SlideShare uma empresa Scribd logo
Eduardo Leão
Diretor Executivo - UNICA
Conferencia Internacional Ethos 2008
Painel 7 – Gestão Sustentável dos Agronegócios
São Paulo – 29/05/2008
A Sustentabilidade da Indústria
Brasileira de Cana-de-açúcar
1. Vantagens Competitivas da cana-de-açúcar brasileira
2. Agenda Socioambiental - UNICA
 Protocolo Agroambiental
 Protocolo UNICA-FERAESP
 Grupo de Diálogo da Cana-de-açúcar – GDC
3. Biocombustíveis e Sustentabilidade - “uma nova abordagem”
 Mudanças no Uso da Terra
 Segurança Alimentar: Alimentos vs. Energia
 Certificação socioambiental de biocombustíveis
Sumário
1. Vantagens
Competitivas da
cana-de-açúcar brasileira
Vantagens Competitivas da cana-de-açúcar brasileira
A industria de cana-de-açúcar brasileira oferece um excelente exemplo de como as
questões sociais, econômicas e ambientais podem ser colocadas no contexto do
Desenvolvimento Sustentado.
Atualmente, o etanol brasileiro representa a melhor
opção para produção sustentável de
biocombustíveis.
Mitigando o Aquecimento Global
Redução de Gases de Efeito Estufa
Varias estimativas baseadas na análise de ciclo de vida mostram que o etanol de cana
reduz as emissões de GEE em até 90%, quando comparado com a gasolina.
Mitigando o Aquecimento Global
Balanço Energético
O Balanço Energético do etanol brasileiro é 4,5 vezes melhor do que do etanol produzido
de beterraba ou trigo e quase 7 vezes melhor do que do etanol produzido de milho.
Mitigando o Aquecimento Global
Usinas 100% auto-suficiente em energia
As usinas brasileiras de açúcar e etanol geram sua própria energia elétrica
através da queima do bagaço da cana e também produzem excedentes de energia
que pode ser vendidos no mercado de nacional energia.
Mitigando o Aquecimento Global
Alta Produtividade
Sources: IEA – International Energy Agency (2005) e MTEC.
Ethanol yields
Liters per hectare
Melhores Práticas Agrícolas e Ambientais
 Baixo uso de pesticidas
 Não utilização de fungicidas
 Manejo integrado de praga
 Uso de vinhaça e torta de filtro
 Relativamente pouca perda de solo
devido a natureza semi-pereni da cana
(replantada somente a cada 6 anos).
 Tendência de redução devido ao
aumento da quantidade de palha no
chão (corte mecanizado).
 A produção de cana no região
Centro-sul praticamente não usa
irrigação.
 Fertirrigação: uso de vinhaça.
 Forte redução no uso de água no
processamento da cana nos
últimos anos: de 5m3/t para 1m3/t.
2. Agenda Socioambiental
UNICA
Protocolo Agroambiental
 Assinado pelo Governo do Estado de São Paulo (Secretaria do Meio
Ambiente e Secretaria da Agricultura e Abastecimento) e pela UNICA, em 04
de junho de 2007.
Diretivas do Protocolo
 Antecipação dos prazos para a eliminação da queima da cana-de-açúcar
 Proteção de matas ciliares e recuperação daquelas ao redor de nascentes
 Planos técnicos de conservação do solo e dos recursos hídricos
 Medidas de redução de emissões atmosféricas
 As novas áreas de expansão devem ser colhidas mecanicamente
Protocolo Agroambiental
20%
30%
40%
50%
60%
70%
80%
90%
100%
2006 2010 2011 2014 2016 2021
Percentual
de
cana
colhida
sem
queima
Lei 11.241/02
Protocolo
Agroambiental
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
80%
90%
100%
2007 2010 2011 2016 2017 2021 2026 2031
Percentual
de
cana
colhida
sem
queima
Lei 11.241/02
Protocolo
Agroambiental
Nota: os pontos destacados nas linhas do gráfico mostram os anos específicos citados na Lei ou no Protocolo.
Eliminação da queima em áreas mecanizáveis
Estado de São Paulo
Eliminação da queima em áreas não mecanizáveis
Estado de São Paulo
Protocolo Agroambiental
Resultados (dez meses após sua assinatura)
 Houve um grande avanço da colheita mecanizada (sem uso de fogo): de 34% da cana colhida no
Estado na safra 2006/2007 para 47% na safra 2007/2008. Em um ano, a área colhida sem uso de
fogo aumentou 657 mil hectares (60%), ou o equivalente a quase 1 milhão de campos de futebol.
 141 das 170 usinas de São Paulo já aderiram voluntariamente ao Protocolo.
 Mantido o ritmo de mecanização de 2007, quando 550 novas colheitadeiras entraram em
operação, será possível completar a mecanização antes mesmo dos prazos previstos no Protocolo.
 Recente adesão de 13 mil fornecedores de cana do Estado vinculados à Organização de
Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil (Orplana). Com isso, toda a cadeia de
produção de açúcar e álcool de São Paulo participa agora do Protocolo.
Protocolo UNICA-FERAESP
 Assinado em 10/02/2006, com o objetivo de aperfeiçoar as condições de
trabalho rural no setor canavieiro, avaliar e recomendar as melhores práticas
quanto ao seguintes temas:
1. Eliminação gradual da terceirização no corte manual da cana-de-açúcar
Atualmente quase que a totalidade dos associados da UNICA não mais terceirizam.
2. Melhoria no transporte de trabalhadores rurais.
3. Transparência dos sistemas de aferição e pagamento do trabalho por produção no
corte da cana-de-açúcar
4. Trabalhador Migrante
Total
Rendimento
Médio
Empregados
Cana (R$)
Salário Mínimo
(R$)
Rendimento Cana
/ Salário Mínimo
Brazil 532.263 495,20 380 30,3%
CS 268.972 624,20 380 64,3%
SP 170.326 688,90 380 81,3%
Cana-de-Açúcar: Rendimento por região (2006)
(em R$ de agosto de 2007)
São Paulo: 91,3% dos empregos (155,5 mil empregos) em 2006 eram formais
(com registro em carteira)
Obs.: No Brasil, o emprego direto no setor é de 764.000 (PNAD, 2006)
Responsabilidade Social
Projetos desenvolvidos pela UNICA
Responsabilidade
Social
IBASE
GRI
Instituto
Ethos
Projeto
Tear
Instituto
Banco
Mundial
 Programa de Responsabilidade Social Cooperativa
e Competitiva Sustentável
 Programa Parcerias Sustentáveis
Balanço Social Modelo IBASE
 entre 2003 e 2005 participaram 47 usinas
 em 2007 participaram 70 usinas
Relatório GRI
 10 usinas em 2007/2008
Parceria - BID/FUMIN / INST. ETHOS / UNICA
 Usina Santelisa Vale
Indicadores de Responsabilidade Social Empresarial
 primeira etapa: 32 associadas
 segunda etapa: participaram 30 associadas
Grupo de Diálogo da Cana-de-açúcar - GDC
FERAESP
Inst. Observ. Social
GRI
CI
TNC
WWF
ARES (facilitador)
1. Código Florestal e Paisagens Produtivas (Working Landscapes).
2. Matriz Energética e Mudanças Climáticas.
3. Condições de Trabalho.
4. Mecanização (efeitos sobre os trabalhadores / requalificação).
objetivo
Amigos da Terra
SOS-MA
UNICA
Copersucar
Cosan
Crystalsev
Guarani
ORPLANA
Processo
Multistakeholder
Nova Agenda
Socioambiental
da Cana
4. Biocombustíveis e
Sustentabilidade
“uma nova abordagem”
Mudanças no Uso da Terra
Efeito Direto (conversão de floresta)
 A UNICA reconhece como legítima a preocupação com os estoques de
carbono lançados na atmosfera devido a mudanças no uso da terra.
 Com objetivo de reduzir as emissões de GEE no mundo, nenhuma produção
de matéria-prima para bicombustíveis deve ocupar áreas sensíveis como
florestas e pantanais onde o estoque de carbono é substancial.
 Como a expansão da cana-de-açúcar no Brasil não ocorre em biomas
sensíveis, o carbono lançado na atmosfera devido a mudanças no uso da
terra não afeta o balanço de GEE da produção de etanol brasileiro.
Sources: NIPE-Unicamp, IBGE and CTC
Regiões de produção de cana no Brasil
Mudanças no Uso da Terra
Efeito Indireto
 Novos argumentos contra os biocombustíveis têm sido apresentados em estudos
recentes, baseados em modelos de simulação sobre a realocação da produção agrícola
em alguns países devido ao aumento da produção de matéria-prima para
biocombustíveis em outros países.
 Entretanto, nenhum dos modelos disponíveis produz resultados confiáveis. Os
modelos usados levam ao limite a questão dos efeitos indiretos do uso da terra,
baseados em hipótese simplistas, e apresentam várias falácias:
 Ignoram a tendência de aumento de produtividade da agricultura moderna
 Assume que toda produção agrícola deslocada que é deslocada por outra (para
biocombustíveis ou não) necessariamente será realocada em áreas de floresta (high
biodiversity areas). Ignoram conversão em áreas degradadas.
 Usam dados de desmatamento de 1990, quando as taxas de desmatamento eram altas no
mundo. Portanto, superestima as taxas de conversão de ecossistemas nativos para
agricultura
Segurança Alimentar: Alimentos vs. Energia
 A discussão sobre o conflito Alimentos vs. Energia não faz sentido no Brasil
 A área de cana deve se expandir sobre as áreas de pastagens degradadas, gerando
benefícios ambientais, econômicos e sociais.
BRASIL: VENDAS DE ÁLCOOL
(HIDRATADO E ANIDRO) E GASOLINA A
Vendas de Gasolina “A”
Vendas de álcool
Fonte: ANP e UNICA. Elaboração: Unica
ÁREA COLHIDA E PRODUÇÃO DE GRÃOS* NO BRASIL
Fonte: IBGE (2007)
Nota: 2008 – estimativa. *Grãos incluem arroz, milho, trigo, soja e feijão.
0
20,000
40,000
60,000
80,000
100,000
120,000
140,000
160,000
90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08
'000
ha
e
'000
ton
Produção de alimentos dobrou na última
década, devido principalmente aos
ganhos de produtividade
Produção de grãos
Área
CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL: ÁREA COLHIDA,
PRODUÇÃO DE ETANOL E AÇÚCAR
Fonte: IBGE (2007) e UNICA.
Elaboração: UNICA.
0
5,000
10,000
15,000
20,000
25,000
30,000
35,000
40,000
90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09
Área
('000
ha);
etanol
(mm
litros);
açúcar
('000
ton)
Etanol
Açúcar
Área
Enquanto a área de cana cresceu
85% desde 90/91, produção de
etanol aumentou em 130% e a de
açúcar em 350%
Produção de cana-de-açúcar por unidade de área (toneladas por hectare)
Produção de etanol por unidade de área (mil litros/hectare)
Nota: 07/08e – estimativa
Fonte: UNICA.
Toneladas
por
hectare
Mil
litros
por
hectare
ETANOL BRASILEIRO: EVOLUÇÃO DA
PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA E INDUSTRIAL
Taxa anual de crescimento
2,7%
Taxa anual de crescimento
1,6%
Certificação do Etanol – “A Babel das Certificações”
ETANOL
PBCB
Programa Brasileiro
de Certificação em
Biocombustíveis
Governo Brasileiro
Certificação de Biocombustíveis
Meó Consulting Team
Governo Alemão
Sustainable Production of Biomass
Cramer Commission
Governo Holandês
RTFO
Renewable Transport Fuel Obligation
Governo Reino Unido
BSI
Better Sugarcane Initiative
Reino Unido
RTSB
Round Table on Sustainable Biofuels
Suíça
SEKAB, GREENERGY
Suécia, Reino Unido
Inúmeras iniciativas
de certificação estão
em andamento
Como atender a
tantas certificações?
Diretivas da UE
União Européia
Certificações Nacionais
Certificações Institucionais
Certificações Privadas
Certificação Global do Etanol – Modelo Ideal
 Criar um foro multilateral e multistakeholder para certificação do ETANOL
como commodity global. Este processo deve considerar a sustentabilidade
de todas as matéria-prima envolvidas: cana-de-açúcar, milho, trigo,
beterraba, batata, etc).
 Deve abranger os três pilares do conceito de sustentabilidade: ambiental,
social e econômico (eficiência produtiva x subsídios).
 O processo deve seguir a metodologia usual consagrada: criar um fórum →
acordar princípios gerais → definir critérios → criar indicadores →
implementar sistemas de monitoramento.
 Deve considerar a sustentabilidade dos combustíveis fósseis x renováveis.
 Deve considerar o balanço energético e reduções efetivas de GEE.
www.unica.com.br
eduardo@unica.com.br
Obrigado.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a painel7_Eduardo.ppt

Ecodesign daceia produtiva
Ecodesign daceia produtivaEcodesign daceia produtiva
Ecodesign daceia produtiva
Eduardo Garcia
 
Aspectos e Impactos Laticinio
Aspectos e Impactos LaticinioAspectos e Impactos Laticinio
Aspectos e Impactos Laticinio
Tħiago Ivo Pereira
 
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Revista Cafeicultura
 
Seminário stab 2013 agrícola - 06. influência do clima nas doenças da cana-...
Seminário stab 2013   agrícola - 06. influência do clima nas doenças da cana-...Seminário stab 2013   agrícola - 06. influência do clima nas doenças da cana-...
Seminário stab 2013 agrícola - 06. influência do clima nas doenças da cana-...
STAB Setentrional
 
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Roque Fraga
 
Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
Lela Gomes
 
Mitigação das Emissões de Gases Efeito Estufa pelo Uso do Etanol da Cana-de-A...
Mitigação das Emissões de Gases Efeito Estufa pelo Uso do Etanol da Cana-de-A...Mitigação das Emissões de Gases Efeito Estufa pelo Uso do Etanol da Cana-de-A...
Mitigação das Emissões de Gases Efeito Estufa pelo Uso do Etanol da Cana-de-A...
ProjetoBr
 
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
afermartins
 
Sequestro de carbono
Sequestro de carbonoSequestro de carbono
Sequestro de carbono
Araguaci Andrade
 
Agroenergia
AgroenergiaAgroenergia
Agroenergia
Zeca B.
 
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidadesProtocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
alcscens
 
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
Grupo de Estudos em Cana-de-Açúcar (GECA)
 
ICONE - Agricultura de baixo impacto: construindo a economia verde brasileira...
ICONE - Agricultura de baixo impacto: construindo a economia verde brasileira...ICONE - Agricultura de baixo impacto: construindo a economia verde brasileira...
ICONE - Agricultura de baixo impacto: construindo a economia verde brasileira...
AgroTalento
 
O Novo Perfil Varietal da Cana-de-Açúcar
O Novo Perfil Varietal da Cana-de-AçúcarO Novo Perfil Varietal da Cana-de-Açúcar
O Novo Perfil Varietal da Cana-de-Açúcar
Rural Pecuária
 
Trabalho indstria
Trabalho indstriaTrabalho indstria
Trabalho indstria
joaoaliardi
 
Desafios e tecnologias para a produção orgânica
Desafios e tecnologias para a produção orgânicaDesafios e tecnologias para a produção orgânica
Desafios e tecnologias para a produção orgânica
Ronaldo Rodrigues de Sousa
 
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
ANCP Ribeirão Preto
 
2nd gen biofuels brazil
2nd gen biofuels brazil2nd gen biofuels brazil
2nd gen biofuels brazil
Jean Carlo Viterbo
 
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
alcscens
 
IAS 2023 REC.pptx
IAS 2023 REC.pptxIAS 2023 REC.pptx
IAS 2023 REC.pptx
EduardoGuambeJnior
 

Semelhante a painel7_Eduardo.ppt (20)

Ecodesign daceia produtiva
Ecodesign daceia produtivaEcodesign daceia produtiva
Ecodesign daceia produtiva
 
Aspectos e Impactos Laticinio
Aspectos e Impactos LaticinioAspectos e Impactos Laticinio
Aspectos e Impactos Laticinio
 
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
 
Seminário stab 2013 agrícola - 06. influência do clima nas doenças da cana-...
Seminário stab 2013   agrícola - 06. influência do clima nas doenças da cana-...Seminário stab 2013   agrícola - 06. influência do clima nas doenças da cana-...
Seminário stab 2013 agrícola - 06. influência do clima nas doenças da cana-...
 
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi
 
Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
 
Mitigação das Emissões de Gases Efeito Estufa pelo Uso do Etanol da Cana-de-A...
Mitigação das Emissões de Gases Efeito Estufa pelo Uso do Etanol da Cana-de-A...Mitigação das Emissões de Gases Efeito Estufa pelo Uso do Etanol da Cana-de-A...
Mitigação das Emissões de Gases Efeito Estufa pelo Uso do Etanol da Cana-de-A...
 
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
 
Sequestro de carbono
Sequestro de carbonoSequestro de carbono
Sequestro de carbono
 
Agroenergia
AgroenergiaAgroenergia
Agroenergia
 
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidadesProtocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
 
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
 
ICONE - Agricultura de baixo impacto: construindo a economia verde brasileira...
ICONE - Agricultura de baixo impacto: construindo a economia verde brasileira...ICONE - Agricultura de baixo impacto: construindo a economia verde brasileira...
ICONE - Agricultura de baixo impacto: construindo a economia verde brasileira...
 
O Novo Perfil Varietal da Cana-de-Açúcar
O Novo Perfil Varietal da Cana-de-AçúcarO Novo Perfil Varietal da Cana-de-Açúcar
O Novo Perfil Varietal da Cana-de-Açúcar
 
Trabalho indstria
Trabalho indstriaTrabalho indstria
Trabalho indstria
 
Desafios e tecnologias para a produção orgânica
Desafios e tecnologias para a produção orgânicaDesafios e tecnologias para a produção orgânica
Desafios e tecnologias para a produção orgânica
 
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
 
2nd gen biofuels brazil
2nd gen biofuels brazil2nd gen biofuels brazil
2nd gen biofuels brazil
 
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
 
IAS 2023 REC.pptx
IAS 2023 REC.pptxIAS 2023 REC.pptx
IAS 2023 REC.pptx
 

Mais de ProfJlioCzarIacia

Cap1Aula1Perfil.ppt
Cap1Aula1Perfil.pptCap1Aula1Perfil.ppt
Cap1Aula1Perfil.ppt
ProfJlioCzarIacia
 
Etanol16.ppt
Etanol16.pptEtanol16.ppt
Etanol16.ppt
ProfJlioCzarIacia
 
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdfAula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
ProfJlioCzarIacia
 
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptxAula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
ProfJlioCzarIacia
 
Aula 2 - Estoque Minimo.pdf
Aula 2 - Estoque Minimo.pdfAula 2 - Estoque Minimo.pdf
Aula 2 - Estoque Minimo.pdf
ProfJlioCzarIacia
 
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
ProfJlioCzarIacia
 

Mais de ProfJlioCzarIacia (6)

Cap1Aula1Perfil.ppt
Cap1Aula1Perfil.pptCap1Aula1Perfil.ppt
Cap1Aula1Perfil.ppt
 
Etanol16.ppt
Etanol16.pptEtanol16.ppt
Etanol16.ppt
 
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdfAula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
Aula 5 - Estratégias promocionais de varejo.pdf
 
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptxAula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
Aula 4 - Gestão de Mercadorias.pptx
 
Aula 2 - Estoque Minimo.pdf
Aula 2 - Estoque Minimo.pdfAula 2 - Estoque Minimo.pdf
Aula 2 - Estoque Minimo.pdf
 
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
1a Aula - Previsão da Demanda.pdf
 

Último

TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 

Último (20)

TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 

painel7_Eduardo.ppt

  • 1. Eduardo Leão Diretor Executivo - UNICA Conferencia Internacional Ethos 2008 Painel 7 – Gestão Sustentável dos Agronegócios São Paulo – 29/05/2008 A Sustentabilidade da Indústria Brasileira de Cana-de-açúcar
  • 2. 1. Vantagens Competitivas da cana-de-açúcar brasileira 2. Agenda Socioambiental - UNICA  Protocolo Agroambiental  Protocolo UNICA-FERAESP  Grupo de Diálogo da Cana-de-açúcar – GDC 3. Biocombustíveis e Sustentabilidade - “uma nova abordagem”  Mudanças no Uso da Terra  Segurança Alimentar: Alimentos vs. Energia  Certificação socioambiental de biocombustíveis Sumário
  • 4. Vantagens Competitivas da cana-de-açúcar brasileira A industria de cana-de-açúcar brasileira oferece um excelente exemplo de como as questões sociais, econômicas e ambientais podem ser colocadas no contexto do Desenvolvimento Sustentado. Atualmente, o etanol brasileiro representa a melhor opção para produção sustentável de biocombustíveis.
  • 5. Mitigando o Aquecimento Global Redução de Gases de Efeito Estufa Varias estimativas baseadas na análise de ciclo de vida mostram que o etanol de cana reduz as emissões de GEE em até 90%, quando comparado com a gasolina.
  • 6. Mitigando o Aquecimento Global Balanço Energético O Balanço Energético do etanol brasileiro é 4,5 vezes melhor do que do etanol produzido de beterraba ou trigo e quase 7 vezes melhor do que do etanol produzido de milho.
  • 7. Mitigando o Aquecimento Global Usinas 100% auto-suficiente em energia As usinas brasileiras de açúcar e etanol geram sua própria energia elétrica através da queima do bagaço da cana e também produzem excedentes de energia que pode ser vendidos no mercado de nacional energia.
  • 8. Mitigando o Aquecimento Global Alta Produtividade Sources: IEA – International Energy Agency (2005) e MTEC. Ethanol yields Liters per hectare
  • 9. Melhores Práticas Agrícolas e Ambientais  Baixo uso de pesticidas  Não utilização de fungicidas  Manejo integrado de praga  Uso de vinhaça e torta de filtro  Relativamente pouca perda de solo devido a natureza semi-pereni da cana (replantada somente a cada 6 anos).  Tendência de redução devido ao aumento da quantidade de palha no chão (corte mecanizado).  A produção de cana no região Centro-sul praticamente não usa irrigação.  Fertirrigação: uso de vinhaça.  Forte redução no uso de água no processamento da cana nos últimos anos: de 5m3/t para 1m3/t.
  • 11. Protocolo Agroambiental  Assinado pelo Governo do Estado de São Paulo (Secretaria do Meio Ambiente e Secretaria da Agricultura e Abastecimento) e pela UNICA, em 04 de junho de 2007. Diretivas do Protocolo  Antecipação dos prazos para a eliminação da queima da cana-de-açúcar  Proteção de matas ciliares e recuperação daquelas ao redor de nascentes  Planos técnicos de conservação do solo e dos recursos hídricos  Medidas de redução de emissões atmosféricas  As novas áreas de expansão devem ser colhidas mecanicamente
  • 12. Protocolo Agroambiental 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 2006 2010 2011 2014 2016 2021 Percentual de cana colhida sem queima Lei 11.241/02 Protocolo Agroambiental 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 2007 2010 2011 2016 2017 2021 2026 2031 Percentual de cana colhida sem queima Lei 11.241/02 Protocolo Agroambiental Nota: os pontos destacados nas linhas do gráfico mostram os anos específicos citados na Lei ou no Protocolo. Eliminação da queima em áreas mecanizáveis Estado de São Paulo Eliminação da queima em áreas não mecanizáveis Estado de São Paulo
  • 13. Protocolo Agroambiental Resultados (dez meses após sua assinatura)  Houve um grande avanço da colheita mecanizada (sem uso de fogo): de 34% da cana colhida no Estado na safra 2006/2007 para 47% na safra 2007/2008. Em um ano, a área colhida sem uso de fogo aumentou 657 mil hectares (60%), ou o equivalente a quase 1 milhão de campos de futebol.  141 das 170 usinas de São Paulo já aderiram voluntariamente ao Protocolo.  Mantido o ritmo de mecanização de 2007, quando 550 novas colheitadeiras entraram em operação, será possível completar a mecanização antes mesmo dos prazos previstos no Protocolo.  Recente adesão de 13 mil fornecedores de cana do Estado vinculados à Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil (Orplana). Com isso, toda a cadeia de produção de açúcar e álcool de São Paulo participa agora do Protocolo.
  • 14. Protocolo UNICA-FERAESP  Assinado em 10/02/2006, com o objetivo de aperfeiçoar as condições de trabalho rural no setor canavieiro, avaliar e recomendar as melhores práticas quanto ao seguintes temas: 1. Eliminação gradual da terceirização no corte manual da cana-de-açúcar Atualmente quase que a totalidade dos associados da UNICA não mais terceirizam. 2. Melhoria no transporte de trabalhadores rurais. 3. Transparência dos sistemas de aferição e pagamento do trabalho por produção no corte da cana-de-açúcar 4. Trabalhador Migrante
  • 15. Total Rendimento Médio Empregados Cana (R$) Salário Mínimo (R$) Rendimento Cana / Salário Mínimo Brazil 532.263 495,20 380 30,3% CS 268.972 624,20 380 64,3% SP 170.326 688,90 380 81,3% Cana-de-Açúcar: Rendimento por região (2006) (em R$ de agosto de 2007) São Paulo: 91,3% dos empregos (155,5 mil empregos) em 2006 eram formais (com registro em carteira) Obs.: No Brasil, o emprego direto no setor é de 764.000 (PNAD, 2006)
  • 16. Responsabilidade Social Projetos desenvolvidos pela UNICA Responsabilidade Social IBASE GRI Instituto Ethos Projeto Tear Instituto Banco Mundial  Programa de Responsabilidade Social Cooperativa e Competitiva Sustentável  Programa Parcerias Sustentáveis Balanço Social Modelo IBASE  entre 2003 e 2005 participaram 47 usinas  em 2007 participaram 70 usinas Relatório GRI  10 usinas em 2007/2008 Parceria - BID/FUMIN / INST. ETHOS / UNICA  Usina Santelisa Vale Indicadores de Responsabilidade Social Empresarial  primeira etapa: 32 associadas  segunda etapa: participaram 30 associadas
  • 17. Grupo de Diálogo da Cana-de-açúcar - GDC FERAESP Inst. Observ. Social GRI CI TNC WWF ARES (facilitador) 1. Código Florestal e Paisagens Produtivas (Working Landscapes). 2. Matriz Energética e Mudanças Climáticas. 3. Condições de Trabalho. 4. Mecanização (efeitos sobre os trabalhadores / requalificação). objetivo Amigos da Terra SOS-MA UNICA Copersucar Cosan Crystalsev Guarani ORPLANA Processo Multistakeholder Nova Agenda Socioambiental da Cana
  • 19. Mudanças no Uso da Terra Efeito Direto (conversão de floresta)  A UNICA reconhece como legítima a preocupação com os estoques de carbono lançados na atmosfera devido a mudanças no uso da terra.  Com objetivo de reduzir as emissões de GEE no mundo, nenhuma produção de matéria-prima para bicombustíveis deve ocupar áreas sensíveis como florestas e pantanais onde o estoque de carbono é substancial.  Como a expansão da cana-de-açúcar no Brasil não ocorre em biomas sensíveis, o carbono lançado na atmosfera devido a mudanças no uso da terra não afeta o balanço de GEE da produção de etanol brasileiro.
  • 20. Sources: NIPE-Unicamp, IBGE and CTC Regiões de produção de cana no Brasil
  • 21. Mudanças no Uso da Terra Efeito Indireto  Novos argumentos contra os biocombustíveis têm sido apresentados em estudos recentes, baseados em modelos de simulação sobre a realocação da produção agrícola em alguns países devido ao aumento da produção de matéria-prima para biocombustíveis em outros países.  Entretanto, nenhum dos modelos disponíveis produz resultados confiáveis. Os modelos usados levam ao limite a questão dos efeitos indiretos do uso da terra, baseados em hipótese simplistas, e apresentam várias falácias:  Ignoram a tendência de aumento de produtividade da agricultura moderna  Assume que toda produção agrícola deslocada que é deslocada por outra (para biocombustíveis ou não) necessariamente será realocada em áreas de floresta (high biodiversity areas). Ignoram conversão em áreas degradadas.  Usam dados de desmatamento de 1990, quando as taxas de desmatamento eram altas no mundo. Portanto, superestima as taxas de conversão de ecossistemas nativos para agricultura
  • 22. Segurança Alimentar: Alimentos vs. Energia  A discussão sobre o conflito Alimentos vs. Energia não faz sentido no Brasil  A área de cana deve se expandir sobre as áreas de pastagens degradadas, gerando benefícios ambientais, econômicos e sociais.
  • 23. BRASIL: VENDAS DE ÁLCOOL (HIDRATADO E ANIDRO) E GASOLINA A Vendas de Gasolina “A” Vendas de álcool Fonte: ANP e UNICA. Elaboração: Unica
  • 24. ÁREA COLHIDA E PRODUÇÃO DE GRÃOS* NO BRASIL Fonte: IBGE (2007) Nota: 2008 – estimativa. *Grãos incluem arroz, milho, trigo, soja e feijão. 0 20,000 40,000 60,000 80,000 100,000 120,000 140,000 160,000 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08 '000 ha e '000 ton Produção de alimentos dobrou na última década, devido principalmente aos ganhos de produtividade Produção de grãos Área
  • 25. CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL: ÁREA COLHIDA, PRODUÇÃO DE ETANOL E AÇÚCAR Fonte: IBGE (2007) e UNICA. Elaboração: UNICA. 0 5,000 10,000 15,000 20,000 25,000 30,000 35,000 40,000 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 Área ('000 ha); etanol (mm litros); açúcar ('000 ton) Etanol Açúcar Área Enquanto a área de cana cresceu 85% desde 90/91, produção de etanol aumentou em 130% e a de açúcar em 350%
  • 26. Produção de cana-de-açúcar por unidade de área (toneladas por hectare) Produção de etanol por unidade de área (mil litros/hectare) Nota: 07/08e – estimativa Fonte: UNICA. Toneladas por hectare Mil litros por hectare ETANOL BRASILEIRO: EVOLUÇÃO DA PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA E INDUSTRIAL Taxa anual de crescimento 2,7% Taxa anual de crescimento 1,6%
  • 27. Certificação do Etanol – “A Babel das Certificações” ETANOL PBCB Programa Brasileiro de Certificação em Biocombustíveis Governo Brasileiro Certificação de Biocombustíveis Meó Consulting Team Governo Alemão Sustainable Production of Biomass Cramer Commission Governo Holandês RTFO Renewable Transport Fuel Obligation Governo Reino Unido BSI Better Sugarcane Initiative Reino Unido RTSB Round Table on Sustainable Biofuels Suíça SEKAB, GREENERGY Suécia, Reino Unido Inúmeras iniciativas de certificação estão em andamento Como atender a tantas certificações? Diretivas da UE União Européia Certificações Nacionais Certificações Institucionais Certificações Privadas
  • 28. Certificação Global do Etanol – Modelo Ideal  Criar um foro multilateral e multistakeholder para certificação do ETANOL como commodity global. Este processo deve considerar a sustentabilidade de todas as matéria-prima envolvidas: cana-de-açúcar, milho, trigo, beterraba, batata, etc).  Deve abranger os três pilares do conceito de sustentabilidade: ambiental, social e econômico (eficiência produtiva x subsídios).  O processo deve seguir a metodologia usual consagrada: criar um fórum → acordar princípios gerais → definir critérios → criar indicadores → implementar sistemas de monitoramento.  Deve considerar a sustentabilidade dos combustíveis fósseis x renováveis.  Deve considerar o balanço energético e reduções efetivas de GEE.