SlideShare uma empresa Scribd logo
OS GÊNEROS
TEXTUAIS EM
SALA DE AULA
SEMED/2015
EQUIPE TÉCNICA SEMED
Equipe Pedagógica:
• Esp. Andrea Cristina Mendes
• Esp. Dália Maria Gondim
• Esp. Edilene da Silva Neris
• Me. Jany Éric Ferreira Queirós
• Esp. Joana Darques R. Soares
• Esp.Josilene Maria Farias Borges
Secretária de Educação: Maria Roseane Oliveira de
Sousa
VAMOS APRENDER
SOBRE:
Texto
Textos verbais, não verbais e mistos
Gênero textual
Suporte textual
Sequência ou tipos textuais
Qual das unidades a seguir
são textos?
Toda e qualquer unidade de informação no
contexto da interação.
Ação entre
sujeitos,
interlocutor
es.
Verbal Não-
verbal
Misto• Conto.
• Bilhete.
• Piada.
• Resumo.
• Regra de
jogo...
• Outdor.
• Música.
• Documentário.
• Mapa.
• Gráfico.
• Tabela.
• Conta de luz.
• Placas de
• Sinais de
trânsito.
• Placas de
trânsito.
• Quadro de arte.
• Escultura de
arte.
• Grafite.
• Fotografia...
• Um texto, portanto, só tem sentido na interação entre
pessoas.
• Assim, é importante observar que, na produção textual,
devem está relacionados:
a situação discursiva em que o texto foi produzido
[quem, para quem, quando, onde, por que...]
que papel e função desempenha no processo de interação
social [ finalidade de um texto em função de seu formato...]
com que propósito foi elaborado [ para que, com que
intenção...]
Todos os textos produzidos, orais ou
escritos, verbais, não verbais ou mistos,
apresentam um conjunto de
características relativamente estáveis.
Essas características configuram os
gêneros textuais ou discursivos, que
podem ser caracterizados por três aspectos:
o tema, o estilo e o modo composicional
(estrutura).
 Gênero textual - tirinha
 Conteúdo temático/tema - humor - assunto
 Estilo - é a utilização da linguagem verbal e não-verbal, sendo
assim, estabelece uma relação com o leitor.
 Modo Composicional - a tirinha é construída em quadrinhos,
sua sequência é na horizontal combinando textos verbais e
não-verbais.
A relação entre os elementos
que discutimos é que possibilita
ao interlocutor
Não confundir uma bula com uma carta,
uma notícia de jornal com uma oração, um
poema com uma entrevista.
reconhecemos as características dessas
“espécies” de texto, aprendidas na
convivência social ou na escola. Sabemos
também como cada uma delas funciona
socialmente em uma situação específica.
Isso ocorre porque
Cereja (2003) diz que quando estamos numa
situação de interação, a escolha do gênero não é
completamente espontânea, pois leva em conta um
conjunto de coerções dadas pela própria situação
comunicativa.
São as estruturas com que se compõe os textos, sejam eles
orais ou escritos, verbais ou não verbais. Essas estruturas são
socialmente reconhecidas, pois se mantêm sempre muito
parecidas, com características comuns, procuram atingir
intenções comunicativas semelhantes e ocorrem em
situações.
SUPORTE TEXTUAL: em tese, é o
meio pelo qual os gêneros textuais
circulam.
Textos
Gêneros
textuais
Suportes
'Paulo, te amo, me ligue o mais rápido que puder. Te
espero no fone 55 44 33 22. Verônica’
Se isto estiver escrito num papel colocado sobre a
mesa da pessoa indicada (Paulo), pode ser um
bilhete; se for passado pela secretária eletrônica é
um recado; remetido pelos correios num formulário
próprio, pode ser um telegrama; exposto num
outdoor pode ser uma declaração de amor. O certo
é que o conteúdo não muda, mas o gênero é
sempre identificado na relação com o suporte.
EXEMPLOS DE SUPORTES:
Textos
Gêneros
textuais
Suportes
Tipos
textuais
Os tipos textuais constituem modos discursivos organizados no formato de
sequências estruturais sistemáticas que entram na composição de um gênero
textual:
• Narrativo: conta um fato, fictício ou não, que ocorreu num determinado tempo e
lugar.
Ex.:Romance, Novela, Crônica, Contos de Fada, Fábula, Lendas.
• Descritivo: faz um retrato escrito de um lugar, uma pessoa, um animal ou um
objeto.
Ex.: Diário, Relatos,, Biografia e autobiografia, Currículo, Lista de compras,
Cardápio.
• Dissertativo: analisa, interpreta, explica e avalia dados da realidade.
Ex.: Editorial Jornalístico, Carta de opinião, Resenha, Artigo, Ensaio
• Injuntivo: Indica como realizar uma ação.
Em grupo, relacione os
elementos das linhas aos
Gênero
textual
Tipo textual Suporte
textual
1 Piada
2. Álbum
3. Embalagem
4. Narração
5. Sequência tipológica de um texto
6. Configuração que os textos assumem em
determinada situação discursiva.
7. Descrição
8. Livros
9. História em quadrinho
10. Dissertação
11. Meio em que os gêneros são veiculados
12. Televisão
13. Novela
14. Propaganda
15. Site
Em grupo, identifique a
sequência tipológica dos
Distribuir atividade
Em grupo, relacione os
elementos das linhas aos das
Narração Dissertação Injunção Descrição
1. Crônica
2. Receita
3. Resenha crítica
4. Anedota
5. Carta ao leitor
6. Comentário de obra de arte
7. Regulamento
8. Biografia
9. Fábula
10. Debate regrado
11. Boletim escolar
12. Ocorrência escolar
13. Aviso
14. Reportagem
15. Testemunho
A partir de agora, vamos nos concentrar no uso dos gêneros
textuais como ferramenta de aprendizado.
Sheneuwly (apud CEREJA, 2003,P.7) O GÊNERO É UMA
FERRAMENTA, COMO FERRAMENTA RESULTA EM DOIS
EFEITOS DIFERENTES DE APRENDIZAGEM:
Amplia as capacidades individuais do usuário;
Amplia seu conhecimento a respeito do objeto sobre o qual
a ferramenta é utilizada.
Ao utilizarmos um machado, nós não apenas aprendemos como usá-lo
cada vez melhor, mas também passamos a saber mais sobre a dureza da
madeira e dos troncos.
No plano da linguagem, o ensino dos gêneros textuais além de ampliar a
competência linguística e discursiva dos alunos, aponta-lhes inúmeras
formas de participação social que eles, como cidadãos podem ter fazendo
uso da linguagem.
4 passos do trabalho com Gêneros textuais
Estudo do
texto
Produção
do texto
Avaliação
do texto
Publicação
do texto
ESTUDO DO TEXTO
Definir o gênero.
Apresentar modelos para os alunos.
Ler e interpretar esses gêneros.
Conhecer sua estrutura (formato, linguagem,
condições de produção, finalidade, etc.)
Conhecer a situação discursiva (autor, data,
finalidade, público-alvo, intencionalidade, etc.).
Ninguém é capaz de produzir o que não sabe. Se o
aluno tiver toda orientação, certamente saberá
como fazer.
PRODUÇÃO DO TEXTO
Orientar a produção a partir de uma situação real.
Por exemplo, um resumo de um assunto
abordado; um relatório de uma pesquisa de campo
nas aulas de Ciências; um mapa do município em
Estudos Amazônicos; um poema sobre a temática
do ‘valor da escola’, enfim.
É importante que o professor tenha consciência que o gênero
solicitado, já tenha sido estudado pelo aluno para que este
tenha êxito.
AVALIAÇÃO DO TEXTO
 A primeira versão do texto é avaliada com as
devidas observações. (em grupo, por amostra,
individualmente...)
 Após a primeira avaliação, o aluno irá refazer o
texto melhorando o que foi observado na primeira
versão.
A segunda versão é aquela para qual se atribuirá uma nota. O
professor utilizará a tabela.
PUBLICAÇÃO DOS
TEXTOS
Numa perspectiva de gêneros textuais, que leva em conta
a linguagem como interação social, a produção de textos
não se restringe ao ambiente de sala de aula, nem à
simples correção feita pelo professor. O texto não é visto
como produto, mas como processo. Nesse sentido,
entende-se a leitura e produção de textos como uma
atividade de interação, que envolve alguns elementos
básicos da situação discursiva: interlocutores, finalidade,
os papéis sociais, as condições de produção, quando,
onde, pra quem, de quem, etc
O aluno deve ter em conta que o destino final de
seu texto é a própria escola.
Sarau
Concursos
Exposições
Seminários
Show de calouros
Varal;
Dia D dos autores;
Etc.
Saraus e
concursos
MURAL
Roda de Leitura
CONCURSO DE
PARÓDIAS – MÚSICAS -
VARAIS
COMPETÊNCIAS
I
INSUFICIENTE
II
RAZOÁVEL
III
BOM
IV
MUITO BOM
Compreender
e desenvolver
o tema
proposto de
acordo com o
contexto de
produção
solicitado.
não
compreende
o tema
solicitado ou
desenvolve
uma
que apenas
tangencia o
tema.
- compreende e
desenvolve
razoavelmente
o tema, ainda
que a partir de
clichês ou
paráfrases.
- compreende e
desenvolve
bem o tema,
apresentando
indícios de um
projeto próprio
para o recorte
temático.
- compreende
e desenvolve
muito bem o
tema com
em um projeto
pessoal para o
tema
proposto.
Competência
1
Insuficiente
2
Razoável
3
Bom
4
Muito bom
Elaborar
um texto
de acordo
com o
gênero
proposto.
- elabora um
texto com
estrutura
embrionária
e/ou mistura
tipos de texto
sem uma
justificativa
pautada no
contexto de
produção.
- elabora
razoavelment
e o gênero
solicitado,
mesmo
apresentando
pouca
condução na
organização
dos seus
elementos.
-elabora bem o
gênero
solicitado,
mesmo
apresentando
desvios na
organização dos
seus elementos.
- elabora muito
bem o gênero
solicitado, com
organização
dos seus
elementos.
Competência
1
Insuficiente
2
Razoável
3
Bom
4
Muito Bom
Organizar o
texto
de forma lógica
e
produtiva
demonstrando
conhecimentos
dos
mecanismos
linguísticos e
textuais
necessários
para a
construção do
texto .
Organiza
precariamente as
partes do texto,
apresentando
grande dificuldade
para desenvolver as
ideias e dar
continuidade ao
sentido do
texto; produz um
grande
número de
justaposição de
palavras e/ou frases
pouco
relacionadas entre
si.
Organiza
razoavelmente as
partes do texto,
demonstrando
alguma dificuldade
para dar
continuidade de
sentido e/ou para
manter a progressão
temática; apresenta
problemas
frequentes de
inadequação na
utilização dos
recursos coesivos.
-Organiza bem
as partes do
texto, podendo
apresentar
problemas
pontuais na
utilização dos
recursos
coesivos,
entretanto,
estabelece uma
continuidade de
sentido e/ou
uma progressão
temática
satisfatória.
Organiza muito
bem as
partes do
texto, utilizando
os
recursos
coesivos de
forma adequada
e variada,
mesmo
apresentando,
eventualmente
problemas
pontuais no uso
dos elementos
coesivos.
Competência
1
Insuficiente
2
Razoável
3
Bom
4
Muito Bom
Utilizar os
conhecimento
s
linguísticos da
norma padrão
para
o texto escrito.
-apresenta muitas
inadequações
gramaticais
e/ou transgressões
na escrita
(ortografia,
pontuação,
organização gráfica,
acentuação,
segmentação das
palavras) utiliza
formas
pertencentes à
oralidade
injustificáveis pelo
contexto.
apresenta algumas
inadequações
gramaticais
ou transgressões
na escrita
(ortografia,
pontuação,
organização
gráfica); formas
pertencentes à
oralidade
empregadas sem
justificação
pelo contexto, são
raras. Indício de
domínio básico
dessas normas.
-demonstra bom
conhecimento da
norma-
padrão para o
texto escrito,
utilizando bem a
variante
linguística do
tipo de texto
solicitado e do
contexto de
produção,
apresentando
poucas desvios
recorrentes de
gramaticais ou
transgressões
na escrita.
-demonstra
muito bom
conhecimento da
norma-
padrão, sabendo
utilizar
muito bem a
variante
linguística do
tipo de texto
solicitado e do
contexto de
produção, com
raríssima
inadequação
gramatical e
ortográfica.
Correção de textos
Leia a proposta de redação para prosseguir à correção dos textos.
Criaturas voadoras
Uma vez, jantando na casa da polaca, que ficava ao lado da casa mal-assombrada, ouvi uns rangidos de porta
velha e o pessoal me disse que era uma assombração que toda noite ia admirar os quadros do Pedro Bruno, que
estavam no barracão.
Será que assombração gosta mesmo de admirar quadros? Por trás do mato e de galhos no chão, vi a
porta entreaberta. Eu olhava fico pra dentro do barracão. Impressionante! Os quadros estavam lá pendurados. Várias
telas balançavam, embora não estivesse ventando. Balançavam uns cá, uns lá, lentamente. Eu fui me aproximando,
devagar.
Coincidência ou não, a porta se abriu mais um pouco, rangendo alto. Outro susto grande, mas nenhum
fantasma apareceu. Cheia de coragem, entrei no barracão pra ver os quadros, mas tinha muita teia de aranha. Além
do mais, estava tudo escuro e eu não podia ver as pinturas. Não sei onde encontrei coragem pra falar, mas gritei: “Ei,
tem fantasma, aqui?”.
Aí, de todos os cantos do barraco, criaturas medonhas, horrendas, com asas enormes, voaram pra cima de
mim!
Rafael Saldanha. Saresp.
Proposta de redação
No texto que você leu, a narradora conta uma história de fantasmas e assombrações vivida por
ela. Todo mundo já viveu uma história de “arrepiar”. Uma história estranha que, quando a gente
conta, as pessoas duvidam que seja verdadeira, mas ela aconteceu mesmo.
Escreva um relato, contando uma história de “arrepiar” vivida por você.
Proposta de redação
No texto que você leu, a narradora conta uma história de fantasmas e assombrações
vivida por ela. Todo mundo já viveu uma história de “arrepiar”. Uma história estranha que,
quando a gente conta, as pessoas duvidam que seja verdadeira, mas ela aconteceu
mesmo.
Escreva um relato, contando uma história de “arrepiar” vivida por você.
Texto 1
Eu e a roda gigante
Certo dia fui no shopping com meu cunhado e minha
irmã nos fomos em varios brinquedos o mais que
deu medo foi a roda gigante ela fez varias curvas e
todos gritaram depois a gente foi no carrinho de
bate-bate meu cunhado só batia no meu carro e eu
só fiquei parada depois fomos comprar roupas ele é
muito engraçado ele comprou roupas bonitas e eu
comprei um tênis da olimpikus e depois fomos
embora pra casa.
Competências
Conceitos
1 2 3 4
1. Atende ao tema/contexto
2. Atende à estrutura do gênero
3. conhece os mecanismo linguísticos (coesão e coerência)
do gênero
4. domina a norma-padrão
Texto 2
Título: A loira do banheiro
Um dia eu fui dormir eu
sonhei que minha mãe tinha falado
que era mim i la em casa
boscar o estojinho de esmalte e eu
subi a escada Eu escutei alguém
a pertando as discarga do banheiro quando
eu Cheguei perto eu entrei no banheiro
a loira do banheiro estava la
Eu acordei assustada e minha mãe acordou
E me deu um copo
De água e eu depois
fui dormir
(segue em desenho um série de corações) A conteceu 1 ano atraz
Competências
Conceitos
1 2 3 4
1. Atende ao tema/contexto
2. Atende à estrutura do gênero
3. conhece os mecanismo linguísticos (coesão e coerência)
do gênero
Competências
Conceitos
1 2 3 4
1. Atende ao tema/contexto
2. Atende à estrutura do gênero
3. conhece os mecanismo linguísticos (coesão e coerência)
do gênero
Proposta de redação
Ana produziu esse texto atendendo o seguinte comando: "Escreva uma história narrando aventuras vividas em um
sonho, em que você e seus amigos são personagens principais. Não se esqueça de dar um título a sua história".
O pesadelo
Certo dia eu e meus amigos decidimos explorar uma floresta muito sombria, e a cada passo que nós davamos
era um susto. Muita escuridão e muita neblina, todos estavam com muito medo. Quando mais à
frente nos deparamos com um casarão bem antigo com um aspecto muito sinistro, parecia estar
abandonado. Já que estávamos muito longe de casa, já estava noite e muito frio, decidimos passar a noite
lá mesmo. Só que não sabíamos que o pior nos esperava.
Quando entramos, tivemos certeza de que ninguém morava lá há muito tempo, aquela enorme casa
estava muito suja, aos pedaços. Tinha u cheiro muito forte de mofo. Nossas lanternas estavam falhando, aí
fomos ver os outros andares da casa e tentar encontrar algum tipo de lamparina ou vela.
Nos outros andares tinha enormes quartos e amplos banheiros. Dentro de um dos quartos
encontramos uma vela e uma caixa de fósforo. Dentro de uma gaveta vi um pequeno bilhete escrito a
sangue que dizia: "Vocês erraram em entrar nessa casa, agora aguente as consequências." Quando acabei
de ler todos se olharam assustados, e as lanternas se apagaram. Quando acendi a vela, todos se
depararam com a coisa mais horrível que já tínhamos visto, uma mulher sem olhos, com a boca costurada e
toda ensanguentada. Na mesma hora acordei toda assustada, ainda bem que não se passava de um sonho,
quer dizer *pesadelo*.
(Ana, 8a série EF)
Quantos textos os alunos
produzirão
1º Bim 2º Bim 3º Bim 4º Bim Total
Pré I 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2
Pré II 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2
1 º ano 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2
2º ano 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2
3º ano 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2
4º ano 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2
5º ano 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2
28x2
Em todo o Fundamental – séries iniciais. 56
1º
Bim
2º
Bim
3º Bim 4º Bim Total
6º ano 3x2 3x2 3x2 2x2 11 x 2 22
7º ano 3x2 3x2 3x2 2x2 11 x 2 22
8º ano 3x2 3x2 3x2 2x2 11 x 2 22
9º ano 3x2 3x2 3x2 2x2 11 x 2 22
Em todo o Fundamental – séries
finais
44 x 2 88
Em todo o Fundamental – séries
iniciais
56
144
Quantos textos os alunos
produzirão
Base de 3 disciplinas nos 3 primeiros bimestres e
duas no último bimestre.
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
Tissiane Gomes
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Histórias em Quadrinhos
Histórias em QuadrinhosHistórias em Quadrinhos
Histórias em Quadrinhos
TerezinhaPoetiza
 
Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
Andrea Dutra
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
GernciadeProduodeMat
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
Kátia Silva da Costa
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
PacatubaLei
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
Renally Arruda
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
GernciadeProduodeMat
 
Gênero textual - biografia
Gênero textual - biografiaGênero textual - biografia
Gênero textual - biografia
JohnJeffersonAlves1
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Denise Oliveira
 
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosGênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Alice Nogueira
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médioGêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Lae167
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
Editora Moderna
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Humor e ironia
Humor e ironiaHumor e ironia
Humor e ironia
ATAIDE Sampaio
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 

Mais procurados (20)

AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Histórias em Quadrinhos
Histórias em QuadrinhosHistórias em Quadrinhos
Histórias em Quadrinhos
 
Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
 
Gênero textual - biografia
Gênero textual - biografiaGênero textual - biografia
Gênero textual - biografia
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosGênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médioGêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Humor e ironia
Humor e ironiaHumor e ironia
Humor e ironia
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 

Destaque

Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.
Raquel Becker
 
Plano de aula 5º série energia elétrica
Plano de aula 5º série energia elétricaPlano de aula 5º série energia elétrica
Plano de aula 5º série energia elétrica
Alessandra Ferreira
 
Atividade de Língua Espanhola 1º ano
Atividade de Língua Espanhola 1º anoAtividade de Língua Espanhola 1º ano
Atividade de Língua Espanhola 1º ano
Elaine Teixeira
 
Trabalho ciências energia
Trabalho ciências energiaTrabalho ciências energia
Trabalho ciências energia
Bruna Evelin
 
Prova 4 ano atividade 4 ano
Prova 4 ano atividade 4 anoProva 4 ano atividade 4 ano
Prova 4 ano atividade 4 ano
keillacr
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
Roseanne Funchal Olivieira
 

Destaque (7)

Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.
 
Plano de aula 5º série energia elétrica
Plano de aula 5º série energia elétricaPlano de aula 5º série energia elétrica
Plano de aula 5º série energia elétrica
 
Atividade de Língua Espanhola 1º ano
Atividade de Língua Espanhola 1º anoAtividade de Língua Espanhola 1º ano
Atividade de Língua Espanhola 1º ano
 
Trabalho ciências energia
Trabalho ciências energiaTrabalho ciências energia
Trabalho ciências energia
 
Prova 4 ano atividade 4 ano
Prova 4 ano atividade 4 anoProva 4 ano atividade 4 ano
Prova 4 ano atividade 4 ano
 
Tirinhasss
TirinhasssTirinhasss
Tirinhasss
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 

Semelhante a Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula

Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
Claudio Pessoa
 
Generos textuais
Generos textuais Generos textuais
Generos textuais
Adauto Martins
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1doc
elannialins
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
Bete Feliciano
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
ElieneDias
 
Generosetipostextuaisppt
Generosetipostextuaisppt Generosetipostextuaisppt
Generosetipostextuaisppt
Kelly Arduino
 
Edilene nunes
Edilene nunesEdilene nunes
Edilene nunes
Cristiane Trindade
 
Edilene nunes
Edilene nunesEdilene nunes
Edilene nunes
Cristiane Trindade
 
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
Alessandra Gomes
 
SLIDE SEGUNDA.pptx
SLIDE SEGUNDA.pptxSLIDE SEGUNDA.pptx
SLIDE SEGUNDA.pptx
TainTorres4
 
SLIDE SEGUNDA , descritores saepe (1).pptx
SLIDE SEGUNDA , descritores saepe (1).pptxSLIDE SEGUNDA , descritores saepe (1).pptx
SLIDE SEGUNDA , descritores saepe (1).pptx
TainTorres4
 
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
Kelly Arduino
 
Generos e tipos textuais
Generos e tipos textuaisGeneros e tipos textuais
Generos e tipos textuais
Rogério Souza
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Ana Camila
 
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Fundação de apoio à escola técnica (FAETEC)
 
Coscarelli 2007
Coscarelli 2007Coscarelli 2007
Coscarelli 2007
Jonas dos Santos Messias
 
Leitura e escrita em História
Leitura e escrita em HistóriaLeitura e escrita em História
Leitura e escrita em História
André Pereira Rocha
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
VidaRevista Consultoria e Treinamento
 
Língua portuguesa-3º-ano-1
Língua portuguesa-3º-ano-1Língua portuguesa-3º-ano-1
Língua portuguesa-3º-ano-1
dulcy souza
 
Guia de aprendizagem 2ª série do ensino médio janice lp 3º bi
Guia de aprendizagem 2ª série do ensino médio janice lp 3º biGuia de aprendizagem 2ª série do ensino médio janice lp 3º bi
Guia de aprendizagem 2ª série do ensino médio janice lp 3º bi
CEPI-INDEPENDENCIA
 

Semelhante a Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula (20)

Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
Generos textuais
Generos textuais Generos textuais
Generos textuais
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1doc
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
 
Generosetipostextuaisppt
Generosetipostextuaisppt Generosetipostextuaisppt
Generosetipostextuaisppt
 
Edilene nunes
Edilene nunesEdilene nunes
Edilene nunes
 
Edilene nunes
Edilene nunesEdilene nunes
Edilene nunes
 
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
 
SLIDE SEGUNDA.pptx
SLIDE SEGUNDA.pptxSLIDE SEGUNDA.pptx
SLIDE SEGUNDA.pptx
 
SLIDE SEGUNDA , descritores saepe (1).pptx
SLIDE SEGUNDA , descritores saepe (1).pptxSLIDE SEGUNDA , descritores saepe (1).pptx
SLIDE SEGUNDA , descritores saepe (1).pptx
 
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
Generosetipostextuaisppt 130817130306-phpapp02
 
Generos e tipos textuais
Generos e tipos textuaisGeneros e tipos textuais
Generos e tipos textuais
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
 
Coscarelli 2007
Coscarelli 2007Coscarelli 2007
Coscarelli 2007
 
Leitura e escrita em História
Leitura e escrita em HistóriaLeitura e escrita em História
Leitura e escrita em História
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
 
Língua portuguesa-3º-ano-1
Língua portuguesa-3º-ano-1Língua portuguesa-3º-ano-1
Língua portuguesa-3º-ano-1
 
Guia de aprendizagem 2ª série do ensino médio janice lp 3º bi
Guia de aprendizagem 2ª série do ensino médio janice lp 3º biGuia de aprendizagem 2ª série do ensino médio janice lp 3º bi
Guia de aprendizagem 2ª série do ensino médio janice lp 3º bi
 

Último

FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 

Último (20)

FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 

Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula

  • 1. OS GÊNEROS TEXTUAIS EM SALA DE AULA SEMED/2015
  • 2. EQUIPE TÉCNICA SEMED Equipe Pedagógica: • Esp. Andrea Cristina Mendes • Esp. Dália Maria Gondim • Esp. Edilene da Silva Neris • Me. Jany Éric Ferreira Queirós • Esp. Joana Darques R. Soares • Esp.Josilene Maria Farias Borges Secretária de Educação: Maria Roseane Oliveira de Sousa
  • 3. VAMOS APRENDER SOBRE: Texto Textos verbais, não verbais e mistos Gênero textual Suporte textual Sequência ou tipos textuais
  • 4.
  • 5. Qual das unidades a seguir são textos?
  • 6.
  • 7. Toda e qualquer unidade de informação no contexto da interação. Ação entre sujeitos, interlocutor es.
  • 8. Verbal Não- verbal Misto• Conto. • Bilhete. • Piada. • Resumo. • Regra de jogo... • Outdor. • Música. • Documentário. • Mapa. • Gráfico. • Tabela. • Conta de luz. • Placas de • Sinais de trânsito. • Placas de trânsito. • Quadro de arte. • Escultura de arte. • Grafite. • Fotografia...
  • 9. • Um texto, portanto, só tem sentido na interação entre pessoas. • Assim, é importante observar que, na produção textual, devem está relacionados: a situação discursiva em que o texto foi produzido [quem, para quem, quando, onde, por que...] que papel e função desempenha no processo de interação social [ finalidade de um texto em função de seu formato...] com que propósito foi elaborado [ para que, com que intenção...]
  • 10. Todos os textos produzidos, orais ou escritos, verbais, não verbais ou mistos, apresentam um conjunto de características relativamente estáveis. Essas características configuram os gêneros textuais ou discursivos, que podem ser caracterizados por três aspectos: o tema, o estilo e o modo composicional (estrutura).
  • 11.  Gênero textual - tirinha  Conteúdo temático/tema - humor - assunto  Estilo - é a utilização da linguagem verbal e não-verbal, sendo assim, estabelece uma relação com o leitor.  Modo Composicional - a tirinha é construída em quadrinhos, sua sequência é na horizontal combinando textos verbais e não-verbais.
  • 12. A relação entre os elementos que discutimos é que possibilita ao interlocutor Não confundir uma bula com uma carta, uma notícia de jornal com uma oração, um poema com uma entrevista. reconhecemos as características dessas “espécies” de texto, aprendidas na convivência social ou na escola. Sabemos também como cada uma delas funciona socialmente em uma situação específica. Isso ocorre porque
  • 13. Cereja (2003) diz que quando estamos numa situação de interação, a escolha do gênero não é completamente espontânea, pois leva em conta um conjunto de coerções dadas pela própria situação comunicativa. São as estruturas com que se compõe os textos, sejam eles orais ou escritos, verbais ou não verbais. Essas estruturas são socialmente reconhecidas, pois se mantêm sempre muito parecidas, com características comuns, procuram atingir intenções comunicativas semelhantes e ocorrem em situações.
  • 14. SUPORTE TEXTUAL: em tese, é o meio pelo qual os gêneros textuais circulam. Textos Gêneros textuais Suportes
  • 15. 'Paulo, te amo, me ligue o mais rápido que puder. Te espero no fone 55 44 33 22. Verônica’ Se isto estiver escrito num papel colocado sobre a mesa da pessoa indicada (Paulo), pode ser um bilhete; se for passado pela secretária eletrônica é um recado; remetido pelos correios num formulário próprio, pode ser um telegrama; exposto num outdoor pode ser uma declaração de amor. O certo é que o conteúdo não muda, mas o gênero é sempre identificado na relação com o suporte.
  • 17. Textos Gêneros textuais Suportes Tipos textuais Os tipos textuais constituem modos discursivos organizados no formato de sequências estruturais sistemáticas que entram na composição de um gênero textual: • Narrativo: conta um fato, fictício ou não, que ocorreu num determinado tempo e lugar. Ex.:Romance, Novela, Crônica, Contos de Fada, Fábula, Lendas. • Descritivo: faz um retrato escrito de um lugar, uma pessoa, um animal ou um objeto. Ex.: Diário, Relatos,, Biografia e autobiografia, Currículo, Lista de compras, Cardápio. • Dissertativo: analisa, interpreta, explica e avalia dados da realidade. Ex.: Editorial Jornalístico, Carta de opinião, Resenha, Artigo, Ensaio • Injuntivo: Indica como realizar uma ação.
  • 18. Em grupo, relacione os elementos das linhas aos
  • 19. Gênero textual Tipo textual Suporte textual 1 Piada 2. Álbum 3. Embalagem 4. Narração 5. Sequência tipológica de um texto 6. Configuração que os textos assumem em determinada situação discursiva. 7. Descrição 8. Livros 9. História em quadrinho 10. Dissertação 11. Meio em que os gêneros são veiculados 12. Televisão 13. Novela 14. Propaganda 15. Site
  • 20. Em grupo, identifique a sequência tipológica dos Distribuir atividade
  • 21. Em grupo, relacione os elementos das linhas aos das
  • 22. Narração Dissertação Injunção Descrição 1. Crônica 2. Receita 3. Resenha crítica 4. Anedota 5. Carta ao leitor 6. Comentário de obra de arte 7. Regulamento 8. Biografia 9. Fábula 10. Debate regrado 11. Boletim escolar 12. Ocorrência escolar 13. Aviso 14. Reportagem 15. Testemunho
  • 23. A partir de agora, vamos nos concentrar no uso dos gêneros textuais como ferramenta de aprendizado. Sheneuwly (apud CEREJA, 2003,P.7) O GÊNERO É UMA FERRAMENTA, COMO FERRAMENTA RESULTA EM DOIS EFEITOS DIFERENTES DE APRENDIZAGEM: Amplia as capacidades individuais do usuário; Amplia seu conhecimento a respeito do objeto sobre o qual a ferramenta é utilizada.
  • 24. Ao utilizarmos um machado, nós não apenas aprendemos como usá-lo cada vez melhor, mas também passamos a saber mais sobre a dureza da madeira e dos troncos. No plano da linguagem, o ensino dos gêneros textuais além de ampliar a competência linguística e discursiva dos alunos, aponta-lhes inúmeras formas de participação social que eles, como cidadãos podem ter fazendo uso da linguagem.
  • 25. 4 passos do trabalho com Gêneros textuais Estudo do texto Produção do texto Avaliação do texto Publicação do texto
  • 26. ESTUDO DO TEXTO Definir o gênero. Apresentar modelos para os alunos. Ler e interpretar esses gêneros. Conhecer sua estrutura (formato, linguagem, condições de produção, finalidade, etc.) Conhecer a situação discursiva (autor, data, finalidade, público-alvo, intencionalidade, etc.). Ninguém é capaz de produzir o que não sabe. Se o aluno tiver toda orientação, certamente saberá como fazer.
  • 27. PRODUÇÃO DO TEXTO Orientar a produção a partir de uma situação real. Por exemplo, um resumo de um assunto abordado; um relatório de uma pesquisa de campo nas aulas de Ciências; um mapa do município em Estudos Amazônicos; um poema sobre a temática do ‘valor da escola’, enfim. É importante que o professor tenha consciência que o gênero solicitado, já tenha sido estudado pelo aluno para que este tenha êxito.
  • 28. AVALIAÇÃO DO TEXTO  A primeira versão do texto é avaliada com as devidas observações. (em grupo, por amostra, individualmente...)  Após a primeira avaliação, o aluno irá refazer o texto melhorando o que foi observado na primeira versão. A segunda versão é aquela para qual se atribuirá uma nota. O professor utilizará a tabela.
  • 29. PUBLICAÇÃO DOS TEXTOS Numa perspectiva de gêneros textuais, que leva em conta a linguagem como interação social, a produção de textos não se restringe ao ambiente de sala de aula, nem à simples correção feita pelo professor. O texto não é visto como produto, mas como processo. Nesse sentido, entende-se a leitura e produção de textos como uma atividade de interação, que envolve alguns elementos básicos da situação discursiva: interlocutores, finalidade, os papéis sociais, as condições de produção, quando, onde, pra quem, de quem, etc O aluno deve ter em conta que o destino final de seu texto é a própria escola.
  • 33. CONCURSO DE PARÓDIAS – MÚSICAS - VARAIS
  • 34.
  • 35. COMPETÊNCIAS I INSUFICIENTE II RAZOÁVEL III BOM IV MUITO BOM Compreender e desenvolver o tema proposto de acordo com o contexto de produção solicitado. não compreende o tema solicitado ou desenvolve uma que apenas tangencia o tema. - compreende e desenvolve razoavelmente o tema, ainda que a partir de clichês ou paráfrases. - compreende e desenvolve bem o tema, apresentando indícios de um projeto próprio para o recorte temático. - compreende e desenvolve muito bem o tema com em um projeto pessoal para o tema proposto.
  • 36. Competência 1 Insuficiente 2 Razoável 3 Bom 4 Muito bom Elaborar um texto de acordo com o gênero proposto. - elabora um texto com estrutura embrionária e/ou mistura tipos de texto sem uma justificativa pautada no contexto de produção. - elabora razoavelment e o gênero solicitado, mesmo apresentando pouca condução na organização dos seus elementos. -elabora bem o gênero solicitado, mesmo apresentando desvios na organização dos seus elementos. - elabora muito bem o gênero solicitado, com organização dos seus elementos.
  • 37. Competência 1 Insuficiente 2 Razoável 3 Bom 4 Muito Bom Organizar o texto de forma lógica e produtiva demonstrando conhecimentos dos mecanismos linguísticos e textuais necessários para a construção do texto . Organiza precariamente as partes do texto, apresentando grande dificuldade para desenvolver as ideias e dar continuidade ao sentido do texto; produz um grande número de justaposição de palavras e/ou frases pouco relacionadas entre si. Organiza razoavelmente as partes do texto, demonstrando alguma dificuldade para dar continuidade de sentido e/ou para manter a progressão temática; apresenta problemas frequentes de inadequação na utilização dos recursos coesivos. -Organiza bem as partes do texto, podendo apresentar problemas pontuais na utilização dos recursos coesivos, entretanto, estabelece uma continuidade de sentido e/ou uma progressão temática satisfatória. Organiza muito bem as partes do texto, utilizando os recursos coesivos de forma adequada e variada, mesmo apresentando, eventualmente problemas pontuais no uso dos elementos coesivos.
  • 38. Competência 1 Insuficiente 2 Razoável 3 Bom 4 Muito Bom Utilizar os conhecimento s linguísticos da norma padrão para o texto escrito. -apresenta muitas inadequações gramaticais e/ou transgressões na escrita (ortografia, pontuação, organização gráfica, acentuação, segmentação das palavras) utiliza formas pertencentes à oralidade injustificáveis pelo contexto. apresenta algumas inadequações gramaticais ou transgressões na escrita (ortografia, pontuação, organização gráfica); formas pertencentes à oralidade empregadas sem justificação pelo contexto, são raras. Indício de domínio básico dessas normas. -demonstra bom conhecimento da norma- padrão para o texto escrito, utilizando bem a variante linguística do tipo de texto solicitado e do contexto de produção, apresentando poucas desvios recorrentes de gramaticais ou transgressões na escrita. -demonstra muito bom conhecimento da norma- padrão, sabendo utilizar muito bem a variante linguística do tipo de texto solicitado e do contexto de produção, com raríssima inadequação gramatical e ortográfica.
  • 40. Leia a proposta de redação para prosseguir à correção dos textos. Criaturas voadoras Uma vez, jantando na casa da polaca, que ficava ao lado da casa mal-assombrada, ouvi uns rangidos de porta velha e o pessoal me disse que era uma assombração que toda noite ia admirar os quadros do Pedro Bruno, que estavam no barracão. Será que assombração gosta mesmo de admirar quadros? Por trás do mato e de galhos no chão, vi a porta entreaberta. Eu olhava fico pra dentro do barracão. Impressionante! Os quadros estavam lá pendurados. Várias telas balançavam, embora não estivesse ventando. Balançavam uns cá, uns lá, lentamente. Eu fui me aproximando, devagar. Coincidência ou não, a porta se abriu mais um pouco, rangendo alto. Outro susto grande, mas nenhum fantasma apareceu. Cheia de coragem, entrei no barracão pra ver os quadros, mas tinha muita teia de aranha. Além do mais, estava tudo escuro e eu não podia ver as pinturas. Não sei onde encontrei coragem pra falar, mas gritei: “Ei, tem fantasma, aqui?”. Aí, de todos os cantos do barraco, criaturas medonhas, horrendas, com asas enormes, voaram pra cima de mim! Rafael Saldanha. Saresp. Proposta de redação No texto que você leu, a narradora conta uma história de fantasmas e assombrações vivida por ela. Todo mundo já viveu uma história de “arrepiar”. Uma história estranha que, quando a gente conta, as pessoas duvidam que seja verdadeira, mas ela aconteceu mesmo. Escreva um relato, contando uma história de “arrepiar” vivida por você.
  • 41. Proposta de redação No texto que você leu, a narradora conta uma história de fantasmas e assombrações vivida por ela. Todo mundo já viveu uma história de “arrepiar”. Uma história estranha que, quando a gente conta, as pessoas duvidam que seja verdadeira, mas ela aconteceu mesmo. Escreva um relato, contando uma história de “arrepiar” vivida por você.
  • 42. Texto 1 Eu e a roda gigante Certo dia fui no shopping com meu cunhado e minha irmã nos fomos em varios brinquedos o mais que deu medo foi a roda gigante ela fez varias curvas e todos gritaram depois a gente foi no carrinho de bate-bate meu cunhado só batia no meu carro e eu só fiquei parada depois fomos comprar roupas ele é muito engraçado ele comprou roupas bonitas e eu comprei um tênis da olimpikus e depois fomos embora pra casa. Competências Conceitos 1 2 3 4 1. Atende ao tema/contexto 2. Atende à estrutura do gênero 3. conhece os mecanismo linguísticos (coesão e coerência) do gênero 4. domina a norma-padrão
  • 43. Texto 2 Título: A loira do banheiro Um dia eu fui dormir eu sonhei que minha mãe tinha falado que era mim i la em casa boscar o estojinho de esmalte e eu subi a escada Eu escutei alguém a pertando as discarga do banheiro quando eu Cheguei perto eu entrei no banheiro a loira do banheiro estava la Eu acordei assustada e minha mãe acordou E me deu um copo De água e eu depois fui dormir (segue em desenho um série de corações) A conteceu 1 ano atraz Competências Conceitos 1 2 3 4 1. Atende ao tema/contexto 2. Atende à estrutura do gênero 3. conhece os mecanismo linguísticos (coesão e coerência) do gênero
  • 44. Competências Conceitos 1 2 3 4 1. Atende ao tema/contexto 2. Atende à estrutura do gênero 3. conhece os mecanismo linguísticos (coesão e coerência) do gênero Proposta de redação Ana produziu esse texto atendendo o seguinte comando: "Escreva uma história narrando aventuras vividas em um sonho, em que você e seus amigos são personagens principais. Não se esqueça de dar um título a sua história". O pesadelo Certo dia eu e meus amigos decidimos explorar uma floresta muito sombria, e a cada passo que nós davamos era um susto. Muita escuridão e muita neblina, todos estavam com muito medo. Quando mais à frente nos deparamos com um casarão bem antigo com um aspecto muito sinistro, parecia estar abandonado. Já que estávamos muito longe de casa, já estava noite e muito frio, decidimos passar a noite lá mesmo. Só que não sabíamos que o pior nos esperava. Quando entramos, tivemos certeza de que ninguém morava lá há muito tempo, aquela enorme casa estava muito suja, aos pedaços. Tinha u cheiro muito forte de mofo. Nossas lanternas estavam falhando, aí fomos ver os outros andares da casa e tentar encontrar algum tipo de lamparina ou vela. Nos outros andares tinha enormes quartos e amplos banheiros. Dentro de um dos quartos encontramos uma vela e uma caixa de fósforo. Dentro de uma gaveta vi um pequeno bilhete escrito a sangue que dizia: "Vocês erraram em entrar nessa casa, agora aguente as consequências." Quando acabei de ler todos se olharam assustados, e as lanternas se apagaram. Quando acendi a vela, todos se depararam com a coisa mais horrível que já tínhamos visto, uma mulher sem olhos, com a boca costurada e toda ensanguentada. Na mesma hora acordei toda assustada, ainda bem que não se passava de um sonho, quer dizer *pesadelo*. (Ana, 8a série EF)
  • 45. Quantos textos os alunos produzirão 1º Bim 2º Bim 3º Bim 4º Bim Total Pré I 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2 Pré II 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2 1 º ano 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2 2º ano 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2 3º ano 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2 4º ano 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2 5º ano 1x2 1x2 1x2 1x2 4x2 28x2 Em todo o Fundamental – séries iniciais. 56
  • 46. 1º Bim 2º Bim 3º Bim 4º Bim Total 6º ano 3x2 3x2 3x2 2x2 11 x 2 22 7º ano 3x2 3x2 3x2 2x2 11 x 2 22 8º ano 3x2 3x2 3x2 2x2 11 x 2 22 9º ano 3x2 3x2 3x2 2x2 11 x 2 22 Em todo o Fundamental – séries finais 44 x 2 88 Em todo o Fundamental – séries iniciais 56 144 Quantos textos os alunos produzirão Base de 3 disciplinas nos 3 primeiros bimestres e duas no último bimestre.