SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Área – Língua Portuguesa
Ensino Médio, Série 1ª
TÓPICO: Seiscentismo / Barroco
SEISCENTISMO / BARROCO
Imagem: Michelangelo / O dilúvio universal, entre 1508 e 1509 / Fotografia tirada por 1a2b3c? / GNU Free Documentation License
Imagem:RogiervanderWeyden/Adescidadacruz,aproximadamente1443/Source:
http://www.kfki.hu/~arthp/html/w/weyden/rogier/01deposi/index.html/PublicDomain
SEISCENTISMO / BARROCO
No século XVII, o ser humano vive em conflito, atormentado por dúvidas existenciais, dividido
entre uma postura racional e humanista e uma existência assombrada pela culpa religiosa.
Conheça como o Barroco representou esse tempo de instabilidade e incerteza (1).
Imagem:GianlorenzoBernini/Oêxtasedesantatereza,1652/
Fotografia:Jastrow/PublicDomain
Imagem:VistadoretábulomaiordoConventodeSantaInés,entre1718
e1749/Fotografia:JoséLuisFilpoCabana/CreativeCommons
Attribution3.0Unported
SEISCENTISMO / BARROCO
Moraliza o poeta nos ocidentes
do sol a inconstância dos
Bens do mundo
Gregório de Matos
Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
depois da Luz se segue a noite escura,
em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas a alegria.
Temática: a transitoriedade da existência humana (não dura, sombras).
SEISCENTISMO / BARROCO
Século XVI – XVIII
Barroco - deriva da palavra espanhola barueco (pérola de forma
irregular).
Período de conflito entre duas posturas - dúvidas existenciais:
postura racional e humanista – concepção “classicista”.
postura religiosa – concepção “medieval”.
Resultado (Obras): as visões de mundo:
Atropocentrismo x Teocentrismo
SEISCENTISMO/BARROCO
Contrastes
Barroco: época (valores espirituais da Igreja x valores burgueses -
o amor carnal, o dinheiro, a posição social, etc.)
Dualismo: propicia o surgimento de uma arte que busca conciliar
visões opostas (antíteses): espírito x carne, pecado x perdão, céu x
terra, virtude x prazer, etc.
SEISCENTISMO/BARROCO
Na literatura, os contrastes se apresentam através das figuras de linguagem
(antítese, paradoxo).
Ex: Pequei, Senhor; mas não porque hei pecado,
da vossa alta clemência me despido;
porque, quanto mais tenho delinquido,
vos tenho a perdoar mais empenhado.
SEISCENTISMO/BARROCO
Na pintura,
conflito: claro x escuro.
Imagem:MichelangeloMerisidaCaravaggio/AcrucificaçãodeSãoPedro,entre1600e1601/
PublicDomain
SEISCENTISMO/BARROCO
Contexto histórico:
A Reforma Protestante
No século XVI (1517), Martinho Lutero
(teólogo alemão ) denuncia a prática
das Indulgências.
(95 teses pregadas na porta da igreja do
Castelo de Wittenberg).
Imagem: Martinh lutero pregando suas 95 teses na porta da
igreja do Castelo de Wittenberg, em 1517 / Public Domain
SEISCENTISMO/BARROCO
João Calvino (um luterano) - defendia a
prosperidade por meio do trabalho ->
mais adeptos ao protestantismo.
Imagem:JoãoCalvino,séculoXVI/PublicDomain
SEISCENTISMO / BARROCO (2)
Resposta da Igreja Católica
ao avanço da Reforma
Protestante
Concílio
de
Trento
Companhia
de
Jesus
Inquisição
e
Índex
SEISCENTISMO/BARROCO
Contrarreforma: a resposta católica à Reforma
Protestante
Concílio de Trento (reunião de bispos), convocado
pelo papa Paulo III ( 1545 a 1563)
- cidade italiana de Trento..
Objetivo: emitir decretos disciplinares.
Medidas tomadas:
• reafirmados os dogmas da Igreja ( valor das
indulgências e dos 7 sacramentos, reforço do
culto da Virgem e dos Santos...);
• reorganização e o fortalecimento da Inquisição;
• instituição de uma lista de livros proibidos aos
Católicos, o Index Librorum Prohibitorum (3).
Imagem: Paolo Farinatis /
Concílio de Trento , em 1563 / Public Domain
SEISCENTISMO / BARROCO
COMPANHIA DE JESUS
Ordem religiosa criada em 1534 por um
grupo de estudantes da Universidade de
Paris liderados pelo basco Inácio de Loyola e
aprovada pelo Papa Paulo III.
Os jesuítas pautavam-se por uma obediência
cega ao Papa e destacaram-se nas missões e
no ensino (fundação de colégios e escolas)
(4).
Imagem: Símbolo da Companhia de Jesus/
Disponibilizado por Moranski / Public Domain
SEISCENTISMO / BARROCO
INQUISIÇÃO
A Inquisição foi criada na
Idade Média (século XIII) e era
dirigida pela Igreja Católica
Romana. Ela era composta por
tribunais que julgavam todos
aqueles considerados uma ameaça
às doutrinas (conjunto de leis) desta
instituição. Todos os suspeitos eram
perseguidos e julgados, e aqueles
que eram condenados, cumpriam
as penas que podiam variar desde
prisão temporária ou perpétua até
a morte na fogueira, onde os
condenados eram queimados vivos
em plena praça pública (5).
Imagem: Quadro de uma pessoa sendo queimada na fogueira /
Public Domain
SEISCENTISMO/BARROCO
Barroco: arte espetacular - nas igrejas,
atraía os fiéis, impressionando-os.
Igrejas, capelas, estátuas de santos,
sermões, textos e documentos
sepulcrais - produzidos, então, para
“conquistar” os fiéis.
Arte da indisciplina: exagero de
relevos.
Imagem: Típica arquitetura barroca,
foto tirada na igreja do mosteiro católico em Schlierbach /
Fotografia: Max Gattringer / Public Domain
SEISCENTISMO/BARROCO
Características do estilo:
• O fusionismo e o culto do contraste;
- Na pintura: mistura entre luz e sombra;
- Na música: combinação de sons;
- Na literatura: associação entre a razão e a fé;
• O pessimismo: miséria da condição humana (aspectos cruéis, dolorosos,
repugnantes);
• O rebuscamento: jogos de palavras e figuras de linguagem;
• Dinamismo: sensação de movimento (linhas curvas);
SEISCENTISMO / BARROCO
Desenganos da vida humana, metaforicamente
Gregório de Matos
É vaidade, Fábio, nesta vida,
Rosa, que da manhã lisonjeada,
Púrpuras mil, com ambição dourada,
Airosa rompe, arrasta presumida.
Estilo barroco: soneto com versos decassílabos rimados
Temática: a transitoriedade da existência terrena
Linguagem: figuras de linguagem ( Metáfora: o próprio título, a vaidade é rosa )
( Hipérbato : “É a vaidade, Fábio, nesta vida )
( Hipérbole: “púrpuras mil”)
rebuscamento vocabular: (lisonjeada, púrpuras, airosa)
SEISCENTISMO/BARROCO
Barroco em Portugal: Contexto histórico
Início 1580 (domínio espanhol) -> morte de
Dom Sebastião (Alcácer Quibir)
Unificação da Península Ibérica – Felipe II
Imagem: Juan Pantoja de la Cruz / Felipe II, em agosto de 1606 /
Public Domain
SEISCENTISMO / BARROCO
Barroco em Portugal
Escritores:
Padre Antônio Vieira
Francisco Rodrigues Lobo
D. Francisco Manuel de Melo
Padre Manuel Bernardes
Sóror Mariana do Alcoforado
Imagem: José Rodrigues Nunes / Padre Antônio Vieira , antes de 1871 /
Imagem do catálogo MAB/Safra disponibilizada por Dornicke /
Public Domain
SEISCENTISMO / BARROCO
Barroco no Brasil: Contexto histórico
Século XVI – XVIII
• Colônia de Portugal
• Salvador (capital e sede da administração)
• Produções artísticas - moldes de Portugal (ideal da Igreja)
• Não existia imprensa
• Marco Inicial: (1601) poema épico “Prosopopeia “ – Bento Teixeira (Jorge de
Albuquerque Coelho - donatário da capitania de Pernambuco)
SEISCENTISMO / BARROCO
Brasil
Representantes e Obras :
• Gregório de Matos: (maior poeta satírico: “boca do inferno”)
Obras: Poesia lírica, satírica, filosófica e religiosa
• Padre Antônio Vieira (sermões )
Obras:
Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as de Holanda (Bahia
– 1640)
Sermão da primeira dominga da Quaresma (Maranhão – 1653)
SEISCENTISMO / BARROCO
Gregório de Matos: “Boca do Inferno”
Sátiras (o clero, os governantes e toda a sociedade baiana )
Exílio: Angola
Descreve o que era naquele tempo a cidade da Bahia
A cada canto um grande conselheiro,
Que nos quer governar cabana e vinha;
Não sabem governar sua cozinha,
E podem governar o mundo inteiro.
Em cada porta um bem frequente olheiro,
Que a vida do vizinho e da vizinha
Pesquisa, escuta, espreita e esquadrinha,
Para o levar à praça e ao terreiro.
SEISCENTISMO/BARROCO
Correntes do Barroco:
1.Cultismo (Gongorismo) – predomínio na
poesia
• Intenção moralizante por meio dos sentidos;
• Teor descritivo;
• Valorização da forma de expressão;
• Estilo opulento e suntuoso;
• Rebuscamento vocabular - neologismos,
figuras de sintaxe (hipérbatos, anacolutos),
figuras de linguagem (metáforas, antíteses,
sinestesias) (6).
Imagem: Diego Velázquez / Retrato de Don Luis de
Góngora, em 1622 / Public Domain
SEISCENTISMO / BARROCO
Obra de Gregório de Matos:
Ao braço do Menino Jesus de Nossa
Senhora das Maravilhas, a quem infiéis
despedaçaram
O todo sem parte não é todo,
A parte sem o todo não é parte,
Mas se a parte o faz todo, sendo
parte,
Não se diga que é parte, sendo
todo
Imagem: F. Briguiet / O poeta Gregório de Matos, século XIX /
Brazilian Copyright Law
SEISCENTISMO / BARROCO
Ao braço do Menino Jesus: Um exemplo de poesia cultista.
Soneto (clássico) - através de um jogo de palavras utilizando “todo” e “parte”
o poeta apresenta uma imagem de Jesus despedaçada e diz que o braço é
parte, mas também todo.
É uma apologia a questão de que todos os batizados são partes de um todo
que é a Igreja,
que por sua vez, é o corpo de Cristo (7).
SEISCENTISMO/BARROCO
2.Conceptismo (Quevedismo) – predomínio na
prosa
• Intenção educativa pelo convencimento e
raciocínio lógico;
• Teor argumentativo, conceptual;
• Valorização do conteúdo; relações lógicas das
ideias;
• Estilo conciso e ordenado;
• Aproveitamento das nuances semânticas:
duplo sentido, associações inesperadas e
engenhosas, paradoxos, comparações
inusitadas (8).
Imagem: Autor desconhecido,
cópia após um original atribuído a João Vanderham,
que era tradicionalmente atribuída a Diego Velázquez /
Retrato de Francisco de Quevedo / Public Domain
SEISCENTISMO/BARROCO
Conceptismo
Figuras de linguagens nas obras literárias conceptistas:
Silogismo: dedução de duas ou mais proposições.
Exemplo: Todo ser humano é mortal. (proposição 1);
Eu sou um ser humano. (proposição 2);
Logo, sou mortal (conclusão).
Atividade
01. (UNIV. CAXIAS DO SUL) Escolha a alternativa que completa de forma
correta a frase abaixo:
A linguagem ______, o paradoxo, ________ e o registro das impressões
sensoriais são recursos lingüísticos presentes na poesia ________.
a) simples; a antítese; parnasiana.
b) rebuscada; a antítese; barroca.
c) objetiva; a metáfora; simbolista.
d) subjetiva; o verso livre; romântica.
e) detalhada; o subjetivismo; simbolista.
02. (MACKENZIE-SP) Assinale a alternativa incorreta:
a) Na obra de José de Anchieta, encontram-se poesias que seguem a tradição
medieval e textos para teatro com clara intenção catequista.
b) A literatura informativa do Quinhentismo brasileiro empenha-se em fazer
um levantamento da terra, daí ser predominantemente descritiva.
c) A literatura seiscentista reflete um dualismo:o ser humano dividido entre a
matéria e o espírito, o pecado e o perdão.
d) O Barroco apresenta estados de alma expressos através de antíteses,
paradoxos, interrogações.
e) O conceptismo caracteriza-se pela linguagem rebuscada, culta,
extravagante, enquanto o cultismo é marcado pelo jogo de idéias, seguindo
um raciocínio lógico, racionalista.
03. Com referência ao Barroco, todas as alternativas são corretas, exceto (9):
a) O Barroco estabelece contradições entre espírito e carne, alma e corpo,
morte e vida.
b) O homem centra suas preocupações em seu próprio ser, tendo em mira seu
aprimoramento, com base na cultura greco-latina.
c) O Barroco apresenta, como característica marcante, o espírito de tensão,
conflito entre tendências opostas: de um lado, o teocentrismo medieval e, de
outro, o antropocentrismo renascentista.
d) A arte barroca é vinculada à Contra-Reforma.
e) O barroco caracteriza-se pela sintaxe obscura, uso de hipérbole e de
metáforas.
04. (VUNESP)
Ardor em firme coração nascido;
pranto por belos olhos derramado;
incêndio em mares de água disfarçado;
rio de neve em fogo convertido:
tu, que em um peito abrasas escondido;
tu, que em um rosto corres desatado;
quando fogo, em cristais aprisionado;
quando crista, em chamas derretido.
Se és fogo, como passas brandamente,
se és fogo, como queimas com porfia?
Mas ai, que andou Amor em ti prudente!
Pois para temperar a tirania,
como quis que aqui fosse a neve ardente,
permitiu parecesse a chama fria.
O texto pertencente a Gregório de Matos e apresenta todas seguintes
características:
a) Trocadilhos, predomínio de metonímias e de símiles, a dualidade temática
da sensualidade e do refreamento, antíteses claras dispostas em ordem direta.
b) Sintaxe segundo a ordem lógica do Classicismo, a qual o autor buscava
imitar, predomínio das metáforas e das antíteses, temática da fugacidade do
tempo e da vida.
c) Dualidade temática da sensualidade e do refreamento, construção sintática
por simétrica por simetrias sucessivas, predomínio figurativo das metáforas e
pares antitéticos que tendem para o paradoxo.
d) Temática naturalista, assimetria total de construção, ordem direta
predominando sobre a ordem inversa, imagens que prenunciam o
Romantismo.
05. A respeito de Gregório de Matos, assinale a alternativa incorreta: (10)
a) Alguns de seus sonetos sacros e líricos transpõem, com brilho, esquemas de
Gôngora e de Quevedo.
b) Alma maligna, caráter rancoroso,relaxado por temperamento e costumes,
verte fel em todas as suas sátiras.
c) Na poesia sacra, o homem não busca o perdão de Deus; não existe o
sentimento de culpa, ignorando-se a busca do perdão divino.
d) As suas farpas dirigiam-se de preferência contra os fidalgos caramurus.
e) A melhor produção literária do autor é constituída de poesias líricas, em que
desenvolve temas constantes da estática barroca, como a transitoriedade da
vida e das coisas.
Texto para as questões 06 a 08 (11)
À INSTABILIDADE DAS COUSAS DO MUNDO
Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
Depois da Luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em continuas tristezas a alegrias,
Porém, se acaba o Sol, por que nascia?
Se é tão formosa a Luz, por que não dura?
Como a beleza assim se transfigura?
Como o gosto, da pena assim se fia?
Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza,
Na formosura não se dê constância,
E na alegria, sinta-se triste.
Começa o Mundo enfim pela ignorância
A firmeza somente na inconstância.
06. No texto predominaram as imagens (12):
a) olfativas;
b) gustativas;
c) auditivas;
d) táteis;
e) visuais.
07. A ideia central do texto é (13):
a) a duração efêmera de todas as realidades do mundo;
b) a grandeza de Deus e a pequenez humana;
c) os contrastes da vida;
d) a falsidade das aparências;
e) a duração prolongada do sofrimento.
08. Qual é o elemento barroco mais característico da 1ª estrofe (14)?
a) disposição antitética da frase;
b) cultismo;
c) estrutura bimembre;
d) concepção teocênctrica;
e) estrutura correlativa, disseminativa e recoletiva.
09. (SANTA CASA) A preocupação com a brevidade da vida induz o poeta
barroco a assumir uma atitude que:
a) descrê da misericórdia divina e contesta os valores da religião;
b) desiste de lutar contra o tempo, menosprezando a mocidade e a beleza;
c) se deixa subjugar pelo desânimo e pela apatia dos céticos;
d) se revolta contra os insondáveis desígnios de Deus;
e) quer gozar ao máximo seus dias, enquanto a mocidade dura.
10. (UEL) Identifique a afirmação que se refere a Gregório de Matos:
a) No seu esforço da criação a comédia brasileira, realiza um trabalho de crítica que
encontra seguidores no Romantismo e mesmo no restante do século XIX.
b) Sua obra é uma síntese singular entre o passado e o presente: ainda tem os
torneios verbais do Quinhentismo português, mas combina-os com a paixão das
imagens pré-românticas.
c) Dos poetas arcádicos eminentes, foi sem dúvida o mais liberal, o que mais
claramente manifestou as ideias da ilustração francesa.
d) Teve grande capacidade em fixar num lampejo os vícios, os ridículos, os desmandos
do poder local, valendo-se para isso do engenho artificioso que caracteriza o estilo da
época.
e) Sua famosa sátira à autoridade portuguesa na Minas do chamado ciclo do ouro é
prova de que seus talento não se restringia ao lirismo amoroso.
Gabarito:
01 - B
02 - E
03 - B
04 - C
05 - D
06 - E
07 - A
08 - A
09 - E
10 - D
2
Seiscentismo / Barroco
Referências bibliográficas:
NICOLA, José de. Português – Vol 1. Ensino Médio. São Paulo: Scipione, 2011.
HERNANDES, Roberta; MARTIN, Vilma Lia. Projeto ECO – Língua Portuguesa –
Vol 1. Curitiba: Editora Positivo,2010.
CEREJA, Willian Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português –
Linguagens. Vol 1. São Paulo: Editora Saraiva, 2010.
CAMPOS, Elizabeth; CARDOSO, Paula Marques; ANDRADE, Silvia Letícia de.
Viva Português – Vol 1. São Paulo: Editora Ática.
ABAURRE, Maria Luiza M.; ABAURRE, Maria Bernadete M.; PONTARA, Marcela.
Português – Contexto, Interlocução e Sentido. Vol 1. São Paulo: Moderna,
2010.
SEISCENTISMO / BARROCO
Endereços Eletrônicos:
BUSCA
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/historia-da-arte/historia-da-arte-4.php
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/capas/historia-geral/contra-reforma.php
http://assembleianospuritanos.blogspot.com/2011/05/suportando-perseguicao-joao-calvino.html
http://historia8eb23dduarte.blogspot.com/2008/02/mentalidade-barroca.html
http://ostemposdahistoria.blogspot.com/2010/10/uinao-iberica.html
http://www.vidaslusofonas.pt/padre_antonio_vieira.htm
http://www.reproarte.com/picture/Diego+R_+de+Silva+y_Vel%C3%A1zquez/Don+Lu
%C3%ADs+de+G%C3%B3ngora+y+Argote/11775.html
http://www.excentricaonline.com/cartelera/cartelera_more.php?id=5774_0_10_0_M
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/gregorio-de-matos/gregorio-de-matos-2.php
http://www.diocesecaratinga.org.br/site/component/content/frontpage/frontpage?start=30
http://cafelivroearte.blogspot.com/2011/07/michelangelo-genio-da-historia-da-arte.html
http://www.coladaweb.com/exercicios-resolvidos/exercicios-resolvidos-de-portugues/barroco
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
1a Michelangelo / O dilúvio universal, entre 1508 e
1509 / Fotografia tirada por 1a2b3c? / GNU
Free Documentation License
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:El_Dilu
vio.jpg
07/03/2012
2 Rogier van der Weyden / A descida da cruz,
aproximadamente 1443 / Source:
http://www.kfki.hu/~arthp/html/w/weyden/rog
ier/01deposi/index.html / Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Weyde
n_Deposition.jpg
07/03/2012
3a Gianlorenzo Bernini / O êxtase de santa tereza,
1652 / Fotografia: Jastrow / Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ecstasy
_St_Theresa_SM_della_Vittoria.jpg
07/03/2012
3b Vista do retábulo maior do Convento de Santa
Inés, entre 1718 e 1749 / Fotografia: José Luis
Filpo Cabana / Creative Commons Attribution
3.0 Unported
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Santa_
In%C3%A9s._Sevilla.jpg
07/03/2012
9 Michelangelo Merisi da Caravaggio / A
crucificação de São Pedro, entre 1600 e 1601 /
Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Carava
ggio-Crucifixion_of_Peter.jpg
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Michel
angelo_Caravaggio_038.jpg
08/03/2012
10 Martinho Lutero pregando suas 95 teses na
porta da igreja do Castelo de Wittenberg, em
1517 / Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Luther
95theses.jpg
08/03/2012
11 João Calvino, século XVI / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:John_C
alvin_2.jpg
08/03/2012
Tabela de Imagens
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
13 Paolo Farinatis / Concílio de Trento , em 1563 /
Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Trident
inum.jpg
08/03/2012
14 Símbolo da Companhia de Jesus/ Disponibilizado
por Moranski / Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ihs-
logo.svg
08/03/2012
15 Quadro de uma pessoa sendo queimada na
fogueira / Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Inquisi
%C3%A7%C3%A3o.jpg
08/03/2012
16 Típica arquitetura barroca, foto tirada na igreja
do mosteiro católico em Schlierbach /
Fotografia: Max Gattringer / Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Stift_S
chlierbach_0788.JPG
08/03/2012
19 Juan Pantoja de la Cruz / Felipe II, em agosto de
1606 / Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pantoj
a_de_la_Cruz_Copia_de_Antonio_Moro.jpg
08/03/2012
20 José Rodrigues Nunes / Padre Antônio Vieira ,
antes de 1871 / Imagem do catálogo MAB/Safra
disponibilizada por Dornicke / Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Jos
%C3%A9_Rodrigues_Nunes_-_Padre_Ant
%C3%B4nio_Vieira.jpg
08/03/2012
24 Diego Velázquez / Retrato de Don Luis de
Góngora, em 1622 / Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Retrat
o_de_Don_Luis_de_G
%C3%B3ngora,_by_Diego_Vel%C3%A1zquez.jpg
08/03/2012
25 F. Briguiet / O poeta Gregório de Matos, século
XIX / Brazilian Copyright Law
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Greg
%C3%B3rio_de_Matos.jpg
08/03/2012
27 Autor desconhecido, cópia após um original
atribuído a João Vanderham, que era
tradicionalmente atribuída a Diego Velázquez /
Retrato de Francisco de Quevedo / Public
Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Retrat
o_de_Francisco_de_Quevedo,_after_an_original
_attributed_to_John_Vanderham.jpg
08/03/2012
Tabela de Imagens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A prova de linguagens do enem
A prova de linguagens do enemA prova de linguagens do enem
A prova de linguagens do enem
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 

Mais procurados (20)

A prova de linguagens do enem
A prova de linguagens do enemA prova de linguagens do enem
A prova de linguagens do enem
 
Arcadismo no brasil - autores e obras
Arcadismo no brasil  - autores e obrasArcadismo no brasil  - autores e obras
Arcadismo no brasil - autores e obras
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
O Triste Fim De Policarpo Quaresma - Lima Barreto
O Triste Fim De Policarpo Quaresma -  Lima BarretoO Triste Fim De Policarpo Quaresma -  Lima Barreto
O Triste Fim De Policarpo Quaresma - Lima Barreto
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Movimento pau brasil
Movimento pau brasilMovimento pau brasil
Movimento pau brasil
 
Os Sertões
Os SertõesOs Sertões
Os Sertões
 
Guimarães rosa
Guimarães rosaGuimarães rosa
Guimarães rosa
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 

Semelhante a Barroco

13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
Alecio Marcelo Vaz Vaz
 
Características do barroco
Características do barrocoCaracterísticas do barroco
Características do barroco
Wesley Henrique
 

Semelhante a Barroco (20)

Seiscentismo.ppt
Seiscentismo.pptSeiscentismo.ppt
Seiscentismo.ppt
 
Barroco Outubro.ppt
Barroco Outubro.pptBarroco Outubro.ppt
Barroco Outubro.ppt
 
Seiscentismo
SeiscentismoSeiscentismo
Seiscentismo
 
Seiscentismo.ppt
Seiscentismo.pptSeiscentismo.ppt
Seiscentismo.ppt
 
Barroco gregório de matos
Barroco gregório de matosBarroco gregório de matos
Barroco gregório de matos
 
A ARTE BARROCA
A ARTE BARROCAA ARTE BARROCA
A ARTE BARROCA
 
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Características do barroco
Características do barrocoCaracterísticas do barroco
Características do barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
artespalsticasbarroco.pdf
artespalsticasbarroco.pdfartespalsticasbarroco.pdf
artespalsticasbarroco.pdf
 
O barroco português
O barroco portuguêsO barroco português
O barroco português
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
7 barroco 2020
7 barroco 20207 barroco 2020
7 barroco 2020
 
Barroco nota de aula -
Barroco nota de aula    - Barroco nota de aula    -
Barroco nota de aula -
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 

Mais de NaraSomerhalder (13)

Revisao semantica
Revisao semanticaRevisao semantica
Revisao semantica
 
Ficha de exercicio regencia nominal e verbal
Ficha de exercicio regencia nominal e verbalFicha de exercicio regencia nominal e verbal
Ficha de exercicio regencia nominal e verbal
 
Regência verbal e nominal aula
Regência verbal e nominal aulaRegência verbal e nominal aula
Regência verbal e nominal aula
 
Trovadorismo humanismo e classicismo
Trovadorismo  humanismo e classicismoTrovadorismo  humanismo e classicismo
Trovadorismo humanismo e classicismo
 
Revisao semantica
Revisao semanticaRevisao semantica
Revisao semantica
 
Concordância verbal exercicio
Concordância verbal exercicioConcordância verbal exercicio
Concordância verbal exercicio
 
Concordancia nominal
Concordancia nominalConcordancia nominal
Concordancia nominal
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Ficha de exercicio funcoes da linguagem
Ficha de exercicio funcoes da linguagemFicha de exercicio funcoes da linguagem
Ficha de exercicio funcoes da linguagem
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Exercício fonética e fonologia
Exercício fonética e fonologiaExercício fonética e fonologia
Exercício fonética e fonologia
 
Produção textual ii
Produção textual iiProdução textual ii
Produção textual ii
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textual
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

Barroco

  • 1. Área – Língua Portuguesa Ensino Médio, Série 1ª TÓPICO: Seiscentismo / Barroco
  • 2. SEISCENTISMO / BARROCO Imagem: Michelangelo / O dilúvio universal, entre 1508 e 1509 / Fotografia tirada por 1a2b3c? / GNU Free Documentation License
  • 4. SEISCENTISMO / BARROCO No século XVII, o ser humano vive em conflito, atormentado por dúvidas existenciais, dividido entre uma postura racional e humanista e uma existência assombrada pela culpa religiosa. Conheça como o Barroco representou esse tempo de instabilidade e incerteza (1). Imagem:GianlorenzoBernini/Oêxtasedesantatereza,1652/ Fotografia:Jastrow/PublicDomain Imagem:VistadoretábulomaiordoConventodeSantaInés,entre1718 e1749/Fotografia:JoséLuisFilpoCabana/CreativeCommons Attribution3.0Unported
  • 5. SEISCENTISMO / BARROCO Moraliza o poeta nos ocidentes do sol a inconstância dos Bens do mundo Gregório de Matos Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, depois da Luz se segue a noite escura, em tristes sombras morre a formosura, Em contínuas tristezas a alegria. Temática: a transitoriedade da existência humana (não dura, sombras).
  • 6. SEISCENTISMO / BARROCO Século XVI – XVIII Barroco - deriva da palavra espanhola barueco (pérola de forma irregular). Período de conflito entre duas posturas - dúvidas existenciais: postura racional e humanista – concepção “classicista”. postura religiosa – concepção “medieval”. Resultado (Obras): as visões de mundo: Atropocentrismo x Teocentrismo
  • 7. SEISCENTISMO/BARROCO Contrastes Barroco: época (valores espirituais da Igreja x valores burgueses - o amor carnal, o dinheiro, a posição social, etc.) Dualismo: propicia o surgimento de uma arte que busca conciliar visões opostas (antíteses): espírito x carne, pecado x perdão, céu x terra, virtude x prazer, etc.
  • 8. SEISCENTISMO/BARROCO Na literatura, os contrastes se apresentam através das figuras de linguagem (antítese, paradoxo). Ex: Pequei, Senhor; mas não porque hei pecado, da vossa alta clemência me despido; porque, quanto mais tenho delinquido, vos tenho a perdoar mais empenhado.
  • 9. SEISCENTISMO/BARROCO Na pintura, conflito: claro x escuro. Imagem:MichelangeloMerisidaCaravaggio/AcrucificaçãodeSãoPedro,entre1600e1601/ PublicDomain
  • 10. SEISCENTISMO/BARROCO Contexto histórico: A Reforma Protestante No século XVI (1517), Martinho Lutero (teólogo alemão ) denuncia a prática das Indulgências. (95 teses pregadas na porta da igreja do Castelo de Wittenberg). Imagem: Martinh lutero pregando suas 95 teses na porta da igreja do Castelo de Wittenberg, em 1517 / Public Domain
  • 11. SEISCENTISMO/BARROCO João Calvino (um luterano) - defendia a prosperidade por meio do trabalho -> mais adeptos ao protestantismo. Imagem:JoãoCalvino,séculoXVI/PublicDomain
  • 12. SEISCENTISMO / BARROCO (2) Resposta da Igreja Católica ao avanço da Reforma Protestante Concílio de Trento Companhia de Jesus Inquisição e Índex
  • 13. SEISCENTISMO/BARROCO Contrarreforma: a resposta católica à Reforma Protestante Concílio de Trento (reunião de bispos), convocado pelo papa Paulo III ( 1545 a 1563) - cidade italiana de Trento.. Objetivo: emitir decretos disciplinares. Medidas tomadas: • reafirmados os dogmas da Igreja ( valor das indulgências e dos 7 sacramentos, reforço do culto da Virgem e dos Santos...); • reorganização e o fortalecimento da Inquisição; • instituição de uma lista de livros proibidos aos Católicos, o Index Librorum Prohibitorum (3). Imagem: Paolo Farinatis / Concílio de Trento , em 1563 / Public Domain
  • 14. SEISCENTISMO / BARROCO COMPANHIA DE JESUS Ordem religiosa criada em 1534 por um grupo de estudantes da Universidade de Paris liderados pelo basco Inácio de Loyola e aprovada pelo Papa Paulo III. Os jesuítas pautavam-se por uma obediência cega ao Papa e destacaram-se nas missões e no ensino (fundação de colégios e escolas) (4). Imagem: Símbolo da Companhia de Jesus/ Disponibilizado por Moranski / Public Domain
  • 15. SEISCENTISMO / BARROCO INQUISIÇÃO A Inquisição foi criada na Idade Média (século XIII) e era dirigida pela Igreja Católica Romana. Ela era composta por tribunais que julgavam todos aqueles considerados uma ameaça às doutrinas (conjunto de leis) desta instituição. Todos os suspeitos eram perseguidos e julgados, e aqueles que eram condenados, cumpriam as penas que podiam variar desde prisão temporária ou perpétua até a morte na fogueira, onde os condenados eram queimados vivos em plena praça pública (5). Imagem: Quadro de uma pessoa sendo queimada na fogueira / Public Domain
  • 16. SEISCENTISMO/BARROCO Barroco: arte espetacular - nas igrejas, atraía os fiéis, impressionando-os. Igrejas, capelas, estátuas de santos, sermões, textos e documentos sepulcrais - produzidos, então, para “conquistar” os fiéis. Arte da indisciplina: exagero de relevos. Imagem: Típica arquitetura barroca, foto tirada na igreja do mosteiro católico em Schlierbach / Fotografia: Max Gattringer / Public Domain
  • 17. SEISCENTISMO/BARROCO Características do estilo: • O fusionismo e o culto do contraste; - Na pintura: mistura entre luz e sombra; - Na música: combinação de sons; - Na literatura: associação entre a razão e a fé; • O pessimismo: miséria da condição humana (aspectos cruéis, dolorosos, repugnantes); • O rebuscamento: jogos de palavras e figuras de linguagem; • Dinamismo: sensação de movimento (linhas curvas);
  • 18. SEISCENTISMO / BARROCO Desenganos da vida humana, metaforicamente Gregório de Matos É vaidade, Fábio, nesta vida, Rosa, que da manhã lisonjeada, Púrpuras mil, com ambição dourada, Airosa rompe, arrasta presumida. Estilo barroco: soneto com versos decassílabos rimados Temática: a transitoriedade da existência terrena Linguagem: figuras de linguagem ( Metáfora: o próprio título, a vaidade é rosa ) ( Hipérbato : “É a vaidade, Fábio, nesta vida ) ( Hipérbole: “púrpuras mil”) rebuscamento vocabular: (lisonjeada, púrpuras, airosa)
  • 19. SEISCENTISMO/BARROCO Barroco em Portugal: Contexto histórico Início 1580 (domínio espanhol) -> morte de Dom Sebastião (Alcácer Quibir) Unificação da Península Ibérica – Felipe II Imagem: Juan Pantoja de la Cruz / Felipe II, em agosto de 1606 / Public Domain
  • 20. SEISCENTISMO / BARROCO Barroco em Portugal Escritores: Padre Antônio Vieira Francisco Rodrigues Lobo D. Francisco Manuel de Melo Padre Manuel Bernardes Sóror Mariana do Alcoforado Imagem: José Rodrigues Nunes / Padre Antônio Vieira , antes de 1871 / Imagem do catálogo MAB/Safra disponibilizada por Dornicke / Public Domain
  • 21. SEISCENTISMO / BARROCO Barroco no Brasil: Contexto histórico Século XVI – XVIII • Colônia de Portugal • Salvador (capital e sede da administração) • Produções artísticas - moldes de Portugal (ideal da Igreja) • Não existia imprensa • Marco Inicial: (1601) poema épico “Prosopopeia “ – Bento Teixeira (Jorge de Albuquerque Coelho - donatário da capitania de Pernambuco)
  • 22. SEISCENTISMO / BARROCO Brasil Representantes e Obras : • Gregório de Matos: (maior poeta satírico: “boca do inferno”) Obras: Poesia lírica, satírica, filosófica e religiosa • Padre Antônio Vieira (sermões ) Obras: Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as de Holanda (Bahia – 1640) Sermão da primeira dominga da Quaresma (Maranhão – 1653)
  • 23. SEISCENTISMO / BARROCO Gregório de Matos: “Boca do Inferno” Sátiras (o clero, os governantes e toda a sociedade baiana ) Exílio: Angola Descreve o que era naquele tempo a cidade da Bahia A cada canto um grande conselheiro, Que nos quer governar cabana e vinha; Não sabem governar sua cozinha, E podem governar o mundo inteiro. Em cada porta um bem frequente olheiro, Que a vida do vizinho e da vizinha Pesquisa, escuta, espreita e esquadrinha, Para o levar à praça e ao terreiro.
  • 24. SEISCENTISMO/BARROCO Correntes do Barroco: 1.Cultismo (Gongorismo) – predomínio na poesia • Intenção moralizante por meio dos sentidos; • Teor descritivo; • Valorização da forma de expressão; • Estilo opulento e suntuoso; • Rebuscamento vocabular - neologismos, figuras de sintaxe (hipérbatos, anacolutos), figuras de linguagem (metáforas, antíteses, sinestesias) (6). Imagem: Diego Velázquez / Retrato de Don Luis de Góngora, em 1622 / Public Domain
  • 25. SEISCENTISMO / BARROCO Obra de Gregório de Matos: Ao braço do Menino Jesus de Nossa Senhora das Maravilhas, a quem infiéis despedaçaram O todo sem parte não é todo, A parte sem o todo não é parte, Mas se a parte o faz todo, sendo parte, Não se diga que é parte, sendo todo Imagem: F. Briguiet / O poeta Gregório de Matos, século XIX / Brazilian Copyright Law
  • 26. SEISCENTISMO / BARROCO Ao braço do Menino Jesus: Um exemplo de poesia cultista. Soneto (clássico) - através de um jogo de palavras utilizando “todo” e “parte” o poeta apresenta uma imagem de Jesus despedaçada e diz que o braço é parte, mas também todo. É uma apologia a questão de que todos os batizados são partes de um todo que é a Igreja, que por sua vez, é o corpo de Cristo (7).
  • 27. SEISCENTISMO/BARROCO 2.Conceptismo (Quevedismo) – predomínio na prosa • Intenção educativa pelo convencimento e raciocínio lógico; • Teor argumentativo, conceptual; • Valorização do conteúdo; relações lógicas das ideias; • Estilo conciso e ordenado; • Aproveitamento das nuances semânticas: duplo sentido, associações inesperadas e engenhosas, paradoxos, comparações inusitadas (8). Imagem: Autor desconhecido, cópia após um original atribuído a João Vanderham, que era tradicionalmente atribuída a Diego Velázquez / Retrato de Francisco de Quevedo / Public Domain
  • 28. SEISCENTISMO/BARROCO Conceptismo Figuras de linguagens nas obras literárias conceptistas: Silogismo: dedução de duas ou mais proposições. Exemplo: Todo ser humano é mortal. (proposição 1); Eu sou um ser humano. (proposição 2); Logo, sou mortal (conclusão).
  • 29. Atividade 01. (UNIV. CAXIAS DO SUL) Escolha a alternativa que completa de forma correta a frase abaixo: A linguagem ______, o paradoxo, ________ e o registro das impressões sensoriais são recursos lingüísticos presentes na poesia ________. a) simples; a antítese; parnasiana. b) rebuscada; a antítese; barroca. c) objetiva; a metáfora; simbolista. d) subjetiva; o verso livre; romântica. e) detalhada; o subjetivismo; simbolista.
  • 30. 02. (MACKENZIE-SP) Assinale a alternativa incorreta: a) Na obra de José de Anchieta, encontram-se poesias que seguem a tradição medieval e textos para teatro com clara intenção catequista. b) A literatura informativa do Quinhentismo brasileiro empenha-se em fazer um levantamento da terra, daí ser predominantemente descritiva. c) A literatura seiscentista reflete um dualismo:o ser humano dividido entre a matéria e o espírito, o pecado e o perdão. d) O Barroco apresenta estados de alma expressos através de antíteses, paradoxos, interrogações. e) O conceptismo caracteriza-se pela linguagem rebuscada, culta, extravagante, enquanto o cultismo é marcado pelo jogo de idéias, seguindo um raciocínio lógico, racionalista.
  • 31. 03. Com referência ao Barroco, todas as alternativas são corretas, exceto (9): a) O Barroco estabelece contradições entre espírito e carne, alma e corpo, morte e vida. b) O homem centra suas preocupações em seu próprio ser, tendo em mira seu aprimoramento, com base na cultura greco-latina. c) O Barroco apresenta, como característica marcante, o espírito de tensão, conflito entre tendências opostas: de um lado, o teocentrismo medieval e, de outro, o antropocentrismo renascentista. d) A arte barroca é vinculada à Contra-Reforma. e) O barroco caracteriza-se pela sintaxe obscura, uso de hipérbole e de metáforas.
  • 32. 04. (VUNESP) Ardor em firme coração nascido; pranto por belos olhos derramado; incêndio em mares de água disfarçado; rio de neve em fogo convertido: tu, que em um peito abrasas escondido; tu, que em um rosto corres desatado; quando fogo, em cristais aprisionado; quando crista, em chamas derretido. Se és fogo, como passas brandamente, se és fogo, como queimas com porfia? Mas ai, que andou Amor em ti prudente! Pois para temperar a tirania, como quis que aqui fosse a neve ardente, permitiu parecesse a chama fria.
  • 33. O texto pertencente a Gregório de Matos e apresenta todas seguintes características: a) Trocadilhos, predomínio de metonímias e de símiles, a dualidade temática da sensualidade e do refreamento, antíteses claras dispostas em ordem direta. b) Sintaxe segundo a ordem lógica do Classicismo, a qual o autor buscava imitar, predomínio das metáforas e das antíteses, temática da fugacidade do tempo e da vida. c) Dualidade temática da sensualidade e do refreamento, construção sintática por simétrica por simetrias sucessivas, predomínio figurativo das metáforas e pares antitéticos que tendem para o paradoxo. d) Temática naturalista, assimetria total de construção, ordem direta predominando sobre a ordem inversa, imagens que prenunciam o Romantismo.
  • 34. 05. A respeito de Gregório de Matos, assinale a alternativa incorreta: (10) a) Alguns de seus sonetos sacros e líricos transpõem, com brilho, esquemas de Gôngora e de Quevedo. b) Alma maligna, caráter rancoroso,relaxado por temperamento e costumes, verte fel em todas as suas sátiras. c) Na poesia sacra, o homem não busca o perdão de Deus; não existe o sentimento de culpa, ignorando-se a busca do perdão divino. d) As suas farpas dirigiam-se de preferência contra os fidalgos caramurus. e) A melhor produção literária do autor é constituída de poesias líricas, em que desenvolve temas constantes da estática barroca, como a transitoriedade da vida e das coisas.
  • 35. Texto para as questões 06 a 08 (11) À INSTABILIDADE DAS COUSAS DO MUNDO Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, Depois da Luz se segue a noite escura, Em tristes sombras morre a formosura, Em continuas tristezas a alegrias, Porém, se acaba o Sol, por que nascia? Se é tão formosa a Luz, por que não dura? Como a beleza assim se transfigura? Como o gosto, da pena assim se fia? Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria, sinta-se triste. Começa o Mundo enfim pela ignorância A firmeza somente na inconstância.
  • 36. 06. No texto predominaram as imagens (12): a) olfativas; b) gustativas; c) auditivas; d) táteis; e) visuais. 07. A ideia central do texto é (13): a) a duração efêmera de todas as realidades do mundo; b) a grandeza de Deus e a pequenez humana; c) os contrastes da vida; d) a falsidade das aparências; e) a duração prolongada do sofrimento.
  • 37. 08. Qual é o elemento barroco mais característico da 1ª estrofe (14)? a) disposição antitética da frase; b) cultismo; c) estrutura bimembre; d) concepção teocênctrica; e) estrutura correlativa, disseminativa e recoletiva. 09. (SANTA CASA) A preocupação com a brevidade da vida induz o poeta barroco a assumir uma atitude que: a) descrê da misericórdia divina e contesta os valores da religião; b) desiste de lutar contra o tempo, menosprezando a mocidade e a beleza; c) se deixa subjugar pelo desânimo e pela apatia dos céticos; d) se revolta contra os insondáveis desígnios de Deus; e) quer gozar ao máximo seus dias, enquanto a mocidade dura.
  • 38. 10. (UEL) Identifique a afirmação que se refere a Gregório de Matos: a) No seu esforço da criação a comédia brasileira, realiza um trabalho de crítica que encontra seguidores no Romantismo e mesmo no restante do século XIX. b) Sua obra é uma síntese singular entre o passado e o presente: ainda tem os torneios verbais do Quinhentismo português, mas combina-os com a paixão das imagens pré-românticas. c) Dos poetas arcádicos eminentes, foi sem dúvida o mais liberal, o que mais claramente manifestou as ideias da ilustração francesa. d) Teve grande capacidade em fixar num lampejo os vícios, os ridículos, os desmandos do poder local, valendo-se para isso do engenho artificioso que caracteriza o estilo da época. e) Sua famosa sátira à autoridade portuguesa na Minas do chamado ciclo do ouro é prova de que seus talento não se restringia ao lirismo amoroso.
  • 39. Gabarito: 01 - B 02 - E 03 - B 04 - C 05 - D 06 - E 07 - A 08 - A 09 - E 10 - D 2
  • 40. Seiscentismo / Barroco Referências bibliográficas: NICOLA, José de. Português – Vol 1. Ensino Médio. São Paulo: Scipione, 2011. HERNANDES, Roberta; MARTIN, Vilma Lia. Projeto ECO – Língua Portuguesa – Vol 1. Curitiba: Editora Positivo,2010. CEREJA, Willian Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português – Linguagens. Vol 1. São Paulo: Editora Saraiva, 2010. CAMPOS, Elizabeth; CARDOSO, Paula Marques; ANDRADE, Silvia Letícia de. Viva Português – Vol 1. São Paulo: Editora Ática. ABAURRE, Maria Luiza M.; ABAURRE, Maria Bernadete M.; PONTARA, Marcela. Português – Contexto, Interlocução e Sentido. Vol 1. São Paulo: Moderna, 2010.
  • 41. SEISCENTISMO / BARROCO Endereços Eletrônicos: BUSCA http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/historia-da-arte/historia-da-arte-4.php http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/capas/historia-geral/contra-reforma.php http://assembleianospuritanos.blogspot.com/2011/05/suportando-perseguicao-joao-calvino.html http://historia8eb23dduarte.blogspot.com/2008/02/mentalidade-barroca.html http://ostemposdahistoria.blogspot.com/2010/10/uinao-iberica.html http://www.vidaslusofonas.pt/padre_antonio_vieira.htm http://www.reproarte.com/picture/Diego+R_+de+Silva+y_Vel%C3%A1zquez/Don+Lu %C3%ADs+de+G%C3%B3ngora+y+Argote/11775.html http://www.excentricaonline.com/cartelera/cartelera_more.php?id=5774_0_10_0_M http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/gregorio-de-matos/gregorio-de-matos-2.php http://www.diocesecaratinga.org.br/site/component/content/frontpage/frontpage?start=30 http://cafelivroearte.blogspot.com/2011/07/michelangelo-genio-da-historia-da-arte.html http://www.coladaweb.com/exercicios-resolvidos/exercicios-resolvidos-de-portugues/barroco
  • 42. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 1a Michelangelo / O dilúvio universal, entre 1508 e 1509 / Fotografia tirada por 1a2b3c? / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:El_Dilu vio.jpg 07/03/2012 2 Rogier van der Weyden / A descida da cruz, aproximadamente 1443 / Source: http://www.kfki.hu/~arthp/html/w/weyden/rog ier/01deposi/index.html / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Weyde n_Deposition.jpg 07/03/2012 3a Gianlorenzo Bernini / O êxtase de santa tereza, 1652 / Fotografia: Jastrow / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ecstasy _St_Theresa_SM_della_Vittoria.jpg 07/03/2012 3b Vista do retábulo maior do Convento de Santa Inés, entre 1718 e 1749 / Fotografia: José Luis Filpo Cabana / Creative Commons Attribution 3.0 Unported http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Santa_ In%C3%A9s._Sevilla.jpg 07/03/2012 9 Michelangelo Merisi da Caravaggio / A crucificação de São Pedro, entre 1600 e 1601 / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Carava ggio-Crucifixion_of_Peter.jpg http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Michel angelo_Caravaggio_038.jpg 08/03/2012 10 Martinho Lutero pregando suas 95 teses na porta da igreja do Castelo de Wittenberg, em 1517 / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Luther 95theses.jpg 08/03/2012 11 João Calvino, século XVI / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:John_C alvin_2.jpg 08/03/2012 Tabela de Imagens
  • 43. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 13 Paolo Farinatis / Concílio de Trento , em 1563 / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Trident inum.jpg 08/03/2012 14 Símbolo da Companhia de Jesus/ Disponibilizado por Moranski / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ihs- logo.svg 08/03/2012 15 Quadro de uma pessoa sendo queimada na fogueira / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Inquisi %C3%A7%C3%A3o.jpg 08/03/2012 16 Típica arquitetura barroca, foto tirada na igreja do mosteiro católico em Schlierbach / Fotografia: Max Gattringer / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Stift_S chlierbach_0788.JPG 08/03/2012 19 Juan Pantoja de la Cruz / Felipe II, em agosto de 1606 / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pantoj a_de_la_Cruz_Copia_de_Antonio_Moro.jpg 08/03/2012 20 José Rodrigues Nunes / Padre Antônio Vieira , antes de 1871 / Imagem do catálogo MAB/Safra disponibilizada por Dornicke / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Jos %C3%A9_Rodrigues_Nunes_-_Padre_Ant %C3%B4nio_Vieira.jpg 08/03/2012 24 Diego Velázquez / Retrato de Don Luis de Góngora, em 1622 / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Retrat o_de_Don_Luis_de_G %C3%B3ngora,_by_Diego_Vel%C3%A1zquez.jpg 08/03/2012 25 F. Briguiet / O poeta Gregório de Matos, século XIX / Brazilian Copyright Law http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Greg %C3%B3rio_de_Matos.jpg 08/03/2012 27 Autor desconhecido, cópia após um original atribuído a João Vanderham, que era tradicionalmente atribuída a Diego Velázquez / Retrato de Francisco de Quevedo / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Retrat o_de_Francisco_de_Quevedo,_after_an_original _attributed_to_John_Vanderham.jpg 08/03/2012 Tabela de Imagens