SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
AULA 10 – LITERATURA
PROFª Edna Prado
ROMANTISMO EM PORTUGAL E
NO BRASIL
I - CONTEXTO HISTÓRICO
Na aula passada nós estudamos as principais características do
Romantismo e vimos que a liberdade era a mola propulsora de todo
esse movimento. Na aula de hoje nós veremos como essas
características se manifestaram em Portugal e no Brasil.
Em Portugal, o Romantismo é a estética literária que dá início à
chamada Era Moderna ou Romântica. Didaticamente, o Romantismo
Português tem início em 1825, com a publicação do poema Camões
de Almeida Garrett e permanece no cenário literário até as primeiras
atitudes de rebeldia de um grupo de estudantes de Coimbra, 1865, –
na famosa Questão Coimbrã que abre caminho para um novo
movimento: o Realismo.
A partir de suas principais características e da variedade temática,
toda a produção literária desse período, dividi-se em três gerações ou
momentos:
No primeiro momento encontramos autores ainda presos a
certos valores neoclássicos. Mas foram eles os responsáveis pela
incorporação do novo estilo. As duas grandes figuras são: Almeida
Garrett e Alexandre Herculano.
No segundo momento temos a intensificação das características
românticas, ou seja, essas características são levadas ao exagero. É o
chamado ultra-romantismo. Soares de Passos e Camilo Castelo
Branco são os poetas mais populares.
Já no terceiro momento, encontramos um prenúncio do
Realismo, com os autores se distanciando das características românticas
do período inicial. Destacam-se nesse momento João de Deus e Júlio
Dinis.
Veja agora a imagem do primeiro grande poeta romântico
português – Almeida Garrett:
Em seus primeiros textos encontramos um Garrett, que mesmo
livre da influência árcade ainda não escreve plenamente dentro das
vertentes românticas. Sua obra Camões conta a história da grande
figura do Renascimento Português, da sua vida atribulada, das suas
paixões e do seu amor pela pátria.
Já em Folhas Caídas (poesia) e Viagens na minha terra
(prosa), encontramos um autor tipicamente romântico, voltado para o
amor, para suas experiências pessoais, suas dores e angústias.
Garrett também se dedicou ao teatro, sendo considerado o
fundador do teatro “nacional português”. Não confunda: Gil Vicente
foi o fundador do “teatro português”. Lembre-se de que nesse
momento a burguesia detinha o poder econômico e era para essa
burguesia que Garrett escrevia, não para a nobreza como fez Gil Vicente
em vários momentos de sua produção literária.Garrett chegou a
escrever uma peça chamada Um auto de Gil Vicente, homenageando-
o. Também, baseado no passado histórico, escreveu um grande drama
retomando o Mito do Sebastianismo e as situações ligadas à Batalha de
Alcácer-Quibir (século XII), é a peça Frei Luís de Sousa.
Nesse período temos também a presença de outro importante
autor:
Alexandre Herculano foi ativista político e ao lado de Garrett,
participou das lutas liberais em Portugal. Podemos falar que Alexandre
Herculano é o iniciador do romance histórico em Portugal, ele soube
como ninguém, aliar as características do Romantismo ao registro
histórico.
Eurico, o presbítero, um romance histórico, é sua grande obra
(presbítero é sinônimo de padre). Nessa obra, além da história do amor
impossível, encontramos retratado o período das lutas da Reconquista
em plena Idade Média e uma forte crítica ao celibato clerical. Nessa
época estava acontecendo a expulsão dos árabes que dominaram
grande parte da Península Ibérica. E quanto ao celibato, Alexandre
Herculano criticava o fato do padre, do religioso de uma maneira em
geral não poder se casar. Eurico e Hermengarda eram apaixonados, mas
viviam um amor impossível. Os pais da moça não aceitavam o
casamento e os dois, não tendo outra saída, acabam entrando para a
vida religiosa. A certa altura da história, Eurico se disfarça como um
Cavaleiro Negro para proteger a amada, libertando-a dos invasores
árabes. Depois Hermengarda descobre que seu Cavaleiro Negro era o
próprio Eurico, mas devido ao celibato, acabam se separando.
Veja o grande representante do 2º momento romântico em
Portugal:
Camilo Castelo Branco foi primeiro escritor português a viver e
sobreviver exclusivamente da Literatura, isto porque ele escrevia por
encomenda e de acordo com o gosto popular.
O que hoje seria escrever de acordo com o nosso Ibope. Se o
público estivesse gostando da personagem, ela crescia e ganhava mais
destaque. Se o público não estivesse gostando a personagem acabava
indo fazer uma longa viagem e não voltava mais, e às vezes, até morria.
Sua agitada vida amorosa serviu de inspiração para sua produção.
Acredita-se que Camilo Castelo Branco tenha vivido inúmeros casos
amorosos, inclusive com mulheres casadas da alta sociedade
portuguesa. O mais conhecido desses relacionamentos é o seu romance
com Ana Plácido, jovem recém-casada que abandonou o marido para
viver com ele. Este amor é que o inspira em Amor de Perdição.
Amor de Perdição conta a história de amor de Simão e Teresa.
Os pais dos jovens não aceitavam o relacionamento dos dois fazendo de
tudo para que eles se separem.Teresa é mandada para um convento e
Simão, acusado de um crime acaba sendo preso e degredado para a
Índia. Porém antes de ser preso acaba conhecendo Mariana que fica
apaixonada por ele, formando um triângulo amoroso. Mesmo longe,
Teresa e Simão permanecem comunicando-se através de cartas. É
interessante notar que, fiel às características desse segundo momento,
marcado pelos exageros do amor, no final, em poucas páginas, as
personagens principais acabam morrendo uma seguida da outra.
Soares de Passos é o outro representante desse período, suas
poesias de são marcadas pelo sentimentalismo exagerado, pela solidão
e por um lirismo fúnebre, mórbido. A morte, outra característica desse
2º momento, é uma constante, nesta direção é famoso o seu poema “O
noivado no sepulcro”.
No 3º momento encontramos João de Deus, autor de uma única
obra lírica, Campo de flores. Mas o grande representante desse
período é Júlio Dinis, autor de uma famosa obra que já foi adaptada
para uma novela de televisão. As pupilas do senhor reitor – crônica
da aldeia, obra que conta a história de duas moças órfãs que vivem sob
os cuidados do senhor reitor e que se apaixonam por dois irmãos,
Pedro, o lavrador e Daniel, o médico recém formado, que volta para a
aldeia. Há todo um conflito romântico durante o desenrolar da história,
mas no final tudo acaba bem e todos vivem felizes para sempre – é o
típico final feliz.
Tudo o que falamos até agora diz respeito a Portugal. Mas como
foram as manifestações românticas aqui no Brasil?
O Romantismo brasileiro marca o início de uma verdadeira
literatura nacional e está intimamente ligado ao processo de
independência da colônia. Didaticamente, o Romantismo brasileiro
tem início em 1836, com a publicação de Suspiros Poéticos e
Saudades, de Gonçalves de Magalhães e da revista Niterói e
permanece no cenário literário até 1881, quando ocorre a publicação de
Memórias Póstumas de Brás Cubas, romance realista de Machado de
Assis e a publicação de O Mulato, romance naturalista de Aluísio
Azevedo.
O Romantismo brasileiro foi um movimento extremamente fértil,
produziu-se muito e nos mais variados gêneros. Veja os principais
gêneros cultivados:
* POESIA
* ROMANCE
* TEATRO
A poesia foi marcada pelo fenômeno das gerações; o romance
destacou-se por uma grande amplitude temática e o teatro ficou
conhecido por suas comédias de costumes.
Na aula de hoje falamos sobre o Romantismo em Portugal e
iniciamos o estudo desse movimento no Brasil, mas tamanha é a
grandiosidade da produção romântica brasileira que continuaremos
falando dela em nossas próximas aulas.
II – EXERCÍCIOS
1) (FUVEST-SP) Qual o autor considerado o mestre da novela
passional portuguesa? Indique o século e o movimento literário em
que se situa a obra.
R: Camilo Castelo Branco; século XIX; Romantismo (Segunda geração).
(FUVEST-SP) Texto para as questões 2 e 3:
“O pacto feito por ele com os árabes não tardou a ser por mil modos
violado, e o ilustre guerreiro teve de se arrepender, mas já debalde, por
haver deposto a espada aos pés dos infiéis, em vez de pelejar até à
morte pela liberdade. Fora isto o Pedágio preferira, e a vitória coroou o
seu confiar no esforço dos verdadeiros godos e na piedade de Deus”.
2) Qual das características abaixo está presente no texto?
a) Retomada dos valores medievais.
b) Denúncia de males sociais.
c) Despreocupação formal.
d) Análise psicopatológica.
e) Aproveitamento da mitologia clássica.
R: a
3) O autor do texto é:
a) Eça de Queirós.
b) Camilo Castelo Branco.
c) Padre Antônio Vieira.
d) Fernando Namora.
e) Alexandre Herculano.
R: e
4) (UFJF-MG) Em relação ao Romantismo brasileiro, todas as
afirmações são verdadeiras, exceto:
a) expressões do nacionalismo através da descrição de costumes e
regiões do brasil.
b) análise crítica e científica dos fenômenos da sociedade brasileira.
c) desenvolvimento do teatro nacional.
d) expressão poética de temas confessionais, indianistas e humanistas.
e) caracterização do romance como forma de entretenimento e
moralização.
R: b
5) (FATEC) “O indianismo dos românticos (...) denota tendência para
particularizar os grandes temas, as grandes atitudes de que se nutria a
literatura ocidental, inserindo-as na realidade local, tratando-as como
próprias de uma tradição brasileira.”
(Antonio Candido, Formação da Literatura Brasileira)
Considerando o texto acima, pode-se dizer que o indianismo na
literatura romântica brasileira:
a) Procurou ser uma cópia dos modelos europeus.
b) Adaptou a realidade brasileira aos modelos europeus.
c) Ignorou a literatura ocidental para valorizar a tradição brasileira.
d) Deformou a tradição brasileira para adaptá-la à literatura ocidental.
e) Procurou adaptar os modelos europeus à realidade local.
R: e

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosaJonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasilJonatas Carlos
 
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fasejacsonufcmestrado
 
Literatura aula 16 - machado de assis
Literatura   aula 16 - machado de assisLiteratura   aula 16 - machado de assis
Literatura aula 16 - machado de assismfmpafatima
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Jonatas Carlos
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasilWilliam Marques
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasilJuliana Oliveira
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugalJonatas Carlos
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européiaJuliana Oliveira
 
Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04ma.no.el.ne.ves
 
O Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em PortugalO Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em PortugalHipolito Ximenes
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraSeduc/AM
 
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoEstudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoProf Palmito Rocha
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)Edcléia Xavier
 
O realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilO realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilhipolitus
 

Mais procurados (20)

Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
 
Literatura aula 16 - machado de assis
Literatura   aula 16 - machado de assisLiteratura   aula 16 - machado de assis
Literatura aula 16 - machado de assis
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européia
 
Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04
 
O Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em PortugalO Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em Portugal
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileira
 
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoEstudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)
 
Simbolismo autores
Simbolismo   autoresSimbolismo   autores
Simbolismo autores
 
O realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilO realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasil
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Semelhante a Aula 10 romantismo no brasil e em portugal

O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalDaianniSilv
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”.
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”. “O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”.
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”. MajuGomes
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.Vanuza Duarte
 
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIOO ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIOCntiaAleixo
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfGANHADODINHEIRO
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Jéssica Moresi
 
A moreninha - análise
A moreninha - análiseA moreninha - análise
A moreninha - análisejasonrplima
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”Thalita Dias
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_históriaLilian Lima
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Ajudar Pessoas
 
A prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileiraA prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileiraAdeildo Júnior
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docValeriaCristina51
 

Semelhante a Aula 10 romantismo no brasil e em portugal (20)

O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”.
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”. “O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”.
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”.
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
 
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIOO ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
 
A moreninha - análise
A moreninha - análiseA moreninha - análise
A moreninha - análise
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
Romantismo II
Romantismo IIRomantismo II
Romantismo II
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
A prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileiraA prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileira
 
Aula 03 classicismo
Aula 03   classicismoAula 03   classicismo
Aula 03 classicismo
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
 
webnode
webnodewebnode
webnode
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª faseJonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasilJonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européiaJonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasilJonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assisJonatas Carlos
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 06 barroco no brasil
Aula 06   barroco no brasilAula 06   barroco no brasil
Aula 06 barroco no brasilJonatas Carlos
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativaJonatas Carlos
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadasJonatas Carlos
 
Aula 01 introdução e trovadorismo
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismoJonatas Carlos
 
Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneoJonatas Carlos
 
Aula 24 da república militar à nova república
Aula 24   da república militar à nova repúblicaAula 24   da república militar à nova república
Aula 24 da república militar à nova repúblicaJonatas Carlos
 
Aula 23 república populista
Aula 23   república populistaAula 23   república populista
Aula 23 república populistaJonatas Carlos
 
Aula 21 2ª guerra mundial
Aula 21   2ª guerra mundialAula 21   2ª guerra mundial
Aula 21 2ª guerra mundialJonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (17)

Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugal
 
Aula 06 barroco no brasil
Aula 06   barroco no brasilAula 06   barroco no brasil
Aula 06 barroco no brasil
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
 
Aula 02 humanismo
Aula 02   humanismoAula 02   humanismo
Aula 02 humanismo
 
Aula 01 introdução e trovadorismo
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismo
 
Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneo
 
Aula 24 da república militar à nova república
Aula 24   da república militar à nova repúblicaAula 24   da república militar à nova república
Aula 24 da república militar à nova república
 
Aula 23 república populista
Aula 23   república populistaAula 23   república populista
Aula 23 república populista
 
Aula 21 2ª guerra mundial
Aula 21   2ª guerra mundialAula 21   2ª guerra mundial
Aula 21 2ª guerra mundial
 

Último

Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

Aula 10 romantismo no brasil e em portugal

  • 1. AULA 10 – LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola propulsora de todo esse movimento. Na aula de hoje nós veremos como essas características se manifestaram em Portugal e no Brasil. Em Portugal, o Romantismo é a estética literária que dá início à chamada Era Moderna ou Romântica. Didaticamente, o Romantismo Português tem início em 1825, com a publicação do poema Camões de Almeida Garrett e permanece no cenário literário até as primeiras atitudes de rebeldia de um grupo de estudantes de Coimbra, 1865, – na famosa Questão Coimbrã que abre caminho para um novo movimento: o Realismo. A partir de suas principais características e da variedade temática, toda a produção literária desse período, dividi-se em três gerações ou momentos: No primeiro momento encontramos autores ainda presos a certos valores neoclássicos. Mas foram eles os responsáveis pela incorporação do novo estilo. As duas grandes figuras são: Almeida Garrett e Alexandre Herculano. No segundo momento temos a intensificação das características românticas, ou seja, essas características são levadas ao exagero. É o chamado ultra-romantismo. Soares de Passos e Camilo Castelo Branco são os poetas mais populares.
  • 2. Já no terceiro momento, encontramos um prenúncio do Realismo, com os autores se distanciando das características românticas do período inicial. Destacam-se nesse momento João de Deus e Júlio Dinis. Veja agora a imagem do primeiro grande poeta romântico português – Almeida Garrett: Em seus primeiros textos encontramos um Garrett, que mesmo livre da influência árcade ainda não escreve plenamente dentro das vertentes românticas. Sua obra Camões conta a história da grande figura do Renascimento Português, da sua vida atribulada, das suas paixões e do seu amor pela pátria. Já em Folhas Caídas (poesia) e Viagens na minha terra (prosa), encontramos um autor tipicamente romântico, voltado para o amor, para suas experiências pessoais, suas dores e angústias. Garrett também se dedicou ao teatro, sendo considerado o fundador do teatro “nacional português”. Não confunda: Gil Vicente foi o fundador do “teatro português”. Lembre-se de que nesse momento a burguesia detinha o poder econômico e era para essa burguesia que Garrett escrevia, não para a nobreza como fez Gil Vicente em vários momentos de sua produção literária.Garrett chegou a escrever uma peça chamada Um auto de Gil Vicente, homenageando- o. Também, baseado no passado histórico, escreveu um grande drama retomando o Mito do Sebastianismo e as situações ligadas à Batalha de Alcácer-Quibir (século XII), é a peça Frei Luís de Sousa.
  • 3. Nesse período temos também a presença de outro importante autor: Alexandre Herculano foi ativista político e ao lado de Garrett, participou das lutas liberais em Portugal. Podemos falar que Alexandre Herculano é o iniciador do romance histórico em Portugal, ele soube como ninguém, aliar as características do Romantismo ao registro histórico. Eurico, o presbítero, um romance histórico, é sua grande obra (presbítero é sinônimo de padre). Nessa obra, além da história do amor impossível, encontramos retratado o período das lutas da Reconquista em plena Idade Média e uma forte crítica ao celibato clerical. Nessa época estava acontecendo a expulsão dos árabes que dominaram grande parte da Península Ibérica. E quanto ao celibato, Alexandre Herculano criticava o fato do padre, do religioso de uma maneira em geral não poder se casar. Eurico e Hermengarda eram apaixonados, mas viviam um amor impossível. Os pais da moça não aceitavam o casamento e os dois, não tendo outra saída, acabam entrando para a vida religiosa. A certa altura da história, Eurico se disfarça como um Cavaleiro Negro para proteger a amada, libertando-a dos invasores árabes. Depois Hermengarda descobre que seu Cavaleiro Negro era o próprio Eurico, mas devido ao celibato, acabam se separando. Veja o grande representante do 2º momento romântico em Portugal:
  • 4. Camilo Castelo Branco foi primeiro escritor português a viver e sobreviver exclusivamente da Literatura, isto porque ele escrevia por encomenda e de acordo com o gosto popular. O que hoje seria escrever de acordo com o nosso Ibope. Se o público estivesse gostando da personagem, ela crescia e ganhava mais destaque. Se o público não estivesse gostando a personagem acabava indo fazer uma longa viagem e não voltava mais, e às vezes, até morria. Sua agitada vida amorosa serviu de inspiração para sua produção. Acredita-se que Camilo Castelo Branco tenha vivido inúmeros casos amorosos, inclusive com mulheres casadas da alta sociedade portuguesa. O mais conhecido desses relacionamentos é o seu romance com Ana Plácido, jovem recém-casada que abandonou o marido para viver com ele. Este amor é que o inspira em Amor de Perdição. Amor de Perdição conta a história de amor de Simão e Teresa. Os pais dos jovens não aceitavam o relacionamento dos dois fazendo de tudo para que eles se separem.Teresa é mandada para um convento e Simão, acusado de um crime acaba sendo preso e degredado para a Índia. Porém antes de ser preso acaba conhecendo Mariana que fica apaixonada por ele, formando um triângulo amoroso. Mesmo longe, Teresa e Simão permanecem comunicando-se através de cartas. É interessante notar que, fiel às características desse segundo momento, marcado pelos exageros do amor, no final, em poucas páginas, as personagens principais acabam morrendo uma seguida da outra.
  • 5. Soares de Passos é o outro representante desse período, suas poesias de são marcadas pelo sentimentalismo exagerado, pela solidão e por um lirismo fúnebre, mórbido. A morte, outra característica desse 2º momento, é uma constante, nesta direção é famoso o seu poema “O noivado no sepulcro”. No 3º momento encontramos João de Deus, autor de uma única obra lírica, Campo de flores. Mas o grande representante desse período é Júlio Dinis, autor de uma famosa obra que já foi adaptada para uma novela de televisão. As pupilas do senhor reitor – crônica da aldeia, obra que conta a história de duas moças órfãs que vivem sob os cuidados do senhor reitor e que se apaixonam por dois irmãos, Pedro, o lavrador e Daniel, o médico recém formado, que volta para a aldeia. Há todo um conflito romântico durante o desenrolar da história, mas no final tudo acaba bem e todos vivem felizes para sempre – é o típico final feliz. Tudo o que falamos até agora diz respeito a Portugal. Mas como foram as manifestações românticas aqui no Brasil? O Romantismo brasileiro marca o início de uma verdadeira literatura nacional e está intimamente ligado ao processo de independência da colônia. Didaticamente, o Romantismo brasileiro tem início em 1836, com a publicação de Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães e da revista Niterói e permanece no cenário literário até 1881, quando ocorre a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas, romance realista de Machado de Assis e a publicação de O Mulato, romance naturalista de Aluísio Azevedo. O Romantismo brasileiro foi um movimento extremamente fértil, produziu-se muito e nos mais variados gêneros. Veja os principais gêneros cultivados: * POESIA * ROMANCE * TEATRO
  • 6. A poesia foi marcada pelo fenômeno das gerações; o romance destacou-se por uma grande amplitude temática e o teatro ficou conhecido por suas comédias de costumes. Na aula de hoje falamos sobre o Romantismo em Portugal e iniciamos o estudo desse movimento no Brasil, mas tamanha é a grandiosidade da produção romântica brasileira que continuaremos falando dela em nossas próximas aulas. II – EXERCÍCIOS 1) (FUVEST-SP) Qual o autor considerado o mestre da novela passional portuguesa? Indique o século e o movimento literário em que se situa a obra. R: Camilo Castelo Branco; século XIX; Romantismo (Segunda geração). (FUVEST-SP) Texto para as questões 2 e 3: “O pacto feito por ele com os árabes não tardou a ser por mil modos violado, e o ilustre guerreiro teve de se arrepender, mas já debalde, por haver deposto a espada aos pés dos infiéis, em vez de pelejar até à morte pela liberdade. Fora isto o Pedágio preferira, e a vitória coroou o seu confiar no esforço dos verdadeiros godos e na piedade de Deus”. 2) Qual das características abaixo está presente no texto? a) Retomada dos valores medievais. b) Denúncia de males sociais. c) Despreocupação formal. d) Análise psicopatológica. e) Aproveitamento da mitologia clássica. R: a 3) O autor do texto é: a) Eça de Queirós. b) Camilo Castelo Branco. c) Padre Antônio Vieira. d) Fernando Namora. e) Alexandre Herculano. R: e
  • 7. 4) (UFJF-MG) Em relação ao Romantismo brasileiro, todas as afirmações são verdadeiras, exceto: a) expressões do nacionalismo através da descrição de costumes e regiões do brasil. b) análise crítica e científica dos fenômenos da sociedade brasileira. c) desenvolvimento do teatro nacional. d) expressão poética de temas confessionais, indianistas e humanistas. e) caracterização do romance como forma de entretenimento e moralização. R: b 5) (FATEC) “O indianismo dos românticos (...) denota tendência para particularizar os grandes temas, as grandes atitudes de que se nutria a literatura ocidental, inserindo-as na realidade local, tratando-as como próprias de uma tradição brasileira.” (Antonio Candido, Formação da Literatura Brasileira) Considerando o texto acima, pode-se dizer que o indianismo na literatura romântica brasileira: a) Procurou ser uma cópia dos modelos europeus. b) Adaptou a realidade brasileira aos modelos europeus. c) Ignorou a literatura ocidental para valorizar a tradição brasileira. d) Deformou a tradição brasileira para adaptá-la à literatura ocidental. e) Procurou adaptar os modelos europeus à realidade local. R: e