SlideShare uma empresa Scribd logo
A Ética e os
 Princípios


       Prof. Raul Pessolani - TEM

            Email: raul@vm.uff.br
Ética : Significado e objetivos

   Ethos: Costume ou
    comportamento
   Convida a refletir sobre o
    próprio atuar
   Objetivo: Determinar quais
    são os modos de agir que
    aperfeiçoam a personalidade
    e a convivência social!


        Diferencial do Profissional Moderno!   2
A Ética busca a Realização
s   Realização profunda da       espírito
    pessoa.
s   Realização do homem          FELICIDADE
    enquanto homem.
s   Leva a felicidade.
                                  ALEGRIA
s   Ultimum potentiae! O
    máximo da realização
    como homem!                    PRAZER
                      orgânico
                                            3
A Ética deve estar
 baseada em Princípios.

O que são os princípios?

                           4
5
6
7
8
Aristóteles
                       existem os
                       princípios?
   A Natureza é regida por leis.
       Leis: objetivas, imutáveis e universais
           Estão como que “dentro” das coisas
           Comportamento dos animais => instinto

   Só há uma coisa que é aparentemente livre e aleatório:
       O comportamento humano
           Homem: inteligência e a vontade
Há alguma lei que rege o
                comportamento humano?

            Existem valores permanentes?

   Existem ações que devo realizar e outras que devo evitar?

   Existem ações que me edificam e outras que destroem?



      Existe o Certo e o Errado, o bem e o mal?

                                                           10
O Bem e o mal, o certo e o errado
              estão metidos na nossa natureza


   É algo instintivo
       Desde crianças buscamos conhecer
       Está metido nos Filmes, livros, em tudo o que fazemos

   Pensamos:
       Está certo, eu fazer isso?
       Todos procuramos ser justos, verazes, leais, honestos...

   Quando não conseguimos => nos justificamos:
       É que,..., todo mundo faz..., não tem importância,...,
O que será o Bem e o Mal?
   Bem:
       Tudo o que nos aperfeiçoa e realiza, independente
        da dor ou do prazer que pode causar.
         Há ações árduas que devem ser feitas

         Há outras agradáveis que devem ser evitadas




   Mal:
       É tudo aquilo que nos degrada, por maiores que
        sejam os aparentes benefícios.


    O ser humano foi feito para procurar e praticar
                  livremente o bem                          12
Aristóteles a chamou de
                     Lei Moral Natural
   Lei:
     Objetiva: Independe da nossa vontade e opinião
     Eterna: não muda
     Universal: vale para todos os homens.


   Moral (mores): age sobre os costumes

   Natural: É da natureza, está metido “dentro” da homem
       Está na consciência.
                        Faz o bem e evita o mal

    Se não a cumprimos, vamos corrompendo a nossa
                                                            13
                    personalidade.
Qual é o conteúdo da Lei Moral Natural?
          Engrandecem                   Degradam
    Querer bem o outro, e            A Violência
     respeitar os mais frágeis.       O roubo, a corrupção
    Não usurpar os bens alheios      A fraude
    Falar a verdade                  A mentira
    A sobriedade                     A intemperança e a falta
    O domínio sobre sí próprio        de controle nos prazeres.
     no comer e no beber, e no
     uso do sexo.

          Isso é muito parecido com códigos antigos:
             Talião, Hamurabi,Dez mandamentos,...
                                                              14
A LM está na nossa consciência
   Consciência: Juízo interno dos atos
       Voz interior que aprova ou desaprova.
       Pode ser amordaçada, mas nunca aniquilada.

   Deve ser formada
     Leituras, tirar dúvidas.
     É influenciada pelo comportamento

     Quem não vive como pensa acaba pensando como vive

   Pode ser verdadeira ou errônea

        O importante é agir segundo a própria consciência.
              Sim, desde que ela seja verdadeira!
O maior inimigo da
    Ética: o relativismo
   A falta de princípios claros:
        Não existe o bem e o mal.
            Ex: Julgamento de Nuremberg

   Se
        Os valores dependem das circunstâncias
        Cada um pode dizer o que é certo e o errado
        A maioria que deve decidir

   Então:
               Não haverá Ética                        .
 Frases   do relativismo:
    Para você isso é certo, mas para mim não,...
    É que atuei segundo a Ética do Partido...
    É que, nesse caso, isso não se aplica...
    Segui a minha consciência....
    É que a vida moderna....




                                                    17
O relativismo pode parecer positivo, um convite
à tolerância. No entanto, se se transforma num
    absoluto, converte-se numa contradição,
   destrói o agir humano e acaba mutilando a
               própria razão. (...).



Se se relegam para a esfera da subjetividade
as questões humanas essenciais, as grandes
 decisões sobre a vida, a família, a morte, a
   liberdade, então já não há critérios, e a
          sociedade perde o rumo.
Quando tudo é
 relativo, a verdade
que prevalece é a do
 mais forte: do mais
armado, do que tem
mais recursos ou de
  quem controla a
    informação.
Relativismo x Lei Moral Natural
               (Consciência)


“Uma mulher contra Hitler”

                                  20
Relativismo x Princípios
         (Lei Iníqua)  (Lei Moral Natural)
   Relativismo:
       “Só podemos confiar na lei, não importa quem tenha escrito.”
       “Eram vidas inúteis” => o fim justifica os meios

   Princípios:
       “As leis mudam. A consciência (Lei Moral Natural) não.”
       “Quanta sabedoria pode vir da dor e do sofrimento.”


   Quando se perdem os princípios a sociedade
    deshumaniza, e abre-se a loucuras.

                                                                       21
Base da Ética
   O que você diz nada tem a ver com a realidade.

   É claro que tem. Com decência moral e Deus.


     Se Deus não existe, então tudo é
                permitido
                         Fiodor Dostoievski – Os irmãos Karamasov



                                                             22
Vale a pena ter princípios?

   Caminho para a realização pessoal.
     Balizas que orientam o agir.

     Resistir à pressão do “mais fácil”, do que
      mais degrada, e preferir o que é melhor.

   Garotos de Foz do Iguaçu
       Porque vocês devolveram?

         Se a gente não tivesse devolvido, a gente ia
        passar a vida inteira com a consciência pesada
Conclusão
   Existem os princípios?
       Sim
   Aonde estão?
       Na Lei Moral Natural, que está impresso na consciência.

   Qual é o seu conteúdo?
       É objetivo:
         Respeitar a vida, não usurpar dos bens do outro, não
          matar, não roubar, não mentir, respeitar o outro.

   As Leis devem se basear nela, senão serão
    desumanas.
       Do seu seguimento, depende a felicidade e a realização de
        cada um                                                     24
“Não te deixes levar pelo
  mal, mas vence o mal
       com o bem”
                   (S. Paulo, séc I)


                                       25

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura
CulturaCultura
Cultura
Jhonatan Max
 
O porquê da ética
O porquê da éticaO porquê da ética
O porquê da ética
Rayanne Santana
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
Karla Carioca
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Saulo Lucena
 
Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
ProfessorRogerioSant
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
Isaquel Silva
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
William Ananias
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
Fábio Nogueira, PhD
 
éTica na política
éTica na políticaéTica na política
éTica na política
DeaaSouza
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
Italo Colares
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
EEBMiguelCouto
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
Jorge Miklos
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
Paula Meyer Piagentini
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
O porquê da ética
O porquê da éticaO porquê da ética
O porquê da ética
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
 
Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
 
éTica na política
éTica na políticaéTica na política
éTica na política
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 

Destaque

Estrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
Estrutura de Procedimento da Pesquisa QualitativaEstrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
Estrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
Felipe Silva
 
Lição 8 as mudançcas dos valores morais
Lição 8 as mudançcas dos valores morais Lição 8 as mudançcas dos valores morais
Lição 8 as mudançcas dos valores morais
francisco targino
 
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
Antonio Marcos Montai Messias
 
Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
Alice Barros
 
Sistema respiratório e formas metabólicas
Sistema respiratório e formas metabólicasSistema respiratório e formas metabólicas
Sistema respiratório e formas metabólicas
Abmael Rocha Junior
 
Aquecimento e alongamento
Aquecimento e alongamentoAquecimento e alongamento
Aquecimento e alongamento
Abmael Rocha Junior
 
éTica, moral e valores
éTica, moral e valoreséTica, moral e valores
éTica, moral e valores
Over Lane
 
Dinâmica de grupo
Dinâmica de grupoDinâmica de grupo
Dinâmica de grupo
CEFET/RJ
 
Exercicio, nutrição e emagrecimento 01
Exercicio, nutrição e emagrecimento 01Exercicio, nutrição e emagrecimento 01
Exercicio, nutrição e emagrecimento 01
washington carlos vieira
 
Quem voce salvaria ?
Quem voce salvaria ?Quem voce salvaria ?
Quem voce salvaria ?
amimh
 
Jogos tradicionais
Jogos tradicionaisJogos tradicionais
Jogos tradicionais
nsoliveira1971
 
Jogo da ética
Jogo da éticaJogo da ética
Jogo da ética
Souza Medeiros
 
Ètica x Moral
Ètica x MoralÈtica x Moral
Ètica x Moral
JosianeBergund
 
Jogos e brincadeiras populares
Jogos e brincadeiras popularesJogos e brincadeiras populares
Jogos e brincadeiras populares
Helena Caboclo
 
Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras
Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeirasPequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras
Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras
Tamiris Bernardi
 
Importância exercício físico
Importância exercício físicoImportância exercício físico
Importância exercício físico
Anastácio Martins Nepomuceno Júnior
 
Alongamentos para todos
Alongamentos para todosAlongamentos para todos
Alongamentos para todos
Jailson Bomfim
 
Atividade de ética profissional
Atividade de ética profissionalAtividade de ética profissional
Atividade de ética profissional
Waldeval Sousa
 
Distúrbios Alimentares
Distúrbios AlimentaresDistúrbios Alimentares
Distúrbios Alimentares
RutteFreitas
 
Atividade física e saúde escola
Atividade física e saúde  escolaAtividade física e saúde  escola
Atividade física e saúde escola
NetKids
 

Destaque (20)

Estrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
Estrutura de Procedimento da Pesquisa QualitativaEstrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
Estrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
 
Lição 8 as mudançcas dos valores morais
Lição 8 as mudançcas dos valores morais Lição 8 as mudançcas dos valores morais
Lição 8 as mudançcas dos valores morais
 
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
 
Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
 
Sistema respiratório e formas metabólicas
Sistema respiratório e formas metabólicasSistema respiratório e formas metabólicas
Sistema respiratório e formas metabólicas
 
Aquecimento e alongamento
Aquecimento e alongamentoAquecimento e alongamento
Aquecimento e alongamento
 
éTica, moral e valores
éTica, moral e valoreséTica, moral e valores
éTica, moral e valores
 
Dinâmica de grupo
Dinâmica de grupoDinâmica de grupo
Dinâmica de grupo
 
Exercicio, nutrição e emagrecimento 01
Exercicio, nutrição e emagrecimento 01Exercicio, nutrição e emagrecimento 01
Exercicio, nutrição e emagrecimento 01
 
Quem voce salvaria ?
Quem voce salvaria ?Quem voce salvaria ?
Quem voce salvaria ?
 
Jogos tradicionais
Jogos tradicionaisJogos tradicionais
Jogos tradicionais
 
Jogo da ética
Jogo da éticaJogo da ética
Jogo da ética
 
Ètica x Moral
Ètica x MoralÈtica x Moral
Ètica x Moral
 
Jogos e brincadeiras populares
Jogos e brincadeiras popularesJogos e brincadeiras populares
Jogos e brincadeiras populares
 
Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras
Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeirasPequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras
Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras
 
Importância exercício físico
Importância exercício físicoImportância exercício físico
Importância exercício físico
 
Alongamentos para todos
Alongamentos para todosAlongamentos para todos
Alongamentos para todos
 
Atividade de ética profissional
Atividade de ética profissionalAtividade de ética profissional
Atividade de ética profissional
 
Distúrbios Alimentares
Distúrbios AlimentaresDistúrbios Alimentares
Distúrbios Alimentares
 
Atividade física e saúde escola
Atividade física e saúde  escolaAtividade física e saúde  escola
Atividade física e saúde escola
 

Semelhante a Aula 3 principios eticos

Técnicas de poder1
Técnicas de poder1Técnicas de poder1
Técnicas de poder1
Zuleica Jaroszewski
 
Puro e Simples - Ciência e Fé - Os limites da Ciência e o argumento Moral par...
Puro e Simples - Ciência e Fé - Os limites da Ciência e o argumento Moral par...Puro e Simples - Ciência e Fé - Os limites da Ciência e o argumento Moral par...
Puro e Simples - Ciência e Fé - Os limites da Ciência e o argumento Moral par...
Eric Araújo
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
Arte de Lorena
 
Ativ2 sandra
Ativ2 sandraAtiv2 sandra
Ativ2 sandra
sandrafran
 
Ativ2 sandra
Ativ2 sandraAtiv2 sandra
Ativ2 sandra
sandrafran
 
Resumodefilo6
Resumodefilo6Resumodefilo6
Resumodefilo6
Natan Camacho
 
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
Sérgio Henrique da Silva Pereira
 
38 etcid
38 etcid38 etcid
38 etcid
Eurides Soares
 
Aula 3 - Ética, moral e Direito
Aula 3 - Ética, moral e DireitoAula 3 - Ética, moral e Direito
Aula 3 - Ética, moral e Direito
Fábio Nogueira, PhD
 
Aula Perfeição Moral
Aula  Perfeição MoralAula  Perfeição Moral
Aula Perfeição Moral
Ceile Bernardo
 
Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
RESUMO SOBRE A TEMATICA QUEM É O HOMEM.docx
RESUMO SOBRE A TEMATICA QUEM É O HOMEM.docxRESUMO SOBRE A TEMATICA QUEM É O HOMEM.docx
RESUMO SOBRE A TEMATICA QUEM É O HOMEM.docx
andresilvahis
 
As potencias humanas e os modelos de felicidade
As potencias humanas e os modelos de felicidadeAs potencias humanas e os modelos de felicidade
As potencias humanas e os modelos de felicidade
Universidade Federal Fluminense
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Marta Gomes
 
éTica por que e para quê
éTica por que e para quêéTica por que e para quê
éTica por que e para quê
Arlindo Picoli
 
Etica Pessoal E Profissional Melo
Etica Pessoal E Profissional MeloEtica Pessoal E Profissional Melo
Etica Pessoal E Profissional Melo
Nelcivone Soares de Melo
 
Escolhas emocionais para uma vida feliz!
Escolhas emocionais para uma vida feliz!Escolhas emocionais para uma vida feliz!
Escolhas emocionais para uma vida feliz!
Leonardo Pereira
 
Ética
Ética Ética
A maldade do ser humano
A maldade do ser humanoA maldade do ser humano
A maldade do ser humano
Helio Cruz
 
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e MoralisAula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Gerson Coppes
 

Semelhante a Aula 3 principios eticos (20)

Técnicas de poder1
Técnicas de poder1Técnicas de poder1
Técnicas de poder1
 
Puro e Simples - Ciência e Fé - Os limites da Ciência e o argumento Moral par...
Puro e Simples - Ciência e Fé - Os limites da Ciência e o argumento Moral par...Puro e Simples - Ciência e Fé - Os limites da Ciência e o argumento Moral par...
Puro e Simples - Ciência e Fé - Os limites da Ciência e o argumento Moral par...
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
 
Ativ2 sandra
Ativ2 sandraAtiv2 sandra
Ativ2 sandra
 
Ativ2 sandra
Ativ2 sandraAtiv2 sandra
Ativ2 sandra
 
Resumodefilo6
Resumodefilo6Resumodefilo6
Resumodefilo6
 
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
 
38 etcid
38 etcid38 etcid
38 etcid
 
Aula 3 - Ética, moral e Direito
Aula 3 - Ética, moral e DireitoAula 3 - Ética, moral e Direito
Aula 3 - Ética, moral e Direito
 
Aula Perfeição Moral
Aula  Perfeição MoralAula  Perfeição Moral
Aula Perfeição Moral
 
Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites
 
RESUMO SOBRE A TEMATICA QUEM É O HOMEM.docx
RESUMO SOBRE A TEMATICA QUEM É O HOMEM.docxRESUMO SOBRE A TEMATICA QUEM É O HOMEM.docx
RESUMO SOBRE A TEMATICA QUEM É O HOMEM.docx
 
As potencias humanas e os modelos de felicidade
As potencias humanas e os modelos de felicidadeAs potencias humanas e os modelos de felicidade
As potencias humanas e os modelos de felicidade
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
 
éTica por que e para quê
éTica por que e para quêéTica por que e para quê
éTica por que e para quê
 
Etica Pessoal E Profissional Melo
Etica Pessoal E Profissional MeloEtica Pessoal E Profissional Melo
Etica Pessoal E Profissional Melo
 
Escolhas emocionais para uma vida feliz!
Escolhas emocionais para uma vida feliz!Escolhas emocionais para uma vida feliz!
Escolhas emocionais para uma vida feliz!
 
Ética
Ética Ética
Ética
 
A maldade do ser humano
A maldade do ser humanoA maldade do ser humano
A maldade do ser humano
 
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e MoralisAula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
 

Mais de Universidade Federal Fluminense

Etica nas ações profissionais
Etica nas ações profissionaisEtica nas ações profissionais
Etica nas ações profissionais
Universidade Federal Fluminense
 
As virtudes na profissão e na universidade
As virtudes na profissão e na universidadeAs virtudes na profissão e na universidade
As virtudes na profissão e na universidade
Universidade Federal Fluminense
 
éTica nas ações profissionais
éTica nas ações profissionaiséTica nas ações profissionais
éTica nas ações profissionais
Universidade Federal Fluminense
 
éTica nas ações profissionais
éTica nas ações profissionaiséTica nas ações profissionais
éTica nas ações profissionais
Universidade Federal Fluminense
 
Rompendo barreiras para gerar nov as idéias
Rompendo barreiras para gerar nov as idéiasRompendo barreiras para gerar nov as idéias
Rompendo barreiras para gerar nov as idéias
Universidade Federal Fluminense
 
Identificação do problema
Identificação do problemaIdentificação do problema
Identificação do problema
Universidade Federal Fluminense
 
Etica e ciencia
Etica e cienciaEtica e ciencia
Liderança
LiderançaLiderança
Exito ou fracasso
Exito ou fracassoExito ou fracasso
Metodologia de pesquisa nv
Metodologia de pesquisa nvMetodologia de pesquisa nv
Metodologia de pesquisa nv
Universidade Federal Fluminense
 
Exito ou fracasso
Exito ou fracassoExito ou fracasso
O desafio da amizade
O desafio da amizadeO desafio da amizade
O desafio da amizade
Universidade Federal Fluminense
 
As invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrialAs invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrial
Universidade Federal Fluminense
 
As virtudes cardeais no ambiente profissional
As virtudes cardeais no ambiente profissionalAs virtudes cardeais no ambiente profissional
As virtudes cardeais no ambiente profissional
Universidade Federal Fluminense
 
1. introdução ao método dos elementos de contorno
1. introdução ao método dos elementos de contorno1. introdução ao método dos elementos de contorno
1. introdução ao método dos elementos de contorno
Universidade Federal Fluminense
 
8. ciencia e fe 1
8. ciencia e fe 18. ciencia e fe 1
Modelagem mef
Modelagem mefModelagem mef
Motivação
MotivaçãoMotivação
O papel das vitrudes na formação do carater
O papel das vitrudes na formação do caraterO papel das vitrudes na formação do carater
O papel das vitrudes na formação do carater
Universidade Federal Fluminense
 
Virtudes e defeitos dos caracteres
Virtudes e defeitos dos caracteresVirtudes e defeitos dos caracteres
Virtudes e defeitos dos caracteres
Universidade Federal Fluminense
 

Mais de Universidade Federal Fluminense (20)

Etica nas ações profissionais
Etica nas ações profissionaisEtica nas ações profissionais
Etica nas ações profissionais
 
As virtudes na profissão e na universidade
As virtudes na profissão e na universidadeAs virtudes na profissão e na universidade
As virtudes na profissão e na universidade
 
éTica nas ações profissionais
éTica nas ações profissionaiséTica nas ações profissionais
éTica nas ações profissionais
 
éTica nas ações profissionais
éTica nas ações profissionaiséTica nas ações profissionais
éTica nas ações profissionais
 
Rompendo barreiras para gerar nov as idéias
Rompendo barreiras para gerar nov as idéiasRompendo barreiras para gerar nov as idéias
Rompendo barreiras para gerar nov as idéias
 
Identificação do problema
Identificação do problemaIdentificação do problema
Identificação do problema
 
Etica e ciencia
Etica e cienciaEtica e ciencia
Etica e ciencia
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Exito ou fracasso
Exito ou fracassoExito ou fracasso
Exito ou fracasso
 
Metodologia de pesquisa nv
Metodologia de pesquisa nvMetodologia de pesquisa nv
Metodologia de pesquisa nv
 
Exito ou fracasso
Exito ou fracassoExito ou fracasso
Exito ou fracasso
 
O desafio da amizade
O desafio da amizadeO desafio da amizade
O desafio da amizade
 
As invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrialAs invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrial
 
As virtudes cardeais no ambiente profissional
As virtudes cardeais no ambiente profissionalAs virtudes cardeais no ambiente profissional
As virtudes cardeais no ambiente profissional
 
1. introdução ao método dos elementos de contorno
1. introdução ao método dos elementos de contorno1. introdução ao método dos elementos de contorno
1. introdução ao método dos elementos de contorno
 
8. ciencia e fe 1
8. ciencia e fe 18. ciencia e fe 1
8. ciencia e fe 1
 
Modelagem mef
Modelagem mefModelagem mef
Modelagem mef
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
O papel das vitrudes na formação do carater
O papel das vitrudes na formação do caraterO papel das vitrudes na formação do carater
O papel das vitrudes na formação do carater
 
Virtudes e defeitos dos caracteres
Virtudes e defeitos dos caracteresVirtudes e defeitos dos caracteres
Virtudes e defeitos dos caracteres
 

Último

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

Aula 3 principios eticos

  • 1. A Ética e os Princípios Prof. Raul Pessolani - TEM Email: raul@vm.uff.br
  • 2. Ética : Significado e objetivos  Ethos: Costume ou comportamento  Convida a refletir sobre o próprio atuar  Objetivo: Determinar quais são os modos de agir que aperfeiçoam a personalidade e a convivência social! Diferencial do Profissional Moderno! 2
  • 3. A Ética busca a Realização s Realização profunda da espírito pessoa. s Realização do homem FELICIDADE enquanto homem. s Leva a felicidade. ALEGRIA s Ultimum potentiae! O máximo da realização como homem! PRAZER orgânico 3
  • 4. A Ética deve estar baseada em Princípios. O que são os princípios? 4
  • 5. 5
  • 6. 6
  • 7. 7
  • 8. 8
  • 9. Aristóteles existem os princípios?  A Natureza é regida por leis.  Leis: objetivas, imutáveis e universais  Estão como que “dentro” das coisas  Comportamento dos animais => instinto  Só há uma coisa que é aparentemente livre e aleatório:  O comportamento humano  Homem: inteligência e a vontade
  • 10. Há alguma lei que rege o comportamento humano? Existem valores permanentes?  Existem ações que devo realizar e outras que devo evitar?  Existem ações que me edificam e outras que destroem? Existe o Certo e o Errado, o bem e o mal? 10
  • 11. O Bem e o mal, o certo e o errado estão metidos na nossa natureza  É algo instintivo  Desde crianças buscamos conhecer  Está metido nos Filmes, livros, em tudo o que fazemos  Pensamos:  Está certo, eu fazer isso?  Todos procuramos ser justos, verazes, leais, honestos...  Quando não conseguimos => nos justificamos:  É que,..., todo mundo faz..., não tem importância,...,
  • 12. O que será o Bem e o Mal?  Bem:  Tudo o que nos aperfeiçoa e realiza, independente da dor ou do prazer que pode causar.  Há ações árduas que devem ser feitas  Há outras agradáveis que devem ser evitadas  Mal:  É tudo aquilo que nos degrada, por maiores que sejam os aparentes benefícios. O ser humano foi feito para procurar e praticar livremente o bem 12
  • 13. Aristóteles a chamou de Lei Moral Natural  Lei:  Objetiva: Independe da nossa vontade e opinião  Eterna: não muda  Universal: vale para todos os homens.  Moral (mores): age sobre os costumes  Natural: É da natureza, está metido “dentro” da homem  Está na consciência. Faz o bem e evita o mal Se não a cumprimos, vamos corrompendo a nossa 13 personalidade.
  • 14. Qual é o conteúdo da Lei Moral Natural? Engrandecem Degradam  Querer bem o outro, e  A Violência respeitar os mais frágeis.  O roubo, a corrupção  Não usurpar os bens alheios  A fraude  Falar a verdade  A mentira  A sobriedade  A intemperança e a falta  O domínio sobre sí próprio de controle nos prazeres. no comer e no beber, e no uso do sexo. Isso é muito parecido com códigos antigos: Talião, Hamurabi,Dez mandamentos,... 14
  • 15. A LM está na nossa consciência  Consciência: Juízo interno dos atos  Voz interior que aprova ou desaprova.  Pode ser amordaçada, mas nunca aniquilada.  Deve ser formada  Leituras, tirar dúvidas.  É influenciada pelo comportamento Quem não vive como pensa acaba pensando como vive  Pode ser verdadeira ou errônea O importante é agir segundo a própria consciência. Sim, desde que ela seja verdadeira!
  • 16. O maior inimigo da Ética: o relativismo  A falta de princípios claros:  Não existe o bem e o mal.  Ex: Julgamento de Nuremberg  Se  Os valores dependem das circunstâncias  Cada um pode dizer o que é certo e o errado  A maioria que deve decidir  Então: Não haverá Ética .
  • 17.  Frases do relativismo:  Para você isso é certo, mas para mim não,...  É que atuei segundo a Ética do Partido...  É que, nesse caso, isso não se aplica...  Segui a minha consciência....  É que a vida moderna.... 17
  • 18. O relativismo pode parecer positivo, um convite à tolerância. No entanto, se se transforma num absoluto, converte-se numa contradição, destrói o agir humano e acaba mutilando a própria razão. (...). Se se relegam para a esfera da subjetividade as questões humanas essenciais, as grandes decisões sobre a vida, a família, a morte, a liberdade, então já não há critérios, e a sociedade perde o rumo.
  • 19. Quando tudo é relativo, a verdade que prevalece é a do mais forte: do mais armado, do que tem mais recursos ou de quem controla a informação.
  • 20. Relativismo x Lei Moral Natural (Consciência) “Uma mulher contra Hitler” 20
  • 21. Relativismo x Princípios (Lei Iníqua) (Lei Moral Natural)  Relativismo:  “Só podemos confiar na lei, não importa quem tenha escrito.”  “Eram vidas inúteis” => o fim justifica os meios  Princípios:  “As leis mudam. A consciência (Lei Moral Natural) não.”  “Quanta sabedoria pode vir da dor e do sofrimento.”  Quando se perdem os princípios a sociedade deshumaniza, e abre-se a loucuras. 21
  • 22. Base da Ética  O que você diz nada tem a ver com a realidade.  É claro que tem. Com decência moral e Deus. Se Deus não existe, então tudo é permitido Fiodor Dostoievski – Os irmãos Karamasov 22
  • 23. Vale a pena ter princípios?  Caminho para a realização pessoal.  Balizas que orientam o agir.  Resistir à pressão do “mais fácil”, do que mais degrada, e preferir o que é melhor.  Garotos de Foz do Iguaçu  Porque vocês devolveram? Se a gente não tivesse devolvido, a gente ia passar a vida inteira com a consciência pesada
  • 24. Conclusão  Existem os princípios?  Sim  Aonde estão?  Na Lei Moral Natural, que está impresso na consciência.  Qual é o seu conteúdo?  É objetivo:  Respeitar a vida, não usurpar dos bens do outro, não matar, não roubar, não mentir, respeitar o outro.  As Leis devem se basear nela, senão serão desumanas.  Do seu seguimento, depende a felicidade e a realização de cada um 24
  • 25. “Não te deixes levar pelo mal, mas vence o mal com o bem” (S. Paulo, séc I) 25