SlideShare uma empresa Scribd logo
Gerenciamento de Estoques
1. PONTO DE PEDIDO
2. ESTOQUE DE SEGURANÇA
1
Por que surgem os estoques?
Por que surgem os estoques?
Impossível/inviável
coordenar suprimento e
demanda
Incerteza de previsões
Necessidades de
preencher canal de
distribuição (“pipeline”)
Especulação
capacidade
informação obtenção
tecnologia suprimento
demanda
escassez
oportuni-
dade
Motivos para surgimento de
estoques
Sistemas de revisão continua
O método de ressuprimento consiste em definir a forma com que os
estoques são reabastecidos. O método adotado vai influenciar nos
estoques de segurança.
Sistema de revisão contínua,
Sistema de revisão periódica,
Sistema de duas gavetas
Estoque
Dias de produção
LC
10 20 30
0
TR
PR
Estoque Máximo
100
60
4
NÍVEIS DE ESTOQUE
Três conceitos básicos :
❑ Curva Dente de Serra
❑ Tempo de Reposição ( Tr ) e Ponto de Pedido ( PP )
❑ Determinação do Estoque Mínimo ( ) ou Estoque de
Segurança ( )
min
E
ES
5
CURVA DENTE DE SERRA
É a representação gráfica da movimentação ( entrada e saída ) de uma
peça dentro de um sistema de estoque, em que no eixo das ordenadas
plotamos as quantidades ( Q ), no eixo das abscissas plotamos o tempo de
consumo ( t ) do estoque e , unindo a quantidade ao tempo de consumo,
plotamos uma reta representativa da razão de consumo ( C ) . A repetição
deste esquema forma a Curva Dente de Serra.
Quantidade
Q
0
t tempo
C
t
C
t
C
t
tempo
Nível
de
estoque
Taxa
de
dem
anda
“d”
Quando pedir?
Quanto
pedir?
Modelo genérico de curva do
nível de estoques
7
Podemos inserir na curva dente de serra mais um elemento :
O tempo ( T ) que nada mais é do que o tempo de consumo em um
determinado produto em um certo período de tempo.
Vejamos :
T
Q
t t t t t t
C
t
C
t
C
t
C
t
C
t
C
t
tempo
Nível
de
estoque
Taxa
de
dem
anda
“d”
Tempo de
ressuprimento
Lote
de
ressuprimento
Ponto
de
ressuprimento
Modelo de “ponto de
reposição”
9
Q
t t t t t t
T
C
t
C
t
C
t
C
t
C
t
C
t
Exemplo : Sabendo-se que uma empresa consome 2.400 bombas d’água
por ano, analise a Curva Dente de Serra acima e responda : Quanto é
CT , T , n , t , Q e Ct ? Obs. : ano de 360 dias
dias
360
ano
1
T
:
)
ano
em
casos
dos
maioria
na
estudado
(
consumo
de
Tempo =
=
período
/
bombas
400
C
períodos
6
ano
/
bombas
2400
C
:
período
no
Consumo t
t =
=
ano
/
bombas
2400
C
:
anual
Consumo T =
pedidos
6
n
:
compra
de
lotes
de
número
ou
pedidos
de
número =
dias
60
t
períodos
6
dias
360
t
:
compra
de
lote
do
consumo
de
tempo =
=
mês
/
bombas
200
C
ou
bimestre
/
bombas
400
C
:
seja
ou t
t =
=
pedido
/
bombas
400
pedidos
6
ano
/
bombas
2400
Q
:
compra
de
lote
do
tamanho =
=
10
dias
360
ano
1
T
:
)
ano
em
casos
dos
maioria
na
estudado
(
consumo
de
Tempo =
=
período
/
bombas
400
C
períodos
6
ano
/
bombas
2400
C
:
período
no
Consumo t
t =
=
ano
/
bombas
2400
C
:
anual
Consumo T =
pedidos
6
n
:
compra
de
lotes
de
número
ou
pedidos
de
número =
dias
60
t
períodos
6
dias
360
t
:
compra
de
lote
do
consumo
de
tempo =
=
mês
/
bombas
200
C
ou
bimestre
/
bombas
400
C
:
seja
ou t
t =
=
pedido
/
bombas
400
pedidos
6
ano
/
bombas
2400
Q
:
compra
de
lote
do
tamanho =
=
Vejamos os dados lançados na Curva Dente de Serra :
4
0
0
b
o
m
b
a
s
/
b
i
m
−
400
dias
60
dias
360
4
0
0
b
o
m
b
a
s
/
b
i
m
dias
60
−
400
4
0
0
b
o
m
b
a
s
/
b
i
m
dias
60
−
400 4
0
0
b
o
m
b
a
s
/
b
i
m
dias
60
−
400
4
0
0
b
o
m
b
a
s
/
b
i
m
dias
60
−
400
4
0
0
b
o
m
b
a
s
/
b
i
m
dias
60
−
400
1 2 3 4 5 6
11
Por definição, o número de pedidos ( n ) e o tempo de consumo do lote
de compra ou tempo entre os ressuprimentos ( t ) podem ser assim
calculados :
Q
C
n =
pedido
/
bombas
400
ano
/
bombas
2400
n
exemplo
nosso
no = pedidos
6
n =
C
Q
t = ano
...
1666
,
0
t =
ano
/
bombas
2400
pedido
/
bombas
400
t
exemplo
nosso
no =
Por ser muito estranho apresentarmos o tempo em ano, podemos
apresentar o tempo em dias, vejamos :
dias
360
ano
...
1666
,
0
t 
= dias
60
t =
12
ESTOQUE MÍNIMO OU ESTOQUE DE SEGURANÇA
O ciclo dente de serra nem sempre tem comportamento perfeito. Este ciclo
será sempre repetitivo e constante se não existir alteração de consumo
durante o tempo t ; não existirem falhas administrativas que provoquem
um esquecimento ao solicitar a compra ; o fornecedor do material nunca
atrasar sua entrega e , nenhuma entrega do fornecedor for rejeitada pelo
controle da qualidade.
Como já sabemos, a prática mostra-nos que estas condições
desfavoráveis ocorrem com freqüência. Portanto, deve-se criar um sistema
que absorva as eventualidades, para assim diminuir o risco de ficarmos
com um estoque a zero ( ruptura de estoque ) durante o período de
consumo. Criamos então o ESTOQUE MÍNIMO ( ) ou Estoque de
Segurança ( )
Para garantir disponibilidade do produto, deve-se manter um estoque
adicional (estoque de segurança) que são adicionados aos estoques
regulares para atender as necessidades de produção ou de mercado.
min
E
ES
13
Q
'
t
t
C
t
C
t
C
t
C
t
min
E
0
max
E
ES
Podemos afirmar que no
estoque forma-se um
estoque máximo, quando
da chegada do lote de
compra :
Q
E
E min
max +
=
Sistemas de revisão continua
O ponto de ressuprimento foi elevado de 60 para 80 unidades o que
permite um estoque de segurança de 20 unidades. Caso não houvesse
este estoque ocorreria falta de material entre o dia 18 e 19 de produção
Dias de produção
Estoque
LC
10 20 30
TR
Ponto de Ressuprimento
100
80
LC
20
LC
Estoque de Segurança
TR TR
15
TEMPO DE REPOSIÇÃO E PONTO DE PEDIDO
Tempo de reposição ( Tr ) : ( também conhecido como Tempo de aquisição,
Espera ou Lead Time ), é o tempo gasto desde a verificação de que o
estoque precisa ser reposto até a efetiva disponibilidade do material ao
usuário.
A medida que estudamos o Tempo de Reposição ( Tr ), podemos então
determinar o Ponto de Pedido ( PP ):
Ponto de Pedido ( PP ) : um ponto que representa, em quantidade, quando
um determinado item necessita de um ressuprimento. O PP é
representado, portanto, pelo saldo do item em estoque, que deverá
suportar o consumo durante o tempo de reposição até a entrada do novo
suprimento.
16
Tr
.
C
Tr
PP
max
E
min
E
tempo
0
min
E
)
Tr
C
(
PP +

=
Q
C
17
Exemplo : Uma peça é consumida a uma razão de 320 unidades por mês.
Seu tempo de reposição é de 2 meses. Sabendo-se que o estoque mínimo
é de 100 unidades, pergunta-se : Qual deve ser o Ponto de Pedido ?
mês
/
unidades
320
C =
meses
2
Tr =
unidades
100
Emin =
min
E
)
Tr
C
(
PP +

=
100
)
2
320
(
PP +

=
100
640
PP +
= .
unid
740
PP =
Se : então :
640
meses
2
100
740
Tr
max
E
min
E
tempo
0
Q
C
18
Outro exemplo : Um tipo de chip é consumido em uma razão de 180
unidades / mês. A fábrica exige um estoque mínimo de 20 unidades.
Sabendo-se que o tempo de reposição é de 9 dias, pergunta-se : Qual deve
ser o Ponto de Pedido ?
mês
/
unidades
180
C =
mês
3
,
0
30
9
dias
9
Tr =
=
=
unidades
20
Emin =
min
E
)
Tr
C
(
PP +

=
20
)
3
,
0
180
(
PP +

=
20
54
PP +
=
unidades
74
PP =
Se : então :
Importante
trabalhar sempre na mesma base
19
Exercício 23 . Se a demanda de um componente é de 200 unidades por
semana , o lead time ( tempo de reposição ) é de três semanas e o estoque
de segurança é de 300 unidades ; pergunta-se : Qual o ponto de pedido ?
semana
/
.
unid
200
C =
semanas
3
Tr =
unidades
300
Emin =
min
E
)
Tr
C
(
PP +

=
300
)
3
200
(
PP +

=
300
600
PP +
= .
unid
900
PP =
Se : então :
Exercício 24 . Um certo componente importado é consumido a uma razão
de 14 unidades por dia e o seu tempo de reposição ( lead time ) é de hum
mês e meio . Sabendo-se que o estoque mínimo exigido pela empresa é de
100 unidades , pergunta-se : Qual o ponto de pedido ?
dia
/
unidades
14
C =
dias
45
mês
5
,
1
Tr =
=
unidades
100
Emin =
min
E
)
Tr
C
(
PP +

=
100
)
45
14
(
PP +

=
100
630
PP +
= .
unid
730
PP =
Se : então :
20
Exercício 25 . Se uma empresa deseja manter um estoque de segurança
de 250 unidades de um certo componente e tem uma demanda deste
componente em uma razão de 75 unidades por mês, pergunta-se : Qual
deve ser o ponto de nova encomenda sabendo-se que o tempo de
aquisição ( espera ) é de 12 dias ?
mês
/
unidades
75
C =
mês
4
,
0
30
12
Tr =
=
unidades
250
Emin =
min
E
)
Tr
C
(
PP +

=
250
)
4
,
0
75
(
PP +

=
250
30
PP +
=
unidades
280
PP =
Se : então :
21
Exercício 26. O consumo médio de um produto é de 3.000 unidades /
bimestre. O estoque mínimo corresponde à metade do consumo durante o
tempo de reposição que é de um mês. Pergunta-se : Qual o ponto de
pedido ?
C = 3.000 unidades / bimestre ou C = 1500 unidades / mês Tr = 1 mês
: se o tempo de reposição é de 01 mês e o estoque mínimo
corresponde a metade do consumo durante este tempo, então o estoque
mínimo é a metade de 1500 unidades. Portanto :
min
E
unidades
750
Emin =
mês
/
.
unid
1500
C =
mês
1
Tr =
unidades
750
Emin =
min
E
)
Tr
C
(
PP +

=
750
)
1
1500
(
PP +

=
750
1500
PP +
= .
unid
250
.
2
PP =
Se : então :
22
DETERMINAÇÃO DO ESTOQUE MÍNIMO
O Estoque Mínimo ( ) ou também chamado estoque de segurança
( ), por definição, é a quantidade mínima que deve existir em estoque,
que se destina a cobrir eventuais retardamentos no ressuprimento,
oscilação no consumo, variação na qualidade (rejeições), remessas
divergentes e diferenças de inventário. O estoque mínimo objetiva a
garantia do funcionamento ininterrupto e eficiência do processo produtivo
e de serviços sem o risco da falta (ruptura de estoque).
min
E
ES
23
MÉTODO DO GRAU DE ATENDIMENTO
Exemplo : Em uma indústria de motores, um rolamento tem um grau de
atendimento de 80%. Sabendo-se que o consumo mensal é de 200
unidades, pergunta-se : Qual deve ser o estoque mínimo ?
o
atendiment
de
grau
K
e
consumo
C
:
onde =
=
K
C
Emin 
=
K
C
Emin 
= 8
,
0
200
Emin 
=
unidades
160
Emin =
mês
/
unidades
200
C =
80
,
0
%
80
K =
=
Determinamos o por um fator arbitrário, que é o grau de
atendimento que indica, em porcentagem, o quanto da parcela da previsão
de consumo ( ) ou demanda deverá permanecer no estoque. Portanto ao
determinarmos estaremos também determinando o risco de ruptura de
estoque.
min
E K
K
C
24
Cuidado : ao invés do grau de atendimento o
examinador pode dar o risco de ruptura do
estoque.
25
Exercício 41. Um posto de gasolina tem um grau de atendimento de 40%.
Sabendo-se que a demanda do posto é de 180.000 litros por quinzena,
pergunta-se :
Qual deve ser o seu estoque mínimo ?
K
C
Emin 
= 4
,
0
180000
Emin 
=
litros
000
.
72
Emin =
quinzena
/
litros
180000
C =
40
,
0
%
40
K =
=
Exercício 42. Um bufê estima uma demanda de 2500 salgadinhos em uma
festa de casamento. Querendo correr um risco de 10% do ver o estoque
chegar a zero, pergunta-se :
Qual deve ser o estoque mínimo ?
K
C
Emin 
= 9
,
0
2500
Emin 
=
s
salgadinho
250
.
2
Emin =
s
salgadinho
2500
C =
90
,
0
%
90
K
%
10
Risco =
=

=
e 53
26
Exercício 43. Uma loja de utensílios de cozinha tem um estoque mínimo de
50 panelas de pressão Clock de 5 litros. Se estima um consumo mensal de
250 unidades, pergunta-se : Qual o fator de segurança ( grau de
atendimento ) ?
K
C
Emin 
= K
250
50 
=
%
20
K =
mês
/
unidades
250
C =
unidades
50
Emin =
Exercício 44. Qual o risco do não-atendimento aos seus clientes, se uma
distribuidora de água mineral mantém um estoque mínimo de 420 galões,
sabendo-se que a demanda semanal está estimada em 1050 galões ?
K
C
Emin 
=
semana
/
galões
1050
C =
?
K =
250
50
K =
20
,
0
K =
unidades
420
Emin =
?
Risco =
K
1050
420 
=
%
60
Risco =
1050
420
K =
40
,
0
K = :
então
%
40
K
:
se =
27
Exercício 45. Uma loja corre um risco de 30% no atendimento de certo
produto. Sabendo que o consumo é em média de 1.200 unidades por semana,
pergunta-se : Com que quantidade mínima a loja vem trabalhando ?
K
C
Emin 
=
semana
/
unidades
1200
C =
?
Emin =
%
30
Risco =
70
,
0
1200
Emin 
=
unidades
840
Emin =
70
,
0
K
%
70
K =

=


Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Calculo giro de estoque
Calculo giro de estoqueCalculo giro de estoque
Calculo giro de estoque
Marcelo Lieuthier
 
2 slides - gestão de estoques
2   slides - gestão de estoques2   slides - gestão de estoques
2 slides - gestão de estoques
Caio Roberto de Souza Filho
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
Adilson Paradella
 
Aula Compras
Aula ComprasAula Compras
Aula Compras
Wilian Gatti Jr
 
Logistica reversa
Logistica reversaLogistica reversa
Logistica reversa
Rio de Sustentabilidade
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
Moises Ribeiro
 
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
Luciano Nicoletti Junior
 
Introdução à gestão de estoques
Introdução à gestão de estoquesIntrodução à gestão de estoques
Introdução à gestão de estoques
ProfessorRogerioSant
 
04 aula estocagem
04 aula estocagem04 aula estocagem
04 aula estocagem
Homero Alves de Lima
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
Homero Alves de Lima
 
Gestão de Armazéns
Gestão de ArmazénsGestão de Armazéns
Gestão de Armazéns
CLT Valuebased Services
 
Gestão de estoque
Gestão de estoqueGestão de estoque
Gestão de estoque
Ângelo Xavier
 
Almoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagemAlmoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagem
Antonio Marcos Montai Messias
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoque
Elvis Bruno
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
Luiz Carlos Oliveira
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
Studiesfree
 
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Mauro Enrique
 
82 slids processo logístico sc supplychain unifor 2014
82 slids  processo logístico  sc   supplychain  unifor  201482 slids  processo logístico  sc   supplychain  unifor  2014
82 slids processo logístico sc supplychain unifor 2014
delano chaves gurgel do amaral
 
Cadeia de Suprimentos
Cadeia de SuprimentosCadeia de Suprimentos
Cadeia de Suprimentos
Adeildo Caboclo
 

Mais procurados (20)

Calculo giro de estoque
Calculo giro de estoqueCalculo giro de estoque
Calculo giro de estoque
 
2 slides - gestão de estoques
2   slides - gestão de estoques2   slides - gestão de estoques
2 slides - gestão de estoques
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Aula Compras
Aula ComprasAula Compras
Aula Compras
 
Logistica reversa
Logistica reversaLogistica reversa
Logistica reversa
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
 
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
 
Introdução à gestão de estoques
Introdução à gestão de estoquesIntrodução à gestão de estoques
Introdução à gestão de estoques
 
04 aula estocagem
04 aula estocagem04 aula estocagem
04 aula estocagem
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
 
Gestão de Armazéns
Gestão de ArmazénsGestão de Armazéns
Gestão de Armazéns
 
Gestão de estoque
Gestão de estoqueGestão de estoque
Gestão de estoque
 
Almoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagemAlmoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagem
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoque
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
 
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 
82 slids processo logístico sc supplychain unifor 2014
82 slids  processo logístico  sc   supplychain  unifor  201482 slids  processo logístico  sc   supplychain  unifor  2014
82 slids processo logístico sc supplychain unifor 2014
 
Cadeia de Suprimentos
Cadeia de SuprimentosCadeia de Suprimentos
Cadeia de Suprimentos
 

Semelhante a Aula 2 - Estoque Minimo.pdf

NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptxNIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
Jannieli Moraes
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
douglas
 
O plano de reposição de estoques
O plano de reposição de estoquesO plano de reposição de estoques
O plano de reposição de estoques
Carlos Alexandre Sá
 
ESTUDO DE CASO - APLICAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES EM UMA EMPR...
ESTUDO DE CASO - APLICAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES EM UMA EMPR...ESTUDO DE CASO - APLICAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES EM UMA EMPR...
ESTUDO DE CASO - APLICAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES EM UMA EMPR...
GlaucoVelosodosSantos
 
Cap_17_Gestao_de_estoques (2).ppt
Cap_17_Gestao_de_estoques (2).pptCap_17_Gestao_de_estoques (2).ppt
Cap_17_Gestao_de_estoques (2).ppt
maxwellbarboxa
 
Cap_17_Gestao_de_estoques.ppt
Cap_17_Gestao_de_estoques.pptCap_17_Gestao_de_estoques.ppt
Cap_17_Gestao_de_estoques.ppt
Carla Dimarães
 
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfAula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Pedro Luis Moraes
 
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfAula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Pedro Luis Moraes
 
T&q
T&qT&q
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdfAULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
BiancaOliveira126839
 
Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)
Hidrologia UFC
 
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadistaCustos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Agnaldo Cruz
 
Abraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
Abraao Conceitos de gestao de estoques.pptAbraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
Abraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
AndersonBarbosa629031
 
Aula 04_AML.pdf
Aula 04_AML.pdfAula 04_AML.pdf
Aula 04_AML.pdf
RADistribuidora
 
Lote economico de compra. Material sobre LEC
Lote economico de compra. Material sobre LECLote economico de compra. Material sobre LEC
Lote economico de compra. Material sobre LEC
clebertonfranceski1
 
Cap6Stocks.ppt
Cap6Stocks.pptCap6Stocks.ppt
Cap6Stocks.ppt
DilangueRicardoPasso
 
Log
LogLog
JIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULARJIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULAR
Rogerio Riedo Picilli
 

Semelhante a Aula 2 - Estoque Minimo.pdf (18)

NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptxNIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
 
O plano de reposição de estoques
O plano de reposição de estoquesO plano de reposição de estoques
O plano de reposição de estoques
 
ESTUDO DE CASO - APLICAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES EM UMA EMPR...
ESTUDO DE CASO - APLICAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES EM UMA EMPR...ESTUDO DE CASO - APLICAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES EM UMA EMPR...
ESTUDO DE CASO - APLICAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES EM UMA EMPR...
 
Cap_17_Gestao_de_estoques (2).ppt
Cap_17_Gestao_de_estoques (2).pptCap_17_Gestao_de_estoques (2).ppt
Cap_17_Gestao_de_estoques (2).ppt
 
Cap_17_Gestao_de_estoques.ppt
Cap_17_Gestao_de_estoques.pptCap_17_Gestao_de_estoques.ppt
Cap_17_Gestao_de_estoques.ppt
 
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfAula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
 
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfAula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
 
T&q
T&qT&q
T&q
 
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdfAULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
 
Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)
 
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadistaCustos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
 
Abraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
Abraao Conceitos de gestao de estoques.pptAbraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
Abraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
 
Aula 04_AML.pdf
Aula 04_AML.pdfAula 04_AML.pdf
Aula 04_AML.pdf
 
Lote economico de compra. Material sobre LEC
Lote economico de compra. Material sobre LECLote economico de compra. Material sobre LEC
Lote economico de compra. Material sobre LEC
 
Cap6Stocks.ppt
Cap6Stocks.pptCap6Stocks.ppt
Cap6Stocks.ppt
 
Log
LogLog
Log
 
JIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULARJIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULAR
 

Mais de ProfJlioCzarIacia

Cap1Aula1Perfil.ppt
Cap1Aula1Perfil.pptCap1Aula1Perfil.ppt
Cap1Aula1Perfil.ppt
ProfJlioCzarIacia
 
painel7_Eduardo.ppt
painel7_Eduardo.pptpainel7_Eduardo.ppt
painel7_Eduardo.ppt
ProfJlioCzarIacia
 
Etanol16.ppt
Etanol16.pptEtanol16.ppt
Etanol16.ppt
ProfJlioCzarIacia
 
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdfAula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
ProfJlioCzarIacia
 
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptxAula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
ProfJlioCzarIacia
 
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
ProfJlioCzarIacia
 

Mais de ProfJlioCzarIacia (6)

Cap1Aula1Perfil.ppt
Cap1Aula1Perfil.pptCap1Aula1Perfil.ppt
Cap1Aula1Perfil.ppt
 
painel7_Eduardo.ppt
painel7_Eduardo.pptpainel7_Eduardo.ppt
painel7_Eduardo.ppt
 
Etanol16.ppt
Etanol16.pptEtanol16.ppt
Etanol16.ppt
 
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdfAula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
 
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptxAula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
 
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
 

Último

LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 

Último (20)

LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 

Aula 2 - Estoque Minimo.pdf

  • 1. Gerenciamento de Estoques 1. PONTO DE PEDIDO 2. ESTOQUE DE SEGURANÇA 1
  • 2. Por que surgem os estoques? Por que surgem os estoques? Impossível/inviável coordenar suprimento e demanda Incerteza de previsões Necessidades de preencher canal de distribuição (“pipeline”) Especulação capacidade informação obtenção tecnologia suprimento demanda escassez oportuni- dade Motivos para surgimento de estoques
  • 3. Sistemas de revisão continua O método de ressuprimento consiste em definir a forma com que os estoques são reabastecidos. O método adotado vai influenciar nos estoques de segurança. Sistema de revisão contínua, Sistema de revisão periódica, Sistema de duas gavetas Estoque Dias de produção LC 10 20 30 0 TR PR Estoque Máximo 100 60
  • 4. 4 NÍVEIS DE ESTOQUE Três conceitos básicos : ❑ Curva Dente de Serra ❑ Tempo de Reposição ( Tr ) e Ponto de Pedido ( PP ) ❑ Determinação do Estoque Mínimo ( ) ou Estoque de Segurança ( ) min E ES
  • 5. 5 CURVA DENTE DE SERRA É a representação gráfica da movimentação ( entrada e saída ) de uma peça dentro de um sistema de estoque, em que no eixo das ordenadas plotamos as quantidades ( Q ), no eixo das abscissas plotamos o tempo de consumo ( t ) do estoque e , unindo a quantidade ao tempo de consumo, plotamos uma reta representativa da razão de consumo ( C ) . A repetição deste esquema forma a Curva Dente de Serra. Quantidade Q 0 t tempo C t C t C t
  • 7. 7 Podemos inserir na curva dente de serra mais um elemento : O tempo ( T ) que nada mais é do que o tempo de consumo em um determinado produto em um certo período de tempo. Vejamos : T Q t t t t t t C t C t C t C t C t C t
  • 9. 9 Q t t t t t t T C t C t C t C t C t C t Exemplo : Sabendo-se que uma empresa consome 2.400 bombas d’água por ano, analise a Curva Dente de Serra acima e responda : Quanto é CT , T , n , t , Q e Ct ? Obs. : ano de 360 dias dias 360 ano 1 T : ) ano em casos dos maioria na estudado ( consumo de Tempo = = período / bombas 400 C períodos 6 ano / bombas 2400 C : período no Consumo t t = = ano / bombas 2400 C : anual Consumo T = pedidos 6 n : compra de lotes de número ou pedidos de número = dias 60 t períodos 6 dias 360 t : compra de lote do consumo de tempo = = mês / bombas 200 C ou bimestre / bombas 400 C : seja ou t t = = pedido / bombas 400 pedidos 6 ano / bombas 2400 Q : compra de lote do tamanho = =
  • 10. 10 dias 360 ano 1 T : ) ano em casos dos maioria na estudado ( consumo de Tempo = = período / bombas 400 C períodos 6 ano / bombas 2400 C : período no Consumo t t = = ano / bombas 2400 C : anual Consumo T = pedidos 6 n : compra de lotes de número ou pedidos de número = dias 60 t períodos 6 dias 360 t : compra de lote do consumo de tempo = = mês / bombas 200 C ou bimestre / bombas 400 C : seja ou t t = = pedido / bombas 400 pedidos 6 ano / bombas 2400 Q : compra de lote do tamanho = = Vejamos os dados lançados na Curva Dente de Serra : 4 0 0 b o m b a s / b i m − 400 dias 60 dias 360 4 0 0 b o m b a s / b i m dias 60 − 400 4 0 0 b o m b a s / b i m dias 60 − 400 4 0 0 b o m b a s / b i m dias 60 − 400 4 0 0 b o m b a s / b i m dias 60 − 400 4 0 0 b o m b a s / b i m dias 60 − 400 1 2 3 4 5 6
  • 11. 11 Por definição, o número de pedidos ( n ) e o tempo de consumo do lote de compra ou tempo entre os ressuprimentos ( t ) podem ser assim calculados : Q C n = pedido / bombas 400 ano / bombas 2400 n exemplo nosso no = pedidos 6 n = C Q t = ano ... 1666 , 0 t = ano / bombas 2400 pedido / bombas 400 t exemplo nosso no = Por ser muito estranho apresentarmos o tempo em ano, podemos apresentar o tempo em dias, vejamos : dias 360 ano ... 1666 , 0 t  = dias 60 t =
  • 12. 12 ESTOQUE MÍNIMO OU ESTOQUE DE SEGURANÇA O ciclo dente de serra nem sempre tem comportamento perfeito. Este ciclo será sempre repetitivo e constante se não existir alteração de consumo durante o tempo t ; não existirem falhas administrativas que provoquem um esquecimento ao solicitar a compra ; o fornecedor do material nunca atrasar sua entrega e , nenhuma entrega do fornecedor for rejeitada pelo controle da qualidade. Como já sabemos, a prática mostra-nos que estas condições desfavoráveis ocorrem com freqüência. Portanto, deve-se criar um sistema que absorva as eventualidades, para assim diminuir o risco de ficarmos com um estoque a zero ( ruptura de estoque ) durante o período de consumo. Criamos então o ESTOQUE MÍNIMO ( ) ou Estoque de Segurança ( ) Para garantir disponibilidade do produto, deve-se manter um estoque adicional (estoque de segurança) que são adicionados aos estoques regulares para atender as necessidades de produção ou de mercado. min E ES
  • 13. 13 Q ' t t C t C t C t C t min E 0 max E ES Podemos afirmar que no estoque forma-se um estoque máximo, quando da chegada do lote de compra : Q E E min max + =
  • 14. Sistemas de revisão continua O ponto de ressuprimento foi elevado de 60 para 80 unidades o que permite um estoque de segurança de 20 unidades. Caso não houvesse este estoque ocorreria falta de material entre o dia 18 e 19 de produção Dias de produção Estoque LC 10 20 30 TR Ponto de Ressuprimento 100 80 LC 20 LC Estoque de Segurança TR TR
  • 15. 15 TEMPO DE REPOSIÇÃO E PONTO DE PEDIDO Tempo de reposição ( Tr ) : ( também conhecido como Tempo de aquisição, Espera ou Lead Time ), é o tempo gasto desde a verificação de que o estoque precisa ser reposto até a efetiva disponibilidade do material ao usuário. A medida que estudamos o Tempo de Reposição ( Tr ), podemos então determinar o Ponto de Pedido ( PP ): Ponto de Pedido ( PP ) : um ponto que representa, em quantidade, quando um determinado item necessita de um ressuprimento. O PP é representado, portanto, pelo saldo do item em estoque, que deverá suportar o consumo durante o tempo de reposição até a entrada do novo suprimento.
  • 17. 17 Exemplo : Uma peça é consumida a uma razão de 320 unidades por mês. Seu tempo de reposição é de 2 meses. Sabendo-se que o estoque mínimo é de 100 unidades, pergunta-se : Qual deve ser o Ponto de Pedido ? mês / unidades 320 C = meses 2 Tr = unidades 100 Emin = min E ) Tr C ( PP +  = 100 ) 2 320 ( PP +  = 100 640 PP + = . unid 740 PP = Se : então : 640 meses 2 100 740 Tr max E min E tempo 0 Q C
  • 18. 18 Outro exemplo : Um tipo de chip é consumido em uma razão de 180 unidades / mês. A fábrica exige um estoque mínimo de 20 unidades. Sabendo-se que o tempo de reposição é de 9 dias, pergunta-se : Qual deve ser o Ponto de Pedido ? mês / unidades 180 C = mês 3 , 0 30 9 dias 9 Tr = = = unidades 20 Emin = min E ) Tr C ( PP +  = 20 ) 3 , 0 180 ( PP +  = 20 54 PP + = unidades 74 PP = Se : então : Importante trabalhar sempre na mesma base
  • 19. 19 Exercício 23 . Se a demanda de um componente é de 200 unidades por semana , o lead time ( tempo de reposição ) é de três semanas e o estoque de segurança é de 300 unidades ; pergunta-se : Qual o ponto de pedido ? semana / . unid 200 C = semanas 3 Tr = unidades 300 Emin = min E ) Tr C ( PP +  = 300 ) 3 200 ( PP +  = 300 600 PP + = . unid 900 PP = Se : então : Exercício 24 . Um certo componente importado é consumido a uma razão de 14 unidades por dia e o seu tempo de reposição ( lead time ) é de hum mês e meio . Sabendo-se que o estoque mínimo exigido pela empresa é de 100 unidades , pergunta-se : Qual o ponto de pedido ? dia / unidades 14 C = dias 45 mês 5 , 1 Tr = = unidades 100 Emin = min E ) Tr C ( PP +  = 100 ) 45 14 ( PP +  = 100 630 PP + = . unid 730 PP = Se : então :
  • 20. 20 Exercício 25 . Se uma empresa deseja manter um estoque de segurança de 250 unidades de um certo componente e tem uma demanda deste componente em uma razão de 75 unidades por mês, pergunta-se : Qual deve ser o ponto de nova encomenda sabendo-se que o tempo de aquisição ( espera ) é de 12 dias ? mês / unidades 75 C = mês 4 , 0 30 12 Tr = = unidades 250 Emin = min E ) Tr C ( PP +  = 250 ) 4 , 0 75 ( PP +  = 250 30 PP + = unidades 280 PP = Se : então :
  • 21. 21 Exercício 26. O consumo médio de um produto é de 3.000 unidades / bimestre. O estoque mínimo corresponde à metade do consumo durante o tempo de reposição que é de um mês. Pergunta-se : Qual o ponto de pedido ? C = 3.000 unidades / bimestre ou C = 1500 unidades / mês Tr = 1 mês : se o tempo de reposição é de 01 mês e o estoque mínimo corresponde a metade do consumo durante este tempo, então o estoque mínimo é a metade de 1500 unidades. Portanto : min E unidades 750 Emin = mês / . unid 1500 C = mês 1 Tr = unidades 750 Emin = min E ) Tr C ( PP +  = 750 ) 1 1500 ( PP +  = 750 1500 PP + = . unid 250 . 2 PP = Se : então :
  • 22. 22 DETERMINAÇÃO DO ESTOQUE MÍNIMO O Estoque Mínimo ( ) ou também chamado estoque de segurança ( ), por definição, é a quantidade mínima que deve existir em estoque, que se destina a cobrir eventuais retardamentos no ressuprimento, oscilação no consumo, variação na qualidade (rejeições), remessas divergentes e diferenças de inventário. O estoque mínimo objetiva a garantia do funcionamento ininterrupto e eficiência do processo produtivo e de serviços sem o risco da falta (ruptura de estoque). min E ES
  • 23. 23 MÉTODO DO GRAU DE ATENDIMENTO Exemplo : Em uma indústria de motores, um rolamento tem um grau de atendimento de 80%. Sabendo-se que o consumo mensal é de 200 unidades, pergunta-se : Qual deve ser o estoque mínimo ? o atendiment de grau K e consumo C : onde = = K C Emin  = K C Emin  = 8 , 0 200 Emin  = unidades 160 Emin = mês / unidades 200 C = 80 , 0 % 80 K = = Determinamos o por um fator arbitrário, que é o grau de atendimento que indica, em porcentagem, o quanto da parcela da previsão de consumo ( ) ou demanda deverá permanecer no estoque. Portanto ao determinarmos estaremos também determinando o risco de ruptura de estoque. min E K K C
  • 24. 24 Cuidado : ao invés do grau de atendimento o examinador pode dar o risco de ruptura do estoque.
  • 25. 25 Exercício 41. Um posto de gasolina tem um grau de atendimento de 40%. Sabendo-se que a demanda do posto é de 180.000 litros por quinzena, pergunta-se : Qual deve ser o seu estoque mínimo ? K C Emin  = 4 , 0 180000 Emin  = litros 000 . 72 Emin = quinzena / litros 180000 C = 40 , 0 % 40 K = = Exercício 42. Um bufê estima uma demanda de 2500 salgadinhos em uma festa de casamento. Querendo correr um risco de 10% do ver o estoque chegar a zero, pergunta-se : Qual deve ser o estoque mínimo ? K C Emin  = 9 , 0 2500 Emin  = s salgadinho 250 . 2 Emin = s salgadinho 2500 C = 90 , 0 % 90 K % 10 Risco = =  = e 53
  • 26. 26 Exercício 43. Uma loja de utensílios de cozinha tem um estoque mínimo de 50 panelas de pressão Clock de 5 litros. Se estima um consumo mensal de 250 unidades, pergunta-se : Qual o fator de segurança ( grau de atendimento ) ? K C Emin  = K 250 50  = % 20 K = mês / unidades 250 C = unidades 50 Emin = Exercício 44. Qual o risco do não-atendimento aos seus clientes, se uma distribuidora de água mineral mantém um estoque mínimo de 420 galões, sabendo-se que a demanda semanal está estimada em 1050 galões ? K C Emin  = semana / galões 1050 C = ? K = 250 50 K = 20 , 0 K = unidades 420 Emin = ? Risco = K 1050 420  = % 60 Risco = 1050 420 K = 40 , 0 K = : então % 40 K : se =
  • 27. 27 Exercício 45. Uma loja corre um risco de 30% no atendimento de certo produto. Sabendo que o consumo é em média de 1.200 unidades por semana, pergunta-se : Com que quantidade mínima a loja vem trabalhando ? K C Emin  = semana / unidades 1200 C = ? Emin = % 30 Risco = 70 , 0 1200 Emin  = unidades 840 Emin = 70 , 0 K % 70 K =  = 