil, o seu ponto de vista era sempre o do defensor dos interesses do intelectual europeu. O Sermão da Sexagésima é uma de suas principais obras. Nela, Padre Antônio Vieira faz uma série de reflexões a respeito da arte de pregar, constituindo-se assim uma obra metalingüística, ou seja, utiliza- se do próprio sermão para ensinar como fazê-lo, sempre condenando os exageros do cultismo. Vieira era contrário aos que se preocupavam apenas com as palavras, esquecendo-se da Palavra de Deus, com letra maiúscula. E no Brasil, o que havia nesse período?
  • 5. 2 - Literatura Informativa A Primeira Missa, Vítor Meireles (1832-1903). Quando chegaram aqui os portugueses encontraram uma grande população indígena: A Dança dos Tapuias, Albert Eckhout (1610-1655)
  • 6. No Brasil, a população de alfabetizados era pequena e a vida urbana era ainda muito precária. Não se costuma falar de Literatura brasileira propriamente dita neste período. A produção escrita do século XVI limitava-se a um conjunto de relatos escritos registrando as características físicas, étnicas e culturais da nova terra, relaciona-se mais às crônicas históricas que ao gênero literário. A esses relatos dá-se o nome de Literatura de Informação ou Literatura de Viagens. Ao lado dessa produção começaram a surgir, pelas mãos dos jesuítas, as primeiras ocorrências de prosa, poesia e teatro em solo brasileiro, mas ainda, a partir da visão do europeu. 3 – EXERCÍCIOS 1- (FUVEST-SP) “Entre os semeadores do Evangelho há uns que saem a semear, há outros que semeiam sem sair. Os que saem a semear são os que vão pregar à Índia, à China, ao Japão; os que semeiam sem sair são os que contentam com pregar na pátria. Todos terão sua razão, mas tudo tem sua conta. Aos que têm a seara em casa, pagar-lhes-ão a semeadura: aos que vão buscar a seara tão longe, hão-lhes de medir a semeadura, e hão-lhes de contar os passos. Ah! dia do juízo! Ah! pregadores! Os de cá, achar- vos-ei com mais paço; os de lá, com mais passos...” A passagem acima é representativa de uma das tendências estéticas típicas da prosa seiscentista, a saber: a) o Sebastianismo, isto é, a celebração do mito da volta de D. Sebastião, rei de Portugal, morto na batalha de Alcácer-Quibir. b) a busca do exotismo e da aventura ultramarina, presentes nas crônicas e narrativas de viagem. c) a exaltação do heróico e do épico, por meio das metáforas grandiloqüentes da epopéia. d) o lirismo trovadoresco, caracterizado por figuras de estilo passionais e místicas. e) o Conceptismo, caracterizado pela utilização constante de recursos da dialética. R: e
  • 7. 2- (UNISA) – A “literatura jesuítica”, nos primórdios de nossa história: a) Tem grande valor informativo; b) Marca nossa maturação clássica; c) Visa à catequese do índio, à instrução do colono e sua assistência religiosa e moral; d) Está a serviço do poder real; e) Tem fortes doses nacionalistas. R: c 3- (UNIV. FED. DE SANTA MARIA) – Sobre a literatura produzida no primeiro século da vida colonial brasileira, é correto afirmar que: a) É formada principalmente de poemas narrativos e textos dramáticos que visam a catequese. b) Inicia em Prosopopéia, de Bento Teixeira. c) É constituída por documentos que informam acerca da terra brasileira e pela literatura jesuítica. d) Os textos que a constituem apresentam evidente preocupação artística e pedagógica. e) Descreve com fidelidade e sem idealizações a terra e o mundo homem, ao relatar as condições encontradas no Novo Mundo. R: C 4- (FUVEST-SP) A respeito do Padre Antônio Vieira, pode-se afirmar: a) Embora vivesse no Brasil, por sua formação lusitana não se preocupou com problemas locais. b) Procurava adequar os textos bíblicos às realidades de que tratava. c) Dada sua espiritualidade, demonstrava desinteresse por assuntos mundanos. d) Em função de seu zelo para com Deus, utilizava-O para justificar todos os acontecimentos políticos e sociais. e) Mostrou-se tímido diante dos interesses dos poderosos. R: b